LIDERANÇA NA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL. Cristina Duarte Contente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIDERANÇA NA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL. Cristina Duarte Contente"

Transcrição

1 LIDERANÇA NA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL 1

2 A LIDERANÇA NA SEGURANÇA NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL

3 OBJETIVO DEMOSTRAR COMO AS EMPRESAS NACIONAIS ASSUMEM A LIDERANÇA NA GESTÃO DA SST 3

4 ENQUADRAMENTO TEÓRICO Segundo a EU-OSHA : LIDERANÇA Um empenhamento claro e ativo por parte do conselho de administração e dos empregadores; O estabelecimento de sistemas de comunicação descendentes e de estruturas de gestão eficazes ou de comunicação cruzada, no caso das pequenas empresas; O empenhamento dos trabalhadores e dos seus representantes na promoção e na obtenção de condições de trabalho seguras e saudáveis, habilitando-os para o efeito, incentivando uma comunicação ascendente eficaz e assegurando formação de elevada qualidade; Uma gestão da segurança e saúde baseada na avaliação dos riscos; A integração de uma boa gestão da segurança e saúde em todos os locais da empresa; Fazer da segurança e saúde um elemento fundamental das estratégias de responsabilidade social da empresa (bem como um dos seus valores); A promoção destas ideias em toda a cadeia de abastecimentos; O acompanhamento, a exposição e a avaliação do desempenho em matéria da SST. 4

5 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO -IMPORTÂNCIA 270 milhões de acidentes de trabalho ocorrem por ano, dos quais com consequências fatais. Cerca de 490 mil milhões de euros são gastos anualmente à economia europeia em acidentes e problemas de saúde relacionados com o trabalho. Uma pessoa em cada 15 segundos morre em consequência de acidentes trabalho e doenças profissionais. (Fonte: ILO statistic) 5

6 METODOLOGIA 6

7 Fonte: GEP- Quadros de pessoal 2010, publicado em junho 2012 (PME) empresas que empregam menos de 250 pessoas e cujo volume de negócios anual não excede 50 milhões de euros ou cujo balanço total anual não excede 43 milhões de euros. Pequena empresa menos de 50 pessoas e cujo volume de negócios anual ou balanço total anual não excede 10 milhões de euros. Microempresa menos de 10 pessoas e cujo volume de negócios anual ou balanço total anual não excede 2 milhões de euros. (Fonte: EUROSTAT) Em Portugal 99 % das empresas correspondem a micro, pequenas e médias empresas. 7

8 DADOS EMPRESAS PREVENIR Identificar se as PME portuguesas contemplam práticas de gestão de SST EMPRESAS CERTIFICADORAS Identificar o estágio de maturidade do sistema de SST relativamente aos outros SG (qualidade, ambiente e responsabilidade social) ESTUDO DE CASO Identificar a valorização dos trabalhadores nas questões de SST 8

9 As questões tratadas que estão diretamente relacionadas com os parâmetros de avaliação da liderança em matéria de SST e são: O tipo de sistema de gestão implementado na empresa; A existência de uma avaliação de riscos; A existência dum diagnóstico ou manual de SST; A existência dum plano de ação ou atividades na área de SST; A existência de metas e objetivos de SST; A existência dum plano de formação que contemple a SST. 9

10 CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA Setor de atividade Nr. Empresas Nr. Trabalhadores (%) Quadro profissional(%) <50 50 a 100 >100 Administrativos Comerciais Fabris Gestão Outros Indústria Metalúrgica e Metalomecânica Indústria da Madeira e do Mobiliário Indústria Têxtil e do Vestuário Indústria da Cerâmica e do Vidro Indústria da Borracha e das Matérias Plásticas Indústria Alimentar e das Bebidas Indústria dos Produtos Quimicos Indústria da Joalharia, Ourivesaria e Relojoaria

11 CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA 11

12 O tipo de sistema de gestão implementado na empresa Setor de atividade Modalidade de Serviços ST-Empresas (%) Emp. c/ Comunicação ACT (%) Modalidade de Serviços MT-Empresas (%) Emp. c/ Comunicação DGS (%) Internos Externos Comuns NE Sim Não NA Internos Externos Comuns NE Sim Não NA Indústria Metalúrgica e Metalomecânica Indústria da Madeira e do Mobiliário Indústria Têxtil e do Vestuário Indústria da Cerâmica e do Vidro Indústria da Borracha e das Matérias Plásticas Indústria Alimentar e das Bebidas Indústria dos Produtos Quimicos Indústria da Joalharia, Ourivesaria e Relojoaria

13 A existência de uma avaliação de riscos Setor de atividade Avaliação de Riscos (%) Sim (antiga) Sim (Atual) Não Indústria Metalúrgica e Metalomecânica Indústria da Madeira e do Mobiliário Indústria Têxtil e do Vestuário Indústria da Cerâmica e do Vidro Indústria da Borracha e das Matérias Plásticas Indústria Alimentar e das Bebidas Indústria dos Produtos Quimicos Indústria da Joalharia, Ourivesaria e Relojoaria

14 A existência dum diagnóstico ou manual de procedimentos em SST Setor de atividade Manual de procedimentos SST (%) Sim (antiga) Sim (Atual) Não Indústria Metalúrgica e Metalomecânica Indústria da Madeira e do Mobiliário Indústria Têxtil e do Vestuário Indústria da Cerâmica e do Vidro Indústria da Borracha e das Matérias Plásticas Indústria Alimentar e das Bebidas Indústria dos Produtos Quimicos Indústria da Joalharia, Ourivesaria e Relojoaria

15 A existência dum plano de ação ou atividades na área de SST Setor de atividade Plano de Ação ou atividades SST (%) Sim Não Indústria Metalúrgica e Metalomecânica Indústria da Madeira e do Mobiliário Indústria Têxtil e do Vestuário Indústria da Cerâmica e do Vidro Indústria da Borracha e das Matérias Plásticas Indústria Alimentar e das Bebidas Indústria dos Produtos Quimicos Indústria da Joalharia, Ourivesaria e Relojoaria

16 AexistênciademetaseobjetivosdeSST Setor de atividade Metas e Objetivos na área de SST (%) Sim Não Indústria Metalúrgica e Metalomecânica Indústria da Madeira e do Mobiliário Indústria Têxtil e do Vestuário Indústria da Cerâmica e do Vidro Indústria da Borracha e das Matérias Plásticas Indústria Alimentar e das Bebidas Indústria dos Produtos Quimicos Indústria da Joalharia, Ourivesaria e Relojoaria

17 A existência dum plano de formação que contemple a SST Setor de atividade Ações de formação na área da SST (%) Nr. horas de formação na área de SST (%) Periodo da realização das ações 0 horas 1 a 5 6 a 10 > a a a 90 >90 Laboral Misto Pós Laboral N/A Indústria Metalúrgica e Metalomecânica Indústria da Madeira e do Mobiliário Indústria Têxtil e do Vestuário Indústria da Cerâmica e do Vidro Indústria da Borracha e das Matérias Plásticas Indústria Alimentar e das Bebidas Indústria dos Produtos Quimicos Indústria da Joalharia, Ourivesaria e Relojoaria Setor de atividade Recetividade dos trabalhadores às ações SST Não sabe Indiferente Boa Razoável Má Indústria Metalúrgica e Metalomecânica Indústria da Madeira e do Mobiliário Indústria Têxtil e do Vestuário Indústria da Cerâmica e do Vidro Indústria da Borracha e das Matérias Plásticas Indústria Alimentar e das Bebidas Indústria dos Produtos Quimicos Indústria da Joalharia, Ourivesaria e Relojoaria

18 QUESTÕES DO INQUERITO RESULTADOS OBTIDOS Tipo de sistema implementado na Empresa A modalidade de organização de serviços de segurança no trabalho e de Medicina no Trabalho mais utilizada pelas empresas é a EXTERNA e está devidamente legalizada pela comunicação aos respetivos Organismos de estado que tutelam cada uma das áreas em Portugal. Existência de avaliação de Riscos Existência de Manual de segurança A maioria das empresas não tem as avaliações de risco da sua atividade. A inexistência de um manual de segurança na maioria das empresas da amostra. Existência de Plano de atividades SST A inexistência de Plano de atividades para a área da SST na maioria das empresas da amostra. Existência de Metas e objetivos de SST Existência dum plano de formação que integre a SST A inexistência de objetivos e metas para a gestão da SST na maioria das empresas da amostra. Existe formação, mas as ações são de curta duração e num sistema misto (laboral e pós laboral). 18

19 DADOS EMPRESAS PREVENIR Identificar se as PME portuguesas contemplam práticas de gestão de SST EMPRESAS CERTIFICADORAS Identificar o estágio de maturidade do sistema de SST relativamente aos outros SG (qualidade, ambiente e responsabilidade social) ESTUDO DE CASO Identificar a valorização dos trabalhadores nas questões de SST 19

20 EMPRESAS CERTIFICADORAS Identificar o estágio de maturidade do sistema de SST relativamente aos outros SG (qualidade, ambiente e responsabilidade social) ESTUDO DE CASO Identificar a valorização dos trabalhadores nas questões de SST 20

21 Sistemas de Gestão Realizada uma consulta ao site do IPAC Instituto Português de Acreditação ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO Sistemas de Gestão da Qualidade ISO Associação Portuguesa de Certificação 2. SGS ICS - Serviços Internacionais de Certificação, Lda. 3. Lloyd s Register EMEA Portugal 4. Bureau Veritas Certification Portugal, Unipessoal, Lda. 5. EIC - Empresa Internacional de Certificação, S.A. 6. TUV Rheinland Portugal, Inspecções Técnicas, Lda. 7. Asociación Española de Normalización y Certificación 8. CERTIF - Associação para a Certificação Sistemas de Gestão Ambiental ISO Associação Portuguesa de Certificação 2. SGS ICS - Serviços Internacionais de Certificação, Lda. 3. Lloyd s Register EMEA - Portugal 4. Bureau Veritas Certification Portugal, Unipessoal, Lda. 5. EIC - Empresa Internacional de Certificação, S.A. 6. TUV Rheinland Portugal, Inspecções Técnicas, Lda. 7. Asociación Española de Normalización y Certificación 8. CERTIF - Associação para a Certificação Sistemas de Gestão da Segurança e da Saúde no Trabalho OHSAS & NP Associação Portuguesa de Certificação 2. SGS ICS - Serviços Internacionais de Certificação, Lda. 3. Bureau Veritas Certification Portugal, Unipessoal, Lda. 4. EIC - Empresa Internacional de Certificação, S.A. 21

22 Empresas com Sistemas de Gestão Dados: junho 2013 Empresas certificadas IPAC 0,003% Referencial Número de empresas 15% ISO 9001 ISO % ISO OHSAS ISO OHSAS Empresas certificadas APCER REFERENCIAL EMPRESAS CERTIFICADAS 18% 10% 1% ISO 9001 ISO ISO % ISO OHSAS OHSAS SA8000 SA

23 Empresas com Sistemas de Gestão Dados: junho 2013 Empresas Certificadas IPAC ISO 9001; ISO ISO 9001; OHSAS Referencial Empresas Certificadas 5% ISO 9001; ISO ISO 9001; OHSAS % ISO 9001 OU ISO OU OHSAS Empresas Certificadas APCER ISO 9001; ISO ISO 9001; OHSAS18001 ISO 9001; SA 8000 ISO 14001; OHSAS18001 ISO 9001; ISO 14001; OHSAS Referencial Empresas certificadas ISO 9001; ISO ISO 9001; OHSAS % 42% 22% 5% 3% ISO 9001; SA ISO 14001; OHSAS ISO 9001; ISO 14001; OHSAS

24 Empresas com Sistemas de Gestão ISO 9001 IPAC 16,6 % empresas do setor do comércio por grosso e a retalho. 10,8 % empresas do setor da construção civil e obras públicas. APCER 11,4 % empresas do setor do comércio por grosso e a retalho. 9,4 % empresas do setor da construção civil e obras públicas. ISO OHSAS ,9 % empresas do setor da construção civil e obras públicas. 10,2 % empresas do setor do comércio por grosso e a retalho. 50% empresas do setor da construção civil. 16,5 % empresas do setor da construção civil e obras públicas. 9,3% % empresas do setor do comércio por grosso e a retalho. 9,3% % empresas do setor da investigação, desen. de ativ. arquitetura, engenharia e técnicas afins. 19,7% empresas do setor da construção civil e obras públicas. 12,3% empresas do setor da investigação, desen. de ativ. arquitetura, engenharia e técnicas afins, SA 8000 Não tem setor predominante 24

25 EMPRESAS CERTIFICADORAS Identificar o estágio de maturidade do sistema de SST relativamente aos outros SG (qualidade, ambiente e responsabilidade social) ESTUDO DE CASO Identificar a valorização dos trabalhadores nas questões de SST 25

26 ESTUDO DE CASO Identificar a valorização dos trabalhadores nas questões de SST 26

27 O modelo MINEX é baseado em uma estrutura conceitual sistémica que coloca a eficácia da gestão organizacional como função de seis categorias: Fonte: Mineral Council of Australia (2001) O ponto forte: permitir ajudar as empresas a medir o seu próprio desempenho através dum questionário facilmente utilizado e que permite identificar as oportunidades de melhoria na gestão da SST na empresa (sito in Agência Europeia de Segurança e Saúde no trabalho Recognition schemes in occupational safety and health ) 27

28 Estudo Caso Uma PME cuja atividade está integrada no CAE Organização de feiras, congressos e outros eventos. Esta empresa com 39 trabalhadores, pertence a um grupo empresarial que abrange cerca de 220 trabalhadores, com diferentes escolaridades desde o ensino básico a doutoramento distribuído por outras atividades. Estas empresas partilham alguns serviços tais como o área dos recursos humanos, a área financeira e muito recentemente o serviço de segurança e saúde no trabalho (modalidade de serviços comuns). A empresa resultou da autonomização dum departamento duma das empresas do grupo, tendo incorporadas na sua gestão alguns princípios que advêm do sistema de certificação segundo o referencial NP EN IS

29 29

30 1 LIDERANÇAS 1.1 Liderança da gestão de topo O questionário tem 22 proposições. Para cada uma das proposições foi associada 3 (três) perguntas formuladas em questões com 5 (cinco) alternativas que se repetiam para todas as demais, totalizando 66 (sessenta e seis) questões. A gestão de topo estabelece, divulga e assegura o entendimento da política, objetivos, metas, diretrizes e dos valores da organização com relação à SST e do bem estar dos trabalhadores, evidenciando a importância, o entendimento e o seu comprometimento nesse processo perante todas as partes interessadas. Questão 01 Com relação à proposição apresentada, qual das seguintes alternativas melhor descreve o sistema de gestão da SST existente na empresa em que você trabalha? 1. A proposição descreve práticas de gestão inexistentes. 2. A proposição descreve práticas de gestão que apresentam poucas evidências de aplicação; encontram se divulgadas e integradas por poucas áreas. Identifica se que o seu uso continuado ocorre com muitas lacunas e variações importantes que comprometem os objetivos do item. 3. A proposição descreve práticas de gestão que apresentam algumas evidências de aplicação; encontram se divulgadas e integradas por algumas áreas. Identifica se que o seu uso continuado ocorre com algumas lacunas e variações que podem vir a comprometer os objetivos do item. 4. A proposição descreve práticas de gestão que apresentam muitas evidências de aplicação; encontram se divulgadas e integradas pela maioria das áreas. Identifica se que seu uso continuado apresenta poucas lacunas e variações, mas que podem vir a comprometer os objetivos do item. 5. A proposição descreve práticas de gestão que apresentam muitas evidências de aplicação; encontram se amplamente disseminadas e integradas por todas as áreas. Identifica se que seu uso continuado não apresenta lacunas ou variações importantes que possam vir a comprometer os objetivos do item. Questão 02 A proposição descreve práticas que a sua empresa considera importante para estarem contempladas no processo de avaliação do desempenho do sistema de gestão da SST? 1. Discordo totalmente 2. Discordo 3. Tenho dúvidas 4. Concordo 5. Concordo totalmente Questão 03 A proposição descreve práticas importantes que deveriam ser recomendadas para serem incorporadas integralmente no sistema de gestão da SST da empresa? 1. Discordo totalmente 2. Discordo 3. Tenho dúvidas 4. Concordo 5. Concordo totalmente 30

31 31

32 Como as proposições foram adaptadas a partir dos itens que compõem as categorias do modelo MINEX, utilizou-se o índice alpha (α) de Cronbach. O α de Cronbach foi utilizado para a confiabilidade da consistência interna do instrumento de pesquisa utilizado, ou seja um indicador de que o inquérito/entrevista proposto mede o que ele se propõem a medir. 32

33 VARIÁVEIS ASSOCIADAS ÀS PROPOSIÇÕES VARIAVEL AMBITO RESULTADOS VAR MaturidadeMINEX Maturidade das Práticas da Gestão da segurança e saúde no trabalho. Mostram existirem lacunas e variações que podem vir a comprometer a eficácia da gestão de SST (97%). 3% inaceitável 57,6% deficiente 36,4% aceitável VAR Importânciaavaliar Importância das práticas de gestão na avaliação de desempenho. Reconhecido a importância nas práticas de gestão SST ea sua integração no processo de avaliação do desempenho da gestão SST 87,9% importante 12,1% muito importante VAR AceitaMINEX Aceitabilidade das práticas na Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Os trabalhadores demostram grande aceitabilidade das práticas de gestão SST para modelarem o Sistema 3% indiferente 78,8% importante 18,2% muito importante 33

34 VARIÁVEIS ASSOCIADAS ÀS CATEGORIAS (6) VARIAVEL AMBITO RESULTADOS VAR Maturidade Liderança Maturidade da categoria Liderança. Mostram que a empresa deve rever as suas práticas de liderança. 6,1% inaceitável 42,4% deficiente 48,5% aceitável (97%) Comparação VAR MaturidadeMINEX O Valor em ambas demonstra lacunas nas práticas de gestão nesta categoria. VAR Importância Liderança Importância da categoria Liderança na avaliação de desempenho. Reconhecem a importância da categoria Liderança no processo de avaliação do desempenho do SGSST. 81,8% importante 6,1% muito importante (87,9%) Comparação VAR Importânciaavaliar Os trabalhadores consideraram importante e muito importante contemplar esta categoria no SGSST. VAR AceitaLiderança Aceitabilidade da categoria Liderança. Os trabalhadores demostram grande aceitabilidade às sugestões das práticas de gestão SST para modelarem o Sistema. 9,1% indiferente 81,8 % importante 9,1% muito importante Comparação VAR AceitaMINEX Os trabalhadores consideraram importante e muito importante Que as práticas de gestão desta categoria sejam contempladas no SGSST. 34

35 VARIÁVEIS ASSOCIADAS ÀS CATEGORIAS (6) VARIAVEL AMBITO RESULTADOS VAR Maturidade Gestão VAR Importância Gestão Maturidade da categoria Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho. Importância da categoria Gestão da Segurança e Saúde no trabalho na avaliação de desempenho. Mostram que a empresa deve rever as suas práticas de gestão. Reconhecido da categoria Liderança no processo de avaliação do desempenho do SGSST. 48,5% deficiente 45,5% aceitável ( 94%) 12,1 % indiferentes 75,8% importante 12,1% muito importante Comparação VAR MaturidadeMINEX O Valor em ambas (97%/94%) demonstra lacunas nas práticas de gestão nesta categoria. Comparação VAR Importânciaavaliar Os trabalhadores consideraram importante e muito importante contemplar esta categoria no SGSST. VAR AceitaGestão Aceitabilidade da categoria Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho. Os trabalhadores demostram grande aceitabilidade às sugestões das práticas de gestão SST para modelarem o Sistema. 3% indiferente 84,8 % importante 12,1% muito importante Comparação VAR AceitaMINEX Os trabalhadores consideraram importante e muito importante Que as práticas de gestão desta categoria sejam contempladas no 35 SGSST.

36 VARIÁVEIS ASSOCIADAS ÀS CATEGORIAS (6) 36

37 Conclusões Identificar se as pequenas e médias empresas portuguesas contemplam práticas de gestão de SST. A SST é entendida como um cumprimento legal, mas não como gestão da prevenção. Identificar o estágio de maturidade dos sistemas de SST relativamente aos outros sistemas de gestão (qualidade, ambiente, responsabilidade social). A adoção de sistemas de gestão pelas empresas está ligado a fatores externos e longe de ser um assumido como a excelência organizacional. Estudo de caso Aplicação modelo Minex - Identificar a valorização dos trabalhadores nas questões da SST e o estado da liderança na empresa. Os trabalhadores quando chamados a intervir evidenciam a mudança comportamental e uma atitude proactiva. Existem sistemas de gestão que permitem autoavaliar o estado da empresa SST. 37

38 Recomendações Em Portugal são necessários realizarem-se estudos que identifiquem o estado da implementação de políticas de SST nas empresas. 38

39 LIDERANÇA NA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL 39

QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO

QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO O QUE É A QUALIDADE? É o grau de satisfação de requisitos (necessidade ou expectativa expressa, geralmente implícita ou obrigatória), dado por um conjunto de características (elemento

Leia mais

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria 7 de Maio 2013 O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria Realidade da SST em Portugal Parte I A realidade das empresas em SST pode ser analisada com base nos dados conhecidos sobre:

Leia mais

1.6. Índice de Ferramentas Práticas (CD-ROM)

1.6. Índice de Ferramentas Práticas (CD-ROM) Índice Geral unidade 1 capítulo 6 página 1 1.6. Índice de Ferramentas Práticas (CD-ROM) 1 Minutas e Formulários 1.1 Formulários para Metrologia 1.1.1 Formulário 1 1.1.2 Formulário 2 1.1.3 Formulário 3

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Sistemas de gestão da segurança em estabelecimentos industriais uma abordagem pragmática. Luís Santos (Auditor de Segurança)

Sistemas de gestão da segurança em estabelecimentos industriais uma abordagem pragmática. Luís Santos (Auditor de Segurança) Sistemas de gestão da segurança em estabelecimentos industriais uma abordagem pragmática Luís Santos (Auditor de Segurança) Abordagem 1. Pilares de sustentabilidade de um SGS 2. Ameaças à integridade 3.

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Campanha Nacional Objectivos Região Centro como

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública www.apcer.pt Hélder Estradas 4 de Novembro de 2005 QUEM SOMOS Constituída em Abril de 1996 (IPQ, AIPortuguesa AIPortuense, actual

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria Organização: Morada: Locais Auditados: Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria MUNICÍPIO DE MIRANDELA Sede : Praça do Municipio 5370-288 MIRANDELA Sr. Presidente da Câmara: Eng.º António

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho Patrícia Serra 1 Objetivos das Auditorias ao SGSST Verificar se o SG cumpre eficazmente a política, os objetivos e metas definidos pela organização

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

AEP/APCER FORMAÇÃO 2º SEMESTRE 2004

AEP/APCER FORMAÇÃO 2º SEMESTRE 2004 Ed. de Serviços da Exponor, 2º Av. Dr. António Macedo 4450 617 Leça da Palmeira t: 22 999 36 00 f: 22 999 36 01 e-mail: info@apcer.pt www.apcer.pt Formação Empresa 4450-617 Leça da Palmeira t: 22 998 1753

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010 Certificação de Sistemas de Gestão ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2008); 2. Certificação

Leia mais

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa Vencemos juntos Apresentação da Empresa @ 2014 Quem Somos Missão Fornecer ferramentas e recursos, que juntos, colmatam as necessidades dos nossos Clientes tornando-os mais competitivos e eficazes. Visão

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro Desafios do Comércio INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Balança Comercial Brasileira INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Evolução da Balança Comercial

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade 1 Conceitos da qualidade Introdução aos SGQ (norma ISO 9001:2008) Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa ONG fundada em 1947 em Genebra Actualmente esta organização encontra se em 120 países. promover

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública

O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública 4 de Junho de 2015 Auditório da Casa das Histórias da Paula Rego 1 1991: Arranque das Políticas

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

S. I. Inovação Produtiva

S. I. Inovação Produtiva S. I. Inovação Produtiva Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na área de Inovação

Leia mais

Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho. Programa Operacional

Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho. Programa Operacional Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Introdução [Índice] Atividades de Promoção da segurança e saúde no trabalho Estratégia Nacional SST Inquérito Nacional às Condições de Trabalho Intervenção no

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 1. Objetivo O presente documento tem como objetivo definir o serviço de acreditação para o sector Certificação de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança no Trabalho, em complemento do estabelecido no

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria Organização: Morada: MUNICÍPIO DE CANTANHEDE Praça Marquês de Marialva 3060-133 Cantanhede Representante: Drª Helena Teodósio Sede, Armazém e Estaleiro,

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG O Atuação Responsável e o Modelo de Ecelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Ecelência da Gestão - COPEG Evolução do Atuação Responsável Visão no Ciclo de Vida Ênfase nas

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SHST E RESPONSABILIDADE SOCIAL

GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SHST E RESPONSABILIDADE SOCIAL DOS MÓDULOS GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SHST E RESPONSABILIDADE SOCIAL Criar competências que possibilitem a utilização da Gestão da Qualidade, Ambiente, Segurança e Responsabilidade Social como uma

Leia mais

Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques

Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos...

Leia mais

Elementos dos sistemas de gestão de segurança e saúde no trabalho Marcelo Fabiano Costella

Elementos dos sistemas de gestão de segurança e saúde no trabalho Marcelo Fabiano Costella Elementos dos sistemas de gestão de segurança e saúde no trabalho Marcelo Fabiano Costella Sistemas de Gestão em Saúde e Segurança no Trabalho Em 1999, foi publicada a, a partir da BS 8800 Occupational

Leia mais

Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO

Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO Junho de 2014 Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP ÍNDICE GERAL Nota introdutória 3 Pág. 1. Identificação dos elementos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013. Caparica

Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013. Caparica Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013 Caparica Antecedentes da Formação-Ação: Projeto piloto lançado em 1998 com IEFP Programa REDE AIP AEP Medida 2.2. Formação e Desenvolvimento

Leia mais

A excelência é o nosso objectivo. E o seu?

A excelência é o nosso objectivo. E o seu? A excelência é o nosso objectivo. E o seu? Quem somos A experiência ao serviço do seu negócio A actuar no mercado desde 1977, a Petrochem Produtos Químicos de Portugal especializou-se no fabrico de soluções

Leia mais

Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação. Qualidade e Certificação

Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação. Qualidade e Certificação Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação Qualidade e Certificação 27 de Outubro de 2007 Gabriela Lopes Direcção de Certificação e de Auditores www.apcer.pt Agenda O que é a certificação?

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Luis Barrinha - Gestor de Ambiente e Segurança SGS ICS - International Certification Services Funchal, 28 de Novembro de 2002 SOCIÉTÉ

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

PRÊMABULO... RESUMO... ABSTRACT... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDÍCE DE QUADROS... ÍNDÍCE DE GRÁFICOS... ÍNDÍCE DE ANEXOS... SIGLAS E ABREVIATURAS...

PRÊMABULO... RESUMO... ABSTRACT... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDÍCE DE QUADROS... ÍNDÍCE DE GRÁFICOS... ÍNDÍCE DE ANEXOS... SIGLAS E ABREVIATURAS... Índice Geral PRÊMABULO...... RESUMO...... ABSTRACT...... ÍNDICE DE FIGURAS........ ÍNDÍCE DE QUADROS...... ÍNDÍCE DE GRÁFICOS......... ÍNDÍCE DE ANEXOS..... SIGLAS E ABREVIATURAS.... iii iv v ix x xi xii

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho Sensibilizar as Pequenas e Médias Empresas para a Segurança no Trabalho A colaboração entre a rede Enterprise Europe Network e a Agência Europeia para a Segurança

Leia mais

A norma ISO/TS 22003: Acreditação de Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão de Segurança a Alimentar

A norma ISO/TS 22003: Acreditação de Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão de Segurança a Alimentar A norma ISO/TS 22003: Acreditação de Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão de Segurança a Alimentar Leopoldo Cortez Andreia Geraldo Alberto Mosqueira Resumo Introdução A Acreditação e o IPAC

Leia mais

servicos ambiente ccambiente ISO50001

servicos ambiente ccambiente ISO50001 servicos ambiente ccambiente ISO50001 Principais benefícios na implementação de um sistema de gestão de energia Promoção da eficiência energética na organização; Redução dos impactes ambientais, nomeadamente

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A.

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa é uma empresa criada em 2001 como spin-off do Instituto Superior Técnico (IST). Desenvolve tecnologias e metodologias de inovação para rentabilizar

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

LIDERANÇA NA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL

LIDERANÇA NA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL Graça Cristina Oliveira Duarte da Silva Contente LIDERANÇA NA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL Nome do Curso de Mestrado Mestrado de Segurança no Trabalho / Higiene Industrial Trabalho

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional 15-07-2014 Teresa Guimarães CERTIFICAÇÃO é uma das atividades de avaliação da conformidade de sistemas de gestão (Entidades) de produtos

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Balanço da Campanha. Felgueiras, 4 de março de 2015

Balanço da Campanha. Felgueiras, 4 de março de 2015 Balanço da Campanha Felgueiras, 4 de março de 2015 Preparação da Campanha Envolvimento dos parceiros sociais APICCAPS, CTCP, FESETE, SINDEQ e Academia do Design e Calçado Compromisso de apoio à Campanha

Leia mais

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã Implementaçã ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Carlos Antunes Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (http://correio.cc.fc.ul.pt pt/~ /~mcarlos)

Leia mais

José Manuel Cerqueira

José Manuel Cerqueira José Manuel Cerqueira A Indústria cerâmica no contexto nacional A indústria portuguesa de cerâmica representou em 2013 um volume de negócios de 897,8 milhões de euros, um valor acrescentado bruto de 327,6

Leia mais

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO!

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Candidaturas abertas até 18 de Setembro QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Tel./Fax: 22 600 71 20 projectos@advancedway.pt www.advancedway.pt Qualificação e internacionalização

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES

DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES JUNHO DE 2012 CENTRO ESTUDOS NATÁLIA CORREIA PONTA DELGADA CATARINA BORGES AGRADECIMENTOS SECRETARIA REGIONAL

Leia mais

Monografias. Bibliografia da ESTG (Janeiro de 2013) [85421] 614.8

Monografias. Bibliografia da ESTG (Janeiro de 2013) [85421] 614.8 Monografias [83544] 628 CUNHA, Alexandra Gonçalves da Apuramento de custos e proveitos dos serviços de águas e resíduos prestados por entidades gestoras em modelo de gestão direta / Alexandra Gonçalves

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

APCER. Associação Portuguesa de Certificação. www.apcer.pt

APCER. Associação Portuguesa de Certificação. www.apcer.pt APCER Associação Portuguesa de Certificação www.apcer.pt CERTIFICAÇÃO UM PASSO PARA A EXCELÊNCIA VANTAGENS: Cultura Organizacional; Confiança; Reconhecimento; Valor Acrescentado. QUEM SOMOS Constituída

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002)

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) TÍTULO: Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) FUNDAMENTOS A nível dos países

Leia mais

Uma empresa especializada em empresas.

Uma empresa especializada em empresas. Sua equipe tem colaborado para que a empresa seja uma das mais competitivas i no mercado? Para avaliar quanto a sua equipe atual está dimensionada, preparada e motivada para os desafios do mercado, você

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis Autoridade para as Condições de Trabalho PFN-Ponto Focal Nacionalda AgênciaEuropeiapara a Segurança e Saúde no Trabalho Manuela Calado 28 DE ABRIL DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 de Abril

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

FABIO FRECH GOUVEIA JUSTINE BEIRITH MONTALVÃO MANUELA DE SOUZA BRITO MARCUS VINICIUS RIBAS MOCELLIN GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO

FABIO FRECH GOUVEIA JUSTINE BEIRITH MONTALVÃO MANUELA DE SOUZA BRITO MARCUS VINICIUS RIBAS MOCELLIN GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO FABIO FRECH GOUVEIA JUSTINE BEIRITH MONTALVÃO MANUELA DE SOUZA BRITO MARCUS VINICIUS RIBAS MOCELLIN GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO AGENDA Introdução Apresentação do referencial teórico Metodologia

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA CERTIFICAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

A RELEVÂNCIA DA CERTIFICAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES A RELEVÂNCIA DA CERTIFICAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES Cristina Barbosa, Auditora da APCER XIX Congresso da Ordem dos Engenheiros 20-out-2012 Centro Cultural de Belém Resumo da Apresentação

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Braga, 3 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Braga, 3 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Braga, 3 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Campanha Nacional Objectivos Minho como Mercado

Leia mais

A marcação CE nos Produtos da Construção

A marcação CE nos Produtos da Construção A marcação CE nos Produtos da Construção Para lançar as bases para a implementação da marcação CE nos produtos da construção, isto é, nos produtos destinados a serem permanentemente incorporados em obras

Leia mais

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER ISO 9001:2015 Rui Oliveira APCER Agenda Enquadramento do Processo de Revisão Principais Mudanças Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade Próximos Passos Cronograma para

Leia mais

Fundo Modernização Comércio

Fundo Modernização Comércio 1 Fundo Modernização Comércio IAPMEI Portaria 236/2013 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos a Apoiar 4. Elegibilidade

Leia mais

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro 1. Por que Promoção da Saúde no Trabalho (PST)? 2. PST funciona? 3. Tendências Globais e Programas em PST 4. Guias e Critérios Internacionais de Qualidade 5.

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro

A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro O contributo da EU-OSHA para a Prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro Emília Telo ACT PFN EU-OSHA (Agência

Leia mais

NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP. Outubro 2014

NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP. Outubro 2014 NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP Outubro 2014 EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Outubro de 2014 Agenda 1. O Grupo EDP 2. O Sistema de Gestão da

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2015 Página 1 de 6

PLANO DE FORMAÇÃO 2015 Página 1 de 6 AMBIENTE ECONOMIA SOCIAL ENERGIA A Certificação da Gestão Florestal e Cadeia de Responsabilidade FSC ou PEFC Acompanhamento Ambiental em Obra e Gestão de RCD s (e-xz) Auditorias Ambientais (e-xz) Conformidade

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais