Coletivo de produção audiovisual fundado em abril de 2007 por realizadores, produtoras e entidades privadas de audiovisual.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coletivo de produção audiovisual fundado em abril de 2007 por realizadores, produtoras e entidades privadas de audiovisual."

Transcrição

1 Coletivo de produção audiovisual fundado em abril de 2007 por realizadores, produtoras e entidades privadas de audiovisual.

2 O QUE É O FOCAR (1) Fórum Audiovisual de Niterói Espaço para discussão AFIRMATIVA de políticas públicas de cultura A partir de setembro de 2007 se organiza também como coletivo de produção audiovisual ABERTO a todos os agentes e produtores de audiovisual de Niterói Não utiliza o voto para deliberar e sim o CONSENSO O VETO de um participante paralisa e/ou evita as ações coletivas Busca de SOLUÇÕES coletivas para as demandas dos realizadores

3 O QUE É O FOCAR (2) Fórum Audiovisual de Niterói Parcerias com as entidades de cultura e educação da cidade Parcerias com instituições de nível federal do audiovisual Equipamentos de edição, captação de imagem e som, insumos tecnológicos e recursos humanos dos que aderem ao Fórum Audiovisual de Niterói são mobilizados a serviço do coletivo, sem prejuízo das iniciativas e interesses individuais. Busca organizar-se agora como um APL Arranjo Produtivo Local

4 INSTITUIÇÕES VINCULADAS

5 PROJETOS AUDIOVISUAIS E PARCERIAS REALIZADAS Série Niterói Encontra Niterói (Futura) Programa Ponto Brasil (TV Brasil - EBC) SAv SECRETARIA DO AUDIOVISUAL

6

7

8 PROPOSTA DE UMA POLÍTICA PARA IMPLANTAÇÃO DA INDÚSTRIA DO AUDIOVISUAL EM NITERÓI AÇÕES E PARCERIAS BASES A PARTIR DA OPERACIONALIZAÇÃO DO NPD RJ NÚCLEO DE PRODUÇÃO DIGITAL. CONVÊNIO MINISTÉRIO DA CULTURA SAv SECRETARIA DO AUDIOVISUAL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUBSECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

9 ÁRVORE DE NATAL DO AUDIOVISUAL 2014 LabNIT/NPD Ações institucionais com a SAv R$ ,00 Seminários Cursos técnicos Laboratório de Mídia Instalação de 40 cineclubes Nit Film Comission organizar e sistematizar a infraestrutura e logística para atrair produção audiovisual FME - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Niterói, RJ NPD RJ AÇÕES LOCAIS Centro de Produção Audiovisual (1:1 FME / FSA) Edital de fluxo contínuo Produção própria NEA (Núcleo Escolar Audiovisual) Contrapartida FME convênio SAv R$ ,00 Formação de novos mídias Educomunicação Alfabetização digital (software livre) Arena Audiovisual R$ 0,00 Produtoras Fornecedores Núcleo de Animação

10 LabNIT / NPD Ações institucionais com a SAv Ministério da Cultura / R$ ,00 Operacionalização do Núcleo de Produção Digital de Niterói SEMINÁRIOS MASTERCLASS (R$ ,00) 10 palestras com luminares da indústria do audiovisual brasileiro CURSOS TÉCNICOS (R$ ,00) de iniciação / formação (12) avançado técnico / qualificação (12) avançado executivo para o mercado (10) LABORATÓRIO DE MÍDIA (R$ ,00) Vídeo-experimentações: 3D, vídeo-arte e outros recursos Pesquisa em imagem e som digitais Pesquisa em APPs e outras dimensões improváveis

11 NPD RJ LabNIT/NPD AÇÕES INSTITUCIONAIS COM A SAV MINISTÉRIO DA CULTURA R$ ,00 INSTALAÇÃO DE 40 CINECLUBES NOS 15 MUNICÍPIOS DO COMLESTE ITABORAÍ SÃO GONÇALO RIO BONITO TERESÓPOLIS SAQUAREMA CACHOEIRAS DE MACACU TANGUÁ MAGÉ NOVA FRIBURGO SILVA JARDIM GUAPIMIRIM NITERÓI MARICÁ CASIMIRO DE ABREU ARARUAMA REALIZAÇÃO DE 2 ENCONTROS ESTADUAIS DE CINECLUBES (em parceria com entidades do setor)

12 NPD Ações Locais NEA (Núcleo Escolar Audiovisual ) Contrapartida da FME no convênio com a SaV R$ ,00 META: atingir até 40 escolas (em 10 meses) Formação de novos mídias Educomunicação (para professores) Alfabetização digital (sofware livre)

13 NPD Ações Locais Arena Audiovisual (Mercado Municipal) Sede do APL Audiovisual Produtoras Fornecedores Finish houses Núcleo de Animação (estímulo)

14 META 2014 NIT FILM COMISSION Atrair a realização de 4 longas-metragens ou minisséries ficcionais META 2015 NPD Ações Locais Atrair a realização de 7 longas-metragens ou minisséries ficcionais ATRIBUIÇÕES Atender às solicitações institucionais de produtores audiovisuais nacionais e estrangeiros Apoiar a logística de produções audiovisuais (internas e externas) Buscar produções economicamente relevantes para serem filmadas no município Representar o município em eventos nacionais e internacionais da indústria audiovisual Estimular o desenvolvimento de estudos sobre a economia e a indústria do audiovisual

15 NPD Ações Locais CPA - Centro de Produção Audiovisual FONTES FME: R$ ,00 FAN: R$ ,00 FSA: R$ ,00 EDITAL DE FLUXO CONTÍNUO (produção de pilotos de séries para a TV Lei ) Convênios com Ancine (Agência Nacional de Cinema) e Fundo Setorial de Audiovisual (FSA) Parceria com a Secretaria Municipal de Cultura e Fundação Niteroiense de Arte Dotação ESTIMADA R$ ,00 (Proporção de 1:1 FME 800 / FSA 800) PRODUÇÃO DE FILMES DIDÁTICOS E EDUCATIVOS Dotação ESTIMADA R$ ,00

16 Coletivo de produção audiovisual fundado em abril de 2007 por realizadores, produtoras e entidades privadas de audiovisual

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Porque Investir? 20,3 x 4,9 x R$ 540 Milhões 8.340 Postos de Trabalho R$ 26.5 Milhões R$ 113 Milhões 32 filmes investidos e lançados pela RioFilme entre

Leia mais

Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade

Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade ITABORAÍ Projeto: Fábrica de Sonhos Nome da instituição: Liga Independente das Escolas de Samba e Blocos Carnavalescos de Itaboraí

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região.

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região. Agenda 21 Comperj Iniciativa voluntária de relacionamento da Petrobras para contribuir para que o investimento na região retorne para a população, fomentando a formação de capital social e participação

Leia mais

Eixos Programa de longo prazo e impacto geracional Rede Cooperação horizontal 1º, 2º e 3º setores Território Criativo - Setor Cultural Estruturante

Eixos Programa de longo prazo e impacto geracional Rede Cooperação horizontal 1º, 2º e 3º setores Território Criativo - Setor Cultural Estruturante Plano 2002 2022: Programa de Cultura e Desenvolvimento Local iniciado em 2002 e liderado pela Sociedade Civil com instituições do 3º setor com o apoio de empresas privadas e Governos locais, estaduais

Leia mais

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

APL AUDIOVISUAL O APL AUDIOVISUAL

APL AUDIOVISUAL O APL AUDIOVISUAL O APL AUDIOVISUAL APL AUDIOVISUAL O APL Audiovisual busca o fortalecimento das empresas do setor na região, através de ações colaborativas e do compartilhamento de informações entre seus agentes, com uma

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás Dezembro 2013 Tópicos Cenário P&G Rede de Núcleos de P&G - CNI e Federações Desenvolvimento de APLs

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL.

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. A CLASSE C IDENTIFICA CINEMA, INTERNET E TV POR ASSINATURA COMO

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

FUNDAÇÃOUNISELVA EDITAL Nº 001/2015

FUNDAÇÃOUNISELVA EDITAL Nº 001/2015 SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE PESSOAL PARA CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTA EM CAPTAÇÃO E EDIÇÃO DE SOM PARA PROJETOS AUDIOVISUAIS E ESPECIALISTAS EM EDIÇÃO DE IMAGEM PARA PROJETOS AUDIOVISUAIS FUNDAÇÃOUNISELVA EDITAL

Leia mais

Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar. 25 de junho de 2008

Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar. 25 de junho de 2008 Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar 25 de junho de 2008 Estrutura da Apresentação I Objetivo do Trabalho; II Metodologia; e III Estudos de Caso. I Objetivo do Trabalho O objetivo

Leia mais

Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014

Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014 Fundo Setorial do Audiovisual - FSA Débora Ivanov Agosto/2014 As chamadas - produção, comercialização e desenvolvimento - Chamadas SELETIVO Longas Produção Prodecine 1 Distribuidor Prodecine 2 FSA Produção

Leia mais

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização;

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização; O Programa Programa de âmbito nacional criado pelo SEBRAE para atuar junto aos pequenos negócios, os orientando, acompanhando e criando fidelização pelo relacionamento; O trabalho é realizado através do

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011 Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. Premissas para a Construção do Planejamento Estratégico Início

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

AÇÕES PARA A PRESERVAÇÃO DIGITAL DE ACERVOS AUDIOVISUAIS NO BRASIL

AÇÕES PARA A PRESERVAÇÃO DIGITAL DE ACERVOS AUDIOVISUAIS NO BRASIL AÇÕES PARA A PRESERVAÇÃO DIGITAL DE ACERVOS Associação Brasileira de Preservação Audiovisual ABPA http://abpreservacaoaudiovisual.org/site/ Fundada em 16 de junho de 2008 pelos participantes do 3º Encontro

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE CULTURA. INVESTIMENTOS 2012 (1 a reunião)

FUNDO NACIONAL DE CULTURA. INVESTIMENTOS 2012 (1 a reunião) FUNDO NACIONAL DE CULTURA INVESTIMENTOS 2012 (1 a reunião) SEC Secretaria da Economia Criativa PROJETO CRIATIVA BIRÔ Financia a implantação de 9 dos 16 escritórios de Economia Criativa nas cidades-sede

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

A experiência do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais

A experiência do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais A experiência do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais O Território Criativo do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais integra uma das metas do Programa de Cultura e Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Movimento Movimento Nacional de Proteção à de Proteção à Vida Vida MMA / PNEA MMA / IBAMA /Est. RJ / Prefeituras RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Agosto/2000 a Agosto/2001 APRESENTAÇÃO O Projeto de Educação

Leia mais

Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural. Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural

Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural. Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural 1 1. Apresentação // 4 2. Objetivos e metas // 8 3. Estratégia - Música e Economia criativa // 9 4. Temáticas // 9 5. Programas // 10 6. Projetos Especiais // 10 7. Conselho gestor // 11 1. Apresentação

Leia mais

Atividades Complementares (Comunicação e Multimeios)

Atividades Complementares (Comunicação e Multimeios) Atividades Complementares (Comunicação e Multimeios) As Atividades complementares fazem parte da composição curricular do curso e respondem por 345 horas de atividades diversificadas e realizadas em circunstâncias

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

INSTITUTO FACES DO BRASIL - PLANO DE AÇÃO 2006 DESAFIO 1: CONTRIBUIR PARA A CONSTRUCAO DO SISTEMA PÚBLICO DE CJES NO BRASIL

INSTITUTO FACES DO BRASIL - PLANO DE AÇÃO 2006 DESAFIO 1: CONTRIBUIR PARA A CONSTRUCAO DO SISTEMA PÚBLICO DE CJES NO BRASIL DESAFIO 1: CONTRIBUIR PARA A CONSTRUCAO DO SISTEMA PÚBLICO DE CJES NO BRASIL Faces protocolou no Conselho Nac. de Ecosol e demais órgãos competentes, a nova versão dos P&C's, e, o documento Sistema de

Leia mais

PROGRAMA ELOS DE CIDADANIA

PROGRAMA ELOS DE CIDADANIA PROGRAMA ELOS DE CIDADANIA Educação Ambiental para a Gestão Participativa e Integrada de Águas e Florestas da Mata Atlântica (2013) Registro SR3/UERJ/2013 Nº 4558 EIXOS DE FORMAÇÃO 1. Eixo de formação

Leia mais

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de Financiamento Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de financiamento Polí:cas públicas Mercado Internacional Federais Locais Indireto/Incen:vos Direto Incen:vos/Direto Ar:go 1 PAR ICMS Co- produções

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO ANEXO VI PLANILHA DE PONTUAÇÃO RECONHECIMENTO DE SABERES

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Resolução SE 21, de 28-4-2014. Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades

Resolução SE 21, de 28-4-2014. Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades Resolução SE 21, de 28-4-2014 Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades A Secretária Adjunta, Respondendo pelo Expediente da Secretaria da Educação, tendo em vista o disposto no inciso

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis Teresópolis a) R$ 500,00 (quinhentos reais): Porteiro,

Leia mais

APL AUDIOVISUAL. Rio Grande do Sul Porto Alegre e Região Metropolitana

APL AUDIOVISUAL. Rio Grande do Sul Porto Alegre e Região Metropolitana APL AUDIOVISUAL Rio Grande do Sul Porto Alegre e Região Metropolitana Articulação Setorial no RS até a conformação em APL Fundacine A Fundação Cinema RS - FUNDACINE, possui 15 anos de atuação, criada com

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 16/2015 Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref: Orientações para o Recolhimento da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

5º Congresso Fluminense de Municípios & I Encontro Regional Edição Sudeste

5º Congresso Fluminense de Municípios & I Encontro Regional Edição Sudeste MACUCO SÃO SEBASTIÃO DO ALTO FRIBURGO CACHOEIRAS DE MACACU SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS BARRA MANSA RIO CLARO BARRA DO PIRAÍ VALENÇA 5º Congresso Fluminense de

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Relatório de Informações Gerenciais (RIGER) Anual - 2014

Relatório de Informações Gerenciais (RIGER) Anual - 2014 PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Relatório de Informações Gerenciais (RIGER) Anual - 2014 DIRETORIA-GERAL DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL (DGSEI) RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (RIGER) MENSAL

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

Círculos de Diálogos no Município. Municipalização dos ODM - 2010

Círculos de Diálogos no Município. Municipalização dos ODM - 2010 Círculos de Diálogos no Município Municipalização dos ODM - 2010 Desde 2006, o Movimento Nós Podemos Paraná articula os Círculos de Diálogo que são encontros para incentivar o trabalho voluntário dos três

Leia mais

Eixo 3: Distribuição de Conteúdos

Eixo 3: Distribuição de Conteúdos : Distribuição de Conteúdos Criação de um órgão responsavel pela assessoria e planejamento de projetos de distribuição de conteúdos culturais. Criação de polos de distribuição da produção cultural por

Leia mais

FUNDAÇÃOUNISELVA EDITAL Nº 004/2014

FUNDAÇÃOUNISELVA EDITAL Nº 004/2014 SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE PESSOAL PARA CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTAS EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL (PRODUTOR) ESPECIALISTA EM DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA PARA PROJETOS AUDIOVISUAIS (DIRETOR DE FOTOGRAFIA) FUNDAÇÃOUNISELVA

Leia mais

OFICINA REGIONAL ESTADUAIS DE APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ARTICULADOS AO GTP APL. Curitiba-PR outubro/2006

OFICINA REGIONAL ESTADUAIS DE APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ARTICULADOS AO GTP APL. Curitiba-PR outubro/2006 OFICINA REGIONAL INSTALAÇÃO DE NÚCLEOS N ESTADUAIS DE APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ARTICULADOS AO GTP APL Curitiba-PR outubro/2006 Opções Estratégicas e Diretrizes para o Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INSTITUTOS QUE OPERAM NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO 189-01/2012 RELATÓRIO 1 30.09.2012

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

8.504.930 PROJETOS DE INCLUSAO DIGITAL 8.504.930 DE INCLUSAO DIGITAL - NO ESTADO DO ESPIRITO SANTO F 4 2 30 0 100 8.504.930 TOTAL - FISCAL 9.904.

8.504.930 PROJETOS DE INCLUSAO DIGITAL 8.504.930 DE INCLUSAO DIGITAL - NO ESTADO DO ESPIRITO SANTO F 4 2 30 0 100 8.504.930 TOTAL - FISCAL 9.904. ORGAO : 24000 - MINISTERIO DA CIENCIA E TECNOLOGIA UNIDADE : 24101 - MINISTERIO DA CIENCIA E TECNOLOGIA 0750 APOIO ADMINISTRATIVO 1.400.024 19 122 0750 2000 ADMINISTRACAO DA UNIDADE 1.400.024 19 122 0750

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UF Municipio RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Aperibé RJ Aperibé CNPJ Razão Social FUNDAÇÃO INSTITUTO DE DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos em Pesquisa e Desenvolvimento para o Setor de Tecnologia da Informação (CT-Info)

Capacitação de Recursos Humanos em Pesquisa e Desenvolvimento para o Setor de Tecnologia da Informação (CT-Info) Programa 0465 Sociedade da Informação Objetivo Universalizar o acesso e a inclusão de todos os brasileiros na sociedade da informação Justificativa Público Alvo Produtores e usuários do conhecimento, empresas

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento.

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento. A Genzyme do Brasil ( Genzyme ) torna pública a abertura do Edital 001/2015 para o Programa de Apoio aos Projetos de Associações de Pacientes ( PAPAP ) e define o processo seletivo para o ano de 2016,

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Encontro da Qualidade e Produtividade em Software - EQPS Manaus, novembro/2007 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

2.1 A duração do programa de residência será de até dois meses para o desenvolvimento de cada projeto selecionado.

2.1 A duração do programa de residência será de até dois meses para o desenvolvimento de cada projeto selecionado. Convocatória Residência Internacional LABMIS 2013 O Museu da Imagem e do Som abre inscrições para o programa Residência Internacional LABMIS 2013, abrangendo projetos artísticos nas áreas de fotografia

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo 17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo APRESENTAÇÃO O 17º Festival Brasileiro de Cinema Universitário acontecerá de 6 a 12 de agosto de 2012,

Leia mais

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses.

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. Estamos preparando a reedição do manual com as alterações.

Leia mais

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Ministério da Ciência e Tecnologia Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Augusto Gadelha Secretário de Política de Informática Câmara dos Deputados Comissão

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

Metas e Linhas de Ação do CRESESB

Metas e Linhas de Ação do CRESESB Metas e Linhas de Ação do CRESESB Missão do CRESESB Promover o desenvolvimento das energias solar e eólica através da difusão de conhecimentos, da ampliação do diálogo entre as entidades envolvidas e do

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

UMA CÂMERA NA MÃO DE QUEM? UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE O PROFISSIONAL, O MERCADO AUDIOVISUAL E A FORMAÇÃO UNIVERSITÁRIA 1

UMA CÂMERA NA MÃO DE QUEM? UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE O PROFISSIONAL, O MERCADO AUDIOVISUAL E A FORMAÇÃO UNIVERSITÁRIA 1 - SEPesq UMA CÂMERA NA MÃO DE QUEM? UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE O PROFISSIONAL, O MERCADO AUDIOVISUAL E A FORMAÇÃO UNIVERSITÁRIA 1 Daniela Israel 2 1. Introdução O setor audiovisual compreende atividades

Leia mais

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. 1 CAPÍTULO XIV Dos Juízes de Direito nas Comarcas de Angra dos Reis, Araruama, Armação dos Búzios, Barra do Piraí, Belford Roxo, Bom Jesus do Itabapoana, Cabo Frio,

Leia mais

Relatório de Gestão 2009. Secretaria do Audiovisual Ministério da Cultura

Relatório de Gestão 2009. Secretaria do Audiovisual Ministério da Cultura Relatório de Gestão 2009 Secretaria do Audiovisual Ministério da Cultura SUMÁRIO 1. Identificação... 4 2. Objetivos e Metas Institucionais e/ou Programáticos... 6 2.1. Responsabilidades Institucionais

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DO CAR E CNARH

RELATÓRIO MENSAL DO CAR E CNARH RELATÓRIO MENSAL DO CAR E CNARH OBJETO DO PROJETO: CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR) E CADASTRO NACIONAL DE USUÁRIOS DE RECURSOS HÍDRICOS (CNARH) DA REGIÃO HIDROGRÁFICA LAGOS SÃO JOÃO. RESPONSÁVEL TÉCNICA:BRUNA

Leia mais

Departamento de Políticas de Comunicação. Gerência de Patrocínio

Departamento de Políticas de Comunicação. Gerência de Patrocínio Departamento de Políticas de Comunicação Gerência de Patrocínio PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DO DEPARTAMENTO Implementar as estratégias de comunicação para o Sistema BNDES, divulgando sua atuação e programas;

Leia mais

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012 CONTEXTO O setor de florestas plantadas no Brasil éum dos mais competitivos a nível mundial e vem desempenhando um importante papel no cenário socioeconômico do País, contribuindo com a produção de bens

Leia mais

plano de metas gestão 2013-2017

plano de metas gestão 2013-2017 plano de metas gestão 2013-2017 Reitora Miriam da Costa Oliveira Vice-Reitor Luís Henrique Telles da Rosa Pró-Reitora de Graduação Maria Terezinha Antunes Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Rodrigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX NÚCLEO DE EDUCAÇÃO E CIDADANIA NUEC

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX NÚCLEO DE EDUCAÇÃO E CIDADANIA NUEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX NÚCLEO DE EDUCAÇÃO E CIDADANIA NUEC Rua Almirante Teffé, 637 2º andar Centro CEP 24.030-085 Telefone: (21) 2629-2478 / 2629-2479 e-mail: nuecproex.uff@gmail.com

Leia mais

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br O Projeto O Homem e a Bolsa é uma investigação documental a partir das principais bolsas de valores mundiais, incluindo-se aí a do Brasil. Em nossos levantamentos preliminares, buscamos as Bolsas de Nova

Leia mais

EAD na Graduação-UFRJ

EAD na Graduação-UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro EAD na Graduação-UFRJ Belkis Valdman Pró Reitora de Graduação Caetano Moraes Coordenador UFRJ - UAB Dalva Kato Técnica de Assuntos Educacionais EAD 1 Cursos de Graduação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Financiamento para Inovação em Saúde Seminário sobre o Complexo Econômico-Industrial da Saúde Política Industrial para o Complexo

Leia mais

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente Estado de São Paulo Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde Juan Quirós Presidente 12 de agosto de 2015 Investimento Estrangeiro na Saúde Abertura ao investimento do capital estrangeiro: Oportunidades

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

27/03/2014. Conquista de goodwill, imagem e reputação por parte dos associados, governo, imprensa, formadores de opinião, ONGs, sociedade

27/03/2014. Conquista de goodwill, imagem e reputação por parte dos associados, governo, imprensa, formadores de opinião, ONGs, sociedade INDUSTRIA BRASILEIRA DE ARVORES Câmara Setorial de Florestas Plantadas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Março - 2014 Criação de Associação da Indústria de Produtos de Base Florestal

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

CLIPPING. Indústria Audiovisual

CLIPPING. Indústria Audiovisual CLIPPING Indústria Audiovisual 27 de maio de 2013 27/5-19h30 Investimento em cinema é tema de seminário O Comitê de Entretenimento, Esportes e Cultura, dirigido porsteve Solot, e o Subcomitê de Propriedade

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais