3.2 Populações O que é uma população? Quais os atributos de uma população? Tamanho populacional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3.2 Populações O que é uma população? Quais os atributos de uma população? Tamanho populacional"

Transcrição

1 51 Licenciatura em Ciências USP/Univesp 3.2 Populações O que é uma população? No tópico anterior definimos população como um grupo de indivíduos de uma mesma espécie que ocupam um determinado espaço numa mesma unidade de tempo. Agora, vamos tratar deste conceito com mais detalhes, a fim de conhecer quais os fatores que caracterizam uma população Quais os atributos de uma população? Assim como o nível do indivíduo apresenta atributos que se aplicam apenas a ele, como crescimento corpóreo e reprodução, a população também apresenta atributos distintos dos demais níveis, como veremos a seguir Tamanho populacional O tamanho populacional refere-se ao número de indivíduos que compõem uma população. A forma mais simples de determinar este tamanho é a contagem direta de todos os indivíduos presentes. No entanto, nem sempre isto é possível e a opção é fazer estimativas deste número, existindo várias metodologias para essa finalidade. Um delas é o censo populacional feito pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para estimar o tamanho da população brasileira.

2 Licenciatura em Ciências USP/Univesp 52 O tamanho de uma população em um determinado momento depende do número de indivíduos existentes anteriormente, da quantidade de indivíduos adicionados e subtraídos à população no período avaliado. A adição de novos indivíduos se dá por nascimentos e imigração, enquanto a subtração se dá por mortes e emigração. Assim, uma equação para estimar o tamanho populacional no momento atual poderia ser expressa por: N atual = N anterior + b + i d e, onde: N atual : número de indivíduos existentes no momento atual N anterior : número de indivíduos existentes em um momento anterior b: número de nascimentos no período analisado (por convenção utiliza-se a letra B, de birth = nascimento, em inglês) i: número de indivíduos que se juntaram à população por imigração no período analisado d: número de mortes no período analisado (por convenção utiliza-se a letra D, de death = morte, em inglês) e: número de indivíduos que foram subtraídos da população por emigração no período analisado. Conhecendo-se o número de indivíduos e a área do local no qual a população habita é possível calcular-se a densidade demográfica ou populacional. Esta é expressa, por exemplo, pelo número de indivíduos por metro quadrado ou no caso da população humana como número de habitantes por quilômetro quadrado. Em Ecologia esta medida é importante quando se quer avaliar, entre outras coisas, se a quantidade de recursos existentes em uma determinada área é suficiente para uma determinada população Taxas de natalidade, mortalidade e fertilidade Como acabamos de ver, o número de nascimentos e mortes é importante para a determinação do tamanho de uma população. A determinação desses fatores é feita por meio de taxas, pois sempre consideramos a quantidade de algum evento (como nascimentos e mortes, por exemplo) por unidade de tempo. As taxas brutas são aquelas que utilizam o número de eventos pelo número total de indivíduos da população por unidade de tempo. As

3 53 Licenciatura em Ciências USP/Univesp taxas especificas utilizam o número de eventos ocorridos em uma determinada fração da população (como o número de fêmeas ou de indivíduos ou uma faixa de idade, por exemplo) por unidade de tempo. O número de nascimentos em um determinado período de tempo constitui a taxa de natalidade da população e é expressa pela razão entre o número de nascimentos e o número total de indivíduos na população. O número de mortes em um determinado período de tempo, por sua vez, constitui a taxa de mortalidade da população e é expressa pela razão entre o número de mortes e o número total de indivíduos na população. Outro atributo importante que interfere no tamanho da população é a taxa de fertilidade, ou seja, o número médio de descendentes por fêmea em um determinado período de tempo. É importante não confundir fertilidade com fecundidade. Enquanto a primeira representa a produção real de novos indivíduos na população, a segunda indica o potencial que as fêmeas têm de produzir descendentes. Como exemplo, considere uma população na qual cada fêmea tem potencial de produzir dez descendentes durante a vida. Este potencial indica a taxa de fecundidade. No entanto, uma infinidade de fatores pode interferir fazendo com que não seja atingido. Nesse caso, o número real de descendentes produzidos será diferente do esperado e esse número corresponde à fertilidade daquela fêmea. As definições de fertilidade e fecundidade apresentadas neste texto correspondem às utilizadas na Biologia. No entanto, nos estudos da população humana, os demógrafos utilizam o termo taxa de fecundidade para expressar o número de descendentes por fêmea em um determinado período de tempo. Ou seja, corresponde exatamente à definição que a Biologia utiliza para fertilidade. Assim sendo, é necessário prestar muita atenção à forma como os dois termos são empregados nas diferentes situações a fim de evitar interpretações errôneas. Quanto maiores as taxas de natalidade e de fertilidade e quanto menores as taxas de mortalidade, maior será o crescimento da população ao longo de um determinado período e maior o seu tamanho ao final deste período.

4 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Estrutura etária A estrutura etária de uma população é proporção dos indivíduos de diferentes idades que a compõem. Esta estrutura influencia na natalidade e na mortalidade. Por exemplo, a existência de uma grande proporção de jovens é indicativa de uma alta natalidade, enquanto a existência de uma elevada proporção de indivíduos velhos pode indicar menor natalidade e que a população está envelhecendo. A distribuição etária das populações é representada por pirâmides etárias que são construídas de forma a apresentar o número de indivíduos existentes em cada faixa etária (faixa de idade) de uma população. No caso, das pirâmides humanas, por exemplo, homens estão representados de um lado e mulheres do outro. Existem três tipos teóricos de pirâmides etárias, nas quais a proporção de jovens varia de grande a pequena (Figura 3.2). Analisando-se a pirâmide do tipo A, aqui representada pela população do continente africano, percebe-se que esta apresenta base larga, o que significa que há um elevado número de indivíduos distribuídos nas faixas etárias inferiores. Tal constatação permite prever que o tamanho da população tem tendência a aumentar. Por outro lado, a pirâmide do tipo B, exemplificada pela população do continente norte americano, tem números similares de indivíduos na maioria das faixas etárias, o que indica que a população está em equilíbrio, nem aumentando nem diminuindo. Finalmente, a pirâmide do tipo C, exemplificada pela população da Europa, tem a base estreita, ou seja, há poucos jovens em comparação com as demais classes etárias, o que significa que o crescimento é negativo e que a população está diminuindo. Esta tendência só poderia ser revertida se houvesse um aumento considerável da fertilidade nas faixas etárias em idade reprodutiva.

5 55 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Figura 3.2: Pirâmides etárias teóricas (A, B e C) e exemplos de pirâmides de populações humanas que se aproximam dos modelos teóricos / Fonte: Cepa. Dados baseados em: As pirâmides etárias são úteis para o estudo não apenas de populações humanas, mas de todas as populações. Elas permitem, por exemplo, avaliar o número total de indivíduos e discriminar dentro desse total qual o número de indivíduos do sexo masculino e do feminino nas diferentes faixas etárias, fornecem dados para calcular a razão sexual que é a relação entre número de machos e de fêmeas. Além disso, permitem verificar tendências de envelhecimento e de crescimento das populações. Agora é a sua vez Acesse o ambiente virtual e realize a atividade online 3.2

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

Também conhecido como densidade populacional ou população relativa. É a medida expressa pela relação entre a população e a superfície do território.

Também conhecido como densidade populacional ou população relativa. É a medida expressa pela relação entre a população e a superfície do território. Também conhecido como densidade populacional ou população relativa. É a medida expressa pela relação entre a população e a superfície do território. É geralmente expressa em habitantes por quilômetro quadrado

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil 2013

Estatísticas do Registro Civil 2013 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estatísticas Vitais e Estimativas Populacionais Estatísticas do Registro Civil 2013 Dezembro de 2014 Estatísticas do Registro

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Censo Demográfico 2010 Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Rio de Janeiro, 29 de junho de 2012 A presente publicação dá continuidade à divulgação dos resultados do Censo

Leia mais

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo Projeções da Fundação Seade para a trajetória até 2050 indicam que o grupo populacional com mais de 60 anos será triplicado e o com mais

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Novembro de 2013. Willians Kaizer dos Santos Maciel Coordenador de Indicadores e Controle de Qualidade da Educação Superior Inep/MEC

Foz do Iguaçu PR Novembro de 2013. Willians Kaizer dos Santos Maciel Coordenador de Indicadores e Controle de Qualidade da Educação Superior Inep/MEC Foz do Iguaçu PR Novembro de 2013 Willians Kaizer dos Santos Maciel Coordenador de Indicadores e Controle de Qualidade da Educação Superior Inep/MEC Renan Carlos Dourado Técnico em Informações Educacionais

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

A POPULAÇÃO BRASILEIRA

A POPULAÇÃO BRASILEIRA A POPULAÇÃO BRASILEIRA A origem dos brasileiros A população brasileira é heterogênea e foi constituída por três principais grupos étnicos Indígena Cafuzo Negro africano Caboclo ou mameluco Branco europeu

Leia mais

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2060 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 Agosto de 2013 1 Presidenta da República

Leia mais

AMADORA XXI POPULAÇÃO 2011

AMADORA XXI POPULAÇÃO 2011 AMADORA XXI POPULAÇÃO 2011 Nota Introdutória Amadora XXI O Município da Amadora disponibiliza informação censitária de 2011 dirigida aos residentes, estudantes, empresários e interessados em conhecer a

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Pré Universitário Uni-Anhanguera Questão 01) A distribuição da população pela superfície do planeta é desigual, orientada por fatores históricos, econômicos ou naturais. No caso do Brasil, conclui-se que

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SUA PRODUÇÃO HISTÓRICA NO BRASIL, AMAZONAS, TEFÉ, ALVARÃES E UARINI-AM

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SUA PRODUÇÃO HISTÓRICA NO BRASIL, AMAZONAS, TEFÉ, ALVARÃES E UARINI-AM ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SUA PRODUÇÃO HISTÓRICA NO BRASIL, AMAZONAS, TEFÉ, ALVARÃES E UARINI-AM Ellen Anjos Camilo da Costa Universidade Federal do Amazonas ellen_cami@yahoo.com.br Tatiana Schor Universidade

Leia mais

Melhor Idade Oficinas de Produção 1

Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Patrícia da Silva Fonseca. Economista Doméstica e estudante não-vinculado do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa. Endereço:

Leia mais

CENSO - 2010 E OS FLUXOS DA POPULAÇAO NO RIO GRANDE DO SUL

CENSO - 2010 E OS FLUXOS DA POPULAÇAO NO RIO GRANDE DO SUL Centro de Estudos Migratórios Cristo Rei - CEMCREI CENSO - 2010 E OS FLUXOS DA POPULAÇAO NO RIO GRANDE DO SUL Teresinha Zambiasi, mscs TENDÊNCIA DA POPULAÇÃO DO RS Ano do Censo Números absolutos Taxa crescimento

Leia mais

Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros

Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros Alicia Bercovich IBGE VI Fórum Senado Debate Brasil Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência Painel 2: Quem são, onde estão,

Leia mais

Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II

Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II A nova Pirâmide Etária do Brasil; Crescimento horizontal devido às migrações; É um tipo de gráfico que representa os dados sobre

Leia mais

1960-2040 MUNICÍPIO DE OEIRAS. Diagnóstico Demográfico e Projeção da População. Teresa Pimentel

1960-2040 MUNICÍPIO DE OEIRAS. Diagnóstico Demográfico e Projeção da População. Teresa Pimentel 1 MUNICÍPIO DE OEIRAS Diagnóstico Demográfico e Projeção da População 1960-2040 Teresa Pimentel 2 3 INTRODUÇÃO 3 METODOLOGIA 6 SUMÁRIO EXECUTIVO 7 A POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO 9 A POPULAÇÃO NAS FREGUESIAS

Leia mais

1960-2040 MUNICÍPIO DE OEIRAS. Diagnóstico Demográfico e Projeção da População. Teresa Pimentel

1960-2040 MUNICÍPIO DE OEIRAS. Diagnóstico Demográfico e Projeção da População. Teresa Pimentel 1 MUNICÍPIO DE OEIRAS Diagnóstico Demográfico e Projeção da População 1960-2040 Teresa Pimentel 2 3 INTRODUÇÃO 3 METODOLOGIA 6 SUMÁRIO EXECUTIVO 7 A POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO 9 A POPULAÇÃO NAS FREGUESIAS

Leia mais

DINÂMICA POPULACIONAL DE CARIACICA

DINÂMICA POPULACIONAL DE CARIACICA 0 DINÂMICA POPULACIONAL DE CARIACICA DIAGNÓSTICO E CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS CONSULTORES: Gutemberg Hespanha Brasil Aurélia H. Castiglione EQUIPE DE APOIO: Carlos Umberto Felipe CARIACICA 2012 1 Lista de

Leia mais

INDIVÍDUOS. Freguesia

INDIVÍDUOS. Freguesia INDIVÍDUOS Total de Indivíduos Residentes, INE: Censos de 2011, CAOP 2013 Indivíduos Residentes Homens Mulheres Bucelas 4663 2243 2420 Fanhões 2801 1403 1398 Loures 26769 12787 13982 Lousa 3169 1511 1658

Leia mais

Fenômenos atmosféricos Massas de ar que atuam no Brasil Ventos Umidade do ar Classificação das Chuvas

Fenômenos atmosféricos Massas de ar que atuam no Brasil Ventos Umidade do ar Classificação das Chuvas CONTEÚDOS PROVAS BIMESTRAIS 3º BIMESTRE 6º ano Ciências Livro 3, páginas 305 à 342 Fração de um número. Frações equivalentes e frações irredutíveis. Comparação de frações. Frações mistas. Soma, subtração,

Leia mais

9. TAXA BRUTA DE MORTALIDADE (TBM)

9. TAXA BRUTA DE MORTALIDADE (TBM) 1 ALGUMAS DEFINIÇÕES 1. POPULAÇÃO MÉDIA Trabalha-se em geral com a População média ou a meio do ano, quer dizer a população a 30 de Junho. Se se tratar de uma população fechada (sem migrações), calcula-se

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS APOSTILA PÁGINAS 19 A 23 / 63 A 65 / 84 / 87 A 89 E NATURAIS / 97 E 98 / 105 E 106 02/12 INGLÊS PÁGINAS: 39 A 47

CIÊNCIAS SOCIAIS APOSTILA PÁGINAS 19 A 23 / 63 A 65 / 84 / 87 A 89 E NATURAIS / 97 E 98 / 105 E 106 02/12 INGLÊS PÁGINAS: 39 A 47 ENSINO FUNDAMENTAL 1º ANO A 01/12 CIÊNCIAS SOCIAS E APOSTILA PÁGINAS 19 A 23 / 63 A 65 / 84, 87 A NATURAIS 89 / 97 E 98, 105 E 106 02/12 ALFABETIZAÇÃO TEXTO E INTERPRETAÇÃO / DIMINUTIVO / PLURAL / REGRA

Leia mais

Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4

Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 UPP CAJU 09/2014 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1. SERVIÇOS URBANOS E CONDIÇÃO

Leia mais

MATEMÁTICA BÁSICA E CALCULADORA

MATEMÁTICA BÁSICA E CALCULADORA DISCIPLINA MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSOR SILTON JOSÉ DZIADZIO APOSTILA 01 MATEMÁTICA BÁSICA E CALCULADORA A matemática Financeira tem como objetivo principal estudar o valor do dinheiro em função do

Leia mais

GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas

GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas GESTÃO DE MÉTRICAS 2010 Sistema de Gestão de Métricas SUMÁRIO Sumá rio Introduçá o 1 Processos de Nego cios 2 Instáláçá o 3 Operáçá o 4 Mánutençá o 29 Informáço es de contáto 41 INTRODUÇÃO Introduçá o

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade

Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade 30 de maio de 2014 Dia Mundial da Criança 1 1 de junho Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente

Leia mais

Brasília, a cidade mais conectada

Brasília, a cidade mais conectada Fundação Getulio Vargas Tópico: CPS 17/05/2012 Correio Braziliense Online - DF Editoria: Cidades Pg: 04:00:00 Brasília, a cidade mais conectada Diego Amorim (Diego Amorim) A capital é recordista de inclusão

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Núcleo Regional de Educação de Toledo Colégio Estadual Jardim Gisele Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2015 TRABALHO DOCENTE Estabelecimento

Leia mais

a~ncia sexual são responsáveis somente por um pequeno aumento do período de infertilidade

a~ncia sexual são responsáveis somente por um pequeno aumento do período de infertilidade a~ncia sexual são responsáveis somente por um pequeno aumento do período de infertilidade pós-parto. A duração média do período de insuscetibilidade pós-parto é de 5,6 meses. Na auséncia do uso da anticoncepção

Leia mais

A presentamos, a seguir, a descrição dos

A presentamos, a seguir, a descrição dos PROPOSTAS PARA DESENVOLVER EM SALA DE AULA NÚMERO 5 JULHO DE 1997 EDITORA MODERNA ANALISANDO CARIÓTIPOS HUMANOS ABERRANTES J. M. Amabis* * e G. R. Martho Este folheto complementa e amplia as atividades

Leia mais

CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro

CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro SÃO PAULO EM PERSPECTIVA, 13(1-2) 1999 CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro BERNADETTE CUNHA WALDVOGEL Estatística e Demógrafa, Gerente de Indicadores e Estudos Populacionais da Fundação

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 NÚMERO DE SHOPPINGS, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. FLUXO DE CLIENTES, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil:

SETOR de shopping center no Brasil: Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 número de Shoppings, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. Fluxo de Clientes, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento

Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento As projeções populacionais até 2030 para os distritos da capital, realizadas pela Fundação

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

OS IDOSOS E AS MORTES POR ACIDENTES DO TRABALHO EM SÃO PAULO

OS IDOSOS E AS MORTES POR ACIDENTES DO TRABALHO EM SÃO PAULO OS IDOSOS E AS MORTES POR ACIDENTES DO TRABALHO EM SÃO PAULO BERNADETTE CUNHA WALDVOGEL DANIEL WALDVOGEL THOMÉ DA SILVA Trabalho a ser apresentado no XII Encontro Nacional de Estudos Populacionais Brasil

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

tigo 5º_ página Enquadramento familiar das pessoas com deficiência: Uma análise exploratória dos resultados dos Censos 2001

tigo 5º_ página Enquadramento familiar das pessoas com deficiência: Uma análise exploratória dos resultados dos Censos 2001 Artig tigo 5º_ página 69 Enquadramento familiar das pessoas com deficiência: Uma análise exploratória dos resultados dos Censos 2001 Autora: Cristina Gonçalves -Técnica Superior de Estatística no Departamento

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema REALIZAÇÃO: APOIO: REALIZAÇÃO Adriana Rosa da Silva Rodrigues - Enfermeira do Núcleo de Apoio ao Estudante - NAE. Érika Correia Silva - Psicóloga

Leia mais

Tendências demográficas no período de 1940/2000

Tendências demográficas no período de 1940/2000 Tendências demográficas no período de 1940/2000 Distribuição espacial e crescimento O desenvolvimento econômico marcou as grandes transformações ocorridas no solo brasileiro entre os Censos de 1940 e 2000.

Leia mais

Materiais consumidos e resíduos gerados pelos novos. domicílios construídos no Brasil nos últimos 12 anos.

Materiais consumidos e resíduos gerados pelos novos. domicílios construídos no Brasil nos últimos 12 anos. Materiais consumidos e resíduos gerados pelos novos domicílios construídos no Brasil nos últimos 12 anos. Em 2010, existiam 57,3 milhões de domicílios permanentes no Brasil. Desse total, 12,5 milhões são

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE JUVENTUDE SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS PESQUISA JOVEM PAULISTA 2020 RELATÓRIO FINAL SÃO PAULO

COORDENADORIA ESTADUAL DE JUVENTUDE SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS PESQUISA JOVEM PAULISTA 2020 RELATÓRIO FINAL SÃO PAULO COORDENADORIA ESTADUAL DE JUVENTUDE SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS PESQUISA JOVEM PAULISTA 2020 RELATÓRIO FINAL SÃO PAULO JUNHO/2010 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1 2. DEMOGRAFIA 11 2.1. MIGRAÇÃO 11 2.2.

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

FECUNDIDADE PAULISTANA: DIFERENCIAIS DE ESCOLARIDADE E DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH).

FECUNDIDADE PAULISTANA: DIFERENCIAIS DE ESCOLARIDADE E DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH). 1 TÍTULO FECUNDIDADE PAULISTANA: DIFERENCIAIS DE ESCOLARIDADE E DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH). Cláudia Maria Martins 1 Márcia Furquim de Almeida 2 1. INTRODUÇÃO Os estudos de diferenciais intra-urbanos

Leia mais

Retrato Estatístico do Funchal

Retrato Estatístico do Funchal Retrato Estatístico do Funchal Resultados Definitivos dos Censos 2011 EDUCAÇÃO POPULAÇÃO JUVENTUDE E ENVELHECIMENTO MOVIMENTOS POPULACIONAIS PARQUE HABITACIONAL ECONOMIA E EMPREGO CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE

Leia mais

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. xxxiii (145), 1998 (1. ), 183-188 Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos O número de nascimentos em Portugal tem

Leia mais

ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA

ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 02 DEMOGRAFIA MUNDIAL (MACK) O Brasil em 2020 Será, é claro, um Brasil

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE 05 Determinantes e Estilos de Vida 076 05. Determinantes e Estilos de Vida Atlas do Plano Nacional de Saúde Determinantes e Estilos de Vida Considerações

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico Estatísticas da CPLP 23-21 12 de julho de 213 Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico A população residente no conjunto dos oito países 1 da Comunidade de Países de Língua

Leia mais

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 Documento preliminar Coordenação: Luiz Cesar Ribeiro Responsável: Érica Tavares da Silva Colaboração: Juciano Rodrigues e Arthur Molina 1 P á g i n a Introdução

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Expectativa de Vida no Mercado de Trabalho Brasileiro. Charles Henrique Correa

Expectativa de Vida no Mercado de Trabalho Brasileiro. Charles Henrique Correa Expectativa de Vida no Mercado de Trabalho Brasileiro Charles Henrique Correa Junho, 2015 389 ISSN 1519-1028 CGC 00.038.166/0001-05 Trabalhos para Discussão Brasília n 389 junho 2015 p. 1-47 Trabalhos

Leia mais

Samy Hazan Superintendente de Vida

Samy Hazan Superintendente de Vida Tendências e desafios no mercado de Vida & Previdência Samy Hazan Superintendente de Vida Curitiba, 20/03/07 AGENDA Perfil e Cenário atual do mercado. Etapas da evolução dos mercados de seguro. Dez tendências

Leia mais

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA Panorama dos Territórios UPP FORMIGA 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 5 3.1.

Leia mais

Questão 1 Descritor: D4 Identificar a relação entre o número de vértices, faces e/ou arestas de poliedros expressa em um problema.

Questão 1 Descritor: D4 Identificar a relação entre o número de vértices, faces e/ou arestas de poliedros expressa em um problema. SIMULADO SAEB - 2015 Matemática 3ª série do Ensino Médio GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO QUESTÕES E COMENTÁRIOS Questão 1 D4 Identificar a relação entre o número de vértices, faces

Leia mais

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS VERSÃO PRELIMINAR PME / 2015 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO 1. BASE LEGAL 2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS 2.1. FLORIANÓPOLIS ASPECTOS HISTÓRICOS, GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS 2.2. EDUCAÇÃO

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da Educação Superior 2013 Quadro Resumo- Estatísticas gerais da Educação Superior, por Categoria Administrativa-

Leia mais

Matriz Curricular de Matemática 6º ao 9º ano 6º ano 6º Ano Conteúdo Sistemas de Numeração Sistema de numeração Egípcio Sistema de numeração Romano Sistema de numeração Indo-arábico 1º Trimestre Conjunto

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

Infográficos Cidades@

Infográficos Cidades@ Page 1 of 18 Instituto eiro de Geografia e Estatística Infográficos Cidades@ - RN Page 2 of 18 Dados Básicos População Área Bioma 803.811 hab. 167,16 km 2 Caatinga e Mata Atlântica Localização da Sede

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Planificação anual de Ciências Naturais 9º Ano de escolaridade 2013 / 14

Planificação anual de Ciências Naturais 9º Ano de escolaridade 2013 / 14 Departamento de Ciências Experimentais Grupo de recrutamento 520 - Biologia e Geologia Planificação anual de Ciências Naturais 9º Ano de escolaridade 2013 / 14 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO

Leia mais

EIXO/TEMA IV - TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Descritor 27 Ler informações e dados apresentados em tabelas.

EIXO/TEMA IV - TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Descritor 27 Ler informações e dados apresentados em tabelas. SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA O TRABALHO COM AS HABILIDADES E OS CONTEÚDOS DOS DESCRITORES DA MATRIZ SAEB E DAS EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DA MATRIZ CURRICULAR DO ESTADO DE GOIÁS CADERNO 5 Matemática

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 Índice Nota de apresentação... 3 Organograma da DREM... 4 1. Pessoal ao serviço por tipo de carreira e tipo de contratação, segundo o sexo... 5 2. Estrutura etária segundo

Leia mais

Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores. Beja, Outubro de 2009 ESEB

Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores. Beja, Outubro de 2009 ESEB Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores Organização I Parte Informação sobre o Ponto de Acesso do INE no Instituto Politécnico de Beja II Parte Pesquisa de informação estatística Como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E PLANEJAMENTO REGIONAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E PLANEJAMENTO REGIONAL CEDEPLAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E PLANEJAMENTO REGIONAL ESTIMATIVAS DECENAIS E QÜINQÜENAIS DE SALDOS MIGRATÓRIOS E TAXAS LÍQUIDAS DE MIGRAÇÃO DO BRASIL, POR SITUAÇÃO

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

AGENDA DIÁRIA. Dia: 01/08/2013 Série: 7ª Turma: A Turno: Matutino Horário Componente Curricular Conteúdo Observação

AGENDA DIÁRIA. Dia: 01/08/2013 Série: 7ª Turma: A Turno: Matutino Horário Componente Curricular Conteúdo Observação Dia: 01/08/2013 Série: 7ª Turma: A Turno: Matutino Ciências/Cristiane Dinâmica de acolhida introdução sistema nervoso (capitulo 7 tópico 01) Introdução a polinômios soma e subtração de polinômios entrega

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas:

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas: INDICADORES DE SAÚDE Critérios para avaliar indicadores: Validade Confiabilidade (reprodutividade e fidedignidade) Representatividade (cobertura) Questão ética Ângulo técnico administrativo A preparação

Leia mais

PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA

PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA SÉRIE: 9º ANO PROFESSORA: ROSI MAGDA

Leia mais

INTRODUÇÃO A ALGUNS CONCEITOS BÁSICOS E MEDIDAS EM DEMOGRAFIA

INTRODUÇÃO A ALGUNS CONCEITOS BÁSICOS E MEDIDAS EM DEMOGRAFIA 1998 INTRODUÇÃO A ALGUNS CONCEITOS BÁSICOS E MEDIDAS EM DEMOGRAFIA José Alberto Magno de Carvalho' Diana Oya Sawyer' Roberto do Nascimento Rodrigues' 2 a edição ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DE ESTUDOS POPULACIONAIS

Leia mais

Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007

Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007 Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007 revela um número menor de habitantes do que se esperava e mostra um maior consumo per capita de carnes. Luciano

Leia mais

NOÇÕES DE PROBABILIDADE

NOÇÕES DE PROBABILIDADE NOÇÕES DE PROBABILIDADE Fenômeno Aleatório: situação ou acontecimento cujos resultados não podem ser determinados com certeza. Exemplos: 1. Resultado do lançamento de um dado;. Hábito de fumar de um estudante

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

Autor. Ana Amélia Camarano. Artículo O IDOSO BRASILEIRO NO MERCADO DE TRABALHO

Autor. Ana Amélia Camarano. Artículo O IDOSO BRASILEIRO NO MERCADO DE TRABALHO Autor Ana Amélia Camarano Artículo O IDOSO BRASILEIRO NO MERCADO DE TRABALHO 1 O IDOSO BRASILEIRO NO MERCADO DE TRABALHO Ana Amélia Camarano * 1 - Introdução A análise da participação do idoso nas atividades

Leia mais

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 2º TRIMESTRE AGOSTO/2014 TURMA 311. Professora Simone

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 2º TRIMESTRE AGOSTO/2014 TURMA 311. Professora Simone TURMA 311 Professora Simone 3 4 Língua Portuguesa: Produção textual. Tabela e gráfico, histórias matemáticas (adição, subtração e multiplicação) e prova real (adição e subtração). 17 18 animais do zoo

Leia mais

SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE

SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE SISTEMA NACIONAL

Leia mais

Como vai a vida no Brasil?

Como vai a vida no Brasil? Como vai a vida no Brasil? Junho de 2014 A Iniciativa para uma Vida Melhor da OCDE, lançada em 2011, analisa os quesitos mais importantes para determinar a qualidade de vida das pessoas. A iniciativa

Leia mais

REDAÇÃO Produção textual a partir de um início dado.

REDAÇÃO Produção textual a partir de um início dado. AVALIAÇÕES DE RECUPERAÇÃO 2º ANO 07:15 às 08:05 Matemática Ciências História Geografia 08:05 às 08:55 Matemática Ciências História Geografia 09:25 às 10:15 Português Português Matemática 10:15 às 11:00

Leia mais

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 BOTELHO, Nayara Thyelly Rodrigues Maia 1 OLIVEIRA, Cinthya Rodrigues 2 RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

Censo da Educação Superior 2010: análise crítica dos resultados para a tomada de decisões estratégicas

Censo da Educação Superior 2010: análise crítica dos resultados para a tomada de decisões estratégicas Censo da Educação Superior 2010: análise crítica dos resultados para a tomada de decisões estratégicas 6 de dezembro de 2011 Sumário Apresentação Coleta Principais conceitos CICQES Apresentação Disposição:

Leia mais

Uma visão demográfica do Estado do Rio Grande do Sul no contexto brasileiro: análise dos principais indicadores demográficos

Uma visão demográfica do Estado do Rio Grande do Sul no contexto brasileiro: análise dos principais indicadores demográficos Uma visão demográfica do Estado do Rio Grande do Sul no contexto brasileiro: análise dos principais indicadores demográficos Marilene Dias Bandeira * De acordo com Hauser e Duncan (apud Patarra, 1980,

Leia mais

NOTA TÉCNICA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E O MERCADO DE TRABALHO NO CEARÁ

NOTA TÉCNICA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E O MERCADO DE TRABALHO NO CEARÁ Setembro de 2013 AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E O MERCADO DE TRABALHO NO CEARÁ O contexto histórico do desenvolvimento humano auxilia a compreender as dificuldades ainda existentes para o ingresso da pessoa

Leia mais