CULTIVO ORGÂNICO DA PHYSALIS NO SUL DE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CULTIVO ORGÂNICO DA PHYSALIS NO SUL DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 CULTIVO ORGÂNICO DA PHYSALIS NO SUL DE MINAS GERAIS Peter Schües¹ ¹Produtor de alimentos orgânicos certificados, Fazenda Floresta Negra Camanducaia, MG. Na atividade de Guia de Turismo para Europeus senti os resultados da crise econômica mundial do ano de 2008 com a redução drástica do fluxo de turistas para o nosso País ficando um semestre sem trabalho e renda. Prevendo que a situação se repetiria nos anos subseqüentes, resolvi procurar uma nova atividade para complementar os semestres inativos. Como temos um sitio na Serra da Mantiqueira no Sul de Minas Gerais que se autosustenta com o reflorestamento de madeiras, e tendo encontrado na mesma algumas mudas de Physalis carregadas com frutas grandes e saborosas, resolvi pesquisar as propriedades e o mercado para a mesma. Descobri que a espécie encontrada em nosso sitio é a Physalis peruviana L. de origem amazônica que se adaptara ao nosso micro clima e que o Brasil importa a Physalis principalmente da Colômbia sendo aqui comercializada innatura nas grandes redes de supermercados em São Paulo a preços convidativos para se pensar em investir no seu cultivo. Sabendo que em 1 há a recomendação de cultivo é de aproximadamente 3330 mudas, resolvi iniciar no segundo semestre de 2008 uma experiência com 330 mudas criadas em viveiro próprio das sementes extraídas dos frutos encontrados usando apenas insumos naturais para a sua adubação e controle biológico de insetos e eventuais fungos e bactérias que poderiam prejudicar o cultivo como um todo. Nesta primeira fase procurei saber também as possibilidades de colocação da Physalis no mercado e acabei encontrando na indústria alimentícia um transformador e potencial comprador para toda a minha futura safra desde que produzida no mínimo com as normas BPA Boas Práticas Agrícolas e de preferência com certificação orgânica.

2 Estava pronto para me lançar a um novo empreendimento, pois conseguira comprador para escoar a minha futura produção, mas como agricultor iniciante não tinha o conhecimento prático de como realizar os próximos passos para realizar o projeto. Foi ainda em 2008 que eu tive o prazer de conhecer e assistir uma palestra do Prof. Hélcio de Abreu Junior na AAO Associação de Agricultura Orgânica e que acabou fixando em mim a convicção de que a agroecologia seria o meu norte na agricultura. Seguindo a orientação da AAO em São Paulo, entrei em contato com o IBD Instituto Biodinâmico, de Botucatu, SP, que na qualidade de certificadora orgânica me orientou a entrar para uma associação de produtores orgânicos atuantes próximos ao meu sitio. Foi na Eco Minas, Associação de Produtores Ecológicos do Sul de Minas que iniciei o processo de conversão do sitio para a produção orgânica da Physalis peruviana L. tendo conseguido o meu certificado em grupo já no ano de Atualmente somos 2 produtores certificados no Município de Camanducaia, sendo um cultivo a 1267m e outro a 1600m de altitude, ambos com boa frutificação. Primeira Fase 2008/2009 A minha experiência com as primeiras 330 Physalis (figura 01) resultou em uma perda de 73% na produção por falta de orientação na condução das plantas que resultou em rachaduras e por vezes podridão nas frutas devido ao alto índice de umidade no micro clima do sitio. Não presenciei significativo ataque de insetos (Edessa rufomarginata e Phthia picta), lagartas (Heliothis virescens e Manduca sexta papus) ou afídeos ou pulgões (Epitrix sp. e Aphis sp.). Assim não efetuei nenhum controle biológico nesta primeira fase. Pesquisando muito encontrei um sitiante de Gramado no Rio Grande do Sul que foi o meu mentor na orientação de como realizar o espaçamento e conduzir as Physalis. Dos frutos selecionados deste cultivo consegui extrair as sementes para o meu próximo cultivo e preparar geléias deliciosas.

3 Figura 01. (06/02/2009) Na estufa do sitio eu preparei as bandejas utilizando substrato orgânico certificado onde foram semeadas as sementes selecionadas do cultivo experimental de 2008 colhidas no primeiro semestre de 2009, tornando-me assim auto-suficiente em sementes e mudas para a certificação orgânica prevista. (figura 02). Figura 02.

4 Segunda Fase 2009/2010 No segundo semestre de 2009 eu preparei o solo para receber 1500 mudas e o espaçamento utilizado foi de 3m entre as linhas do cultivo e de 1m entre as mudas que foram sustentadas por uma linha simples com fio galvanizado fixo a 1,25m sobre o solo por moirões espaçados a cada 10m e bambu para apoio entre os moirões como demonstrado na figura 03. Figura 03. Neste formato da Figura 4 melhorei a ventilação nas laterais, mas não consegui realizar uma poda adequada no centro das plantas alem de tornar difícil a colheita pela quantidade de ramos produzidos. Figura 04. (06/02/2010)

5 Não ocorreram ataques significativos por parte de insetos nem a ocorrência de doenças que pudessem prejudicar o resultado da primeira safra comercial realizada no primeiro semestre de 2010 antes da ocorrência de geada severa em junho daquele ano, que acabou com o cultivo congelando a seiva e queimando as plantas. (figura 05 e 06). Figura 05. (08/06/2010)

6 Figura 06. (08/06/2010) Os resultados desta safra foram de 495 kg nas 1500 mudas plantadas produzindo da colheita iniciada em 02/03/2010 e terminada com a geada em 08/06/2010. Assim cada planta produziu na media 0,33 kg nos primeiros três meses do ciclo e teríamos um resultado de 1099,89 kg em 1 há. Terceira Fase 2010/2011 Desta feita eu coloquei as sementes diretamente em laminado plástico contendo uma mistura homogênea de terra retirada de dentro da mata de Araucária angustifolia misturado com terra de minhocario que resultou em mudas fortes e sadias transplantadas para os seus berços em 30/09/2010. (figura 07 e 08).

7 Figura 07. Figura 08. (30/09/2010)

8 Sistema de Condução Continuando as minhas pesquisas notei que na Colômbia o cultivo é suspenso e conduzido por dois fios galvanizados que correm paralelamente a uma distância de 1m entre si e assim fornecem melhor arejamento e distribuição dos ramos facilitando a poda e a colheita (sistema de condução em V). Desta maneira adotei forma semelhante de conduzir as Physalis. (figura 09 e 10) Figura 09. Figura 10.

9 O resultado foi animador e a poda de manutenção ficou facilitada. Com mais espaço o desenvolvimento dos ramos primários e o aumento da floração e frutificação ficou evidente. (figura 11). Figura 11. A colheita comercial se iniciou na primeira semana de março de 2011 e foi novamente interrompida por clima severo com geada e a temperatura atingindo - 6,3ºC na relva no dia 06/06/2011. Contudo ouve um incremento na produção uma vez que colhi 675 kg nas 1500 mudas plantadas produzindo nos primeiros três meses do ciclo. Isto dá na média 0,45 kg por planta e teríamos um resultado de 1499,85 kg em 1 há, ou seja um aumento real de 16% na colheita comparado ao ano anterior no mesmo período.

10 2010/ / % 58%

11 Localização e clima do sitio Município de Camanducaia, MG Coordenadas: S 22º O 46º Altitude: 1267 m Clima: temperado Pluviometria: 1200 mm 1800mm bem distribuídos Estágio Fenológico da Cultura da Physalis no Sul de Minas Nestes quadros estão referidas as fases fenológicas para a cultura da Physalis plantada na região da Serra da Mantiqueira (Camanducaia), entre 2009 e Ciclo 2009/2010 Estágio Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Plantio Floração Frutificação Maturação Colheita Ciclo 2010/2011 Estágio Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Plantio Floração Frutificação Maturação Colheita

12 Principais pragas presentes na cultura da Physalis no Sul de Minas Os prejuízos causados pelos insetos relacionados abaixo é insignificante em uma área de cultivo agroecológico, pois existe um controle natural promovido pela cadeia alimentar entre insetos e aves presentes. - Edessa rufomarginata (De Geer, 1773). Os prejuízos causados por este Pentadomídio na cultura da Physalis devem-se à sucção de seiva dos ramos, independente da idade da planta. Seu ataque causa o amarelecimento e às vezes o engrossamento do caule. Nas folhas, o dano foi o necrosamento de o tecido foliar no sentido transversal. Esse necrosamento aumenta na medida em que a folha se desenvolve, porém, não foi observado o ataque desses insetos nos frutos. (figura 12). Figura Phthia picta (Drury, 1770). Seu ataque da se, sobretudo nos frutos. As formas jovens de cor vermelha congregam-se no cálice já perfurado diretamente nos frutos, os quais foram deformados por picadas. Em conseqüência desses ataques, os frutos apresentam amadurecimento desuniforme, deformações e, geralmente, apodrecimento. (figura 13a e 13b)

13 Figura 13 a.- Forma jovem Figura 13 b. Forma adulta - Heliothis virescens (Fabricius, 1777). As lagartas que se encontravam nos estádios iniciais atacavam frutos verdes e/ou maduros, independente do diâmetro. As lagartas de estádios intermediários penetravam no fruto alimentando-se exclusivamente da polpa. Os danos causados pelas lagartas dos estádios finais caracterizavam-se por cálices verdes ou maduros vazios, Os frutos eram abandonados logo após serem danificados, independentemente do estádio de desenvolvimento da lagarta, a qual migrava para outros frutos. (figura 14) Figura 14.

14 - Manduca sexta paphus Os prejuízos na cultura da Physalis foram ocasionados pelas lagartas que devoravam somente as folhas, independente da posição na planta e/ou no estádio foliar. Poucos destes insetos foram encontrados em plântulas do sitio. Seu ataque em Physalis pode ser considerado moderado mediante ao reportado em outras culturas. - Epitrix sp. Este coleóptero, conhecido como pulga-do-fumo, causa prejuízos imediatamente após o transplante, que se expressam por pequenos orifícios e perfurações na folha que aumentam à medida que os insetos se tornam adultos. Logo após o transplante, seu prejuízo é acentuado, pois retarda o desenvolvimento normal da planta. Pode atacar plantas em qualquer estádio de desenvolvimento, porém ocasiona menores danos em plantas adultas. - Aphis sp. Os afídeos ou pulgões são uma praga comum na cultura da Physalis na Colômbia que ocorre também no Sul de Minas. Atacam o interior do cálice, depositando excrementos que deterioram a sua aparência. Os ataques se apresentam em algumas plantas e não de forma generalizada de cultivo. Não se detecta ataque desses efídeos nas folhas. (figura 15). Figura 15.

15 Agricultura Orgânica A agricultura orgânica nasceu com o conceito de produzir alimentos livres de agrotóxicos. Hoje a produção orgânica já em um conceito consolidado e em forte expansão, abrangendo muito mais do que apenas evitar o uso de agrotóxicos. A produção orgânica atualmente é certificada. Organismos independentes com aceitação internacional acompanham e auditam todo o processo de produção para certificar que um determinado produto é orgânico. Inúmeros estudos e pesquisas confirmam que os produtos orgânicos além de preservarem a saúde pela inexistência de resíduos de produtos tóxicos, são mais saborosos e possuem maior capacidade nutricional. Aumente as chances das próximas gerações. Consuma preferencialmente produtos orgânicos. A agricultura orgânica chegou ao Brasil há aproximadamente 16 anos. O processo não utiliza inseticidas, fungicidas, herbicidas e adubos químicos. Solo, sementes, insetos, mato, e água são partes do mesmo organismo. A preocupação é com as condições físicas, biológicas e químicas do solo, que é visto como um sistema vivo e não como simples local de plantio. Áreas de mata são preservadas para a existência de insetos que se alimentam de pragas que eventualmente surgem na lavoura. Além de ecologicamente saudável, a agricultura orgânica também é socialmente justa, contemplando as relações de trabalho de acordo com leis e normas de saúde e segurança. A prática da agricultura orgânica é mais do que um conjunto de idéias. É preciso cumprir uma série de normas para que um produto receba o certificado orgânico. No Brasil são algumas as empresas que certificam os orgânicos. Técnicos destes órgãos orientam os agricultores e inspecionam todas as etapas de produção: se as nascentes de água são protegidas; preservação da biodiversidade; distância de vizinhos que fazem agricultura convencional superior à mínima permitida e plano de conservação do solo entre outros.

16 Os órgãos também fiscalizam as relações de trabalho, de acordo com as leis vigentes e normas de segurança e higiene, para que se estabeleça um ambiente saudável. RASTREABILIDADE Para que um alimento possa receber o certificado orgânico é necessário todo um processo de acompanhamento: - Visitas periódicas de um inspetor no local de produção. - Avaliação do relatório de inspeção por um conselho misto de agricultores, processadores, especialistas e representantes de consumidores. - Análise residual para verificar o nível de pureza do produto. - Aprovação da unidade de produção, dentro dos padrões de qualidade orgânica. Quando tudo esta de acordo e aprovado, o produtor recebe um número que passa a acompanhar todos os seus produtos, do plantio até a comercialização. Este número permite rastrear toda história do alimento que chega até a sua mesa. Plano de Manejo Orgânico da Cultura da Physalis "Alimente seu solo que ele alimentará sua planta'' Willian Albrecht Antes de entrar para o manejo orgânico da cultura da Physalis propriamente dito, gostaria de apresentar algumas considerações extraídas de uma palestra do Prof. Hélcio de Abreu Junior, pois preparar e vivificar o solo requer um bom planejamento quando se trata de manejo orgânico visando o equilíbrio e a resistência das plantas

17 1. Fundamentos A teoria da trofobiose de Francis Chaboussou (trofo = alimento e biose = existência de vida) quer dizer: Todo e qualquer ser vivo só sobrevive se houver alimento adequado disponível para ele. Em outras palavras, a planta ou parte da planta cultivada só será atacada por insetos, ácaros, nematóides, fungos e bactérias quando houver na seiva, exatamente o alimento que eles precisam. Este alimento é constituído, principalmente, por aminoácidos, açucares redutores, esteróis, vitaminas e outras substâncias simples livres e solúveis, pois os insetos e fungos possuem poucas enzimas e estas apenas conseguem digerir substâncias simples presentes na seiva da planta. Os teores e principalmente a proporção destas substâncias relacionadas com os teores de nutrientes minerais na seiva são determinantes na maior ou menor susceptibilidade das plantas aos parasitas. Para que a planta tenha uma quantidade maior de aminoácidos (substâncias simples), basta tratá-la de maneira errada: adubações desequilibradas, aplicações de agrotóxicos, estresses, podas etc. As práticas sustentáveis da agricultura se baseiam em conceitos ecológicos sólidos: 2. Medidas a serem tomadas antes do plantio Fazer o Manejo Integrado da Fertilidade do Solo e Nutrição da Planta, onde a queima de qualquer resto de palhada e/ ou vegetação é a pior prática quando se deseja alcançar a sustentabilidade agrícola. A compostagem de todo material disponível na propriedade é sempre desejável. Preparo do solo, deve ser precedido da avaliação da compactação, dando sempre preferência ao plantio direto e mecanização reduzida, mantendo a cobertura de palha e/ou matéria orgânica na superfície do solo para que ocorra a decomposição aeróbica e desenvolvimento de organismos benéficos. Realizar a adubação no sentido amplo do termo, com muito critério, pois como se sabe, o excesso de um nutriente provoca a deficiência induzida de outro

18 e quase sempre isto está associado ao ataque de pragas e doenças. Há uma relação direta entre deficiências, excessos e aumento da susceptibilidade das plantas a pragas e doenças. IMPORTANTE: Deve-se dar preferência a nutrientes quelatizados; aqueles ligados a moléculas de matéria orgânica, pois possuem a qualidade de liberar paulatinamente as quantidades necessárias às plantas, promover a vida benéfica no solo e de não se perder facilmente com as chuvas. Para isso, acrescentar aos estercos, biofertilizantes e tortas, os elementos que são carentes no solo e planta. A colocação de fertilizantes solúveis diretamente no solo, sem fazer adubação verde ou acrescentar matéria orgânica compostada ou húmus de minhoca, não é sustentável em longo prazo, pois os fertilizantes solúveis irão se perder por lixiviação e/ou fixação, não irão promover uma vida ativa e benéfica ás plantas e vão predispô-las às pragas e doenças. É unânime entre os agricultores mais experientes, a relação entre melhoria do solo em matéria orgânica e diminuição de pragas e doenças (Seminário sobre novas tendências de manejo do solo Húmus e Microrganismos ). Após a instalação da cultura no campo, ao se fazer a adubação de cobertura, pode se utilizar compostos orgânicos mais solúveis e ricos em nutrientes, como o esterco de galinha, a torta de mamona, Bokashi, biofertilizantes e nutrientes quelatizados. Rotação racional de culturas, com características diferentes de extração de nutrientes, evitando-se sempre os afeitos alelopáticos; Consorciação de plantas companheiras (Ex. abóbora e milho, batata e alho) e/ou de plantas repelentes às pragas (Ex. tomateiro e cravo de defunto, alho japonês); Plantio de cercas vivas, quebra-ventos e preservação de áreas de refúgio da fauna benéfica. A orientação é utilizarem-se diversas plantas nativas que produzam flores e frutos em abundância para que os organismos benéficos tenham alimentos em períodos de "entressafra de pragas". Escolha culturas adaptadas aos fatores limitantes (clima, solo, disponibilidade e água etc.) bem como de cultivares, variedades e espécies

19 resistentes e/ou rústicas às doenças e pragas mais comuns na região. Basear a escolha nas características do clima dos centros de origem das espécies, por exemplo, a batata nos Andes, o tomate no México e assim por diante. Plantio e cultivo de plantas inseticidas, nematicida, fungicidas e indutoras de resistência, como o Neem (Azadirachta indica), Cravo-de-defunto (Tagetes erecta) Manjericão (Ocimum micranthum), Primavera (Bougainvillea glaba), respectivamente, para utilização na preparação de extratos e biopreparados que serão utilizados na proteção dos cultivos. Iniciar a preparação de caldas fermentadas e infusões que estimulam e promovem a melhor nutrição e conseqüentemente uma melhor proteção das plantas, pois muitas vezes estes preparados necessitam de alguns dias para a completa elaboração (Ex.: biofertilizantes, chorume) E todas as recomendações citadas, deve-se ressaltar que o agrotóxico não deve ser considerado como medida preventiva. (Fonte: Prof. Helcio de Abreu Junior) Sistema de plantio em Berço Experiências práticas mostram que plantios em berços, o índice de pegamento é de quase 100%, muito diferente do plantio em covas onde se trabalham com índices de no máximo 92%. No plantio de mudas de Physalis fazer berços e não covas, separar as 2 camadas de solo e colocar o material orgânico (composto, esterco, resto de culturas) na superfície para que possa sofrer decomposição aeróbia. Se for colocada abaixo de 20 cm haverá fermentação anaeróbia, produzindo gases tóxicos como o sulfídrico, metano, monóxido de carbono e substâncias fétidas e igualmente tóxicas como putrefacina e cadaverina, causando intoxicação das mudas, e conseqüente amarelecimento e morte ou vulnerabilização de seu sistema de defesa, aparecendo pragas e doenças. O tempo entre o preparo do berço e plantio não precisa ser de 2 meses, como para as covas, pois você não está misturando o composto em todo o solo,

20 mas apenas na superfície. Pode-se realizar o plantio no mesmo momento da abertura e preparo do berço cujas medidas ideais são: 40cm x40cm x40cm Mudas plantadas em covas com esterco misturado em todo o solo amarelecem e sofrem diminuição do desenvolvimento no inicio, isto já não acontece quando se planta em berço. Desta forma se ganha 2 meses na estação chuvosa, tendo como resultado uma planta mais bem pega e desenvolvida com maiores chances de sobrevivência no período seco, diminuindo a dependência da irrigação. Na adubação de manutenção e produção das Physalis, deve-se espalhar em toda a área e não só na projeção da copa, a fim de promover o desenvolvimento de raízes em todo o solo, fazendo a planta explorar mais nutrientes e água. O mato e outras plantas entre as mudas será adubado sim, mas periodicamente roçado e pulverizado com biofertilizantes para acelerar a decomposição. Não haverá competição, mas uma reciclagem contínua dos nutrientes, contribuindo para o aumento do teor de matéria orgânica e vida do solo, aumentando a sustentabilidade do sistema. Deve-se abolir o uso de herbicidas, pois além de matar a vida do solo afeta o sistema de defesa da planta e contamina o ambiente. Roçar o mato entre as linhas e colocar cobertura morta embaixo das saias das mudas da Physalis a fim de abafar o crescimento das plantas espontâneas. Deve-se dar preferência a instalação de adubação verde permanente como Trifolium repens (trevo branco) ou Arachis pintoi (amendoim forrageiro), uma leguminosa nativa do Brasil central, que além de fixar nitrogênio, suprime o crescimento do mato e protege o solo da erosão e excesso de calor.

21 Trifolium repens (trevo branco) Arachis pintoi (amendoim forrageiro) É recomendável a aplicação de pós de rocha magmáticas e paramagnéticas em todo o pomar, plantas e solo a fim de promover maior atividade e microvida no agroecossistema Para controle de doenças fazer uso de biofertilizantes e extrato de húmus que promovem o aumento de microrganismos benéficos, que quando são pulverizados sobre as plantas, ocupam os sítios de entrada da planta e competem por alimentos com os patógenos, diminuindo as chances de desenvolvimento de doenças nas plantas. Quanto ao controle de pragas, faz-se o uso de extrato de Neem, alho, tagetes, timbó, calda sulfocálcica, viçosa, bordalesa, entomopatógenos (Beauveria bassiana, Metharizium anisopleae, Bacillus thurigiensis), extrato pirolenhoso, armadilhas com feromônio e/ou alimentícias etc. Consulte um agrônomo que tenha conhecimentos de agricultura sustentável e observe mais a natureza, esta sempre nos ensina sem esconder nada.

22 Missão, Visão e Valores Missão Oferecer alimentos naturais de alta qualidade que proporcionem bem estar às pessoas sem agredir a natureza. Visão Levar qualidade de vida e saúde a todos os clientes, com alimentos da natureza respeitando o meio ambiente que nos fornece a matéria-prima necessária. Lembrando sempre que a terra, a água, o ar, plantas, animais e o homem fazem parte desta grande família. Valores Ter responsabilidade, integridade, fraternidade, lealdade e respeito, com as pessoas e a natureza.

Cultivo Orgânico da Physalis no Sul de Minas Gerais. Fazenda Floresta Negra Camanducaia - MG

Cultivo Orgânico da Physalis no Sul de Minas Gerais. Fazenda Floresta Negra Camanducaia - MG Cultivo Orgânico da Physalis no Sul de Minas Gerais Fazenda Floresta Negra Camanducaia - MG Crise econômica mundial do ano de 2008 com a redução drástica do fluxo de turistas para o nosso País ficando

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 Edmilson José Ambrosano Eng. Agr., Dr., PqC do Pólo Regional Centro Sul/APTA ambrosano@apta.sp.gov.br Fabrício Rossi Eng. Agr., Dr.,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (6 ANO)

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (6 ANO) 1- Leia o texto a seguir e responda: EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (6 ANO) Além de diminuir a poluição ambiental, o tratamento do lixo pode ter retorno econômico e social. a) Cite duas formas de se obterem produtos

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

TROFOBIOSE DE FRANCIS CHABOUSSOU

TROFOBIOSE DE FRANCIS CHABOUSSOU A TEORIA DA TROFOBIOSE DE FRANCIS CHABOUSSOU NOVOS CAMINHOS PARA UMA AGRICULTURA SADIA TROFOBIOSE Trofo - quer dizer alimento Biose - quer dizer existência de vida Portanto, Trofobiose quer dizer: todo

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura.

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. FUNDAÇÃO MOKITI OKADA Mokiti Okada - CPMO Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. Leandro de Almeida Amado Engenheiro Agrônomo, MSc Assistente Técnico Outubro

Leia mais

Tecnologia EM no Meio Ambiente

Tecnologia EM no Meio Ambiente Tecnologia EM no Meio Ambiente Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar a amenizar impactos ambientais. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha o hectare Publicação do Ecocentro IPEC Ano 1, nº 3 Pirenópolis GO Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também vai conhecer um pouco mais sobre a suinocultura. Na

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

Componente curricular: Fundamentos de Agroecologia. Curso: FIC -Produção de Alimentos Orgânicos Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Fundamentos de Agroecologia. Curso: FIC -Produção de Alimentos Orgânicos Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Fundamentos de Agroecologia Curso: FIC -Produção de Alimentos Orgânicos Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Fundamentos de Agroecologia 1. Agricultura orgânica no Mundo, Brasil

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

Alimentos biológicos:

Alimentos biológicos: Alimentos biológicos: bons para si, bons para a natureza Em toda a UE, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a proveniência dos alimentos que consomem e com o modo como foram produzidos. Dão importância

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement.

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement. O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 Depois da colheita os galhos cortados são usados para cobrir a terra. Isto protege contra erosão, guarda a humidade e melhora a terra com matéria orgânica, assim que segura

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO

PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO CONSULTORIA: OFICINAS DE BASE AGROECOLÓGICA NAS COMUNIDADES DE URUCURITUBA E TAPARÁ GRANDE, Município de Santarém, Pará, Brasil. CONSULTOR:

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas... Página 1 de 6 Olericultura Produção Orgânica de Hortaliças Nome Hortaliças : Produção Orgânica Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes Manejo de pragas Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes O que é uma praga? *Inseto que cause danos diretos (ex. lagarta que se alimente das folhas de couve) O que é uma praga? * Inseto que cause danos

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Cana de

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas 1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas Em agricultura orgânica sempre se busca o equilíbrio ecológico e a prevenção de problemas que afetam a saúde das plantas. Através do uso de algumas técnicas simples

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um:

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um: Quiz 6 a Série Professora: Alexsandra Ribeiro Instruções: Olá queridos alunos e alunas! O quiz é mais uma ferramenta que nos possibilita saber se realmente você está entendendo o conteúdo abordado em sala

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO?

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 INFORMAÇÕES TÉCNICAS QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? Diante da preocupação com o desmatamento

Leia mais

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica Temporada 2014 Tecnologia & Engenharia Desafio Prático Tecnologia & Engenharia Desafio Prático 7 3 1 4 5 6 2 1. Agroenergia: Descrição: trata-se da fabricação e uso dos diversos tipos de biocombustíveis

Leia mais

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov. COMO CONTROLAR PRAGAS E DOENÇAS NO CULTIVO ORGÂNICO? Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.br

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO MICROPROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO ENXERTIA 1.

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Sociedade e Natureza Monferrer RESUMO 193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Fabia Tonini 1 ; Andréia Tecchio 2 O espaço Horta Escolar pode ser utilizado como meio

Leia mais

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Produção Segura de Hortaliças Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Alimentos seguros Antes de mais nada, um direito do consumidor!! Práticas que buscam a Segurança do Alimento geralmente contribuem

Leia mais

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Coimbra, 2012/2014 Escolher Ciência PEC282 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA O que é um

Leia mais

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro.

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. Maíra Leão da Silveira Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Francisco Mariano da Rocha

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br

Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br MILHO VERDE ORGÂNICO: PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br Neli Cristina B. Santos Eng. Agr.,

Leia mais

EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO

EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO UNIOESTE MARECHAL CANDIDO RONDON 12 e 13 de Junho de 2015 Eng agr Daniel J. de S. Mol Qual realidade atual do manejo do solo e fertilidade? Qual o objetivo

Leia mais

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG 1 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ALELOPÁTICO DO ADUBO VERDE (CROTALARIA SPECTABILIS) SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TOMATE (LYCOPERSICON ESCULENTUM MILL) E POSTERIOR DESENVOLVIMENTO EM CAMPO Helem Fernandes Naves

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

Legislação ambiental 1: uso regular

Legislação ambiental 1: uso regular Os testes tribológicos foram conduzidos em um equipamento específico para este tipo de análise, porque trabalha com pequenas quantidades de materiais (peça, ferramenta e fluído de corte). Tal equipamento

Leia mais

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ.

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. Amanda

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA.

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. Eduardo Sanches Stuchi Pesquisador Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Diretor Científico da Estação Experimental

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

Controle Plantas Infestantes

Controle Plantas Infestantes Controle de Plantas Infestantes ',' Domingo Haroldo R. C. Reinhardt Francisco Alissonda Silva Xavier Aristóteles Pires de Matos Getúlio Augusto Pinto da Cunha 118 Quais são os problemas provocados pelas

Leia mais

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Implantação e manejo de minhocário de baixo custo

Implantação e manejo de minhocário de baixo custo Implantação e manejo de minhocário de baixo custo Engenheiros Agrônomos: Gheysa Julio Pinto Fernando Teruhiko Hata Núcleo/Incubadora Unitrabalho UEM unitrabalho@uem.br (44) 3011-3893 ou 3011-3785 Introdução

Leia mais

AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes

AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO O valor da matéria orgânica no solo A qualidade da matéria orgânica Como aplicar a matéria orgânica no solo 1.A importância da matéria

Leia mais

Café, Manga e Embaúba

Café, Manga e Embaúba Laranja Café, Manga e Embaúba CAFÉ + CEDRO AUSTRALIANO Café + Macadâmia - Viçosa - MG Café + Nativas - Simonésia - MG SISTEMAS SIMULTÂNEOS Cacau sombreado Cacau + seringueira (sul da Bahia) Sistema cabruca

Leia mais

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos.

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. No mercado competitivo de hoje, há uma consciência crescente dos severos danos causados aos produtos agrícolas por pragas e insetos. Como resultado,

Leia mais

O Caderno da Compostagem

O Caderno da Compostagem O Caderno da Compostagem A publicação do Guia da Compostagem, que colocamos à sua disposição. constitui mais um elemento no domínio da sensibilização e educação ambiental, que procura incentivar uma maior

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia ESALQ - USP Produção Vegetal agosto - 2013 Prof. José Laércio Favarin Composição química Importância do nitrogênio Composição cafeeiro Kg

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais