Os documentos manuscritos e o estudo da língua portuguesa em Minas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os documentos manuscritos e o estudo da língua portuguesa em Minas"

Transcrição

1 Os documentos manuscritos e o estudo da língua portuguesa em Minas Profª Maria Antonieta A. de Mendonça Cohen (UFMG) e Profª Soélis Teixeira do Prado Mendes (UFOP) Aspectos paleográficos de um manuscrito setecentista mineiro. Isabela de Vasconcellos Piva (UFOP) e Fábio César Montanheiro (UFOP) O presente trabalho tem o objetivo de expor os aspectos paleográficos mais significativos do manuscrito setecentista Estatutos e Regra da Ordem Terceira de S.Francisco de Villa Rica do Ouro preto (1761), documento que faz parte do extenso legado deixado pelas ordens terceiras e irmandades religiosas de Minas Gerais, fundadas no século XVIII. O microfilme desse manuscrito se encontra disponível para consulta no Museu Casa dos Contos no município de Ouro Preto MG. As edições diplomática, semidiplomática e modernizada (Cambraia, 2005) de tal documento constituem os resultados de um projeto de Iniciação Científica integrante da linha de pesquisa Edição de Manuscritos Confrariais Mineiros, do Departamento de Letras da Universidade Federal de Ouro Preto. A paleografia pode ser definida como a ciência que se ocupa da leitura e da interpretação de formas gráficas antigas: as características que apresentam no interior de cada documento e, ainda, as dificuldades que acarretam, devido ao fato de que a escrita antiga se diferencia em diversos aspectos da escrita atual (Acioli, 2003). Assim, através do estudo paleográfico, torna-se possível determinar o tempo e o lugar em que foi redigido o manuscrito, com o fim de se fornecer subsídios a demais ciências que tenham a escrita como fonte de conhecimento, como a Filologia, a História, a Linguística, e etc. Para o editor de texto, a paleografia é empregada na fixação da forma genuína de um texto (Cambraia, 2005). Desse modo, este trabalho propõe, através da exposição de recortes representativos do documento, a apresentação de características paleográficas dos Estatutos e Regra da Ordem Terceira de S.Francisco de Villa Rica do Ouro preto (1761), como os tipos de letras encontrados, o emprego das letras ramistas, a presença de chamadeiras, determinadas características ortográficas como a utilização de consoantes dobradas, a representação da nasalidade, os sinais de pontuação e acentuação, entre outras - e as abreviaturas encontradas por suspensão, siglas, sobrescritas, numéricas e notação tironiana (Garcia, 2009). Considerações metodológicas para a edição de um manuscrito oficial mineiro: uma incursão pelos arquivos do IHGMG. Márcia Cristina de Brito Rumeu (UFMG) Maria Cândida Trindade Costa de Seabra (UFMG)

2 O principal objetivo desta comunicação é apresentar o processo de formação de corpora fidedignos ao estudo da língua portuguesa no espaço mineiro do século XIX com base na edição fac-similar diplomático-interpretativa de um único documento oficial. Trata-se do Auto de instalação e juramento e posse de vereadores da Vila de Santa Bárbara, redigido a 28 de janeiro de 1840, no Paço do Conselho da Vila de Santa Bárbara. A proposta é trazê-lo à comunidade acadêmica não só em virtude de se constituir uma relevante evidência da história social do município de Santa Bárbara (MG), mas também em razão de se revelar como um considerável testemunho da expressão escrita culta do português novecentista. Nesse sentido, prevê-se que, ao organizar amostras confiáveis da português escrito no espaço mineiro, em sincronias passadas, seja possível descrever e analisar a norma objetivamente realizada, cf. Cunha (1985) em sua manifestação de escrita culta consubstanciada por secretariosescreventes cujo nível de intimidade com a língua escrita supõe-se alto. Nesse sentido, pretende-se expor o processo de edição de tal documento oficial encerrado no Acervo do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais (IHGMG), apresentando as normas de edição, bem como confeccionando observações à luz de critérios paleográficos norteadores do processo filológico em si, cf. Spina (1994 [1977]), Cambraia (2005), Spaggiari e Perugi (2004), Flexor (1991). Acredita-se, pois, em conformidade com Cambraia e Lobo (2001), que a edição fac-similar diplomático-interpretativa de textos, produzidos em território mineiro, no decorrer dos séculos XIX e XX, corresponda aos desejos do linguista-pesquisador ávido por fontes fidedignas ao estudo da estruturação da pluralidade de norma(s) do português brasileiro, cf. Callou, Barbosa e Lopes (2006). Dificuldades na edição de textos manuscritos do séc. XVIII. Christiane Benones de Oliveira (UFOP) e Soelis Teixeira do Prado Mendes (UFOP) Editam-se textos manuscritos porque, através deles, é possível dar a conhecer o uso linguístico de um estágio da língua e aspectos da sociedade de dada época. O processo contribui ainda para a preservação do suporte material que contém o texto manuscrito, na medida em que a circulação do texto editado se dá de forma mais acessível e pode dispensar a consulta ao original. Como eles tendem a apresentar dificuldades para a leitura devido às especificidades da escrita do tempo em que foram redigidas, edições realizadas por profissionais viabilizam a leitura desses documentos a diversos tipos de público, desde o leigo até o específico. Assim sendo, segundo o público-alvo, opta-se pelas modalidades de edição existentes: fac-similar, diplomática, semidiplomática ou modernizada (CAMBRAIA, 2005). Entretanto, é preciso considerar que não obstante todo o cuidado rigoroso por parte do editor (MENDES, 2008, p.162), uma edição diplomática já constitui uma interpretação subjetiva, pois deriva da leitura que um especialista faz do modelo (CAMBRAIA, 2005, p. 94).

3 Para o presente projeto, optou-se por realizar uma edição diplomática do documento, ou seja, transcrição rigorosamente conservadora de todos os elementos presentes no modelo, tais como sinais abreviativos, sinais de pontuação, paragrafação, translineação, separação vocabular, etc (Cambraia, 2005, p. 93). Além de fornecer informações importantes sobre a origem de um texto, o trabalho de edição permite que se estudem particularidades da escrita e da língua de uma dada época. Podemos identificar bo estado de língua da época e aspectos de oralidade na escrita, entre outras particularidades de cada manuscrito. O manuscrito analisado não possui um nome, em sua ficha catalográfica consta o termo Degenere Vitae Et Moribus, referente ao ano de 1779, e está depositado no Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana/MG. Este trabalho faz parte do projeto de pesquisa intitulado O ESTUDO DA CONCORDÂNCIA VARIÁVEL (NOMINAL E VERBAL) EM MANUSCRITOS SETECENTISTAS E OITOCENTISTAS DE MINAS COLONIAL, coordenado pela professora doutora Soélis Teixeira do Prado Mendes, do qual fazem parte os alunos graduandos Marcus Vinícius Pereira das Dores e Christiane Benones de Oliveira, como bolsistas pesquisadores PIBIC/ UFOP. Serão feitas observações acerca das dificuldades da leitura e transcrição de manuscritos do séc. XVIII. Em função da falta de uma ortografia unificada na época, algumas palavras poderiam ser grafadas de maneiras diferentes em um mesmo documento e, isto independia do grau de letramento do escrivão. Edição de manuscritos campanários da Freguesia de Dias: memória de uma forma de expressão. Maria do Carmo Ferreira dos Santos (UFOP) Fábio César Montanheiro (UFOP) O presente trabalho integra uma pesquisa desenvolvida no âmbito dos Estudos da Linguagem que tem por objetivo levantar manuscritos atinentes ao patrimônio campanário da Paróquia de Nossa Senhora da Conceiçao de Antônio Dias, de Ouro Preto, MG, e apresentar uma edição fidedigna de documentos manuscritos, gerados por Irmandades leigas da Freguesia de Antônio Dias. Para isso, a par de pesquisa de campo, busca, na documentação depositada no Arquivo Eclesiástico da referida Paróquia, registros que aludam à temática campanária em épocas passadas. No estágio em que se encontra, editam-se manuscritos na modalidade semidiplomática (Megale et al., 2001), com vistas a alimentar o trabalho em curso. Assim sendo, propõe-se para esta sessão uma análise paleográfica (Spina, 1977; Cambraia, 2005) do Termo de deliberação sobre o direito que tem aos sinais ou dobres no sino grande os Irmãos que servirem de Juízes, Escrivães, Tesoureiros e Procuradores da Irmandade de N.S. do Rosário e Juízes de Santa Efigênia, de 1871, constante do Livro de Termos e Deliberações da Mesa da Irmandade de N.S. do Rosário do Alto da Cruz e da Correspondência recebida pela Ordem Terceira da Penitência de São Francisco para que desse esclarecimentos sobre uma determinada encomendação solene realizada em abril de 1864.

4 Itinerário do caminho para as Minas: um estudo da colocação pronominal em documento setecentista. Helga Lívia Aparecida Silva de Melo (UFMG) O texto usado como corpus desta pesquisa faz parte de um projeto maior, em que são preparados para edição testemunhos do manuscrito denominado Mapa Geográfico, cujo único testemunho datado é de Trata-se do projeto O Itinerário Geográfico do caminho para as minas: edição de testemunhos do século XVIII, coordenado pela Prof.ª Dr.ª Maria Antonieta Cohen. O itinerário, também denominado Mapa descritivo do caminho para as Minas partindo de São Paulo ou do Rio de Janeiro, descreve os caminhos da famosa Estrada Real. O documento original encontra-se no arquivo de manuscritos da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, em Portugal. Os caminhos descritos no documento formam o conjunto de percursos que os bandeirantes fizeram, no período colonial, dentro do espaço que vem a ser o estado de Minas Gerais, partindo do Rio de Janeiro ou de São Paulo, até as minas de ouro e diamantes. Não se trata de um documento literário; o texto é descritivo dos caminhos, vilas, rios, montes e serras que compõem o percurso. Trata-se de um texto importante para o conhecimento da língua portuguesa da época em que foi escrito, provavelmente meados do século XVIII, sendo essa inferência devida ao fato do único testemunho datado a que temos acesso ser uma das cópias impressas antigas, de O fato de ser um documento referente ao Brasil setecentista, ainda que em português lusitano, atribui-lhe um interesse especial, linguístico e histórico, já que a língua dessa época no país é ainda incipientemente estudada e fortemente vinculada a fatores históricos (COHEN, 2010). Assim, o Mapa Geográfico pode apresentar vários fenômenos linguísticos relevantes para a caracterização da língua da época. Neste recorte, optamos por trabalhar com a colocação dos pronomes clíticos, por ser um dos pontos que mais gera discussão entre sintaticistas na linguística histórica. O objetivo é apresentar uma contribuição para o conhecimento do sistema de colocação pronominal no português do século XVIII, quantificando as ocorrências de pronomes clíticos no documento e caracterizando as próclises e ênclises quanto ao tipo de construção verbal em que figuram. Busca-se verificar, numa análise diacrônica, como esses fatores podem ter influenciado o sistema de colocação pronominal que veio a prevalecer no português brasileiro, em especial na variedade falada e escrita em Minas Gerais. Os documentos manuscritos e o estudo da língua portuguesa em Minas Gerais. Elaine Chaves (UFMG) Identificar e desenvolver abreviaturas constitui uma prática corrente na tarefa de elaborar edições semidiplomáticas. É recorrente encontrar-se notações do tipo: desenvolver as abreviaturas de acordo com as formas por extenso da palavra em

5 questão presentes no modelo (CAMBRAIA, 2005, p. 119). No entanto, esta prática vem sendo reavaliada em diversos trabalhos, como Chaves (2006), Cohen (2010), Duchawny e Coelho (2014), Chaves e Ramos (a sair). A questão que se coloca é ao se desenvolver abreviaturas estamos interferindo na observação, na interpretação de fenômenos e na identificação de itens lexicais? O objetivo deste trabalho é advogar em favor de uma resposta positiva a esta questão. Para tanto, ressaltaremos a importância das edições de textos manuscritos para o tratamento de fenômenos linguísticos típicos da escrita como é o caso das abreviaturas. O objeto de estudo serão as abreviaturas da forma Vossa Mercê, consideradas em seu percurso histórico. Foram utilizados pressupostos da Teoria da variação e Mudança, da Linguística Histórica e da Filologia para a interpretação dos resultados. As abreviaturas foram retiradas de cartas pessoais escritas em Mariana e Ouro Preto (sede e distritos), nas primeira e segunda metades do século XIX e primeira metade do século XX. Tais cartas foram selecionadas considerando que (i) todas deveriam estar assinadas; (ii) seus remetentes e destinatário pudessem ser identificados; (iii) deveriam estar datadas e com a localidade expressa. Caso não estivessem, só poderiam ser utilizadas aquelas cartas que pudessem ter data e local estimados; e (iv) só seriam consideradas as cartas que não foram objeto de correção em período posterior a sua escrita. Foi feita transcrição semidiplomática de todas as cartas que compõe o corpus, seguindo-se, basicamente, as normas para transcrição utilizadas pelo PHPB, publicadas em Mattos e Silva (2002). Com base nos critérios metodológicos para o recolhimento e tratamento da amostra e na observação de variantes típicas da escrita, ficou evidente a necessidade de se olhar mais atentamente para as abreviaturas no processo de edição e análise linguística. O estudo da concordância verbal no texto da Grammatica da Lingua Portuguesa de João de Barros (1540). Érica Faustina da Silva Marins (UFOP) Meu objetivo nesta comunicação é fazer uma breve apresentação do meu projeto de mestrado, que consistirá em extrair do texto da gramática de João de Barros os usos da concordância verbal. A inquietação em fazer um estudo aprofundado sobre as regras de concordância verbal no texto dessa gramática nasceu a partir da leitura da referida obra, realizada semanalmente com o GEGRAM - Grupo de estudo de gramáticas: antiga e contemporânea, liderado pelas professoras Dra. Soélis Teixeira do Prado Mendes (UFOP) e Dra. Maria Antonieta Amarante de Mendonça Cohen (UFMG), registrado no CNPQ - do qual faço parte. A escolha da gramática de João de Barros, em detrimento de outra obra da época, a de Fernão de Oliveira (primeira de nosso idioma), foi motivada pelo meu interesse em entender a relação, já citada, entre as gramáticas das nascentes línguas românicas com o modelo greco-latino, e a gramática de Barros foi, em Portugal, a primeira a seguir esse modelo, inaugurado pelo gramático espanhol Nebrija (Leite, 2007:146). A Gramática de João de Barros, publicada na primeira metade do século XVI, foi uma das primeiras a tentar uma des-

6 crição gramatical da nossa língua. A obra é dividida em quatro partes: ortografia, prosódia, etimologia e sintaxe ou construção. Nesta quarta parte, após apresentar princípios de concordância e regência, o autor também inclui mais dois capítulos: um que trata das figuras de linguagem e outro que retoma, de forma mais minuciosa que na primeira parte, a questão da ortografia. É também nesta quarta parte que reside, especificamente, um dos pontos de interesse de pesquisa: a concordância verbal. Ocorre que, durante a leitura da obra, me pareceu que existem mais regras de concordância na escrita do texto do que a prescrita pelo gramático, já que sobre esse assunto ele apresenta uma só regra: o verbo concorda com o nominativo. No entanto minha suposição, com base numa leitura preliminar, é a de que no texto há mais regras sobre essa concordância do que aquela que o gramático prescreveu. O Mapa geográfico do século XVIII: edição e análise de abreviaturas. Olívia Nogueira de Almeida (UFMG) Os manuscritos são documentos básicos para trabalhos de pesquisas em diversas áreas, principalmente na filologia e linguística histórica. Durante o processo de consulta aos manuscritos, é muito comum os pesquisadores enfrentarem dificuldades de leitura, devido aos materiais básicos de leitura papel e tinta, e também a problemas ligados à grafia, caligrafia, vocabulário e, principalmente, às abreviaturas. Este trabalho se dedica a analisar as abreviaturas no âmbito da edição crítica de textos. Para isso, selecionamos a versão manuscrita, guardada na Biblioteca Pública de Évora, em Portugal, do documento do século XVIII intitulado Mapa geográfico, que descreve o caminho de ouro e pedras preciosas no Brasil, a partir dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo. O principal objetivo em estudá-lo deve-se à curiosidade em conhecer e analisar, nesse texto escrito em português, o uso das abreviaturas, bem como o seu valor linguístico. As perguntas que nos norteiam referem-se à necessidade (ou não) de as abreviaturas serem desenvolvidas durante a transcrição de textos antigos, ou posteriormente. Para esse fim, apresentamos a proposta de um glossário de abreviaturas do Mapa geográfico e buscamos discutir as abreviaturas no documento e sua importância. O nome nas gramáticas de João de Barros (1540) e de Reis Lobato (1770): um estudo comparativo. Marcus Vinícius Pereira das Dores (UFOP) e Soélis Teixeira do Prado Mendes (UFOP) Pretende-se com este trabalho fazer um cotejo entre duas gramáticas antigas da língua portuguesa Gramatica da Língua Portuguesa (BARROS, 1540) e A Arte da Grammatica

7 da Língua Portuguesa (LOBATO, 1770) no que tange aos estudos acerca dos nomes e às subcategorias dessa classe (substantivo e adjetivo). De um lado, a gramática de João de Barros, que possui estruturas do modelo latino e, ao mesmo tempo, diferenças entre o português e o latim. Buescu (1971) sustenta que a latinização de Barros, é pois, segundo parece, mais formal do que essencial, preocupando-se ele mais em demonstrar diferenças do que em apontar identidades (p.44); de outro lado, a gramática de Reis Lobato que considera mais as necessidades educacionais da época ensinar a língua materna e a história de Portugal, formando sujeitos capazes assumir os ofícios públicos, falar e escrever a língua portuguesa sem erros. No século XVI, João de Barros, conhecido como o mais latino dos gramáticos da língua portuguesa, dedica parte de sua gramática para essa classe de palavras. Ao discorrer sobre o nome, detalha algumas características marcantes: a qualidade (comum ou próprio, substantivo ou adjetivo, relativo ou antecedente); a espécie (primitivo ou derivado, este, por sua vez, desdobra-se em oito: patronímicos, possessivos, diminutivos, aumentativos, comparativos, denominativos, verbais, adverbiais); a figura (simples ou composto); o gênero (masculino, feminino, neutro, comum a dois, comum a três, duvidoso, confuso); o número (singular ou plural); as irregularidades de alguns nomes e, por fim, a declinação dos nomes. Passados pouco mais de dois séculos, Reis Lobato propõe uma nova gramática que, segundo Zanon e Faccina (2004), ficou conhecida como a primeira gramática da língua portuguesa adotada no ensino. Já conforme Vasconcelos (1926), essa obra serviu como mecanismo de dominação linguística e educacional do Marquês de Pombal na qual o foco não seria mais o latim, e sim a língua vernácula. Logo na introdução, Lobato apresenta alguns equívocos da obra de João de Barros justamente para fundamentar uma das necessidades da sua obra. Contudo, em relação ao nome, ele não se distancia muito do que foi descrito por João Barros apenas apresenta uma nova classe de nome substantivo, o substantivo coletivo, e dá maior ênfase às declinações. O interesse por esta temática surgiu a partir discussões realizadas no grupo de pesquisa: O Estudo da Gramáticas antiga e contemporânea, coordenado pelas professoras Dra. Maria Antonieta Amarante de Mendonça Cohen e Dra. Soélis Teixeira do Prado Mendes. Este estudo possui um caráter extenso e, por isso, nesta comunicação, propõe-se evidenciar apenas algumas diferenças e semelhanças entre as duas obras. O uso de artigo definido diante de antropônimos em documentos manuscritos das localidades de Abre Campo e Matipó no período compreendido entre 1875 a Andréia Almeida Mendes (FACIG)

8 A variação sintática da presença ou ausência de artigo definido diante de antropônimos foi analisada em documentos manuscritos das cidades de Abre Campo e Matipó em atas, escrituras e testamentos. Para tanto, foram examinadas atas, escrituras e testamentos das referidas cidades em três intervalos de tempo datando de 1875 a 1950 com o intuito de comprovar se esse padrão diferenciado com relação ao uso ou não de artigo definido diante de nomes próprios sempre existiu ou se algum fator influenciou, ao longo dos anos, esse uso diferenciado. Adotaram-se os pressupostos teóricos de Bynon (1977) e Labov (1994), segundo os quais a Linguística Histórica deve investigar e descrever como as mudanças ocorrem ou como o sistema linguístico preserva uma estrutura. Conforme Bynon (1977, p.1), a Linguística História deve investigar e descrever como as mudanças ocorrem ou como o sistema linguístico preserva uma estrutura; assim, é possível extrair dos documentos a estrutura gramatical de cada período, podendo, a partir disso, postular e comparar gramáticas sincrônicas. Para Labov (1994), um olhar no passado pode ser fonte de indícios para explicações do presente; essa utilização do presente para explicar o passado é denominada pelo autor de princípio uniformitário, no qual as forças que atuaram no passado para produzir o documento histórico são as mesmas que podem ser vistas em ação hoje (LABOV, 1975 apud TARALLO, 1990, p. 62); o que permite, assim, a inferência dos processos que operaram no passado pela observação dos processos em curso. Segundo Cohen (1995), pode-se justificar o movimento denominado de vai-evem, que possibilita a iluminação do presente através do passado e a iluminação do passado através do presente, apesar de a língua escrita apresentar um maior grau de formalização/normatização do que as línguas faladas, conforme o texto e a época em que foi produzida. Destes textos pretéritos, extraíram-se dados que foram quantificados com o objetivo de se analisar o uso ou não de artigo definido em cada uma das duas localidades pesquisadas. Este estudo permitiu verificar que a ausência de artigo definido diante de antropônimos era a variante predominante nos textos escritos da língua pretérita das duas localidades: 74,7% em Abre Campo e 66,6% em Matipó; mas, ao mesmo tempo, percebeu-se uma tendência de se usar mais artigo definido em Matipó (33,4%) do que em Abre Campo (25,3%). Reflexões metodológicas acerca da expressão escrita do português nos séculos XIX e XX: a edição de manuscritos mineiros. Márcia Cristina de Brito Rumeu (UFMG) Maria Cândida Trindade Costa de Seabra (UFMG) O objetivo deste trabalho é descrever o processo de constituição de corpora confiáveis ao estudo da língua portuguesa em terras mineiras no decorrer do séculos XIX e XX a partir da confecção de edições fac-similares diplomático-interpretativas de documentos pessoais e oficiais, à luz das orientações teórico-metodológicas de Spina (1994 [1977]), Cambraia (2005), Spaggiari e Perugi (2004). Nesse sentido, busca-se apresentar o processo de edição não só de cartas familiares, de amizade, amorosas produzidas por mineiros nos séculos XIX e XX e encerradas no Acervo dos Escritores

9 Mineiros (AEM/FALE/UFMG) e no Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais (IHGMG), mas também das atas inaugurativas do Instituto Histórico e Geográfico pelos intelectuais mineiros a partir de A proposta é a de organizar e editar amostras confiáveis da expressão escrita culta mineira em sincronias passadas com o objetivo principal de caracterizar a norma culta objetivamente realizada, cf. Cunha (1985), tendo em vista o fato de as cartas mais íntimas (familiares e amorosas) evidenciaremse como mais transparentes, ou seja, mais livres da pressão normativista da normapadrão em relação à explicitação de traços linguísticos da oralidade, como também observado por Rumeu (2013) em relação às missivas trocadas no seio familiar de cariocas cultos nas realidades oitocentista e novecentista do português brasileiro. Em contrapartida, nas atas do Instituto Histórico e Geográfico, prevê-se a expressão da norma culta mineira cujo contexto de escritura é o de elevado grau de formalismo, aproximando-se, pois, dos altos níveis de formalidade que também subsidiaram os contextos de produção das Constituições do Império (1824) e da República (1892) do Brasil, que, por sua vez, se mostraram relevantes fontes de expressão das normas lusitana e brasileira do português, respectivamente, cf. discutido por Pagotto (1999). Acredita-se, pois, em conformidade com Cambraia e Lobo (2001), que a edição facsimilar diplomático-interpretativa de textos, confeccionados mais especificamente por mineiros, no decorrer dos séculos XIX e XX, corresponda aos desejos do linguistapesquisador ávido por fontes fidedignas ao estudo da estruturação da pluralidade de norma(s) do português brasileiro.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA

COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA -Juliana Costa Moreira -UFOP -Mônica G. R. de Alkmim -UFOP O presente trabalho tem como objeto de estudo

Leia mais

Erros mais freqüentes

Erros mais freqüentes Lição 1 Erros mais freqüentes Extraímos de comunicações empresariais alguns erros, que passamos a comentar: 1. Caso se faça necessário maiores esclarecimentos... Apontamos duas falhas: 1. Caso se faça

Leia mais

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS Francisco de Assis CARVALHO 1 Desde que o homem existe é que ele nomeia os lugares e os espaços.

Leia mais

A SITUAÇÃO OFICIAL BRASILEIRA DO FILÓLOGO E DO PROFESSOR DE FILOLOGIA NO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO José Pereira da Silva (UERJ)

A SITUAÇÃO OFICIAL BRASILEIRA DO FILÓLOGO E DO PROFESSOR DE FILOLOGIA NO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO José Pereira da Silva (UERJ) Departamento de Letras A SITUAÇÃO OFICIAL BRASILEIRA DO FILÓLOGO E DO PROFESSOR DE FILOLOGIA NO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO José Pereira da Silva (UERJ) DESCRIÇÃO DO TRABALHO DA FAMÍLIA DE OCUPAÇÕES

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

Curriculum Vitae. José Mario Botelho

Curriculum Vitae. José Mario Botelho Dados pessoais Nome Nome em citações bibliográficas Sexo Endereço profissional José Mario Botelho Curriculum Vitae José Mario Botelho BOTELHO, José Mario Masculino Universidade do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

2. TRABALHOS ACADÊMICOS, DISSERTAÇÕES E TESES

2. TRABALHOS ACADÊMICOS, DISSERTAÇÕES E TESES 1. PROJETO DE PESQUISA O projeto de pesquisa surge como proposta da solução de um problema, ou seja, da identificação de uma necessidade a ser satisfeita. É o resultado do planejamento para a solução do

Leia mais

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino César Reis (UFMG) Leandra Batista Antunes (UFOP) Leandro Augusto dos Santos (UFOP) Vanessa Pinha (UFMG) Apesar de os

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Admissão de alunos 2016

Admissão de alunos 2016 Tradição em Excelência Admissão de alunos 2016 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 8⁰ ANO ENSINO FUNDAMENTAL II CIÊNCIAS 1. ORIGEM DA TERRA 1.1. Origem da vida no Planeta Terra (principais teorias). 1.2. Fósseis,

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Ipameri Poder Executivo CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2011 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Ipameri Poder Executivo CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2011 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2011 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL O Prefeito Municipal de Ipameri, no uso de suas atribuições legais, torna público, para conhecimento dos interessados, a 1ª retificação do Edital de

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO Aluno: Isabela Salgado Silva Pereira Orientador: Claudio Ferraz Introdução É de consentimento geral que o nível de desenvolvimento econômico de

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso Desenvolvimento do Projeto Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Tópicos da Aula 8ºe9ºPeríodos Introdução; Normas gerais

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Bacharelado em Engenharia de Software Campus Quixadá

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Bacharelado em Engenharia de Software Campus Quixadá REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Bacharelado em Engenharia de Software Campus Quixadá A COORDENAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE da UFC em Quixadá, no uso de suas atribuições

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

ESTUDO DOS NOMES DE LUGARES (ACIDENTES HUMANOS) E SUA RELAÇÃO COM O ENSINO DE HISTÓRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

ESTUDO DOS NOMES DE LUGARES (ACIDENTES HUMANOS) E SUA RELAÇÃO COM O ENSINO DE HISTÓRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 13 ESTUDO DOS NOMES DE LUGARES (ACIDENTES HUMANOS) E SUA RELAÇÃO COM O ENSINO DE HISTÓRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Anna Inez Alexandre Reis (PIBIC/UFT) annaimezalexandre@hotmail.com Karylleila

Leia mais

Aula 2: Projeto de pesquisa

Aula 2: Projeto de pesquisa 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 2: Projeto de pesquisa 1 O projeto de pesquisa O projeto de pesquisa é a base da organização do seu trabalho de pesquisa. Ao elaborar o projeto você organiza suas

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391 ENSINO E APRENDIZAGEM DE LATIM NA URCA: UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Yascara Simão 1 ARRUDA, Francisco Edmar Cialdine 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar análises colhidas de materiais como

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 Nome: Nº 6º ano Data: / /2015 Professor: Nota: (valor: 2.0) A - Introdução Neste ano, sua pontuação foi inferior a 60,0 pontos e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA

CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA 1 JUSTIFICATIVA O Curso de Português Avançado com Ênfase em Linguagem Jurídica, na modalidade a distância, tem por finalidade atender a necessidade

Leia mais

Aula 9 COMO ESCOLHER UM TEMA?

Aula 9 COMO ESCOLHER UM TEMA? Aula 9 COMO ESCOLHER UM TEMA? Existem alguns pontos essenciais que podem intervir na escolha de um tema para o trabalho de pesquisa desejado. Mostraremos alguns itens que devemos levar em consideração:

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. O que é o TCC? O O TCC é uma atividade de síntese e integração de conhecimentos adquiridos ao longo do curso,

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

ESTRUTURA DAS NORMAS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ESTRUTURA DAS NORMAS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 01/IN01/CGSIC/IFTM 00 - / /2013 29/08/2013 1/6 ORIGEM Esta é uma norma complementar à Política de Segurança da Informação e Comunicação (POSIC), a qual foi elaborada pela Diretoria de Tecnologia de Informação

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS PARA QUALIFICAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO), TESES E TRABALHOS

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE ACADÊMICA: CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE ACADÊMICA: CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE ACADÊMICA: CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO LETRAS DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ÍNGUA PORTUGUESA II PROFESSOR: ANO LETIVO: RONALDO

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA:

PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA: Modelo de Capa ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA DO BRASIL - SOEBRAS FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA: modelo apresentado para

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa Nova Mutum MT 2012 Nome dos acadêmicos em ordem alfabética

Leia mais

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL ELABORAÇÃO DOS PROJETOS PROFª: Daniele Dias de Oliveira Bertagnolli Mai/2012 PROJETO A palavra projeto (do latim projectu, particípio passado de projicere, lançar

Leia mais

5 - O Projeto da Pesquisa

5 - O Projeto da Pesquisa 5 - O Projeto da Pesquisa 5.1 - Escolha do Tema Existem dois fatores principais que interferem na escolha de um tema para o trabalho de pesquisa. Abaixo estão relacionadas algumas questões que devem ser

Leia mais

I SEMINÁRIO DO GRUPO DE PESQUISA EM ESPAÇO, TURISMO E AMBIENTE (GETAM)E DO NÚCLEO DE PESQUISA EM ANÁLISE SOBRE O TERRITÓRIO (NUPAT)

I SEMINÁRIO DO GRUPO DE PESQUISA EM ESPAÇO, TURISMO E AMBIENTE (GETAM)E DO NÚCLEO DE PESQUISA EM ANÁLISE SOBRE O TERRITÓRIO (NUPAT) I SEMINÁRIO DO GRUPO DE PESQUISA EM ESPAÇO, TURISMO E AMBIENTE (GETAM)E DO NÚCLEO DE PESQUISA EM ANÁLISE SOBRE O TERRITÓRIO (NUPAT) 1º Seminário do Grupo de Pesquisa Espaço, Turismo e Ambiente (GETAM)

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Biblioteca Escolar. O Dicionário

Biblioteca Escolar. O Dicionário O Dicionário O que é um dicionário? Livro de referência onde se encontram palavras e expressões de uma língua, por ordem alfabética, com a respetiva significação ou tradução para outra língua e ainda,

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um 1. Introdução Tomo consciência de mim, originalmente, através do outro: deles recebo a palavra, a forma e o tom que servirão à formação original da representação que terei de mim mesmo. (BAKHTIN, 1992,

Leia mais

19 a 20/08/2013 - SALVADOR BA - COMUNICAÇÃO ESCRITA & REDAÇÃO OFICIAL

19 a 20/08/2013 - SALVADOR BA - COMUNICAÇÃO ESCRITA & REDAÇÃO OFICIAL Apresentação A ampliação da divulgação das ações governamentais, além de contribuir para o fortalecimento da democracia, prestigia e desenvolve as noções de cidadania. Nesse sentido, Transparência e Publicidade

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano Letivo 2012/2013 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Disciplina: ECONOMIA C Prova/Código: 312 Ano(s) de Escolaridade: 12º Ano 1. Introdução A prova

Leia mais

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 Sumário Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 1 Variação lingüística / 15 1.1 Os níveis de linguagem / 17 1.1.1 O nível informal /17 1.1.2 O nível semiformal /1 7 1.1.3 O nível formal/18

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico.

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO Aula 3 META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno(a) deverá: ler

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Caracterização A elaboração do Trabalho de Curso fundamenta-se nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição,

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO MENDES, C. A, IFMG - Campus Ouro Preto, c.arcanjomendes@gmail.com; CÂNDIDO, T. F, IFMG - Campus Ouro Preto, thiagoferreira750@yahoo.com.br; SILVA, C.

Leia mais

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA MILHOMEM, André Luiz Borges; GENTIL, Heloisa Salles; AYRES, Sandra Regina Braz. Balanço de Produção Científica: A utilização das TICs como ferramenta de pesquisa acadêmica. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa Nova Mutum 2009 Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações

Leia mais

O Projeto da Pesquisa. 1 - Escolha do Tema

O Projeto da Pesquisa. 1 - Escolha do Tema O Projeto da Pesquisa 1 - Escolha do Tema Existem dois fatores principais que interferem na escolha de um tema para o trabalho de pesquisa. Abaixo estão relacionadas algumas questões que devem ser levadas

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: TRABALHO DOCENTE NO ESTADO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DA JORNADA DE TRABALHO E SALÁRIOS DOS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA PAULISTA RESUMO O cenário atual do trabalho

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS (Resumos Expandidos, Pôster e Oral)

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS (Resumos Expandidos, Pôster e Oral) NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS (Resumos Expandidos, Pôster e Oral) V CONGRESSO INTERNACIONAL DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL EXPECTATIVAS E AÇÕES TRANSFORMADORAS:

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC de Nova Odessa Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança no Trabalho Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Trabalho de Conclusão de Curso Brasília 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA REITOR Prof. Dr. Gilberto Gonçalves Garcia PRÓ-REITOR

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS Priscila Hanako Ishy 1 ; Gláucia Vieira Cândido 2 ; Lincoln Almir Amarante Ribeiro3 1 Bolsista PBIC /CNPq, graduanda

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ARAGUAÍNA COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ANANÁS TO

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ARAGUAÍNA COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ANANÁS TO GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ARAGUAÍNA COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ANANÁS TO PROJETO REFORÇO ESCOLAR PORTUGUÊS E MATEMÁTICA ATRAVÉS

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

1. REQUISITOS DO SOLICITANTE

1. REQUISITOS DO SOLICITANTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL Nº 023/PRPGP/UFSM, DE 29 DE ABRIL DE 2015 Programa Especial de Incentivo às Revistas Científicas

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008.

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

Junta de Freguesia de Reguengos de Monsaraz

Junta de Freguesia de Reguengos de Monsaraz Junta de Freguesia de Reguengos de Monsaraz Arquivo Histórico Acessibilidade: Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz Arquivo Municipal 7200-370 Reguengos de Monsaraz Telefone: 266 508 040 Fax: 266 508

Leia mais

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS EM BANNER (Pôster) 4º Leite e Queijo & Cia. 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2012

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS EM BANNER (Pôster) 4º Leite e Queijo & Cia. 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2012 NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS EM BANNER (Pôster) 4º Leite e Queijo & Cia 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2012 IFSULDEMINAS Campus Muzambinho Estrada de Muzambinho Km 35, s/n - Morro Preto Muzambinho

Leia mais

Nova Ortografia - Atualização em Redação Oficial

Nova Ortografia - Atualização em Redação Oficial GESPÚBLICA EGM FAMEM Nova Ortografia - Atualização em Redação Oficial Prof. Tammy de Oliveira Cunha Ramos Licenciada em Letra s UERJ e Coordenadora da Escola de Gestão Municipal/FAMEM Origem Nossa Língua-

Leia mais