EDUCAÇÃO EM ESPAÇOS NÃO-ESCOLARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO EM ESPAÇOS NÃO-ESCOLARES"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO EM ESPAÇOS NÃO-ESCOLARES

2

3 TEMA 1 A ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM

4

5 CRÉDITOS Reitor José Carlos Pettorossi Imparato Pró-Reitora de Graduação e Extensão Elaine Marcílio Santos Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Renato Amaro Zangaro Pró-Reitor Administrativo Darcy Gamero Marques Filho Pró-Reitora Adjunta de Graduação e Extensão Mara Regina Rösler (In Memoriam) Diretor Acadêmico Gustavo Duarte Mendes Coordenadores do EAD Abigail Malavasi (Pedagogia) Adamaris Izaura Cavalcanti (Administração) Gerson Tenório dos Santos (Letras) Marcelo Rabelo Henrique (Cursos Superiores de Tecnologia) Coordenadores de Polo Mariangela Camba (Santos) Paulo Cristiano de Oliveira (São Paulo) Paulo Roberto Marcatto (Descalvado) Professor(a) Autor(a) Ismail Moreira de Andrade Reis Revisora Maria Ivone de Ávila Oliveira Equipe do Núcleo de Educação a Distância - NEaD Coordenação Geral Magali Polozzi Supervisor de Design Rafael Vilares Web Designer Vinícius Bianchini Suporte técnico Daniel Lopes Copyright 2013, Universidade Camilo Castelo Branco UNICASTELO. Nenhuma parte desse material poderá ser reproduzida, transmitida e gravada, por qualquer meio eletrônico, por fotocópia e outros, sem a prévia autorização, por escrito. Algumas imagens utilizadas neste trabalho estão livres de direitos autorais, de acordo com a licença Creative Commons.

6

7 SUMÁRIO EDUCAÇÃO EM TEMA 1: ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM As dimensões da formação do educador Espaços não-escolares para a atuação do educador O perfil e a atuação do licenciado Dimensões da informação do licenciado 23 TEMA 2: As Atividades do Educador em Espaços Não-Escolares: Agente de Transformação_ Os Espaços de Trabalho do Educador Organização Contemporânea Reestruturação Sócio-Econômica Capital: Produção do Conhecimento 38 TEMA 3: MÉTODO SOCRÁTICO E PLANEJAMENTO A maiêutica Socrática O método Paulo Freire A investigação para Paulo Freire MST e Paulo Freire Educação Formal x Educação não formal: Tendências e perspectivas Planejar para ganrantir um bom desempenho em espeços não-escolares 51 TEMA 4: PODER: O TRABALHO E AS TÁTICAS DE PODER O educador no espaço não escolar Biblioteca como espaço destinado à produção do pensar 63

8 SUMÁRIO

9 DESTAQUES Durante o texto, você encontrará algumas informações em destaque. Preste atenção: SAIBA MAIS: Serve para apresentar conteúdos, explicações e observações a fim de que você compreenda melhor o tema estudado. IMPORTANTE: Indica conceitos ou explicações que merecem destaque. Fique atento! REFLITA: São questionamentos acerca de aspectos centrais do texto. ANOTAÇÕES: Espaço destinado para suas anotações a respeito do tema estudado. OBJETIVOS: Indicam os conhecimentos a serem desenvolvidos por você durante o estudo de cada tema.

10 A IMPORTÂNCIA DA COMA ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM TEMA 1 10

11 TEMA 1 A ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Prezado aluno: Bem-vindo à disciplina Educação em Espaços não-escolares. Estaremos juntos via EaD durante este semestre. Esperamos ter uma convivência fraterna e repleta de ensino-aprendizagem. A todo o momento, estaremos trabalhando com vocês no ambiente virtual e haverá vários canais de comunicação para podermos refletir e nos aprofundar na temática. Você deve estar se perguntado o que vem a ser esta disciplina de Educação em Espaços não Escolares, pergunta que será respondida no decorrer do curso. Mas, para iniciarmos, podemos entender que a Educação não se dá única e exclusivamente nos bancos escolares; ela acontece a todo instante. Precisamos ampliar a Educação na sociedade brasileira, resgatando valores importantíssimos do ser humano, como a auto-estima, a capacidade de pensar racionalmente, a sensibilidade e os valores que fazem parte deste ser para um desenvolvimento humano e uma sociedade sustentável. Por esse motivo, devemos nos inserir no contexto da Educação em Espaços não-escolares, refletindo sobre seu papel como agente transformador social e responsável pelo desenvolvimento do pensar independente da estrutura educacional formal. Vamos trabalhar para o desenvolvimento das habilidades e competências em atuar nesses meios e primar por uma reflexão de cunho educacional com rigor, disciplina, visão de conjunto e saber aprofundado. Em nossas aulas, vamos refletir sobre os parâmetros necessários para a atuação do licenciado e pedagogo fora da academia, reconhecendo sua importância em uma sociedade em transformação constante na era da globalização, bem como a importância de uma reflexão humana, ética e cidadã, capaz de atingir um número maior de pessoas que não necessariamente freqüentam os meios acadêmicos para compartilhar essas reflexões. Para isso, iremos trabalhar esta disciplina em quatro módulos pelo EaD. TEMA 1 a atuação do educador em espaços não escolares; TEMA 2 educação em espaços não-escolares TEMA 3 - método socrático e planejamento; TEMA 4 aplicação da educação em espaços não escolares: uma proposta de trabalho. Ao concluir esta disciplina, esperamos que você seja capaz de compreender os aspectos que rodeiam a Formação do Educador, dominando os traçados do perfil do educador e da atuação do licenciado, podendo imperar a atuação em espaços escolares e não escolares, sabendo ainda elaborar um planejamento, mapeamento planos de aula eficazes, com objetivos, avaliação e atividades que analisem o aprendizado dos educandos, levando em conta seu perfil, gerando sua produção de conhecimento. Agora, vamos, juntos, iniciar esta jornada! 11

12 A IMPORTÂNCIA DA COMA ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM TEMA 1 12

13 TEMA 1 A ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM A ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM Iniciando nosso diálogo Prezado aluno: Gostaríamos de saudá-lo e dar-lhe as boas-vindas ao primeiro módulo da disciplina de Educação em Espaços Não Escolares. É um enorme prazer poder partilhar conhecimentos com você e uma grande satisfação poder trocar idéias nessa modalidade de ensino, compartilhando o resultado de experiências e aprendizado. Neste primeiro tema, estudaremos o perfil do educador, as competências e habilidades de que necessita, e as dimensões de sua formação teórico-filosófico-pedagógica, bem como técnico- -prática. Essa temática é importante para nos fornecer uma visão abrangente e uma base sólida para os demais tópicos abordados na disciplina. Também nos aprofundaremos nas questões que cercam campos educativos formal, não-formal e informal, as áreas de atuação do educador, e as dimensões da formação do licenciado docência, pesquisa e formação do saber. Estudaremos esse tema em quatro partes: 1.1 As dimensões da Formação do Educador 1.2 Espaços não-escolares para a atuação do educador 1.3 O perfil e a atuação do licenciado 1.4 Dimensões da Formação do Licenciado OBJETIVOS Antes de iniciarmos o nosso aprendizado, é muito importante que você saiba quais são os nossos objetivos. Esperamos que, por meio das leituras a atividades propostas, você possa: Do perfil do educador, competências e habilidades essenciais, das dimensões de sua formação e dos campos educativos; Da atuação do educador nos espaços não-escolares; Do perfil e formação do licenciado. Vamos, juntos, iniciar esta jornada? 13

14 A IMPORTÂNCIA DA COMA ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM TEMA 1 14

15 TEMA 1 A ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM 1.1 AS DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DO EDUCADOR O educador é um profissional cuja formação abrange duas dimensões: 1. A formação teórico-filosófico-pedagógica, incluindo a formação acadêmica específica nas disciplinas em que o docente vai especializar-se e a formação pedagógica, com conhecimentos de maior aprofundamento da educação e suas áreas de pesquisa que contribuem para o esclarecimento do fenômeno educativo no contexto histórico-social e suas práticas que envolvem pesquisa, investigação e reflexão constante. 2. A formação técnica-prática que visa à preparação profissional específica para a docência, incluindo a didática, as metodologias específicas das matérias. (VEIGA, 87, p. 27). Apesar disso, o curso de Pedagogia e vários cursos de Licenciaturas ainda são vistos restritamente como uma formação universitária que capacita pessoas unicamente para o magistério. Lógico que não renegaremos o nosso papel de educador, ou seja, de mediador de aprendizagem. Não podemos fugir à responsabilidade da educação, mas, ao mesmo tempo, o pedagogo ou licenciado é formado para atuar em outros espaços. REFLITA Sabemos que Todo educador é, por excelência, professor, mas nem todo professor é educador. Essa afirmação amplia ainda mais as responsabilidades daqueles que escolheram uma formação acadêmica em educação como carreira, pois refletir sobre as principais temáticas pedagógicas exige um compromisso com a verdade e um rigor na busca pelo saber aprofundado. REFLITA Pensando nisso, quais são os atributos que devem estar integrados ao perfil do educador? 15

16 A IMPORTÂNCIA DA COMA ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM TEMA 1 É fundamental que o educador transpareça ética no exercício de suas atividades, particularmente, e no exercício de sua cidadania. Como professor, pesquisador e cidadão é seu dever zelar pela ética em todos os campos do conhecimento e contextos sócio-históricos. Além disso, é importantíssimo lembrar que os educadores devem entender quão imprescindíveis são a produção acadêmica e a participação em atividades ligadas a ela. Afinal, nossa formação revela as metas que desejamos alcançar. Para isso, os educadores devem saber formular questões pertinentes a essa ação e propor as soluções mais adequadas, conforme o que aprenderam e vierem a aprender em suas intervenções nos diversos campos do conhecimento. A capacidade de interpretação de textos teóricos e os comentários a serem elaborados a partir disso, enquanto necessidades básicas indispensáveis que devem ser atendidas pelo educador, devem obedecer aos mais criteriosos procedimentos metodológicos da técnica hermenêutica. Além disso, é necessário unir a esta o procedimento do perspectivismo, enquanto um olhar interpretativo múltiplo sobre uma mesma realidade, a fim de evitar uma miopia social, acadêmica, política e tantas outras que disso decorrerem, ou seja, pela falta da postura perspectivista. SAIBA MAIS Hermenêutica: do sentido das palavras. Perspectivismo: Doutrina de Nietzsche, segundo a qual todo conhecimento é relativo às necessidades e especialmente às necessidades vitais do ser que conhece. REFLITA Nesse sentido, quais são os espaços que o educador pode ocupar no mercado de trabalho? 1.2 PARA A ATUAÇÃO DO EDUCADOR A área de trabalho para pedagogos e licenciados está em expansão. Fora do contexto escolar, percebemos a necessidade de desenvolver uma nova tarefa: compreender e ensinar o mundo. Essa tarefa exige novas posturas do educador quanto a sua atuação no mercado de trabalho e muitos agentes sociais já perceberam a importância desse profissional para o crescimento social e organizacional de uma sociedade. Sendo assim, o educador deixa de atuar só em questões escolares, 16

17 TEMA 1 A ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM conquistando um espaço bem mais amplo. Dessa forma, o educador é um profissional qualificado para atuar em diversos campos educativos, e essa atuação pode ser: Campos Educativos Formal Não-Formal Informal Figura 1.1 Campos Educativos. 1. Formal: No processo educacional, em sala de aula através dos temas apresentados no ensino de educação. 2. Não-formal: Nas ações fora da sala de aula, ou seja, em debates, exposições, seminários, palestras, cafés filosóficos e outros. 3. Informal: Nas rodas de amigos, ou mesmo em encontro de intelectuais que se posicionam frente a determinadas temáticas. O campo de atividade educacional extra-escolar é extenso, compreendendo a atuação de profissionais nos âmbitos da vida privada, pública e social. Como vimos, o educador é um profissional capaz de compreender e aprofundar as reflexões que ocorrem no âmbito da sociedade, dos sistemas de ensino, da cultura, das relações sociais e de outras instâncias, sendo que todas elas consideram seu contexto e envolvem simultaneamente dimensões individuais e sociais. Desse modo, podemos afirmar que a atuação do profissional da Educação compreende atividades de caráter social, educacional e cultural, realizadas em uma sociedade, as quais envolvam as relações da humanidade, ou que necessitem de reflexão aprofundada, conforme relacionado a seguir. São consideradas possíveis áreas de atuação do educador e/ou licenciado: 17

18 A IMPORTÂNCIA DA COMA ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM TEMA 1 Áreas de Atuação do Educador Educacional Científicas/Tecnológicas Religiosa Promoção Social Empresarial Comunicação Secretarias Públicas Editoras e Organizações Figura 1.2 Áreas de Atuação do Educador. 1. Educacional: docência, projetos de pesquisas, formação de professores nas redes públicas e privadas e em outros espaços que decorrem dessa atuação, etc. 2. Científicas/Tecnológicas: projetos, pesquisas em órgãos públicos e privados. 3. Religiosa: formação de seminaristas, grupos de formação de estudos da Ciência da Religião, pesquisas. 4. Promoção Social: em ONGs, órgãos públicos e privados. 5. Empresarial: setores administrativo, pessoal e de relações públicas. 6. Comunicação: nos processos de comunicação e na questão do conhecimento, podendo atuar como assessor para a produção de comunicações e/ou textos em diversas mídias. 7. Secretarias Públicas: prestação de assessorias e pesquisas associadas a órgãos de fomento. 18

19 TEMA 1 A ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM SAIBA MAIS Terezinha Azeredo Rios: Terezinha Azeredo Rios: Graduada em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais, mestre em Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1988) e doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (2000). Atualmente é professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Nove de Julho - Uninove (SP), tendo feito parte, por mais de 30 anos, do quadro de professores do Departamento de Teologia e Ciências da Religião da PUC-SP. 8. Editoras e Organizações: atuação como orientador na formulação de projetos de pesquisas. Observe, também, que o profissional capaz, ético e contextualizado pode atuar como conferencista ou em trabalhos de parcerias interdisciplinares, envolvendo profissionais de diversas áreas do conhecimento. Para concluir, ressaltamos que o mundo, tão veloz em informações, precisará, cada vez mais, de educadores, que possam fazer seus habitantes pensarem melhor em suas necessidades, as quais lhes assegurem uma base solidificada de formação humana e ética ante o desafio das provocações do tão afamado mercado globalizado de trabalho, que busca uma mecanização do humano e menor disposição para o pensar e o agir O PERFIL E A ATUAÇÃO DO LICENCIADO Com a universalização do acesso à educação, a sociedade brasileira tem enfrentado o desafio de incorporar à escola grupos sociais que historicamente foram excluídos dos processos de escolarização. No enfrentamento desse desafio, cabe ao licenciado contribuir na tarefa de democratizar o acesso aos conhecimentos e posteriormente ao saber refletido visando, entre outros objetivos, à promoção da melhoria nas condições de vida das pessoas. De modo mais específico, isso implica ser um agente social capaz de investigar, refletir, gerar conhecimento, gerir e ensinar tanto no âmbito escolar como em espaços não- -escolares com determinadas competências. Tais competências são coerentes com o Perfil do Educador a ser formado pelo ensino de Terceiro Grau apresentado por Terezinha Azeredo Rios (2006): 1. aprender de forma autônoma e contínua, realizando o duplo movimento de derivar o conhecimento com significação dos conceitos: o recurso da lógica; 2. atuação inter/multi/transdisciplinarmente, trabalhando em equipes multidisciplinares ; 3. pautar-se na ética e na solidariedade enquanto ser humano, cidadão e pensador. 19

20 A IMPORTÂNCIA DA COMA ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM TEMA 1 Em face dessa realidade, os cursos de licenciaturas, comprometidos com a qualidade social da educação, tem como objetivo formar o Licenciado para atuar na docência do ensino fundamental e médio, na formação, reflexão e educação do trabalho formativo. De modo específico, o objeto de trabalho do licenciado, formado pelas universidades, centra- -se nos processos de ensino e de aprendizagem relacionados à educação escolar. Entretanto, como os componentes curriculares permeiam todo o processo de formação, esse profissional torna-se apto a atuar também em outros contextos educativos além da sala de aula. IMPORTANTE A atuação dos licenciados baseia-se em um tripé: para quê?, para quem?, além de envolver um Contexto. Para quê e Para quem os processos de ensino e de aprendizagem estão voltados compõem as estruturas da atuação do licenciado e do Educador, levando-se em conta os vários contextos sócio-econômicos e políticos. Já a contextualização refere-se ao conjunto de acontecimentos que ocorrem para propiciar um determinado fenômeno. Verifiquemos um exemplo: O contexto do sistema capitalista como modo de produção atual apresenta as suas ideologias, os seus valores, a sua educação e a sua política a fim de formar um conjunto único para a realização do sistema econômico, social e político capitalista. Dessa forma, ele se perpetua entre o passado e presente e a estrutura para a reprodução de um saber voltado para seus interesses. Significa, por um lado, a possibilidade de evidenciar a centralidade do estatuto da Educação REFLITA Mas, o que significa colocar a prática da aprendizagem nos cursos de pedagogia e nas licenciaturas como componente curricular privilegiado? 20

21 TEMA 1 A ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM como eixo norteador do processo formativo de todos os profissionais através da educação e, por outro lado, a possibilidade de estabelecer uma articulação orgânica. Enfim, a articulação dessa rede provoca nos envolvidos reais situações de aprendizagem. Em uma proposta sócio-construtivista e libertadora, baseada na colaboração, na interação, na flexibilidade e, principalmente, na afetividade, numa perspectiva de aprender fazendo, podemos contribuir para que se quebrem as dicotomias razão x emoção, teoria x prática, saber x fazer, que estão presentes há tanto tempo em nossos discursos educacionais e na forma de se fazer educação. O saber como fonte permanente e privilegiada de reflexão permite a formação dos futuros profissionais, propicia a análise do movimento complexo existente entre as construções teóricas e as suas reflexões na prática, assegurando uma compreensão da natureza e da especificidade do conhecimento teórico-prático, de modo a propiciar o desenvolvimento de um compromisso ético e político com uma sociedade democrática. Historicamente, a escola e os sistemas educacionais aos quais estão vinculados têm sido o campo de trabalho dos profissionais provenientes dos diversos cursos de licenciaturas voltados para a contextualização de um sistema reprodutor de saberes que não oportuniza a reflexão crítica e libertadora compromissada com as questões reais e necessárias de uma sociedade. A identificação entre o licenciado, o pedagogo e as instituições escolares tem uma razão histórica de perpetuação da lógica do sistema educacional de reprodução de valores. O verdadeiro educador é responsável pela socialização do saber formal durante o processo educacional que ocorre em sala de aula através dos temas apresentados pelas grades curriculares, que sempre necessitam ser refletidas (repensadas) para uma nova prática educacional, direcionada pelas novas competências e qualidades que buscam uma prática docente competente, de uma qualidade que se quer cada vez melhor, com critérios culturais e históricos bem sedimentados para uma prática construtiva e libertadora. Assim, cuidar de questões ligadas ao ensino parece ser o elemento que define a atuação do licenciado nos sistemas educacionais de forma prática e teórica sem o dualismo proposto para a reprodução de valores. A escola - especialmente a escola pública é uma importante agência para a criação e democratização do saber, para a transmissão do patrimônio cultural da humanidade e para o desenvolvimento da reflexão crítica. Entretanto, os múltiplos processos de reflexão ocorrem de forma difusa, de maneira formal, envolvendo a sociedade como um todo somente no contexto educacional. Ademais, há outros espaços para o desenvolvimento das atividades de reflexão e de construção do saber possíveis para o desenvolvimento de uma nova sociedade. O licenciado possui algumas competências e habilidades entendidas como essenciais, a se 21

22 A IMPORTÂNCIA DA COMA ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM TEMA 1 IMPORTANTE Nesse sentido, percebemos que as necessidades atuais da sociedade e do mundo do trabalho exigem dos profissionais da educação uma diversificação maior do pensar. rem desenvolvidas no decorrer de uma formação em licenciatura, para atender ao perfil do educador, conforme relação a seguir: 1. Compreensão ampla e consistente do saber e da prática educativos que se dá em diferentes âmbitos e especialidades. 2. Compreensão do processo de construção do saber no indivíduo inserido em seu contexto social e cultural. 3. Capacidade de identificar problemas socioculturais e educacionais, propondo reflexões críticas às questões da qualidade do ensino e medidas que visem à superação da exclusão social. 4. Compreensão e valorização de diferentes linguagens manifestadas nas sociedades contemporâneas e de sua função na produção do saber. 5. Capacidade de identificar as dinâmicas culturais relacionadas ao fenômeno educativo e de planejar intervenções que as considerem. 6. Capacidade para identificar a problemática envolvida na educação das pessoas com necessidades educativas especiais. 7. Capacidade de articular ensino e pesquisa na produção do saber e da reflexão filosófico- -científica. 8. Utilização de conhecimentos sobre a realidade econômica, cultural, política e social brasileira, para compreender o contexto e as relações em que está inserida a prática de reflexão. 9. Compromisso com uma ética de atuação e com a organização democrática da vida em sociedade. 10. Capacidade de promover uma reflexão que leve em conta as características dos alunos e da comunidade, bem como os temas e necessidades do mundo social, conhecendo e dominando os conteúdos básicos relacionados às áreas de conhecimento e às questões sociais que serão objeto da atividade docente, adequando-os às atividades dos alunos. 11. Compreensão dos processos de ensino e aprendizagem na escola e nas suas relações com o contexto no qual se inserem as instituições de ensino. 12. Capacidade para elaborar projetos pedagógicos sintetizando as atividades do ensino. 13. Capacidade de realizar atividades de planejamento, organização, coordenação e avaliação pautadas em valores, como: solidariedade, cooperação, responsabilidade e compromisso. 14. Estabelecimento de relações de parceria e colaboração com a comunidade externa à escola e, de modo especial, com os pais dos alunos, a fim de promover sua participação na comunidade escolar e uma comunicação fluente entre eles e a escola. 22

23 TEMA 1 A ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DO LICENCIADO O princípio básico da formação do licenciado contempla três dimensões organicamente relacionadas: a docência, a pesquisa e a produção do saber. A Docência A Pesquisa A Produção do saber Figura 1.3 Dimensões da Formação do Licenciado. A docência confere a identidade do Licenciado no campo específico de intervenção e reflexão social. Para tanto, consideram-se: os diferentes âmbitos e especialidades da prática educacional; o processo de construção do conhecimento e do saber no sujeito inserido no seu contexto; a identificação de problemas e os processos de reflexão viáveis às questões da educação, assim como respostas que visem superar a exclusão e a alienação social. A pesquisa, como princípio filosófico e educacional, trata de questões que emergem da vivência e da reflexão, configurando-se como um exercício de organização e produção de saberes apreendidos e permanentemente reelaborados. A pesquisa impõe análise e compreensão da realidade na qual ocorrem processos reflexivos e, consequentemente, a produção de saberes. As bases do saber para o desenvolvimento de uma atividade prático-reflexiva constituem os pilares básicos sobre os quais se assenta a formação do educador comprometido com a educação. A preparação do educador em termos de domínio do conhecimento específico na sua área de atuação, embora não seja regra, pode propiciar um desempenho adequado em sala de aula, tendo em vista as atividades de ensino. Apesar dessa relação positiva, a formação adequada do educador nem sempre garante níveis elevados de aprendizagem de seus educandos. 23

24 A IMPORTÂNCIA DA COMA ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM TEMA 1 REFLITA Mas por que isso acontece? Isso pode acontecer porque há educador que, apesar de ter conhecimento, não consegue expressar-se de forma clara. Por outro lado, há aquele que fala bem, mas não sabe o que dizer, uma vez que não possui uma formação adequada. Nesse sentido, conhecer representa um aspecto base da atividade do educador para que ele possa ensinar com qualidade e competência, apesar de sabermos que o mero domínio do conteúdo específico não seja suficiente para formar um educador, ou seja, conhecer mais sobre uma dada área não implica capacidade para articular o reflectere, ou seja, a reflexão-ação. Em contrapartida, o educador que se apresenta sem o domínio do conteúdo específico pode ensinar, mas o fará de forma precária, quando não de maneira incorreta. SAIBA MAIS Reflectere: Volta da consciência, do espírito, sobre si mesmo, para examinar o seu próprio conteúdo por meio do entendimento, da razão e do voltar-se para a ação. A ausência de uma profunda compreensão sobre certos aspectos de conteúdo específico de uma área do saber pode impedir um bom processo de reflexão, sobretudo, quando se levam em consideração as (elevadas) exigências apontadas pelas novas necessidades na teia social, política, econômica e ideológica da sociedade pós-moderna. As disciplinas relacionadas às metodologias educacionais também têm sido indicadas na literatura como fundamentais no processo formativo inicial, embora não haja ainda consenso em relação à quantidade ou ao rol de tópicos referentes ao conteúdo específico que se faz necessário para se formar um verdadeiro educador. Há, porém, indicações da relevância de que o futuro educador necessita compreender o conteúdo específico a partir de uma perspectiva pedagógica. Tem-se compreendido a preparação do licenciado e do pedagogo como sendo constituída por inúmeras disciplinas que os futuros professores cursam em diversas áreas, como: Instrumentação, Teoria do Conhecimento, Fundamentos e Prática do Estudo em Educação, História da Educação, Ética e Educação, Didática, Currículo e Ensino, Política Educacional, entre outras, em sala de aula. Esse tipo de preparo aparentemente tem impacto tanto nas práticas de ensino quanto no desempenho dos alunos, embora, não haja elementos capazes de definir com clareza quais desses aspectos são críticos. 24

25 TEMA 1 A ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM Um dos motivos apontados para tal indefinição corresponde à dificuldade em se precisar o que é o preparo do licenciado, uma vez que, sob esse rótulo, podem ser incluídos tanto os conteúdos específicos de formação, quanto aqueles mais gerais, que também possam ser oferecidos em diversos momentos da formação inicial sem realmente qualificar o educador para a sua atividade principal. Embora de modo não conclusivo, pode-se afirmar que os futuros professores necessitam ser capazes de reorganizar o conhecimento do conteúdo específico, em conhecimento sobre o como ensinar um dado conteúdo específico a alunos diversos. Para finalizarmos este tema, podemos destacar as seguintes idéias: 1- Com a universalização do acesso à escola, a sociedade brasileira - e em especial a escola tem enfrentado o desafio de incorporar grupos sociais que historicamente foram excluídos dos processos de escolarização. 2- O perfil do licenciado a ser formado pelo ensino de terceiro grau acentua o aprender de forma autônoma e contínua, realizando o duplo movimento de derivar o conhecimento, trabalhando em equipes multidisciplinares. 3- O para quê e para quem (os processos de ensino e de aprendizagem) estão voltados ao propósito de levar o licenciado a propor uma nova atuação na comunidade. 4- O saber é fonte permanente e privilegiada de reflexão que possibilita e auxilia a formação do ser humano para uma atuação em seu espaço. 5- O campo de atividade extra-escolar é extenso, incluindo todas as atividades realizadas no âmbito da vida privada, pública e social. 6- Os licenciados devem saber formular questões pertinentes às atividades realizadas fora do ambiente escolar e propor soluções adequadas a essas perguntas, conforme o que aprenderam e vierem a aprender em suas intervenções dentro dos diversos campos do conhecimento. 7- O licenciado deve compreender a suma importância da ética e da cidadania em sua formação como professor, pesquisador e cidadão, e zelar por elas em todos os campos do conhecimento e contextos sócio-históricos. 8- O mundo tão veloz em informações precisará, cada vez mais, de pessoas capazes de auxiliar seus habitantes a pensarem melhor e mais profundamente em suas necessidades. Além disso, exigirá profissionais capazes de assegurar uma base solidificada de formação humana e ética ante o desafio das provocações do mercado de trabalho. 9- O educador deve ter uma consciência livre, racional e sensível para compreender a realidade sócio-econômica e propor aos cidadãos uma atitude consciente e atuante. 25

26 A IMPORTÂNCIA DA COMA ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM TEMA 1 26

27 TEMA 1 A ATUAÇÃO DO EDUCADOR EM RECAPITULANDO Para finalizarmos este tema, podemos destacar as seguintes idéias: 1- Com a universalização do acesso à escola, a sociedade brasileira - e em especial a escola tem enfrentado o desafio de incorporar grupos sociais que historicamente foram excluídos dos processos de escolarização. 2- O perfil do licenciado a ser formado pelo ensino de terceiro grau acentua o aprender de forma autônoma e contínua, realizando o duplo movimento de derivar o conhecimento, trabalhando em equipes multidisciplinares. 3- O para quê e para quem (os processos de ensino e de aprendizagem) estão voltados ao propósito de levar o licenciado a propor uma nova atuação na comunidade. 4- O saber é fonte permanente e privilegiada de reflexão que possibilita e auxilia a formação do se humano para uma atuação em seu espaço. 5- O campo de atividade extra-escolar é extenso, incluindo todas as atividades realizadas no âmbito da vida privada, pública e social. 6- Os licenciados devem saber formular questões pertinentes às atividades realizadas fora do ambiente escolar e propor soluções adequadas a essas perguntas, conforme o que aprenderam e vierem a aprender em suas intervenções dentro dos diversos campos do conhecimento. 7- O licenciado deve compreender a suma importância da ética e da cidadania em sua formação como professor, pesquisador e cidadão, e zelar por elas em todos os campos do conhecimento e contextos sócio-históricos. 8- O mundo tão veloz em informações precisará, cada vez mais, de pessoas capazes de auxiliar seus habitantes a pensarem melhor e mais profundamente em suas necessidades. Além disso, exigirá profissionais capazes de assegurar uma base solidificada de formação humana e ética ante o desafio das provocações do mercado de trabalho. 9- O educador deve ter uma consciência livre, racional e sensível para compreender a realidade sócio-econômica e propor aos cidadãos uma atitude consciente e atuante. Até o próximo tema! 27

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Introdução à Pedagogia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) A disciplina se constitui como

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Duas dimensões da gestão educacional Processos de Gestão Pedagógica Processos da Gestão Administrativa e Financeira

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA

PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA GUARUJÁ 2013 PROJETO INTERDISCIPLINAR/PEDAGOGIA 1 OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS Levando-se em consideração que: 1. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (n

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Duração: 8 meses Carga Horária: 360 horas. Os cursos de Pós-Graduação estão estruturados de acordo com as exigências da Resolução CNE/CES nº 01/2007.

Duração: 8 meses Carga Horária: 360 horas. Os cursos de Pós-Graduação estão estruturados de acordo com as exigências da Resolução CNE/CES nº 01/2007. Arte em Educação Considerando que a ação educacional é uma prática social mediadora da prática social mais ampla, nossa missão é: Formar o profissional de arte educação contemplando suas três dimensões:

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Universidade Estadual De Londrina

Universidade Estadual De Londrina Universidade Estadual De Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO PEDAGOGIA LONDRINA 2009 2 REITOR WILMAR SACHETIN MARÇAL

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

MANUAL DO ALUNO PÓS-GRADUAÇÃO

MANUAL DO ALUNO PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DO ALUNO PÓS-GRADUAÇÃO CARO ALUNO, Seja Bem-Vindo às Escolas e Faculdades QI! Desejamos a você uma excelente jornada de estudos e evolução, tanto no campo profissional, como pessoal. Recomendamos

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa GESTÃO EDUCACIONAL INTEGRADA: Oferecendo 04 Habilitações: supervisão de ensino, orientação educacional, inspeção de ensino e administração escolar. JUSTIFICATIVA O Curso de Especialização em Gestão Educacional

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Programa Institucional de Bolsa a Iniciação a Docência do Curso de Educação Física Licenciatura da Universidade Federal de Santa

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais