I CURSO DE NIVELAMENTO EM MANEJO DE SEMENTES DE ESPÉCIES FLORESTAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I CURSO DE NIVELAMENTO EM MANEJO DE SEMENTES DE ESPÉCIES FLORESTAIS"

Transcrição

1 RELATÓRIO I CURSO DE NIVELAMENTO EM MANEJO DE SEMENTES DE ESPÉCIES FLORESTAIS Coordenação Manuel Lima Junior UFAM Selma Toyoko Ohashi - UFRA Manaus Novembro de 2010

2 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Rede de Sementes da Amazônia realizou em Manaus nos dia 16 e 17 de novembro de 2010, o Curso De Nivelamento Em Manejo De Sementes De Espécies Nativas com o propósito de ampliar a participação social, fortalecer e organizar o setor de sementes arbóreas na região. O Setor de Sementes nativas na Amazônia cresce de forma a atender os diversos setores que hoje utilizam este produto natural para as mais diversas finalidades, gerando emprego e renda às comunidades amazônicas. O mais nobre uso das sementes é dar suporte aos projetos de plantio para recuperação de áreas degradadas, apoio a implantação de Sistemas Agroflorestais a reposição florestal e os plantios florestais de interesse econômico. Também podemos citar hoje o interesse de sementes como fonte de renda para o uso no setor de artesanato, movelaria, produção de óleos e alimentos. O Curso visou reunir os diversos segmentos e atores da cadeia produtiva das sementes nativas para que o uso da semente seja efetuado dentro de padrões técnico, para a troca de experiência e informações entre os segmentos visando agregar e avançar no conhecimento das espécies nativas. Além destes fatos, o curso procurou sensibilizar para o uso de produtos da floresta de maneira consciente e da semente como um produto não madeireiro. A produção e manejo de sementes nativas vêm garantir a sustentabilidade de projetos ecológicos, sociais e econômicos na região e atendendo a regulamentação da Lei de Sementes e Mudas florestais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA. A capacitação para as atividades de produção, coleta e manejo de sementes é imprescindível para dar base à recuperação das áreas e ecossistemas degradados na Amazônia. Desta maneira a Rede de Sementes da Amazônia e o Projeto Corredores Ecológicos- MMA em parceria realizaram o Curso de Nivelamento em Manejo de Sementes de Espécies Nativas com o Corpo Docente constituído de profissionais de a grande atuação no setor como a Universidade Federal Rural da Amazônia UFRA, Universidade Federal do Amazonas UFAM, Universidade do Estado do Amazonas UEA, Superintendência Federal da Agricultura do Amazonas SFA Amazonas e Instituto de Pesquisa da Amazônia INPA, Alunos de Pós-graduação, Equipe de coletores de sementes e Associação de Produtores de Sementes do Pontal MT. A realização do curso atendeu plenamente a expectativa com o número de participantes acima do esperado e o grau de participação e envolvimento das pessoas inscritas chamou a atenção dos coordenadores e professores do curso. A qualidade e abrangência dos temas abordados geraram ampla satisfação entre os alunos.

3 2. OBJETIVOS DO CURSO 2.1. Geral Promover a capacitação de agentes públicos e privados na produção, coleta, manejo e comercialização de sementes de espécies florestais da Amazônia visando aumentar a oferta de sementes atendendo a nova legislação de sementes e mudas florestais do MAPA., 2.2. Específicos Capacitar através do nivelamento de técnicos da extensão rural públicos e privados, potencias parceiros da Rede de Sementes da Amazônia no assunto produção, tecnologia e legislação acerca de sementes florestais nativas; Sensibilizar o público alvo quanto a importância da semente e o uso de espécie nativas na recuperação ambiental e sua importância na cadeia produtiva; Dar conhecimento básico para a implantação de áreas produtoras de sementes e a produção de mudas de espécies florestais nativas; Difundir a Lei Brasileira de Sementes e Mudas em especial o capítulo XII que trata da produção e comercialização de sementes e mudas de espécies florestais; Dar continuidade ao trabalho de capacitação que a Rede de Sementes da Amazônia vem efetuando nos seus nove anos de existência; Apoiar as ações do Projeto Corredores Ecológicos na recuperação de áreas degradadas na sua região de abrangência 3. DATA E LOCAL O curso foi realizado nos dias 16 e 17 de novembro de 2010, no Auditório da Faculdade de Educação Física da Universidade Federal do Amazonas, Manaus Amazonas. O Auditório com capacidade para 120 pessoas onde foram disponibilizados os equipamentos audiovisual e infraestrutura de ar-condicionado, quadro branco, banheiros, bebedouros e etc.

4 4. VAGAS E CARGA HORÁRIA O curso contou com a participação de 100 pessoas de diferentes formações técnicas em ciências agrárias, biólogos, professores, pesquisadores, viveiristas, produtores rurais, alunos de graduação e pósgraduação. O conteúdo do curso foi ministrado em dois dias consecutivos totalizando 16 horas/aulas, entre teoria e demonstração prática de escalada para coleta segura de sementes de espécies nativas na Amazônia. 5. DIVULGAÇÃO Para o alcance dos objetivos e diversidade de público, a coordenação do curso elaborou uma homepage (http://www.conhecendoamadeira.com/extras/sementes/programacao_encontro.php) e adotou o critério de distribuição de convites às principais instituições governamentais e não-governamentais da região, bem como, isoladamente, a pessoas de conhecida atuação na área ambiental. O objetivo foi o de formar uma turma eclética, com a participação não apenas de técnicos, mas de pessoas da comunidade, ambientalistas e estudantes das áreas afins. A divulgação foi iniciada em setembro de 2010 principalmente via s. Os s constavam da programação e informações sobre inscrição e endereço da homepage anexadas a todas as mensagens enviadas. Foram trocadas mais de cento e vinte mensagens até a consolidação da lista final de participantes. A demanda superou o número de vagas (100) e algumas pessoas não puderam ter suas solicitações atendidas ou não confirmaram sua pré-inscrição. A coordenação dirigiu convite as principais as instituições governamentais da região (Ibama de diferentes locais da região, Sedam, Sema s, Embrapa, Ceplac, DFA-AM-PA e RO, Emater, etc), prefeituras do Estado do Amazonas, que dispõem de endereço eletrônico, a ONG s, às universidades UFOPA, UEA, UFAM UFRA, por meio das coordenações dos cursos de engenharia florestal e biologia, e à entidades rurais comunitárias, como associações rurais e comunidades indígenas e telefonemas foram feitos diretamente às chefias dos principais órgãos do Estado, a exemplo da Ibama- Amazonas, Embrapa Amazônia Ocidental, IDESAM, etc

5 6 INSCRITOS Participaram do curso 84 pessoas, conforme lista consolidada (anexo 1), na qual constam nomes completos e de todos os participantes. 7. PROGRAMA Programação Dia 16 de novembro de 2010 Assunto Horário Responsável A Rede de Sementes da Amazônia 08-08:30 8:30 9:00 Dr. Selma Ohashi/UFRA Dr. Manuel Lima Jr. Projeto Corredores Ecológicos/ UFAM Importância e Uso de sementes/frutos tropicais 9:00 10:00 Dr. Daniel Gentil/UFAM Lanche 10:00-10:15 Morfologia de sementes e frutos de espécies nativas 10:15-11:15 MSc Sheylla Fonte Pinto/ UEA Áreas Produtoras de Sementes Nativas 11:15-12:30 Dr. Selma Ohashi/UFRA Métodos de Colheita de sementes nativas 14-15:45 Eudisvam Araujo Oliveira Instrutor de Arborismo Coordenador da Equipe de Instrutores do CSNAM Lanche 15:45-16:00 Experiência de Colheita de sementes nativas 16:00-17:00 Silvaney Martins Sardinha - Biólogo da Rede de Sementes do Portal MT e Fausto Andrelevicius e Angelito Costa Agricultores familiares e Coletores de sementes florestais Beneficiamento de Sementes Dr. Manuel Lima Junior/UFAM

6 Programação Dia 17 de novembro de 2010 Assunto Horário Responsável Germinação e dormência de sementes Florestais Análise de Sementes de Espécies Florestais M.Sc. Geângelo Petene Calvi /INPA Dra. Márcia Figliolia/IFSP Lanche 10-10:15 Armazenamento de sementes 10:15-12 Dr. Isolde Ferraz/INPA Produção de mudas Dr. Narrubia de Oliveira/UFAM Lanche Lei de sementes M.Sc. Maria Aldenir/ MAPA Dr. Selma Ohashi/UFRA Entrega de Certificados - Apresentação da cooperativa de Coletores de Sementes JUMA FAS/ SEBRAE/ UFAM - Capacitados em 3 cursos na área de Manejo e Coleta de Sementes pela UFAM Capacitados Nivelamento em Manejo de Sementes florestais/ CONTEÚDO DAS PALESTRAS - Manhã 8:00-8:30 h Abertura Palestra: Rede de Sementes da Amazônia (Palestra proferida por Selma Toyoko Ohashi- UFRA Coordenadora da Rede de Sementes da Amazônia)

7 A coordenadora da Rede de Sementes da Amazônia- RSA deu as boas vindas aos presentes e saldou a presença dos Chefes das Instituições presentes podendo citar Dr. Marcelo Bruni, representante da EMBRAPA Manaus,, Dra. Liane Marise Representante EMBRAPA Roraima, Marta Representante da Universidade Federal de Rondônia, Isolde Ferraz Representando o INPA, Gloria Mello representando a Universidade Estadual do Amazonas. Em seguida apresentou um resumo sobre a RSA e as atividades desenvolvidas desde sua organização inicial aos dias atuais. Os objetivos e metas alcançadas, bem como mencionadas as dificuldades encontradas e a importância da mobilização e participação de novos parceiros sejam institucionais e/ou pessoais. Após a exposição, foi aberto espaço para perguntas. Houve vários questionamentos, particularmente, sobre como novas pessoas e instituições poderiam fazer parte da Rede. 8:30 às 9:00h Palestra : Projeto Corredores Ecológicos MMA (Palestra proferida por Manuel Lima Junior UFAM Coordenador do Projeto Corredores ecológicos UFAM/MMA) Consolidar o setor com finalidade de trazer maior capacitação e integração dos parceiros da Rede de Sementes da Amazônia, parceiros e inscrição de áreas de coleta de sementes e formação de coletores de sementes só viriam a fortalecer o setor de sementes na Amazônia. Fortalecer a política de recuperação da área do corredor da BR 174 e AM 240, e que hoje passa por um período de franca ocupação, seria de grande valia para conservar o corredor. Iranduba e Manacapuru, ambos no estado do Amazonas, com o corte da floresta para produzir lenha com o objetivo de abastecer as olarias e fábricas, foi abordado pelo MMA (2006), no planejamento estratégico plurianual do projeto corredores ecológico, Fase II, quando diz que como conseqüência do centro urbanos, da produção de tijolos e telhas no município de Iranduba ajuda a aumentar a fragmentação da paisagem. Respondendo por mais de 90% de toda demanda de produtos de olaria em Manaus, particularmente tijolos, a região compreendida pelos municípios de Manacapuru e Iranduba, ao longo da rodovia estadual AM-070, vêm sofrendo acelerada redução de sua cobertura florestal primária, e freqüente re-ocorrências de derrubadas em áreas de capoeira, nos últimos 35 anos, para atender as necessidades energéticas dos fornos das olarias e fábricas de tijolos e telhas ali instaladas. O projeto vem fortalecer o setor no Estado e promover a recuperação na Área do Corredor Ecológico da Amazônia Central

8 9:00 às 10:00h Palestra: Importância e Uso de sementes/frutos tropicais (Palestra proferida por Daniel Gentil - UFAM) Os dicionários apresentam como significado de importância, a qualidade de uma coisa considerável, seja por si mesma, seja pelas consequências que pode ter. E de uso, o ato ou efeito de usar; aplicação ou emprego. Logo, as duas palavras, embora semanticamente independentes, são complementares, pois aquilo que é usado, é apropriado pelo humano para seu usufruto e, por isso, para ele é importante, apesar de muitas vezes não ter consciência disso. Por outro lado, a importância ultrapassa as barreiras do egocentrismo humano e diz respeito a tudo que existe no universo (ou que pelo menos conhecemos até o momento). Tudo que existe deve ter importância, caso contrário não existiria! Apenas nossa capacidade de entender tudo isso que ainda é limitada... Talvez, sejam os problemas enfrentados pela humanidade que levem a não pensar sobre a importância das coisas e do uso adequado de cada uma delas... Em relação às sementes e frutos, é de se esperar que, mesmo um leigo na Área de Sementes, comente ou cite pelo menos uma importância ou uso dessas estruturas vegetais; mas, mesmos nós técnicos na Área, procuramos desvincular a importância e o uso das questões puramente econômicas? Diante disso, a palestra visou suscitar reflexões sobre a importância real e o uso real e potencial de sementes e frutos tropicais. Para isso, foi realizada uma breve retrospectiva da história das sementes/frutos na história da humanidade, abrangendo o Australopithecus afarensis, o Homo habilis, o H. erectus, o H. sapiens, o H. sapiens sapiens, o Neolítico, a Idade Antiga, a Idade Média, a Idade Moderna e a Idade Contemporânea. Na atualidade, nos trópicos e na Amazônia, a importância e o uso foram traduzidos por brincadeiras de criança, festas, lendas, artesanato, cosméticos, medicamentos, óleos, biocombustíveis, materiais de construção, corantes, bebidas, sorvetes, comidas, ração animal, adubos orgânicos, propagação de plantas, reprodução de plantas e cadeia alimentar. Por fim, a importância e uso das sementes e frutos, como das demais coisas existente no nosso universo, deve levar em consideração o bem estar das gerações atuais e futuras. 10:00-10:30 Intervalo 10:30 às 11:30h Palestra: Morfologia de sementes e frutos de espécies nativas. (Palestra proferida por Sheylla Fonte Pinto - UEA)

9 A morfologia vem oferecendo base para a identificação e para a classificação dos vegetais, por abranger caracteres de pronta e fácil interpretação. A morfologia de frutos e sementes, muitas vezes, fornece informações sobre o estágio de maturação das sementes, possibilitando a definição da época da coleta, pois a maturidade fisiológica geralmente é acompanhada por modificações visíveis no aspecto externo dos frutos e sementes, tais como a coloração, a textura, a forma, o tamanho e o peso, entre outros. A diversidade morfológica de frutos e sementes constitui adaptações para dispersão destas estruturas, por diferentes meios, e é útil como ferramenta para a caracterização das síndromes de dispersão das espécies. O método de secagem e extração de sementes de espécies florestais depende das características morfológicas dos frutos, bem como de sua consistência e deiscência. Através do conhecimento da estrutura morfológica da semente podem-se obter indicações sobre germinação, armazenamento, viabilidade e métodos de semeadura. Bem como a identificação de dormência, como a ocasionada pelo tegumento impermeável, ou mesmo a causada por imaturidade do embrião. 11:30 às 12:30h Palestra: Áreas Produtoras de Sementes Nativas. (Palestra proferida por Selma Toyoko Ohashi- UFRA) A obtenção de sementes para comercialização deve seguir as normas do Ministério da Agricultura existentes no DECRETO Nº 5.153, DE 23 DE JULHO DE Para tanto no curso foram abordadas as seguintes categorais de sementes: identificadas, selecionadas, qualificadas e testadas. A categoria de sementes identificadas pode ser obtida através das seguintes unidades de produção de sementes: Área de Coleta de Sementes - ACS: população de espécie vegetal, nativa ou exótica, natural ou plantada, caracterizada em termos geográficos e ambientais, onde são coletadas sementes ou outro material de propagação, e que se constitui de Área Natural de Coleta de Sementes - ACS-NS, Área Natural de Coleta de Sementes com Matrizes Marcadas - ACS-NM, Área Alterada de Coleta de Sementes - ACS-AS, Área Alterada de Coleta de Sementes com Matrizes Marcadas - ACS-AM. Na categoria selecionada as sementes podem ser obtidas de Área de Coleta de Sementes com Matrizes Selecionadas - ACS-MS que se constitui de população de espécie vegetal, nativa ou exótica, natural ou plantada, caracterizada em termos geográficos e ambientais, onde são selecionadas matrizes destinadas a coleta de sementes ou outro material de propagação. Para a categoria qualificada, as sementes podem ser obtidas de populações e matrizes selecionadas e isoladas contra pólen externo e manejadas para produção de sementes, para esta categoria são utilizadas as seguintes unidades produtoras: Área de Produção de Sementes APS, Pomar Clonal de Sementes Clonal PSC; Pomar de Sementes por Mudas PSM. Para a categoria testada o material de propagação deve ser coletado de matrizes selecionadas

10 geneticamente, com base em testes de progênie ou testes aprovados pela entidade certificadora ou pelo certificador para a região bioclimática especificada, em área isolada contra pólen externo. Tarde 14:00 às 15:45h Palestra: Métodos de Colheita de sementes nativas. (Palestra proferida por Eudisvam Araujo Oliveira Instrutor de Arborismo Coordenador da Equipe de Instrutores do Centro de Sementes de Espécies Nativas do Amazonas -CSNAM) Houve a participação da Rede Sementes do Portal com apresentação dos trabalhos realizados no norte do estado de mato grosso com coleta de sementes florestais. A Amazônia hoje devastada, deve ser restaurada e para isso há um elemento essencial: Sementes nativas florestais, sem elas essa meta não será atingida. Dentro deste contexto a rede sementes do portal atua em sete municípios: Apiacas; Alta Floresta; Carlinda; Nova Canãa do Norte; Nova Guarita, Terra Nova do Norte e Matupá. Território da Cidadania Portal da Amazônia, Amazônia meridional com o trabalho de coleta de sementes florestais. O elo mais importante da rede são os coletores e são compostos por agricultores familiares, índios da etnia Terena e trabalhadores acampados sem terra, incluindo jovens, adultos, idosos, homens e mulheres capacitados para o planejamento, coleta, beneficiamento e armazenamento de sementes de forma coletiva. A rede semente do Portal aposta nas sementes como instrumento de organização, geração de conhecimento e renda. Coletar sementes florestais um termo apropriado para os povos do campo e da floresta. Após coletadas e beneficiadas as sementes são guardadas nas casas de sementes: espaço comunitário de armazenamento. Na casa de semente se faz a triagem e estocagem das sementes, com controle da qualidade coletivo. Tendo em vista que o setor de sementes florestais na Amazônia deve crescer de forma a atender diversos setores que necessitam de sementes para as mais diversas finalidades, houve a necessidade da difusão de técnicas de coleta que promovam a produção destas sementes com qualidade em conjunto com a segurança dos coletores de sementes envolvidos no processo. A Equipe de Instrutores do Centro de Sementes de Espécies Nativas do Amazonas CSNAM vem realizando cursos de capacitações em Coleta de Semente para que os futuros coletores possam desenvolver as atividades com segurança e conhecimentos técnicos para se produzir um bom lote de semente. O Curso é dividido em duas etapas: Técnicas de Manejo de Sementes e a Coleta de Semente com Técnicas de Escalada e Rapel. Com isso a equipe de instrutores, cumpri com o seu principal objetivo que é o fortalecimento e a capacitação de coletores que futuramente vem contribuir no abastecimento do CSNAM.

11 Palestra: Colheita de sementes nativas efetuada por Agricultores Familiares - MT (Palestra proferida por Silvaney Martins Sardinha Biólogo e Consultor da Rede de Sementes do Portal MT e participação especial dos agricultores familiares - Fausto Andrelevicius e Angelito Costa - Coletores de sementes florestais da Rede de Sementes do Portal) Houve a participação da Rede Sementes do Portal com apresentação dos trabalhos realizados no norte do estado de Mato Grosso com coleta de sementes florestais. A Amazônia hoje devastada deve ser restaurada e para isso há um elemento essencial: Sementes nativas florestais, sem elas essa meta não será atingida. Dentro deste contexto a rede sementes do portal atua em sete municípios: Apiacas; Alta Floresta; Carlinda; Nova Canãa do Norte; Nova Guarita, Terra Nova do Norte e Matupá. Território da Cidadania Portal da Amazônia, Amazônia meridional com o trabalho de coleta de sementes florestais. O elo mais importante da rede são os coletores e são compostos por agricultores familiares, índios da etnia Terena e trabalhadores acampados sem terra, incluindo jovens, adultos, idosos, homens e mulheres capacitados para o planejamento, coleta, beneficiamento e armazenamento de sementes de forma coletiva. A rede semente do Portal aposta nas sementes como instrumento de organização, geração de conhecimento e renda. Coletar sementes florestais um termo apropriado para os povos do campo e da floresta. Após coletadas e beneficiadas as sementes são guardadas nas casas de sementes: espaço comunitário de armazenamento. Na casa de semente se faz a triagem e estocagem das sementes, com controle da qualidade coletivo. 15:45 às 16:00h - Intervalo 16:00 às 18:00h Palestra: Beneficiamento de Sementes Nativas. (Palestra proferida por Manuel Lima Junior - UFAM) Beneficiamento de sementes é a operação efetuada mediante meios físicos, químicos ou mecânicos com o objetivo de aprimorar a qualidade de um lote de sementes, compreendendo, respeitadas as particularidades das espécies, as etapas de: recepção, pré-limpeza, secagem, armazenamento, limpeza, transporte, classificação, tratamento, embalagem, amostragem, pesagem e identificação. O beneficiamento é o estágio essencial da tecnologia de sementes relativa à produção de alta qualidade. Beneficiamento é, portanto, um conjunto de operações que têm a finalidade de melhorar a pureza e o

12 padrão de sementes, além de ajudar a preservar seu poder germinativo, resguardando-a contra o ataque de pragas e doenças. O objetivo do beneficiamento de frutos e de sementes é promover a limpeza, apresentando sementes puras de alta qualidade fisiológica (poder germinativo), de fácil manejo e armazenamento durante os processos que sucedem, tais como: prétratamento, transporte e semeadura. O presente nivelamento prevê abordar todos os aspectos que visam eliminar as impurezas com finalidade de garantir técnicas e procedimentos para manter a viabilidade dos lotes de sementes de espécies florestais. 2º dia Manhã 8::00 às 10:00h Palestra: Germinação e dormência de sementes Florestais (Palestra proferida por Geângelo Petene Calvi /Doutorando do INPA). A germinação das sementes é a retomada do crescimento do embrião, que se inicia com a embebição e termina com a protrusão de qualquer parte do embrião (geralmente a radícula; critério fisiológico) ou com a formação da plântula (critério tecnológico). Vários fatores podem influenciar o processo de germinação, podendo ser estes, inerentes ao ambiente ou às sementes. Referente ao ambiente os fatores mais determinantes à germinação são a temperatura e luz, porém, a germinação também não ocorrerá, ou será retardada, sob condições inadequadas de água e oxigênio. Com relação às necessidades térmicas, há uma grande variação entre as espécies. Algumas sementes germinam melhor em temperatura constante (por exemplo, Jacaranda copaia - caroba). Porém, no ambiente natural as flutuações de temperatura, relativas aos períodos diurnos e noturnos, podem ser significativas; assim, algumas espécies exigem temperaturas alternadas (termoperíodo) para a germinação das sementes. A luz, embora não seja considerada limitante à germinação, já que as sementes possuem todas as reservas necessárias para a germinação e desenvolvimentos da plântula existem algumas sementes que germinam somente na presença de luz, chamadas de sementes fotoblásticas positivas e outras que somente germinam no escuro, chamadas fotoblásticas negativas. Estas exigências são classificadas como dormência e, neste caso, a presença ou ausência de luz são vistas como fatores que superam a dormência. Entretanto, a maioria das espécies produz sementes que são fotoblásticas neutras e germinam na presença ou na ausência de luz. Existem também fatores inerentes às sementes que impedem ou retardam a germinação, quase sempre responsáveis por algum tipo de dormência nas sementes. Considera-se uma semente dormente, quando ela não germina, apesar das condições adequadas de água, oxigênio e temperatura para a germinação. Em linhas gerais, o tipo de

13 dormência pode ser definido por três aspectos: pela sua causa (fisiológica, morfológica, física, química ou mecânica), pela definição do local (endógeno no embrião ou exógeno em estruturas fora do embrião, como endosperma, perisperma, tegumento ou pericarpo), e pela definição do momento em que a dormência se manifesta na dispersão (primária) ou após a dispersão (secundária). As sementes podem apresentar um ou mais tipos de dormência. O entendimento da causa dos diferentes tipos de dormência é primordial para sua correta superação, como por exemplo: Dormência fisiológica - relacionado aos processos fisiológicos que bloqueiam o crescimento do embrião. Apesar de fisicamente estruturado e completo, a semente não germina por razões diversas localizadas no próprio embrião. Dormência física - causada pela impermeabilidade do tegumento à água. Estas sementes não embebem em contato com água e continuam duras. Para que a germinação seja alcançada, é necessário permitir a embebição da semente, que pode ser feita com a retirada de parcial ou total do tegumento. Dormência mecânica - causada por estruturas externas do embrião que impedem mecanicamente a sua expansão e, consequentemente, a protrusão da radícula. Desta forma, para a superação deste tipo de dormência, é necessário o rompimento ou enfraquecimento dessa barreira, de modo que o embrião consiga se expandir. Dormência morfológica- ocorre quando as sementes são dispersas com o embrião morfologicamente imaturo. Esse tipo de dormência é também conhecido como imaturidade do embrião ou embrião rudimentar. Para que a semente germine, é necessário um determinado período de tempo até que o embrião alcance maturidade. Dormência química - é causada por compostos, geralmente solúveis em água, que inibem a germinação. Desta forma, a lavagem das sementes em água corrente, pode ser um método eficiente para a superação da dormência. 10:00 às 10:15h Intervalo 10:15 às 11:15h Palestra : Análise de Sementes de Espécies Florestais (Palestra proferida por Márcia Figliolia - IFSP) A análise de sementes deve ser efetuada de acordo com métodos e padrões estabelecidos e que atenda as necessidades ecológicas para germinação de uma espécie. Desta maneira no curso foram abordados os fatores que podem influenciar na análise de sementes como temperatura, substrato, luz entre outros aspectos e que estes devem assegurar resultados seguros, precisos, uniformes e confiáveis. Para tanto é necessário desenvolver para a as espécies nativas padrões para análise de sementes e métodos mais rápidos e eficientes. A nossa grande biodiversidade, as características ecológicas de cada uma, aliado ao processo demorado de germinação, que ocorre em grande parte das sementes das espécies nativas devido a dormência, torna a definição dos padrões de análise um grande desafio para a pesquisa em sementes nativas.

14 10:00-10:15 Intervalo 10:15 às 12:00h Palestra: Armazenamento de sementes. (Palestra proferida por Isolde D. K. Ferraz INPA) O armazenamento visa assegurar sementes de boa qualidade para o momento oportuno de plantar, além disso, pode otimizar as coletas e reduzir custos. O armazenamento sob condições específicas pode visar também a conservação do material genético. Existem, em princípio, dois grupos de sementes com exigências distintas para fins de armazenamento. Sementes tolerância ao dessecamento e congelamento podem ser armazenadas por longos períodos, ao contrário das sensíveis ao dessecamento, que são de difícil armazenamento e podem ser guardadas somente por poucos dias, semanas ou meses. Estimase que mais do que 50% das árvores tropicais possuem sementes de difícil armazenamento. O manuseio diferenciado para aumentar a longevidade de cada grupo de sementes foi abordado. Em caso de falta de conhecimento prévio foram explicados métodos para classificar as sementes experimentalmente, por testes diretos e indiretos, e como podem ser evitados erros metodológicos nesta classificação. Quando uma classificação experimental não é possível, uma previsão das exigências das sementes pode ser feita baseada em algumas características morfológicas, taxonômicas e ecológicas. A palestra finalizou indicando endereços eletrônicos onde podem ser encontradas informações de espécies nativas do Brasil na Internet. Tarde 14:00 às 15:00h Palestra: Produção de mudas. (Palestra proferida por Narrúbia de Oliveira - UFAM) Entende-se como viveiro florestal, aquela área onde são concentradas todas as atividades de produção de mudas, devendo a mesma ser de qualidade para não comprometer o plantio.a escolha do local deve constituir-se no primeiro cuidado para a instalação de um viveiro. Os principais aspectos que devem ser considerados na escolha do local para instalar um viveiro são: facilidade de acesso, suprimento de água, distância do mercado consumidor, facilidade de obtenção de mão de obra, topografia da área, tipo de solo, histórico de uso da área, condições ambientais e possibilidade de expansão. No dimensionamento dos canteiros deve-se observar principalmente a largura dos mesmos, sendo

15 que esta deve situar-se entre 0,80m 1,20m. A profundidade da semeadura e a posição da semente no local onde a mesma é semeada, seja na sementeira ou diretamente nos recipientes, são aspectos a serem considerando visando produzir mudas com qualidade. A qualidade da muda também está relacionada a qualidade da semente. Mudas oriundas de APS provavelmente tenha uma melhor qualidade do que as oriundas de ACS. Durante o manejo das mudas no viveiro, são realizadas atividades culturais tais como capina manual, dança. Deve-se observar o sombreamento adequado para cada espécie. A rustificação da muda, antecedendo a expedição da mesma, é um procedimento importante que deve ser adotado pelo viveirista, no sentido de preparar as mudas para enfrentar as condições adversas de campo, sendo que a rustificação envolve a exposição paulatina das mudas a incidência solar direta, quando estas são produzidas em ambientes sombreados e a leve stress hídrico. 15:45 às 16:00h - Intervalo 16:00 às 17:00h Palestra: Lei Brasileira de Sementes e Mudas (Palestra proferida por Maria Aldenir - MAPA e Selma Toyoko Ohashi- UFRA) A Lei brasileira de sementes e mudas (Lei nº /2003) instituiu Sistema Nacional de Sementes e Mudas (SNSM), que visa garantir a identidade e a qualidade de todo material propagativo comercializado e utilizado no território nacional. O SNSM compreende as atividades relacionadas ao registro nacional de sementes e mudas, o registro nacional de cultivares, a produção, certificação, análise e comercialização de sementes e mudas, além da fiscalização da produção, do beneficiamento, da amostragem, da análise, certificação, do armazenamento, do transporte e da comercialização das sementes e mudas. Segundo a lei, as pessoas físicas e jurídicas que exerçam as atividades de produção, beneficiamento, embalagem, armazenamento, análise, comércio, importação e exportação de sementes e mudas serão obrigadas a se inscreverem no Renasem. O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento MAPA é o órgão responsável por estabelecer os mecanismos de coordenação e execução das atividades previstas na legislação, como também o credenciamento de pessoas físicas e jurídicas que operam nesse setor. No Curso foi abordado, de maneira prática, como as pessoas interessadas em produzir ou comercializar sementes e mudas devem proceder para se integrar e se legalizar perante o SNSM. 17:00 às 18:00h Encerramento : Entrega de Certificados, Apresentação da cooperativa de Coletores de Sementes JUMA -2010

16 8. EQUIPE DE APOIO Centro acadêmico de Engenharia Florestal UFAM Centro de Sementes de Nativas do Amazonas- CSNAM 9. CONSIDERAÇÕES FINAIS A coordenação avalia que os objetivos do curso foram plenamente alcançados, superando as expectativas, no que diz respeito à participação e mobilização social. As pessoas declararam satisfação e muito interesse em multiplicar os conhecimentos e práticas adquiridas. Houve uma forte interação do grupo, cujo principal traço foi o seu caráter eclético e o grau de empatia. No encerramento do curso, houve espaço para que todos se pronunciassem, alunos, instrutores e equipe de coordenação. Várias foram às manifestações com elogios ao conteúdo e modelo de curso oferecido. O curso, com apoio e participação ativa do Centro Acadêmico através de registros fotográficos, manuseio dos equipamentos, elaboração e manutenção da página, recebimento e organização dos inscritos entre outras atividades. A participação do Centro acadêmico foi fundamental para o sucesso do evento. 10. Realização RH Turismo

17 Anexo 1 INSCRIÇÕES CONSOLIDADAS I CURSO DE NIVELAMENTO EM MANEJO DE SEMENTES DE ESPÉCIES NATIVAS MANAUS AMAZONAS NOVEMBRO DE Número Participante 1 Alcilene de Araujo Paula 2 Aldilane Mendonca da Silva 3 Alex-sandra Farias de Almeida 4 Aline Cristina C. Silva 5 Ana Carolina de Souza dos Santos 6 Ana Maria Freitas Matos 7 Andressa de Oliveira Lopes 8 Angela Maria da Silva Mendes 9 Angelito Pereira da Costa 10 Antonieta de Souza Braga 11 Ariane Mendes Oliveira 12 Breno Pinto Rayol 13 Carlos Sergio Pessoas Nogueira 14 Caroline Yoshida Kawkami 15 Clayton Rodrigo 16 Cristina Santos da Silva 17 Daniel Felipe de Oliveira Gentil 18 Daniel Ferreira Campos 19 Danielly Ferreira de Araujo 20 Derick de Lima Farias 21 Dilma Carolina Albuquerque Lima 22 Diogo Siqueira Bruce 23 Edilingles P. Vieira 24 Edmilson Rodrigues 25 Etelvino Rocha Araujo 26 Eudisvam Araujo Oliveira 27 Evelly Sevalho Bentes 28 Fabiola Viana de Almeida 29 Fausto Andrelevicius 30 Fernando Matias 31 Filipe Eduardo Danielli 32 Francisco Itamar G. Melgueiro 33 Frank Correa Ferreira 34 Gabriel C. Carreiro 35 Geangelo Petene Calvi

18 36 Gesiney da Silva Pinto 37 Geycyane Silva de Souza 38 Giliard Vieira da Silva 39 Gustavo Naressi de Azeredo 40 Ivine Nara Lobato Santos 41 Izabel Barbosa Lima 42 Jackeline Nascimeto de Lira 43 Jaqueline Dranka 44 Jose Aragao Cardoso Neto 45 Jose Augusto Figueira da Silva 46 Jose Hamilton de O. Braga 47 José Ribamar da Silva Pinto 48 Juliane Dias de Almeida 49 Kelthon Jhon dos Passos Ferreira 50 Leonardo Ribeiro da Silva 51 Luis Gonzaga Lopes do N. Junior 52 Manoel Paulino da Costa Filho 53 Manoela Meyersieck Jardim 54 Marcel dos Santos Leao 55 Marcely Cristine Andrade da Silva 56 Marcia Carla Ribeiro de Oliveira 57 Marcilio Paschoalino 58 Marcos Hervé Pinheiro Junior 59 Marcos Roberto Carreira Rocha 60 Maria Astrid Rocha Liberato 61 Maria de Fatima Figueireido Melo 62 Maria do Socorro S. da Mota 63 Maria Elizabeth de Assis Elias 64 Marilane Nascimento Irmão 65 Marta Silvana Volpato Sccoti 66 Michele Maria Lopes Moreira 67 Moacir Muniz de Souza 68 Narrúbia de Oliveira Almeida 69 Nonato Junior Ribeiro dos Santos 70 Pedro Henrique Luniére Porto 71 Rafael Bentolila 72 Rafael Goncalves de Oliveira 73 Railma Pereira Moraes 74 Raimundo Almeida Moreira Filho 75 Raimundo Cajueiro Leandro 76 Raylton dos Santos Pereira 77 Renata Reis de Carvalho 78 Robson Disarz 79 Roniscley Pereira dos Santos 80 Sheylla Fontes Pinto 81 Silvaney Martins Sardinha

19 82 Wanda Lemos Paixão Nogueira 83 Selma Ohashi 84 Maria Aldenir Mota de Brito ANEXO 2 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais;

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS ISRAEL GOMES VIEIRA Setor de Sementes IPEF Agosto 2007 SEMENTES CATEGORIAS IDENTIFICADA: material de propagação, coletado de matrizes com determinação botânica

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS

PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS COM ERNST GÖTSCH E MUTIRÃO AGROFLORESTAL OBJETIVO DO CURSO Contribuir para a construção de sociedades sustentáveis

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS CURSO SOBRE PROTEÇÃO E REGISTRO DE CULTIVARES 27 A 28 DE MAIO 2010 LONDRINA-PR SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA COLODEL FISCAL

Leia mais

Rede Brasileira de Sementes Florestais

Rede Brasileira de Sementes Florestais PLANO NACIONAL DE PRODUÇÃO DE SEMENTES E MUDAS FLORESTAIS NATIVAS Rede Brasileira de Sementes Florestais Adriana Dias Trevisan Dra. Gestão Ambiental Redes Regionais de Sementes Rede Semente Sul Rede de

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA Nº 07/2015 / Convênio nº 762009/2011/MMA/FNMC/FA Contratação de Consultoria Pessoa Física SERVIÇOS TÉCNICOS

COTAÇÃO PRÉVIA Nº 07/2015 / Convênio nº 762009/2011/MMA/FNMC/FA Contratação de Consultoria Pessoa Física SERVIÇOS TÉCNICOS COTAÇÃO PRÉVIA Nº 07/2015 / Convênio nº 762009/2011/MMA/FNMC/FA Contratação de Consultoria Pessoa Física SERVIÇOS TÉCNICOS A FA - Fundação Araripe, em atendimento ao disposto no Convênio nº 762009/2011,

Leia mais

Instituto Brasileiro de Florestas:

Instituto Brasileiro de Florestas: Instituto Brasileiro de Florestas: O Instituto Brasileiro de Florestas (IBF) tem como missão a restauração e conservação de florestas nativas. Desde a sua fundação, o IBF se preocupa em encontrar soluções

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Mosaicos de áreas protegidas Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Curso Introdução a Gestão de UCs Rio Branco, junho 2008 SNUC Art. 26. Quando existir um conjunto de unidades

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

Sugestões para a regulamentação da lei de sementes e mudas. ISA, 1º de setembro de 2010

Sugestões para a regulamentação da lei de sementes e mudas. ISA, 1º de setembro de 2010 Sugestões para a regulamentação da lei de sementes e mudas ISA, 1º de setembro de 2010 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) colocou em consulta pública, por meio da Portaria nº

Leia mais

INSTITUIÇÃO EXECUTORA:

INSTITUIÇÃO EXECUTORA: FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO ESTADO DE MATO GROSSO 30 ANOS RELATÓRIO DO PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DO ALGODÃO PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE MATO GROSSO Relatório

Leia mais

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal MINISTÉRIO DO MEIO AMBENTE SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA PILOTO PARA A PROTEÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS BRASILEIRAS PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS SUB PROJETO CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DOS ÓLEOS

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Juliana Leite Ribeiro 1, Sâmmara Emiliana Fonseca Carvalho 2, Marielle Aparecida de

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO 1. Introdução A Lei n 10.711, sancionada em 05/08/2003 e regulamentada pelo Decreto n 5.153 de 23 de julho de 2004, instituiu o Sistema Nacional de

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Proposta de Adequação Ambiental e Paisagística do Trecho Urbano do Rio Piracicaba e Entorno.

Proposta de Adequação Ambiental e Paisagística do Trecho Urbano do Rio Piracicaba e Entorno. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO FLORESTAL Proposta de Adequação Ambiental e Paisagística

Leia mais

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO PROJETO CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI RELATÓRIO DE ATIVIDADES ASSENTEMENTOS SERRA DAS ARARAS, FORMIGUINHA E POUSO ALEGRE JULHO DE 2011 INTRODUÇÃO

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 487, DE 1º DE OUTUBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

LEGISLAÇÃO. Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais

LEGISLAÇÃO. Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais LEGISLAÇÃO Jaeder Lopes Vieira M. Sc. Engenheiro Agrônomo Licenciado em Biologia Analista Ambiental Sênior Instituto Terra Professor da UNIPAC Aimorés/MG

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática ANEXO TEMÁTICO 5: Tema Prioritário V - Projetos Comunitários Linha de Ação Temática 5.1 Projetos Comunitários (comunidades tradicionais e povos indígenas) 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta

Leia mais

Crescimento global da consciência socioambiental

Crescimento global da consciência socioambiental Programa de Sustentabilidade Bunge 1. Contextualização Crescimento global da consciência socioambiental Sociedade Importância do tema Estruturação e articulação das entidades civis Pressões comerciais

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

Sementes e Mudas Orgânicas

Sementes e Mudas Orgânicas Sementes e Mudas Orgânicas Cenário atual e desafios para o futuro Eng Agr Marcelo S. Laurino Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comissão da Produção Orgânica de São Paulo BioFach América

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev.

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev. 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE... 1/10 Índice 1/1 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS O Programa de Coleta

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 O Diretor Geral do Câmpus Juiz de Fora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), no uso de suas atribuições

Leia mais

A ATA DE CRIAÇÃO DO NUCLEO DE PESQUISA APLICADA A PESCA E AQUICULTURA NORTE 5 DO IF-TOCANTINS 24 a 25 de março de 2009

A ATA DE CRIAÇÃO DO NUCLEO DE PESQUISA APLICADA A PESCA E AQUICULTURA NORTE 5 DO IF-TOCANTINS 24 a 25 de março de 2009 A ATA DE CRIAÇÃO DO NUCLEO DE PESQUISA APLICADA A PESCA E AQUICULTURA NORTE 5 DO IF-TOCANTINS 24 a 25 de março de 2009 Às nove horas do dia vinte e quatro de março de dois mil e nove, no auditório do Instituto

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SOCIEDADE HUMANA DESPERTAR LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário CULTIVARES LOCAIS, TRADICIONAIS OU CRIOULAS LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE CULTIVARES, SEMENTES E MUDAS POLÍTICAS PARA AGRICULTURA FAMILIAR E O CADASTRO CRIADO PELA PORTARIA MDA 51/2007 J.C. Zukowski Coordenador

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

REALIZAÇÃO Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia - IDARON. PERÍODO 05 a 09 de outubro de 2015

REALIZAÇÃO Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia - IDARON. PERÍODO 05 a 09 de outubro de 2015 OBJETIVO Capacitar e habilitar Engenheiros Agrônomos ou Florestais, em suas respectivas áreas de competência profissional, para emissão de Certificado Fitossanitário de Origem (CFO) e Certificado Fitossanitário

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Assessor Executivo Luis Roberto Wanderley de Siqueira Diretor Presidente da Empresa de Manutenção

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

SEMINÁRIO. Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade. 25 a 27 de novembro de 2014. Felipe Santos da Rosa

SEMINÁRIO. Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade. 25 a 27 de novembro de 2014. Felipe Santos da Rosa SEMINÁRIO Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade 25 a 27 de novembro de 2014 Felipe Santos da Rosa APRESENTAÇÃO A agropecuária do Estado do Amazonas é desenvolvida

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

EDITAL nº 04, de 06 de janeiro de 2015

EDITAL nº 04, de 06 de janeiro de 2015 EDITAL nº 04, de 06 de janeiro de 2015 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS RELATIVOS A NÚCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS E CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO E INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA NEABI -

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil 1º Seminário Paulista de PSA- Novembro de 2009 - Clayton F. Lino A natureza

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011 Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar 9 de agosto de 2011 Agricultura familiar é a forma de produção em que predominam: interação entre gestão, trabalho e direção do processo produtivo;

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

FORMAÇÃO DE AGENTES DE ATER. Cursos para Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural da Amazônia Oriental

FORMAÇÃO DE AGENTES DE ATER. Cursos para Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural da Amazônia Oriental MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR - SAF DEPARTAMENTO DE ASSISTENCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL - DATER COMISSÃO EXECUTIVA DO PLANO DA LAVOURA CACAUEIRA CEPLAC

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DO CURSO DE GUARDA-PARQUES

EDITAL DE SELEÇÃO DO CURSO DE GUARDA-PARQUES EDITAL DE SELEÇÃO DO CURSO DE GUARDA-PARQUES A Equipe de Conservação da Amazônia- ECAM, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade -ICMBio, a Universidade Federal do Amapá- UNIFAP, e a Secretaria

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica. Consumo Responsável, Compromisso com a Vida!

O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica. Consumo Responsável, Compromisso com a Vida! Mercado Mata Atlântica Reserva da Biosfera da Mata Atlântica O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica Consumo Responsável, Compromisso com a Vida! Apresentação O Programa "Mercado Mata

Leia mais

PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA

PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA Agência Goiânia de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária-Emater Vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação MINUTA PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA Safra 20XX /20XX Município:

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO

CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO Por que é importante dar preferência aos produtos orgânicos? Os sistemas de produção orgânica se baseiam em princípios da agroecologia e, portanto, buscam

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

ICMS Ecológico. Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais. Wilson Loureiro

ICMS Ecológico. Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais. Wilson Loureiro ICMS Ecológico Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais Wilson Loureiro Seminário Nacional sobre Pagamentos por Serviços Ambientais, 6, 7 e 8 de abril de 2009 Brasília Ministério

Leia mais

I Fórum Sustentabilidade da Cadeia do Cacau

I Fórum Sustentabilidade da Cadeia do Cacau I Fórum Sustentabilidade da Cadeia do Cacau Produção e Mercado de Cacau com Responsabilidade Socioambiental: Criação de Capacidades em Boas Práticas e Certificação na Cadeia do Cacau do Brasil. Missão:

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

I STMDVA I SIMPÓSIO TOCANTINENSE DE MICROBIOLOGIA E DOENÇAS VEICULADAS POR ALIMENTOS

I STMDVA I SIMPÓSIO TOCANTINENSE DE MICROBIOLOGIA E DOENÇAS VEICULADAS POR ALIMENTOS I STMDVA I SIMPÓSIO TOCANTINENSE DE MICROBIOLOGIA E DOENÇAS VEICULADAS POR ALIMENTOS I SIMPÓSIO TOCANTINENSE DE MICROBIOLOGIA E DOENÇAS VEICULADAS POR ALIMENTOS O Primeiro Simpósio Tocantinense de Microbiologia

Leia mais