Identidade Preservada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Identidade Preservada"

Transcrição

1 Identidade Preservada 14 Não existe razão científica para separar os produtos transgênicos dos não-transgênicos. Entretanto, por outras razões, alguns mercados tem demandado a segregacão desses dois tipos de produtos. No cinturão do milho nos EUA, somente pequeno número das indústrias que processam essa espécie tentou separar a produção de grãos transgênicos dos não-transgênicos na safra de A grande maioria dos processadores de grãos não faz acepção do tipo de produto recebido, no que diz respeito à sua classificação quanto à transgenicidade, indicando a ampla aceitacão dos grãos geneticamente modificados nos EUA. Até a presente data, os americanos não manifestaram preocupação com a segurança alimentar dos produtos geneticamente modificados, uma vez que a confiança na capacidade dos órgãos regulatórios em avaliar e monitorar a segurança alimentar é relativamente grande. Entretanto,

2 156 A. Borém uma parcela dos produtores americanos de soja e milho tem manifestado preocupação com a aceitação dos grãos provenientes de variedades transgênicas com características ainda não-aprovadas para importação pela Comunidade Européia. Cerca de 4% do milho produzido nos EUA ainda não havia sido aprovado para comércio na Europa em No entanto, todos os tipos de soja transgênica liberada nos EUA foram aprovados para importação em todos os maiores mercados mundiais. Grãos com o gene BT, usados nos híbridos Yieldgard, são amplamente aceitos nos mercados importadores europeus. Dentre as variedades transgênicas da Pioneer, somente aquelas com ambos os genes de Yieldgard e de LibertyLink ainda não haviam sido aprovadas pela Comunidade Européia em Recentemente, alguns importadores da Europa anunciaram que não aceitariam produtos derivados de GMO. O Japão também anunciou a adoção dessa rotulagem, indicando tendência da necessidade de segregação dos produtos nãotransgênicos dos transgênicos. Pureza absoluta é utopia. O exemplo dos níveis de mistura tolerados no sistema de produção de sementes é ilustrativo. Sementes das classes fiscalizadas, certificadas, básicas e genéticas apresentam elevado nível de pureza quanto à presença de debris, sementes de espécies daninhas e sementes de outras variedades. Mesmo as sementes básicas e genéticas, que são a origem das demais classes de sementes, apresentam nível de contaminação toleráveis. Tanto produtores e laboratórios oficiais de análise de sementes quanto os órgãos regulatórios da produção e comercialização de sementes reconhecem que 100% de pureza não é factível para qualquer espécie, seja ela transgênica, seja convencional.

3 Identidade Preservada 157 Indentidade preservada refere-se ao manejo da produção, transporte, processamento e distribuição de produtos com o objetivo de assegurar a identidade da sua fonte e sua natureza. Esse é um conceito já utilizado em alguns tipos de produtos agrícolas, como sementes, dentre outros. Enquanto os produtos agrícolas que são, em sua maioria, comercializados no mercado internacional estão sujeitos a um sistema limitado de classificação, alguns mercados especializados requerem classificação mais detalhada. Muitos dos produtos agrícolas são classificados apenas com base no tipo de variedade ou em aspectos visuais ou de aparência. Por exemplo, milho: dentado, vítreo, branco ou amarelo; arroz: grãos longos ou grãos curtos; cevada: para alimentação animal ou para malteamento; etc. O objetivo de qualquer programa da identidade preservada e da conseqüente classificação ou segregação dos produtos é facilitar seu comércio, de forma a atender às demandas dos diferentes segmentos do mercado (produtores, processadores, distribuidores, varejistas e consumidores). A medida que o mercado sofistica, a demanda por produtos com garantia de qualidade, de origem ou com identidade preservada tende a se estabelecer. Com a globalização da economia e a elevação do nível de sofisticação da cadeia produtiva, a tendência do mercado é adotar um sistema de classificação mais refinado. Por exemplo, muitas indústrias possuem exigências quanto ao conteúdo de óleo e proteína dos grãos de soja. Outros tipos de indústrias fazem acepção quanto à região de origem e ao método de produção, como no caso da uva para produção de vinho com certificado de origem. Os programas de identidade preservada preconizam dois aspectos considerados básicos: análise da qualidade e níveis de tolerância.

4 158 A. Borém Análises de Qualidade O sistema de identidade preservada oferece ao consumidor a garantia e confiança de que o produto adquirido atende a padrões de qualidade preestabelecidos. Um dos importantes componentes desse sistema é a análise da qualidade ou pureza. Métodos padronizados de análise devem ser adotados para que os resultados possam ser facilmente interpretados; vários deles pelos componentes do sistema produtivo. Níveis de Tolerância Níves de tolerância devem ser estabelecidos, em virtude da impossibilidade de a pureza absoluta ser alcançada na cadeia de produção, processamento e comercialização dos alimentos. É por isto que, por exemplo, a classe de arroz grãos de longos pode conter até certo nível de mistura de grãos curtos e, ainda, ser classificada como de grãos longos. Um sistema de identidade preservada em funcionamento há alguns anos é o dos produtos orgânicos, um mercado de cerca de nove bilhões de dólares anualmente nos Estados Unidos. Mesmo para os produtos orgânicos tem existido certa confusão na sua certificação. Devido à dificuldade de manutenção da pureza dos produtos orgânicos desde a produção, a colheita, o transporte, o beneficiamento e o processamento até a comercialização, existe um nível de tolerância de 5% de material não-orgânico ou, às vezes, até valores maiores, admitidos pelas indústrias que produzem e comercializam esses alimentos. Diversas entidades ou sociedades certificadoras possuem diferentes padrões. Entretanto, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos desenvolveu um novo sistema de certificação, com o objetivo de servir de referência e padrão de certificação dos produtos orgânicos. De acordo com essa nova

5 Identidade Preservada 159 regulamentação para produtos orgânicos, os produtores não podem, durante a produção, ter feito uso de fertlizantes sintéticos ou químicos, defensivos agrícolas químicos, hormônios de crescimento, antibióticos, irradiação ou conter transgênicos. Alimentos rotulados com 100% orgânicos só podem conter ingredientes orgânicos, enquanto aqueles rotulados como orgânicos devem ter no mínimo 95% de ingredientes orgânicos, na base de volume ou peso, excetuando-se a água e o sal. Alimentos rotulados como feitos com ingredientes orgânicos devem ter pelo menos 70% de constituintes orgânicos. Dessa forma, alimentos que atinjam os critérios do USDA recebem um selo de certificação de identidade preservada com relação à sua natureza orgânica. Com as tecnologias analíticas atualmente disponíveis, é possível detectar quantidades mínimas de material transgênico, se presente, em vários produtos in natura ou processados. O número de laboratórios capacitados para esses tipos de análises deve crescer com o aumento da demanda desses testes. Um desses laboratórios incubados na Universidade Federal de Viçosa está realizando esses testes com base na tecnologia PCR, AgroGenética (2001). Identidade Preservada e Transgênicos Muitos cientistas questionam se as técnicas da engenharia genética são fundamentalmente diferentes das do melhoramento convencional de plantas. Para eles, a agricultura fundamentalmente consiste na alteração do processo evolucionário, dirigindo-o para o desenvolvimento de tipos que melhor atendam às necessidades do homem. Ao longo de todo o século XX até o início deste em curso, os melhoristas têm modificado (melhorado) as espécies de

6 160 A. Borém forma a torná-las mais produtivas, resistentes a pragas e doenças e com melhor qualidade nutricional etc. As variedades modernas são extremamente diferentes dos seus tipos ancestrais. Deve-se, ainda, considerar que as modificações genéticas via DNA recombinante não podem ser defendidas simplesmente em termos dos seus efeitos no fenótipo. Por exemplo, é possível desenvolver variedades tolerantes a herbicidas em algumas espécies exclusivamente com o uso do melhoramento convencional. A Pioneer desenvolveu, por métodos de melhoramento convencional, os híbridos Clearfield, que são tolerantes aos herbicidas imidazolinonas (Pioneer, 2001). Níveis de Mistura Um dos primeiros limites de tolerância de material transgênico em não-transgênico foi adotado na Suíça. O Ministério da Agricultura daquele país, afirmando que a contaminação de lotes de sementes seria inevitável, estabeleceu que lotes de sementes com até 0,5% de contaminação por sementes de variedades transgênicas poderiam ser comercializados como não-transgênicos. Esse limite adotado pela Suíça se aplicou a sementes e não a grãos destinados à alimentação humana ou animal. Não existem normas internacionais padronizadas que regulem o nível de presença de variedades transgênicas em lotes de sementes convencionais. Mesmo na Comunidade Européia não existe uniformidade de padrões de pureza genética estabelecidos. A Federação Internacional de Comércio de Sementes (FIS), organização que representa o setor sementeiro, tem estimulado os países a estabelecer limites de tolerância quanto à presença de transgênicos. A FIS propôs que o comércio internacional de sementes fosse

7 Identidade Preservada 161 baseado no princípio de que o estabelecimento de padrões de contaminação com material transgênico em lotes de sementes deveria ser realizado com base em sistemas utilizados por entidades regulatórias, produtores de sementes e agricultores. Os esquemas de certificação de sementes têm funcionado, de forma satisfatória, por várias décadas, mantendo a identidade e pureza das sementes. Um sistema para medir a pureza genética das sementes deve incluir metodologias padronizadas. A Associação Internacional para o Comércio de Sementes (ISTA), a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), a Associação dos Analistas Oficiais de Sementes (AOSA) e a FIS estão trabalhando em conjunto, na busca de desenvolver normas padronizadas, factíveis e confiáveis, que possam ser internacionalmente aceitas. A Associação Européia de Produtos de Sementes (ESA) também tem estimulado os países da Comunidade Européia a estabelecer níveis padronizados de tolerância de transgênicos. A ESA tem recomendado o uso do limite de mistura de 1%, já adotado na rotulagem de alimentos em vários países, como referência para lotes de sementes. Devido à falta de normas claras e definitivas sobre níveis de pureza genética, a Associação Francesa de Produtores de Sementes (AFS) adotou voluntariamente o limite de 1% para presença de transgênicos em variedades de milho nãotransgênicas. Esse código de conduta estabelecido pela AFS foi voluntariamente aceito pelas empresas produtoras de sementes de milho na Europa. Em levantamento realizado em 1999 pela Genetic ID, uma das empresas pioneiras nos Estados Unidos a realizar testes para detecção de transgênicos em lotes de sementes e alimentos, analisando 20 diferentes variedades de milho

8 162 A. Borém provenientes de cinco dos maiores produtores de sementes do cinturão do milho naquele país, detectou duas amostras (10%) com 0,1 a 1% de material transgênico. Sete amostras (35%) apresentavam material transgênico abaixo de 0,1%. As demais 11 amostras não apresentavam níveis detectáveis de contaminação. Os testes foram realizados utilizando a técnica patenteada do triple-check PCR test, que valida a análise de cada amostra com base em 10 resultados consistentes (Genetic ID, 2001). Embora não exista um padrão internacional definindo o limite de material transgênico nos alimentos para estes serem rotulados como não-transgênicos, muitas indústrias e organizações não-governamentais têm sugerido valores entre 0,1 e 1,0% como referência. Alguns importadores japoneses, por exemplo, adotaram o limite de 0,1% de transgênicos nos alimentos. Como resultado da demanda de pureza do material pelos importadores de alimentos, alguns exportadores têm adotado esse limite. Todavia, muitos outros mercados importadores trabalham com o limite de 1% de material transgênico em alimentos classificados como não-transgênicos. Alguns países membros da Comunidade Européia adotaram o limite de 1%, acima do qual a empresa deve rotular seu produto como "contendo transgênico". A rotulagem só pode ser efetivamente adotada após a definição de umbrais ou limites a partir dos quais a identidade do produto é considerada preservada. Se não houver padronização desses limites em nível internacional, todo o esforço realizado em relação à rotulagem seria perdido, uma vez que o sistema não teria credibilidade. Só é possível a preservação da identidade dos produtos com a segregação da sua produção. Entretanto, têm ocorrido questionamentos sobre a fisilidade da segregação da

9 Identidade Preservada 163 produção de grãos em regiões que produzem tanto transgênicos quanto não-transgênicos. Em 2000, o milho StarLink, que havia sido liberado legalmente apenas para alimentação animal nos EUA, foi detectado em tortilhas utilizadas pela cadeia de restaurantes Taco Bell, causando grande discussão sobre a fisibilidade de segregação da produção agrícola. Supermercados europeus que comercializam produtos rotulados como não-transgênicos têm voluntariamente adotado a rotulagem com base no sistema de certificação. Os produtos são classificados como não-transgênicos, observando-se diferentes limites de participação de transgênicos na sua composição. A preservação da identidade de um produto envolve o monitoramento e gerenciamento de todas as fases do processo produtivo: anterior à propriedade agrícola, na propriedade agrícola, no transporte, no armazenamento, no processamento, na rotulagem e na distribuição. A falha na manutenção da pureza do produto em qualquer dessas fases pode significar sua não-elegibilidade para obtenção do certificado de identidade preservada. A adoção de um programa de identidade preservada é, em última instância, determinada pela combinação da demanda pelo mercado, pelo seu custo e pela política definida pelos órgãos regulatórios. Em características direcionadas para o consumidor final, qualidade nutricional, por exemplo, é de interesse do fornecedor estabelecer um programa de identidade preservada, e, provavelmente nesses casos, tais programas sejam estáveis e duradouros. Nos casos em que a modificação genética é direcionada para maior lucratividade do produtor (características agronômicas, como toletância a herbicidas), em que não existe interesse direto do consumidor, a

10 164 A. Borém iniciativa de um programa de identidade preservada dependerá de legislação governamental. Nesses casos existe grande probabilidade de que a rotulagem e os programas de identidade preservada sejam fenômenos efêmeros, permanecendo ativos apenas enquanto os consumidores adquirem confiança nos produtos. Ainda, com a diversidade da sociedade, provavelmente existirá um segmento da população que persistentemente desejará evitar os alimentos transgênicos. A durabilidade do programa de identidade preservada nesse caso dependerá da disponibilidade desse mercado em arcar com os custos da segregação da produção. Apenas parte da produção das culturas é utilizada na alimentação humana ou animal. Uma parte da produção dos cereais e das oleaginosas é utilizada pela indústria como matéria-prima ou ingrediente do processo industrial, e, neste caso, a identidade preservada sob a ótica da mistura de material transgênico e não-transgênico pode não ter importância. As Figura 14.1 e 14.2 ilustram os vários usos da soja e do milho. Os diferentes usos do milho estão agrupados em três grandes categorias: alimentação humana, aplicação industrial e alimentação animal. No caso da soja, as três maiores classes são: óleo, proteína e grãos inteiros, dentro dos quais há a classificação em produtos comestívies, industriais, medicinais e outros. A eventual segregação da produção deve considerar os vários destinos da produção. Enquanto a segregação da produção destinada à alimentação humana pode ser defendida para atender à demanda de alguns segmentos da população, a segregação para fins industriais não se justifica, em muitos dos casos. Portanto, uma análise do destino da produção é necessária

11 Identidade Preservada 165 antes de se definir por um programa de identidade preservada. A posição política do Brasil quanto aos transgênicos tem sido monitorada de perto tanto por exportadores quanto por importadores de grãos, haja vista sua importância atual no mercado internacional e, principalmente, a perspectiva de aumento da sua participação nas exportações de alimentos no futuro próximo. A Figura 14.3 ilustra a distribuição, por países, da produção de soja e milho no mundo. Especialmente no caso da soja, em que o Brasil é o segundo maior produtor e exportador, a política adotada em relação aos transgênicos terá impacto direto na oferta de grãos nãotransgênicos no mercado mundial. Cerca de 36% dos 72 milhões de hectares plantados globalmente com soja em 2000 foram de soja transgênica (James, 2001). O Brasil foi até o ano 2000 um dos maiores exportadores que não haviam ainda autorizado o plantio de variedades transgênicas.

12 SOJA ÓLEOS GRÃOS INTEIROS PROTEÍNA Glicerol Óleo Refinado Lecitina Farinha Torta Éster Ácidos Graxos Ésteres metílicos Comestíveis Usos Técnicos Comestíveis Comestíveis Usos Técnicos Comestíveis Alimentação Animal Cremes para Anticorrosivo Agentes Grãos Adesivos Pastas e Aquacultura café Emulsificantes cremes Óleo de cocção Antiestático Produtos para Torta Reagentes Comida de Apicultura cocção analíticos bebês Leites Selante Cobertura de bolo Broto Antibióticos Balas Bovinocultura Margarina Resinas Fármacos Grãos torrados Emulsão Productos Sucrilhos para asfáltica dietéticos construção Maionese Agente de liberação de concreto Óleos industriais Uso Nutricional Farinha integral Colas de madeira Confeites Avicultura Óleo de soja Medicamentos Dietas Pão Produtos de limpeza Bebidas Concentrados protéicos Solventes Fármacos Lápis de Medicamentos Doces Cosméticos Leite Ração cera hipoalérgico Molhos para Desinfetante Usos Técnicos Misturas para Agentes Carne de soja Leite para salada panificação fermentadores bovinos Óleos para Agentes Sobremesas Nutrientes "Noodles" Premia salada Antiespumantes congeladas Agente de controle de poeira Patês para Isolamento Álcool Bebidas lácteas Fibras Pré-misturas Silagem sanduíche elétrico Gorduras Epóxis Levedura Farinhas Filmes para Invólucro para

13 Identidade Preservada 167 hidrolisadas Fungicidas Agentes Amaciantes Untadores de panelas Tintas Margarina Massas de tortas Óleo linolênico Polimento de metal Tecidos oleificados Agentes Dispersantes Soja Torrada embalagens Pigmentos Substitutos de couro Tintas hidrossolúveis Tintas Balas Plásticos Pigmentos Ingredientes para biscoitos Poliésteres Corantes Inseticidas "Cream Fármacos crackers" Pesticidas Borracha Itens dietéticos Pesticidas Bioplásticos Agentes Creme de soja Têxteis Estabilizantes Cobertura protetora Margarina Café de soja Massa calafetante Sabão xampu Plástico vinúlico Madeirite Agentes Hidratantes Leite para bovinos Cosméticos Pigmentos Derivados de Soja Miso Leite Tempeh salsicha Levedura Cerveja Figura 14.1 Diferentes usos da soja.

14 USOS DO MILHO ALIMENTAÇÃO HUMANA USO INDUSTRIAL ALIMENTAÇÃO ANIMAL Confeitaria Produtos fermentados Pão, roscas etc. "Donuts" Produtos não-fermentados Bolos Biscoitos Recheios cremosos Coberturas congeladas Tortas Pré-misturas Bebidas Bebidas desidratadas Cerveja Refrigerantes Vinhos Outros bebidas Produtos Enlatados Frutas e sucos Pudins Vegetais Doces Caramelo Goma de mascar Balas "Marshmallow" Adesivos Adesivos de embalagens Adesivos de envelopes Cola gráfica Adesivos para laminação Material da Construção Civil Massa de parede Isolante acústico Aditivos para concreto Massa plástica acrílica Químicos Produção de sorbitol Produção de resina Ácido glucônico e gluconatos Gluco-heptonatos Químicos Químicos florais Produção de enzimas Raticidas Inseticidas Herbicidas Aerosol Tratamento de metal Componentes industriais Produção de corantes Emulsão polimerizadora (PVAc) Processamento de Papel Adesivos reidratáveis Adesivos de embalagens Indústria do Papel Terminação hidratada Acabamento de superfície Laminação Fármacos Néctares medicinais Solução intravenosa Produção de vitamina C Tabletes Fermentação Pastilhas Têxteis Ondulações Acabamento Tabaco Aditivos em tabaco Papel de cigarros Alimentação para animais de produção (bovinos, suínos, caprinos, ovinos etc.) Alimentação para animais de estimação (cão, gato, peixes, pássaros etc.) Substituto do aleitamento de filhotes ou de animais jovens Silagem Processamento de Alimentos Condimentos Substitutos de lactose Alimentos em pó Alimentos congelados Geléias Gelatinas Carnes em conserva Picles Misturas em néctares Vinagres Corrugados Sistema adesivo Cosméticos Cremes faciais Sombras Colônias Perfumes Fermentação Fermentação Mineração Purificação de minério de ferro Purificação de bauxita Purificação de flúor Figura 14.2 Diferentes usos do milho.

15 Identidade Preservada 169 Custos nos Programas de Identidade Preservada O custo adicional do produto com certificado de identidade preservada é decorrente dos procedimentos especiais de manejo, armazenamento, transporte, processamento, limpeza, análises e gerenciamento utilizados para assegurar sua segragação de outros produtos similares, porém sem garantia de constituição ou origem. O fluxograma da Figura 14.4 sumariza os principais estádios da cadeia produtiva percorridos, de uma maneira geral, por vários produtos agrícolas. Alguns produtos possuem, entretanto, uma cadeia de produção mais verticalizada, onde as industrias formalizam contratos com produtores selecionados. A magnitude dos custos adicionais dos produtos com certificado de identidade preservada dependerá das circunstâncias de sua produção, dos limites de tolerância admitidos pela certificação e de fatores associados à economia de escala da sua produção. A expectativa é de que o custo de produção desses produtos seja relativamente maior nos estádios iniciais da adoção do programa, mas, à medida que os setores produtivo, processador e distribuidor se adaptam ao sistema e, ainda, o volume comercializado aumenta, os custos tenderão a reduzir-se. Por exemplo, no caso do milho destinado à alimentação animal, cujo nível de processamento dos grãos é relativamente pequeno quando comparado com o processamento envolvido na produção de alguns alimentos para consumo humano, o custo adicional da identidade preservada é substancialmente menor.

16 170 A. Borém Uma das primeiras questões levantadas quando se estuda a viabilidade de adoção de um programa de identidade preservada é sobre quem arcará com os custos adicionais do produto. Para os produtos agrícolas, a divisão dos custos adicionais dependerá da responsabilidade e demanda de cada componente da cadeia produtiva. Se existem vários substitutos para o produto, então a demanda responde diretamente ao custo final. Por exemplo, se o custo do óleo de soja para cocção com certificado de identidade preservada é significativamente maior que o do óleo de soja sem identidade preservada, a indústria pode optar por substituí-lo pelo óleo de girassol, milho, canola etc. Nesse caso, em que o consumidor não está disposto a arcar com os custos adicionais, os demais segmentos da cadeia produtiva deverão absorvê-los. Em muitos casos, isso pode significar redução na remuneração do produtor. Modificações Genéticas Direcionadas ao Consumidor Em breve, uma nova gama de variedades transgênicas com características direcionadas ao consumidor final estará no mercado. Estarão diponíveis variedades com valores agregados de melhor qualidade nutricional, com composição química que atenda a dietas especiais, que permitam a produção de um produto final processado de melhor qualidade. Nesses casos, o consumidor provavelmente estará disposto a pagar ágio adicional pelo produto. Um exemplo é a massa de tomate feita com tomates transgênicos, que apresentam melhor consistência e resultam em melhores molhos que aqueles produzidos com tomates convencionais. Outro exemplo são as variedades transgênicas de soja com maior proporção de ácidos graxos insaturados em relação aos saturados.

17 Outros 26% Argentina 3% Brasil 5% Europa 7% China 18% EUA 41% Argentina 9% China10% Brasil 20% Outros 12% EUA 49% Figura 14.3 Discriminação da produção mundial de milho e soja, respectivamente, por maiores produtores. Fonte: USDA (2001).

18

19 Propriedade Rural Anterior à Propriedade Plantio Colheita Armazenamento Melhoramento Multiplicação de Sementes Distribuição de sementes Plantio da semente correta Limpeza de equipamentos Evitar Fecundaçãocruzada Manter histórico Limpeza da colheitadeira Limpeza de Silos Distribuição Assegurar que produtos com IP atinjam mercado específico Processamento Limpeza de moegas Amostragem e análise Limpeza das unidades Indústria Armazenamento limpeza de instalações Transporte Limpeza de caminhões Limpeza de moegas Amostragem e análises Assegurar destino correto Rotulagem Assegurar correta rotulagem Figura 14.4 Fluxograma da cadeia produtiva de produtos agrícolas.

20 Variedades convencionais têm maior proporção de ácidos graxos saturados, que contribuem para a elevação do colesterol LDL, associado aos riscos de doenças cardíacas. Nesses casos, o consumidor, provavelmente, estará disposto a pagar um valor adicional pelo produto que lhe proporcione melhor sabor, textura ou mesmo qualidade nutricional e, provavelmente, esteja disposto a cobrir os custos do programa de identidade preservada. Modificações Genéticas Direcionadas ao Produtor As características agronômicas que são direcionadas ao produtor, quer para redução do custo de produção, quer para facilidade do manejo da cultura, aparentemente não oferecem nenhuma vantagem para o consumidor final. Nesse caso, elas não criam valores agregados aos produtos que viessem a motivar o consumidor final a estar disposto a pagar um prêmio pelo produto. Nessa situação, o consumidor pode estar disposto a pagar um prêmio pelos produtos convencionais e não pelo geneticamente modificado. Essa tem sido a situção das primeiras variedades geneticamente modificadas que atingiram o mercado. Embora as associações de produtores divulguem as vantagens indiretas desses produtos para o consumidor, como menos resíduos de defensivos agrícolas nas variedades resistentes a insetos, o consumidor final tem manifestado pequena motivação em preferir tais produtos. Em resumo, modificações direcionadas aos produtores devem oferecer a eles algum benefício, para que estejam dispostos a adotá-las. Em contrapartida, os produtores devem também estar dispostos a compartilhar parte da economia no custo de produção com o consumidor final, como forma de incentivo para seu consumo. É óbvio que o

21 Identidade Preservada 175 consumidor não estará disposto a consumir um novo produto somente para benefício do produtor. Finalmente, uma vez que a força de mercado dos setores processador e distribuidor é maior do que a do setor produtivo e a do consumidor final, provavelmente os custos adicionais para preservação da identidade dos produtos serão absorvidos pelo produtor e pelo consumidor. Isso significa que os custos adicionais serão divididos entre menores preços pagos ao produtor e maiores preços pagos pelo consumidor. Dessa forma, a adoção de um sistema de identidade preservada criará uma nova dinâmica de mercado, com resultados difíceis de serem previstos até que as forças de mercado atinjam o equilíbrio. Procedimentos para Manutenção da Pureza Testar sementes rotuladas como não-transgênicas. Limpar a colhedoura e os equipamentos utilizados no transporte e armazenamento de outras variedades. Armazenar grãos em silos limpos. Adotar o uso de bordaduras entre campos com variedades transgênicas e não-transgênicas. Fazer rotação de culturas; se um talhão for plantado com uma variedade transgênica em dado ano, deve-se plantar outra espécie nos dois anos seguintes, bem como eliminar plantas voluntárias cuja origem possa ser a variedade transgênica. Algumas empresas têm estabelecido programas rígidos de identidade preservada que incluem o controle das etapas de produção, transporte, beneficiamento e distribuição dos produtos. Por exemplo, o programa InnovaSure de

22 176 A. Borém preservação da identidade do milho prevê o controle dos seguintes itens (Cargill, 2001): Híbridos Lista de híbridos aprovados: somente os híbridos recomendados podem ser plantados. Testes de pureza: são realizados testes para se detectar a presença de material transgênico nas sementes das variedades não-transgênicas. Produtores Contratos de produção: são selecionados produtores que estejam dispostos a seguir recomendações técnicas da contratadora. Adoção de procedimentos padronizados: adoção de bordaduras, limpeza de equipamentos agrícolas etc. Treinamento de pessoal: capacitação da mão-de-obra. Normas para manipulação dos grãos Nas propriedades: padronização de procedimentos na manipulação das sementes antes do plantio e durante. Nos armazéns graneleiros: padronização de procedimentos no recebimento e armazenamento da produção. No transporte: padronização de procedimentos no transporte da produção. Nas unidades processadoras: padronização de procedimentos de recebimento, armazenagem e processamento dos grãos. Processamento Teste de pureza: amostras de diferentes etapas do processamento são analisadas. Distribuição Testes de pureza: testes finais para detecção de níveis de mistura.

23 Identidade Preservada 177 Rotulagem: rotulagem do produto com certificado de identidade preservada. Literatura Consultada Agbiotech Bulletin http//:www.agwest.sk.ca./abbdec99.txt. AgroGenetica Identificacao de material transgenico. American Seed Trade Association http//:www.amseed.com/documents/ltr-fis html Biodiagnosticos PCR genetic purity testing. Cargill Inovasure: the leading source of identity preserved corn. Cropchoice http//:www.cropchoice.com/leadstry.asp/recid=17. Europabio http//:www.europa-bio.be/code/en/mnews.cfm?id-news=24. European Seed Association oint FIS http//:www.worlseed.org/gmothresholdse.htm Genetic ID American corn growers and Genetic ID urge growers to test non-gmo seeds htm Genetically Manipulated Food News http//:home.intekon.com/tm-info/rw00528.htm. International Service for the Acquisition of Agri-Biotech Applications James, C Review of Commercialised Transgenic Crops. Briefs No. 8, ISAAA, Ithaca, New York. James, C Review of commercialized transgenic crops. Briefs N. 12. Ithaca: ISAAA Press.

24 178 A. Borém cj.htm James, C Review of commercialized transgenic crops. Briefs N. 21. Ithaca: ISAAA Press. Josling, T EU-US Trade Conflicts over Food Safety Legislation: An Economist's Viewpoint on Legal Stress Points that Will Concern the Industry. Paper presented at the Forum of US-EU Legal-Economic Affairs, House of Estates, Helsinki, pp Josling, T EU-US trade conflicts over food safety legislation: an economist's viewpoint ou legal stress points that will concern the industry. In: US-EU Legal- Economic Affairs, House of Estates - Helsinki. pp Persley, G.J Agricultural Biotechnology, CAB International. 169p. Pioneer, Pioneer brand hybrids with clearfield production system offer growers increased herbicide options. omic/clearfield-pioneer.htm Roberts, D Implementation of the WTO Agreement on the Applications of Sanitary and Phytosanitary Measures: The First Two Years. International Agricultural Trade Research Consortium, Working Paper no Geneva. The International Biotechnology Handbook Euro monitor Publications Limited. 247p. United States Trade Representative National Trade Estimate: European Union. United States Departament of Agriculture USDA Wiseman, A Principles of Biotechnology, Surrey University Press. 181p.

25 Identidade Preservada 179

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88 INS 100i CÚRCUMA, CURCUMINA Função: Corante Amargos e aperitivos Cereja em calda (para reconstituição da cor perdida durante processamento) Queijos (exclusivamente na crosta) Iogurtes aromatizados Leites

Leia mais

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido Tendências: Como foi produzido CONSUMIDOR Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar Carne Não Transgênica Milhões Tons. 80,0 75,0 70,0 65,0

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz Soja Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio A soja (Glycine max (L.) Merrill) que hoje é cultivada mundo afora, é

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg I - CHOCOLATES 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg 1704.90.10 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo inferior 1806.31.10 ou igual a 1kg 1806.31.20

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas Abrangência: operações interestaduais entre contribuintes situados em São Paulo e contribuintes situados em Sergipe. Produto: alimentícios. Conteúdo: relação de Margem de Valor Agregado. Base Legal: Protocolo

Leia mais

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010.

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1 * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. NAS OPERAÇÕES COM PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Acrescentado pelo DECRETO nº 26.258 de 30.12.2009 DOE: 30.12.2009

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012

PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012 PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012 Publicado no DOU de 09.04.12 Altera o Protocolo ICMS 28/09, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios. Os Estados de Minas

Leia mais

O ENSINO DE BIOTECNOLOGIA

O ENSINO DE BIOTECNOLOGIA Petrolina, PE (30/05/2014) O ENSINO DE BIOTECNOLOGIA AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO FUNDAMENTAL Dra. Maria Antônia Malajovich Coordenadora de Ciências e Biotecnologia Instituto de Tecnologia ORT do Rio

Leia mais

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA 1 ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA Luiz Carlos Bresser Pereira Ministro da Ciência e Tecnologia Trabalho escrito maio de 1999 para ser publicado no site do MCT. O País presencia hoje intenso debate

Leia mais

Sugestão de Editorial

Sugestão de Editorial Sugestão de Editorial Cresce a demanda por produtos vegetais alternativos ao leite Este movimento de substituição já é global As bebidas vegetais, uma alternativa aos produtos lácteos, estão entre os itens

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

Food Safety System Certification 22000. fssc 22000

Food Safety System Certification 22000. fssc 22000 Food Safety System Certification 22000 fssc 22000 CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA DOS ALIMENTOS 22000 O esquema de certificação de sistema de gestão da segurança dos alimentos - FSSC 22000

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza)

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) Altera a Lei Nº 11.105, de 24 de março de 2005, que regulamenta os incisos II, IV e V do 1 o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.036, DE 2013 Dispõe sobre a restrição do uso de agentes aromatizantes ou flavorizantes em bebidas alcoólicas e da outras providências. Autora:

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Protoc. ICMS CONFAZ 110/10 - Protoc. ICMS - Protocolo ICMS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA - CONFAZ nº 110 de 09.07.2010

Protoc. ICMS CONFAZ 110/10 - Protoc. ICMS - Protocolo ICMS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA - CONFAZ nº 110 de 09.07.2010 Protoc. ICMS CONFAZ 110/10 - Protoc. ICMS - Protocolo ICMS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA - CONFAZ nº 110 de 09.07.010 D.O.U.: 10.08.010 Altera o Protocolo ICMS 8/09, que dispõe sobre a substituição

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS Profª Ana Paula F. Bernardes Silva A QUEM COMPETE MINISTÉRIO DA SAÚDE: Produtos de origem animal; Vegetais e cereais (grãos) in natura; Bebidas e vinagre; Mel. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA:

Leia mais

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman. Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.com Começa a segunda onda prevista de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA Imperial Estação Agronômica de Campinas 27/06/1887 Centro de Café Alcides Carvalho INTRODUÇÃO O Agronegócio

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

APÊNDICE XXVII. CRÉDITO ADMITIDO (% sobre a Base de Cálculo) 1% UNIDADE DA FEDERAÇÃO DE ORIGEM ITEM MERCADORIA BENEFÍCIO

APÊNDICE XXVII. CRÉDITO ADMITIDO (% sobre a Base de Cálculo) 1% UNIDADE DA FEDERAÇÃO DE ORIGEM ITEM MERCADORIA BENEFÍCIO APÊNDICE XXVII MERCADORIAS ORIUNDAS DE OUTRAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO BENEFICIADAS COM INCENTIVO OU FAVOR FISCAL OU FINANCEIRO-FISCAL EM DESACORDO COM A LEI COMPLEMENTAR Nº 24/75 UNIDADE DA FEDERAÇÃO DE

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível

Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível nas prateleiras dos supermercados o quanto de espaço eles ganharam. É comum encontrarmos, hoje,

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 Dispõe sobre as empresas industriais enquadráveis nos Artigos 59 e 60 da Lei n.º 5.194/66. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA, no uso das

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO

INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DTB MIAMI CORP. INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO Data: (mês/dia/ano) SECTION 1 TIPO DE REGISTO 1a REGISTRO DOMESTICO REGISTRO ESTRANGEIRO 1b REGISTRO INICIAL ATUALIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE REGISTRO

Leia mais

Resumo do Estudo de Viabilidade. Os Critérios Basel para a Produção Responsável de Soja. e sua Interpretação Brasileira

Resumo do Estudo de Viabilidade. Os Critérios Basel para a Produção Responsável de Soja. e sua Interpretação Brasileira Resumo do Estudo de Viabilidade sobre Os Critérios Basel para a Produção Responsável de Soja e sua Interpretação Brasileira Estudo de Viabilidade realizado por Genetic ID (Europa) AG Augsburg, Alemanha

Leia mais

Mesa de controvérsia sobre transgênicos

Mesa de controvérsia sobre transgênicos Mesa de controvérsia sobre transgênicos Transgênicos: questões éticas, impactos e riscos para a Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional e o Direito Humano à Alimentação Adequada e Saudável Posição

Leia mais

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo São os organismos que tiveram inseridos em seu código genético, genes estranhos de qualquer outro ser vivo Isolar o gene desejado, retirando-o da molécula de DNA

Leia mais

Considerações. Uso do termo ingrediente. Foco em alimentos. Enzimas (coadjuvantes) Ingredientes e ferramentas (bio/nanotecnologia, encapsulação)

Considerações. Uso do termo ingrediente. Foco em alimentos. Enzimas (coadjuvantes) Ingredientes e ferramentas (bio/nanotecnologia, encapsulação) Campinas, 11 de agosto de 2010 Ingredientes Considerações Uso do termo ingrediente Foco em alimentos Enzimas (coadjuvantes) Ingredientes e ferramentas (bio/nanotecnologia, encapsulação) Complexidade Tema

Leia mais

RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00

RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00 RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00 Dispõe sobre Registro e Dispensa da Obrigatoriedade de Registro de Produtos pertinentes à Área de Alimentos no âmbito do Município. A Vigilância Sanitária Municipal,

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais

Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais 1 No processo de certificação o foco é a garantia da rastreabilidade orgânica da cadeia produtiva INSTITUIÇÃO CREDENCIADORA CERTIFICADORAS VIG./INSP. SANITARIA

Leia mais

NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002)

NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002) NIMF Nº 16 NORMAS INTERNACIONAIS PARA MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002) Produzido pela Secretaria da Convenção Internacional para

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas MARIA HELENA BODANESE ZANETTINI - DEPARTAMENTO DE GENÉTICA, INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, UFRGS maria.zanettini@ufrgs.br A base

Leia mais

Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais

Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais Atualidades em Food Safety IV ILSI Brasil 23 de maio de 2012 São Paulo Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais Laila Sofia Mouawad Gerência de Produtos Especiais Gerência-Geral de Alimentos

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) A presente lei estabelece o controlo e fiscalização da produção, do comércio e da importação e exportação de sementes e mudas

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 26.6.2015 L 161/9 REGULAMENTO (UE) 2015/1005 DA COMISSÃO de 25 de junho de 2015 que altera o Regulamento (CE) n. o 1881/2006 no que diz respeito aos teores máximos de chumbo em certos géneros alimentícios

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014*

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* Estabelece parâmetros para o Licenciamento Ambiental das atividades de comércio atacadista e de confecção e fabricação de produtos têxteis. O SECRETÁRIO

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Leitores: supermercadistas de todos os portes, fornecedores, órgãos governamentais, universidades

Leitores: supermercadistas de todos os portes, fornecedores, órgãos governamentais, universidades SuperHiper é a publicação oficial do setor, pertence à Abras e este ano completa 35 anos Leitores: supermercadistas de todos os portes, fornecedores, órgãos governamentais, universidades Representa o setor

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVS aprovado

Leia mais

Pesquisa para identificação de laboratórios que realizam análise quantitativa de transgênicos em alimentos no Brasil

Pesquisa para identificação de laboratórios que realizam análise quantitativa de transgênicos em alimentos no Brasil .1 Pesquisa para identificação de laboratórios que realizam análise quantitativa de transgênicos em alimentos no Brasil Pesquisa realizada pela Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública GGLAS Abril

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Brasília / DF 2010 2010 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados. Permitida

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

Profa. Joyce Silva Moraes

Profa. Joyce Silva Moraes Alimentação e Saúde Profa. Joyce Silva Moraes saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estarestar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 2ª Edição - Maio 2015 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DEFINIÇÃO DO ESCOPO...

Leia mais

Manual de Utilização da Planilha Eletrônica de Balanceamento de fórmulas para Sorvetes a Base de Leite.

Manual de Utilização da Planilha Eletrônica de Balanceamento de fórmulas para Sorvetes a Base de Leite. Manual de Utilização da Planilha Eletrônica de Balanceamento de fórmulas para Sorvetes a Base de Leite. 7 de junho 2010 Este Manual mostra as explicações básicas para a utilização e operação da planilha

Leia mais

Por que investir em ovoprodutos?

Por que investir em ovoprodutos? Por que investir em ovoprodutos? Os ovoprodutos: rapidez, eficácia, comodidade, higiene e 100% natural. Um novo modo para consumir os ovos e que cumprem com as exigências do consumo de hoje em dia. Os

Leia mais

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Tipificação de Carcaças André démendes Jorge Zootecnista

Leia mais

Gorduras, Alimentos de Soja e Saúde do Coração Análise das Evidências

Gorduras, Alimentos de Soja e Saúde do Coração Análise das Evidências Gorduras, Alimentos de Soja e Saúde do Coração Análise das Evidências Documento de posição do Comité Consultivo Científico da ENSA Introdução Há muito que os cientistas reconhecem o papel importante que

Leia mais

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas Associação Brasileira de Sementes e Mudas WORKSHOP AMOSTRAGEM, TESTES E ESTATÍSTICA SEMENTES, PLANTAS E GRÃOS Associação Brasileira de Sementes e Mudas A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL ILSI International

Leia mais

LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES INDICAÇÃO DOS PRODUTOS

LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES INDICAÇÃO DOS PRODUTOS LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES Classe 30 Café, chá, cacau, açúcar, arroz, tapioca, sagu, sucedâneos do café; farinhas e preparações feitas de cereais, pão, pastelaria e confeitaria, gelados; mel,

Leia mais

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo?

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

USO DE ADITIVOS EMULSIFICANTE E ESTABILIZANTE

USO DE ADITIVOS EMULSIFICANTE E ESTABILIZANTE USO DE ADITIVOS EMULSIFICANTE E ESTABILIZANTE Aditivos alimentares Cerca de 3.500 aditivos estão em uso atualmente. Os aditivos para alimentos são testados e seu uso aprovado por lei (também os naturais).

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Prof. Dra. Janaína Fernandes Medeiros Burkert Controle de Qualidade Histórico

Leia mais

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações)

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) FAO Os slides foram traduzidos para o Português pela Unidade de Tradução da FAO e revisados/revistos por Deborah Markowicz Bastos, Luisa Oliveira

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS WILLIAM CESAR LATORRE Diretor de Alimentos Centro de Vigilância Sanitária SES / SP Decreto Lei 986, de 21/10/1969 Institui normas

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

Indústrias Químicas - Orgânicas

Indústrias Químicas - Orgânicas Indústrias Químicas Orgânicas UTFPR Campus Toledo Tecnologia em Processos Químicos Processos Industriais Orgânicos INDÚSTRIA QUÍMICA As indústrias químicas envolvem o processamento ou alteração de matérias-primas

Leia mais

10 Alimentos importantes para sua saúde.

10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. Os alimentos funcionais geram inúmeros benefícios para o organismo. Como muitas patologias se desenvolvem por deficiência

Leia mais

eliminando GORDURA TRANS ARTIFICIAL nos estabelecimentos de Serviços Alimentícios de Cambridge

eliminando GORDURA TRANS ARTIFICIAL nos estabelecimentos de Serviços Alimentícios de Cambridge eliminando GORDURA TRANS ARTIFICIAL nos estabelecimentos de Serviços Alimentícios de Cambridge Como Cumprir: O que Restaurantes, Buffets, Vendedores Ambulantes de Alimentos, e outros, precisam fazer www.cambridgepublichealth.org

Leia mais

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil FOODSTAFF Assessoria de Alimentos Ltda. setembro/ 2012 Agenda Alimentos Funcionais e Novos Alimentos O Mercado de Alimentos

Leia mais

Considerando a necessidade de estabelecer a identidade e a qualidade dos produtos de cervejaria destinados ao consumo humano;

Considerando a necessidade de estabelecer a identidade e a qualidade dos produtos de cervejaria destinados ao consumo humano; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2001 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, SUBSTITUTO DO MINISTÉRIO DA

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

O que tem no meu Lanche Escolar?

O que tem no meu Lanche Escolar? O que tem no meu Lanche Escolar? Bolo de CENOURA Caseiro -> farinha de trigo, cenoura, ovos, óleo, açúcar e fermento químico. Ingredientes FARINHA DE TRIGO ENRIQUECIDA COM FERRO E ÁCIDO FÓLICO, RECHEIO

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas Contraste normal Alto Contraste Alegações de propriedade funcional aprovadas As alegações horizontais apresentadas a seguir fazem parte de um processo contínuo e dinâmico de reavaliação das alegações aprovadas

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

Ações das agências de defesa do consumidor para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária

Ações das agências de defesa do consumidor para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária Ações das agências de defesa do consumidor para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária Manuela Dias Nutricionista I Seminário Estadual Rede-SANS Agosto/2012 Águas de Lindóia, SP Agenda:

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA MERCOSUL/GMC/RES. N 14/01 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA TENDO EM VISTA : O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 91/93, Nº 152/96 e Nº 38/98 do Grupo

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROL DE CALIDAD EN LOS ALIMENTOS-RESIDUOS DE PESTICIDAS EN SAN PABLO - BRASIL

PROGRAMA DE CONTROL DE CALIDAD EN LOS ALIMENTOS-RESIDUOS DE PESTICIDAS EN SAN PABLO - BRASIL Buenos Aires/2009 PROGRAMA DE CONTROL DE CALIDAD EN LOS ALIMENTOS-RESIDUOS DE PESTICIDAS EN SAN PABLO - BRASIL Laboratório de Resíduos de Pesticidas/IB/APTA Legislação de Pesticidas Brasil - Fluxograma

Leia mais

A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima

A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima Fispal - Sorvetes Junho/2014 2014 Centro de Tecnologia SENAI-RJ Alimentos e Bebidas Educação Profissional Curso Técnico de Alimentos Curso

Leia mais

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES INTRODUÇÃO PRODUÇÃO, PRODUTORES E ESCOAMENTO VALOR DA PRODUÇÃO PRINCIPAIS ESPÉCIES PARA COMERCIALIZAÇÃO MERCADOS, ENQUADRAMENTO MUNDIAL E

Leia mais

A qualidade da alimentação escolar e o fornecimento da Agricultura Familiar

A qualidade da alimentação escolar e o fornecimento da Agricultura Familiar Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Nutrição Programa de Pós-Graduação em Nutrição A qualidade da alimentação escolar e o fornecimento da Agricultura Familiar XIII Seminário Internacional

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS LOTES 0- PERECÍVEIS FRIOS 3 4 5 Lingüiça, do tipo calabresa, resfriada, industrialmente embalada, com SIF, embalagem plástica transparente atóxica não reciclada, contendo informações sobre o fabricante

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (FURB) fernandes.francisco@uol.com.br

Leia mais

3ªsérie B I O L O G I A

3ªsérie B I O L O G I A 3.1 QUESTÃO 1 Três consumidores, A, B e C, compraram, cada um deles, uma bebida em embalagem longa vida, adequada às suas respectivas dietas. As tabelas abaixo trazem informações nutricionais sobre cada

Leia mais