Agrupamento de Escolas de Lamaçães. Realizado por: Afonso Miguel Gomes Ana Luísa Alegria Ana Marta Aguiar Ana Teresa Vieira Ana Maria Marques

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrupamento de Escolas de Lamaçães. Realizado por: Afonso Miguel Gomes Ana Luísa Alegria Ana Marta Aguiar Ana Teresa Vieira Ana Maria Marques"

Transcrição

1 Agrupamento de Escolas de Lamaçães Realizado por: Afonso Miguel Gomes Ana Luísa Alegria Ana Marta Aguiar Ana Teresa Vieira Ana Maria Marques

2 Conhecer o carvalhal típico português Verificar a situação actual do Bosque do Bom Jesus Desvendar as razões do actual estado do Bosque

3 Protejam os Bosques! Este trabalho foi pensado com o objectivo de, para além de datar o nosso precioso Bosque, observar as terríveis mudanças que este sofreu graças ao nosso enorme egoísmo. E ajudar as pessoas a mudar o seu comportamento em relação ao Bosque, protegendo-o.

4 Os Carvalhais são bosques típicos do Norte e Centro de Portugal. As espécies dominantes deste tipo de Bosques são: Carvalho Alvarinho (Quercus robur); Carvalho Negral (Quercus pyrenaica); Os Carvalhais estão divididos em três estratos particulares: Estrato arbóreo Estrato arbustivo Estrato herbáceo

5 Pobre em espécies; Para além do carvalho alvarinho (Quercus robur) e do carvalho negral (Quercus pyrenaica); existem outras espécies de caducifólias como a bétula ou vidoeiro (Betula alba), o padreiro (Acer pseudoplatanus) e a cerejeira brava (Prunus avium). Há também árvores de folha persistente tais como o teixo (Taxus baccata), junto às linhas de água o amieiro (Alnus glutinosa) e o sobreiro (Quercus suber).

6 Este estrato é dominado por espécies de folhagem persistente: o medronheiro (Arbutus unedo), o azevinho (Ilex aquifolium) e o azereiro (Prunus lusitanica). Das árvores de folha caduca destacam-se: o pilriteiro (Crataegus monogyna), o pereiro bravo (Pyrus pyraster), o sanguinho de água (Frangula alnus), o sabugueiro (Sambucus nigra), a aveleira (Corylus avellana), o salgueiro (Salix sp.) e a uva do monte (Vaccinium mrytillus).

7 Uma brisa de frescor e verdura no meio do Bosque Neste estrato a diversidade é muito grande, destacando-se, por exemplo:

8 II CIE - Recursos Naturais, Sustentabilidade e Humanidade - Maio 2010

9 Porte vegetativo - de 20 a 25m Floração flores masculinas amarelas e femininas esverdeadas, que florescem entre Abril e Junho. Frutificação - bolota ou glande bastante variável, arredondada no cimo e que amadurece em Outubro. Folhagem Folhas caducas e muito variáveis quanto ao recorte e às dimensões. Casca - Inicialmente lisa, parda a cinzenta-enegrecida, delgada ou pouco espessa que passa a ser grossa, com fendas longitudinais de cor cinzentaclara com a idade.

10 Porte vegetativo - de 20 a 25m Floração numerosas flores masculinas dispostas em grupos penduradas mas pouco firmes. As flores femininas são solitárias, estando dentro de uma cúpula com 3 a 6 estiletes. Frutificação - Bolotas cilíndricas, em grupos no meio das folhas. Amadurecem em Setembro ou de Outubro. Folhagem Semi-caducas, pois mantêm- se muito tempo na árvore após terem murchado bem como por se conservam verdes durante o Inverno nos indivíduos mais jovens. Casca - acinzentada ou parda-acinzentada, com muitas gretas pouco profundas nos indivíduos mais velhos.

11 Porte vegetativo 20m de altura. Floração flores masculinas de castanhas no Inverno passam a amareladas, as flores femininas inicialmente esverdeadas tornam-se castanhas e têm floração entre Abril e Maio. Frutificação forma cilíndrica pendente. Folhagem caduca. Casca branca e lustrosa ao iníci, tornando-se fendida e anegrado na base dos troncos adultos.

12 Família: LAURÁCEAS Espécie: Laurus nobilis Porte vegetativo - de 5 a 10 m de altura, podendo atingir 20 m. Floração - as flores masculinas são amareladas e as femininas brancas, ambas dispostas por grupos de 4-6. Abundante floração entre Fevereiro e Maio. Frutificação - as bagas, verdes de início ficam negras uma vez maduras, no princípio do Outono. Folhagem - folha perene, com glândulas aromáticas e as margens ligeiramente onduladas Casca - normalmente lisa, cinzenta ou enegrecida, tornando-se verrugosa com a idade.

13 Família: LILIACEAE Espécie: Ruscus aculeatus L. Porte vegetativo - subarbustiva de 2 a 6 dm. Floração - flores esverdeadas, inseridas na axila de uma pequena bráctea escariosa, que abrem de Março a Julho, perianto com as tépalas livres. Frutificação - baga globosa vermelha. Folhagem - folhas alternas, escamiformes e espinhosas no ápice. Caule - verde, muito ramoso, com cladódios ovado-aguçados (parecem folhas), rígidos e espinescentes

14 Família: CAPRIFOLIACEA Espécie: Sambucus nigra Porte vegetativo - arbusto de 4 metros (podendo chegar a 8-10 metros). Floração - flores pequenas e brancas. Frutificação - frutos em drupas globosas, de cor arroxeada ( quase negra ) quando maduros. Folhagem - com odor desagradável quando esmigalhadas. Caule - tortuoso com casca fissurada e acinzentada.

15 Incêndios Urbanização Introdução de espécies exóticas

16

17 Não se esqueçam de proteger os bosques!

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 5. 1.2 Enquadramento Histórico... 5

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 5. 1.2 Enquadramento Histórico... 5 RESUMO De outubro de 2013 a fevereiro de 2014 decorreu o segundo ano de (re)arborização apoiado pelo projeto Floresta Comum, sendo contudo a terceira campanha de (re)arborização apoiada pelo projeto, tendo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 255/X. Estabelece Medidas de Protecção aos Carvalhos e outras Espécies Autóctones da Flora Portuguesa.

PROJECTO DE LEI N.º 255/X. Estabelece Medidas de Protecção aos Carvalhos e outras Espécies Autóctones da Flora Portuguesa. PROJECTO DE LEI N.º 255/X Estabelece Medidas de Protecção aos Carvalhos e outras Espécies Autóctones da Flora Portuguesa. As florestas, e os ecossistemas que as mesmas suportam, constituem um património

Leia mais

ESPÉCIES ARBÓREAS INDÍGENAS EM PORTUGAL CONTINENTAL. Guia de utilização

ESPÉCIES ARBÓREAS INDÍGENAS EM PORTUGAL CONTINENTAL. Guia de utilização ESPÉCIES ARBÓREAS INDÍGENAS EM PORTUGAL CONTINENTAL Guia de utilização Ficha técnica Edição Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P. Coordenação Departamento de Gestão e Produção Florestal

Leia mais

ESPÉCIES ARBÓREAS INDÍGENAS EM PORTUGAL CONTINENTAL

ESPÉCIES ARBÓREAS INDÍGENAS EM PORTUGAL CONTINENTAL ESPÉCIES ARBÓREAS INDÍGENAS EM PORTUGAL CONTINENTAL GUIA DE UTILIZAÇÃO MARÇO 2013 Este documento está preparado para impressão frente-e-verso. ÍNDICE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1 2. IDENTIFICAÇÃO DAS ESPÉCIES

Leia mais

Projecto Criar Bosques

Projecto Criar Bosques Projecto Criar Bosques Apoio do GREEN CORK Criação de bosques autóctones na Serra Alvão e Baião Relatório Intermédio Época de plantação 2009/2010 Julho de 2010 1. Introdução A Quercus A.N.C.N. apresentou,

Leia mais

Castanea sativa Mill. 257 Exemplares no Parque

Castanea sativa Mill. 257 Exemplares no Parque Castanea sativa Mill. 257 Exemplares no Parque Família Fagaceae Nome Comum castanheiro, reboleiro, castanheiro-comum, castanheiro-vulgar Origem Originária da Europa, da zona dos Balcãs, Ásia Menor e Cáucaso,

Leia mais

As plantas também têm famílias?

As plantas também têm famílias? Cedro-do-líbano Cedrus libani As plantas também têm famílias? Para mais facilmente serem estudadas, as plantas (e todos os seres vivos) são organizadas consoante as suas características em diferentes grupos:

Leia mais

PROJECTO BOSQUES DO CENTENARIO Relatório n.º 01

PROJECTO BOSQUES DO CENTENARIO Relatório n.º 01 RELATÓRIO DO BOSQUES DO CENTENÁRIO Âmbito do Relatório: Conclusões da iniciativa Bosques do Centenário Grupos de trabalho: Quercus - Condomínio da Terra Green Cork CNCCR - Comissão Nacional para as Comemorações

Leia mais

BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats

BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats A Mata Nacional do Buçaco :: A Mata Nacional do Buçaco (MNB) constitui um património único, na sua componente natural e arquitetónica,

Leia mais

Validação da Cartografia de Habitats

Validação da Cartografia de Habitats LIFE Natureza Nº LIFE04/NAT/PT/000214: NORTENATUR Validação da Cartografia de Habitats 1. Material a. Fotografia área b. Carta Habitats c. Carta Militar d. Bússola e régua 2. Metodologia de Validação a.

Leia mais

LIFE TAXUS Um projeto para a Conservação de Boquetes de Teixo

LIFE TAXUS Um projeto para a Conservação de Boquetes de Teixo Nuno Forner Quercus LIFE TAXUS Um projeto para a Conservação de Boquetes de Teixo LIFE12 NAT/PT/950 Julho 2013 Dezembro 2016 Setúbal, 8 de Outubro 2015 O habitat: 9580 * Florestas mediterrânicas de Taxus

Leia mais

natureza, através da criação de um Parque Botânico e Zoológico na Quinta do Rebentão.

natureza, através da criação de um Parque Botânico e Zoológico na Quinta do Rebentão. UM FLAVIENSE UMA ÁRVORE O Município de Chaves pretende promover o relacionamento e a aproximação dos cidadãos com a natureza, através da criação de um Parque Botânico e Zoológico na Quinta do Rebentão.

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DA COMPONENTE SILVO-AMBIENTAL

NORMAS TÉCNICAS DA COMPONENTE SILVO-AMBIENTAL INTERVENÇÃO TERRITORIAL INTEGRADA Peneda-Gerês Melgaço Monção Merufe Lamas de Mouro Riba de Mouro Parada do Monte Gave Castro Laboreiro Tangil Sistelo Gavieira Cabreiro Sa Vilela Gondariz Carralcova Cabana

Leia mais

Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras

Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras Programa de Ocupação dos Tempos Livres RELATÓRIO DO PROJECTO Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras Julho de 2006 Programa de Ocupação dos Tempos Livres RELATÓRIO DO PROJECTO Controlo de Espécies

Leia mais

1.Arbutus unedo L.; 2.Ilex aquifolium L.; 3.Ginkgo biloda L.; 4.Phyllostachys bambusoides Siebold. & Zucc; 5.Erythrina caffra Thunb; 6.

1.Arbutus unedo L.; 2.Ilex aquifolium L.; 3.Ginkgo biloda L.; 4.Phyllostachys bambusoides Siebold. & Zucc; 5.Erythrina caffra Thunb; 6. 2 9 10 7 1 3 8 4 5 6 1.Arbutus unedo L.; 2.Ilex aquifolium L.; 3.Ginkgo biloda L.; 4.Phyllostachys bambusoides Siebold. & Zucc; 5.Erythrina caffra Thunb; 6. Euphorbia resinifera Berg.; 7.Ficus macrophylla

Leia mais

Projecto Criar Bosques

Projecto Criar Bosques Projecto Criar Bosques Relatório final Época de plantação 2012/2013 Outubro de 2013 1 1. Introdução A Quercus A.N.C.N. apresentou em 2008 o projecto Criar Bosques às entidades públicas com responsabilidade

Leia mais

COLÉGIO TERESIANO A Variedade dá Sabor à Vida Dia da Floresta Autóctone

COLÉGIO TERESIANO A Variedade dá Sabor à Vida Dia da Floresta Autóctone COLÉGIO TERESIANO A Variedade dá Sabor à Vida Só preservamos o que amamos. Só amamos o que percebemos. Só percebemos o que conhecemos. Baba Dioum ÍNDICE Nota Introdutória.... 4 As Árvores... 5 O que é

Leia mais

Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal

Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal Luis Ortiz Torres - UNIVERSIDADE DE VIGO Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal ATIVIDADE 3 - Logística do aproveitamento da biomassa

Leia mais

Precipitação nas cumeadas da Serra da Lousã

Precipitação nas cumeadas da Serra da Lousã TEMPERATURA: Temperatura média anual Temperatura média das máximas mensais Temperatura média das mínimas mensais Temperatura máxima absoluta 15º C 18.4º C 8.7º C 39.6º C Nº dias com Temperatura Máxima

Leia mais

ATLAS DAS PAISAGENS DO VALE DO MINHO

ATLAS DAS PAISAGENS DO VALE DO MINHO ATLAS DAS PAISAGENS DO VALE DO MINHO Introdução Biogeografia Ecossistemas Prancha de Ilustrações Projecto - Promoção e Sustentabilidade das Paisagens do Vale do Minho Associação de Municípios do Vale do

Leia mais

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia Vegetação A actuação na vegetação será diferenciada, à semelhança de outras situações, entre a actuação ao nível das linhas (troços) e das pontuações. A actuação nas pontuações deverá ser por sua vez hierarquizada

Leia mais

Inventariação dos Jardins da FEUP

Inventariação dos Jardins da FEUP Inventariação dos Jardins da FEUP Registo fotográfico das árvores do jardim Equipa 326: Ivo Felisberto João Castro João Covas João Sobreira José Ribeiro Relatório realizado no âmbito da unidade curricular

Leia mais

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 4. 1.2 Enquadramento histórico... 5

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 4. 1.2 Enquadramento histórico... 5 Apoio Científico RESUMO Foi na campanha de (re)arborização de 2011/12 (outubro 2011 fevereiro 2012) que se lançou o projeto piloto do Floresta Comum. O Ano Zero deste projeto teve como objetivo o desenvolvimento

Leia mais

Arbutus unedo L. 98 Exemplares no Parque

Arbutus unedo L. 98 Exemplares no Parque Arbutus unedo L. 98 Exemplares no Parque Família Ericaceae Nome Comum medronheiro, ervodo, ervedeiro, ervedo, êrvedo, medronheiro-comum Origem Irlanda, sul da Europa, norte de África, Palestina e Macaronésia.

Leia mais

Balanço Marta Pinto, Conceição Almeida Universidade Católica Portuguesa. Um projeto Coordenado Cofinanciado

Balanço Marta Pinto, Conceição Almeida Universidade Católica Portuguesa. Um projeto Coordenado Cofinanciado Balanço 211-213 11.9.213 Marta Pinto, Conceição Almeida Universidade Católica Portuguesa Um projeto Coordenado Cofinanciado queremos plantar e cuidar de 1. árvores nativas até 216 e temos na área metropolitana

Leia mais

CENASEF Centro Nacional de Sementes Florestais

CENASEF Centro Nacional de Sementes Florestais CENASEF Centro Nacional de Sementes Florestais Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas Sementes de Árvores e Arbustos Florestais Introdução... 3 Certificação e Comercialização de Materiais

Leia mais

GUIMARÃES PARQUES DE LAZER E JARDINS

GUIMARÃES PARQUES DE LAZER E JARDINS GUIMARÃES PARQUES DE LAZER E JARDINS 1 2 MAPA CONCELHO LEGENDA Parques 3 4 PARQUES NA CIDADE 5 6 PARQUE DA CIDADE PARQUE DA CIDADE 7 O Parque da Cidade, localizado na freguesia da Costa, compreende uma

Leia mais

RELATÓRIO 1818/2015/DGPF/ DAPFVRS PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MATERIAL FLORESTAL DE REPRODUÇÃO (MFR) RELATÓRIO DA CAMPANHA 2013-2014 NÚMERO DAPFVRS

RELATÓRIO 1818/2015/DGPF/ DAPFVRS PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MATERIAL FLORESTAL DE REPRODUÇÃO (MFR) RELATÓRIO DA CAMPANHA 2013-2014 NÚMERO DAPFVRS TÍTULO 1818/2015/DGPF/ PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MATERIAL FLORESTAL DE REPRODUÇÃO (MFR) DA CAMPANHA 2013-2014 Viveiro Florestal da Mata Nacional de Valverde 1/25 ÍNDICE Índice... 2 Sumário executivo...

Leia mais

INTERVENÇÃO TERRITORIAL INTEGRADA DA SERRA DA ESTRELA

INTERVENÇÃO TERRITORIAL INTEGRADA DA SERRA DA ESTRELA INTERVENÇÃO TERRITORIAL INTEGRADA DA SERRA DA ESTRELA Normativos técnicos Agro ambiental unidade de produção Estrutura Local de Apoio da Serra da Estrela INTERVENÇÃO TERRITORIAL INTEGRADA DA SERRA DA ESTRELA

Leia mais

Ginkgo biloba L. 64 Exemplares no Parque

Ginkgo biloba L. 64 Exemplares no Parque Ginkgo biloba L. 64 Exemplares no Parque Família Ginkgoaceae Nome Comum Ginkgo, árvore-dos-40-escudos, árvore-das-40-moedas, nogueira-do-japão Origem Noroeste da província de Zhejiang (China) e muito cultivado

Leia mais

A ESPÉCIE DA ESTAÇÃO. Ilex aquifolium L. Azevinho. Divisão Municipal de Ambiente e Conservação da Natureza Município de Oliveira de Azeméis

A ESPÉCIE DA ESTAÇÃO. Ilex aquifolium L. Azevinho. Divisão Municipal de Ambiente e Conservação da Natureza Município de Oliveira de Azeméis A ESPÉCIE DA ESTAÇÃO Ilex aquifolium L. Azevinho Divisão Municipal de Ambiente e Conservação da Natureza Município de Oliveira de Azeméis Dezembro de 2011 N.º 04/2011 1 INTRODUÇÃO O azevinho tem sido tradicionalmente

Leia mais

Quercus robur L. 603 Exemplares no Parque

Quercus robur L. 603 Exemplares no Parque Quercus robur L. 603 Exemplares no Parque Família Fagaceae Nome Comum Carvalho-alvarinho, carvalho-comum, carvalho-roble, carvalheira, roble- alvarinho, alvarinho Origem Europa e Ásia Ocidental. É espontânea

Leia mais

Registro Fotográfico

Registro Fotográfico PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Registro Fotográfico Figura 01: Vista geral do Pinus, onde se vê o tamanho da abertura no tronco e uma proteção que os funcionários

Leia mais

exposição sobre a nossa floresta autóctone

exposição sobre a nossa floresta autóctone exposição sobre a nossa floresta autóctone O que é uma floresta? A floresta é um sistema natural dominado por espécies arbóreas e com diversas espécies vegetais arbustivas e herbáceas, formando uma estrutura

Leia mais

3.9 Inventário e gestão da informação João Paulo Miranda de Castro, Luís Nunes e Paulo Cortez

3.9 Inventário e gestão da informação João Paulo Miranda de Castro, Luís Nunes e Paulo Cortez 3.9 Inventário e gestão da informação João Paulo Miranda de Castro, Luís Nunes e Paulo Cortez A árvore no meio urbano Na história de qualquer terra, aldeia ou cidade, como por exemplo Bragança, decerto

Leia mais

ÍNDICE. Resumo Introdução Vantagens da Floresta Autóctone Enquadramento Histórico... 5

ÍNDICE. Resumo Introdução Vantagens da Floresta Autóctone Enquadramento Histórico... 5 Apoio Científico RESUMO Na campanha de (re)arborização de 2012/13 (outubro 2012 fevereiro 2013), o projeto Floresta Comum promoveu a plantação de 52.158 plantas autóctones em 50 municípios portugueses.

Leia mais

Implantação de sebes no ecossistema vitícola

Implantação de sebes no ecossistema vitícola Implantação de sebes no ecossistema vitícola Quinta das Carvalhas, 29 Outubro 2012 Cristina Carlos LIFE 09 NAT/FR/000584 Porquê melhorar os habitats Promover a sustentabilidade do ecossistema vitícola

Leia mais

M A N E I R O D E L A M E I R O S 1 - INTRODUÇÃO

M A N E I R O D E L A M E I R O S 1 - INTRODUÇÃO M A N E I R O D E L A M E I R O S 1 - INTRODUÇÃO Para os tentar definir de uma forma simples, podemos dizer que os lameiros não são mais do que prados naturais permanentes, cujas bordaduras das parcelas

Leia mais

O que é uma Floresta?

O que é uma Floresta? A FLORESTA E O DESENVOLVIMENTO DA CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA O que é uma Floresta? É um sistema natural dominado por espécies arbóreas, com diversas espécies vegetais arbustivas e herbáceas e habitada por diferentes

Leia mais

Palavras-chave IMPACTE; EFEITO; AMBIENTE; ORIENTAÇÃO; ÁREA PROTEGIDA.

Palavras-chave IMPACTE; EFEITO; AMBIENTE; ORIENTAÇÃO; ÁREA PROTEGIDA. Palavras-chave IMPACTE; EFEITO; AMBIENTE; ORIENTAÇÃO; ÁREA PROTEGIDA. Resumo Em Fevereiro de 2001, no Mesio, área do Parque Nacional Peneda-Gerês (PNPG), tiveram lugar duas etapas do Portugal O Meeting

Leia mais

Biomas o nível superior das comunidades

Biomas o nível superior das comunidades Biomas o nível superior das comunidades As comunidades de seres vivos podem ser caracterizadas a vários níveis. Os biomas correspondem a grandes biossistemas regionais, representados por um tipo principal

Leia mais

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de árvores presentes nas trilhas no Parque do Zizo. Janeiro

Leia mais

árvore nativa biodiversidade também se planta

árvore nativa biodiversidade também se planta árvore nativa biodiversidade também se planta Biodiversidade São as diversas formas de manifestação da vida no planeta Terra microbactérias, plantas, animais, homens e todas as relações de interdependência

Leia mais

DIRECÇÃO GERAL DE ENERGIA E GEOLOGIA PROJECTO INTEGRADO DO NÚCLEO DE PEDREIRAS DA MATA DE SESIMBRA: A VISÃO DO PROMOTOR, PROJECTISTA E PROPRIETÁRIO.

DIRECÇÃO GERAL DE ENERGIA E GEOLOGIA PROJECTO INTEGRADO DO NÚCLEO DE PEDREIRAS DA MATA DE SESIMBRA: A VISÃO DO PROMOTOR, PROJECTISTA E PROPRIETÁRIO. PROJECTO INTEGRADO DO NÚCLEO DE PEDREIRAS DA MATA DE SESIMBRA: A VISÃO DO PROMOTOR ENQUADRAMENTO Todas as pedreiras se encontravam licenciadas antes da publicação do PDM de Sesimbra (ratificado em 1998

Leia mais

RESULTADOS PRELIMINARES EM ENSAIOS GENÉTICOS DE SOBREIRO.

RESULTADOS PRELIMINARES EM ENSAIOS GENÉTICOS DE SOBREIRO. RESULTADOS PRELIMINARES EM ENSAIOS GENÉTICOS DE SOBREIRO. ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DE CORTES DE FORMAÇÃO. Projecto Fundo Florestal Permanente Projecto nº 2005.09.002239.2 Importância genética na

Leia mais

CENTRO DE INTERPRETAÇÃO CIENTIFICO AMBIENTAL DAS GRUTAS DA MOEDA

CENTRO DE INTERPRETAÇÃO CIENTIFICO AMBIENTAL DAS GRUTAS DA MOEDA CENTRO DE INTERPRETAÇÃO CIENTIFICO AMBIENTAL DAS GRUTAS DA MOEDA Biodiversidade ou diversidade biológica é a variedade de organismos existentes na Terra. Por biodiversidade entende-se não só a diversidade

Leia mais

A segurança nos parques urbanos Gestão do risco das árvores ornamentais

A segurança nos parques urbanos Gestão do risco das árvores ornamentais A segurança nos parques urbanos Gestão do risco das árvores ornamentais Luís Miguel Martins UTAD, Vila Real lmartins@utad.pt VN Famalicão, 24-25 Outubro 2012 A segurança nos parques urbanos Gestão do risco

Leia mais

Título: Da semente se faz a árvore - Reprodução por semente de árvores e arbustos autóctones

Título: Da semente se faz a árvore - Reprodução por semente de árvores e arbustos autóctones Título: Da semente se faz a árvore - Reprodução por semente de árvores e arbustos autóctones Autor: Paulo Rocha Monteiro Editor: QUERCUS - Associação Nacional de Conservação da Natureza Centro Associativo

Leia mais

Produção e Comercialização de Materiais Florestais de Reprodução

Produção e Comercialização de Materiais Florestais de Reprodução Produção e Comercialização de Materiais Florestais de Reprodução Dina Ribeiro ISA 30 de Novembro 2006 Direcção ão-geral dos Recursos Florestais Enquadramento histórico 1992 1966 Reconhecimento da importância

Leia mais

A FLORESTA RELÍQUIA DA SERRA DE SINTRA CONVENTO DOS CAPUCHOS

A FLORESTA RELÍQUIA DA SERRA DE SINTRA CONVENTO DOS CAPUCHOS A FLORESTA RELÍQUIA DA SERRA DE SINTRA CONVENTO DOS CAPUCHOS BIOLOGIA NO VERÃO 2006 2 BIOLOGIA NO VERÃO PROGRAMA CIÊNCIA VIVA A Biologia no Verão é uma iniciativa do programa Ciência Viva do Ministério

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Cerrado em foco. Ecossistema. Pequi

Cerrado em foco. Ecossistema. Pequi Cerrado em foco Ecossistema Pequi O Ecossistema é o conjunto formado por dois grandes grupos, os seres que tem vida e os que não tem. Tudo o que tem vida, é chamado de ser biótico. São as plantas, os animais,

Leia mais

Biomas e formações vegetais mundiais

Biomas e formações vegetais mundiais Biomas e formações vegetais mundiais Bioma é uma comunidade biológica, ou seja, a fauna e a flora e suas interações entre si e com o ambiente físico, o solo, a água, o ar. O bioma da Terra compreende a

Leia mais

Elementos e Fatores de Diferenciação

Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO E ZONEAMENTO CLIMÁTICO A interferência climática sobre a cobertura vegetal é um dos principais fatores que possibilitam uma pluralidade paisagística.

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

9230 Carvalhais galaico-portugueses de Quercus robur e Quercus pyrenaica

9230 Carvalhais galaico-portugueses de Quercus robur e Quercus pyrenaica 9230 Carvalhais galaico-portugueses de Quercus robur e Quercus pyrenaica Código EUNIS 2002 G1.7 Código Paleártico 2001 41.6 CORINE Land Cover 3.1.1 Carvalhal de Quercus robur e Q. pyrenaica Alto Minho

Leia mais

Cristian Perroni Professor: Fernando Pires Disciplina: Fotografia Ambiental Flora Ipê Amarelo /Roxo

Cristian Perroni Professor: Fernando Pires Disciplina: Fotografia Ambiental Flora Ipê Amarelo /Roxo Cristian Perroni Professor: Fernando Pires Disciplina: Fotografia Ambiental Flora Ipê Amarelo /Roxo Ipê - Amarelo Nome científico: Tabebuia pulcherrima Nomes populares: ipê-amarelo, ipê-da-praia Família:

Leia mais

Tabela de taxas e preços bens e serviços junho 2017

Tabela de taxas e preços bens e serviços junho 2017 Tabela de taxas e preços Preço 2017 IVA Notas 1. DESLOCAÇÕES 1.1 Taxa de deslocação - valor ao Km (exceto para ponto 11.3.2) 0,53 Não sujeito nº.2 artº.2º 1 2. BENS DE ORIGEM CINEGÉTICA 2.1 Marcação de

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia Análise Biofísica Clima Na região Norte o clima é muito diversificado e deve-se essencialmente à conjugação de três variáveis fundamentais: a orografia, a proximidade do oceano e a latitude. A influência

Leia mais

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Ásia (Coreia, Japão, e partes da China), sul da Austrália

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

O Azereiro (Prunus lusitanica L.): uma monografia

O Azereiro (Prunus lusitanica L.): uma monografia O Azereiro (Prunus lusitanica L.): uma monografia J. Antunes e M.M. Ribeiro Departamento de Silvicultura e Recursos Naturais, Escola Superior Agrária de Castelo Branco, Quinta da Senhora de Mércules, 6001-909

Leia mais

Laurus nobilis L. 237 Exemplares no Parque

Laurus nobilis L. 237 Exemplares no Parque Laurus nobilis L. 237 Exemplares no Parque Família Lauraceae Nome Comum Loureiro, louro, sempreverde, loureiro-comum, loureiro-dos-poetas, loureiro-vulgar Origem Ásia Menor e toda a Região Mediterrânica.

Leia mais

Acacia dealbata Link. 20 Exemplares no Parque

Acacia dealbata Link. 20 Exemplares no Parque Acacia dealbata Link. 20 Exemplares no Parque Família Leguminosae Nome Comum mimosa, acácia-dealbada, acácia-dealbata, acácia-praga, acácia, acácia-mimosa Origem Austrália (Sudeste da Austrália e Tasmânia).

Leia mais

POSTO TERRITORIAL DA G.N.R. RESENDE

POSTO TERRITORIAL DA G.N.R. RESENDE D.G.I.E.- DIRECÇÃO GERAL DE INFRA- ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS POSTO TERRITORIAL DA G.N.R. RESENDE VOLUME 1 - ARQUITECTURA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA PROJECTO DE EXECUÇÃO - ARQ. PAISAGISTA (Imagem)

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

SÍTIO SERRA DA LOUSÃ CÓDIGO PTCON0060 DATA E DIPLOMA DE CLASSIFICAÇÃO Resolução do Conselho de Ministros n.º 76/00 de 5 de Julho ÁREA 15 158 ha CÓDIGOS NUT PT124 - Pinhal Interior Norte - 100 % CONCELHOS

Leia mais

CAVA A DOIS TEMPOS. 47. quarenta e sete.

CAVA A DOIS TEMPOS. 47. quarenta e sete. 47. quarenta e sete. CAVA A DOIS TEMPOS luís mariapais cabelos loiros e olhos esverdeados, com os seus catorze anos. Os dois rapazes viviam num edifício antigo, de paredes grossas de uma pedra acinzentada,

Leia mais

Cupressus sempervirens L. 104 Exemplares no Parque

Cupressus sempervirens L. 104 Exemplares no Parque Cupressus sempervirens L. 104 Exemplares no Parque Família Cupressaceae Nome Comum Cipreste-dos-cemitérios, cipreste, cipreste-comum, cipreste-de-itália, falso-cedro Origem Europa e Ásia (montanhas semiáridas

Leia mais

Eucalyptus globulus Labill. subsp. globulus. 124 Exemplares no Parque

Eucalyptus globulus Labill. subsp. globulus. 124 Exemplares no Parque Eucalyptus globulus Labill. subsp. globulus 124 Exemplares no Parque Família Myrtaceae Nome Comum Eucalipto, eucalipto-comum, calipse, calipes, calipto, eucalipto, gomeiro-azul Origem Oceânia (Região litoral

Leia mais

Parque Nacional da Peneda-Gerês

Parque Nacional da Peneda-Gerês 1 2 AJB Parque Nacional da Peneda-Gerês O Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG) integra a Rede Nacional de Áreas Protegidas, gerida pelo Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).Com os

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Projeto Guimarães mais Floresta

Projeto Guimarães mais Floresta Projeto Guimarães mais Floresta 3 Palavras-Chave árvores, cidadania, comunidade, crianças, floresta autóctone, futuro, plantar, proteção, reutilização, sustentabilidade. Enquadramento Inspirado no conceito

Leia mais

C. D. Costa Maria do Carmo de C. D. Maria do Carmo de

C. D. Costa Maria do Carmo de C. D. Maria do Carmo de C. D. Costa Maria do Carmo de C. D. Costa ANGIOSPERMAS FAMÍLIA ARACEAE Maria do Carmo de CLASSIFICAÇÃO - ENGLER DIVISÃO ---> Angiospermae CLASSE ---> Monocotyledonae ORDEM ---> Spathiflorae FAMÍLIA --->

Leia mais

6.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL

6.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL 6.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL I F N 6 Áreas dos usos do solo e das espécies florestais de Portugal continental 1995 2005 2010 v1.1 fevereiro 2013 Evolução das áreas de uso/ocupação do solo de Portugal

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

TOTAL de Tudo. Page 1

TOTAL de Tudo. Page 1 TOTAL de Tudo Ref_ Produto Moeda Uni Imposto Disponivel Preço Soma 98 Protetores Ind. Plantas Microperfurados EUR UNI IVA 13% 500 0,60 300,00 96 Tilia cordata EUR UNI IVA 6% 10 6,00 60,00 94 PLATANUS EUR

Leia mais

Juglans regia L. 7 Exemplares no Parque

Juglans regia L. 7 Exemplares no Parque Juglans regia L. 7 Exemplares no Parque Família Juglandaceae Nome Comum Nogueira, nogueira-comum, nogueira-europeia Origem Grécia e região Balcânica, naturalizada a sul e oeste da Europa e norte de Portugal.

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

PROFESSORA SANDRA BIANCHI REPRODUÇÃO SEXUADA DE VEGETAIS

PROFESSORA SANDRA BIANCHI REPRODUÇÃO SEXUADA DE VEGETAIS PROFESSORA SANDRA BIANCHI REPRODUÇÃO SEXUADA DE VEGETAIS CICLO DIPLOBIONTE OU METAGÊNESE MEIOSE ESPÓRICA OU INTERMEDIÁRIA FIGURA REPRESENTATIVA DE UM MUSGO (Politricum sp) CICLO DE VIDA DE BRIÓFITAS MUSGO

Leia mais

O Risco dos Incêndios Florestais

O Risco dos Incêndios Florestais Estratégias de Gestão do Risco de Incêndio Florestal, 18 de Março, Lisboa O Risco dos Incêndios Florestais Paulo Fernandes Dept. Ciências Florestais e Arquitectura Paisagista, Universidade de Trás-os-Montes

Leia mais

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita,

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita, INGÁ-QUATRO-QUINAS Nome científico: Inga vera Willd. Nome popular: ingá-quatro-quinas Família: Leguminosae-Mimosoideae Classificação: espécie pioneira Porte arbóreo: (5-10 m) Zona de ocorrência natural:

Leia mais

A principal função da flor numa planta é a de reprodução. As flores de uma planta são constituídas por (Figura 1):

A principal função da flor numa planta é a de reprodução. As flores de uma planta são constituídas por (Figura 1): 1. Reprodução das plantas com flor 1.1. Flor principal função da flor numa planta é a de reprodução. s flores de uma planta são constituídas por (Figura 1): Figura 1 onstituição de uma flor completa de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Registro fotográfico da Ficus elastica com diagnóstico de declínio ocasionado por Ganoderma applanatum Figura 01 Ficus elastica, vista parcial do tronco e raízes tabulares. Foto: Sandra Graciele Pereira

Leia mais

IC II Lab. Geo Física. Aula 5. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com

IC II Lab. Geo Física. Aula 5. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com IC II Lab. Geo Física Aula 5 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Domínios vegetacionais e faunísticos Mudanças climáticas e seres vivos Domínios Morfoclimáticos

Leia mais

Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

Maria Cristina Duarte - Ilídio Moreira FLORA AQUÁTICA E RIBEIRINHA

Maria Cristina Duarte - Ilídio Moreira FLORA AQUÁTICA E RIBEIRINHA Maria Cristina Duarte - Ilídio Moreira FLORA AQUÁTICA E RIBEIRINHA Título: FLORA AQUÁTICA E RIBEIRINHA Editor: Administração da Região Hidrográfica do Algarve, I.P. Autores: Maria Cristina Duarte Investigadora

Leia mais

- FLORESTA CAIXA - AÇÕES DE REFLORESTAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS

- FLORESTA CAIXA - AÇÕES DE REFLORESTAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS - FLORESTA CAIXA - AÇÕES DE REFLORESTAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS 2006-2015 2015 Tapada Nacional de Mafra, Encosta do Alto do Assobio/Barroca Nº. de Árvores: 700 Nº. de Árvores: Sobreiro, Pinheiro

Leia mais

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO 1 Ações novidade no Plano de 2014 Ambiente Protocolo da Fundação Luso & Quercus Desenvolvimento de ações de valorização do ecossistemas na serra do Buçaco e a plantação

Leia mais

Sistemas silvopastoris em Portugal: Situação Actual e Perspectivas futuras

Sistemas silvopastoris em Portugal: Situação Actual e Perspectivas futuras Sistemas silvopastoris em Portugal: Situação Actual e Perspectivas futuras Marina Meca Ferreira de Castro ESAB História Introducción à l agroforestrie (92/93) Master Pastoralisme Projecto ALWAYS (93-96)

Leia mais

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012 Ecologia II: Ecossistemas fluviais Manuela Abelho 2012 3.1 Funções 3. ZONA RIPÍCOLA 2 Zonas ripícolas Espaços abertos que bordeiam os rios estabelecendo o seu limite e constituem a zona de transição entre

Leia mais

Um bosque perto de si

Um bosque perto de si A ligação entre os conteúdos curriculares e a realidade, valorizando os recursos naturais locais, permitiu que os alunos compreendessem a importância da biodiversidade e da necessidade da sua preservação.

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

Espécies com ocorrência em terras altas

Espécies com ocorrência em terras altas Espécies com ocorrência em terras altas 5 espécies arbóreas: (relíquias das terras altas) - Bétula ou vidoeiro -Teixo - Azevinho -Zimbro - Tramazeira Espécies algo raras que vão persistindo graças à longa

Leia mais

Projecto Green Cork. Plantações 2010/2011. Criação de Bosques Autóctones com as rolhas de cortiça

Projecto Green Cork. Plantações 2010/2011. Criação de Bosques Autóctones com as rolhas de cortiça Projecto Green Cork Plantações 2010/2011 Criação de Bosques Autóctones com as rolhas de cortiça 1. Introdução O projecto Green Cork apoiou vários projectos de plantação de espécies arbóreas, em que se

Leia mais

Anexamos apresentação sobre o projecto Berçário de Plantas do Campo Nacional de Actividades Escutistas CNAE; da Idanha-a-Nova.

Anexamos apresentação sobre o projecto Berçário de Plantas do Campo Nacional de Actividades Escutistas CNAE; da Idanha-a-Nova. De: Para: Assunto: Data: Circular: Secretário Nacional para a Gestão Juntas de Núcleo e Juntas Regionais Reflorestação do CNAE 17-10-2011 11-1-082 Caros Irmãos Dirigentes, Anexamos apresentação sobre o

Leia mais