ARMANDO AUGUSTO MARTINS CAMPOS MODELO ESTRATÉGICO DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARMANDO AUGUSTO MARTINS CAMPOS MODELO ESTRATÉGICO DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO"

Transcrição

1 ARMANDO AUGUSTO MARTINS CAMPOS MODELO ESTRATÉGICO DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Sistemas de Gestão da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para obtenção do Grau de Mestre em Sistemas de Gestão. Área de concentração: Sistema de Gestão em Segurança no Trabalho. Orientador: Gílson Brito Alves Lima, D.Sc. Niterói 2004

2 ARMANDO AUGUSTO MARTINS CAMPOS MODELO ESTRATÉGICO DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Sistemas de Gestão da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para obtenção do Grau de Mestre em Sistemas de Gestão. Área de concentração: Sistema de Gestão em Segurança no Trabalho. BANCA EXAMINADORA Prof. Gílson Brito Alves de Lima, D. Sc. Universidade Federal Fluminense Prof. Fernando Toledo Ferraz, D. Sc. Universidade Federal Fluminense Profa. Maria Egle, D. Sc. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

3 Dedico este trabalho A Deus pela minha vida e minha fé A semente de tudo, o meu Pai (in memorian), que é eterno em mim. À minha mãe que me protege nesta vida e que me disse ser possível chegar até aqui, e as minhas irmãs Socorro e Célia que não medem esforços em me ver feliz. Ao meu Tio Adolpho que é um segundo pai, fundamental para que eu fosse até o fim nesta caminhada. Ao meu filho Daniel, meu tudinho, meu amor. A Wirna e ao Jorginho que me alegram nesta vida A Ruth Montenegro minha esposa, que suportou minha ansiedade, minhas reclamações, e que com seu carinho e seus toques tem me feito um homem melhor.

4 AGRADECIMENTOS A Gílson Brito Alves de Lima, meu orientador e aliado, que confiou em mim. Ao Engenheiro Francisco Alves da CETREL que foi o grande facilitador deste estudo. Aos amigos Aguinaldo Bizzo, Sérgio Gianneto, Marcelo Kós Silveira Campos, Antonio Carlos de Souza, José Rodrigues, Milton Perez, Roberto Pinto,Alexandre Gusmão, Líria Pereira, que me incentivaram a ir em frente A F. Gulin que apostou nesta idéia e assinou o Contrato. Aos meus professores do Mestrado da Universidade Federal Fluminense, do LATEC Laboratório de Tecnologia, Gestão de Negócios e Meio Ambiente que tornaram mais fácil esta caminhada Aos meus colegas de Mestrado que construíram uma bela família e quase não vi o tempo passar. Aquelas pessoas aqui não citadas, mas que fizeram parte do meu aprendizado.

5 RESUMO Este estudo tem por objetivo discutir se os requisitos para certificação de um sistema de gestão de segurança e saúde ocupacional são suficientes para atender as reais necessidades de uma organização, bem como propor um modelo alternativo estratégico para esta gestão. Para isto foram analisados requisitos de outros sistemas de gestão de segurança e saúde reconhecidos e de ferramentas que associem e comuniquem medidas estratégicas. Neste aspecto é apresentado um estudo de caso de uma empresa de Proteção Ambiental, que permite verificar a aplicação e o enfoque dado à um Sistema com base na Série de Avaliação de Segurança e Saúde Ocupacional - OHSAS 18001, as boas práticas, um grau de disseminação e continuidade sistêmica. Como aspectos conclusivos estão o de que as necessidades reais precisam de outras referências, sem que isto implique em se desviar do escopo original. Em relação ao modelo estratégico proposto, a estrutura apresentada é sistêmica de suporte aos requisitos de gestão, buscando a visualização das estratégias usadas, com o desdobramento de suas ações gerenciais na abordagem macro ambiental dos mapas estratégicos.

6 ABSTRACT This study intends to discuss whether the requirements for the certification of a health and safety management system under the OHSAS are enough to meet the real needs of an organiization, as well as to propose an alternative to this way of management. To do this, requirements from other well known health and safety management systems were studied together with tools that are related to and communicate strategic measures. A case study of a company from the environmental protection sector is presented, making it possible to assess the aplication and the focus given to a system based on the OHSAS standard series for health and safety evaluation, good management practices, a good level of safety culture dissimination and systemic continuity. It is possible to conclude from the study that the organization s real needs should be complemented with other references, without loosing sight of the original scope. The proposed strategic system has a structure that supports the implementation of the referenced standard s requirements, allowing for the understanding of the strategies used, deploying the management actions into strategy maps.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Pressões para a prática de SSO nas empresas 26 Figura 2 Objetivo do sistema de gestão 35 Figura 3 O processo interativo para gestão do risco. 38 Figura 4 Utilizando o Balanced Scorecard como uma estrutura estratégica para a ação. 40 Figura 5 Mapa Estratégico 41 Figura 6 Elementos da BS Figura 7 Elementos da Norma UNE Figura 8 Norma UNE Figura 9 Elementos da OHSAS Figura 10 Elementos das Diretrizes ILO OSH 59 Figura 11 Fluxo da pesquisa 65 Figura 12 Organograma da CETREL 67 Figura 13 Visão Empresarial da CETREL 68 Figura 14 Modelo de Gestão de Segurança, Higiene e Saúde Ocupacional da CETREL 85 Figura 15 Etapas de Avaliação de Riscos 95 Figura 16 Sistemática de Certificação do PCH 103 Figura 17 Sistemática de questionamento das partes interessadas: Meio Ambiente e SSO 106 Figura 18 Atividades/ Ações do Sistema Integrado de Gestão 123 Figura 19 Teia de perigos 130 Figura 20 Controles da UNE Figura 21 Modelo Proposto para o Mapa Estratégico do Sistema de Gestão de SSO 144

8 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Leis de Segurança e Saúde no mundo 17 Quadro 2 Leis de Segurança e Saúde no Brasil 18 Quadro 3 Empresas Certificadas OHSAS Quadro 4 Evolução da SST no Brasil 22 Quadro 5 Relacionamento das hipóteses com as questões - chave 30 Quadro 6 Estágios do Atuação Responsável 44 Quadro 7 Requisitos para Indústria Química 45 Quadro 8 Série de Normas UNE Quadro 9 Norma UNE Quadro 10 Normas da Série UNE Quadro 11 AS Quadro 12 CETREL: Sistemas de Proteção Ambiental 69 Quadro 13 Referências de Pólos Petroquímicos Integrados 70 Quadro 14 Composição Acionária CETREL 71 Quadro 15 Necessidade dos Clientes CETREL 78 Quadro 16 Política de Segurança e Saúde Ocupacional da CETREL 89 Quadro 17 Missão da CETREL 91 Quadro 18 Visão da CETREL 91 Quadro 19 Princípios Éticos da CETREL 91 Quadro 20 Crenças e Valores da CETREL 92 Quadro 21 Grau de disseminação e continuidade da Política de SSO da CETREL 93 Quadro 22 Ciclo de Controle e Aprendizado da Política de SSO da CETREL 94 Quadro 23 Matriz de identificação de Perigos/Análise de Riscos 96 Quadro 24 Verificação e Cumprimento da Liquidação de SSO 98 Quadro 25 Documentos/Procedimentos Corporativos SSO 100 Quadro 26 Matriz de Responsabilidades e Autoridades 101 Quadro 27 Documentação do Sistema de Gestão, Segurança, Higiene e Saúde Ocupacional 108 Quadro 28 Procedimentos em Situações Emergências 112 Quadro 29 Ação para Identificação de Perigo 129 Quadro 30 Conteúdo para formação de auditores de SST 137 Quadro 31 Interfaces das Normas de Gestão de Segurança e Saúde 139

9 LISTA DE ABREVIATURAS ABIQUIM ABNT ABPA ACGIH AENOR ASQ BS BSI BVQI CID CIPA CLT COELBA COFIC CSN CST DDS EPC EPI ETE EX FISPQ IBAMA IGSSO IN INMETRO INSS ISO JIPM NBR NC NR OHSAS OIT PAE PCA Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira de Normas Técnicas Associação Brasileira para Prevenção de Acidentes American Conference of Governmental Industrial Higienysts Asociación Española de Normalización y Certificación Assessoria da Qualidade British Standard British Standards Institution BVQI do Brasil Sociedade Certificadora Ltda Classificação Internacional de Doenças Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Consolidação das Leis do Trabalho Companhia de Energia Elétrica do Estado da Bahia Comitê de Fomento Industrial de Camaçari Companhia Siderúrgica Nacional Companhia Siderúrgica de Tubarão Diálogo Diário de Segurança Equipamento de Proteção Coletiva Equipamento de Proteção Individual Estação de Tratamento de Efluentes Experimental Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos Instituto Brasileiro do Meio Ambiente Índice de Gestão de Segurança, Higiene e Saúde Ocupacional Instrução Normativa Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Instituto Nacional do Seguro Social International Organization for Standardization Japan Institute of Plant Maintenance Norma Brasileira Não-conformidades Norma Regulamentadora Occupational Health and Safety Assessement Series Organização Internacional do Trabalho Programa de Atendimento a Emergências Programa de Conservação Auditiva

10 PCEP PCH PCMSO PDCA PNQ PPR PPRA RAIS RH SAI SGA SGI SIG SGQ SGSSO SGSST SINDAE SSO SST TLV TPM UNE Programa de Controle de Energia Perigosa Plano de Carreira por Habilidades e Competências Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Planejar Executar Checar - Atuar Prêmio Nacional da Qualidade Programa de Proteção Respiratória Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Relatório Anual de Informações Sociais Recursos Humanos Social Accountability International Sistema de Gestão Ambiental Time de Gerenciamento da Informação Sistema Integrado de Gestão Sistema de Gestão De Qualidade Sistema de Gestão de Segurança, Higiene e Saúde Ocupacional Sistema de Gestão Segurança e Saúde no Trabalho Sindicato de Águas e Esgotos do Estado da Bahia Segurança e Saúde Ocupacional Segurança e Saúde no Trabalho Threshold Limit Values Gerenciamento da Produtividade Total União Européia

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO O PROBLEMA DA PESQUISA SITUAÇÃO PROBLEMA OBJETIVO DO ESTUDO Objetivo Geral Objetivos Específicos DELIMITAÇÃO DO ESTUDO IMPORTÂNCIA DO ESTUDO QUESTÕES DA PESQUISA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO 31 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ASPECTOS DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO Definição de Sistema Gestão de segurança e saúde ocupacional ADMINISTRAÇÃO ESTRATÈGICA SISTEMAS DE GESTÃO Atuação responsável - ABIQUIM BS 8.880/ Série de normas UNE / OHSAS / AS 4801:2000 Occupational Health and Safety Management Systems Specification with Guidance for Use Standards Autraslia OHSAS : Diretrizes sobre Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho ILO - OSH/ METODOLOGIA MÉTODO DE PESQUISA Adequação aos objetivos da pesquisa Seleção do estudo de caso Fluxo da pesquisa 65

12 4 ESTUDO DE CASO - MODELO DE GESTÃO: CETREL S/A CETREL S/A: PERFIL DA ORGANIZAÇÃO Descrição básica da organização Principais grupos de serviços da CETREL Localização Porte e instalações Dimensão dos sistemas Receita Bruta Composição acionária Principais mercados Perfil da força de trabalho da CETREL Tipos de clientes Requisitos especiais de segurança Principais equipamentos e instalações Principais tecnologias Principais Processos Caracterização da região onde a CETREL está instalada Infra-estrutura da região Principais Prêmios de SSO Necessidades dos clientes Relacionamentos com fornecedores Atuação aspectos relevantes Situação no ramo perante a concorrência Quantidade e tipos de concorrentes Principais estratégias e planos de ação perante a concorrência Outros aspectos importantes Principais desafios para entrada em novos mercados Alianças estratégicas Introdução de novas tecnologias Engenharia ambiental SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE OCUPACIONAL SGSSO 83

13 4.2.1 Elementos do sistema de gestão de segurança, higiene e saúde ocupacional SGSSO Diagnóstico inicial Requisitos gerais Programas legais e acordos coletivos Política de segurança e saúde ocupacional Ciclo de controle e aprendizado Planejamento Planejamento para identificação de perigos e avaliação de controles de risco Requisitos legais e outros requisitos Objetivos e metas de segurança / higiene / saúde ocupacional Programa de gestão de segurança, higiene e saúde ocupacional - PGSSO Implementação e operação Estrutura e responsabilidade Treinamento, conscientização e competência Consulta e comunicação Documentação/controle de documentos Controle operacional Preparação e atendimento a emergências Verificação e ação corretiva Monitoramento e mensuração do desempenho Acidentes, incidentes, não-conformidades e ações corretivas e preventivas Registros e gestão de registros de SSO Auditorias Análise crítica pela administração Relatório de análise crítica Implementação das oportunidades de melhorias Grau de disseminação e continuidade e ciclo de controle e aprendizado: SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO - SIG Objetivos Gerenciamento da produtividade total - TPM AVALIAÇÃO CRÍTICA DO ESTUDO DE CASO 125

14 5.1 CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O SGSSO DA CETREL ANÁLISE CRÍTICA CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA E 127 SAÚDE OCUPACIONAL Política Planejamento Identificação de perigos e avaliações de riscos Programa de gestão Gestão de mudanças Contratações Implementação e operação Controle operacional Aquisições Importância dos controles Identificação de perigos, avaliação de riscos e controle dos riscos Verificação e ação corretiva Auditoria Análise crítica DIAGNÓSTICO DO ESTUDO DE CASO CONCLUSÃO ANÁLISES CONCLUSIVAS CONSIDERAÇÕES SOBRE AS QUESTÕES FORMULADAS SUGESTÕES DE TRABALHO FUTURO 152 REFERÊNCIAS 154 GLOSSÁRIO 160

15 15 1 INTRODUÇÃO 1.1 O PROBLEMA DA PESQUISA As empresas estão organizadas ao redor de processos de produção (de bens, serviços ou ambos) procurando obter resultados que, em última instância, produzem sua sobrevivência e prosperidade. No que se refere a Sobrevivência sabemos que desde o início da década de 50 que os Consultores apontam que 80% dos problemas empresariais não poderiam ser corrigidos pela Administração Gerencial. A Administração Gerencial não opera os processos internos nem a entrada de dinheiro, isto inclui a Segurança e Saúde no Trabalho. Nas palavras do Dr. W. Edwards Deming 1, (1986 apud HARRINGTON, 1993) Eu estimo, baseado em minha experiência, que a maioria dos problemas e das possibilidades de aperfeiçoamento tem a origem no sistema (processo) numa proporção de 94% contra 6% oriundos de causas especiais. Pode-se dizer que processos são o diferencial entre empresas, pois são o âmago de qualquer organização. Além do processo principal, que pode ser, por exemplo, a linha de montagem de geladeiras, é fácil compreender que existem vários sub processos que são necessários para o bom andamento do processo principal, tais como o processo de montagem dos componentes, a pintura, compra de peças, assistência técnica, etc. A Segurança e Saúde permeia todos os processos, desde o principal até o menor sub processo. Observa-se de forma mais acurada as inúmeras atividades que podem estar contidas em um processo produtivo qualquer, permite verificar que elas, em sua maioria, para serem executadas, dependem, entre outras coisas, de pessoas, equipamentos, normas, procedimentos, registros e instruções, todas com implicações diretas sobre a Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho destas organizações. 1 W. Edwards Deming estatístico americano, especialista em Controle da Qualidade.

16 16 As atividades estão interligadas à que a procedeu e àquela que lhe sucederá no processo em questão. Assim podemos dizer, então que cada atividade é influenciada pelos resultados das atividades que a procederam e que ela, por sua vez, gera resultados que influenciam as atividades seguintes. Diante desta perspectiva fica fácil entender o conceito de clientes internos : eles são as pessoas para as quais são destinados os resultados das atividades que existem dentro de um processo que está sendo gerenciado. Assim para que possam interagir com as atividades precisam ser competentes, ou seja, terem o conhecimento, as habilidades e principalmente valores requeridos para manter a qualidade e produtividade. Sabidamente não existe processo 100% eficiente, portanto, todos podem produzir desvios, retrabalho, incidentes, acidentes que, embora não desejados, também são resultados do processo. Só que durante muito tempo a Segurança e Saúde ficou à margem deste processo, assistindo a tudo acontecer pela ausência de vários fatores, tais como, de uma legislação Segurança e Saúde; de um cliente mais ágil, mais inflexível e menos tolerante; uma ação sindical expressiva; definição de competências necessárias para a execução das atividades; proteção de máquinas; os acionistas considerarem este segmento nas suas estratégias para obter vantagens competitivas; trabalhadores com bom nível de cultura e educação; etc. Para um melhor entendimento é necessário que verifiquemos o que aconteceu no passado. Bird (1991) cita o livro Liderança em Segurança de James Findlay e de Raymond Kuhlman, para tratar da evolução das Leis oferecendo a seguinte perspectiva histórica, que mostra o desenvolvimento legal relacionado com a segurança: Lei Babilônica Na antiga Babilônia o Código de Hamurabi prescrevia castigo aos capatazes pelas lesões que sofreram os trabalhadores. Por exemplo: Se um trabalhador perdia um braço devido à descuido ou negligência do capataz, o procedimento era cortar o braço do capataz, para equiparar a perda do trabalhador A Primeira Lei de Fábricas da Inglaterra, editada em 1802, estabeleceu normas gerais sobre calefação, iluminação, ventilação e horários de trabalho. Sua finalidade principal foi deter o abuso excessivo do uso de crianças que eram levadas para trabalhar nas

17 17 Lei Inglesa Lei Alemã fábricas têxteis dos distritos. Foi um esforço pioneiro, mas foi mal interpretada e ignorada pelos administradores das fábricas, os inspetores e os juízes, devido principalmente a intervenção de pessoas influentes da época. Ao longo dos anos vieram legislações mais restritivas, em relação a riscos específicos (tais como a Lei de Explosivos de 1875) e a de riscos gerais a Lei de Segurança e Saúde de 1974) Neste país as Leis de Segurança foram influenciadas por razões políticas, para deter o aumento do comunismo na Alemanha Imperial na década de 1880, para responder a crescente insatisfação dos trabalhadores frente as condições de risco dos ambientes de trabalho. Assim o Governo introduziu a primeira Lei de compensação dos trabalhadores no mundo. Os industriais alemãs, desconfortáveis pelas ameaças dos escritos de Karl Marx, apoiaram essa Lei. Ao fazê-lo fizeram história pois foi uma das primeiras preocupações que se tem registrado por parte de executivos, no que se refere a colocar a segurança do trabalho como vital para o êxito dos negócios. Nos Estados Unidos as primeiras Leis começaram em 1887 em Massachussetts, com a criação dos Inspetores de fábricas, estabeleceram horários de trabalho, e os requisitos de proteção de máquinas. A promulgação de Leis em vários estados americanos motivou um Congresso de Lei Norte Americana Segurança em 1912, com o patrocínio da Associação de Engenheiros Elétricos, do Ferro e do Aço. Em 1913 foi criado o Conselho Nacional de Segurança, que tem contribuído significativamente na investigação e promoção da segurança. Em 1970 foi criada a Lei de Segurança e Saúde Ocupacional Em 1972 foi criada a Lei de Segurança de Produtos ao Consumidor Em 1976 foi criada a Lei de Controle de Substâncias Tóxicas Em 1977 foi criada a Lei de Segurança e Saúde de Minas Quadro 1 - Leis de Segurança e Saúde no mundo Fonte: Adaptado de Bird (1991, p. 1-4) Pelo Quadro 1 verifica-se que a evolução da legislação de SSO sempre esteve atrelada à pressões dos trabalhadores e da sociedade. A situação ao longo dos tempos foi sempre preocupante, isto está claro, na afirmação Estatísticas demonstram que os números de mortes por acidentes em 1912 eram duas vezes maiores que aqueles do ano de 1983 nos Estados Unidos e que os índices por morte relacionados com veículos eram quatro vezes maiores (BIRD, 1991, p.1 ). No Brasil a situação não é diferente, inclusive tivemos um caso típico que foi a construção, no estado do Acre, da estrada de ferro Madeira Mamoré, onde vieram trabalhadores de várias partes do mundo (árabes, russos, espanhóis, cubanos,..). Esta estrada teve os seus últimos

18 18 metros de trilho assentados em abril de 1912, seu porte só é comparável à construção do Canal do Panamá, o lado triste desta história é que dos (trinta mil) operários recrutados foram a óbito (seis mil), não é à toa que a Madeira Mamoré ganhou o apelido de Ferrovia do Diabo. Em nosso país a Industrialização começou por volta de 1930, ganhando fôlego na década de 50, onde começamos a vivenciar um grande número de acidentes, principalmente na década de 70, onde a média anual chegou a acidentes e 3604 óbitos, resultados extremamente preocupantes. Em 1919, surge a primeira Lei de Acidentes do Trabalho no Brasil, ela exige reparação em caso de moléstia contraída exclusivamente pelo exercício do trabalho. Em 1934, surge a segunda Lei de Acidentes do Trabalho no Brasil, ela reconhece como acidente do Trabalho a doença profissional atípica. Em 1944, surge a terceira Lei de Acidentes do Trabalho no Brasil, determina que as empresas com mais de 100 funcionários devem constituir uma comissão interna para representá-los, a fim de estimular o interesse pelas questões de prevenção de acidentes. Em 1967, surge a quarta Lei de Acidentes do Trabalho no Brasil, através do Decreto Lei 293, de 28 de fevereiro, que teve curta duração, porque foi totalmente revogada pela Lei 5316, de 14 de setembro. Transfere o seguro acidentes do trabalho do setor privado para a esfera específica da Previdência Social. Em 1967, surge a quinta Lei de Acidentes do Trabalho no Brasil, de número 5316, que restringiu o conceito de doença do trabalho, excluindo as doenças degenerativas e as inerentes a grupos etários. Em 1976, surge a sexta Lei de Acidentes do Trabalho no Brasil, deixando sem proteção especial contra acidentes do trabalho o empregado doméstico e os presidiários que exercem trabalho não remunerado. Além disso, a Lei identifica a doenças profissional e a doença do trabalho como expressões sinônimas, equiparando-as ao acidente do trabalho. Em 1977, surge a sétima Lei de Acidentes do Trabalho no Brasil, através da Lei 6514, de 22 de dezembro, que altera o Capítulo V do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho, relativo à Segurança e medicina do Trabalho. Em 1978, a Portaria 3.214, de 8 de junho, introduz as Normas Regulamentadoras, sendo inicialmente em número de 28, que passam a fazer parte do capítulo V do Título II da CLT. Atualmente foram introduzidas mais duas NR, a que se refere à Segurança e Saúde do Trabalho Portuário (NR ) e a Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário (NR ). Quadro 2 - Leis de Segurança e Saúde no Brasil Fonte: Adaptado de Campos (2004,,p ). Pelo Quadro 2 observa-se que no Brasil a evolução da SST foi mais demorada, existem grandes intervalos entre uma legislação e outra, sendo que a Lei surge no momento em que o país tinha elevados índices de acidentes (final da década de 70'). As estatísticas de acidentes no Brasil são informadas pelo Ministério da Previdência Social,

19 19 mais especificamente pelo Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), elas não retratam a realidade, pois muitos acidentes não são notificados e também porque não contemplam acidentes ocorridos com trabalhadores informais, servidores públicos, e de contribuintes autônomos e Cooperados. Relativamente a questão acidentária, foram registrados em 1996 cerca de acidentes de trabalho e óbitos. Foram computados nos últimos 25 anos, os números são de 30 milhões de acidentes e mais de mortes (PONTES, 1997, p. 204). Considerando que o ano de 1996, foi um marco em termos de Sistemas de Gestão de SSO, pois foram publicadas: a BS (bastante difundida no Brasil); a UNE , que serviram como referencial para diversas organizações, as estatísticas para o período estão no Quadro 3. Tabela 1 - Estatística de Acidentes no Brasil de 1970 a 2003 Acidentes Total de Anos Típico Trajeto Doenças Óbitos Acidentes Total Geral Média , , , , ,71 Fonte: Revista Proteção (2004, p.18) Podemos perceber que no Quadro 3 as estatísticas da Previdência Social tiveram uma queda significativa no período pós sistemas de gestão de SSO, só que não se pode atribuir a estes tais resultados, até porque pela pesquisa realizada na Revista Proteção no início deste ano, só 219 (duzentas e dezenove) empresas foram certificadas na OHSAS 18001, o que pode ser visto no Quadro 4, o que é muito pouco para o universo das empresas brasileiras. A linha mais direta de raciocínio é a da não emissão da CAT ou da sub-notificação de acidentes de trabalho das empresas (devido a estas duas causas o INSS está alterando a metodologia para a CID); das ações do Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade PBQP do Governo brasileiro para baixar em 40% o número de acidentes fatais até 2003; do rigor da fiscalização dos Auditores Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego e da Legislação uma vez que

20 20 neste período nas alterações das Normas Regulamentadoras foram criados vários programas (PPRA = prevenção de riscos ambientais; PCMSO = controle médico de saúde ocupacional, PCMAT = das condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção) que acabam sendo sub-sistemas de gestão de SSO. Além do que pelo dimensionamento dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT somente 1,7% (Fonte: RAIS) das empresas brasileiras possui um profissional de segurança (Técnico em Segurança do Trabalho). O número de empresas instaladas no Brasil com certificação com base na OHSAS está apresentada no Quadro 3. Item Certificadora Número de empresas 01 ABS Group Services do Brasil BVQI do Brasil DNV Det Norske Veritas Certif. Ltda FCAV Fundação Carlos Alberto Vanzolini LRQA- Lloyd s Register Q. A SGS ICS Certificadora Ltda DQS do Brasil 01 Total 219 Quadro 3 - Empresas Certificadas OHSAS Fonte: Anuário Brasileiro de Proteção (2004, p. 8) Pode-se observar no Quadro 4 que o número de empresas certificadas em Gestão de SSO não é expressivo, para o universo de empresas existentes no Brasil. Este número só não é real porque a DQS Brasil e a SGS ICS Certificadora Ltda não enviaram a relação completa das empresas que elas certificaram. Diante do exposto o que leva qualquer nação a preparar e implantar uma Legislação sobre e Segurança e Saúde no Trabalho, são: razões políticas; pressões de sindicatos e comunidades; processos de globalização, dentre outros fatores. No entanto os acidentes continuam ocorrendo em todo lugar e começa ganhar corpo no final dos anos 80, a idéia de que na na sociedade do conhecimento que se está constituindo vamos procurar ter cada vez mais informações (FIALDINI JR., 1996, p. 29).

21 21 No que se refere ao termo, Fialdini Jr diz, Informação é, às vezes, confundida com fatos, fornecimento de dados, conhecimento, inteligência, esclarecimento, argumentos, etc. Em Cibernética, informação é fator qualitativo que designa a posição de um sistema, eventualmente transmissível a outro sistema (1996, p. 29 e 30). Na realidade As empresas são criadas com base no pressuposto da continuidade; seu foco está nas operações.(kaplan apud FOSTER, 2002, p. 24). A gestão de qualquer sistema existe para a manutenção dos processos, para que eles funcionem de acordo com o que foi planejado, assim na performance podemos ter resultados melhores, mais eficientes ou resultados aquém das metas estabelecidas, neste caso identificar as variáveis que estão gerando estas distorções. A gestão possibilita uma troca expressiva de informações, de todas as etapas do processo, quanto mais refinadas e verdadeiras melhor será a vantagem obtida. Isto ampliado para as informações geradas pelas partes interessadas, que se forem de qualidade, possibilitam sinergismo para que o resultado final seja alcançado. A captação de informações dependendo de como usamos, pode nos espantar e até amedrontar, pois ela pode vir do auto-conhecimento ou de sabermos onde encontrar informações a seu respeito (conhecimento). Em termos de Segurança e Saúde a história mostra várias situações em que as informações são manipuladas e outras são verdadeiras, o que aprendemos com isto?, por que as ações só ocorrem depois de um evento não desejado?. Numa exemplificação quanto ao uso da manipulação da informação de forma unilateral, pode ser observado com o comentário de Aguayo sobre o acidente do Exxon Valdez: Depois que o Exxon Valdez encalhou e derramou milhares de litros de petróleo ao largo da Costa do Alasca, a Exxon e o país encontraram um bode expiatório já pronto no Capitão do Exxon Valdez, porque ele tinha álcool no sangue no dia após o acidente. Nós adoramos bodes expiatórios. Mas segundo minha perspectiva, o acidente se deveu a causas comuns, e estas são de responsabilidade da administração. (AGUAYO, 1993, p.164). Neste acidente ninguém comentou sobre dois pontos cruciais, primeiro do rigoroso programa de administração por objetivos, estabelecendo salário segundo o mérito e gratificações para os capitães e tripulações que pudessem reduzir o tamanho de sua tripulação. Segundo que a Exxon evitava o casco duplo em seus navios.

22 22 A partir de 1967, Frank Bird Jr. introduz o perfil do Controle de Perdas nas Companhias de Seguros Norte americanas como uma forma de gerenciar melhor a questão das perdas (danos ao patrimônio, lesões em pessoas, danos ao meio ambiente, perdas de processo), que vai permear no mundo por toda a década de 70 com algumas organizações utilizando-a até os nossos dias, inclusive no Brasil. Na Espanha a AENOR quando aborda o assunto informa que: Estudos realizados em alguns países da Europa Ocidental, indicam que o custo total dos incidentes, acidentes de trabalho, e doenças ocupacionais, se situam aproximadamente entre 5% e 10% dos benefícios brutos de todas as Empresas de um país. Entretanto os custos não segurados dos acidentes, importam entre 8 a 36 vezes os custos dos segurados. Portanto, além das razões éticas e legais, existem importantes razões econômicas para reduzir os acidentes de trabalho (apud ASOCIACIÓN 81900, 1996, p. 4). Devido a esta pressão a partir da metade da década de 90 começam a surgir os Sistemas de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho, todos voluntários e que hoje são reconhecidos a nível nacional e internacional, e que serão objeto do Capítulo 2, deste trabalho. A implementação de SGSSO permeia várias versões, uma delas é O efeito positivo resultante da introdução dos sistemas de gestão de segurança e saúde no trabalho (SST) no nível da organização, tanto a respeito da redução dos perigos e os riscos como a produtividade, é agora reconhecido pelos governos, os empregadores e os trabalhadores. (ILO OSH, 2001, p. 2). Além do que a UNE 81900, Norma Espanhola de 1996, já nasceu com o compromisso de compartilhar os mesmos princípios das normas série UNE EN ISO 9000 (qualidade) e UNE (ambiental), ou seja, complementar para alcançar os objetivos da gestão. Assim sendo podemos resumir a evolução da segurança e saúde no Brasil, no Quadro 4. PERÍODO ATUAÇÃO RESPONSABILIDADE DE NÍVEL ATITUDE DA GESTÃO Inspeção Operacional Reativa/ Corretiva Controle de Perdas Operacional Corretiva/ Preventiva VISÃO Pontual Pontual

23 23 continuação PERÍODO ATUAÇÃO RESPONSABILIDADE DE NÍVEL Normas Regulamentadoras Sistemas de Gestão de SST Quadro 4 - Evolução da SST no Brasil Fonte: Campos; Campos (2004, p.26) Tático Estratégico ATITUDE DA GESTÃO Compulsória/ Preventiva Compulsória/ Preditiva VISÃO Sistêmica Fechada Sistêmica Contingencial Pode-se observar no quadro 5 que durante algum tempo a segurança e saúde ficou reativa e pontual, somente com o surgimento do Controle de Perdas surge uma forma nova de observar o contexto, atuando de forma preventiva, que se amplia com a entrada em vigor da alteração do Capítulo V, da CLT, que torna compulsória a Segurança e Saúde do Trabalhador, inclusive com multas para os requisitos da Legislação. Somente com os Sistemas de Gestão visualiza-se a questão extra-muro de forma sistêmica e contingencial. 1.2 SITUAÇÃO PROBLEMA No Brasil apesar de termos Leis Trabalhistas e Previdenciárias rigorosas é comum percebermos que na grande maioria das organizações estas ou não são reconhecidas ou são reconhecidas, mas o atendimento aos requisitos deixa a desejar. Nossas estatísticas de acidente e doenças não são confiáveis, tanto que até o governo através da Previdência Social está alterando a metodologia para pagamento do Seguro Acidente de Trabalho, sai a Comunicação de Acidentes de Trabalho CAT e entra a Classificação Internacional de Doenças CID, ou seja, o Governo deixa de monitorar o intra-muro da empresa e passa a monitorar do lado de fora, uma vez que a informação só existia se a organização emitisse a CAT, agora não pela CID independe da vontade das organizações. O Ministério da Previdência e Assistência Social desde a publicação do Decreto 3.048: Regulamento da Previdência Social em 6 de maio de 1999 (com duas alterações, em 26 de novembro de 2001 pelo Decreto 4032 e em 18 de novembro de 2003, com o Decreto 4882) tem reforçado a questão das empresas gerenciarem seus riscos ocupacionais, este requisito compulsório está no artigo 338, que ficou com o seguinte texto:

24 24 A empresa é responsável pela adoção e uso de medidas coletivas e individuais de proteção à segurança e saúde do trabalhador sujeito aos riscos ocupacionais por ela gerados. 1º É dever da empresa prestar informações pormenorizadas sobre os riscos da operação a executar e do produto a manipular. 2º Os médicos peritos da previdência social terão acesso aos ambientes de trabalho e a outros locais onde se encontrem os documentos referentes ao controle médico de saúde ocupacional, e aqueles que digam respeito ao programa de prevenção de riscos ocupacionais, para verificar a eficácia das medidas adotadas pela empresa para a prevenção e controle das doenças ocupacionais. 3o O INSS auditará a regularidade e a conformidade das demonstrações ambientais, incluindo-se as de monitoramento biológico, e dos controles internos da empresa relativos ao gerenciamento dos riscos ocupacionais, de modo a assegurar a veracidade das informações prestadas pela empresa e constantes do Cadastro Nacional de Informações Sociais - CNIS, bem como o cumprimento das obrigações relativas ao acidente de trabalho.(nr). (2003, p. 187). Assim sendo a Legislação Previdenciária do Brasil permite que os Auditores Fiscais da Previdência e Assistência Social passem a auditar as empresas verificando como elas estão realizando a Gestão dos Riscos Ocupacionais nela gerados. Segundo Cardella (1999, p. 49) Toda organização é caracterizada por um complexo de padrões de comportamento, crenças e valores espirituais e materiais, transmitido coletivamente. Esse complexo, chamado Cultura Organizacional, é constituído pelas formas de expressão do grupo social. Fazem parte da cultura a maneira de pensar e viver, usos, costumes, crenças, valores, atitudes, rituais, mitos, tabus, heróis, histórias, arte, formas de comportamento, hábitos, linguagem. Esses elementos são representativos da visão do mundo ou do paradigma dominante na organização. A Cultura Organizacional reflete a forma como as pessoas da organização respondem à estímulos. A Cultura organizacional surge da necessidade de perpetuação. Para atingir esse objetivo, o grupo adota um conjunto de premissas básicas que foram estabelecidas, descobertas e desenvolvidas no processo de aprendizagem, solução de problemas, adaptação externa e integração interna. O lastro cultural próprio que o identifique é condição básica para um grupo social sentir-se comunidade. Caso contrário, seria apenas um bando de gente, um conglomerado humano. Nas atividades de rotina do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho Pacheco Jr. afirma: Se observar as atividades do Setor de Segurança Medicina e Higiene do Trabalho SMHT no diário de uma organização, sob um foco restrito, percebe-se que ela praticamente ocorre no âmbito interno, com poucos elementos externos afetando-a diretamente (2000, p. 19). Se bem que esta realidade vem sendo alterada, hoje vários profissionais de segurança tem procurado outros caminhos alinhados com o negócio da empresa.

25 25 O impacto disto na Segurança e Saúde no Trabalho é enorme, pois vários profissionais usam o termo aqui estamos apagando incêndio, ou seja, estão fazendo segurança, sem planejar, sem checar ou agir, não há ciclos de aprendizado. Isso se deve porque um grande número de profissionais preocupa-se em reduzir os índices de acidentes / incidentes, fazendo com que isso ocupe uma boa parte de sua jornada, desviando, portanto, o foco da Gestão de SST. Este desconforto (negativo) ocorre um pouco pela repercussão que esses resultados impactam nas partes interessadas (clientes, acionistas, governo, sindicatos, alta administração, fornecedores, funcionários, terceiros e na Comunidade). As pressões para a prática de SSO nas empresas vem de vários segmentos, sendo o governo o maior impulsionador deste processo, no entanto temos ainda: os acionistas; a imprensa; o ministério público; os sindicatos; a comunidade; os clientes; os terceiros. Pode-se observar na Figura 1 a forma de como a CETREL S/A Empresa de Proteção Ambiental considera as pressões para a prática de SSO nas empresas

26 26 Figura 1: Pressões para a prática de SSO nas empresas Fonte: CETREL (2001, p. 17) Na figura 1 estão os fatores externos e internos sob os quais a organização considera pertinentes para a necessidade de SSO nas empresas. Desta forma as empresas buscam uma alternativa para atender estas pressões e quase sempre estruturam um modelo de Sistema de Gestão de SSO, seja ele voluntário ou certificável e acabam por importar estes requisitos para atender o seu problema sem se preocupar em verificar se existe sinergia entre eles. Os resultados vão acontecendo e percebe-se a medida que se roda cada ciclo do PDCA, que vários ajustes precisam ser feitos. Além disto dependendo de como a organização internaliza a SSO em relação a construção do seu Mapa Estratégico, está pode ter maior ou menor espaço nos negócios. Segundo Campos (apud CAMPOS, 2004, p. 16):

27 27 À medida em que as organizações vão amadurecendo sua gestão, passam a alinhar as diferentes dimensões, procurando garantir que o maior número possível de atividades, normas internas, procedimentos operacionais, etc, incluam os requisitos dos sistemas de gestão que existam na empresa. A meta a atingir é a total integração uma meta de melhoria contínua [...] 1.3 OBJETIVO DO ESTUDO Objetivo Geral O objetivo deste trabalho é discutir se os requisitos para certificação de um sistema de gestão de segurança e saúde ocupacional são suficientes para atender as reais necessidades de uma organização para o desenvolvimento de uma gestão eficaz de segurança, de forma que se tenha, melhores condições de trabalho, melhor clima organizacional, que permita a melhoria na performance profissional e na qualidade de vida dos trabalhadores, fatores que implicam num desempenho superior Objetivos Específicos Os objetivos específicos são: A partir de um Estudo de Caso da empresa CETREL S/A que mantém um Sistema de Gestão com base na OHSAS , estabelecer um modelo estratégico alternativo de Sistema de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho, para facilitar sua implantação a partir de seis modelos de referência reconhecidos internacionalmente. Realizar uma Análise Crítica do Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional da CETREL, com base no modelo consagrado dos Mapas Estratégicos Levantar elementos para a futura montagem de um modelo de implantação de sistema de gestão de segurança e saúde ocupacional

28 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO Este trabalho não tem a pretensão de esgotar o assunto, está delimitado às condições operacionais e realidade da CETREL S/A, assim não pode ser estendido à outras organizações que não tenham esse perfil. O assunto Gestão de Segurança e Saúde é muito amplo e ainda há muito o que explorar. Está baseado nos seis Sistemas de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho:OHSAS (OHSAS ), BS 8.800; UNE ; ILO OSH/2001, Código de Segurança e Saúde do Trabalhador Atuação Responsável e AS e limita-se a Unidade da CETREL S/A, localizada na Via Atlântica, km 9 Pólo Petroquímico de Camaçari, no estado da Bahia, no Brasil. Durante a pesquisa pode-se encontrar outros sistemas, tais como, o Draft Proposed Safety and Health Program Rule da OSHA - Occupational Safety and Health Administration; e outros, que poderiam ampliar ainda mais este horizonte, mas que tornariam o trabalho bastante volumoso, foi levado em consideração que a abrangência proposta representa parcela significativa do universo dimensional. O desafio de elaborar uma proposta de um modelo alternativo para Gestão de SST, em função da realidade e das práticas exercidas no processo da CETREL, empresa que foi premiada com o Prêmio Nacional da Qualidade - PNQ, do ano de 1999, na Categoria Médias Empresas, tendo então estímulos, práticas exemplares de gestão e a força do aprendizado com compromisso das partes interessadas e de ter sido marcada por profundas mudanças nas formas de execução das suas atividades. Espera-se com este estudo contribuir positivamente, para a melhoria dos sistemas de gestão de segurança e saúde ocupacional nas organizações, de modo que a estratégia de sua implantação deve observar todo o processso, inclusive o da integração com outros sistemas existentes, de modo que os stakeholders (partes interessadas), saibam e entendam o que está sendo feito e por que está sendo feito desta forma. Para isto a estratégia usada neste estudo foi uma avaliação crítica no escopo de um Sistema de Gestão de Segurança e Saúde, através da metodologia de mapas estratégicos, definidos por Kaplan e Norton (2004).

29 IMPORTÂNCIA DO ESTUDO A importância do estudo é contribuir para que os processos de implantação de um Sistema de Gestão de SST tenham uma abrangência maior com um referencial que ao mesmo tempo possibilite que se atenda as exigências da organização que o está implementando e não há requisitos generalistas de um documento de certificação, que uma vez implantado (com a certificação), deixa nos participantes a sensação de que será isto mesmo que precisávamos?, ou seja, acaba se contrapondo a origem da idéia e do resultado esperado. Contribuindo com lacunas que em geral são tratadas como desvios mais adiante de forma pontual. A contribuição para futuras explorações está na possibilidade do resultado deste trabalho ser considerado e utilizado por organizações que estejam verdadeiramente em busca de implementar sistemas de gestão de SST que ao invés de engessarem o processo estejam abertos para experiências que assumam o controle de suas situações problemas específicas, dentro de um contexto só, onde se poça explorar todas as variáveis do processo e que o possibilitem integrar a qualquer sistema da organização. Considera-se como factível, a possibilidade do modelo de Gestão SST proposto, vir a ser utilizado por outras organizações, uma vez que, o referencial é aplicável a qualquer tipo de organização, desde que sejam estabelecidos os critérios de maturidade, abrangência e profundidade, para definição de sua aplicabilidade. 1.6 QUESTÕES DA PESQUISA Quando se trata de Sistemas de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional existem dois tipos: os voluntários e o certificável (OHSAS ), dependendo da organização a escolha está associada aos princípios, compromissos e liderança da Alta Administração e da conscientização, formação e informação dos trabalhadores. A implantação do sistema tem seus inconvenientes e dificuldades dentre elas pode-se citar: complexidade e burocracia

30 30 gerada no sistema; resistência à mudança e o convencimento dos Gerentes de Linha (Gerentes, Chefes, Encarregados, Supervisores e Líderes). Ao decidir sobre um sistema de gestão SST as organizações enfrentam dificuldades na implementação de estratégias. Segundo Norton e Kaplan "As organizações hoje necessitam de uma linguagem para a comunicação tanto da estratégia como dos processos e sistemas que contribuem para a implementação da estratégia e que geram feedback sobre a estratégia. O sucesso exige que a estratégia se transforme em tarefa cotidiana de todos" (2000, p. 13). Assim todos os elementos do sistema devem ser parte integrante de uma cadeia lógica e estar num referencial que Norton e Kaplan chamam de "Mapa Estratégico". Os elementos apontados com base na fundamentação teórica, respeitada a ordem metodológica, levam as seguintes premissas que direcionarão o presente trabalho: 1. Os requisitos de um Sistema de Gestão específico são suficientes para atender as necessidades de uma Empresa em Segurança e Saúde 2. A partir de um modelo de gestão de segurança e saúde ocupacional é possível melhorar a implementação da estratégia. Para as hipóteses descritas a seguir, forma elaboradas questões - chave que buscam direcionar e/ou esclarecer o problema. Hipóteses Questões - Chave Os requisitos de um Sistema de Gestão específico são suficientes para atender as necessidades de uma Empresa em Segurança e Saúde Questão 1: Por que mesmo com os requisitos da OHSAS implantados, as organizações continuam procurando soluções para seus problemas? Questão 2? Dentre os Sistemas de Gestão de Segurança e Saúde analisados, algum deles possui estes requisitos? A partir de um modelo de gestão de segurança e saúde ocupacional é possível melhorar a implementação da estratégia Questão 1: Como o modelo de Gestão de SSO do Estudo de Caso pode ter sua construção focalizada na estratégia? Questão 2: Como o atendimento à clientes em suas instalações podem influenciar neste modelo? Quadro 5 - Relacionamento das hipóteses com as questões - chave

31 31 No Quadro 5 estão formuladas as questões-chaves que irão nortear este estudo 1.7 ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO O estudo foi desenvolvido em seis capítulos, no qual este primeiro aborda o histórico da situação dos acidentes no mundo e no Brasil, relatando o foco das organizações e o processo da evolução da indústria, como fator gerador deste desequilíbrio social, até as técnicas e os sistemas de gestão como proposta de mudança deste Status Quo. Menciona ainda a forma como foi desenvolvido o estudo, suas hipóteses, delimitações, objetivos e o modo como irá ser desmembrado nos capítulos subseqüentes. O segundo capítulo contém o referencial teórico e da revisão da literatura que contextualiza os cinco sistemas de gestão abordados, para alicerçar a estrutura do modelo alternativo proposto. O terceiro capítulo apresenta a metodologia adotada neste estudo. O quarto apresenta o estudo de caso da CETREL, com uma descrição básica da organização, as necessidades dos clientes, desafios e novas tecnologias, bem como, o Sistema de Gestão de Segurança, Higiene e Saúde Ocupacional SGSSSO, com seus elementos que vão desde a Política, o Planejamento, a Implementação e Operação, a Verificação e Ação Corretiva e a Análise Crítica pela Administração. No quinto capítulo será exibida e detalhada a análise do Estudo de Caso, incluindo as oportunidades de melhoria, os pontos fortes, o uso dos outros sistemas fortalecendo e subsidiando ações para otimizar os resultados de forma que se tenha elementos suficientes para estabelecer uma proposta alternativa ao Sistema de Gestão de Segurança, Higiene e Saúde Ocupacional SGSSO do estudo de caso, inclusive com a apresentação do modelo proposto para sustentar as premissas deste estudo.. No sexto capítulo do trabalho, estão apresentadas as conclusões e recomendações do presente estudo.

32 E por último finalizam a dissertação, as referências bibliográficas. 32

33 33 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 ASPECTOS DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO As empresas em geral passam por períodos de prosperidade alternados por períodos de crise, isto se deve em função da forma como são administradas. Segundo Chiavenato Todas as instituições que compõem a sociedade moderna não vivem ao acaso. Elas precisam ser administradas. Essas instituições são chamadas organizações. As organizações são constituídas de recursos humanos (pessoas) e de recursos não humanos (recursos físicos e materiais, recursos financeiros, recursos tecnológicos, recursos mercadológicos, etc). Toda a produção de bens (produtos) e de serviços (atividades especializadas) é realizada dentro das organizações. As organizações são extremamente heterogêneas e diversificadas, de tamanhos diferentes, estruturas diferentes e objetivos diferentes. Não existem duas organizações semelhantes. E uma mesma organização nunca é igual ao longo do tempo. Existem organizações lucrativas (chamadas empresas) e organizações não lucrativas (como o Exército, a Igreja, os serviços públicos, as entidades filantrópicas, etc). A sociedade moderna repousa sobre as organizações: ela é basicamente uma sociedade de organizações. Para que as organizações possam ser administradas, elas precisam ser estudadas, analisadas e conhecidas. Daí o fato de que a Teoria das Organizações (TO) sempre caminhou à frente da Teoria da Administração (TA), dando-lhe as bases teóricas de suporte. No fundo a Teria da Administração é uma decorrência das conclusões extraídos da teoria das organizações. A teoria das Organizações é o campo do conhecimento humano que se ocupa do estudo das organizações em geral. A Teoria Geral da Administração é o campo do conhecimento humano que se ocupa do estudo da administração em geral, não se preocupando com o setor onde ela será aplicada, quer nas organizações lucrativas (empresas), quer nas organizações não lucrativas. A TGA trata do estudo da Administração das organizações. (1999, p. 1-2). Ao longo dos tempos várias teorias foram formuladas, Cruz cita: A teoria geral das organizações tem sido contemplada, através dos tempos, por escolas com abordagens próprias visando a otimização do desempenho e dos resultados organizacionais. Todas estas teorias tentam explicar comportamentos e características peculiares aos seus objetos de estudo. A partir dos conceitos, parâmetros e variáveis organizacionais oriundos de cada uma das escolas, foram desenvolvidas ferramentas gerais e específicas para realizar, segundo sua ótica, o desenvolvimento organizacional no todo ou em partes. (CRUZ, 1998, p. 23). A gestão segundo a ISO 9000, é definida como Atividades coordenadas para dirigir e controlar uma Organização (ASSOCIAÇÃO..., 2000a, p. 8).

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL FACENS / IAT Instituto de Aperfeiçoamento Tecnológico Curso de Pós-Graduação MBA Lato-Sensu em: Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Disciplina: Gerenciamento e Controle Ambiental Carga horária: 24h Prof.

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Prof. Dra. Janaína Fernandes Medeiros Burkert Controle de Qualidade Histórico

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Introdução à Segurança do Trabalho Desde seu aparecimento na Terra, o homem convive com situações de risco e por não ter controle sobre elas, esteve sempre sujeito a todo tipo de acidentes. Com o passar

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S 200 D I F E R E N C I A D O S Sistema de Gestão Unificado - Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Ocupacional.. Baseado no padrão C&Z4003 que reúne os

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL Para REFLEXÃO Exemplo de aspectos ambientais significativos Descarga de efluentes líquidos Disposição de

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MAIA, Lívia Cândida 1 ; RODRIGUES, Adonay; BARBOSA, Beatriz Ribeiro Kherlakian; RESENDE, Vitor Nascimento; PORTO, Adriel Cruvinel, SANTOS, Kaio Guilherme

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT Autor Gustavo César de Alencar LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. RESUMO O objetivo deste trabalho é mostrar todo o esforço que a Light

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Saúde e Segurança do Trabalho como Estratégia de Sustentabilidade das Empresas.

Saúde e Segurança do Trabalho como Estratégia de Sustentabilidade das Empresas. Saúde e Segurança do Trabalho como Estratégia de Sustentabilidade das Empresas. Sustentabilidade Sustentabilidade - É um conceito sistêmico, relacionado com a continuidade dos aspectos econômicos, sociais,

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-18 CETREL: UMA EMPRESA CERTIFICADA PELO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO: QUALIDADE (ISO 92); MEIO AMBIENTE (ISO 141) E SEGURANÇA/SAÚDE OCUPACIONAL (OHSAS 181) Francisco Alves Pereira Filho (1) Engenheiro

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE

MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE Autores Carmem Lúcia Carneiro Rolim Antiógenes José Freitas Cordeiro José Clóves Fernandes COMPANHIA ENERGÉTICA

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6. Sumário Resumo de Qualificações... 2 Atuação no Mercado... 3 Formação Profissional... 5 Contatos... 6 Página 1 de 6 Resumo de Qualificações Consultora responsável pela organização e gestão da RHITSolution,

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade

ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Consultoria ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Demonstre o seu compromisso com a qualidade e a satisfação dos seus clientes O Sistema de Gestão da Qualidade tem a função de suportar o alinhamento

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA. Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes.

NOSSA HISTÓRIA. Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes. NOSSA HISTÓRIA Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes. Estamos preparados para atuar no desenvolvimento, implementação, aprimoramento, treinamento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR Histórico das alterações: Nº Revisão Data de alteração 00 20.01.204 Emissão inicial do documento. Sumário das Alterações Pág. 1 1. Resumo Esta norma estabelece requisitos técnicos para a concessão do Selo

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Toda empresa deve adotar uma Política de Higiene e Segurança do Trabalho e ao adotar políticas para as suas atividades, as empresas passam a dispor de instrumentos

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE.

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. Ivan Santos de Lima Engenheiro Naval pela Universidade Federal do Rio

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006 Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração RESUMO/VISÃO GERAL (visando à fusão ISO 31000

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-057 - IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO SGI (MEIO AMBIENTE E SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO)

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais