EMÍLIA NO PAÍS DA GRAMÁTICA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES LINGUÍSTICAS RESUMO: Palavras-chave: fonologia-linguística-literatura ABSTRACT:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMÍLIA NO PAÍS DA GRAMÁTICA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES LINGUÍSTICAS RESUMO: Palavras-chave: fonologia-linguística-literatura ABSTRACT:"

Transcrição

1 EMÍLIA NO PAÍS DA GRAMÁTICA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES LINGUÍSTICAS (Vera Pedreira dos Santos Pepe) 1 RESUMO: O presente artigo tem por objetivo apontar e analisar temas linguísticos presentes no livro Emília no País da Gramática, do autor brasileiro Monteiro Lobato. Utilizaram-se, para esse propósito, fragmentos de sete capítulos da obra, comentados à luz de estudos sobre fonética articulatória, fonética e fonologia do português, sociolinguística, entre outros. A análise permitiu a identificação de temas como classificação de fonemas vocálicos segundo critérios articulatórios; a estrutura da sílaba e a distribuição de vogais e consoantes nessa estrutura, ditongos, particularmente o ditongo ÃO, o acento no português e a classificação de palavras segundo a tonicidade silábica; fonologia e ortografia e variação linguística. Palavras-chave: fonologia-linguística-literatura ABSTRACT: This article intends to describe and also to analyze linguistic themes observed in a literary book. The study is based on Emília no País da Gramática, written by Monteiro Lobato, a brazilian writter. In order to do that, we selected seven chapters and some of their fragments, which are commented based on studies about Articulatory Phonetics, Portuguese Phonetics and Phonology, Sociolinguistics and others researches. At the end, some themes were identified as follows: vowels classification according to articulatory criteria; the syllable: consonants and vowel distribution; diphthongs, specially the diphthong ÃO; Portuguese words classification according to the stressed syllable; phonology and orthography; linguistic variation. Key words: Phonology-Linguistics-Literature Introdução A obra Emília no País da Gramática, escrita em 1934, apresenta a aventura vivida pelos personagens Emília, Pedrinho, Narizinho e Visconde de Sabugosa, quando visitam o País da Gramática guiados por um Rinoceronte apelidado de Quindim. Dos vinte e sete capítulos do livro, sete resgatam temas linguísticos, os quais serão aqui apresentados na seguinte ordem: Primeiro, classificação dos fonemas vocálicos orais e nasais com base na Fonética Articulatória. Segundo, conceituação de sílaba e descrição de como 1 Vera Pedreira dos Santos Pepe Departamento de Letras e Artes da Universidade Estadual de Feira de Santana.

2 consoantes e vogais distribuem-se na sua estrutura. Terceiro, ditongos orais e nasais, sobretudo o ditongo ÃO. Quarto, o acento no português e a classificação de palavras segundo a tonicidade silábica. Quinto, fonologia e ortografia, sobretudo no que diz respeito às relações entre letras e sons e à ortografia da língua portuguesa nos períodos etimológico e fonético. Sexto, a variação linguística, principalmente a variação diastrática e diatópica. Algumas considerações finais sobre esses tópicos e sobre o diálogo estabelecido entre eles e o texto literário integram a última parte desse artigo. Esse estudo justifica-se por evidenciar a possibilidade de diálogo entre linguística e literatura, frequentemente não percebida por muitos alunos; por suscitar uma reflexão linguísticoliterária acerca da obra em questão e, principalmente, por servir de instrumento de trabalho para o professor em sala de aula, sobretudo para o professor de Letras. 1. A classificação de fonemas vocálicos A Fonética Articulatória (LADEFOGED, 1982), ciência cujo objeto de estudo são os sons produzidos e articulados pelo aparelho fonador humano, classifica como fones vocálicos aqueles sons em cuja produção não há obstáculos à passagem do ar na cavidade oral. Os sons vocálicos também podem ser orais ou nasais dependendo da posição do véu palatino. Quando levantado, ou seja, em contato com a parede posterior da faringe, o véu palatino permite a passagem do ar, exclusivamente, para a cavidade oral, o que resulta na produção de sons orais. Quando rebaixado, porém, o véu palatino permite não somente a passagem do ar para a cavidade oral, como também para a cavidade nasal, trazendo, como resultado, a produção de um som nasal. Quanto à participação das cordas vocais, as vogais classificam-se, sempre, como sonoras, em virtude de serem produzidas com vibração das pregas vocais. Em Emíla no País da Gramática, esses aspectos mencionados podem ser observados no trecho a seguir: Os meninos fizeram todas as combinações necessárias e, no dia marcado, partiram muito cedo, a cavalo no rinoceronte, o qual trotava o trote mais duro que a sua casca. Trotou, trotou e, depois de muito trotar, deu com eles numa região onde o ar chiava de modo estranho.

3 - Que zumbido será esse?-indagou a menina- Parece que andam voando por aqui milhões de vespas invisíveis. - É que já estamos em terras do País da Gramática- explicou o rinoceronte. - Estes zumbidos são os sons Orais que voam soltos no espaço. - Não comece a falar difícil que nós ficamos na mesma- observou Emília- sons orais, que pedantismo é esse? - Som oral quer dizer som produzido pela boca. A, E, I, O U são Sons Orais, como dizem os senhores gramáticos (LOBATO, 1978, p.8). Analisando o fragmento, nota-se que a palavra zumbido remete perfeitamente à idéia de sonoridade, ou seja, remete à informação de que a articulação de sons vocálicos envolve vibração das cordas vocais. A ausência de obstáculos à passagem do ar na cavidade oral durante a produção de sons vocálicos também aparece documentada. Em Sons orais que voam soltos no espaço, o termo soltos indica liberdade, ausência de empecilho; e espaço representa a cavidade oral. Além disso, o termo boca caracteriza os chamados sons orais, em cuja produção o ar escapa pela cavidade bucal, em virtude de o véu palatino encontrar-se levantado. 2. A distribuição de vogais e consoantes na estrutura da sílaba Em termos de mecânica da fala, Silva (1998), apresenta a seguinte definição de sílaba: os movimentos de contração e relaxamento dos músculos respiratórios expelem sucessivamente pequenos jatos de ar. Cada contração e cada jato de ar expelido dos pulmões constitui a base de uma sílaba (op.cit, p. 76). Mc Neilage e Davis (1993), além de explicarem a sílaba em termos de mecânica da fala, o fazem em termos filogenéticos. Segundo eles, existe uma estrutura silábica básica, constituída de uma consoante (C) e de uma vogal (V), desenvolvida, historicamente, pelo homem primitivo ao executar ações como como lamber, sugar e mastigar. Estes gestos articulatórios envolviam uma alternância rítmica da mandíbula, caracterizada por uma oclusão (no caso da consoante) seguida de uma abertura (no caso da vogal). Posteriormente, esse ciclo mandibular evolui para a linguagem articulada.

4 Qualquer que seja o ponto de vista adotado, há unanimidade acerca da estruturação básica da sílaba: ela consiste num movimento muscular, iniciado por uma tensão que vai aumentando progressivamente até atingir um nível máximo para, finalmente, sofrer uma redução gradativa. No início da tensão e na sua finalização, ou seja, nas margens da sílaba, distribuem-se as consoantes; no momento máximo de tensão, i.e., no centro silábico, figuram as vogais. Assim, consideram-se consoantes os sons menos soantes; e vogais, os elementos mais sonoros. A discussão sobre o núcleo da sílaba ser ocupado por vogais e as margens por consoantes aparece claramente documentada do fragmento abaixo: (O Rinoceronte) - Reparem que entre as letras há cinco que governam todas as outras. São as senhoras vogais-cinco madamas emproadas e orgulhosíssimas, porque palavra nenhuma pode formar-se sem a presença delas. As demais letras ajudam; por si mesmas nada valem. Essas ajudantes são as consoantes e como a palavra está dizendo, só soam com uma vogal adiante ou atrás (ibid., p. 8). Evidentemente as cinco letras mencionadas nessa passagem são as vogais, que por serem o centro da sílaba, governam todas as outras (as consoantes). A posição de núcleo silábico é reiterada quando o Rinoceronte salienta que nenhuma (palavra) pode formar-se sem a presença delas (as vogais). Resumindo, sem vogal, não há sílaba e, sem esta, não há palavra. A representação das consoantes como elementos situados à margem da sílaba e dependentes da vogal aparece explicitada no trecho em que o Rinoceronte as qualifica como ajudantes 3. Ditongos A unidade sílaba também introduz um outro tema importante, qual seja, o tema ditongos, em especial, o ditongo ÃO. Segundo Mattos e Silva (1991), já no século XVI esse ditongo caracterizava o dialeto padrão de Portugal.

5 Em Emília no País da Gramática, o prestígio do ÃO aparece documentado na passagem em que o referido ditongo é raptado, subitamente, pelo Visconde de Sabugosa. Nela também apresentam-se o conceito de ditongos e a distinção entre ditongos orais e ditongos nasais: Tornava-se preciso descobrir o Visconde. A sua misteriosa sumição [...] vinha preocupando a todos [...]. O vigia [...] contara que o tinha visto por lá com um Ditongo debaixo do capote, a espernear [...]. - Um ditongo!... Raptou um ditongo! [...] Mas para que, santo Deus? Com que fim? O remédio era um só- irem ao bairro das sílabas, que é onde moram os Ditongos. (O Quindim)- É aqui mesmo- disse ele, vendo as ruas cheias de sílabas num ir e vir constantes. Mas onde será a rua dos ditongos? - É aqui- disse ele ao penetrar na rua onde só existiam sílabas formadas de duas vogais- Os ditongos são estes. - Quê!- exclamou Narizinho [...]- Ditongo, uma palavra tão gorda quer dizer só isso- sílaba de duas vogais? Pensei que fosse coisa mais importante [...](ibid., p. 54) Vale salientar que a conceituação de ditongo como sílabas formadas de duas vogais, ao tomar como referência as letras (duas vogais), e não os fonemas vogal e semivogal, resgata uma definição da gramática tradicional. O próximo trecho ilustra a distinção entre ditongos orais e nasais; sendo finalizado com o prestígio do ditongo ÃO. Havia por ali duas espécies de ditongos- os Orais, que só se pronunciam com a boca, e os Nasais, em que o som também sai pelo nariz [...] Mas Quindim estranhou não ver entre eles o mais importante de todos- o ÃO. Os meninos notaram uma certa agitação entre os ditongos [...]. Emília entrou em cena. Agarrou um dos ditongos nasais e posou-o na palminha da mão [...]: - Diga-me ditonguinho, que foi que houve por aqui? Noto uma certa agitação entre vocês [...]. - De fato estamos agitados- Um dos meus manos, o ÃO, que era justamente o mais importante da família, desapareceu misteriosamente [...] (ibid., p. 54). 4. O acento

6 Conforme apontam Callou e Leite (1993), para os falantes do português, é bem conhecido o acento de intensidade, que tem um papel distintivo em palavras como sábia, sabia e sabiá. (op.cit. p. 31). A cada alteração de tonicidade corresponde uma alteração semântica, ou seja, uma mudança de significado, sendo esta a razão do acento exercer um papel distintivo na língua. Classificam-se como oxítonas aquelas palavras cujo acento recai na última sílaba; como paroxítonas aquelas em que a tonicidade manifesta-se na penúltima sílaba, e proparoxítonas, aquelas produzidas com acento na antepenúltima sílaba. As formas BEIJAR, CABEÇA e ÁRVORE exemplificam palavras oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas, respectivamente. Na língua portuguesa, o padrão acentual mais produtivo é o paroxítono. Na segunda posição, figuram as oxítonas; e, em último lugar, as proparoxítonas que, além de sempre serem acentuadas graficamente, ocorrem em número bastante reduzido. Em Emíla no País da Gramática, o personagem Rinoceronte conceitua sílaba acentuada (ou tônica), mediante o uso da expressão sílaba mais emproada: (Rinoceronte)- Reparem que em cada palavra há uma sílaba mais emproada e importante que as outras pelo fato de ser a depositária do acento Tônico. Essa sílaba chama-se a Tônica [...] (ibid., p. 10). Em seguida, além de apresentar a classificação das palavras segundo a sua tonicidade, faz uma crítica bem humorada à nomenclatura adotada nessa classificação, utilizando, para tanto, a expressão nomenclaturas rebarbativas, conforme atesta o fragmento a seguir: (Rinoceronte) - Mas os senhores gramáticos são uns sujeitos amigos de nomenclaturas rebarbativas, dessas que deixam as crianças velhas antes do tempo. Por isso dividem as palavras em Oxítonas, Paroxítonas e Proparoxítonas, conforme trazem o acento tônico na última sílaba, na penúltima ou na antepenúltima. (ibid., p.10). A personagem Emília ratifica a fala do Rinoceronte:

7 (Emília) - Nossa Senhora! Que luxo asiático! exclamou Emília. - Bastava dizer que o tal acento cai na última, na penúltima ou na antepenúltima. Dava na mesma e não enchia a cabeça da gente de tantos nomes feios. Proparoxítona! Só mesmo dando com um gato morto em cima até o rinoceronte miar [...] (ibid., p. 10). A discussão acerca das poucas ocorrências de palavras proparoxítonas na língua portuguesa também aparece documentada. Essa categoria recebe o adjetivo de esdrúxulas, conforme ilustrado no trecho a seguir: - E há mais ainda-disse Quindim. - As pobres palavras que têm a desgraça de ter o acento na antepenúltima sílaba, quando não são xingadas de Pro-pa-ro-xí-to-nas são xingadas de esdrúxulas. - Es-drú-xu-las! Repetiu Emília. - Eu pensei que Esdrúxulas quisesse dizer esquisito. - E pensou certo- confirmou o rinoceronte.- Como na língua portuguesa as palavras com acento na antepenúltima não são muitas, elas formam uma esquisitice, e por isso são chamadas de esdrúxulas (ibid., p. 10). 5. Fonologia e Ortografia Miriam Lemle (1998) aponta quatro tipos de relação entre letras e sons: a) relação biunívoca b) relação de uma letra representando diferentes sons segundo a posição; c) relação de um som representado por diferentes letras segundo a posição; e c) relação de concorrência. A relação biunívoca é aquela em que um som corresponde a uma letra e vice-versa, independentemente da posição. A letra P, por exemplo, estabelece esse tipo de relação com o fone [p], a exemplo de PATO e APITO em que, seja no início da palavra, seja internamente a ela, o P sempre corresponde ao som [p]. A relação de uma letra representando diferentes sons segundo a posição caracteriza-se como aquela em que uma mesma letra pode ter diferentes manifestações fonéticas a depender da posição ocupada na palavra. A letra S em SAPO, corresponde ao fone [s]; já em posição intervocálica, é pronunciada como [z], como em CASA.

8 A relação de um som representado por diferentes letras segundo a posição é o inverso da anterior. Aqui, um mesmo som pode ser representado na escrita por diferentes grafemas, como ocorre, por exemplo, com o fone [u], no dialeto do Rio de Janeiro, onde a letra U de LUA e a letra O de AMIGO são produzidas da mesma maneira: [u]. Finalmente, a relação de concorrência define-se como aquela em que uma mesma letra pode representar fones idênticos em contextos idênticos, não havendo qualquer princípio fônico que possa guiar quem escreve (LEMLE, 1998, p. 23). As palavras MESA, CERTEZA e EXEMPLO representam esse último tipo de relação, em virtude de S, Z e X ocuparem a mesma posição na palavra e corresponderem ao mesmo som: [z]. Em Emília no País da Gramática identificam-se trechos onde são abordadas as relações entre letras e sons e, por conseguinte, as relações entre fonologia e ortografia. Os fragmentos destacados a seguir demonstram que: Letras são diferentes de sons; - A, E, I, O, U, são sons Orais [...]. - Pois diga logo que são letras!- gritou Emília. - Mas não são letras!- protestou o rinoceronte. - Quando você diz A ou O, você está produzindo um som, não está escrevendo uma letra? (ibid., p.8). Letras são sinais adotados na escrita para simbolizar os diferentes sons: -Letras são sinaizinhos que os homens usam para representar esses sons.? (ibid., p.8). Os sons antecedem as letras: Primeiro há os sons Orais; depois é que aparecem as letras. Entendeu? (ibid., p.8). Além disso, observa-se que algumas relações apontadas por Miriam Lemle já estavam, de certo modo, documentadas na obra de Lobato. Mediante a utilização da alegoria de uma dama

9 de origem grega para simbolizar a ortografia, o autor explora a letra H tanto para registrar o que Lemle denomina de relações dependentes do contexto fônico, quanto as relações de concorrência: [...] No bairro da ortografia os meninos encontraram uma dama de origem grega que tomava conta de tudo [...]. - Desçam e venham ver como lido com as letras, na formação escrita das palavras (ibid., p. 55). - Entre as letras- continuou a Senhora Ortografia- uma das mais curiosas é o H. O diabinho por si só não tem som nenhum, mas ligado a outras letras produz sons especiais. No começo de uma palavra é o mesmo que não existir. Em homem, hoje ou haver, por exemplo, tanto faz existir o H como não existir [...]. Mas quando o H se liga ao C, ele chia que nem pingo d água em chapa de fogão, como em Machado, Achar [...] (ibid., p. 57). A história da ortografia da língua portuguesa nos períodos etimológico (ortografia baseada na origem das palavras) e fonético (ortografia que se baseia na pronúncia das palavras) também é resgatada no livro, conforme elucidado abaixo: - Antigamente o sistema de escrever era o sistema etimológico [...] Isso trazia muitas complicações e dificuldades. [...] Em consequência disso, ergueu-se um movimento para mudarpara acabar com a ortografia etimológica, e pôs em lugar dela outra mais fonética [...] Esse movimento venceu, afinal, e acabou sendo sancionado por um decreto do governo, depois de muito estudado pela academia Brasileira de Letras [...] Eu gostei da mudança, [...] mas a velha Ortografia Etimológica está furiosíssima. [...]. (ibid., p. 56) - A ortografia Etimológica entrincheirou-se lá, furiosa da vida, e não admite que ninguém toque na vestimenta de suas palavras [...] Não admite mudanças [...]. (ibid., p. 57) Mais adiante, a passagem também faz referência aos gramáticos, filólogos e lexicógrafos (Cf. Mattos, 1988), rotulados de velhotes, carranças, frequentadores assíduos da casa da velha (ortografia etimológica) e, portanto, resistentes a mudanças:

10 Emília entrou e deu de cara com uma velha de nariz de papagaio e ar rabugentíssimo, que tomava rapé em companhia de um bando de velhotes mais rabugentos ainda, chamados os Carrancas (ibid., p. 57). - Os velhos carranças é natural que estejam do seu lado, porque já aprenderam pelo sistema antigo e têm preguiça de mudar; mas as crianças estão aprendendo agora e não há razão para que aprendam pelo sistema velho, muito mais difícil. Eu falo aqui em nome da criançada. Queremos a ortografia nova porque ela nos facilita a vida [...] (ibid., p. 58). Adepto à Ortografia Simplificada, Lobato (Cf. Mattos, 1988) resgata a reforma ortográfica em um dos capítulos do livro onde a boneca Emília lidera uma espécie de movimento num local denominado Reduto Etimológico. A seguir, algumas simplificações adotadas pela reforma ortográfica e seus respectivos exemplos registrados em Emília no País da Gramática. Note-se a constante referência ao conservadorismo da velha (ortografia etimológica) e ao confronto entre ela e a proposta de mudança (reforma ortográfica). Sc C e Pt T: Sceptro Cetro Emília chamou outra palavra. Veio a palavra Sceptro. - Como é a pronúncia de seu nome? - Cetro - Então por que traz esse S e este P inúteis? - Ordens da velha Emília arrancou as duas letras inúteis e mandou Cetro passear. Th T: Thesouro Tesouro Depois chamou outra palavra. Veio Thesouro - Para que esse H aí dentro? - Isto é um enfeite etimológico que a velha exige.

11 - Fora com ele! Acabou-se os tempos dos enfeites etimológicos. A velha não manda mais. Em A velha não manda mais subjaz a ideia de que a ortografia etimológica vai perdendo sua autoridade, seu poder. Ch Q: Machina Máquina Emília chamou outra. Veio Machina. - Como é o seu nome, Máquina ou Machina? - Máquina. Este CH tem o som de Q. - Então por que não troca duma vez por um Q? - A velha não deixa. Diz que eu sou uma palavra de origem grega, e que no grego o CH equivale a Q. É a Etimologia [...]. - Sebo para a Etimologia. Bote fora esse CH e passe a usar um Q [...] Chispa! K C: Kágado Cágado Emília chamou outra. Veio Kágado. - Esse K que você usa tem o mesmo som de CA? - Tem sim [...]. - Pois então bote fora o K e vista o CA. Desde que o tal K tem o mesmo som de CA, ele é demais na língua e deve ser expulso do Alfabeto [...]. Suma-se! - O velho cágado lá se foi [...]. - Não fica muito bonito-ao vê-lo afastar-se mas simplifica. Estamos na era da Simplificação. Y I: Pery Peri - Emília chamou outra. Veio Pery. - Que Y é esse que você usa em vez do I comum? - Todas as palavras de origem tupi como eu, sempre foram escritas assim [...]. -Mas os índios tinham linguagem escrita?

12 - Não. Só tinham a falada. - Nesse caso não há razão nenhuma para vocês andarem a fingir-se de gregas usando esse Y. Ph F: Phosphoro Fósforo e Ph zero e Th T: Phthisica Tísica Emília chamou outra. Veio a palavra Phosphoro e com ela a palavra Phthisica. - Como se lê o seu nome? Perguntou [...] a Phosphoro. - Lê-se Fósforo. O meu PH sôa como F. - Então não seja idiota. Use o F que até acenderá melhor, e não complicará a vida das crianças. Avise os seus colegas que o PH morreu para sempre. Roda [...]. - E a senhora?- disse depois dirigindo-se a Phthisica. Sabe que está tuberculosa de tanto carregar letras inúteis? Liberte-se dos parasitos do corpo que garanto a sua cura. Suma-se! E I: Egreja Igreja Emília chamou outra. Veio Egreja. - Saiba que foi resolvido que de agora em diante todas as palavras que uns escreviam com E e outros com I serão escritas unicamente com I. - E por que decidiram conservar o I em vez de um E? - Não sei e nem quero saber. - resolveram assim e acabou-se. Tiraram a sorte, com certeza- ou então o I soube apadrinhar-se melhor. Vá embora! [...]. Ç S: Cançar Cansar Emília chamou outra. Veio a palavra Cançar. - Uns escrevem você com S e outros com Ç. Ora isso constitui-se uma trapalhada e portanto foi decidido que todas as palavras nessas condições passem a ser escritas só com S. Roda! [...] AN Ã: Maçan Maçã

13 Emília chamou outra. Veio a palavra Maçan. - Tire o AN. Ponha o à e vá avisar a todas da mesma família. [...] As razões etimológicas acabaram. Estamos em tempo de fonéticas [...]. Após a exposição dessas mudanças, Lobato exemplarmente representa o inconformismo da velha em relação ao acontecido. Note-se como faniquito, berrou, arrancou os cabelos e apelou para os Carranças intensificam esse estado de insatisfação e como o verbo endireitar representa uma última tentativa da velha de tudo voltar a ser como antes: Logo depois a velha veio passar em revista as palavras [...]. Assim que avistou Cetro sem o S e o P etimológicos, e Máquina sem o CH teve um faniquito. Depois berrou, arrancou os cabelos e apelou para os Carranças [...]. - Acudam! Os carranças acudiram [...]. - Venham ajudar-me e endireitar as palavras que a pestinha da boneca estragou [...]. O confronto entre o novo (mudanças ortográficas) e o velho (conservadorismo ortográfico) é finalizado com a realização da reforma ortográfica brasileira, como atesta a passagem a seguir: Emília chamou o Quindim e disse-lhe: - Vamos Quindim! Avance e espalhe aqueles peludos complicadores da língua. Chifre neles! O rinoceronte não esperou segunda ordem. Avançou [...]. Os carranças sumiram-se como baratas tontas, e a velha Ortografia Etimológica, juntando as saias, trepou que nem macaco, por uma árvore acima. Emília ria-se [...]. - Você, sua diaba, viveu muito tempo a complicar a vida das crianças sem que nada lhe acontecesse. Mas agora tudo mudou. Agora estou eu aqui- e o Quindim ao meu lado! Quero ver quem pode com esse binômio gramatical. Depois da tremenda revolução ortográfica de Emília, o Brasil ficou envergonhado de estar mais atrasado do que uma boneca e resolveu aceitar as sua ideias. E o governo e as Academias de Letras realizaram a reforma ortográfica [...] (ibid., p ).

14 6. Variação linguística Segundo Aryon Dall Igna Rodrigues, Não há língua que seja, em toda sua amplitude, um sistema uno, invariado, rígido [...] Na realidade, toda língua, quer sirva a uma grande nação consideravelmente extensa e muito diferenciada cultural e socialmente, quer pertença a uma pequena comunidade isolada de apenas poucas dezenas de indivíduos é um complexo de variedades, um conglomerado de variantes (RODRIGUES, 2002, p. 11) Essa afirmação mostra a natureza multifacetada da língua, qualquer que seja ela. Estudos sociolinguísticos demonstram que, ao entrar em contato com uma língua, o falante adquire não somente um sistema de contrastes em diversos níveis (fonológico, morfológico, sintático, entre outros), mas também os hábitos linguísticos consagrados por sua comunidade. Esses hábitos, conhecidos como norma linguística, podem variar segundo diferentes fatores: classe social e grau de escolaridade do falante (variantes diastráticas), fatores geográficos (variantes diatópicas), idade, sexo, entre outros. Os dois primeiros serão aqui abordados em função de estarem contemplados em Emília no País da Gramática, conforme será visto mais adiante. 6.1 Variação diastrática Em termos diastráticos, no português do Brasil, registram-se duas normas: a culta e a popular. A norma culta, de prestígio social, é comumente empregada por indivíduos escolarizados e pertencentes a classes sociais igualmente valorizadas no seu meio. Por essa razão, essa norma é tida por esses usuários como certa. A norma popular, inversamente, não desfruta do mesmo prestígio, em virtude de ser utilizada por falantes com pouca ou nenhuma escolaridade, pertencentes a classes sociais mais baixas. Em função desse fato, aqueles usuários da norma de prestígio consideram a norma popular como errada. Do ponto de vista sociolinguístico, portanto, formas tidas como erradas, na verdade, são formas usadas por indivíduos de classes sociais mais baixas e que, por questões subjetivas são estigmatizadas pelos usuários da variante culta. Cagliari comenta:

15 A Sociolinguística vai mostrar os problemas da variação linguística e da norma culta. Se linguisticamente não existe o certo e o errado, mas o diferente, socialmente as coisas não caminham desse modo. A sociedade se apega a fatos linguísticos, que por si são neutros, a fim de usá-los como argumentos para seus preconceitos [...]. O preconceito é social, mas sua manifestação se dá através de atitudes das pessoas diante de fatos linguísticos [...] (CAGLIARI, 1995 p. 48). Retomando Emília no País da Gramática, observa-se que o livro resgata o tema variação diastrática quando, em um de seus fragmentos, é mencionado o fato de os ignorantes da roça (leia-se: os usuários da variante popular), dizerem Espeio em vez de Espelho. A essa fala, subjaz o fato linguístico de que, enquanto os mais escolarizados utilizam a lateral palatal [ʎ] em Espelho, os menos escolarizados (ignorantes), sobretudo provenientes da zona rural (da roça) utilizam a semivogal [y] em Espeio. Note-se que o da roça elucida não apenas a variante diastrática, mas também a variante diatópica, em virtude de simbolizar o falar da zona rural, conforme mencionado anteriormente. A seguir, o trecho onde esse tema aparece contemplado: (Narizinho) - E os ignorantes da roça [...] a gente da roça diz Espeio [...]. O julgamento de certo e errado é relativo, pois a história da língua evidencia que formas julgadas como certas hoje, nem sempre foram vistas como corretas no passado. Em geral, quando uma forma estigmatizada, utilizada por incultos (i.e. usuários da norma popular) passa a ser também empregada por usuários da norma de prestígio, ela deixa de ser repelida. O fragmento a seguir ilustra esse fato: - Mas então o povo, isto é, os ignorantes ou incultos influi assim na língua? Disse Pedrinho. (Etimologia)- Os incultos influíram e ainda influem muito na língua- respondeu a velha Os incultos formam a grande maioria e as mudanças que a maioria faz na língua acabam ficando. As pessoas cultas aprendem com os professores e, como aprendem, repetem certo as palavras. Mas os incultos aprendem mais ou menos, de modo que só não repetem os erros aprendidos, como perpetram erros novos, que por sua vez passam a ser repetidos adiante. Por fim, há tanta gente a cometer o mesmo erro que o erro vira uso e, portanto, deixa de ser erro. O que hoje chamamos certo, já foi erro em outros tempos [...] a palavra latina Speculum [...] emigrou

16 para Portugal com os soldados romanos, e foi sendo gradativamente errada até ficar [...] Espelho [...] Essa forma Espeio é hoje repelida com horror pelos cultos modernos como a forma Espelho devia ter sido repelida pelos cultos de dantes [...] (ibid., p. 35). 6.2 Variação diatópica Conquanto a variação diatópica tenha sido antecipada na passagem anterior, quando Narizinho faz alusão ao falar da zona rural (ignorante da roça), ela é retomada em outros fragmentos. Neles, contudo, colocam-se em discussão as diferenças entre o português brasileiro e o europeu. O português do Brasil e o português de Portugal apresentam diferenças em vários níveis de estruturação lingüística. No nível lexical, por exemplo, as formas sala-de-banho e auto-carro, correspondem, respectivamente a banheiro e ônibus no português brasileiro. No nível morfossintático, enquanto no português do Brasil, formas de gerúndio como correndo, falando são construídas mediante o acréscimo do ndo ao radical do verbo, no português de Portugal, essa construção se faz mediante o uso do infinitivo do verbo estar antecedido da preposição a, conforme atestam exemplos do tipo Estar a correr e Estar a falar. Particularmente no que diz respeito ao nível fonológico, a obra Emília no País da Gramática documenta algumas alternâncias fônicas que marcam diferenças entre o português brasileiro e o europeu. Eis algumas delas: [ey] ~[ɐy] (A Etimologia) - Também no modo e pronunciar as palavras existem muitas variações. Aqui todos dizem Peito ; lá, todos dizem Paito, embora escrevam a palavra da mesma maneira. [ẽ]~[ɐ] Aqui se diz Tenho e lá se diz Tanho [...]. [v]~[b]

17 - Também eles dizem por lá Vacalhau, Baca e Besouro"- lembrou Pedrinho - Sim, povo de lá troca muito o B pelo V e vice-versa [...] (ibid., p. 42). Além das diferenças segmentais, o português brasileiro e o europeu exibem diferenças fonotáticas, ou seja, estruturais. Desse modo, uma palavra dissílaba no português brasileiro realiza-se como monossílaba no português de Portugal, em função de uma elisão vocálica da sílaba constituída de consoante e vogal (CV). Observe-se o exemplo a seguir: - Aqui se diz Verão; lá se diz V rão [...] (ibid., p. 42). Note-se que, enquanto o dissílabo Verão, constituído fonologicamente de CV (consoantevogal) e CVS (consoante-vogal-semivogal), manifesta-se efetivamente como tal no português brasileiro, no português europeu, ele sofre uma redução, passando ao monossílabo V rão constituído de CCVS (consoante-consoante-vogal-semivogal). A despeito da diminuição na extensão da palavra, que passou de dissílabo para monossílabo, houve um aumento na sua complexidade silábica. 7. Considerações finais Neste artigo buscou-se evidenciar temas linguísticos no livro Emília no País da Gramática. A análise aqui empreendida demonstrou que, de fato, o livro de Lobato exibe uma riqueza de assuntos dessa natureza, uma vez que, na obra, identificaram-se assuntos relacionados à fonética e à fonologia do português, tanto no que diz respeito aos aspectos segmentais (fonemas) e estruturais (sílaba), quanto no que se refere aos aspectos suprassegmentais (acento). Além disso, ao retomar o tema a variante culta e a variante popular, colocou-se em pauta a discussão sobre a noção de erro do ponto de vista sociolinguístico. A diversidade linguística em termos geográficos também foi contemplada na obra, sobretudo a variação entre o português brasileiro e o europeu, nos níveis fonético-fonológico.

18 As relações entre ortografia e fonologia, constatadas em diversos momentos da aventura vivida pelos personagens, puderam ser observadas no que concerne aos seguintes aspectos: à função das letras em relação aos sons, aos diferentes tipos de relação grafofonêmicas (relações biunívocas, relações de dependência de um contexto fônico e relações de concorrência); e ao confronto entre a ortografia etimológica e a ortografia baseada em critérios fonéticos. Todas essas constatações permitem dizer que pelas mãos de Monteiro Lobato, Emília no País da Gramática oportuniza um amplo diálogo entre língua e literatura. Em outras palavras, além do seu inegável valor lúdico, a obra representa um incentivo à reflexão linguística. Referências bibliográficas CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. São Paulo: Scipione, CALLOU, D. e LEITE, Y. Iniciação à fonética e à fonologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, CARVALHO, Manuel Mendes de. História da ortografia em Portugal e no Brasil. In: CRYSTAL, David. Dicionário de linguística e fonética. Rio de Janeiro: Zahar, LADEFOGED, Peter. A course in Phonetics. Orlando: Harcourt Brace, LEMLE, Miriam. Guia teórico do alfabetizador. São Paulo: Ática, LOBATO, Monteiro. Emília no país da gramática. 10. ed. São Paulo: Brasiliense, MATTOS, Maria Augusta Bastos de. A gramática de Emília. Mesa-redonda apresentada no XXXV Seminário do Grupo de Estudos Lingüísticos do Estado de São Paulo. Taubaté, 1988.

19 MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. O português arcaico: fonologia. S. Paulo: Contexto, MATTOSO CÂMARA JR., J. História e estrutura da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Padrão, Mc NEILAGE & DAVIS, B.L. Motor explanations of babbling and early speech patterns. In: BOYSSON-BARDIES, B. SCHONEN, S. de, JUSCZYK, P., & MORTON, J. (Ed.). Changes in speech and face processing in infancy: a glimpse at developmental mechanism of cognition. Dordrecht: Kluwer, RODRIGUES, Aryon Dall Igna. Problemas relativos à descrição do português contemporâneo como língua padrão no Brasil. In: 2 BAGNO, Marcos (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, SILVA, Thais Cristófaro. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 4. ed. S. Paulo: Contexto, TEYSSIER, Paul. História da língua portuguesa. S. Paulo: Martins Fontes, 1977.

TEXTO. Visual texto em que a comunicação se dá apenas por meio de imagens. Verbal - texto em que a comunicação se dá por meio de palavras escritas.

TEXTO. Visual texto em que a comunicação se dá apenas por meio de imagens. Verbal - texto em que a comunicação se dá por meio de palavras escritas. Língua Portuguesa 1º trimestre Temas para estudo Em nossas primeiras aulas, vimos que, conforme sua configuração/diagramação, um TEXTO pode ser classificado como: Visual texto em que a comunicação se dá

Leia mais

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA Humberto Pires Junior 1 Milene Peixer Loio 2 Introdução A presente pesquisa 3 busca relacionar habilidades

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Plano de aula? Meu caro barão (sílabas tônicas e suas classificações)

Plano de aula? Meu caro barão (sílabas tônicas e suas classificações) Plano de aula? Meu caro barão (sílabas tônicas e suas classificações) O que o aluno poderá aprender com esta aula Reconhecer que as palavras proparoxítonas são bem raras comparadas às paroxítonas; identificar

Leia mais

Lição 3. O Chicote. Coleção ABCD - Lição 3. Uma Atividade Para Cada Dia: 365 Dias do Ano. São Paulo: Vergara Brasil, 2004. p. 86.

Lição 3. O Chicote. Coleção ABCD - Lição 3. Uma Atividade Para Cada Dia: 365 Dias do Ano. São Paulo: Vergara Brasil, 2004. p. 86. Coleção ABCD - Lição 3 Lição 3 O Chicote Para que idade? A partir dos 8 anos. Quantos podem brincar? Desde 5 jogadores. De que precisamos? De nada. Como é que se joga? Tira-se a sorte para ver quem será

Leia mais

A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação

A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação Rita Monteiro Universidade Católica Portuguesa Abril 2014 Fontes / Referências Roldão (2013, 2008, 2007, 2004) Alarcão (1998) Shulman (2005,

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Aula 6 Tema: Tecnologia: corpo, movimento e linguagem na era da informação. LÍNGUA PORTUGUESA FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 6 Tema: Tecnologia: corpo, movimento e linguagem na era da informação. LÍNGUA PORTUGUESA FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 6 Tema: Tecnologia: corpo, movimento e linguagem na era da informação. 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Letras Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Estruturas fonológicas da língua portuguesa Objetivo Entrar em contato com as características da análise fonológica. Conhecer os fonemas consonantais e vocálicos

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO CURE SEU IMPROVISO - MODOS GREGOS. Primeiramente, muito obrigado por apoiar meu trabalho e depois do grande sucesso

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Aula 05 - Compromissos

Aula 05 - Compromissos Aula 05 - Compromissos Objetivos Agendar compromissos, utilizando verbos no infinitivo ou a estrutura (ir) + ter que + verbos no infinitivo; conversar ao telefone, reconhecendo e empregando expressões

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE De inicio nos reunimos com alguns monitores do Programa Mais Educação para realizarmos a

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS UNIVERSIDADE: Universidade Federal de Minas Gerais NÚCLEO DISCIPLINAR/COMITÊ ACADÊMICO: Lingüística, Letras e Artes TÍTULO DO TRABALHO: APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Tyll, o mestre das artes

Tyll, o mestre das artes Nome: Ensino: F undamental 5 o ano urma: T ata: D 10/8/09 Língua Por ortuguesa Tyll, o mestre das artes Tyll era um herói malandro que viajava pela antiga Alemanha inventando golpes para ganhar dinheiro

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro!

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro! Capítulo 3 N o meio do caminho tinha uma casa. A casa da Laila, uma menina danada de esperta. Se bem que, de vez em quando, Fredo e Dinho achavam que ela era bastante metida. Essas coisas que acontecem

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

A ortografia no tempo

A ortografia no tempo A ortografia no tempo Todas as línguas mudam com o passar do tempo, embora geralmente não nos demos conta disso. Essa dificuldade em perceber as mudanças se deve ao fato de elas ocorrem muito lentamente,

Leia mais

Bem, produto interno serve para determinar ângulos e distâncias entre vetores e é representado por produto interno de v com w).

Bem, produto interno serve para determinar ângulos e distâncias entre vetores e é representado por produto interno de v com w). Produto Interno INTRODUÇÃO Galera, vamos aprender agora as definições e as aplicações de Produto Interno. Essa matéria não é difícil, mas para ter segurança nela é necessário que o aluno tenha certa bagagem

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES 1ºC - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Em seu diálogo A República, Platão descreve na célebre Alegoria da Caverna a situação de homens aprisionados desde a infância no fundo de uma caverna e de tal

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br Fonética e Fonologia Profa. Me. Luana Lemos 1 Fonética e Fonologia Fonética é a parte da gramática que estuda os sons da fala (física) Fonologia estuda os fonemas da língua nas diversas combinações (linguística)

Leia mais

A CURA DE UM MENINO Lição 31

A CURA DE UM MENINO Lição 31 A CURA DE UM MENINO Lição 31 1 1. Objetivos: Mostrar o poder da fé. Mostrar que Deus tem todo o poder. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.14-21; Marcos 9.14-29; Lucas 9.37-43 (Leitura bíblica para o professor)

Leia mais

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Complementares de Língua Portuguesa Nome: SER FILHO É PADECER NO PURGATÓRIO

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Complementares de Língua Portuguesa Nome: SER FILHO É PADECER NO PURGATÓRIO 5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Complementares de Língua Portuguesa Nome: Leia este texto com atenção: SER FILHO É PADECER NO PURGATÓRIO 1 Psssiu, psssiu. Eu? virou-se Juvenal

Leia mais

Português 5º ano Ens. Fund. I. 1. Observe a imagem e assinale a alternativa correta.

Português 5º ano Ens. Fund. I. 1. Observe a imagem e assinale a alternativa correta. Português 5º ano Ens. Fund. I 1. Observe a imagem e assinale a alternativa correta. a) A paisagem mostra uma zona urbana. b) A paisagem representa uma zona rural. c) Essa tela não representa um texto.

Leia mais

LIÇÃO 2 AMOR: DECIDIR AMAR UNS AOS OUTROS

LIÇÃO 2 AMOR: DECIDIR AMAR UNS AOS OUTROS LIÇÃO 2 AMOR: DECIDIR AMAR UNS AOS OUTROS RESUMO BÍBLICO I João 4:7-21; Jo 13:35 Tudo começou com o amor de Deus por nós. Ele nos amou primeiro e nós precisamos responder a isso. Ele provou seu amor, através

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA Nome: Nº Ano: 6º Data: / /2012 Bimestre: 2º Professora: Samanta Disciplina: P1 Orientações para estudo: refaça os exercícios propostos (inclusive folha extra) e as avaliações

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DE LINGUAGENS

REVISÃO E AVALIAÇÃO DE LINGUAGENS LINGUAGENS REVISÃO 1 REVISÃO 2 AULA: 67 REVISÃO E AVALIAÇÃO DE LINGUAGENS 2 Número de Sílabas e Classificações Experimente pronunciar as palavras de um modo bem devagar: maçã bola sol mão lâmpada bolacha

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Português -7º ano Profª Marta NO ACAMPAMENTO DOS VERBOS

Português -7º ano Profª Marta NO ACAMPAMENTO DOS VERBOS Português -7º ano Profª Marta NO ACAMPAMENTO DOS VERBOS - Agora iremos visitar o Campo de Marte, onde vivem acampados os Verbos, uma espécie muito curiosa de palavras. Depois dos Substantivos são os Verbos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Kelly Priscilla Lóddo CEZAR 1 ; Prof.ª Dr.ª Geiva Carolina

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

INDICE Introdução 03 Você é muito bonzinho 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade Pg: 05 Evite pedir permissão

INDICE Introdução 03 Você é muito bonzinho 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade Pg: 05 Evite pedir permissão 1 INDICE Introdução... Pg: 03 Você é muito bonzinho... Pg: 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade... Pg: 05 Evite pedir permissão... Pg: 07 Não tenha medo de ser você mesmo... Pg: 08 Não

Leia mais

4ºano. 3º período 1.4 LÍNGUA PORTUGUESA. 30 de agosto de 2013

4ºano. 3º período 1.4 LÍNGUA PORTUGUESA. 30 de agosto de 2013 4ºano 1.4 LÍNGUA PORTUGUESA 3º período 30 de agosto de 2013 Cuide da organização da sua avaliação, escreva de forma legível, fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

QUESTÃO 1 Nessa charge, o autor usou três pontos de exclamação, na fala da personagem, para reforçar o sentimento de

QUESTÃO 1 Nessa charge, o autor usou três pontos de exclamação, na fala da personagem, para reforçar o sentimento de Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português desafio nota: Texto para a questão 1. (Disponível em: )

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente De entre todas as coisas que podem entupir os canos lá em casa, um mamífero do Ártico com excesso de peso é provavelmente a pior. Isto porque, embora

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA Aluno (a): Turma: 2º Ano Professora: Data de entrega: Valor: 20 pontos CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Leitura e interpretação de textos

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de premiação

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

A Virada: contenido. Lecciones 1-100 de A Virada. A Gente. acabou de acontecer, acabei de comprar, acabei de chegar. Adverbios & Adjetivos

A Virada: contenido. Lecciones 1-100 de A Virada. A Gente. acabou de acontecer, acabei de comprar, acabei de chegar. Adverbios & Adjetivos A Virada: contenido Lecciones 1-100 de A Virada A Gente ACABAR de Adverbios & Adjetivos A gente vai acabou de acontecer, acabei de comprar, acabei de chegar fácil (adjective) facilmente (adverb) Adverbios

Leia mais

Habilidades: - Reconhecer as sílabas tônicas das palavras, separar sílabas, classificar as palavras em oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas.

Habilidades: - Reconhecer as sílabas tônicas das palavras, separar sílabas, classificar as palavras em oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas. Conteúdos: - Os sinais de pontuação e a sua importância na compreensão textual. - Classificação das palavras quanto ao número de sílabas. - Classificação das palavras quanto à posição da sílaba tônica.

Leia mais

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA EM MARKETING E PROCESSOS GERENCIAIS UC: COMUNICAÇÃO

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES 132 ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES September 21, 2010, by pontofinalmacau Claudio Cezar Henriques, filólogo e escritor brasileiro, esteve em Macau para uma palestra sobre a reforma ortográfica,

Leia mais

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior Acordes Básicos Muitas vezes, o que mexe com a gente e nos faz querer tocar guitarra é aquele solo ou riff do guitarrista da nossa banda favorita, mas devemos saber

Leia mais