FACULDADE POLITÉCNICA DE JUNDIAÍ ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA EM REDES DE AUTOMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE POLITÉCNICA DE JUNDIAÍ ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA EM REDES DE AUTOMAÇÃO"

Transcrição

1 FACULDADE POLITÉCNICA DE JUNDIAÍ ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA EM REDES DE AUTOMAÇÃO Danilo de Oliveira Felipe Bertini Martins Ferigs Rezende Fernando Lombardi Marcos Antonio Lopes Jundiaí 2007

2 FACULDADE POLITÉCNICA DE JUNDIAÍ ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA EM REDES DE AUTOMAÇÃO Projeto apresentado para a realização da disciplina do Trabalho de Conclusão de Curso. Orientador: Prof. Eberval Oliveira Castro Orientados: Danilo de Oliveira Felipe Bertini Martins Ferigs Rezende Fernando Lombardi Marcos Antonio Lopes Jundiaí 2007

3 FACULDADE POLITÉCNICA DE JUNDIAÍ ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA EM REDES DE AUTOMAÇÃO Projeto apresentado para a realização da disciplina do Trabalho de Conclusão de Curso Orientados: Danilo de Oliveira Felipe Bertini Martins Ferigs Rezende Fernando Lombardi Marcos Antonio Lopes Orientador: Prof. Eberval Oliveira Castro Jundiaí, de de 2007

4 Aos colegas de estudo e aos familiares que nos apoiaram e incentivaram para a realização deste trabalho.

5 AGRADECIMENTOS Aos nossos pais e familiares, pois sempre nos incentivaram e apoiaram. Aos nossos colegas de grupo, pelo companheirismo e dedicação. Ao nosso orientador Eberval Oliveira Castro, pelo valioso e grandioso apoio, contribuição e paciência dedicados ao longo deste trabalho. Às nossas namoradas que tiveram paciência e nos auxiliaram para a realização deste. E a todos aqueles que de algum modo nos ajudaram.

6 OLIVEIRA, Danilo Giacomello de. MARTINS, Felipe Bertini. REZENDE, Ferigs Masse de. LOMBARDI, Fernando. LOPES, Marcos Antonio. Avaliação de Segurança em Redes de Automação p Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Engenharia de Computação) Faculdade Politécnica de Jundiaí. RESUMO Este trabalho discute sobre segurança na integração entre redes corporativas e redes de automação industrial, no qual serão apresentados riscos, falhas e vantagens das redes, com o intuito de conscientizar e demonstrar a importância de possuir uma rede com maior nível de segurança possível, buscando minimizar o risco de ataques e invasões que possam causar prejuízos à empresa. Será apresentada a parte histórica da automação industrial, definição e tipos de protocolos envolvidos nas redes, sistemas de supervisão que permitem o gerenciamento remoto e o controle de automação na empresa, troca de informações entre o ambiente industrial e corporativo, análises realizadas em ambientes reais avaliando a segurança existente na rede e buscando métodos para melhorias. Palavras-chave: SEGURANÇA, AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL, REDES INDUSTRIAIS, REDES CORPORATIVAS

7 ABSTRACT A great technological revolution in the field of the industrial automation has been presented in the last years, starting of a total isolated environment where the proprietors systems used to dominate and the technologies were dedicated to an integrated environment and shared by all the corporative systems. This paper is about the security in the integration between corporative nets and industrial automation nets where risks, imperfections and advantages of the nets will be presented. Intending to acquire knowledge and to show the importance of having a net with the biggest level of possible security, trying to minimize the risk of attacks and invasions that can cause harmful damages to the company. It will be presented the historical part of the industrial automation, definition and types of involved protocols in the nets, supervision systems that allow the remote management and the control of automation in the company, information exchange between the industrial and corporative environment, analyses done in real environments evaluating the existing security in the net and searching methods for improvements. It will also be presented the main techniques used for invasion and attacks of industrial systems.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - CLP de pequeno porte Figura 2 - Funcionamento CLP Figura 3 - Ciclo Básico Funcionamento CLP Figura 4 - Rede de controle e supervisão Figura 5 - Tipos de protocolos Modbus Figura 6 - Rede de automação Figura 7 - Estatísticas de incidentes com segurança no Brasil Figura 8 - Rede de automação utilizando protocolo TCP/IP Figura 9 - Prioridades nos ambientes industriais e corporativos Figura 10 - Rede Implementada para análise Figura 11 - Movimentação dos pacotes de dados ao passarem pelo Firewall Figura 12 - Movimentação dos pacotes de dados sem Firewall na rede... 46

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Padrões Ethernet... 26

10 LISTA DE SIGLAS ABNT ARP ASCII bps CAN CLP COBIT CPU DCS DDC DP E/S EPROM FMS IEEE IHM ISA ISACA ISO LAN MAC MAN MAP PIMS PLC RTU SCADA TA TCP/IP TI WAN Associação Brasileira de Normas Técnicas Address Resolution Protocol American Code For Information Interchange bits por segundo Campus Area Network Controlador Lógico Programável Control Objectives for Information and related Technology Central Processing Unit Distributed Control Systems Direct Digital Control Decentralized Periphery Entrada / Saída Erasable Programmable Read-Only Memory Fieldbus Message Specification Institute of Electrical and Electronic Engineers Interface Homem Máquina The International Society for Measurement and Control Information Systems Audit and Control Association International Organization for Standardization Local Area Network Media Access Control Metropolitan Area Network Manufacturing Automation Protocol Plant Information Management Systems Programmable Logic Controller Remote Terminal Unit Supervisory Control and Data Acquisition Tecnologia da Automação Transmission Control Protocol / Internet Protocol Tecnologia da Informação Wide Area Network

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO REFERENCIAL HISTÓRICO História das redes Ethernet CLP (Controlador Lógico Programável) Comunicação em rede Funcionamento de um CLP O QUE SÃO REDES DE AUTOMAÇÃO Protocolos de comunicação REDES ETHERNET EM AMBIENTE INDUSTRIAL SEGURANÇA EM REDES DE AUTOMAÇÃO Novo contexto na indústria Integração entre ambiente de TI e TA AMEAÇAS AO AMBIENTE DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Técnicas para acesso não autorizado MEDIDAS PARA MINIMIZAR VULNERABILIDADES Normas ligadas à segurança de informações IMPLEMENTAÇÃO DE SEGURANÇA EM REDES DE AUTOMAÇÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÉNDICE A Regra do Firewall... 51

12 INTRODUÇÃO Há cerca de dez anos, o ambiente de automação industrial era isolado do ambiente corporativo de uma empresa. Com a constante evolução tecnológica, hoje é uma necessidade que esses dois ambientes sejam interligados e compartilhem informações, pois é necessário que sistemas inteligentes como sistemas de otimização de processo e gerenciamento de produção sejam alimentados com essas informações. A integração do ambiente industrial para o corporativo levanta uma série de questões de segurança que antes eram somente do ambiente corporativo da empresa, tais como: a exploração de falhas de programação, ataques a serviços, acessos não autorizados, vírus e outros tipos de vulnerabilidades e ameaças. Uma questão também importante é que a maioria dos protocolos desenvolvidos não foram projetados para atender às necessidades de segurança das redes corporativas. A motivação para o desenvolvimento deste trabalho é o estudo e análise de segurança na integração entre redes industriais e corporativas, de forma a orientar e minimizar riscos e ameaças aos ambientes. No decorrer do trabalho foram encontradas algumas dificuldades, porém, a principal foi a deficiência de material nacionalizado para este tipo de assunto. Este trabalho é estruturado da seguinte forma: No capítulo 1, é apresentado um histórico da evolução tecnológica dos sistemas de controle e automação industrial, bem como as redes de comunicação. No capítulo 2, é definido um controlador lógico programável e suas principais características. No capítulo 3, são apresentadas as redes de automação e seus principais protocolos, abordando suas principais funcionalidades. No capítulo 4, será abordado o tema de redes Ethernet em ambiente industrial, apresentando os tipos de redes e sua classificação. No capítulo 5, focaremos a segurança da automação que passou a ser um tema abrangente para todas as tecnologias que se comunicam através de redes, o papel do CLP e suas vulnerabilidades, a interação do ambiente TI e TA, e sistemas PIMS. No capítulo 6, veremos a exposição dos sistemas SCADA, tipos de vulnerabilidades, vírus, worms, cavalos de tróia, tipos de ataques e acessos, como spooling, relay, negação de serviço, ARP, e discovery.

13 12 No capítulo 7, serão apresentadas medidas para minimizar as vulnerabilidades de segurança, decisões que o administrador da rede deve tomar, os agentes envolvidos na política de segurança, as normas e a importância da ISO/IEC 27001:2005 e o que é necessário para implantá-la. No capítulo 8, será analisada uma topologia de rede, envolvendo as redes industriais e corporativas, demonstrando como implementar um Firewall e suas regras de segurança. Na rede montada para análise foi selecionado o protocolo Modbus/TCP, por ser um protocolo de fácil acesso e de padrão aberto utilizado na comunicação de dispositivos cliente/servidor em redes de automação industrial.

14 1 REFERENCIAL HISTÓRICO Em 1970 foram criadas as primeiras redes de automação, os sistemas de controle de processo eram totalmente analógicos, através dos DDC (Direct Digital Control - Controle Digital Direto), DCS (Distributed Control Systems - Sistemas de Controle distribuídos) e PLC (Programmable Logic Controller - Controlador de Lógica programável) (BERGE, 1998). Logo em 1980, surgiram os equipamentos de campo que seriam os transmissores e redes fieldbus que se interligavam (BERGE, 1998). Os DCS e PLC permitiram que os controladores fossem instalados em racks auxiliares possibilitando que as informações de supervisão fossem enviadas até o operador via rede. Os controladores eram instalados em painéis, e os sensores e atuadores eram ligados aos controladores somente com um par de fios (BERGE, 1998). A comunicação digital permitiu a interligação de vários equipamentos através da conexão Multidrop (multi-ponto), o custo das instalações caiu consideravelmente e esses equipamentos possuíam um único endereço na rede (BERGE, 1998). A indústria automobilística americana deu origem ao CLP (Controlador Lógico Programável), mais precisamente na Hydronic Division Motors, em 1968, devido a grande dificuldade de mudar a lógica de controle dos painéis de comando, pois cada mudança na linha de montagem implicava em altíssimos gastos (BERGE, 1998). O engenheiro Richard Morley preparou uma especificação que refletia as necessidades de muitos usuários de circuitos a relés, não só da indústria automobilística, mas como de toda a indústria manufatureira (BERGE, 1998). O CLP foi se tornando um equipamento de fácil utilização, aprimorando-se cada vez mais e diversificando os setores industriais. Com o decorrer do tempo, existia uma variedade de tipos de entradas e saídas, aumento de velocidade e processamento, inclusão de blocos lógicos, modo programação e a interface com o usuário (BERGE, 1998). A evolução do CLP é dividida em 5 gerações: 1ª Geração: A programação era ligada ao hardware do equipamento e a linguagem era em Assembly, mas para programar era necessário conhecer a eletrônica do projeto que era feita por uma equipe altamente qualificada. A gravação do programa era na memória EPROM (Erasable Programmable Read-Only Memory - Memoria de Leitura Apenas Programável Apagável) (CONTROLADORES, 2007).

15 14 2ª Geração: Começam a aparecer as primeiras linguagens de programação não tão dependentes do hardware do equipamento, sendo possível a inclusão de um Programa Monitor no CLP, o qual converte as instruções do programa, verifica estado de entradas, compara com instruções do usuário e altera o estado das saídas (CONTROLADORES, 2007). 3ª Geração: Entrada de programação para conectar um teclado ou programador portátil para possíveis alterações no programa (CONTROLADORES, 2007). 4ª Geração: Os CLPs passam a ter uma entrada para comunicação serial e com a queda dos preços dos microcomputadores, a programação acaba sendo realizada por eles, o que tornou possível a utilização de várias linguagens, simulações, testes, treinamentos, armazenamento de programas etc. (CONTROLADORES, 2007). 5ª Geração: Há uma preocupação em padronização dos protocolos de comunicação para que equipamentos de fabricantes diferentes se comuniquem, proporcionando uma integração, a fim de facilitar a automação, gerenciamento e desenvolvimento de plantas industriais, fruto da chamada globalização (CONTROLADORES, 2007). 1.1 História das redes Ethernet O sistema possui o nome Ethernet devido a uma menção ao éter luminoso, através do qual, os físicos do século XIX acreditavam que a radiação eletromagnética propagava-se (TANENBAUM, 2003). Na década de 70, na University of Hawaii, Norman Abramson e colegas queriam conectar-se da ilha em um computador que se encontrava em Honolulu. Como solução, usaram um rádio de ondas curtas, no qual havia duas freqüências: ascendente e descendente. Para se comunicar com um computador, o rádio transmitia em um canal ascendente, que era confirmado no canal descendente do computador ao qual se desejava fazer a comunicação (TANENBAUM, 2003). Antes da existência das redes de computadores, a troca de informações acontecia de maneira manual, com o próprio usuário copiando as informações e as transportando de uma máquina para outra (CONTI, 2007).

16 15 George Stibitz, em 1940, da Faculdade de Dartmouth, em Nova Hampshire, através de um teletipo, enviou instruções com um conjunto de problemas para sua calculadora que se encontrava em Nova Iorque, recebendo de volta os resultados no próprio teletipo (CONTI, 2007). Em 1964, pesquisadores de Dartmouth desenvolveram um sistema de compartilhamento de tempo, que foram distribuídos em grandes sistemas de computadores. No mesmo ano, usou-se um computador para rotear e gerenciar conexões telefônicas (CONTI, 2007). Na década de 60, Leonard Kleinrock, Paul Baran e Donald Danes, desenvolveram sistemas de redes que usavam datagramas ou pacotes, usados em redes de comutação de pacotes entre sistemas computacionais (CONTI, 2007). A partir daí, as redes de computadores comandam as indústrias de hardware, bem como as tecnologias necessárias para conexão e comunicação. Há um crescimento do número e tipos de usuários de redes, que vai desde um pesquisador até um usuário doméstico (CONTI, 2007).

17 2 CLP (Controlador Lógico Programável) Entende-se por controlador, o dispositivo eletrônico, mecânico ou a combinação de ambos que tem por objetivo controlar um sistema. São exemplos de controladores, os utilizados na otimização de processos industriais e de manufatura. Foram desenvolvidos inicialmente para atenderem as indústrias automotivas, que necessitavam constantemente alterar as lógicas de inter-travamento entre seus equipamentos (MORAIS e CASTRUCCI, 2001). Com o uso do CLP, é possível reprogramar o funcionamento de um equipamento sem precisar trocar todo o seu hardware (MORAIS e CASTRUCCI, 2001). O CLP é um computador com as mesmas características conhecidas do computador pessoal, porém, é utilizado em uma aplicação dedicada [...] (NATALE, 2000). Segundo a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), o CLP é definido como um equipamento eletrônico digital com hardware e software compatíveis com aplicações industriais. A figura 1 representa um CLP de pequeno porte, da marca Schneider, linha Twido usado para registrar entradas e saídas digitais. Figura 1 CLP de pequeno porte Fonte: (SCHNEIDER, 2007) Antes do CLP, esse feito era realizado substituindo componentes elétricos (relés, por exemplo) e modificando projetos com grandes grupos de painéis de controle (BERGE, 1998). As principais vantagens de um CLP em relação a lógicas a relé são: Menor tamanho físico necessário; Ser programável (possibilitando alterações de lógicas de controle); Capacidade de comunicação com sistemas que gerenciam a produção.

18 17 As características de um CLP devem ser analisadas junto com as características de seu software programador, ou seja, o software onde será desenvolvido todo o aplicativo que será executado no CLP em determinada linguagem de programação. Existem diversos modelos de CLPs fabricados e disponíveis para compra. No entanto, alguns pontos devem ser levantados e discutidos para que seja possível determinar qual o modelo mais adequado a ser empregado, principalmente durante a fase de especificação de projetos (GEORGINI, 2000). Sob o ponto de vista funcional, podemos considerar e observar as seguintes funções que um CLP pode executar: Aquisição e Comando; Armazenamento do programa aplicativo; Processamento. 2.1 Comunicação em rede No mínimo, todo CLP dispõe de pelo menos uma porta de comunicação serial onde o usuário vai conectar o cabo serial programador que, normalmente, é um computador executando um software fornecido pelo fabricante do CLP. Através desta porta, o usuário faz todas as atividades de manutenção: verifica o status da CPU (Central Processing Unit - Unidade Central de Processamento), dos módulos de E/S (Entrada/Saída), o tempo de ciclo do programa aplicativo, faz a carga e leitura do programa para salvar em disco. Essa porta normalmente é uma rede mestre-escravo que pode ser utilizada para outras funções, tais como: conectar um sistema de supervisão ou uma IHM (Interface Homem Máquina) local. No entanto, como essa porta é destinada para manutenção, se ela for utilizada para conectar uma IHM, por exemplo, toda vez que o usuário precisar conectar o computador para a manutenção, deverá retirar o cabo da IHM e depois de concluído o serviço, recolocá-lo. Para evitar esse tipo de problema é desejável que a CPU tenha mais canais de comunicação para permitir, além da conexão com IHMs locais, a conexão em rede com outros sistemas.

19 Funcionamento de um CLP No CLP existem as entradas dos dados, o processamento e a saída dos resultados. É um funcionamento similar ao de uma calculadora, por exemplo. São inseridos números e qual operação desejada, a calculadora processa essas informações e exibe o resultado. Conforme figura 2: Figura 2 - Funcionamento CLP O hardware do CLP é composto por três partes: uma fonte de alimentação elétrica, uma CPU e interface de E/S. Fonte de alimentação elétrica: transforma a energia elétrica para voltagem usada pelo equipamento. CPU: Segundo (MORAES e CASTRUCCI, 2001), é responsável pela execução do programa do usuário, atualização da memória de dados e memória-imagem das entradas e saídas [...]. Interfaces de Entrada e Saída: entendem-se como teclados, monitores etc. Na figura 3, é mostrado um exemplo de funcionamento de um CLP, sendo iniciado pela leitura nas entradas digitais ou analógicas, após isso, o programa é executado e suas saídas são atualizadas.

20 19 INICIAR LER ENTRADA PROGRAMA ATUALIZA SAÍDA Figura 3 - Ciclo Básico Funcionamento CLP Os processamentos feitos pelo CLP através dos dados de entrada são programáveis por lógicas combinacionais, seqüenciais ou pelas duas. Segundo Natale (2000), Automatizar um sistema significa fazer uso de funções lógicas, representadas, por sua vez, por portas lógicas que podem ser implementadas [...] O CLP faz uso da lógica de programação ladder. Possui as seguintes representações: - - Contato aberto; - / - Contato fechado; -( )- Bobina; -( )- Bobina inversa; -(S)- Bobina set; -(R)- Bobina reset; -(M)- Bobina Memória;

21 3 O QUE SÃO REDES DE AUTOMAÇÃO A partir da década de 80 os CLPs passaram a ser fabricados com módulos de comunicação em rede, podendo assim comunicar-se entre vários equipamentos existentes na automação aplicada (MORAES e CASTRUCCI, 2001). É possível existir comunicação entre um CLP e outros equipamentos como: inversores de freqüência, controladores de temperatura, medidores de vazão, outro CLP de qualquer modelo e fabricante etc., constituindo uma rede de automação. Para que a comunicação seja feita é necessário que todos os equipamentos utilizem o mesmo meio de transmissão como a Ethernet, RS-232, RS-485 etc., e o mesmo protocolo de comunicação como Modbus, Profbus, Fieldbus (BERGE, 1998). Também é possível comunicar vários equipamentos da automação com uma rede corporativa de computadores, podendo comunicar um CLP com um sistema ERP (Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos Empresariais) ou com um sistema supervisor em um computador qualquer da rede. Isso pode ser feito de duas maneiras: Todos os equipamentos da automação devem estar interligados na mesma rede Ethernet da rede corporativa e comunicando-se através do protocolo TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol - Protocolo de Controle de transmissão/protocolo de Internet), ou o CLP possuir dois módulos de comunicação distintos, em que num módulo o CLP se comunica com os equipamentos da automação em um protocolo e meio físico qualquer, e no outro módulo, o CLP se comunica com a rede corporativa de computadores através da Ethernet utilizando o protocolo TCP/IP (SOUZA, 2002). Segundo Barbosa (2006), Os sistemas SCADA (Supervisory Control and Data Aquisition Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados), que em algumas aplicações são referidos como sistemas supervisórios, são responsáveis por coletar os dados de processo disponibilizados pelos equipamentos de controle (CLPs, remotas industriais e outros) e os apresentar em tempo real, através de uma interface (gráfica) homem máquina, aos operadores [...] Sistemas SCADA são implementados juntamente com um conjunto de equipamentos utilizados na automação, sendo eles: CLP ou qualquer equipamento que fale o mesmo protocolo implementado no software SCADA. Na figura 4, podemos visualizar melhor esse conceito, ou seja, toda parte de controle de equipamentos da fábrica feita pelos CLPs de pequeno porte e todo o gerenciamento desta automação feita pelo CLP de grande porte,

22 21 também temos uma interface homem-máquina para controle local dos processos e um sistema de supervisão SCADA para supervisionar e coletar todos os dados para estudo e análise do processo. Figura 4 Rede de controle e supervisão Para um sistema SCADA se comunicar com um equipamento da rede de automação é necessário uma interface de escrita e leitura, esta interface é chamada de driver. A aplicação SCADA deve ser capaz de enviar mensagens de leitura e escrita para o CLP, que deve ser capaz de receber as mensagens, processá-las, atualizar as saídas e, se necessário, retornar o dado requerido [...] (BARBOSA, 2006)

23 Protocolos de comunicação Determina a forma de transmissão de dados (formato dos dados, temporização, sinais de controle utilizados etc.). Cada fabricante de CLP tem seu protocolo de comunicação próprio, normalmente chamado de protocolo proprietário, o qual é utilizado durante a programação do CLP. Algumas CPUs além de suportarem o protocolo proprietário, suportam protocolos padrões, permitindo comunicação com dispositivos e softwares fornecidos por outros fabricantes, além da conexão em rede. O protocolo Modbus foi desenvolvido pela Modicon Industrial Automation Systems, hoje Schneider, para comunicar um dispositivo mestre com outros dispositivos escravos [...] (JUNIOR, 2007) Embora seja utilizado normalmente sobre conexões serial padrão RS-232, o protocolo Modbus também pode ser usado como um protocolo da camada de aplicação em redes industriais, tais como TCP/IP sobre Ethernet e MAP (Manufacturing Automation Protocol - Protocolo de Automatização Industrial). Este talvez seja o protocolo de mais larga utilização em automação industrial, pela sua simplicidade e facilidade de implementação [...] (JUNIOR, 2007). Baseado em um modelo de comunicação mestre-escravo, o mestre pode denominar transações chamadas de queries e os demais dispositivos da rede respondem suprindo os dados requisitados pelo mestre, ou obedecendo a uma execução por ele comandada. Os papéis de mestre e escravo são fixos, quando utilizado conexão serial, e em outros tipos de rede, um dispositivo pode assumir ambos os papéis, mas não ao mesmo tempo. Na transmissão existe o modo ASCII (American Code For Information Interchange - Código americano Para Intercâmbio de Informação) e RTU (Remote Terminal Unit - Unidade Terminal Remota), que são escolhidos na configuração da parte de comunicação. A figura 5 apresenta os tipos de protocolos Modbus. O Ethernet Modbus tem o seu funcionamento via protocolo TCP/IP, pois já vem em sua própria estrutura uma ou mais portas de comunicação Ethernet, para rede. O Modbus Plus e o Modbus RTU têm a sua comunicação via cabo serial, que trafega do CLP até um Gateway, convertendo o sinal para o protocolo TCP/IP na rede.

24 23 Figura 5 - Tipos de protocolos Modbus Fonte: (VISÃO, 2007) Modbus TCP/IP: Usado para comunicação entre sistemas de supervisão e CLPs (VISÃO, 2007). Modbus Plus: Usado para comunicação entre si de CLPs, módulos de E/S, chave de partida eletrônica de motores, IHM etc. (VISÃO, 2007). Modbus Padrão: Usado para comunicação dos CPLs com os dispositivos de E/S de dados, instrumentos eletrônicos, controladores de processo, transdutores de energia etc. (VISÃO, 2007). O protocolo Profibus é o mais popular em redes de campo, muito comum na Europa, que domina mais de 60% do seu mercado de automação industrial. Foi desenvolvido em 1987, como resultado de um projeto alemão envolvendo 21 empresas e institutos de pesquisa (MENDONZA, FERREIRA e MORAES, 2005). Também pode ser denominado como um padrão aberto de rede de comunicação industrial, dispositivos de diferentes fabricantes podem comunicar-se sem a necessidade de qualquer interface (MENDONZA, FERREIRA e MORAES, 2005).

25 24 O protocolo Profibus é usado tanto em aplicações com transmissão de dados em alta velocidade como em tarefas complexas e extensas de comunicação (MENDONZA, FERREIRA e MORAES, 2005). Pode-se utilizar os seguintes padrões para meios de transmissão: RS-485, IEC ou Fibra Óptica (MENDONZA, FERREIRA e MORAES, 2005). Existem dois tipos de protocolos Profibus, descritos abaixo: Profibus-DP (Decentrallised Periphery - Periferia Descentralizada): Otimizado para alta velocidade de conexão e baixo custo, é o mais utilizado. Foi projetado para comunicação entre sistemas de controle de automação e suas respectivas E/S distribuídas (MENDONZA, FERREIRA e MORAES, 2005). Profibus-FMS (Fieldbus Message Specification): É usado para tarefas mais complexas, considerado como protocolo de comunicação universal. Oferece muitas funções sofisticadas de comunicação entre dispositivos inteligentes (MENDONZA, FERREIRA e MORAES, 2005). Outro protocolo muito utilizado é o Fieldbus, segundo Berge (1998), O Fieldbus é um protocolo desenvolvido para automação de sistemas de fabricação, elaborado pela FieldBus Foundation e normalizado pela ISA (The International Society for Measurement and Control - A Sociedade Internacional para Medida e Controle). O protocolo Fieldbus visa à interligação de instrumentos e equipamentos, possibilitando o controle e monitoração dos processos [...] Geralmente o protocolo Fieldbus é utilizado com os chamados softwares supervisórios SCADA, que permitem a aquisição e visualização, desde dados de sensores, até status de equipamentos (BERGE, 1998). A rede Fieldbus pode cobrir distâncias maiores e comunicar os equipamentos de E/S mais modernos. Os equipamentos acoplados à rede possuem tecnologia para trabalhar em funções específicas de controle como loops, controle de fluxo e processos (MAHALIK, 2003).

26 4 REDES ETHERNET EM AMBIENTE INDUSTRIAL Redes de computadores são dois ou mais equipamentos ligados um ao outro, sendo possível assim, compartilhar dados, impressoras, conexões à Internet etc. (TANENBAUM, 2003). A comunicação entre os equipamentos dá-se através de meios de acesso, protocolos e requisitos de segurança (TANENBAUM, 2003). As redes são classificadas de acordo com a distância entre os equipamentos que estarão conectados. Existem as redes: LAN, CAN, MAN e WAN (TANENBAUM, 2003). Rede LAN (Local Area Network - Rede de Área Local): É uma rede local. Abrange, por exemplo, um escritório, residência etc. Rede CAN (Campus Area Network - Rede de Área campus): É uma rede local que consegue conectar mais de um prédio em um mesmo terreno. Rede MAN (Metropolitan Area Network - Rede de Área Matropolitana): É uma rede usada, por exemplo, por uma rede de supermercados, trocando informações com outras unidades existentes em outras cidades. Rede WAN (Wide Area Network - Rede de Área Larga): É uma rede de longa distância. Interliga variadas localizações geográficas, até no mesmo país. Nesse capítulo serão apresentadas redes e Ethernet. A Ethernet tem pelo IEEE (Institute of Electrical and Electronic Engineers - Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos), órgão responsável pela tecnologia Ethernet, o padrão IEEE 802.3, sendo uma rede de transmissão de barramento, permitindo operações de controle a uma velocidade de 10 ou 100Mbps (bits por segundo) (TANENBAUM, 2003). Na tabela 1 é possível visualizar os principais padrões, funções e descrições de redes Ethernet.

27 26 PADRÃO IEEE 802.1p IEEE d IEEE 802.3x IEEE 802.3z FUNÇÃO DESCRIÇÃO Prioriza mensagens. Possui 256 níveis de prioridade Redução de links. Confiabilidade para a rede. Tabela 1 Padrões Ethernet Fonte: (JUNIOR, 2007) Full Duplex. Aumenta a velocidade. Comunica-se bidirecionalmente Gigabit Ethernet. Até 1000Mbps. Backbone (espinha dorsal) corporativo. Conexão da Internet do Brasil para outros países. Pode-se concluir que as tecnologias de redes industriais estão em contínua evolução, uma vez que as empresas buscam definir padrões com perfis de redes mais seguras e de alto desempenho [...] (WATANABE, 2006). Redes industriais são sistemas distribuídos, que representam diversos dispositivos trabalhando simultaneamente de modo a supervisionar e controlar um determinado processo. Esses dispositivos, por exemplo, sensores, atuadores, CLPs, PCs; estão interligados e trocam informações de forma rápida e precisa. Um ambiente industrial é, geralmente, hostil, de modo que os dispositivos ligados à rede industrial devem ser confiáveis, rápidos e robustos (OLIVEIRA, 2005). Para se implementar um sistema de controle distribuído, baseado em redes, tem-se a necessidade de vários estudos detalhados sobre o processo a ser controlado, buscando o sistema que melhor se enquadre para as necessidades do usuário (OGATA, 2003). As redes industriais têm como padrão três níveis hierárquicos, sendo eles responsáveis pela conexão de diferentes tipos de equipamentos. O nível mais alto é o que interliga os equipamentos usados para o planejamento da produção, controle de estoque, estatísticas da qualidade, previsões de vendas. Geralmente é implementado usando-se programas gerenciais, por exemplo, sistemas SAP, Arena etc. O protocolo TCP/IP, com padrão Ethernet é o mais utilizado nesse nível (DECOTIGNIE, 2001, apud SILVA, CRUZ e ROSADO, 2006). No nível intermediário, encontramos os CLPs, nos quais trafegam, principalmente, informações de controle de máquina, aquelas informações a respeito do status de equipamentos como robôs, máquinas ferramentas, transportadores etc. (OLIVEIRA, 2005). O terceiro nível é o que se diz referência para a parte física da rede, onde se encontra os sensores, atuadores, contadores etc. A classificação das redes industriais:

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações A utilização das redes na disseminação das informações Elementos de Rede de computadores: Denomina-se elementos de rede, um conjunto de hardware capaz de viabilizar e proporcionar a transferência da informação

Leia mais

ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil

ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil DESENVOLVIMENTO DE UM PROCESSO PARA AVALIAÇÃO DE MEDIÇÕES DE VAZÃO E BS&W Danielle S. Silva 1, Filipe

Leia mais

Redes Industriais ModBus RTU

Redes Industriais ModBus RTU Padrão EIA RS-232 O padrão RS (Recommended Standart) é uma padronização de interface para comunicação de dados criada nos anos 60 por um comitê da Electronic Industries Association (EIA). O equipamento

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

CLP- CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL PROGRAMMABLE LOGIC CONTROLLER

CLP- CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL PROGRAMMABLE LOGIC CONTROLLER CLP- CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL PROGRAMMABLE LOGIC CONTROLLER Resumo: Este artigo tem por objetivo descrever funcionalidade do CLP (Controlador Lógico Programável.) um dispositivo eletrônico digital.

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 25 CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 O Protocolo PROFIBUS O PROFIBUS (acrônimo de Process Field Bus) é o segundo tipo mais popular de sistema de comunicação em rede Fieldbus, ficando atrás somente

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Instrumentação Fieldbus: Introdução e Conceitos

Instrumentação Fieldbus: Introdução e Conceitos Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Instrumentação Fieldbus: Outros Processos de Introdução e Conceitos Separação custo Prof a Ninoska Bojorge Introdução Competitividade Complexidade dos

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Ementa Proposta CAP: 1 - INTRODUÇÃO ÀS REDES INDUSTRIAIS ; CAP: 2 - MEIOS FÍSICOS ; CAP: 3 - REDES

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

Março/2005 Prof. João Bosco M. Sobral

Março/2005 Prof. João Bosco M. Sobral Plano de Ensino Introdução à Segurança da Informação Princípios de Criptografia Segurança de Redes Segurança de Sistemas Símbolos: S 1, S 2,..., S n Um símbolo é um sinal (algo que tem um caráter indicador)

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. O processo de Navegação na Internet A CONEXÃO USUÁRIO

Leia mais

ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL

ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL Antônio Pereira de Araújo Júnior, Christiano Vasconcelos das Chagas Raphaela Galhardo Fernandes DCA-CT-UFRN Natal - RN Resumo Este artigo mostra um

Leia mais

Parte 02 O Controlador Lógico Programável

Parte 02 O Controlador Lógico Programável Parte 02 O Controlador Lógico Programável 2.0 Introdução: Para controlar uma planta industrial, seja a mais simples ou complexa, necessitamos de um sistema de controle, obviamente que quanto mais complexa

Leia mais

Introdução às Comunicações

Introdução às Comunicações Introdução às Comunicações Comunicação de Dados 3º EEA 2004/2005 Introdução Comunicações de dados envolve a transferência de informação de um ponto para outro. Comunicações analógicas: Sistemas de telefones;

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

Hardening de Servidores

Hardening de Servidores Hardening de Servidores O que é Mitm? O man-in-the-middle (pt: Homem no meio, em referência ao atacante que intercepta os dados) é uma forma de ataque em que os dados trocados entre duas partes, por exemplo

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais:

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: SISTEMAS OPERACIONAIS 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: I. De forma geral, os sistemas operacionais fornecem certos conceitos e abstrações básicos, como processos,

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Segurança na Rede Local Redes de Computadores

Segurança na Rede Local Redes de Computadores Ciência da Computação Segurança na Rede Local Redes de Computadores Disciplina de Desenvolvimento de Sotware para Web Professor: Danilo Vido Leonardo Siqueira 20130474 São Paulo 2011 Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

O uso do CP em sinalização de ferrovias

O uso do CP em sinalização de ferrovias O uso do CP em sinalização de ferrovias Introdução Um Sistema de Sinalização e Controle ferroviário é responsável por garantir a segurança das operações de movimentação dos trens, permitindo a operação

Leia mais

PROJETO DE UMA PLANTA PARA AVALIAÇÃO DE MEDIÇÕES DE INSTRUMENTOS DE VAZÃO E BS&W

PROJETO DE UMA PLANTA PARA AVALIAÇÃO DE MEDIÇÕES DE INSTRUMENTOS DE VAZÃO E BS&W PROJETO DE UMA PLANTA PARA AVALIAÇÃO DE MEDIÇÕES DE INSTRUMENTOS DE VAZÃO E BS&W Danielle S. Silva 1, Filipe O. Quintaes 2, Andrés O. Salazar 3, André L. Maitelli 4, Priscilla T. A. F. Jesus 5, Gustavo

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Vulnerabilidade do software Softwares comerciais contém falhas que criam vulnerabilidades na segurança Bugs escondidos (defeitos no

Leia mais

Protocolos de Comunicação: Conceitos

Protocolos de Comunicação: Conceitos Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF custo Protocolos de Comunicação: Conceitos Prof a Ninoska Bojorge Introdução competitividade desenvolvimento das empresas complexidade dos processos

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

Módulo 6: Segurança da TI

Módulo 6: Segurança da TI 1 Módulo 6: Segurança da TI 6.1. Questões de Segurança da TI Discute como se pode promover a qualidade e segurança dos sistemas de informação por uma diversidade de controles, procedimentos e instalações.

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br

Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando

Leia mais

5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de Comunicação Industriais

5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de Comunicação Industriais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS - DEPS INFORMÁTICA INDUSTRIAL IFD 5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável O primeiro controlador Lógico Programável nasceu na General Motors Americana em 1968, em função da dificuldade de se alterar a lógica dos circuitos em painéis de relés

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

SEGURANÇA E AUDITORIA DE TI

SEGURANÇA E AUDITORIA DE TI 1 SEGURANÇA E AUDITORIA DE TI Objetivos - Identificar diversos tipos de controles de sistemas de informação, controles de procedimentos e controles de instalações e explicar como eles podem ser utilizados

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação

O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação 1 O que é um PLC (Autómato)? Sumário Histórico PLC Hardware Entrdas/Saídas Modo de Funcionamento do PLC Linguagens de programação Comunicação O que é necessário

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Segurança da Informação Segurança de Redes Segurança de Sistemas Segurança de Aplicações

Segurança da Informação Segurança de Redes Segurança de Sistemas Segurança de Aplicações Segurança da Informação Segurança de Redes Segurança de Sistemas Segurança de Aplicações Símbolos Símbolos: S 1, S 2,..., S n Um símbolo é um sinal (algo que tem um caráter indicador) que tem uma determinada

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO o PROTOCOLO FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO Sup. Eng. de Aplicação de Sistemas da YokogawaAmérica do Sul Neste trabalho discorre-se sobre a rede foundation fieldbus, situando-a dentro do universo

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Claudio Hermeling COPEL GERAÇÃO E TRANSMISSÃO SA

Claudio Hermeling COPEL GERAÇÃO E TRANSMISSÃO SA SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL - COMPARTILHANDO INFORMAÇÕES DA AUTOMAÇÃO NA REDE CORPORATIVA Claudio Hermeling COPEL GERAÇÃO E TRANSMISSÃO SA RESUMO A interligação entre rede de automação e corporativa

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.2.2, 16.7.1, 16.7.2 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3.3, 6.3.2 Controller Area Network

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Automação Industrial Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Duas Aulas quinzenais -Datas: Engenharia Elétrica 08 e 18 de agosto 01, 15, 29 de setembro 13 e 27

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica 1. Arquitetura da Aplicação 1.1. O Banco Postal utiliza uma arquitetura cliente/servidor WEB em n camadas: 1.1.1. Camada de Apresentação estações de atendimento, nas

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS.

MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS. MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS. MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. Caro cliente, Para reduzir

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais http://www.waltercunha.com Bibliografia* Redes de Computadores - Andrew S. Tanenbaum Editora: Campus. Ano: 2003 Edição: 4 ou 5 http://www.submarino.com.br/produto/1/56122?franq=271796

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO

Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução A informática é uma área que atualmente vem evoluindo muito rapidamente. A cada dia se torna mais importante

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA DIGITAL Wagner de Oliveira OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA Hoje em dia a informação é um item dos mais valiosos das grandes Empresas. Banco do Brasil Conscientizar da necessidade

Leia mais

Microsoft Windows 7 / Vista / XP / 2000 / Home Server. Guia de Inicialização Rápida

Microsoft Windows 7 / Vista / XP / 2000 / Home Server. Guia de Inicialização Rápida Microsoft Windows 7 / Vista / XP / 2000 / Home Server Guia de Inicialização Rápida O ESET Smart Security fornece proteção de última geração para o seu computador contra código malicioso. Com base no ThreatSense,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores 1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores A crescente dependência das empresas e organizações modernas a sistemas computacionais interligados em redes e a Internet tornou a proteção adequada

Leia mais