RASTREABILIDADE NA PRODUÇÃO DE SEMENTE DE ARROZ: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RASTREABILIDADE NA PRODUÇÃO DE SEMENTE DE ARROZ: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 RASTREABILIDADE NA PRODUÇÃO DE SEMENTE DE ARROZ: UM ESTUDO DE CASO Arlete Redivo (UNEMAT) GEOVANE PAULO SORNBERGER (UNEMAT) adriana regina redivo (UNEMAT) O presente artigo teve como objetivo descrever o processo de rastreabilidade e diagnosticar os benefícios adquiridos com a implantação e manutenção da rastreabilidade na produção de semente de arroz por uma empresa da região médio norte matto-grossense. Definidos os objetivos e após realização da delimitação do estudo, efetuou-se levantamento relativo ao referencial teórico, abordando temas inerentes quanto à gestão da qualidade e a rastreabilidade, características, importância, vantagens e desvantagens. A metodologia empregada na pesquisa é o método de estudo de caso, onde foram utilizadas as coletas de dados primários e secundários. Os resultados percebidos dizem respeito aos benefícios da rastreabilidade para as empresas produtoras de grãos e sementes, isto é, a rastreabilidade é considerada um fator de qualidade oferecendo segurança para o produtor que adquire as sementes, possibilitando a este acompanhar todas as etapas do processo de produção e o grau de conformidade do produto e processo, em qualquer tempo e lugar. Palavras-chaves: Rastreabilidade, Semente de arroz, cadeia produtiva.

2 1. Introdução A importância de rastreabilidade tem adquirido valor significativo nos últimos tempos, principalmente nos mercados internacionais de produtos agrícolas. O Brasil, sendo destaque nesse mercado, tanto como produtor quanto exportador desses produtos, já tem iniciado a implementação do sistema de rastreabilidade nas cadeias de carnes bovina, grãos e frutas, para satisfazer, principalmente, os regulamentos da União Europeia (LEONELLI, 2006). Diante deste cenário, a adoção de procedimentos de monitoramento e controle está ganhando evidência, neste primeiro momento, com o objetivo principal de cumprir as exigências técnicas para exportação de produtos agroindustriais. Em decorrência disto, Desquilbet e Bullock, (2003) apontam forte tendência à adoção de procedimentos de monitoramento e controle aplicados às cadeias agroindustriais, dentre os quais, os sistemas de rastreabilidade ganham destaque não apenas por possibilitar o monitoramento e controle de atributos e informações relevantes entre as diferentes etapas da cadeia produtiva, mas, sobretudo, pela capacidade de atribuir responsabilidade em uma eventual disputa jurídica. Entretanto, do ponto de vista operacional, os procedimentos para implantação de um sistema de identificação e rastreabilidade são complexos. De acordo com Smith e Phillips (2002), a arquitetura do sistema de identificação e rastreabilidade está diretamente relacionada com a estrutura do sistema de produção, armazenamento, distribuição e comercialização; visto que é demandado maior nível de controle e monitoramento de informações durante diferentes etapas da cadeia produtiva. Sendo assim, o principal objetivo deste estudo foi descrever o processo de rastreabilidade e diagnosticar os benefícios adquiridos com a implantação e manutenção da rastreabilidade na produção de sementes de arroz da Empresa A, localizada no município de Sinop/MT. Para atender ao desígnio deste estudo, foi utilizada uma abordagem qualitativa. E entre os diversos tipos de pesquisa qualitativa, o estudo de caso foi o considerado o mais adequado, para realizar uma análise detalhada de um ambiente ou de uma situação em particular. Este trabalho envolve duas etapas principais: a exploratória e a descritiva. O objetivo da pesquisa exploratória e fornecer insights para melhor compreensão do tema, aumentando a familiarização do pesquisador com o problema em questão. E a pesquisa descritiva usa padrões textuais como, por exemplo, questionários para identificação do conhecimento, que no presente estudo a coleta dos dados foi utilizada através de roteiro de entrevista elaborada na forma de questionário semiestruturado, contendo questões abertas e fechadas. Após a coleta dos dados realizou-se a analise e conclusões dos dados. 2. A gestão da qualidade e a rastreabilidade A segurança e a qualidade dos alimentos estão ganhando expressiva atenção dos agentes da cadeia agroindustrial, cujos estímulos abrangem desde demandas crescentes dos consumidores por segurança do alimento, exigências técnicas dos demais elos constituintes da cadeia e, principalmente, a necessidade de cumprimento de normas e exigências legais. (LEONELLI, 2006) A segurança do alimento conforme coloca Spers (2000) refere-se à garantia em se consumir um alimento isento de resíduos que prejudiquem ou causem danos à saúde, destacando dois 2

3 tipos principais de abordagens. A primeira abordagem é técnica, cujo objetivo é identificar os níveis, as formas de contaminação e o controle das doenças provocadas por alimentos, além dos estudos e técnicas que detectam e mensuram a presença de substâncias nocivas nos alimentos. A segunda é econômica e aborda o quanto o consumidor está disposto a pagar por um produto seguro. Essa abordagem também inclui os programas de garantia da segurança do alimento desempenhados pelo governo, por meio do monitoramento dos agentes econômicos e das barreiras não-tarifárias no comércio mundial. De uma forma geral, as empresas e os governos no mundo todo vêm buscando maneiras de rastrear a distribuição de produtos, em especial alimentos e medicamentos, dentro da cadeia de suprimentos, para aumentar a segurança de seus consumidores. A rastreabilidade é essencial, principalmente nos casos em que o impacto causado por incidentes envolvendo a segurança de produtos leva além dos danos à saúde dos consumidores, à redução da confiança da população nos produtos, nos órgãos de fiscalização e nas empresas. Após a "crise da vaca louca" foram realizados vários esforços internacionais para o controle da doença e restabelecer a confiança do consumidor. E em razão da necessidade de automação das operações e estruturação dos sistemas de identificação e operações logísticas, as entidades de padronização em todo o mundo foram requisitadas a participar nos programas voltados ao desenvolvimento dos sistemas de rastreabilidade. Apesar da rastreabilidade ser muito discutida atualmente, esse conceito ainda é pouco tratado na literatura de coordenação de cadeias produtivas. A rastreabilidade relaciona-se com informação, segregação física e controle de qualidade de alimentos (MACHADO; ZYLBERSZTAJN, 2001). Deste modo, rastrear é capturar e trocar informações sobre os atributos específicos de um produto ao longo da cadeia produtiva, desde a origem do seu processo de produção até o consumidor final. A rastreabilidade pode ser definida como um processo de práticas sistemáticas de segregação física e troca de informações entre diferentes agentes da cadeia produtiva, responsáveis pela execução e cumprimento de uma meta específica preservar os atributos e a identidade de produtos transacionados segundo suas especificações. (MACHADO, 2000). Tem se então, que o objetivo da rastreabilidade é garantir ao consumidor um produto integro e inócuo, por meio de controle de todas as etapas (produção, industrialização, logística, distribuição e comercialização) configurando uma perfeita correlação entre produto final e a matéria-prima em que lhe deu origem. Toledo e Leonelli (2006) relatam que em um sistema de rastreabilidade o fator mais valioso é a informação, que deverá ser agregada aos produtos, seja no lote, no indivíduo ou em alguma unidade física especifica. É fundamental que o processo de rastreabilidade seja transparente e seja uma filosofia da empresa, cuja adoção não seja vista apenas como uma obrigatoriedade, mas principalmente como uma ferramenta de gestão. Juran e Gryna (1993) relatam que a rastreabilidade funciona como um complemento no gerenciamento da qualidade e quando aplicado isoladamente não traduz segurança ao produto, nem ao processo. A rastreabilidade implica na capacidade de levantar informações críticas a montante e a jusante em qualquer ponto da cadeia de produção e está diretamente relacionada com o conceito de coordenação e, consequentemente, tem influência direta na competitividade das cadeias produtivas. Neste contexto, Silva (2004) complementa que um sistema de rastreabilidade é aquele que 3

4 permite rastrear informações de diferentes tipos (podendo ser de processo, produto, pessoal e/ou serviço) relacionadas aos setores a jusante e a montante de um elo de cadeia à qual esteja vinculada a empresa, podendo esse ser informatizado ou não. Esse sistema possibilita fazer um histórico do produto, cujo grau de complexidade do conteúdo desse histórico relaciona-se diretamente ao objetivo a ser alcançado. O ambiente externo em que se encontra a empresa, bem como suas estratégias, é que irão definir esse objetivo. O sistema de rastreabilidade para os produtos de uma cadeia agroalimentar pode ser aplicável em todos os casos em que seja necessário demonstrar com documentos o desenvolvimento de um produto, as responsabilidades especificas, por meio da identificação da origem de um produto e da visualização dos níveis de garantia (CIMA; AMORIM; SHIKIDA, 2006). Observa-se ainda, que a exigência externa por informações sobre o produto e o processo de produção é que indicará o grau de rastreabilidade que se pretende trabalhar. Quando o produto é diferenciado ou o consumidor tem necessidade da visualização das informações, a rastreabilidade deve ser realizada ao longo da cadeia. Outro fator importante a se considerar é que os sistemas de rastreabilidade estão apoiados em um sistema abrangente de gestão de qualidade cujo intuito é monitorar atributos do produto e/ou processo e, principalmente, possibilitar o retorno às fases de controle ao longo da cadeia produtiva, por meio de procedimentos e registros. Porém, deve-se observar que a rastreabilidade pode ser aplicada em qualquer tipo de cadeia produtiva, sendo que para cada uma haverá critérios específicos para a qualidade final do produto. Essa qualidade pode ser orgânica, sanitária, de pureza, de isenção de transgenia ou de isenção de irradiação iônica ou nuclear, além de inúmeras outras que o mercado já exige ou pode passar a demandar (LEONELLI, 2006). Desta forma, a rastreabilidade é considerada um fator de segurança para o consumidor, que pode acompanhar todas as etapas do processo de produção e o grau de conformidade do produto e processo, em qualquer tempo e lugar Características dos sistemas de rastreabilidade para cadeia agroindustrial Para que um sistema de rastreabilidade alcance seu ponto ótimo de eficiência e eficácia, a identificação deve estar sempre acompanhando o rastreamento do processo, assim como de todas as etapas da cadeia produtiva. Dada essa característica, Machado e Nantes (2005) descrevem que a rastreabilidade possibilita encontrar o destino industrial ou comercial de um lote de produtos até o seu armazenamento no ponto de comercialização, bem como permite a realização do levantamento de todos os estágios, iniciando de um lote de produto acabado até encontrar o seu histórico de origem. Para melhor compreender o papel da rastreabilidade no controle da qualidade, pode-se dividilo em quatro etapas fundamentais conforme colocado por Feigenbaum (1994): a) Estabelecimento de padrões. É de extrema relevância para a obtenção da qualidade de um produto a determinação de padrões para custo, desempenho, segurança e confiabilidade. b) Avaliação da conformidade. Comparação dos produtos gerados com os padrões exigidos. 4

5 c) Agir quando necessário. Correção de problemas e suas causas ao longo dos fatores relacionados com marketing, projeto, engenharia, produção e manutenção, que influenciam a satisfação do consumidor. d) Planejar melhorias. Esforço contínuo para aperfeiçoar os padrões. Porém, se destaca que para a realização efetiva da terceira etapa, faz-se necessário um sistema de rastreabilidade do produto ao longo do seu processo de fabricação, para que se possa aproximar rapidamente o fator gerador de uma falha. Desta forma, a rastreabilidade é colocada como uma técnica importante e necessária na qualidade do produto que envolve a documentação da engenharia, da produção e do histórico da distribuição de produtos para permitir rastreabilidade do produto no campo, de tal maneira que tendências na qualidade possam ser consideradas e ação corretiva rápida possa ser adotada em casos extremos, como o recolhimento do produto, com custo mínimo (FEIGENBAUM, 1994). Este conceito além de considerar a função de identificação do produto, processo e responsáveis, ainda entende a rastreabilidade como facilitadora da percepção de tendências na qualidade. Para isso, pressupõe fluxo de informações no sentido da produção para o consumidor e vice-versa. Nesta situação a rastreabilidade também é tida como redutora de custos na resolução de um caso de falha grave, em que a alternativa seja o recolhimento da mercadoria. Golan et al. (2008) argumenta que a rastreabilidade para produtos agroindustriais pode contemplar inúmeras características, por exemplo: a) Um grão de soja ou o carregamento todo; b) Um padrão para localização de origem, que pode ser um talhão, uma fazenda, uma região ou país; c) Uma lista de procedimentos adotados (aplicações de defensivos, tratos culturais, etc); d) Uma tecnologia de identificação (utilizando instrumentação eletrônica, protocolos informatizados, ou cadernos de campo e registros manuais). Desta maneira, Juran e Gryna (1993) apontam diversas finalidades da rastreabilidade, tais como: a) Assegurar que apenas materiais e componentes de qualidade entrem no produto final; b) Identificar clara e explicitamente produtos que são diferentes, mas que se parecem a ponto de serem confundidos entre si; c) Permitir o retorno de produto suspeito numa base precisa e localizar falhas e tomar medidas corretivas a preço mínimo. Para Machado (2000) a rastreabilidade também assume importância estratégica para a indústria de alimentos e para o segmento de distribuição, por representar um diferencial de competitividade, fortalecer a imagem institucional da empresa, auxiliar no posicionamento da marca no mercado, estimular a concorrência através da diferenciação da qualidade e estreitar a relação com os fornecedores e contribuir para a construção de estratégias competitivas da empresa e, com isso, definir a estrutura de coordenação vertical. Destaca-se, ainda como uma característica da rastreabilidade a habilidade de identificar produtos de forma única. A identificação do produto pode ser feita fisicamente em sua embalagem, ou através de informações que possam ser registradas ao longo do processo produtivo. Também é importante observar outra característica da rastreabilidade, ou seja, a 5

6 previa definição dos pontos críticos de controle, pois se constituem em elementos-chave para garantir a eficácia da rastreabilidade, podendo diferir de acordo com o escopo do sistema de rastreabilidade em questão Rastreabilidade: importância, vantagens e dificuldades Segundo Machado (2000) a rastreabilidade assume uma importância estratégica para a indústria de alimentos e para o segmento de distribuição, por representar: a) Um diferencial de competitividade; b) Fortalecer a imagem institucional da empresa; c) Auxiliar no posicionamento da marca no mercado; d) Estimular a concorrência através da diferenciação da qualidade; e) Estreitar a relação com os fornecedores e contribuir para a construção de estratégias competitivas da empresa e, com isso, definir a estrutura de coordenação vertical. Em âmbito institucional, os sistemas de identificação e rastreabilidade auxiliam na minimização de riscos de contaminação, facilita a localização do foco de problemas, tranquiliza a população e dá credibilidade ao próprio Estado. Juran e Gryna (1993) descrevem que a rastreabilidade deve fazer parte de um processo produtivo, a fim de se ter a habilidade de identificar o produto e suas origens. Assim, um sistema de rastreabilidade se torna importante para: a) Assegurar que apenas materiais e componentes de qualidade adequada darão origem ao produto final; b) Prover identificação para evitar mistura de produtos semelhantes; c) Permitir retornar os produtos (recall) suspeitos em bases precisas; d) Localizar causas de falhas e tomar ação corretiva num custo mínimo. De acordo com Spers (2000) e Jank (2003) a rastreabilidade torna-se um instrumento de suma importância por que: privilegia a vontade e o desejo do consumidor; decorre da crescente preocupação com a qualidade e a segurança do alimento; e serve como base na implantação de programas de qualidade em toda a cadeia. Em síntese, pode-se dizer que a rastreabilidade aplicada isoladamente não garante segurança do produto ou do processo. Ela atua como um complemento no gerenciamento da qualidade e deve ser associada a programas de controle de qualidade. Segundo Moe (1998), as vantagens podem ser vistas na cadeia produtiva (desde a colheita, transporte, armazenamento, processamento, distribuição e vendas) como também rastreabilidade interna (internamente a uma organização pertence a um dos elos da cadeia). Desta forma, a rastreabilidade da cadeia pressupõe relacionamento entre diferentes agentes da cadeia produtiva, enquanto que a rastreabilidade interna refere-se apenas a um agente. O Quadro 1 demonstra as vantagens da rastreabilidade para ambos os casos, na cadeia ou em uma única firma, sendo que estas não esgotam todas as possibilidades existentes. Rastreabilidade na cadeia Estabelecer bases precisas para procedimentos eficientes de retorno do produto na cadeia, objetivando minimizar perdas. Evitar repetições desnecessárias de mensuração em Rastreabilidade interna Possibilidade de melhoria do controle de processos. Possibilidade de correlacionar dados do produto com 6

7 dois ou mais elos da cadeia. características da matéria-prima e dados de processamento. Tornar possível a diferenciação vertical ou horizontal de uma matéria-prima especial ou de características especiais do produto, bem como a segurança do mercado. Satisfazer requisitos governamentais em vigor ou futuros Identificar responsáveis de cada processo pelo qual passou o produto, desde a matéria-prima até o consumidor final Rapidez na identificação e correção de falhas. Fonte: Adaptado de Moe (1998) Quadro 1 - Vantagens da rastreabilidade interna e ao longo de toda a cadeia Evitar a mistura não econômica de matéria-prima de alta e de baixa qualidade. Bases mais sólidas para a implementação da tecnologia da informação para controlar e gerenciar sistemas. Bases mais sólidas para a implantação da tecnologia da informação para controlar e gerenciar sistemas. De um modo geral, conforme colocado por Vinholis e Azevedo (2000), a rastreabilidade interna constitui uma ferramenta de controle de processos internos, objetivando, sobretudo a redução de custos, falhas e perdas. A rastreabilidade da cadeia, por sua vez, adiciona aspectos relativos à diferenciação de produtos e identificação de responsáveis, o que é relevante para o enforcement dos padrões estabelecidos pelas normas à segurança do alimento. Por outro lado, deve se observar que os desafios para incorporar esse conceito de rastreabilidade em operações dos sistemas agroindustriais são grandes. As cadeias agroindustriais ainda são marcadas pelo comportamento adversário, as transações com commodities são predominantes, onde apenas o preço é relevante. Faltam canais exclusivos para transacionar produtos in natura de forma diferenciada. A estrutura mundial de armazenagem de grão, por exemplo, não esta preparada para identificar e separar grãos segundo padrões diferenciados. Os custos para viabilizar a rastreabilidade de produtos são enormes, envolvem investimentos em processos logísticos, ativos dedicados e inovações organizações entre segmentos distintos. 3. Estudo de caso 3.1. Caracterização do agente pesquisado A empresa estudada, aqui denominada como Empresa A, surgiu no ano de 1997, encontrase localizada na região médio norte do Estado de Mato Grosso. É uma das empresas do grupo composto por produção de sementes de alta qualidade, caracterizando-se uma de suas principais atividades, porém atua também em outros segmentos, que estão relacionados com a produção agrícola, dentre os quais, pesquisa de variedades de sementes (arroz, soja, milho e sorgo), armazenagem de grãos, comercialização de insumos, revenda de defensivos agrícolas e unidade de beneficiamento. A produção de sementes de arroz de alta qualidade é o negócio principal da Empresa A, possuindo acompanhamento técnico durante todo o ciclo produtivo. As etapas de produção, beneficiamento e armazenagem são monitoradas e controladas de forma permanente, cujo intuito, é garantir a produção de sementes com qualidade compradas por certificação. No presente estudo foi trabalhado com o processo de produção de sementes de arroz, uma vez que é este o produto que possui o sistema de rastreamento implantado. 7

8 3.2. Coleta e Analise dos Dados O presente estudo teve como objetivo diagnosticar os benefícios adquiridos com a implantação e manutenção da rastreabilidade no processo de produção de sementes de arroz. Para levantar estas informações, procurou-se conhecer o método de rastreabilidade, o objetivo, descrição das práticas, dificuldades na implantação e manutenção, os benefícios, pontos fracos e tendência da rastreabilidade, conforme dados a seguir: a) Método de rastreabilidade na empresa: As técnicas de rastreabilidade são empregadas com a finalidade de se controlar a qualidade, separar diferentes tipos de grãos e produtos e preservar a identidade. Conforme informações levantadas na empresa foi possível verificar que o método de rastreabilidade utilizado na produção de sementes da Empresa A é por produto e processo. Rastreabilidade de Produto: A rastreabilidade do produto na empresa começa pela identificação, controle e monitoramento de todas as fases do processo produtivo, estabelecendo em cada uma, os devidos controles necessários e exigidos pela legislação. De acordo com Toledo e Leonelli (2006) a rastreabilidade do produto tem como objetivo determinar a localização física do produto em qualquer estágio da cadeia de suprimentos com o intuito de facilitar o gerenciamento logístico e de inventários, o recall de produtos e a disseminação de informações para o consumidor e qualquer outro agente da cadeia produtiva que possa ter interesses econômicos em prover e manter tais informações. Rastreabilidade do Processo: A rastreabilidade do processo tem por objetivo averiguar o tipo e a sequência de atividade pelas quais o produto percorreu, incluindo as etapas de crescimento vegetativo e operações pós-colheita, procurando descrever o que foi feito, quando e onde. Esta descrição inclui a interação entre o produto e demais fatores (físicos/mecânicos, químicos, biológicos, ambientais e atmosféricos) que resultam na transformação da matéria-prima em produtos de valor agregado. Outro aspecto relevante a ser monitorado no processo refere-se à ausência ou presença de contaminantes no produto (TOLEDO; LEONELLI, 2006). Na rastreabilidade por processo, apurou-se que os produtores dispõem de assistência técnica especializada, prestada por agrônomos especializados da própria empresa, para que as práticas utilizadas, sejam do ponto de vista da cultura ou do ponto de vista fitossanitário, sejam uniformes e padronizadas de modo a permitir identificar em qualquer ponto do processo produtivo, todo e qualquer evento ocorrido e suas particularidades, visando à obtenção de um produto com as características qualitativas requeridas. Verificou-se ainda, que após a colheita, todo o arroz (nesse momento ainda na qualidade de grão) é entregue nos silos da Empresa A, onde é pesado, sendo registrados os nomes dos produtores, a variedade, a origem de qual talhão produtivo e a qualidade inicial dessa semente antes do processo de beneficiamento. Neste contexto, a preservação da identidade da produção de sementes de arroz envolve o monitoramento e o gerenciamento de todas as fases do processo produtivo, antes da propriedade agrícola, na propriedade agrícola, no transportes, no armazenamento, no processamento, na rotulagem e na distribuição (Figura 1). 8

9 Anterior à propriedade Melhoramento Multiplicação de sementes Distribuição de sementes Plantio Colheita Armazenagem Plantio da semente correta Limpeza dos equipamentos Evitar fecundação cruzada Manter histórico Propriedade Rural Limpeza da colhedora Limpeza de silos Distribuição Assegurar que produtos com IP atinjam mercado especifico Rotulagem Indústria (Beneficiamento) Processamento Armazenagem Limpeza de caminhões Limpeza de moegas Limpeza de moegas Amostragem e análises Limpeza das unidades Limpeza de instalações Transporte Amostragem e análises Assegurar destino correto Assegurar a correta rotulagem Fonte: Adaptado de Leonelli (2006) Figura 1 Rastreabilidade na cadeia produtiva de produção de sementes Através da figura 01 foi possível verificar os principais elos da cadeia de sementes de arroz interligados a fim de que a rastreabilidade se torne possível na produção, e que os agentes envolvidos no processo tenham possibilidade de obter às informações precisas, isto é, ter acesso rápido de possíveis falhas que possam ocorrer no processo produtivo das sementes. Para a empresa a importância destas informações está em poder monitorar a produção de arroz durante toda a cadeia, assegurando a manutenção de determinados traços ou características especificas e desejadas. Também é possível que seja feita uma distinção de diferentes tipos de produtos, de acordo com o seu conteúdo ou forma de produção, evitando ainda que variedades diferentes sejam armazenadas no mesmo local. b) Características da rastreabilidade: As principais características apresentadas com a implantação da rastreabilidade da produção de sementes de arroz, conforme informações fornecidas pela empresa segundo o grau de importância em ordem decrescente são: 1º representa um diferencial de competitividade para a empresa; 2º a habilidade de identificar produtos de forma única; 3º a previa definição dos pontos críticos de controle; 4º o fortalecimento da imagem institucional da empresa junto aos clientes; 5º a estimulação da concorrência através da diferenciação pela qualidade e por último, o auxilio no posicionamento da marca da empresa no mercado. c) Objetivo, descrição das práticas da rastreabilidade e tecnologia da informação: O objetivo principal da rastreabilidade para a empresa é a exigência do MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) conforme dispõe a Lei de 5 de agosto de 2003, que dispõe sobre a normatização do Sistema Nacional de Sementes e Mudas. Também se coloca como finalidade o acompanhamento e o controle, no qual constituem a garantia de que 9

10 a rastreabilidade dos processos e produto podem ser verificados a qualquer momento pelo comprador/consumidor, se caracterizando como de extrema confiança e transparência. Já na descrição das práticas e ferramentas empregadas no sistema de rastreabilidade se observou que os meios utilizados para rastrear o processo de produção de sementes de arroz, é feito por lotes, em seguida, o padrão utilizado para localização de origem, se da por talhão, uma vez que na mesma propriedade planta-se mais de uma variedades de arroz. Também os agrônomos da empresa utilizam uma lista de procedimentos para obter as informações quanto à rastreabilidade de aplicações de defensivos, tratos culturais, dentre outras, isto é, todo o processo é regido pela legislação da produção de sementes que prevê todas as atividades necessárias para o sistema de rastreabilidade. Outro item a ser colocado é quanto a tecnologia de identificação utilizada pela empresa, onde constatou-se a utilização de instrumentos eletrônicos, protocolos informatizados, cadernos de campo e registros manuais colhidos no campo e repassados no sistema do escritório da empresa, criando, desta maneira o processo de rastreagem da produção de sementes de arroz. d) Dificuldades na implantação e manutenção da rastreabilidade: No Brasil, o que se tem observado é que não existe padronização dos métodos de identificação dentro da cadeia de determinado produto e também não existe uma metodologia especifica para se realizar o recall das informações transmitidas. Isso permitiria ter a certeza da efetividade da rastreabilidade e se realmente é possível a identificação do local de colheita e das etapas de produção (MACHADO, 2000). Neste contexto, observou-se na Empresa A, que as principais dificuldades encontradas para a implantação da rastreabilidade foram a compreensão da legislação e das normas, que ainda são recentes, ou seja, não há pessoas especializadas na região para conduzir o processo de implantação do sistema de rastreabilidade. Já referente a manutenção, percebeu-se a dificuldade dos agentes envolvidos no processo em continuar alimentando o sistema de rastreabilidade. Isso pode ocorrer devido ao fato dos elos da cadeia não estarem preparados para tais mudanças no processo produtivo. Outro fator são as dúvidas que surgem ainda na implantação e não são devidamente sanadas, ocasionando um processamento de dados de forma morosa que acaba prejudicando o sistema, sem contar as mudanças que ocorrem na lei, que são complexas de entendimento dificultando a atualização no sistema de rastreamento das sementes. Observa-se também que o processo de manutenção da rastreabilidade demanda da interligação de todos agentes envolvidos, ou seja, os mesmos precisam trabalhar de acordo com as regras estabelecidas para que todos trabalhem de forma ordenada. e) Benefícios e Pontos fracos da Rastreabilidade: Os benefícios evidenciados com a implantação do sistema de rastreabilidade na empresa, além de atender a legislação do MAPA, foram identificação das deficiências na gestão, conhecimento da origem e histórico do processo produtivo de sementes de arroz, segurança ao agricultor referente a produção de sementes de arroz e abertura de novos mercados consumidores, isto é, segundo informações da empresa, apesar desta não ter recebido nenhum prêmio por sua produção rastreada, os compradores, quando se deparam com preços parecidos ou com diferenças mínimas das sementes produzidas nos moldes tradicionais, ou seja, não rastreadas, dão preferência ao produto da Empresa A. 10

11 Quanto aos pontos fracos evidenciou-se que houve pouca agregação de valor ao processo de produção das sementes, isto é, apesar da empresa trabalhar com sistema de rastreabilidade no processo de produção de sementes de arroz, o valor final do produto não houve ganhos financeiros significativos a mais. Outro ponto fraco, percebido é a falta de conscientização dos agentes envolvidos no processo em se adaptar as regras estabelecidas pela legislação no processo de rastreabilidade da semente de arroz. Observa-se nesse sentido que a resistência em seguir o programa de rastreabilidade, ocorre até mesmo por motivos culturais, ou seja, os produtores argumentam que sempre produziram bem dessa forma, e que a rastreabilidade não aumentará a produtividade deles. f) Tendência da rastreabilidade: A tendência da rastreabilidade na empresa é de continuar cumprir a legislação da produção de semente e aumentar a capacidade de controle e atuação sobre as sementes, em busca de uma vantagem competitiva Análise e sugestões A implantação do sistema de rastreabilidade no processo de produção de sementes de arroz trouxe para a empresa alguns benefícios perante o consumidor, como exemplo a preocupação da empresa em fornecer produtos com alta qualidade. Porém, percebeu-se que ainda não agregou valores financeiros para a mesma, sem contar que o principal objetivo para a empresa no momento é cumprir as exigências legais na produção de sementes. Diante destas evidências, segurem-se alguns requisitos que possam a vir contribuir para um maior reconhecimento de mercado e agregação de valor no produto final. Primeiramente, sugere-se um maior comprometimento dos agentes envolvidos, pois conforme foi evidenciado na pesquisa os agentes não participam por total no processo de rastrear o produto, a empresa poderia elaborar cursos, com todos os agentes da cadeia e demonstrar a importância da participação de todos os elos da cadeia para agregação de qualidade no produto final, e consequentemente, agregação de valor. Outra sugestão é a implantação de um sistema de rastreabilidade em todo o grupo, uma vez que a mesma vem trabalhando rastreabilidade somente no segmento de produção de sementes de arroz. Sendo que a rastreabilidade em todo o grupo poderia identificar rapidamente qualquer fator gerador de uma falha no processo de seus produtos colocados no mercado consumidor, e também informações que facilitariam a percepção de tendências na qualidade. Para isso, pressupõe fluxo de informações no sentido da produção para o consumidor e viceversa. Ainda neste conceito, a rastreabilidade é tida como redutora de custos na resolução de um caso de falha grave, em que a alternativa seja o recolhimento da mercadoria. 4. Considerações finais Um sistema de rastreabilidade é um conjunto de medidas que possibilitam controlar e monitorar sistematicamente todas as entradas e saídas nas unidades seja elas produtivas processadoras ou distribuidoras, visando garantir a origem e a qualidade do produto final. Quanto maior o número e a frequência das informações necessárias, bem como as formas de comprovação destas, melhor será o sistema de rastreabilidade. Desta forma, percebeu-se com a elaboração do presente estudo, que reunir a produção de vários produtores de sementes de arroz dentro da definição de rastreabilidade até a etapa responsável pelo primeiro processamento parece ser uma tarefa penosa demais frente aos seus 11

12 benefícios, porém, para que isto aconteça é necessário alinhar os interesses divergentes existentes entre os vários agentes envolvidos. A expectativa é que, em um futuro próximo, a rastreabilidade possa ser encarada como uma prática realmente vantajosa para os produtores de sementes do nosso país. Mais importante ainda é que a adesão da grande maioria resulte da manutenção e abertura de novos mercados, da percepção de um maior valor agregado e da fidelização de consumidores a um produto que satisfaça aspectos desejáveis no que se refere a um alimento seguro. Finalizando, percebe-se que a rastreabilidade é conclusiva e comprovadamente um processo complexo, que depende fundamentalmente do sucesso na obtenção de mudanças no comportamento dos agentes envolvidos. Não é apenas mais um eficiente insumo moderno aplicada à agricultura, que se paga caro, para cumprir a legislação da produção de sementes de arroz. É um processo de educação e de conscientização do agricultor e de todos os demais envolvidos na cadeia produtiva da produção de sementes de arroz, os quais devem passar a compreender rapidamente as vantagens que terão ao seguir rigorosamente os procedimentos estabelecidos por normas de produção, processamento e distribuição. Referências CIMA, E. G.; AMORIM, L. S. B; SHIKIDA, P, F. A. Importância da rastreabilidade para o sistema de segurança alimentar na indústria avícola. Revista FAE, Curitiba, v. 9, n.1, p1-12, jan/jun DESQUILBET, M.; BULLOCK, D. Welfare effects of non-gmo identity preservation: the case of potential coexistence of GM and non_gm rapeseed in the EU. Economic Research Service (USDA) and The Farm Foundation. Product differentiation and market segmentation in grains and oilseeds: implications for industry in transition, 2003, Washington, DC. Jan Proceeds symposium... Disponível em:<www.ers.usda.gov>. Acesso em: 10 jul FEIGENBAUM, A.V. Controle da qualidade total. São Paulo: Makron Books, GOLAN; E.,et. al. Traceability in the U.S. food supply: economic theory and industry studies. United States: Dept. of Agriculture. Economic Research Service, (Agricultural Economic Report, n. 830). Disponível em: <www.ers.usda.gov>. Acesso em: 10 jun JURAN, J. M.; GRYNA JR, F. M. Controle de qualidade. Handbook. São Paulo: Makron Books, v. 3. LEONELLI, F. C. V. Rastreabilidade Integrada de Grãos (RIG): um modelo de referência. ENCONTRO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 26., Fortaleza. Anais... [S..: s. n.], CD-ROM. MACHADO, R. T. M.; ZYLBERSZTAJN, D. Rastreabilidade e tecnologia da informação na coordenação do negócio da carne bovina no Reino Unido. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ECONOMIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS AGROALIMENTARES, 24, 2001, FEA-USP Ribeirão Preto, MACHADO, R. T. M. Rastreabilidade, tecnologia da informação e coordenação de sistemas agroindustriais. Tese de doutorado apresentado a Faculdade de Administração, Economia e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo: MACHADO, J. G. C.; NANTES, J. F. D. Identificação eletrônica e rastreabilidade de informações no pagamento da carne bovina pela qualidade <http://www.gepai.dep.ufscar.br/gepai18.pdf>. (06 ago. 2008). MOE, T. Perspectives on traceability in food manufacture. Food Science & Technology, London, v. 9, p , SILVA, I. J. O. A rastreabilidade dos produtos agropecuários do Brasil destinados à exportação. Trabalho apresentado no Simpósio de Consultores Rurais e Ambiência SIMCRA, Campina Grande, Disponível em: <http://www.cendotec.org.br/prosper/publicacoes/rastreab.pdf.> Acesso em: 29 jul SMITH, S; PHILLIPS, P. W. B. Product differentiation alternatives: identity preservation, segregation, and traceability. AgBioforum, v. 5, n. 2, p , Disponível em: <http://www.agbioforum.org.br/>. Acesso 12

13 em: 29 ago SPERS, E. E. Qualidade e segurança em alimentos. In: ZYLBERSZTAJN, D., NEVES, M.F. (Coord.) Economia e Gestão dos Negócios Agroalimentares. São Paulo: Pioneira, TOLEDO, J. C.; LEONELLI, F. C. V. Rastreabilidade em cadeias agroindustriais: conceitos e aplicações. Circular Técnica ISSN São Carlos/SP, out, VINHOLIS, M. B.; AZEVEDO, P. F. Efeito da rastreabilidade no sistema agroindustrial da carne bovina brasileira. WORLD CONGRESS OF RURAL SOCOLOGY, 10, 2000, Rio de Janeiro. Anais... v. 1. p Disponível em:<http://www.gepai.dep.ufscar.br/gepai28.pdf>. Acesso em: 09 ago

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido Tendências: Como foi produzido CONSUMIDOR Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar Carne Não Transgênica Milhões Tons. 80,0 75,0 70,0 65,0

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO Este relatório aborda um processo que tem crescido tanto no Brasil como no mundo: a rastreabilidade de produtos. O processo de rastreabilidade é um instrumento fundamental e surgiu em

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração. Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Gildo Neves Baptista jr

FTAD Formação Técnica em Administração. Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Gildo Neves Baptista jr FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Gildo Neves Baptista jr AULA PASSADA: CADASTRAMENTO DE MATERIAIS UMA REVISÃO RÁPIDA CONCEITO DE CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 Padrões do Sistema GS1 Habilitando a visibilidade da cadeia de valor. Identificação

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração. Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Marcus Fontes

FTAD Formação Técnica em Administração. Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Marcus Fontes FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Marcus Fontes AULA PASSADA: CADASTRAMENTO DE MATERIAIS UMA REVISÃO RÁPIDA CONCEITO DE CADASTRAMENTO DE MATERIAIS E SUAS

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 10 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA TÍTULO: INSPEÇÃO E RASTREABILIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 O SISTEMA LOGÍSTICO DO MILHO EM UM ARMAZÉM GRANELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ: UM ESTUDO DE CASO Luiz

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT

A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT Adriana Regina Redivo 1 Arlete Redivo 2 Cácio D. Três 3 Geraldo Alves Ferreira

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico)

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Coordenador Agricultural Services SGS do Brasil Ltda. O que é Rastreabilidade?

Leia mais

Rastreabilidade em cadeias agroindustriais: conceitos e aplicações

Rastreabilidade em cadeias agroindustriais: conceitos e aplicações ISSN 1517-4778 Rastreabilidade em cadeias agroindustriais: conceitos e aplicações 33 Introdução A segurança e a qualidade dos alimentos estão ganhando expressiva atenção e cuidados por parte dos consumidores,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE. Welliton Donizeti Popolim

CONTROLE DE QUALIDADE. Welliton Donizeti Popolim CONTROLE DE QUALIDADE Welliton Donizeti Popolim UM CENÁRIO MAIS COMPLEXO... Requisitos do consumidor mundial Qualidade ambiental Segurança Satisfação Produtos e serviços qualificados e certificados

Leia mais

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA 1 ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA Luiz Carlos Bresser Pereira Ministro da Ciência e Tecnologia Trabalho escrito maio de 1999 para ser publicado no site do MCT. O País presencia hoje intenso debate

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de 81 8 Conclusões O último capítulo da dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações de estudos futuros. A presente dissertação teve como objetivos propor um modelo,

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC.

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC. Plano de Ensino CURSO: MBA Regular - Negócios Internacionais DISCIPLINA: Plano de Internacionalização Banca Final Última revisão: Abril/2015 Horas-aula: Orientação do projeto: 30 Desenvolvimento do projeto:

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Tatiane Goulart OLIVEIRA ¹; Estefânia Paula da SILVA²; Rodrigo Herman

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Os benefícios da ce ISO 14001

Os benefícios da ce ISO 14001 Pesquisa Os benefícios da ce ISO 14001 A Revista BANAS QUALIDADE e a Destaque Pesquisa e Marketing realizaram um estudo para medir o grau de satisfação da implementação da certificação ISO 14001. Confira

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA Ricardo Toshio Yugue EAN BRASIL Grupo de Trabalho para Automação, Rastreabilidade e Padronização Comercial da Carne Bovina 24 SUMÁRIO presente projeto tem por objetivo

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 9 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS 181 SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS Valdecir Cahoni Rodrigues 1, Alvaro Costa Jardim Neto 2, Nilmaer Souza da Silva 1 1 Universidade do Oeste Paulista UNOESTE.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais