FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2012.2 FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Profª Sônia Cristina Tavares

2 2 1- INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO (TGA) A Teoria Geral da Administração (TGA) é o campo do conhecimento humano que se ocupa do estudo da administração em geral, não se preocupando em que ela seja aplicada. 1.1 Organizações Todas as instituições que compõem a sociedade moderna não vivem ao acaso. Elas precisam ser administradas. Essas instituições são chamadas organizações. Todas as organizações são constituídas de: recursos humanos e recursos não humanos,isto é, recursos físicos e materiais, recursos financeiros, recursos tecnológicos, recursos mercadológicos, entre outros. Toda produção de bens e serviços é realizada dentro de organizações. As organizações são extremamente heterogêneas e diversificadas: de tamanhos, estruturas e objetivos diferentes. Não existem duas organizações semelhantes. Uma mesma organização nunca é igual ao longo do tempo; ela se transforma sempre O que é uma organização O conceito de organização é muito diversificado,dependendo não só do autor que a estuda, da época em que o autor viveu e como ele a estudou, como também dos objetivos pelos quais a organização foi concebida. Por exemplo: para O Brien (1994), organização é um sistema sócio técnico; para Alter (1992), as organizações são sistemas próprios, um conjunto de componentes que interagem e que operam com vistas a alcançar alguns objetivos. Como não é nosso objetivo aprofundar o estudo das organizações nesse curso, vamos considerar a seguinte definição: Organizações são entidades, instituições ou empresas com propósitos definidos, compostas por sistemas, processos em metodologias de trabalho, pessoas e recursos que interagem na busca e consecução de objetivos junto à sociedade. Relembrando: as organizações são extremamente heterogêneas e diversificadas: tamanhos, estruturas e objetivos diferentes. Não existem duas organizações semelhantes. Uma mesma organização nunca é igual ao longo do tempo;ela se transforma sempre Tipos de organizações Basicamente, existem dois tipos de organizações: as não lucrativas e as lucrativas. Organizações não lucrativas (non-profitorganizations) São as organizações cujos propósitos ou objetivos são de natureza social, isto é, prestação de serviços, segurança, entre outros. Essas instituições não visam ao lucro, mas contabilizam seus resultados sob o ponto de vista social e pelo bem que realizam para a sociedade. Em geral, elas vivem de verbas governamentais e/ou doações da própria sociedade. Como exemplos, podemos elencar: Exército, Marinha, Força Aérea; polícias federais, estaduais e municipais, militar e sociedade civis; igrejas de quaisquer credos; ONGs organizações não governamentais; grupos de escoteiros; instituições beneficentes; hospitais públicos; fundações; clubes recreativos, associativos, entre outros. Organizações lucrativas Essas organizações são comumente denominadas por empresas na verdadeira concepção do termo, isto é, foram concebidas para gerar bens e/ou serviços, vendendo-os para a sociedade, com uma margem de lucro que compense o investimento de capital e cubra, com sobra, para os acionistas, seus custos de produção. Sob o ponto de vista jurídico, as organizações lucrativas possuem basicamente duas formas de constituição: Sociedades Anônimas (SAs) e as Sociedades por Cotas Limitadas (Ltda). As primeiras podem ter suas ações negociadas em Bolsas de Valores ou não. Em ambos os casos, as contas ou os balanço se resultados de sua administração são obrigatoriamente divulgados nos principais veículos de comunicação, enquanto as segundas não são obrigadas a divulgar suas contas ou os resultados de sua gestão, embora, por lei, os dois tipos sejam obrigados a elaborar balanços e demonstrações de resultado anualmente.

3 3 1.2 A palavra administrar Administrar vem do latim, composta por: ad, que significa tendência para, direção para; e minister, que significa subordinação ou obediência, ou aquele que realiza uma função abaixo do comando de outrem, isto é, aquele que presta um serviço ao outro. Nos dicionários, podemos encontrar alguns significados, como: Administrar: v.t. Dirigir, inspecionar, tomar controle (Grande dicionário etimológico prosódico da língua portuguesa) Administrar: v.t. Gerir (os negócios públicos ou particulares), dar, administrar um remédio (Dicionário contemporâneo da língua portuguesa).no entanto, a palavra administração sofre uma radical. Transformação no seu significado original. A tarefa da administração é a de interpretar propostos pela organização e transformá-los em ação organizacional por meio de: planejamento, organização, direção e controle. Os primeiros textos sobre administração são do século XVIII, no início da Revolução Industrial. Um dos primeiros teóricos da administração, Charles Babbage ( ),predisse que o surgimento do mundo industrial iria requerer um estudo sistemático da administração de tarefas e da padronização das operações de trabalho. Antes do século XX, a maior parte dos textos sobre administração abordava a prática, e não a teoria da administração. Em decorrência da expansão industrial, da mudança da natureza da força de trabalho e da passagem para a produção de massa, surgiu a necessidade de mais gerentes e de uma compreensão dos fundamentos teóricos da administração. São várias as definições de administração. Há quem a julgue uma ciência e quem a defina como arte. De modo geral, todas giram em torno do mesmo tema. Para não haver confusão sobre o sentido das palavras,faremos a própria definição do que entendemos por administração e administrador. Iniciaremos comparando duas definições. A primeira é de 1980 e foi feita pelo presidente da American Management Association (AMA Associação Americana de Administração), que definiu: Administrar é realizar coisas por intermédio de outras pessoas. Outra, mais atual, define administração, como sendo: O trabalho com e por intermédio de outras pessoas para realizar os objetivos da organização, bem como de seus membros. Compare as duas. Quais as diferenças básicas entre elas? A segunda: 1. Atribui maior ênfase ao ser humano nas organizações; 2. Concentra a atenção nos resultados a ser atingidos e nos objetivos, em vez de apenas nos objetos ou nas atividades; 3. Acrescenta o conceito de que a realização dos objetivos pessoais dos participantes deve ser integrada com a realização dos objetivos da organização. Essa é uma definição mais completa, que abrange o entendimento atual do papel das organizações na sociedade e o papel dos administradores e, por isso, será a definição que adotaremos. Administração é o ato de trabalhar com e por intermédio de outras pessoas para realizar os objetivos da organização, bem como de seus membros O administrador e seu papel na organização Nesse módulo definiremos o que é administração e quais são as atividades do administrador e as habilidades necessárias para esse profissional ter um bom desempenho. Antes, porém,vamos estudar um pouco da história da administração geral e,em seguida, no Brasil.

4 4 1.3 História universal da administração A capacidade administrativa do homem é muito antiga. Há3000 anos, na construção das pirâmides do Egito, certamente trabalharam eficientes gerentes e supervisores, capazes de organizar o trabalho de milhares de pessoas. Exemplos como esse são fartos na História. Entretanto, apenas recentemente, houve preocupação de analisar a administração de modo sistemático e coerente. Mas podemos notar que o estudo da administração pode ser extraído dos principais filósofos e estudiosos do passado, que, em seus estudos de outras ciências, abordavam, inevitavelmente, aspectos políticos que envolviam as administrações públicas do Estado. 1.4 A influência de filósofos- Sócrates (470 a.c a.c.) A administração recebeu enorme influência da filosofia desde os tempos da Antiguidade. Já antes de Cristo, o filósofo Sócrates, em sua discussão com Nicomaquides expõe o seu ponto de vista sobre a administração, como uma habilidade pessoal separada do conhecimento técnico e da experiência. Ele dizia: Sobre qualquer coisa que um homem possa prescindir, ele será, se souber do que precisa e se for capaz de provê-lo, um bom presidente, quer tenha a direção de um coro, uma família, uma cidade ou um exército. Não é também uma tarefa punir os maus e honrar os bons? Portanto, Nicomaquides, não desprezeis homens hábeis em administrar seus haveres; pois os afazeres privados diferem dos públicos somente em magnitude; em outros aspectos, são similares; mas o que mais se deve observar é que nenhum deles pode ser gerido sem homens, nem os afazeres privados são geridos por uma espécie de homem e os públicos por outra: pois aqueles que conduzem os negócios públicos não utilizam homens de naturezas diferentes daqueles empregados pelos que geram negócios privados; e os que sabem empregá-lo conduzem tanto os negócios públicos, quanto os privados, judiciosamente, enquanto aqueles que não sabem, errarão na administração de ambos. Platão (427 a.c. 347 a.c.) Também filósofo grego e discípulo de Sócrates preocuparam-se profundamente com os problemas sociais e políticos inerentes ao desenvolvimento social e cultural do povo grego. Em sua obra A República, expõe seu ponto de vista sobre a forma democrática de governo e de administração dos negócios públicos. Aristóteles (384 a.c. 322 a.c.) Outro filósofo grego, discípulo de Platão, do qual muito divergiu, deu enorme impulso à filosofia, principalmente à cosmologia, à noologia, à metafísica e às ciências naturais, abrindo as perspectivas do conhecimento humano na sua época. Foi criador da lógica. No seu livro Política, estuda a organização do Estado e distingue três formas de administração pública: 1. monarquia, ou governo de um só, que pode redundar em tirania; 2. aristocracia, ou o governo de uma elite, que pode descambar em oligarquia; 3. democracia, ou o governo do povo, que pode degenerar em anarquia Francis Bacon ( ) É com Francis Bacon, filósofo e estadista inglês, considerado o fundador da lógica moderna baseada no método experimental e indutivo, que vamos encontrar alguma preocupação prática de separar experimentalmente o que é essencial do que é acidental ou acessório. Bacon antecipou-se ao princípio conhecido em administração como princípio da prevalência do principal sobre o acessório. René Descartes ( ) O maior expoente da época foi René Descartes, um filósofo, matemático e físico francês considerado o fundador da filosofia moderna. As famosas coordenadas cartesianas foram criadas por Descartes e foi muito valioso o impulso que deu à matemática e à geometria da época. Na filosofia, celebrizou-se pelo livro O discurso do método, no qual descreve os principais preceitos de seu método filosófico, hoje denominado método cartesiano, cujos princípios são:

5 5 princípio da dúvida sistemática ou da evidência: consiste em não aceitar como verdadeira coisa alguma enquanto não se souber com evidências aquilo que é realmente verdadeiro. Com essa dúvida sistemática, evitam-se a prevenção e a precipitação, aceitando - se apenas como certo aquilo que seja evidentemente certo; princípio da análise da decomposição: consiste em dividir e decompor cada dificuldade ou problema em quantas partes forem possíveis e necessárias a sua melhor adequação e solução, e resolvê-las cada uma separadamente; princípio da síntese ou da composição: consiste em conduzir ordenadamente os nossos pensamentos e o nosso raciocínio, começando pelos objetivos e assuntos mais fáceis e simples de conhecer, para caminharmos gradualmente para os mais difíceis; princípio da enumeração ou da verificação: consiste em fazer, em tudo, recontagem, verificações e revisões tão gerais que se fique seguro de nada haver omitido ou deixado de lado Outras influências-influências da Igreja Católica No decurso dos tempos, as normas administrativas e os princípios de organização pública foram se transferindo das instituições dos Estados, como, por exemplo, Atenas e Roma, para as instituições da nascente Igreja Católica e as organizações militares. Essa transferência se fez de modo lento, mas efetivo, talvez porque a unidade de propósitos e de objetivos princípios fundamentais da organização eclesiástica e da organização militar, nem sempre era encontrada na ação política que sede envolveu nos Estados, geralmente movida por objetivos contraditórios de cada partido dirigente ou classe social dominante. Aos poucos, a Igreja Católica foi estruturando sua organização, sua hierarquia de autoridade, seu estado-maior (assessoria) e sua coordenação funcional. Hoje, a Igreja tem uma organização hierárquica tão simples e eficiente que a sua enorme organização mundial pode operar sob o comando de uma só cabeça e um só executivo: o Papa. A autoridade do Papa lhe foi delegada de forma mediata por uma autoridade divina superior. A estrutura da organização eclesiástica passou a servir de modelo para muitas organizações que, ávidas de experiências bem-sucedidas, passaram a incorporar uma infinidade de princípios e normas administrativas utilizadas na Igreja Católica. Influência da organização militar Os fundamentos militares exerceram enorme influência no desenvolvimento das teorias da administração. Entre eles, podemos citar: a organização linear, originada na organização militar dos exércitos da Antiguidade e da época medieval; o princípio da unidade de comando; a escala hierárquica; o princípio da centralização do comando; a descentralização da execução; a evolução do princípio de assessoria e a formação de um estado-maior na Prússia, com Frederico II; e o princípio de direção: Todo soldado deve saber perfeitamente o que se espera dele e aquilo que ele deve fazer, que foram os principais legados das organizações militares. No início do século XIX, Carl Von Clausewitz ( ), general prussiano, escreveu o Tratado sobre a guerra e os princípios de guerra, sugerindo como administrar os exércitos em guerra. Foi o grande inspirador de muitos teóricos da administração na organização e na estratégia militar para adaptá-la à organização e a estratégias industriais. Considerava a disciplina como um requisito básico e que toda organização requer cuidadoso planejamento, no qual as decisões devem ser científicas, e não simplesmente intuitivas. Afirmava, também, que as decisões devem se basear na probabilidade, e não apenas na necessidade lógica, e que o administrador deve aceitar a incerteza e planejar como minimizá-la.

6 6 Influência da revolução industrial É possível buscar exemplos de práticas de administração em 3000 a.c., como na construção das pirâmides do Egito, que envolveu um enorme esforço de coordenação. Mas as teorias e práticas gerenciais de hoje começaram a surgir apenas a partir da Revolução Industrial, no século XVIII. E, para entendermos sua concepção e evolução, uma imagem deve vir à mente: a máquina. James Watt ( ) inventa a máquina a vapor, que,em seguida, é aplicada à produção nas indústrias, gerando uma nova concepção de trabalho, o que veio a modificar a estrutura social e comercial da época. Foi um período denominado por Revolução Industrial, que se iniciou na Inglaterra e se alastrou por todo mundo. Apresentou dois períodos distintos: Primeiro período (ou Primeira Revolução Industrial ou Revolução do Carvão e do Ferro) a 1860 Dentro da primeira época da Revolução Industrial, pôde-se observar a existência de algumas fases, caracterizadas pelas invenções e aplicações de vários tipos de equipamentos e ferramentas que revolucionaram o panorama da produção e da administração das organizações, como: 1. primeira fase: a mecanização da indústria e da agricultura: a máquina de fiar Hargreaves (1767); o tear hidráulico Arkwright (1769); o tear mecânico Cartwright (1785); o descaroçador de algodão Whitney (1792); 2. segunda fase: a aplicação da força motriz à indústria; 3. terceira fase: o desenvolvimento do sistema fabril; 4. quarta fase: a aceleração dos transportes e das comunicações: a navegação a vapor Denis Papin (vapor XVII) e Watt (máquina ); rodas propulsoras substituídas por hélices; locomotiva a vapor: primeira estrada de ferro na Inglaterra (1825); Morse inventa o telégrafo elétrico (1835); é inventado o telefone por Graham Bell (1876). Segundo período (ou Segunda Revolução Industrial ou Revolução do Aço e da Eletricidade) a 1914 O segundo período da Revolução Industrial foi caracterizado pelos seguintes eventos: substituição do ferro pelo aço; substituição do vapor pela eletricidade e pelos derivados de petróleo; o desenvolvimento de maquinaria automática e alto grau de especialização do trabalho; o crescente domínio da indústria pela ciência; transformações radicais nos transportes e nas comunicações; a partir de 1880, Daimler e Benz constroem automóveis na Alemanha; Dunlop aperfeiçoa o pneumático, em 1888; Henry Ford inicia a produção do seu modelo T, em 1908; primeira experiência com o avião por Santos Dumont (1906); o desenvolvimento de novas formas de organização capitalista; a substituição do capitalismo industrial pelo capitalismo financeiro; dominação da indústria pelas inversões bancárias, financeiras e de crédito, como, por exemplo: a formação da United Steel Corporation, em 1901, pela J.P. Morgan & Co.; a formação de imensas acumulações de capital provenientes de trustes e fusões de empresas; o desenvolvimento das holdingcompanies; a expansão da industrialização até a Europa Central e Oriental e o Extremo Oriente. 1.5 Datas e eventos importantes Em 1561, foi fundada, na Inglaterra, a Merchant Taylor School, considerada a primeira escola de administração. Dedicava-se à administração comercial;

7 em 1881, surgiu, na Universidade da Pensilvânia, a primeira escola de administração de nível superior, a Whorton SchoolofFinance&Commerce. O enfoque era meramente técnico; em 1908, a Harvard University instituiu o primeiro curso de administração de negócios em nível de pós-graduação. 1.6 Aspectos históricos gerais Em toda a sua história, a administração se desenvolveu com uma lentidão impressionante, até o início do século XX; após o início do século XX, ela se desenvolveu com uma pujança e inovação mais impressionantes ainda; no século XIX, as organizações eram poucas e pequenas, predominavam as pequenas oficinas, os artesãos independentes, as pequenas escolas, os profissionais autônomos, o lavrador, o armazém da esquina, entre outros; nos dias de hoje, a sociedade da maioria dos países desenvolvidos é pluralista, de organizações, cuja maior parte das obrigações sociais é confiada a organizações como: indústrias, universidades, escolas, hospitais, exército e organizações de serviços públicos. 1.7 História da administração no Brasil - Datas e eventos importantes em 1902, surgiu a Academia de Comércio do Rio de Janeiro e a Escola Alvarez Penteado de São Paulo, de nível técnico; em 30 de junho de 1931, o Decreto-lei nº criou o curso superior de administração e finanças, organizando o ensino comercial e dispondo sobre os cursos de perito-contador, guardalivros e atuário e sobre os cursos superiores de administração e finanças, regulamentando a profissão de contador e dando outras providências; em 12 de março de 1934, com sede e reconhecimento oficial, tem início o curso de administração e finanças da Faculdade de Ciências Políticas e Econômicas de Porto Alegre; em 21 de novembro de 1940, o Decreto nº dispõe sobre a organização dos cursos de administração; em 16 de maio de 1944, foi autorizado o funcionamento do curso superior de administração e finanças da Academia de Comércio de Santa Catarina; em 30 de dezembro de 1946, foi autorizado o funcionamento de cursos na Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas na Universidade de São Paulo; em 11 de novembro de 1947, é concedido reconhecimento aos cursos da Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas de Minas Gerais; em 13 de junho de 1949, é concedido reconhecimento aos cursos da Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas da Universidade de São Paulo; em 1954, é criada a Fundação Getúlio Vargas; em janeiro de 1989, é inaugurada a primeira turma da Faculdade de Administração de Empresas da Universidade Paulista (UNIP); em março de 2003, é inaugurada a primeira turma do curso de gestão empresarial de curta duração; em agosto de 2006, é lançado o primeiro curso de gestão empresarial de curta duração da Universidade Paulista(UNIP), sob a forma de treinamento a distância, o SEPI(Sistema de Ensino Presencial Interativo), em rede para todo o Brasil O administrador no Brasil Segundo a Lei nº 4.769, de 9 de setembro de 1965, que criou a profissão de administrador no Brasil, as atividades do administrador compreendem: 1. elaboração dos pareceres, relatórios, planos, projetos,arbitragens e laudos, em que se exija a aplicação de conhecimentos inerentes às técnicas de organização;

8 2. pesquisas, estudos, análises, interpretação, planejamento, implantação, coordenação e controle dos trabalhos nos campos de administração geral, como:administração e seleção de pessoal, organização, análise,métodos e programas de trabalho, orçamento, administração de material e financeira, administração mercadológica,administração de produção, relações industriais, ainda outros campos em que estes se desdobrem ou com os quais sejam conexos. Como se vê, são várias as atividades possíveis do administrador. Mas, para um bom desempenho, quais seriam as habilidades necessárias para ocupar esse cargo?segundo vários autores, as características básicas de um bom administrador são: liderança: habilidade para influenciar outros na realização de tarefas; auto-objetividade: habilidade de se avaliar de modo realista; pensamento analítico: habilidade para interpretar e explicar padrões nas informações; comportamento flexível: habilidade para modificar o comportamento pessoal, para atingir um objetivo; comunicação oral: habilidade para se expressar claramente em apresentações orais; comunicação escrita: habilidade para expressar com clareza as próprias ideias ao escrever; impacto pessoal: habilidade para passar uma boa impressão e infundir confiança; resistência ao estresse: habilidade para desempenhar bem sob condições de forte pressão psicológica. Quanto mais treinadas essas habilidades, melhores serão os resultados alcançados pelo profissional e sua organização. Todo gerente realiza uma série de tarefas. Ele planeja, organiza, preenche vagas, coordena, motiva, controla e lidera. Entre essas atividades, a mais importante talvez seja o planejamento, pois, antes de planejar, o gerente precisa definir seu objetivo, montar a equipe ideal para atingi-lo, determinar as tarefas e os responsáveis por elas e os procedimentos esperados de cada um. Somente a partir dessas ações poderá controlar e liderar o processo. De acordo com o autor Robert L. Katz, todas essas habilidades podem ser agrupadas em três categorias críticas: conceitual, humana e técnica. Segundo ele, dependendo do nível hierárquico que se ocupe, as habilidades tornam-se mais ou menos necessárias. Quanto maior o nível do profissional, maior a exigência de habilidades para prever e planejar a longo prazo. m sentido inverso, quanto mais baixo o nível hierárquico, mais imediatistas serão as decisões e as ações. Estudos confirmam que o gerente de nível mais baixo gasta cerca de 30% do seu tempo em atividades gerenciais e 70% em atividades técnicas. Já o presidente gasta 90% de seu tempo em atividades gerenciais e menos de 10% em atividades técnicas. Para vice-presidentes e cargos mais elevados, exige-se o que Katz chama de habilidade conceitual ou seja,habilidade de pensar conceitualmente e solucionar entraves complexos. O alcance das decisões desse nível será de prazo mais longo. Já para o nível intermediário de decisão, o autor propõe o que chama de habilidade humana habilidade para trabalhar bem com outros. As decisões desse nível atingem o médio prazo. E, quanto mais baixo o nível hierárquico, mais a curto prazo serão as decisões e mais técnicas as habilidades requeridas.para Peter Druker, a função do gerente é ser eficaz; este deve promover resultados. Para que isso aconteça, o autor propõe cinco hábitos: 1. gerentes eficazes sabem como empregar o tempo. Trabalham controlando o pouco tempo que fica sob seu controle; 2. conduzem seus esforços para os resultados, e não para o trabalho. Perguntam: O que esperam de mim?, e não Quais as ferramentas que possuo? ; 3. fixam-se nas forças e no que elas podem contribuir para se atingirem os resultados, e não nas fraquezas; 4. definem prioridades e se orientam por elas; 5. adotam os passos certos na sequência certa, ouvindo várias opiniões divergentes, e não tomando muitas decisões rapidamente. Saiba mais acessando o site do Conselho Federal de Administração: 8

9 9 2- TEORIAS E ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO Com o aparecimento da máquina a vapor de James Watt e o descaroçador de algodão de Eli Whitney, iniciou-se uma nova forma de produção e relações sociais e econômicas. É a origem do capitalismo. A mecanização transformou o homem de competidor com a natureza em senhor desta. A máquina dominou o imaginário da sociedade e as relações humanas passaram a ser vistas e analisadas dentro da perspectiva da máquina. O conceito mecanicista passou a prevalecer nas organizações. Uma organização eficiente era aquela que opera como máquina: rotinizada, eficiente, confiável e previsível. 2.1 Escolas clássicas da administração Escola científica Com o surgimento das máquinas e da linha de produção, as organizações passaram a buscar formas eficientes de controle e produção. No contexto de aumentar a produtividade do trabalho, surge o método de administração científica de Frederick W. Taylor, que se tornaria mundialmente conhecido como taylorismo. Para ele, o grande entrave das técnicas administrativas existentes consistia no desconhecimento, pela gerência e pelos trabalhadores, dos métodos ótimos de trabalho. A busca dos métodos ótimos seria efetivada pela gerência, por meio de experimentações sistemáticas de tempos e movimentos. Uma vez descobertos, os métodos seriam repassados aos trabalhadores, que se transformavam em executores de tarefas predefinidas. A escola da administração científica foi essencial, no começo do século XX, para Frederick Winslow Taylor, considerado o fundador da moderna teoria geral da administração. Taylor teve os seguintes seguidores: Gantt, Gilbreth, Emerson, Ford, Barth e inúmeros outros. Sua preocupação original foi tentar eliminar o fantasma do desperdício e das perdas sofridas pelas indústrias americanas e elevar os níveis de produtividade pela aplicação de métodos e técnicas da engenharia industrial. Taylor defendia cinco princípios básicos: 1. transfira toda a responsabilidade da organização do trabalho dos trabalhadores ao gerente. Este deve pensar a respeito de tudo o que se relaciona com o planejamento e a organização do trabalho, deixando para aqueles a tarefa de implementar isso na prática; 2. use métodos científicos para determinar a forma mais eficiente de fazer o trabalho; planeje a tarefa do trabalhador de maneira correta, especificando com precisão a forma pela qual o trabalho deva ser feito; 3. selecione a melhor pessoa para desempenhar o cargo assim especificado; 4. treine o trabalhador para fazer o trabalho eficientemente; 5. fiscalize o desempenho do trabalhador para assegurar que os procedimentos apropriados de trabalho sejam seguidos e os resultados adequados sejam atingidos. Ao aplicar esses princípios, Taylor defendeu o uso de estudos de tempos e movimentos como meio de analisar e padronizar as atividades de trabalho. O seu enfoque administrativo solicitava observação detalhada e mensuração do trabalho, mesmo do mais rotineiro, para descobrir o melhor modo de atuação. Sob o sistema de Taylor, atividades simples como carregadores de barras de ferro e remoção de terra tornaram-se objetos de ciência. Ele aconselhou a implantação do sistema de pagamento por quantidade produzida e do salário incentivo para os trabalhadores mais produtivos. A aplicação dos métodos da administração científica trouxe enorme aumento na produtividade, o que contribuiu para sua rápida utilização. Ainda hoje, diferentes organizações aplicam os preceitos de Taylor. Como exemplo, podemos citar a cadeia de lanchonete McDonald s. Essa empresa padronizou todos os procedimentos de produção do lanche, de modo que um produto consumido em Pequim seja absolutamente similar

10 ao consumido em Fortaleza. Seus funcionários da linha de frente são treina dos para ser parte de uma estudada engrenagem. Assim, quem frita o hambúrguer, segue alguns passos predeterminados, como colocá-lo na chapa, acionar um botão que soará um apito indicando a hora de virá-lo; outro apito indicará a hora de retirá-lo da chapa e colocá-lo no pão, no qual já estarão os outros componentes, entre outros. É uma perfeita linha de montagem, com a mínima interferência do funcionário. Esse modelo de produção procura automatizar o trabalho humano A escola administrativa Os representantes da teoria administrativa foram o francês Henry Fayol, o americano F. W. Mooney e o inglês yndallurwick. Eles estudaram e sistematizaram as experiências bem-sucedidas nas organizações. A crença desses autores é de que a administração é um processo de planejamento, organização, direção, coordenação e controle. São deles as bases de técnicas modernas de administração, como administração por objetivos e sistemas de controle e planejamento de orçamentos. Os princípios dessa escola são: 1. unidade de comando: um empregado só deve receber ordens de um único superior; 2. hierarquia: a autoridade do superior sobre o subordinado caminha do topo à base da organização; essa cadeia, resultante do princípio da unidade de comando, deve ser usada como canal de comunicação e tomada de decisão; 3. amplitude de controle: o número de pessoas que se reportam a um superior não deve ser tão grande a ponto de criar dificuldades de comunicação e coordenação; 4. assessoria e linha: o pessoal de assessoria pode oferecer importante ajuda de orientação, mas deve ter cuidado para não violar a linha de autoridade; 5. iniciativa: deve ser encorajada em todos os níveis da organização; 6. divisão do trabalho: a administração deve buscar atingir um grau de especialização, de tal forma a permitir chegar aos objetivos da organização de maneira eficiente; 7. autoridade e responsabilidade: deve-se considerar o direito de dar ordens e exigir obediência, chegando a um bom equilíbrio entre autoridade e responsabilidade. Não há sentido dar a alguém a responsabilidade por um trabalho se essa pessoa não possui a adequada autoridade para executar tal função; 8. centralização da autoridade: até certo ponto sempre presente, deve variar, para permitir a máxima utilização das capacidades do pessoal; 9. disciplina: obediência, empenho, energia, comportamento e atitudes de respeito devem ser adaptados aos regulamentos e hábitos da organização; 10. subordinação dos interesses individuais aos interesses gerais: pela firmeza, pelos exemplos, acordos justos e constante supervisão; 11. equidade: baseada na amabilidade e justiça para encorajar o pessoal nas suas responsabilidades; remuneração justa que leve a um bom moral, sem ocasionar gastos excessivos; 12. estabilidade e manutenção do pessoal: para facilitar o desenvolvimento das habilidades; 13. espírito de união: para facilitar a harmonia como uma base de fortificação; 14. abordagem anatômica e estrutural da empresa. Esses princípios, muitos dos quais foram anterior mente utilizados por Frederico, o Grande, e outros especialistas militares para transformar os exércitos em máquinas militares,representam o fundamento da teoria administrativa na primeira metade do século XX. 10

11 A sua utilização, atualmente, acha-se muito difundida em diversos setores. Como se percebe, a ideia básica da teoria é de que a administração é um processo de planejamento, organização, direção, coordenação e controle. Muitas técnicas da moderna administração, como a Administração por Objetivos (APO), os sistemas de planejamento e programação de orçamentos, vêm dessa teoria. Essa escola também inovou, em sua época, ao estabelecer as diversas unidades de trabalho que uma organização comum poderia ter, como: 1. funções técnicas: relacionadas com a produção de bens ou serviços da empresa; 2. funções comerciais: relacionadas com a compra e venda e permutação; 3. funções financeiras: relacionadas com a procura e gerência de capitais; 4. funções de segurança: relacionadas com a proteção e preservação dos bens e das pessoas; 5. funções contábeis: relacionadas com inventários, registros, balanços, custos e estatísticas; 6. funções administrativas: relacionadas com a integração de cúpula das outras cinco funções. As funções administrativas coordenam e sincronizam as demais funções da empresa, pairando sempre acima delas. 2.2 Algumas críticas às teorias clássicas Todos os autores clássicos concebem a organização apenas em termos lógicos, formais, rígidos e abstratos, sem considerar o seu conteúdo social e psicológico com a devida importância; restringem-se apenas à organização formal, estabelecendo esquemas lógicos e preestabelecidos, segundo os quais todas as organizações devem ser construídas e aos quais todas devem obedecer, isto é, são prescritivas e normativas; prescritivas e normativas: como o administrador deve conduzir-se em todas as situações, acompanhando o processo administrativo, e quais os princípios gerais que deve seguir para obter a máxima eficiência; ausência de trabalhos experimentais: a teoria clássica pretendeu criar uma ciência da administração para estudar e tratar a organização e a administração cientificamente, substituindo o empirismo e a improvisação por técnicas científicas; porém, como Taylor, Fayol fundamenta seus conceitos na observação e no senso comum. Seu método é o empírico e concreto, baseado na experiência direta e no pragmatismo; os autores clássicos se caracterizam pela ausência de métodos rigorosamente científicos. A falta mais grave dessa abordagem é o fato de seus autores não confrontarem a teoria com elementos de prova: as afirmações dos autores clássicos se dissolvem quando postas em experimentação; o fato de denominarem princípios a muitas das suas proposições é criticado hoje em dia como um procedimento muito presunçoso dos autores da época; o extremo racionalismo na concepção da administração da teoria clássica visa à eficiência do ponto de vista técnico e econômico; a teoria da máquina. Alguns autores modernos denominam a teoria clássica de teoria da máquina, pelo fato de seus autores considerarem o comportamento mecânico de uma máquina: a organização deve ser arranjada tal como uma máquina; abordagem incompleta da organização. Assim como a administração científica, a teoria clássica só se preocupou com a organização formal, descuidando-se da organização informal. A preocupação com a forma, a ênfase na estrutura, obviamente, levou ao exagero; abordagem de sistema fechado. Ambas as escolas tratam a organização como se fosse um sistema fechado, composto de algumas variáveis perfeitamente conhecidas e previsíveis e alguns poucos aspectos que podem ser manipulados por princípios gerais e universais de administração. 11

12 Origens e evolução da administração Escola das relações humanas Elton Mayo A escola das relações humanas enfatiza a melhoria da eficiência do trabalhador por meio da compreensão dos trabalhadores, e não do trabalho. Essa teoria nasceu de experiências feitas por Elton Mayo na fábrica de relés Hawthorne, da Western Electric Company, em Chicago, em Mayo e colegas separaram dois grupos de trabalhadoras em dois ambientes diferentes e variaram a intensidade da luz para determinar a iluminação ideal para a produtividade. Veja fases do Caso Hawthorne a seguir. Fases da análise do Caso Hawthorne Primeira fase (1927): realizada com operárias divididas em dois grupos, procurou-se estudar a influência da iluminação. Segunda fase (abril 1927): realizada com seis operárias submetidas a condições especiais de trabalho, como variações de períodos de descanso e horários flexíveis. Terceira fase (setembro 1928): iniciou-se o programa de entrevistas, por meio das quais pretendiam obter maiores conhecimentos sobre as atitudes e os sentimentos dos trabalhadores. Em 1931, se adotou a entrevista não diretiva, mediante a qual o operário expressava-se livremente. Revelou-se a existência de grupos informais. Quarta fase (novembro maio 1932): o objetivo foi analisar a organização informal dos operários e sua relação com a organização formal da empresa. O resultado, porém, mostrou que, qualquer que fosse a intensidade da luz, a produtividade aumentava constantemente. Por meio de entrevistas de profundidade com as trabalhadoras, eles descobriram que elas trabalharam melhor porque: 1. a sala de teste era agradável para trabalhar; 2. o relacionamento das trabalhadoras com a supervisão foi mais descontraído; 3. as trabalhadoras reagiram à consciência de que estavam participando de uma experiência importante; 4. a participação na experiência criou um sentimento de identidade de grupo. Mayo chamou a isso fatores de relações humanas e os considerou fundamentais para a produtividade no trabalho. Para Mayo,os gerentes devem não só dominar as técnicas da ciência do trabalho e do aumento da produtividade, mas também as habilidades de relações humanas. Conclusões do Caso Hawthorne o trabalho é uma atividade grupal: o nível de produção tem maior influência das normas do grupo que dos incentivos físicos ou fisiológicos; o comportamento dos empregados sofre uma enorme influência das normas e dos valores desenvolvidos pelo grupo; quanto maior a integração social dentro do grupo de trabalho, maior a disposição de produzir; mais importante que o incentivo econômico é a necessidade de reconhecimento e aprovação social que influenciam decisivamente na motivação do trabalhador; o moral do trabalhador é influenciado pelo conteúdo e pela natureza do trabalho; o administrador deve ser treinado para desenvolver sensibilidade e percepção, para compreender as pessoas; a empresa passou a ser vista como um conjunto de grupos sociais informais; surgiu o papel do líder, que facilita a relação das pessoas e orienta o grupo para alcançar os objetivos da organização Considerações e críticas à escola das relações humanas A escola das relações humanas acentuou os elementos emocionais não planejados e irracionais do comportamento na organização, e descobriu o significado, para a organização, da amizade e do agrupamento social dos trabalhadores;

13 13 indicou a importância da liderança, da comunicação e da participação emocional na organização; a partir dessas observações, criou-se o conceito de organização informal; Mayo considerou a formação de grupos e as relações informais como um modo de protesto contra a sociedade que tratava as pessoas como máquinas insensíveis e voltadas apenas para os interesses econômicos, na qual o trabalho era altamente rotineiro; concluiu que os trabalhadores não podiam ser tratados, um a um, isoladamente, mas sim como membros efetivos de grupos de trabalho sujeitos à influência desses grupos e de toda a estrutura da organização; a pesquisa ateve-se ao ambiente restrito das fábricas, deixando de verificar outros tipos de organizações; trouxe vários abusos e desvios, como manipulação humana por meio de táticas sutis de comunicação e dinâmica de grupo; o cientista social passou a ser um solucionador de problemas, e não um crítico independente das relações sociais; não reconhecimento das condições socioeconômicas ou políticas da sociedade (não consideração da realidade da sociedade) Escola das relações humanas Mary Parker Follett Mary Parker Follett deu continuidade aos preceitos da escola clássica, apregoando a existência de princípios gerais aplicáveis tanto às indústrias como a outras formas de organizações. Mas, o fator inovador nos postulados de Follett foi a introdução de variáveis e componentes psicológicos à abordagem da escola clássica. Para Follett, a organização apresenta os seguintes aspectos: constitui, totalmente, o resultado de uma série de intransigências que levam em conta um número infinito de possibilidades em torno de uma situação específica ou única; é uma força viva, móvel e fluida; representa pessoas que reagem e respondem a estímulos que não podem ser definidos com precisão. Assim, os problemas de uma organização constituem fundamentalmente problemas de relações humanas. Dentre as principais conclusões dentro da teoria das relações humanas, sob os estudos de Mary Parker Follet, podemos destacar: rejeita qualquer fórmula fixa para a solução de problemas da organização; uma pessoa não deve dar ordens a outra; ambas devem concordar em resolver as ordens da situação lei dasituação; é a situação concreta que deve governar as ordens a ser dadas e o empenho das pessoas em executar essas ordens; elementos subjetivos, como a vontade do chefe, os interesses pessoais, entre outros, deverão ser afastados; a situação é que deve determinar o que é certo e o que é errado. Toda decisão é um momento de um processo; a autoridade e a responsabilidade derivam da função e pouco dizem respeito à hierarquia da posição; a autoridade deve acompanhar o conhecimento e a experiência; a autoridade é sempre nova; é um momento da experiência entrelaçada Teoria X e teoria Y Ainda dentro da escola das relações humanas, há o aparecimento da teoria X e teoria Y. Essa teoria, desenvolvida por Douglas Mcgregor,é uma abordagem humanística da administração.veja o quadro a seguir:

14 14 TEORIA X TEORIA Y O homem médio não gosta do trabalho e o evita; O dispêndio de esforço no trabalho é algo natural; Precisa ser forçado, controlado e dirigido; O controle externo e a ameaça não são meios adequados de se obter trabalho; Resiste a mudanças O homem exercerá autocontrole e autodireção, se suas necessidades forem satisfeitas. Prefere ser dirigido e tem pouca ambição; A pessoa média busca a responsabilidade Busca apenas a segurança O funcionário exercerá e usará sua engenhosidade, quando lhe permitirem auto direção e autocontrole. Para McGregor, Taylor e seus seguidores assumiram uma visão pessimista do trabalhador e criaram um sistema de premiação e punição, para incentivar a produtividade no trabalho. Já Mayo e seguidores assumiram uma visão otimista do indivíduo. Taylor, segundo ele, era partidário da teoria X, enquanto Mayo da teoria Y. 2.4 A ciência da administração ou pesquisa operacional Teoria que nasceu nos Estados Unidos, no início da Segunda Guerra Mundial, tinha a necessidade de adaptar todo o setor produtivo a uma economia de guerra. Afirma que a produtividade do trabalhador pode ser aumentada pelo uso do método científico em combinação com modelos matemáticos das tarefas dos trabalhadores. O sucesso dos Estados Unidos na guerra popularizou essa teoria, que tem dois pilares: 1. todos os problemas que caracterizam um sistema podem ser solucionados pela aplicação do método científico; e 2. esses problemas sistêmicos podem ser resolvidos pela solução das equações matemáticas que representam o sistema. Já o método científico tem como pilares: 1. observar o problema no qual o sistema está inserido; 2. construir um modelo matemático do sistema; 3. fazer deduções sobre como o sistema atual se comportará sob certas condições; e 4. testar o modelo matemático e realizar experimentos para confirmar o funcionamento do sistema. Essa teoria é bastante usada em setores fabris. O processo decisório consiste em um inter-relacionamento entre pessoas, responsabilidades pelo serviço, comunicação e sistemas de informações, código de ética, moral e, às vezes, interesses e objetivos diferentes dos participantes. É enorme o número de fatores intuitivos, provenientes de experiência pessoal e personalidade, envolvidos no processo decisório. Esses fatores influenciam a qualidade da decisão tomada, diferenciando, assim, o bom do mau administrador. Todas as companhias têm uma estrutura organizacional própria que influencia e, muitas vezes, condiciona processo decisório Utilizam-se, nas organizações, técnicas modernas de gerência: qualidade total, empowerment, planejamento estratégico, entre outros, com o objetivo de que a tomada de decisão seja um ponto forte na avaliação da competitividade da organização no mercado. Uma decisão apresenta elevada qualidade quando, de forma eficaz e efetiva, garante a realização dos objetivos preestabelecidos, para os quais os meios e recursos foram reservados. Essa definição permite distinguir três características principais que possibilitam a avaliação da qualidade de uma decisão: 1. satisfação dos interesses envolvidos; 2. adaptação dos meios necessários aos objetivos procurados; 3. consistência do curso da ação.

15 Assim, a qualidade de uma decisão é tão mais elevada quanto maior for o grau de participação dessas três características no processo. Um estudo de pesquisa operacional consiste, basicamente, em construir um modelo de um sistema real existente como meio de analisar e compreender o comportamento dessa situação, com o objetivo de levá-lo a apresentar o desempenho que se deseja. O sistema real é um conjunto complexo de variáveis de forma não muito definida. O sistema real reduzido é o núcleo do sistema existente que, primordialmente, dita o comportamento deste e que pode ser modelado, para efeito de análise, por uma estrutura simplificada. O enfoque gerencial da pesquisa operacional A pesquisa operacional tem sido vista pelos gerentes e praticantes sob dois enfoques: 1. Enfoque clássico ou tradicional É derivado do conceito quantitativo clássico da pesquisa operacional. Aplica técnicas de modelagem a problemas de decisão e resolve modelos obtidos pela utilização de métodos matemáticos e estatísticos, visando à obtenção de uma solução ótima de uma maneira sistêmica. Entretanto, as soluções ótimas podem não ser totalmente adequadas em todas as situações práticas por sua pouca flexibilidade Enfoque atual Segue o conceito qualitativo da pesquisa operacional. Centraliza-se para o diagnóstico do problema, valoriza-se o espírito crítico, a sensibilidade para descobrir o problema correto e analisar quais informações são fundamentais e acessórias para a decisão, que complementam sem afetar os resultados.a finalidade de toda informação é reduzir o grau de incerteza envolvida na decisão. Assim a informação só tem valor no contexto de uma situação específica Abordagem contingencial- A palavra contingência na administração Entende-se por contingência um conjunto de conhecimentos, derivados de diversos empreendimentos de pesquisa de campo, que procuram delimitar a validade dos princípios gerais de administração a situações específicas. A abordagem contingencial salienta que não se atinge a eficácia seguindo um único e exclusivo modelo organizacional. No final dos anos 1950, a ideia da contingência começou a ser aplicada a estruturas organizacionais. Teve seu auge nas décadas de 1960 e Nasceu a partir de uma série de pesquisas feitas para verificar os modelos de estruturas organizacionais mais eficazes em determinados tipos de indústrias. Essas pesquisas e esses estudos foram contingentes, pois procuraram compreender e explicar o modo como as empresas funcionavam em diferentes condições. Vejamos mais algumas características dessa abordagem: enfatiza que não há nada de absoluto nas organizações ou na teoria administrativa. Tudo é relativo; relação funcional (do tipo se-então), em vez de causa e- efeito, entre as variáveis independentes e as variáveis dependentes; aspecto proativo determinado pelas relações funcionais que devem ser constantemente identificadas; todos os princípios de administração são válidos e devem ser aplicados de acordo com as características da situação adocracia; a maior contribuição está na identificação das variáveis que produzem maior impacto sobre a organização, o ambiente e a tecnologia; marca uma nova etapa no estudo da TGA. Abordagem eclética. Compara as teorias administrativas à luz dessas variáveis, aplicando seus princípios em situações distintas. Essa teoria defende que não há uma única abordagem para os problemas. Cada situação requer um tipo de solução. Ela surgiu da observação de que as três teorias anteriores: clássica, comportamental e da pesquisa operacional, nem sempre levavam a uma solução aceitável. Sua característica é ser eclética e prega a aplicação da combinação das várias teorias em vista de cada tipo de problema.

16 Além disso, essa teoria tem uma preocupação humanística e exige que o gerente encare a organização de uma perspectiva multifacetada e reflita a natureza complexa da organização moderna. Seus críticos destacam a complexidade de sua aplicação e a necessidade de gerentes com muitas habilidades para usá-la com eficácia. 2.2 Teoria Z A teoria Z é o modo japonês de administrar. Muito menos do que uma abordagem teórica, é, na verdade, uma coletânea de práticas gerenciais. Ela sustenta que a decisão mais eficaz é aquela tomada em grupo, de forma consensual. Supõe que o grupo tem acesso a mais dados, os membros do grupo serão convencidos pela decisão grupal e o processo separa as decisões ruins das boas. Essa teoria, porém, pressupõe algo inexistente no mundo ocidental: o emprego vitalício, que gera lealdade dos funcionários com a organização e uma força de trabalho constante. A principal consequência da teoria Z foi a criação de Círculos de Qualidade (CQ) pequenos grupos de trabalhadores e gerentes que se reúnem periodicamente para discutir ações que aumentem a qualidade do produto e reduzam custos. Essa abordagem exige o apoio sincero dos gerentes e é uma das técnicas encontradas na Abordagem da Qualidade de Vida Ativa (Quality of Work life Approach QWL). Essa abordagem, da qual o Círculo de Qualidade é uma das técnicas mais conhecidas, caracteriza-se por: 1. maior envolvimento dos trabalhadores nas tomadas de decisão; 2. comunicação melhor e mais frequente entre trabalhadores e gerentes; 3. autocontrole dos trabalhadores sobre aspectos do local de trabalho. 3. Organização virtual O final do século passado viu o nascimento de um novo tipo de empresa. São as organizações em rede ou virtuais. Apoiadas em redes de computadores interligadas, operam sem fronteiras, com um mínimo de funcionários e sem os custos das funções de suporte. Estão firmemente apoiadas na Internet e na informática. 3.1 Autoridade Outra forma de analisar a estrutura da organização é quanto à centralização ou descentralização das decisões. Não há uma maneira correta; ambas têm vantagens e desvantagens. Podemos afirmar que o uso de uma forma ou de outra depende das condições do ambiente em que a organização está inserida. Quando se precisa de respostas rápidas, a descentralização é vantajosa. Entretanto, se não há pessoal treinado o suficiente, a centralização é necessário. As principais vantagens da centralização são: melhor uso de técnicos especializados; controle mais rígido das operações; uniformidade das decisões. As principais vantagens da descentralização são: melhores adaptações das decisões ao ambiente local; respostas mais rápidas; treinamento contínuo dos escalões inferiores. 3.2 Delegar Seja qual for a estrutura da organização, recaem sobre os gerentes inúmeras tarefas, normalmente em número maior do que o tempo, para executá-las. Para desempenhar bem sua função, o gerente deve-se concentrar nas mais importantes e delegar as outras à equipe. As tarefas que devem ser delegadas são as que envolvem questões operacionais e têm todas as informações necessárias disponíveis. Não se deve delegar a aplicação de ações disciplinares, aconselhamento e problemas morais, questões sigilosas, avaliações de desempenho, planejamento e tarefas específicas do nível gerencial. A escolha das pessoas certas para receber a delegação é um fator importante para o sucesso da ação. Elas devem ter habilidade específica, interesse na tarefa e um volume de trabalho que permita desempenhar mais uma função. 16

17 Após a delegação, o gerente deve monitorar o trabalho. Quanto mais inexperiente for o funcionário, mais próxima deve ser a monitoração. Os controles a distância, por sua vez, permitem a utilização máxima das habilidades do funcionário, admitindo seu auto desenvolvimento. Se for feita a escolha certa, tanto o gerente como o funcionário serão recompensados. 3.3 A organização do futuro Como será a evolução das técnicas de gerenciamento? Existem alguns pesquisadores que se arriscam a responder a essa questão. Uma das tendências é o surgimento das chamadas organizações holográficas ou organizações que aprendem. São quatro os princípios básicos desse tipo de organização: 1. garantir o todo em cada parte; 2. criar conexão e redundância; 3. criar simultaneamente especialização e generalização; 4. criar a capacidade de auto-organização. 4 CULTURA ORGANIZACIONAL As definições de cultura organizacional são muitas e variam de autor a autor. De um modo geral, cultura organizacional são os valores partilhados pelo grupo de forma estável e duradoura no decorrer do tempo. São características de valores da cultura organizacional: 1. as regularidades comportamentais: a linguagem que o grupo utiliza, os costumes e as tradições e os rituais que emprega numa ampla variedade de situações; 2. as normas grupais: os padrões implícitos e valores que envolvem o trabalho; 3. regras do jogo: as regras não escritas para se dar bem na organização, os macetes que um novo membro deve aprender para ser aceito, o modo como fazemos as coisas por aqui ; 4. filosofia formal: os princípios ideológicos e políticos de amplo espectro que guiam as ações de um grupo em relação aos acionistas, empregados, clientes e outros; 5. valores adotados: princípios e valores articulados,publicamente anunciados, que o grupo afirma tentar realizar, como qualidade do produto ou liderança de preço; 6. competências consolidadas: as competências especiais que os membros do grupo manifestam ao realizar certas tarefas, a capacidade de fazer certas habilidades passarem de geração a geração, sem necessariamente as pôr no papel. 7. clima: os sentimentos transmitidos num grupo pela composição física e o modo pelo qual os membros da organização interagem uns com os outros, com os cliente sou as pessoas de fora; 8. hábitos de pensamento, modelos mentais e/ou paradigmas linguísticos: as estruturas cognitivas comungadas que guiam a percepção, o pensamento e a linguagem usados pelos membros de um grupo e ensinadas aos novos membros nos primeiros processos de socialização; 9. significados partilhados: as compreensões emergentes criadas pelos membros do grupo, à medida que eles interagem uns com os outros; 10. metáforas de raiz ou símbolos de integração: ideias, sentimentos e imagens que os grupos desenvolvem para se caracterizarem, que podem ou não ser apreciados conscientemente, mas se materializam em prédios, layout de escritórios e outros artefatos materiais do grupo. Esse nível da cultura reflete as respostas emocionais e estéticas dos membros do grupo, enquanto contrastadas com sua resposta cognitiva ou avaliativa. Segundo Schein, a cultura organizacional possui os seguintes níveis: o nível dos artefatos (mais visível), o nível dos valores(uma cama intermediária) e o nível das pressuposições básicas(mais profundo). 4.1 Artefatos O nível dos artefatos é formado pelos fenômenos que alguém vê, ouve e sente quando interage com um novo grupo, com uma cultura não familiar. Os artefatos incluem os produtos visíveis, como a arquitetura de seu ambiente físico, sua linguagem, sua tecnologia e seus produtos, maneiras de se dirigir aos outros, dispositivos emocionais, mitos e histórias contadas sobre a organização, listas públicas de valores, rituais e cerimônias observáveis, entre outros. 17

18 Esse nível da cultura é como uma pirâmide: fácil de ser observada, mas difícil de ser compreendida. Por isso, a compreensão correta dos significados exteriores passa por uma convivência diária com o grupo durante algum tempo. É essa experimentação que permitirá a compreensão dos significados mais profundo dos artefatos. 4.2 Valores desposados Todos os valores de um grupo originam-se de alguém. Quando um grupo é criado, quando enfrenta uma nova tarefa ou desafio, a primeira solução proposta diz respeito à visão individual de quem a propôs. Essas pessoas, posteriormente, são identificadas como líderes ou fundadores. Se a solução proposta tiver êxito e continuar assim no decorrer do tempo, os membros do grupo tenderão a esquecer que, no início, a proposta do líder ou do fundador podia ser questionada, então ela passará a ser uma solução do grupo. 4.3 Pressuposições básicas Quando a solução funciona de modo repetitivo, ela passa a ser certa e partilhada por todos os integrantes do grupo. A solução torna-se uma pressuposição básica, que forma a raiz da cultura. Essas pressuposições lidam com aspectos fundamentais, como a natureza humana, o tempo e o espaço, a relativa importância do trabalho e da família, o papel do homem e da mulher, entre outros. O conjunto de pressuposições básicas forma a cultura e define para nós aquilo em que temos de prestar atenção, o que as coisas significam, como reagir emocionalmente ao que está acontecendo e quais atitudes ter em vários tipos de situações. Uma vez que desenvolvemos um conjunto integrado de pressuposições, que poderiam ser chamadas de uma visão de mundo ou mapa mental,ficaremos confortáveis com os outros que partilham do mesmo conjunto de pressuposições e desconfortáveis e vulneráveis diante de situações em que pressuposições diferentes operam seja porque não compreendemos o que está acontecendo, seja, pior, porque percebemos e interpretamos de modo distorcido as ações dos outros. Chegamos, pois, a uma definição de cultura organizacional, proposta por Schein: Cultura é um padrão de pressuposições básicas partilhadas, aprendidas por um grupo à medida que foram capazes de solucionar seus problemas de adaptação externa e de integração interna, que têm funcionado bem o bastante para serem consideradas como válidas e, por essa razão, ensinadas aos novos membros como sendo o modo correto de perceber,pensar e sentir em relação àqueles problemas. 4.4 Subculturas e conflitos A organização é uma micro sociedade. Pode ser um grupo bem-integrado ou uma família que acredita no trabalho conjunto, pode vir impregnada pela ideia de que Nós somos os melhores da indústria e pretendemos continuar assim, ou,ainda, pode vir dividida em grupos que pensam sobre a realidade de forma muito diferente, tendo aspirações diversas a respeito daquilo que a organização deveria ser. Tais padrões de crenças ou significados compartilhados, fragmentados ou integrados, determinam a habilidade total da organização em lidar com os desafios que enfrenta. Um exemplo de organização fragmentada foi estudado há alguns anos por uma universidade. Era uma empresa de seguros, unidade de uma grande organização agrícola. Externamente, era uma empresa de pessoas gentis e interessadas em resolvemos problemas dos clientes. Tinha como lema: Nós plantamos amigos. Entretanto, ao mesmo tempo em que apresentava Essa face externa coesa, a empresa convivia com os conflitos de dois grupos que partilhavam valores diferentes. Nas reuniões, todos eram corteses, mas desinteressados. Em particular, tratavam-se agressivamente. As origens dos conflitos foram detectadas em acontecimentos de dez anos antes. A empresa passou por um período traumático e testemunhou a queda de seu presidente e a demissão de seu sucessor. O novo presidente foi buscar muitos profissionais na empresa concorrente. Formaramse dois grupos na empresa: ode dentro e o de fora. O grupo de fora trouxe fortes crenças e sempre usava exemplos, como: Isto foi o que fizemos lá.... O novo presidente tentou unir os grupos por intermédio várias ações. Nas reuniões, por exemplo, cada integrante recebeu um nome indígena, para indicar que todos eram da mesma tribo, e aquele 18

19 que citasse a empresa rival pagaria uma multa. Mas, o que o presidente conseguiu foi camuflar as rivalidades. Pois, se em público tudo parecia bem, em particular, eles usavam frases como: Nós nos sentamos nos mesmos lugares como as vacas vão para o mesmo estábulo ou É uma perda de tempo,ninguém pode falar a verdade, só o que os outros querem ouvir. Em poucos anos vivendo nessa situação, a empresa perdeu competitividade e acabou sendo vendida. 4.5 Duas visões diferentes de administração As diferenças entre os estilos de administração japonesa e americana são visíveis. A situação descrita a seguir foi detectada por pesquisa. O ambiente é o de um banco japonês que atua no mercado americano. Seu presidente é japonês e seus vice presidentes americanos. Os mecanismos básicos do controle adotados pela administração numa organização japonesa são tão sutis, implícito se internos, que frequentemente, olhando de fora, parece que eles não existem. Essa conclusão é um erro. Os controles existem, são bastante estritos, altamente disciplinadores e exigentes, embora muito flexíveis. São muito diferentes dos métodos administrativos utilizados nas organizações ocidentais. 1. Em entrevistas com os vice-presidentes americanos, foi perguntado como se sentiam trabalhando para esse banco japonês. Tratam-nos bem, deixam-nos participar do processo decisório e nos pagam bem. Estamos satisfeitos foi a resposta. Em seguida, os pesquisadores perguntaram se existia alguma coisa que eles mudariam se pudessem. Resposta: Esses japoneses simples mente não entendem o que sejam objetivos e isso nos deixa loucos! 2. Em entrevista com o presidente japonês, foi perguntado como se sentia trabalhando com americanos. São muito trabalhadores, leais e verdadeiros especialistas. Achamos que são formidáveis foi a resposta. Do mesmo jeito como foi feito com os americanos, perguntaram presidente se havia alguma coisa que ele mudaria. Esses americanos parecem incapazes de compreender o que sejam objetivos!a cada um dos lados acusando o outro de inabilidade de compreender objetivos, houve uma segunda rodada de entrevistas. Os americanos detalharam suas críticas: Temos todos os relatórios, números necessários, mas não é possível conseguir do presidente alvos específicos. Ele não consegue precisar qual o volume em dólares ou qual a porcentagem de diminuição de custos que deseja que realizemos no próximo mês, ou no próximo trimestre, ou mesmo no próximo ano. Como saber se o nosso desempenho o satisfaz e quais são os objetivos específicos a atingir? Isso parecia válido porque, na América, toda organização importante ou empresa do governo dedica uma boa parte do seu tempo para fixar alvos precisos e quantificáveis. Todas as escolas de administração ensinam aos estudantes como transformar objetivos muito vagos em objetivos que se prestam à mensuração. Administração por Objetivos (APO), programas de planejamento, avaliação e análise de custo/benefício estão entre os instrumentos básicos de controle na moderna administração de empresas americanas. Quanto ao presidente japonês, ele explicou: Se pelo menos eu pudesse fazer esses americanos compreende rema filosofia do nosso banco. Compreender o que significa o negócio para nós como sinto que nós deveríamos lidar com os nossos clientes e qual deveria ser o nosso papel no mundo como um todo. Se eles pudessem vestir essa ideia, descobririam por si mesmos qual seria o objetivo adequado para qualquer situação, não importando em que condição inusitada ou nova estivessem, e eu não teria nunca que dizer a eles quais seriam os alvos. 5 - A RESPONSABILIDADE SOCIAL A crescente competição entre as organizações, o processo de globalização e a velocidade das inovações tecnológicas têm imposto às empresas enormes desafios para manter sua participação no mercado e garantir sua sobrevivência. Paralelamente, o desenvolvimento econômico desigual distancia, cada vez mais, a parte da sociedade mais escolarizada e a grande maioria de trabalhadores com baixa qualificação e provocado tensões sociais que requerem constante cuidado por parte do governo e da sociedade, para que não progridam em conflitos. Somam-se a isso as preocupações ambientais e a formação de grupos civis de pressão. Nesse cenário, governos, empresas e sociedades repensam a gestão da produção e buscam um 19

20 desenvolvimento sustentável que contemple os aspectos econômicos, sociais e ambientais. O consumidor mais exigente e informado valoriza os aspectos éticos e as empresas que adotam práticas éticas de produção, distribuição e valorização do ser humano. As organizações, por seu lado, vê em nessas ações um meio de aumentar seus lucros e potencializar o desenvolvimento. No Brasil, outro fato muito importante foi a internacionalização da economia, com a entrada de muitos investidores estrangeiros, principalmente a partir da última metade dos anos O número de aquisições de empresas brasileiras por empresas estrangeiras cresceu 196,25%. Segundo a Pricewaterhouse&Coopers, 772 empresas brasileiras, sem incluir incorporações, acordos e associações,foram adquiridas pelo capital estrangeiro. Esse processo de entrada do capital internacional atingiu quase todos os setores da economia, mas principalmente os setores de alimentos e de bebidas. Com a entrada desses novos competidores, houve uma profunda alteração na forma de gestão e como atuar no mercado local. Além da preocupação com o preço e a qualidade, as organizações passaram a buscar confiabilidade, montar serviço de pós-venda, fabricar produtos ambientalmente corretos e ter relacionamentos éticos com seus consumidores, fornecedores e varejistas, além de valorizar as práticas ligadas ao ambiente interno, como a política adotada em relação à segurança de seus funcionários ou produtos e à qualidade e preservação do meio ambiente O que é responsabilidade social? Afinal, qual a definição exata de responsabilidade social? São muitas as interpretações, mas vamos tentar definir um conceito. Para alguns, responsabilidade sugere a ideia de obrigação;para outros, de dever; para outros, ainda, está associada ao comportamento ético; e há aqueles que a associam a sinônimo de legitimidade.vejamos alguns conceitos: Bowen (1953): Obrigação do homem de negócios de adotar orientações, tomar decisões e seguir linhas de ação que sejam compatíveis com os fins e valores da sociedade. Votaw (1975): Responsabilidade social significa algo, mas nem sempre a mesma coisa, para todos. Para alguns, ela representa a ideia de responsabilidade ou obrigação legal; para outros, significa um comportamento responsável no sentido ético. Muitos, simplesmente, equiparam-na a uma contribuição caridosa; outros,tomam-na pelo sentido de socialmente consciente. Jaramillo e Ángel (1996): Responsabilidade social pode ser também o compromisso que a empresa tem com o desenvolvimento, bem-estar e melhoramento da qualidade de vida dos empregados, suas famílias e comunidade em geral. Para termos uma definição ampla que não exclua as várias existentes, afirma-se que responsabilidade social é toda e qualquer ação que possa contribuir para a melhoria da qualidade de vida da sociedade. Para Peter Drucker, o fato de a empresa ser bem sucedida no mercado faz crescer a necessidade de atuação socialmente responsável, visando diminuir os problemas sociais. Assim, a responsabilidade social é um fator importante para que as companhias mantenham sua sustentabilidade. Segundo a BSR (Business for Social Responsibility), organização americana que defende a prática da responsabilidade social pelas empresas, 2/3 dos consumidores americanos preferem consumir produtos de empresas socialmente responsáveis Responsabilidade social para quem? Mas, se a necessidade de as organizações serem socialmente responsáveis aparece como unanimidade, há autores de peso contra essa prática. Entre os mais destacados estão Milton Friedman, Neil Chamberlain e Henry Manne. Eles defendem que a única responsabilidade das empresas é conseguir lucros,otimizando o uso dos recursos organizacionais e gerando retorno aos acionistas. Segundo eles, agindo assim, a organização já estaria contribuindo para o desenvolvimento social.o Bradesco avalia seus investimentos sociais a partir de cinco vertentes: imagem: simpatia do consumidor; marca: visibilidade e recall; mercado: facilitação da entrada em novos mercados; vendas: captação de novos clientes; 20

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

A Administração e Suas Perspectivas. Unidade I

A Administração e Suas Perspectivas. Unidade I A Administração e Suas Perspectivas Unidade I ANTECEDENTES HISTÓRICOS DA ADMINISTRAÇÃO Filósofos Revolução Industrial Política Recursos? Quais são os antecedentes históricos da Administração? Exército

Leia mais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais Módulo 4.Estruturas Organizacionais Como vimos anteriormente, a Abordagem Contingencial afirma que a forma de atuar da organização deve levar em conta o ambiente onde está inserida. Sua estrutura, igualmente,

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Introdução às teorias organizacionais.

Introdução às teorias organizacionais. Curso: Teologia Prof. Geoval Jacinto da Silva. Introdução às teorias organizacionais. Boas vindas Apresentação. Iniciamos hoje, com o Tema: Introdução às teorias organizacionais. Portanto, espero contar

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Fundamentos da Administração

Fundamentos da Administração Fundamentos da Administração Professor conteudista: José Carlos Sampaio Moura Campos Revisora: Lérida G. Malagueta Sumário Fundamentos da Administração Unidade I 1 INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Idalberto Chiavenato Conceitos; Evidências históricas; e Estruturando a administração. 1 Administração I Administração é criar um ambiente para o esforço grupal

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações.

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações. Introdução à Teoria Geral da Administração Organização É uma combinação intencional de recursos para atingir um determinado objetivo. O que são teorias? São explicações, interpretações ou proposições sobre

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com A história administração A história da Administração é recente,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho?

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho? A abordagem típica da Escola da Administração Científica é a ênfase nas tarefas; Objetivava a eliminação dos desperdícios e elevar os níveis de produtividade Frederick W. Taylor (1856-1915): Primeiro período

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Turma 1ADN -2010

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Turma 1ADN -2010 1ª PARTE TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO Enquanto Taylor e outros engenheiros desenvolviam a Administração Científica nos Estados Unidos, em 1916 surgia na França, espraiando-se rapidamente pela Europa,

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração

Abordagem Clássica da Administração Abordagem Clássica da Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 05 Principais Personagens Fredeick Winslow Taylor (americano) Escola da Científica: aumentar a eficiência da indústria por meio

Leia mais

TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração. Conteúdo programático: Administração e suas Perspectivas

TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração. Conteúdo programático: Administração e suas Perspectivas TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO Fundamentos da Administração Prof. Me. Olney Bruno da Silveira Junior Conteúdo programático:. Ênfase nas tarefas e Ênfase na Estrutura Organizacional. Ênfase nas Pessoas. Ênfase

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Douglas Filenga TGA I. Tópicos do módulo: a)campo de atuação profissional; b)perspectivas organizacionais;

Douglas Filenga TGA I. Tópicos do módulo: a)campo de atuação profissional; b)perspectivas organizacionais; Administração Douglas Filenga TGA I Tópicos do módulo: a)campo de atuação profissional; b)perspectivas organizacionais; c) Habilidades profissionais; d)influências históricas. Campo de atuação: Os diferentes

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 2 1.2-História

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Teoria das Relações Humanas Professor: Roberto César Abordagem Humanística Ênfase Tarefas Estrutura Pessoas Preocupação Máquina e Método Organização formal e princípios O

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012 Novembro de 2012 Aula baseada no livro Teoria Geral da Administração Idalberto Chiavenato 7ª edição Editora Campus - 2004 Nova ênfase Administração científica tarefas Teoria clássica estrutura organizacional

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO FAYOLISMO PREVER ORGANIZAR COMANDAR COORDENAR CONTROLAR HENRY FAYOL (1841-1925) NOS MOMENTOS DE CRISE SÓ A IMAGINAÇÃO É MAIS IMPORTANTE QUE O CONHECIMENTO Albert Einstein

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração:

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração Profa. Andréia Antunes da Luz andreia-luz@hotmail.com No despontar do XX, 2 engenheiros desenvolveram os primeiros trabalhos pioneiros a respeito da Administração.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM As Teorias de administração e os serviços de enfermagem Teorias da administração no processo da enfermagem Administrar: é um processo de planejamento, organização, liderança

Leia mais

GESTÃO. 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão. 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1

GESTÃO. 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão. 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1 1.2-História do Pensamento sobre a Gestão As organizações e a prática da Gestão foram,

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO http://www.administradores.com.br/artigos/ A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS),

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS Prof. Marcio R. G. de Vazzi UMA PEQUENA REVISÃO TEORIA ORGANIZACIONAL - CONCEITOS Organização: É uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Função Gerencial Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo levar aos seus leitores à uma aproximação teórica dos estudos da administração empresarial, enfocando a importância

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO 2.4 Abordagem das Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado.

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado. 3 PAPEL DOS GERENTES Os gerentes são os protagonistas do processo administrativo. Eles são responsáveis por coordenar o trabalho dos outros funcionários da empresa. Não existe apenas um modelo administrativo,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Gestão Empresarial. Um Pouco de História... Administração Científica. Aula 2. Comércio Exterior. Frederick Taylor (1856-1915) Tarefa

Gestão Empresarial. Um Pouco de História... Administração Científica. Aula 2. Comércio Exterior. Frederick Taylor (1856-1915) Tarefa Gestão Empresarial Um Pouco de História... Aula 2 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br Comércio Exterior Administração Pré-Científica Administração Científica Maior interesse

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam.

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. Evolução da Teoria Administrativa Escolas de Concepção Administrativa. Abordagem Clássica da Administração. Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. 1 - Visão Americana: Liderada

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Gestão da Produção. 1- Histórico. Revolução Industrial:

Gestão da Produção. 1- Histórico. Revolução Industrial: Gestão da Produção Prof. Miguel Antonio Pelizan 1- Histórico 1.1 Produção e Administração Revolução Industrial: processo de transição de uma sociedade, passando de uma base fundamentalmente agrícola-artesanal

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Teoria Geral da Administração (TGA)

Teoria Geral da Administração (TGA) Uma empresa é uma organização social que utiliza recursos a fim de atingir tais objetivos. O lucro, na visão moderna das empresas privadas, é conseqüência do processo produtivo e o retorno esperado pelos

Leia mais

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a.

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a. TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Para a abordagem clássica, a base fundamental da organização é a divisão do trabalho. À medida que uma organização

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais