ANEXO NORMAS GERAIS PARA CERTIFICAÇÃO DE BATATA-SEMENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO NORMAS GERAIS PARA CERTIFICAÇÃO DE BATATA-SEMENTE"

Transcrição

1 ANEXO NORMAS GERAIS PARA CERTIFICAÇÃO DE BATATA-SEMENTE I. Dos objetivos da Certificação 1. A certificação de semente é o processo de produção pelo qual se garante que as sementes foram produzidas com plena segurança de sua origem genética e que atendem aos padrões e procedimentos para esta finalidade. 2. A certificação de batata-semente tem por objetivos principais a preservação da identidade genética, a produção de material com baixo nível de infecção e infestação de vírus, bactérias, nematóides e outros agentes patogênicos capazes de reduzir, nas condições brasileiras, seu potencial de produção e/ou remultiplicação. 3. De acordo com a legislação vigente, a produção de batata-semente será controlada por uma entidade certificadora, ao nível das unidades federativas. 4. A produção de batata-semente obedecerá as normas, padrões e procedimentos ditados pela entidade certificadora da unidade federativa, podendo os padrões estaduais ser mais rígidos que os federais. 4.1 Para ditar as normas, padrões e procedimentos, a entidade certificadora contará com o assessoramento da Comissão Estadual de Sementes e Mudas da unidade federativa correspondente. 5. O sistema de certificação de batata-semente objetiva: a) gerar uma disponibilidade de batata-semente com garantia de identidade genética nas classes básica, registrada e certificada, de acordo com padrões de sanidade estabelecidos para cada classe; b) dar respaldo aos produtores credenciados na entidade certificadora, assegurando que as mesmas forma produzidas de acordo com as normas e padrões estabelecidos na sua classe para obtenção de batata-semente de alta qualidade; c) garantir ao produtor que as batatas-sementes foram produzidas, processadas e analisadas sob controle, objetivando assegurar os requisitos de qualidade e sanidade. II. Das Zonas de Produção 1. A produção de batata-semente será limitada às zonas aprovadas pela entidade certificadora, que levará em consideração os seguintes requisitos: a) condições ecológicas favoráveis para a batata e desfavoráveis à disseminação dos vetores das doenças causadas por vírus, bem como o de outras doenças e pragas; b) condições que assegurem a conveniente execução dos trabalhos de certificação, quais sejam: inspetores, vias de comunicação, transporte, distância, condições adequadas do terreno e de armazenagem da batata-semente; c) outros requisitos recomendados pela entidade certificadora. 2. A critério da entidade certificadora, poderão ser estabelecidas zonas de maior controle destinadas à produção das classes básicas e/ou registrada. III. Das Classes de Batata-Semente 1. Semente genética -É a semente assexuada, produzida sob a responsabilidade e o controle direto da instituição criadora da cultivar, e mantida dentro das características de pureza genética. 2. Semente básica -É a semente assuada, que resulta da multiplicação da semente genética ou semente básica, destinada à renovação dos campos sob certificação, produzida sob as condições e normas técnicas de forma a assegurar o seu estado de sanidade de acordo com os níveis de tolerância estabelecidos, comprovados pelo teste de pré-cultura e confirmados em laboratório. 2.1 A produção de batata-semente básica será desenvolvida por pessoa física ou jurídica, de direito publico ou privado, que possua instalações e equipamentos mínimos

2 necessários à sua produção, de acordo com os requisitos deste artigo, sob supervisão da entidade certificadora a responsabilidade da entidade que a criou ou introduziu no País. 3. Semente registrada - É a semente assexuada, que resulta da multiplicação da semente básica ou registrada, destinada à renovação dos campos sob certificação, produzida sob as condições e normas técnicas de forma a assegurar o seu estado de sanidade de acordo com os níveis de tolerância estabelecidos, comprovados pelo teste de pré-cultura e opcionalmente confirmados em laboratórios. 3.1 A produção de batata-semente registrada será de responsabilidade de pessoa física ou jurídica de direito público ou privado que possua instalações e equipamentos mínimos necessários à sua produção de acordo com os requisitos exigidos, sob a supervisão da entidade certificadora. 3.2 A batata importada, básica ou da classe imediatamente inferior, equiparar-se à batata nacional para fins de multiplicação desta classe. 4. Semente certificadora - É a semente assexuada resultante da multiplicação das classes básica nacional, registrada ou certificada na subclasse A, produzida sob condições e normas técnicas estabelecidas pela entidade certificadora de forma a assegurar o estado de sanidade de acordo com os níveis de tolerância estabelecidos, comprovados opcionalmente pelos testes de pré-cultura e laboratório. 4.1 A classe certificadora admite as subclasses A e B, de acordo com os níveis de tolerância estabelecidos para tal. 5. Os campos sob certificação deverão ser plantados com batata-semente, nacional ou estrangeira, devidamente identificada na classe própria para tal fim, sujeita a verificações dos estados fisiológico e sanitário pela defesa fitossanitária (a nível de Estado). 5.1 Asetiquetas, faturas de compra ou outra prova de origem de batata-semente a ser plantada serão exigidas pela entidade certificadora, para documentar a inscrição do campo para certificação e identificação do material de partida Da comprovação do material de multiplicação: A batata-semente plantada em campos de certificação deverá ter sua origem comprovada através de: a) plantio da semente própria: apresentar à entidade certificadora o certificado de semente para plantio, nas quantidades específicas, e/ou comprovante de frigorificação, quando for o caso, por ocasião do pedido de registro de campo; b) plantio da semente adquirida: apresentar à entidade certificadora os seguintes documentos: Batata-semente importada - Declaração de importação do país de origem, emitida em seu nome, e certificado de sanidade, no caso de importação direta. Quando da delegação de importação, o produtor deve apresentar cópia da Declaração de Importação e nota fiscal emitida em seu nome; Batata-semente básica nacional -Nota fiscal de compra e atestado de origem da entidade produtora, emitidos em seu nome. Estes documentos serão apresentados por ocasião do pedido de registro de campo; Batata-semente nacional de outras classes e subclasses - Nota fiscal de compra emitida em seu nome, cópia do certificado da semente (para semente produzida em outras unidades federativas, sujeitas a verificação das embalagens) e controle de liberação de batata-semente (quando adquirida de produtores da mesma unidade federativa), documento apresentado quando do pedido de registro de campo. Obs.: No corpo da nota fiscal deverão constar, obrigatoriamente, os seguintes itens: nome do destinatário (produtor que adquiriu); n. do certificado da semente; cultivar, classe e subclasse quantidade de caixas e pesos. IV. Normas para Produção de Batata-Semente, Classe Básica 1. Do produtor 1.1 O produtor de batata-semente básica será pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, que disponha de equipe técnica, instalações e equipamentos mínimos necessários a esta produção, de acordo com os requisitos exigidos sob supervisão da entidade certificadora e responsabilidade de entidade que criou ou introduziu no País a cultivar sob produção.

3 1.2 Do credenciamento dos produtores: O credenciamento para produtor de batata-semente básica deverá ser feito junto à entidade certificadora, mediante o preenchimento da formulários específicos, obedecendo os prazos de entrega determinados pela entidade certificadora. Os formulários deverão ser acompanhados, obrigatoriamente, dos seguintes documentos: a) comprovantes de Registro no Ministério da Agricultura como produtor de sementes e mudas, e de acordo com a legislação em vigor; b) terem registro no CREA da unidade federativa em questão o responsável técnico e seus auxiliares. 2. Das exigências para a produção de batata-semente básica. 2.1 Para o produtor que produzir sua própria semente genética: Dispor de material com sanidade comprovada e respectivo atestado, reconhecido pela entidade certificadora, obtido pelos métodos recomendados pela pesquisa agropecuária Dispor de estrutura de casa (s) de vegetação, para manutenção e multiplicação de material genético Dispor de infra-estrutura para a realização do teste pré-cultura Dispor de laboratórios para a realização de testes virológicos: plantas indicadoras, serologia (microprecipitação, difusão em látex, ELISA), ou qualquer outro método indicado pela pesquisa agropecuária brasileira Dispor de câmara frigorífica adequada à armazenagem de batata-semente Ter sob controle, em dedicação exclusiva, engenheiro (s) agrônomo (s), responsável técnico, com treinamento adequado nas áreas de melhoramento genético e/ou tecnologia de produção de batata-semente Dispor de área apropriada e equipamentos para o desenvolvimento de pesquisa, melhoramento de plantas, manutenção e aumento de disponibilidade de sementes genética e básica Caberá à entidade certificadora lugar a aceitação ou não das instalações, equipamentos e condições especificadas pelo requerente Para o produtor que não produzir a sua própria semente genética: Dispor de semente genética ou básica com sanidade comprovada e respectivo atestado reconhecido pela entidade certificadora, obtido pelos métodos recomendados pela pesquisa agropecuária Dispor de infra-estrutura para realização de teste de pré-cultura Dispor de laboratório para a execução de testes virológicos Dispor de instalações adequadas para a recepção e beneficiamento de batata-semente Dispor de câmara frigorífica adequada à armazenagem de batata-semente Ter sob contrato, em dedicação exclusiva, engenheiro (s) agrônomos (s), responsável técnico, com treinamento adequado em tecnologia de produção de batatasemente Caberá à entidade certificadora julgar se aceita ou não as instalações, equipamentos e condições especificadas pelo requerente. 3. Da produção de batata-semente básica: 3.1 Da batata-semente: Para a produção de batata-semente básica serão aceitas batatas-sementes genéticas ou básicas produzidas no Brasil. 3.2 Dos campos de produção: Das escolha de áreas selecionadas para a instalação de campos de produção de batata-semente básica: Deverão sofrer inspeção prévia pela entidade certificadora, antes do início do preparo do solo, e satisfazer a uma das exigências abaixo: a) nunca terem sido cultivadas com batata ou outra solanácea; b) tenham sido destinadas à produção de batata-semente genética ou básica e que não tenha sido constatada a presença de Pseudomonas solanacearum, e que estejam isentas da presença de plantas voluntárias de batata Do isolamento dos campos: O campo destinado à produção de batata-semente básica deverá ter um distanciamento mínimo de outras culturas conforme o especificado abaixo: a) de metros de culturas de batata-consumo, fumo, tomate, pimentão, berinjela e outras

4 solanáceas; b) de metros de áreas onde haja ocorrência anormal de plantas voluntárias de batata; c) de 10 metros das cultivadas com leguminosas; d) de 5 metros das cultivadas com gramíneas; e) de 1,5 metro (2 linhas) de campos de produção de batata-semente básica de outras cultivares, ou campos de produção de batata-semente registrada ou certificada. Neste último caso, o isolamento deve ser também topográfico e cronológico, ou seja, o campo destinado à produção de batata-semente básica dever estar acima e em fase mais adiantada do ciclo do que os campos de produção das classes inferiores; f) de 1 (uma) linha sem plantio de outras glebas de batata-semente básica da mesma cultivar desde que não haja diferença significativa de datas de plantio entre glebas Do tamanho dos campos: A área mínima para a produção de batata-semente básica será definida pela entidade certificadora O produtor deverá dividir seu campo em glebas com área máxima de 3,0 (três) ha. 3.3 Da condução dos campos: Os campos deverão ser conduzidos de maneira a mantê-los nas melhores condições agronômicas, fitossanitárias e de modo a permitir condições favoráveis às inspeções, sendo mantidos livres de invasoras voluntárias de batata A erradicação de plantas portadoras de sintomas de moléstias transmissíveis por tubérculo (com exceção da murcha-bacteriana), misturas varietais, variantes genéticos, plantas fracas etc. deverá ser precoce, freqüente e completa e ser processada do início do ciclo vegetativo até o início da senescência das plantas. 3.4 Da colheita, classificação, embalagem e comercialização: A colheita de cada campo ou gleba deverá ser identificada em separado de outros campos, evitando-se rigorosamente a mistura de cultivares Abatata básica será tipificada em 5 categorias, de acordo com seu tamanho: a) tipo 0 - tubérculos maiores de 60mm; b) tipo I - tubérculos entre 50 e 60 mm; c) tipo II - tubérculos entre 40 e 50 mm; d) tipo III - tubérculos entre 30 e 40 mm; e) tipo IV - tubérculos entre 23 e 30 mm; f) tipo V - tubérculos menores de 23 mm; A mistura de tipos de tamanho, dentro da mesma embalagem, não deverá exceder 5% Abatata-semente básica deverá ser embalada em caixas ou sacos novos, adequados para tal fim, com capacidade de 30kg de peso líquido Toda embalagem deverá ter etiqueta de cor branca de identificação, fornecida pela entidade certificadora, afixada externamente, e contendo os seguintes dados: nome do produtor e número do registro no Ministério da Agricultura; cultivar; classe; número de série; tipo; peso líquido; data da colheita; data da certificação e local de produção, de acordo com a legislação vigente Os tubérculos colhidos de cada gleba constituirão um lote distinto e serão inspecionados após classificação e embalagem Da comercialização: Para a comercialização, o documento hábil é a nota fiscal ou a nota do produtor. No corpo da nota deverá constar, obrigatoriamente: nome do destinatário; n. do Certificado de Semente; cultivar e classe; quantidade de volumes e peso Para efeito de controle, o Certificado de Semente, emitido pela entidade certificadora, será desdobrado pelo responsável técnico em Controle de Liberação da Batata-Semente. Este documento deverá acompanhar individualmente a nota fiscal ou nota do produtor Somente poderá ser comercializada a batata-semente básica que possuir a documentação constante destas normas A verificação do correto cumprimento destas normas na fase de comercialização está a cargo do Serviço de Fiscalização de Insumos Agropecuários

5 (SERFA), da Delegacia Federal de Agricultura da respectiva unidade federativa O responsável técnico deverá remeter mensalmente, à entidade certificadora, mapa de comercialização de batata-semente (Anexo 1). 3.5 Do controle de qualidade: O controle de qualidade de batata-semente básica compreende duas fases de campo e fase de controle complementar. O da fase de campo, assim como o (s) exame (s) de tubérculos, será realizado pela entidade certificadora. Os testes complementares serão realizados pelo produtor, sob a supervisão da entidade certificadora, ou pela própria Da fase de campo: O controle de qualidade da fase de campo tem por finalidade avaliar, propiciar condições para perfeita manutenção de qualidade do material produzido, bem com verificar a observância dos limites de tolerância e das normas de certificação estabelecidos pela entidade certificadora O controle de qualidade da fase de campo compreenderá as seguintes atividades: a) inspeção prévia da área, antes do início de campo compreenderá as seguintes atividade: b) duas inspeções de campo, a nível de gleba, durante o ciclo vegetativo da cultura; c) inspeção pré-colheita, a nível de gleba As inspeções de campo deverão cobrir uniformemente toda a área da gleba em exame, devendo aleatoriamente, processar-se um contagem mínima de 1,5% das plantas (600 plantas/há) A primeira inspeção de campo deverá ser realizada até 40 dias após a emergência das plantas; a segunda, no mínimo 70 dias após o plantio e antes da senescência das plantas Na segunda inspeção de campo será coletada amostra para o teste de pré- cultura e para testes de laboratório As inspeções de campo poderão ser repetidas, a critério da entidade certificadora, quando solicitadas pelo produtor. A seu critério, a entidade certificadora poderá realizar tantas inspeções complementares quantas julgar necessário A inspeção pré-colheita consiste na observação da ocorrência ou não de rebrota e deverá ser feita imediatamente antes da colheita Os limites de tolerância máxima para anomalias nas duas inspeções de campo são dadas na tabela Da fase de controle complementar: Compreenderá as seguintes atividades: a) inspeção de tubérculos; b) teste de pré-cultura; c) testes de laboratório As inspeções de tubérculos serão realizadas pela entidade certificadora; os testes de pré-cultura e de laboratório serão realizados pelo produtor, sob a supervisão da entidade, ou a critério da entidade certificadora Das inspeções dos tubérculos: As inspeções dos tubérculos têm por fim a verificação da sua maturidade, estado de aderência da película, conformação, tamanho, uniformidade e limpeza, bem como a quantificação da presença de doenças e pragas, defeitos fisiológicos, mistura de cultivares e outras anomalias. Tabela 1 - Limites máximos de tolerância, em porcentagem, das anormalidades nas inspeções de campos de produção de batatasemente básica

6 Obs.: Fatores que indiquem a má-condução dos campos, como presença de colônias de pulgões, presença de plantas voluntárias, rebrota após a destruição ou morte da folhagem, poderão ser causa da condenação dos campos. Outros fatores que dificultem a identificação de plantas anômalas, devido a efeitos climáticos (seca e geada), efeitos fitotóxicos, efeitos fisiológicos, (plantas fracas) e efeitos patológicos - Rhizoctoniose (Rhizoctonia) solani, K.), requeima (Phytophthora infestans), pinta-preta (Alternaria solani), viroses não-transmitidas pelos tubérculos (necroses do topo) -não deverão afetar mais que 10% do número total de plantas do campo, ficando a critério do inspetor esta avaliação, para fins de certificação ou condenação do campo A amostragem para a inspeção dos tubérculos deverá ser feita obedecendo os seguintes critérios: a) 1 (uma) caixa para cada 100 (cem) caixas classificadas e embaladas de 30 (trinta) kg de peso líquido por unidade Os limites de tolerância máxima para anomalias verificadas quando do exame dos tubérculos são dados na Tabela Do teste de pré-cultura: O teste de pré-cultura visa, primeiramente, à determinação das porcentagens de doenças viróticas das plantas da gleba coletada; visa também ao conhecimento de qualquer outro tipo de problema sanitário, transmissível pelo tubérculo-semente, que poderá alterar a qualidade da batata-semente produzida na gleba em questão A amostragem para teste de pré-cultura deverá ser processada na segunda inspeção de campo, a nível de gleba, devendo cobrir a área correspondente de maneira uniforme, coletando-se aleatoriamente 300 tubérculos por hectare A leitura visual do teste de pré-cultura deverá ser feita no mínimo em 80% das plantas e estas deverão ser provenientes da amostra Oslimites de tolerância máxima para anomalias detectadas pelo teste de pré-cultura são dados na Tabela Dos testes de laboratório: Os limites de tolerância para as anomalias detectadas pelos testes de laboratório serão os mesmos da Tabela 3, de modo a confirmar os resultados da pré-cultura. A identificação dos vírus causadores de mosaico (X, Y, A), enrolamento das folhas, vírus latentes (M. S.) e outras viroses transmissíveis por tubérculos far-se-á pelos métodos consagrados pela pesquisa agropecuária brasileira, tais como testes sorológicos (micro, látex, ELISA), plantas indicadoras, testes bioquímicos e outros métodos adequados a cada caso. Os testes serão realizados com folhas ou outros órgãos de planta originária de cada tubérculo componente da amostra, utilizado no plantio do teste de pré-cultura, na época mais favorável à execução dos testes de laboratório. Os resultados serão anotados em formulários especiais e serão enviados à entidade certificadora, juntamente com os resultados do teste de pré-cultura, até a data estabelecida para recepção dos resultados. Do teste de pré-cultura depende a classificação final do lote a ser certificado. Os limites

7 máximos de tolerância para os vírus latentes detectados nos testes de laboratório serão estabelecidos, a critério da entidade certificadora, para cada lote amostrado Os lotes não-aprovados para a produção de batata-semente básica poderão ser destinados à produção de batata-semente registrada ou certificada, desde que estejam centro dos limites de tolerância dessas classes. Tabela 2 - Limites máximos de tolerância, em porcentagem, na inspeção de tubérculos de campos de produção de batata-semente básica. Obs.: Nos itens 4, 5,11 e 12, a área do tubérculo lesionado, para cálculo da porcentagem, ficará a critério do inspetor Tabela 3 - Limites máximos de tolerância, em porcentagem, no teste de pré-cultura de campos de produção de batata-semente básica.

8 Obs.: A constatação, no teste de pré-cultura, da existência de problemas não detectados nas inspeções de campo e exames dos tubérculos, inclusive de patógenos não-especificados nestas normas de campo e exames dos tubérculos, inclusive de patógenos não especificados nestas normas, em nível capaz de comprometer a capacidade de produção e/ou remultiplicação do material em análise, será causa de condenação do lote correspondente. V. Da Batata-Semente Registrada 1. Do produtor 1.1 O produtor de batata-semente registrada será pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, que disponha de equipe técnica, instalações e equipamentos mínimos necessários a esta produção, de acordo com os requisitos deste artigo, sob supervisão da entidade certificadora. 1.2 Do credenciamento: Para produtor de batata-semente registrada, deverá ser feito junto à entidade certificadora, mediante o preenchimento de formulários específicos. Os formulários deverão ser acompanhados, obrigatoriamente, dos seguintes documentos: a) comprovante de registro, no Ministério da Agricultura, como produtor de sementes e mudas, e de acordo com a legislação em vigor; b) termo de responsabilidade técnica de engenheiros agrônomo e auxiliares, se for o caso; c) descrição da infra-estrutura do produtor Após a entrega da documentação, a entidade certificadora analisará a proposta,deferindo ou não a solicitação. 2. Das exigências para a produção de batata-semente registrada: a) pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, reconhecidas, pela entidade certificadora como produtoras de batata-semente; b) pessoas físicas ou jurídicas, produtoras de batata-semente certificada e que, em pelo menos três safras, em um período máximo de 3 anos, tenham obtido bons índices de conversão, e que nada os desabone junto à entidade certificadora. 2.1 Os produtores de batata-semente registrada deverão: a) dispor de material de propagação, com sanidade comprovada e respectivo atestado, reconhecido pela entidade certificadora, proveniente de importação (classe básica ou a imediatamente inferior à básica) ou de produção nacional de classe básica ou registrada; b) dispor de instalações, equipamentos, materiais e pessoal técnico habilitado

9 para a realização do teste de pré-cultura; c) dispor de câmara frigorífica adequada ao armazenamento da batata-semente. 2.2 Caberá à entidade certificadora julgar a aceitação ou não das instalações, equipamentos e condições especificadas pelo requerente. 3. Da produção da batata-semente registrada: A produção da batata-semente registrada deverá ser conduzida conforme as normas e padrões estabelecidos pela entidade certificadora, obedecendo às condições mínimas dispostas nas presentes normas. 3.1 Da batata-semente utilizada: Os campos destinados à produção de batata-semente registrada deverão utilizarse de material de propagação de uma das classes realizadas abaixo: a) batata-semente básica, de produção nacional; b) batata-semente importada, básica ou proveniente de sua multiplicação (classe (classe imediatamente inferior à básica); c) batata-semente registrada Asetiquetas, faturas de compra ou outra prova da origem da batatasemente a ser plantada serão exigidas pela entidade certificadora, a fim de identificar o material de partida. 3.2 Dos campos de produção: Os campos para produção de batata-semente registrada deverão ser instalados em terrenos onde não haja maiores possibilidades de ocorrência de fungos, bactérias, nematóides e outros agentes de doenças limitantes à cultura de batata, bem como permitam seu cultivo racional e apresentem condições de exposição, ventilação e umidades desfavoráveis à ocorrência de doenças e pragas Seleção de áreas: As áreas para a instalação de campos de produção de batata-semente registrada devem satisfazer a uma das exigências abaixo: a) nunca terem sido cultivadas com batata ou outras solanáceas; b) terem sido destinados à produção de batata-semente genética, básica, registrada ou certificada e que não tenha sido constatada a presença de Pseudomonas solanacearum, e estejam livres da presença de plantas voluntárias de batata; c) terem sido destinados, há mais de 5 anos, à produção de batata-consumo ou outras solanáceas, e que não tenha sido constatada a presença de Pseudomonas solanacearum, e estejam livres da presença de plantas voluntárias de batata Do isolamento dos campos: O campo destinado à produção da batata-semente registrada deverá ter um distanciamento mínimo de outras culturas conforme o especificado a seguir: a) 50m de culturas de batata-consumo, fumo, tomate, pimentão, berinjela e outras solanáceas; b) 50m de culturas de plantas de outras famílias botânicas e mesmo de campos sem utilização, onde haja ocorrência anormal de plantas voluntárias de batata; c) de 10m de leguminosas; d) de 5m de gramíneas; e) de 1.5m (2 linhas de plantio) de campos de produção de batata-semente registrada de outras cultivares, ou de campos de produção de batata-semente básica ou certificada. Deve ser obedecido isolamento topográfico e cronológico, ou seja, o campo destinado à produção de batata-semente registrada deve estar acima, e em fase mais adiantada do ciclo, do que os campos de produção de classes inferiores; f) de 1 (uma) linha de plantio de outras glebas de produção de batata-semente registrada da mesma cultivar Do tamanho dos campos: O produtor deverá dividir seu campo em glebas com área máxima de 4,0ha, a seu critério, poderá dividir seu campo em glebas, com área mínima de 0,5ha. 3.3 Da condução dos campos: Os campos destinados à produção da batata-semente registrada deverão ser conduzidos de maneira a mantê-los nas melhores condições agronômicas e fitossanitárias e de modo a permitir condições favoráveis às inspeções, sendo mantidos livres de invasoras e de plantas voluntárias de batata A erradicação de plantas portadoras de sintomas de moléstias

10 transmissíveis por tubérculos (com exceção da murcha bacteriana), misturas varietais, variantes genéticos, plantas fracas etc. deverá ser precoce, freqüente e completa, e ser processada do início do ciclo vegetativo até o início da senescência das plantas. 3.4 Da exclusão dos campos à produção de batata-semente registrada: Serão excluídos pelos seguintes motivos: a) declaração contendo dados inexatos sobre o campo ou a origem da batatasemente utilizada; b) não-cumprimento das medidas de isolamento; c) não-execução da erradicação; d) controle ineficiente de insetos vetores de viroses; e) controle ineficiente de plantas voluntárias de batata; f) deficiência de tratos culturais ou existência de outras condições que, por aumentarem a ocorrência anormal das falhas, e/ou o desenvolvimento normal e uniforme das plantas, dificultem o perfeito reconhecimento das plantas anômalas e, portanto, dificultem as inspeções de campo; g) a ocorrência, em qualquer fase do ciclo, de doenças ou pragas exóticas ao País, consideradas de grande periculosidade. Neste caso, além da condenação do campo, será prescrita, pelo órgão competente de defesa fitossanitária, a destruição integral das plantas e seus tubérculos, sem que caiba, ao produtor, o direito de indenização. 3.5 Da colheita, classificação, embalagem e comercialização: A colheita de cada campo ou gleba deverá ser identificada em separado de outros campos, evitando-se rigorosamente a mistura de cultivares A batata-semente registrada será tipificada em 5 categorias, de acordo com seu tamanho: a) tipo 0 - tubérculos maiores de 60mm; b) tipo I - tubérculos entre 50 e 60mm; c) tipo II - tubérculos entre 40 e 50 mm; d) tipo III - tubérculos entre 30 e 40 mm; e) tipo IV - tubérculos entre 23 e 30 mm; f) tipo V - tubérculos menores de 23 mm A mistura de tipos e tamanhos dentro da mesma embalagem não deverá exceder 5% A batata-semente registrada deverá ser embalada em caixas ou sacos novos, com capacidade de 30 ou 50 kg de peso líquido. Para plantio próprio, poderá ser embalada adequadamente para tal fim em caixas plásticas vazadas, reutilizas após desinfecção Toda embalagem deverá ter uma etiqueta de identificação, de cor roxa fornecida pela entidade certificadora, afixada externamente, contendo os seguintes dados: produtor - nome e número do registro no Ministério da Agricultura; cultivar; classe registrada; número de série; tipo; peso líquido; data da colheita; data de certificação e local de produção, de acordo com a Legislação vigente Os tubérculos colhidos de cada gleba constituirão um lote distinto e serão inspecionados após classificação e embalagem Para comercialização, o documento hábil é a nota fiscal ou nota do produtor. No corpo da nota deverá constar, obrigatoriamente: nome do destinatário; n do certificado de semente; cultivar e classe; quantidade de volumes e peso Para efeito de controle, o certificado de semente, emitido pela entidade certificadora, será desdobrado pelo responsável técnico em Controle de Liberação da Batata-Semente (Anexo 2). Este documento deverá acompanhar individualmente a nota fiscal ou nota do produtor Somente poderá ser comercializada a batata-semente registrada que possuir a documentação constante destas normas A verificação do correto cumprimento dessas normas, na fase de comercialização, está a cargo do Serviço de Fiscalização de Insumos Agropecuários

11 (SERFA), da Delegacia Federal de Agricultura da respectiva unidade federativa O responsável técnico deverá remeter mensalmente à entidade certificadora o mapa de comercialização de batata-semente (Anexo 1) Do controle de qualidade: O controle de qualidade da batata-semente registrada compreende duas fases distintas: fase de controle de campo e fase de controle complementar. O da fase de campo assim com o (s) exame (s) de tubérculos será (ão) realizado (s) pela entidade certificadora. Os testes complementares de fase pós-colheita serão realizados a critério da entidade certificadora Da fase de campo: O controle de qualidade, fase de campo, compreenderá as seguintes atividades: a) inspeção prévia da área, antes do início do preparo do solo; b) duas inspeções de campo, a nível de gleba, durante o ciclo vegetativo da cultura As inspeções de campo deverão cobrir uniformemente toda a área da gleba em exame, devendo, aleatoriamente, processar-se uma contagem mínima de 1,0% das plantas (400 plantas há) A primeira inspeção de campo será realizada até 40 dias após a emergência das plantas; a segunda, no mínimo 70 dias após o plantio e antes da ignescência das plantas Na segunda inspeção de campo será completada amostra para os testes de pré-cultura As inspeções de campo poderão ser repetidas, a critério da entidade certificadora, quando solicitadas pelo produtor. A seu critério, a entidade certificadora poderá realizar tantas inspeções quantas julgar necessárias Os limites de tolerância máxima para anomalias, nas duas inspeções de campo, são dados na Tabela Da fase pós-colheita: O controle de qualidade, fase pós-colheita, compreenderá as seguintes atividades: a) inspeções de tubérculos; b) teste de pré-cultura; c) testes de laboratório (opcional) As inspeções de tubérculos serão realizadas pela entidade certificadora. Os testes complementares serão realizados pelo produtor, sob a supervisão da entidade certificadora ou pela própria entidade certificadora Das inspeções dos tubérculos: As inspeções dos tubérculos têm por fim a verificação da sua maturidade, estado de aderência da película, conformação, tamanho, uniformidade e limpeza, bem como a quantificação da presença de doenças e pragas, defeitos fisiológicos, mistura de cultivares e outras anomalias Todo lote, representando cada gleba, será examinado o mais próximo possível da colheita A amostragem para a inspeção dos tubérculos deverá ser feita obedecendo-se ao seguinte critério: a) 1 (uma) caixa/saco para cada 100 (cem) caixas/sacos, classificadas e embaladas Os limites de tolerância máxima para anomalias verificadas no exame de tubérculos são dados na Tabela Do teste de pré-cultura: O teste de pré-cultura para a batata-semente registrada será realizado pela entidade certificadora ou a seu critério Até o total capacitação das entidades certificadoras para a viabilização da execução ou supervisão do teste de pré-colheita, este será empregado, obrigatoriamente, para 10% da área, por produtor, de produção de batata-semente registrada, porcentagem essa transitória e crescente, a critério da entidade certificadora A amostragem para o teste de pré-cultura, deverá ser processada na segunda inspeção de campo, devendo cobrir uniformemente a área de gleba correspondente, coletando-se, aleatoriamente, 200 tubérculos por hectare.

12 A leitura visual do teste de pré-cultura deverá ser feita em 80% das plantas e estas deverão ser provenientes da amostra Os limites de tolerância máxima para anomalias detectadas pelo teste de pré-cultura são dados na Tabela Dos testes de laboratório: Os resultados dos testes serológicos, plantas indicadoras, testes bioquímicos ou outros métodos indicados pela pesquisa poderão ser aceitos para certificação do lote, até a operacionalização dos demais testes previstos nesta Portaria Até a total capacitação das entidades certificadoras, a amostragem para os testes previstos no item anterior deverá cobrir obrigatoriamente um mínimo de 10% da área de produção total da batata-semente registrada, por produtor, porcentagem esta transitória e crescente A amostragem para os testes de laboratório deverá ser efetuada na data da segunda inspeção de campo correspondente, coletando-se, aleatoriamente, 200 tubérculos por hectare Os lotes não-aprovados nos testes de laboratório, para inclusão na classe registrada, poderão ser certificados, desde que se enquadrem nos limites das subclasses A ou B da classe certificada Os lotes não-aprovados para a produção de batata-semente registrada poderão ser destinados à produção de batata-semente certificada, desde que estejam dentro dos limites de tolerância estabelecidos para esta classe. Tabela 5 -Limites máximos de tolerância, em porcentagem, para anormalidades nas inspeções de campos de produção de batata-semente registrada Obs.: Fatores que indiquem a má-condução dos campos, como presença de colônias de pulgões, presença de plantas voluntárias, rebrota após a destruição ou morte da folhagem, poderão ser causas da condenação dos campos. Outros fatores que dificultem a identificação de plantas anômalas, devido a efeitos climáticos (seca e geada), efeitos fitotóxicos, efeitos fisiológicos (plantas fracas) e efeitos patológicos rhizoctoniose (Rhizoctonia solani, K.) requeima (Phytophthora infestans), pinta-preta (Alternaria solani), viroses não-transmitidas pelos tubérculos (necroses do topo), não deverão afetar mais de 10% do número total de plantas do campo, ficando a critério do inspetor esta avaliação, para fins de certificação ou condenação do campo. Tabela 6 - Limites máximos de tolerância, em percentagem, na inspeção de tubérculos de campos de produção de batata-semente registrada Obs.: Nos itens 3, 4, 11 e 12, a área do tubérculo lesionado, para cálculo da porcentagem, ficará a critério do inspetor. Tabela 7 - Limites máximos de tolerância, em porcentagem, no teste de pré-cultura de campos de batata-semente registrada Obs.: A constatação, no teste de pré-cultura, de existência de problemas nãodetectados nas inspeções de campo e exames de tubérculos, inclusive de patógenos não-especificados nestas normas, em nível capaz de comprometer a capacidade de produção e/ou remultiplicação do material em análise, será causa de condenação do lote correspondente.

13 Obs.: Nos itens 3, 4, 11 e 12, a área do tubérculo lesionado, para cálculo da porcentagem, ficará a critério do inspetor. Tabela 7 - Limites máximos de tolerância, em porcentagem, no teste de précultura de campos de batata-semente registrada

14 Obs.: A constatação, no teste de pré-cultura, de existência de problemas não detectados nas inspeções de campo e exames de tubérculos, inclusive de patógenos nãoespecificados nestas normas, em nível capaz de comprometer a capacidade de produção e/ou remultiplicação do material em análise, será causa de condenação do lote correspondente. VI. Da Batata-Semente Certificada 1. Do produtor 1.1 O produtor de batata-semente certificada será pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, que disponha de equipe técnica, instalações e equipamentos mínimos necessários a esta produção, de acordo com os requisitos exigidos sob supervisão da entidade certificadora. 1.2 Do credenciamento dos produtores: O credenciamento para produtor de batata-semente certificada deverá ser feito junto à entidade certificadora mediante o preenchimento de formulários específicos. Os formulários deverão ser acompanhados, obrigatoriamente, dos seguintes documentos: a) comprovante do registro, no Ministério da Agricultura, como produtor de sementes e mudas, e de acordo com a legislação em vigor; b) termo de responsabilidade técnica de engenheiro agrônomo, indicando os engenheiros agrônomos auxiliares, se for, o caso, c) descrição da infra-estrutura do produtor Após a entrega da documentação, a entidade certificadora analisará a proposta, deferindo ou não a solicitação. 2. Da produção da batata-semente certificada: A produção de batata-semente certificada deverá ser conduzida conforme as normas e padrões estabelecidos pela entidade certificadora, obedecendo as condições mínimas dispostas nas presentes normas. 2.1 Da batata-semente utilizada: Os campos destinados à produção da batata-semente certificada deverão utilizarse de material da propagação de uma das classes relacionadas abaixo: a) batatasemente básica nacional; b) batata-semente registrada; c) batata-semente certificada, subclasse A As etiquetas, faturas de compras ou outra prova da origem da batatasemente a ser plantada serão exigidas pela entidade certificadora, a fim de identificar o material a ser plantado. 2.2 Dos campos de produção: Os campos de produção de batata-semente certificada deverão ser instalados em terrenos onde não haja maiores possibilidades de ocorrência de fungos, bactérias,

15 nematóides e outros agentes de doenças limitantes à cultura da batata, bem como permitam seu cultivo racional e apresentem condições de exposição, ventilação e umidade desfavoráveis à ocorrência de doenças e pragas Do isolamento dos campos: O campo destinado à produção da batata-semente certificada deverá obedecer a um mínimo de isolamento, de acordo com as normas da entidade certificadora Do tamanho dos campos: A área mínima para a produção de batata-semente certificada será de 2,0 ha por produtor O produtor deverá dividir seu campo em glebas com área máxima de 5,0 ha, a seu critério poderá dividir seu campo em glebas, com área mínima de 0,5 ha. 2.3 Da condução dos campos: Os campos destinados à produção da batata-semente certificada deverão ser conduzidos de maneira a mantê-los nas melhores condições agronômicas e de modo a permitir condições favoráveis às inspeções, sendo mantidos livres de invasoras e de plantas voluntárias de batata A erradicação de plantas portadoras de sintomas de moléstias transmissíveis por tubérculos (com exceção da murcha bacteriana), misturas varietais, variantes genéticos, plantas fracas etc. deverá ser precoce, freqüente e completa, e ser processada do início do ciclo vegetativo até o início da senescência das plantas. 2.4 Da exclusão dos campos: Os campos destinados à produção de batata-semente serão excluídos pelos seguintes motivos: a) declaração contendo dados inexatos sobre o campo ou a origem da batata-semente utilizada, b) não-cumprimento das medidas de isolamento; c) controle ineficiente de insetos vetores de viroses; d) controle ineficiente de plantas voluntárias de batata; e) controle ineficiente de plantas voluntárias de batata; f) deficiência de tratos culturais ou existência de outras condições que, por aumentarem a ocorrência anormal de falhas e/ou desenvolvimento normal e uniforme das plantas, dificultem o perfeito reconhecimento de plantas anômalas e, portanto, dificultem as inspeções de campo; g) presença de rebrota após a morte da rama; h) a ocorrência, em qualquer fase do ciclo, de doenças ou pragas exótica ao País, consideradas de grande periculosidade. Neste caso, além da condenação do campo, será prescrita, pelo órgão competente de defesa fitossanitária, a destruição integral das plantas e seus tubérculos, sem que caiba, ao produtor, o direito de indenização. 2.5 Da colheita, classificação e embalagem: A colheita de cada campo ou gleba deverá ser identificada em separado de outros campos, evitando-se rigorosamente a mistura de cultivares A batata-semente certificada será tipificada em 4 categorias, de acordo com seu tamanho: a) tipo I - tubérculos entre 50 e 60 mm; b) tipo II - tubérculos entre 40 e 50 mm; c) tipo III - tubérculos entre 30 e 40 mm; d) tipo IV - tubérculos entre 23 e 30 mm; e) tipo V - tubérculos menores de 23 mm Os tubérculos acima de 60 mm poderão ser certificados desde que se utilizados para a instalação de campos do próprio produtor A mistura de tipos e tamanhos dentro da mesma embalagem não deverá exceder 5% A batata-semente certificada deverá ser embalada em caixas de 30 kg de peso líquido ou em sacos novos, de 30 ou 50 kg de peso líquido, adequados para tal fim Toda embalagem deverá ter etiqueta oficial de certificação, de cor azul, fornecida pela entidade certificadora, contendo os seguintes dados: produtor - nome e número de série; tipo; peso líquido; data de colheita; data de certificação, e local de produção, de acordo com a legislação em vigor Os tubérculos colhidos de cada gleba constituirão um lote distinto, e serão inspecionados após classificação e embalagem. 2.6 Do controle de qualidade: O controle de qualidade de batata-semente certificada compreenderá duas fases

16 distintas: fase de campo e fase de controle complementar. Ambas serão realizadas pela entidade certificadora Da fase de campo: O controle de qualidade, fase de campo, constituir-se-á de duas inspeções de campo, a nível de gleba, durante o ciclo vegetativo As inspeções de campo deverão cobrir uniformemente toda área da gleba em exame, devendo, aleatoriamente processar-se a uma contagem mínima 0,75% das plantas (300 plantas por hectare) A primeira inspeção de campo deverá ser realizada até 40 dias após a emergência das plantas; a Segunda, no mínimo 70 dias após o plantio e antes da senescência das plantas As inspeções de campo poderão ser repetidas, a critério da entidade certificadora, quando solicitadas pelo produtor. A seu critério, a entidade certificadora poderá realizar tantas inspeções complementares quantas julgar necessário Os limites de tolerância máxima para anomalias das classes A e B são dadas na Tabela B. Tabela 8 - Limites máximos de tolerância, em porcentagem, para anomalias nas inspeções de campos de produção da batata-semente certificada Obs.: Fatores que indiquem a má-condução dos campos, como presença de colônias de pulgões, presença de plantas voluntárias, rebrota após a destruição ou morte da folhagem, poderão ser causas da condenação dos campos. Outros fatores que dificultem a identificação de plantas anômalas, devido a efeitos climáticos (seca e geada), efeitos fitotóxicos, efeitos fisiológicos (plantas fracas) e efeitos patológicos - rhizoctoniose (Rhizoctonia solani, K.) requeima (Phytophthora infestans), pinta-preta (Alternaria solani), viroses não-transmitidas pelos tubérculos (necroses do topo), não deverão afetar mais de 10% do número total de plantas do campo, ficando a critério do inspetor esta avaliação, para fins de certificação ou condenação do campo Da fase pós-colheita: O controle da qualidade, fase pós-colheita, compreenderá as seguintes atividades: a) inspeção de tubérculos; b) teste de pré-cultura (a critério da entidade certificadora) As inspeções de tubérculos e o teste de pré-cultura serão realizados pela entidade certificadora,, podendo, esta, para a execução deste último, credenciar pessoas de direito público ou privado Das inspeções dos tubérculos: As inspeções dos tubérculos têm por fim a verificação da sua maturidade, estado de aderência da película, conformação, tamanho, uniformidade e limpeza, bem como a quantificação da presença de doenças e pragas, defeitos fisiológicos, mistura de cultivares e outras anomalias Todo lote, representando cada gleba, será examinado o mais próximo possível da colheita A amostragem para inspeção dos tubérculos deverá ser feita obedecendo-se os seguintes critérios: a) 1 (uma) caixa para cada 100 (cem) caixas, classificadas e embaladas, de 30 (trinta) kg de peso líquido por unidade; b) 1 (um) saco para 100 (cem) sacos, classificados embalados, de 30 (trinta) ou

17 50 (cinqüenta) kg de peso por unidade Os limites de tolerância máxima para anomalias verificadas no exame de tubérculos são dados na Tabela Do teste de pré-cultura: Para a produção de batata-semente certificada, o teste de pré-cultura não será obrigatório, mas poderá ser realizado a critério da entidade certificadora. Tabela 9 - Limites máximos de tolerância, em percentagem, na inspeção de tubérculos de campos de produção de batata-semente certificada Obs.: Nos itens 3,4, 11 e 12 a área do tubérculo lesionado, para cálculo das porcentagens, ficará a critério do inspetor. Obs.: Nos itens 3, 4, 11 e 12, a área do tubérculo lesionado, para cálculo da porcentagem, ficará a critério do inspetor. Tabela 7 - Limites máximos de tolerância, em porcentagem, no teste de précultura de campos de batata-semente registrada

18 ANEXO I Secretaria Nacional de Produção Agropecuária - SNAP Secretária de Produção Vegetal SPV Coordenadoria de Sementes e Mudas - CSM Nome do produtor: N.º do registro: Mês:

19 ANEXO II Sistema Estadual de Produção de Sementes Controle de Liberação de Batata-Semente N.º Nome do produtor: N.º do registro: Cooperado: N. do certificado da semente: N. da nota fiscal: Destinatário: Município: Liberamos para comercializar a batata-semente, abaixo discriminada, por ter preenchido as normas, padrões e procedimentos para a produção, conforme Certificado de Sementes expedido pelo órgão executor da Secretaria da Agricultura. A embalagem que contém a semente de que trata o presente documento está identificada por etiquetas individuais., Assinatura responsável técnico (carimbo) 1.ª via destinatário 2.ª via entidade certificadora 3.ª via responsável técnico

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS CURSO SOBRE PROTEÇÃO E REGISTRO DE CULTIVARES 27 A 28 DE MAIO 2010 LONDRINA-PR SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA COLODEL FISCAL

Leia mais

ANEXO I MODELO DE REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE PLANTAS FORNECEDORAS DE MATERIAL DE PROPAGAÇÃO

ANEXO I MODELO DE REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE PLANTAS FORNECEDORAS DE MATERIAL DE PROPAGAÇÃO ANEXO I MODELO DE REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE PLANTAS FORNECEDORAS DE MATERIAL DE PROPAGAÇÃO O Produtor de Mudas, abaixo identificado, requer a inscrição de: PLANTA BÁSICA PLANTA MATRIZ JARDIM CLONAL

Leia mais

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais;

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO I NORMA TÉCNICA PARA A UTILIZAÇÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS - PTV CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO DA PTV Seção I Da Exigência e do Uso da PTV Art. 1 o A Permissão de Trânsito de Vegetais - PTV

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO 1. Introdução A Lei n 10.711, sancionada em 05/08/2003 e regulamentada pelo Decreto n 5.153 de 23 de julho de 2004, instituiu o Sistema Nacional de

Leia mais

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora.

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 13 DE MARÇO DE 2000 Revogado(a) pelo(a) Instrução Normativa nº 38/2006/MAPA O SECRETÁRIO DE DEFESA

Leia mais

Instrução Normativa MAPA 32/2012 (D.O.U. 21/11/2012)

Instrução Normativa MAPA 32/2012 (D.O.U. 21/11/2012) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BINAGRI - SISLEGIS Instrução Normativa MAPA 32/2012 (D.O.U. 21/11/2012) MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Comunicado Técnico. Multiplicação de batata- semente para uso próprio. Introdução. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio Daniels 3

Comunicado Técnico. Multiplicação de batata- semente para uso próprio. Introdução. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio Daniels 3 Comunicado Técnico 207 ISSN 1806-9185 Junho, 2009 Pelotas, RS SEMENTEIRO: Multiplicação de batata- semente para uso próprio Figura 1. Plantio de batata. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO MERCOSUL/GMC/RES. N 27/03 CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as

Leia mais

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam:

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam: MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SISTEMA PARTICIPATIVO DE GARANTIA DA QUALIDADE ORGÂNICA E BIODINÂMICA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA BIODINÂMICA - VERSÃO 5 No Sistema Participativo de Garantia as avaliações

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Nota: Os itens grafados em Negrito, Itálico e Sublinhado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS Legislação Brasileira Sobre Sementes e Mudas: o que o Engenheiro Florestal precisa saber para ser um

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais

LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003

LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) A presente lei estabelece o controlo e fiscalização da produção, do comércio e da importação e exportação de sementes e mudas

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. Nº 225, sexta-feira, 24 de novembro de 2006. Pág. 10 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 65, DE 21 DE NOVEMBRO

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Os produtos vegetais, seus subprodutos

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03 INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03 Assunto: definição dos formulários, fluxo de informações, testes laboratoriais e outros aspectos, a serem empregados para ingresso no Estado de Santa Catarina de ovinos,

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Cana de

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC

II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC 29/06/15 A 03/07/15 CENTRO DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIA IAPAR LONDRINA-PR CFO/CFOC CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PARA EMISSÃO DE CFO/CFO FDA Juliano

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

GUIA PARA EXPEDIDORES CONHECIDOS 1

GUIA PARA EXPEDIDORES CONHECIDOS 1 GUIA PARA EXPEDIDORES CONHECIDOS 1 O presente guia permitirá às empresas avaliar as medidas de segurança tomadas em cumprimento dos critérios aplicáveis aos expedidores conhecidos, conforme previsto no

Leia mais

ANEXO NORMAS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE SEMENTES.

ANEXO NORMAS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE SEMENTES. ANEXO NORMAS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE SEMENTES. 1. OBJETIVO Fixar diretrizes básicas a serem obedecidas na produção, comercialização e utilização de sementes, em todo o território

Leia mais

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002:

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: Circular nº 006/2.002 São Paulo, 09 de Janeiro de 2.002 DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: REGULAMENTA A LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989, QUE DISPÕE SOBRE A PESQUISA, A EXPERIMENTAÇÃO, A

Leia mais

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: MERCOSUL/GMC/RES Nº 1/00 STANDARD DE CRITÉRIOS E DELINEAMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DE STANDARDS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO CERTIFICADOS (REVOGA RES. GMC N 44/96) TENDO EM VISTA: o

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, o SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS. rio

MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS. rio MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS Rosangele Balloni R. Gomes Engª Agrª Fiscal Federal Agropecuário rio Sup. Fed. Agric. Pec.. e Abastecimento em São Paulo SFA/SP LEGISLAÇÃO LEI

Leia mais

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES Requisitos Mínimos para Determinação do Valor de Cultivo e Uso de Algodão(Gossypium

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL DE ABELHAS, BICHO- DA-SEDA E OUTROS INVERTEBRADOS TERRESTRES

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL DE ABELHAS, BICHO- DA-SEDA E OUTROS INVERTEBRADOS TERRESTRES MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL DSA COORDENAÇÃO DE TRÃNSITO E QUARENTENA ANIMAL CTQA MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO 1 GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR INSTRUMENTO DE CHAMADA PÚBLICA Nº 01 /2015 GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR Chamada Pública

Leia mais

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias:

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1 Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: a) Mercadorias inteiramente obtidas ou elaboradas inteiramente no território de uma das Partes,

Leia mais

Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Gabinete do Ministro. Portaria n. 74, de 7 de Março de 1994

Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Gabinete do Ministro. Portaria n. 74, de 7 de Março de 1994 Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Gabinete do Ministro Portaria n. 74, de 7 de Março de 1994 Aprova as Normas e Procedimentos Quarentenários para o Intercâmbio de Organismos

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.963, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Acre. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado do Acre

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

LEGISLAÇÃO. Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais

LEGISLAÇÃO. Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais LEGISLAÇÃO Jaeder Lopes Vieira M. Sc. Engenheiro Agrônomo Licenciado em Biologia Analista Ambiental Sênior Instituto Terra Professor da UNIPAC Aimorés/MG

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES DO IRGA

MANUAL DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES DO IRGA INSTITUTO RIO GRANDENSE DO ARROZ ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DO ARROZ SEÇÃO DE PRODUÇÃO DE SEMENTES MANUAL DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES DO IRGA 1 MANUAL DE PROCEDIMENTO

Leia mais

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES Nº 25/98 PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

Portaria nº 795 de 15/12/93 D. O. U. 29/12/93 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA

Portaria nº 795 de 15/12/93 D. O. U. 29/12/93 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA Portaria nº 795 de 15/12/93 D. O. U. 29/12/93 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 01. OBJETIVO: Esta norma tem por objetivo definir as características de

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

n. 9 - setembro - 2007

n. 9 - setembro - 2007 n. 9 - setembro - 2007 ISSN 0103-4413 Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais Av. José Cândido da Silveira, 1.647 - Cidade Nova - 31170-000 Belo Horizonte - MG - site: www.epamig.br - e-mail:

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36 NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36 BRASIL - BOLÍVIA APROVADO PELO DECRETO N os 2.240 DE 17/12/1.996 E 4.161 DE 12/03/2.002 1 Notas Explicativas 1. Declaração 1.1. A

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA Considerando, a importância da avicultura catarinense para a economia do estado; Considerando a necessidade de controle sanitário para evitar a reintrodução da

Leia mais

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE ORIGEM Pragas da Cultura

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010 Perguntas e Respostas (atualizada em 27/01/2011) 1. De que trata a RDC 44/2010? Esta resolução estabelece novos mecanismos para a prescrição e o controle da dispensação de medicamentos antimicrobianos.

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

Formulário de Solicitação de Habilitação de Centro de Equivalência Farmacêutica

Formulário de Solicitação de Habilitação de Centro de Equivalência Farmacêutica Formulário de Solicitação de Habilitação de Centro de Equivalência Farmacêutica Coordenação de Equivalência Farmacêutica (CEFAR/GTFAR/GGMED/Anvisa) www.anvisa.gov.br Brasília, de de 201 Formulário de Solicitação

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 487, DE 1º DE OUTUBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA LEI Nº489/2009, de 14 de outubro de 2009. Cria o Serviço de Inspeção Municipal de Produtos de Origem Animal e Vegetal de Teixeira de Freitas SIM Teixeira de Freitas e dá outras providências. O Prefeito

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA

PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA Sugestão elaborada pela equipe do Programa de Agroindústria do MDA: José Adelmar Batista Leomar Luiz Prezotto João Batista da

Leia mais

LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003

LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 TEMÁRIO: 1 Lei n. 10.711, de 05 de agosto de 2003. Seção 1. LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO I - Formalização e Aceitação do Pedido 1.1 - O Aceite será automático caso o fornecedor não faça uma recusa parcial ou total, Por escrito no prazo de 2(dois) após o recebimento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 ALTERADA PELA IN MPA Nº 16/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para o Registro Geral da Atividade Pesqueira - RGP. A MINISTRA DE

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. TEMÁRIO: 1 Portaria nº. 322, de 2 de setembro de 2014 Publicação: D.O.U. do dia 03/09/14 - Seção 1. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 322,

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Memorial Técnico para Elaboração de Proposta Comercial

Memorial Técnico para Elaboração de Proposta Comercial I MEMORIAL TÉCNICO DO XXVII CBP: 1. Objeto da Concorrência: 1.1. Selecionar a(s) Montadora(s) prestadora(s) de serviços de montagem para as diversas fases BLOCOS para a implantação do XXVII CBP no Transamérica

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 2ª Edição - Maio 2015 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DEFINIÇÃO DO ESCOPO...

Leia mais

CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA. Área de Operações Indiretas - AOI

CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA. Área de Operações Indiretas - AOI CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA Área de Operações Indiretas - AOI CARTA AO FORNECEDOR Classificação: Documento público Caro fornecedor, Este documento elenca os CRITÉRIOS exigidos para

Leia mais

Sementes e Mudas Orgânicas

Sementes e Mudas Orgânicas Sementes e Mudas Orgânicas Cenário atual e desafios para o futuro Eng Agr Marcelo S. Laurino Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comissão da Produção Orgânica de São Paulo BioFach América

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

"suínos" significa suínos domésticos, javalis domésticos, suínos selvagens e javalis selvagens

suínos significa suínos domésticos, javalis domésticos, suínos selvagens e javalis selvagens Página: 1 de 6 Os requisitos de saúde animal para carne de porco etc. a exportar de para o Japão, são os seguintes: (Definições) No âmbito destes requisitos de saúde animal: "carne etc." significa carne

Leia mais

AULA 04. UPOV União Internacional para a Proteção das Obtenções Vegetais

AULA 04. UPOV União Internacional para a Proteção das Obtenções Vegetais AULA 04 UPOV União Internacional para a Proteção das Obtenções Vegetais Profª. Marcela Carlota Nery PRODUÇÃO E TECNOLOGIA DE SEMENTES Propriedade Intelectual em Plantas (UPOV) Conceito: É o direito de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SÃO PAULO DAS MISSÕES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SÃO PAULO DAS MISSÕES EDITAL Nº 001/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DAS MISSÕES A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DAS MISSÕES - RS, torna pública a abertura

Leia mais

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Manual Elaborado por PEDRO PAULO TRIGO VALERY Considerações Gerais Estocar e administrar um almoxarifado de medicamentos não é como estocar alimentos apesar

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que:

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: Tenham competência técnica e tecnológica em sua área de atuação; Sejam capazes de se inserir no

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

Normas de Procedimentos para Expedição do Certificado de Origem do Acordo de Livre Comércio entre o MERCOSUL e o Estado de Israel. (MERCOSUL - ISRAEL)

Normas de Procedimentos para Expedição do Certificado de Origem do Acordo de Livre Comércio entre o MERCOSUL e o Estado de Israel. (MERCOSUL - ISRAEL) Normas de Procedimentos para Expedição do Certificado de Origem do Acordo de Livre Comércio entre o MERCOSUL e o Estado de Israel. (MERCOSUL - ISRAEL) Decreto Nº 7.159, de 29.05 - D.O.U. 27.04.2010 Comunicamos

Leia mais

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e derivados da uva e do vinho, o estabelecimento deve possuir

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012

INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012 INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012 Instruções de transmissão e preenchimento da Declaração da Movimentação de Produtos com ICMS Diferido - DMD Art. 1º Os contribuintes inscritos no cadastro

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP PLANO BÁSICO DE SERVIÇO Nome da Prestadora: BRASIL TELECOM CELULAR S/A ÁREA 5 Número: Página 1 de 8 1. Aplicação Este Plano Básico de Serviço é aplicável pela autorizatária

Leia mais

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA Rua da Artilharia 1, n.º 21, 4.º andar 1269-003 LISBOA Telefones: 213 703 990 213 703 900 Fax 213 874 770 E-mail depspriv@psp.pt M 40.1 - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 114, de 29 de junho de 1998. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 47, de 13 de março de 1992 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização

Leia mais