DIAGNÓSTICO DA SISTEMÁTICA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS DE UM HOSPITAL DO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA BRASIL.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO DA SISTEMÁTICA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS DE UM HOSPITAL DO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA BRASIL."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE CURSO DE FARMÁCIA MICHELE CRISTINE DEBIASI DIAGNÓSTICO DA SISTEMÁTICA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS DE UM HOSPITAL DO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA BRASIL. CRICIÚMA, JUNHO DE 2009.

2 MICHELE CRISTINE DEBIASI 2 DIAGNÓSTICO DA SISTEMÁTICA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS DE UM HOSPITAL DO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA BRASIL. Projeto de trabalho de conclusão de curso, apresentado para o curso de Farmácia da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador (a): Angela Erna Rossato CRICIÚMA, JUNHO DE 2009.

3 1. INTRODUÇÃO 3 Os medicamentos são de fundamental importância nos sistemas de saúde e nos hospitais, pois estes auxiliam na prevenção de enfermidades e na cura de doenças (GOMES; REIS, 2001). O serviço de farmácia é co-responsável por garantir que esses medicamentos sejam utilizados de forma correta, segura e efetiva em ambientes hospitalares (CFF, 1997). A Farmácia Hospitalar é uma unidade de assistência técnica, administrativa e econômica sob a gerência/coordenação/controle de um profissional farmacêutico, ligada hierarquicamente à direção do hospital e integrada funcionalmente com as demais unidades de assistência ao paciente. Esta tem como missão o uso seguro e racional de medicamentos, garantindo qualidade na assistência prestada ao paciente (CIPRIANO et al., 2001; STORPITIS et al., 2008). Para o desenvolvimento de uma farmácia hospitalar estruturada e disposta a cumprir sua missão, esta deve realizar algumas das funções fundamentais definidas pela Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde do Brasil (1987,apud GOMES; REIS, 2001) como: Seleção dos medicamentos, germicidas e correlatos que deverão estar incluídos na padronização do hospital; Aquisição, conservação e controle dos medicamentos selecionados; Estabelecimento de um sistema racional de distribuição de medicamentos. Quando se fala em sistema de distribuição de medicamentos, na realidade esta se falando da maneira como os medicamentos e materiais médico-hospitalares serão levados aos setores do hospital e principalmente como irão chegar ao paciente, tornadose vital a escolha do sistema mais adequado a ser utilizado pelo hospital (SILVA; CARVALHO, 2006). O sistema de distribuição de medicamentos é formado de várias etapas que se iniciam com a prescrição e vai até a ação de administrar o medicamento ao paciente, envolvendo vários profissionais da saúde (CASSIANI et al., 2005). Um sistema de distribuição de medicamentos deve ser: racional, eficiente, econômico, seguro e deve estar de acordo com o esquema terapêutico prescrito. Os objetivos desse sistema, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde são reduzir os erros de medicação,

4 4 racionalizar a distribuição, aumentar o controle, reduzir os custos dos medicamentos e aumentar a segurança para os pacientes (CAVALLINI; BISSON, 2002). Segundo Cavallini e Bisson (2002) os Sistemas de Distribuição de Medicamentos podem sem classificados em: Coletivo; Individualizado (direto ou indireto); Misto e Dose-unitária. O Sistema de Distribuição Coletiva é considerado segundo Silva e Carvalho (2006) o mais atrasado de todos os sistemas por que a farmácia não realiza sua verdadeira função, mas sim funciona como um depósito de medicamentos e materiais que somente faz repasse destes para os demais setores do hospital. Este sistema caracterizase pelo envio de certa quantidade de medicamentos para serem estocados nos setores através da solicitação da enfermagem e administrados conforme forem sendo prescritos (COIMBRA et al., 1998). Como vantagens do Sistema Coletivo podem-se identificar a facilidade de acesso aos medicamentos para uso imediato, a ausência de investimento inicial e redução nos recursos humanos e infra-estrutura para a farmácia que, na verdade, são impedimentos para a realização de uma assistência farmacêutica de qualidade ao paciente (CAVALLINI; BISSON, 2002). Em relação às desvantagens, pode-se citar: falta da revisão da prescrição da transcrição pelo farmacêutico, maior incidência de erros de administração de medicamentos, consumo excessivo do tempo da enfermagem em atividades relacionadas ao medicamento, aumento de estoque, uso inadequado e perdas de medicamentos nas unidades assistenciais, impossibilidade de faturamento real dos gastos por paciente e alto custo institucional (GOMES; REIS, 2001). Outro sistema que surge para fazer o contraponto entre o coletivo e a dose unitária é o Sistema de Distribuição de Medicamentos Individualizado. Neste, os medicamentos são requisitados e dispensados às unidades de internação em nome do paciente, de acordo com a prescrição médica, sua cópia direta ou sua transcrição, geralmente para um determinado período (FREITAS, 2004; STORPIRTIS et al., 2008). Quando a farmácia faz a distribuição baseada na transcrição da prescrição médica, o sistema é conhecido como sistema individualizado indireto e quando a farmácia recebe para análise uma cópia da prescrição ou o documento original, o sistema é denominado individualizado direto (GOMES; REIS, 2001). Como desvantagens deste sistema individualizado podem-se citar: erro potencial com medicamentos, tempo gasto pela enfermagem para separar as dosagens por paciente e a falta de controle efetivo de estoque e faturamento. Já em relação às vantagens podem-se elencar algumas como, redução de estoques periféricos nos

5 5 setores, diminuição do número de erros quanto a medicação quando se tem acesso a prescrição médica, atuação do profissional farmacêutico, possibilidade de devolução à farmácia do que não foi utilizado, possibilidade da revisão das prescrições médicas e maior controle sobre o medicamento (CAVALLINI; BISSON, 2001; SILVA; CARVALHO, 2006). No sistema de distribuição de medicamentos combinado ou misto, a farmácia distribui alguns medicamentos mediante solicitação e outros por cópia da prescrição médica, portanto, parte é coletivo e parte é individualizado (GOMES; REIS, 2001).Este sistema misto exige bastante consumo de tempo e de pessoal de enfermagem, preparando doses e pondo em ordem o estoque de medicamentos sob seu controle, não havendo, desta forma, controle rigoroso dos medicamentos sendo também freqüentes os erros de medicação (BRASIL, 1997). Segundo a organização norte-americana National Coordinating Council For Medication Error Reporting And Prevention NCCMERP (1998) erro de medicação é qualquer evento evitável que possa causar dano ao paciente ou levar a uma utilização inapropriada dos medicamentos, quando estes estão sob o controle dos profissionais de saúde ou dos pacientes, podendo ou não causar dano a este. Estes problemas podem estar relacionados com a prática profissional, com procedimentos ou sistemas de atenção à saúde, incluindo falhas na prescrição, nomenclatura, preparação, dispensação, distribuição, administração, educação, seguimento e utilização (ROSA; PERINI, 2003). No final da década de 1950, com o lançamento no mercado de medicamentos novos e mais potentes, mas também causador de efeitos colaterais importantes, iniciouse a publicação de trabalhos sobre a incidência de erros de administração em hospitais. Os resultados mostraram a necessidade de que os sistemas tradicionais fossem revistos, visando melhorar a segurança na administração dos medicamentos. Neste sentido, farmacêuticos hospitalares americanos desenvolveram o sistema de distribuição por dose unitária (GOMES; REIS, 2001). O Sistema de Distribuição de Medicamentos por Dose Unitária (SDMDU) é um método farmacêutico de dispensação e controle de medicamentos em instituições de saúde, e pode diferir na sua forma de execução, dependendo das condições e necessidades institucionais (SILVA; CARVALHO, 2006). Neste, os medicamentos são contidos em embalagens unitárias, dispostos conforme o horário de administração e prontos para serem administrados segundo a prescrição médica, individualizados e identificados para cada paciente (QUIRINO, 2003).

6 6 Segundo Cipriano et al (2001) os objetivos do sistema por dose unitária são: garantir a adequada terapia farmacológica, cumprir a prescrição médica, evitando erros, prover o acompanhamento farmacoterapêutico, diminuir erros de medicação, racionalizar o processo de distribuição dos medicamentos, reduzindo custos, proporcionar melhor segurança, rastreabilidade e identificação dos medicamentos, reduzir os estoques periféricos, com melhor controle logístico dos produtos farmacêuticos, favorecer a correta ministração dos medicamentos, reduzir o tempo da enfermagem no preparo e ministração de medicamentos, aumentar a qualidade assistencial ao paciente, dar suporte para a implantação da farmácia clínica. O SDMDU apresenta inúmeras vantagens em relação aos demais sistemas. Entre elas, Storpirtis el al (2008) menciona: Melhor garanti que o medicamento prescrito chegue ao paciente para qual foi destinado. Utilização de forma eficiente e racional dos recursos humanos envolvidos com o processo de dispensação. Diminui o custo hospitalar associado ao medicamento, ao minimizar o tamanho dos estoques de medicamentos dos serviços, diminuindo os desperdícios por perdas, deterioração, vencimento, e outros fatores, recuperando os medicamentos não administrados ao paciente e diminuindo os erros de medicação. Maior facilidade de adaptação a procedimentos informatizados e automatizados. Algumas desvantagens podem ser vistas no Sistema de Distribuição de Medicamentos por Dose Unitária SDMDU como aumento das necessidades de recursos humanos e infra-estrutura da farmácia hospitalar, exigência de investimento inicial, incremento das atividades desenvolvidas pela farmácia e aquisição de matérias e equipamentos especializados. Mas do ponto de vista técnico, estas aparentes desvantagens seriam na realidade condições necessárias à adequação e melhoria do sistema (SILVA; CARVALHO, 2006; GOMES; REIS, 2001). A farmácia hospitalar deve estar preparada para realizar, com eficiência, qualquer um dos sistemas de dispensação, independente de sua complexibilidade. Por mais simples que um sistema possa ser, requisitos mínimos são exigidos para que o

7 7 mesmo possa operar com segurança. Não bastam sistemas avançados e modernos, se a farmácia não tiver estrutura e capacidade para exercê-lo (SANTOS, 2006). No entanto para viabilizar um Sistema de Distribuição de Medicamentos Individualizado ou um Sistema de Distribuição por Dose Unitária é necessário acima de tudo fracionar os medicamentos e segundo a RDC Nº. 67, de 8 de outubro de 2007, fracionamento é um procedimento que integra a dispensação de medicamentos na forma fracionada efetuado sob a supervisão e responsabilidade de profissional farmacêutico habilitado, para atender à prescrição ou ao tratamento correspondente nos casos de medicamentos isentos de prescrição, caracterizado pela subdivisão de um medicamento em frações individualizadas, a partir de sua embalagem original, sem rompimento da embalagem primária, mantendo seus dados de identificação. Para que o medicamento seja fracionado é necessário que o mesmo sofra processo de identificação e rotulagem, que as embalagens utilizadas neste processo possam garantir a integridade, estabilidade e eficácia dos mesmos e também se torna necessário a participação e o comprometimento de toda a equipe de saúde envolvida: médicos, farmacêuticos, enfermeiros (FREITAS, 2004). Em um estudo realizado por Rossato (2008) em vinte e cinco Farmácias Hospitalares na região sul do Estado de Santa Catarina verificou-se que em 76% delas o sistema de distribuição de medicamentos adotado assemelha-se em muitos aspectos ao Sistema de Distribuição de Medicamentos Individualizado, no entanto o sistema é incompleto, pois ocorre o fracionamento apenas dos medicamentos sólidos orais, as demais formas farmacêuticas são distribuídas nas suas embalagens originais, assemelhando-se assim, ao Sistema de Distribuição Coletivo. Surge então, como proposta deste trabalho realizar um diagnóstico da sistemática de distruibuição dos medicamentos em um hospital de médio porte situado na Região Sul de Santa Catarina Brasil, estabelecendo as etapas do processo e realizando análise dos medicamentos líquidos orais prescritos versus registro de demanda da Farmacia.

8 8 2. OBJETIVOS 2.1. Objetivo Geral - Realizar um diagnóstico da sistemática de distruibuição dos medicamentos em um hospital de médio porte situado na Região Sul de Santa Catarina Brasil Objetivos Específicos Classificar o sistema de distribuição adotado pelo hospital; Verificar localização e horário de funcionamento da farmácia hospitalar; Estabelecer as etapas do Sistema de Distribuição de Medicamentos adotado pelo hospital; Realizar análise comparativa entre a demanda de medicamentos líquidos versus receita médica.

9 9 3. METODOLOGIA 3.1 Delineamento da Pesquisa O presente trabalho constitui-se de um estudo de caso, observasional utilizando como técnica de coleta de dados a observação descritiva e a análise documental, e será concebido metodologicamente para realizar um diagnóstico da sistemática de distruibuição dos medicamentos em um hospital de médio porte. 3.2 Local do estudo A instituição a ser estudada é um hospital municipal de médio porte, localizado na região sul do estado de Santa Catarina. É um hospital que atende a população de toda a região sul de SC. Presta serviços aos pacientes do Sistema Único de Saúde, à convênios e também atende pacientes particulares. 3.3 Procedimento para a coleta dos dados Inicialmente o projeto será, encaminhado a Administração da Instituição Hospitalar e após sua aprovação e liberação, se iniciará então a investigação. A coleta de parte dos dados dar-se-á in loco por meio da observação descritiva, onde será observado a logística do sistema de distribuição dos medicamentos líquidos orais. A comparação da demanda dos medicamentos líquidos versus receita médica, será realizado mediante análise documental. 3.4 Organização e tabulação dos dados Os dados coletados por meio da observação descritiva serão organizados na forma de fluxogramas, e posteriormente descritos e confrontados com a literatura pertinente. Para análise da demanda de medicamentos versus receita médica será elaborada uma tabela comparativa. 3.5 Aspectos Éticos

10 1 O estudo realizado pela pesquisadora, por tratar-se de um estudo observacional com coleta de dados in loco e análise documental, não apresenta riscos que ameaçam a vida ou o bem-estar dos envolvidos, não sendo invasivos sob aspecto físico. A pesquisa só será realizada sob o consentimento da Administração do hospital analisado e se por ventura estes recusarem dar continuidade do estudo, este será abandonado, sem danos à mesma. Os resultados da pesquisa sejam eles favoráveis ou não, serão tornados públicos, porém será mantida em sigilo a instituição garantindo assim sua privacidade. Serão arquivados pelo orientador e pelo pesquisador todos os dados obtidos durante o estudo. Após a sua conclusão, os mesmos permanecerão em arquivos do orientador que supervisionará os acessos posteriores.

11 1 4. Cronograma Levantamento bibliográfico Definição da Metodologia Submissão do Projeto ao Comitê de Ética em Pesquisa UNESC Apresentação do Projeto à Direção do Hospital Coleta de dados Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro X X X X X X X X X X X Analise e tabulação de dados Redação do Artigo Apresentação do artigo X X X X X

12 1 5. Orçamento Discrimação Valor R$ 500 folhas de papel A4 11,00 1 cartucho de tinta para impressora 15,00 Xeróx 25,00 Caneta 3,00 Total 54,00

13 1 REFERÊNCIAS ANVISA - AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução RDC nº 67, de 08 de outubro de Dispõe sobre Boas Práticas de Manipulação de Preparações Magistrais e Oficinais para Uso Humano em farmácias. Brasília, BRASIL. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Manual Básico de farmácia Hospitalar. Brasília. Conselho Federal de Farmácia CASSIANI, S. H. D. B., TEIXEIRA, T. C. A., OPITZ S. P., LINHARES J. C. Sistema de medicação nos hospitais e sua avaliação por um grupo de profissionais. Rev Esc Enferm USP. 39(3):280-7, Disponível em : < >. Acesso em : 14 maio CAVALLINI, M. E; BISSON, M. P. Farmácia hospitalar: um enfoque em sistemas de saúde. São Paulo: Manole, p. CIPRIANO, S. L.; MALUVAYSHI, C. H.; LARAGNOIT, A. P. B.;ALVES, M. E. Sistema de Distribuição de Medicamentos por Dose Unitária Disponível em : < >.Acesso em: 15 maio COIMBRA, J. A. H.; VALSECHI, E. A. S. S.; CARVALHO, M. D. B.; PELLOSO, S. M. Sistema de Distribuição de Medicamentos por Dose Unitária : Reflexões para a Prática de Enfermagem. Rev Latino-am.enferm, Ribeirão Preto, v. 6, n.4, p , outubro Disponível em: < >. Acesso em: 15 maio CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Resolução nº 300 de 30 de janeiro de Regulamenta o exercício profissional em farmácia, clinicas e casa de saúde da natureza pública ou privada. Brasília. (D.F), FREITAS, A. R. D. Vigilância Sanitária na farmácia hospitalar: o Sistema de Distribuição de Medicamentos por Dose Unitária(SDMDU) em foco p. Monografia (Curso de Especialização em Vigilância Sanitária de Serviços de Saúde) - Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, GOMES, M. J. V. M.; REIS, A. M. M. Ciências farmacêuticas uma abordagem em farmácia hospitalar. São Paulo: Atheneu, p. NATIONAL COORDINATING COUNCIL FOR MEDICATION ERROR REPORTING AND PREVENTION - NCCMERP. Taxonomy of medication errors, Disponível em: <http://www.nccmerp.org/aboutmederrors.htm>. Acesso em: 26 maio QUIRINO, N. E. P. S. Farmácia Hospitalar e preparo de Nutrição Parenteral. In: COUTO, R.C. ;PEDROSA, T. M. G.; NOGUEIRA, J. M.. Infecção hospitalar e outras complicações não-infecciosas da doenças: epidemiologia, controle e tratamento. 3.ed Rio de Janeiro:Medsi p

14 ROSA, M. B.; PERINI, E. Erros de medicação: quem foi? Rev Assoc Med Bras, São Paulo, v.49, n.3, p , Disponível em: < >. Acesso em : 14 maio ROSSATO, A.E. Diagnóstico dos Procedimentos Relacionados à Assistência Farmacêutica das Farmácias Hospitalares dos hospitais de pequeno e médio porte do sul do Estado de Santa Catarina Brasil p. Dissertação (Mestrado em Farmácia) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SANTOS, G. A. A. Gestão de farmácia hospitalar, São Paulo: SENAC, p. SILVA, O. M. D.; CARVALHO, S. V.; Projeto de implantação da dose individualizada na maternidade dona íris p. Projeto (Especialização em Farmácia Hospitalar) Faculdade de ciências da Saúde, Universidade de Brasília (D.F.), STORPIRTIS, S.; MORI, A. L. P. M.; YOCHIY, A.; RIBEIRO, E.; PORTA, V. Farmácia clínica e atenção farmacêutica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p.

15 APÊNDICE 1

16 1 APÊNDICE A - DECLARAÇÃO DE ANUÊNCIA UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DECLARAÇÃO DE ANUÊNCIA Declaro para os devidos fins que tomei conhecimento dos objetivos do projeto: Diagnóstico da Sistemática de Distribuição de Medicamentos de um Hospital do Sul do Estado de Santa Catarina Brasil, bem como dos procedimentos de pesquisa a serem realizados. Como representante legal da instituição hospitalar,, do município de Orleans, estou de acordo com a realização da pesquisa nos termos propostos, nas dependências desta Instituição. Assinatura do Representante Legal da Instituição Hospitalar

17 1 APÊNDICE B - CARTA DE APRESENTAÇÃO DO ESTUDO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE-UNESC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA Criciúma, 26 de junho de Prezado(a) Senhor (a), Meu nome é Michele Cristine Debiasi, sou estudante da Graduação em Farmácia da Universidade do Extremo Sul Catarinense e estou desenvolvendo sob orientação da professora Angela Erna Rossato, meu Trabalho de Conclusão de Curso que tem como tema central Diagnóstico da Sistemática de Distribuição de Medicamentos de um Hospital do Sul do Estado de Santa Catarina Brasil. O presente estudo constituise de um estudo de caso, observasional,buscando estabelecer as etapas do processo de distribuição de medicamentos e realizar análise dos medicamentos líquidos orais prescritos versus registro de demanda da Farmácia. Dessa forma, solicitamos a colaboração desta instituição para a realização da pesquisa nos termos propostos, nas dependências desta instituição. Antecipadamente agradecemos a atenção Acadêmica:Michele Cristine Debiasi Professora: Angela Erna Rossato Fone : (48) Fone: ;

18 1 Normas da Revista Latin American Journal of Pharmacy

19 1 Os manuscritos enviados ao Latin American Journal of Pharmacy serão aceitos com o conhecimento de que serão submetidos a uma revisão editorial e de que não devem ter sido, nem serão futuramente publicados, em todo ou em parte, em nenhuma outra revista. Serão aceitos trabalhos escritos em inglês, português ou espanhol. Quando os manuscritos estiverem escritos em português ou espanhol, deverá ser incluído um resumo em inglês. Envio de Trabalhos Os Trabalhos Originais deverão conter informações não publicadas previamente, exceto em formato preliminar, e não deverão exceder 5000 palavras. As Comunicações Breves são trabalhos de investigação que compreendem uma descrição concisa, mas completa, de uma investigação limitada, que não será incluída em um próximo trabalho; deverão ser completamente documentadas, tal como um Trabalho Original, e não deverão conter mais de 2500 palavras. As Revisões e Mini-revisões serão aceitas nas áreas de interesse da revista e deverão dar ênfase às publicações dos últimos cinco anos. As Cartas ao Editor serão publicadas ocasionalmente em determinados temas de interesse. Preparação do Manuscrito Os manuscritos deverão ser apresentados em página tamanho A4, com espaçamento duplo, inclusive nas tabelas, com margens de 2 cm em todos os lados (os autores são convidados para usar o padrão incluído). Recomenda-se aos autores consultar um trabalho recente na revista para adequação do estilo. O editor se reserva o direito de ajustar o estilo a certos padrões de uniformidade. As páginas do manuscrito devem ser numeradas na extremidade superior direita, precedidas do nome do autor a quem será remetida as correspondências. Sublinhar apenas as palavras que devem aparecer em itálico, mas não sublinhar outras palavras. O uso de itálico está reservado para nomes científicos de organismos. Não é necessário enviar uma carta ao editor, porém si se deseja fazer-lo deverá incluir-se no início do manuscrito.

20 2 Em geral, os manuscritos deverão ser organizados na seguinte ordem: Título: deve ser claro, conciso e refletir sem ambigüidades o conteúdo do trabalho. Caso o trabalho esteja escrito em espanhol ou português, o título deve incluir também uma tradução para o inglês. Nome(s) do(s) autor(es): primeiro nome, inicial do(s) nome(s) seguinte(s) e sobrenome de cada autor. O autor a quem devem ser dirigidas as correspondências deve ser identificado com um asterisco (*). Endereço postal completo do lugar de trabalho de cada autor. Endereço de do autor correspondente, já que todos os contatos, inclusive a respeito das provas de imprensa, serão mantidos apenas com ele. Resumo: não deverá exceder 150 palavras e deverá informar concisamente os principais resultados do trabalho. Deve-se levar em conta que muitos serviços bibliográficos utilizam o resumo tal como está escrito, por isso essa seção deve ser totalmente compreensível por si mesma. Quando os manuscritos estiverem escritos em português ou espanhol deverão possuir um resumo ("summary") em inglês. Palavras-chave: deverão ser listadas pelo menos três, em ordem alfabética. Se o manuscrito estiver escrito em português ou espanhol, deverão ser incluídas também as palavras-chave em inglês ("key words"). Introdução: deve considerar, de forma sucinta, as publicações prévias mais importantes sobre o tema e explicitar claramente as razões pelas quais o estudo foi realizado. Materiais e métodos: descrição dos métodos, equipamentos e técnicas (incluindo tratamentos estatísticos utilizados no estudo). Resultados. Discussão (pode ser combinada com a seção anterior).

21 2 Conclusões: não devem repetir aspectos mencionados na discussão ou nos comentários introdutórios, devem ser conclusões genuínas derivadas dos resultados do estudo. Agradecimentos e todas as informações adicionais referentes a subsídios, etc. Referências: serão numeradas seqüencialmente, na ordem em que são citadas, no texto e listadas separadamente (solicita-se o uso de recuo a partir da segunda linha). O estilo usado para citar trabalhos de revistas (1), monografias (2) e capítulos de livros (3) deverá ser estritamente observado, como segue nos seguintes exemplos: (4) Souza, H.M., G.R. Borba-Murad, R. Curi, R. Galleto & R.B. Bazotte (2001) Res. Commun. Molec. Pathol. Pharmacol. 110: Os nomes das revistas deverão ser abreviados de acordo com o critério utilizado pelo ISI (pode ser consultado para isso o site (5) Minoia, C. & L. Perbellini (2000) Monitoraggio ambientale e biologico dell'esposizione professionale a xenobiotici: chemoterapici antiblastici. Morgan, Milan, Vol. 3. (6) Pathak, M.A. (1997) "Photoprotection against harmful effects of solar UVB and UVA radiation: an update", in "Sunscreens: development, evaluation and regulatory aspects", (N.J. Lowe, N.A. Shaath, M.A. Pathak, eds.) Marcel Dekker, New York, pp Tabelas e Figuras: deverão ser numeradas utilizando números arábicos na ordem em que aparecem no texto. As letras e os símbolos incluídos nas figuras deverão ter tamanho adequado, tendo em conta que as figuras usualmente são reduzidas ao tamanho de uma coluna (7,5 cm). Tanto fotografias como gráficos e diagramas devem ser considerados como "Figuras". Deverão acompanhar o manuscrito, mas não devem ser incluídas dentro do texto e sim separadamente. Todas as ilustrações devem ser claramente identificadas com seu número e deverão ter uma legenda autoexplicativa. As legendas de tabelas e figuras deverão ser fornecidas em folha aparte. Na provas de impressão, os autores poderão corrigir apenas erros tipográficos. As provas deverão retornar ao editor no prazo máximo de 72 horas. Não serão enviadas separatas

22 aos autores, pois elas podem ser obtidas sem custo no síto da web em formato PDF. 2 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE FARMÁCIA DISCIPLINA: TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) JUSTIFICATIVA DE ALTERAÇÃO Eu, Michele Cristine Debiasi, acadêmica do curso de Farmácia venho por meio desta justificativa esclarecer que as tabelas e figuras estão dispostas no corpo do texto para melhor entendimento e avaliação dos professores da banca examinadora, mas para encaminhamento do artigo para publicação, estas serão organizadas de acordo com as normas da referida revista. Criciúma, 16 de novembro de Michele Cristine Debiasi

23 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC 1 CURSO DE FARMÁCIA MICHELE CRISTINE DEBIASI DIAGNÓSTICO DA SISTEMÁTICA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS DE UM HOSPITAL DO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA BRASIL. CRICIÚMA, NOVEMBRO DE 2009

24 MICHELE CRISTINE DEBIASI DIAGNÓSTICO DA SISTEMÁTICA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS DE UM HOSPITAL DO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA BRASIL. Trabalho de Conclusão de Curso, em formato de artigo, apresentado para obtenção do grau de Farmacêutico no curso de Farmácia da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador (a): Prof. (ª) MSc. Ângela Erna Rossato CRICIÚMA, NOVEMBRO DE 2009

25 Diagnóstico da Sistemática de Distribuição de Medicamentos de um Hospital do Sul do Estado de Santa Catarina Brasil. 3 Diagnostic System for Distribution of Medicines for a hospital in southern state of Santa Catarina - Brazil. Michele C. DEBIASI 1 *, Angela E. ROSSATO 2 1 Acadêmica do Curso de Farmácia Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC Departamento de Farmácia, Bloco S, 2ºandar. Av. Universitária, Bairro Universitário Caixa Postal CEP: Criciúma SC Brasil. 2 Professora Orientadora do curso de Farmácia da Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC.

26 RESUMO 4 Estudo diagnóstico da Sistemática de Distribuição dos Medicamentos em um hospital situado na Região Sul de Santa Catarina. Os resultados mostram que o Sistema de Distribuição de Medicamentos (SDM) assemelha-se ao SDM Individualizado Direto para algumas formas farmacêuticas e ao SDM Coletivo para os medicamentos liquidos orais e de uso tópico. Em relação aos líquidos orais, no período analisado foram solicitados 19 especialidades farmacêuticas, sendo que destas 13 (68,42%) apresentaram discrepâncias entre as quantidades prescritas e as dispensadas pela farmácia e o valor monetário total das prescrições destes medicamentos no período foi de R$ 1.455,66, enquanto o valor dos medicamentos dispensados na farmácia foi de R$ 3.122,44, ocorrendo uma variação entre o prescrito e o dispensado de 53,38%. A sistemática adotada pela instituição, como um todo, deve ser aprimorada, buscando atingir os objetivos de racionalidade, segurança e custo efetividade. Summary Diagnostic study of Systematic Distribution of medicines in a hospital located in the southern region of Santa Catarina. The results show that the Distribution System Drug (SDM) resembles SDM Individualized Direct for some dosage forms and the SDM Collective for oral liquid medicines and topical. For oral fluids over that period were asked 19 pharmaceutical products, and among these 13 (68.42%) showed discrepancies between the quantities prescribed and dispensed by the pharmacy and the total monetary value of the prescriptions of these drugs in the period was U.S. $ , while the value of drugs dispensed in the pharmacy was R $ , there was a variation between the prescribed and dispensed to 53.38%. The system adopted by the institution as a whole should be improved, aiming to achieve the goals of rationality, safety and cost effectiveness. PALAVRA-CHAVES: Farmacêutico, Farmácia Hospitalar, Fracionamento, Sistema de Distribuição de Medicamentos. KEY WORDS: Pharmaceutical, Pharmacy, Fractionation, Distribution System Drugs.

27 INTRODUÇÃO 5 A Farmácia Hospitalar é uma unidade de assistência técnica, administrativa e econômica sob a gerência/coordenação/controle de um profissional farmacêutico, ligada hierarquicamente à direção do hospital e integrada funcionalmente com as demais unidades de assistência ao paciente. Esta tem como missão o uso seguro e racional de medicamentos, garantindo qualidade na assistência prestada ao paciente 1,2,3,4. Dentre as atividades desempenhadas pelos Serviços de Farmácia Hospitalar, a implementação e manutenção de sistemas de distribuição de medicamentos é ainda uma das principais funções básicas 1,4. Um Sistema de Distribuição de Medicamentos deve ser: racional, eficiente, econômico, seguro e deve estar de acordo com o esquema terapêutico prescrito. Os objetivos desse sistema, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde são reduzir os erros de medicação, racionalizar a distribuição, aumentar o controle, reduzir os custos dos medicamentos e aumentar a segurança para os pacientes 5,6,7. De acordo com a literatura, os Sistemas de Distribuição de Medicamentos são classificados em: Coletivo; Individualizado (direto ou indireto); Misto e Dose-unitária 1,5,6,7,8. O Sistema de Distribuição Coletivo é considerado segundo Silva e Carvalho 9 mais atrasado de todos os sistemas por que a farmácia não realiza sua verdadeira função, mas sim funciona como um depósito de medicamentos e materiais que somente faz repasse destes para os demais setores do hospital. Este sistema caracteriza-se pelo envio de certa quantidade de medicamentos para serem estocados nos setores através da solicitação da enfermagem e administrados conforme forem sendo prescritos 2,10. Outro sistema que surge para fazer o contraponto entre o coletivo e a dose unitária é o Sistema de Distribuição de Medicamentos Individualizado. Neste, os

28 6 medicamentos são requisitados e dispensados às unidades de internação em nome do paciente, de acordo com a prescrição médica, sua cópia direta ou sua transcrição, geralmente para um determinado período. Quando a farmácia faz a distribuição baseada na transcrição da prescrição médica, o sistema é conhecido como sistema individualizado indireto e quando a farmácia recebe para análise uma cópia da prescrição ou o documento original, o sistema é denominado individualizado direto 2,11,12. No Sistema de Distribuição de Medicamentos Combinado ou Misto, a farmácia distribui alguns medicamentos mediante solicitação e outros por cópia da prescrição médica, portanto, parte é coletivo e parte é individualizado. Este sistema misto exige bastante consumo de tempo e de pessoal de enfermagem, preparando doses e pondo em ordem o estoque de medicamentos sob seu controle, não havendo, desta forma, controle rigoroso dos medicamentos sendo também freqüentes os erros de medicação 8,12. Já o Sistema de Distribuição de Medicamentos por Dose Unitária é o único que permite alcançar os objetivos da Farmácia Hospitalar e é reconhecido como o mais eficaz dos sistemas. Neste, os medicamentos são contidos em embalagens unitárias, dispostos conforme o horário de administração e prontos para serem administrados segundo a prescrição médica, individualizados e identificados para cada paciente 7,13. Neste o farmacêutico analisa a prescrição médica e elabora o perfil farmacoterapêutico de cada paciente 5,12,. No entanto, para viabilizar um Sistema de Distribuição de Medicamentos Individualizado ou um Sistema de Distribuição por Dose Unitária é necessário acima de tudo fracionar os medicamentos e segundo a RDC Nº. 67, de 8 de outubro de , fracionamento é um procedimento que integra a dispensação de medicamentos na forma fracionada efetuado sob a supervisão e responsabilidade de um profissional farmacêutico habilitado, caracterizado pela subdivisão de um medicamento em frações individualizadas, a partir de sua embalagem original, mantendo seus dados de

29 7 identificação e qualidade. Para que o medicamento seja fracionado é necessário que o mesmo sofra processo de identificação e rotulagem, que as embalagens utilizadas neste processo possam garantir a integridade, estabilidade e eficácia dos mesmos e também se torna necessário à participação e o comprometimento de toda a equipe de saúde envolvida: médicos, farmacêuticos, enfermeiros 11,14. Em um estudo realizado por Rossato 15 em vinte e cinco Farmácias Hospitalares na região sul do Estado de Santa Catarina verificou-se que em 76% delas o Sistema de Distribuição de Medicamentos adotado assemelha-se em muitos aspectos ao Sistema de Distribuição de Medicamentos Individualizado, no entanto o sistema é parcial, pois ocorre o fracionamento apenas dos medicamentos sólidos orais, as demais formas farmacêuticas são distribuídas nas suas embalagens originais, assemelhando-se assim, ao Sistema de Distribuição Coletivo. Também foram evidenciados problemas no fracionamento dos medicamentos em 96% dos hospitais, pois estes não atendem integralmente aos critérios preconizados pela RDC n 67, de 08 de outubro de 2007 que dispõe sobre as Boas Práticas de Manipulação de Preparações Magistrais e Oficinais para Uso Humano em Farmácias. A farmácia hospitalar deve estar preparada para realizar, com eficiência, qualquer um dos sistemas de dispensação, independente de sua complexibilidade. Por mais simples que um sistema possa ser, requisitos mínimos são exigidos para que o mesmo possa operar com segurança. Não bastam sistemas avançados e modernos, se a farmácia não tiver estrutura e capacidade para exercê-lo 16. O presente estudo tem como objetivo realizar um diagnóstico da Sistemática de Distruibuição dos Medicamentos em um Hospital de Médio Porte situado na Regiao Sul de Santa Catarina Brasil, estabelecendo as etapas do processo e realizando análise dos medicamentos líquidos orais prescritos versus registro de demanda da Farmácia.

30 8 MÉTODO O presente trabalho constitui-se de um estudo de caso observacional utilizando como técnica de coleta de dados a observação descritiva e a análise documental, e foi concebido metodologicamente para realizar um diagnóstico da sistemática de distruibuição dos medicamentos em um hospital de médio porte. A instituição estudada foi um hospital de médio porte, localizado na região sul do estado de Santa Catarina - Brasil, que atende a população de toda a região sul de SC. Presta serviços aos pacientes do Sistema Único de Saúde, à convênios e também atende pacientes particulares. A investigação aconteceu mediante autorização e consentimento da Administração da Instituição Hospitalar. A coleta dos dados deu-se nos meses de junho, julho e agosto de 2009 in loco, totalizando 84 horas, onde foi observado a logística adotada para a distribuição dos medicamentos e realizada a análise documental para a comparação da demanda registrada pela farmácia, dos medicamentos líquidos orais, versus receita médica. Os dados coletados por meio da observação descritiva foram organizados na forma de fluxogramas, e posteriormente descritos e confrontados com a literatura pertinente. Para análise da demanda de medicamentos versus receita médica foi elaborada uma tabela comparativa e os valores unitários dos medicamentos foram obtidos do Guia Farmacêutico Brasíndice 691 de O estudo realizado pela pesquisadora, por tratar-se de um estudo observacional com coleta de dados no local e análise documental, não apresentou riscos que ameaçassem a vida ou o bem-estar dos envolvidos, e os procedimentos não foram invasivos sob aspecto físico.

31 9 RESULTADOS E DISCUSSÃO Dentro de um hospital, as questões referentes ao gerenciamento dos medicamentos e a forma como estes são distribuídos entre seus vários setores nos dizem muito em relação à qualidade dos serviços prestados pelo hospital e pelo serviço de farmácia hospitalar 11. Gomes e Reis 12, consideram a Farmácia Hospitalar um órgão onde se desenvolve atividades ligadas à produção, armazenamento, ao controle, à dispensação e distribuição de medicamentos, bem como a orientação de pacientes internados e ambulatoriais visando sempre à eficácia da terapêutica, além da redução de custos, com participação efetiva do farmacêutico. O serviço da farmácia hospitalar em estudo localiza-se no primeiro andar do hospital e mantém atendimento de segunda-feira a sexta-feira das 8:00 às 20:00 horas com duas funcionárias, que são auxiliares de farmácia, e estas revezam sábados e domingos das 7:00 às 19:00hs, nos demais horários a chave da Farmácia fica sob responsabilidade de um Setor de Enfermagem, que é o mais próximo da farmácia. A Farmácia Hospitalar não dispõem de profissional farmacêutico em todo seu horário de funcionamento, este é responsável técnico pela farmácia e realiza o registro dos medicamentos psicotrópicos no período das 8:00 às 10:00hs da manhã de segunda a sexta-feira. Segundo a Lei N de dezembro de a responsabilidade técnica das farmácias é do profissional farmacêutico inscrito no Conselho Regional de Farmácia e sua presença é obrigatória em todo horário de funcionamento. Vale ressaltar ainda, que a responsabilidade técnica do farmacêutico e sua presença em hospitais são reforçadas pelo Decreto N 793 de 05 de Abril de , que altera os Decretos N /1974 e

32 1 N /1977, que regulamentam, respectivamente, as Leis n s 5.991, de 17 de janeiro de 1973, e 6.360, de 23 de setembro de 1976, e dá outras providências. Além dos aspectos legais, éticos e morais, a participação do farmacêutico nas instituições hospitalares é de suma importância para contribuir com a garantia de uma assistência farmacêutica adequada ao paciente 12,15. Segundo a Organização Mundial da Saúde, este profissional é peça chave nos processos de seleção e padronização de medicamentos e na dispensação de medicamentos ao usuário, pois ele detém os conhecimentos sobre o uso apropriado dos medicamentos e atua como promotor do uso racional dos medicamentos, desenvolvendo ações direcionadas para as necessidades do paciente 2,15,19. No ambiente hospitalar, o valor que a presença do farmacêutico agrega em unidades de internação é descrito em vários trabalhos, demonstrando a melhora da qualidade do tratamento (exatidão na indicação, no medicamento, nas doses e horários) e na segurança ao paciente (redução de 66% dos erros de medicação) 20. No presente estudo, observou-se a não participação efetiva do profissional farmacêutico nas atividades da farmácia. Nesta situação, o estabelecimento além dos aspectos legais já mencionados, perde os benefícios advindos da prática e da formação deste profissional 15, principalmente no que diz respeito ao ciclo de assistência farmacêutica, que envolve etapas como seleção e dispensação de medicamentos, e outras atividades que requerem formação especifica na área farmacêutica. Segundo a literatura, o fato da participação do farmacêutico e da farmácia no processo de distribuição de medicamentos serem insipiente, resulta em inúmeras falhas, como: o aumento considerável de erros relacionados à medicação, perdas econômicas devido à falta de controle dos subestoques, ocasionando desvios, perda por vencimento, más condições de armazenamento 6.

33 1 Considerando o número de leitos do hospital (58 leitos), horário de funcionamento da farmácia e suas atividades operacionais básicas a serem desenvolvidas, o número de farmacêuticos e de auxiliares no hospital em estudo não atende os padrões mínimos recomendados pela Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar 3, sendo que a farmácia não conta com profissional farmacêutico durante todo seu horário de funcionamento. De acordo com os Padrões Mínimos para Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde 3, este hospital deveria ter minimamente 2 farmacêuticos e 6 auxiliares de farmácia durante todo horário de funcionamento da farmácia. Quanto a sua localização, constatou-se que a farmácia hospitalar em questão, é descentralizada, ou seja, não está localizada em um ponto em que a distância entre as unidades e a farmácia é a mesma, dificultando assim o fluxo e a otimização dos serviços, já que neste local há estoque de todos os medicamentos e materiais médico-hospitalares utilizado pelo hospital. É importante salientar, que a farmácia hospitalar deve estar localizada em um ponto estratégico, que facilite a provisão de serviços a pacientes, a distribuição de medicamentos, o armazenamento dentro dos critérios técnicos e a comunicação com os demais setores do hospital conforme a Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar 3 e Gomes e Reis 12. Na escolha da localização é importante considerar aspectos como facilidade de acesso interno e externo, localização que permite recepção adequada de medicamentos e demais produtos farmacêuticos e uma posição que favoreça a implantação de um sistema de distribuição de medicamentos ágil e seguro 21. A pesquisa mostrou que a farmácia funciona por um período de 12 horas, e nos demais horários a chave fica sob responsabilidade do setor de enfermagem mais próximo da farmácia, para eventuais emergências. Segundo a literatura, este fato, dificulta acurácia, o controle dos estoques e repercute negativamente no acesso e na programação de medicamentos, já que todos têm autorização para entrar na farmácia

34 1 durante o período 22. Este fato pode ser observado in loco pelas falhas no abastecimento, sub-estoques e sobre-estoques de alguns insumos. Para minimizar o problema no ambiente hospitalar considera-se que a farmácia deva permanecer aberta durante o horário de funcionamento do hospital, para controle e dispensação adequada dos medicamentos e acima de tudo contar com a presença do profissional farmacêutico 15,23. A sistemática da distribuição de medicamentos do Hospital em estudo (Fig. 1) tem início com a prescrição médica, esta é encaminhada para o posto de enfermagem e o processo neste momento divide-se em duas etapas: primeiramente no setor, a enfermagem transcreve a prescrição para uma requisição de farmácia, nesta etapa são transcritos, por paciente, os medicamentos sólidos orais, injetáveis e materiais médico hospitalares. Esta é encaminhada à farmácia juntamente com a prescrição médica. Na farmácia, a auxiliar de farmácia confere e compara a transcrição com a prescrição, separa os medicamentos por paciente, leito hospitalar e por horário com auxilio de uma seladora e deixa em uma prateleira onde a enfermagem irá retirá-los. A farmácia retém a transcrição da prescrição (requisição de farmácia) e encaminha para enfermagem os medicamentos juntamente com a prescrição médica. Após, a farmácia lança todos os gastos na conta do paciente por um sistema automatizado, que é posteriormente avaliada pelo setor administrativo. Já os medicamentos líquidos orais e de uso tópico a enfermagem dispõe de um estoque coletivo no setor e quando estes são prescritos é verificada sua disponibilidade. Este estando disponível é preparado e administrado ao paciente, e quando não está disponível no setor, a enfermagem vai até a farmácia e solicita um frasco mediante preenchimento de uma requisição de farmácia, a enfermagem de posse dos medicamentos prepara e administra ao paciente, e os gastos são lançados na conta do paciente pelo setor administrativo, mediante consumo registrado na prescrição médica.

35 1 Figura 1: Fluxograma da Distribuição de Medicamentos. A farmácia dispõe de um computador com acesso a internet e possui um software para o registro das entradas e saídas, no entanto o registro não confere com o estoque físico, em virtude disso a requisição de compras ocorre pela avaliação visual dos funcionários da farmácia. Em relação ao levantamento das prescrições realizado nos meses de junho, julho e agosto foram contabilizadas 515 internações hospitalares, que resultaram em 2121 prescrições médicas. Após avaliação individual destas prescrições verificou-se em 332 (15,65%) a presença de medicamentos líquidos orais. Neste mesmo período também foram contabilizados 220 pedidos coletivos à farmácia, nestes constatou-se a solicitação de 244 frascos de medicamentos líquidos orais, correspondendo a 19 especialidades farmacêuticas.

36 1 Comparando os quantitativos dos medicamentos líquidos orais prescritos versus os pedidos coletivos realizados pela enfermagem, das 19 especialidades farmacêuticas encontradas 13 (68,42%) apresentaram discrepâncias entre as quantidades prescritas e as quantidades dispensadas coletivamente pela farmácia, conforme ilustra a tabela 1.

37 1 O valor monetário total dos medicamentos líquidos orais prescritos no período de 3 meses de estudo foi de R$ 1.455,66, enquanto que o valor monetário dos medicamentos dispensados na farmácia coletivamente foi de R$ 3.122,44,(variação de 114,50%) ocorrendo uma perda financeira de R$1.666,78, que corresponde a 53,38% do valor total dos medicamentos dispensados no trimestre, extrapolando este valor para um ano a perda financeira seria R$ 6.667,12, que representa aproximadamente o valor gasto com a aquisição dos medicamentos em análise por ano se a instituição adotasse o fracionamento destes medicamentos, isto é, a cada ano com o sistema atual perde-se um ano de medicamento. A variação entre as quantidades prescritas em ml aos pacientes internados e as quantidades em ml dispensadas pela farmácia aos setores de enfermagem mediante pedido coletivo das sete especialidades farmacêuticas que apresentaram maior variação é ilustrada pela figura 2. Gráfico Comparativo entre as quantidades prescritas e as quantidades dispensadas pela Farmácia Hospitalar Consumo em ml ,5 695, ,7 139,45 Prescrição Total Dispensação Total Sulfato de Salbutamol Paracetamol Dimenidrinato + Cloridrato.. Cloridrato de Ambroxol Maleato de Dexclorfeniram... Dipirona Sódica Bromidrato de Fenoterol Medicamento Figura 2: Gráfico comparativo entre as quantidades de medicamentos prescritos e as quantidades dispensadas pela Farmácia Hospitalar.

38 1 Como ilustra a tabela 1 e a figura 2, o Sulfato de Salbutamol foi o medicamento que apresentou maior variação (11900%), pois não havia nenhuma prescrição com este medicamento, no entanto havia solicitação pela enfermagem, o mesmo ocorreu com o Paracetamol que apresentou uma variação de 7400% e com Dimenidrinato + Cloridrato de piridoxina que variou 1900%. Estes medicamentos foram seguidos pelo Cloridrato de Ambroxol (1100%), Maleato de Dexclorfeniramina + Betametasona (222,14%), Dipirona Sódica (189,02%), Bromidrato de Fenoterol (176,59%), no entanto, para estes havia prescrição. Neste estudo, a sistemática adotada, pelo hospital, para distribuição de medicamentos assemelha-se em alguns aspectos ao Sistema de Distribuição de Medicamentos Coletivo (SDMC) e em outros ao Sistema de Distribuição de Medicamentos Individualizado Direto (SDMID), caracterizando como um Sistema de Distribuição de Medicamentos Misto. Quando nos referimos ao Sistema de Distribuição de Medicamentos Coletivo é pelo fato de que nesta instituição os medicamentos líquidos orais e os de uso tópico ficam armazenados em suas embalagens originais no setor de enfermagem, e sua reposição é realizada através de uma requisição coletiva à farmácia em nome do setor. Neste processo, os profissionais de enfermagem interpretam a prescrição, efetuam a triagem, armazenam o medicamento no setor e realizam sua administração ao paciente, não ocorrendo desta maneira a conferência da prescrição por parte da farmácia e do profissional farmacêutico, sendo que esta dinâmica de dupla conferência é preconizado pela literatura como importante medida para a prevenção de falhas de interpretação do esquema terapêutico e prevenção de erros de medicação 7,24. No SDMC constata-se que a assistência ao paciente fica prejudicada pela não participação do farmacêutico na revisão e análise da prescrição médica. E também pelo fato de que a enfermagem está mais envolvida com questões burocráticas relacionadas

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Farmácia Hospitalar Código: FAR - 110 Pré-requisito: Sem pré-requisitos Período

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

FARMACÊUTICA. Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC

FARMACÊUTICA. Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC LOGÍSTICA FARMACÊUTICA Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC Central de Abastecimento Farmacêutico Unidade que tem por finalidade manter e abastecer de modo dinâmico

Leia mais

08/11/2012. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012

08/11/2012. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Módulo 3 Sistemas de Distribuição Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 1 Erros de medicação ERRAR É HUMANO!!

Leia mais

NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA FIMCA

NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA FIMCA NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA FIMCA A Revista FIMCA é dirigida a acadêmicos e profissionais de Saúde, destinada às publicações inéditas de trabalhos de pesquisa básica e aplicada, revisões científicas,

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Halley Johanston Unysis Corporation, EUA Revista Informédica, 1 (2): 5-9, 1993. A utilização da Informática na gestão hospitalar evoluiu, nos últimos

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Técnico em farmácia

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Técnico em farmácia Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 027 Município: Tupã Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Farmácia Qualificação:

Leia mais

Prevenção do Erro e o Medicamento

Prevenção do Erro e o Medicamento Prevenção do Erro e o Medicamento Daniela Garcia 26 de março de 2015 Diretora dos Serviços Farmacêuticos Erro de medicação Qualquer evento evitável que pode causar dano ao doente ou dar lugar à utilização

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS

REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS REGULAMENTO EDITORIAL Uma das missões do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Pernambuco (CRMV-PE)

Leia mais

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS.

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS. Introdução AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS. Iris Iasmine de Rezende Araújo (UEG), Jessyka Cordeiro de Godoi (UEG), Flavio Marques Lopes (UEG) flaviomarques@ueg.br

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM IX SEMANA DE ENFERMAGEM. Edital 001/2014

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM IX SEMANA DE ENFERMAGEM. Edital 001/2014 FACULDADE LEÃO SAMPAIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM IX SEMANA DE ENFERMAGEM Edital 001/2014 Dispõe sobre normas para inscrição de trabalhos científicos na IX Semana de Enfermagem da Faculdade Leão

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 Aprovado na 523ª Reunião Ordinária de Plenário de 26 de agosto de 2013. 1. Do Fato Assunto: Dispensação de medicamentos pelo Técnico de Enfermagem.

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X T E C N O L O G I A D A I N F O R M A Ç Ã O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X PROCESSOS E

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANÁLISE DE PROJETOS DE PESQUISA 1 Folha de Rosto http://portal2.saude.gov.br/sisnep/pesquisador - está folha de rosto deverá ser impressa em 3 vias; deverá ser assinada pelo

Leia mais

Lista de checagem do protocolo

Lista de checagem do protocolo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Comitê de Ética em Pesquisa Lista de checagem do protocolo A avaliação do projeto

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Aprova as diretrizes e estratégias para organização, fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia

Leia mais

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO CIENTÍFICO Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas

Leia mais

11 Sep 12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012

11 Sep 12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Heloisa Barreto Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Gestão da Farmácia Hospitalar Heloisa Arruda Gomm Barreto Comissão de Farmácia Hospitalar

Leia mais

1 Edital para submissão de materiais para o Congresso

1 Edital para submissão de materiais para o Congresso DIGICONGRESS 2014 Congresso de Comunicação e Marketing Digital 1 Edital para submissão de materiais para o Congresso 1.1 Informações gerais - O DIGICONGRESS (Congresso de Comunicação e Marketing Digital)

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS

LISTA DE DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS LISTA DE DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS 1. MODELO DE DECLARAÇÃO DO PESQUISADOR 2. MODELO PARA

Leia mais

FACULDADE PATOS DE MINAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INSTRUÇÕES PARA ORIENTADORES E ORIENTADOS

FACULDADE PATOS DE MINAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INSTRUÇÕES PARA ORIENTADORES E ORIENTADOS INSTRUÇÕES PARA ORIENTADORES E ORIENTADOS Seguem abaixo informações fundamentais que devem orientar a realização do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) que será feito individualmente e em forma MONOGRAFIA

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 Assunto: Responsabilidade pelo Controle, Guarda e Dispensação de Medicamentos de Pesquisa Clínica. 1. Do fato Solicitado parecer sobre o controle, guarda e dispensação

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Trav. Olindina Alves Pereira, 35 - Caixa Postal 472-88020-095 Fone/Fax (48) 222-4702 - Florianópolis - SC. url:

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS 1. Cada interessado poderá submeter um trabalho, como primeiro autor, independente da categoria e quantos quiser como autor; Não serão aceitos trabalhos com mais de 5 autores.

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS

MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS TÍTULO DO TRABALHO Primeiro Autor e-mail Instituição de Ensino Endereço CEP Cidade Estado Segundo Autor e-mail

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

OLINDA MARIANO DA SILVA SAUL VIEIRA CARVALHO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA DOSE INDIVIDUALIZADA NA MATERNIDADE DONA ÍRIS

OLINDA MARIANO DA SILVA SAUL VIEIRA CARVALHO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA DOSE INDIVIDUALIZADA NA MATERNIDADE DONA ÍRIS OLINDA MARIANO DA SILVA SAUL VIEIRA CARVALHO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA DOSE INDIVIDUALIZADA NA MATERNIDADE DONA ÍRIS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA BRASÍLIA 2006 OLINDA MARIANO DA SILVA SAUL VIEIRA CARVALHO

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU Pré- requisitos: - Perfil de acesso do funcionário - Cadastro do funcionário na farmácia que poderá ocorrer a dispensação. - Cadastro das unidades de internação.

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

SAÚDE NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NORMAS

SAÚDE NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NORMAS NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS DA 1. INFORMAÇÕES GERAIS A submissão dos manuscritos deverá ser efetuada pelo envio do material para o e-mail revista.saude@uscs.edu.br, sob a responsabilidade

Leia mais

PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE HEMODERIVADOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE

PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE HEMODERIVADOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE HEMODERIVADOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE Daniela Pina 1, Sónia Ferreira 2, Cláudia Galvão 2, António Carvalho 2, Paulo Horta Carinha 2 1 Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisora: Drª Sonia Lucena Cipriano Características: (duração 12 meses) Dirigido a farmacêuticos,

Leia mais

Peculiaridades da Logística. Em Saúde. Paulo Gadas JUNHO-14 1

Peculiaridades da Logística. Em Saúde. Paulo Gadas JUNHO-14 1 Peculiaridades da Logística Em Saúde Paulo Gadas JUNHO-14 1 Farmácias Satélites Vantagens e Desvantagens Paulo Gadas JUNHO-14 2 Paulo Gadas JUNHO-14 3 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO UNITÁRIO MEDICAMENTOS SÃO

Leia mais

SETORES DA FARMÁCIA HOSPITALAR EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR

SETORES DA FARMÁCIA HOSPITALAR EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR SETORES DA FARMÁCIA HOSPITALAR EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR CENTRAL DE ABASTECIMENTO FARMACÊUTICO Unidade que tem por finalidade manter e abastecer de modo dinâmico os estoques de

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE

BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE 1 REVISTA BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE Uma publicação da (SBRAFH) A () publica artigos nos idiomas Inglês, Espanhol, Português; e a partir de 2010 substituirá a Revista SBRAFH

Leia mais

REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS

REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS INSTRUÇÕES AOS AUTORES 1 GERAIS: Originais: Os artigos e os relatos de experiência devem ser enviados exclusivamente

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Estabelece padrão obrigatório para a troca de informações entre operadoras de plano privado de assistência à saúde e prestadores de serviços de saúde

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS REGRAS BÁSICAS A submissão de trabalhos ao 9º Simpósio Brasileiro de Cartografia Geotécnica e Geoambiental será totalmente online, não mais sendo necessário o envio de cópias

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Média de Permanência Geral

Média de Permanência Geral Média de Permanência Geral V1.02 Janeiro de 2013 1. Sigla E-EFI-05 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio 2. Nome Média de Permanência Geral 3. Conceituação Representa o tempo médio em dias que os pacientes

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS.

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS. SETEMBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 1-2004 A aquisição de equipamentos médico-hospitalares tem ocasionado vários problemas técnicos ou mesmo econômicos por não obedecer a determinados parâmetros.

Leia mais

Unidade de Pesquisa Clínica

Unidade de Pesquisa Clínica Unidade de Pesquisa Clínica A EQUIVALÊNCIA FARMACÊUTICA NO CONTEXTO DA INTERCAMBIALIDADE ENTRE MEDICAMENTOS GENÉRICOS E DE : BASES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS abril/04 SÍLVIA STORPIRTIS1,2; RAQUEL MARCOLONGO1;

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA 2ª Jornada de Ciências Farmacêuticas Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO - 2012 ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA Robson Leite de Souza Cruz Instituto de tecnologia em Imunobiológicos

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM

SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM Suely da Silva - Chefe da Unidade de Dispensação Farmacêutica do HC/UFTM - Filial EBSERH Mauritânia Rodrigues Ferreira Cajado - Farmacêutica da Dispensação do HC/UFTM Introdução

Leia mais

Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos

Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde PET Farmácia Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos Antonio E. Matoso Mendes Orientadora: Maria Luíza D. Fávero

Leia mais

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM FARMÁCIA HOSPITALAR SBRAFH BIBLIOGRAFIA SUGERIDA BORGES FILHO, WM; FERRACINI, FT. Prática Farmacêutica no Ambiente Hospitalar. 2 ed, Rio de Janeiro: Atheneu, 2010.

Leia mais

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 Muitas vezes ao longo das investigações de Tecnovigilância de acidentes relacionados com equipamentos médico-hospitalares, principalmente quando

Leia mais

Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos

Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos Evento - Data envio do trabalho comprovação da inscrição do 1º autor resposta sobre aceitação ou recusa do trabalho Tema dos Trabalhos XIV CONGRESSO

Leia mais

Manual de Logística ISGH

Manual de Logística ISGH Manual de Logística ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Juniana Torres Costa Gerente do Núcleo de Logística ISGH FORMATAÇÃO Comunicação Visual ISGH DATA Novembro de 2014 Manual de Logística ISGH Página 2 SUMÁRIO

Leia mais

II ELPED - ENCONTRO DE LICENCIATURAS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO

II ELPED - ENCONTRO DE LICENCIATURAS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO II ELPED - ENCONTRO DE LICENCIATURAS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO Tema: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E CURRÍCULO: ABORDAGENS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DATA: 31 de março e 1º de abril de 2016 1. OBSERVAÇÕES GERAIS a)

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE

INFORMATIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE INFORMATIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE Autor(a): Maria de Lourdes Baêta Zille Gontijo Co-autores(as): Maria Lúcia Silva Faleiro, Margarita

Leia mais

Instruções para o preenchimento do Formulário 3

Instruções para o preenchimento do Formulário 3 Instruções para o preenchimento do Formulário 3 O Formulário 3 tem como finalidade a requisição para Inscrição ou Reativação de um estabelecimento no CRF-SP. A imagem foi dividida de acordo com o esquema

Leia mais

Roteiro para elaboração de Projetos de Pesquisa - CEP/UBM -

Roteiro para elaboração de Projetos de Pesquisa - CEP/UBM - Roteiro para elaboração de Projetos de Pesquisa - CEP/UBM - BARRA MANSA - RJ 2010 1 APRESENTAÇÃO Toda pesquisa que envolva seres humanos e que seja realizada sob responsabilidade de pesquisadores do Centro

Leia mais

Os Profissionais da Enfermagem e a dispensação de medicamentos nas Unidades Básicas de Saúde do Município de Campinas

Os Profissionais da Enfermagem e a dispensação de medicamentos nas Unidades Básicas de Saúde do Município de Campinas Os Profissionais da Enfermagem e a dispensação de medicamentos nas Unidades Básicas de Saúde do Município de Campinas Luciana Cugliari Travesso 1 O Conselho Regional de Enfermagem do Estado de São Paulo,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop Hospital Nossa Senhora da Conceição SERVIÇO DE FARMÁCIA STELLA GOULART LAMEIRA Farmacêutica-Bioquímica Especialista

Leia mais

Instruções gerais para o preenchimento do formulário

Instruções gerais para o preenchimento do formulário Instruções gerais para o preenchimento do formulário Cada tipo de tecnologia (medicamento, produto para saúde ou procedimento) possui um formulário específico. Alguns campos poderão não aparecer dependendo

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS

LISTA DE DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS LISTA DE DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS 1. MODELO PARA ELABORAÇÃO DE TERMO DE CONSENTIMENTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Instruções para Submissão de Trabalhos ao EPETUSP 2013

Instruções para Submissão de Trabalhos ao EPETUSP 2013 Instruções para Submissão de Trabalhos ao EPETUSP 2013 O trabalho deverá ser submetido em formato PDF e não serão feitas correções após o envio. Portanto, solicitamos o máximo cuidado e atenção na elaboração

Leia mais