FORMAÇÃO DO DOCENTE QUE ATUA EM ESTRUTURA DE ENSINO A DISTÂNCIA BASEADA EM TECNOLOGIAS DA INTERNET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO DO DOCENTE QUE ATUA EM ESTRUTURA DE ENSINO A DISTÂNCIA BASEADA EM TECNOLOGIAS DA INTERNET"

Transcrição

1 FORMAÇÃO DO DOCENTE QUE ATUA EM ESTRUTURA DE ENSINO A DISTÂNCIA BASEADA EM TECNOLOGIAS DA INTERNET ALVES, Patrícia Ferreira Mestre em Educação Tecnológica CEFET-MG VENTURA, Paulo Cezar Santos Doutor em Ciências da Informação e da Comunicação Professor CEFET-MG RESUMO: Este artigo aborda assuntos referentes aos saberes que servem de base ao ofício do professor, bem como sua contribuição para a formação desse profissional. São evidenciadas as tendências de formação continuada e de desenvolvimento profissional, sinalizando caminhos para atender às atuais necessidades e interesses do docente. Para finalizar, apresentamos a condição docente na estruturação de sistemas de ensino a distância, a partir de um estudo de caso feito em uma instituição de ensino superior da rede privada de Belo Horizonte, onde pudemos evidenciar o papel do tutor e o processo de desenvolvimento de materiais para o Ensino a Distância (EaD). Concluímos que o novo papel adquirido pelos professores refere-se ao acesso às condições elementares de formação inicial e continuada, tais como infra-estrutura básica. Outras são relativas a questões mais internas e pessoais como motivação profissional e cultura do aprender. PALAVRAS-CHAVE: Docência; Formação Continuada; Ensino a Distância (via web).

2 1. Introdução O ensino a distância, desenvolvido atualmente por meio de ambientes virtuais de aprendizagem, definidos como sistemas computacionais formados por diferentes ferramentas de comunicação, interação, inserção de documentos, gerenciamento de informações etc., com base em princípios educacionais que privilegiam a (re)construção do conhecimento, a autoria, a produção de conhecimento de forma colaborativa, requer uma maneira peculiar de conceber o planejamento, a organização das informações, as interações e a mediação pedagógica. São muitos os agentes envolvidos nesse processo, mas no âmbito desse artigo focaremos na figura do professor. Caberá a esse profissional assumir múltiplas facetas para lidar em uma sociedade em transformação social, provocadas pelo avanço das ciências e das tecnologias de informação e comunicação. Deverá também adotar a postura de pesquisador e buscar informações em diferentes fontes, ter autonomia ao avaliar e interpretar o que lhe é proposto e, ser mediador do processo ensino-aprendizagem. Mas, que saberes profissionais esse professor precisa adquirir para assumir o papel de pesquisador e mediador, além de, um sujeito alfabetizado e letrado tecnologicamente? Com o propósito de responder a essas questões elaboramos outras para nos orientar durante o estudo aqui apresentado: Qual a expectativa do docente frente às alternativas de desenvolvimento profissional? Como ocorre a apropriação tecnológica por professores e que mudanças atitudinais eles apresentam ao utilizarem os dispositivos do ensino a distância? Qual a relação entre o professor e demais componentes do grupo desenvolvedor de tecnologias de ensino a distância via web? Sendo assim, neste artigo propomos apresentar os saberes que servem de base ao ofício do professor, bem como sua contribuição para a formação desse profissional. São evidenciadas as tendências de formação continuada e de desenvolvimento profissional, sinalizando caminhos para atender às atuais necessidades e interesses do docente.

3 2. Referencial teórico No embasamento teórico foram utilizados autores como Tardif (2002), Nóvoa (1991) e Costa (2004) para dialogarem sobre a construção dos saberes e da prática profissional do professor. Já Tassigny (2006), Maggio (2001) e Corgosinho (2001) nos mostram como se manifestam as práticas de uma equipe multidisciplinar atuante em ensino a distância. SOLETIC (2001) apresenta questões sobre a produção dos materiais que dão suporte aos cursos baseados em ensino a distância. Quanto aos aspectos do método adotado na pesquisa, os autores utilizados foram Gil (1991) Ludke & André (1998) e Teixeira (2007). 3. Desenvolvimento 3.1. Saberes necessários à docência Na medida em que a produção de novos conhecimentos tende a se impor, as atividades de formação e de educação parecem ganhar ainda maior força. O valor social, cultural e epistemológico dos saberes reside em sua capacidade de renovar-se constantemente e a formação, com base nos saberes estabelecidos, introduz as tarefas cognitivas consideradas essenciais. O saber implica um processo de aprendizagem e de formação e, quanto mais desenvolvido, formalizado e sistematizado é um saber, como acontece com as ciências e os saberes contemporâneos, mais longo e complexo se torna o processo de aprendizagem, o qual, por sua vez, exige formalização e sistematização adequadas. O saber do docente se compõe de vários saberes provenientes de diferentes fontes. O filósofo e sociólogo canadense Maurice Tardif (2002), utiliza o termo saberes docentes, que compreende os saberes: disciplinares, curriculares, profissionais e experienciais. Os saberes disciplinares são aqueles produzidos pelas ciências da educação e pelos saberes pedagógicos. Esses saberes são adquiridos nos cursos de formação inicial e contínua dos professores, nas diversas disciplinas oferecidas pela universidade. Os saberes curriculares referem-se aos discursos, objetivos, conteúdos e métodos, a partir dos quais a instituição escolar caracteriza e apresenta os saberes sociais, por ela definidos e selecionados, como modelos da cultura erudita e de formação para a cultura erudita. Nesse sentido, os saberes

4 disciplinares e curriculares que os professores transmitem situam-se numa posição de exterioridade em relação à prática docente. Já os saberes experienciais são conjuntos de saberes atualizados, adquiridos e necessários no âmbito da prática da profissão docente. Têm origem na prática cotidiana dos professores, em confronto com as condições experienciais, e são divididos em três vertentes: 1. nas relações e interações que os professores estabelecem e desenvolvem com os demais atores envolvidos no campo de sua prática; 2. nas obrigações e normas às quais seu trabalho deve submeter-se, e 3. na instituição como meio organizado e composto de funções diversificadas. Essas vertentes geram algumas observações. Tardif (2002) afirma que a primeira diz respeito à descoberta, por parte do professor, dos limites de seus saberes pedagógicos. A segunda refere-se à prática profissional, em que o professor, à medida que conhece as vertentes dos saberes experienciais, insere-se num processo de aprendizagem rápida. Isso ocorre no início da carreira (1 a 5 anos), período em que o professor acumula, ao que parece, sua experiência fundamental. A aprendizagem rápida tem valor de confirmação: mergulhados na prática, tendo que aprender fazendo, os professores devem provar a si próprios e aos outros que são capazes de ensinar. A experiência fundamental tende a se transformar, em seguida, numa maneira pessoal de ensinar, em macetes da profissão, em habitus, em traços da personalidade profissional. Os saberes experienciais adquirem objetividade em sua relação crítica com os saberes disciplinares, curriculares e da formação profissional. A prática da profissão favorece o desenvolvimento de certezas experienciais, uma avaliação dos outros saberes, por meio de sua re-tradução em avaliação dos outros saberes. A partir disso, a prática pode ser vista como um processo de aprendizagem em que os professores re-traduzem sua formação, adaptando-a à profissão. Tardif (2002) propõe um modelo tipológico para identificar e classificar os saberes dos professores, evidenciando o pluralismo do saber profissional, relacionando-o com os lugares nos quais os próprios professores atuam, e com as organizações que os formam e/ou em que trabalham. Também expõe as fontes de aquisição desse saber e seus modos de integração no trabalho docente, demonstrado por meio do quadro seguinte.

5 QUADRO 1 Os saberes dos professores Saberes dos professores Fontes sociais de aquisição Modos de integração no trabalho docente Saberes pessoais dos professores. Saberes provenientes de formação escolar anterior. Saberes provenientes da formação profissional para o magistério. Saberes provenientes dos programas e livros didáticos usados no trabalho. Saberes provenientes de sua própria experiência na profissão, na sala de aula e na escola. Fonte: TARDIF (2002, 63) A família, o ambiente de vida, a educação no sentido lato, etc. A escola primária e secundária, os estudos pós-secundários nãoespecializados, etc. Os estabelecimentos de formação de professores, os estágios, os cursos de reciclagem, etc. A utilização das ferramentas dos professores: programas, livros didáticos, cadernos de exercícios, fichas, etc. A prática do ofício na escola e na sala de aula, a experiência dos pares, etc. Pela história de vida e pela socialização primária. Pela formação e pela socialização pré-profissionais. Pela formação e pela socialização profissionais nas instituições de formação de professores. Pela utilização das ferramentas de trabalho, sua adaptação às tarefas. Pela prática do trabalho e pela socialização profissional. Fenômenos importantes são demonstrados nesse quadro. Todos os saberes identificados são usados pelos professores no contexto de sua profissão. Eles utilizam, constantemente, conhecimentos pessoais e um saber-fazer personalizado. Além disso, é possível verificar, no quadro, a natureza social do saber profissional. Portanto, o saber dos professores é plural, compósito, heterogêneo, porque envolve, no próprio exercício do trabalho, conhecimentos e um saber-fazer bastante diversos, provenientes de fontes variadas. Ao tratar dos saberes profissionais docentes, Tardif (2002) caracteriza-os como saberes temporais, no sentido de que boa parte do conhecimento dos professores é fruto de sua experiência de vida, principalmente de sua vida escolar, e é construído no dia-a-dia. Os saberes docentes são, de um lado, saberes plurais e heterogêneos, formados pelo amálgama, mais ou menos coerente, de saberes oriundos da formação profissional, dos saberes das disciplinas, dos currículos e da experiência (p. 36); de outro lado, são saberes personalizados e situados, revestidos da subjetividade do professor. Fiorentini (1998) procurou identificar e caracterizar os saberes docentes e como estes poderiam ser apropriados e/ou produzidos pelos professores, por meio de uma prática pedagógica reflexiva e investigativa, partindo do eixo teoria-prática. Segundo ele, a relação

6 que cada grupo (acadêmicos e professores) mantém com os saberes é que fará a diferença, relação essa que, na maioria das vezes, é decorrente de uma cultura profissional marcada pela racionalidade técnica que supervaloriza o conhecimento teórico ou pelo pragmatismo praticista ou atividade que exclui a formação e a reflexão teórica e filosófica (p. 311). Concluiu que a articulação da teoria com a prática poderá contribuir na formação do professor/pesquisador de forma contínua e coletiva, utilizando a prática pedagógica como instância de problematização, significação e exploração dos conteúdos da formação teórica. Por conseguinte, Antônio Nóvoa caracteriza a profissão docente inserida em um processo sócio-histórico. Segundo esse autor, a maneira como cada um de nós ensina depende daquilo que somos como pessoa. É no ser que definimos o nosso fazer (apud TARDIF, 2002). Oliveira et al. (2004), apresentaram, durante VII Congresso IberoAmericano de Informática Educativa, em 2004, o esquema seguinte, respaldado pelas ideias de Nóvoa, ao tentar responder à questão sobre quais os saberes utilizados pelo professor em sua ação pedagógica, e sobre o fato desse saber poder ser produzido pelos docentes, em vez de apenas consumido por eles. Há, no esquema, num contexto abrangente, o estatuto social e econômico dos professores, determinando as etapas da profissionalização docente (indicado pela seta) e as dimensões conceituais, técnicas e éticas da profissão. ESTATUTO SOCIAL E ECONÔMICO DOS PROFESSORES ETAPAS DA PROFISISONALIZAÇÃO DOCENTE DIMENSÕES Exercício em tempo integral (ocupação principal) Suporte para exercer a profissão Criação de instituições para a formação de professores Constituição de associações profissionais de docentes Corpo de conhecimentos e técnicas Conjunto de normas e valores Fonte: OLIVEIRA et al. (2004, 23) Existe, portanto, um corpo de conhecimentos e técnicas inerentes ao trabalho docente, gerados no contexto social e econômico onde exercem a profissão, e que evolui historicamente.

7 Veremos, no tópico a seguir, os espaços e tempos em que os docentes se apropriam desses conhecimentos e técnicas para empregar em sua prática educativa O professor em desenvolvimento profissional Para darmos início a este tópico, recorreremos às características do modelo clássico das tendências de formação continuada de professores, bem como suas contribuições para a profissionalização docente, sinalizando, ainda, caminhos para atender às atuais necessidades e interesses do docente. O modelo clássico de formação contínua de professores traduz-se no que vem sendo praticado historicamente nas iniciativas de renovação pedagógica. A ênfase é dada à atualização da formação recebida numa reciclagem que significa refazer o ciclo. Conforme Prada (1997): Candau (1999), utiliza o termo reciclagem diferentemente de outros interessados no assunto que discordam da expressão por entenderem a palavra reciclar como um termo próprio do processo industrial e aplicado à reutilização de materiais recicláveis, não condizente com a atual discussão da formação docente. (PRADA,1997, 88). Na concepção de Prada (1997), os termos adotados para nomear os programas de formação continuada de professores são fundamentados pela concepção da filosofia que, por sua vez, é influenciada por fatores sócio-históricos. Esse autor ainda apresenta algumas das diferenças entre as expressões utilizadas nos programas de formação, como: QUADRO 2 Termos empregados para formação continuada de docentes Capacitação Qualificação Aperfeiçoamento Reciclagem Proporcionar determinada capacidade a ser adquirida pelos professores, mediante um curso; concepção mecanicista que considera os docentes incapacitados. Não implica a ausência de capacidade, mas continua sendo mecanicista, pois visa melhorar apenas algumas qualidades já existentes. Implica tornar os professores perfeitos. Está associado à maioria dos outros termos. Termo próprio de processos industriais e, usualmente, referente a recuperação de lixo.

8 Atualização Formação Continuada Formação Permanente Especialização Aprofundamento Treinamento Re-treinamento Aprimoramento Superação Desenvolvimento Profissional Profissionalização Ação similar à do jornalismo; informar aos professores a atualidade, os acontecimentos, recebe críticas semelhantes à educação bancária. Alcançar níveis mais elevados na educação formal ou aprofundamento como continuidade dos conhecimentos que os professores já possuem. Realizada constantemente, visa à formação geral da pessoa sem se preocupar apenas com os níveis da educação formal. É a realização de um curso superior sobre um tema específico. Tornar mais profundo alguns dos conhecimentos que os professores já têm. Adquirir habilidades por repetição, utilizado para manipulação de máquinas em processos industriais, no caso dos professores, estes interagem com pessoas. Voltar a treinar o que já havia sido treinado. Melhorar a qualidade do conhecimento dos professores. Subir a outros patamares ou níveis, por exemplo, de titulação universitária ou pós-graduação. Cursos de curta duração que procuram a eficiência do professor. Tornar profissional. Conseguir, para quem não tem, um título ou diploma. Compensação Fonte: Prada (1997, 88-9). Suprir algo que falta. Atividades que pretendem subsidiar conhecimentos que faltaram na formação anterior. De acordo com Costa (2004), no modelo clássico, o professor que já atua profissionalmente em sua formação inicial volta à universidade para renovar seus conhecimentos em programas de atualização, aperfeiçoamento, programas de pós-graduação lato sensu e stricto sensu, ou ainda, participa de cursos, simpósios, congressos e encontros voltados para seu desenvolvimento profissional. Nessa perspectiva, considera-se que a universidade é o espaço onde circulam as informações mais recentes, as novas tendências e buscas nas mais diferentes áreas do conhecimento. Entretanto, existe um aspecto crítico nessa visão, há uma desconsideração das escolas de Educação Básica como produtoras de conhecimento. Esses ambientes são destinados à prática, onde se aplica conhecimentos científicos e tecnológicos e se adquire experiência profissional. D ly (apud COSTA, 2004) afirma que os modelos de formação continuada de professores classificam-se em quatro estilos ou categorias, a saber:

9 O modelo universitário, que tem como finalidade a transmissão dos saberes teóricos. Tem características semelhantes à dos profissionais liberais-clientes, por ter caráter voluntário e pela relação constituída entre formador-formando, sendo os mestres produtores do saber e os alunos receptores dos conhecimentos. O modelo escolar, onde estão organizados todos os cursos através de um poder legítimo, exige escolaridade obrigatória e existe uma instância organizadora onde os formadores não são responsáveis pelo programa nem por decisões administrativas. Possuem um papel passivo em termos de planejamento. O modelo contratual se caracteriza pela negociação entre os diferentes parceiros. Estes estão ligados por uma relação de troca ou contratual do programa pretendido, modalidades materiais e ações pedagógicas da aprendizagem. O modelo interativo-reflexivo, bastante presente nas iniciativas de formação voltadas para a resolução de problemas reais. Nesse modelo está presente uma ajuda mútua entre formandos e uma ligação à situação de trabalho. O modelo universitário e o interativo-reflexivo são enfatizados por Demaylli como sendo os mais distintos, pois, enquanto o primeiro parece ser mais eficiente no plano individual, o segundo é mais eficiente nos planos individual e coletivo porque permite o prazer da construção autônoma, suscitando respostas aos problemas vivenciados, aborda a prática de maneira global e permite a criação de novos saberes para a profissão. Nóvoa (apud COSTA, 2004) apresenta os modelos estruturantes e modelos construtivistas. Os modelos estruturantes são organizados a partir da lógica da racionalidade científica e técnica e, ainda, aplicados a diversos tipos de professores. O autor inclui, nesse modelo, as formas universitárias e escolares, citadas por Demaylli. Os modelos construtivistas vislumbram uma reflexão contextualizada para o desenvolvimento dos dispositivos de formação continuada, com a finalidade de regular, permanentemente, as práticas e o processo de trabalho. A formação voltada para o professor reflexivo tem como eixo a própria escola, nesse sentido, é discutida a temática de interesse e necessidade do docente, o que eleva os resultados alcançados, na medida em que ele consegue relacionar teoria e prática. Nesse processo de formação, a identidade pessoal e profissional em interação mútua com a cultura escolar passa por permanentes reconstruções.

10 Conforme Pimenta (1999), a identidade do professor é construída a partir dos significados sociais da profissão, da reafirmação das práticas. Para essa autora: A identidade é construída a partir da significação social da profissão; da revisão constante dos significados sociais da profissão; da revisão das tradições. Mas, também da reafirmação das práticas consagradas culturalmente e que permanecem significativas. Práticas que resistem a inovações porque prenhes de saberes válidos às necessidades da realidade. Do confronto entre as teorias e as práticas, da análise sistemática das práticas à luz das teorias existentes, da construção de novas teorias. (PIMENTA, 1999, 19). Estudos realizados por Nóvoa (1991) revelam que a escola é vista como locus de formação continuada do professor. É o lugar onde se evidenciam os saberes e a experiência dos professores. É nesse cotidiano que o profissional da educação aprende, desaprende, estrutura novos aprendizados, realiza descobertas e sistematiza novas posturas na sua práxis. Eis uma relação dialética entre desempenho profissional e aprimoramento da sua formação (COSTA, 2004). Portanto, para que o dia-a-dia da escola se torne um espaço favorável à formação profissional, é oportuna que a prática pedagógica seja investigativa, reflexiva e interventiva, e a instituição de ensino ofereça mecanismos para tal, promovendo encontros pedagógicos, possibilitando a construção coletiva do projeto político-pedagógico e dos planos de ensino, além disso, promovendo também programas de formação contínua, bem como a avaliação coletiva deste. Incentivar a sistematização de práticas pedagógicas, a partir da metodologia de pesquisa-ação, seria outra proposta a ser praticada. Conforme Segat e Grabauska (2001), é através das práticas, dos entendimentos e das situações vivenciadas que buscamos investigar o problema e elaborar ações estratégicas para a superação do mesmo. É necessário que os professores atuem como investigadores das próprias práticas e nas situações educacionais como um todo, descobrindo as condições objetivas e subjetivas que limitam as situações e como mudá-las. Na dinâmica de formação continuada de professores, Tardif (2002) menciona que os saberes oriundos da experiência de trabalho cotidiano parecem constituir a base da prática e da competência de profissionais, pois essa experiência, na perspectiva do professor, é a condição para a aquisição e produção dos próprios saberes profissionais. Na concepção desse autor, o

11 conhecimento adquirido nos saberes experienciais possibilita que os professores julguem sua formação inicial, atribuindo valores aos planos e reformas implementados e definindo modelos de excelência profissional. Enfatiza também que, embora os saberes do professor ocupem uma posição estratégica entre os saberes sociais, o corpo docente é desvalorizado em relação aos saberes que possui e transmite. Acerca da desvalorização do professor, Burnier et al. (2007) inferem que a profissão docente assume hoje, de maneira geral, sinais de precarização, gerando crises de identidade profissional associadas às péssimas condições de trabalho, a salários pouco atraentes, ocasionando frustrações diante da atividade exercida, o que resulta em impactos sobre as representações da docência. Costa (2004) apresenta a atual tendência de formação continuada de professores centrada no ciclo de vida dos docentes, desenvolvido por Hubermann (apud COSTA, 2004). É uma visão abrangente e unitária que apresenta grandes contribuições para a superação da dicotomia teoria-prática presente no modelo clássico, a partir do aprofundamento do sentido da docência como carreira profissional. Em seus estudos, o autor identifica cinco etapas básicas que não são estáticas nem lineares, a saber: a entrada na carreira, tempo de sobrevivência e descobertas; a fase de estabilização, etapa de identificação profissional; a fase de diversificação, momento de buscas plurais e experimentações; a etapa de distância afetiva, lugar de serenidade e lamentação; e, finalmente, o momento de desinvestimento, próprio do final de carreira profissional. (COSTA, 2004). Essa tendência pode permitir vantagens, pois sugere a adoção de um tipo de enfoque que alimenta o interesse pelo sujeito professor, e não apenas por suas práticas de ensino ou competências técnicas, e direciona o foco para a importância de se compreender as representações e valores construídos por ele na dimensão pessoal e profissional. No âmbito das discussões da formação continuada, compreender essas especificidades, ainda que sejam multifacetadas, significa repensar programas de formação que padronizem os profissionais em um mesmo lugar ou que desconsiderem seus interesses e necessidades. É importante ponderar que, atualmente, o conceito de formação contínua vem sendo substituído pelo de desenvolvimento profissional dos professores, dado que surge como mais apropriado para traduzir a concepção do professor como profissional do ensino. Para além de uma conotação evolutiva, esse novo conceito valoriza, em particular, uma abordagem da

12 formação de professores que leva em conta o caráter contextual, organizacional e orientado para mudança e, sendo assim, implica também o desenvolvimento pessoal A condição da docência na estruturação de sistemas de EaD Compreendemos que, em sistemas de EaD, são necessários profissionais de diferentes áreas para planejar, executar e avaliar o processo educacional. Enfocamos neste artigo a atuação do professor tutor e o conceptor de materiais didáticos. De acordo com Maggio (2001), o trabalho em programas de Ensino a Distância permite identificar questões que, permanentemente, suscitam dúvidas. Dentre elas, destacam-se: Qual o papel e as funções do tutor? Quem é reconhecido como um bom tutor? Como se forma um tutor? Qual é a especificidade de seu papel? Como se avalia seu trabalho? O tutor é imprescindível na modalidade a distância? (MAGGIO, 2001, 93). María Moliner (apud MAGGIO, 2001) define o tutor como o guia, protetor ou defensor de alguém em qualquer aspecto, enquanto o professor é aquele que ensina qualquer coisa, geralmente, a respeito de quem recebe o ensino. Na perspectiva tradicional, o tutor da modalidade a distância era aquele que dirigia, orientava, apoiava a aprendizagem dos alunos, mas não ensinava. Ensinar era sinônimo de transmitir informação ou de estimular o aparecimento de determinadas condutas. Dada a falta da presença sistemática do docente, o ensino ficava a cargo dos materiais, pacotes autosuficientes. Conforme Maggio (2001), a tarefa do tutor consistia em assegurar o cumprimento dos objetivos, oferecendo um apoio que, segundo o programa, incorporava mais uma variável para o controle e para o ajuste dos processos. Onde a modalidade se definia pela mediatização, pela auto-suficiência dos materiais e pelo autodidatismo, assumiu-se que eram os materiais que ensinavam, e o lugar do tutor passou a ser o de acompanhante funcional para o sistema. Mas as perspectivas pedagógicas passaram por mudanças, a partir da década de 1980, fundamentalmente, com o desenvolvimento da psicologia da aprendizagem. A ênfase na transmissão de informação e no cumprimento de objetivos da conduta foi substituída pelo apoio à construção de conhecimento, nesse sentido, o docente cria propostas de atividades para reflexão, apoia sua resolução, sugere fontes de informação alternativas, oferece explicações, favorece os processos de compreensão.

13 Em estudo promovido por Rosane Corgosinho (2001) sobre a prática da tutoria e o uso de recursos tecnológicos em educação a distância, a autora sinaliza a figura do professor tutor como de suma importância no processo de aprendizagem realizado a distância e as tecnologias utilizadas nos cursos, estruturadas de modo que a atuação do professor tutor transcenda a condição de instrumento ensinante ou informativo e passe a desempenhar uma prática pedagógica que aproxima, interage e constrói o conhecimento junto ao educando. Todavia, o tutor se encontra diante de uma tarefa desafiadora e complexa. Quais conhecimentos são necessários ao tutor? Shulman (apud MAGGIO, 2001) sustenta que o saber básico de um docente deveria incluir pelo menos o conhecimento: do conteúdo; pedagógico de tipo geral, com especial referência aos princípios e às estratégias de manejo e organização da classe; curricular; pedagógico acerca do conteúdo; sobre os contextos educacionais; das finalidades, dos propósitos e dos valores educativos e de suas raízes históricas e filosóficas. Já Gutierrez e Prieto (1994) falam de seis qualidades fundamentais ao professor tutor: ter clara concepção de aprendizagem; estabelecer relações empáticas com os seus interlocutores; sentir o alternativo; partilhar sentidos; construir uma forte instância de personalização, embora a distância; facilitar a construção do conhecimento. Os autores destacam, ainda, algumas atividades do tutor, como o acompanhamento, a retroalimentação, a avaliação e a constituição da memória do processo de aprendizagem, a liderança e a mediação de reuniões grupais e o estabelecimento de redes de comunicação e informação. Belloni (apud CORGOSINHO, 2001) acrescenta ainda que:

14 As múltiplas funções do professor na modalidade a distância nem sempre ocorrem em todas as experiências conhecidas e podem desdobrar a função docente, que no ensino presencial é exercida apenas por um indivíduo, em várias: formador, conceptor de cursos e materiais, pesquisador, tutor, tecnólogo educacional, professor-recurso e monitor. (CORGOSINHO, 2001). Nesse sentido, a autora expõe a função de cada um: sendo que o formador orienta o estudo e a aprendizagem, o conceptor de cursos e materiais é o responsável pela preparação de planos de estudo, currículos e programas. O professor pesquisador ocupa-se em atualizar-se em sua disciplina específica, em teorias e metodologias pedagógicas, refletindo sobre sua prática e orientando a pesquisa de seus alunos. O tecnólogo educacional organiza pedagogicamente os conteúdos, tornando-os adequados aos suportes técnicos utilizados na produção do material. O professor-recurso funciona como um tira-dúvidas. O monitor se relaciona mais com a capacidade de liderança e habilidades sociais do que com conteúdos e é muito solicitado nas atividades presenciais. Já o professor-tutor, além de tira-dúvidas, orienta o aluno em seus estudos relativos à disciplina pela qual é responsável e participa da avaliação. Belloni (apud CORGOSINHO, 2001) ainda agrupa as funções dos docentes em EaD em três grupos. No primeiro grupo, encontram-se a concepção e a realização dos cursos e materiais, no segundo, têm-se o planejamento, a organização e a distribuição do material, e no terceiro, situam-se as funções de administração escolar e de tutoria que é responsável pelo acompanhamento, aconselhamento e avaliação do estudante. Portanto, apresentaremos, no tópico seguinte, assuntos relativos ao primeiro grupo mencionado por Belloni, com ênfase à produção do material didático A produção de materiais para EaD Os materiais escritos mantêm um papel fundamental, seja através das clássicas propostas dos impressos, seja através das produções mais sofisticadas que permitem sua integração em programas informáticos multimídia. De acordo com Soletic (2001), tradicionalmente, as preocupações relacionadas à produção de materiais escritos estavam ligadas à necessidade de resolver os problemas produzidos pela ausência da relação presencial entre professores e alunos. Mas a centralidade dos materiais escritos não é, contudo, exclusiva dessa modalidade, também nos sistemas presenciais eles

15 desempenham um papel hegemônico nos processos de ensino e de aprendizagem, na medida em que se caracterizam por codificar a informação mediante a utilização da linguagem textual, o sistema simbólico dominante. (SOLETIC, 2001, 74). As propostas de ensino a distância, há algumas décadas, foram incorporadas aos meios como o rádio, a televisão, plataformas de aprendizagem a distância que permitiram o uso pedagógico de formas de representação alternativas. No caso do suporte informático, permitese a incorporação de outras novas estratégias para favorecer a compreensão, na medida em que possibilita utilizar variadas formas perceptivas, figurativas e não-figurativas, textuais e musicais, animações etc., sem perder de vista a estrutura do campo de conhecimento de que trata (LITWIN, 2001, 76). Nessa estrutura, a comunicação mediatizada, tanto pelo conceptor de materiais, quanto pelo tutor, precisa estabelecer uma relação entre os participantes, de modo a despertar o interesse, gerar perguntas, antecipar dificuldades, apresentar resoluções, estimular a ação. Para tanto, nos programas de ensino a distância, o conceptor precisa ater-se à definição do perfil do destinatário, isso quer dizer que, para estabelecer o como e o que se escreve, é necessário saber para quem se escreve e colocar-se na perspectiva do aluno para captar interesses e indagar como ele avalia o que recebeu, o que já sabe sobre o tema e quais suas possibilidades de compreensão. Esses cuidados podem favorecer uma comunicação fluida e lançar meios para a compreensão. É necessário destacar, também, que a elaboração de materiais para EaD requer um trabalho compartilhado entre os especialistas das diferentes disciplinas e os especialistas na elaboração de materiais. Esse trabalho se inicia antes da elaboração do material escrito. (...) Existe uma etapa preliminar de concepção da proposta, na qual se definem os propósitos do curso e realizam-se a identificação e a seleção dos núcleos temáticos, os conceitos e as relações conceituais principais a serem abordados na disciplina. É nessa etapa preliminar que a equipe de trabalho colaborativo identifica os enfoques e pontos de vista que serão desenvolvidos na disciplina e define as principais referências bibliográficas dos textos a serem elaborados. Além disso, nesse ponto, definem-se o tipo e a organização dos materiais a serem produzidos. (SOLETIC, 2001). Uma vez iniciado o processo de elaboração, Soletic (2001) afirma ser imprescindível desenvolver um trabalho interativo entre professores e pedagogos para criar uma proposta que favoreça a compreensão. A partir disso, durante o trabalho, as redações e revisões devem

16 acontecer sucessivamente. Os materiais produzidos devem ser submetidos a testes e a equipe de produção de materiais deve realizar os ajustes ou modificação desses materiais. Essas revisões e ajustes se estendem à etapa da implementação dos cursos, na medida em que o programa tenha em vista recolher a informação que os alunos podem oferecer a respeito da qualidade dos materiais de estudo. 4. Metodologia Neste estudo tivemos como pretensão o estudo de como se traduz a formação de professores que atuam em estrutura de ensino a distância, via web. Para isso, fizemos a pesquisa em uma instituição de ensino superior de rede privada de Belo Horizonte, que oferta cursos a distância via web e, por meio da aplicação de questionários e entrevistas com autores e/ tutores evidenciamos algumas práticas docentes, as condições de trabalho, cujas particularidades permitiram-nos acompanhar, ainda que sucintamente, os valores, projetos e concepções subjacentes aos significados conferidos à docência. O estudo de caso aconteceu durante os anos de 2006/07 por meio de uma pesquisa aplicada, qualitativa, exploratória e descritiva. As técnicas utilizadas foram: observação assistemática, aplicação de questionários e entrevistas semi-estruturada. A pesquisa empírica ocorreu na Newton Paiva Virtual, núcleo da EaD do Centro Universitário Newton Paiva. A Newton Paiva Virtual é uma instituição particular e oferta cursos de graduação, pósgraduação, disciplinas híbridas e apoio aos cursos presenciais. Ao realizar um curso por meio da internet, a instituição conta com um grupo de pessoas (coordenadores, técnicos, administradores, tutores, monitores, alunos) que tem interesse comum de promover um processo de aprendizagem significativo e, cientes de suas responsabilidades, iniciam uma comunidade virtual. A observação assistemática ocorreu durante horas, no período de agosto de 2006 a janeiro de Na ocasião foram observadas as atividades das equipes envolvidas com o processo de ensino-aprendizagem na instituição. O questionário foi aplicado a 22 tutores e/ou autores em janeiro de Este instrumento constituiu-se de cinco partes, sendo: 1ª dados

17 gerais e perfil acadêmico, 2ª relação do participante com a EaD, pela internet, 3ª aprimoramento profissional, 4ª relação com a equipe multidisciplinar e 5ª concepção e perspectivas da educação presencial e a distância. A entrevista semi-estruturada com os tutores e/ou autores aconteceu com 5 participantes entre fevereiro e março de Um gravador foi utilizado para registrar os dados e cada uma entrevista. O roteiro da entrevista constituiu-se de onze tópicos com o objetivo de detectar o ponto de vista de cada docente no ato de ensinar e aprender (presencialmente e a distância), relação interpessoal, procedimentos de desenvolvimento profissional, métodos e técnicas empregados na prática docente etc. As entrevistas semi-estruturadas com as coordenadoras: pedagógica e de produção ocorreu em fevereiro de 2007 e teve o intuito de entender aspectos administrativos e pedagógicos do curso, bem como os processos de produção de materiais para os cursos. 5. Resultados Os resultados dos dados gerais e perfil acadêmico revelaram que dos 22 tutores e/ou autores participantes da pesquisa na IES, a maioria está situada na faixa etária de 31 a 50 anos: 68,18% dos professores possuem entre 31 e 40 anos e 22,72% estão na faixa compreendida entre 41 e 50 anos de idade. Quanto à formação acadêmica: 50% possuem mestrado, 40,91%, especialização e 9,09%, doutorado. Quanto à área de formação: 63,64% possuem formação inicial em Ciências Sociais Aplicadas, 13,64%, em Ciências Exatas e da Terra, 13,64%, em Ciências Humanas, 4,54%, em Lingüística, Letras e Artes e, 4,54%, em Engenharias. Ao questionar se participou como aluno em curso(s) a distância pela internet, os resultados revelaram: 59,1%, disseram que sim, 36,4% disseram que não e 4,5% não responderam. Quando questionado de qual(is) curso(s) a distância teriam participado, somente 27,3% dos participantes apontaram a capacitação ofertada pela IES. Esses dados revelam que os autores e/ou tutores desconsideraram o curso de capacitação inicial ofertada pela IES, já que este é realizado a distância. Dos 22 participantes, 9 são tutores e o restante desempenha as funções de autor e tutor. Quanto ao tempo de experiência em ensino presencial, entre um e dez anos é de 68,2%, entre onze e vinte anos é de 22,7% e, mais de vinte anos o percentual é 9,1%. Em se tratando de

18 experiência em ensino a distância em cursos apoiados em tecnologias da internet, entre três e cinco anos, o percentual é 36,4%, de um a três anos é 40,9% e menos de um ano é 22,7%. Ao ser questionado sobre a freqüência com que a IES a qual pertencem oferece cursos de aprimoramento profissional, ou mesmo incentivo à participação em cursos, palestras e workshops, 59,1% dos professores disseram raramente, 36,4% afirmaram frequentemente e somente 4,5% responderam sempre. Com o objetivo de verificar se a capacitação oferecida pela IES era oportuna para os professores aprenderem a utilizar os recursos tecnológicos da plataforma de EaD, 50% disseram sim, 45,5% responderam não e 4,5% não responderam. Na seqüência, ao questionar se a capacitação não é um elemento fundamental para saber utilizar os recursos tecnológicos, porque todas as ferramentas da plataforma são auto-explicativas e de fácil manuseio, 63,6% discordaram, 31,8% concordaram e 4,5% não responderam. O resultado do questionário ainda revelou, que 90,9% dos professores acreditam que a capacitação facilita a elaboração do planejamento das aulas de maneira mais coesa com os princípios dos cursos e com o perfil dos alunos, o restante não acredita que isso seja possível. A plataforma de ensino em que acontecem as capacitações sugere um ambiente propício às trocas de informações entre seus usuários, nesse sentido, questionou-se se consideravam as capacitações oportunas para conhecer os demais autores e/ou tutores, sobre isso, 63,6% deles concordaram, 31,8% discordaram e 4,5% não responderam. Ao questionar sobre os meios mais utilizados para aprimorar seus conhecimentos, informaram que em jornais, livros e revistas impressos e digitalizados. Ao identificar qual a relação entre os autores e/ou tutores com a equipe multidisciplinar, verificou-se que são mais próximos aos Designer Instrucional e mais distante dos Web- Designer, como demonstrado no gráfico 1:

19 20 Número de professores Frequentemente Raramente Não Respondeu 0 Coord. Pedagógico Monitoria Designer Instrucional Web-Designer Equipe Multidisciplinar EaD Gráfico 1: Equipe multidisciplinar da IES pesquisada Fonte: Questionário de pesquisa Nas questões abertas buscou-se compreender o que, para os participantes é educar a distância, por incidência de termos verificou-se que para a maioria é educação com novos papéis, tanto para o professor, como para o aluno. Ao perguntar o que não é educar a distância, a maioria informou somente oferecer textos via internet. Para os participantes, para haver mais qualidade em EaD no Brasil é necessário principalmente mais investimentos em tecnologias de ensino, mais motivação financeira e profissional e para aprimorar a prática educativa precisariam realizar mais cursos, participar de seminários, e ter mais encontros com a própria equipe de EaD. Esses dados foram revelados também nas entrevistas semi-estruturadas, além disso, detectou-se que existe uma necessidade de ter mais apoio pedagógico durante os cursos e comparando a prática educativa na EaD com o ensino presencial, mencionaram que o virtual é mais trabalhoso e exige a apropriação de novos conhecimentos e habilidades. 6. Considerações finais Durante a edificação deste artigo, evidenciamos o sujeito professor nos aspectos dos saberes necessários à sua prática, bem como o processo de aquisição desses saberes diante do

20 contexto histórico em que se situava. Mais especificamente, elucidamos o professor tutor e o conceptor de cursos e materiais didáticos para a EaD. Do ponto de vista da pesquisa o conceptor exerce funções do professor autor, no que tange ao desenvolvimento de materiais didáticos. Mostramos, ainda, que tanto o tutor quanto o autor são pertencentes a uma equipe multidisciplinar e cada membro assume importantes contribuições para alcançar bons resultados no atendimento ao aluno. Concluímos que nem sempre o novo papel adquirido pelos professores se traduz ao acesso às condições elementares de formação inicial e continuada. Isso pois, tutores e conceptores de materiais didáticos se dizem insatisfeitos com o que lhes foram propostos em ambas as formações e são conscientes da necessidade de melhorias nesse campo para fornecerem ainda mais qualidade nos serviços prestados. Um dos recursos apontados como forma de se manterem atualizados é a partir da sua prática pedagógica. Mudanças atitudinais como processo comunicacional em ambientes virtuais foram encontrados, sendo preciso aos tutores incorporar novas estratégias de linguagem escrita e utilização de recursos midiáticos. No que diz respeito à relação do autor e/ tutor com os demais componentes do grupo desenvolvedor de tecnologias para ensino a distância foram detectadas falhas na comunicação entre eles, o que do ponto de vista do autor e/ tutor a relação articulada entre todos pertencentes da equipe multidisciplinar composta em modalidade de ensino a distância, é fator imprescindível para que o processo de ensino-aprendizagem ocorra de forma satisfatória. 7. Referências BURNIER, Suzana; CRUZ, R. M. R.; DURAES, M. N.; PAZ, M. L.; SILVA, A. N.; SILVA, I. M. M. Histórias de Vida de Professores: o caso da educação profissional. Revista Brasileira de Educação, v. 12, p , CORGOSINHO, Rosane M. L.; A prática da tutoria e o uso de recursos tecnológicos em educação a distância. EAD: estudo de caso numa instituição de formação profissional. Belo Horizonte: Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, (Dissertação de Mestrado). COSTA, Nadja. A formação contínua de professores: novas tendências e novos caminhos. Holos, Ano 20, dezembro de Disponível em: <http://www.cefetrn.br/dpeq/holos/anterior/200412/pdfs/pp63-75.pdf> Acesso em outubro de FIORENTINI, D. & SOUZA e MELO, G.F. Saberes docentes: um desafio para acadêmicos e práticos. In: GERALDI, C. (org). Cartografias do 42 Educação & Sociedade, ano XXII, nº 74,

21 Abril/2001 trabalho docente: Professor(a)-pesquisador(a). Campinas: Mercado das Letras, ALB, GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, GUTIERREZ, F; PRIETO, D. A mediação pedagógica: educação a distância alternativa. Campinas: Papirus, LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, p. (Coleção temas básicos de educação e ensino). MAGGIO, Mariana. O Tutor na Educação a Distância. In: LITWIN, Edith. Educação a distância: temas para o debate de uma nova agenda educativa. Porto Alegre: Artmed, p PIMENTA, Selma. (Org.). Saberes pedagógicos e atividades docentes. In: PIMENTA, Selma. Formação de professores: identidade e saberes da docência. 2. ed. São Paulo: Cortez, PRADA, Luis Eduardo. Formação participativa de docentes em serviço. Taubaté. Cabral, Editora Universitária, SEGAT, Taciana; GRABAUSKA, Claiton. Para além de uma única teoria: o caminho é a construção conjunta de uma teoria da educação. In: MION, Rejane; SAITO, Carlos. (Org). Investigação-ação: mudando o trabalho de formar professores. Ponta Grossa: Gráfica Planeta, p , SOLETIC, Angeles. A produção de materiais escritos nos programas de educação a distância: problemas e desafios. In: LIWIN, Edith. Educação a Distância: temas para o debate de uma agenda educativa. Porto Alegre: Artmed p TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, TASSIGNY, Mônica. Estratégias de Implementação e Desenvolvimento de Formação à Distância. Revista Iberoamericana de Educación (ISSN: ). P TEIXEIRA, Gilberto. Instrumentos de Coletas de Dados em Pesquisas Educacionais. [200-]. Disponível em: <http://www.serprofessoruniversitario.pro.br/ler.php?modulo=21&texto=1284> Acesso em setembro de 2007.

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA Mônica Mota Tassigny Professora doutora da Universidade de Fortaleza, UNIFOR, Brasil 1. INTRODUÇÃO Numa sociedade mundial, na qual

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral Introdução Buscando no dicionário a palavra tutor vamos encontrar como primeira definição o jurídico: indivíduo que exerce uma tutela (dita tutoria)

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense

Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense Gerência da tutoria - o diferencial em uma plataforma on-line Luiz Valter Brand Gomes* Rosângela Lopes Lima* Filipe Ancelmo Saramago* Rodrigo Telles Costa* Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Tutoria em EAD. CF(T) Biagiotti

Tutoria em EAD. CF(T) Biagiotti Tutoria em EAD CF(T) Biagiotti Introdução A presente apresentação pretende destacar a importância da ação do tutor na Educação a Distância abordando em especial as competências que lhe são necessárias.

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA N 429 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes, SANTOS Lázaro, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da. DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA O conhecimento, bem como os demais

Leia mais

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA É o trabalho educativo desenvolvido pelo docente numa modalidade de ensino na qual os sujeitos envolvidos estabelecem uma relação pedagógica em que a comunicação

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática.

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática. MATRIZ CURRICULAR* Disciplina CH Integração 20 Planejamento e Gestão em Educação a Distância 40 Cultura Virtual, Pensamento e Construção do Conhecimento na Educação a Distância 40 Noções de Gestão de Projetos

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Programa Institucional de Bolsa a Iniciação a Docência do Curso de Educação Física Licenciatura da Universidade Federal de Santa

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS

TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS Gabriella Pizzolante da Silva Universidade Federal de São Carlos gabriellapizzolante@gmail.com Maria José da Silva Rocha - Universidade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS

UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS Resumo Regiane Aparecida Kusman 1 - TUIUTI-PR Grupo de Trabalho - Educação e Meio Ambiente Agência Financiadora: não

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

TECENDO REDE: UM OLHAR PARA O TRABALHO DO DESIGNER INSTRUCIONAL. Fortaleza 15/05

TECENDO REDE: UM OLHAR PARA O TRABALHO DO DESIGNER INSTRUCIONAL. Fortaleza 15/05 TECENDO REDE: UM OLHAR PARA O TRABALHO DO DESIGNER INSTRUCIONAL Fortaleza 15/05 Isabel Magda Said Pierre Carneiro, Ms. IFET/isabelmsaid@yahoo.com.br Maria José Costa dos Santos, Ms. UFC/mazeautomatic@gmail.com

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Planejamento e Avaliação da Educação Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário resumo) Aspectos históricos

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da PROJETO FEIRA DE ITABAIANA: RELATOS DE UMA ATIVIDADE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR Crislaine Barreto de Gois (UFS) 1 Antônio Carlos Pinto Oliveira (UFS) Sérgio Matos Santos (UFS)

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais