Implementação de um sistema de gestão de Qualidade, Ambiente, Segurança e Saúde no trabalho - estudo de caso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação de um sistema de gestão de Qualidade, Ambiente, Segurança e Saúde no trabalho - estudo de caso"

Transcrição

1 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Implementação de um sistema de gestão de Qualidade, Ambiente, Segurança e Saúde no trabalho - estudo de caso Dissertação de Mestrado em Engenharia do Ambiente Orientadora: Professora Ana Novo Barros Vila Real, 2012

2 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Implementação de um sistema de gestão de Qualidade, Ambiente, Segurança e Saúde no trabalho - estudo de caso Dissertação de Mestrado em Engenharia do Ambiente Orientadora: Dr.ª Ana Novo Barros Composição do Júri: Presidente Vogais: Doutor Jorge Ventura Ferreira Cardoso Doutor José Alcides Silvestre Peres Doutora Ana Isabel Ramos Novo Amorim de Barros Vila Real, 2012

3 ÍNDICE ÍNDICE... ii AGRADECIMENTO... iv RESUMO... v ABSTRACT... v LISTA DE ABREVIATURAS... vi 1. INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS Breve descrição da empresa Organograma da empresa Estágio Profissional Arranque da Estação de Tratamento de Águas Residuais de Vila Real Área de Responsabilidade Empresarial Área de Controlo de Qualidade CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ANEXOS

4 AGRADECIMENTOS À Professora Doutora Ana Barros, orientadora deste relatório, agradeço o apoio que me deu e a disponibilidade que teve para qualquer esclarecimento. À Administração da Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro, agradeço a partilha de dados. Pagina iv

5 RESUMO No presente relatório pretende-se descrever a atividade profissional na empresa Águas de Trás os Montes e Alto Douro desde o término da licenciatura em Engenharia Ambiental e dos Recursos Naturais em 2003 até aos dias de hoje. É feita uma caracterização do percurso profissional de nove anos, estando patente o desenvolvimento de duas carreiras paralelas, associadas ao Controlo de Qualidade e à Gestão Ambiental. Depois de um primeiro estágio em 2004, foram desempenhadas funções nas áreas de Controlo de Qualidade e Responsabilidade Empresarial. Para além de uma descrição detalhada de todas as funções desempenhadas, explicitam-se ainda competências de reflexão teórica. ABSTRACT This report aims to describe the professional activity in the company Águas de Trás-os- Montes and Alto Douro since finish the Environmental Engineering and Natural Resources degree in During the characterization of these nine years of my professional course it will be visible the parallel development of both Quality Control and Process Engineering careers. After the my internship period in 2004, I have been performing functions in Quality Control and Corporate responsibility until the present date. Besides the detailed duties description and the theoretical skills explanation, the principles underlying the practices of this professional activity will also be specified. Pagina v

6 LISTA DE ABREVIATURAS ACQ AdP AdTMAD APCER ARE ARH CBO 5 CCDR - N CQO EGBaixa ERSAR ETA ETAR GAR NC NCQA NCQAR PCQA PCQAR PR SGA SGI SGQ SGSS SIRAPA SST UNA-PD Área de Controlo de Qualidade Águas de Portugal Águas de Trás os Montes e Alto Douro Associação Portuguesa de Certificação Área de Responsabilidade Empresarial Autoridade dos Recursos Hídricos Carência Bioquímica de Oxigénio Comissão Coordenadora e de Desenvolvimento Regional do Norte Carência Química de Oxigénio Entidade Gestora em Baixa Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos Estação de Tratamento de Águas Estação de Tratamento de Águas Residuais Guia de Acompanhamento de Resíduos Não conformidade Não conformidade da Qualidade da Água Não conformidade da Qualidade da Água Residual Plano de Controlo de Qualidade da Água Plano de Controlo de Qualidade da Água Residual Processo Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Integrado Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Sistema Integrado de Registo da Agência Portuguesa do Ambiente Sólidos Suspensos Totais Unidade de Negócios de Água Produção e Depuração Pagina vi

7 1. INTRODUÇÃO A recomendação do CRUP relativa à aquisição do grau de mestre dos licenciados Pré- Bolonha, num curso de 2.º ciclo que se situe na mesma área científica, e com mais de 5 anos de experiência profissional relevante, determina, que na componente não letiva poderá optar-se por um relatório detalhado sobre a atividade profissional. Foi com este propósito que se elaborou o presente relatório. Este relatório tem como objetivo descrever a atividade profissional desde o término da licenciatura em Engenharia Ambiental e dos Recursos Naturais em 2003, passando pelo estágio profissional em 2004 na empresa Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro, até à data atual onde são desempenhadas funções na Área do Controlo de Qualidade e na Área da Responsabilidade Empresarial nesta mesma empresa. Com este relatório de atividades pretende-se aproximar, tanto quanto possível, do que foi e do que é a atual carreira profissional. Havendo a consciência de que nem sempre é possível transcrever com a perfeição desejada tudo o que se desenvolve e a forma científica como se aplica saberes possuídos, procura-se, no entanto, a simplicidade e o rigor, de modo a que possa refletir todo o desempenho profissional ao longo destes anos. A carreira profissional iniciou-se em Março de 2004 com a realização de um estágio profissional IEFP na empresa Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro, onde se desempenharam funções na Estação de Tratamento de Águas Residuais de Vila Real. No decorrer deste estágio foi prestado serviço à empresa Degrémont S.A., nomeadamente no início da laboração da referida estação. O estágio terminou em Novembro do mesmo ano. Em Janeiro de 2005 ingressou-se na empresa Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro, onde se mantem ainda hoje, assumindo funções na Área de Controlo de Qualidade, área responsável pelo controlo de qualidade da água para consumo humano e água residual, e Área de Responsabilidade Empresarial, responsável por implementar e manter a certificação da empresa no âmbito dos referenciais da Qualidade, Ambiente e Segurança. Assim, nos pontos 3.1e 3.2, começa-se por fazer uma breve descrição do historial da empresa, desde a sua fundação, até aos nossos dias. De seguida, apresenta-se o enquadramento da Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro no grupo Águas de Pagina 1

8 Portugal, assim como a identificação da empresa e do seu ramo de negócio. Toda a informação contida neste capítulo resultou da consulta de alguns documentos fornecidos pela Área de Comunicação e Imagem da empresa e, sobretudo, do knowhow adquirido no dia-a-dia. Nos pontos 3.4 e 3.5 faz-se a descrição detalhada das funções desempenhadas, tanto na carreira de Controlo de Qualidade como na carreira de Responsabilidade Empresarial. É pertinente esclarecer que para uma melhor compreensão das funções desempenhadas, é feita a sua contextualização no Sistema de Gestão por Processos, implementado pela Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro. Como colaboradora da Área de Responsabilidade Empresarial, as principais responsabilidades são: Conhecer e compreender a Política da Qualidade, Ambiente e Segurança e os seus Objetivos; Conhecer as funções e responsabilidades e agir em conformidade com as mesmas; Atuar de acordo com o estabelecido, de forma a assegurar a qualidade dos serviços prestados; Conhecer e aplicar os documentos associados às funções atribuídas; Identificar situações de Não Conformidade, propor e implementar ações Corretivas/Preventivas; Alertar o Gestor do Sistema de Gestão Integrado (SGI) para a necessidade de atualização da documentação, sempre que a mesma se torne parcial ou totalmente inadequada; Manter registos e evidências; Participar ativamente nas auditorias internas e externas; Zelar e cumprir as regras de Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho; Pagina 2

9 Cumprir com todos os procedimentos e instruções operacionais associados à função de forma a assegurar a qualidade do produto, a minimizar os impactes ambientais e a salvaguardar a própria segurança e saúde bem como a dos colegas. Como colaboradora da Área de Controlo de Qualidade, as principais responsabilidades são: Acompanhar o plano de controlo de qualidade da água (PCQA) e o plano de controlo de qualidade de água residuais (PCQAR) Controlar e manter atualizado todo o registo de resultados analíticos da qualidade da água e das águas residuais e controlo e arquivo de boletins Realizar os relatórios de qualidade trimestrais de água e de saneamento e enviá-los aos clientes Assegurar a comunicação à CCDR-N das situações anómalas registadas em ETARs Por último, é importante referir que ao longo de todo o percurso profissional foi dada formação interna na empresa no âmbito de Ambiente (Gestão de Resíduos, Aspetos Ambientais, etc). Pagina 3

10 2. DESENVOLVIMENTO Alguns conceitos que servem de base à realização do trabalho diário foram adquiridos ao longo da licenciatura em Engenharia Ambiental e dos Recursos Naturais, nomeadamente nas disciplinas: Química da Água Química Ambiental Hidráulica Geral Hidráulica Aplicada Gestão de Resíduos Legislação e Política do Ambiente e Recursos Medição e Controlo da Poluição do Ar Tratamento de Águas MEPIA Ordenamento de Bacias Hidrográficas Outros conceitos foram recolhidos através da participação em alguns cursos e seminários, nomeadamente: Curso de Formação Profissional Gestão de Resíduos pela Avalforma Formação & Consultoria, Lda. com a duração de 60 horas Curso de Formação Profissional Sistema de Gestão Ambiental Norma ISO pela Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. com a duração de 60 horas Curso Estratégias de Tratamento de Águas Ruças: Redução do Impacto Ambiental no Douro Vinhateiro pela Universidade de Trás-os- Montes e Alto Douro e Instituto de Trás-os-Montes e Alto Douro para a Investigação e Desenvolvimento Agro-Industrial com a duração de 76 horas. 2005, Dezembro - Curso Estratégias de Tratamento de Efluentes Vitivinícolas: Redução do Impacto Ambiental no Douro Vinhateiro pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e Instituto de Trás-os-Montes e Alto Douro para a Investigação e Desenvolvimento Agro-Industrial com a duração de 76 horas. Pagina 4

11 2006 Participação na Formação intitulada Conceção e Implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade no Sector das Águas, realizada pela LA Consultores, Lda. nos dias 21, 22, 28 e 29 de Março, com a duração de 32 horas Participação na Formação intitulada Implementação de Sistemas de Gestão Integrado de Qualidade, Ambiente e Segurança realizada pela AUREN, nos dias 2 e 3 de Março com a duração de 16 horas Participação na Formação intitulada Auditorias de Sistemas de Gestão Integrados de Qualidade, Ambiente e Segurança realizada pela AUREN., nos dias 19, 20 e 21 e 28,29 e 30 de Novembro com a duração de 48 horas Participação no Curso de Formação Profissional intitulado Novos requisitos legais do ambiente realizada pela APQ, no dia 10 de Julho com a duração de 7 horas Obtenção do Certificado de Aptidão Profissional (CAP) em 19 de Março para exercer a profissão de Formador Participação na Sessão de Esclarecimento intitulada Regras de Preenchimento do SIRAPA Antigo SIRER realizada pelo IDIT, no dia 10 de Março com a duração de 8 horas. Pagina 5

12 3. ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS 3.1 Breve descrição da empresa Na última década do século XX, Portugal revelava insuficiências graves nos sistemas de abastecimento de água para consumo público, baixos níveis de atendimento no saneamento de águas residuais e inexistência de sistemas adequados de gestão de resíduos sólidos urbanos. A gestão e exploração destes sistemas eram responsabilidades exclusivas dos Municípios, predominando os investimentos numa lógica local e não integrada. A única exceção era a EPAL, empresa já centenária, responsável pela distribuição domiciliária de água no município de Lisboa e pelo fornecimento de água a cerca de 20 municípios da área da Grande Lisboa. A Águas de Portugal foi criada em 1993 para ser um dos instrumentos da mudança que iria permitir aumentar, de forma sustentável e em quantidade e qualidade, os níveis de atendimento da população portuguesa nos sectores de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais. A criação de Sistemas Multimunicipais de Abastecimento de Água e de Saneamento de Águas Residuais, cuja responsabilidade lhe foi então atribuída, tinha por objetivos sanar as insuficiências dos sistemas de abastecimento de água para consumo público e aumentar os níveis de atendimento da população servida por sistemas de saneamento das águas residuais. Em Outubro de 2000, em resultado de novas orientações estratégicas e como reconhecimento do mérito e potencialidades da experiência empresarial desenvolvida, foram integradas nas competências do Grupo AdP todas as participações do Estado Português na área do Ambiente, nomeadamente o tratamento e valorização de resíduos. Prosseguindo uma função estruturante no sector do Ambiente, o Grupo AdP assume um papel de grande contribuidor para os objetivos operacionais dos planos estratégicos sectoriais, os quais, nos domínios de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais, são servir cerca de 95% da população total do País com sistemas públicos de abastecimento de água e cerca de 90% com sistemas públicos de saneamento de águas residuais urbanas. No domínio do tratamento e valorização de resíduos, materializam-se na implementação de um novo modelo de gestão sustentada de resíduos que visa a redução da deposição de resíduos em aterro e o aumento das recolhas seletivas de materiais de embalagem e de resíduos Pagina 6

13 urbanos biodegradáveis. Em termos organizacionais, o Grupo AdP encontra-se estruturado por Unidades de Negócio (UN) que funcionam no quadro de um sistema de planeamento e controlo conduzido pela Holding. Contando atualmente com 62 empresas, o Grupo AdP desenvolve as suas atividades através de 3 áreas de negócio - água, resíduos e instrumentais. No que respeita o abastecimento de água, em 2006, as empresas do Grupo AdP que atuam na Unidade de Negócios de Água Produção e Depuração (UNA-PD) abrangiam já 166 municípios portugueses, servindo mais de 3,2 milhões de habitantes. No saneamento de águas residuais, registam-se 189 municípios abrangidos e mais de 4,2 milhões de habitantes servidos. O Sistema Multimunicipal de Abastecimento de Água e de Saneamento de Trás-os- Montes e Alto Douro foi criado em 2001, pelo Decreto-Lei n.º 270-A/2001 de 6 de Outubro. O mesmo Decreto-Lei constituiu a Sociedade Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro, S.A., (doravante AdTMAD), publicou os seus Estatutos e adjudicou-lhe, em regime de concessão por um prazo de 30 anos, a conceção e a construção das obras e equipamentos, bem como a sua exploração, reparação, renovação e manutenção. A atividade da Empresa iniciou-se, após a realização da sua primeira Assembleiageral, que ocorreu no dia 25 de Outubro de 2001, tendo o Contrato de Concessão e os Contratos de Fornecimento de Água e de Recolha das Águas Residuais com os Municípios aderentes, sido assinados no dia 26 desse mesmo mês. A AdTMAD encontra-se inserida na Unidade de Negócio Águas Produção e Depuração (UNA-PD) do Grupo AdP. Pagina 7

14 Ilustração 1 Mapa do Sistema Multimunicipal de Abastecimento e Saneamento da AdTMAD O Sistema Multimunicipal de Abastecimento de Água e de Saneamento de Trás-os- Montes e Alto Douro é constituído por 29 subsistemas de abastecimento de água e 115 subsistemas de saneamento de águas residuais, envolvendo um conjunto de infraestruturas dimensionado para abastecer de água, no ano horizonte do projeto, habitantes (consumidores domésticos, incluindo residentes e flutuantes) e prestar serviços de saneamento a habitantes (incluindo residentes/domésticos, flutuantes/domésticos e industriais). A exploração do sistema de abastecimento de água e de saneamento foi iniciado em Com a entrada em operação do total de infraestruturas do Sistema, a Águas de Trásos-Montes e Alto Douro estima elevar a taxa de cobertura do abastecimento de água a 96% da população e os serviços de saneamento a cerca de 85% da população. Pagina 8

15 3.2 Organograma da empresa A estrutura da AdTMAD baseia-se num modelo organizacional conforme o organigrama aqui apresentado: Ilustração 2 Organograma da AdTMAD Para assegurar o melhor funcionamento corrente, a AdTMAD encontra-se estruturada por órgãos funcionais, conforme descrito no ponto anterior. Do ponto de vista dos níveis organizacionais e de decisão, ao momento encontram-se implementados quatro níveis: 1.º Administradores, existindo competências diferenciadas em sede de Conselho de Administração, Comissão Executiva, pelouros e a nível individual; 2.º Diretores por áreas funcionais de Engenharia, Exploração e Administrativa e Financeira, nomeados em comissão de serviço e com competências delegadas; Pagina 9

16 3.º Coordenadores de áreas funcionais, nomeados em comissão de serviço e com competências delegadas; 4.º Responsáveis de subáreas funcionais, nomeados em comissão de serviço e com competências delegadas. 3.3 Estágio Profissional Arranque da Estação de Tratamento de Águas Residuais de Vila Real De Março a Novembro de 2004 realizou-se o Estágio Profissional IEFP na Estação de Tratamento de Águas Residuais de Vila Real. A empresa Degrémont S.A. era responsável pelo arranque da instalação e foi prestado serviço a esta empresa no âmbito do estágio. Quando se iniciou o estágio, a ETAR estava concluída da fase de obra mas ainda não tinha entrado em funcionamento. Inicialmente começou-se por estudar o projeto de execução da instalação de modo a conhecer toda a rede de tubagens da fase líquida e da fase sólida (lamas), dos equipamentos com que se ia trabalhar, do processo de tratamento que se iria iniciar, assim como dos reagentes que se iam utilizar. Foi dada formação relativamente à aplicação informática utilizada para gerir a ETAR por controlo remoto. Presenciou-se a primeira receção de efluente bruto na ETAR, neste serviço as funções atribuídas foram de técnica de tratamento de águas residuais a nível operativo. Efetuou-se o acompanhamento do arranque, a condução do processo e a manutenção dos equipamentos da ETAR. Adquiriram-se alguns conhecimentos sobre a microbiologia existente em lamas ativadas, na determinação do Índice Biótico das Lamas e cálculos de tempos de retenção de efluente. Também se obteve alguma experiência no Laboratório de Análises da ETAR de Vila Real na realização de análises físico-químicas, nomeadamente na determinação dos parâmetros ph, Carência Química de Oxigénio (CQO), Carência Bioquímica de Oxigénio (CBO 5 ) e Sólidos Suspensos Totais. Pagina 10

17 Esta foi uma experiência muito enriquecedora, uma vez que se adquiriram conhecimentos com pessoas extraordinariamente competentes e muito experientes nesta área. 3.4 Área de Responsabilidade Empresarial Em Janeiro de 2005 a AdTMAD tinha intenção de implementar um Sistema de Gestão Integrado para a Qualidade, Ambiente e Segurança (SGI), com vista à certificação segundo os referenciais normativos ISO 9001:2000 (Qualidade), ISO 14001:2004 (Ambiente) e OSHAS 18009:1999 (Segurança e Saúde no Trabalho), demonstrando o empenho em se tornar uma empresa de referência no sector da indústria da água e do saneamento e ser um instrumento eficaz no desenvolvimento da região onde se insere. Foi nessa altura, findo o estágio, que se recebeu uma proposta da Administração para ingressar na altura Área da Qualidade, área responsável pelo controlo de qualidade da empresa e que seria a partir de então responsável pela implementação deste processo. Inicialmente foi uma tarefa difícil, o conhecimento unicamente teórico das normas, não permitia a implementação prática. A área teve a cooperação das Águas de Douro e Paiva, na altura já certificados nos três referenciais. Foram feitas algumas visitas às suas instalações nomeadamente à sede e à ETA de Lever, foi mostrado como geriam todo o seu sistema, a ferramenta informática de apoio ao SGI, assim como vários documentos de suporte. A AdTMAD também contratou serviços de consultadoria para os três referenciais nesta fase inicial. Em Julho de 2009 obteve-se a certificação segundo os referenciais normativos NP EN ISO 9001:2008 (Qualidade), NP EN ISO 14001:2004 (Ambiente) e OHSAS 18001:2007 (Segurança e Saúde no Trabalho) pela APCER. O Campo de aplicação do SGI é: Exploração e gestão do abastecimento de água e de saneamento em alta, que abrange: Conceção, gestão da construção, das Pagina 11

18 obras e equipamentos, bem como a exploração, reparação, renovação e manutenção das infraestruturas. O Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) é total, ou seja aplicável a todas as infraestruturas da empresa, incluindo sede e armazém, enquanto o Sistema de Gestão Ambiental (SGA) e o Sistema de Gestão da Saúde e da Segurança do Trabalho (SGS) só é aplicável às seguintes instalações: Subsistema de Abastecimento de Água de Vilar, Subsistema de Abastecimento de Água de Ranhados, Subsistema de Águas Residuais de Vila Pouca de Aguiar, Subsistema de Águas Residuais de Carrapatas e Subsistema de Águas Residuais de Alijó. Em 2012 o âmbito o do Sistema de Gestão Ambiental e do Sistema de Gestão da Saúde e da Segurança do Trabalho foi alargado às instalações: Subsistema de Abastecimento de Água de Balsemão, Subsistema de Abastecimento de Água de Azibo, Subsistema de Abastecimento de Água de Alto Rabagão, Subsistema de Abastecimento de Água de Pinhão e Subsistema de Abastecimento de Água de Sambade. O próximo passo será certificar os restantes subsistemas de água, totalizando todo o ramo da água para consumo humano, e posteriormente o ramo de saneamento. Esta certificação progressiva prende-se com o elevado investimento que é necessário nas instalações de modo a cumprir os referenciais normativos do Ambiente mas principalmente da Segurança e Saúde no Trabalho. O Sistema de Gestão Integrado da AdTMAD está definido segundo uma abordagem por processos. Esta abordagem relaciona-se diretamente com as dimensões da melhoria contínua e com a satisfação dos requisitos dos clientes, requisitos legais, regulamentares ou outros que a organização subscreva, uma vez que permite uma melhor identificação da causa de potenciais ineficácia e/ou ineficiência, medidas através da capacidade desses mesmos processos garantirem a satisfação dos objetivos e metas estabelecidas. Pagina 12

19 Os Processos definidos estão estruturados em três níveis diferentes: Processos de Gestão; Processos de Cadeia de Valor; Processos de Suporte. A Matriz dos Processos é a seguinte: Ilustração 3 Diagrama de Processos do Sistema de Gestão Integrado da AdTMAD Na execução do trabalho no âmbito da Área da Responsabilidade Empresarial foram atribuídas as seguintes funções: Participação na criação, atualização e manutenção do cumprimento dos procedimentos que se apresentem necessários para a manutenção da certificação da Pagina 13

20 empresa nas normas relativas a Qualidade, Ambiente e Higiene e Segurança e promover a melhoria contínua dos processos, do produto e do serviço prestado. Contribuição na identificação e controlo dos requisitos legais e informação normativa aplicável à empresa. A empresa tem contratado um serviço de atualização mensal dos diplomas vigentes, todos os meses é rececionado um relatório com toda a legislação que saiu no âmbito dos capítulos que são subscritos: Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho, Qualidade, Responsabilidade Social e Energia. Tem-se a responsabilidade pela verificação da aplicabilidade da legislação no âmbito do Ambiente, analisam-se se os diplomas são aplicáveis à empresa e se sim faz-se a análise da sua aplicabilidade, ou seja, definir ações que a empresa tem de tomar para cumprir o respetivo diploma. Algumas das áreas pelas quais se tem essa responsabilidade são: resíduos, ruído e qualidade do ar. A Legislação é depois gerida por uma aplicação informática, que permite a gestão eletrónica da legislação nacional e comunitária. Esta aplicação permite manter atualizada a base de dados legal, inserir notas e resumos personalizados, assim como definir a aplicabilidade, relevância e interesse de cada diploma. A legislação fica imediatamente disponível a todos os colaboradores da empresa, via intranet. Ilustração 4 Aplicação informática de apoio à gestão da Legislação Pagina 14

21 Foi atribuída a responsabilidade de gerir o processo de manutenção das normas relacionadas com o Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9001), do Ambiente (ISO ) e da Higiene, Segurança e Saúde (OHSAS 18001) da empresa. Tem que se comprar, arquivar e manter uma base de dados atualizada com todas as normas que a empresa dispõe. Tem-se também a responsabilidade pelo cálculo de alguns indicadores e objetivos da Qualidade e Ambiente, quer para o desempenho do processo de Gestão do Sistema de Responsabilidade Empresarial e Sustentabilidade do SGI, assim como para o Relatório de Sustentabilidade da AdTMAD, do Relatório de Sustentabilidade da AdP e indicadores que são exigidos pela ERSAR, como entidade que regula a AdTMAD. Foi atribuída a função de monitorizar os consumos da empresa nomeadamente consumo de papel e consumo de combustível. Colaboração na condução do processo de Identificação dos Aspetos Ambientais e na elaboração das respetivas Matrizes de Avaliação de Aspetos Ambientais e Modos de Controlo. A identificação e avaliação dos aspetos e impactes ambientais da AdTMAD constitui o primeiro passo na fase de planeamento da componente ambiental do Sistema de Responsabilidade Empresarial. Este processo resulta no conhecimento permanente e atualizado das atividades, produtos e serviços nas instalações no âmbito da ISO 14001:2004 e que a AdTMAD pode controlar e influenciar. Os aspetos ambientais são avaliados tendo por base a avaliação do risco de impacte ambiental e a consideração das condições de controlo existentes, obtendo-se assim o Grau de Impacte Ambiental. Numa segunda fase avaliam-se os impactes ambientais originados pelos aspetos ambientais, de forma a classificá-los em significativos ou não significativos, sendo esta avaliação efetuada para cada aspeto ambiental e impacte ambiental. Os critérios Severidade e Frequência traduzem o risco de ocorrência do impacte ambiental, e o critério Condições de controlo pretende traduzir o controlo existente para reduzir/evitar o potencial impacte ambiental. Os aspetos ambientais que derem significativos são depois tidos em consideração no estabelecimento, implementação e manutenção do Sistema de Responsabilidade Empresarial, podendo haver lugar à definição de objetivos e metas com vista à sua minimização/eliminação. Pagina 15

22 Relatório de Atividade Profissional Ilustração 5 Diagrama de Identificação e Avaliação dos Aspetos Ambientais Novembro 2012 Pagina 16

23 Relatório de Atividade Profissional Foi atribuída a responsabilidade por compilar e analisar todos os elementos relativos aos resíduos produzidos pela AdTMAD. Os resíduos produzidos dividem-se em duas categorias: os chamados Resíduos de Subprodutos, que são aqueles resultantes diretamente do tratamento da água e do tratamento das águas residuais nomeadamente gradados, areias, gorduras e lamas, e os restantes resíduos resultantes das atividades de escritório e de manutenção das instalações: papel e cartão, óleos usados, sucata, material elétrico, resíduos químicos, etc. A AdTMAD tem contratado o serviço de recolha, tratamento e destino final de todos os resíduos produzidos no desenvolvimento da sua atividade, os subprodutos são da responsabilidade da Área de Exploração, os restantes resíduos são da responsabilidade da ARE. Tem-se a responsabilidade pela gestão do contrato da empresa que presta o serviço e pela definição das especificações/requisitos para a aquisição de produtos e/ou serviços de gestão de recolha, transporte e tratamento de resíduos, tem-se também a função de avaliar anualmente estes fornecedores. Outra das responsabilidades é a manutenção do parque de resíduos, garantindo o armazenamento em local e condições apropriadas. Foi também atribuída a responsabilidade pelo controlo de todas as Guias de Acompanhamento de Resíduos (GAR). Sempre que há um transporte de resíduos (quer sejam subprodutos quer sejam outros resíduos) as áreas responsáveis por esses resíduos têm de fazer chegar uma cópia da GAR à ARE, controlando o prazo dos 30 dias imposto por lei para se receber a cópia da Guia totalmente preenchida pelo destinatário. Desenvolveu-se uma base de dados de modo a ter-se um controlo atual e permanente da produção de resíduos. Foi atribuída a função de compilar toda a informação relativa à produção de resíduos da empresa e a responsabilidade pelo carregamento anual dos dados no portal do Sistema Integrado de Registo da Agência Portuguesa do Ambiente (SIRAPA), cumprindo o art.º 48.º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro. Outubro 2012 Pagina 17

24 Ilustração 6 Portal da APA para registo da produção de resíduos - SIRAPA Contribuição para o cumprimento do Plano Anual de Simulacros no âmbito de Ambiente, teve-se contributo no planeamento e no desenrolar dos seguintes simulacros: Março de 2009 no armazém da AdTMAD, derrame de óleo aquando da retirada do bidão pelo empilhador; Junho de 2010 na Estação de Tratamento de Água do Pinhão, derrame de reagente líquido; Dezembro de 2010 na Barragem de Sambade, contaminação por descarga acidental ou intencional da água bruta da albufeira; Abril de 2011 na Estação de Tratamento de Água Residuais de Vila Real, inundação súbita causada por precipitação intensa; Abril 2012 na Estação de Tratamento de Água de Vilar, fuga de Oxigénio líquido durante a trasfega de reagente Outra das funções mais importantes é a preparação, execução e acompanhamento das Auditorias Internas, Internas por entidade externa e Internas da responsabilidade da ARE, e das Auditorias Externas ao SGI pela Entidade certificadora. As Auditorias Pagina 18

25 Internas da responsabilidade da ARE são na maioria das vezes às instalações, ETA s e ETAR s, de modo a verificar no terreno o cumprimento dos requisitos normativos, legais e contratuais. Estas visitas, fazem-se várias vezes ao ano, são acompanhadas por uma técnica de higiene e segurança, aproveitando-se para verificar se existem alterações aos processos de tratamento da água ou água residual que façam rever o Levantamento dos Aspetos Ambientais e os Perigos e Riscos de Segurança e Saúde. No final de cada auditoria é realizado um relatório com as constatações verificadas. A AdTMAD realiza Auditorias Internas por entidades externas, pelo menos uma vez por ano, a todos os processos, com a finalidade de verificar o cumprimento dos requisitos normativos, legais e contratuais, avaliar o seu estado e contribuir para a melhoria contínua dos processos. As Auditorias Externas são realizadas pela entidade certificadora. Já foi feito o acompanhamento das seguintes auditorias: Abril de 2009, pela APCER, Auditora de Concessão 1.ª fase, teve duração de 2 dias Julho de 2009, pela APCER, Auditora de Concessão 2.ª fase, teve duração de 4 dias Dezembro de 2009, pela All Vision, Auditora Interna, teve duração de 6 dias Maio de 2010, pela XZ Consultores, S.A., Auditora Interna, teve duração de 5 dias/auditor Dezembro de 2010, pela XZ Consultores, S.A, Auditora Interna, teve duração de 5 dias/auditor Maio de 2011, pela XZ Consultores, S.A, Auditora Interna, teve duração de 6 dias/auditor Junho de 2011, pela APCER, Auditora de Acompanhamento, teve duração de 1,5 dias Maio de 2012, pelo Instituto Eletrónico Português, IEP, Auditora Interna, teve duração de 6 dias/auditor Pagina 19

26 Julho de 2012, pela APCER, Auditora de Renovação de Certificação, teve duração de 1,5 dia (não assisti devido a estar de licença de maternidade, mas preparei toda a documentação necessária). Outra das funções é a cooperação na gestão das não conformidades. Sempre que não se cumpra um requisito legal ou normativo, bem como qualquer desvio de normas, procedimentos, regulamentos, etc., que possa conduzir direta ou indiretamente a ferimentos, a danos para a propriedade, para o ambiente ou a uma combinação destes, é registada uma Não Conformidade (NC). As NC podem ser detetadas por qualquer colaborador da AdTMAD mas têm que ser sempre comunicadas à ARE e podem ter variadas origens: Não Conformidade da Qualidade da Água, Não Conformidade da Qualidade das Águas Residuais, Não conformidades de Segurança, Não conformidades de Ambiente, Não conformidade ao Requisitos do Sistema de Responsabilidade Empresarial, Não conformidades de Auditorias, Inspeções, Reclamações e Ocorrência; etc. Compete à ARE apoiar as áreas/direções na identificação das causas que estiveram na origem de NC, assim como acompanhar e analisar periodicamente (mensalmente) a implementação das ações propostas. Auxilio na elaboração, implementação e acompanhamento do Plano de Gestão de Ambiente e Segurança (PGAS), os Planos de Ação e os Planos de Monitorização e Controlo. Foi atribuída também a função de contribuir para a realização do orçamento definido. Contribuição na promoção da melhoria do Sistema de Gestão Integrado. Pagina 20

27 3.5 Área de Controlo de Qualidade Paralelamente ao trabalho na Área de Responsabilidade Empresarial também são desempenhadas funções na Área de Controlo de Qualidade. Quando se iniciou funções na empresa em 2005, a Área da Qualidade, que era responsável pelo controlo de qualidade da empresa, quer da água para consumo humano quer da água residual, assumiu as funções de iniciar o processo com vista à certificação. Posteriormente em 2006 a área dividiu-se em duas: Área de Controlo de Qualidade e Área da Responsabilidade Empresarial, e manteve-se com funções das duas Áreas. Na execução do trabalho no âmbito da Área do Controlo de Qualidade foram atribuídas diversas funções, nomeadamente: Contribuição para a elaboração e monitorização dos Planos de Controlo Qualidade Água para consumo humano (PCQA) garantindo o cumprimento da legislação em vigor. Estes Programas são elaborados aquando do arranque das Infraestruturas e são revistos anualmente, nos casos em que as novas infraestruturas possam ser integradas num PCQA já existente proceder-se-á apenas à revisão desse documento. Na elaboração/revisão dos Programas para além da ACQ participam o Diretor de Exploração e os Coordenadores de Operação. Nestes Programas, registam-se os Pontos de Amostragem, as datas de colheita, os parâmetros a determinar, o número mínimo de análises a realizar, as frequências de controlo, etc. O Programa é submetido à aprovação pela Administração, depois de ser aprovado a ACQ é responsável pelo pedido de propostas para a seleção dos laboratórios que irão executar as análises. O PCQA é depois introduzido no portal da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR) até ao dia 15 de Setembro do ano antecedente ao ano a que corresponde o plano, ficando à aprovação desta entidade. Se o ERSAR aprovar, a ACQ é responsável por enviar o PCQA aos clientes (municípios). Contribuição para a elaboração e monitorização dos Planos de Controlo Qualidade de Águas Residuais (PCQAR). Estes Planos incluem os Pontos de Amostragem, datas de colheitas, parâmetros, número mínimo de análises a realizar e frequências de controlo. Tal como o PCQA, estes planos são elaborados aquando do arranque das Infraestruturas, são revistos anualmente, submetidos à aprovação pela Administração, Pagina 21

28 não precisam da aprovação da entidade reguladora, a ACQ pede propostas para a seleção dos laboratórios que irão executar as análises e finalmente são enviados aos clientes. A AdTMAD possui uma base de dados interna para a gestão dos resultados analíticos da qualidade da água e das águas residuais, tem-se a responsabilidade pela introdução do PCQA e do PCQAR nesta base de dados, ficando depois disponíveis a todos os colaboradores. Outra função atribuída é de manter atualizado todo o registo dos resultados, assim como o controlo e arquivo de boletins. Contribuição nas relações com os laboratórios externos no que se refere a análises do processo de tratamento e distribuição de água, assim como no processo de tratamento e rejeição de águas residuais. Assim como assegurar, no que se refere à qualidade da água e de águas residuais, o relacionamento com entidades fiscalizadoras ou reguladoras (ex. ERSAR, CCDR-N) e contactos periódicos com os clientes. Responsabilidade pela elaboração e envio dos relatórios trimestrais de controlo de qualidade da água e controlo de qualidade de águas residuais aos Municípios aderentes conforme legislação em vigor. Outra função atribuída é a de compilar os caudais mensais de águas residuais para envio à Autoridade de Recursos Hídricos (ARH), assim como pelo envio trimestral de cópia dos boletins analíticos. Responsabilidade por assegurar a verificação das faturas do controlo de qualidade da água e controlo de qualidade de águas residuais assim como o seu tratamento na aplicação informática SAP. As licenças de descarga exigem que sempre que ocorram acidentes ou situações anómalas no funcionamento das ETAR s seja comunicado à ARH no prazo máximo de 24 horas, tem-se a responsabilidade de enviar estas comunicações. Contributo para a monitorização das ações corretivas e preventivas relacionadas com as não conformidades da qualidade da água e das águas residuais. Sempre que se verifique uma situação de Incumprimento de um Valor Paramétrico da água para consumo humano, a Área de Controlo de Qualidade (ACQ) tem de registar a Não Conformidades de Qualidade da Água (NCQA) no sistema informático de apoio, assim como verificar a eficácia das ações propostas pela Operação. Tem-se também a Pagina 22

29 obrigação de enviar o Modelo de Notificação (Notificação I) via fax à Entidade Gestora em Baixa e Autoridade de Saúde e registar o incumprimento no portal da ERSAR. Ilustração 7 Ferramenta Informática de apoio à gestão das Não Conformidades da Qualidade da Água Até ao 5º dia útil seguinte ao encerramento do processo, a ACQ deverá enviar às entidades competentes uma nova Notificação (modelo de Notificação II), seguindo os mesmos trâmites da anterior notificação. Como entidades competentes entende-se a Entidade Reguladora de Serviço de Águas e Resíduos (ERSAR), as Entidades Gestoras em Baixa (EGBaixa) e as Autoridades de Saúde (normalmente Delegações de Saúde). Nesta notificação II já constam a análise de causa que levou à respetiva violação do Parâmetro e as medidas corretivas tomadas para restabelecer a qualidade da água. Sempre que se verifique uma situação de violação da Licença de Descarga, tal como na água para consumo, a ACQ deverá fazer o registo da Não Conformidade de Qualidade da Água Residual (NCQAR) no sistema informático, assim como verificação da eficácia das ações propostas pela Operação. Pagina 23

30 4. CONCLUSÃO Considera-se que o trabalho executado ao longo destes nove anos foi muito importante na preparação para a vida, tanto pessoal como profissional. Quando se acaba o curso não se imagina qual será a realidade que se aguarda, não se sabe até que ponto os conhecimentos adquiridos na universidade poderiam, ou não, ser importantes para realizar um bom trabalho no mundo laboral. Quando se começou a trabalhar na empresa Águas de Trás-os-montes e Alto Douro os conhecimentos que tinham sido transmitidos na Universidade foram bastante úteis, porque forneceram vantagem na área de tratamento de águas e águas residuais. Em relação aos conhecimentos técnicos, específicos no âmbito da certificação, crê-se que não estava muito preparada porque no curso as normas são abordadas unicamente na teoria. A responsabilidade de implementação das normas da Qualidade, Ambiente e Segurança com vista à certificação nestes referenciais na empresa constituiu um forte desafio profissional, na medida em que exigiu o desenvolvimento máximo das competências de organização, bem como das competências sociais, nomeadamente a capacidade de relacionamento e comunicação. Foi absolutamente necessário o trabalho em equipa para envolver todos os recursos humanos da empresa e aplicar algumas competências como empatia, motivação e habilidades sociais para construir confiança, criar um sentido de otimismo e compromisso organizacional e conduzir à mudança com resultados positivos. Considera-se que, por todo o trabalho realizado ao longo de quase uma década na Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro, pela disponibilidade, o contributo para a melhoria contínua da empresa e a vontade de atualização dos conhecimentos, o desempenho profissional foi positivo. Pagina 24

31 5. BIBLIOGRAFIA Instrução de Trabalho Programa de Controlo de Qualidade da Água da AdTMAD Instrução de Trabalho Programa de Controlo de Qualidade da Água Residual da AdTMAD Manual de Acolhimento da AdTMAD Manual do Sistema de Gestão Integrado da AdTMAD NP EN ISO 14001:2004 Sistemas de gestão ambiental. Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização NP EN ISO 19011:2012 Linhas de orientação para auditorias a sistemas de gestão NP EN ISO 9000:2005 Sistemas de gestão da qualidade. Fundamentos e vocabulário NP EN ISO 9001:2000 Sistemas de gestão da qualidade. Requisitos Procedimento de Auditorias da AdTMAD Procedimento de Controlo de Qualidade Produto Não Conforme da AdTMAD Procedimento Gestão de Não Conformidades da AdTMAD Procedimento Metodologia para a Identificação e Avaliação da Significância dos Aspetos Ambientais da AdTMAD Pagina 25

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade

Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade Referente ao período de janeiro a dezembro de 2014 Município de Terras de Bouro Elaborado em 29 de janeiro de 2015 janeiro de 2013 MUNICÍPIO DE

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar. [Sistema de Gestão da Qualidade]

Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar. [Sistema de Gestão da Qualidade] Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar [Sistema de Gestão da Qualidade] Relatório da Auditoria 12 de junho de 2015 1 1. INTRODUÇÃO, ÂMBITO E OBJETIVO DA AUDITORIA A Auditoria realizada ao Sistema de

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Regulamento de Admissão de Resíduos na. Unidade de Valorização de Correntes de Resíduos de Gorduras Ácidas. da ENC Bioenergy, Lda

Regulamento de Admissão de Resíduos na. Unidade de Valorização de Correntes de Resíduos de Gorduras Ácidas. da ENC Bioenergy, Lda Regulamento de Admissão de Resíduos na Unidade de Valorização de Correntes de Resíduos de Gorduras Ácidas da ENC Bioenergy, Lda UVCRGA Rua Carva-Penedo, 4520-503, Sanfins, S.ªM.ª da Feira Portugal T (+351)

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL 1. INTRODUÇÃO Este regulamento: Descreve os requisitos referentes à Certificação de Pessoas da SGS ICS; Complementa o documento PTD6850 - Processo de Certificação

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Pág. 1 5 Designação legal da Organização: Municipio do Sátão. Instalações auditadas: Paços do Concelho, na Praça Paulo VI, Oficina e Armazém na Zona Industrial e Obra (Bem ou serviço nº 525) "valetas em

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO QUALIFICAÇÃO COMO GESTOR GERAL DA QUALIDADE DE EMPREENDIMENTOS DA CONSTRUÇÃO INSTRUÇÕES DE CANDIDATURA 1. DESTINATÁRIOS A Marca de

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal

MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO SGQ IDENTIFICAÇÃO Titulo: - Código: SGQ_2600204_ManualGestao Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da Campo de aplicação: Documentos de referência: NP EN ISO 9001:2008 Página

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

AEP/APCER FORMAÇÃO 2º SEMESTRE 2004

AEP/APCER FORMAÇÃO 2º SEMESTRE 2004 Ed. de Serviços da Exponor, 2º Av. Dr. António Macedo 4450 617 Leça da Palmeira t: 22 999 36 00 f: 22 999 36 01 e-mail: info@apcer.pt www.apcer.pt Formação Empresa 4450-617 Leça da Palmeira t: 22 998 1753

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS I. Compromisso ético A Autarquia da Batalha vincula-se a um Compromisso Ético de assegurar a gestão operacional e

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

Brainnovation ciclo de workshops Formador: Pedro Paiva

Brainnovation ciclo de workshops Formador: Pedro Paiva Formador: Pedro Paiva Ciclo de Criatividade: A Inovação é fundamental no mundo empresarial e nas vidas de todos nós, pois está associada à resolução de problemas e desafios, criando valor para as organizações

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - SIADAP - ANO DE 2015 MISSÃO E OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÃNICAS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, PARA O ANO DE 2015 DIVISÃO ECONÓMICA

Leia mais

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social O Conselho de Ação Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, atento à

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO Elaborado por: Carla Latas nº 3501 Rui Soares nº 3508 Ana Lopes nº 3512 Coimbra, 02 de Junho de 2005.

Leia mais

REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO

REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO ACORDO DE PARCERIA ENTRE A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA E A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA E A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho Patrícia Serra 1 Objetivos das Auditorias ao SGSST Verificar se o SG cumpre eficazmente a política, os objetivos e metas definidos pela organização

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública www.apcer.pt Hélder Estradas 4 de Novembro de 2005 QUEM SOMOS Constituída em Abril de 1996 (IPQ, AIPortuguesa AIPortuense, actual

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos Elaborado por GQ: Aprovado Por: Cópia Controlada Nº Cópia Não Controlada Revisão Data Descrição Alteração 0 2004/11/30 Emissão 1 21-06-2008 Revisão Geral 2 08-01-2009 Revisão Geral 3 13-10-2010 Revisão

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Comerciante/Corretor Versão 2: 08 de julho de 2014 Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Índice 1. Enquadramento legislativo e pressupostos... 1 1.1 Pressupostos

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria MANUAL DO CURSO ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTORES FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA DO CURSO AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL E CONTEÚDOS MULTIMÉDIA PORTAL ORDEM

Leia mais

Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS

Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS AGENDA 1. A EPAL 2. Situação da EPAL e Estratégia Adotada 3. Sistema de

Leia mais

MANUAL DE Gestão da. Qualidade

MANUAL DE Gestão da. Qualidade MANUAL DE Gestão da Qualidade Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia de S. Sebastião ADCS Aldeia de S. Sebastião, Largo da Igreja nº6 6355-041 Aldeia

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA Lisboa, 18 de julho de 2014 Cláudia Brandão APA Missão Propor, desenvolver e acompanhar a gestão

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

ÍNDICE [Resumido] 2.Implementação do Sistema de Gestão Ambiental Introdução

ÍNDICE [Resumido] 2.Implementação do Sistema de Gestão Ambiental Introdução CONTEÚDOS Este livro escrito em parceria por 9 co-autores, de entre académicos e profissionais de engenharia, fornece uma ajuda preciosa na aquisição de conhecimentos e de competências, tidas como necessárias

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO 8 PRINCÍPIOS DA QUALIDADE Focalização no cliente Relações com fornecedores mutuamente benéficas Liderança Decisão baseada em factos Princípios da Qualidade

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL Departamento de Estatística do Banco de Portugal 2013 I INTRODUÇÃO Os principais referenciais sobre a qualidade estatística 1 identificam a importância

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Gestão da Qualidade Gestão de auditorias internas 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Linhas de orientação para auditorias a sistema de gestão da qualidade e/ou gestão

Leia mais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Enquadramento A base do conhecimento de qualquer sistema de abastecimento de água e

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pág. nº 1/5 1. OBJETIVO Este documento tem como objetivo descrever as regras relativas à Gestão de esíduos, de modo a garantir: Sempre que possível a edução, eutilização, ecuperação e a eciclagem de resíduos;

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Política de Gestão de Risco de Fraude

Política de Gestão de Risco de Fraude Política de Gestão de Risco de Fraude Versão: 1.0-2015 Alterada: 2 de junho de 2015 Aprovado por: Conselho de Administração Data: 3 de junho de 2015 Preparado por: Conselho de Administração Data: 2 de

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS O setor de serviços de águas compreende: as atividades de abastecimento de água às populações urbanas e rurais e às atividades

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA Rua da Artilharia 1, n.º 21, 4.º andar 1269-003 LISBOA Telefones: 213 703 990 213 703 900 Fax 213 874 770 E-mail depspriv@psp.pt M 40.1 - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG Página 1 de 16 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 4 5.1 ENQUADRAMENTO... 4 5.2 OBRIGAÇÕES DA EDPR-PT...

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

MQ-06-TM. Estrutura e Âmbito do SGQ

MQ-06-TM. Estrutura e Âmbito do SGQ Objetivo e Âmbito da Atividade O Manual da Qualidade define os princípios e os meios adotados para assegurar a qualidade adequada aos serviços fornecidos pelo Programa de Telemedicina da ARSA. O âmbito

Leia mais

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal A Evolução dos Serviços de Água em Portugal AcquaLifeExpo Lisboa, 22-25 de Março de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209 LISBOA - PORTUGAL www.ersar.pt Tel.:

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais