A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE SEGURANÇA DO TRABALHO EM UM SISTEMA DE GESTÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE SEGURANÇA DO TRABALHO EM UM SISTEMA DE GESTÃO"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE SEGURANÇA DO TRABALHO EM UM SISTEMA DE GESTÃO Paulo Henrique Gonçalves da Costa 1 Dr. Euclides Antônio Pereira de Lima 2 RESUMO Com a demanda crescente da exigência dos consumidores, as empresas necessitam demonstrar sua preocupação com o meio ambiente, segurança do trabalhador e com a sociedade. Para isso são criados sistemas de gestão, com objetivos de melhoria dos processos e mitigação de seus impactos ambientais, reduzir o número de acidentes e doenças do trabalho bem como, melhorar seu relacionamento com a sociedade. Assim para avaliar a eficácia dos sistemas de gestão, são necessários indicadores que norteiem as empresas sobre o seu desempenho no sistema de gestão. Desta forma, esse trabalho visa destacar a importância dos indicadores em um sistema de gestão. Foram avaliados dois indicadores de ergonomia em uma grande empresa do distrito industrial de Uberlândia, que direciona todo seu sistema de gestão de ergonomia por meio destes indicadores, com ações focadas nas áreas que necessitam de maior atenção. Os dois indicadores são de ergo taxa e ergo queixa. Verificouse, inicialmente, uma elevada ergo taxa da fábrica, impactada principalmente pela área de manipulação de kits promocionais. Com ações direcionadas no setor o indicador foi reduzido. A ergo queixa da fábrica também estava elevado e mostrou-se necessário ações na área da matéria prima filtros. Assim os indicadores contribuem para melhorar a gestão do processo de ergonomia da fábrica. Palavras-Chave: Indicador. Sistema de Gestão. Ergonomia. ABSTRACT With the increasing demand of consumer exigency, companies need to demonstrate their concern for the environment, worker safety and the society. For that management systems are created for the purposes of process improvement and mitigation of environmental impacts, reduce the number of occupational accidents and diseases as well as improve their relationship with society. Thus indicators needed to guide companies on their performance in the management system to assess the effectiveness of management systems. Thus, this work aims to highlight the importance of indicators in a management system. Two indicators of ergonomics were evaluated in a large company in the industrial district of Uberlândia, which directs all its management system ergonomics through these indicators, with actions focused on the areas that need more attention. The two indicators are the ergo taxa and ergo queixa. Was verified initially one high ergo taxa of the factory mainly impacted by the Promotion area. With actions directed in the Promotion area, that indicator was reduced. The ergo queixa was also high and showing the need for action in the area of filters. Thus the indicators help to improve the management of the factory s ergonomics process. 1 Estudante da pós graduação de Engenharia de Segurança do trabalho. 2 Doutor em Engenheria Química e Engenheiro de Segurança do Trabalho, orientador deste artigo.

2 Keywords: Indicator. System Management. Ergonomics. INTRODUÇÃO Com o advento da revolução industrial, as empresas buscaram a produção em série para atingir maior produtividade e consequentemente maiores lucros. Para atingir esses objetivos, as indústrias substituíram o trabalho manual pelos maquinários. Assim conseguiam produzir maior quantidade de produtos, em tempo menor, e com um padrão preestabelecido. Com isso, o homem alterou sua rotina de trabalho, passando de participante de um processo completo de produção para apenas partes desse processo. O referido processo é explicado por Gasparetto (2014) como a aquisição de máquinas pelos próprios fabricantes altera a forma de trabalhar e a sociedade com objetivo de produzir maior lucro e riqueza. A classe que se consolida junto com processo de industrialização é a burguesia. Com a alteração, em muitas situações o homem é substituído por máquinas nas atividades de produção. A industrialização gera um grande impacto na sociedade e aumenta a divisão do trabalho, por meio de grandes progressos em produtividade industrial, impulsiona o crescimento da classe média, bem como o crescimento dos padrões de consumo. Os novos maquinários, para fabricarem produtos, utilizavam várias fontes de energia, tais como: elétrica, mecânica, térmica e outros, surgindo assim os riscos em relação ao contato do homem com a máquina, visto que a transmissão desta energia era realizada sem proteção dos movimentos, acarretando maior risco de acidente no trabalho, conforme avaliado por Rodolfo Vilela (2000) com uma avaliação de toda a vida útil de uma máquina no Brasil podese comprovar que na concepção delas, não há preocupação com o trabalhador que utilizará o equipamento, bem como na segurança do ser humano, visto que, são vendidas sem dispositivos mínimos de segurança e mesmo assim são colocadas em operação. Após o acontecimento de algum acidente, independente da consequência, pode ser que ocorra alguma adaptação e se instale dispositivos de segurança. No Brasil a primeira legislação sobre segurança do trabalho foi em 1978, por meio da portaria 3214/78. Nesta legislação estão contidas as Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego (NR s). A criação da legislação trabalhista são feitas em comissões tripartites com representantes dos empregadores, do governo e dos trabalhadores. Sobre o início do processo de segurança no Brasil, Bitencourt (1998) explica que ainda nos anos 70, aparece a função do Engenheiro de Segurança do Trabalho nas organizações, exclusivamente para atender a lei federal, e com o objetivo de redução dos acidentes de

3 trabalho. Neste início o papel do profissional foi apenas como um fiscal e com uma visão apenas corretiva quando havia o acidente. Deste período para hoje, essas legislações sofreram muitas alterações para adaptação as mudanças que ocorreram nos sistema produtivo e se adequando as mudanças de tecnologia. Assim, para organizar e controlar o cumprimento dessas legislações é necessário um sistema de gestão de segurança que aponte pontos que a empresa está trabalhando com excelência e destacar também as vulnerabilidades. As grandes empresas possuem sistemas de gestão baseados no sistema ISO International Organization for Standardization ou outras entidades voltadas para certificações dos estabelecimentos que possuem os requisitos mínimos em determinado assunto. Os consumidores estão cada vez mais exigentes em relação a empresa que fabrica os produtos que eles utilizam, em questão de qualidade do produto, sustentabilidade e segurança do trabalho. Desta forma, para evitar uma possível perda do mercado, ocorrem investimentos em certificações e em sistemas de gestão para conquistar os ninchos de mercado. Erick Chaib (2005) afirma que um sistema de gestão eficiente que contemple os aspectos de segurança do trabalho, com as ferramentas adequadas e um bom acompanhamento é possível atingir excelentes níveis quanto aos riscos a que os trabalhadores estarão expostos e consequentemente a possibilidade de acidentes. Para checar como está o sistema de gestão de uma empresa é necessário criar indicadores que possibilitem avaliar todo o processo. Assim, o objetivo deste trabalho é apresentar o papel dos indicadores em um sistema de gestão de segurança. O que norteia este trabalho é a apresentação de um indicador utilizado em uma grande indústria do setor fumageiro de Uberlândia que avaliam queixas médicas e atestados para diagnosticar os locais de trabalho que necessitam de melhorias ergonômicas. Após essa constatação, foram realizadas reuniões com o comitê da área para levantar junto com os colaboradores quais são esses pontos e quais melhorias serão necessárias para que o respectivo posto de trabalho tenha maior segurança. 1 ESTATÍSTICAS Atualmente o Brasil é um país com um dos piores índices de acidentes no mundo. Segundo o estudo da OIT realizado em 2012, o Brasil ocupa hoje o 4º lugar no mundo em relação ao número de mortes, com óbitos. O país perde apenas para China (14.924), Estados Unidos (5.764) e Rússia (3.090). (MANHABUSCO, 2013).

4 Mesmo com um resultado ruim comparando com o restante do mundo, os números mostram que estamos evoluindo quando comparamos os dados atuais com anos anteriores. Segundo Anuário da Revista Proteção (2014), em 1970 ocorreram acidentes para um total de trabalhadores perfazendo assim um valor aproximado de 1 acidente para cada 6 trabalhadores. Já no ano de 2012 foram eventos para um total de empregados, totalizando aproximadamente 1 acidente para cada 69 trabalhadores. Essa evolução também é percebida quando é avaliado o número de mortes de trabalhadores conforme mostrado na Figura 1. Figura 1 Acidentes de trabalho de 1970 a Fonte Anuário da Revista Proteção (2014) Na Figura 1 pode-se verificar a evolução na segurança do trabalho ocorrida no Brasil durante o período de 1970 a Em função da evolução na segurança, foram evitadas mortes de trabalhadores, isso demonstra que o país está no caminho certo e que é possível melhorar sempre. Para isso, os indicadores são essenciais na demonstração da evolução. 2 SISTEMA DE GESTÃO Segundo Bueno (1996) a palavra gestão significa gerência, administração. Já a palavra sistema segundo este mesmo dicionário significa conjunto de partes coordenadas

5 entre si, doutrina, conjunto de partes similares, conjunto de leis ou princípios que regulam certa ordem de fenômenos, plano. Então é possível concluir que o Sistema de Gestão é um conjunto de ferramentas coordenadas para administração de um assunto específico. O indicador é uma das ferramentas que auxiliam o sistema de gestão. Segundo a Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ (2011): Os indicadores são instrumentos de gestão essenciais nas atividades de monitoramento e avaliação das organizações, assim com seus projetos, programas e políticas, pois permitem acompanhar o alcance das metas, identificar avanços, melhorias de qualidade, correção de problemas, necessidades de mudanças etc. E seus objetivos são mensurar os resultados e gerir o desempenho, embasar a análise crítica dos resultados obtidos e do processo de tomada de decisão, contribuir para a melhoria contínua dos processos organizacionais, facilitar o planejamento e o controle do desempenho e viabilizar a análise comparativa do desempenho da organização. Segundo Erick Chaib (2005) a criação de indicadores ambientais e de Saúde e Segurança do Trabalho não são obrigatórios pelas normas, mas têm elevada importância no alcance dos objetivos e metas. Uma forma de avaliar como está o sistema de gestão em segurança do trabalho é a certificação OHSAS 18001: Occupational Health and Safety Assessment Services. Segundo Erick Chaib (2005) OHSAS 18001:1999 é uma certificação específica para sistemas de gestão de segurança e saúde ocupacional que teve como referência a norma inglesa BS 8800:1996. E a vantagem que possui a OHSAS 18001:1999 é a compatibilidade com a sequência de procedimentos existentes na ISO 9001:2000. Para a segurança do trabalho é muito importante uma certificação na área, pois ajuda no desenvolvimento de praticas mais seguras e melhorias no ambiente de trabalho. 3 ERGONOMIA Ergonomia é a ciência que estuda a interação entre o homem e a máquina. Moraes e Mont Alvão (1998) atestam que a ergonomia compreende a aplicação de tecnologia da interface homem sistema em projetos ou modificações de sistemas para aumentar a segurança, conforto e eficiência do sistema e da qualidade de vida. De outra forma, Grandjean (1998) apresenta esse conceito, de forma abreviada, como a ciência da configuração do trabalho adaptada ao homem. De outro modo Dul e

6 Weerdmeester (1995) afirmam que a ergonomia se aplica ao projeto de máquinas, equipamentos, sistemas de tarefa, com o objetivo de melhorar a segurança, saúde, conforto e eficiência do trabalho. Conforme Tomasini (2001): No projeto do trabalho e nas situações cotidianas, a ergonomia sempre focaliza o homem. As condições de insegurança, de insalubridade, de desconforto e de ineficiência são eliminadas quando adequadas às capacidades físicas e psicológicas do homem. São considerados vários aspectos, tais como: a postura e os movimentos corporais (sentado, em pé, empurrando, puxando e levantando pesos), fatores ambientais (ruído, vibrações, iluminação, temperatura e agentes químicos), informação trocada (informações captadas pela visão, audição e outros sentidos), controles (relação entre mostradores e controles) bem como a composição das tarefas para que estejam adequadas as capacidades físicas e mentais do ser humano. A ergonomia está presente em todos os ambientes fabris e contribui para a qualidade dos produtos oferecidos pela empresa. Neste contexto, Tomasini (2001) explica que a performance humana influencia na qualidade dos produtos fabricados, sendo que o desempenho humano está diretamente ligada a forma de realização da tarefa ou do local de trabalho. Alguns aspectos que podem afetar na qualidade dos produtos são as condições ambientais em situações ruins, o tempo insuficiente para realização da atividade e o treinamento insuficiente para realização das atividades. 4. ESTUDO DE CASO Em uma grande empresa do ramo fumageiro, situada no distrito industrial de Uberlândia foram implantados indicadores que suportam o sistema de gestão de ergonomia da mesma. Foram avaliados todos os atestados e queixas referente aos CIDs (código internacional de doenças) F, M e R que são respectivamente ligados a doenças psicossociais (F), musculares (M) e outros não especificados (R). Os indicadores foram nomeados de ergo taxa e ergo queixa, sendo o primeiro a avaliação dos atestados e dias de afastamento e o segundo as queixas no departamento médico da empresa. Os indicadores foram construídos em conjunto com a empresa Sobane Brasil, pelo seu consultor Paulo Cidade e com o auxilio de varias empresas onde esta é utilizada, sendo a melhoria continua evidenciada uma vez que indicadores refletem culturas, mas todos tem o poder de controlar administrar e melhorar, neste caso melhorar o bem-estar da empresa

7 no quesito Saúde e Produtividade. Sendo que na empresa Fumageira deste estudo de caso foi incluído o CID R, como um CID preventivo no controle da Doenças ocupacionais. Os cálculos foram criados baseando-se na taxa de frequência e taxa de gravidade, que são indicadores utilizados pelo Ministério do Trabalho e Emprego. A taxa de frequência é a multiplicação do número de acidentes por um milhão de horas trabalhadas. O resultado é dividido pelas horas trabalhadas. Sendo que as horas trabalhadas é a multiplicação das horas diárias, dias trabalhados e número de funcionários expostos aos riscos. A taxa de gravidade diferencia da taxa de frequência na substituição dos dados de número de acidentes pelo tempo computado, que por sua vez, é a soma dos dias perdidos com os dias debitados. Os dias perdidos são a somatória dos dias de afastamento e os dias debitados. Os dias debitados são consultados em tabela do Ministério do Trabalho, onde são avaliados as lesões e cada uma delas são atribuídos uma quantidade de dias perdidos. O cálculo é da ergo taxa é a somatória dos dias de afastamento pelo número de dias trabalhados. Onde o número de dias trabalhados é a multiplicação dos dias do mês vezes o número de funcionários. O cálculo da ergo queixa é o número de queixas dividido pelo número de colaboradores da área. Os cálculos da ergo taxa e ergo queixa são importantes para verificação do sistema de gestão de ergonomia, se o mesmo está funcionando adequadamente. Por meio deles pode-se avaliar a curva de tendência, a variação acentuada em algum mês específico, verificar qual área é necessária maior atenção e avaliar situações de risco para o trabalhador. É importante salientar que a ergo queixa é um indicador proativo visto que ainda não ocorreu o atestado e a empresa ainda não está perdendo dias de trabalho, e é muito importante, pois sinaliza os locais onde estão os problemas, possibilitando assim, ações para melhoria antes de ocorrer algo com maior gravidade. Já a Ergo taxa é um indicador reativo, visto que já aconteceu o afastamento e a empresa já perdeu seu colaborador naqueles dias. Desta forma, é necessário focar na ergo queixa para não deixar se tornar uma ergo taxa. Esses indicadores são apresentados considerando toda a fábrica, por área e por célula, facilitando assim a gestão de ergonomia dos setores de trabalho. É possível visualizar onde os problemas ocorrem e compará-los com as demais áreas, visto que o cálculo leva em consideração a quantidade de funcionários de cada área. Na Tabela 1 é apresentado a ergo taxa geral da fábrica, referente ao período de dezembro de 2013 a agosto de 2014, com as demais informações que compõe o cálculo.

8 Tabela 1 Ergo Taxa da empresa de dez/2013 a Ago/2014 Atestados Dez/13 Jan/14 Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Quant. Colaboradores Número de Atestados Número de dias do mês Total de dias Dias Perdidos Ergo Taxa 0,44% 0,69% 0,28% 0,55% 0,57% 0,34% 0,28% 0,33% 0,32% Fonte: Elaborador pelo autor Com os resultados encontrados na Tabela 1, pode-se observar que no início do ano (dezembro/13 a abril/14) o indicador estava muito elevado, atingindo o patamar de 0,69% e nos meses subsequentes foram reduzidos, chegando em junho no menor resultado do ano (0,28). Nota-se também que no mês de fevereiro, houve um indicador de 0,28%, porém os dias perdidos deste mês foram 80, contra 69 de junho. Isso ocorreu devido o maior número de colaboradores em atividade no mês fevereiro em comparação com junho, respectivamente 1279 e 1123 colaboradores. Com base nos resultados dos primeiros meses a empresa realizou algumas ações focadas nos setores com maior índice e conseguiu reduzir a sua ergo taxa. Na Tabela 2 apresenta-se o setor que possuía o maior índice de ergo taxa de toda a fábrica. As ações de ergonomia foram focadas nesta área com o intuito de reduzir esse indicador. O setor avaliado é o de manipulação de kits promocionais, pois nele são confeccionados os itens destinados às promoções e também onde se realiza o desmanche de carteiras de cigarros. Neste local o trabalho é realizado manualmente, e os colaboradores executam suas atividades na posição sentada durante toda a jornada de trabalho, sejam elas de desmanche carteiras de cigarros ou montagem de kits promocionais. Tabela 2 Ergo Taxa setor de manipulação de kits promocionais dez/2013 a ago/2014 Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Quant. Colaboradores Número de Atestados Número de dias do mês Total de dias Dias Perdidos Ergo Taxa 0,71% 1,52% 0,59% 2,27% 2,73% 1,97% 0,66% 0,82% 0,56% Fonte: Elaborado pelo autor Na Tabela 2, observar-se que o indicador do setor teve oscilações significativas no início do ano de 2014 e que nos últimos três meses ocorreram reduções para índices menores que de 1% e sem grandes oscilações. É importante ressaltar que foram implantadas ações de

9 melhoria no local em função dos primeiros resultados obtidos e que consequentemente foram refletidos positivamente nos últimos meses. As ações realizadas foram a construção de uma mesa ergonômica que possibilitou o colaborador trabalhar na posição de pé ou sentado, variando as posições e obtendo maior conforto. Outra ação implementada foi a redução da jornada de trabalho, sendo que anteriormente os colaboradores trabalhavam em 2 turnos de segunda a sexta-feira, onde o primeiro turno iniciava as 05:20h e terminava às 14:53h e o segundo turno tinha início às 12:20h e término às 22:00h. Os dois turnos se encontravam das 12:20 às 14:53. A alteração foi no término do primeiro turno, passando de 14:53h para 13:40h e início do segundo turno começando somente às 13:40 ao invés de 12:20h. Esta ação eliminou a conjunção dos dois turnos, diminuindo o tumulto e facilitando a organização e coordenação dos trabalhos. Com a implantação destas ações, o resultado do indicador reduziu bastante nos últimos meses, conforme evidenciado na Tabela 2. O indicador de ergo queixa é o número que indica a possibilidade de um afastamento, visto que, o colaborador já está sentindo incômodo em alguma parte de seu corpo. Por isso, esse indicador é de grande importância para a companhia. Na Tabela 3 é apresentado o indicador ergo queixa de toda a fábrica. Tabela 3 Ergo Queixa da fábrica dez/2013 a ago/2014 Queixas Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Quant. Colaboradores Número de dias/mês Total Dias Número de Queixas Ergo Taxa 4,4% 4,4% 1,7% 3,9% 2,9% 4,2% 2,4% 2,8% 4,7% Fonte: Elaborado pelo autor Conforme demonstra a Tabela 3 o indicador está com grandes oscilações durante o período avaliado, sendo que no mês de agosto ocorreu o maior índice (4,7%) e no mês de fevereiro o menor (1,7%). Por meio desse resultado é possível alertar as lideranças sobre necessidades de melhorias ergonômicas para que as queixas não se transformem em afastamentos do trabalho. Para facilitar a tomada de decisão foi gerado também o número de ergo queixa por área, possibilitando assim a identificação dos locais com maiores problemas. Na Tabela 4 apresenta-se a área que teve o maior índice de ergo queixa.

10 Tabela 4 Ergo Queixa setor de matéria prima filtros dez/2013 a ago/2014 Queixas Efetivos Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Quant. Colaboradores Número de dias/mês Total Dias Número de Queixas Ergo queixa 7,1% 7,1% 4,0% 6,1% 7,1% 2,0% 1,9% 3,8% 10,4% Fonte: Elaborado pelo autor Pode-se observar na Tabela 4, que no mês de agosto de 2014 a área de matéria prima filtros teve um índice muito alto de ergo queixa (10,4%), em comparação com os demais meses, indicando assim um alerta para esse setor. Com a apresentação dos indicadores aos gestores de área, os mesmos podem elaborar seus respectivos planos de ações, no sentido de redução dos mesmos, proporcionando assim melhorias nas condições de trabalho dos colaboradores. CONSIDERAÇÕES FINAIS Por meio deste artigo foi possível observar que o Brasil está em processo de evolução nas questões de segurança do trabalho e nos números de acidentes. Para seguir evoluindo o caminho são os sistemas de gestão de segurança. Assim o artigo apresentou uma forma de avaliação de um sistema de gestão de ergonomia aplicado em uma indústria do ramo fumageiro de Uberlândia. Para checar a forma de avaliação do sistema de gestão de ergonomia, foram criados dois indicadores que possibilitam análises estratégicas para tomada de decisão. Os indicadores criados, ergo queixa e ergo taxa, possibilitam a gestão adequada da ergonomia e auxilia na tomada de decisão da gerência para destinar recursos financeiros para o local que necessita de melhorias no ambiente de trabalho. Por meio do indicador, que é gerado por área, a indicação das necessidades é especificada para aquele local de trabalho. Com essas informações é possível direcionar as ações, evitando gastos desnecessários e investimentos em áreas que já possuem um bom padrão. Com isso evita-se desperdícios financeiros e aumenta seus lucros, visto que, em um ambiente de trabalho mais seguro, os trabalhadores produzem em maior velocidade e com maior qualidade.

11 REFERÊNCIAS ANUÁRIO DA REVISTA PROTEÇÃO Disponível em Acesso em: 7 out ARAÚJO, Nelma Miriam Chagas. Proposta de sistema de gestão da segurança e saúde no trabalho, baseado na OHSAS 18001, para empresas construtoras de edificações verticais João Pessoa PB. Tese de Doutorado. BITENCOURT, Celso Lima; QUELHAS, Osvaldo Luis Gonçalves. Histórico da evolução dos conceitos de Segurança. XXIX ENEGEP Encontro Nacional de Engenharia de Produção Niterói, RJ. BUENO, Francisco da Silveira. Minidicionário da língua portuguesa. Ed. ver. e atual. Por Helena Bonito C. Pereira, Rena Signer. São Paulo: FTD: LISA, CHAIB, Erick Brizon D Angelo. Proposta para implementação de sistema de gestão integrada de meio ambiente, saúde e segurança do trabalho em empresas de pequeno e médio porte: Um estudo de caso da Indústria Metal-Mecânica Rio de Janeiro RJ. Tese de Mestrado. DUL, Jan. WEERDMEESTER, Bernard. Ergonomia Prática. Editora Edgard Blucher Ltda São Paulo SP. EQUIPE DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Indicadores de desempenho Disponível em: dores_de_desempenho.asp Acesso em: 01 out GRANDJEAN, Etienne. Manual de Ergonomia. Editora Artes Médicas Sul Ltda Porto Alegre RS. JÚNIOR, Antônio Gasparetto. Industrialização. Disponível em: Acesso em 7 out MANHABUSCO, José Carlos. Cresce o número de acidentes de trabalho em todo o mundo Disponível em: Acesso em 23 set. de MONT ALVÃO, Claudia. MORAES, Anamaria. Ergonomia Conceitos e Aplicações. 2AB Editora Ltda Rio de Janeiro RJ. PORTARIA NO 3214, DE 08 DE JUNHO DE Aprova as Normas Regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho, relativas à Segurança e Medicina do Trabalho, 1978.

12 TOMASINI, Arno. Desenvolvimento e aplicação de modelo de gestão ergonômica para uma empresa da indústria metalúrgica Porto Alegre RS. Tese de Mestrado VILELA, Rodolfo Andrade Gouveia. Acidentes de trabalho com máquinas identificação de riscos e prevenção. Disponível em: Acesso em 18 out

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL Márcio Alves Marçal 1,2, Ph.D. Cláudia Ferreira Mazzoni 2, Ph.D. Aguinaldo Diniz Filho 3 1 Centro Universitário

Leia mais

RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA. Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil UFC - 2012

RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA. Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil UFC - 2012 RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Aluna: Thalita Ripardo Ximenes Orientadora: Profª.. Dra. Ana Barbara de Araujo Nunes Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MAIA, Lívia Cândida 1 ; RODRIGUES, Adonay; BARBOSA, Beatriz Ribeiro Kherlakian; RESENDE, Vitor Nascimento; PORTO, Adriel Cruvinel, SANTOS, Kaio Guilherme

Leia mais

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS.

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Curso de Atualização Semipresencial Gestão das Condições De Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde 1. TÍTULO Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Daniele da Silva

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT Autor Gustavo César de Alencar LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. RESUMO O objetivo deste trabalho é mostrar todo o esforço que a Light

Leia mais

DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS Engenharia de Segurança do Trabalho. Programa de Ajuste Ergonômico OTIMO CASE de Sucesso

DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS Engenharia de Segurança do Trabalho. Programa de Ajuste Ergonômico OTIMO CASE de Sucesso DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS Engenharia de Segurança do Trabalho Programa de Ajuste Ergonômico OTIMO CASE de Sucesso Outubro de 2010 GRUPO FINANCEIRO VOTORANTIM BV Financeira 5.731 Colaboradores BV Sistemas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF Sistema de Gestão Ambiental na Estação Antártica Comandante Ferraz SGA/EACF

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU Jessé de Souza da Silva, José Arnaldo de Oliveira Almeida, Gabriel Pereira da Silva Gerenciamento de Configuração de Software Uma Abordagem Conceitual João Pessoa 2015 FACULDADE

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa.

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. 1. INTRODUÇÃO Prof. Carlos Maurício Duque dos Santos Mestre e Doutorando em Ergonomia pela Escola Politécnica

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP)

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) Lançado em Junho 2013 Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) A Falha não é uma Opção Quem não conhece a história corre o risco de repetí-la JWB Engenharia e Consultoria S/C Ltda JWB Engenharia Empresa nacional

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ANDRYWS WILLIAM CORREIA FABIO SILVA BORA GUILHERME AUGUSTO MEIRA BATISTA

Leia mais

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS PPRDOC PROGRAMA DE E DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS APRESENTAÇÃO Prezados, A MCA Saúde e Bem-Estar é uma empresa especializada em planejar, implantar, aperfeiçoar e coordenar programas, projetos e

Leia mais

Plano Nacional de. Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos. Curso LíderesL

Plano Nacional de. Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos. Curso LíderesL Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida R a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos Curso LíderesL Brasília, 20 de agosto de 2008 1 Como surgiu o P2R2 Histórico de ocorrência

Leia mais

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS 2009 GRUPO SAINT-GOBAIN Tradição, Qualidade, Inovação e Liderança Fundada em 1665 na França, a Saint-Gobain começou como empresa inovadora em fabricação de

Leia mais

VI-089 IMPLANTAÇÃO COMPARTILHADA DA ISO 14001 UMA NOVA OPÇÃO PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

VI-089 IMPLANTAÇÃO COMPARTILHADA DA ISO 14001 UMA NOVA OPÇÃO PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS VI-089 IMPLANTAÇÃO COMPARTILHADA DA ISO 14001 UMA NOVA OPÇÃO PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico, com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI Prezados(as); Informamos que foi publicada no DOU de hoje, seção 1, páginas 110 e 111 a Portaria MTE n.º 1.297, de 13 de agosto de 2014, que aprova o Anexo 1 - Vibração - da Norma Regulamentadora n.º 9

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 21/11/28 Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 21/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R SO / VC RESPONSÁVEL PELA DISTRIBUIÇÃO : (ÁREA)

Leia mais

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL JOSÉ, Clodoaldo SILVA, Gabriel de Oliveira da PROENÇA, Leandro Gomes JUNIOR, Luiz Antonio Martins RESUMO ISO 14000 é uma norma desenvolvida pela ISO e que estabelece diretrizes

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

Liderança, Cultura e Segurança

Liderança, Cultura e Segurança Liderança, Cultura e Segurança Uma Introdução à Abordagem Liderando Com Segurança (LWS ) da BST A obtenção de melhores resultados em segurança está associada à capacidade da organização de conectar as

Leia mais

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS Mariana de Barros Cruz Pereira Mota (UCAM) marianamota01@hotmail.com Mayara Ribeiro Castilho (UCAM) mayararc2005@hotmail.com Leandro

Leia mais

EAD EM PROL DAS NORMAS REGULAMENTADORAS

EAD EM PROL DAS NORMAS REGULAMENTADORAS EAD EM PROL DAS NORMAS EAD EM PROL DAS NORMAS Ensino a distância une forças com as empresas para diminuir acidentes de trabalho e evitar penalidades para as organizações São 36 as normas regulamentadoras

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO Maristela Gomes de Camargo Resumo: Este estudo discute os aspectos de usabilidade e ergonomia relacionados ao conforto térmico; e o

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes 25 de junho Mogi das Cruzes - Gestão Fabril: - Implantação de Melhorias e Sistemas de Gestão; - Estruturação e Desenvolvimento de Equipes; - Mentoring de Gestores para a Produtividade e Qualidade. - Otimização

Leia mais

Gestão de riscos em saúde, segurança e higiene Ergonomia no espaço do trabalho. Pablo Barrera Engenheiro de SSMA - COPESUL

Gestão de riscos em saúde, segurança e higiene Ergonomia no espaço do trabalho. Pablo Barrera Engenheiro de SSMA - COPESUL Gestão de riscos em saúde, segurança e higiene Ergonomia no espaço do trabalho Pablo Barrera Engenheiro de SSMA - COPESUL O Pólo Petroquímico do Sul - Localização A Copesul e a Sustentabilidade Sistemas

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência Energética Aplicada na Indústria Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência 1 - Virtude de se obter um determinado efeito. 2 - Atitude, competência, eficácia em um cargo que se ocupa ou trabalho

Leia mais

A ADAPTAÇÃO SEMPRE OCORRE DO TRABALHO PARA O HOMEM E NÃO VICE-VERSA. ERGO = TRABALHO NOMOS = REGRAS, LEIS NATURAIS

A ADAPTAÇÃO SEMPRE OCORRE DO TRABALHO PARA O HOMEM E NÃO VICE-VERSA. ERGO = TRABALHO NOMOS = REGRAS, LEIS NATURAIS ERGONOMIA AULA 1: O O QUE ÉERGONOMIA DEFINIÇÃO ESTUDO DO RELACIONAMENTO ENTRE O HOMEM E SEU TRABALHO, EQUIPAMENTO E AMBIENTE, E APLICAÇÃO DOS CONHECIMENTOS DE ANATOMIA, FISIOLOGIA E PSICOLOGIA NA SOLUÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 Índice 1. Orçamento Empresarial...3 2. Conceitos gerais e elementos...3 3. Sistema de orçamentos...4 4. Horizonte de planejamento e frequência

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Sistemas de Indicadores de Desempenho

Sistemas de Indicadores de Desempenho Sistemas de Indicadores de Desempenho Aula 11 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Indicadores Indicadores são formas de representação quantificáveis das características de produtos

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA

GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA Severo Ferreira Sampaio Gelson Nunes Felfili

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon Profa. Linda Nice Gama segurança, conforto, bem-estar e a eficácia das atividades humanas Ergonomia de Concepção: projeto posto, instrumento, máquina, sistemas

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL

Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL Autor: Vinicius Silva Neves Ampla Energia e Serviços S.A. RESUMO O Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL, é um indicador de prevenção de acidentes

Leia mais

Prof. Guido Carim Júnior

Prof. Guido Carim Júnior Sistema de Gestão da Segurança Operacional (SGSO) : fundamentos e requisitos Prof. Guido Carim Júnior 28 de maio de 2010 Objetivo Apresentar os fundamentos de um sistema de gestão (de segurança) como meio

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Robson Guilherme Ferreira (II) Jackson Duarte Coelho (III) Julio César Agrícola Costa da Silveira (I) Resumo O trabalho a ser apresentado tem como objetivo

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RODRIGUES, Luiz Antonio Junior Docente do curso de Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG e-mail: Junior_fdi@terra.com.br RESUMO Este artigo visa demonstrar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE HELP DESK DA DIXIE TOGA MELHORA METAS COM PRÁTICAS DE ITIL

DEPARTAMENTO DE HELP DESK DA DIXIE TOGA MELHORA METAS COM PRÁTICAS DE ITIL agosto/2012 Case de Sucesso DEPARTAMENTO DE HELP DESK DA DIXIE TOGA MELHORA METAS COM PRÁTICAS DE ITIL Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail comunicacao@it4cio.com. PERFIL

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais