CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 1 CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO Os produtos descritos nesse projeto encontram-se intimamente ligados a diversas atividades humanas desde preocupações meramente estéticas até manutenção da qualidade e eficiência de diversos processos produtivos. Os seis produtos em questão têm ampla relação, mas podem ser agrupados da seguinte maneira: shampoos, cosméticos, desodorantes e gel classificados na categoria de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. Detergentes e limpa-vidros classificados como produtos de limpeza, doméstica, comercial e industrial. No entanto é necessário frisar que os shampoos possuem características muito semelhantes às do detergente e são usados para higiene pessoal. Para citar a história dos detergentes, é impossível não mencionar a história dos sabões. A produção de sabão é uma das mais antigas reações químicas conhecidas. Não se conhece sua origem, mas é provável que tenha sido descoberta por acidente quando, ao ferverem gordura animal contaminada com cinzas, nossos ancestrais perceberam uma espécie de coalho branco flutuando sobre a mistura. O historiador romano Plínio, o Velho (23-79 d.c.), já descreve a fabricação do sabão duro e do mole, mas somente a partir do século XIII este passou a ser produzido em grande escala. No princípio do século XIX ainda se pensava que o sabão fosse uma simples mistura mecânica de gordura e álcali, até que o químico francês Michel-Eugène Chevreul ( ) mostrou que sua formação era na realidade uma reação química. Gregos e romanos chegaram a conhecer o sabão. Nas ruínas de Pompéia, destruída aproximadamente em 79 a.c. pela explosão do Vesúvio, arqueólogos desenterraram uma fábrica de sabão. Ao que tudo indica, os romanos não o empregavam para a limpeza: a maior parte era misturada com aromatizantes para cabelos ou cosméticos e adicionada aos emplastros usados em queimaduras e ferimentos. Só eventualmente se utilizava o sabão para limpeza, ao se lavar o corpo de pessoas homenageadas. Os problemas relacionados ao uso dos sabões comuns em água dura (formação de sais insolúveis) levaram ao desenvolvimento de detergentes sintéticos. Como os sabões, os detergentes contêm uma parte orgânica e um grupo com carga na extremidade da cadeia. Quando os detergentes têm cadeias com carga positiva, são denominados catiônicos; quando a carga é negativa, são aniônicos; quando não têm carga são não iônicos, e quando possuem uma carga negativa e outra positiva são chamados detergentes anfóteros. Um detergente é qualquer

2 2 composto que pode ser utilizado como agente de limpeza. (www.qnesc.sbq.org.br, 03/12/2008, 21h12min). Detergentes são substâncias que apresentam a propriedade de baixar a tensão superficial da água, facilitando-lhe a penetração nos tecidos e auxiliando a remover e manter em suspensão as sujeiras. Os sabões e detergentes sintéticos são constituídos de uma longa cadeia hidrocarbônica, que em média contém de 12 a 20 átomos de carbono, sendo, portanto hidrofóbica ou lipofílica (solúvel em óleos e gorduras), acompanhada de uma extremidade polar (hidrofílica). As principais características do uso de detergentes certamente são devidas aos tensoativos, os quais estão relacionados à formação de ambientes organizados, também conhecidos como ambientes micelares (micelas), que auxiliam na remoção de sujidades. Grande parte da população está familiarizada com o uso dos surfactantes como agentes de limpeza, embora seja freqüente a sua utilização em processos industriais na preparação de cosméticos, fármacos e produtos alimentícios, além de processos que incluem cromatografia, análise de solos, catálise, etc. Em 1890, o químico alemão A. Kraft observou que pequenas cadeias de moléculas ligadas ao álcool funcionavam como sabão. Kraft produziu o primeiro detergente do mundo. Mas a novidade não passou na época de uma curiosidade química. Durante a Primeira Guerra Mundial, o bloqueio dos aliados cortou o suprimento de gorduras naturais, utilizadas para produzir lubrificantes. As gorduras de sabão foram substituídas e o produto tornou-se um artigo raro no país. Outros dois químicos alemães, H. Gunther e M. Hetzer retomaram as pesquisas de Kraft e lançaram em 1916 um detergente com fins comerciais, o Nekal, acreditando que seria usado apenas nos tempos de guerra. Mas as vantagens do detergente sintético sobre o sabão foram logo aparecendo. Ao longo das décadas, embora o sabão se tenha mantido popular no que se refere à higiene pessoal, a sua utilização na lavagem da roupa e da louça foi diminuindo. E meados da II Guerra Mundial, foi substituído por detergentes sintéticos devido ao seu baixo custo e elevada eficácia. O primeiro detergente para lavar roupa foi o Tide, lançado nos Estados Unidos, em No início dos anos 50, o alquilbenzeno, de origem petroquímica, tornou-se disponível, sendo transformado no alquilbenzeno sulfonado de sódio. O alquil benzeno inicialmente desenvolvido tinha cadeia lateral ramificada, o que dificultava sua degradação no meio ambiente. Por volta dos anos 60, foi desenvolvido o alquilbenzeno com cadeia lateral linear, mais prontamente biodegradável, ainda utilizado atualmente. Com um arranque modesto, o uso de detergentes ligeiramente se popularizou. Desde então, a busca de métodos de

3 3 lavagem rápida e eficaz, levou os fabricantes a investir na pesquisa e desenvolvimento de novos produtos que facilitassem as tarefas domésticas. Durante o ano de 1955, o produto da marca Omo foi lançado em Portugal. Sendo o primeiro detergente para a roupa, adotou a difícil tarefa de tentar inverter a tendência de compra das tradicionais barras de sabão e levar as donas de casa a optar pelo detergente. Com a introdução das máquinas de lavar roupa em Portugal, as várias marcas de detergentes alastram-se a outros segmentos. É importante ressaltar que aspectos econômicos e ambientais primam por produzir surfactantes que sejam eficientes nas suas funções específicas e que sejam facilmente degradáveis. A preocupação com o meio ambiente é um fator importante e cada vez mais cogitado, o que justifica a produção de surfactantes não tóxicos e biodegradáveis. Em 1963, nascia uma nova geração de detergentes em pó. Pela primeira vez, a protease comercializada pela Nordisk - divisão de enzimas, hoje Novozymes, uma empresa do mesmo grupo, porém independente, foi introduzida num sabão em pó. De uma maneira crescente, o mercado para produtos de limpeza tem vindo a evoluir nos últimos anos, registrando índices de crescimento constante, resultando no desenvolvimento e lançamento de novos produtos. Fórmulas mais eficazes, embalagens atrativas e recicláveis, aberturas direcionadas, são fatores de extrema importância no mercado de produtos de higiene doméstica. Também as questões ecológicas têm vindo a desempenhar um papel cada vez mais importante na evolução do mercado dos detergentes. As recentes preocupações com meio ambiente impostas pelas legislações ambientais, levaram à proliferação de produtos de limpeza doméstica baseados em ingredientes biodegradáveis e considerados menos nocivos para a natureza. (www.enq.ufsc.br, 03/12/2008, 21h14min). O limpa-vidros é um tipo de detergente usado para limpeza de vidros em geral. O xampu ou shampoo surgiu na Alemanha em 1890, onde até aquele período, as pessoas utilizavam os sabonetes para lavar os cabelos. Somente após a Primeira Guerra Mundial, o xampu começou a ser comercializado em grande escala. Seu nome é proveniente de um modismo indiano presente na Inglaterra, pois xampu veio do hindu champo, que significa massagear. Contudo, os xampus eram muito parecidos, todos continham tensoativos, uma substância que altera a superfície de contato entre dois líquidos, provocando a limpeza do cabelo. A partir do século XX, diferentes tipos de xampus foram elaborados para cada tipo de cabelo. (www.historiadetudo.com, 03/12/2008, 21h44min).

4 4 Os desodorantes surgiram da busca de uma solução para os odores gerados com a transpiração, e não são recentes. Os romanos usavam pequenas almofadas aromatizadas nas axilas para tentar controlar o odor da transpiração. Ao contrário do que muitos pensam, o suor não possui cheiro, mas as bactérias presentes na pele, geram o odor característico. O primeiro desodorante químico foi feito no século XX nos Estados Unidos, em que foi elaborado um produto a base de sulfato de potássio e sulfato de alumínio. As reações entre o suor e as bactérias geram ácidos, que são neutralizados pelos desodorantes, que são básicos. Até a Segunda Guerra Mundial, os primeiros desodorantes eram bastante caros e a maioria da população não conseguia comprar. Após a Guerra, os preços despencaram e assim o desodorante se tornou um componente indispensável para a higiene pessoal das pessoas do mundo todo. (www.historiadetudo.com, 03/12/2008, 21h52min). A palavra cosmético vem do grego kosmetikós, que quer dizer o que serve para ornamentar. A preocupação com a aparência existe desde tempos pré-históricos, quando rostos pintados e corpos tatuados serviam para afugentar maus espíritos e agradar os deuses. Pigmentos vermelhos já eram aplicados nos lábios em 5000a.C., potes de óxido de ferro vermelho foram encontrados o interior dos túmulos antigos sumerianos e egípcios. As misturas de metais pesados davam o tom esverdeado para impregnar e proteger as pálpebras dos nobres. É também com a civilização egípcia que surge a distinção: Mulher de pele clara e Homem de pele escura. Cleópatra bem representou o ideal de beleza daqueles tempos. Carismática e poderosa, Cleópatra imortalizou seu tratamento banhando-se em leite, cobrindo as faces com argila e maquiando seus olhos com pó de khol. Dizia-se que Pompéia, a favorita de Nero, tinha a pele muito branca graças ao resultado de constantes banhos em leite de jumenta. Ela lançou moda e todas as romanas abastadas eram dadas às máscaras noturnas, onde ingredientes como farinha de favas e miolo de pão se combinavam ao leite de jumenta diluído para formar papas de beleza. Mas a verdade é que a bela complementava seu tratamento de clareamento da pele maquiando as veias dos seios e testa com tintura azul. Esta aparência translúcida foi imitada em misturas de giz, pasta de vinagre e claras de ovos durante muitas décadas. Aproximadamente em 150AC o físico Galeno criou o 1º creme facial do mundo, adicionando água à cera de abelha e óleo de oliva. Mais tarde o óleo de amêndoas substituiu o azeite e a incorporação de bórax contribuiu para a formação da emulsão, minimizando o tempo de processo. Estava aí a primeira base para sustentar os pigmentos de dióxido de titânio e facilitar a aplicação na face; nascia a base

5 5 cremosa facial. Durante a Idade Média, o batom nascia com o açafrão: as pessoas utilizavam essa plantinha de origem européia para colorir os lábios. Quando a fumaça toma conta de um lugar e depois que ela passa deixa resíduos pretos grudados nas paredes e no teto. Esse resíduo é chamado de fuligem e, na Idade Média, as pessoas utilizavam essa substância para escurecer os contornos dos olhos. Outra grande arma era a sálvia, que deixava os dentes mais branquinhos. O segredo para deixar a pele mais macia era clara de ovo ou vinagre. Ainda no século XVI a preocupação com higiene pessoal foi deixada de lado, o que ironicamente contribuiu para o crescimento do uso da maquilagem e dos perfumes. É somente no século XX, com os avanços da indústria química fina, que os cosméticos se tornam produtos de uso geral. Na década de 70 as cores de maquiagem tornaram-se populares, acompanhando as coleções de alta-costura francesa, italiana e inglesa. Cada vez que um grande costureiro lançava uma nova coleção de cores e formas para as roupas, lá vinha um tom de sombra específico para os olhos, uma nova cor de boca. E é no final da década de 80 que entram em lançamento as fórmulas evoluídas para cosméticos pigmentados. Hoje podemos nos beneficiar do produto que colore e trata a pele, limpa, perfuma e protege os cabelos, como nunca antes na história da humanidade. (www.baixinho.net/historia-dos-cosmeticos-e-dasmaquiagens, 03/12/2008, 22h00min).

6 6 CAPÍTULO II ROTAS DE FABRICAÇÃO 2.1- Processos produtivos Os produtos em questão apresentam similaridades também quanto aos processos produtivos, tanto que muitas empresas os fabricam de maneira simultânea. As maiores diferenças se situam entre os dois grupos citados anteriormente: produtos de limpeza doméstica, comercial e industrial e produtos de perfumaria, cosméticos e higiene pessoal. Esse capítulo dará informações detalhadas dos processos produtivos e características relacionadas às ações de cada produto Produtos de limpeza doméstica, comercial e industrial Detergentes Os detergentes são, assim como os sabões, substâncias que reduzem a tensão superficial de um líquido, sendo assim, estes compostos são, também, considerados tensoativos. Os detergentes são produtos sintéticos produzidos a partir de derivados do petróleo. Estes compostos começaram a ser produzidos comercialmente a partir da Segunda Guerra Mundial devido à escassez de óleos e gorduras necessárias para a fabricação de sabões. Detergente é um agente tensoativo ou surfactante, quando dissolvido em água ou solução aquosa ele reduz a tensão e altera de maneira análoga, a tensão interfacial de dois líquidos, efetuando na lavagem a ação de limpeza primária e espumejamento. Os detergentes têm excepcionais propriedades de remoção da sujeira. Existem detergentes para serviços leves e outros para serviços pesados, com diferentes tipos de composição. Sendo portanto aplicados tanto para tarefas domésticas simples quanto para as mais diversas tarefas industriais com certo grau de complexidade. A formulação dos detergente sofreu grandes modificações ao longo dos anos devido à preocupações ambientais, uma vez que evidências experimentais indicaram que os

7 7 fosfatos causavam a eutroficação( crescimento exagerado de certas algas e plantas que consomem grande parte do oxigênio da água, impedindo a existência de outras formas de vida) quando atirados como resíduos dos seus mais diversos usos. Atualmente, os fosfatos estão sendo substituídos, ao menos em parte, por carbonato de sódio, silicato de sódio, citrato de sódio e outras substâncias menos nocivas. Na fabricação do detergente, a matéria-prima principal é o ácido sulfônico, que é o componente ativo, sendo que o mais utilizado é o dodecilbenzenosulfônico. Além do ácido são utilizados na fabricação: Soda cáustica: reage com o ácido sulfônico, aumentando a efetividade da lavagem. Isso se deve ao aumento do ph; Trietalonamina ou ácido cítrico: controladores de ph; Cloreto de sódio ou sulfato de magnésio: espessantes e aumentam a viscosidade do produto; Amida: protetora das mãos e espessante; Polidietanolamina de ácido graxo de coco: regulador de espuma; Genapol ou texapon: espumante; Ácido sulfônico Neutralização Correção de ph Acondicionamento Ajuste de viscosidade Aditivação Armazenamento Figura 1- Esquema básico para a produção de detergentes e limpa-vidros

8 8 PRODUÇÃO DE DETERGENTES EM PÓ Ar quente STPP Outros aditivos Atm. LABS-Na SPRAY- DRYER MISTURADOR Ar Perfume EMBALAGEM BOMBA TRANSPORTADORA Produto Figura 2 - Produção de detergentes em pó Fonte: Processos Químicos Industriais - Gonzalo Sieiro Gonzalez O ácido sulfônico reage com a soda cáustica, na fase de neutralização, formando o sulfonato de sódio (possui alto poder de limpeza). Aquece-se o ácido a aproximadamente 80 C e dissolve-se a soda em água. O ácido é adicionado á soda aos poucos, evitando a formação de espumas. Adiciona-se também a amida que funciona como substância protetora das mãos e espessante. Para a obtenção de um ph conveniente ao produto final é necessário medir o ph a cada adição de soda. Após toda a dissolução o ph de aproximadamente 7,0 é o desejado então, adiciona-se trietanolamina ou solução de ácido cítrico. Para um maior teor de espuma, adiciona-se o espumante e juntamente com o emulsificante desejado e o formol deve-se adicionar essências e corantes dissolvidos em água. Para aumento de viscosidade utiliza-se o cloreto de sódio ou sulfato de magnésio. Ao fim da produção é feito o acondicionamento em garrafas de polietileno, sendo a última etapa, o processo de rotulagem. Para entender melhor a fabricação e uso dos detergentes, é bom entender mais detalhadamente os tensoativos. Tensoativos ou surfactantes são qualquer composto que modifica (usualmente que reduz) a tensão superficial, quando dissolvido em água ou em soluções aquosas. Sabões e detergentes fazem parte desse grupo mas o conceito é

9 9 aplicado, com maior freqüência, aos derivados orgânicos como sais de sódio dos sulfatados ou dos sulfonatos de alquila de elevada massa molecular. Suas moléculas apresentam grupos hidrófilos (ou hidrofílicos) e grupos hidrófobos (ou hidrofóbicos). Os primeiros têm afinidade com a água, ao contrário dos hidrófobos, que repelem a água. Ao se misturar um tensoativo com a água, suas moléculas tendem a formar agregados chamados micelas. Nessas micelas, as moléculas do tensoativo se arranjam de tal forma que somente grupos hidrófilos ficam na parte externa do agregado de forma a interagir com a água. Em geral, os tensoativos são usados em sistemas líquidos, mas eles também agem em presença de sólidos, quando a molécula do tensoativo pode ser adsorvida sobre a superfície do sólido. Os tensoativos comerciais mais comuns têm como grupos hidrofóbicos hidrocarbonetos, poliéteres, polisiloxanos ou fluorocarbonos. Os grupos hidrofílicos podem ser ionizáveis ou não mas altamente polares. A mesma molécula pode ter mais de um grupo hidrófilo. A classificação dos tensoativos corresponde às características químicas dos grupos hidrofílicos e será descrita abaixo: Tensoativos aniônicos: esse grupo de tensoativos tem um ou mais grupos hidrófilos que formam ânions quando se ionizam. São produtos que têm as maiores aplicações, em termos de volume consumido. Os mais comuns são os sais sódicos de ácidos graxos, ou sabões, derivados de gordura animal ou vegetal. Os totalmente sintéticos mais importantes são os alquil-benzeno sulfonatos. Ex: RCOO CH 2 RCOONa HO CH 2 + R COO CH + 3NaOH R COONa + OH CH + R COO CH 2 R COONa OH CH 2 Triglicérido Sabão de sódio Glicerina (gordura)

10 10 Tensoativos catiônicos: a maior parte dos tensoativos catiônicos é de compostos em que o grupo catiônico contém um átomo de hidrogênio com carga elétrica positiva (catiônico) que forma ligações com diversos ânions, principalmente halogênios, como Cl-1 e Br-1, ou oxigenados, principalmente sulfatos. Ex: C 12 H 25 Cl +N(CH 3 ) 3 C 12 H 25 N(CH 3 ) 3 +Cl - Tensoativos anfóteros: os tensoativos anfóteros contém um grupo aniônico e um grupo catiônico na mesma molécula. O grupo aniônico (carboxilato, sulfato, ou fosfato, por exemplo) é neutralizado por um cátion simples (Na+ é o mais comum) enquanto o grupo catiônico (em geral em amônio quaternário) é associado com o íon OH - ou com aniôn simples (Cl -, por exemplo), dependendo do ph. Assim, em soluções ácidas os anfóteros se comportam como catônicos; em soluções alcalinas são aniônicos e em ph neutro tem comportamento entre os dois extremos. Tais tensoativos são considerados especiais por não irritarem a pele e os olhos e tem boas propriedades tensoativas em ampla faixa de ph. Ex: CH 3 CH 3 CH 3 (CH 2 ) n N + ClCH 2 COONa CH 3 (CH 2 ) n NCH 2 COO - + NaCl CH 3 CH 3 Tensoativos não-iônicos: a maioria dos tensoativos não iônicos é preparada por reações sucessivas do óxido de etileno (etoxilação) com compostos que apresentam átomos de hidrogênio reativos tais como álcoois, fenóis e aminas. Os grupos C 2 H 4 O- introduzidos na molécula são solúveis em água e passam a compor a parte hidrófila do tensoativo. Ex: -Álcoois graxos etoxilados: RO (C 2 H 4 O) n H

11 11 -Álquil-fenóis etoxilados: R O(C 2 H 4 O) n H -Alcanolamidas: R C O NCH 2 CH 2 OH H Alquil benzenos lineares: LAB é uma abreviatura de Linear Alkyl Benzenes que significa alquilbenzenos lineares cuja estrutura geral é: RCHCH 2 R Os grupos alquil são cadeias lineares de 10 a 24 átomos de carbono. O alquilado com 12 átomos de carbono (dodecilbenzeno linear) é o mais importante para a produção de detergentes. A razão da preferência por hidrocarbonetos lineares é que os detergentes produzidos com alquilbenzenos lineares são biodegradáveis, ao contrário dos produzidos com derivados de cadeia ramificada. Um LAB não é um tensoativo porque não contém grupos hidrófilos. Sendo um hidrocarboneto, é um composto tipicamente hidrófobo. O LAB é um intermediário básico para a produção de alquilbenzeno linear sulfonado (LAS); este sim é um tensoativo usado em detergentes e produtos de limpeza.

12 12 Figura 3 - Fórmula molecular do LAB O processo de produção do LAB divide-se em duas etapas principais: Desidrogenação: nessa unidade as n-parafinas juntamente com a corrente de reciclo da Unidade de Alquilação, é misturada ao hidrogênio comprimido circulante e aquecido em um forno para atingirem a temperatura adequada (450 C-500 C). A corrente efluente do forno alimenta dois reatores num fluxo descendente, de modo que, quando um opera, são executadas as tarefas de substituição do leito catalítico desativado no outro. Os produtos do reator trocam calor com a carga do forno e, após condensação, são divididos em duas correntes: uma rica em H 2 que é recirculada para manter o circuito fechado e outra, líquida, que é bombeada para a torre de destilação. Nesta coluna são separados os hidrocarbonetos leves produzidos das parafinas e monooleofinas, onde estas alimentarão a Unidade de Alquilação. RCH 2 CH 2 R RCH=CHR + H 2 n-parafina Oleofina Alquilação: o benzeno é tratado para se remover toda umidade e então é misturado ao benzeno de reciclo, n-parafina e oleofinas e por fim, ao HF, antes de alimentar o primeiro reator. Os produtos da reação e o hidrocarboneto inerte ou em excesso vão a um decantador onde são separadas duas fases. A superior é direcionada para o segundo reator onde entra em contato com o ácido mais puro e a reação se completa, e a inferior (HF) é bombeada retornando ao primeiro reator. Do ácido circulante no primeiro estágio, é desviada uma pequena corrente para regeneração (remoção de compostos indesejados formados nas diversas etapas do processo). Essa corrente, após tratamento, retorna ao segundo estágio da reação. A partir daí, se inicia a

13 13 recuperação individualizada dos produtos misturados, na seguinte seqüência: HF e depois benzeno, retornam a seção de reação da alquilação; as n-parafinas não reagidas, inertes nesta unidade, são tratadas para a eliminação de fluoretos orgânicos e transferidos de volta a unidade de desidrogenação e os alquilados formados alimentam uma coluna fracionadora onde o LAB é retirado pelo topo e o AP(alquilado pesado) pelo fundo. R 1 CH=CHR 2 + C 6 H 6 (HF) R 1 CH 2 CHC 6 H 5 R 2 OBS: O alquilado pesado, sendo um óleo pesado, aromático, com excelentes propriedades a baixas temperaturas e alta estabilidade térmica, encontra aplicação nas seguintes áreas: Óleo de refrigeração; Óleo térmico; Produção de solventes especiais; Produção de plastificantes para borracha; PRODUÇÃO DO LAB Fração querosene ou gasóleo SEPARAÇÃO DE n-parafinas n-parafina RC H 2 CH R' 2 H 2 DESIDROGENAÇÃO Fração desparafinada (p/ combustível) RCH _ CHR' Olefina interna linear Benzeno ALQUILAÇÃO R C H _ CH2R' LAB Figura 4 -Produção do LAB Fonte: Processos Químicos Industriais-Gonzalo Sieiro Gonzalez

14 14 Alquilbenzenos sulfonados O alquilbenzeno sulfonado (LAS) é produzido a partir da sulfonação do alquilbenzeno linear(lab) e é o mais importante tensoativo biodegradável no setor de detergentes domésticos e produtos de limpeza industriais e institucionais. R + H 2 SO 4.SO 3 R SO 3 H +H 2 SO 4 Desde sua introdução no mercado mundial de detergentes, por volta dos anos 60, o LAS tornou-se líder no mercado de tensoativos. Existem três motivos que explicam esse fato: Suas rotas de fabricação são as mais eficazes e econômicas; LAS possui diversas vantagens técnicas e uma grande flexibilidade na formulação de detergentes inerentes à suas propriedades físico-químicas; Este tensoativo não causa nenhum impacto ambiental significativo e seus efeitos sobre o meio ambiete são transparentes e perfeitamente controláveis. SULFATAÇÃO / SULFONAÇÃO Enxofre QUEIMA SO 2 OXIDAÇÃO Ar SECAGEM + O 2 + N 2 SO3 + (O 2 ) + N 2 Produto a ser sulfonado ou sulfatado TRATAMENTO p/ Atmosfera Água de resfriamento Álcali NEUTRALIZAÇÃO Produto neutro Produto ácido Figura 5 - Fluxograma da Sulfatação/sulfonação Fonte: Processos Químicos Industriais-Gonzalo Sieiro Gonzalez A sulfonação ocorre da seguinte maneira: O enxofre é queimado com excesso de ar, formando-se SO 2. A reação é exotérmica. A temperatura dos gases de combustão pode superar 1000 C dependendo

15 15 do excesso de ar utilizado. Esses gases são resfriados para uma temperatura entre 420 e 440ºC seguindo para a oxidação em presença de um catalisador de V 2 O 5. O oxigênio presente oxida o SO 2 a SO 3. Os gases contendo SO 3 são usados diretamente na sulfonação ou sulfatação. O produto a ser sulfatado (líquido) é alimentado para um reator tubular vertical. Pelo casco do reator passa água de resfriamento cuja função é remover o calor liberado pela reação que é bastante exotérmica. Os gases contendo SO 3 são alimentados para o mesmo reator. O produto cai para o interior dos tubos do reator na forma de um filme descendente. Os gases contendo SO 3 fluem no mesmo sentido do produto sulfatado e os gases deixam a parte inferior do reator seguindo para um tanque de separação. Os gases seguem para tratamento e descarte para atmosfera. O produto sulfonado (na forma ácida) é mantido por um tempo de saturação. Depois é neutralizado ou resfriado e retirado na forma ácida. Os produtos sulfonados podem ser produzidos na forma ácida para serem neutralizados no momento da preparação do detergente. É o caso do ácido dodecilbenzeno-sulfônico (ácido sulfônico) que é comercializado com uma concentração de 90 a 96% em peso. Os produtos sulfatados são ésteres do ácido sulfúrico, portanto, são sujeitos à hidrólise. Essa reação transforma o produto sulfonado em álcool graxo, liberando ácido sulfúrico. Ela é catalisada por ácidos. Portanto, o produto não pode ser mantido na forma ácida por muito tempo. Assim, esses produtos são neutralizados imediatamente após a sua produção sendo comercializado na forma de sais com até 75% de matéria ativa. a)tensoativos etoxilados: Etoxilados são tensoativos que resultam da reação de um composto que apresenta pelo menos um átomo de hidrogênio capaz de reagir com o óxido de etileno. Esses compostos são chamados bases de etoxilação. Os mais importantes são os que apresentam um grupo OH. A reação geral é: O ROH + n H 2 C CH 2 RO (CH 2 CH 2 O) n H

16 16 Os produtos etoxilados são tensoativos não iônicos. A base de etoxilação pode ser um álcool graxo linear ou ramificado, um fenol alquilado ( o nonil-fenol, por exemplo) ou um ácido graxo. Ele traz a parte hidrófoba do tensoativo. O grupo (CH2CH2O)nH, proveniente do óxido, tem características polares tão acentuadas quanto maior for o valor de n. A reação de etoxilação ocorre na fase líquida na presença de catalisador (no caso o hidróxido de potássio) e sempre em fase líquida. Os processos de etoxilação são processos descontínuos. Os reatores são tanques providos de um sistema de circulação externo onde está instalado um sistema de aquecimento ou resfriamento. Primeiro se retira o ar de dentro do reator e em seguida a batelada é iniciada carregando o reator com uma quantidade de base de etoxilação com o catalisador. A carga é aquecida por recirculação através do sistema de aquecimento. Então o óxido é adicionado lentamente, mantendo a pressão praticamente constante. Terminada a reação, a pressão é reduzida e o produto transferido para um tanque onde ocorre o resfriamento e a desodorização a vácuo. Depois o KOH é neutralizado, (geralmente com ácido fosfórico) e filtrado. PRODUÇÃO DE ETOXILADOS Óxido de etileno SISTEMA DE VÁCUO Base de etoxilação REATOR H 3 PO 4 Produto etoxilado DESODORI- ZADOR FILTRO-PRENSA Figura 6 -Produção de Etoxilados Fonte: Processos Químicos Industriais - Gonzalo Sieiro Gonzalez

17 17 b) Ácidos graxos e álcoois graxos: Os álcoois graxos e ácidos graxos são consumidos principalmente na fabricação dos detergentes e dos sabões. Os ácidos graxos são usados muito em várias indústrias como ácidos livres e, mais freqüentemente, como sais. Entre os exemplos, cita-se: -estearatos de zinco e de magnésio para pós faciais; -sabões de cálcio ou de alumínio (insolúveis) empregados com repelentes de água em tecidos e paredes impermeabilizados; -oleato de trietanolamina para limpeza a seco e cosméticos; -sabão de resina usado como incorpante de papel; Os álcoois graxos são obtidos mediante via organometálica. Principia-se pela reação do alumínio metálico, o hidrogênio e o eteno sob pressão elevada para produzir o alumínio trietila. Este composto é então polimerizado com o eteno, elevando as alumínio alquilas. Essas são oxidadas ao ar formando alumínio alcóxidos. Depois da purificação, os alcóxidos são hidrolisados por ácido sulfúrico a 23-26%, a fim de que sejam produzidos os álcoois brutos, primários, de cadeia normal. O sistema é neutralizado com soda cáustica, lavado com água e separado por fracionamento. Esse produto pode também ser formado pelo processo catalítico Ziegler de conversão de α-oleofinas e pelo processo de hidrogenação do éster etílico. O processo de hidrogenação do éster metílico inicia-se com a preparação dos ésteres através da reação do metanol com o triglicerídeo do óleo de coco ou do talol, catalisado por pequenas porções de sódio. O óleo refinado é previamente seco mediante a vaporização, sob um vácuo, pois, de outra forma, o sódio, que é relativamente caro, seria consumido e também formariam sabões. A esterificação por troca metálica ocorre aproximadamente no intervalo de uma hora, depois que a mistura reacional é decantada e separada uma camada superior, rica em éster e metanol, e outra inferior, rica em glicerina e metanol. A camada aquosa é lavada em contracorrente e de forma contínua, de modo a remover o metanol em excesso, recuperar a glicerina e remover o catalisador, que envenenaria a hidrogenação. O rendimento em álcool de 90-95%. A hidrogenação dos ésteres metílicos é catalisada por um catalisador do tipo Atkins (feito de nitrato de cobre, óxido crômico e amônia, com uma calcinação final). O equipamento do processo consiste em três reatores verticais usando 30moles de

18 18 hidrogênio aquecido por 1 mol de éster; o hidrogênio serve não só como redutor, mas também como agente de aquecimento e de agitação. Os álcoois brutos são fracionados até o comprimento da cadeia necessário. ÁLCOOIS GRAXOS NATURAIS PROCESSO VIA ÉSTERES METÍLICOS Metanol Óleo de coco Óleo recuperado Hidrogênio H 2 SO 4 NaOH ESTERIFICAÇÃO e TRANSESTERIFICAÇÃO SEPARAÇÃO Ésteres metílicos HIDROGENAÇÃO PURIFICAÇÃO do METANOL Metanol + Água Metanol SEPARAÇÃO E PURIFICAÇÃO SEPARAÇÃO do METANOL Álcoois < C 12 Álcoois C 12 a C 14 Álcoois > C 14 Glicerina Figura 7 -Produção de Álcoois Graxos Naturais via ésteres Metílicos Fonte: Processos Químicos Industriais - Gonzalo Sieiro Gonzalez ÁLCOOIS GRAXOS NATURAIS PROCESSO VIA ÉSTERES METÍLICOS ESTERIFICAÇÃO RCOOH + CH 3 OH (H +1 ) RCOOCH 3 + H 2 O TRANSESTERIFICAÇÃO R 1 COOC H 2 R2C OOCH + 3CH 3OH R3C OOCH2 Óleo de coco Metanol _ OH 1 R1 COOCH 3 R 2 COOCH 3 + R3C OO CH3 Ésteres metílicos HOCH 2 HO H HOCH2 Glicerina C R 1 COOCH3 R2CO OCH 3 R 3 COO CH 3 + HIDROGENAÇÃO R 1 CH 2 OH Cat 6 H 2 R2CH2OH + 3CH 3 OH R 3 C H2OH Metanol Álcoois graxos Figura 8 -Reações de Álcoois Graxos Naturais via ésteres Metílicos Fonte: Seminários de PQI-UFU

19 19 Os Limpa-vidros possuem processo produtivo igual ao dos detergentes, apenas com uso de aditivos específicos para a limpeza de vidros de maneira mais efetiva Produtos de Higiene Pessoal, perfumaria e cosméticos De acordo com a definição de cosméticos, as preparações têm como finalidade: limpar, perfumar, mudar a aparência, proteger, manter em boas condições ou corrigir odores corporais. Dada a diversidade de utilização e de produtos, o setor pode ser subdividido em três segmentos básicos: Higiene Pessoal: engloba sabonetes, produtos para higiene oral, desodorantes axilares e corporais, talcos, produtos para higiene capilar e produtos para barbear. Também estão contidos nesse segmento absorventes, papéis higiênicos e fraldas descartáveis. Entretanto, tais produtos não serão contemplados no presente trabalho em função das características diferenciadas de seus processos produtivos. Perfumaria: composto pelas águas de colônia, perfumes, extratos e loções pós-barba. Cosméticos: constituído por produtos para coloração, tratamento, fixação e modelagem capilar, maquiagem, protetores solares, cremes, loções para a pele e depilatórios. Principais Características: Apesar da diversidade, os produtos citados são obtidos por processos fabris caracterizados por: Baixo consumo de energia: grande parte dos processos é realizada à temperatura ambiente. Aqueles que necessitam de aquecimento são feitos por curto período de tempo, atingindo uma temperatura máxima de 80 C, em função da característica da maioria das matérias-primas, que se degradam quando expostas a temperaturas superiores. A quase totalidade dos produtos possui seus procedimentos de envase à temperatura ambiente. Grande consumo de água: é considerada, em termos de quantidade, como uma das principais matérias-primas na fabricação de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. Além da incorporação em muitos produtos, a água também é utilizada em sistemas de resfriamento, na geração de vapor, bem como em procedimentos de limpeza e sanitização de máquinas, equipamentos, tubulações de transferência e mangueiras.

20 20 Produção por batelada: é a produção de forma descontínua (processo pelo qual as matérias-primas adicionadas são convertidas em produto fi nal), em uma determinada quantidade, num prazo de tempo determinado, o que implica variáveis a serem controladas de uma batelada para outra. É utilizada, principalmente, em função da diversidade de produtos e das quantidades necessárias para suprir a demanda de mercado. Etapas genéricas do processo produtivo: Recebimento de matérias-primas: verificação do material recebido, por amostragem e análises. Eventuais desconformidades identificadas podem levar à devolução dos compostos aos respectivos fornecedores. Armazenagem: estoque de matérias-primas, embalagens para os produtos acabados e demais insumos normalmente recebidos em recipientes retornáveis. Pode haver segregação de produtos, por razões de compatibilidade, bem como necessidade de condições especiais de conservação, como, por exemplo, refrigeração. Pesagem e separação de matérias-primas para produção do lote: para cada produto a ser obtido, as matérias-primas são previamente separadas e pesadas de acordo com as quantidades necessárias, e encaminhadas à produção. Os insumos recebidos a granel e estocados em tanques ou silos podem ser conduzidos ao setor produtivo por linhas de distribuição, dependendo do nível tecnológico da empresa. Produção: em função da diversidade de produtos e das peculiaridades verificadas em seus processos produtivos, para essa etapa foram desenvolvidos fluxogramas específicos por tipo ou grupo de produtos que envolvam operações similares. Análises: uma vez finalizado, o lote produzido é amostrado e submetido a análises físico-químicas e microbiológicas (quando aplicável), e, após atestada sua adequação, este é encaminhado para envase/embalagem. Nos casos em que o produto acabado não está de acordo com os padrões estabelecidos, o lote poderá ser reprocessado a fim de atender às exigências/padrão de qualidade e reaproveitado na fabricação de outros produtos ou descartado. Envase/Embalagem: confirmada a adequação do produto, o mesmo é acondicionado em recipientes apropriados e identificados. Esta etapa engloba o acondicionamento de produtos em frascos (plásticos ou de vidro), sacos, bisnagas ou o empacotamento, no caso de sabonetes, por exemplo. Uma vez embalado, o produto é identificado por rótulo ou impressão. Armazenamento de produtos acabados: o produto, já acondicionado em embalagem

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares Tensão superficial Força existente na superfície de líquidos em repouso. Fortes

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

Lauril éter sulfato de sódio

Lauril éter sulfato de sódio Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável DCB/ DCI: 05177 - lauriletersulfato de sódio CAS: 1335-72-4 INCI: Sodium laureth-2 sulfate Sinonímia: LESS

Leia mais

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão Tensoativos Tensoativos 1 Forças Tensões - Força de coesão: força que tende a reunir as moléculas. - Força de repulsão: força que tende a separar as moléculas. SÓLIDO F. coesão > F. repulsão LÍQUIDO F.

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS SOLUÇÕES SOLUÇÕES SOLUÇÕES CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FORMA COSMÉTICA

FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS SOLUÇÕES SOLUÇÕES SOLUÇÕES CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FORMA COSMÉTICA FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS Os produtos cosméticos contêm grande diversidade de matérias-primas, que podem ser naturais, semisintéticas ou sintéticas. Esses materiais apresentam-se em consistências

Leia mais

A. F. Isenmann Princípios Químicos em Produtos Cosméticos e Sanitários Conteúdo

A. F. Isenmann Princípios Químicos em Produtos Cosméticos e Sanitários Conteúdo A. F. Isenmann Princípios Químicos em Produtos Cosméticos e Sanitários Conteúdo 1 Objetivos deste livro no âmbito dos cursos técnicos de química, farmácia e áreas afins... 4 2 Aspecto econômico da indústria

Leia mais

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Introdução à cosmetologia Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Cosmetologia Conceitos e definições Ciência que serve de suporte à fabricação de produtos voltados à arte do cuidado e melhoria das condições estéticas

Leia mais

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples.

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. 1 UAB/UFABC Química Divertida Propriedades do sabão OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. TAREFAS A SEREM ENTREGUES!!!! Preste bem a atenção!!!!! Você deverá responder

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC ) RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁGUA SANITÁRIA Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger do sol, do calor e da umidade.

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC ) Elaboração: 03/12 Revisão: 0-03/12 RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: LIMPA BAÚ Sinônimo: Detergente Ácido Composição: Linear Alquil Benzeno Sulfonado, Ácido Clorídrico, Ácido Cítrico,

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

Boletim Técnico. M + em que: R = cadeia graxa de álcool laurílico n = número médio de mols de óxido de eteno M = tipo de sal (sódio ou amônio)

Boletim Técnico. M + em que: R = cadeia graxa de álcool laurílico n = número médio de mols de óxido de eteno M = tipo de sal (sódio ou amônio) DESCRIÇÃO A linha de produtos é composta por tensoativos aniônicos obtidos através da reação de álcoois graxos ou álcoois graxos etoxilados com trióxido de enxofre seguido da neutralização com álcalis,

Leia mais

A HISTÓRIA DO SABONETE

A HISTÓRIA DO SABONETE SABONETES por: Colunista Portal Educação SABONETE BARRA DE OLIVA UMA PRODUÇÃO DE PRECIOSIDADES DO POMAR. CONFIRA NA LOJA www.luciamotta.loja2.com.br Os sabonetes são cosméticos detergentes Na antiguidade,

Leia mais

Formulações de Adjuvantes Agrícolas

Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES: - Substância inerte adicionados à formulação ou à calda para melhorar a eficiência da aplicação. Podem ser divididos em 2 grupos: a) Surfatantes:

Leia mais

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular.

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular. Tensão Superficial Nos líquidos, as forças intermoleculares atrativas são responsáveis pelos fenômenos de capilaridade. Por exemplo, a subida de água em tubos capilares e a completa umidificação de uma

Leia mais

Produtos para os cabelos. Prof. Msc. Mayara Peron

Produtos para os cabelos. Prof. Msc. Mayara Peron Prof. Msc. Mayara Peron Brasil é o 2º maior mercado mundial em produtos para cabelos (Franquilino, 2009). CABELO Divisão do cabelo; Composição do cabelo; Tipos de cabelos; Fases de crescimento do cabelo.

Leia mais

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE POLÍMEROS Os polímeros são macromoléculas formada pela união de pequenas unidades que se repetem, os monômeros. Existem basicamente dois tipos de polimerização: adição e condensação. Na polimeirzação por

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada.

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Grill Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Alto poder de limpeza A composição de Suma Grill confere-lhe a propriedade de remover com eficiência sujidades provenientes

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

MODIFICADORES DE REOLOGIA:

MODIFICADORES DE REOLOGIA: MODIFICADORES DE REOLOGIA: Os modificadores de reologia ACUSOL oferecem uma série de características e benefícios em produtos saneantes domésticos e institucionais. CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS: Concedem

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup cleanup linha floor care limpeza e manutenção de pisos E 200 Limpador Alcalino de Uso Geral Desenvolvido para limpeza leve e pesada em todos os tipos de superfícies laváveis (bancadas, paredes, máquinas

Leia mais

ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO

ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO TM PERSONAL CARE Evolution by chemistry Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Personal Care, a Oxiteno

Leia mais

Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo

Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo HOME CARE AND I&I Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Home Care and I&I, a Oxiteno oferece inovações que promovem praticidade, maior detergência e poder de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES ANEXO : COMPLEMENTAÇÃO TEORIA CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES 1 Antioxidantes para sistemas medicamentosos lipófilos: 1.1 NATURAIS: a) Tocoferóis: São líquidos viscosos de cor amarelada,

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA 1 - INTRODUÇÃO A brasagem de tubos é uma etapa que faz parte do procedimento de instalação de compressores em novos produtos ou do procedimento de troca de compressores quando da manutenção de um sistema

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

Figura 1. Representação esquemática das estruturas da pele envolvidas no processo de transpiração.

Figura 1. Representação esquemática das estruturas da pele envolvidas no processo de transpiração. HEXATRATE (Vevy/Itália) Ativo antiperspirante e desodorante O suor O suor, produzido pelas glândulas sudoríparas, é constituído por água, na qual se encontram dissolvidos sais minerais e outras substâncias.

Leia mais

HIDRÓXIDO DE SÓDIO (SODA CAÚSTICA ESCAMAS)

HIDRÓXIDO DE SÓDIO (SODA CAÚSTICA ESCAMAS) HIDRÓXIDO DE SÓDIO (SODA CAÚSTICA ESCAMAS) Número ONU 1823 Rótulo de risco Número de risco 80 Classe / Subclasse 8 Sinônimos SODA CAUSTICA Aparência SÓLIDO, FLOCOS OU PELOTAS; BRANCO; SEM ODOR; AFUNDA

Leia mais

Seja Bem Vindo! Curso Automaquiagem. Carga horária: 45hs

Seja Bem Vindo! Curso Automaquiagem. Carga horária: 45hs Seja Bem Vindo! Curso Automaquiagem Carga horária: 45hs Conteúdo: Introdução História da Maquiagem Como Limpar a Pele Pincéis para a Maquiagem Preparação da Pele Primer Base Corretivo Pó Facial Blush Olhos

Leia mais

SURFACTANTES. Prof. Harley P. Martins Filho. Sabões, detergentes, álcoois de cadeia longa e outras moléculas relacionadas são anfifílicas.

SURFACTANTES. Prof. Harley P. Martins Filho. Sabões, detergentes, álcoois de cadeia longa e outras moléculas relacionadas são anfifílicas. SURFTNTES Prof. Harley P. Martins Filho Surfactantes Sabões, detergentes, álcoois de cadeia longa e outras moléculas relacionadas são anfifílicas. Estrutura básica: Grupo polar hidrófilo (SO 3-, OO -,

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental deseja-se que o aluno seja capaz de: - Elaborar processos para a transformação de materiais,

Leia mais

TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE?

TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE? TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE? A sujidade é um residual físico, químico ou biológico considerado estranho ao produto original, que pode ser capaz de provocar efeitos deterioráveis, detectados visualmente

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA PETROQUÍMICA E PLÁSTICO O petróleo é um dos principais insumos

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 5 FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Resinas monocomponentes elastoméricas para acabamento em madeiras. TERRATACO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo

Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Personal Care, a Oxiteno oferece inovações que promovem a beleza e o bem-estar por meio de produtos suaves e sustentáveis.

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Conceitos e aplicações dos adjuvantes

Conceitos e aplicações dos adjuvantes ISSN 1518-6512 Agosto, 2006 56 Conceitos e aplicações dos adjuvantes Leandro Vargas 1, Erivelton Scherer Roman 1 Introdução Os herbicidas, até mesmo aqueles com ação de contato como paraquat, necessitam

Leia mais

HOME CARE AND I&I GREENFORMANCE

HOME CARE AND I&I GREENFORMANCE HOME CARE AND I&I GREENFORMANCE Compromisso com a sustentabilidade O conceito de sustentabilidade vem transformando o comportamento e os hábitos de consumo em todo o mundo. E essa mudança está presente

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda.

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda. Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização em Embalagens nos U.S.A. e Alemanha, vem atuando no mercado de embalagens desde 1976 em empresas

Leia mais

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I ÁCIDO CLORÍDRICO ÁCIDO CLORÍDRICO Embora não seja produzido em quantidades tão grandes como o ácido sulfúrico, o ácido clorídrico é um produto de igual importância para

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO,

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO, JohnsonDiversey SAFE BIO C 520 Remediador para Estação de Tratamento de Efluentes em geral e com a Presença de Contaminantes Tóxicos. Indicado para indústrias em geral. Descrição: Benefícios: Este produto

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Engº Ricardo de Gouveia SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Tratamento Secundário Tratamento Terciário SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Grades ou Peneiras

Leia mais

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático).

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). 61 b A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação descrita

Leia mais

PRODUTOS PARA A PELE Formas Cosméticas. Professora: ERIKA LIZ

PRODUTOS PARA A PELE Formas Cosméticas. Professora: ERIKA LIZ PRODUTOS PARA A PELE Formas Cosméticas Professora: ERIKA LIZ Produtos para pele Sequência do Tratamento Cosmético 1º Passo : Limpeza Por que a limpeza diária da pele é importante? Higiene A limpeza é um

Leia mais

I Fundamentos Teóricos II Parte experimental III Apresentação dos Resultados IV Discussão/Conclusão

I Fundamentos Teóricos II Parte experimental III Apresentação dos Resultados IV Discussão/Conclusão Química no duche Índice I Fundamentos Teóricos Detergente Surfactantes Reacção de saponificação Tensão superficial Volume de espuma produzido Densidade ph Viscosidade II Parte experimental 1. Materiais

Leia mais

Semissólidos ERIKA LIZ

Semissólidos ERIKA LIZ Semissólidos ERIKA LIZ Ação As preparações são aplicadas à pele por seus efeitos físicos, ou seja, sua capacidade de agir como protetores, lubrificantes, emolientes, secantes, ou devido ao efeito específico

Leia mais

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol 4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol OH SOCl 2 Cl + HCl + SO 2 C 11 H 22 O C 11 H 21 Cl (170.3) (119.0) (188.7) (36.5) (64.1) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii)

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 09 Síntese do cloreto

Leia mais

Álcoois Graxos Sulfatados Álcoois Graxos Etoxilados Sulfatados

Álcoois Graxos Sulfatados Álcoois Graxos Etoxilados Sulfatados DESCRIÇÃO A linha de produtos ALKOPON é composta por tensoativos aniônicos obtidos através da reação de alcoóis graxos ou alcoóis graxos etoxilados com SO 3, seguida de neutralização com álcalis. A linha

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 43 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 3. 1 METODOLOGIAS DE ANÁLISES 3.1.1 Método de Quantificação de Surfactantes (MBAS) em Águas 3.1.2 Princípio e aplicabilidade Os surfactantes aniônicos SLS (Lauril Sulfato

Leia mais

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita.

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita. JohnsonDiversey Suma Supersol LG Detergente em pó para limpeza geral. Versátil A formulação balanceada permite que o detergente Supersol LG seja utilizado tanto para limpeza geral, quanto para lavagem

Leia mais

Petróleo e Meio Ambiente

Petróleo e Meio Ambiente Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Petróleo e Meio Ambiente Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Maio de 2012 Completação Objetivo da Completação Deixar o poço

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Cris ph - Aplicação: Nome da Empresa: Endereço: Ajustador de ph Marco Antonio Spaca Piscinas EPP Rua: João Paulino dos Santos, 150 Bairro: Atibaia

Leia mais

AULA 1: MATÉRIAS E SUAS PROPRIEDADES

AULA 1: MATÉRIAS E SUAS PROPRIEDADES AULA 1: MATÉRIAS E SUAS PROPRIEDADES Prof.Me Elayne Química-Aula 1 MATÉRIA Tudo que ocupa lugar no espaço e tem massa é matéria. Energia tudo aquilo que pode modificar a estrutura da matéria, provocar

Leia mais

delicatto CATÁLOGO DE PRODUTOS

delicatto CATÁLOGO DE PRODUTOS delicatto CATÁLOGO DE PRODUTOS Fundada em 2009, a DELICATTO é composta por uma equipe de profissionais especializados em formulações cosméticas veterinárias com atuação na área de desenvolvimento de fórmulas

Leia mais

Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B

Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Curvas de titulação ² A curva de titulação é a representação gráfica de como

Leia mais

Produto: Detergente Neutro

Produto: Detergente Neutro 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Detergente Líquido Neutro Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F.

Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F. Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F. dos Santos Equipe: Joni Dutra Neves R.A.: 15.477 Luciana Crespim

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA Processos de pintura Existem diferentes processos de pintura, mas o segredo para o sucesso e durabilidade do acabamento final, depende invariavelmente da habilidade do profissional e da preparação da superfície.

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q50 Forças intermoleculares

Química. Resolução das atividades complementares. Q50 Forças intermoleculares Resolução das atividades complementares 4 Química Q50 Forças intermoleculares p. 15 1 (Unifor-CE) Considerando a natureza das ligações químicas intermoleculares existentes nas substâncias: Etanol C 2 H

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS

TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS Manutenção auto lavagem auto shampoo automóvel PRODUTO NO.: FORUSAUTO SHAMP Produto: Shampoo Automóvel Categoria: Lavagem AUTO COD: Q067 Descrição: Detergente alcalino altamente concentrado, adequado para

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D Questão 61 A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação

Leia mais

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM)

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) 1-Leia o texto a seguir. Com o passar do tempo, objetos de prata escurecem e perdem seu brilho em decorrência da oxidação desse metalpelo seu contato com oxigênio e

Leia mais

Limpeza de superfícies

Limpeza de superfícies Limpeza de superfícies Gama de produtos de limpeza neutros e potentes para uma limpeza profunda de casas de banho / instalações sanitárias e que proporcionam um acabamento com brilho. Uma empresa do GRUPO

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

Tabela 1. Correlação do Sistema Novo com Sistema Antigo para Grupos de Produtos Notificados. COMUNICADO

Tabela 1. Correlação do Sistema Novo com Sistema Antigo para Grupos de Produtos Notificados. COMUNICADO COMUNICADO A Gerência Geral de Cosméticos GGCOS disponibiliza os grupos de produtos constantes no novo sistema e as respectivas correlações com os grupos de produtos anteriormente utilizados. Tabela 1.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA a) Nome do Produto: AMACIANTE DE ROUPAS. b) Código do Produto: c) Nome da Empresa: ICARAÍ

Leia mais

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata Coagulação e Floculação ST 502 ST 503 Docente: : Profº Peterson Bueno de Moraes Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata 1. Introdução A água

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO O Tratamento Químico e fundamental para deixar a água da piscina saudável, limpa e cristalina. Você necessita medir, inicialmente, três parâmetros: Alcalinidade Total,

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos 13. (ENEM 2014) O principal processo industrial utilizado na produção de fenol é a oxidação do cumeno (isopropilbenzeno). A equação mostra que esse processo envolve a formação do hidroperóxido de cumila,

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR

Nome do produto: BIOAGLOPAR Data da última revisão: 09/02/2011 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar NCM: 3905.21.00 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.002 - Nome da empresa:

Leia mais

XAMPU II SIMPÓSIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Local: Centro Universitário São Camilo. Data: 24 de maio de 2014

XAMPU II SIMPÓSIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Local: Centro Universitário São Camilo. Data: 24 de maio de 2014 XAMPU AQUINO, Mônica 1, LEME FERREIRA, Lígia C. 1, SANTOS, Nádia L. dos 1 ; FARIA, Luciane Gomes 2. 1 Discente do Curso de Farmácia do Centro Universitário São Camilo, São Paulo, SP. 2 Docente do Curso

Leia mais

OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL

OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL FIBRAS PARA PAPEL INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL O que é polpação? O que é polpação? Polpação é o processo pelo qual a madeira é reduzida a uma massa fibrosa. Isto significa

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OS INGREDIENTES

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OS INGREDIENTES Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Limpa Vidros Nome da Empresa: Guimarães Produtos Químicos e de Limpeza Ltda Contato da Empresa: Fone: (48) 3623-1175 e-mail: guimaraespl@terra.com.br

Leia mais

03.2004 Detergente Líquido Ypê Neutro

03.2004 Detergente Líquido Ypê Neutro Página 1 de 7 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1. Nome do louças Ypê Neutro 1.2. Código do Produto: 1.3. Aplicação 03.2004 Detergente

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer A DIFERENÇA ENTRE GASOLINA E DIESEL HISTÓRICO Gasolina e diesel são produtos do refino de petróleo cru, achado no seu estado natural no subsolo em várias partes do mundo. Já o petróleo cru é um fluído

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico AMINA TERCIÁRIA C12 FISPQ 014 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: AMINA TERCIÁRIA C12 Fornecedor: Multichemie Indústria e Comércio de Produtos Químicos Ltda. R. Howard Archibald

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios SEI Ensina - MILITAR Química SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios 1.A água potável é um recurso natural considerado escasso em diversas regiões do nosso planeta. Mesmo em locais onde a água é relativamente

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais