BOLETIM CITRÍCOLA n o 2/1997 UNESP/FUNEP/EECB VIVEIRO DE CITROS. Otávio Ricardo Sempionato, Eduardo Sanches Stuchi e Luiz Carlos Donadio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOLETIM CITRÍCOLA n o 2/1997 UNESP/FUNEP/EECB VIVEIRO DE CITROS. Otávio Ricardo Sempionato, Eduardo Sanches Stuchi e Luiz Carlos Donadio"

Transcrição

1

2 BOLETIM CITRÍCOLA n o 2/1997 UNESP/FUNEP/EECB VIVEIRO DE CITROS Otávio Ricardo Sempionato, Eduardo Sanches Stuchi e Luiz Carlos Donadio

3 Funep Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane, s/nº Jaboticabal - SP Tel: (16) Fax: (16) Home Page: Ficha catalográfica preparada pela Seção de Aquisição e Tratamento de Informação do Serviço de Biblioteca e Documentação da FCAV. Sempionato, Otavio Ricardo S473v Viveiro de citros por Otávio Ricardo Sempionato, Eduardo Sanches Stuchi e Luiz Carlos Donadio. -- Jaboticabal : Funep, p. : il. ; 21 cm. 1 - Citros - viveiro. I. Título. III. Stuchi, Eduardo Sanches, colab. IV. Luiz Carlos Donadio, colab. CDU: 634.3

4 ÍNDICE 1. HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO E IMPACTOS O IMPACTO DA CVC IMPORTÂNCIA DA SANIDADE DO MATERIAL PROPAGATIVO CONTROLE DE VIROSES E PATÓGENOS SIMILARES PROGRAMAS DE SANEAMENTO E A CERTIFICAÇÃO ESCOLHA DO PORTA-ENXERTO OBTENÇÃO DE SEMENTES PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTOS (CAVALINHOS) FORMAÇÃO DE MUDAS EM RECIPIENTES PLÁSTICOS CUSTO DE UM MÓDULO PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS EM TELADO Custo de uma estufa com capacidade para cavalinhos Custo para a instalação de um telado para a produção de mudas cítricas em recipiente plástico, conforme croqui anexo BIBLIOGRAFIA... 36

5

6 VIVEIRO DE CITROS Otávio Ricardo Sempionato 1 Eduardo Sanches Stuchi 1 Luiz Carlos Donadio 2 1. HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO E IMPACTOS Os citros, quando propagados por sementes, apresentam um prolongado período juvenil, durante o qual as plantas possuem um grande número de espinhos, desenvolvimento vegetativo intenso e ausência de produção nos primeiros 5 a 8 anos. Além do que, algumas variedades de interesse comercial, como as tangerinas Clementinas, toranjas e limões verdadeiros, possuem sementes monoembriônicas. E outras, como as laranjas-de-umbigo e as tangerinas Satsumas, possuem frutos sem sementes ou com apenas algumas. Quando se faz a propagação vegetativa, os problemas acima citados são contornados. o principal método de propagação comercial em citros é a borbulhia em T invertido. Este método tem como principais vantagens: uniformidade de produção e qualidade dos frutos; precocidade para o início de produção e aproveitamento de certas variedades de porta-enxertos com adaptação a certos tipos de solo e resistência às enfermidades. A propagação por sementes é utilizada em citricultura para a obtenção de híbridos nos programas de melhoramento genético, seleção de mutantes e formação de mudas de portaenxertos. 1 Engº Agrº Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro. 2 Prof. Titular, FCAV-UNESP. Jaboticabal - SP. 1

7 Uma planta cítrico é constituída por uma copa ou cavaleiro ou epibioto, que por ter sido propagado vegetativamente por várias vezes, já não apresenta juvenilidade e de um porta-enxerto ou cavalo ou hipobioto juvenil que se influenciam mutuamente. Por isso, sempre se deve pensar em combinações copa-cavalo adequadas a uma dada condição. A partir do início do século, quando as vantagens da utilização de plantas enxertadas ficaram claras, até a década de 20, a laranja Caipira foi o principal cavalo para cintos no Brasil. Devido a sua baixa tolerância à seca e à gomose de Phytophthora, foi substituída pela laranja Azeda que predominou até a década de 40. Com o advento da Tristeza, o limão Cravo passou a ser o principal porta-enxerto. Atualmente, entre 70 e 80% das plantas cítricas estão sobre este cavalo, apesar de se mostrar suscetível à Gomose de Phytophthora e ao Declínio. o Declínio causa sérios prejuízos à citricultura, seja pelos danos diretos (perda de produção e morte de plantas), seja pelas dificuldades de manejo. O impacto do Declínio estimulou a continuidade da busca por outros porta-enxertos, já que, além do Cravo, outros cavalos tolerantes à Tristeza, como os limões Volcameriano e Rugoso, os citranges Troyer e Carrizo e o Poncirus trifoliata, mostraram-se intolerantes ao Declínio O IMPACTO DA CVC Três fatores contribuíram para que a muda contaminada fosse o grande agente de dispersão da CVC: porta-enxertos contaminados transmitem a doença ao enxerto sadio; ocorre transmissão por borbulhas contaminadas e a ausência de controle dos vetores. Por isso, é fundamental que se obtenha e conserve material de propagação sadio para se produzir mudas de alta qualidade genética e sanitária. A muda cítrica de alta qualidade é o insumo mais importante na implantação de um pomar com viabilidade 2

8 comercial. Com a presença da CVC, é muito arriscado o plantio de pomares com mudas que não tenham sido produzidas em ambiente protegido em todas as etapas de produção e sem o uso de material propagativo livre da doença, devido às características da enfermidade. Neste trabalho, apresentam-se as técnicas de obtenção e conservação de material propagativo sadio, além das técnicas para a instalação e condução de todas as fases de produção de mudas em ambiente protegido contra a ocorrência dos vetores. 2. IMPORTÂNCIA DA SANIDADE DO MATERIAL PROPAGATIVO Entre as moléstias de citros, as causadas pelos chamados patógenos transmissíveis por enxertia (ATE), também conhecidas como viroses ou doenças de vírus, merecem especial atenção. Segundo ROISTACHER (1991), dentro deste grupo, estão incluídos as viroses, os viróides, as bactérias e o Spiroplasma que são conhecidos, bem como outros agentes não identificados, que se comportam como vírus (virus-like) e são transmissíveis pela enxertia. Estes agentes prejudicam a vida das árvores e a produção de frutos. São conhecidas as reduções na vida útil e mesmo a morte de plantas, redução do tamanho dos frutos, da qualidade e da produção, indução de problemas nutricionais, aumento da susceptibilidade das plantas aos danos por frio, indução de incompatibilidades e, por fim, a limitação do uso de porta-enxertos com características agronômicas desejáveis. Os patógenos podem disseminar-se por meio de plantas infectadas, enxertos ou vetores às zonas anteriormente livres, podendo tomar-se endêmicos e um perigo para plantas existentes ou às futuras plantações. As enfermidades transmitidas por vetores podem mutar as formas mais 3

9 transmissíveis ou mais patogênicas e mover-se rapidamente através de uma área. Alguns patógenos de cítricos podem transmitir-se mecanicamente por tesouras de colheita e ferramentas de poda. A importância relativa dos danos causados por vírus e similares é variável segundo as regiões. Assim, uma enfermidade de muita importância na Califórnia ou Flórida pode não ser a mesma na Ásia ou África; entretanto, no caso de algumas como Sorose, Tristeza ou Exocorte, de ampla distribuição mundial, tem um efeito similar e constituem um preocupante problema e uma possível limitação à produção citrícola. Em seguida, apresentam-se alguns exemplos dos danos que podem causar certas viroses e o alcance dos mesmos na citricultura dos principais países produtores. Um exemplo catastrófico dos danos causados pelas viroses é o da Tristeza, na América do Sul, onde a enfermidade se dispersou muito rapidamente e onde a maior parte das árvores se encontravam em combinações de laranja Azeda, que é severamente atacada. A primeira manifestação intensa da enfermidade foi na Argentina (1930), com a morte generalizada de árvores de laranja Doce enxertada em laranja Azeda. No Estado de São Paulo, a Tristeza estendeu-se em 12 anos a todas as áreas citrícolas, destruindo quase 6 milhões de árvores, ou seja, cerca de 75% do total de árvores do Estado. Também estendeu-se a outros países da América do Sul, como Uruguai, Guiana e Chile. O vírus da Tristeza surgiu primeiro na citricultura da África do Sul, tomando impossível o uso da laranja Azeda como porta-enxerto. A enfermidade causou severas perdas na Austrália e em outras importantes zonas produtoras do mundo. Em 1957, a epidemia de Tristeza na Espanha causou uma drástica mudança na produção citrícola, já que, naquela 4

10 época, a laranja Azeda era praticamente o único porta-enxerto utilizado para a propagação de laranjas e tangerinas. No ano de 1972, hectares de cintos (cerca de 50% da superfície total de laranjas e tangerinas) estavam afetados por diferentes graus de Tristeza. Em 1974, 17 anos depois da primeira epidemia, foi estimado que a Tristeza havia causado a morte de cerca de 4 milhões de árvores. Atualmente, estima-se que tenha provocado a morte de mais de 14 milhões de árvores. A Tristeza, o Greening e a CVC são as enfermidades transmitidas por vetor mais serias e destrutivas que afetam os cítricos. Em muitas áreas do mundo, onde o Greening se introduziu, a citricultura reduziu-se ou existem baixos esquemas especiais de produção. No Brasil, a ocorrência da CVC tem trazido sérios prejuízos à citricultura. Com o advento da Tristeza, foi necessária a mudança de porta-enxertos, abandonando-se a laranja Azeda e implementando-se o uso de cavalos tolerantes. Estendeu-se o uso do Poncirus trifoliata e seus híbridos, principalmente os citranges Troyer e Carrizo, bem como o limoeiro Cravo. Com isto, ocorreu a manifestação das enfermidades do complexo de Viróides da Exocorte, entre elas a Xiloporose ou Cachexia, já que a maioria das variedades cultivadas sobre Azeda eram portadoras assintomáticas. Estas enfermidades causam uma série de sintomas e, principalmente, diferentes graus de nanismo que prejudicam o desenvolvimento e a produção economicamente viável, podendo inclusive matar plantas. A sorose foi amplamente disseminada pelo homem nas principais áreas citrícolas do mundo, através de material propagativo, sendo, depois da Tristeza, a virose que mais danos causa às plantações, principalmente às laranjas. Muitas árvores chegam a ficar praticamente improdutivas. No sul da, Califórnia, muitos pomares tiveram altas porcentagens de árvores mortas. o estudo de 6 mil árvores 5

11 em idade produtiva mostrou que 14 % destas plantas estavam afetadas e produziam menos, e que 6.5 % não produziam. Algumas das enfermidades transmissíveis por enxertia e mecanicamente, como Tatter Leaf, Sorose, Ringspot e Satsuma Dwarf, são consideradas moderadamente destrutivas, ainda que possam limitar severamente a produção em alguns casos. O Declínio e enfermidades relacionadas causaram e, ainda, provocam pesadas perdas de produção e perdas de plantas, em muitos países e, em alguns casos, como o da enfermidade de Misiones, ou da fruta bolina, no norte da Argentina, destruíram toda a produção. A presença de quase 50 enfermidades causarias por vírus e patógenos similares distribuídas pelas diferentes zonas produtoras sempre foi um obstáculo a uma maior e melhor produção de cítricos, sendo necessárias medidas de controle das mesmas. 3. CONTROLE DE VIROSES E PATÓGENOS SIMILARES A partir da descoberta das viroses, há 60 anos, começaram as buscas por métodos de saneamento de plantas cítricas. Primeiramente, esta busca dirigiu-se no sentido de localizar plantas sadias em condições de campo para seu aproveitamento na propagação em massa, tanto por produtores como por viveiristas. Este método foi árduo e, na maioria dos casos, inútil, já que, normalmente, as árvores de campo encontravam-se infectadas por uma ou mais virosos. Dada a dificuldade de se contar com plantas naturalmente sadias, iniciou-se o desenvolvimento de métodos de eliminação dos patógenos presentes nas árvores. 6

12 A termoterapia é um método de aplicação simples para a eliminação efetiva dos vírus. As plantas não são afetadas pelas temperaturas utilizadas nos tratamentos, nem são provocadas alterações nas características varietais. Por outro lado, este método não é eficaz na eliminação de viróides que se encontram amplamente distribuídas mundialmente. É um método que se utiliza de forma combinada com a microenxertada para assegurar a eliminação de vírus, principalmente para Sorose. A embrionia nucelar aproveita a conhecida característica da maioria dos vírus e patógenos similares por não serem transmitidos pelas sementes. Apesar disto, este método de saneamento não teve grande desenvolvimento em outras partes do mundo. Constituem exceções os casos do Brasil e da Flórida que estabeleceram praticamente todos os seus cultivas comerciais utilizando clones nucelares. Por sinal, são duas das maiores citriculturas do mundo. As características apresentadas pelas plantas nucelares, que se relacionam com a fase juvenil, foram a principal causa para o abandono dos métodos de embrionia nucelar, posto que requerem um intervalo de tempo considerado grande para que ocorra a perda destas, representando uma desvantagem em comparação com outras técnicas como o microenxerto, por exemplo. Na atualidade, o método mais utilizado para a obtenção de plantas sadias, partindo de plantas infectadas, é o microenxerto de ápices caulinares in vitro. Este método explora a característica da não-transmissibilidade do vírus pelas sementes do porta-enxerto e reduzida transmissão pelos ápices de plantas adultas. Por estes motivos, as plantas resultantes não apresentam características juvenis e estão livres das enfermidades da planta original. Etapas do processo de microenxertia: Obtenção do porta-enxerto Coleta e preparo das sementes 7

13 Germinação das sementes Obtenção dos ápices caulinares Operação da microenxertia Preparo do ápice caulinar Preparo do porta-enxerto Transferência e estabelecimento das plantas diretamente em substratos Estabelecimento em porta-enxertos desenvolvidos Estabelecimento da plântula recém microenxertada em porta-enxerto desenvolvido Indexação O método é utilizado na maioria dos países que cultivam cítricos, como a única técnica para o saneamento de plantas infectadas por vírus e patógenos similares. Além do exposto acima, a técnica é empregada com êxito para o intercâmbio internacional de material propagativo de alto valor comercial. Este fato é muito importante para as diferentes zonas citrícolas que podem incrementar suas variedades cultivadas mediante a introdução de novos cultivares. Finalmente, há que se considerar os países onde a Tristeza é endêmica. Nestes países, a ocorrência de raças fortes do vírus implica a inoculação de raças fracas no material propagativo, livre de todas as viroses, para impedir a instalação de raças severas. A este processo dá-se o nome de premunização. Graças a esta técnica, pode-se, hoje, plantar a variedade Pêra no Brasil. 4. PROGRAMAS DE SANEAMENTO E A CERTIFICAÇÃO Um ponto importante nos programas de saneamento constitui a implantação de um programa de certificação, 8

14 haja vista que toda tentativa de obtenção de plantas sadias deve estar acompanhada pela perspectiva de assegurar a sanidade das mesmas durante todas as etapas de multiplicação. Etapas de um programa de saneamento de citros: Seleção das árvores matrizes de cada variedade Diagnóstico de vírus nas plantas matrizes Obtenção de plantas por microenxerto Diagnóstico de vírus das plantas microenxertadas Conservação de plantas sadias (bloco de matrizes) Estudos agronômicos das plantas sadias Distribuição de material sadio aos viveiristas Neste contexto, a maioria dos países encontra sua principal limitação (inclusive o Brasil), já que é requerida uma regulamentação rigorosa, que seja aplicada ao processo de produção de mudas e que haja fiscalização eficiente pelo organismo responsável. Existe uma movimentação no Estado de São Paulo, no sentido de se estabelecer um programa de certificação de mudas, para garantir determinados padrões de sanidade e qualidade das mesmas. Tendo sido editado o manual Normas para a produção de mudas certificadas de citros, pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, através da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral - Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes, é de suma importância que este programa de certificação obtenha sucesso para a manutenção do parque citrícola paulista. 9

15 Figura 1. Borbulheira fila simples em fase de crescimento mostrando sistemas de monitoramento com placas adesivas amarelas e sistemas de irrigação. Figura 2. Borbulheira fila dupla - detalhe da irrigação. 10

16 Figura 3. Borbulheira em túnel plástico - Espanha. 5. ESCOLHA DO PORTA-ENXERTO A partir dos anos 60, o limão Cravo passou a ser praticamente o único porta-enxerto utilizado na citricultura paulista. Levantamentos realizados nos viveiros, de 1961 a 1970, mostraram que a participação do limão Cravo havia crescido de 77% para 99%. Dados coletados em viveiros, no período de 1984 a 1988, mostraram que o limão Cravo representava 72% dos porta-enxertos. Após, vinham a tangerina Cleópatra com 24% e a laranja Caipira com 1%. Outros cavalos encontrados foram: limão Volcameriano, tangerina Sunki, laranja Azeda, citrumelo 4475 ou Swingle, trifoliata, tangelo Orlando e citranges Troyer e Carrizo. Verifica-se, anualmente, que os produtores paulistas voltaram a ampliar a margem de preferência pelo limoeiro Cravo em relação aos outros porta-enxertos. Pelo exposto, percebe-se que a citricultura brasileira se caracteriza por se 11

17 apoiar em um único porta-enxerto, mesmo depois de sofrer grandes impactos negativos como foram a Gomose para a laranja Caipira, a Tristeza para a laranja Azeda e o Declínio para o limão Cravo. O limão Cravo, por sua grande capacidade de adaptação, é o porta-enxerto mais utilizado na citricultura paulista, mesmo apresentando dois fortes inconvenientes: a susceptibilidade ao Declínio e a qualidade dos frutos inferior a outros porta-enxertos testados. Estes porta-enxertos alternativos deveriam ser empregados na renovação dos pomares, principalmente as tangerinas c1eópatra e Sunki e o citrumelo Swingle, por sua tolerância ao declínio e indução de melhor qualidade aos frutos. Maiores detalhes das características dos diversos porta-enxertos podem ser encontrados era POMPEU JÚNIOR (1990, 1991), COELHO (11996, STUCHI et al. (1996) e em CARLOS et al. (1997). Para a diversificação deve-se levar em conta que estes portaenxertos não são substitutos perfeitos, devendo, portanto, serem respeitadas suas particularidades. Atenção especial deve ser dada à procedência das sementes ou dos cavalinhos, pois há relatos de lotes formados de maneira enganosa. 6. OBTENÇÃO DE SEMENTES Para cada cavalo, é importante a obtenção de suas sementes de plantas sadias, com características típicas da variedade, de plantas vigorosas, de preferência formadas através de enxertia e bem nutridas. Existem, hoje, donos melhorados de cada cavalo, por exemplo, os limões Cravo Santa Barbara red lime e o Phylipine red lime, e, o trifoliata E.E.L. Os frutos para obtenção de sementes devem estar maduros. Devem ser coletados da planta, nunca do chão, para evitar contaminação por fungos, que podem infectar, posteriormente, a sementeira. Para a obtenção das sementes, é necessário conhecer a época de maturação dos porta-enxertos e alguns parâmetros 12

18 referentes ao tamanho médio de frutos e número de sementes por fruto (Tabela 1). Tabela 1. Época de maturação dos frutos, número médio de frutos por caixa (40.8 kg), número de sementes por fruto e por litro de alguns porta-enxerto (adaptado de Teófilo Sobrinho, 1991). Cultivares Época de Nº de frutos Nº de Nº de maturação por caixa sementes sementes dos frutos de 40,8 kg por fruto por litro limão cravo março a agosto limão Volcameriano março a julho limão Rugoso março a junho Trifoliata fevereiro a maio tangerina Sunki maio a julho tangerina Cleópatra junho a agosto citrange Troyer março a junho laranja doce abril a agosto tangelo Orlando maio a agosto citrumelo Swingle março a julho Para extração das sementes dos citros, geralmente se faz um cone raso no sentido transversal no fruto, evitando cortar as mesmas. Separam-se as duas metades e esprememse sobre uma peneira para a retenção das sementes. No processo mecânico utilizam-se máquinas adaptadas como a debulhadora de milho ou a picadora de cana. Nesta última, substitui-se a faca por marteletes. As sementes são separadas pela imersão em água, onde as mais leves e o bagaço flutuam, devendo ser descartados. As sementes aproveitáveis devem ser lavadas em água corrente para a retirada total da mucilagem e colocadas para secar em camadas finas, à sombra, em local ventilado por 24 a 36 horas, revolvendo-se a cada 12 horas para que as sementes sequem uniformemente. 13

19 A semeadura, imediatamente após a extração, possibilita a germinação de quase 100% das sementes; no entanto, se a semeadura for realizada posteriormente, é recomendado o armazenamento das mesmas com umidade de 25 a 30% para os trifoliatas e 10% para os demais portaenxertos, além do tratamento com produtos fungicidas a base de PCNB, tiabendazol, benomyl e captan. Existe a opção de se tratar as sementes termicamente utilizando-se de água quente (45 a 52 o C) por dez minutos. Devem ser embaladas em sacos plásticos transparentes e colocadas em refrigerador, mantendo-se a temperatura entre 5 e 6 o C. Se houver formação de gotas na parede interna do recipiente, retirar as sementes, seca-las novamente e reembalar. Estes cuidados no armazenamento permitem a conservação por 8 a 12 meses com pequena queda no poder germinativo. 7. PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTOS (CAVALINHOS) O preparo do substrato é feito, misturando-se as quantidades da composição abaixo, com auxílio de uma enxada ou betoneira, para homogeneizar a mistura, adicionando em tomo de 10 litros de água em 100 L da mistura, com a finalidade de aumentar o teor de umidade do substrato e, com isto, impedir que o mesmo escape pelo orifício inferior do tubete. A composição do substrato é a seguinte: Componentes Quantidades Casca de Pinus queimada + vermiculita (Plantimax) 96% Orgânico Humificado 3,0% Superfosfato simples 0,5% Calcário Dolomítico 0,5% Sulfato de Zinco 40 g 14

20 O adubo fosfatado, o calcário e o sulfato de zinco podem ser substituídos por 0,5% de termofosfato magnesiano. Enchimento dos tubetes Colocar as bandejas sobre o suporte e completar com tubetes vazios. Encaixar a bandeja com os tubetes sobre o caixote de madeira e esparramar o substrato sobre o conjunto. Levanta-se o caixote a 20 cm do solo e solta-se para que o impacto pressione o substrato dentro do tubete. Repetir esta operação 3 vezes, ou até que nível do substrato não abaixe mais e os mesmos estejam totalmente cheios. Cem litros de substrato são suficientes para completar 17 bandejas de 96 células ou 1700 tubetes. Semeadura A semeadura dever ser feita a 1,5 cm da borda do tubete que, em seguida, deve ser coberto com a mesma mistura e regado até o escorrimento da água pelo orifício inferior do tubete. 15

21 Figura 4. Estufa telada para produção de cavalinhos, com sistema de suporte em tela. Figura 5. Cavalinhos se desenvolvendo em tubetes. 16

22 Condução da estufa Antes da emergência das plântulas, a temperatura não deve ultrapassar 38 o C, e após a emergência, não deve atingir temperaturas acima de 35 o C. As regas devem ser feitas duas vezes por dia, pela manhã e no início da tarde, ou quando a temperatura no interior da estufa atingir os limites máximos, mesmo com as cortinas levantadas. Vinte dias após a emergência, deve ser feita a primeira seleção das plantas, eliminando-se os híbridos (machinhos), isto é, teclas as plantas sem as características do cavalo. Também retiram-se os tubetes que não germinaram ou com plantas anormais (sem as características do porta-enxerto). Logo depois da primeira seleção, deve-se iniciar a nutrição, através de adubações foliares, 3 vezes por semana, com os nutrientes abaixo: - Nitrogenados - Uréia ou Nitro 25 0,5 % ou1,0% - NPK* ou ml/100l de água - Micronutrientes - Quelatizados completos 150 ml/100l de água (Zn, Mn, B, etc.) * Cálcio + magnésio (quelatizados) ml/100l cada 1 vez por semana. Usar 1 litro de calda da mistura de NPK e micronutrientes, nas doses acima, para cada 500 tubetes. Usar adubo nitrogenado (uréia ou Nitro 25) apenas quando os cavalinhos mostrarem sintomas visuais de deficiência nas folhas. A segunda seleção deve ser feita 30 dias após a primeira. Nesta seleção, separam-se os cavalinhos por altura e eliminam-se as plantas fora do padrão, que por ventura não tenham sido excluídas na primeira seleção. Aos 80 dias da semeadura, suspende-se a nutrição e deixam-se as cortinas abertas ao máximo, dia e noite, para 17

23 dar rusticidade às plantas (aclimatação). As regas devem ser mantidas até a retirada total dos cavalinhos da estufa. O substrato dos tubetes eliminados na primeira seleção deve ser retirado, peneirado e esterilizado para posterior utilização. Para a desinfecção das bandejas e tubetes, utilizam-se tambores de 200 litros, onde se colocam 150 litros de água e adicionam-se 450 g de Oxicloreto de cobre + 60 g de benomyl ou outro fungicida. Agitar bem e mergulhar os tubetes e as bandejas na calda por 2 minutos. Só reutilizar tubetes ou bandejas depois de desinfectados. Deve-se aplicar fungicida em pulverização preventiva a cada 15 dias (não usar produtos a base de cobre). Inseticidas ou Acaricidas só devem ser usados quando for constatada a presença da praga. As vantagens do sistema são: proteção da cultura contra altas e baixas temperaturas, chuvas em excesso, ventos frios e fortes, geada, granizo; precocidade na formação: da semeadura à repicagem em apenas 90 dias; melhor controle de pragas e doenças devido as plantas serem mais vigorosas e proteção física contra o ataque de pragas; seleção prévia de plantas, quando se eliminam plantas com problemas e/ou híbridos; economia de insumos devido a menor área para aplicação e melhor aproveitamento pelas plantas; economia de água e nos equipamentos de irrigação, pois uma fonte de 3% de polegada é suficiente; efeito estufa, pois a temperatura é mais elevada dentro da estufa durante a noite; 18

24 facilidade na repicagem, pois não precisa de arrancamento, e as plantas já estão selecionadas na ocasião da mesma; alto índice de pegamento por não sentir o transplante; produção elevada de porta-enxertos por área: 529 plantas por m 2. As principais desvantagens são as seguintes: alto custo de aquisição da estufa, tela, tubete, etc.; dificuldade na instalação, pois necessita de pessoal treinado; é necessário substituir periodicamente o plástico das cortinas e das duas extremidades (frente e fundo) que rasgam com facilidade; o preparo do substrato deve ser cuidadoso para evitar a contaminação e garantir a homogeneidade da mistura. o controle da temperatura deve ser constante para evitar que os limites de temperatura máxima sejam alcançados e permaneçam por muito tempo, prejudicando o desenvolvimento dos cavalinhos. 19

25 FLUXOGRAMA DE ATIVIDADES SEMENTEIRA EM ESTUFA DEFINIÇÃO DO PORTA-ENXERTO PRÉ-SEMEADURA RETIRADA DAS SEMENTES TRATAMENTO E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES PREPARO DO SUBSTRATO SEMEADURA ENCHIMENTO DOS TUBETES REGRAS DIÁRIAS PRIMEIRA SELEÇÃO NUTRIÇÃO FOLIAR E REGRAS DIÁRIAS PRÉ-TRANSPLANTE SEGUNDA SELEÇÃO ACLIMAÇÃO TRANSPLANTE 20

26 8. FORMAÇÃO DE MUDAS EM RECIPIENTES PLÁSTICOS Escolha do local O local do viveiro deve estar a um distância mínima de 50 m de pomares cítricos e estradas públicas, asfaltadas ou não; ser pouco declivoso, de preferência de exposição norte para evitar os ventos sul que geralmente são mais frios e atrapalham o desenvolvimento das plantas. Em localidades onde houve ocorrência constatada de Cancro Cítrico, a instalação do viveiro só pode ser feita com autorização da Campanha Nacional de Erradicação do Cancro Cítrico - CANECC. Prepara-se o local escolhido para o viveiro, nivelandose o terreno, que deve estar próximo a uma fonte de água. O telado deve ser construído, de preferência, de forma retangular e, se possível, com os lados maiores orientados na direção leste-oeste. Os canteiros com 80 cm de largura devem ser montados no interior do telado com blocos porosos de cimento (40 x 20 x 10 cm) e comprimento variável em função da área escolhida. Outra opção consiste na montagem de plataforma a no mínimo 20 cm do solo, com as mesmas dimensões do canteiro descrito. Deve-se atentar para que as plataformas possuam orifícios ou espaços livres para escoamento do excesso de água. Os recipientes plásticos (sacos de polietileno preto, pigmento negro fumo) devem ter as seguintes dimensões: 0,25 ou 0,30 mm de espessura, 25 ou 30 cm de largura e 40 cm de altura. Estas dimensões correspondem aos recipientes plásticos ainda vazios. Também podem ser empregados recipientes rígidos ou semi-rígidos de forma cônica ou piramidal (citrovasos ou containers ). 21

27 Substratos e enchimento de recipientes Existem duas opções básicas de substrato, a saber: Opção 1 Componentes Quantidades terra areno-argilosa esterco bovino curtido* orgânico humificado torta de oleaginosas (mamona ou amendoim) superfosfato simples** calcário dolomítico** fórmula NPK ( ) sulfato de zinco** 160 L 40 L 3,0 kg 3,0 L 0,8 kg 0,6 kg 0,6 kg 0,06 kg * pode ser substituído por 30 L de vermiculita expandida média. ** pode ser substituído por 0,5 kg de termofosfato magnesiano. Opção 2 Componentes Quantidades casca de pinus queimada (Plantmax ou Rendmax) vermiculita expandida média orgânico humificado torta de oleaginosas (mamona ou amendoim) termofosfato magnesiano fórmula NPK ( ) 180 L 20 L 3,0 kg 3,0 L 0,6 kg 0,5 kg A mistura deve ser homogeneizada em betoneiras e colocada até à borda dos recipientes plásticos, sendo que estes devem ser encanteirados e regados por uma semana 22

28 para que haja acomodação do substrato. Completa-se o volume do recipiente, após a sedimentação, estando assim o mesmo pronto para receber o cavalinho. Transplante O transplante ou repicagem dos cavalinhos aclimatados é a operação de transferência dos mesmos dos tubetes para os recipientes. A época para a execução desta operação, depende da época de semeadura, ocorrendo ao redor de três meses após a mesma ou quando o porta-enxerto apresentar de 12 a 15 cm de altura. A operação de repicagem deve ser precedida de uma boa irrigação dos recipientes no dia anterior à mesma. Com o auxílio de um chuço manual com ponta cônica abrem-se as covetas no centro do recipiente, sendo que a profundidade das covetas deve ser maior que o comprimento do sistema radicular. Os cavalinhos são, então, colocados na coveta, tomando-se o cuidado de manter o colo dos mesmos no nível do substrato do recipiente, isto é, não permitir que a região acima do colo seja coberta pelo substrato. A seguir, fixam-se as plantas fazendo uso de um chuço chato, com o qual realizam-se movimentos laterais, comprimindo-se o substrato no sistema radicular. Verificase se os cavalinhos estão bem plantados, puxando-se verticalmente os mesmos. Após ser realizado o plantio, regase abundantemente, sendo que as regas posteriores devem ser diárias até o pegamento dos cavalinhos e o início do desenvolvimento vegetativo dos mesmos, após o que, devese regar sempre que necessário, evitando que o substrato do recipiente fique encharcado ou ressecado. Condução A nutrição deve começar 15 dias após o transplante. Usam-se formulações líquidas de macro e micronutrientes 23

29 via foliar, 3 vezes por semana até a enxertia. Estas formulações podem ser as mesmas usadas na formação dos cavalinhos. Após a enxertia, devem ser adicionados cálcio e magnésio às formulações anteriores. Um mês após o transplante, aplica-se aldicarb na dose de 0,3 g do produto comercial por recipiente. Pulverizações com inseticidas ou acaricidas devem ser feitas apenas quando for constatada a presença de pragas. Já os fungicidas deverão ser aplicados preventivamente a cada quinze dias, podendose usar benomyl, mancozeb ou ziram, alternadamente. As retiradas das brotações laterais devem ser periódicas para evitar que as mesmas engrossem, o que dificulta sua retirada manual e para permitir o crescimento do cavalinho em haste única até o ponto de enxertia. Enxertia As borbulhas para a execução da enxertia devem ser retiradas de plantas matrizes registradas ou de borbulheiras protegidas, mantidas por organismos que recebam fiscalização de órgãos oficiais e que se responsabilizem pela sanidade das mesmas. Devem ser acompanhadas do atestado de origem e especificação da espécie, cultivar e número de borbulhas. Os ramos com borbulhas podem ser de dois tipos: roliços ou angulares, com diâmetro compatível com o portaenxerto. Ambos os tipos têm bom pegamento, dependendo da habilidade do enxertador e das condições climáticas no momento da enxertia. Como nem sempre, no momento da retirada das borbulhas, existe disponibilidade de porta-enxertos no ponto de enxertia, pode-se fazer a conservação das mesmas em câmaras frigorificadas para uso posterior. Após o cone das varetas, estas devem ser tratadas em solução fungicida a 24

30 base de benomil ou captan (0,025%) e secadas à sombra. Posteriormente, acondiciona-se em sacos plásticos transparentes com identificação do tipo de material e data da retirada, após o que são levadas para armazenamento a uma temperatura entre 8 e 13 o C e umidade relativa ao redor de 60%. Com esta técnica, é possível manter o material com boa viabilidade por até 3 anos. Durante o período de armazenamento, periodicamente, deve-se inspecionar as embalagens, uma a uma, para a verificação da formação de gotas na parede interna dos sacos plásticos. Caso ocorra esta deposição, devem-se secar as varetas com papel absorvente, fazer novo tratamento com fungicidas e trocar a embalagem plástica identificando novamente o material. O armazenamento por até uma semana pode ser feito em caixotes entre camadas de serragem umedecidas. sendo que, para armazenar as borbulhas por até 3 dias, basta envolvê-las em folhas de jornal encharcado, umedecendo o pacote diariamente. Como já citado, a enxertia em citros mais usual é a borbulhia em T invertido, que deve ser executada 3 a 4 meses após a repicagem dos cavalinhos, ou quando eles atingirem diâmetro superior a 0,5 cm; para tal, deve-se regar bem os cavalinhos no dia anterior, para que os mesmos soltem a casca e recebam bem a borbulha. Para a execução da enxertia, todas as folhas e/ou espinhos dos cavalinhos até uma altura de 30 cm, devem ser retirados no dia em que se realizar a enxertia, sob pena de haver uma reação da planta que dificultará o desprendimento da casca. A altura da enxertia segue normas oficiais e deve ser executada entre 10 e 20 cm medidos a partir do colo da planta. Altura de enxertia abaixo de 10 cm, favorece o aparecimento de gomose de Phytophthora e acima de 30 cm, reduz a produção de frutos. 25

31 Figura 6. Retirada da borbulha para enxertia. Figura 7. Borbulha colocada na inserção de enxertia. 26

32 Figura 8. Borbulha enxertada e amarrada com fita plástica. A melhor época para a enxertia é a primavera, porque as condições climáticas são favoráveis ao pegamento e desenvolvimento do broto do enxerto. No outono, ocorre bom pegamento das borbulhas, porém, podem permanecer em repouso até o início da primavera. Cuidados especiais devem ser tomados com as ferramentas de enxertia, podas e desbrotas, principalmente para evitar a transmissão de doenças de vírus; para tanto, devem ser desinfetadas com hipoclorito de sódio ao término do trabalho em um canteiro ou ao mudar a origem e a variedade das borbulhas. A borbulha é introduzida sob a casca pela fenda correspondente ao corte vertical da casca e fixada com fita plástica, que também serve para impedir a penetração de umidade externa na zona do enxerto. Após 15 ou 20 dias, é feita a retirada da fita plástica e a verificação do pegamento da borbulha. Se negativo, deve- 27

33 se executar a enxertia do lado oposto, 5 dias após o corte do plástico. Para acelerar a brotação, após a enxertia ou momentos antes da retirada da fita plástica, faz-se o forçamento do enxerto. Este pode ser por anelamento ou por corte total do cavalo a 5 cm acima do ponto de enxertia. Também, e mais comumente usado, é o encurvamento ou dobra do cavalo que se faz segurando com uma das mãos o cavalo em tomo de 10 cm acima do ponto de enxertia, curvando-o com a outra mão, até prendê-lo na sua própria base. Este tipo de forçamento induz um desenvolvimento maior ao broto que os dois primeiros, a diferença na maturação da muda pode chegar até a um mês. Aproximadamente um mês após a retirada da fita plástica, o broto já se encontra necessitando de um tutoramento para evitar sua ruptura, principalmente pelo vento. O tutoramento deve ser feito fincando-se uma estaca de bambu ou taquara de mais ou menos 70 cm, que deve ser enterrada de 10 a 15 cm. O enxerto passa então a ser amarrado à medida que vai crescendo, usando-se barbante de algodão. As desbrotas dos ramos laterais devem ser feitas sempre que necessários até uma altura de 70 cm, medidos a partir do colo da planta, para que a muda cresça em haste única e ereta. Neste sistema de produção, não se realiza a poda de formação das pernadas (desponte) já que a muda assim produzida deve ser levada para o plantio definitivo na forma de pavio ou palito. Quinze dias antes de se levar a muda para o campo (plantio), deve-se retirar o porta-enxerto dobrado ou o cachimbo (peça remanescente da retirada da copa do porta-enxerto após a enxertia). Também se realiza, nesta ocasião, o desponte. Todos os cortes realizados devem ser desinfectados com fungicida cúprico a 10%. A 28

34 muda não deve ultrapassar 10 meses a contar do transplante dos cavalinhos ou treze da semeadura. As principais vantagens deste sistema de formação são: - Seleção apurada de cavalinhos. - Menor tempo para a obtenção das mudas. - Maior volume de radicelas e, consequentemente, melhor pegamento. - Maior segurança quanto à ausência de CVC nas mudas. Figura 9. Detalhe de mudas prontas em canteiro de blocos de cimento. 29

35 Figura 10. Vista interna do telado com mudas prontas sobre plataforma. 30

36 FLUXOGRAMA DE ATIVIDADES VIVEIRO TELADO ESCOLHA E PREPARO DA ÁREA CONSTRUÇÃO DO TELADO E CANTEIROS PREPARO DO SUBSTRATO SUBSTRATO ENCHIMENTO DOS RECIPIENTES PLÁSTICOS COLOCAÇÃO DOS RECIPIENTES NO CANTEIRO REGAS PARA ASSENTAMENTO DO SUBSTRATO, ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO SUBSTRATO ATÉ A BORDA DO RECIPIENTE TRANSPLANTE REGAS DIÁRIAS E NUTRIÇÃO FOLIAR TOALETE PARA ENXERTIA ENXERTIA AMARRAÇÃO COM FITA PLÁSTICA FORÇAMENTO DO ENXERTO RETIRADA DA FITA PLÁSTICA TUTORAMENTO MUDA PRONTA CONDUÇÃO 31

37 9. CUSTO DE UM MÓDULO PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS EM TELADO A seguir, são apresentados os componentes e os valores estimados para a instalação de uma estufa telada para a produção de cavalinhos e de um viveiro telado para a produção de mudas em recipientes (sacolas plásticas), bem como os custos de condução para a primeira formação Custo de uma estufa com capacidade para cavalinhos Índices técnicos empregados: Item Custo Unitário (R$)* 1. Estrutura metálica com plástico 7,50 / m 2 2. Cortinas laterais 0,40 / m 2 3. Tela antiafídica (malha de 1 mm) 1,58 / m 2 4. Tela metálica para o suporte de tubetes 6,50 / m 2 5. Tubetes 33,00 / milheiro 6. Substrato ( Plantmax ) 6,50 / saca 60 L 7. Sementes (limoeiro Cravo ) 8,00 / L * US$ 1,00 do dia 31/07/97 - R$ 1,09. 32

38 Croqui para instalação de viveiro telado 65,0 m 0,8 m 0,6 m 1,0 m 0,9 m 1,5 m 25,2 m Postes de eucalipto = 16 cm de diâmetro Postes de eucalipto = 10 cm de diâmetro Centeiros de blocos de cimento 33

39 Exemplo: Estufa 40 x 5 m Item Valor (R$) 1. Estufa (200 m 2 ) 1.500,00 2. Cortinas (180 m 2 ) 72,00 3. Tela antiafídica (180 m 2 ) 284,00 4. Tela metálica (152 m 2 ) 988,00 5. Tubetes (75.000) 2.475,00 6. Substrato (75 sacas) 487,50 7. Sementes (25 L) 200,00 8. Adubos Minerais e Orgânicos 100,00 9. Mão-de-obra para a Montagem 1.200, Mão-de-obra para a Condução 760,00 TOTAL 8.066, Custo para a instalação de um telado para a p rodução de mudas cítricas em recipiente plástico, conforme croqui anexo. Especificações: Largura: 25,2 m Comprimento: 65,0 m Área útil: m 2 Pé direito lateral: 3,2 m Pé direito central: 4,0 m Área total de tela: m 2 Largura dos canteiros: 0,8 m Espaço entre carteiros: 0,6 m Carreador central: 1,5 m 34 carteiros de 30,75 m 1045,5 m lineares de canteiro 24 mudas / m. linear de canteiro mudas de capacidade 34

40 Materiais/Serviços Custo unitário Custo total (R$) (R$) 1. Postes de Eucalipto tratado 42 com diâmetro de 16 cm 33, ,00 28 com diâmetro de 10 cm 27,00 756,00 2. Tela branca 1 mm malha m 2 1, ,00 3. Bloco de cimento (40x20x10 cm) 10,5 milheiros 300, ,00 4. Arame liso 5 rolos (1000 m) 90,00 450,00 5. Caibro (6 x 4 cm) m.l. 0, ,00 6. Ripa de 4 m 12 maços 11,50 138,00 7. Sistema de Irrigação 800,00 800,00 8. Mão-de-obra para a instalação 8 semanas 312, ,00 TOTAL DA ESTRUTURA ,00 9. Cavalinhos , , Substrato 200 m 3 15, , Recipientes plásticos 25 milheiros 60, , Mão-de-obra para o enchimento dos recipientes 2.500, Mão-de-obra para a condução 3.445, Borbulhas e mão-de-obra para a enxertia 1.500, Nutrição e Defensivos 1.500,00 TOTAL ,00 35

41 BIBLIOGRAFIA AMARO, A.A. et al. Panorama da citricultura brasileira. In: RODRIGUEZ, O. VIEGAS, F.C.P. POMPEU JUNIOR, J. AMARO, A.A. eds. Citricultura Brasileira, 2 a ed. Campinas: Fundação Cargill, 1991, v.1, p CARLOS, E.F.; STUCHI, E.S.; DONADIO, L.C. Porta-enxertos para a citricultura paulista. Jaboticabal: Funep, p. (Boletim Citrícola, 1). CARRERO, J.M. Virosis y enfermedades afines de los citricos. 2 a ed. Madrid: Ministério de Agricultura y Pesca, Manuales Tecnicos, Serie G, Num. 45, p. COELHO, Y.S. Tangerina para exportação: aspectos técnicos da produção. Brasília: Embrapa-SPL, p. (Série Publicações Técnicas FRUPEX, 24). INSTITUTO AGRONÓMICO DO PARANÁ. Encontro paranaense de citricultura, 1, 1986 Anais... Londrina: IAPAR,1986. INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ. A citricultura do Paraná. Londrina: IAPAR, p. ilust. (IAPAR. Circular, 72). MEDINA, V.M. Instruções práticas para a produção da muda cítrica. Cruz das Almas: EMBRAPA-CNPMF. Circular Técnica nº 8, 1986, 2ª ed. 26p. MORIMOTO, F. Manual técnico de citricultura. Curitiba: EMATER-PR, p. 36

42 NAVARRO, L. Microinjerto de ápices caulinares in vitro para la obtención de plantas de agrios libres de virus. Madrid: Ministerio de Agricultura-Dirección General de la Produción Agraria, Bol. Ser. Plagas 5: , POMPEU JUNIOR, J. Porta-enxertos. In: RODRIGUEZ, O. et al. (ed.) Citricultura brasileira, 2.ed. Campinas: Fundação Cargill, v.1, p POMPEU JUNIOR, J. Situação do uso de porta-enxertos no Brasil. In: DONADIO, L.C. no Seminário Internacional de Citros. Porta-enxertos, 1, Bebedouro. Anais... Jaboticabal: Funep, p ROISTACHER, C.N. Graft-transmisible diseases of citrus. Handbook for deteccion and diagnosis. Roma: IOCV/ FAO, p. TEÓFILO SOBRINHO, J. Propagação das citros. In: RODRIGUES, O. et al. (ed.). Citricultura brasileira, 2.ed. Campinas: Fundação Cargill, v.1, p STUCHI, E.S., SEMPIONATO, O.R., SILVA, J.A.A. Influência dos porta-enxertos na qualidade dos frutos cítricos. Laranja, v.16, n.1, VILLALBA, N.V. Métodos para la obtención de plantas citricas libres de virus y patogenes similares. Valencia. Universidade Politécnica de Valencia, p. Tese (Master en Citricultura). 37

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA.

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. Eduardo Sanches Stuchi Pesquisador Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Diretor Científico da Estação Experimental

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Aula 1- Organização e limpeza das casas de vegetação - divisão dos grupos. ATENÇÃO: OS ALUNOS DEVERÃO ESTAR

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

enxertia de araucária para produção de pinhão

enxertia de araucária para produção de pinhão enxertia de araucária para produção de pinhão A Araucaria angustifolia, espécie quase exclusiva do Brasil, está ameaçada de extinção, restando apenas 2 a 3% de sua área original. Neste sentido, é fundamental

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

Manuseamento e disposição das placas

Manuseamento e disposição das placas Manuseamento e disposição das placas Preparar para a nova cultura 3-3 Entrega 1 Não é aconselhável o seu armazenamento no exterior. Armazene num local limpo e seco, separado da área de produção. 3 Não

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Cana de

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS SEÇÃO 1: Preparação do solo para plantio de ananás 1. Identificação da área para o plantio de ananas 1.A área seleccionada deve ter via de acesso 1. Se não tiver via

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE -

FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE - FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE - Massa Leve é um aditivo capaz de produzir concreto poroso de baixa massa especifica aparente, com ótima estabilidade, isto é, com reduzida queda de volume na aplicação. Características

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS Sistemas de produção Sementes Estruturas vegetativas (propagação por estolhos, estacas, tubérculos, bulbos, rizomas, raízes, micropropagação) PROPAGAÇÃO SEXUADA A SEMENTE

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769)

ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769) 1 ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769) Marco Antonio de Almeida Leal Luiz Carlos Santos Caetano José Márcio Ferreira INTRODUÇÃO Atualmente existem várias atividades

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente 7 Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente dachina,nortedaíndia,tailândiaenepal.a maior parte cresce na orla das

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

2004-2005 ARBORICULTURA I. Por: Augusto Peixe

2004-2005 ARBORICULTURA I. Por: Augusto Peixe ARBORICULTURA I Por: Augusto Peixe Enxertia DEFINIÇÃO Método de multiplicação assexuada que consiste em unir porções de plantas de modo a que formem um só indivíduo. Numa árvore enxertada, distinguem-se

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado Sistema Laminar Alto Sistema Laminar Alto Objetivo O Sistema Laminar Alto tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo Herciíio Viegas Rodrigues LPV-ESALQ-USP Município: Pariquera Açu Local: Sítio Sakai Início de atividade: Aquisição de plântulas: 2002 Desenvolvimento de mudas (casa

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO PROTEÇÃO VEGETAL Grupo de Serviço OBRAS COMPLEMENTARES Código DERBA-ES-OC-04/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de proteção

Leia mais

Propagação de Acessos de Bacurizeiro (Platonia Insignis Mart.) Através da Raiz Primária de Sementes em Início de Germinação.

Propagação de Acessos de Bacurizeiro (Platonia Insignis Mart.) Através da Raiz Primária de Sementes em Início de Germinação. Propagação de Acessos de Bacurizeiro (Platonia Insignis Mart.) Através da Raiz Primária de Sementes em Início de Germinação José Edmar Urano de Carvalho1, Carlos Hans Müller 1, Walnice Maria Oliveira do

Leia mais

Campo Consultoria, Serviços e Treinamento Agrícola. sjscampo.consultoria@hotmail.com (14) 3769-1153

Campo Consultoria, Serviços e Treinamento Agrícola. sjscampo.consultoria@hotmail.com (14) 3769-1153 Campo Consultoria, Serviços e Treinamento Agrícola sjscampo.consultoria@hotmail.com (14) 3769-1153 Engº Agrº M.Sc. Roberto Salva MsC, Universidade Estadual Julio Mesquita Fº - Jaboticabal, 2004; Especialização

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE.

DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE. DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE. ROMEU DE CARVALHO ANDRADE NETO 1 ; ANA MARIA ALVES DE SOUZA RIBEIRO 2 ; CAROLINY IZABEL ARAÚJO DE FREITAS

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

CLIPPING De 20 de abril de 2015

CLIPPING De 20 de abril de 2015 CLIPPING De 20 de abril de 2015 VEÍCULO DATA 18/04/2015 2 3 4 5 6 VEÍCULO EDITORIA Negócios/Castilho DATA 17/04/2015 Fabricantes de arcos de violinos da Europa conhecem Pau Brasil do IPA Itapirema A comitiva

Leia mais

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 Muda : papel fundamental na obtenção de uma planta bem formada e SADIA Qualidade sanitária das mudas:

Leia mais

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Luiz Augusto Lopes Serrano 1 ; André Guarçoni M. 2 ; Cesar

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura.

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. FUNDAÇÃO MOKITI OKADA Mokiti Okada - CPMO Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. Leandro de Almeida Amado Engenheiro Agrônomo, MSc Assistente Técnico Outubro

Leia mais

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO DISSEMINAÇÃO Liberação Dispersão Deposição (Inoculação) SOBREVIVÊNCIA ciclo secundário ciclo primário PENETRAÇÃO INFECÇÃO Estabelecimento das relações parasitárias

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola

Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel com cascas de cebola Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não

Leia mais

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO 50 TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO Uma das atividades mais prazerosas da jardinagem é a duplicação das plantas. As plantas se reproduzdem de duas maneiras - sexuada com geração de sementes e assexuada ou vegetativa,

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco

Papel Reciclado Artesanal Branco Papel Reciclado Artesanal Branco 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não contenham vernizes, plásticos ou laminados)

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Simples, resistente e fácil de montar.

Simples, resistente e fácil de montar. Simples, resistente e fácil de montar. Economia e resistência são as principais qualidades da telha Vogatex. Possui peso reduzido e simplicidade estrutural, exigindo o mínimo de mão-de-obra e madeiramento

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association 6. Uso de Chapa de Aço com Revestimento Metálico GalvInfoNote Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada 6.1 Introdução

Leia mais

PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS

PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS IMPLANTAÇÃO DO POMAR Seleção e Cuidados com mudas MUDAS DE BOA PROCEDÊNCIA VIVEIROS CREDENCIADOS MUDAS COM QUALIDADE FITOSSANITÁRIA PREFERIR MUDAS ENVASADAS

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Controle Alternativo da Broca do Café

Controle Alternativo da Broca do Café Engº Agrº - Pablo Luis Sanchez Rodrigues Controle Alternativo da Broca do Café Trabalho realizado na região de Ivaiporã, na implantação de unidade experimental de observação que visa o monitoramento e

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 3: Construção de cisternas Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal de Campina Grande Financiadores:

Leia mais

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS 1. FERRUGEM 1 SINTOMAS. folhas:. sup. superior:. manchas angulares, amarelas, pequenas. sup. inferior:. pústulas arredondadas, recobertas de massa pulverulenta

Leia mais

Fruticultura. A Cultura do Abacate. Nome Cultura do Abacate Produto Informação Tecnológica Data Abril -2001 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. A Cultura do Abacate. Nome Cultura do Abacate Produto Informação Tecnológica Data Abril -2001 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 9 10/16/aaaa 11:29 Fruticultura A Cultura do Abacate Nome Cultura do Abacate Produto Informação Tecnológica Data Abril -2001 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações resumidas sobre a Cultura

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL Introdução, Sistemas e Características FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Irrigação Subsuperficial Também chamada irrigação subterrânea ou subirrigação A água é aplicada

Leia mais

NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES

NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES s frutas ácidas, em especial as cítricas (a laranja, a tangerina, o Alimão e a lima),

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal

Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não contenham vernizes, plásticos

Leia mais

ART SHINGLE - TELHA DE MADEIRA

ART SHINGLE - TELHA DE MADEIRA ART SHINGLE - TELHA DE MADEIRA As Telhas de Madeira Art Shingle, além da resistência mecânica e durabilidade, tem como principais características, proporcionar beleza e excelente conforto térmico e acústico

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Programa de Melhoramento Genético de Citros da Embrapa Mandioca e Fruticultura

Programa de Melhoramento Genético de Citros da Embrapa Mandioca e Fruticultura Programa de Melhoramento Genético de Citros da Embrapa Mandioca e Fruticultura Novas variedades: copas e porta-enxertos Walter dos Santos Soares Filho - Embrapa Mandioca e Fruticultura E-mail: walter.soares@.embrapa.br

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

A irrigação à noite também não é uma boa ideia porque pode deixar as folhas molhadas durante a noite um convite ao crescimento de fungos.

A irrigação à noite também não é uma boa ideia porque pode deixar as folhas molhadas durante a noite um convite ao crescimento de fungos. MANEIRAS DE ECONOMIZAR ÁGUA NA IRRIGAÇÃO: TÓPICO I: IRRIGAÇÃO PARA PAISAGISMO RESIDENCIAL. Agora vamos iniciar as maneiras de economizar água de irrigação. 1 Se você já tem um sistema instalado: 1.1. Faça

Leia mais

O papel do citricultor no combate ao Greening. Cícero Augusto Massari

O papel do citricultor no combate ao Greening. Cícero Augusto Massari O papel do citricultor no combate ao Greening Cícero Augusto Massari Os envolvidos Inseto vetor Greening bactéria hospedeiro Infecção e evolução dos sintomas Doença de evolução rápida em plantas jovens

Leia mais

ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO. 1. Generalidades. 2. Definições. 3. Tipos de Grama em Placa

ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO. 1. Generalidades. 2. Definições. 3. Tipos de Grama em Placa ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos mínimos necessários para a execução do revestimento vegetal por gramas em placas ou enleivamento

Leia mais

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO Armene José Conde Gerente Regional Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional José Guilherme Perticarrari Coordenador de Pesquisa Tecnológica CTC - Centro

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI PROF. DR. MÁRCIO CLEBER DE MEDEIROS CORRÊA Departamento de Fitotecnia Centro de Ciências Agrárias Universidade Federal do Ceará Fortaleza - CE III Simpósio

Leia mais

Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis

Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis Josimar Rodrigues OLIVEIRA¹; eimar de Freitas DUARTE². ¹Graduando em Engenharia Agronômica e bolsista do CNPq Instituto Federal de

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Rejunta Já! Acrílico Código: RJA001 e RJA101

Ficha Técnica de Produto Rejunta Já! Acrílico Código: RJA001 e RJA101 1. Descrição: O é mais uma solução inovadora, que apresenta praticidade e agilidade para o rejuntamento de pisos, azulejos, pastilhas, porcelanatos em áreas internas, externas, molháveis, molhadas. O principal

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

Capitulo 3 Horta Orgânica

Capitulo 3 Horta Orgânica ASSOCIAÇÃO SOCIOAMBIENTALISTA SOMOS UBATUBA Conteúdo Pedagógico Capitulo 3 Horta Orgânica Organização Parceria Convênio Horta Orgânica Introdução Esta etapa é composta por atividades ligadas pelas relações

Leia mais

PORTA-ENXERTOS PARA LIMA ÁCIDA TAHITI EM DUAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PORTA-ENXERTOS PARA LIMA ÁCIDA TAHITI EM DUAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO FITOTECNIA PORTA-ENXERTOS PARA LIMA ÁCIDA TAHITI EM DUAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO JOSÉ ORLANDO DE FIGUEIREDO (1,2) ; EDUARDO SANCHES STUCHI (3) ; FRANCISCO FERRAZ LARANJEIRA (1) ; LUIS CARLOS DONADIO

Leia mais

2. Resíduos sólidos: definição e características

2. Resíduos sólidos: definição e características 2. Resíduos sólidos: definição e características Definição e tipologia Lixo é, basicamente, todo e qualquer resíduo sólido proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas,

Leia mais

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br TELHADO VERDE E A INFLUÊNCIA NO CONFORTO TÉRMICO EM UMA EDIFICAÇÃO DE MADEIRA NO IFC CAMPUS RIO DO SUL Karla Fünfgelt 1 ; Alexandra Goede de Souza 2 ; Eduardo Augusto Tonet 3 ; Samuel Fachini 4. 1 Professora

Leia mais

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC)

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Informação técnica Denominação do sistema Componente

Leia mais