PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - PIP MATRIZ CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA CICLO DA ALFABETIZAÇÃO - 1º, 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - PIP MATRIZ CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA CICLO DA ALFABETIZAÇÃO - 1º, 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL"

Transcrição

1 1. Compreensão e valorização da cultura escrita SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - PIP MATRIZ CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA CICLO DA ALFABETIZAÇÃO - 1º, 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO 1.1- Conhecer, utilizar e valorizar os modos de produção e circulação da escrita na sociedade A escola, pela mediação do professor, deve proporcionar aos alunos o contato com diferentes gêneros e suportes de textos escritos e lhes possibilite vivência e conhecimento: dos espaços de circulação dos textos (no meio doméstico, urbano e escolar, entre outros); Compreensão de ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Integração e participação ativa na cultura escrita pela ampliação de convivência e do conhecimento da língua escrita. I / T / C T / C T /C dos espaços institucionais de manutenção, preservação, distribuição e venda de material escrito (bibliotecas, livrarias, bancas, etc.); das formas de aquisição e acesso aos textos (compra, empréstimo e troca de livros, revistas, cadernos de receita, etc.); dos diversos suportes da escrita (cartazes, outdoors, livros, revistas, folhetos publicitários, murais escolares, livros escolares, etc.); dos instrumentos e tecnologias utilizados para o registro escrito (lápis, caneta, cadernos, máquinas de escrever, computadores, etc.).

2 1. Compreensão e valorização da cultura escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Conhecer os usos e funções sociais da escrita O trabalho com esta capacidade possibilita ao aluno ser capaz de fazer escolhas adequadas, ao participar das práticas sociais de leitura-escrita, como também do ponto de vista atitudinal, porque o interesse e a própria disposição positiva para o aprendizado tendem a se acentuar com a compreensão da utilidade e relevância daquilo que se aprende. Trabalhar os conhecimentos e capacidades envolvidos na compreensão dos usos e funções sociais da escrita implica, em primeiro lugar, trazer, para a sala de aula, e disponibilizar, para observação e manuseio pelos alunos, muitos textos pertencentes a gêneros diversificados e presentes em diferentes suportes. Mas implica também, ao lado disso, orientar a exploração desses materiais, valorizando os conhecimentos prévios do aluno, possibilitando a eles deduções e descobertas, explicitando informações desconhecidas. Especificamente, o professor pode desenvolver atividades que possibilitem aos alunos: Identificar o gênero textual pela análise de suas características. Para trabalhar esse aspecto da capacidade o professor pode: _ Introduzir o gênero, possibilitando o manuseio, pelo aluno, de exemplares que circulam socialmente, possibilitando sua familiarização, pela turma. (ex: gênero a ser trabalhado convite levar e pedir que os alunos levem para a sala de aula, convite de casamento, aniversário, missa de 7º dia, formatura, chá de panela, chá de bebê, etc. para serem manipulados pela turma sob a orientação dos professores.) Finalidade e funções dos gêneros textuais. Suporte textual Características dos gêneros textuais(elementos comuns em todos os textos dos mesmo gênero) Tipos de linguagem, locutor e interlocutor. Formatação de gêneros textuais diversos. I / T / C T / C T / C

3 1. Compreensão e valorização da cultura escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Conhecer os usos e funções sociais da escrita Conhecer os usos da escrita na cultura escolar _Trabalhar sistematicamente identificando, sob orientação do professor a característica de formatação e linguagem de cada gênero, considerando sua finalidade e o destinatário. Refletir também sobre O que é comum em todos os textos do mesmo gênero independente de sua finalidade e destinatário. O que é diferente e as causas dessas diferenças. Para consolidar, o professor poderá criar situações de:. elaboração e uso do gênero estudado,. comparação de gêneros textuais diversos para a compreensão de suas funções, suportes e características,. conhecimento e classificação, pelo formato, de diversos suportes da escrita, tais como livros, revistas, jornais, folhetos;. identificação das finalidade e funções da leitura de alguns textos a partir do exame de seus suportes,. relacionamento entre suporte e possibilidades de Conhecer (para o que serve e como são usados) os objetos de escrita no cotidiano da escola. Apresentação, exploração e utilização do suportes e instrumentos escolares de escrita e suas características materiais. I / T / C T /C T /C I / T / C T R Identificar suas particularidades físicas (tamanho, formato, disposição e organização do texto escrito, tipo de letra, formatação, etc.). I / T / C T R Exemplos de atividades e possibilidades de exploração sistemática, em sala de aula, das especificidades dos suportes e instrumentos de escrita usuais na escola:

4 1. Compreensão e valorização da cultura escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Conhecer os usos da escrita na cultura escolar nos livros e nos cadernos, como se faz a seqüenciação do texto nas páginas (frente e verso, página da esquerda e página da direita, numeração)? como se dispõe o escrito na página (margens, parágrafos, espaçamento entre as partes, títulos, cabeçalhos)? I /T / C T R como se relacionam o escrito e as ilustrações? como se sabe o nome de um livro e quem o escreveu? qual a sua editora e sua data de publicação? como se faz para localizar, no livro didático ou no livro de histórias, uma informação desejada? como se consulta o índice, o sumário? como a seqüenciação do texto, sua disposição na página, sua relação com as imagens e ilustrações funcionam no computador? qual a melhor maneira de dispor um texto num cartaz? que tipo de letra e que recursos gráficos deve-se usar (lápis de escrever? lápis de cor? caneta hidrográfica? tinta guache?)? como se lê uma história em quadrinhos

5 2. Apropriação do sistema escrita 1. Compreensão e valorização da cultura escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Desenvolver as capacidades necessárias para uso da escrita no contexto escolar: Saber usar os objetos de escrita presente na cultura escolar. Saber manusear os livros didáticos e de literatura infantil, usar de maneira adequada os cadernos, saber segurar e manipular o lápis de escrever, os lápis de colorir, a borracha, a régua, o apontador, a caneta, sentar corretamente na carteira para ler e escrever, cuidar dos materiais escolares, lidar com a tela, o mouse e o teclado do computador são algumas das aprendizagens que os alunos precisam desenvolver logo que entram na escola. Observação, análise e modo de utilização dos instrumentos de escrita do cotidiano escolar. I / T / C T R I / T / C T R Desenvolver capacidades específicas para escrever. Maneira correta de pegar no lápis e borracha, posicionamento do papel na carteira (folha, caderno). Habilidades cognitivas (conhecimento) e motoras. I / T / C T R Compreender diferenças entre a escrita alfabética e outras formas gráficas Traço correto das letras. Organização do texto no papel. O aluno precisa diferenciar letras de números e de outros símbolos. Deve reconhecer, por exemplo, um texto que circula socialmente ou uma sequência que apresenta somente letras, de outros textos ou outras sequências que apresentam letras e números e outros símbolos. Identificação e diferenciação entre a escrita alfabética e outras formas gráficas: letras e desenhos; letras e rabiscos; letras e números; letras e símbolos gráficos (asteriscos, sinais matemáticos, sinais de trânsito, etc.) I / T / C R R

6 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Compreender diferenças entre a escrita alfabética e outras formas gráficas Esse tipo de conhecimento pode ser abordado através da exploração, em livros, revistas e outros impressos, das diferenças gráficas entre o texto escrito e o desenho, entre a escrita alfabética e os ícones e sinais, muito usados atualmente, mas que não representam a pauta sonora fonema/grafema. Quanto à distinção entre letras e outros símbolos significativos, é possível propor aos alunos que procurem saber ou levantem hipóteses sobre a presença dos símbolos, como, por exemplo, o que representam os números, os ícones, as figuras, em calendário, listas telefônicas, folhetos com preços de mercadorias, etc. Essa capacidade pode se desenvolver com atividades como: I / T / C R R Exercícios que explorem as diferenças entre a escrita alfabética e outras formas gráficas, como, por exemplo, comparação entre desenhos, números, sinais matemáticos. Distinção em um texto o que é letra, o que é número, o que é símbolo, o que é desenho, o que é rabisco, etc. e sinais de pontuação/acentuação; Distinção da escrita alfabética da não alfabética. Diferenciação desenho de escrita, condição necessária para aprender a ler e escrever. Leitura de textos em que haja grande quntidade de números: calendário, tabelas, etc., focando a identidade de números. Leitura de textos verbais pelo(a) professor(a): parlendas, poesias, etc., focando as letras. Leitura de textos que misturem letras, números, desenhos: carta enigmática, cartões de visitas, etc., mostrando as diferenças entre eles, inclusive dos sinais de pontuação.

7 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Compreender diferenças entre a escrita alfabética e outras formas gráficas Distinção do alfabeto, números, sinais de pontuação (de EVA ou papaelão), figurinhas somente com desenhos e para que os alunos os separem de acordo com sua categoria (na rodinha). I / T / C R R Dominar convenções gráficas: Dois tipos de convenções gráficas fundamentais no sistema de escrita do português precisam ser compreendidos pelos os alfabetizando logo no início do aprendizado: 1 - Nossa escrita se orienta de cima para baixo e da esquerda para a direita. 2 - Indicação da delimitaçãdo de palavra (espaço em branco) e frases (pontuação). Orientação e alinhamento da escrita na língua Portuguesa. I / T / C R R Delimitação de palavras (espaços em branco) e frases (pontuação) Compreender a orientação e o alinhamento da escrita da língua portuguesa A finalidade do ensino dessas convenções é fazer com que o aluno perceba e domine as regras de alinhamento e orientação da escrita. Os alunos precisam compreender que escrevemos da esquerda para a direita e de cima para baixo, isto é, que a seqüência das letras nas palavras e das palavras nas frases obedece a uma ordem de alinhamento e direcionamento que é respeitada como regra geral e que tem conseqüência nas formas de distribuição espacial do texto no seu suporte. Por exemplo: a escrita ocupa, em seqüência, a frente e o verso da folha de papel margens; escreve-se dentro das, a partir da margem esquerda. A compreensão desse princípio convencional básico que abrange a ordenação das letras nas palavras é indispensável para o aluno desvendar os segredos da escrita alfabética. Regras de alinhamento e direção da escrita: de cima para baixo e da esquerda para a direita. I / T / C R R

8 EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO 2. Apropriação do sistema escrita Compreender a orientação e o alinhamento da escrita da língua portuguesa Para aprender a ler, os alunos devem saber, logo no início de sua aprendizagem, em que direção a escrita se orienta. É bom que eles comecem por perceber e aprender a direção convencional e que, aos poucos, possam analisar outras disposições da escrita, em diferentes materiais. A exploração dos gêneros textuais que subvertem o alinhamento e/ou a direção mais freqüentes deve ser feita tomando-se como ponto de referência a orientação convencional. Num momento posterior do processo, um objetivo a alcançar será, por exemplo, ensinar aos alunos os princípios direcionais da leitura de gráficos e tabela. No início do processo, uma atividade que contribui para o aprendizado da orientação e do alinhamento convencionais é o professor assinalar com o dedo as linhas dos textos que lê, para que os alunos observem a direção da leitura. Nesse caso, o professor atua como modelo e, ao mesmo tempo, cria oportunidade para os alunos observarem a relação existente entre o que ele lê e os signos escritos presentes no texto. Progressivamente, os alunos deverão ganhar autonomia, lendo por conta própria textos que ocupam linhas inteiras ou que se organizamemcolunas, além de poemas de diferentes configurações. I / T / C R R

9 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Compreender a função de segmentação dos espaços em branco e da pontuação de final de frase Um outro aspecto importante da organização do sistema alfabético está relacionado com o fato de que a linearidade da escrita tem características diferentes da linearidade da fala. Para quem já sabe ler, esse conhecimento parece muito simples e é acionado quase que de forma automática. No entanto, para um aprendiz iniciante, as questões decorrentes desse fato podem não ter sido ainda percebidas e representar grande dificuldade. Tanto a fala quanto a escrita são produzidas em seqüência linear, isto é, som depois de som, ou letra depois de letra, palavra depois de palavra, frase depois de frase. Mas um dos pontos fundamentais no início da alfabetização é compreender que essa linearidade acontece de maneira diferente na fala e na escrita. A delimitação das unidades lexicais (palavras) por espaços em branco, bem como a delimitação de frases ou partes de frases por sinais de pontuação (pontos e vírgulas) e a delimitação de conjuntos de frases pela paragrafação, tudo isso constitui uma convenção que só foi adotada tardiamente na história da escrita. Isso significa que as marcas que usamos na escrita para distinguir palavras, frases e seqüências de frases não são óbvias nem naturais, são convenções sociais que precisam ser ensinadas e aprendidas na escola. Segmentação dos espaços em branco e da pontuação de final de frases. I / T / C R R Essa capacidade pode se desenvolver com atividades como: Leitura em voz alta, apontando cada palavra lida, os espaços entre as palavras e os sinais de pontuação das frases. Trabalho com textos fatiados em parágrafos, frases, palavras.

10 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Reconhecer Esta capacidade desenvolve-se utilizando atividades orais. unidades fonológicas como sílabas, rimas, terminações de palavras, etc. Desenvolver a consciência fonológica significa: identificar e discriminar os diferentes sons da língua. Ela é fundamental para que o aluno perceba a correspondência entre sons e letras (fonemas/grafemas). Essa capacidade pode se desenvolver com atividades como: Exploração oral de sílabas, rimas, aliterações (repetição de um fonema numa frase ou numa palavra. Ex: Quem com o ferro fere, com o ferro será ferido) terminações semelhantes de palavras em jogos, desafios e parlendas. Exploração oral de rimas, sílabas em diversas posições nas palavras; Associação de palavras ao nome do objet; Imitação de sons; Identificação, ao ouvir uma palavra, do número de sílabas (consciência silábica); Identificação da sonoridade de sílaba consoante / vogal em princípio ou final de palavras: Decomposição oral de palavras em sílabas. Recomposição oral de palavras em sílabas. Consciência: texto, palavra, sílaba e letras como unidade sonora. I / T / C T R

11 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Reconhecer unidades fonológicas como sílabas, rimas, terminações de palavras, etc. O alfabetizando precisa identificar, oralmente, o número de sílabas que compõe uma palavra ao ouvir a pronúncia de palavras (monossílabas, dissílabas, trissílabas, polissílabas; oxítonas, paroxítonas, proparoxítonas); com diferentes estruturas silábicas (CV consoante-vogal, CCV consoante-consoante-vogal, CVC consoante-vogalconsoante, V vogal, VC vogal-consoante, ditongo, etc.). Identificação de fonema / grafema em um conjunto de palavras. I / T / C T R Identificar sons de sílabas (consciência fonológica e consciência fonêmica) Ao ouvir palavras ditadas, pertencentes a um mesmo campo semântico ou a campos semânticos distintos, a criança deve identificar sons de sílabas com diferentes estruturas (CV, CCV, CVC, V, VC, ditongo, etc.) no início, meio ou no final das palavras. Composição de palavras a partir de sílabas. Decomposição e composição de palavras em sílabas.

12 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO 2.4 Conhecer o alfabeto: Isso significa que o professor deve apresentar aos alunos o alfabeto e promover situações que possibilitem a eles a descoberta de que se trata de um conjunto estável de símbolos as letras cujo nome foi criado para indicar um dos fonemas que cada uma delas pode representar na escrita. Isso permite uma visão do conjunto, que facilita a compreensão do todo e a distinção de cada unidade, além de dar condição aos alunos de ampliarem sua compreensão da cultura escrita, familiarizando-se com um conhecimento de grande utilidade social, visto que muitos dos nossos escritos se organizam pela ordem alfabética. É importante que todas as letras estejam visíveis na sala de aula, para que os alunos, sempre que for necessário, tenham um modelo para consultar. Esse é mais um exemplo de como trabalhar simultaneamente na direção da alfabetização e do letramento. Essa capacidade se desenvolve com atividades como: _ Alfabeto (identificação das letras e reconhecimento da ordem alfabética). _ Identificação de letras e de reconhecimento da ordem alfabética. I / T T / C R _Colocar um alfabeto móvel, com letras grandes e coloridas numa caixa e enrolar para presente. _Dizer aos alunos que o professor levou um presente para a turma e desafiá-los a adivinhar o que é. _Dar dicas: encontramos em quase todos os lugares, há muitas delas em nossos nomes, encontramos nos livros, revistas, cartazes, etc., até os alunos concluírem que o presente é um alfabeto. Abrir a caixa, mostrar o alfabeto e dizer que ele irá enfeitar a sala. Escolher, junto com os alunos, o lugar onde ele ficará exposto na sala. Explorar o alfabeto: contar as letras, identificar letras do próprio nome, do nome de colegas, do professor, formato das letras, etc. Bingo de letras.

13 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO 2.4 Conhecer o alfabeto: Brincadeira Qual é sua letra : A professora coloca em determinados pontos da sala, ou pátio uma letra do alfabeto. Depois ela diz: a letra dos meninos é a... a letra das meninas é... Cada grupo corre para o lugar onde a sua letra está. Cabra cega: colocar uma venda nos olhos de um aluno. Entregar uma letra feita com EVA ou papelão. O aluno, ao apalpar, deve dizer qual é a letra. I / T T / C R Fazer quatro painéis para serem expostos na sala: 1 painel com letras de imprensa maiúscula que os alunos devem tirar de jornais ou revista, outro com letras de imprensa minúscula, outro com letras cursivas maiúscula e outro com letras cursivas minúscula. A professora poderá escrever, caso os alunos ainda não saibam traçá-las. A professora mostra, fala o nome e os alunos fazem a letra com massinha.distribuir cartelas com o alfabeto. O aluno deve colorir as letras de seu nome. Outras atividades que os alunos podem com a cartela de letras: colorir as letras do colega do lado direito, esquerdo, da frente, de trás, da professora, da diretora, etc. O aluno pode consultar painéis de nomes da sala e ou a professora pode mostrar fichas com o nome pedido.

14 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Compreender a categorização gráfica e funcional das letras Compreender a categorização gráfica e funcional das letras Conhecer o alfabeto implica, ainda, que o aluno compreenda que as letras variam na forma gráfica e no valor funcional. As variações gráficas seguem padrões estéticos, mas são também controladas pelo valor funcional que as letras têm. As letras desempenham uma determinada função no sistema, que é a de preencher um determinado lugar na escrita das palavras. Portanto, é preciso conhecer a categorização das letras, tanto no seu aspecto gráfico, quanto no seu aspecto funcional (quais letras devem ser usadas para escrever determinadas palavras e em que ordem) Apesar das diferentes formas gráficas das letras em nosso alfabeto (maiúsculas, minúsculas, de imprensa, cursiva) uma letra permanece a mesma porque exerce a mesma função no sistema de escrita, ou seja, é sempre usada da maneira exigida pela ortografia das palavras. As letras A, a, A, a, a ou a representam, todas o mesmo fonema /a/ apesar de terem grafias diferentes. O aluno precisa aprender que não pode escrever qualquer letra em qualquer posição numa palavra, porque as letras representam fonemas, os quais aparecem em posições determinadas nas palavras. Essa capacidade pode se desenvolver com atividades como: A professora coloca no quadro um nome de um aluno. Os outros vão identificar, na ficha do próprio nome, letras do nome mostrado pela professora. A professora deve encaminhar a observação para os alunos perceberem que a letra do nome do colega é a mesma letra de seu nome e que ela ocupa lugares diferentes que ocupa no nome do colega. I / T T / C R I / T T / C R

15 EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO Apresentar nomes de alunos que tenham uma letra com sons diferentes e fazer a análise, juntamente com os alunos. EXEMPLO: CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO 2. Apropriação do sistema escrita Mostrar os nomes: Roberto Marcos Karina Robson Mara Junior Ler os nomes bem devagar, realçando, um pouquinho, o som da letra R. Perguntar: a letra R em todos os nomes tem o mesmo som? Analisar e concluir com os alunos que dependendo do lugar que essa letra ocupa ela tem um som diferente, mas que continua sendo a letra que chamamos de erre. Perguntar: a letra O dos nomes Roberto, Marcos, Robson e Júnior tem o mesmo som, independente do lugar que ela ocupa? Ele continua sendo a letra O em qualquer lugar que ocupe na palavra? Compreender a categorização gráfica e funcional das letras A professora mostra uma letra de imprensa maiúscula e pede a um aluno que mostre nos painéis de letras a correspondente em letra de imprensa minúscula. Roda de conversa: uso da ordem alfabética na sociedade e identificação dos gêneros que a usa. I / T T / C R

16 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Conhecer e utilizar diferentes tipos de letra (de fôrma e cursiva) Alguns estudos recomendam o uso exclusivo de letras de fôrma maiúsculas, nos primeiros momentos da alfabetização, pelo menos até que o aluno passe a reconhecer todas as letras e tenha destreza na escrita das palavras. Essa orientação apoia-se em alguns pontos. No âmbito da leitura, um argumento é que por serem unidades discretas (e não emendadas como as letras cursivas manuscritas), as maiúsculas de imprensa podem ser diferenciadas e contadas mais facilmente pelos alunos. Outro argumento é que é mais fácil reconhecer as letras que aparecem em sequência nas diversas palavras quando essas letras se apresentam com tipos uniformes e regulares, ao invés de mostrarem traços variados ( ora maiúsculas, ora minúsculas; ora letra de fôrma ou de imprensa, ora letra cursiva). No âmbito da escrita, o principal argumento é que as letras maiúsculas são mais fáceis de escrever, especialmente para as crianças pequenas. Em sala de aula, essa questão poderá ser encaminhada de maneira produtiva com flexibilidade e sensibilidade para o aprendizado específico que estiver em foco a cada momento. Essa capacidade pode se desenvolver com atividades como: _Tipos de letras. _Traçado dos diferentes tipos de letras. _reconhecimento dos diversos tipos de letra (de fôrma e cursiva). I / T T / C R Roda de conversa: conversar com os alunos sobre a importância da assinatura pessoal, na sociedade Conhecer e utilizar diferentes tipos de letra (de fôrma e cursiva) Pedir que colham a assinatura de algumas pessoas dentro da escola: diretora, professores, especialistas, outros colegas de turmas mais avançadas. Reconhecimento e utilização dos diversos tipos de letras (de fôrma e cursiva). I / T T / C R Analisar as assinaturas e comparar com a ficha do nome deles, escritos com letra de forma.

17 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO A professora deve escrever o nome do aluno, no verso da ficha, com letra cursiva para que possam visualizálo permanentemente, até que aprendam a letra cursiva. CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Compreender a natureza alfabética do sistema de escrita Um sistema de escrita é alfabético quando seu princípio básico é o de que cada som é representado por uma letra Isto se realiza quando o aluno entende que a escrita é a correspondência letra (grafema) som (fonema). Observação e análise do valor e da posição das letras nas palavras, com vista à compreensão da natureza alfabética do sistema de escrita. I / T T / C R Muitas crianças chegam à escola desconhecendo a representação da escrita. Elaboram hipóteses variadas: uns acham que se escreve representando as palavras através de desenhos, outros acreditam que usam-se letras ou símbolos para representar o que se quer escrever e acreditam, ainda, que objetos grandes se escrevem com muitas letras, outros pensam que cada letra representa uma sílaba, hipóteses já descritas nos estudos da psicogênese da língua escrita. Identificação e comparação da quantidade, da variação e da posição das letras de determinadas palavras: bingo, textos com lacunas, colocação de palavras em ordem alfabética, confronto entre a escrita produzida pelo/a alfabetizando/a e a escrita padrão.

18 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Compreender a natureza alfabética do sistema de escrita É muito importante que o professor saiba reconhecer e valorizar essas etapas que são fundamentais na conquista da aquisição do sistema de escrita pelo aluno. Um conhecimento básico que os alunos precisam adquirir no seu processo de alfabetização diz respeito à natureza da relação entre a escrita e a cadeia sonora das palavras que eles tentam escrever ou ler. Analisando as relações entre a fala e a escrita, muitas crianças chegam, por exemplo, a elaborar a hipótese de que cada letra representa uma sílaba e não um fonema, conforme já descreveram os estudos da psicogênese da escrita. É necessário que o professor saiba identificar e compreender esse tipo de raciocínio feito pelos alunos, para conseguir orientá-los com sucesso na superação dessa hipótese e na descoberta da explicação que realmente funciona para o sistema de escrita do português. Essa capacidade Pode se desenvolver com atividades como: I / T T / C R Dispor os alunos em círculo: O professor fala características de um aluno e os outros falam o nome dele. Depois o professor repete o nome devagar (sílaba por sílaba), batendo palmas para cada sílaba. A professora fala o primeiro fonema do nome do aluno e espera que alguém identifique o colega. Se ninguém conseguir, ele fala o primeiro e segundo fonema, espera que identifiquem. O professor vai acrescentando fonemas até que alguém identifique o nome do colega.

19 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Compreender a natureza alfabética do sistema de escrita O professor faz círculos no chão e diz que são ninhos. (Deve-se fazer o número de ninhos correspondente ao número de sílabas do nome maior da turma) Os ninhos devem ser numerados A professora fala o nome do aluno e ele deve correr para o ninho correspondente ao número de sílabas de seu nome. Ex. Professor: Sueli - Todos os alunos cujos nomes têm 3 sílabas devem correr para o ninho de número 3. I / T T / C R Dominar as relações entre grafemas e fonemas Repetir a brincadeira fazendo a correspondência com o número de letras do nome: todos os alunos cujo nome é formado por 5 letras correm para o ninho 5; Perguntar se os mesmos alunos que foram para o ninho 3 na primeira versão da brincadeira, foram também para o ninho 5, na segunda versão. Relacionar as duas situações possibilitando ao aluno perceber a relação grafema/fonema, número de sílabas, número de letras. Trocar o nome por outras palavras. Compreender essas relações é decisivo para o aluno se apropriar não só do sistema de escrita, mas também, dominar a ortografia, que nada mais é que entender que a escrita não reproduz fidedignamente os sons da fala como o aluno descobre quando inicia o processo de alfabetização. É aí então que ele vai aprender que a fala é muito diferente da escrita não só no aspecto ortográfico. Domínio das regularidades e irregularidades ortográficas. I T / C T / C

20 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO Dominar as relações entre grafemas e fonemas É preciso que o aluno aprenda as regras de correspondências entre fonemas (sons) e grafemas (letras). Para isso, deve-se realizar um trabalho explícito e sistemático do professor na sala de aula. As variações de escrita dos alunos são muitas e têm naturezas diferentes, pois cada uma delas tem causas específicas. É importante fazer um diagnóstico dos problemas apresentados pela turma, a partir da análise dos textos produzidos pelos alunos, pois são os mesmos que vão apontar suas próprias dificuldades. Assim o professor poderá propor atividades pedagógicas mais adequadas para solucionar os problemas encontrados e fazer uma intervenção competente e sistemática para a reflexão dos alunos. Apropriar-se do sistema de escrita depende fundamentalmente de compreender um princípio básico que o rege: os fonemas, unidades de som, são representados por grafemas na escrita. CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO I T / C T / C É preciso, então, que o aluno aprenda as regras de correspondência entre fonemas e grafemas, a partir do tratamento explícito e sistemático encaminhado pelo professor na sala de aula. Essas regras de correspondência são variadas, ocorrendo algumas relações mais simples e regulares e outras mais complexas, que dependem da posição do fonema-grafema na palavra, ou dos fonemas/grafemas que vêm antes ou depois. Essa capacidade pode se desenvolver com atividades como:

21 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Dominar as relações entre grafemas e fonemas Dominar regularidades ortográficas Observar, discutir as regras através de jogos ortográficos, palavras cruzadas, charadas, caça-palavras, correção orientada de textos. _Identificar fonema / grafema em um conjunto de palavras _Trabalhar os nomes dos alunos de forma a possibilitar aos mesmos compreender que as letras obedecem a uma sequência e que não são escolhidas e escritas aleatoriamente; _ Trabalhar palavras que tenham sentido para o aluno a partir dos textos lidos e/ou aproveitando os temas transversais trabalhados na escola (carnaval, semana da alimentação, índio, família, mãe, festas juninas, folclore, primavera, Independência do Brasil, árvore, criança/professor, Bandeira, Natal, etc.) e deixá-las expostas nas sala; _Se a escola trabalha o método de silabação a partir de uma palavra chave, é interessante que, neste momento, o professor trabalhe essas palavras com os alunos de forma a assegurar que eles as reconheçam em qualquer contexto e saibam ortografá-las. Dominar essas regularidades envolve diferentes graus de dificuldade. É recomendável, no momento da sistematização em sala de aula, orientar-se pelo critério de progressão, indo dos casos mais fáceis para os mais difíceis: _Dos casos nos quais os valores atribuídos aos grafemas independem do contexto para os casos nos quais os valores dos grafemas dependem do contexto. Reconhecimento das relações entre fonemas e grafemas, com vista ao domínio das regularidades ortográficas. I T / C T / C I T / C T / C

22 o sistema escrita 2. Apropriação do sistema escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Dominar regularidades ortográficas Dominar irregularidades ortográficas Dominar irregularidades ortográficas Quais são as melhores atividades na área? Em suas I T / C T / C pesquisas, Morais chegou a algumas propostas de atividades. De forma geral, pode-se falar em trabalhos com textos e com palavras fora de textos. No primeiro caso, em ditados, releituras ou reescritas, a ideia é que o professor chame a atenção dos alunos para as palavras que julga constituir desafios ortográficos, interrompendo a atividade para discussões coletivas sobre a grafia dessas palavras. A outra linha, com palavras soltas, tem, como propostas, jogos em que as crianças devem relacionar cartelas com palavras que sigam a mesma regra ortográfica ( carro, sorriso e espirro, ou careta e clarão ), desafios de encontrar em revistas e jornais palavras que se encaixem em grupos com uma determinada característica ortográfica, entre outras atividades. Há ainda o recurso de propor a escrita propositalmente errada de palavras cuja ortografia siga uma regularidade: Para fazê-lo, o aluno precisa conhecer a grafia correta. O ideal é que o professor vm que suporte e atingir que público, já se definem as linhas que vão orientar e facilitar o trabalho de interpretação e Ao trabalhar essa capacidade é preciso que o professor Irregularidades ortográficas. I I / T T / C analise o nível de competência de escrita dos alunos com base nos textos produzidos por eles, que identifique e utilize palavras e textos escritos pelos alunos para ensinar os princípios ortográficos corretos. As maiores dificuldades para o aprendiz dominar o sistema I I / T T / C ortográfico do português se devem ao fato de haver, por um lado, fonemas que, mesmo quando em contextos idênticos, podem ser representados por diferentes grafemas, e, por outro lado, casos em que um mesmo grafema, também em contextos idênticos, pode corresponder a diferentes fonemas.

23 3. Leitura 2. Apropriação do sistema escrita Dominar irregularidades ortográficas EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Esses casos são difíceis pela impossibilidade de se formular uma regra geral, já que não há como buscar apoio nem na posição nem no contexto. No ensino das palavras irregulares, o princípio é diferente, já que sua grafia não se orienta por regra alguma. Nesses casos, não há muito o que compreender, é preciso memorizar, explica Artur Gomes de Morais. Quem não é especialista em filologia não tem que saber que tal palavra tem origem em tal vocábulo latino, ou grego, ou mesmo que é uma palavra de origem indígena. A saída nesses casos é consultar modelos - locais onde sabemos que determinada palavra está escrita da maneira correta - e usar o dicionário (que envolve conhecer a forma como as palavras estão nele organizadas e como procurar um termo flexionado, por exemplo). O professor pode também combinar com a turma a produção de uma pequena lista de palavras de uso frequente que eles devem memorizar para não mais errar. 3.1 Desenvolver atitudes e disposições favoráveis à leitura Desenvolvimento do interesse e gosto pela leitura....não é necessário que a criança espere aprender a ler para ter acesso ao prazer da leitura: pode ler através dos.olhos. do professor e de outros ler para ter acesso ao prazer da leitura: pode ler através dos.olhos. do professor e de outros mediadores culturais. (cad 2 SEE/CEALE) Leitura como hábito prazeroso e necessário. I / T / C T / C T / C 3.1 Desenvolver atitudes e disposições favoráveis à leitura Manuseio de livros e outros materiais impressos. Comportamentos sociais próprios de leitor. Visitas a bibliotecas, livrarias, bancas de revistas, etc. Formação de um gosto estético. I / T / C T / C T / C Incentivar a utilização de livrarias e bancas como locais de acesso a livros, jornais, revistas, etc. Conhecimento e utilização de espaços de leituras.

24 3. Leitura EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO Incentivar a utilização de bibliotecas para utilização de livros, jornais, revistas e etc. Incentivar a leitura dos escritos urbanos e materiais escritos que circulam na escola (cartazes, avisos, bilhetes aos pais, murais, etc.) Pesquisa na internet e uso de s. Leitura de histórias, poemas, contos, notícias, instruções de jogos, parlendas, piadas, etc. pelo professor e/ou aluno. CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO 3.2- Desenvolver capacidades relativas ao código escrita especificamente necessárias à leitura Saber decodificar palavras e textos escritos. Criação e organização do canto de leitura, biblioteca de classe, jornal mural, saraus de leitura, etc. Elaboração e implentação de projetos que incentivem a leitura. Esta capacidade se desenvolve juntamente com as capacidades: Compreender a natureza alfabética do sistema escrita e Dominar as relações entre grafema e fonema do eixo 2. O professor deve oferecer aos alunos pequenos textos, tais como: parlendas, piadas, tirinhas, pequenas histórias em quadrinhos, etc para serem decodificados por eles. Relação entre grafemas (letra) e fonemas (som). I T / C T / C I T / C T / C Saber decodificar palavras e textos escritos. Observação: Nos casos em que o professor trabalhe silabação, ele poderá selecionar textos que contenham muitas palavras formadas por sílabas já trabalhadas. Atentado, porém, para a qualidade destes textos. Identificação de unidades fonológicas. Decodificação de palavras. I T / C T / C Decodificação de pequenos textos.

25 3.Leitura EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Saber ler reconhecendo globalmente as palavras. 3.3 Desenvolver capacidades necessárias à leitura com fluência e compreensão A criança reconhece palavras ou textos que fazem parte de seu universo e aparecem em suas leituras com bastante frequência (nome próprio, palavras utilizadas para organização da classe, palavras de parlendas que já foram trabalhadas, rótulos de produtos a que elas tenham acesso frequente, parlendas que decoram, letras de músicas, pequenas poesias, etc.) Identificar informações visíveis do corpo do texto e construir, com elas, o fios da meadas que unifica e interrelaciona os conteúdos lidos. Texto narrativo: ao acabar de ler o aluno deve saber dizer: Reconhecimento de palavras sem análise de fonemas e sílabas. I T / C T / C Compreensão linear do texto. I / T / C T / C T / C 3.3 Desenvolver capacidades necessárias à leitura com fluência e compreensão _quem fez o quê, _quando, _como, _onde é _por quê Texto argumentativo: ao acabar de o aluno deve saber dizer: _de que fala o texto; _que posição defende; _que argumentos apresentam; _a que conclusão chega. Ler nas entrelinhas; Produção de inferência. Compreender os nãos ditos; Utilização de conhecimentos prévios para compreensão para os nãos ditos. Compreender o sentido de palavras a partir do texto. Produção de inferência. I / T / C T / C T / C

26 3. Leitura EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Exemplos de gêneros textuais que podem ser trabalhados na inferência:charge, piadas, tirinhas, fábulas, propagandas, etc. O trabalho deve ser iniciado com textos de temas, complexidade de estrutura e de linguagem bastante simples, e ir dificultando gradualmente. Além disso, a proposta destas atividades deve considerar, também, o progresso da autonomia da criança. O trabalho com compreensão pode e deve ser começado antes mesmo que as crianças tenham aprendido a decodificar e a reconhecer globalmente as palavras. Quando o professor lê em voz alta e comenta ou discute com seus alunos os conteúdos e usos dos textos lidos, está contribuindo para o desenvolvimento da capacidade de compreensão. Este é e um procedimento que pode e deve ocorrer desde os primeiros dias de aula, utilizando contos infantis, poemas, notícias interessantes as crianças, artigos publicados nos complementos infantis de jornais e/ou revistas e demais gêneros. Trabalho sistemático com atividades desafiadoras que possibilitem a identificação de informações explícitas (clara no texto) e implícitas (entrelinhas) tecendo a compreensão global do texto. Compreensão global.

27 3. Leitura EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Identificar a finalidade e funções da leitura, em função reconhecimento do suporte, do gênero e da contextualização do texto. Para contribuir com o desenvolvimento da capacidade dos alunos de ler com compreensão, é importante que o professor lhes proporcione a familiaridade com gêneros textuais diversos (histórias, poemas, trovas, canções, parlendas, listas, agendas, propagandas, notícias, cartazes, receitas culinárias, instruções de jogos, regulamentos), lendo para eles em voz alta ou pedindolhes leitura autônoma. Além disso, é desejável abordar as características gerais desses gêneros (do que eles costumam tratar, como Costumam se organizar, que recursos linguísticos costumam usar, para que servem). A capacidade de reconhecer diferentes gêneros textuais e identificar suas características gerais favorece bastante o trabalho de compreensão, porque orienta adequadamente as expectativas do leitor diante do texto. Assim, antes da leitura feita em voz alta pelo professor, ou em grupos ou individualmente pelos alunos. É bom propor às crianças perguntas como: o texto que vamos ler vem num jornal? num livro? num folheto? numa caixa de brinquedo? que espécie (gênero) de texto será esse? para que ele serve? quem é que conhece outros textos parecidos com esse? onde? Outro tipo de procedimento precioso para Identificação: _Do gênero; _Finalidade; _Do suporte; _Contextualização do texto. I / T / C T / C T / C

28 3. Leitura EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Antecipar conteúdos de textos a serem lidos em função de seu suporte, seu gênero e sua contextualização Levantar e confirmar hipótese relativa ao conteúdo do texto que está sendo lido. Antes de começar a leitura são produtivos alguns procedimentos ligados à antecipação de conteúdos, como a elaboração de hipóteses (este texto trata de que assunto? é uma história? é uma notícia? é triste? é engraçado?). Até o leitor iniciante pode tentar adivinhar o que o texto diz, pela suposição de que alguma coisa está escrita, pelo conhecimento do seu suporte (livro de história, jornal, revista, folheto, quadro de avisos, etc.) e de seu gênero, pelo conhecimento de suas funções (informar, divertir, etc.), pelo título, pelas ilustrações. A contextualização do texto é um procedimento importante nesse momento, que favorece a produção de sentido e contribui para a formação do aluno como leitor. Essa é uma prática que deve estar presente desde os primeiros dias do Ciclo Inicial de Alfabetização, quando o professor lê em voz alta para os alunos, até depois da conclusão da trajetória escolar. Quando se começa a leitura sabendo quem escreveu o texto, quando escreveu, com que objetivos e funções, para circular em que suporte e atingir que público, já se definem as linhas que vão orientar e facilitar o trabalho de interpretação e compreensão do O processo de levantar e confirmar hipótese deve começar antes da leitura e percorrer todo o processo. Elaboração de hipótese, I / T / C T / C T / C Identificação de suporte do gênero e funções, Identificação e compreensão do título. Prever que o texto vai dizer e verificar a correção destas previsões. I / T / C T / C T / C

29 3. Leitura EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Levantar e confirmar hipótese relativa ao conteúdo do texto que está sendo lido. Em sala de aula o professor pode: Previsões relativas ao texto baseadas em informações, estilo do narrador ou personagem, insinuações do autor, sinais de pontuação, interpelações com outros textos ou situações vivenciadas. Antes de começar a leitura do texto possibilitar ao aluno levantar hipótese a respeito de seu conteúdo e comprová-las ou não no decorrer da leitura. Interromper a leitura e perguntar aos alunos o que vai acontecer e porque pensam assim. Identificar os elementos textuais que justificam a previsão dos alunos. I / T / C T / C T / C OBS: Possibilitar ao aluno produzir o fio da meada que permite ao leitor compreender o texto Buscar pistas Propor atividades desafiadoras que permitam aos alunos: Componentes formais do texto: I / T / C T / C T / C textuais, intertextuais e contextuais para ler nas entrelinhas (fazer inferências), ampliando a compreensão Identificar o princípio, meio e fim do texto lido. Estrutura composicional (organização em partes). Identificar quem está com a palavra no texto. Recursos linguísticos (discurso direto e indireto, tempo dos verbos, linguagem coloquial e linguagem formal, frases curtas ou longas).

30 3. Leitura EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Buscar pistas textuais, intertextuais e contextuais para ler nas entrelinhas (fazer inferências), ampliando a compreensão Construir compreensão global do texto, unificando e interrelacionando informações explícitas e implícitas, produzindo inferências. O tempo onde o texto se desenrola. Recursos expressivos e literários (rimas, linguagem figurada e jogos de palavras). Identificar tipos de linguagem (gírias, linguagem Inferência coloquial o linguagem formal). Identificar rimas, linguagens figuradas, jogos de Estabelecimento de relações palavras. entre informações. Ir além do que está dito, ler nas entrelinhas. Intertextualidade Interligar as informações. Recorrer a outros textos já lidos (intertextualidade). Utilizar conhecimento prévio. Identificar e compreender palavras em destaque, formatos gráficos (caixa alta, aspas, negrito, etc.) e ilustrações. Fazer leituras orais para os alunos com muita expressividade dirigindo o foco para alguns elementos chaves para a compreensão. Propor atividades significativas e desafiadoras que possibilitem ao aluno construir uma visão global do texto de modo que, ao final da leitura, o aluno saiba do que o texto fala, por onde ele começa, que caminhos ele percorre, como ele se conclui. Instigar os alunos a prestarem atenção e explicarem os não-ditos no texto, a descobrirem e explicarem os porquês. Identificar e explicar as relações entre o texto e seu título. Resumir, recontar, reescrever textos lidos. Explicar e discutir o texto lido. I / T / C T / C T / C I / T / C T / C T / C

31 4. Produção Escrita 3. Leitura EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO CONTEÚDOS/CONCEITOS CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO Avaliar afetivamente o texto, fazendo extrapolações. Depois da leitura, propor atividades que possibilitem aos alunos a partilhar sua emoção e sua compreensão com os colegas, avaliando e comentando afetivamente o que leram, fazendo extrapolações (isto é, projetando o sentido do texto para outras vivências, outras realidades), buscando outros textos do mesmo autor, ou sobre o mesmo tema. Ser capaz de fazer extrapolações pertinentes. sem perder o texto de vista - é importante para o aprendizado afetivo e atitudinal de descobrir que as coisas que se leem nos textos podem fazer parte da nossa vida, podem ter utilidade e relevância para nós. Avaliar, comentar e extrapolar textos lidos. I / T / C T / C T / C Ler oralmente com fluência e expressividade. Para contribuir com o desenvolvimento da capacidade de Leitura silenciosa com rapidez, compreensão global, o professor pode orientar os alunos a objetividade e compreensão. fazer uma leitura silenciosa do texto todo, com certa rapidez, sem se perder em detalhes. Outras vezes, pode convidá-los ler em voz alta, com fluência, ritmo e expressividade, pelo prazer de sentir-se participante do texto. como um narrador, como um repórter que trabalha no rádio ou na televisão (nunca como castigo porque não estavam prestando atenção na aula...). Só quem compreende é capaz de fazer uma leitura oral de qualidade. Leitura oral com fluência, ritmos e expressividade, compreensão. I T C 4.1- Compreender e valorizar o uso da escrita com diferentes funções, em diferentes gêneros É importante trabalhar essa capacidade desde os primeiros dias do Ciclo de Alfabetização, para que os alunos compreendam e valorizem os diferentes usos e funções da escrita, em diferentes gêneros e suportes. E isso se faz utilizando-se de estratégicas como: Reconhecimento da utilização da escrita na vida individual e coletiva. I/T/C T/C T/C

32 4. Produção Escrita EIXOS CAPACIDADES DETALHAMENTO 4.1- Compreender e valorizar o uso da escrita com diferentes funções, em diferentes gêneros _Leitura em voz alta de histórias, notícias, propaganda, avisos, bilhetes para os pais; CONTEÚDOS/CONCEITOS Discussão e reconhecimento sobre a finalidade/função de textos de diferentes gêneros adequados e de uso em cada idade e etapa escolar (listas, crachás, etiquetas, cartazes, avisos, bilhetes, convites, histórias, poesias, notícias, propagandas, histórias em quadrinhos e outros). CICLO INICIAL DA ALFABETIZAÇÃO 1 ANO 2 ANO 3º ANO I/T/C T/C T/C _Criação de situações em que os alunos possam observar o valor, o uso e a função da escrita na sociedade, tais como: Procurar o telefone de alguém (de um colega que esteja doente para a turma ter notícias dele, de um supermercado para saber o preço de algum produto que a turma precisará para o desenvolvimento de algum projeto papelaria para saber o preço de algum material escolar, etc.); Procurar o endereço de alguém (outro uso do catálogo telefônico); Localizar ruas, bairros, cidades, estados e países em mapas do bairro, da cidade, do estado, país, mundo; Ler histórias, parlendas, poesias, etc. para os alunos; Levar jornais e revistas para, nesses suportes, ler alguma notícia ou reportagem interessante para os alunos; Verificar, na secretaria da escola, como a vida escolar dos alunos é registrada; Pesquisar em casa como a família usa a escrita;

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/proletr/fasciculo_port.pdf Antônio Augusto Gomes Batista Ceris S. Ribas Silva Maria das Graças de Castro Bregunci Maria

Leia mais

PLANOS DE AULA PARA TRABALHAR AS CAPACIDADES

PLANOS DE AULA PARA TRABALHAR AS CAPACIDADES PLANOS DE AULA PARA TRABALHAR AS CAPACIDADES 2012 Trabalhando com as capacidades O sucesso de um projeto pedagógico de alfabetização depende, crucialmente, do envolvimento dos profissionais comprometido

Leia mais

Produção de inferência. Compreensão global.

Produção de inferência. Compreensão global. 2. APROPRIAÇÃO DO SISEMA DE ESCRIA 1. COMPREENSÃO E VALORIZAÇÃO DA CULURA ESCRIA ORGANIZAÇÃO MARIZ CURRICULAR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENAL PORUGUÊS: 2º ANO 1º BIMESRE EIXO CAPACIDADE CONEÚDO

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 2 SEGUNDO SEMESTRE 2010 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos.

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos. Língua Portuguesa As crianças do 1º ano têm o direito de aprender e desenvolver competências em comunicação oral, em ler e escrever de acordo com suas hipóteses. Para isto é necessário que a escola de

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS PRÁTICAS CURRICULARES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Palavras-chave: alfabetização, letramento, ensino, aprendizagem.

ORGANIZAÇÃO DAS PRÁTICAS CURRICULARES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Palavras-chave: alfabetização, letramento, ensino, aprendizagem. Revista Eletrônica de Educação de Alagoas Volume 01. Nº 01. 1º Semestre de 2013 ORGANIZAÇÃO DAS PRÁTICAS CURRICULARES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Maria Vilma da SILVA 1 Resumo Este artigo apresenta os

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA

Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Unidade 3 6º encontro Orientadora: Elaine R. Cruz Ortega Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Ano 1: A escrita alfabética: por que ela é um sistema

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade / Tema) Subdomínio / Conteúdos

Leia mais

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Isabel Cristina Alves da Silva Frade(1) Introdução Como realizar um planejamento de trabalho de alfabetização e letramento com crianças de

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação

Leia mais

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03 CONCURSO DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE CARGO: PROFESSOR 1 / 2015 A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Ano 02 Unidade 03 ( F

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil

Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil Maria Celia Montagna de Assumpção Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil Nessa aula, você verá alguns conhecimentos que

Leia mais

Proposta de trabalho: Sequência Didática

Proposta de trabalho: Sequência Didática Proposta de trabalho: Sequência Didática Equipe Central/ SEE/ EENSA 2013 Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica Superintendência de Desenvolvimento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC Caro (a) professor (a), ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O 2º ANO Cientes

Leia mais

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM A FORMAÇÃO TEÓRICO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA NOVA CONCEPÇÃO DE ENSINO- APRENDIZAGEM PROFª.. MS. MARIA INÊS MIQUELETO CASADO 28/05/2009 OBJETIVO - Contribuir para a reflexão

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL MAPA DE CONTEÚDOS E OBJETIVOS 1º BIMESTRE 2º ANO. Português

ENSINO FUNDAMENTAL MAPA DE CONTEÚDOS E OBJETIVOS 1º BIMESTRE 2º ANO. Português ENSINO FUNDAMENTAL Cruzeiro 3213-3838 Octogonal 3213-3737 www.ciman.com.br MAPA DE CONTEÚDOS E OBJETIVOS 1º BIMESTRE 2º ANO ESCUTA/ LEITURA/ PRODUÇÃO DE TEXTO ORAL E ESCRITO Textos narrativos Contos de

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios em Domínios/Competências Fatores de ponderação Instrumentos de Domínio Cognitivo Compreensão oral 20% Registos e grelhas de observação

Leia mais

Content Area: Língua Portuguesa Grade 1 Quarter I

Content Area: Língua Portuguesa Grade 1 Quarter I Content Area: Língua Portuguesa Grade 1 Quarter I 1- Produção de escrita 1.1- Escrita livre 1.2 - Listas (animais, brinquedos, alimentos, etc); 1.3 - Narrações sequenciadas com apoio de ilustrações; 1.4

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 Agrupamento de Escolas Domingos Sequeira Área Disciplinar: Português Ano de Escolaridade: 3º Mês: outubro Domínios de referência Objetivos/Descritores Conteúdos Oralidade 1

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

O programa Ler e Escrever: guia de planejamento e orientações didáticas para o professor alfabetizador 1a série. Aula de 9 de maio de 2012

O programa Ler e Escrever: guia de planejamento e orientações didáticas para o professor alfabetizador 1a série. Aula de 9 de maio de 2012 O programa Ler e Escrever: guia de planejamento e orientações didáticas para o professor alfabetizador 1a série Aula de 9 de maio de 2012 Apresentação Não é um programa inovador O momento não é de procurar

Leia mais

Conteúdo específico: CBC de Língua Portuguesa

Conteúdo específico: CBC de Língua Portuguesa Curso preparatório para o cargo de PEB Ciclo da Alfabetização do EF / SEE-MG Conteúdo específico: CBC de Língua Portuguesa Profa. Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.br Agenda 1.Socialização/apresentação

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013 A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1 Fevereiro de 2013 SUMÁRIO / PAUTA DO ENCONTRO A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Iniciando a conversa (pág.5) Aprofundando o

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Rotina de Sala de Aula TEMA GERADOR: Bicharada

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Rotina de Sala de Aula TEMA GERADOR: Bicharada PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARIPE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO PROGRAMA LUZ DO SABER INFANTIL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Rotina de Sala de Aula TEMA GERADOR:

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 1º Srs. Pais, SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade levá-los a conhecer melhor a proposta desenvolvida no 1º ano. Nele

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

Pré-Escola 4 e 5 anos

Pré-Escola 4 e 5 anos PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC DIÁRIO DE CLASSE Educação Infantil Pré-Escola 4 e 5 anos DIÁRIO DE CLASSE ESCOLA: CRE: ATO DE CRIAÇÃO DIÁRIO OFICIAL / /

Leia mais

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento.

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento. ALFABETIZANDO E LETRANDO: UMA EXPERIÊNCIA NO/DO PROJETO PACTO PELA ALFABETIZAÇÃO Claudionor Alves da Silva 1 Oney Cardoso Badaró Alves da Silva 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar uma experiência

Leia mais

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL 42 Luciene Rodrigues Ximenes lrximenes@hotmail.com Pós-Graduada em Alfabetização, leitura e escrita pela UFRJ. Atualmente é professora e coordenadora

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DO PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

PLANIFICAÇÃO DO PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO PLANIFICAÇÃO DO PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO DE ESCOLARIDADE: 1º Ano ANO LETIVO: 2015/2016 COMPETÊNCIAS CHAVE: C1, C2, C3,

Leia mais

Animais em extinção - Formação de palavras (jogo de sílabas) - Letra O - Letra P - Formação de palavras (jogo de sílabas e jogo de letras)

Animais em extinção - Formação de palavras (jogo de sílabas) - Letra O - Letra P - Formação de palavras (jogo de sílabas e jogo de letras) ABEU COLÉGIOS Disciplina: Língua Portuguesa Série: 1 ano / Fundamental I 1 Caderno 1 Seleção de módulos do Sistema de Ensino Ser 2014 Símbolos e Mensagens - Diferenciação de letra, palavra e número - Placas

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Português do Ensino Básico; Metas Curriculares de Português- 1º Ciclo 1º

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS LEITURA TESTE 2 2012 ELABORAÇÃO: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Diretoria de Avaliação da Educação Básica (Daeb)

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 1º CICLO - 1º ANO DE ESCOLARIDADE PORTUGUÊS PLANIFICAÇÃO MENSAL DE JANEIRO DOMÍNIOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) MATERIAIS/RECURSOS MODALIDADES

Leia mais

Índice. 5.1. Correção das Palavras do Texto... 5 5.2. Autocorreção... 5 5.3. Pontuação... 6 5.4. Escrita Ortográfica... 6. Grupo 5.

Índice. 5.1. Correção das Palavras do Texto... 5 5.2. Autocorreção... 5 5.3. Pontuação... 6 5.4. Escrita Ortográfica... 6. Grupo 5. GRUPO 5.4 MÓDULO 5 Índice 1. Reconstrução do Código Linguístico da Criança...3 2. Textos...3 3. Jogos de Análise Linguística...4 4. Letra Cursiva e Letra de Fôrma...4 5. Ortografia e Gramática...5 5.1.

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 1 ano Levar o estudante a realizar a escrita do próprio nome e outros nomes. Promover a escrita das letras do alfabeto. Utilizar a linguagem oral para conversar,

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA Professor(a), ao abordarmos, no texto anterior, a linguagem escrita como uma das múltiplas linguagens da criança, procuramos enfatizar a

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1 METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1 Daniele Santiago Santos 2 Olivia Margarete Machado Queiroz Souza 3 Resumo: Este artigo

Leia mais

Alfabetização na perspectiva do letramento: questões sobre consciência fonológica e apropriação do sistema de escrita alfabética.

Alfabetização na perspectiva do letramento: questões sobre consciência fonológica e apropriação do sistema de escrita alfabética. Alfabetização na perspectiva do letramento: questões sobre consciência fonológica e apropriação do sistema de escrita alfabética Telma Ferraz Leal Ponto de partida: conceitos fundamentais Alfabetização

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL:

Leia mais

SUGESTÕES / ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ORIENTADOR PEDAGÓGICO ACOMPANHAR A RECUPERAÇÃO PARALELA DESENVOLVIDA NA UNIDADE ESCOLAR

SUGESTÕES / ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ORIENTADOR PEDAGÓGICO ACOMPANHAR A RECUPERAÇÃO PARALELA DESENVOLVIDA NA UNIDADE ESCOLAR SUGESTÕES / ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ORIENTADOR PEDAGÓGICO ACOMPANHAR A RECUPERAÇÃO PARALELA DESENVOLVIDA NA UNIDADE ESCOLAR Considerando a importância e a complexidade da atuação do orientador pedagógico

Leia mais

1. Ensino Fundamental de 9 anos

1. Ensino Fundamental de 9 anos Eliete Bevilacqua Presta e Albanize Aparecida Arêdes Neves 1. Ensino Fundamental de 9 anos Reflexões sobre a organização do trabalho pedagógico nas salas do 1º ano Em cumprimento às determinações do governo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BIMESTRAL MATRIZ CURRICULAR DO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL PORTUGUÊS 4º ANO 1º BIMESTRE EIXO CAPACIDADE CONTEÚDO 4º ANO

ORGANIZAÇÃO BIMESTRAL MATRIZ CURRICULAR DO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL PORTUGUÊS 4º ANO 1º BIMESTRE EIXO CAPACIDADE CONTEÚDO 4º ANO 2. LEIURA 1. COMPREENSÃO E VALORIZAÇÃO DA CULURA ESCRIA ORGANIZAÇÃO BIMESRAL MARIZ CURRICULAR DO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENAL PORUGUÊS 4º ANO 1º BIMESRE EIXO CAPACIDADE CONEÚDO 4º ANO 1.1 Conhecer e valorizar

Leia mais

Alfabetização. Introdução

Alfabetização. Introdução Alfabetização Introdução As parcerias entre o Instituto Ayrton Senna e governos estaduais e municipais são firmadas porque ambas as partes acreditam na importância do desenvolvimento do potencial das crianças

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MATRIZ CURRICULAR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

ORGANIZAÇÃO MATRIZ CURRICULAR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 2. APROPRAÇÃO DO SSTEMA DE ESCRTA 1. COMPREENSÃO E VALORZAÇÃO DA CULTURA ESCRTA ORGANZAÇÃO MATRZ CURRCULAR DOS ANOS NCAS DO ENSNO FUNDAMENTAL PORTUGUÊS: 1º ANO 1º BMESTRE EXO CAPACDADE CONTEÚDO 1º ANO

Leia mais

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I OBJETIVOS GERAIS: Promover o hábito da leitura entre os alunos; Proporcionar ao aluno o prazer

Leia mais

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS TOLEDO, Daniela Maria de (Mestranda) RODRIGUES, Maria Alice de Campos (Orientadora); UNESP FCLAr Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar CAPES Texto

Leia mais

Políticas e práticas de alfabetização no Brasil: avanços e desafios. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto

Políticas e práticas de alfabetização no Brasil: avanços e desafios. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto Políticas e práticas de alfabetização no Brasil: avanços e desafios João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto joao@alfaebeto.org www.alfaebeto.org.br Desempenho dos alunos no SAEB

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) PORTUGUÊ DOMÍNO OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE Oralidade 1. Escutar para aprender e construir conhecimentos 2. Produzir um discurso oral com correção 3.

Leia mais

MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA

MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA ESCOLA ESTADUAL ALMIRANTE TOYODA-2014 PROJETO IDENTIDADE MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA TURMA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL (AZALÉIA E ACÁCIA) PROFESSORAS: GENISMEYRE E LUCILEILA Projeto Identidade Público

Leia mais

Por que é importante planejar o fazer didático?

Por que é importante planejar o fazer didático? SECRETARIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA SEDUC COORDENADORIA DE COOPERAÇÃO COM OS MUNICÍPIOS - COPEM PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O 1º ANO Caro professor (a), Iniciamos mais

Leia mais

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto.

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto. PLANO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: História em quadrinho PERÍDO APROXIMADAMENTE: 5º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura;

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA ENSINO FUNDAMENTAL I NOME PRÓPRIO

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA ENSINO FUNDAMENTAL I NOME PRÓPRIO SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA ENSINO FUNDAMENTAL I NOME PRÓPRIO A Secretaria Municipal da Educação (SME) apresenta sugestões de atividades que podem ser incorporadas ao planejamento pedagógico do 1º ao

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profª Drª Suzana Lima Vargas UFJF suzana_lima@uol.com.br Aida do Amaral Antunes UFJF amaral.aida@yahoo.com.br Andreza de Souza

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 1º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 1º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 1º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL LÍNGUA PORTUGUESA (Unidade 1) Gêneros Poema Crônica Descrição História em quadrinhos Conto de fadas Conto maravilhoso Fábula Leitura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS Polyana Lucena Camargo de Almeida (G-UEL) poly_uel@yahoo.com.br Viviane Boneto Pinheiro (G-UEL) vivianeboneto@hotmail.com

Leia mais

Ciclo de debates sobre a BNCC. Câmara dos Deputados Brasília, 31 de maio de 2016

Ciclo de debates sobre a BNCC. Câmara dos Deputados Brasília, 31 de maio de 2016 Ciclo de debates sobre a BNCC Câmara dos Deputados Brasília, 31 de maio de 2016 Agenda Currículo como instrumento de gestão Qualidade do documento A BNCC V2 análise preliminar Exemplos O currículo escolar

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 1 PRIMEIRO SEMESTRE 2011 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

AUTOR(ES): CARMELITA PEREIRA ALVES DOS SANTOS, MARIA CRISTINA DE OLIVEIRA MACHI

AUTOR(ES): CARMELITA PEREIRA ALVES DOS SANTOS, MARIA CRISTINA DE OLIVEIRA MACHI TÍTULO: OS TEXTOS LITERÁRIOS NA APRENDIZAGEM NOS ANOS INICIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): CARMELITA PEREIRA

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: Notícia PERÍODO APROXIMADAMENTE: 4º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura; - Apreensão das ideias

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO HABILIDADES CONTEÚDOS ORIENTAÇÂO DIDÁTICA Listening RECURSO AVALIAÇÃO Ouve e entende

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto Por que o Joãozinho não aprende a ler João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto PISA 2012 - Língua Portuguesa Média OCDE 500 Média Brasil 412 1o decil 340 9o decil 420 10o decil

Leia mais

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários 3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 1º. TRIMESTRE Tirinha Música Foco narrativo (sequência); Suporte de origem; Imagem desenhada; Histórias

Leia mais

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA Humberto Pires Junior 1 Milene Peixer Loio 2 Introdução A presente pesquisa 3 busca relacionar habilidades

Leia mais