Ação educativa em formação contínua

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ação educativa em formação contínua"

Transcrição

1 Ação educativa em formação contínua Camila Serino Lia FAMEC, Arteducação Produções Guilherme Nakashato FAMEC, Arteducação Produções Rejane Galvão Coutinho IA/UNESP, Arteducação Produções Resumo O artigo apresenta reflexões sobre o processo de concepção e de formação de um programa educativo e seus agentes-mediadores. Uma análise sincrônica da ação educativa das exposições Morte das Casas, Manobras Radicais, Rembrandt e a Arte da Gravura e Impressões Originais A Gravura desde o Século XV dá conta de revelar os vários impasses do processo, os avanços e o aperfeiçoamento advindos de um processo coletivo de formação e autoformação. Palavras-chaves: Mediação cultural; formação de mediadores; formação contínua; arte/educação. Abstract This article presents thoughts on the process of conception and formation of an educative program and its educators. A synchronic analysis of the educative action of the exhibitions Morte das Casas, Manobras Radicais, Rembrandt e a Arte da Gravura and Impressões Originais A Gravura desde o Século XV reveals some impasses of this process, the progresses and the improvements resulting from a collective process of development and self-development. Key words: Cultural education; educators development; continuous formation; art/education. Introdução A equipe do Arteducação Produções (AEP) vem desenvolvendo projetos para a ação educativa de algumas exposições do Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo (CCBB-SP) desde Uma das fortes premissas do grupo é o caráter reflexivo de formação e de autoformação que permeia suas práticas. Nesse percurso, um gradativo aperfeiçoamento conceitual foi sendo gestado pela equipe em decorrência do próprio processo de formação contínua, que faz com que novas cabeças, com novas idéias, se incorporem ao quadro nuclear, como conseqüência da crescente preocupação em aproximar nossos agentes- 721

2 mediadores do processo de concepção e desenvolvimento das estratégias de mediação para as exposições. i Apresentamos aqui uma análise sincrônica da ação educativa, buscando revelar os aperfeiçoamentos conceituais desse processo de formação e ressaltando os momentos de incorporação e de participação dos agentes-mediadores. Para tanto, recorremos à descrição e à análise de dois pares de propostas diferenciadas, que dialogam entre si seja pelo conteúdo das propostas desenvolvidas, como é o caso das exposições Morte das Casas, do artista contemporâneo brasileiro Nuno Ramos, e Manobras Radicais, uma coletiva de artistas brasileiras mulheres, seja pelo conteúdo similar da exposição em si, como é o caso das exposições Rembrandt e a Arte da Gravura e Impressões Originais A Gravura desde o Século XV. Estas reflexões, tão importantes para a nossa equipe, podem estimular o debate acerca do processo de formação e de profissionalização dos mediadores culturais, contribuindo para a ampliação dos horizontes teóricos e conceituais sobre a mediação e seus interlocutores. A ação educativa em formação Antes de iniciar nossa análise, convém contextualizar as relações entre a equipe do AEP e os mediadores no início do percurso, numa breve consideração desse processo. O primeiro projeto do AEP com o CCBB-SP ocorreu em 2001 com Metro, a Metrópole em Você ii, evento multidisciplinar programado para a inauguração do prédio, situado no centro histórico de São Paulo. Ao preparar a ação educativa para a exposição Resgate,do artista pernambucano Tunga, dividimos as tarefas entre as subequipes do AEP: a de seleção, a de formação contínua dos mediadores e concepção geral da mediação feita pelas coordenadoras, e a de concepção de práticas reflexivas pelos oficineiros. Coerentes com a Proposta Triangular, nossas preocupações naquele momento recaíam nos três eixos da proposta, ainda articulados de forma segmentada a leitura e a contextualização das obras eram desenvolvidas pelos mediadores no percurso da visita, e a produção reflexiva, ou oficina, como chamávamos então, a cargo dos oficineiros. Na prática, os mediadores tinham o desafio de trabalhar nas visitas orientadas questões sobre a contextualização da exposição e do prédio recém- 722

3 inaugurado, criando situações de leitura das obras. Ao final do percurso, o grupo de visitantes era encaminhado ao espaço da oficina, onde eram revistos os conceitos e as leituras levantadas durante a visita, buscando relações com um fazer reflexivo através de objetos do cotidiano urbano e elementos presentes nas obras do artista. Essa fragmentação da ação educativa, apesar de evidente hoje, não era ainda percebida à época, pois era a primeira vez que buscávamos integrar a Proposta Triangular com o processo de mediação. Por sua vez, os mediadores, desde o início, sentiam falta de um encerramento em suas práticas com os grupos de visitantes, pois nem sempre participavam do término da visita. Havia reuniões diárias entre as coordenadoras e os mediadores, em que eram avaliados os procedimentos com os grupos e debatidos temas e textos sobre a exposição e sobre arte/educação. Os oficineiros não participavam de tais reuniões, uma vez que estavam à disposição do público ininterruptamente, o que dificultava mais uma vez a participação mais ativa dos mediadores. Essa estrutura de funcionamento foi mantida nas demais exposições de 2001, mas a cada avaliação fomos percebendo um maior envolvimento e interesse dos mediadores pelo processo de formação e de conceituação. Esse interesse adveio da relação dialética entre as necessidades de apropriação das propostas pelos mediadores e do próprio conceito de qualidade da equipe do AEP. Desde cedo os próprios mediadores começaram a refletir sobre as perdas da mediação pela fragmentação do processo, em que uma pessoa conduzia a visita e outra a prática reflexiva da oficina, principalmente pelo fato de que eles construíam toda uma lógica na visita que nem sempre era percebida pelo oficineiro. Os oficineiros, por sua vez, compreenderam essa dificuldade e tentavam saná-la participando das visitas, mas nem sempre era possível acompanhar todos os mediadores. Esse impasse levou a uma reelaboração das propostas ao longo do tempo, e as transformações foram incorporadas pelo AEP. A ação educativa em formação contínua: a exposição Morte das Casas Nuno Ramos iii e Manobras Radicais iv A partir da exposição Morte das Casas - Nuno Ramos, em 2004, surgiu uma nova configuração na equipe de concepção e produção das propostas de mediação, quando mediadores que já vinham atuando junto ao AEP no CCBB- 723

4 SP foram convidados a integrar a equipe nuclear original, compondo uma multiplicidade de olhares e experiências. Em Morte das Casas, nos primeiros encontros de pesquisa e discussão acerca do conteúdo da exposição e da obra do artista, os mediadores (agora não mais apenas oficineiros ) se defrontaram com algumas preocupações que refletiam sua intimidade com o público e com o espaço do CCBB-SP além da experiência com a mediação: Como abordar uma exposição de arte contemporânea? Como conceber uma proposta que não será desenvolvida apenas por nós? Essa exposição apresentava dois vídeos dirigidos por Nuno Ramos e quatro instalações inéditas concebidas para ocupar todos os espaços expositivos do CCBB-SP, desafiando a mediação numa grande exposição. As obras eram constituídas por materiais característicos da poética do artista, como breu, terra e mármore, e seus nomes eram inspirados em obras literárias e musicais de artistas brasileiros, como Carlos Drummond de Andrade e Cartola. Em seu conjunto, a exposição apresentava uma unidade de conceitos e materiais que faziam alusão à passagem do tempo e aos ciclos de vida e morte, inclusive por serem obras efêmeras, já que, ao término da exposição, seriam destruídas. No período de desenvolvimento da proposta, foi necessário eleger alguns conceitos mais amplos percebidos na poética do artista, tais como interdependência, integração, materialidade, transmutação e apropriação. Definidos esses conceitos, nasceu uma proposta em formato de jogo, que seria desenvolvida durante todo o processo de visita em todos os espaços expositivos e que possibilitaria a contextualização, a leitura e a prática reflexiva de forma integrada e interdependente, como os próprios conceitos percebidos na obra de Nuno Ramos sugeriam. v Pela complexidade da proposta em termos de estratégias e materiais e pelo fato inédito de que ela seria desenvolvida ao longo de todo o processo de mediação, a preocupação sobre o modo como os outros mediadores iriam se apropriar da proposta nos fez contemplar no curso de formação diversos momentos de apresentação, aplicação, discussões e ampliação dela. Conteúdos relativos à obra do artista, à arte contemporânea e à mediação ampliaram o potencial de compreensão e apropriação da proposta. 724

5 Durante o período de visitação notou-se na prática o quanto o formato da proposta aproximava os mediadores, que precisavam se organizar sincronicamente em relação ao tempo e à ordem dos espaços visitados. Como algumas estratégias das etapas do jogo dependiam da criação de outro grupo, ao final da visita eles discutiam de que modo suas visitas haviam sido influenciadas umas pelas outras, assim como as dificuldades que encontravam. Essas discussões e inquietações alimentavam as reuniões semanais com os supervisores e coordenadores, potencializando-as como espaço de diálogo sobre a prática de mediação e os conteúdos suscitados na exposição, possibilitando a ampliação ou modificação de materiais e dinâmicas da proposta. Em 2006, a exposição Manobras Radicais apresentou um panorama da produção artística feminina do Brasil, com obras datadas desde o século XIX, passando pelo Modernismo e chegando às mais recentes produções contemporâneas. Em função da diversidade e riqueza de associações apresentadas pelas obras, revelou-se necessária uma reflexão sobre conceitos como diversidade, identidade, alteridade e multiculturalidade, ampliando a temática de gênero. Como uma nova equipe de mediadores estava sendo formada para esta ação educativa, houve uma preocupação em contemplar a diversidade de experiências em mediação que esse novo grupo trazia para o processo, geralmente experiências pautadas na leitura de imagens. A diversidade da exposição e da equipe estimulou a concepção de uma proposta de mediação que possibilitasse diferentes leituras das obras e da exposição a partir de múltiplas estratégias, visando à percepção e à leitura através de procedimentos lúdicos. Cinco atividades prático-reflexivas foram concebidas para a mediação em forma de jogo: o jogo da percepçãointerpretação; a produção criativa através de texto; o jogo das palavras ligadas; o jogo da curadoria; e o jogo da palavra-síntese. O processo de apropriação das cinco propostas pelos mediadores aconteceu gradativamente nos espaços de formação contínua, da semana de formação às reuniões semanais, e, nesse ano, também nos acompanhamentos das visitas feito pelos educadores-formadores e nos estudos diários. 725

6 Assim como em Morte das Casas, as reuniões também se configuraram como espaço de compartilhamento das experiências da semana pelos mediadores, num continuo fluxo de idéias e dinamização de repertório. É a oportunidade de trocar as vivências de situações e ações que os desafiam cotidianamente, com responsabilidade e reflexão, a buscar sempre a melhor forma de atender as necessidades dos grupos de visitantes. Assim, as estratégias de mediação são debatidas, analisadas, experimentadas, avaliadas e compartilhadas por todos, proporcionando o entendimento das concepções educacionais relacionadas ao universo da exposição. O acompanhamento das visitas feito pelos educadores-formadores surgiu da necessidade de garantir a qualidade da mediação exercida, assim como de propiciar um olhar externo ao trabalho do mediador e estimular o diálogo entre as diferentes apropriações das propostas e conduções dos percursos de mediação. As dinâmicas propostas e integradas pelos mediadores geraram resultados extremamente ricos por sua simplicidade e abrangência. E, o que é mais importante, elas não se esgotavam na visita à exposição, podendo ser exploradas na escola pelos professores. Ao relatar os dois processos distintos que envolveram estratégias lúdicas, procuramos ressaltar o processo de apropriação e de contribuição dos mediadores com relação às estratégias concebidas, mostrando o quanto é fundamental nesse processo o espaço de reflexão e de trocas entre coordenação, educadores e mediadores. A ação educativa em formação contínua: a exposição Rembrandt e a Arte da Gravura vi e Impressões Originais A Gravura desde o Século XV vii O processo de concepção e concretização da ação educativa da exposição Rembrandt e a Arte da Gravura já foi tema de uma comunicação viii que a equipe do AEP apresentou no Encontro Nacional da ANPAP (Associação Nacional dos Pesquisadores em Artes Plásticas) de Naquele momento, levamos a experiência de um trabalho avaliado por nós como um dos mais completos realizados até então, com uma participação mais visível dos mediadores em comparação com o ano de Para a exposição de Rembrandt, realizada em 2002, foi elaborada uma prática reflexiva em torno da experiência do desenho de observação e da passagem 726

7 desse desenho de uma matriz para um suporte por meio de um processo de transfer da litografia. A escolha do trabalho de desenho de observação surgiu depois de vários debates da equipe do AEP quanto à pertinência de se propor a prática aos grupos visitantes e pelo fato de Rembrandt ter produzido gravuras em metal com a concepção de serem obras finalizadas, e não como estudos para pinturas, utilizando-se da sintaxe do desenho, principalmente de observação. A estratégia de se usar uma sala de arte (sala de coleções variadas) inspirada na de Rembrandt diminuiu a distância do desenho de observação, ao serem dispostos nela vários objetos do cotidiano, todos pintados de branco para ressaltar os valores de luz e sombra. Desenhavam-se os objetos escolhidos utilizando-se bico-de-pena, nanquim e papel preparado com goma arábica, como o transfer. Por meio de uma prensa para gravura em metal, o desenho umedecido era transferido para um papel-suporte mais grosso. A estampa no papel-suporte ficava com o visitante, enquanto o papel de transfer, encarado como uma matriz, permanecia numa pequena mostra dos resultados em nosso espaço do educativo. Em vista das avaliações do ano anterior, nesta dinâmica os oficineiros passaram a supervisionar e auxiliar os mediadores no trabalho com os grupos. Dessa maneira, os conceitos de complementaridade das propostas de visita e da prática reflexiva da oficina foram trabalhados pelos próprios mediadores em seus atendimentos, resultando num processo menos fragmentado e mais envolvente. A apropriação da proposta não foi tão intensa, pois os oficineiros acabavam por zelar pelo projeto original, evitando inconscientemente qualquer modificação mais evidente. Nas reuniões diárias com as coordenadoras, foram adotadas novas propostas de discussão, sugeridas pelos próprios mediadores, principalmente com a contribuição de textos pertinentes para serem abordados em prol do conhecimento do grupo. Na visita orientada, a apropriação pelos educadores foi mais aberta. Havíamos projetado um jogo de cartões contendo informações e questionamentos sobre os contextos de Rembrandt, buscando uma aproximação com o contexto dos visitantes. Esses cartões foram concebidos como material de apoio para dinamizar a leitura, trazendo o contexto dos visitantes e enriquecendo o contato com a arte. Por outro lado, constituía-se num apoio ao mediador, devido às 727

8 inúmeras informações referentes ao artista e às obras. Esse jogo, batizado de arte.fatos, foi apresentado na semana de formação com o desafio de que os mediadores discutissem, avaliassem e propusessem adequações, fazendo com que eles participassem da concepção, ao invés de receberem o material de mediação já elaborado. Como esperado, esse material foi utilizado e claramente absorvido pelos mediadores durante o período de exposição. Alguns deixaram de usar os cartões, pois a dinâmica passou a ser trabalhada diretamente com o público, gerando novas compreensões sobre a estratégia de mediação. Neste momento já tínhamos a convicção de que estávamos mergulhados num processo contínuo de aprendizado, não apenas propiciando aprendizagens ao público visitante, mas aprendendo com os mediadores e com toda a equipe do AEP. Em 2006 enfrentamos novamente o desafio de trabalhar numa exposição de gravuras de impacto histórico, porém desta vez acompanhando as pesquisas e o desenvolvimento da técnica até os dias atuais: Impressões Originais A Gravura desde o Século XV. Nos quatro anos subseqüentes à exposição de Rembrandt, a equipe do AEP havia passado por reestruturações e ampliado seu quadro nuclear, conforme foi citado anteriormente. Uma das preocupações da nova geração foi a inclusão cada vez mais ativa dos mediadores no processo de apropriação das propostas. Ciente da impossibilidade de os mediadores se dedicarem totalmente à concepção das propostas simultaneamente ao trabalho de mediação, precisávamos gerar dinâmicas de integração eficientes e aproximá-los das modificações críticas e coletivas da equipe. As modificações já ficaram evidentes na formação da equipe de concepção das estratégias: saíram os oficineiros e entrou um trabalho mais integrado, no qual a coordenação, os educadores-formadores e os próprios educadores desenvolviam um projeto comum. Assim, no curso de formação para as novas exposições, os mediadores foram apresentados à estratégia de mediação, com o intuito de debater os detalhes da proposta a fim de melhor a compreender e se apropriar dela. Passamos a adotar a estratégia de aplicar a dinâmica com os mediadores, ao invés de explicar seu funcionamento já de imediato. Após os debates iniciais sobre a 728

9 proposta, sua aplicação no dia-a-dia foi revelando as reais dificuldades e suas potencialidades. Nesse momento, as reuniões semanais proporcionaram o espaço de troca garantido para que as diferentes maneiras de conduzir a visita de cada educador fossem debatidas, avaliadas e compartilhadas entre todos. A conversa franca e a participação dos educadores-formadores impulsionaram o ímpeto pela qualidade crescente do trabalho, minimizando os períodos de baixa de agendamento e dos finais de exposição, quando o suposto domínio do conteúdo poderia ameaçar uma postura mais instigante do mediador para com o grupo visitante. Ao debater os assuntos levantados pelas exposições e o desafio de atender adequadamente cada grupo, provocavam os mediadores a sugerir novas estratégias, novos focos de discussão, textos das mais diversas naturezas para serem compartilhados e pesquisas complementares que contribuiriam para o desenvolvimento do grupo todo. A pesquisa espontânea foi uma das evidências mais significativas da conquista da autonomia de trabalho pelos mediadores. Para a exposição Impressões Originais, propusemos uma estratégia de mediação que incluía uma técnica de produção de gravura diferente da utilizada na de Rembrandt. Com uma técnica desdobrada da colagravura ix, a proposta girava em torno da criação de matrizes por cada (por cada não dá, né? Rs Use pelo ) visitante utilizando fios e tecidos tingidos com anilina colorida, que eram aplicados sobre uma superfície plana do tamanho de um cartão-postal. A colagem desse material sobre a superfície ficava por conta de uma cola nãopermanente a mesma cola de fita adesiva, que permite a desmontagem das matrizes ao término de cada visita. Cada matriz era umedecida com água, para soltar a anilina dos tecidos, e passada por um prelo vertical (prensa de livros), com o papel de suporte devidamente posicionado. A impressão nesse suporte constituía uma estampa, e os visitantes eram estimulados a traçar semelhanças com as obras da exposição, não somente pela aparência, mas pelo cuidado técnico, mas em relação aos procedimentos, à variação de resultados, ao espelhamento da imagem e à possibilidade de reprodutibilidade, ainda que limitada. Um carimbo de borracha foi desenvolvido com a estampa das linhas do verso de um cartão-postal (o espaço para endereço e selo), com o intuito de transformar a impressão do visitante em cartão que pudesse ser enviado, ampliando a discussão do caráter móvel e de imagem itinerante 729

10 propiciado pelo desenvolvimento das técnicas gráficas como meio de comunicação, que perdura até hoje. O estímulo à composição variava de acordo com o foco que cada educador estivesse trabalhando, e a prática era realizada tanto no meio da visita quanto ao final dela, diversificando as propostas de debate de cada grupo pelo mediador. Para a visita orientada não foram criados prontamente materiais de apoio. Os próprios mediadores, por suas necessidades, passaram a sugeri-los e desenvolvê-los ao longo da exposição. Materiais de gravura como pontassecas, goivas, brunidores, raspadores, barens (ferramenta de frotagem para impressão em relevo), pedras litográficas e placas de cobre e de madeira, além de matrizes de gravura e suas respectivas estampas, foram pesquisados e coletados pelos mediadores, coletivizando seu uso na visitas. A ação educativa em contínua formação entre AEP e os mediadores Aprender com a experiência é uma das diretrizes da equipe do AEP. A aprendizagem é, desenvolvida tanto com os sujeitos da mediação, como com os agentes-mediadores e com nossa própria equipe, numa interação consciente de crescimento coletivo. A apresentação dos contextos das diferentes ações educativas foi uma maneira de registrar e refletir sobre o processo que a equipe vem construindo dialeticamente com os mediadores que selecionamos e com os quais trabalhamos. No caso destas exposições, o aumento da participação dos mediadores no processo de apropriação e transformação das propostas de mediação vem sendo percebido e analisado. A autonomia e a divisão das responsabilidades fazem com que haja um equilíbrio entre os mediadores, os supervisores, os educadores-formadores e a coordenação, todos focados numa postura provocativa e educativa tanto com o público quanto entre nós, do AEP. Breno Menezes, um de nossos mediadores, quando questionado sobre a autonomia em seu relatório final da exposição, escreveu: Nesse ponto acho que o trabalho em equipe cresceu muito. ( ) A meu ver, quando se instala um processo desses o melhor a fazer é pensar os problemas como problemas de responsabilidade do grupo todo, incluindo coordenação, supervisão e educadores. Nesse sentido achei muito bom que 730

11 o processo tenha atingido tal maturidade. Para mim ficou bem claro, por exemplo, que os pontos em que não estava correspondendo às expectativas não tinham nenhuma outra procedência que não fosse as minhas próprias limitações em relação às ações que tinha que tomar. Em uma das reuniões do turno 2 [verpertino/noturno, da qual ele fazia parte, grifo nosso] na exposição passada a nossa avaliação a respeito do nossa própria responsabilidade foi tomada como uma autocrítica que considerei muito positiva, em que nenhum tipo de mal- entendido entre integrantes ocorreu. Referências utilizadas: COUTINHO, Rejane Galvão ; ORTENBLAD, Alberto ; LIA, Camila ; COUTINHO, Christiane ; ONODERA, Edna ; ORLOSKI, Erick ; TREMONTE, Fábio ; NAKASHATO, Guilherme. Estratégia de mediação para a exposição Morte das Casas - Nuno Ramos. In: 13º Encontro Nacional da ANPAP, 2004, Brasília. Arte em Pesquisa: especificidades. Brasília: Editora da Pós-graduação em Arte da Universidade de Brasília, v. II. p COUTINHO, Rejane Galvão ; PRODUÇÕES, Equipe Do Arteducação. O processo de mediação na construção de conhecimentos em arte e educação: o caso da exposição Rembrandt e a arte da gravura. In: 12º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, 2003, Brasília. A Arte Pesquisa 2003, v. 1. Impressões Originais A Gravura desde o Século XV. Catálogo da exposição sob curadoria de Carlos Martins, Valéria Piccoli e Pieter Tjabbes. São Paulo: Art Unlimited, MARTIN, Judy, Enciclopedia de técnicas de impresión. Buenos Aires, Argentina: Editorial La Isla, Rembrandt e a Arte da Gravura. Catálogo da exposição sob curadoria de Pieter Tjabbes, Ed de Heer e Aernoud Hagen. São Paulo: Art Unlimited, Camila Serino Lia Licenciada em Artes Plásticas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (1995) com especialização em Estudos de Museus de Arte pelo MAC/USP. Atualmente é professora da Faculdade Montessori de Educação e Cultura e 731

12 produtora do Arteducação Produções, empresa especializada em concepção de projetos educativos e culturais. Guilherme Nakashato Licenciado em Artes Visuais pela Universidade Estadual Paulista UNESP (1998) e mestrando na área de Artes Visuais na mesma instituição. Atualmente é professor da Faculdade Montessori de Educação e Cultura e atua como pesquisador e produtor do Arteducação Produções, empresa especializada em concepção de projetos educativos e culturais. Rejane Galvão Coutinho Doutora em Artes pela ECA/USP, professora do Instituto de Artes da UNESP, onde atua na Graduação e na Pós-Graduação com formação de arte/educadores. Coordena o Arteducação Produções, equipe que desenvolve projetos de mediação cultural em São Paulo desde É representante da América Latina no World Council da International Society for Education through Art (InSEA). i Agentes-mediadores (ou mediadores, simplesmente) são os educadores que o AEP seleciona e forma para desenvolver as estratégias de mediação junto ao público e para atuar de forma construtiva na própria formação contínua, convergindo para uma autonomia responsável e coletiva. ii Metro, a Metrópole em Você, multi-evento de inauguração do Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo de 21 de abril a 24 de junho de Incluía a exposição Resgate, de Tunga. iii Morte da Casas Nuno Ramos foi realizada no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo de 21 de abril a 20 de junho de iv Manobras Radicais, com curadoria de Paulo Herkenhoff e Heloísa Buarque de Hollanda, foi realizada no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo de 08 de agosto a 15 de novembro de v Mais detalhes sobre a proposta, ver o texto Estratégia de mediação para a exposição Morte das Casas Nuno Ramos (COUTINHO et.al., 2004). vi Rembrandt e a Arte da Gravura foi uma exposição de gravuras do acervo da Casa Rembrandt, da Holanda, realizada no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo de 07 de setembro a 03 de novembro de vii Impressões Originais A Gravura desde o Século XV foi uma exposição de gravuras de vários acervos nacionais e internacionais realizada no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo de 31 de outubro de 2006 a 07 de janeiro de viii O processo de mediação na construção de conhecimentos em arte e educação: o caso da exposição Rembrandt e a arte da gravura, apresentada por Rejane G. Coutinho e equipe do Arteducação Produções no XII Encontro Nacional da ANPAP, na Universidade de Brasília, em ix Colagravura é uma técnica de gravura em relevo cujo princípio baseia-se na criação de uma matriz por meio da colagem de materiais variados sobre uma superfície e sua utilização num processo de impressão, gerando a estampa. Também é conhecida por gravura de técnicas adesivas. (cf. MARTIN, Judy, Enciclopedia de técnicas de impresión. Buenos Aires, Argentina: Editorial La Isla, 2001). 732

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas O Programa Educativo da Bienal é responsável pela relação direta da Bienal com o público. Sob curadoria de Stela Barbieri, o programa tem

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Educação a distância: desafios e descobertas

Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: Desafios e descobertas Conteudista: Equipe Multidisciplinar Campus Virtual Cruzeiro do Sul Você na EAD Educação a distância: desafios

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Antonio Henrique Amaral Ameaça, 1992, serigrafia Série: A Ameaça e as Árvores Foto: Fausto Fleury O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

ANEXO A Projeto básico para a Exposição

ANEXO A Projeto básico para a Exposição 95 1 IDENTIFICAÇÃO: ANEXO A Projeto básico para a Exposição 1.1 Título: Exposição FOTO-CINE CLUBE GAÚCHO MAIS DE 60 ANOS DE FOTOGRAFIA 1.2 Responsável: Margarete Ross Pereira Pacheco 1.3 Curadoria: Direção

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa G eoff Rees Be neat h t he re ef, 199 2, s er igr af i a Fot o: Fau st o Fleur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Kenn et h Kem b le El s of á d e mi a bue la, 1 99 2, s erigr af i a F ot o: Fau st o F leur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como?

Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como? Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como? Profª. Ms. Maria Cecília Nobrega de Almeida Augusto 26 e 27/10/2011 A aula de hoje: Situando a discussão sobre projetos interdisciplinares; O conceito

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

A INFÂNCIA DE REBRANDT: DIÁLOGO ENTRE OBRAS MÁRCIA CAMPOS DOS SANTOS 1

A INFÂNCIA DE REBRANDT: DIÁLOGO ENTRE OBRAS MÁRCIA CAMPOS DOS SANTOS 1 Revista Ceciliana. Maio de 2012. Número Especial: Patrimônio Cultural Memória e Preservação. - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana Relato de experiência

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Nelson Ram os Alert a, 199 2, s er igr af i a F ot o: Fau st o F leur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam se aproximar,

Leia mais

5. Considerações Finais

5. Considerações Finais 5. Considerações Finais No fim, realizada a viagem do mais complexo (ainda abstrato) ao mais simples e feito o retorno do mais simples ao mais complexo (já concreto) a expressão (...)passa a ter um conteúdo

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Um punhado de sementes mágicas. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO O episódio Um punhado de sementes mágicas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA

RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA Área Temática: Tecnologia e Produção Prof. Reginaldo da Nóbrega Tavares 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Prof. Reginaldo da Nóbrega Tavares

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU Elda Vieira Tramm/UFBa/EMFoco Jussara G. Araújo Cunha/SEC/Ba/EMFoco Nosso Desafio Construir o m do Mc Donald s

Leia mais

Supervisão em Terapia Comunitária para quê?

Supervisão em Terapia Comunitária para quê? 1 Trabalho apresentado no II Congresso Brasileiro de Terapia Comunitária Brasília 2004 Supervisão em Terapia Comunitária para quê? Autoras: Liliana Beccaro Marchetti Co-autora: Lia Fukui Instituição: TCendo.sp

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

Reciclagem. Projetos temáticos

Reciclagem. Projetos temáticos Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2011 Projetos temáticos 2 o ano Data: / / Nível: Escola: Nome: Reciclagem Justificativa Este projeto tem como foco promover

Leia mais

Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade Federal de Goiás

Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade Federal de Goiás O PIBID - A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS E AS ATIVIDADES DE ENSINO E PESQUISA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GOIÂNIA SEGUNDA FASE DO ENSINO BÁSICO Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB

RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB Sirleide Marinheiro da Silva (PIBID/UEPB) 1 Sirleide_22@hotmail.com

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG)

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG) DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Marisa Damas Vieira Comunicadora/ Produtora Cultural Rosani Moreira Leitão Antropóloga/ Coordenadora de Antropologia Museu Antropológico da Universidade

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Sistema Maxi no Ensino Fundamental I

Sistema Maxi no Ensino Fundamental I Sistema Maxi no Ensino Fundamental I Características do segmento Ensino Fundamental: Anos Iniciais compreende do 1º ao 5º ano a criança ingressa no 1º ano aos 6 anos de idade Fonte: shutterstock.com Material

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

O BRINCAR E SUAS IMPLICAÇÕES NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL DENTRO DO PROCESSO GRUPAL (2012) 1

O BRINCAR E SUAS IMPLICAÇÕES NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL DENTRO DO PROCESSO GRUPAL (2012) 1 O BRINCAR E SUAS IMPLICAÇÕES NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL DENTRO DO PROCESSO GRUPAL (2012) 1 FERREIRA, Marilise 2 ; GRASSI, Marilia G. 3 ; OLIVEIRA, Vânia F. 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH Documento final do "Seminário: O trabalho docente em educação física face às atuais políticas públicas na educação na RMBH: Repercussões nas instituições Formadoras" O presente documento tem por finalidade

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais