PARECER. Em razão do alegado erro, insistem na impossibilidade de realização da questão.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARECER. Em razão do alegado erro, insistem na impossibilidade de realização da questão."

Transcrição

1 Questão n 1 Os recorrentes alegam, em síntese, que a questão continha erro material que consistiria na falta de numeração para os itens constantes da Coluna I. Em razão do alegado erro, insistem na impossibilidade de realização da questão. Relatam também a maneira como foram conduzidas as alegações/reclamações dos candidatos no momento da realização das provas. Em assim sendo, a questão deve ser anulada.

2 Questão n 2 Os recorrentes alegam, em síntese, que: 1. O conteúdo abordado da resposta não constaria do edital do certame. 2. O federalismo centrípeto e o Estado simples seriam alternativas corretas para responder à questão. Não assiste razão aos recorrentes. Conforme bem esclarece José dos Santos Carvalho Filho, em seu Manual de Direito administrativo, 25ª edição, editora Atlas, página 06, o federalismo americano decorreu de processo de agregação, tornando-se unidos num só Estado, os estados soberanos que antes se uniam através de confederação (federalismo centrípeto). No Brasil, porém, resultou de processo de segregação, uma vez que durante o Império era adotado o regime unitário, com apenas um único poder político (federalismo centrífugo). Em assim sendo, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

3 Questão n 3 O único recorrente alega que o conteúdo programático não abrangia o tema da questão, razão pela qual pugna por sua anulação. Não assiste razão ao recorrente. Consta do item 3 do conteúdo programático a análise crítica dos modelos de gestão pública, inclusive a gerencial. Em assim sendo, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

4 Questão n 4 O único recorrente sustenta que ao seu entender o primeiro item estaria equivocado por considerar as pessoas como variáveis. Não assiste razão ao recorrente. A contribuição da escola que prega a covariação estrutural é a proposta de que há uma dinâmica organizacional em função do ambiente externo: na medida em que há variações na TI, inovação, mercados, expansão, diversificação e pessoas varia também a estrutura, de tal forma que a organização possa se manter capaz de responder e provocar demandas do ambiente e por conseguinte, sustentar sua sobrevivência. Em assim sendo, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

5 Questão n 5 Os dois únicos recorrentes sustentam que a questão fugiu ao conteúdo programático publicado no edital do certame porquanto ali não constava nenhum item específico sobre o SERPRO. Não assiste razão ao recorrente. A questão não versava sobre o SERPRO. Ao contrário, buscava captar quais os candidatos possuíam a capacidade de diante do conhecimento teórico acerca das fases vivenciadas pela Administração Pública Federal Brasileira, aplicá-lo no dia a dia identificando as questões práticas que de fato ocorreram na nossa Administração, associando-as com as suas fases históricas, cujo conteúdo é de conhecimento obrigatório para quem almeja ocupar um cargo público. Em assim sendo, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

6 Questão n 6 Os recorrentes desejam a alteração do gabarito oficial para a alínea D, ou, alternativamente, a sua anulação. Sustentam para tanto que a primeira assertiva estaria incorreta porquanto a burocracia estaria imune às crises. Há ainda o argumento de que a organização burocrática estaria blindada frente às influências políticas o que, segundo eles, tornaria correta a terceira assertiva. Não assiste razão aos recorrentes. O tema da burocracia foi muito bem abordado por Michel Crozier em O Fenômeno Burocrático, páginas 276/285, de onde se depreende a veracidade das duas primeiras assertivas e a impropriedade da última. Desta feita, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

7 Questão n 7 Dois candidatos recorrem da questão e apontam outras definições de eficiência, eficácia e efetividade pretendendo defendê-las como corretas sem sequer citar-lhes a fonte. Não assiste razão aos recorrentes. A questão está baseada no entendimento de Lucas Rocha Furtado 1 e no Manual de Auditorias da Natureza Operacional do TCU. Desta feita, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial. 1 Curso de Direito Administrativo, página 1098, editora Fórum.

8 Questão n 8 Os recorrentes alegam em síntese que o gabarito da questão deveria ser alterado da alínea A para a alínea B. Assiste razão aos recorrentes. Houve erro material na divulgação do gabarito. Isto posto, opino pela alteração do gabarito oficial, passando da alínea A para a alínea B.

9 Questão n 10 Os recorrentes contestam a validade da terceira assertiva argumentando que diante de informações sigilosas, o servidor poderia omitir a verdade. Não assiste razão aos recorrentes. A questão versava sobre a ética profissional do servidor público civil no Poder Executivo Federal. O Decreto nº 1.171/1994, em suas regras deontológicas inciso VIII, deixa clara a assertividade da afirmativa. Isto posto, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

10 Questão n 11 O único recorrente da questão põe em cheque a sua objetividade sob o argumento de que deveria ter sido usado o termo pessoa jurídica, ao invés de simplesmente pessoa. Não assiste razão ao recorrente. Tanto a descentralização quanto a desconcentração são fenômenos que moldam a Administração Pública Brasileira. A confusão entre pessoa física e jurídica demonstra absoluto desconhecimento da matéria por parte do candidato. Isto posto, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

11 Questão n 13 Os candidatos recorrentes alegam em síntese que as unidades seccionais de cada sistema estruturante seriam subordinadas administrativamente ao respectivo órgão central. Para sustentar a referida argumentação, partem de uma interpretação equivocada do 1º do Art. 21 do Decreto nº 6.499/2009. Ao utilizar o termo SEM PREJUÍZO, o referido diploma quer deixar claro justamente a separação entre subordinação técnica e administrativa, esclarecendo que a subordinação técnica é ao órgão cabeça de sistema e a subordinação/vinculação administrativas decorrem da posição da setorial/seccional em seu órgão ou entidade. Isto posto, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

12 Questão n 14 O único recorrente da questão alega que não haveria alternativa correta para a questão porquanto, a seu ver, a administração do cadastro seria função do SIORG. Não assiste razão ao recorrente. A administração do cadastro de órgãos do Legislativo/Executivo/Judiciário não consta como competência do SIORG no Decreto nº 6.944/2009. Isto posto, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

13 Questão n 16 O único recorrente da questão sustenta a necessidade de sua anulação porque o termo atividades de pessoal não seria oficialmente usado pelo Manual de Orientação para o Arranjo Institucional de Órgãos e Entidades do Poder Executivo Federal. Não assiste razão ao recorrente. A terminologia é utilizada pelo referido manual justamente no contexto em que foi abordada na questão, vide folhas 55, item 2 do referido diploma. Isto posto, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

14 Questão n 18 Os dois únicos recorrentes da questão sustentam em síntese que: 1. Implicitamente o modelo de governança estaria contido entre as estratégias do órgão e por via transversa também contribuiria para a definição dos sistemas de trabalho. 2. O tema da questão não constaria do programa veiculado no edital do certame. Não assiste razão aos recorrentes. O tema constou da programação editalícia em seu item 11. A matéria é abordada com detalhes no Manual de Orientações para o Arranjo Institucional do Poder Executivo Federal. Isto posto, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

15 Questão n 20 Os dois únicos recorrentes da questão sustentam em síntese que: 3. O Decreto nº 6.944/2009 seria ambíguo e levaria o candidato a erro. 4. A alternativa correta seria a alínea D com base na página 15 do Manual de Orientações para o arranjo Institucional de Órgãos e Entidades do Poder Executivo Federal. Não assiste razão aos recorrentes. A matéria é abordada com detalhes no Manual de Orientações para o Arranjo Institucional do Poder Executivo Federal páginas 79 e 80. Isto posto, mantenho a questão recorrida e o seu gabarito oficial.

16 Questão n 21 A questão requer que as duas colunas sejam relacionadas sendo a que primeira faz referência ao conteúdo teórico das teorias Administrativas e a segunda ao comportamento típico do homem nas organizações, sempre na óticas das teorias administrativas. Dos aspectos teóricos: Item 1: O aumento da produtividade depende de elementos relacionados à afetividade e à melhoria do ambiente de trabalho Segundo Motta (TGA, 2002, p.279), A Escola das Relações humanas, ou abordagem humanista, tinha a mesma perspectiva da escola Clássica, quanto à passividade do homem e a sua relação com as questões econômicas, entretanto, revelou a importância de se considerar que o homem era também influenciado por questões afetivas e sociais. Item 2: " A organização é entendida como um sistema de conjuntos de papéis, mediante os quais as pessoas se mantêm inter-relacionadas." Segundo Kahn, Wolfwe, Quinn, Snoek Rosenthal ( apud Motta TGA, 2002, p.188), no esquema conceitual, esse é o entendimento das organizações na Abordagem Sistêmica. Item 3: " Dependendo do tipo de ambiente e do tipo de objetivo ou problema a ser solucionado, vários tipos de organização são possíveis." Segundo CHiavenato (TGA, 1993, p.543), a palavra contingência significa algo incerto ou eventual. Na Abordagem Contingencial, salienta que não se atinge a eficácia organizacional seguindo um único modelo organizacional. Não existe forma única de se alcançar os objetivos organizacionais e que as organizações dependem do ambiente e da tecnologia. Item 4: " Excelência na eficiência organizacional por meio do caráter legal das normas e regulamentos, do caráter formal das comunicações e pelo caráter racional e divisão do trabalho." Segundo Motta (2002, p13), trata-se da organização em que a autoridade é baseada nas regras e normas estabelecidas por um regulamento reconhecido e aceito por todos os membros. Este tipo de organização é descrito na Abordagem Burocrática da Administração, na consolidação da estrutura burocrática no processo de modernização da sociedade. Item 5: " O importante era aperfeiçoar regras e estruturas. A partir disso, os problemas se resolveriam. Segundo Motta (Teoria Geral da Administração, 2002, p.277), esse era o pensamento advindo da Escola Clássica da Administração. Dos aspectos relacionados ao homem: Item 1: " O ser humano tem uma personalidade flexível, resistente à frustração, capaz de adiar recompensas e um desejo permanente de realização." Segundo Motta( TGA, 2002, p. 156), o homem na sociedade moderna é um indivíduo que age racionalmente e visa atingir objetivos e interesses próprios e suas ações são sempre determinadas pelas regras e pelas estruturas organizacionais. Adota virtudes do protestantismo tais

17 como laboriosidade, pontualidade, integridade entre outras que dão relevância ao comportamento do homem e caracterizam a Teoria da Burocracia. Item 2: " O ser humano tem múltiplas necessidades e potencialidades, como também é singularmente diferente de seus semelhantes quanto à própria singularidade. Modificase em relação ao tempo, na medida em que por meio da experiência e aprendizagem, sua personalidade e comportamento sofrem profundas modificações." Segundo CHIAVENATO (TGA,V2 1993, p.675 a 683), na abordagem Contingencial,o homem, em suas relações com o ambiente organizacional é motivado por um desejo de usar suas habilidades em solucionar problemas ou em dominar os problemas com os quais se defronta. É descrito como uma consolidação de todas as perspectivas já aventadas pelas teorias organizacionais: é variável, capaz de aprender, motiva-se por diferentes tipos de organização, implica-se de maneira produtiva e pode responder por muitos tipos diferentes de estratégias. Item 3: "O ser humano era considerado um ser que analisava racionalmente as diversas possibilidades de decisão, optando por aquela que maximizasse seus ganhos financeiros." Segundo Motta (TGA, 2002, p.278), tratava-se do entendimento baseado na racionalidade absoluta, que tipifica as relações da Escola Clássica da Administração. Item 4: "O ser humano desempenha papéis em um contexto influenciado por variáveis organizacionais, de personalidade e interpessoais." Segundo Motta (TGA, 2002, p.188), na Abordagem Sistêmica há uma tendência de enfocar mais os papéis que as pessoas. Dentro desses papéis, os indivíduos exercem ações para relacionar-se com os demais. Cada participante atua no ambiente alterando, cumprindo e interpretando expectativas do seu papel e do papel dos demais em um sistema aberto pautado por variáveis organizacionais, de personalidade e interpessoais. Item 5: " O ser humano é um ser passivo, que reage de forma padronizada aos estímulos aos quais são submetidos na organização. Seu comportamento é complexo e sofre influência não só de fatores econômicos, mas também de fatores de ordem social e afetiva." Segundo Motta (TGA, 2002, p.279), A Escola das Relações humanas, ou abordagem humanista, tinha a mesma perspectiva da Escola Clássica, quanto à passividade do homem e a sua relação com as questões econômicas, entretanto, revelou a importância de se considerar que o homem era também influenciado por questões afetivas e sociais. é D. Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão Questão mantida.

18 Questão n 22 A questão 22 solicita que sejam avaliadas as afirmações e indicados com C para as afirmações corretas e E para as incorretas assinalando em seguida a alternativa correspondente. Os recursos analisam as duas afirmativas que são discutidas abaixo: É embasado essencialmente nos problemas e desafios da organização. segundo os recursos, a expressão embasado essencialmente torna a afirmativa equivocada, porém os próprios argumentos contradizem os recursos: segundo Drucker (apud Rezende,2011, p20), o planejamento estratégico é um processo contínuo de, sistematicamente e com o maior conhecimento possível do futuro contido, tomar decisões atuais que envolvem riscos; organizar sistematicamente as atividades necessárias à execução das decisões e, por meio de uma retroalimentação organizada e sistemática, medir o resultado dessas decisões em confronto com as expectativas alimentadas. Embasamento essencial refere-se exatamente a basear-se principalmente nas questões que impedem as organizações de atingirem plenamente seus objetivos (problemas= obstáculo que pode significar ameaça ou oportunidade), e na tomada de decisões com o apoio dos resultados medidos em relação ao confronto de expectativas (desafios), ambos gerando decisões de riscos e com vistas em um futuro melhor. Ainda segundo Rezende (2011, p.24), o planejamento estratégico envolve a fase de execução de análises organizacionais que procuram identificar a real situação organizacional destacando problemas e desafios da Organização. A fase de análise é a primeira fase do planejamento estratégico e, portanto, forma a base da elaboração do planejamento estratégico. Portanto, a afirmativa está correta, não havendo nenhuma contradição conceitual. É um processo de determinação de objetivos estratégicos da organização. Segundo Maximiano (2011, p.237), os objetivos estratégicos são os resultados que a organização pretende realizar. Um planejamento estratégico define entre outros, objetivos e estratégias. Os objetivos estratégicos figuram entre os objetivos possíveis de determinação no processo. Portanto, não há contradição conceitual da afirmativa que não exclui outros resultados do processo. A afirmativa está correta. Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é D. Questão mantida.

19 Questão n 24 A questão solicita a avaliação das afirmativas apontando C para afirmativas corretas e E para alternativas erradas. Os recursos interpostos questionam a resposta da questão, afirmando estarem equivocadas as avaliações do gabarito nas afirmações I e III. I - A tomada de decisão acontece permanentemente, independente do nível hierárquico. A afirmativa está correta no sentido de afirmar que em todos os níveis hierárquicos acontecem tomadas de decisão, não sendo esta uma prerrogativa específica de nenhum deles. III - No processo decisório, a escolha de uma alternativa de decisão leva em consideração que as alternativas encontradas serão ótimas, não bastando que sejam apenas satisfatórias. O recurso afirma que a afirmativa está correta vez que nas palavras de ANSOFF (1977), um dos mecanismos é a escolha da alternativa que se julga mais adequada. Tal expressão indica que a alternativa a ser selecionada deve ser satisfatória e não ótima. Segundo Chiavenato (Administração nos Novos Tempos, 2003, p.287), a otimização é substituída pela satisfação e o tomador de decisão eficaz deve aprender a tomar decisões satisfatórias com um claro sentido dos objetivos da organização. Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é A. Questão mantida.

20 Questão n 25 A questão solicita a avaliação das afirmativas apontando C para afirmativas corretas e E para alternativas erradas. Os recursos questionam o gabarito das três afirmativas: I. As decisões não programadas diferem-se das programadas por se relacionarem com dados novos ou inadequados. A afirmativa está correta, nas decisões não programadas os dados são novos e podem ser inadequados não permitindo decisões padronizadas, segundo Chiavenato (Administração nos Novos Tempos, 2003, p.297). II. São condições de tomada de decisão a certeza, o risco, a incerteza e a turbulência (ou ambiguidade). Segundo Chiavenato(TGA, 2002), Thompson afirmou que existem quatro tipos básicos de tomadas de decisão descritos por situações específicas: computação que se dá no ambiente de certeza, julgamento que se dá no ambiente de avaliação de probabilidades (risco),compromisso na qual se conhece as causas mas as preferências pelos resultados são incertas e a inspiração onde tanto as causas, objetivos e preferências são descritas desconhecidos em função da mudança rápida do ambiente (turbulência). Na mesma linha, Moraes (2000, p.81), descreve as condições para tomada de decisão classificando-as por certeza, risco, incerteza e turbulência. A afirmativa está correta. III. A condição em que o administrador tem objetivos bem definidos, dispõe de informações, mas os resultados futuros são associados ao acaso é a incerteza. A afirmativa está incorreta visto que o acaso é uma condição de probabilidade, logo, associa-se à condição de risco.(chiavenato, 2002, p.293; Moraes, 2000, p.81) Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é A. Questão mantida.

21 Questão n 26 A questão solicita que se identifique a alternativa incorreta. Os recorrentes solicitam a anulação da questão por afirmarem que a alternativa apontada no gabarito está correta. Alternativa afirma: O Princípio de Pareto afirma de maneira genérica que 80% dos nossos esforços estão relacionados com 20% dos resultados que obtemos. A questão visa apurar o conhecimento da técnica. Para conhecer e aplicar a técnica é preciso diferenciar os eventos causadores das suas consequências. Segundo a teoria, afirma-se que 80% dos problemas são causados por 20% dos eventos causadores, exatamente o inverso do que é afirmado na questão. Portanto, a alternativa está correta. Chiavenato, (TGA, 2002, p.309 Princípio de Pareto). Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é C. Questão mantida.

22 Questão n 27 A questão solicita a análise das afirmativas marcando C para corretas e E para erradas. Os recursos não apresentam argumentos embasados na teoria da Administração e questionam o gabarito de duas afirmativas: 1. Um agente de mudanças pode ser um uma pessoa de dentro ou de fora da organização. O recurso argumenta que nem todos que estão de fora são agentes de mudança o que não contradiz a afirmativa apenas afirma que um agente de mudança pode ser uma pessoa de dentro ou de fora da organização (caso dos consultores) conforme afirma Chiavenato (TGA, 2002, p.148). A afirmativa está correta. 2. Um agente de mudanças detém o papel de quem inicia a mudança e ajuda a fazê - la acontecer. O recurso argumenta que o agente de mudança faz a mudança acontecer. Segundo Chiavenato (TGA, 2002,p147), a mudança implica na adoção de novas atitudes e o agende conduz as pessoas, grupos ou toda a organização através do processo. A mudança somente se consolida quando os membros da organização identificam-se com valores, atitudes e comportamentos por meio de processos de internalização, portanto o agente de mudança inicia o processo apontando os valores e os novos comportamentos e atitudes e auxilia a organização a concretizar a mudança. A afirmativa está correta. Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é D. Questão mantida.

23 Questão n 28 A questão solicita relacionar as alternativas com os itens 1 descongelamento, 2. Mudança e 3. Recongelamento. O recurso argumenta que agir no sentido de colocar as mudanças em ação é uma atividade de descongelamento enquanto ajudar as pessoas a perceberem comportamentos atuais são ineficazes é mudança. Segundo Chiavenato (TGA, 2002, p. 140), na fase de descongelamento o agente deve empenhar-se em ajudar as pessoas a derreter, abandonar e se desprender das velhas práticas. Neste sentido, ajudar as pessoas a perceberem a ineficácia dos comportamentos relaciona-se com descongelamento. O autor também afirma que na Mudança, as novas práticas devem ser identificadas e internalizadas. Neste sentido, agir no sentido de colocar mudanças em ação é a fase de implementação, portanto, de mudança. O gabarito está correto. Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é E. Questão mantida.

24 Questão n 30 A questão solicita avaliação de afirmativas e a seleção da alternativa que representa o resultado da análise. Os recursos apresentados requerem anulação da questão em função do erro de gabarito apontado na afirmativa II. Os modelos de departamentalização funcional, matricial e divisional são considerados modelos tradicionais e neles, a cadeia de comando define grupamentos departamentais e relações de subordinação ao longo da hierarquia. Segundo Chiavenato (TGA, 202, p.396), existem cinco abordagens entre tradicionais e contemporâneas são elas as abordagens funcional, matricial, divisional, equipes e rede. O conceito de tradicional refere-se ao desenho departamental, objeto de apuração de conhecimento nesta questão. São tradicionais, pois a cadeia de comando define o agrupamento das unidades em unidades organizacionais e as unidades em uma organização total. Nos modelos contemporâneos, equipes, abandona-se a estrutura de unidades organizacionais em função dos processos organizacionais em que cada equipe é responsável pelo processo como um todo e responde por ele. Na abordagem de redes, ainda segundo o autor, a organização desagrega suas funções em companhias separadas que são interligadas por uma pequena organização central. Alguns dos argumentos propõem que no modelo matricial as relações de subordinação não seguem a hierarquia pois podem vir também dos gerentes de projeto. Tal argumento não procede entendendo que na organização matricial, existem as características funcional e divisional, na qual surgem os gerentes de produto. Nessas organizações, a alocação de recursos para execução dos projetos ainda é definida pela autoridade do gerente funcional. Na organização matricial, existem duas linhas de autoridade, nas quais a cadeia de comando pode não definir grupamentos, mas mantém relações de subordinação. A resposta está correta. Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é B. Questão mantida.

25 Questão n 31 A questão solicita análise das afirmativas e a marcação de C para certa e E para errada. Os recursos questionam a alternativa B considerada errada no gabarito. A abordagem matricial combina a abordagem divisional e a abordagem por equipes. A afirmativa está errada, a abordagem matricial é uma combinação da departamentalização funcional e divisional. É formada por uma matriz com duas linhas de autoridade. É uma estrutura mista utilizada quando a organização deseja obter os benefícios divisionais e manter a especialidade técnica das unidades funcionais. (Chiavenato, TGA, 2002, p.410) Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é B. Questão mantida.

26 Questão n 32 A questão solicita a análise das afirmativas indicando C para certa, E para errada e a seleção da alternativa que indica a sequência correta. Os recursos pedem revisão na questão por discordarem do gabarito de avaliação de três afirmativas: Todas as organizações desenvolvem uma cultura Está correto. Segundo Edgar SCHEIN, cultura é um conjunto de premissas que um grupo aprendeu a aceitar, como resultado da solução de problemas de adaptação ao ambiente e integração interna. Essas premissas funcionam suficientemente bem para serem consideradas válidas e podem ser ensinadas aos novos integrantes como sendo a forma correta de perceber, pensar e sentir-se em relação aos problemas de adaptação externa e integração interna. Todas as Organizações são formadas por grupos sociais e portanto sujeitas às mesmas considerações, logo, toda Organização desenvolve uma cultura. O elemento mais simples e mais explícito da cultura é a linguagem - Segundo Maximiano (TGA, 2011, p.311/312), os artefatos são elementos mais visíveis de uma cultura, juntamente com a linguagem e os hábitos. O conteúdo específico de cada cultura depende da aprendizagem no processo de resolver problemas de adaptação ao meio ambiente e de convivência interna. Todos os grupos desenvolvem uma linguagem assim como as sociedades desenvolvem idiomas. A linguagem integra o KIT de ferramentas de qualquer pessoa em qualquer organização, pois é preciso deter o conhecimento das palavras utilizadas pelo grupo para compreender e aprender sobre a cultura. A afirmativa está correta Os novos integrantes das organizações devem entender a cultura e aprender a se comportar de acordo com os elementos culturais, para serem aceitos e sobreviver a afirmativa está correta. Segundo Maximiano (TGA, 2011, p. 315) a cultura possui duas funções: regular as relações entre os membros da organização e regular as relações com grupos externos e com o ambiente de forma geral. Para a primeira função estão incluídos os critérios de avaliação de resultados e desempenho individual, ações corretivas, recompensas, punições e o nível de tolerância para lidar com essas questões. Na segunda função, estão aspectos relacionados a forma como o mundo exterior deve ser encarado e como os membros de outros grupos devem ser tratados por esses critérios estabelecem-se os graus de confiança em relação aos membros de outros grupos. A afirmativa está correta. Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é C. Questão mantida.

27 Questão n 34 A questão solicita a análise das afirmativas marcando C para certo, E para errado e a seleção da alternativa que corresponda ao resultado da análise. Os recursos apresentados solicitam mudança de gabarito em razão de discordarem da avalição feita pela banca da afirmativa I. Na gestão de pessoas por competências, o treinamento se refere ao desenvolvimento de competências da pessoa com vistas ao cargo que ocupa. Segundo Dutra (Competências, 2004, p.62/63), uma das diferenças entre a abordagem tradicional de gestão de pessoas e a abordagem por competências é o fato de que na abordagem tradicional a ideia é que a pessoa ingressará na organização para ocupar um cargo, diferentemente da abordagem por competências na qual a pessoa ingressa na organização para ocupar um espaço que será ampliado e modificado com o tempo. Na abordagem por competências, o desenvolvimento profissional da pessoa é definido como capacidade para assumir atribuições e responsabilidades em níveis crescentes de complexidade. O desenvolvimento de pessoas nesse contexto busca desdobramentos em relação à mensuração do desenvolvimento da pessoa, redireciona o padrão de desempenho para o nível de complexidade e amplia o patrimônio individual aprendido. Ainda segundo o autor, o uso da abordagem por competências é reforçado pelo fato de que a pessoa não ser olhada em função do cargo que ocupa e sim em função da sua trajetória, possibilita relação com a perspectiva de longo prazo, ou seja, a pessoa consegue vislumbrar um horizonte mais amplo do que o cargo que ocupa em relação a sua empresa, ao mesmo tempo em que o horizonte fica mais claro tanto para a pessoa quanto para a empresa. A afirmativa está incorreta. Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é C. Questão mantida.

28 Questão n 35 A questão solicita a marcação da alternativa incorreta. O recurso argumenta que a palavra críticos relacionada a fatores críticos de sucesso tem conotação negativa e que a frase é dúbia. O recurso não está fundamentado. A expressão fatores críticos de sucesso vem do inglês Critical Success Factor (CSF) e é um termo técnico e se refere a condições fundamentais que precisam ser satisfeitas para que a instituição tenha sucesso na sua área de atuação (definição simples). Segundo Chiavenato (TGA, 2002, p.219), os fatores críticos de sucesso são elementos condicionantes no alcance dos objetivos da organização, ou seja, são os aspectos ligados diretamente ao sucesso da organização.a afirmativa está correta, não há dubiedade na afirmativa. Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é C. Questão mantida.

29 Questão n 36 A questão solicita que seja identificada a resposta correta. Os recursos alegam que a resposta indicada trata de questão não pacificada e que deve ser anulada ou ter o gabarito modificado. Acolhe-se o argumento de que o gabarito aponta como correto a alternativa A que inclui o RECEPTOR como elemento do processo e embora possa ser considerada correta, existe na literatura a interpretação de que o receptor pode também ser considerado o destinatário da mensagem. Uma vez que as demais alternativas estão incorretas, a questão deverá ser anulada. Procedem os argumentos do recurso. A questão deve ser anulada.

30 Questão n 37 A questão solicita que se identifique a alternativa que justifica a ideia destacada em negrito no texto. Os recursos argumentam que o gabarito deve ser alterado ou a questão anulada, destacando duas alternativas: C e E. b) A gestão do conhecimento deve ser implantada sem deixar de pensar em quais resultados se quer atingir. Resposta correta. Ao implantar gestão do conhecimento, considerando a existência de objetivos, estratégias e o foco que as empresas tem nos negócios, o alinhamento se dará por meio dos resultados que se quer alcançar. c) A gestão do conhecimento só gera impacto em organizações que utilizam planejamento estratégico. Resposta errada. Não se pode afirmar pelo texto que o autor restringe a aplicação da gestão do conhecimento a organizações que se utilizam de planejamento estratégico. d)... e) A gestão do conhecimento é mais eficaz quando a organização é gerida por meio de processos de negócio. Resposta errada. Não há nenhuma afirmação no texto em negrito que leve a essa conclusão. Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é B. Questão mantida.

31 Questão n 38 A questão solicita que se relacionem duas colunas de informações e, em seguida, que seja selecionada a alternativa que se refere à sequencia encontrada. Os recursos solicitam a alteração do gabarito ou a anulação da questão em função de dois relacionamentos apontados como corretos pela banca: 1. Focaliza a articulação interna controle tático 2. Ênfase na eficácia controle estratégico. Segundo Chiavenato (TGA, 202, p.633 a 657), o controle é uma função administrativa, ou seja, compõe junto com o planejamento, a organização e a direção do processo administrativo. É também um sistema automático de regulação, ou seja, utilizado para manter automaticamente um grau constante no fluxo ou no funcionamento de um sistema. Cumpre uma função restritiva e coercitiva, ou seja, é aplicado nas organizações para inibir o individualismo e a liberdade (coibir ou restringir desvios de comportamento). Tratado do ponto de vista do Processo Administrativo, monitora e avalia as atividades e resultados. Ainda de acordo com o mesmo autor, a amplitude da ação de controle no nível estratégico, relaciona-se com o planejamento estratégico, é macroorientado e aborda a organização como um todo. No nível tático, relaciona-se com o planejamento tático e aborda cada unidade organizacional. No nível operacional é microorientado e aborda cada operação em separado. São considerados controles estratégicos mais importantes: o balanço e os relatórios financeiros; controle de lucros e perdas; e o retorno sobre investimentos. Todos análises de resultados da organização em relação aos objetivos propostos e ao seu ambiente externo, portanto nesse nível estratégico a ênfase do controle é a eficácia organizacional. São considerados controles táticos mais importantes: o controle orçamentário, a contabilidade de custos. O controle orçamentário um processo de monitorar e controlar as despesas programadas das várias unidades organizacionais dentro do exercício anual e o controle de custo trata de informações sobre distribuição e análise dos custos de alguma unidade básica, entre elas as unidades organizacionais, produtos, serviços componentes, projetos etc. Portanto não foca exclusivamente uma unidade, mas sim o conjunto das unidades no desempenho das suas atividades, diferentemente do controle estratégico que focaliza seus resultados organizacionais gerais, independentemente das unidades organizacionais, e relações da organização com seu ambiente externo. Portanto, focaliza a articulação interna da organização. Não procedem os argumentos dos recursos. A resposta correta da questão é E. Questão mantida.

32 Questão n 41 O recurso impetrado contra este quesito cita o princípio da entidade e solicita a retificação do gabarito para a letra c sob o argumento de que consta do gabarito preliminar a letra b. Os argumentos apresentados não procedem, tendo se em vista que o gabarito já confirmava como correta a opção de letra c, nada havendo a ser alterado. Em razão disto mantenho a questão como foi formulada.

33 Questão n 42 Os candidatos recorreram da questão 42 alegando que não consta nenhuma opção correta; que está certa a letra a ; que está certa a letra b ; que está certa a letra d ; que a equação não contempla a redução do PL; que não estão certas as aplicações; que a equação é sem receitas e despesas; que a equação é sem redução de A e de P; que não contempla as contas retificadoras; que não há previsão dessa equação na literatura; que a matéria está fora do edital do concurso; que a resposta é a equação Fundamental do Patrimônio; que o quesito é igual a um apresentado em concurso da ESAF em Nem todos os argumentos apresentados procedem, levando se em consideração que existe uma opção certa, a de letra b ; que não estão corretas as opções a nem d ; que a equação contempla a redução do PL, na forma de despesas; que as reduções de ativo e de passivo têm de constar na equação; que equação não tem de contemplar as contas retificadoras, mas as reduções; e que a matéria está claramente contida no programa da disciplina, no item 2. Componentes patrimoniais e Equação Fundamental do Patrimônio. Na verdade o que se pretendeu foi arguir o conhecimento sobre origens e aplicações de recurso na forma da equação digráfica. Mas, como se pode ver pela diversidade de argumentos, o assunto parece, realmente, não estar assentado de forma pacífica na mente dos candidatos. Apenas isto, entretanto, não é razão para acolhimento dos recursos. Por outro lado, a alegação de que o quesito é igual a um apresentado em concurso da ESAF em 2000, tendo uma resposta diferente sido acatada como certa, não deixa de ser ponderável. O referido concurso (TRF 2000) apresentava a seguinte questão: Considerando as regras fundamentais da digrafia contábil, que determina o registro da aplicação dos recursos simultaneamente e em valores iguais às respectivas origens, temos como correta a seguinte equação contábil geral: e) Ativo + Despesas = Capital Social + Receitas + Passivo. Concordo que o alongamento da discussão pode não ser benéfico; mas, diante de todo esse arrazoado, mormente porque a equação não contemplou os aumentos ou reduções de capital e considerando a invocada questão do concurso TRF 2000, resolvo acolher os recursos para anular a questão. Em face de todo o exposto, a questão deve ser anulada, atribuindo se, os pontos correspondentes, a todos os candidatos.

34 Questão n 43 Os candidatos recorreram da questão alegando (1) que está recorrendo da questão 42 com o número de 43; e (2) que o assunto não consta do Edital, ferindo a lei. Os argumentos apresentados não procedem, levando se em consideração (1) que recorrer de um quesito com o número de outro não é aceitável, mormente neste caso em que os argumentos não são cabíveis; e (2) que o assunto contemplado no enunciado está plenamente contido no programa do concurso nos itens 3. Fatos contábeis e respectivas variações patrimoniais, como também no item 4. Contas, débito e crédito. Neste exemplo, os candidatos, diante da variação patrimonial contida no fato citado no enunciado, teriam apenas que indicar a forma de registrá la a débito e a crédito e em quais das contas contidas no quesito. Isto é o lançamento, inteiramente contido no programa. Em face de todo o exposto mantenho a questão como foi formulada.

35 Questão n 44 Os candidatos recorreram da questão alegando (1) que a resposta certa é a de letra e R$ 9.720,00; (2) ou é a de letra b R$ 6.480,00; (3) ou que o assunto não consta do Edital. Os argumentos apresentados não procedem, levando se em consideração que (1) 9.720,00 é o valor da depreciação nos 3 anos [60% de ]; (2) 6.480,00 é o valor contábil sem o valor residual [ ]. Resolvendo se o problema proposto temos: Valor depreciável (10%) = Depreciação acumulada em 3 anos 20% x 3 x = Valor contábil ao fim de 3 anos = 8.280, ou seja reposta d. Por outro lado (3) o assunto contemplado no enunciado está plenamente contido no programa do concurso nos itens 3. Fatos contábeis e respectivas variações patrimoniais. Senão vejamos: fato contábil: desgaste físico de bens; variação patrimonial: redução de valores ativos; valor contábil: cálculo do saldo da conta. Itens do programa: 3 (fatos e variações) e 4. Contas. Deste modo, em face de todo o exposto, mantenho a questão como foi formulada.

36 Questão n 45 Os candidatos recorreram da questão alegando haver duas respostas possíveis b e e ; que a resposta correta é a de letra b ; que o cálculo deverá ser à base de 1,75%, percentual das perdas efetivas no ano anterior; que a parcela não utilizada da provisão deve ser revertida para o resultado, zerando se a conta de provisão antiga para depois efetuar uma nova provisão para o ano seguinte, como ensina o Professor Ricardo J. Ferreira, em seu livro de contabilidade; ou que o assunto não está contido no programa do concurso. Os argumentos apresentados não procedem, levando se em consideração que há apenas uma resposta correta, a de letra e 4.000,00; que, neste caso, o percentual deve ser 3% nos mesmos moldes anteriores ; que o ensinamento do Professor Ricardo J. Ferreira, em seu livro deve ser utilizado, mas conduz à resposta de letra e. Vejamos os cálculos corretos: [1] Utilizando se da reversão: débito da despesa de devedores duvidosos 9.000,00 crédito da provisão de devedores duvidosos 9.000,00 [3% de ,00] e debito da provisão de devedores duvidosos 5.000,00 [saldo credor da provisão] crédito da receita com Reversão da provisão 5.000,00 [ ] Resumo: saldo da provisão 2013 [ saldo anterior 5000] saldo credor de 9.000,00 resultado do exercício 2013: despesa 9.000,00 Reversão da provisão 2013: receita 5.000,00 despesa efetiva 4.000,00 [2] Sem usar reversão (despesa complementar) débito da despesa de devedores duvidosos 4.000,00 crédito complementar da provisão 4.000,00 (3) situação no fim do exercício: saldo da provisão ,00 [saldo credor de crédito de 4.000,00] despesa efetivamente considerada 4.000,00 [estimada no exercício 9.000,00 (3% de 300 mil) menos despesa anterior não confirmada 5.000,00]. Qualquer que seja a forma de registro, seja contabilizando a reversão ou não, teremos de contabilizar em 2013 uma despesa com devedores duvidosos no valor de R$ 4.000,00, como indica a opção de letra e. Quanto a se dizer que devedores duvidosos e sua respectiva provisão é assunto fora do previsto no edital do concurso é afirmativa gratuita e despropositada. Trata se de variação patrimonial, prevista no item 3 do programa, que afeta o ativo, o passivo e a situação líquida, previstos no item 2, e é fato contábil registrado a débito e crédito de contas patrimoniais e de resultado, como previsto no item 4 do mesmo programa. Como se pode ver o assunto contemplado no enunciado está plenamente contido no programa do concurso e contém apenas uma resposta correta. Deste modo, em face de todo o exposto, mantenho a questão como foi formulada.

37 Questão n 46 Os candidatos recorreram do quesito alegando (1) que o enunciado não diz se a empresa é indústria ou comércio; que o valor pedido seria 628,00, não constante das opções de resposta; que não está indicado o valor do estoque inicial; e (2) que a questão deve ser anulada por cobrar conhecimentos não constantes para o cargo de Analista Técnico Administrativo no Edital. Os argumentos apresentados não procedem, levando se em consideração (1) que o exemplo dado trata apenas de dois fatos contábeis [1] onde entram 3 mil unidades e [2] saem 2/3 delas; como é compra e venda da mesma coisa, é comércio; sendo apenas uma partida, não precisa de estoque inicial; e o valor da saída foi 510,00, como está na opção b. Quanto à não constar do programa, é engano. O enunciado trata apenas de duas variações patrimoniais [item 3 do programa], uma compra e uma venda, e pede para calcular o valor de saída [item 4 do programa apuração do resultado]. Uma vez calculados os valores teremos, débito de mercadorias pelo valor pago 967,00 [preço (900,00) mais IPI (27,00)] menos o ICMS 162,00 [18% de 967,00] débito de mercadorias 765,00; e crédito de mercadorias pelo valor da saída 510,00 [2/3 da entrada]. O que o comando do enunciado solicitou foi apenas o valor de saída do ativo, tudo bem inserido no conteúdo programático da disciplina. Deste modo, em face de todo o exposto, mantenho a questão como foi formulada.

38 Questão n 48 Os candidatos recorreram da questão alegando (1) que uma maneira de encontrar o patrimônio líquido é pela soma dos valores de suas contas; (2) que a questão deveria ter considerado que salários e ordenados reduz a situação líquida; (3) que o quesito trata de livros de escrituração ; (4) que o assunto balancete de verificação não consta do edital; e (5) que os conhecimentos necessários para a solução dessa questão não estão abrangidos pelo edital regulador do concurso. Os argumentos apresentados não procedem, tendo se em vista (1) que, se o candidato tivesse feito assim como diz que é certo, teria encontrado: Capital Social [57.000,00] mais Reserva Legal [2.000,00] igual a Patrimônio Líquido [59.000,00], como está na opção de resposta certa, a de letra d, bastaria ter resolvido como diz que pensa, mas não o fez; (2) que a conta salários e ordenados realmente reduz a situação líquida, mas, neste caso, juntamente com as outras contas de resultado, o valor deu zero, não modificando a situação líquida; (3) que o tema do quesito não é livros de escrituração, mas apenas saldos de contas; (4) que o balancete de verificação é apenas uma relação de contas com os respectivos saldos, tema inserido no programa do concurso no item 4. Conta: débito, crédito e saldo e (5) que o comando do quesito procura o patrimônio líquido, tema constante no item 2 do mesmo programa Ativo, Passivo e Situação Líquida (ou Patrimônio Líquido). Nada mais cristalino. Deste modo, em face de todo o exposto, mantenho a questão como foi formulada.

39 Questão n 49 Questão n 49 O candidato recorreu da questão 49 alegando que a letra e também está correta e pede a anulação do quesito por existirem duas respostas, no caso as de letras a e e. A resposta de letra e afirma que o lançamento contábil efetuado a crédito de uma conta de despesa reduzirá o patrimônio líquido, pois a conta representa um consumo de riquezas. A conta de despesa, realmente, representa um consumo de riquezas, mas o lançamento nela feito a crédito, como diz o quesito, significa sua anulação o que aumentará o patrimônio líquido e não o reduzirá, tornando errada a resposta. Por essa razão, os argumentos apresentados não procedem, tendo se em vista que a única resposta correta ao enunciado é exatamente a de letra a", como reconhece o próprio recorrente. Em face do exposto, mantenho a questão como foi formulada.

40 Questão n 50 Os candidatos recorreram da questão alegando que o conteúdo não está previsto no edital; que extrapola o edital; que o assunto operações com mercadorias não está no edital; que não é justo cobrar algo que não foi estipulado no material cobrado para a prova ; que A questão 50 (prova 2) solicitou o resultado do exercício. Mas os conhecimentos não estão abrangidos no edital ; que, caso a Depreciação Acumulada seja a apropriação da despesa o resultado operacional bruto será 10,00 do contrário, será 60,00. Em ambos os casos não resolve a questão; que o item provisão para férias também pode ser encarado como despesa; que não se sabe se o desconto é condicional ou incondicional; e, finalmente, um apelo: peço por direito, por me sentir injustiçada, a revisão das provas objetivas 2 de gabarito 2, em todas as disciplinas. Os argumentos apresentados não procedem, levando se em consideração que o assunto contemplado no enunciado está plenamente contido no programa do concurso. Dentre os próprios recorrentes há quem afirme que A questão 50 (prova 2) solicitou o resultado do exercício. Ora, no item 4 do programa deste concurso consta, claramente: Apuração de resultados. Contas patrimoniais e de resultado. O enunciado dá uma pequena relação de contas patrimoniais e de resultado e comanda: ao promover o encerramento contábil das receitas e despesas (conhecimento rudimentar de contabilidade, ensinado em todos os compêndios) o Contador, certamente, encontrará como resultado do exercício (e) R$ 60,00 de prejuízo. Tema inteiramente contido no item 4 do programa: Contas patrimoniais e de resultado. Apuração de resultados. Deste modo, em face de todo o exposto, mantenho a questão como foi formulada.

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!!

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Olá concurseiros (as)! Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Vamos lá!!! 01. (ESAF Analista da Receita

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

Tópicos Contemp. de Contabilidade ( Contabilidade Internacional) 16-08-2013 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 3º CONTAB Aula - 4

Tópicos Contemp. de Contabilidade ( Contabilidade Internacional) 16-08-2013 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 3º CONTAB Aula - 4 AULA 4 Princípios e Convenções Além dos princípios éticos no exercício de sua profissão, o contador, deverá observar e aplicar os princípios e convenções contábeis, porque são eles que norteiam e direcionam

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 15- A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre

Leia mais

CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS

CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS Olá, pessoal. Com a autorização para a realização do concurso da Receita Federal, vários candidatos que já fizeram algum tipo de curso de contabilidade (inclusive conosco),

Leia mais

GABARITO COMENTADO. A resposta correta é a opção 4, conforme consta na tabela das Necessidades Humanas Básicas, à página 65 da apostila.

GABARITO COMENTADO. A resposta correta é a opção 4, conforme consta na tabela das Necessidades Humanas Básicas, à página 65 da apostila. ADMINISTRAÇÃO SEMESTRE ESPECIAL MP2 (reposição) 18/11/2008 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO 2008/2 GABARITO COMENTADO A. Sobre as conclusões e contribuições da experiência de Hawthorne, pode-se afirmar que:

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

O professor Luciano Rosa postará o restante dos recursos.

O professor Luciano Rosa postará o restante dos recursos. Olá, amigos. Como estão? A seguir uma sugestão de recurso para a questão 24 (gabarito 1 Prova 2), da prova de Contabilidade para Auditor Fiscal da Receita Federal, concurso realizado pela Escola de Administração

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00 Bom dia, caros colegas! Mais uma vez é um enorme prazer conversar com vocês sobre contabilidade avançada. Desta vez trago as questões de contabilidade avançada do concurso de Auditor Fiscal de Tributos

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Artigo - 10 de julho de 2006 comentários das Questões 29 e 30 da prova de AFRF/2005 (DOAR) 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2

Artigo - 10 de julho de 2006 comentários das Questões 29 e 30 da prova de AFRF/2005 (DOAR) 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2 2.1 ENUNCIADO...3 2.2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIOS...3 2.3 GABARITO...5 3 QUESTÃO 30 DOAR...6 3.1 ENUNCIADO...6 3.2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIOS...6 3.3 GABARITO...9 4 FECHAMENTO...9

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978.

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978. Dispõe sobre as normas e procedimentos para contabilização e elaboração de demonstrações financeiras, relativas a ajustes decorrentes da avaliação de investimento relevante de companhia aberta em sociedades

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis www.pwc.com.br Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis Novembro de 2013 Agenda 2013 Normas novas e revisadas IAS 1 Apresentação das demonstrações financeiras

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Função Gerencial Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo levar aos seus leitores à uma aproximação teórica dos estudos da administração empresarial, enfocando a importância

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis

Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis Prof.: Humberto Lucena 2.8 Princípios e convenções contábeis Com o fim de obter a uniformização dentro do campo de atuação profissional em que se

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 22

Luciano Silva Rosa Contabilidade 22 Luciano Silva Rosa Contabilidade 22 SUSEP 2010 sugestões de recursos Olá, colegas Abaixo, algumas sugestões de recursos da prova de contabilidade geral do concurso da SUSEP, aplicado pela ESAF. Prova 2.

Leia mais

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa - Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa A teoria clássica

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL QUESTÃO Nº 13 Gabarito divulgado: D Mantemos o gabarito apresentado na alternativa D. A candidata indicou a alternativa correta, ou seja a alternativa D. Recurso improcedente.

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

XXXXXXXXXXXXX - RECURSO

XXXXXXXXXXXXX - RECURSO MERITUS PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS MERITUS EDITORA XXXXXXXXXXXXX - RECURSO (Auditor Fiscal do Trabalho - MTE) EDIÇÃO 01/2013 Autor / Organizador: Professor: Rodrigo Fontenelle Editoração Eletrônica: Meritus

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

RESPOSTA AOS RECURSOS SELEÇÃO PÚBLICA PARA ESTÁGIO TRF 5ª REGIÃO

RESPOSTA AOS RECURSOS SELEÇÃO PÚBLICA PARA ESTÁGIO TRF 5ª REGIÃO RESPOSTA AOS RECURSOS SELEÇÃO PÚBLICA PARA ESTÁGIO TRF 5ª REGIÃO Prova: Administração Questão contestada: 14 Resposta Publicada: C Resposta após análise: C Candidato alega que a questão não tem resposta,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais