Sistema de Certificação FSC ARCELORMITTAL BIOENERGIA LTDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Certificação FSC ARCELORMITTAL BIOENERGIA LTDA"

Transcrição

1 Sistema de Certificação FSC Relatório Público Certificação de Manejo Florestal Datas das últimas auditorias: de 23/11 a 27/11 e entre 30/11 e 04/12/2009 Útlima Atualização do Relatório: 14/06/2010 ARCELORMITTAL BIOENERGIA LTDA (Municípios de Capelinha, Veredinha, Turmalina, Minas Novas, Itamarandiba, Carbonita, Dionísio, São José do Goiabal, São Pedro dos Ferros, Marliéria, Diamantina, Senador Modestino Gonsalves, Martinho Campos, Bom Despacho, Abaetá, Quartel Geral, Dores do Indaiá, Teixeira de Freitas, Alcobaça, Caravelas e Prado) Localizações das Florestas: Brasil, Estados de Minas Gerais e Bahia Endereço da administração: Avenida Carandaí, andar, B. Funcionários CEP: Cidade: Belo Horizonte - MG - País: Brasil Contato: Roosevelt de Paula Almado CERTIFICAÇÃO BUREAU VERITAS 60 avenue du Général de Gaulle Paris - La Défense Cedex - FRANCE Tel: Fax: / fr Contato para Brasil: Héloïse d Huart Código de Registro de Certificado: BV-FM/COC Data de certificação: 30/06/2010 Auditor Líder e revisão relatório: José Ferraz, Maria Augusta Godoy Ref. Do documento: PR versão 1.0

2 CONTEÚDO 1 - Resumo Contexto legislativo, administrativo e estatutório Descrição de gestão de florestas Descrição das florestas, sua história e contexto regional Resumo do Plano de Manejo...15 Monitoramento Atmosférico Monitoramento e procedimentos de controle posto em prática pelo titular do certificado Potencial área excluída Padrão(s) Referencial(s) de gestão florestal usado durante a(s) auditoria(s) Referencial de adaptação e comentários dos interessados...32 A. Auditoria Inicial Base de Avaliação Resumo do(s) Processo(s) de Auditoria Composição do(s) time(s) de auditoria Modalidade para coleta de informações Indentificação e consulta de interessados Observações da auditoria Principais pontos fortes e fracos Resultados de avaliação relacionados ao referencial da FSC Elementos sujeitos a controvérsia Solicitação(s) da(s) Ação(s) Corretiva(s) Maior(s) previamente levantada(s) Solicitação(s) da(s) Ação(s) Corretiva(s) menores pendentes e Recomendações Escopo de Certificação Restrições Geográficas para entidade florestal Restrições no nível de produção florestal Decisão de Certificação Propostas relacionadas à decisão de certificação Decisão de Certificação Apêndice Revisão de pares (Peer Review) seguindo a auditoria inicial Respostas a Interessados Lista compelta de interessados consultados...71 Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 2 of 102

3 1 - Resumo O Bureau Veritas Certification (BV) é um grupo de certificação reconhecido pelo Conselho de Administração Florestal (FSC), e é atualmente responsável por executar os procedimentos de auditorias anuais pelos próximos 5 anos na ArcelorMittal Bioenergia Ltda. Essas auditorias são feitas para avaliar as atividades relacionadas à gestão florestal de acordo com os Princípios e Critérios do FSC. A ArcelorMittal Bioenergia produz carvão vegetal renovável para utilizar em peças de aço/metal, de plantações de Eucalipto. Também faz parte de suas atividades: produção de sementes, plantação, manutenção, colheita e transporte de madeira. No escopo da Certificação, estão todas as áreas da ArcelorMIttal (280, ha), em 6 (seis) Unidades de manejo Florestal: Bahia, Capelinha, Carbonita, Centro Oeste, Itamarandiba e Rio Doce. As Pré-Auditorias e Auditorias Iniciais feitas pelos auditores do BV basearam-se na adaptação do padrão genérico BV FSC FM, do referencial RF03 FSC FM - versão 3.3, incluindo indicadores que melhor retratam a realidade nacional. A adaptação foi feita apenas para a certificação da plantação. O padrão foi submetido à aprovação da Iniciativa Nacional, pesquisadores ligados a universidade, agências ambientais, ONGs, Sindicatos dos Trabalhadores Ambientais e Sociais e outros interessados. A equipe de auditoria avaliou todos os requisitos do padrão e constatou que a ArcelorMittal Bioenergia atende às exigências em suas unidades de manejo. Apesar de 22 (vinte e duas) Ações Corretivas Menores serem levantadas, o sistema de gestão está sendo implementado constantemente nas áreas cobertas pelo escopo do certificado. Este relatório público resume as informações apresentadas no relatório de auditoria inicial e apresenta as observações dos auditores coletadas durante as avaliações de campo, bem como os resultados da consulta pública. 2 - Contexto legislativo, administrativo e estatutório As ações judiciais da unidade de gestão precisava da implementação de procedimentos de licença ambiental junto aos órgãos competentes, onde são necessários estudos ambientais para a determinação de ações de atenuação. É exigida a posse judicial da terra, ou contratos de aluguéis ou concessões. A regularização segue as regras estabelecidas pela lei federal implementada pelo INCRA, acronismo local para Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, e a nível estatal (Estados de Minas Gerais e Bahia). Licenças ambientais para a implementação de projetos florestrais seguem o Código Florestal estabelecido no Brasil pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, uma agência ligada ao Ministério do Meio-Ambiente MMA em português. No estado de Minas Gerais, as ações ligadas à Secretaria de Estado Para o Meio-Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável (SEMAD) que dá ao Instituto Estadual de Florestas (IEF) o poder de licença. No estado da Bahia, isso é feito pelo Instituto do Meio-Ambiente (IMA). Questões relacionadas ao uso de recursos hídricos como as autorizações para o uso de água são reguladas em nível federal pela Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano, uma autarquia ligada ao MMA. Em nível estatal, a competência é o Instituto de Gestão de Recursos Hídricos - GIMS, autoridade ligada aos SEMAD (Minas Gerais) e o Instituto de Gestão das Águas e Clima (INGÁ, em português) no estado da Bahia. Para usos alternados das terras, como a exploração mineira ou a exploração de depósitos de minerais, a autoridade vem do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) ligado ao Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 3 of 102

4 Ministério de Minas e Energia, seguindo o Código de Mineração, que é administrado em nível estatal pela FEAM Fundação Estadual do Meio Ambiente, autarquia ligada ao SEMAD (Minas Gerais) e Instituto do Meio-Ambiente (IMA) no Estado da Bahia. É possível listar as leis mais importantes: Constituição da República Federativa do Brasil, datada de 1988 Lei No de 15/09/1965 Estabelece o Código Florestal Decreto de Lei No. 227, 28/02/1967 Estabelece o Código de Mineração Decreto no , 10/07/1934 Estabelece o Código de Água Decreto de Lei No de 01/05/1943 Consolidação das Leis Trabalhistas CLT Lei No de 31/08/1981 Política Nacional do Meio-Ambiente Lei No de Medidas para a Proteção de Florestas Existentes nas Nascentes dos Rios Lei No de 12/02/1998 Leis de Crimes Ambientais, Penalidades Criminais Atividades prejudiciais ao meio-ambiente A lista de acordos e tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário: Decreto No de 21 de setembro de Prevê a implementação da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção - CITES, e outras medidas. O Acordo Internacional sobre as Madeiras Tropicais Diário Oficial No. 85/89 - Série I de 12 de abril de 1989 Acordo Internacional sobre as Madeiras Tropicais Diário Oficial No. 142/99 - Série I-A de 21 de junho de 1999 Convenção de Diversidade Biológica, Decreto Legislativo No. 2, 1994 aprova o texto da Convenção da Diversidade Biológica, assinado nas Nações Unidas Conferência de Meio-Ambiente e Desenvolvimento que aconteceu no Rio de Janeiro, Brasil, de 5 a 14 de junho de E a lista de espécies ameaçadas de extinção a) Flora Instrução do MMA no. 6 de 23 de setembro de b) Fauna - Instrução do MMA no. 03 de 27 de maio de Instruções Normativas do MMA no. 05 de 21 de maio de Instrução Normativa do MMA no. 52 de 8 de novembro de Durante a auditoria, a ArcelorMittal Bioenergia mostrou que eles sabem e seguem todos os procedimentos legais e administrativos exigidos pelas agências regulatórias no Brasil. Conformidades legais relacionadas às exigências florestais foram auditadas e foi constatado que elas cumprem com os requisitos, exceto aqueles registrados nas não-conformidades (ver capítulo 6 deste relatório, observações da equipe de auditoria, Princípio 1). 3 - Descrição de gestão de florestas Descrição das florestas, sua história e contexto regional Descrição geral e identificação Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 4 of 102

5 a) Nome da empresa/gestor(es) da Gestão de Floresta Endereço: Av. Carandá, andar, B. Funcionários CEP: Cidade: Belo Horizonte / MG País: BRAZIL Status legal: ativo Código de identificação legal: / Telefone: + 55 (31) Fax: + 55 (31) Web site: No. de empregados: Faturamento: US$ ,00 (Esses valores correspondem aos dados obtidos durante o período de 1o. de julho de 2009 a 31 de dezembro de A fusão da empresa aconteceu em 1º julho de 2009). Presidente da empresa de Gestão Florestal: Sr. Elesier Lima Gonçalves Presidente da empresa de Gestão Ambiental: Sr. Rooselvelt de Paula Almado Pessoa de contato (responsável pela certificação do FSC): Sr. Rooselvelt de Paula Almado Responsável pela marca registrada do FSC: Sr. Rooselvelt de Paula Almado b) Atividade Tipo: Produção de carvão vegetal renovável para uso de peças de aço/ferro, de plantações de Eucalipto; produção de sementes, plantação, manutenção, colheita e transporte de madeira. Atividade detalhada: Implementação de plantações comerciais, a produção de sementes foi implementada com a introdução de diferentes espécies e origens e muitas áreas de produção de sementes e pomares de semente, principalmente pela reprodução das espécies: E. cloeziana, E. grandis e E. urophylla. - A produção das plântulas é clonal, ou com o uso das sementes, realizadas em viveiros de plântulas, usando jardins mini-clonais, estufas para a fase de raiz e conttroles operacionais para o crescimento das plântulas. - A plantação da florestas é feita em estágios diferentes; limpeza da área, subsolo, alinhamento da plantação, cultivo e correção do solo e plantação das próprias plântulas. A plantação pode ser manual ou mecânica. - A infraestrutura é estabelecida, da seguinte maneira: a construção e manutenção das estradas e áreas que evitam a propagação de incêndios, cercas e caixas de retenção, proteção contra agradações de redes de drenagem e molas. - A manutenção da floresta consiste de atividades relacionadas à fase de crescimento das árvores. Essas atividades asseguram o crescimento apropriado das florestas plantadas, especialmente a proteção de todas as áreas, incluindo protenção ambiental, reservas legais, áreas de preservação permanente e florestas com um valor alto de conservação. Os estágios que correspondem à manutenção de florestas incluem a fertilização adicional (na primeira rotação), fertilização na regeneração (segunda rotação), poda, controle de ervas-daninhas e tratamentos anti-formiga. - O corte da madeira é feito, em sua maioria, pelo Feller-Buncher e, em áreas menores ou onde existem declives importantes é feito com uma motoserra. Uma Skidder remove a madeira de dentro da plantação e a leva para fora onde é cortada em toras circulares, usando a parte superior da colheiteira. A madeira é seca no campo por períodos que variam de 90 a 150 dias. O carregamento de caminhões ou vagões para transportar a madeira para as áreas de produção de carvão vegetal da empresa são feitos pelos guindastes. Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 5 of 102

6 Os municípios onde as atividades florestais são realizadas são: Região da Bahia/BA: Municípios de Alcobaça, Caravelas, Prado e Teixeira de Freitas. Região Centro Oeste/MG: Municípios de Abaeté, Martinho Campos, Bom Despacho, Quartel Geral e Dores do Indaiá. Região de Rio Doce/MG: Municípios de Dionísio, Marliéria, São José do Goiabal, Santa Bárbara, João Monlevade e São Pedro dos Ferros. Região do Norte/MG: Municípios de Carbonita, Diamantina and Senador Modestino Gonçalves. Região de Capelinha/MG: Municípios de Capelinha, Veredinha, Minas Novas e Turmalina. Região de Itamarandiba/MG: Municípios de Itamarandiba, Carbonita e Veredinha. Carbonita, Itamarandiba and Capelinha Bahia Centro Oeste Atlantic Ocean Rio Doce Figura 1 Regiões da ArcelorMIttal Bioenergia - Uso das terras nas regiões de operação: Região Área Total (ha) Área de preservação permanente (ha) Área de reserva legal (ha) Área de eucalipto (ha) Outros (ha) Bahia , , , , ,91 Rio Doce , , , , ,60 North (Carbonita) , , , , ,82 Centro Oeste ,17 485, , , ,09 Capelinha ,23 397, , , ,78 Itamarandiba , , , , ,75 TOTAL ,90 ha 6.847, , ,20 ha ,95 Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 6 of 102

7 Caracterização ambiental Região Clima Predominante Caracterização ambiental das Filiais Regionais Tipo de Solo Predominante Topografia Bioma Bahia Torpical Húmido Latosolo e Utisolo Flat/Plano Mata Atlântica Rio Doce Subtropical quente LVA Omdulado Mata Atlântica Mid West Typical Tropical LVE Plano/Chapada Cerrado Carbonita Subtropical Húmido subúmido LVD1 Plano/Chapada (mountain plateau) Cerrado (Inacessível) Capelinha Subtropical Húmido subúmido LVD1 Plano/Chapada Cerrado Itamarandiba Subtropical Húmido subúmido LVD1 Plano/Chapada Cerrado c) Nome do proprietário da floresta: ARCELORMITTAL BRASIL Endereço: Av. Carandaí, andar, B. Funcionários CEP: Cidade: Belo Horizonte / MG País: BRAZIL Status legal: active Código de identificação judicial: / Telefone: +55 (31) Fax: Website: No. de empregados: 18,800 Faturamento anual: US$ Pessoal de contato: Mr. Rooselvelt de Paula Almado Atividade detalhado: 28 unidades industriais operando na produção de aço e processando no Brasil, Argentina e Costa Rica. - Capacidade de produção anual - 15 milhões de toneladas de aço. - Presença nos segmentos de aço carbono plano e longo. - Produtos para o uso automotivo, de utensílios, de embalagem, de contrução e indústrias de produção de navios, entre outros. - 18,8 mil empregados - Venda de 10,9 million toneladas de aço laminado. - Lucro líquido consolidado de R$ 19.8 billion. - Geração de fluxo de caixa (EBITDA) de R$ 6,4 bilhões. - Lucro líquido consolidado de R$ 1,4 billhão. - Patrimônio líquido de R$ 15.7 bilhões. - Investimento industrial de R$ 995 milhões. - Referência em uma atmosfera organizacional. d) Descrição de propriedade e usos legais aplicável a florestas e parte constitutiva de terra do campo do auditor de cobertura aplicável Resumo de propriedade legal da organização em questão: A unidade de manejo desenvolve suas atividades em uma área de ,90 ha ( ,20 ha de áreas de produção) e ,77 ha de áreas foram agregadas por terceiros e propriamente entituladas. A empresa não é proprietária de um total de terras 56, ha da area total. Em busca da regularização de sua propriedade, Acesita, no dia 04/07/2005, Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 7 of 102

8 enviou o Diretor-Geral do ITER / MG (Instituto de Terras do Estado de Minas Gerais), alertando o estado a começar a despachar a terra adquirida permanentemente, ou uma escritura lavrada. Em 05/08/2009, a empresa recebeu a carta do ITER, confirmando a aquisição de mapas de Pesquisa Topográfica e Memoriais Descritivos das áreas. Dentro desses procedimentos, a Lei n de , exige a medida de demarcação, monitoramento, aprovação e certificação pelo INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). Esses passos de demarcação, monitoramento e aprovação foram finalizados pela empresa. O passo pode ser dado pelo INCRA devido ao ITER ainda não ter emitido o título definitivo da terra. De acordo com a empresa, quaisquer outras disputas de terras são identificadas e tratadas judicial, transparente e estritamente dentro da lei. Não houve nenhum evento de usos costumeiros por parte das pessoas localizadas nas redondezas das unidades de manejo Descrição do estande florestal a) Descrição da(s) floresta(s) Tipo de floresta: Tropical, Subtropical húmida/subúmida Lista das principais species de madeira, em especial, espécies comercializadas e outras espécies integradas ao campo de aplicação ou cobertura do certificado (apelação botânica e comum): Eucalyptus cloeziana, Eucalyptus grandis e Eucalyptus urophylla selecionado pelo programa de melhoramento da empresa Composição do estande da floresta dominante: Folhosas. Região da Bahia: Zona florestal: húmida tropical Lista das principais espécies de Madeira e não-madeira comerciais incluída no escopo pretendido do certificado (nome botânico e nome comercial comum): Eucalyptus urophylla e Eucalyptus grandis Composição do estande florestal dominante: Folhosas Localiação da floresta: longitude O: 39 graus 31 munitos 16 segundos latitude S: 17 graus 18 minutos 11 segundos Área florestal auditada total: ,83 ha, que consiste de: administrada pela empresa privada: ,83 ha administrada pelo estado: 0 ha administrada pela comunidade: 0 ha floresta de produção de madeira: 8.843,52 ha classificada como "plantação": 8.843,52 ha Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 8 of 102

9 primariamente regenrerado pelo reflorestamento ou por uma combinação de reflorestamento e poda dos sistemas de plantação: 8.843,52 ha primariamente reflorestada pela regeneração natural, ou pela combinação de reflorestamento natural e poda dos sistemas de reflorestamento natural: 0 ha terra florestal e não-florestal protegida de colheita comercial de madeira e gerido primariamente para objetivos de conservação: 6.361,40 ha outros: 3.348,91 ha a produção de NTFPs ou serviços: 0 ha Floresta classificada como floresta de alto valor de conservação : 1.528,60 ha Região do Rio Doce Zona florestal: Sub-Hot Tropical Lista das principais espécies de madeira e não-madeira incluída no escopo pretendido do certificado (nome botânico e nome comercial comum): Eucalyptus urophylla & Eucalyptus grandis Composição do estande de floresta dominante: Folhosas Localização da floresta: longitude O: 42 graus 36 minutos 06 segundos latitude S: 19 graus 53 minutos 13 segundos Área total da floresta auditada: ,70 ha, da qual: área administrada pela empresa privada: ,70 ha area administrada pelo estado: 0 ha area administrada pela comunidade: 0 ha floresta de produção de madeira: ,89 ha classificada como "plantação": ,89 ha regenerado primeiramente pelo reflorestamento ou por uma combinação de reflorestamento e poda de um sistema do sistema plantado: ,89 ha regenerado primeiramente por regeneração natural, ou por uma combinação natural de regeneração e poda dos sistemas naturalmente regenerados: 0 ha terra florestal e não-florestal protegida de colheita comercial de madeira e gerido primeiramente por objetivos de conservação: 8, ha outros: 30, ha a produção de NTFPs ou serviços: 0 ha Floresta classificada como "floresta de alto valor de conservação ": 1.720,86 ha Região Norte (Carbonita) Zona florestal: Húmida Subtropical/ Subumida Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 9 of 102

10 Lista das principais espécies de madeira e não-madeira comerciais incluída no escopo pretendido do certificado (nome botânico e nome comercial comum): Eucalyptus urophylla e Eucalyptus grandis Composição do estande de floresta dominante: Folhosa Localização da floresta: longitude O: 43 graus 12 minutos 07 segundos latitude S: 17 graus 35 minutos 47 segundos Área total da floresta auditada: ,01 ha, da qual: área administrada pela empresa privada: ,01 ha area administrada pelo estado: 0 ha area administrada pela comunidade: 0 ha floresta de produção de madeira: ,80 ha classificada como "plantação": ,80 ha regenerado primeiramente pelo reflorestamento ou por uma combinação de reflorestamento e poda de um sistema do sistema plantado: ,80 ha regenerado primeiramente por regeneração natural, ou por uma combinação natural de regeneração e poda dos sistemas naturalmente regenerados: 0 ha terra florestal e não-florestal protegida de colheita comercial de madeira e gerido primeiramente por objetivos de conservação: ,39 ha outros: 4.723,82 ha a produção de NTFPs ou serviços: 0 ha Floresta classificada como "floresta de alto valor de conservação ": 422 ha Região Centro-Oeste Zona florestal: Típica tropical Lista das principais espécies de madeira e não-madeira comerciais incluída no escopo pretendido do certificado (nome botânico e nome comercial comum): Eucalyptus urophylla e Eucalyptus grandis Composição do estande de floresta dominante: Folhosa Localização da floresta: longitude O: 45 graus 18 minutos 30 segundos latitude S: 19 graus 27 minutos 15 segundos Área total da floresta auditada: ,17, da qual: área administrada pela empresa privada: ,17 ha area administrada pelo estado: 0 ha area administrada pela comunidade: 0 ha floresta de produção de madeira: ,32 ha classificada como "plantação": ,32 ha Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 10 of 102

11 regenerado primeiramente pelo reflorestamento ou por uma combinação de reflorestamento e poda de um sistema do sistema plantado: ,32 ha regenerado primeiramente por regeneração natural, ou por uma combinação natural de regeneração e poda dos sistemas naturalmente regenerados: 0 ha terra florestal e não-florestal protegida de colheita comercial de madeira e gerido primeiramente por objetivos de conservação: 7.607,76 ha outros: 2.689,09 ha a produção de NTFPs ou serviços: 0 ha Floresta classificada como "floresta de alto valor de conservação ": 581,39 ha Região da Capelinha Zona florestal: Subtropical Húmida/Subumida Lista das principais espécies de madeira e não-madeira comerciais incluída no escopo pretendido do certificado (nome botânico e nome comercial comum): Eucalyptus urophylla e Eucalyptus grandis Composição do estande de floresta dominante: Folhosa Localização da floresta: longitude O: 42 graus 34 minutos 38 segundos latitude S: 17 graus 33 minutos 11 segundos Área total da floresta auditada: ,23, da qual: área administrada pela empresa privada: ,23 ha area administrada pelo estado: 0 ha area administrada pela comunidade: 0 ha floresta de produção de madeira: ,84 ha classificada como "plantação": ,84 ha regenedaro primeiramente pelo reflorestamento ou por uma combinação de reflorestamento e poda de um sistema do sistema plantado: ,84 ha regenerado primeiramente por regeneração natural, ou por uma combinação natural de regeneração e poda dos sistemas naturalmente regenerados: 0 ha terra florestal e não-florestal protegida de colheita comercial de madeira e gerido primeiramente por objetivos de conservação: 9.955,61 ha outros: 2.581,78 ha a produção de NTFPs ou serviços: 0 ha Floresta classificada como "floresta de alto valor de conservação": (0) zero Região de Itamarandiba Zona florestal: Subtropical Húmida/Subumida Lista das principais espécies de Madeira e não-madeira comerciais incluída no escopo pretendido do certificado (nome botânico e nome comercial comum): Eucalyptus urophylla e Eucalyptus grandis Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 11 of 102

12 Composição do estande de floresta dominante: Folhosa Localização da floresta: longitude O: 42 graus 49 minutos 29 segundos latitude S: 17 graus 50 minutos 03 segundos Área total da floresta auditada: ,99 ha, da qual: área administrada pela empresa privada: ,99 ha area administrada pelo estado: 0 ha area administrada pela comunidade: 0 ha floresta de produção de madeira: ,81 ha classificada como "plantação": ,81 ha regenerado primeiramente pelo reflorestamento ou por uma combinação de reflorestamento e poda de um sistema do sistema plantado: ,81 ha regenerado primeiramente por regeneração natural, ou por uma combinação natural de regeneração e poda dos sistemas naturalmente regenerados: 0 ha terra florestal e não-florestal protegida de colheita comercial de madeira e gerido primeiramente por objetivos de conservação: ,43 ha outros: ,43 ha a produção de NTFPs ou serviços: 0 ha Floresta classificada como "floresta de alto valor de conservação": (0) zero b) Lista de altos valores de conservação presentes: O estudo das HCVFs foi direcionado para a presença de espécies em extinção, migratórias, raras e endêmicas, bem como na presença de um ecossistema em extinção, o cerrado (a savana brasileira). Essas espécies estão sob uma proteção completa e protegidas por lei. Neste sentido, atributos da importância para a biodiversidade dentro das áreas da ArcelorMittal estão relacionadas à: Presença de espécies em extinção - Pássaros: Papagaio-Galego (Amazona xanthops); Mamíferos: Tamanduá-Mirim (Tamandua tetradactyla) Tamanduá-Bandeira (Myrmecophaga tridactyla), Lobo-Guará (Chrysocyon brachyurus). Presença de espécies endêmicas: Choca-do-Nordeste (Sakesphorus cristatus), Piu-Piu (Myrmorchilus strigilatus), Bico-de-Veludo (Schistochlamys ruficapillus), Periquito da caatinga (Aratinga cactorum). Presença de espécies raras: Papagaio-Galego (Amazona xanthops). Presença de espécies migratórias: Guaracava de Topete Uniforme (Elaenia cristata), Taperuçu-de-Coleira-Branca (Streptoprocne zonaris), Suiriri (Tyrannus melancholicus). Lista da Presença de espécies de pássaros e mamíferos na CITES (Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção): Periquito-da-Caatinga (Aratinga cactorum), Periquito-de-Encontro-Amarelo (Brotogeris chiriri), Águia-de-Asa-Redonda (Buteo Buteo), Tucano-Toco (Ramphastos toco), Tamanduá-Bandeira (Myrmecophaga tridactyla), Lobo-Guará (Chrysocyon brachyurus), Cachorro-do-Mato (Cerdocyon thous). Área extensiva de Cerrado contínuo e bem-preservado. Fornecimento de água potável para a comunidade local Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 12 of 102

13 Florestas classificadas como Florestas de Alto Valor de Conservação: 4.252,85 ha em todas as regiões Região Município FAVC Atributo Indicador Área (ha) Bahia Prado 1) Biodiversidade Condições Ambientais * Caravelas 1)Biodiversidade Condições Ambientais * 1.357,00 171,60 Bom Despacho Centro CEAM Oeste Quartel Geral - Córrego Fundo 1) Biodiversidade (HCV 1,3 and 6) 1) Biodiversidade (HCV 1 and 3) Condições Ambientais * Condições Ambientais * 28,39 553,00 Norte Carbonita Vertedor 1) Social: Social: Fornecimento de água para a comunidade local Monitoramento de Água (quantidade e qualidade da água) 422,00 Rio Doce Dionísio - Lagoa Jacaré Dionísio - Santa Cruz Dionísio - Lagoa do Capim Dionísio - Zona de Amortecimento do Parque Estadual do Rio Doce 1)Biodiversidade 1)Biodiversidade 1)Biodiversidade 1)Biodiversidade 2) Zona de atenuação de impacto para Áreas Protegidas Biodiversidade Condições Ambientais * 62,73 Condições Ambientais * 38,13 Condições Ambientais * 57,00 Condições Ambientais * 1.563,00 Total 4.252,85 ha * Indicadores de Condição Ambiental: Riqueza das Espécies, Espécies Ameaçadas, Espécies Raras e Cobertura da Floresta. c) Lista de pesticidas químicos usados dentro da area florestal e justificativa de uso: Lista de pesticidas químicos usados dentro da área florestal: Pesticidas: Abamectin Nortox Vertimec 18 CE Orthene 750 BR Sementes Boveril WP PL 63 Dipel Confidor S Decis 25 EC Decis Formicida 4P Regent 20 G Klap Tuit Tuit Florestal Confidor 700 WG Match CE Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro e Campo Viveiro Viveiro Platação & Manutenção (pó) Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 13 of 102

14 Expurgran Madegran-40 Malathion 500 CE Sultox Mirex-S Isca Formicida Atta Mex-S Quimióleo Tratamento de Semente Tratamento de Semente Viveiro Manutenção Manutenção Viveiro e Campo Fungicidas / Bactericidas Captan SC Captan 500 PM Orthocide 500 Derosal Plus Derosal 500 SC Kumulus DF Opus Opus SC Rovral SC Cuprogarb 350 Cobox Monceren PM Comet Folicur EC Folicur 200 EC Domark 100 EC Eminent 125 EW Tecto 600 Agrimicina PM Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro (substitui um p.a. de Opera) Viveiro (substitui um p.a. de Opera) Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro (substitui um p.a. de Opera) Viveiro Viveiro Viveiro Viveiro (substitui Dormark 100 EC) Viveiro Viveiro Herbicidas Glifos Roundup Transorb Scout Glifosato Nortox WG Trop Roundup WG Fordor 750 WG Viveiro, Plantação & Manutenção Plantação (absorção muito rápida) Plantação & manutenção Viveiro, Plantação & Manutenção Viveiro, Plantação & Manutenção Viveiro, Plantação & Manutenção Viveiro Reguladores de Crescimento Cultar 250 SC Hibridização A unidade de gestão utiliza três produtos com ingredientes ativos que são considerados proibidos pela FSC, mas tem o pedido de diminuição aprovado pelo Comitê da FSC: fenitrothion, fipronil (para formigas e cupim), sulfluramida e deltamethrin. d) Lista de categoria de produtos incluídos no escopo do certificado de fusão FM/COC e, assim, disponível para venda como produtos certificados pela FSC: Madeira para energia (Carvão vegetal) Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 14 of 102

15 Toras de Madeira para mercados de varas, estacas,etc. Cultivo de sementes de clones e sementes de Eucalyptus spp. Sementes de Eucalyptus spp. Espécie Natureza dos Produtos Eucalyptus spp. Toras de Madeira Qualidade dos produtos Modo de venda Tipo de FSC m3 em 2009 No patio de Madeira Pura Produção biológica anual aproximada: m 3 /ano Volume de colheita pretendida aproximada (corte permitido anual [AAC]): 33 m 3 /ha/ano Taxa de colheita annual aproximada (AAC/volume disponível total): 0,14 Produção comercial anual aproximada de produtos de floresta de não-madeira incluídas no escopo da auditoria, pelo tipo de produto: milhões de plântulas Amostragem e produção Tipo de candidatura para certificação Tipo de certificado: UMF Múltipla Normal Número total de UMFs no escopo de certificado: 06 Número de UMFs e area florestal no escopo que são: 000 ha. Menores que 100 ha: 0 UMF que é 000 ha; de 100 a 1000 ha: 0 UMF que é 000 ha; de 1000 a ha: 0 UMF que é 000 ha; mais de ha na área: 06 UMF que é 280, ha. Encontrando um critério de eligibilidade como o SLIMF: 0 UMF que é Resumo do Plano de Manejo A Arcelor Mittal Bioenergia tem como objetivo produzir energia renovável por meio do uso eficiente e otimizado de florestas plantadas, assegurando viabilidade econômica, balanciando aspectos ambientais e sociais, tendo como negócio a produção e venda de: Carvão vegetal Madeira in natura Plântulas Sementes Formação de Novas Florestas Planejamento O planejamento empresarial é de fundamental importância, pois permite otimizar a capacidade atual e prever a necessidade futura para o pleno atendimento das demandas da Empresa, seja qual for o horizonte de tempo. Ao se falar em Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 15 of 102

16 planejamento florestal, esta característica é ainda mais relevante, pois a matéria-prima das empresas florestais apresenta extenso período de maturação, e está sujeita às mais diferentes variáveis, tais como intempéries, qualidade do material utilizado e possibilidades de uso, avanços tecnológicos, surgimento de produtos concorrentes ou substitutos, exigências ambientais legais, disponibilidade de terras, entre outras. Algumas definições são fundamentais neste trabalho, do tipo: uso da madeira e fontes de abastecimento. O uso principal da madeira produzida pela ARCELORMITTAL BIOENERGIA destina-se à produção de biorredutor, entretanto, madeira in natura para serraria e outros usos, são vendidas pela Empresa ao mercado. No abastecimento das unidades de produção é feito exclusivamente a partir das florestas plantadas e mantidas pela Empresa. Em virtude das considerações e preocupações diferenciadas em cada horizonte de tempo, o planejamento florestal da Empresa é dividido em categorias e está inserido em GERIR ESTRATÉGIA, conforme apresentado no fluxograma dos macroprocessos da ARCELORMITTAL BIOENERGIA (Figura 2). GERIR A ESTRATÉGIA Elaborar e desdobrar estratégia Planejar a Implementação Controlar a Execução Definir a Capacidade Instalada Elaborar o Ordenamento Florestal Definir o Plano de Manejo Florestal Elaborar Planejamento Operacional Anual Elaborar o Orçamento Elaborar Plano de Plantio Elaborar Plano de Produção de Mudas Elaborar Plano de Produção de Sementes Elaborar Plano de Produção de Madeira Elaborar Plano de Manutenção da Floresta Elaborar Plano de Colheita Elaborar Plano de Produção de Carvão Figura 2 Planejamento Florestal O Planejamento Florestal da Empresa segue como premissa o que é demonstrado na figura 3, onde todas as áreas junto às nascentes, veredas, córregos, lagos naturais e artificiais, são preservadas (preservação permanente), além da manutenção de áreas de reserva legal e faixas ecológicas, que servem como corredores de conexão dos fragmentos de vegetação nativa. Também se estabelece a manutenção das áreas legais e reservas ecológicas, que servem como corredores ligando os fragmentos de vegetação nativa, como visto na Figura 3. Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 16 of 102

17 Plateaus RESERVA LEGAL ÁREA DE PASSAGEM Plateaus ÁREA DE PLANTIO ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CURSO DA ÁGUA MATA CILIAR ÁREA ECOLÓGICA Figura 3 Representação da locação das plantações A fase de planejamento de formação de novas florestas tem como principais processos: Obtenção de licenças para colheita e outras; Licitação de serviços terceirizados; Cronograma de execução (metas de plantio); Localização de projetos por Unidade Gerencial Básica /talhão; Definição do material genético (clone) a ser utilizado em função das características topográficas e de adaptabilidade; Volume de mudas utilizado; Macro e micro planejamento operacional. Análise de Solo: O solo é a base para da formação de novas florestas, portanto para garantir sua qualidade e a não utilização excessiva de agroquímicos, a empresa realiza coleta e análise química de solo dos talhões a serem plantados, com vistas a recomendação de adubação. Monitoramento e Combate a Formigas: O monitoramento de formigas para verificação do nível de infestação é anual nas áreas de projetos florestais da Empresa. A partir dos resultados obtidos, são definidas as áreas para o combate. A realização do combate a formigas tem por objetivo controlar a infestação de formigas de modo a assegurar sobrevivência das mudas plantadas. No método de combate básico usado na Empresa utiliza-se isca formicida granulada de baixo impacto ambiental, a base de sulfluramida, com dosagem de uso entre 6 a 8 gramas por metro quadrado de terra solta de formigueiro. Preparo do Solo: Roçada: Trata-se de operação que visa à retirada da vegetação existente na área a ser reformada visando facilitar a limpeza do terreno. A área a ser trabalhada é delimitada de forma a Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 17 of 102

18 proteger áreas de relevante interesse ecológico como reservas florestais, áreas de preservação permanente (APP), como: matas ciliares, nascentes entre outros. Rebaixamento de tocos: Trata-se de operação de corte dos tocos de eucalipto remanescentes com a finalidade de propiciar condições de se efetuar mecanização das operações subseqüentes. Os tocos do plantio anterior são rebaixados com utilização de motosserras e lâmina KG, na altura de 5 cm do nível do solo. Subsolagem: Trata-se de operação que visa romper camada impermeável à água e raízes existentes no solo a uma profundidade variável aproximada entre 60 e 90 cm Fosfatagem: Trata-se de operação que visa propiciar um melhor desempenho e crescimento inicial das mudas. A operação de fosfatagem é realizada simultaneamente com a subsolagem, o fosfato é distribuído em filete contínuo dentro do sulco de plantio. Em áreas acidentadas é aplicado incorporando-o ao solo da cova. Plantio: Tem por finalidade a formação de maciços florestais de alta produtividade, por isso antecedem uma série de procedimentos, desde a escolha da espécie mais adequada, coleta e análises de solo, tratamentos silviculturais e, colheita e transporte. O plantio na ARCELORMITTAL BIOENERGIA é irrigado e, portanto, realizado durante o ano todo, utiliza-se gel absorvente a fim de reduzir o consumo de água e garantir sobrevivência às mudas. O espaçamento entre plantas, definido anteriormente pela área técnica, é marcado utilizandose medida padrão. Seguindo a marcação definida, as covas são abertas usando-se o chucho ou a plantadeira manual. O plantio pode ser manual ou mecanizado, e uma série de cuidados são tomados para evitar dano às mudas. Evita-se que caixas e tubetes fiquem espalhados nas áreas de plantio, estes são recolhidos e devolvidos a unidade de produção de mudas com a verificação da devolução através de formulários específicos. A Empresa prioriza os plantios clonais, utilizando-se de materiais genéticos altamente produtivos e detentores de qualidades específicas aos objetivos da produção de biorredutor e do uso múltiplo das florestas. Buscando sempre a prática do bom manejo, os plantios obedecem às Diretrizes para implantação de florestas clonais. Estas diretrizes constam, basicamente, das seguintes orientações: Não há restrições na relação proporcional entre plantios clonais e seminais; Durante o ano são plantados no mínimo 3 clones; Busca a substituição de clones de forma a aumentar a variabilidade genética do material plantado; Plantio em área máxima contínua por clone é de 500 ha. Medidas adicionais foram estabelecidas visando uma maior diversidade genética e Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 18 of 102

19 estabilidade da produção florestal, quais sejam: Formar mosaicos horizontais, considerando a localização das Unidades de Produção de Biorredutor (UPB), bem como mosaicos internos, intercalando-se materiais genéticos e formações vegetais diferentes; Formar mosaicos verticais (mesmo clone em idades distintas) para diversificar a condição biológica de cada clone; Desenvolver clones multiespecíficos (híbridos multiespécies) buscando aumentar a diversidade genética intraclonal; Quando possível, realizar o plantio de clones para diferentes finalidades (ex.: celulose e serraria); Monitorar permanentemente a ocorrência de pragas e doenças; Praticar o bom manejo ambiental para aumentar bordas e possibilitar a manutenção de hospedeiros, parasitas e predadores, em equilíbrio; Indicar clone conforme zoneamento ambiental, levando em consideração a sua estabilidade Produção de semente A ARCELORMITTAL BIOENERGIA preocupa-se com os estudos de introdução de espécies e procedências, buscando encontrar o melhor material genético para suas plantações. Em pouco espaço de tempo tornou-se auto-suficiente em sementes melhoradas, mediante a implantação de inúmeras áreas de produção e de pomares. A Figura 4 ilustra a fase de beneficiamento das sementes. Figura 4: Beneficiamento de semente de eucalipto Atualmente esta atividade na ARCELORMITTAL BIOENERGIA visa, principalmente, o atendimento do mercado nacional de sementes, comercializando e melhorando as espécies: E. cloeziana, E. grandis e E. urophylla. As espécies E. grandis e E. urophylla são base do programa de melhoramento genético onde se busca a formação de material híbrido, associando características desejáveis de densidade, crescimento (produtividade), forma, rendimento gravimétrico (rendimento em biorredutor), rendimento em celulose e qualidade de madeira para outros usos (serraria). Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 19 of 102

20 Produção de Mudas Produção de Mudas por Miniestaquia Caracteriza-se pela utilização de brotações de plantas propagadas pelo método de estaquia convencional como fontes de propágulos vegetativos, não promovendo previamente o seu rejuvenescimento in vitro. A estaca podada emite novas brotações, que em intervalos variáveis em função da época do ano, do clone / espécie, das condições nutricionais, entre outras, são coletadas e estaqueadas em casa de vegetação, para enraizamento. Desta forma, a parte basal da brotação da estaca constitui uma minicepa, que fornecerá as brotações (miniestacas) para enraizamento e formação das futuras mudas. As mudas produzidas de miniestacas apresentam tamanho mínimo de 18 cm e máximo de 25 cm, sistema radicular bem formado, ausência de bifurcação, ausência de sinais de ataque de doenças, pragas, fitotoxicidade e má formação. A ARCELORMITTAL BIOENERGIA é auto-suficiente em sua necessidade de mudas para plantio. Possui duas Unidades de Produção de Mudas de eucalipto, denominadas UPM S, estão elas localizadas nas Regiões Centro Oeste e Itamarandiba, totalizando, aproximadamente, uma capacidade instalada anual de 42 milhões de mudas. As UPM S trabalham com a mais avançada tecnologia, utilizando-se de estruturas de minijardim clonal, onde são colhidas e formadas as mini-estacas, casas de vegetação para a fase de enraizamento e rigoroso controle operacional para o desenvolvimento de formação das mudas. A figura 5 ilustra as fases e as estruturas para produção de mudas. b) a) c) Figura 5: Colheita de mini-estacas no jardim clonal (a), mini-estacas já estaqueadas (b) mudas na casa de vegetação Manutenção de Florestas A manutenção florestal consta de atividades ligadas à fase de crescimento da floresta, ou seja, atividades que garantam o bom crescimento da floresta plantada. Nesta fase destacam-se, também, procedimentos que visam à proteção de todas as áreas, incluindo aquelas de proteção ambiental, como as reservas, preservação permanente e florestas de alto valor de conservação. Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 20 of 102

21 O desenvolvimento e manutenção têm como objetivo principal propiciar a floresta plantada condições adequadas para o seu desenvolvimento através do controle de infestação de plantas daninhas competidoras e do fornecimento de nutrientes ao longo deste desenvolvimento onde as exigências são específicas em nível de certos nutrientes como o potássio, o cálcio, o magnésio e o boro. Roçada em Geral: Trata-se de operação que observa o nível de infestação do sub bosque, idade do maciço, rotação, potencial e finalidade da floresta. Roçada para Exploração: Trata-se de operação que observa o nível de maior infestação do sub bosque, executando-se a batida com dois meses de antecedência. Observam-se as fileiras deixadas para galhadas e determina-se o número de fileiras por empregado. Corta-se vegetação com diâmetros maiores e/ou iguais a 5 cm e 5 m de altura. Conservação de Cercas: Trata-se de operação que visa manter e reparar cercas que protegem as áreas implantadas, as reservas florestais e de preservação permanente com a finalidade se assegurar suas condições normais de utilização e proteção. Aplicação de Herbicida: A partir do monitoramento periódico de infestação, a área a ser controlada é definida e de acordo com as espécies matocompetidoras. Com essas espécies devidamente identificadas o produto é adquirido através de receituário agronômico emitido pela Gerência Regional e/ou Gerência de Meio Ambiente. Com a chegada do produto, este fica armazenado em depósitos específicos com registro de entrada e saída. A calda é preparada de acordo com a recomendação de uso adequado de produtos químicos, o equipamento passa por uma etapa de calibração de seus pulverizadores, observando a vazão e dosagem de acordo com a recomendação do fabricante. É feito um teste de aplicação na área para aferição da vazão e dosagem; a partir do teste o produto é aplicado com uso de barra protegida na entre linha do plantio para eliminar a matocompetição. As embalagens são recolhidas e devolvidas ao depósito após o uso, sendo seguidas corretamente as normas de uso e descarte de insumos agrícolas. Doses e regulagens estão presentes em documento específico denominado Ficha Técnica de Produtos Defensivos. Adubação com Cloreto de Potássio: Trata-se de operação que visa permitir a translocação de carboidratos produzidos nas folhas, a síntese de aminoácidos e o uso eficiente da água pela planta. As dosagens utilizadas dependem do resultado da análise de solo. A forma de aplicação é por filete contínuo na projeção da copa, sem incorporar. Adubação com Calcário Dolomítico: Trata-se de operação que visa fornecer cálcio que é componente da parede celular e participante do processo de reprodução celular, além de fornecer magnésio para a planta, por ser um componente da molécula de clorofila. Aplica-se calcário dolomítico em área total. Esta operação pode ser feita durante todo o ano, de acordo com o estágio de desenvolvimento da planta. Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 21 of 102

22 Aplicação de Boro: Trata-se de operação que visa desenvolver as partes novas da planta, que são muito exigentes. Se a deficiência for grande, a gema terminal ou apical morre. Aplica-se a dosagem recomendada na linha de plantio, antes do período seco Programa de Melhoramento Genético O Programa tem como objetivos principais: Adoção e produção de clones potenciais para atender o programa de formação de florestas; Geração de híbridos interespecíficos; Seleção silvicultural de materiais genéticos adaptados às condições edafoclimáticas específicas de cada Região, conciliando com a avaliação das características tecnológicas da madeira adequadas aos propósitos industriais. Todos os experimentos do PMGF instalados nas Regiões visam avaliar a interação genótipo x ambiente. Para tanto, todas as informações são gerenciadas por um sistema informatizado específico, o qual contempla cadastro dos experimentos; cadastro dos materiais genéticos (clones e sementes); cadastro de tratamentos estabelecidos em cada experimento; mensurações biométricas realizadas ao longo de todo o ciclo do experimento; relatórios emitidos com os dados analisados a nível estatístico e conclusão do pesquisador, nas etapas prédeterminadas de avaliação Solos e Nutrição Florestal As técnicas utilizadas para o manejo do solo priorizam o mínimo revolvimento do solo na implantação florestal para controle de enxurrada; a reposição de nutrientes minerais extraídos do solo pelas árvores e a manutenção de um máximo de resíduos após a colheita florestal. O sistema de preparo do solo permite que os resíduos da colheita florestal do ciclo anterior permaneçam sobre o solo, protegendo-o contra variações bruscas de temperatura, reduzindo a perda de água por evaporação, protegendo o solo contra a erosão, fatos que favorecem a atividade dos componentes da fauna e da flora do solo. A fertilização do solo é realizada a partir de coletas de dados que determinam a demanda nutricional das árvores, produção esperada e disponibilidade de nutrientes no solo ou existente nos resíduos vegetais, calculam a quantidade de fertilizante que deve ser aplicada ao povoamento para que a produção esperada seja alcançada Proteção Florestal Prevenção e Combate a Incêndios Florestais: A Prevenção e combate a incêndios florestais são compostos pela infra-estrutura de vigilância, constituída de torres de observação, guardas florestais motorizados, brigadas de combate ao fogo, treinadas permanentemente. A Empresa possui brigadas de combate ao fogo, treinadas e recicladas periodicamente, As informações são repassadas com o apoio de torres de vigilância, distribuídas em toda a área do Manejo Florestal e de vigilantes motorizados, equipados com rádio de comunicação. Todas as informações de ocorrência de fogo são canalizadas para as centrais de controle localizadas nos escritórios da Empresa que acionam todos os recursos necessários ao combate. Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 22 of 102

23 Medidas preventivas campanhas: As campanhas são muito importantes para a Prevenção de Incêndios Florestais, seu prévio planejamento e execução anterior ao período crítico de ocorrência dos incêndios pode determinar a economia de recursos e esforços Colheita Florestal A colheita é definida pelo corte e extração florestal, gerando estoque de madeira para o processo de produção de biorredutor ou para usos, tais como; madeira in natura, madeira para construção civil. Desta forma, considera-se a localização das Unidades de Produção de Biorredutor (UPB) e os maciços florestais, visando atender o volume de madeira programado para garantir a produção de biorredutor. Antes de iniciar o corte da floresta de um projeto, faz-se um planejamento da seqüência dos talhões a serem cortados. Solicita-se o Plano de Corte identificando: lote, estrato, talhões; verifica-se a medição do lote, área e tipo de corte e previsão inicial da exploração usando-se o cadastro florestal, a planta do projeto com as parcelas de campo demarcadas e a distância da estrada até a parcela identificada. O processo de plano de corte é elaborado e protocolado no IEF, o órgão tem 60 dias a partir da data do protocolo para analisar, vistoriar e aprovar o plano de corte, enquanto isso não ocorrer, a exploração não é iniciada. Informa-se e registra-se no Controle da Exploração Florestal (Caderneta de Campo), os dados do lote que será explorado e o registro correto das informações de exploração no Controle da Exploração Florestal, isto é assegurado pelo supervisor. A colheita florestal é realizada de forma semi-mecanizada na Região do Rio Doce, por questões de topografia e mecanizada nas demais regiões da Empresa. Além desses procedimentos adotados anteriormente a atividade de colheita alguns aspectos são considerados, são eles: Áreas inclinadas: é priorizado o transporte de madeira no período de estiagem. Projetos com área acima de 300 hectares - a seqüência de corte é dividida de modo que se inicie pelo centro finalizando as margens de uma reserva ou de outro projeto. Desta forma o processo oferece oportunidade para que a fauna procure abrigo nas áreas de reserva. Colheita noturna: são priorizadas áreas que não sejam próximas a moradores ou comunidades, assim como Florestas de Alto Valor de Conservação. Nas extremidades do projeto que divide com as reservas legais ou permanentes, são tomados todos os cuidados para não prejudicar a vegetação nativa. Se o escoamento da madeira do projeto necessitar de abertura de estrada, esta deverá ser construída procurando minimizar os impactos ambientais. A colheita florestal gera movimentação de máquinas, de veículos e de pessoas. Desta forma, exige atenção por parte da Empresa no sentido de estar sempre comunicando, quando houver vizinhos e/ou comunidades próximas ao manejo, sobre as atividades que serão executadas. Esta comunicação é feita verbalmente às pessoas e através de placas de sinalização nas estradas de acesso aos pontos de trabalho. Para a escolha das máquinas e equipamentos utilizados na colheita são levados em consideração os aspectos econômicos, sociais e ambientais. As principais diretrizes seguidas são: Máquinas que tenham menor consumo de combustível; Aspectos ergonômicos para maior segurança e conforto dos operadores, por exemplo, cabines fechadas, com ar condicionado e com som ambiente; Sistema de rodagem que causem menor compactação do solo. Por exemplo, pneus largos e esteira, permitindo o maior contato e menores danos ao solo; Public Report ArcelorMittal_MPG_19_Jun_2010 traduzido_final Page 23 of 102

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 Página2 Página3 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Madepar Indústria e Comércio de Madeiras LTDA certificou suas florestas de acordo com os Princípios e Critérios

Leia mais

Procedimento IFC. Antonio José de Sousa

Procedimento IFC. Antonio José de Sousa Procedimento IFC PROJETO FLORESTAL BRASIL Antonio José de Sousa Junho 2010 LOCALIZAÇÃO PLANO DE NEGOCIO A Florestal foi constituída em julho de 2007, tendo como acionistas a J&F Participações S.A e a MCL

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL.

NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL. TÉCNICAS MODERNAS DE PREPARO DO SOLO NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL. Edésio P. Bortolas 1 João Batista Rosa 2 1. INTRODUÇÃO A unidade florestal da Klabin

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal Richard Respondovesk ESALQ - 20/08/2014 Tópicos A Empresa Áreas de atuação Cadeia produtiva florestal Planejamento e mercado Uso de tecnologias

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Resumo Público RIO CAPIM PA / 2011 2 EMPRESA CIKEL BRASIL VERDE MADEIRAS LTDA - COMPLEXO RIO CAPIM Fazenda Rio Capim, Rod. BR 010, Km 1564, Zona Rural Paragominas-PA

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil 1º Congresso Florestal do Tocantins Novembro 2010 Situação florestal do Brasil IBGE

Leia mais

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO PROJETO CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI RELATÓRIO DE ATIVIDADES ASSENTEMENTOS SERRA DAS ARARAS, FORMIGUINHA E POUSO ALEGRE JULHO DE 2011 INTRODUÇÃO

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR

Cadastro Ambiental Rural CAR Cadastro Ambiental Rural CAR LEGISLAÇÃO Lei Federal nº 12.651/2012 Código Florestal Brasileiro; Lei Estadual n.º 20.922/2013 - Dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL

VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL A EMPRESA Fundada em 1969, o objetivo principal da Vallourec unidade Florestal é o plantio de florestas de eucalipto para, a partir delas, produzir o carvão vegetal, um dos

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REUTER

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REUTER REQUERIMENTO PARA ABERTURA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO..., de CPF/CNPJ nº... requer análise (Nome / Razão Social) das informações anexas para solicitação de... (Tipo de Documento Licenciatório) para a atividade

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico

Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico Engº Florestal UFV Mestre em Genética e Melhoramento Florestal UFV Especialista Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas - UFLA Novembro/2013

Leia mais

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO PLANO PLURIANUAL 2010-2013 CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO - FUNCIONAL PROGRAMÁTICA 18000000 GESTÃO AMBIENTAL 18542000 CONTROLE AMBIENTAL 18542010 PROGRAMA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 185420102.074 COORDENAÇÃO DOS

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS SOBRE A ZONAS DE ESPECIAL INTERESSE AMBIENTAL DE VILA VELHA DECORRENTES DAS ALTERAÇÕES NO PDM

IMPACTOS AMBIENTAIS SOBRE A ZONAS DE ESPECIAL INTERESSE AMBIENTAL DE VILA VELHA DECORRENTES DAS ALTERAÇÕES NO PDM IMPACTOS AMBIENTAIS SOBRE A ZONAS DE ESPECIAL INTERESSE AMBIENTAL DE VILA VELHA DECORRENTES DAS ALTERAÇÕES NO PDM YGO SILVESTRE DE DEUS Biólogo/Mestrando em Ecologia ygo.deus@gmail.com Condicionantes da

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO ACEIRO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

IMPLANTAÇÃO DO ACEIRO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS IMPLANTAÇÃO DO ACEIRO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS E OUTRAS INFRA-ESTRUTURAS NO SAPIENS PARQUE Florianópolis, 23 de julho de 2008 1. OBJETIVO DESTE DOCUMENTO Este documento busca informar a comunidade

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS Principais Objetivos da Política Ambiental de MS para o Setor Florestal Reduzir a pressão sobre a vegetação nativa, especialmente aquela

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Osvaldo Cruz

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Osvaldo Cruz Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Osvaldo Cruz Cultivo(s): Café (Coffea arabica L.) Data do Resumo Público: 18 de abril de 2012 Data de Entrega do Relatório: 16

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS VALORAÇÃO DA BIODIVERSIDADE E PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Deputado Arnaldo Jardim Brasília Março de 2013 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA Política Nacional

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal Resumo Público do Plano de Manejo Florestal Atualizado em outubro de 2015 Apresentação do Plano de Manejo O Plano de Manejo da Vallourec unidade Florestal documenta os processos produtivos e dá suporte

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais.

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. Parceria PúblicoP blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. João Cancio de Andrade Araújo Superintendente Florestal ASIFLOR BRASÍLIA MARÇO/2010 ASSOCIAÇÃO DAS SIDERÚRGICAS

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 SOJA BRASILEIRA A soja é a principal cultura agrícola do Brasil - 28 milhões de ha (25% da área mundial plantada)

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 1129 1 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios 30 anos da FLONA do Jamari História e desafios Porto Velho- RO Outubro/2014 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio Autarquia Federal vinculada ao MMA Missão: Proteger o patrimônio

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO PROTEÇÃO VEGETAL Grupo de Serviço OBRAS COMPLEMENTARES Código DERBA-ES-OC-04/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de proteção

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

ANEXO IV NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

ANEXO IV NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ANEXO IV NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA A) OBJETIVO Diretrizes ambientais a serem seguidas durante os trabalhos de manutenção de redes de transmissão de

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA CURITIBA - DADOS GEOGRÁFICOS Área - 432,17 km2 Relevo - Levemente ondulado Extensão Norte Sul - 35 km Extensão Leste-Oeste

Leia mais

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável José Humberto Chaves Gerência de Planejamento Florestal Setembro, 2010-1 - Sumário 1. As florestas no Brasil. 2. O Setor Florestal

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Instituto Brasileiro de Florestas:

Instituto Brasileiro de Florestas: Instituto Brasileiro de Florestas: O Instituto Brasileiro de Florestas (IBF) tem como missão a restauração e conservação de florestas nativas. Desde a sua fundação, o IBF se preocupa em encontrar soluções

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais COMUNICAÇÃO TÉCNICA 170786 Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais Caroline Almeida Souza Maria Lucia Solera Trabalho apresentado no Workshop

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

POLO ARAGUAIA UNIDADE MORRO VERMELHO PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL PGA"

POLO ARAGUAIA UNIDADE MORRO VERMELHO PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL PGA POLO ARAGUAIA UNIDADE MORRO VERMELHO PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL PGA" Informações Unidade Morro Vermelho UMV: Razão social: BRENCO Companhia Brasileira de Energia Renovável S.A. Endereço: Rodovia GO 341

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

Tecnologia de Produção de Biomassa Energética. Capítulo 2 Florestas Energéticas

Tecnologia de Produção de Biomassa Energética. Capítulo 2 Florestas Energéticas Tecnologia de Produção de Biomassa Energética Capítulo 2 Florestas Energéticas Bibliografia indicada Biomassa para energia Capítulo 4 Florestas Energéticas no Brasil (págs. 93 a 108) Capítulo 3 Tópico

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS 1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS O Programa de Preservação e Recuperação de Ecossistemas visa o aumento da biodiversidade e a recuperação da paisagem. É composto por um conjunto

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GESOL Nº 19/2009

RELATÓRIO TÉCNICO GESOL Nº 19/2009 RELATÓRIO TÉCNICO GESOL Nº 19/2009 Assunto: Gestão de barragens de rejeitos e resíduos em empreendimentos industriais e minerários de Minas Gerais. Referência: Resultados obtidos a partir das diretrizes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS

Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS Osvaldo A. Riedlinger. dos Santos Engenheiro Florestal UNIFENAS/1987 IMAP:Gerente de Recursos Florestais GERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais