MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO DE ACORDO COM A NORMA NP 4397 (OHSAS 18001)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO DE ACORDO COM A NORMA NP 4397 (OHSAS 18001)"

Transcrição

1 MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO DE ACORDO COM A NORMA NP 4397 (OHSAS 18001)

2 Este texto tem como base os requisitos da Norma NP 4397 (OHSAS 18001) Sistema de gestão da segurança e saúde do trabalho Especificações, e destina-se a exemplificar a estrutura-tipo de um Manual de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho, que deverá ser elaborado por qualquer empresa que pretenda desenvolver um sistema de gestão de acordo com a metodologia prevista naquela Norma.

3 1. Índice I. INTRODUÇÃO 1. Índice 2. Promulgação 3. Lista de detentores 4. Lista de revisões efectuadas 5. Definições II. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 1. Apresentação da empresa 1.1. Identificação da empresa 1.2.Localização 1.3. Síntese histórica 1.4. Fluxograma geral de fabrico 2. Estrutura e responsabilidade 2.1. Organigrama 2.2. Responsabilidades 3. Estrutura e responsabilidade do Sistema da Segurança e Saúde do Trabalho 4. Principais riscos associados à actividade 4.1. Identificação dos riscos associados à actividade 4.2. Avaliação dos riscos 5. Requisitos legais aplicáveis à Segurança e Saúde do Trabalho 5.1. Outra legislação relevante III. RESPONSABILIDADE DA GESTÃO 1. Elementos do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho 2. Política da Segurança e Saúde do Trabalho 3. Revisão pela Gerência IV.SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO 1. Planeamento para a identificação dos perigos, avaliação e controlo dos riscos 2. Formação, consulta e comunicação

4 3. Controlo dos documentos e dados 4. Controlo operacional 5. Prevenção e capacidade de reposta a emergências 6. Monitorização e medição do desempenho 7. Acidentes, incidentes, não conformidades e acções correctivas e preventivas 7.1. Acidentes de trabalho 8. Controlo dos registos 9. Auditorias

5 2. Promulgação A Gerência da empresa certifica que este manual refere de forma adequada os meios adoptados na organização para assegurar a Segurança e Saúde do Trabalho. O Sistema da Segurança e Saúde do Trabalho descrito neste Manual está definido e implantado no âmbito das actividades da organização. Este manual permite a todos os colaboradores da empresa conhecerem os meios adoptados para poderem actuar eficazmente, de modo a serem atingidos os objectivos da Segurança e Saúde do Trabalho, assim como permitir aos nossos clientes o conhecimento da nossa metodologia de trabalho. Constitui, assim, o suporte material à execução do conjunto de acções correspondentes ao controlo dos riscos para a Segurança e Saúde do Trabalho e ao desenvolvimento da melhoria do seu desempenho. A Gerência da empresa promulga as disposições contidas no presente Manual de Segurança e Saúde do Trabalho e reafirma que compete a todos os departamentos observar, a todos os níveis, o cumprimento das determinações que dele constam. Aprovação da Promulgação A Gerência

6 3. Lista de detentores Cópias Controladas CÓPIA Nº DESTINATÁRIO Cópias Não Controladas CÓPIA Nº DESTINATÁRIO Lista de revisões efectuadas N.º REVISÃO DESCRIÇÃO DATA 0 Redacção inicial

7 5. Definições TERMO Acção Correctiva Acção Preventiva Acidente Acidente de trabalho Auditoria Avaliação de Risco Desempenho Equipamentos de Protecção Individual Equipamentos de Protecção Colectiva Identificação de Perigo Melhoria Contínua Não Conformidade Objectivo Perigo Política Risco Risco Aceitável Segurança e Saúde do Trabalho DEFINIÇÃO Acção que visa eliminar a causa de uma não conformidade detectada ou de outra situação indesejável Acção que visa eliminar a causa de uma potencial não conformidade ou de outra potencial situação indesejável Acontecimento não planeado no qual a acção ou a reacção de um objecto, substância, indivíduo ou radiação, resulta num dano pessoal Um acidente que se verifique no local e tempo de trabalho e produza directa ou indirectamente lesão corporal, perturbação funcional ou doença de que resulte redução na capacidade de trabalho ou de ganho ou a morte Um exame sistemático para determinar se as actividades e os resultados conexos estão em conformidade com as medidas planeadas e se tais medidas são efectivamente postas em prática e são apropriadas para materializar a política e os objectivos da organização Processo global de estimativa da grandeza do risco e de decisão sobre a sua aceitabilidade Resultados mensuráveis do sistema da segurança e saúde do trabalho, relacionados com o controlo de uma organização sobre os riscos profissionais, e baseados na sua política e objectivos da segurança e saúde do trabalho Equipamentos utilizados individualmente que se destinam a proteger o corpo ou parte do corpo de riscos inequivocamente identificados Conjunto de elementos físicos dispostos numa situação de trabalho visando proteger uma ou mais pessoas de riscos profissionais nela existentes Processo de reconhecer a existência de um perigo e de definir as suas características Processo de aperfeiçoamento contínuo do sistema de gestão da segurança e saúde do trabalho, por forma a atingir melhorias de desempenho global da segurança e saúde do trabalho na organização Qualquer desvio das normas de trabalho, das práticas, dos procedimentos, dos regulamentos e do desempenho do sistema de gestão que possa, directa ou indirectamente, conduzir a lesões ou doenças, a danos para a propriedade, a danos para o ambiente do local de trabalho, ou a uma combinação destes Resultados que uma organização se propõe atingir em termos do desempenho da segurança e saúde do trabalho Fonte ou situação com um potencial de dano, em termos de lesões ou ferimentos para o corpo humano ou para a saúde, para o património, para o ambiente do local de trabalho, ou uma combinação destes Conjunto de intenções e orientações de uma organização relacionadas com a segurança e saúde do trabalho, como formalmente expressa pela direcção da organização Combinação da probabilidade e da(s) consequência(s) da ocorrência de um determinado acontecimento perigoso Risco que foi reduzido a um nível que possa ser aceite pela organização, tomando em atenção as suas obrigações legais e a sua própria política da segurança e saúde do trabalho Circunstâncias e factores que afectam o bem-estar de todos os trabalhadores, incluindo os temporários, prestadores de serviços, visitantes e qualquer outra pessoa que se encontre no local de trabalho

8 TERMO Sistema da Segurança e Saúde do Trabalho DEFINIÇÃO Parte de um sistema global de gestão que possibilita a gestão dos riscos para a segurança e saúde do trabalho relacionados com as actividades da organização. Estão compreendidos neste sistema a estrutura operacional, as actividades de planeamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos e os recursos para desenvolver, implementar, tornar efectiva, rever e manter a política da segurança e saúde do trabalho da organização

9 1. Apresentação da empresa 1.1. Identificação da empresa 1.2. Localização do(s) estabelecimento(s) da empresa 1.3. Síntese histórica Data do início da empresa: Missão da empresa: Actividades produtivas da empresa:

10 1.4. Fluxograma geral de fabrico Matéria-prima em armazém Componentes Produção na máquina Máquina Acabamento Conformação Produto Final Expedição

11 2. Estrutura e responsabilidade A autoridade e relação mútua de todo o pessoal que gere, efectua e verifica o trabalho relevante para a Segurança e Saúde do Trabalho está definida no organigrama da empresa. A responsabilidade pelo Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho é partilhada por todos os colaboradores, em termos de cada um ser responsável pelo que faz, face às correspondentes especificações ou procedimentos. A responsabilidade da Gerência concretiza-se na disposição de todos os recursos necessários e no empenhamento de todos os seus colaboradores para a implementação do Sistema de Gestão de Segurança e Saúde do Trabalho. As responsabilidades pela Segurança e Saúde do Trabalho são definidas pela Gerência, assumidas e postas em prática por cada um dos seus colaboradores da empresa, em termos de dar respostas aos requisitos decorrentes da Política da Segurança e Saúde do Trabalho ao pôr em prática os procedimentos que lhe dizem respeito. Para cada um dos colaboradores está estabelecida a respectiva Descrição de Funções, que define não só o enquadramento hierárquico de cada um dos colaboradores, mas também as suas principais funções. A compilação das Descrições de Funções no Manual de Funções e a sua actualização é da responsabilidade do Gestor da Segurança e Saúde do Trabalho, cabendo a sua aprovação à Gerência. Para todas as funções estão definidos no Manual de Funções os requisitos mínimos exigidos para a sua adequada execução.

12 2.1. Organigrama

13 2.2. Responsabilidades As responsabilidades a seguir descritas, destinam-se a dar a conhecer a organização, tendo em atenção que a autoridade, as relações mútuas e as funções de todos os colaboradores estão estabelecidas no Manual de Funções. Gerência - Definir a estratégia da empresa; - Definir a Política da Segurança e Saúde do Trabalho; - Estabelecer os objectivos da segurança e saúde na empresa; - Assegurar que a Política da Segurança e Saúde do Trabalho é adequadamente cumprida e praticada; - Aprovar o manual de Segurança e Saúde do Trabalho. Departamento da Segurança e Saúde do Trabalho - Coordenar a função Segurança e Saúde do Trabalho; - Gerir o Manual da Segurança e Saúde do Trabalho; - Manter a Gerência informada sobre o desempenho do sistema. Departamento Comercial - Elaborar, coordenar e acompanhar orçamentos e propostas; - Registar as encomendas e as reclamações de clientes; - Efectuar os aprovisionamentos e gerir os stocks. Departamento Técnico - Definir as especificações do produto final; - Elaborar as especificações técnicas de compras; - Colaborar na recepção da matéria-prima. Departamento de Produção - Executar as encomendas; - Gerir os meios humanos e materiais do fabrico; - Executar a manutenção dos equipamentos. Departamento da Qualidade - Gerir o Sistema de Gestão da Qualidade; - Manter a Gerência informada sobre o desempenho do sistema. Departamento Administrativo - Registar os movimentos contabilísticos e conferir facturas; - Controlar os orçamentos e apurar resultados. Todos os Colaboradores - Cumprir os procedimentos na parte que lhes são aplicáveis; - Colaborar na identificação de riscos.

14 3. Estrutura e responsabilidade do Sistema da Segurança e Saúde do Trabalho A Gerência designa (Nome) o Gestor da Segurança e Saúde do Trabalho, constituindo-o como seu representante nos assuntos relevantes para a Segurança e Saúde do Trabalho, tendo as seguintes responsabilidades: - Assegurar que os requisitos do Sistema de Gestão da Segurança do Trabalho são definidos, implementados e mantidos, em conformidade com a Norma NP 4397; - Informar a Gerência dos recursos necessários para a implementação, controlo e melhoria do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho; - Manter a Gerência informada sobre o desempenho do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho para que a sua adequabilidade, eficácia e melhoria continua seja uma realidade. A principal função deste Gestor é a Prevenção. Como tal deve planear, coordenar, motivar, aconselhar e informar de modo objectivo e reportar para a Gerência. Tem uma interligação com todos os sectores, principalmente com o sector produtivo (equipas de trabalho). São-lhe atribuídas as seguintes tarefas: - Identificação e controlo periódico dos riscos profissionais; - Estabelecimento de programas de Prevenção e elaboração de propostas de regulamento interno; - Informação técnica dos trabalhadores; - Verificação, ensaio e aquisição de EPIs e outro equipamento auxiliar; - Coordenar a Comissão de Segurança, Higiene e Saúde; - Coordenar o Centro Coordenador de Emergência. Esta Comissão de Segurança, Higiene e Saúde, que inclui representantes dos trabalhadores, tem finções consultivas e colabora na definição as linhas gerais da Segurança e Saúde do Trabalho, designadamente: - Coordenação das actividades dos diferentes sectores; - Participação na elaboração dos documentos do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho; - Apreciação do nível de Segurança e Higiene na empresa; - Distribuição e substituição de EPIs e outro equipamento auxiliar; - Dotações orçamentais. As funções do Centro Coordenador de Emergência respeitam ao conjunto de elementos que estabelecem as regras de actuação para situações de emergência, designadamente: - Avaliar (frequência e severidade) os Riscos Graves (incêndio, explosões, derrames, etc.) e sua localização. Documentar estas avaliações. - Gerir os equipamentos de segurança e respostas a emergência. Elaborar lista de equipamentos e materiais de segurança. Documentar quem fica responsável pela manutenção (extintores, sinalização, bocas de incêndio, primeiros socorros, detectores de incêndio, fardas de incêndio, máscaras, etc.) e quais os planos de manutenção. - Definir as actuações em caso de emergência. Quem faz o quê (quem dá o alarme e alerta, quem coordena o primeiro ataque, quem liga ou desliga equipamentos ou quadros eléctricos, quem coordena a evacuação, etc.) - Definir a gestão da formação no domínio do sistema de emergência. Elabora o plano de formação de emergência, providencia pela sua execução e avalia a eficácia. - Avaliar a implementação da função emergência (sinalização, iluminação, extintores, plantas, etc.). Documentar as acções correctivas e preventivas.

15 4. Principais riscos associados à actividade A empresa tem características muito próprias associadas ás suas actividades: - No domínio das instalações; - No domínio dos automatismos; - No domínio dos equipamentos (máquinas); - No domínio da mão-de-obra; - No domínio da formação; - No domínio da cultura organizacional; - Os principais riscos de acidente associados ás actividades são (exemplo): - Quedas ao nível; - Escoriações diversas; - Entaladelas; - Fadiga e lesões da coluna vertebral devido a movimentação manual de cargas; - Lesões provocadas por quedas de materiais; - Lesões por contacto com produtos diversos.

16 4.1. Identificação dos riscos associados à actividade A identificação dos riscos é feita por métodos directos e por métodos indirectos Método indirecto: análise de acidentes à posteriori Pelos acidentes verificados no passado, a distribuição dos acidentes quanto à forma foi (exemplo): - Projecção de limalha atingindo os olhos X% - Torção pé/joelho X% - Lombalgias e outras por movimentação manual de cargas X% - Cortes e escoriações X% - Entaladelas X% Método indirecto: análise de acidentes segundo o agente material A análise daqueles acidentes determinou a existência dos seguintes agentes materiais (exemplo): - rebarbadeiras X% - Ambientes de trabalho X% - Equipamentos X% - Cortar ferro X% Método directo: prevenção dos acidentes / Método de Heinrich Heinrich defendia uma sequência para o acidente: - Ascendência e ambiente social; - Falha humana (herdada ou adquirida, por exemplo: imprudência, temperamento violento, irritabilidade, etc.); - Acto inseguro (não usar equipamento de segurança, estacionar sob cargas, ferramentas em mau estado) ou condição perigosa (ruído excessivo, risco de incêndio); - Acidente; - Dano pessoal. Segundo a análise, utilizando este método verificamos as seguintes condições perigosas ou actos inseguros (exemplo): - Quedas ao nível; - Quedas de objectos; - Entaladelas; - Conjugando estas análises chegamos à identificação dos principais riscos na empresa: - Projecção de limalhas para olhos; - Quedas ao mesmo nível; - Cortes e escoriações; - Fadiga e lesões da coluna vertebral devido a movimentação manual de cargas; - Entaladelas em equipamentos.

17 4.2. Avaliação dos riscos O risco é por definição o produto da probabilidade pela severidade (consequências) R = P S Dada a dificuldade real de quantificar a probabilidade e a severidade utilizamos o método prático das matrizes. Assim, apresentamos os dois tipos de matrizes de estimação de riscos: I MATRIZ FREQUÊNCIA severidade Definição da frequência: - Frequente - Ocasional - Remoto - Raro - Improvável Definição da severidade: - Catastrófico: morte, lesão com incapacidade permanente, perda do sistema ou danos ambientais muito graves - Crítico: danos graves, lesões com incapacidade temporária ou permanente mas de pequena percentagem ou perda parcial do sistema ou danos ambientais graves - Marginal: lesões menores com ou sem incapacidade temporária mas pouco graves, danos no sistema ou ambiente pouco graves - Negligenciável: lesões pequenas sem qualquer tipo de incapacidade, danos no sistema ou ambiente insignificantes ou desprezáveis Definidas estas duas categorias, estimamos uma Matriz de análise: Catastrófico Crítico Marginal Negligenciável Frequente Provável Ocasional Remoto Improvável Tememos o evento cujo risco queremos estimar e atribuímos o nível dentro de cada categoria. Cruzamos estes níveis na Matriz de análise, e quantificamos o risco do evento em análise. O risco varia entre 1 (mau, risco máximo) e 20 (bom, risco tolerável). Exemplificando: Pretendemos avaliar o risco de limalha nos olhos na operação de rebarbagem, de operário com óculos de protecção Frequência: remoto Severidade: marginal Cruzando estes níveis na Matriz obtemos: 14

18 II MATRIZ: FREQUÊNCIA SEVERIDADE PROCEDIMENTOS E CONDIÇÕES DE SEGURANÇA NÚMERO DE PESSOAS AFECTADAS (A B C D) Esta matriz avalia também os procedimentos e condições de segurança e o número de pessoas afectadas. Definição dos procedimentos e condições de segurança: - Não existem ou não são conhecidas - Sérias deficiências - Algumas deficiências nos procedimentos e falta implantarem outros - Suficientes mas melhoráveis - Suficientes e bem implantados Definição do número de pessoas expostas - 51 e mais pessoas - 31 a 50 pessoas - 11 a 30 pessoas - 4 a 10 pessoas - 1 a 3 pessoas FREQUÊNCIA SEVERIDADE P. E CONDIÇÕES SEGURANÇA C N.º PESSOAS AFECTADAS D A B Frequente 1 Catastrófico 1 Não existem 1 Mais de 51 1 Ocasional 2 Crítico 2 Sérias deficiências 2 31 a 50 2 Remoto 3 Marginal 3 Algumas deficiências 3 11 a 30 3 Raro 4 Negligenciável 4 Melhoráveis 4 4 a 10 4 Improvável 5 Negligenciável 5 Muito boas 5 1 a 3 5 Indexado a cada categoria em análise está uma classificação de 1 a 5. Avaliação: - Cada risco em análise será, classificado em cada uma das categorias; - Faz-se o produto da classificação de A B C D; - O resultado dá-nos a avaliação do risco; - A escala varia de 1 (Muito Mau) a 625 (Muito Bom). Resultados da Avaliação dos riscos identificados (utilizando a segunda matriz) CATEGORIA LIMALHAS CORTES E ESCORIAÇÕES QUEDAS AO NÍVEL MOVIMEN. MANUAL CARGAS/ FADIGA ENTALADELAS Frequência Severidade P.C. de segurança N.º de pessoas Total

19 Com base nestes resultados serão implementadas, imediatamente, medidas de segurança em todos os riscos que classificamos com 3 na categoria de Procedimentos e Condições de Segurança: - Projecção de limalhas - Quedas ao nível - Movimentação manual de cargas Melhoramos as medidas da mesma categoria classificadas com 4: - Cortes e escoriações - Entaladelas Ao actuarmos nesta categoria (procedimentos e condições de segurança) iremos também influenciar positivamente a frequência, e assim o produto da nossa matriz A B C D irá melhorar, com consequência na diminuição do número de acidentes.

20 5. Requisitos legais aplicáveis à Segurança e Saúde do Trabalho Os requisitos legais são identificados de forma sistemática de acordo com o descrito no procedimento PSST01 Revisão pela Direcção, com vista a garantir o cumprimento da Política de Segurança e Saúde do Trabalho e respectivos objectivos, assim como manter informados todos os colaboradores sobre os requisitos a cumprirem. Os requisitos legais fundamentais a cumprir são os seguintes: - Princípios e Metodologias para a Gestão da Prevenção Regime de enquadramento da segurança e saúde do trabalho DL 441/91, de 14-11, alterado pelo DL 133/99, de e pela L 118/99, de Organização dos serviços de prevenção DL 26/94, de 01-02, alterado pela L 7/95, de 29-03, pela L 118/99, de e pelo DL 109/2000, de Regime de Certificação dos Técnicos de Segurança e Higiene no Trabalho DL 110/2000, de Modelo de comunicação da adopção de serviços de prevenção Portaria 1179/95, de 26-09, alterado pela Portaria 53/96 de Organização dos serviços de prevenção na administração pública DL 488/99, de Organização do Trabalho Prescrições gerais para a organização do trabalho Locais de trabalho DL 347/93, de 01-10, alterado pela L 113/99, de Port. 987/93, de Equipamento de trabalho D.L. 82/99, de 16-03, alterado pela L 113/99, de Equipamentos dotados de visor DL 349/93, de 01-10, alterado pela L 113/99, de Port. 989/93, de Equipamentos de protecção individual DL 348/93, de 01-10, alterado pela L 113/99, Port. 988/93, de Movimentação manual de cargas DL 330/93, de 25-09, alterado pela L 113/99, de Sinalização de segurança DL 141/95, de 14-06, alterado pela L 113/99, de Port A/95, de Regulamentação específica para a indústria e comércio Estabelecimentos industriais Portaria 53/71, de 03-02, alterada pela Portaria 702/80, de Estabelecimentos comerciais, de escritórios e serviços DL 243/86, de 20-08

21 - Protecção de Grupos de Trabalhadores mais Vulneráveis Trabalhos de menores DL , de (art.º 121.º e segs.), com as alterações introduzidas pelo DL 396/91, de 16-10, pela L 58/99, de 30-06, pela L 118/99, de e pela DL 170/2001, de Trabalhos leves permitidos e trabalhos proibidos ou condicionados a menores DL 107/2001, de Trabalho de mulheres grávidas, puérperas ou lactantes L 4/84, de 05-04, alterada pela L 142/99, de 31-08, e pelo DL 70/2000, de DL 230/2000, de Portaria 186/73, de Port. 229/96, de Prevenção de Riscos Específicos Agentes Físicos Ruído ambiental DL 292/2000, de DL 251/87, de (art.º 6.º a 9.º) Portarias 879/90, de e 77/96, de Ruído no trabalho DL 72/92, de 28-04, alterado pela L 113/99, de Dec. Reg. 9/92, de Radiações ionizantes DL 348/89, de Dec. Reg. 9/90, de Agentes Químicos Agentes químicos e valores limite de exposição DL 290/2001, de Amianto DL 284/89, de 24-08, alterado pelo DL 389/93, de 20-11, e pela L 113/99, de Portaria. 1057/89, de Cancerígenos DL 301/2000, de DL 479/85, de Substâncias proibidas DL 275/91, de 07-08, alterado pela L 113/99, de Chumbo DL 274/89, de 21-08, alterado pela L 113/99, de Cloreto de vinilo monómero DL 273/89, de 21-08, alterado pela L 113/99, de (em vigor até por força do DL 301/2000) Agentes Biológicos Agentes Biológicos DL 84/97, de 16-04, alterado pela L 113/99, de Portaria 405/98, de 11/07, alterada pela Portaria 1036/98, de 15-12

22 Micro-organismos geneticamente modificados DL 2/2001, de Prescrições Sectoriais de Prevenção Construção civil e obras públicas Coordenação de Segurança DL 155/95, de 01/07 Locais de trabalho Portaria 101/96, de Dec , de Dec , de Indústrias extractivas DL 324/95, de Locais de trabalho nas indústrias extractivas por perfuração Portaria 197/96, de Locais de trabalho nas indústrias extractivas a céu aberto Portaria 198/96, de Navios de pesca DL 116/97, de Portaria 356/98, de Assistência médica a bordo de navios DL 274/95, de Transportes rodoviários de mercadorias perigosas DL 77/97, de 05-04, com as alterações introduzidas pelo DL 76/2000, de 09-0 DL 322/2000, de Estatística da Sinistralidade Laboral Estatística de acidentes de trabalho e doenças profissionais DL 362/93, de Modelos de comunicação Portaria 137/94, de Prevenção de Acidentes Industriais Graves DL 164/2001, de Protecção contra Incêndios Estabelecimentos comerciais, de escritório e serviços DL 368/99, Edifícios de tipo administrativo DL 410/98, de 12-12

23 Empreendimentos turísticos e de restauração Portaria 1063/97, de Edifícios escolares DL 414/98, de Edifícios de tipo hospitalar DL 409/98, de Recintos de espectáculos e divertimento públicos Dec. Reg. 34/95, de Parques de estacionamento cobertos DL 66/95, de Exercício da Actividade Económica Licenciamento da actividade industrial DL 109/91, de Regulamento do exercício da actividade industrial Dec. Reg. 25/93, de Procedimentos de autorização: Classificação das actividades industriais Portaria 744-B/93, de Localização da actividade industrial Portaria 30/94, de Projecto de instalação e alteração de estabelecimento industrial Portaria 314/94, de Indústria transformadora da pesca em terra Dec. Reg. 61/91, de Licenciamento de estabelecimentos do comércio e de prestação de serviços DL 370/99, de Reparação de Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais Regime geral L 100/97, de Seguro de acidentes de trabalho do trabalhador independente DL 159/99, de Reparação dos acidentes de trabalho DL 143/99, de Reparação das doenças profissionais DL 248/99, de Administração Pública DL 503/99, de Índice Codificado de Doenças Profissionais Dec. Reg. 6/2001, de 05-05

24 Principais Normas Técnicas Portuguesas no Domínio da Segurança e Saúde no Trabalho A lista que se segue constitui uma recolha não exaustiva das principais normas técnicas portuguesas no domínio da segurança e saúde no trabalho. Equipamento de Protecção Individual NP 171:1989 Protecção individual dos olhos. Filtros para infravermelhos. Especificações de transmissão e utilização recomendadas NP 2310:1989 Higiene e Segurança no Trabalho. Equipamento de Protecção Individual. Luvas de protecção. Definições, classificação e dimensões NP EN 169:1992 Protecção individual dos olhos. Filtros para soldaduras e técnicas afins. Especificações de transmissão e utilização recomendada NP EN 170:1992 Protecção individual dos olhos. Filtros para ultravioletas. Especificações de transmissão e utilização recomendada NP EN 165:1997 Protecção individual dos olhos. Vocabulário Incêndio e Explosão NP 1800:1981 Segurança contra incêndio. Agentes extintores. Selecção segundo as classes de fogos NP 1936:1983 Segurança contra incêndio. Classificação de líquidos quanto ao ponto de inflamação NP 3064:1988 Segurança contra incêndio. Utilização de extintores de incêndio portáteis NP EN 54-5:1990 Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Parte 5: Detectores térmicos. Detectores pontuais contendo um elemento estático NP EN 54-6:1990 Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Parte 6: Detectores térmicos. Detectores velocimétricos pontuais sem elemento estático NP EN 54-7:1990 Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Parte 7: Detectores pontuais de fumo. Detectores funcionando segundo o princípio da difusão da luz, da transmissão da luz ou da ionização NP EN 54-8:1990 Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Parte 8: Detectores térmicos de temperatura elevada NP EN 54-9:1990 Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Parte 9: Ensaios de sensibilidade com fogos-tipo NP EN 2:1993 Classes de fogos NP :1993 Segurança contra incêndio. Terminologia. Parte 1: Termos gerais. Fenómenos de fogo NP :1993 Segurança contra incêndio. Terminologia. Parte 2: Protecção estrutural contra incêndio NP :1993 Segurança contra incêndio. Terminologia. Parte 3: Detecção e alarme de incêndio NP EN 3-3:1993 Extintores de incêndio portáteis. Construção, resistência à pressão, ensaios mecânicos

25 NP :1994 Segurança contra incêndio. Terminologia. Parte 4: Equipamentos e meios de extinção de incêndios NP :1994 Segurança contra incêndio. Terminologia. Parte 5: Desenfumagem (controlo de fumos) NP :1994 Segurança contra incêndio. Terminologia. Parte 6: Meios de evacuação e salvamento NP :1994 Segurança contra incêndio. Terminologia. Parte 7: Meios de detecção e supressão de explosões NP 3992:1994 Segurança contra incêndio. Sinais de segurança NP 4303:1994 Equipamento de segurança e combate a incêndio. Símbolos gráficos para plantas de projecto de segurança contra incêndio NP EN :1994 Sistemas de protecção contra explosões. Parte 1: Determinação dos índices de explosão das poeiras combustíveis no ar NP EN :1994 Sistemas de protecção contra explosões. Parte 2: Determinação dos índices de explosão de gases combustíveis no ar NP EN 3-1:1997 Extintores de incêndio portáteis. Parte 1: Designação, duração de funcionamento. Fogos tipo classe A e B NP EN 3-2:1997 Extintores de incêndio portáteis. Parte 2: Estanquidade, ensaio dieléctrico, ensaio de compactação, disposições especiais NP EN 3-4:1997 Extintores de incêndio portáteis. Parte 4: Cargas, fogos-tipo, mínimos exigíveis Instalações e Operações NP 1116:1975 Armários Vestiários, utilização e características NP 1572:1978 Instalações sanitárias, vestiários e refeitórios. Dimensionamento e disposições construtivas NP 1563:1978 Higiene e Segurança no Trabalho. Higiene e segurança nas operações de pintura por projecção Máquinas e Ferramentas NP 1748:1985 Aparelhos de elevação e movimentação. Aparelhos de elevação de série. Terminologia ilustrada. Lista de termos equivalentes NP 2036:1986 Higiene e Segurança no Trabalho. Ferramentas portáteis. Requisitos gerais de concepção e utilização NP 2198:1986 Higiene e Segurança no Trabalho. Ferramentas portáteis manuais. Requisitos de segurança NP 1938:1988 Aparelhos de elevação e movimentação. Aparelhos pesados. Regras de segurança NP :1988 Regras de Segurança para a construção e instalação de ascensores e monta-cargas. Parte 1: Ascensores Eléctricos NP EN 292-2:1993 Segurança de máquinas. Conceitos fundamentais, princípios gerais de concepção. Parte 1: Terminologia básica, metodologia NP EN 292-2:1993 Segurança de máquinas. Conceitos fundamentais, princípios gerais de concepção. Parte 2: Princípios técnicos e especificações NP EN 115:1996 Regras de segurança para o fabrico e instalação de escadas mecânicas e tapetes rolantes

26 NP EN 249:1996 Segurança de Máquinas. Distâncias de segurança para impedir que os membros superiores alcancem zonas perigosas NP EN 349:1996 Segurança de Máquinas. Distâncias mínimas para evitar o esmagamento de partes do corpo humano NP EN 418:1996 Segurança de Máquinas. Equipamento de paragem de emergência, aspectos funcionais Princípios de concepção NP EN 1070:1996 Segurança de Máquinas. Terminologia Metodologias e Procedimentos Técnicos NP 1673:1980 Vibrações mecânicas. Avaliação da reacção à excitação global do corpo por vibrações NP 1732:1981 Acústica. Avaliação de distâncias de inteligibilidade de conversação em ambiente ruidoso NP 1733:1981 Acústica. Higiene e Segurança no Trabalho. Estimativa de exposição ao ruído durante o exercício de uma actividade profissional, com vista à protecção da audição NP 2070:1983 Acústica. Ruído emitido pelas máquinas de terraplanagem. Medição no posto de condução do veículo parado NP 2071:1983 Acústica. Ruído emitido por serras de cadeia portáteis. Medição na posição do operador NP 2239:1986 Acústica. Audiómetros NP 3496:1988 Acústica. Sonómetros NP 3498:1988 Ruído aéreo emitido por tractores e por máquinas agrícolas autopropulsionadas NP 3498:1988 Medição da atenuação sonora dos protectores individuais de audição. Método subjectivo NP 1730:1996 Acústica. Descrição e medição do ruído ambiente. Parte 1: Grandezas fundamentais e procedimentos. Parte 2: Recolha de dados relevantes para o uso do solo. Parte 3: Aplicações dos limites do ruído Sinalização de Segurança NP 3992:1994 Sinalização contra incêndio. Sinais de segurança NP 182:1966 Identificação de fluidos. Cores e sinais para canalizações NP 442:1966 Sinalização de segurança. Símbolo de radiação ionizante Valores-Limite de Exposição NP 2041:1986 Acústica. Higiene e Segurança do Trabalho. Limites de exposição do sistema braço-mão às vibrações NP 1786:1988 Higiene e Segurança no Trabalho. Valores limite de exposição de concentração para substâncias nocivas existentes no ar nos locais de trabalho

27 1. Elementos do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho A empresa desenvolveu, estabeleceu e implementou um Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho para realizar as políticas e objectivos formulados e que está estruturado e adaptado ao tipo de actividade específico da organização, de forma a eliminar ou minimizar os riscos para os colaboradores. Este sistema funciona de tal forma que permite entender facilmente que: - É compreendido, implementado, mantido operacional e eficaz; - É adequado à Política da Segurança e Saúde do Trabalho; - É dada ênfase à prevenção em vez de se detectarem problemas. O Sistema de Gestão da Segurança do Trabalho é composto por um conjunto de actividades, sistematicamente implementadas e suportadas pela inequívoca definição de responsabilidades e competências para todos os colaboradores que controlam, executam e verificam as actividades. O Manual da Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho define a estrutura organizacional da empresa, a estrutura documental do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho e é suportado, sempre que necessário, por um conjunto de procedimentos, denominados Procedimentos de Segurança e Saúde do Trabalho (PSST) que especificam as actividades ou tarefas a realizar ( o quê, quem, onde, quando e como são realizadas as actividades/tarefas). A implementação e evolução do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho assenta numa metodologia de melhoria contínua, em que, as acções de planear, executar, verificar e agir estão inerentes a uma visão global dos desempenhos de todas as actividades, de acordo com os passos seguintes: - Política de SST e Objectivos (estabelecer as intenções e orientações para a Segurança e Saúde do Trabalho e quantificar a melhoria obtida); - Planeamento (estabelecer as actividades para a concretização de objectivos, identificação de perigos, avaliação de riscos, estabelecimento de medidas de controlo); - Implementação e Execução (concretização das actividades estabelecidas); - Monitorização, avaliação e acções correctivas (prevenir a ocorrência de acidentes); - Melhoria contínua (revisão do sistema pela gerência).

28 2. Política da Segurança e Saúde do Trabalho A Política da Segurança e Saúde do Trabalho estabelecida pela empresa evidencia o comprometimento da Gerência na implementação dos requisitos de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho decorrentes da NP Esta política é difundida na empresa através da sua afixação em locais frequentados pelos colaboradores através de acções de sensibilização. A evolução do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho é analisada com base num conjunto de indicadores, entre os quais se destacam os objectivos definidos para o Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho e que se encontram descritos em acta de reunião, tal como definido na metodologia de Revisão do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho pela Gerência. Os objectivos de Segurança e Saúde do Trabalho são estabelecidas para cada função e nível relevante dentro da organização. Os objectivos de Segurança e Saúde do Trabalho são coerentes com a Política de Segurança e Saúde do Trabalho e o compromisso de melhoria contínua. Política da Segurança e Saúde do Trabalho Constitui determinação da Gerência o reforço constante da Cultura de Segurança pelo desenvolvimento das sensibilidades, pelo aprofundamento das vontades, pela disponibilização dos recursos para: - Promover e assegurar um ambiente de trabalho seguro e saudável para os seus colaboradores; - Minimizar os riscos para as pessoas e instalações que possam advir do desenvolvimento das suas actividades, nomeadamente os riscos associados a metalomecânica, máquinas de ; - Reconhecer a segurança do trabalho como parte influente do desempenho de todos; - Comprometer-se no cumprimento da legislação do âmbito de segurança e saúde do trabalho; - Encorajar e incentivar os seus colaboradores a zelarem pela sua segurança e a identificarem e comunicarem todas as situações de não segurança; - Assumir o compromisso de melhoria contínua. Nenhuma situação ou urgência de serviços pode justificar que se ponha em perigo a integridade ou a vida de alguém. Tenhamos em conta que o êxito da nossa política depende do empenhamento de todos e de cada um de nós. Todos estamos de acordo, por isso: LEIA, DIVULGUE-A, DISCUTA AS NORMAS E PROCEDIMENTOS COM OS SEUS COLEGAS E DÊ NOVAS SUGESTÕES

29 3. Revisão pela Gerência A Gerência, anualmente (preferencialmente durante o primeiro trimestre), agenda as reuniões de Revisão do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho, de acordo com o procedimento PSST01 Revisão pela Direcção, com os seguintes objectivos: - Verificar a adequabilidade do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho à Política da Segurança e Saúde do Trabalho e respectivos objectivos; - Verificar a concretização dos Objectivos da Segurança e Saúde do Trabalho definidos; - Verificar a adequação do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho aos requisitos da Norma NP 4397; - Definir novos objectivos. O Gestor da Segurança e Saúde do Trabalho é responsável por preparar a documentação necessária à análise dos objectivos e outros indicadores. A análise da eficácia das acções implementadas é efectuada nas reuniões de revisão do sistema e o resultado é descrito em acta que é distribuído a todos.

30 1. Planeamento para a identificação dos perigos, avaliação e controlo dos riscos A empresa identifica e planeia as actividades e os recursos necessários para a identificação dos perigos, avaliação dos riscos e a implementação das medidas de controlo que permitam, de forma sistemática, a realização das actividades em qualquer posto de trabalho com a ausência de acidentes, incidentes e não conformidades. Este planeamento, descrito no PSST02 Planeamento da Segurança e Saúde do Trabalho, é coerente com a metodologia de revisão do sistema pela Direcção, tendo em conta a implementação da Política e os Objectivos da Segurança e Saúde do Trabalho e a realização de outras acções que visam a melhoria contínua. Para tal são executadas actividades que: - Identificam os perigos; - Classificam os riscos; - Definem as medidas a implementar; - Estabelecem as medidas de controlo; - Asseguram a verificação das actividades de rotina e ocasionais; - Asseguram a verificação das instalações físicas; - Asseguram a actualização deste Manual de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho e dos restantes modos de proceder.

31 2. Formação, consulta e comunicação A Gerência da empresa determina e fornece de forma atempada, os recursos humanos necessários para cumprir a Política da Segurança e Saúde do Trabalho, assim como para estabelecer e manter o Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho. Estes recursos humanos são consultados e envolvidos nas actividades referentes à gestão de riscos. A Gerência designa os colaboradores necessários para a realização das tarefas que possam ter impacto para a Segurança e Saúde do Trabalho por forma a que os requisitos mínimos sejam cumpridos, pelo que se empenha por manter em permanente actualização, quer a nível de formação, quer a nível de comunicação de toda a informação pertinente, todos os seus colaboradores, tal como definido no procedimento PSST03 Formação, Consulta e Comunicação.

32 3. Controlo de documentos e dados A empresa estabeleceu no procedimento da Segurança e Saúde do Trabalho nº4 (PSST04) Controlo dos Documentos, as regras para controlar os documentos relevantes para a Segurança e Saúde do Trabalho, quer internos, quer externos, por forma a que estes sejam: - Aprovados por serem adequados, antes de serem utilizados; - Actualizados quando necessário e novamente aprovados; - Facilmente consultados, por estarem disponíveis em locais de trabalho; - Retirados de circulação, quando obsoletos para evitar uma utilização indesejada; - Legíveis, facilmente identificáveis e recuperáveis. O Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho é composto pelo conjunto de documentos que se enquadram nos seguintes quatro níveis: 1ª Nível Manual de Segurança e Saúde do Trabalho que define a estrutura organizacional da empresa, a estrutura documental e requisitos do Sistema da Segurança e Saúde do Trabalho. 2ª Nível Procedimentos da Segurança e Saúde do Trabalho cada um dos procedimentos (PSST) define como e quem realiza cada uma das funções decorrentes do seu objectivo e campo de aplicação. Lista de Legislação contém todos os documentos que possuem os requisitos legais que se aplicam às actividades desenvolvidas pela empresa. Lista da Classificação de Riscos contém todos os riscos identificados e avaliados, os que são tolerados e não tolerados, assim como o modo como serão controlados. No 3º Nível encontram-se todos os outros documentos que servem de referência à realização de todas as actividades relevantes para a segurança e saúde do trabalho. Estes documentos são: - Instruções de Trabalho; - Planos de Emergência; - Fichas de Segurança; - Mapas de Extintores e Bocas-de-incêndio; - Plantas de Emergência; - Manuais de Máquinas. No 4º Nível encontram-se os Impressos que suportam todas as actividades do Sistema da Segurança e Saúde do Trabalho e os Registos da Segurança e Saúde do Trabalho que demonstram a adequabilidade, eficácia e operacionalidade desse sistema.

33 4. Controlo operacional A empresa identifica e programa os processos e as actividades associadas aos riscos identificados por forma a implementar eficazmente as medidas de controlo estabelecidas. O controlo operacional, tal como definido no procedimento PSST05 Controlo Operacional, mantém sob vigilância todas as actividades relevantes para a Segurança e Saúde do Trabalho para que seja assegurado a sua realização sob condições controladas e de acordo com os requisitos estabelecidos. Para que os processos se realizem sob condições controladas dispõe-se de documentos escritos, perfeitamente legíveis e isentos de erros, e de pessoal com a formação, informação e experiência necessárias ao desempenho das actividades identificadas. Estas condições controladas abrangem: - O estabelecimento de procedimentos escritos de execução das actividades; - O estabelecimento de critérios de aceitação da execução das actividades; - A realização de actividades de divulgação, quer da Política e Objectivos de Segurança e Saúde do Trabalho, quer dos procedimentos escritos associados ao desempenho das actividades; - O estabelecimento de procedimentos escritos que permitam a redução de riscos para a segurança e saúde do trabalho em toda a envolvente aos recursos humanos (postos de trabalho, máquinas e ferramentas, processos de fabrico, etc.).

34 5. Prevenção e capacidade de resposta a emergências Os acidentes com possibilidade de ocorrência mais frequente e as situações de emergência, quer colectiva, quer individual (Cap. II Ponto 4.), encontram-se identificadas e abrangidas em Planos de Emergência que estabelecem as responsabilidades e os modos de proceder para a reacção imediata de eliminação das consequências de tais situações. Sempre que possível e de acordo com o definido nas reuniões de Revisão pela Direcção são efectuadas acções que visam avaliar a resposta da concretização dos planos de emergência e a sua eficácia.

35 5. Monitorização e medição do desempenho O procedimento PSST06 Medição e monitorização, estabelece as acções de monitorização do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho, de forma sistemática, tendo em conta, a implementação da política, a concretização dos objectivos, o cumprimento dos requisitos legais, o cumprimento do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho e o cumprimento dos critérios de aceitação do desempenho das actividades relevantes para a segurança e saúde do trabalho. A empresa recolhe e analisa apropriadamente os dados, para determinar a aptidão e eficácia do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho, assim como, identificar as melhorias que podem ser realizadas. Estes dados incluem os gerados pelas actividades de medição e monitorização e outras fontes relevantes, para fornecer informações sobre: - Objectivos de segurança e saúde do trabalho; - Indicadores sobre acidentes, incidentes, doenças, outras ocorrências relevantes para o desempenho do sistema; - Medições proactivas do desempenho que monitorizem a conformidade com o programa de gestão. Os dispositivos de medição e de monitorização relevantes para a actividade da empresa são devidamente avaliados por forma a garantir a adequação das suas medições.

36 6. Acidentes, incidentes, não conformidades e acções correctivas e preventivas A empresa estabeleceu o procedimento PSST07 Acidentes, não conformidades e acções correctivas e preventivas que visa a: análise e a investigação de acidentes e não conformidades; identificação e comunicação de potenciais acidentes; estabelecimento de acções correctivas e preventivas; análise da eficácia das acções estabelecidas. A estatística dos acidentes sendo elaborada periodicamente, é uma das bases para a análise do desempenho do sistema e para a revisão pela Direcção Acidentes de trabalho Os acidentes de trabalho são classificados de acordo com os seguintes Critérios de Classificação, definidos na 10ª Conferência Internacional do Trabalho: - Segundo as respectivas consequências; - Segundo a forma de acidente; - Segundo o agente material; - Segundo a natureza da lesão; - Segundo a localização da lesão De acordo com as respectivas consequências De acordo com as respectivas consequências, os acidentes podem ser classificados como a seguir se indica: - Morte: acidentes mortais; - Incapacidade permanente: acidentes de que resulte para a vítima, com carácter permanente, deficiência física ou mental ou diminuição da capacidade para o trabalho; - Incapacidade temporária: acidentes de que resulte para a vítima incapacidade de, pelo menos, um dia completo além do dia em que ocorreu o acidente, quer se trate de dias durante os quais a vítima teria trabalhado, quer não. Neste último caso, temos o que vulgarmente se designa por acidente com baixa ou incapacidade temporária absoluta (ITA); - Outros casos: acidentes de que resulte a incapacidade para o trabalho por tempo inferior ao considerado 1.3, sem incapacidade permanente. Estes acidentes são habitualmente designados por acidentes sem incapacidade (SI) Segundo a forma de acidente A classificação de acordo com a forma do acidente é a seguinte: - Queda de objectos; - Marcha sobre, choque contra ou pancada por objectos (com exclusão de queda de objectos); - Entaladela num objecto ou entre objectos; - Esforços excessivos ou movimentos em falso; - Exposição a, ou contacto com, temperaturas extremas; - Exposição a, ou contacto com, a corrente eléctrica; - Exposição a, ou contacto com, substâncias nocivas ou radiações;

37 - Outras formas de acidente não classificados noutras partes incluindo os acidentes não classificados por falta de dados suficientes Segundo o agente material Esta classificação pode ser utilizada para acidentes de trabalho, reportando-os quer ao agente material em relação com a lesão (não se tem em conta a fase inicial do acontecimento que deu lugar ao acidente, cuja forma foi objecto de classificação), quer ao agente material em relação com acidente (atende-se à natureza perigosa do agente material, a qual contribui para precipitar o acontecimento e provocou o acidente): - Máquinas; - Meios de transporte e de manutenção (aparelhos elevatórios, meios de transporte por carris, meios de transporte rolantes, etc.); - Outros materiais (recipientes sob pressão, fornos, fornalhas, ferramentas, escadas, andaimes, etc.); - Materiais, substâncias e radiações (explosivos, poeiras, gases, fragmentos volantes, radiações, etc.); - Ambiente de trabalho; - Outros agentes não classificados noutra parte; - Agentes não classificados Segundo a natureza da lesão De acordo com o tipo de lesão, os acidentes podem ser classificados em: - Fracturas; - Luxações; - Entorses e distenções; - Comoções e outros traumatismos internos; - Amputações e nucleações; - Outras feridas; - Traumatismos superficiais; - Contusões e esmagamentos; - Queimaduras; - Envenenamento agudo e intoxicações agudas; - Efeitos das intempéries e de outros factores exteriores; - Asfixias; - Efeitos nocivos da electricidade; - Efeitos nocivos das radiações; - Lesões múltiplas de natureza diferentes; - Outros traumatismos ou traumatismos mal definidos Segundo a localização da lesão De acordo com a localização da lesão, os acidentes podem ser classificados em: - Cabeça (excepto olhos); - Olhos; - Pescoço (incluindo garganta e vértebras cervicais); - Membros superiores (excepto mãos); - Mãos; - Tronco;

38 - Membros inferiores (excepto pés); - Pés; - Localizações múltiplas; - Lesões gerais.

39 8. Controlo de registos Os Registos da Segurança e Saúde do Trabalho apropriados à organização são mantidos para demonstrar conformidade com os requisitos e a eficácia do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho, de acordo com o procedimento PSST08 Controlo dos Registos da Segurança e Saúde do Trabalho. Os Registos da Segurança e Saúde do Trabalho são identificados, arquivados, disponibilizados, protegidos, eliminados de forma a garantir a sua recuperação e a conformidade com os requisitos especificados. O acesso aos registos arquivados é permitido a qualquer colaborador da empresa, após autorização do responsável pelo arquivo.

40 9. Auditorias As auditorias ao Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho são programadas anualmente, de acordo com o procedimento PSST09 Auditorias de Segurança e Saúde do Trabalho por forma a garantir que: - O sistema está em conformidade com os requisitos da documentação de referência; - O sistema está adequadamente implementado e mantido; - O sistema é adequado à Política e Objectivos de Segurança e Saúde do Trabalho. As auditorias são realizadas por auditores qualificados e independentes das pessoas com responsabilidade directa nas actividades auditadas. Os resultados das auditorias são documentos em relatório e/ou notas de constatações e posteriormente transmitidas aos elementos das áreas auditadas para correcção. É avaliada a eficácia das acções estabelecidas.

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXI Acidentes de Trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução.

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução. por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Legislação aplicada no âmbito de S.H.S.T. Prescrições mínimas de segurança e saúde sobre os componentes materiais do Trabalho

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo 1 - Em que consiste a prevenção? Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo eliminar ou reduzir

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007) TÍTULO: Agentes Físicos - Vibrações AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007) INTRODUÇÃO O Decreto-Lei n.º 46/2006,

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIV Protecção Individual um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002)

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) TÍTULO: Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) FUNDAMENTOS A nível dos países

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho Patrícia Serra 1 Objetivos das Auditorias ao SGSST Verificar se o SG cumpre eficazmente a política, os objetivos e metas definidos pela organização

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 5 Empresa: Aurélios Sobreiros Lda. Encarregado 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6)

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) Objectivos do Curso No final da acção, os formandos deverão ser capazes de: Colaborar na definição da política geral da empresa relativa à

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança BOAS PRÁTICAS PREVENTIVAS PORTUCEL - Fábrica de Cacia Paula Lima (Técnico Sup. HST) 100505PL1P 1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança ENQUADRAMENTO LEGAL Ver em pormenor no Artº 98º da DL

Leia mais

Conteúdos: 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas)

Conteúdos: 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas) : 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas) Objectivo(s): Aplicar técnicas e métodos de avaliação dos factores psicossociais. Proceder a nível psicossocial a alterações na organização do trabalho ou no

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando Ensino Secundário Diurno Cursos Profissionais Técnico de Electrónica, Automação e Comando PERFIL DE DESEMPENHO À SAÍDA DO CURSO O Técnico de Electrónica, Automação e Comando é o profissional qualificado

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS: Módulo I - Noções de Estatística e Fiabilidade (30 Horas)! Obtenção, análise e classificação de amostras;! Tratamento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito DATA: 14 de Junho de 1995 EMISSOR: MINISTÉRIO DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.º 141/95 SUMÁRIO: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 92/58/CEE, do Conselho,

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVII Ruído um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho SST

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho SST SISTEMA GESTÃO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 1. INTRODUÇÃO O Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho (SGSST) proporciona um conjunto de ferramentas que potenciam a melhoria da eficiência da

Leia mais

Obrigações Patronais

Obrigações Patronais Obrigações Patronais Registo de tempo de trabalho a) Manter, em local acessível e por forma que permita a sua consulta imediata, um registo que permita apurar o número de horas de trabalho prestadas pelo

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP. Outubro 2014

NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP. Outubro 2014 NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP Outubro 2014 EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Outubro de 2014 Agenda 1. O Grupo EDP 2. O Sistema de Gestão da

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 7 Empresa: Alberto Rites Lda. Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17

ÍNDICE CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 ÍNDICE ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA 1. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS EM ALTURA 23 1.1. Introdução 23 1.2. Guarda-corpos 25 1.3. Redes de segurança

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro Escola de Condução Colinas do Cruzeiro MANUAL DA QUALIDADE Índice 1. Índice 1. Índice 2 2. Promulgação do Manual da Qualidade 3 3. Apresentação da Empresa 4 3.1 Identificação da Empresa 4 3.2 Descrição

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/5 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora Pág.2/5 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade: Segurévora

Leia mais

CURSO: TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA NO TRABALHO CARGA HORÁRIA: 540 Horas (420 h em sala + 120 h em contexto de trabalho)

CURSO: TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA NO TRABALHO CARGA HORÁRIA: 540 Horas (420 h em sala + 120 h em contexto de trabalho) Destinatários/Público-alvo: Activos com qualificação de nível superior (Licenciatura ou Bacharelato), que tenham interesse e motivação pelas actividades de Segurança e Higiene do Trabalho, considerando-se,

Leia mais

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA Projecto de Licenciamento de Segurança Contra Incêndio António Gomes aag@isep.ipp.pt 1 3 Enquadramento As implementação dos sistemas de segurança contra incêndios

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VI Riscos Químicos Parte 1 um Guia Técnico de Março de 2008 Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA OHSAS 18001/NP 4397

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA OHSAS 18001/NP 4397 LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA 2003 LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA APCER - Associação Portuguesa de Certificação Carlos Rodrigues Júlio Faceira Guedes Revisto pela

Leia mais

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1.

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO A sinalização de segurança tem por objectivo chamar a atenção

Leia mais

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras.

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras. Recepção de matérias primas Após a chegada das matérias primas à fábrica, estas são transportadas para o armazém através do empilhador, porta paletes ou através de transporte manual. Armazenamento Todas

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional João Crisóstomo Pereira Borges Universidade de Coimbra - Faculdade de Medicina ARS de Centro, IP Especialista em Saúde Pública e em Medicina do Trabalho

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009 NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO Maria João Acosta 2009 O que é um SGQ? É uma estrutura organizacional, com políticas, recursos, processos e procedimentos definidos que visam alcançar um determinado

Leia mais