PERFIL DO SEU MUNICÍPIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL DO SEU MUNICÍPIO"

Transcrição

1 1 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DAS FINANÇAS INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E MEIO AMBIENTE DO RIO GRANDE DO NORTE COORDENADORIA DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS PERFIL DO SEU MUNICÍPIO Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

2 2 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Gvernadra Rsalba Ciarlini Rsad Secretári de Estad d Mei Ambiente e ds Recurss Hídrics - SEMARH Antôni Gilbert de Oliveira Jales Secretári de Estad d Planejament e das Finanças - SEPLAN Francisc Obery Rdrigues Júnir Institut de Desenvlviment Sustentável e Mei Ambiente d Ri Grande d Nrte - IDEMA Diretr Geral Manel Jamir Fernandes Junir Diretr Técnic Sergi Maêd Diretr Administrativ e Financeir Gutsn Jhnsn Ginany R. Bezerra Crdenadria de Estuds Sciecnômics - CES Crdenadra Maria Anelise Arauj Maia Equipe Técnica Maria Adelaide Gadêlha Gril de Medeirs Maria Helena Alves ds Sants Maria Luzinete da Silva Maria Snia d Nasciment Rebuças Sônia Márcia Freire Magalhães Diagramaçã Jnilsn de Suza Figueired Clabraçã Rafael Crdeir Arauj Equipe Técnica da Crdenadria de Estuds Sciecnômics CES Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

3 3 APRESENTAÇÃO O Institut de Desenvlviment Sustentável e Mei Ambiente d Ri Grande d Nrte - IDEMA, n cumpriment de uma das suas cmpetências, apresenta dcument Perfil d Seu Municípi 2013, uma nva versã d Infrmativ Municipal, cuj bjetiv fundamental é de dispnibilizar infrmações sciecnômicas, plíticas e ambientais que subsidiem a elabraçã de plíticas públicas e rientem planejament de frma sustentável. A cntemplar s 167 municípis d estad d Ri Grande d Nrte, Perfil d Seu Municípi 2013, destina-se a gestres públics, instituições acadêmicas, rganizações civis, pesquisadres e ppulaçã em geral que desejar bter de frma bjetiva e abrangente, infrmações acerca d seu municípi que pssibilitem a cmpreensã da dinâmica na qual se inserem. Cmpst essencialmente pr infrmações de caráter secundári, Perfil d Seu Municípi 2013 recrre a valisa clabraçã de diverss órgãs, nssas fntes de infrmações, sem s quais nã seria pssível a realizaçã deste trabalh. Manel Jamir Fernandes Junir Diretr Geral Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

4 4 LISTA DE SIGLAS CAERN Cmpanhia de Águas e Esgts d Ri Grande d Nrte CES Crdenadria de Estuds Sciecnômics COSERN Cmpanhia Energética d Ri Grande d Nrte DETRAN Departament Estadual de Trânsit ECT Empresa Brasileira de Crreis e Telégrafs IBAMA Institut Brasileir d Mei Ambiente e ds Recurss Naturais Renváveis IBGE Fundaçã Institut Brasileir de Gegrafia e Estatística IDEB Índice de Desenvlviment da Educaçã Básica IDEMA Institut de Desenvlviment Sustentável e Mei Ambiente d Ri Grande d Nrte IDH Índice de Desenvlviment Human IDH-M Índice de Desenvlviment Human Municipal MEC Ministéri da Educaçã PEA Ppulaçã Ecnmicamente Ativa PETROBRAS Petróle Brasileir S/A PIA Ppulaçã em Idade Ativa SECD Secretaria de Estad da Educaçã, da Cultura e ds Desprts SEMARH Secretaria de Estad d Mei Ambiente e ds Recurss Hídrics SEPLAN Secretaria de Estad d Planejament e das Finanças SESAP Secretaria de Estad da Saúde Pública SETUR Secretaria de Estad d Turism STTU Secretaria Municipal de Transprtes e Trânsit Urban SUS Sistema Únic de Saúde TCE Tribunal de Cntas d Estad TELEMAR Telecmunicações d Ri Grande d Nrte TRE Tribunal Reginal Eleitral URBANA Cmpanhia de Serviçs Urbans de Natal LISTA DE CONVENÇÕES... O dad é descnhecid, pdend existir u nã existir. - O fenômen nã existe. 0 O dad existe, mas seu valr é inferir a unidade adtada na tabela. X Dad mitid a fim de evitar a individualizaçã das infrmações. Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

5 5 SUMÁRIO 1 HISTÓRICO IDENTIFICAÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 3 ASPECTOS GEOGRÁFICOS E AMBIENTAIS LOCALIZAÇÃO, ÁREA, ALTITUDE DA SEDE, DISTÂNCIA EM RELAÇÃO À CAPITAL E LIMITES CLIMA FORMAÇÃO VEGETAL SOLOS RELEVO ASPECTOS GEOLÓGICOS E GEOMORFOLÓGICOS RECURSOS HÍDRICOS SÍTIO NATURAL... Err! Indicadr nã definid. 3.9 ÁREA DE CONSERVAÇÃO... Err! Indicadr nã definid BENS TOMBADOS... Err! Indicadr nã definid. 4 DEMOGRAFIA SERVIÇOS BÁSICOS SAÚDE EDUCAÇÃO HABITAÇÃO E SANEAMENTO BÁSICO JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA INFRAESTRUTURA TRANSPORTE ENERGIA ELÉTRICA ABASTECIMENTO DE ÁGUA COMUNICAÇÃO ECONOMIA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA, PESCA, EXTRAÇÃO VEGETAL E SILVICULTURA INDÚSTRIA EXTRATIVA E DE TRANSFORMAÇÃO COMÉRCIO E SERVIÇOS FINANÇAS PÚBLICAS INFORMAÇÕES SOCIOCULTURAIS ESTRUTURA POLÍTICO-ADMINISTRATIVA REFERÊNCIAS ANEXOS Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

6 6 Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

7 6 1 HISTÓRICO N an de 1737, à margem direita d ri Trairi, já existia a fazenda Quirambu de prpriedade de Jã Francisc Ribeir. A pvaçã surgiu a partir da existência de atividades agríclas e pecuárias. Em meads d sécul XIX, cmerciante Antôni Miranda que se destacava na lcalidade pr causa d seu estil própri, fez história n mei d pv. Era prprietári de um engenh rústic de cana-de-açúcar para prduzir rapadura a aguardente. Cm ele nã se precupava cm s resídus da cana, espalhava s bagaçs restantes das magens pels arredres da pvaçã e fi devid a grande quantidade de bagaç espalhad pelas redndezas que a lcalidade ganhu apelid de Bagaç. N final d sécul XIX, em área que era um ds caminhs de Macaíba, passu a chamar-se Mnte Alegre. O pvad cntinuu crescend e n an de 1905, tinha iníci à cnstruçã da igreja, de nvas mradias e escla. Grandes safras fram clhidas e a fartura existia na mesa d pv. N an de 1938 fi criad distrit de Mnte Alegre, pertencente a Sã Jsé de Mipibu. Em 1943, em hmenagem a sua rigem, distrit passu a se chamar Quirambu, mas fi pr puc temp, pis em 1948 vltu a se chamar Mnte Alegre. Depis de cinc ans, em 25 de nvembr de 1953, pela Lei nº 929, Mnte Alegre desmembru-se de Sã Jsé de Mipibu e trnu-se municípi. 2. IDENTIFICAÇÃO Nme d Municípi: Mnte Alegre Lei de Criaçã: n 929 Data: 25/11/1953 Desmembrad de: Sã Jsé de Mipibu Micrrregiã d IBGE: Agreste Ptiguar Zna Hmgênea d Planejament: Litral Oriental 3 ASPECTOS GEOGRÁFICOS E AMBIENTAIS 3.1 LOCALIZAÇÃO, ÁREA, ALTITUDE DA SEDE, DISTÂNCIA EM RELAÇÃO À CAPITAL E LIMITES Crdenadas Gegráficas: latitude: 6º Sul Área: 211,30 Altitude da Sede: 52 metrs Distância em Relaçã à Capital: 34 km lngitude: 35º Oeste Limites: Nrte Sã Jsé de Mipibu e Vera Cruz Sul Laga de Pedras, Brejinh, Jundiá e Sã Jsé de Mipibu Leste Sã Jsé de Mipibu Oeste Laga Salgada e Laga de Pedras 3.2 CLIMA Tip: clima trpical chuvs. Precipitaçã Pluvimétrica Anual (2010): nrmal: - bservada: - desvi: - - Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

8 7 Períd Chuvs: març a agst Temperaturas Médias Anuais: máxima: 32,0 C média: 26,3 C mínima: 21,0 C Umidade Relativa Média Anual: 76% Hras de Inslaçã: FORMAÇÃO VEGETAL Flresta Subpereninfólia - vegetaçã cnstituída pr sempre verdes, pssuem grande númer de flhas largas, trncs relativamente delgads, densa e sl apresenta-se recbert pr uma camada de húmus. Flresta Subcaducifólia - vegetaçã que caracteriza pela queda das flhas das árvres durante períd sec. 3.4 SOLOS Sls predminantes e características principais: Latssl Vermelh Amarel Distrófic - fertilidade natural baixa, textura média, relev plan, frtemente drenad, muit prfunds e prss. Sls Aluviais Eutrófics - fertilidade natural alta, textura argil-arensa, aren-argilsa, relev plant, imperfeitamente a mderadamente drenads, medianamente prfunds. Us: s Latssls, em certs trechs, sã utilizads cm fruticultura (manga, banana), além de mandica, milh, feijã e pastagens, recmenda-se adubações e irrigaçã, n períd sec. Os sls Aluviais Eutrófics sã cultivads, na mair parte da área, cm a cultura da cana-de-açúcar e pastagens, além de fruticultura (cqueirs, mangueiras, laranjeiras, bananeiras e mameirs). Estes sls devem ser usads intensivamente cm agricultura. Destaca-se nas culturas d feijã, caju, batata dce e mandica. Aptidã Agrícla: regular para lavuras. Pequena área cm terras aptas para culturas de cicl curt (sls aluviais) e terras aptas para dis cultivs pr an. Sistema de Manej: baixa, médi e alt nível tecnlógic. As práticas agríclas dependem tant d trabalh braçal e da traçã animal, cm implements agríclas simples, cm da mtmecanizaçã. 3.5 RELEVO Mens de 100 metrs de altitude. Depressã sub-litrânea - terrens rebaixads, lcalizads entre duas frmas de relev de mair altitude. Ocrre entre s Tabuleirs Csteirs e Planalt da Brbrema. 3.6 ASPECTOS GEOLÓGICOS E GEOMORFOLÓGICOS Gelgicamente a área d municípi abrange terrens pertencentes a Embasament Cristalin e Grup Barreiras, nde Embasament Cristalin, de Idade Pré-Cambriana Média ( milhões de ans), situa-se a Oeste da faixa de cntat entre as unidades e é caracterizad pr migmatits, gnaisses, xists, anfiblits e granits. O Grup Barreiras, de Idade Terciária (7 milhões de ans) situase a Leste e é caracterizad pr arenits fins a médis, u cnglmerátics, cm intercalações de siltits e argilits, dminantemente assciads a sistemas fluviais. Lcalmente estã presentes cberturas cluvi-eluviais recentes, que frmam sls arenss incnslidads, altamente lixiviads e de ba drenagem. Ns vales ds leits d ri Trairi encntram-se Depósits aluvinares cmpsts de areias e cascalhs, cm intercalações pelíticas, assciads as sistemas fluviais atuais, frmand uma planície fluvial, área plana resultante da acumulaçã fluvial sujeita a inundações periódicas. Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

9 Gemrflgicamente predminam frmas tabulares de relevs, de tp plan, cm diferentes rdens de grandeza e de aprfundament de drenagem, separads geralmente pr vales de fund plan. Ocrrências Minerais Areia - s principais uss e aplicações d mineral de quartz e da areia quartzsa industrial, sã cm fnte de silíci, muit usad em indústrias de alta tecnlgia (eletrônica, ótica, cerâmica, telecmunicações, infrmática e utrs), nas industrias de vidr, cerâmica, ciment, fertilizantes e defensivs agríclas, fundiçã, siderurgia, abrasivs, refretáris ácids, meis filtrantes, meis de trca térmica, padrã para medidas físicas, em desmnte hidraúlic de minéris, dentre utrs. Argila para cerâmica vermelha - também denminada cerâmica estrutural, cmpreende a parte da cerâmica que englba tds s prduts que apresentam cr vermelha após a queima após a queima a 950ºC. Estes prduts sã utilizads, em sua mairia, na cnstruçã civil, cm tijls, telhas, blcs, lajes, lajtas e utrs artefats. Diatmita - industrialmente, pssui uma extensa e variada aplicaçã, as principais sã cm agente filtrante, islante, de carga industrial u enchiment, de suprte absrvente e abrasiv, dentre utrs, abrangend as indústrias química, islantes, bebidas, prduts alimentícis, materiais plástics, farmacêutica perfumaria, brracha, papel e papelã. Recurss Minerais Assciads Cmplex Gnáissic-Migmatític - rcha rnamental especialmente migmatits utilizad em pis e revestiment; brita e rcha dimensinada utilizada para cnstruçã civil. Grup Barreiras e Palecascalheiras - cascalh, material utilizads para cnstruçã civil; seixs e calhaus de calcedônia, utilizada em artesanat mineral e em minhs de blas, água mineral, utilizada para cnsum human. Depósits Aluvinares e Depósits de Lagas - bancs de areias e cascalh, materiais utilizads para cnstruçã civil RECURSOS HÍDRICOS Hidrgelgia Aqüífer Cristalin - englba tdas as rchas cristalinas, nde armazenament de águas subterrâneas smente se trna pssível em áreas, que a gelgia lcal apresenta fraturas assciadas a uma cbertura de sls residuais significativa. Os pçs perfurads apresentam uma vazã média, baixa de 3,05 m³/h e uma prfundidade de até 60 m³, cm água cmumente apresentand alt ter salin de 480 a mg/l cm restrições para cnsum human e us agrícla. Aqüífer Aluviã - apresenta-se dispers, send cnstituíd pels sediments depsitads ns leits e terraçs ds ris e riachs de mair prte. Estes depósits caracterizam-se pela alta permeabilidade, bas cndições de realimentaçã e uma prfundidade média em trn de 7 metrs. A qualidade da água geralmente é ba e puc explrada. Aqüífer Barreiras - apresenta-se cnfinad, semicnfinad e livre em algumas áreas. Os pçs cnstruíds mstram capacidades máximas de vazã, variand entre 5 a 100 m³ / h, cm águas de excelente qualidade química, cm baixs teres de sódi e pdend ser utilizada praticamente para tds s fins. Hidrlgia O municípi encntra-se cm 100% d seu territóri inserid na Bacia Hidrgráfica d ri Trairi. Ris: Trairi, Araraí Riachs: d Brej, Catlé, Vera Cruz. Lagas: da Carnaúba, ds Marcs, Xique-Xique, ds Cavals, Cajueir, ds Pagões. Açudes cm Capacidade de Acumulaçã Superir a m³: Inexistente O municípi nã dispõe de mananciais cm qualidade e quantidade que permitam a implantaçã de bras de abasteciment. Prtant, faz-se necessári beneficiament de ferta de água através d Sistema Adutr Agreste/Trairi/Ptengi, que tem cm bjetiv abasteciment human e dessedentaçã animal. Também cnhecid cm Adutra Mnsenhr Expedit, sistema pssui uma extensã ttal de 316 km, a captaçã de água é feita n Sistema Lacustre Bnfim, lcalizad n municípi de Nísia Flresta e pssibilita uma vazã ttal de 452,32 l/s u 1.628,35 m³/h. Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

10 9 Pçs perfurads de 1980 a 2012: 67 Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

11 10 4 DEMOGRAFIA O presente item apresenta s principais indicadres ppulacinais, incluind algumas infrmações acerca ds registrs civis e da renda pr chefe de dmicíli. TABELA 4.1 Perfil ppulacinal 2010 Ppulaçã Ttal Hmem Mulher Urbana Rural Esperança de Vida a Nascer Mrtalidade Infantil Taxa de Fecundidade 2.58 Índice de Desenvlviment Human Renda Lngevidade Educaçã Ranking IDH Nacinal Estadual 73 Taxa de Cresciment (1) 0,92 Taxa de Alfabetizaçã 13,45 Taxa de Urbanizaçã 43,5 Indicadres de Pbreza (2) % de Indigentes 44,58 % de Pbres 70,68 Densidade Demgráfica 97,87 % Chefe de Dmicíli (2) Ganhand até 1 S. M Ganhand mais de 1 até 2 S. M Ganhand mais de 2 S. M. 618 Sem Rendiment 342 Fnte: IBGE Nta: (1) Taxa de cresciment crrespndente a períd de 2000/2010. (2) Referente a 2000 TABELA 4.2 Ppulaçã pr sex e faixa etária Faixa Ttal Hmem Mulher Mens de a a a a a a a a a a ans a mais Fnte: IBGE 14% 10% 1% Ppulaçã pr faixa etária TABELA 4.3 Registr civil Especificaçã Nascids vivs pr lugar de registr Nascids vivs pr lugar de residência da mãe Óbits pr lugar de registr Casaments pr lugar de registr Separações Judiciais pr lugar de açã d prcess Divórcis pr lugar de açã d prcess Fnte: IBGE Registrs TABELA 4.4 Dmicílis particulares e cletivs Tip Ttal Ttal de dmicílis particulares Ocupads Nã cupads fechads 157 Nã cupads de us 346 Nã cupads vags Ttal de dmicílis cletivs 3 Cm mradr 2 Sem mradr 1 Fnte: IBGE 5 SERVIÇOS BÁSICOS Nesta seçã sã cntemplads aspects relacinads as serviçs de saúde, educaçã, habitaçã, saneament básic, justiça e segurança pública. 5.1 SAÚDE 14% 3% 0% -12% -3% 13% -5% 7% Mens de 1 1 a 4 5 a 9 10 a a 19-18% 20 a a a a a a a mais TABELA Estabeleciments de saúde pública e númer de leits dispníveis Estabeleciments Quantidade Psts de saúde 8 Centrs de saúde 1 Unidades mistas 1 Outrs 1 Ttal de estabeleciments 11 Ttal de leits 15 Fnte: Prefeitura municipal - 9 Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

12 11 TABELA Pessal cupad ns estabeleciments de saúde pr tip de prfissã e lcal de residência 2013 Lcal de residência Prfissã Fra d N municípi municípi Agente de saúde 46 - Auxiliar de enfermagem Biquímic - 5 Dentista - 9 Enfermeir 1 16 Fisiterapeuta - 3 Psiquiatra - 1 Nutricinista - 2 Cardilgista - 1 Pediatra - 1 Gineclgista - 1 Fnte: Prefeitura municipal TABELA Incidência de denças 2012 Denças Incidência AIDS - Dengue 26 Hanseníase 1 Hepatitis viráis 5 Meningite 2 Sífilis em gestante* 1 Tuberculse 2 Outrs 1 Fnte: SESAP/SUS Nta: *em valr igual a sífilis cngênita TABELA Menres de um an imunizads 2012 Tip de vacina Dses Cbertura Póli ,38 Pentavalente 3 1,07 BCG 81 28,83 Hepatite ,58 Tríplice viral ,27 Rtavírs ,38 Meningcócica ,26 Pneum 10 valente ,11 Outrs 5 1,78 Fnte: SESAP/SUS 5.2 EDUCAÇÃO TABELA Estabeleciments de ensin pr dependência administrativa 2012 Dependência administrativa Estabeleciments Federal - Estadual 3 Municipal 24 Privada - Ttal 27 Fnte: SECD/RN TABELA Instituições de ensin superir pr dependência administrativa 2012 Dependência administrativa Estabeleciments Federal - Estadual - Privada - Ttal - Fnte: MEC TABELA Crp dcente na educaçã básica pr dependência administrativa 2012 Dependência Educaçã Infantil Ensin Fundamental Ensin Médi Federal Estadual Municipal Privada Ttal Fnte: SECD/RN TABELA Matrícula Inicial na educaçã básica pr dependência administrativa 2012 Dependência Educaçã Infantil Ensin Fundamental Ensin Médi Federal Estadual Municipal Privada Ttal Fnte: SECD/RN TABELA Matrícula final na educaçã básica pr dependência administrativa 2012 Dependência Educaçã Infância Ensin Fundamental Ensin Médi Federal Estadual Municipal Privada Ttal Fnte: SECD/RN TABELA IDEB bservads e metas prjetadas Ensin Observads Metas Fundamental Ans inicias Ans finais Fnte: MEC Nta: Ans inicias: 4º série/5º an; ans finais: 8º série/9º an TABELA Matrícula inicial na educaçã infantil, n ensin médi e fundamental, segund a dependência administrativa 2012 Educaçã infantil Menr de 4 ans ans ans ans 214 Mair de 6 ans 5 Ensin fundamental Menr de 8 ans ans ans ans ans ans ans ans 344 Mair de 14 ans 540 Ensin médi Menr de 15 ans ans ans ans ans 134 Mair de 18 ans 301 Fnte: SECD/RN Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

13 12 TABELA Numer de salas de aulas existentes pr dependência administrativa 2012 Dependência administrativa Númer de salas de aulas existentes Federal - Estadual 23 Municipal 90 Privada - Ttal 113 Fnte: SECD/RN 5.3 HABITAÇÃO E SANEAMENTO BÁSICO TABELA Dmicílis particulares permanentes na rede geral de distribuiçã de água e esgt 2010 Serviçs Existentes Dmicílis Abasteciment de água Rede geral Pç u nascente na prpriedade 479 Pç u nascente fra da prpriedade 323 Carr-pipa u água de chuva em cisterna 28 Outras 47 Esgtament sanitári Rede geral 391 Fssa séptica 956 Fssa rudimentar Vala 114 Ri, lag u mar 3 Outrs 78 Fnte: IBGE 5.4 JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA TABELA Pessal ltad ns serviçs de justiça e segurança pública segund a instituiçã Instituiçã Pessal Ltad Plícia militar 21 Plícia civil - Serviçs de trânsit - Delegacia de plícia 5 Cnselh tutelar 6 Fnte: Prefeitura municipal 5.5 LICENÇAS EMITIDAS TABELA Licenças e autrizações ambientais cncedidas 2012 Tip Quantidade LIO 1 LP 1 Ttal 2 Fnte: IDEMA/GEO 6 INFRAESTRUTURA Neste item sã explradas as infrmações referentes as quatr aspects de infraestrutura básica, quais sejam: transprte, energia elétrica, abasteciment de água e cmunicaçã. Mtneta 64 Camineta 94 Caminhã 92 Outrs 66 Ttal Fnte: DETRAN/RN TABELA Veículs registrads pr tip de cmbustível Tip de cmbustível Veículs registrads Álcl 105 Gaslina Diesel 187 Gaslina/GNV 184 Álcl/GNV 25 Gaslina/álcl 567 Gaslina/álcl/gás natural 26 Outrs 24 Ttal Fnte: DETRAN/RN 1% 6% 6% 19% 1% 3% 64% Álcl Gaslina Diesel Gaslina/Gnv Álcl/Gnv Álcl/Gaslina Tips de cmbustível utilizads Álcl/alcl/gas natural TABELA Quantidade de linhas e frtas de ônibus rdviáris Especificaçã Quantidade Empresa Opcinal F.M B Pereira ME - JM J TUR Itinerári pcinal Mnte Alegre - Natal (Walfred Gurgel) via (Av.Rui Barbsa e Centr) Empresa Viaçã Rigrandense LTDA Itinerári Natal Mnte Alegre Frta de ônibus 3 Frta de pcinais 3 Veícul em peraçã 1 Fnte: DER TABELA Terminais de transprtes cletivs Especificaçã Quantidade Estaçã rdviária - Estaçã ferrviária - Aerprt - Camp de pus - Prt - Fnte: Prefeitura municipal 6.1 TRANSPORTE TABELA Registrs pr tip de veícul Tip de veículs Registrs Autmóvel Mtcicleta Caminhnete 137 Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

14 ENERGIA ELÉTRICA TABELA Cnsum e númer de cnsumidres de energia elétrica pr classe Classe Cnsumidres Cnsum Residencial Industrial Cmercial Rural Pder públic Iluminaçã pública Outrs Ttal Fnte: COSERN 6.3 ABASTECIMENTO DE ÁGUA TABELA Vlume faturad e númer de ecnmias ativas pr classe de cnsumidr Classe Ecnmia ativa Vlume faturad (m 3 ) Residencial Cmercial Industrial Pública Ttal Fnte: CAERN TABELA Extensã de rede de água e esgt Especificaçã Extensã (m) Rede de água Rede de esgt Fnte: CAERN 6.4 COMUNICAÇÃO TABELA Unidades pstais e telegráficas Especificaçã Unidades Agência de crreis 1 Receita auferida (R$1,00) ,73 Fnte:ECT TABELA Telefnia Especificaçã Unidades Terminais instalads Terminais em serviç 630 Terminais individuais em serviç 550 Fnte: TELEMAR TABELA Emissras de rádi, sinais de recepçã de televisã e jrnais em circulaçã Especificaçã Quantidade AM - Emissras de rádi FM 1 Sinal de recepçã de TV 7 Jrnal em circulaçã 1 Fnte: Prefeitura municipal 7 ECONOMIA Na presente seçã sã apresentadas infrmações que permitem caracterizar a dinâmica ecnômica d municípi, tais cm: prduçã ttal e perfil ds setres da ecnmia, bem cm das finanças públicas. 7.1 PRODUÇÃO TABELA 7.1 Prdut intern brut, pib per capita e valr agregad, pr atividade (em R$1.000,00) PIB/VA Prdut Intern Brut An , , ,79 Pib Per Capita 3.829, , ,47 V.A Agrpecuária , , ,82 V.A Indústria , , ,75 V.A Serviçs , , ,04 Fnte: IBGE/IDEMA , , , , , , , ,00 0, Taxa de participaçã n PIB 2008/ AGROPECUÁRIA, PESCA, EXTRAÇÃO VEGETAL E SILVICULTURA TABELA Área Clhida e Quantidade Prduzida ds Principais Prduts Agríclas Prdut Área clhida (ha) Prduçã *(t) Abacaxi 1 25 Batata-dce Feijã Mandica Milh Manga 9 63 Banana Cana-de-açúcar Castanha de caju Cc-da-baía* Fnte: IBGE Nta:*em mil fruts. *em prduçã tnelada. TABELA Efetiv de rebanh Rebanh Efetiv Bvins Suíns Equins 320 Asinins 56 Muares 17 Ovins Caprins 612 Fnte: IBGE TABELA Prduts de rigem animal Rebanh Efetiv Leite (1.000 l) Ovs de galinha (1.000 dz) 79 Mel de abelha (kg) - Fnte: IBGE Agrpecuária Indústria Serviçs TABELA Prduçã de pescad Pescad Prduçã (tneladas) Quantidade - Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

15 14 Valr da prduçã 1 - Fnte: IDEMA Nta: valr da prduçã em R$ 1,00 TABELA Prduçã ds principais prduts das espécies flrestais nativas Prdut Prduçã Angic - casca - Carnaúba - cera - Carnaúba - fibra - Carnaúba - pó - Castanha de caju - Mangaba - frut - Oiticica - semente - Umbu - frut - Fnte: IBGE TABELA Prduçã de carvã vegetal, lenha e madeira em tra das espécies flrestais nativas Prdut Prduçã Lenha (m³) Carvã vegetal (t) 2 Madeira em tra (m³) - Fnte: IBGE TABELA Cndiçã d prdutr na explraçã agrpecuária, segund grup e classe de atividade ecnômica Tip Estabeleciments Área (ha) Prprietári Arrendatári Parceir Ocupante Fnte: IBGE 7.3 INDÚSTRIA EXTRATIVA E DE TRANSFORMAÇÃO TABELA Estabeleciments e pessal cupad na indústria Tip Estabeleciment Pessal Laticíni 2 - Cnfecçã 1 - Fraldas 1 - Dce 1 - Fnte: Prefeitura municipal Fnte: Prefeitura municipal TABELA Infrmações estruturais da limpeza urbana Estrutura Infrmaçã Peridicidade Diária Transprte utilizad Cmpactadr e abert Destin final d lix Lixã céu abert Tip de cleta Fnte: Prefeitura municipal cnvencinal Sim seletiv - hspitalar Sim TABELA Estabeleciments de serviçs públics Serviç Públic Estabeleciments Mercads públics 1 Feiras livres 1 Supermercads 2 Mercadinh 6 Restaurantes 6 Farmácias/Drgarias 1 3 Cemitéris 5 Lavanderias públicas 1 Cartóris 1 Delegacias de plícia 5 Açugue 2 Pst de gaslina 2 Matadur 1 Casa Ltérica 1 Fnte: Prefeitura municipal 7.5 FINANÇAS PÚBLICA TABELA Receita arrecadada (em um real) Receitas Arrecadaçã Tributárias IPTU ,30 ISS ,18 FPM ,42 Receitas IPVA ,41 crrentes Transferências IPI 1.825,92 ICMS ,54 Ryalties ,47 Outras receitas crrentes ,89 Ttal das receitas crrentes ,14 Receitas de capital Fnte: TCE 7.4 COMÉRCIO E SERVIÇOS TABELA Estabeleciments bancáris pr administraçã Administraçã Estabeleciments Públic Banc d Brasil,Banc Pstal Privad Bradesc,Caixa Ltérica Fnte: Prefeitura municipal TABELA Estabeleciments e pessal cupad n cmérci Tip Estabeleciment Pessal cupad Aliment 1 - Atacad Bebida 1 - Varej - - Fnte: Prefeitura municipal 1% 0% 13% 0% 1% 3% 82% IPTU ISS FPM IPVA IPI ICMS Ryalties TABELA Capacidade e meis de hspedagem Especificaçã Quantidade Meis de hspedagem Pusada, Chalé Unidades habitacinais 2 Leits - Cmpsiçã das receitas 2012 TABELA Despesa realizada Despesas Valr (em um real) Despesas crrentes ,70 Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

16 15 Despesas de capital ,84 Ttal de despesas ,54 Fnte: TCE 8 INFORMAÇÕES SOCIOCULTURAIS Neste item sã dispsts aspects referentes a dinâmica cultural d municípi, espaçs e events culturais, bem cm seu ptencial turístic TABELA 8.1 Espaçs de cultura e lazer 2013 Espaçs Quantidade Biblitecas 1 Clubes sciais 1 Espaç cultural 1 Quadra de esprte 3 Camp de futebl 10 Ginási pliesprtiv 1 Fnte: Prefeitura municipal TABELA 8.2 Datas ds principais events Event Data Festivais de quadrilhas Junh Carnaval Fevereir u Març Festa da Padreira 3 de Outubr Emancipaçã Plítica 25 de Nvembr Natal e Réveilln na praça 25,31 de Dezembr Fnte: Prefeitura municipal TABELA 8.3 Pnts turístics Pnts Laga de Quirambú Turism de Events Turism Rural Fnte: Prefeitura municipal 9 ESTRUTURA POLÍTICO-ADMINISTRATIVA TABELA 9.1 Cmpsiçã plítica Funçã Especificaçã Prefeit Severin Rdrigues da Silva Vereadres 11 Fnte: TRE TABELA 9.2 Mviment eleitral Eleitres Mviment Apts Vtantes Abstençã (%) 14,69 Fnte: TRE TABELA 9.3 Estrutura administrativa 2013 Secretária Secretária de Administraçã Secretária de Infraestrutura Secretária de Saúde Secretária de Assistência Scial Secretária de Educaçã Secretária de Turism,Mei Ambiente e Urbanism Secretária de Agricultura Fnte: Prefeitura municipal TABELA 9.3 Legislaçã Especificaçã Lei Data Lei Orgânica - 31/03/1990 Lei Orçamentária Anual /12/2012 Lei de Diretrizes Orçamentária /08/2012 Plan Plurianual /12/2009 Códig Tributári Lei n 1 17/09/2009 Fnte: Prefeitura municipal Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

17 16 Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

18 17 REFERÊNCIAS Cmpanhia de Águas e Esgts d Ri Grande d Nrte CAERN Cmpanhia Energética d Ri Grande d Nrte COSERN Departament de Estradas e Rdagens-DER Departament Estadual de Trânsit- DETRAN/RN Departament Nacinal de Prduçã Mineral DNPM Empresa Brasileira de Crreis e Telégrafs ECT Empresa de Pesquisa Agrpecuária d Ri Grande d Nrte EMPARN Fundaçã Institut Brasileir de Gegrafia e Estatística IBGE Institut Brasileir d Mei Ambiente e ds Recurss Naturais Renváveis IBAMA Institut de Desenvlviment Sustentável e Mei Ambiente d Ri Grande d Nrte IDEMA Institut Nacinal de Meterlgia INMET IPEA PNUD Fundaçã Jã Pinheir Ministéri da Educaçã MEC Petróle Brasileir S/A PETROBRAS Prefeituras Municipais Secretaria de Estad da Educaçã, da Cultura e ds Desprts SECD Secretaria de Estad da Indústria, d Cmérci, da Ciência e da Tecnlgia SINTEC Secretaria de Estad da Saúde Pública SESAP Secretaria de Estad d Turism SETUR Secretaria de Estad d Mei Ambiente e ds Recurss Hídrics SEMARH Sindicat da Indústria da Extraçã d Sal n Estad d Ri Grande d Nrte SIESAL Telecmunicações d Ri Grande d Nrte TELEMAR Terras Ptiguares M. C. C. de Mrais ** Tribunal de Cntas d Estad TCE Tribunal Reginal Eleitral TRE Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

19 18 ANEXOS O Sistema de Licenciament Ambiental n IDEMA cntempla s seguintes instruments: Tips de licenças e autrizações (ats administrativs): Licença Prévia (LP): cncedida na etapa preliminar d prjet, cntém s requisits básics e cndicinantes a serem atendids nas suas fases de lcalizaçã, instalaçã e peraçã, bservand-se a viabilidade ambiental d empreendiment nas fases subsequentes d licenciament; Licença de Instalaçã (LI): autriza iníci da implantaçã d empreendiment, de acrd cm as especificações cnstantes ds plans, prgramas e prjets aprvads, incluind as medidas de cntrle ambiental e demais cndicinantes; Licença de Operaçã (LO): cncedida após as verificações necessárias, para facultar iníci da atividade requerida e funcinament de seus equipaments de cntrle de pluiçã, de acrd cm previst nas licenças prévia e de instalaçã; Licença Simplificada (LS): cncedida para a lcalizaçã, instalaçã, implantaçã e peraçã de empreendiments e atividades que, na prtunidade d licenciament, pssam ser enquadrads na categria de pequen e médi ptencial pluidr e degradad e de micr u pequen prte. A critéri d interessad, esta licença pderá ser expedida em duas etapas, send a primeira para análise da lcalizaçã d empreendiment (Licença Simplificada Prévia LSP) e a segunda para análise das respectivas instalaçã, implantaçã e peraçã (Licença Simplificada de Instalaçã e Operaçã LSIO); Licença de Regularizaçã de Operaçã (LRO): de caráter crretiv e transitóri, destinada a disciplinar, durante prcess de licenciament ambiental, funcinament de empreendiments e atividades em peraçã e ainda nã licenciads, sem prejuíz da respnsabilidade administrativa cabível; Licença de Alteraçã (LA): para alteraçã, ampliaçã u mdificaçã d empreendiment u atividade regularmente existente; Licença de Instalaçã e Operaçã (LIO): cncedida para empreendiments cuja instalaçã e peraçã crram simultaneamente; Autrizaçã Especial (AE): cncedida para atividades de caráter temprári u que nã impliquem em instalações permanentes; Autrizaçã para Teste de Operaçã (ATO): pderá ser cncedida previamente à cncessã da LO, quand necessária para avaliar a eficiência das cndições, restrições e medidas de cntrle ambiental impstas à atividade u a empreendiment. Especificamente n cas de licenciament referente à perfuraçã de pçs para a identificaçã de jazidas de cmbustíveis líquids e gás natural, serã exigidas as seguintes licenças: Licença Prévia para Perfuraçã (LPper): cncedida para a atividade de perfuraçã de cada pç, mediante a precedente apresentaçã, pel empreendedr, d Relatóri de Cntrle Ambiental (RCA) das atividades e a delimitaçã da área pretendida; Licença Prévia de Prduçã para Pesquisa (LPpr): cncedida para a prduçã para pesquisa da viabilidade ecnômica de jazida n mar u, quand cuber, de jazida em terra, devend empreendedr apresentar, para btençã da licença, Estud de Viabilidade Ambiental (EVA); Licença de Instalaçã (LI : cncedida para a instalaçã das unidades e sistemas necessáris à prduçã petrlífera, após a aprvaçã ds estuds ambientais, sem prejuíz da análise de utrs existentes na área de interesse; Licença de Operaçã (LO): cncedida após a aprvaçã d Plan de Cntrle Ambiental (PCA), para iníci da prduçã u explraçã d pç. Outr instrument utilizad, relacinad cm as licenças anterirmente citadas, é a Revisã de Cndicinantes (RC), que permite alterar cndicinantes previamente estabelecids nas licenças. Resum: licenças a serem requeridas (sequência): Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

20 19 Item Situaçã 1ª Licença 2ª Licença 3ª Licença 4ª Licença 1 Empreendiment/Atividade de Micr u Pequen Prte e Pequen u Médi Ptencial Pluidr (de acrd cm a tabela de enquadrament Resluçã CONEMA) 2 Empreendiment/Atividade nã classificad cm n item 1 acima e cuja instalaçã e peraçã nã crram simultaneamente 3 Empreendiment/Atividade nã classificad cm n item 1 acima e cuja instalaçã e peraçã crram simultaneamente LS (*) Renvaçã da LS Renvaçã da LS Renvaçã da LS LSP (*) LSIO LS Renvaçã da LS LP LI LO Renvaçã da LO LP LIO LO (**) Renvaçã da LO 4 Empreendiment/Atividade em peraçã e ainda nã licenciad LRO LO u LS, cnfrme cas Renvaçã da LO u LS Renvaçã da LO u LS 5 Atividades de caráter temprári u que nã impliquem instalações permanentes AE (*) A critéri d interessad, pderá se requerida inicialmente a LS u LSP. N cas de Assentaments assim enquadrads, necessariamente será requerida a LSP e depis a LSIO. (**) Apenas quand a LIO fr cncedida cm praz de validade. Ntas: Licença de Alteraçã (LA) : será cncedida para alteraçã, ampliaçã u mdificaçã de empreendiments u atividades regularmente existentes. Sã suscetíveis de Licença de Alteraçã, as seguintes licenças, desde que válidas: Licença de Operaçã (LO); Licença de Instalaçã e Operaçã (LIO), cncluída a fase de instalaçã u quand empreendiment já estiver em peraçã; Licença Simplificada (LS), cncluída a fase de instalaçã u quand empreendiment já estiver em peraçã; Licença Simplificada de Instalaçã e Operaçã (LSIO), cncluída a fase de instalaçã u quand empreendiment já estiver em peraçã; Licença de Regularizaçã de Operaçã (LRO); A atividade de perfuraçã de pçs de petróle/gás natural tem licenças específicas, cnfrme apresentad anterirmente, iniciand pela LPper até a LO e sua psterir renvaçã; Exempls de empreendiments/atividades passíveis de LIO: Lteaments residenciais u cmerciais; Desmembraments; Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

21 20 Cndmínis residenciais, cmerciais u mists; Empreendiments turístics de múltipls uss, Equipaments de infraestrutura a turism; Sistemas de drenagem; Assentaments rurais; Estradas, Rdvias e Acesss; Linhas de urgência; Dragagem/Desassreament; Obras de Cntençã de Ersã; Outrs. Exempls de atividades passíveis de AE: Passagem pel Estad de Transprte de cargas perigsas e resídus; Terraplenagem e aterrament que nã se cnstituam em etapa de implantaçã de empreendiment sujeit à licença; Dragagens, drenagens e desassreaments de caráter emergencial que nã requeiram bras de engenharia; Usina de asfalt móvel; Retirada de areia sem fins cmerciais (para fins de desbstruçã); Shws e utrs events públics de caráter cultural u artístic; Demliçã de empreendiments; Outrs. Perfil d Seu Municípi Mnte Alegre

As capitais mais populosas do país

As capitais mais populosas do país 1 a Questã: (2,0 pnts) G a b a r i t G e g r a f i a O mapa apresenta as sete maires capitais d Brasil, em ppulaçã. Se, pr um lad, algumas dessas capitais cnfirmam tendências histricamente cnsagradas na

Leia mais

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593 AGRICULTURA Amendoim área colhida (hectares) 20 Amendoim produção (t/a) 40 Banana área colhida (hectares) 5 Banana produção (t/a) 11 Borracha área colhida (látex.) 36 Borracha produção (látex.) (t/a) 120

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema Plan de Desenvlviment Ecnômic Reginal e Lcal ds Municípis d Pntal d Paranapanema 1ª Etapa Diagnóstic Ecnômic e Definiçã de Cenáris Apresentaçã as municípis 20/08/2014 Cnvêni: Elabraçã: Plan de Desenvlviment

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 Atualiza a Lista de Prduts, Linhas e Prgramas Passíveis de Outrga de Garantia pel Fund Garantidr para Investiments FGI.

Leia mais

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado.

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado. INDICADOR: F.13 COBERTURA VACINAL 1. Cnceituaçã Percentual de crianças imunizadas cm vacinas específicas, em determinad espaç gegráfic, n an cnsiderad. 2. Interpretaçã Estima nível de prteçã da ppulaçã

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

RECURSOS PÚBLICOS PARA O TURISMO

RECURSOS PÚBLICOS PARA O TURISMO N N Unid. Tip de Peridicidade An de An de Iníci série Cmparativ Âmbit temátic Nme d Indicadr Nme da fnte Fnte Divulgaçã Escp gegráfic Escp de análise Estratégia de utilizaçã d dad Observaçã Medida dad

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. ads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

Informações mínimas necessárias à Elaboração e Apresentação dos Projetos e Orçamentos dos Empreendimentos PNHR

Informações mínimas necessárias à Elaboração e Apresentação dos Projetos e Orçamentos dos Empreendimentos PNHR Infrmações mínimas necessárias à Elabraçã e Apresentaçã ds Prjets e Orçaments ds Empreendiments PNHR 1) Frmataçã sugerida para s Cabeçalhs: Exempl de Títul: "Planta Baixa para mradias rurais d Prgrama

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui a cnsulta ds diplmas legais referenciads e da entidade licenciadra. FUNCHAL CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen Zneament Caraguatatuba (Lei Cmplemen Zna (art. 105) Características Macrzna de Prteçã Ambiental (MSPA) A Macrzna de Prteçã Ambiental / MZPA é cnstituída pel Parque Estadual da Serra d Mar Núcle Caraguatatuba.

Leia mais

Procedimentos Hospitalares do SUS por local de internação de 1992 a 2007 Notas Técnicas. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação

Procedimentos Hospitalares do SUS por local de internação de 1992 a 2007 Notas Técnicas. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação Prcediments Hspitalares d SUS pr lcal de internaçã de 1992 a 2007 Ntas Técnicas Origem ds dads Os dads dispníveis sã riunds d Sistema de Infrmações Hspitalares d SUS - SIH/SUS, gerid pel Ministéri da Saúde,

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

MAN{FESTAÇÃO TÉCNICA SUPERINTENDÊNCIA DE MEIO AMBIENTE/SEMAR/PI

MAN{FESTAÇÃO TÉCNICA SUPERINTENDÊNCIA DE MEIO AMBIENTE/SEMAR/PI TERRA QUERDA GOVERNO 00 ESTADO Secretria d Mei Ambiente e Recurss Hídrics d Estad d Piauí MAN{FESTAÇÃO TÉCNCA SUPERNTENDÊNCA DE MEO AMBENTESEMARP ASSUNTO Manifestaçã técnica da SEMARP cm relaçã à sbrepsiçã

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Janeir/2014 1 PMIJ08012014 Sã Paul, 08 de Janeir de 2014. À PREFEITURA MUNICIPAL DE xyxyxyxyxyxyxy

Leia mais

PERFIL DO SEU MUNICÍPIO SÃO PEDRO. São. Perfil do Seu Município São Pedro V.10 p.1-22 2008

PERFIL DO SEU MUNICÍPIO SÃO PEDRO. São. Perfil do Seu Município São Pedro V.10 p.1-22 2008 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS SEMARH INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E MEIO AMBIENTE DO RIO GRANDE DO NORTE IDEMA PERFIL DO SEU MUNICÍPIO SÃO

Leia mais

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1 Sã Paul, 26 de dezembr de 2005 Plan Prmcinal de Frneciment de Infra-estrutura de Acess a Serviçs Internet de Banda Estreita Dial Prvider 1 Telecmunicações de Sã Paul S.A - TELESP. ( Telesp ), tend em vista

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Anotação de Responsabilidade Técnica PA FELIZ UNIÃO. Coordenação Professor José Ambrósio Ferreira Neto Sociólogo

Anotação de Responsabilidade Técnica PA FELIZ UNIÃO. Coordenação Professor José Ambrósio Ferreira Neto Sociólogo Antaçã de Respnsabilidade Técnica PA FELIZ UNIÃO Crdenaçã Prfessr Jsé Ambrósi Ferreira Net Sciólg Cnsultres Prfessr Márci Mta Rams Engenheir Agrônm CREA-MG 11377-D Walder Antôni de Albuquerque Nunes Engenheir

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

PERFIL DO SEU MUNICÍPIO ESPÍRITO SANTO NATAL, RN 2008. Espírito. Perfil do Seu Município Espírito Santo V.10 p. 1-23 2008

PERFIL DO SEU MUNICÍPIO ESPÍRITO SANTO NATAL, RN 2008. Espírito. Perfil do Seu Município Espírito Santo V.10 p. 1-23 2008 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS SEMARH INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E MEIO AMBIENTE DO RIO GRANDE DO NORTE IDEMA PERFIL DO SEU MUNICÍPIO ESPÍRITO

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

PORTFÓLIO FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP

PORTFÓLIO FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP PORTFÓLIO FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP 2015 FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP A Felc Faleirs () é uma empresa prestadra de serviçs técnics cnsultivs

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP)

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP) Term de Referência para Elabraçã d Relatóri Ambiental Prévi (RAP) O Relatóri Ambiental Prévi é um estud técnic elabrad pr um prfissinal habilitad u mesm equipe multidisciplinar que ferece elements para

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

INFORMAÇÃO GERAL. 3 Questionário Comunidade Versão 9 Agosto de 2015. Data de Aplicação. Entrevistador

INFORMAÇÃO GERAL. 3 Questionário Comunidade Versão 9 Agosto de 2015. Data de Aplicação. Entrevistador 3 Questinári Cmunidade Versã 9 Agst de 2015 A INFORMAÇÃO GERAL Data de Aplicaçã Entrevistadr A1 Nme cmunidade da Entidade lcal menr [Parâmetr nacinal] Entidade lcal mair [parâmetr nacinal] Entidade reginal

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos 'n.tltuto do Daf'a do Maio

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos 'n.tltuto do Daf'a do Maio IDt:MJ\ Gvern d Estad d Ri Grande d Nrte Secretaria de Estad d Mei Ambiente e ds Recurss Hídrics 'n.tltut d Daf'a d Mai Ambient d Ri Grande d Nrt Ofici n 1092/2008-DG Natal. 4 de setembr de 2008. À Senhra

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral Apresentação O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) disponibiliza para o Governo e a sociedade o Perfil Básico Municipal 2011. As informações contidas no Perfil Básico Municipal,

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

Rio de Janeiro 28 de fevereiro de 2014 DOC.: 019/2014

Rio de Janeiro 28 de fevereiro de 2014 DOC.: 019/2014 Ri de Janeir 28 de fevereir de 2014 DOC.: 019/2014 Ilustríssima Senhra Zilda Maria Faria Vels Diretra de Ambiente Urban Secretaria de Recurss Hídrics e Ambiente Urban Ministéri d Mei Ambiente Brasília

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Diretoria de Tecnologia da Informação

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Diretoria de Tecnologia da Informação 1.1.1.1 Cas de us Descmpactar e Cnverter arquivs d módul de Instruments de Planejament 1.1.1.1.1 Precndições 1. O cas de us de envi deve ter sid cncluíd cm sucess 1.1.1.1.2 Flux principal 1. O SICOM descmpacta

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 03/10/2014 a 03/11/2014 Carg: Técnic Legislativ Taxa de Inscriçã: R$ 70,00 Salári/Remuneraçã: R$ 1.600,00 Nº Vagas: 17 Data da Prva: 14/12/2014

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º).

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º). VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteraçã n crngrama (Art. 6º e Art. 12º). APRESENTAÇÃO Idealizad e instituíd pela Assciaçã Nacinal de Entidades Prmtras de Empreendiments Invadres (Anprtec), em parceria

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele PVC Nã dá para imaginar a vida mderna sem ele Sã Paul, 26 de nvembr de 2012 A GBC Brasil Ref.: Cmentáris sbre item Materiais e Recurss, crédit 4 Cntrle de Materiais Cntaminantes Referencial GBC Brasil

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP

REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP I - AJUDA DE CUSTO A ALUNOS DE DOUTORADO DA CAP, PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS INTERNACIONAIS FORA DO PAÍS Eligibilidade Aluns de dutrad da CAP que preencham,

Leia mais

Av. Beira Mar. 3250- Cx. Postal 44 Teu.: (079)217-1305

Av. Beira Mar. 3250- Cx. Postal 44 Teu.: (079)217-1305 13207 CPATC 1997 FL-13207 I DA AGRICUt.TURA, D ABASTECIMENT E RMA AGRÁRIA - MAARA Brasileira de Pesquisa Agrpecuária - EMBRAPA «e Pesquisa Agrpecuária ds Tabuleirs Csteirs - CPATC Av. Beira Mar. 3250-

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 2.0) A - Intrduçã Neste an, sua nta fi inferir a 60 pnts e vcê nã assimilu s cnteúds

Leia mais

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca Turism Sénir Outn / Invern 2011-12 Benalmadena Benidrm Mairca Entidades envlvidas Oriznia é descbrir e desfrutar. É fazer cm a cnfiança que smente uma rganizaçã líder n sectr turístic ibéric pde ferecer.

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Seminário de Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Seminário de Gestão Resíduos Sólidos Urbanos Seminári de Gestã Resídus Sólids Urbans EKOS 2015 Brasília, 27 de agst de 2015 Área de Mei Ambiente Martin Inguville martin.inguville@bndes.gv.br O Resídu Sólid Urban é apenas um ds tips de resídus, embra

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

Eixo. Norte-Sul. Anhanguera Eixo. Preferenciais. Corredores

Eixo. Norte-Sul. Anhanguera Eixo. Preferenciais. Corredores Crredres Preferenciais Eix Anhanguera Eix Nrte-Sul Capital d Estad de Giás 200km a Sudeste de Brasília Fundada em 1933 1,4 milhões de habitantes Mais de 30 parques Em Giânia há uma única rede de serviçs

Leia mais

PERFIL DO SEU MUNICÍPIO SÃO PAULO DO POTENGI. São Paulo do. Perfil do Seu Município São Paulo do Potengi V.10 p.1-22 2008

PERFIL DO SEU MUNICÍPIO SÃO PAULO DO POTENGI. São Paulo do. Perfil do Seu Município São Paulo do Potengi V.10 p.1-22 2008 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS SEMARH INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E MEIO AMBIENTE DO RIO GRANDE DO NORTE IDEMA PERFIL DO SEU MUNICÍPIO SÃO

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos 6 Painéis Slares Ftvltaics 48 6.1 Descriçã da tecnlgia A funçã de uma célula slar cnsiste em cnverter directamente a energia slar em electricidade. A frma mais cmum das células slares fazerem é através

Leia mais

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990.

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O IASAe a Escla Municipal de SantAndré realizaram uma série de ações vltadas para a disseminaçã e efetivaçã ds Direits das Crianças e Adlescentes estabelecids pel

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventári de Emissões de Gases de Efeit Estufa CEDS BRAVO 2011 Objetivs d inventári Cumprir exigências externas/internas Identificar, quantificar e relatar as principais emissões de GEE Implementar ações

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

w w w. i n i c i a t i v a v e r d e. o r g. b r

w w w. i n i c i a t i v a v e r d e. o r g. b r w w w. i n i c i a t i v a v e r d e. r g. b r EFEITO ESTUFA DESMATAMENTO Históric de desmatament em Sã Paul DESMATAMENTO Cbertura atual CONSEQUECIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Reduçã na bidiversidade http://www.baixaki.cm.br/imagens/wpapers/bxk22741_abelha-_-rubi-marra-1-800.jpg

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

III Seminário do Agronegócio. Financiamento e Marketing 24 e 25 de novembro de 2005 Auditório da Biblioteca Central Universidade Federal de Viçosa

III Seminário do Agronegócio. Financiamento e Marketing 24 e 25 de novembro de 2005 Auditório da Biblioteca Central Universidade Federal de Viçosa III Seminári d Agrnegóci Financiament e Marketing 24 e 25 de nvembr de 2005 Auditóri da Bibliteca Central Universidade Federal de Viçsa RELATÓRIO FINAL O EVENTO O III Seminári d Agrnegóci fi realizad dias

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA ENTIDADE MDIFICAÇÕES A RÇAMENT DA Pagina: 1 TTAL DE ALTERAÇÕES : 13 CMVC TTAL DE REVISÕES : 2 D AN CNTABILISTIC DE 2014 ATÉ À DATA : 2014/12/31 IDENTIFICAÇÃ DAS RUBRICAS MDIFICAÇÕES RÇAMENTAIS DTAÇÕES

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

ANEXO VII LEI Nº 890-GP/2012 DE 16 DE AGOSTO 2.012

ANEXO VII LEI Nº 890-GP/2012 DE 16 DE AGOSTO 2.012 ANEXO VII LEI Nº 890-GP/2012 DE 16 DE AGOSTO 2.012 TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) INTRODUÇÃO: Secretaria Municipal de Mei Ambiente (SEMAT), estabelece prcediments

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais