ACREDITAÇÃO. em saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACREDITAÇÃO. em saúde"

Transcrição

1 Informativo do CBA sobre qualidade e desempenho econômico - 1º sem ACREDITAÇÃO em saúde Hospitais de excelência contam sua trajetória Pioneirismo: depois de ser o primeiro a obter acreditação internacional, o HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN propõe novo modelo de remuneração Acreditação ajuda o controle de processos e insumos adotados no HOSPITAL MOINHOS DE VENTO Saiba como o HOSPITAL SAMARITANO utilizou a acreditação da JCI para melhorar sua imagem e conquistar o mercado internacional HOSPITAL DO CORAÇÃO cria layout para carros de emergência, melhorando o gerenciamento de risco nos procedimentos cardíacos Veja como a acreditação internacional auxiliou a economia dos custos do HOSPITAL SÍRIO-LIBANÊS HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ implementa programa de rastreabilidade de medicamentos e aumenta segurança do paciente

2 EXPEDIENTE Associação Brasileira de Acreditação Consórcio Brasileiro de Acreditação Rua São Bento, 13 Rio de Janeiro RJ Tel.: Conselho Administrativo: Amilcar Figueira Ferrari Presidente, Omar da Rosa Santos e Hésio Cordeiro Superintendência: Maria Manuela P. C. A. dos Santos Conselho Editorial: Maria Manuela P. C. A. dos Santos Superintendente, Ana Tereza Miranda Coordenadora de Acreditação, Heleno Costa Junior Coordenador de Educação, José de Lima Valverde Filho Coordenador de Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde e Antonio Jorge Dias Fernandes dos Santos Gerente de Projetos Marketing: Cristiane Henriques - Analista de Marketing Financeiro: Rosane Cristina Gerente Financeiro Projeto Editorial e Redação: SB Comunicação tel.: (21) Edição: Simone Beja Textos: Maria Cristina Miguez, Danielli Marinho e Flávio Araújo Projeto Gráfico e Diagramação: Sumaya Cavalcanti e Eduardo Samaruga.

3 Brasil percebe que qualidade significa economia em saúde Em 2011, o CBA completa 13 anos e faz um balanço da acreditação internacional no Brasil. Saiba como esse processo evoluiu e as expectativas para os próximos anos no país. No Brasil de hoje, as pessoas estão cientes de que precisa haver uma organização de forma coordenada nas instituições de saúde, pensamento que não existia há 15 anos. A afirmativa da médica e superintendente do Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA), Maria Manuela Alves dos Santos, pode ser a explicação para o crescimento médio de 100% nos últimos quatro anos da instituição que representa com exclusividade a Joint Commission International (JCI) no país. Se antes havia algumas boas ideias, ações e resultados isolados, a globalização trouxe uma cultura mais profissionalizada ao sistema de saúde brasileiro. Os gestores das instituições começaram a perceber a existência de uma área de conhecimento, que juntava resultados da operação propriamente dita com resultados econômicos, medidos de forma científica, avalia Maria Manuela, que defende o fato de processos desenhados adequadamente ajudarem a obter melhores resultados, econômicos e de qualidade. Segundo ela, essa consciência está presente nos dirigentes das instituições, mesmo as que não estão acreditadas ou em processo de acreditação. Para a médica Maria Manuela, especialista em saúde pública e que tem no currículo passagem pelo comando da Fundação Ary Frauzino, Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro e pelo Nos últimos oito anos, tem-se discutido mais a questão da qualidade em seminários, congressos e eventos ocorridos pelo país extinto Inamps, além da atividade de docente na Universidade Federal Fluminense, o Brasil tem ainda pouca experiência consistente na área da qualidade, apesar das várias ações realizadas no país ao longo dos anos. O Brasil é muito apressado: implanta uma coisa, não consegue avaliar bem os resultados e muda para outra. Os dados precisam de tempo para se tornarem consistentes, opina, destacando que os indicadores são fundamentais para saber como se está e para onde se deve ir. Nos últimos oito anos, tem-se discutido mais a questão da qualidade em seminários, congressos e eventos ocorridos pelo país, diz, enfatizando que o país só deve ter dados substanciais a partir de Para chegar a patamares representativos, a década de 90 foi fundamental, segundo ela. Reuniões e eventos promovidos pela Fundação Cesgranrio, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Academia Nacional de Medicina e Colégio Brasileiro de Cirurgiões já discutiam a qualidade hospitalar. Essa preocupação em comum levou à criação do Consórcio Brasileiro de Acreditação, em 1998, recorda. Timidamente esse compromisso com a qualificação em saúde desse grupo foi ecoando pelo país. Em 1999, o Hospital Israelita Albert Einstein (SP) foi pioneiro ao conquistar diretamente a acreditação internacional da JCI. A partir daí, a cultura da acreditação foise dissipando, principalmente em São Paulo. - 3

4 Instituições Acreditadas 1998 Hospital Israelita Albert Einstein (SP) Hemorio (RJ) Hospital Moinhos de Vento (RS) 2004 Hospital Samaritano (SP) 2005 Amil Total Care Barra da Tijuca (RJ) Amil Total Care (SP) 2006 Amil Total Care Botafogo (RJ) Hospital do Coração (SP) Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia INTO (RJ) 2007 Hospital Copa D Or (RJ) Hospital Israelita Albert Einstein Centro de Atendimento ao Paciente com AVC (SP) Hospital Sírio-Libanês (SP) Pronep (RJ) e Pronep (SP) 2008 Amil Resgate Saúde (RJ) Hospital do Câncer II/INCA (RJ) Hospital São Vicente de Paulo (RJ) 2009 Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP) Centro de Medula Óssea/INCA Programa de Doenças Malignas e Benignas que Requerem Transplante de Medula Óssea (RJ) 2010 Hospital do Câncer I/INCA (RJ) Hospital Paulistano (SP) Hospital TotalCor (SP) Hospital São José/Beneficência Portuguesa (SP) Através de normas e procedimentos de conduta, o aprimoramento da gestão nas unidades eleva os níveis de segurança, qualidade e controle de riscos. Para o grupo que tanto se preocupava com a qualidade e segurança em saúde no Brasil, o ano de 2005 foi um marco: o consórcio formado por ele ganhou status de pessoa jurídica e passou a ter gestão independente, o que possibilitou o crescimento da Associação Brasileira de Acreditação, razão social do CBA, que continua a ter a mesma composição, acrescida da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Unirio. Nosso orçamento anual era de R$ 1.500, relembra a superintendente da organização, que fechou o ano de 2010 com 24 instituições acreditadas/certificadas (15 hospitais, 3 ambulatórios, 3 instituições de cuidados continuados, 1 instituição de transporte médico e 2 programas de gerenciamento de doenças ou condições específicas) e ampliou em 150% o número de ingressantes no Programa de Acreditação Internacional JCI/CBA. Esse crescimento fomentou outra necessidade: a formação de profissionais qualificados. Não é à toa que o braço educacional do CBA está oferecendo 45% a mais de cursos na área de gestão e qualificação em saúde para Desde que foi criada, em 2007, a Coordenação de Ensino do CBA, que objetiva qualificar profissionais de saúde em comunhão com padrões de qualidade e segurança exigidos pela acreditação internacional, já teve mais de 6 mil participantes em cursos, eventos, workshops, seminários, simpósios e congressos. Maria Manuela destaca que o trabalho de profissionais qualificados é fundamental no processo de acreditação. Através de normas e procedimentos de conduta, o aprimoramento da gestão nas unidades eleva os níveis de segurança, qualidade e controle de riscos. Isso traz resultados de impacto gerencial, financeiro e de imagem, pontua a superintendente do CBA. Cada vez mais, as instituições, públicas ou privadas, estão preocupadas em melhorar os seus processos e a sua qualidade, e a acreditação é um diferencial, já que padroniza, cria protocolos, racionaliza, evita erros e retrabalhos, melhora a qualidade e impacta diretamente a área da economia. Todas as instituições acreditadas relatam essas vantagens. O Hospital Albert Einstein, por exemplo, diz que aumentou sua receita em 20% e os serviços em 30%, diz a dirigente do CBA. Para 2011, o CBA tem muitos planos. Além de aumentar sua carteira de clientes em 30%, a instituição quer solidificar o produto Acreditação para Operadoras de Planos de Saúde. Lançado no segundo semestre do ano passado, a meta é que cinco operadoras do eixo Rio-São Paulo contratem o novo produto em um ano e em cinco anos, 10% das operadoras de saúde brasileiras já tenham iniciado o processo de preparação para a acreditação que vai verificar padrões de qualidade, indicadores de resultados assistenciais, os programas de promoção da saúde, o atendimento aos direitos do paciente, o nível de satisfação dos usuários e de prestadores de serviço, além de recursos materiais e humanos das operadoras de saúde. Para criar esse produto, criado por especialistas brasileiros na área de saúde com consultoria da JCI, o CBA levou 15 meses e investiu mais de R$ 350 mil. O CBA também planeja para este ano sedimentar seu setor de ensino através de parcerias com instituições de ensino para a criação de cursos de pós-graduação e MBA, já realizadas com a Unisuam (RJ) e a Universidade Lusófona (Portugal). Aumentar o quantitativo das equipes de educação e acreditação (somente no ano passado, o CBA aumentou seu quadro de colaboradores em 4 - Acreditação em Saúde

5 70%); obter a acreditação do CBA pela International Society for Quality in Health Care - IsQua - e continuar aumentando sua participação internacional. Este ano, firmamos convênio com a União das Misericórdias de Portugal, onde os educadores brasileiros prepararam sete unidades de cuidados continuados de diferentes cidades portuguesas para acreditação da JCI. O CBA também passou a integrar o Comitê de Educação Continuada e o Subcomitê de Padrões do Comitê de Acreditação da JCI e que já pediram a acreditação diretamente à JCI, discutindo e aprovando os padrões de qualidade adotados pela organização norte-americana no mundo. Uma clara demonstração de que alcançamos padrões de qualidade mundiais, avalia Maria Manuela. Para isso, o CBA já trabalha para a realização do Congresso Internacional de Acreditação, que ocorrerá de 13 a 15 de junho de 2011, cujo tema é o panorama dos 10 anos da acreditação internacional no Brasil. instituições acreditadas e em processo de acreditação pelo cba/jci Bahia Hospital 1 Cuidado 1 continuado Brasil PernaMbuco Hospital 4 Ambulatório 1 Brasília Hospital 3 São Paulo Hospital 6 Ambulatório 3 Atenção primária 1 Doenças ou 6 condições específicas Transporte 1 médico Acreditados Hospital 8 Ambulatório 1 Cuidado 1 Continuado Doenças ou 1 condições específicas VILA REAL RS DF SP SC MG BA ES RJ PE Rio de Janeiro Hospital 10 Ambulatório 9 Atenção primária 1 Cuidado 1 continuado Doenças ou 6 condições específicas minas gerais Hospital 1 EspÍrito Santo Hospital 1 Acreditados Hospital 6 Ambulatório 2 Transporte 1 médico Cuidado 1 continuado Doenças ou 1 condições específicas AVEIRO Rio Grande do Sul Hospital 3 Acreditados Hospital 1 Santa Catarina Hospital 1 LEIRIA SANTARÉM LISBOA ÉVORA portugal Cuidado 7 continuado 23 instituições de saúde acreditadas e 67 instituições em processo de acreditação. - 5

6 Hospital Israelita Albert Einstein questiona modelo de remuneração e cria programa de redução de custos operatórios. Av. Albert Einstein, 627 Morumbi São Paulo SP Tel.: (11) Na vanguarda Pioneiro no Brasil ao obter, em 1999, a acreditação internacional da Joint Commission International (JCI), o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, sai na frente de novo questionando o atual modelo de remuneração da saúde privada no país, que não privilegia os preceitos da acreditação. O Einstein deu os passos iniciais para o surgimento de uma nova relação com as operadoras de saúde, que, a despeito da regulação do mercado, incentive qualidade e segurança. O hospital vem contratando consultorias, investindo no levantamento de informações internas e negociando com as operadoras de saúde pacotes de tratamento a preço fixo. Ao mesmo tempo, cria mecanismos de redução de custos sem prejuízo da qualidade e da segurança. Qualidade, segurança e resultado financeiro não podem ser coisas opostas. Precisam estar no mesmo prato da balança, defende Miguel Cendoroglo Neto, superintendente do hospital. Segundo ele, a forma de remuneração atual é perversa, já que premia e incentiva que o paciente fique mais tempo no hospital. Quando eu invisto, por exemplo, em gel alcoólico, eu reduzo meus casos de infecções, mas a operadora de saúde não me reembolsa; pelo contrário, ela remunera pela complicação, pelo tempo a mais, pelo antibiótico que o paciente tem que consumir, questiona o superintendente da instituição, que assegura que a boa reputação leva ao hospital quem quer se tratar com qualidade e segurança. Ainda de acordo com ele, o sistema de saúde dos EUA pretende mudar toda forma de remuneração. Essa é a base da discussão da reforma da saúde que vem mobilizando o país onde nasceu a acreditação hospitalar: incentivar a medicina preventiva e promover a saúde da população, ao contrário do investimento em procedimentos invasivos. Segundo Miguel, é preciso tratar a saúde pelo viés da saúde, e não pelo da doença. Por exemplo, um paciente que tem colesterol alto e tem cálculo na vesícula, ao invés de fazer cirurgia de vesícula, que tentemos fazer com que o paciente emagreça, que tenha melhores hábitos alimentares, baixe o colesterol. É a medicina preventiva, vislumbra. No modelo atual são premiadas com maiores remunerações as situações em que o paciente não tem o melhor desfecho clínico. É quase como se fosse obrigatório que o paciente tenha complicação. Em última instância, premia e incentiva que o paciente esteja mal de saúde, critica Miguel Cendoroglo. Para ele, a Agência Nacional de Saúde vem sinalizando que essa forma de remuneração não serve e o processo de mudança do modelo já está em curso. Eu diria que leva alguns anos para se mudar o quadro, mas privilegiar a segurança e a qualidade dos hospitais, remunerando-os melhor, é o caminho, opina Miguel. Outra iniciativa do hospital nesse sentido foi criar um mecanismo que reduz custos em procedimentos médicos. No modelo adotado no hospital e chamado de feedback, cada cirurgia é avaliada e cada médico tem acesso ao seu custo operatório e ao comparativo com o dos colegas. O resultado prático é uma redução anual da ordem de 7% a 8% desde 2007, quando o feedback foi criado. Na verdade, o feedback vem ao encontro do Manual de Acreditação Internacional da JCI, ou seja, melhora na gestão resulta em retorno econômico. Se temos procedimentos com os mesmos resultados e com custos menores, vamos aplicá-los,avalia Miguel. Como a iniciativa já vai completar quatro anos, foi formada uma cultura interna de troca de experiências entre os médicos. O profissional vê outras maneiras de agir, além das suas, e reconhece que pode melhorar. 6 - Acreditação em Saúde

7 Rua Ramiro Barcelos, 910 Floresta Porto Alegre - RS Tel.: (51) Rotina de controle de custos e estoques de insumos adotada no Hospital Moinhos de Vento reduz compras de urgência em 16%. Controlar para economizar Pensando em um controle de suprimentos que garantisse o abastecimento contínuo de insumos e ao mesmo tempo impactasse a economia de custos, o Hospital Moinhos de Vento (RS) desenvolveu um modelo estratégico de gerenciamento de suprimentos. Com esse novo processo, implantado a partir de 2007, foram adotadas novas políticas e práticas de compra, que priorizam o fortalecimento do relacionamento direto com os fabricantes, criando um rol de marcas confiáveis e padronizadas, e garantindo um padrão de qualidade e de abastecimento de insumos dentro dos prazos e preços competitivos no mercado. Com a adoção desse novo processo, o que era antes simplesmente prática administrativa foi transformado em um dos principais pontos estratégicos, refletindo-se diretamente nas rotinas do hospital e vindo ao encontro das diretrizes do manual de acreditação da Joint Comission International (JCI). Com o processo de realinhamento do planejamento das operações e melhorias de processo, conseguimos ligar a gestão de suprimentos ao que diz a JCI, que tem, entre os seus objetivos principais, garantir ao paciente mais segurança com relação à qualidade dos materiais e medicamentos, explica José Brand, gerente de suprimentos do Hospital Moinhos de Vento. Foi a partir da adoção dos padrões da JCI para obtenção do certificado de acreditação que as principais áreas, os principais processos-chave, as rotinas e as atividades do Hospital Moinhos de Vento se tornaram muito bem definidos, como no exemplo, o cruzamento de controle de estoque na redução de custos. Outra prática implementada foi a criação de um indicador com a finalidade de medir as compras feitas diretamente com os fabricantes em relação às compras realizadas com os distribuidores. Hoje, três anos depois de muito trabalho, 70% dos insumos medicamentosos já são comprados diretamente dos fabricantes. José Brand garante que, com essa compra direta, há maior controle e muito mais segurança dos produtos, além de melhorar a negociação no preço, prazos de pagamento e garantia nos prazos de entrega. A JCI nos impulsionou muito a usar nossas estatísticas para controlar nossos processos-chave e criar rotinas com indicadores ligados a estratégia, avalia. Com a mudança na política de compras, todo mês também são medidas as margens dos materiais médico-hospitalares e medicamentos, que vêm melhorando nos últimos três anos e contribuindo muito com a gestão do fluxo de caixa e a sustentabilidade da instituição. Outro exemplo positivo no controle de custos é a diminuição das compras de urgência da instituição, que, no período de dois anos, reduziramse em 16%, caindo de 19% para 3% ao mês atualmente. O gerenciamento também vem contribuindo para aumentar a qualidade e satisfação interna, uma vez que integra as equipes do hospital a todo o processo. Nosso cliente interno hoje confia muito mais na capacidade de atendê-lo, porque nosso indicador mostra que temos uma sequência de processos, fazemos bem a rotina e gerenciamos por esses indicadores, avalia Brand. Para consolidar e continuar expandindo esse processo de gerenciamento já foram investidos R$ 1,5 milhão em 2010 em soluções automatizadas de armazenagem e controle usadas para gerenciar os estoques. O dispensário eletrônico foi colocado na Farmácia do centro obstétrico. Em 2011, a aposta será na continuidade dessas implantações, com o objetivo de aumentar o controle do estoque e diminuir ainda mais possíveis erros de administração de medicamentos. - 7

8 Selo dourado da JCI abre portas para mercado externo e impulsiona marca do Samaritano. Rua Conselheiro Brotero, Higienópolis São Paulo SP Tel.: (11) EXCELÊNCIA NA ASSISTÊNCIA À SAúDE O Hospital Samaritano de São Paulo possui 117 anos de excelência na assistência à saúde, com atendimento humanizado e compromisso social. A certificação pela Joint Comission Internacional (JCI) foi uma importante conquista para o hospital, sendo parte do processo incansável na busca pela qualidade e na consolidação da instituição como um centro hospitalar de excelência. A primeira acreditação foi obtida em 2004, sendo o segundo hospital geral privado em São Paulo e o terceiro do Brasil a ser reconhecido pela JCI. Tal certificação atestou a eficiência dos processos adotados pelo Samaritano, demonstrando padrões de excelência e segurança para clientes, colaboradores e profissionais. O processo para conseguir o selo da JCI seguiu um planejamento estratégico iniciado em 2000, com o foco em segurança assistencial, uniformidade no cuidar, direitos e deveres dos pacientes e indicadores de performance. A acreditação pela JCI foi o resultado do aprimoramento contínuo dos princípios de qualidade e padronização de processos assistenciais e administrativos, salienta o superintendente corporativo, José Antônio de Lima. O Hospital Samaritano mantém sua qualidade graças ao constante investimento em tecnologia e modernização de sua infraestrutura. Em breve, estaremos implantando o prontuário eletrônico. Além disso, temos projetos de automação do armazenamento de insumos, materiais e medicamentos, como o Kardex de armazenamento e dispensação, além dos dispensários eletrônicos Pyxis nos postos de enfermagem, explica o dr. Lima. Além do foco no atendimento humanizado à saúde, o Samaritano também possui forte atuação social. Em 2008, o Ministério da Saúde certificou o Samaritano como um dos seis hospitais de excelência, pelas suas ações de responsabilidade social, assistência, ensino e pesquisa. Até 2010, foram investidos nas parcerias público-privadas cerca de 45 milhões de reais, nos mais de 20 projetos ligados ao SUS Sistema Único de Saúde nas três esferas do poder público: municipal, estadual e federal, esclarece o superintendente. Em 2010, o Samaritano participou, com outros quatro hospitais acreditados de São Paulo, de um encontro internacional de turismo saúde. De acordo com o superintendente, a acreditação pela JCI foi um dos elementos para o fortalecimento do nome do Samaritano no mercado internacional. Com essa certificação, também mostramos a perenidade e estabilidade da instituição, o que garante máxima segurança na realização de procedimentos e intervenções médico-hospitalares em todos os níveis de complexidade, afima o dr. Lima. Nos últimos anos, o Hospital Samaritano passou por um forte processo de crescimento e modernização. Marcando esse processo, em 2011 o Samaritano inaugura o novo complexo hospitalar, que segue a legislação e as recomendações do manual JCI. O novo prédio terá vidro antipânico, novo sistema de chamada de enfermagem, barras de apoio para facilitar a mobilidade, camas com sensor de queda, além de outras facilidades já existentes no hospital, como o alto padrão de atendimento em hotelaria, segurança e privacidade e sistema de gestão hospitalar. A cada avanço na qualidade, a nossa responsabilidade aumenta, pois o que fazemos hoje certamente terá reflexos no futuro, sem nunca deixar de oferecer excelência na assistência à saúde, com atendimento humanizado e compromisso social, conclui o dr. Lima. * Texto fornecido pela Assessoria de Imprensa do Hopital Samaritano. 8 - Acreditação em Saúde

9 Rua Desembargador Elíseu Guilherme, 147 Paraíso São Paulo SP Tel.: (11) HCor cria modelo de carro de emergência, melhora atendimento e reduz custos nos procedimentos cardíacos. Investindo em qualidade Diz a expressão popular, que tempo é dinheiro. Em se tratando da área da saúde, tempo é mais que isso: é vida! No Hospital do Coração (HCor), em São Paulo, uma ideia de colaboradores levou à padronização do procedimento de ressuscitação cardiopulmonar, através da adaptação de carros de emergência, onde todo o material necessário para a realização das manobras de atendimento a vítimas de parada cardiorrespiratória está devidamente identificado, localizado e configurado de acordo com o grau de atendimento, urgência ou emergência. Como resultado, a redução de custos de equipamento e material, a diminuição de tempo no atendimento e a queda no número de pacientes encaminhados à UTI por conta da deterioração do estado clínico. O projeto, que racionalizou e agilizou o atendimento e contribuiu para o gerenciamento de risco, surgiu no evento institucional chamado Exposição da Qualidade, que objetiva estimular o desenvolvimento de melhores práticas da qualidade, programa surgido na época da implantação dos padrões de acreditação da Joint Commission International (JCI). José César Ribeiro, gerente de Projetos Assistenciais do HCor e mentor da inovação, disse que levou em consideração as diretrizes da American Heart, os padrões do manual da JCI (capítulos Acesso ao Cuidado e Continuidade ao Cuidado, Direitos dos Pacientes e Familiares, Avaliação dos Pacientes, Gerenciamento e Uso de Medicamentos e Prevenção e Controle de Infecções) e a opinião dos médicos do hospital para desenhar o novo carro de emergência, que se vale de cores, localização e espaços predeterminados para identificar e quantificar cada material e medicamento. Conseguimos dar mais segurança, otimizar o trabalho da equipe multidisciplinar e minimizar as chances de eventos adversos, destaca. Com o novo layout do carro de emergência, o HCor economizou mais de R$ 200 mil, já que deixou de adquirir novos carros para atender a norma da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Readequamos os carros da internação para emergência e reestruturamos seu conteúdo para não haver desperdício. Economizamos na compra de desfibriladores, medicamentos e material, diz Ribeiro. Rosa Bosquetti, coordenadora de Enfermagem dos programas de Insuficiência Cardíaca Congestiva e de Infarto do Miocárdio, e Cristiana Prandini, coordenadora da Qualidade do hospital, celebram a implantação do projeto. Para Bosquetti, o novo layout ajuda o resultado dos programas: Cada material colocado no car- ro é identificado e disposto no devido local, o que ajuda a visualização rápida. Se você vê dois espaços vagos, sabe que faltam duas ampolas, por exemplo. A cada atendimento é feita uma checagem com identificação do paciente e do que foi usado no atendimento, o que auxilia a reposição. Apesar de garantir que o projeto trouxe ganhos para a qualidade, Prandini diz que os resultados ainda estão sendo mensurados. Quando mudamos o layout, implantamos também o time de resposta rápida: por exemplo, o amarelo é um sinal para atender imediatamente o paciente quando ele começa a piorar no andar. Com isso, estamos fazendo um melhor gerenciamento dos leitos na UTI, revela. Superintendente assistencial do HCor, Bernadete Weber conta que, além de assegurar a reposição, renovação, validade e o acondicionamento dos materiais, o novo carro de emergência permitiu uma revisão do processo de medicação, da prescrição à administração correta, reitera. - 9

10 Hospital Sírio-Libanês estima redução de gastos da ordem de R$ 8,6 milhões. Rua Dona Adma Jafet, 91 Bela Vista São Paulo SP Tel.: (11) Economia incalculável Acreditado pela Joint Commission International (JCI) em 2007, o Sírio-Libanês de São Paulo calcula uma economia de R$ 8,6 milhões decorrente de redução de custos e aumento de produtividade durante o ano passado. Parte dessa economia vem de ações ligadas ao processo de acreditação. Além disso, a instituição teve ganhos de difícil mensuração econômica, como as ações de redução do risco de queda, na opinião do diretor técnico do hospital, Antônio Lira. Quando evitamos que um paciente sofra queda, por melhoria do cuidado, entramos em um processo de economia de difícil cálculo que envolve custo direto de medicação, diagnóstico, procedimentos corretivos, tempo de permanência, enfim até mesmo o risco de custas judiciais subsequentes a esse tipo de ocorrência evitável, avalia o diretor técnico. Outra análise que Lira faz é do ganho que a instituição tem ao evitar erros em procedimentos médicos. O benefício, quando se mapeia o risco do paciente, evitando-se o erro e a recorrência dele, é muito importante. O impacto humano sobre quem sofre ou comete um erro na área da saúde é enorme. Aí há uma economia também não mensurável, vislumbra Antônio Lira. Ele conta que o processo de racionalização de custos do Hospital Sírio-Libanês funciona através de so de racionalização é mais oportuno. Isso funciona para a compra de medicamentos, de materiais, de manutenção ou aquisição de equipamentos, em processo de economia de insumos, como energia elétrica, e outros de impacto ambiental, como a economia de papel ou os protocolos para descarte de resíduos. O hospital investe em informatização desde a década de 90, porém em 2006 houve um salto tecnológico que ampliou a fóruns internos que acompanham as metas estratégicas traçadas anualmente. Esses fóruns fazem avaliações periódicas para identificar se os objetivos estão sendo cumpridos ou não e onde o procescapacidade de processamento e gerenciamento de informações, trazendo economia e maior eficiência nos processos, sobretudo administrativos. O maior custo hospitalar é com recursos humanos. Quando se investe em automatização, abrimos espaço para um ganho de produtividade com melhoria dos serviços e natural economia, analisa Lira. A soma de todos os investimentos tecnológicos feitos pelo Sírio- Libanês, incluindo equipamentos médicos, tecnologia da informação e infraestrutura correspondente, alcançou a cifra de R$ 140 milhões só no ano passado. Dentro da construção contínua do processo de qualidade e segurança, o hospital investiu ainda R$ 2 milhões em treinamento e em qualificação dos seus colaboradores. Em relação ao ambiente interno, o selo JCI valorizou muito nossa imagem junto aos colaboradores e ao corpo clínico. Quem trabalha no ambiente médico sabe muito bem reconhecer o valor dessa certificação, enfatiza Lira. Sobre o mercado de saúde, os ganhos também são expressivos, segundo ele. Existe a classificação mercadológica dos hospitais acreditados e não acreditados e, dentre eles, existem aqueles acreditados com referências internacionais, que, em geral, são avaliados em melhor posição dentro do mercado. Foi nesse sentido que o hospital optou pela JCI, conclui o diretor técnico do Sírio-Libanês Acreditação em Saúde

11 Processo garante o controle na procedência e na administração dos medicamentos. Rua João Julião, 331 Paraíso São Paulo SP Tel.: (11) Rastreabilidade permite mais segurança para o paciente Identificar, checar, controlar o uso e dispensar seguramente cada medicamento que é utilizado dentro do hospital. A implantação de um sistema de rastreabilidade, por meio do código Datamatrix, pelo Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC), em São Paulo, vem permitindo que os pacientes da instituição sejam os maiores beneficiados por um processo de controle de medicação eficaz, com mais qualidade e segurança. Com a adoção desse sistema, o HAOC, como instituição acreditada pela Joint Commission International (JCI) representada exclusivamente no Brasil pelo Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA), vem ao encontro de uma das metas do Manual Internacional de Acreditação, que é a segurança do paciente. As instituições que têm interesse em acreditação deverão investir em programas de qualificação de fornecedores por meio de auditorias e, internamente, em rastreabilidade para alcançarem esse objetivo, assegura Alessandra Pineda, supervisora de Farmácia do hospital. Com a aplicação de códigos em todos os medicamentos utilizados na instituição, o processo de rastreabilidade já mostra resultados positivos, como a dupla checagem no processo de dispensação. Com o uso desse sistema, houve minimização de erros no processo de separação, garantindo por meio eletrônico a dupla checagem, ressalta Alessandra. Isso significa que o sistema contribui também para a minimização das falhas no processo de administração de medicamentos. Por meio da rastreabilidade, é possível identificar, por exemplo, para quais pacientes determinado lote de produto foi encaminhado, assim como monitorar o recolhimento deste. Com esse controle, é viável que se faça também todo o rastreamento do processo de medicação desde a entrada, separação e entrega à equipe de enfermagem, com informações de produtos, ações e tempos envolvidos nos processos. Ações de farmacovigilância para drogas de alto risco ou novas drogas inseridas na padronização são beneficiadas pela implantação do sistema de rastreabilidade, melhorando a segurança dessas medicações, outra recomendação do Manual Internacional de Acreditação, da JCI. Temos também ações junto ao Comitê de Qualidade onde qualquer profissional do hospital pode notificar problemas relacionados a medicamentos, com a finalidade de mapear a cadeia dos medicamentos desde a aquisição até o pósuso, apontando problemas e sugerindo redesenho do processo, diz Alessandra numa referência ao capítulo do manual que aborda a melhoria da qualidade e segurança do paciente,em que se recomenda que seja criada uma estrutura global de gerenciamento da qualidade e atividades de melhoria na instituição. Como qualquer decisão que envolva mudança de procedimentos, o primeiro item a ser avaliado é a relação custo-benefício. No entanto, nesse aspecto, os resultados por conta da opção pelo processo de rastreabilidade têm sido positivos. O investimento para implantação do sistema de codificação superou as expectativas quanto ao investimento financeiro, à medida que vem permitindo rastrear lotes, validades e todo o processo de distribuição, entrega e recebimento dos medicamentos nas unidades assistenciais

12 A Bradesco Saúde cuida de quem sempre cuidou dos seus segurados. Programa 100% Doutor, ações de desenvolvimento profissional destinadas à rede referenciada com apenas um clique. Com acesso exclusivo por meio do Portal Bradesco Saúde, o Programa 100% Doutor disponibiliza aos médicos referenciados matérias, artigos e clippings médicos, além da oportunidade de participar de cursos presenciais de atualização.

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38 APRESENTAÇÃO...13 INTRODUÇÃO...15 Breve perfil do sistema de saúde... 15 Características do SUS e da saúde suplementar... 16 Modelo de financiamento... 17 O papel central dos hospitais... 18 A necessidade

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Diretora da Divisão de Farmácia ICHC Agenda Perfil Farmácia

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X T E C N O L O G I A D A I N F O R M A Ç Ã O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X PROCESSOS E

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Manutenção de Ambientes de Saúde

Manutenção de Ambientes de Saúde Manutenção de Ambientes de Saúde Investir para gastar menos no ambiente de saúde Remendar, improvisar, dar um jeitinho, deixar para o último minuto. Nada disso funciona em ambientes de saúde. Essas soluções

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

dynam PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca

dynam PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) dynam publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca Av. Carlos Gomes 141 Suite 411 - Porto Alegre. RS Tel. +55(11) 3522-5950 / (51)

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Mesa redonda: O Papel do enfermeiro na segurança do paciente e nos resultados do atendimento Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Cristiana Martins Prandini

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança

Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança Gestão Operacional Sistemas de Garantia da Qualidade Gestão da Estratégia Planejamento Estratégico Projetos Estratégicos Desdobramento

Leia mais

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde Experiência Bradesco Saúde Pontos O Mercado de Saúde Suplementar O Contexto da Bradesco Saúde A Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde 2 Despesas Totais

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Sumário 1. A Empresa i. Nossas Crenças O Grupo Voitto i Método de Trabalho iv. Nossos Diferenciais v. Nossos Clientes vi. Equipe Societária 2. Mercado de Consultoria no Brasil

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA fundada em 1986 É precursora na implementação de serviços especializados em mapeamentos de competências humanas. Empresa de pesquisa aplicada especializada

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ

A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ O contexto Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio Libanês (2005) Assistencialismo Hospital Municipal Infantil Menino Jesus (2005) Responsabilidade

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Gestão de Risco em Saúde: Segurança para Pacientes, Equipes e Ambiente Assistencial

FICHA TÉCNICA. Gestão de Risco em Saúde: Segurança para Pacientes, Equipes e Ambiente Assistencial FICHA TÉCNICA Gestão de Risco em Saúde: Segurança para Pacientes, Equipes e Ambiente Assistencial O objetivo do curso é capacitar os profissionais de saúde no uso de ferramentas de gerenciamento de risco

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

Indicadores do Programa Nacional de Segurança do Paciente

Indicadores do Programa Nacional de Segurança do Paciente Indicadores do Programa Nacional de Segurança do Paciente Profa. Dra. Sonia Lucena Cipriano Diretora Técnica de Saúde Serviço de Farmácia Instituto do Coração do Hospital das Clínicas FMUSP. Abril 2014

Leia mais

PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO

PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO 1 PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO Proposta: 004/2013 Interessado: Fundação Hospitalar e Maternidade São Camilo Datada Emissão: 16/09/2013 Unidade Instituto Solidário:

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Gestão da Qualidade, Segurança do Paciente e Unitarização pelo Sistema Opus

Gestão da Qualidade, Segurança do Paciente e Unitarização pelo Sistema Opus Gestão da Qualidade, Segurança do Paciente e Unitarização pelo Sistema Opus II Fórum Brasileiro sobre Assistência Farmacêutica e Farmacoeconomia. Salvador de Bahia, 2014. Copyright Victor Basso, Opuspac,

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Sugerir propostas não contempladas na proposta do Plano Conferência Municipal de

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar

Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Panorama das ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Portaria N 4.283 de 30 de dezembro de 2010 - Diretrizes para ações

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança 2012 Programa de Acreditação Internacional Gestão da Qualidade e Segurança Responda rapidamente: Os serviços prestados pela sua instituição têm qualidade e segurança satisfatórias??? Por Quê???? QUALIDADE?

Leia mais

EXERCÍCIOS ALIMENTOS. As novidades em nutrição. Eles ajudam você a ter uma vida melhor VIVER MAIS. Como amadurecer sem perder o otimismo

EXERCÍCIOS ALIMENTOS. As novidades em nutrição. Eles ajudam você a ter uma vida melhor VIVER MAIS. Como amadurecer sem perder o otimismo EXERCÍCIOS Eles ajudam você a ter uma vida melhor ALIMENTOS As novidades em nutrição VIVER MAIS Como amadurecer sem perder o otimismo Alto padrão em saúde Eles se destacam pela qualidade das instalações,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

CONCEITOS E MÉTODOS PARA GESTÃO DE SAÚDE POPULACIONAL

CONCEITOS E MÉTODOS PARA GESTÃO DE SAÚDE POPULACIONAL CONCEITOS E MÉTODOS PARA GESTÃO DE SAÚDE POPULACIONAL ÍNDICE 1. Introdução... 2. Definição do programa de gestão de saúde populacional... 3. Princípios do programa... 4. Recursos do programa... 5. Estrutura

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico.

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico. Faz parte da vontade da diretoria da New Age contribuir socialmente para um mundo melhor, mais justo e sustentável. Acreditamos que através da educação e com a experiência que temos, transportando tantos

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP Perfil O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

D-18969-2010. Ao seu lado no hospital

D-18969-2010. Ao seu lado no hospital D-18969-2010 Ao seu lado no hospital 2 Estamos procurando empresas de tecnologia hospitalar que atuem como parceiras, não como apenas fornecedoras. D-18971-2010 D-18972-2010 Soluções terapêuticas efetivas

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* 1 SINOPSE. Um dos maiores desafios atuais para as empresas é ter um sistema de gestão documental de fácil entendimento entre todos profissionais da organização.

Leia mais

Sistema Lifemed de Gestão da Inovação

Sistema Lifemed de Gestão da Inovação Sistema Lifemed de Gestão da Inovação A Lifemed é uma empresa brasileira com mais de 32 anos de existência, especializada em dispositivos médicos para o setor da saúde. Está presente em mais de 1.500 hospitais

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

O Melhor e Mais Importante Encontro do Setor da Saúde

O Melhor e Mais Importante Encontro do Setor da Saúde O Melhor e Mais Importante Encontro do Setor da Saúde 4ª Conferência Anual Encontre Soluções Estratégicas para o GERENCIAMENTO HOSPITALAR Atinja a Máxima Qualidade Assistencial e Empresarial por meio da

Leia mais

Gerente de Qualidade do Hospital Sírio-Libanês. Vera Lúcia Borrasca Enfermeira Gerente de Segurança Assistencial do Hospital Sírio-Libanês

Gerente de Qualidade do Hospital Sírio-Libanês. Vera Lúcia Borrasca Enfermeira Gerente de Segurança Assistencial do Hospital Sírio-Libanês Coordenação Sandra Cristine da Silva Profª. Dra. em Enfermagem Gerente de Qualidade do Vera Lúcia Borrasca Enfermeira Gerente de Segurança Assistencial do Apresentação Abordar a qualidade em saúde não

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Hospital de Clínicas de Porto Alegre Administração Central Responsável: Sérgio Carlos Eduardo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT Autor Gustavo César de Alencar LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. RESUMO O objetivo deste trabalho é mostrar todo o esforço que a Light

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH Helton Freitas Diretor-presidente Agenda P P P P A Unimed-BH no mercado Qualificação da Rede Prestadora DRG Certificação e acreditação da Operadora A

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA PORTARIA 1.748 CASSIANA PRATES

IMPLEMENTAÇÃO DA PORTARIA 1.748 CASSIANA PRATES IMPLEMENTAÇÃO DA PORTARIA 1.748 CASSIANA PRATES Serviço de Epidemiologia e Gerenciamento de Riscos Hospital Ernesto Dornelles Tópicos Nos próximos 25min: Hospital Ernesto Dornelles Gestão de Riscos e Segurança

Leia mais

Metas de desempenho, indicadores e prazos. de execução

Metas de desempenho, indicadores e prazos. de execução Metas de desempenho, indicadores e prazos de execução HOSITAL UNIVERSITÁRIO GETÚLIO VARGAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS NOVEMBRO DE 2013 1 SUMÁRIO 1. Indicadores... 3 2. Quadro de Indicadores de

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein 1 Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Fernanda P. Fernandes dos Anjos Consultora de Gerenciamento e Vigilância do Risco Diretoria de

Leia mais