PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA"

Transcrição

1 PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS AGRÍCOLAS E FLORESTAIS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS PORTARIA N.º 54/2010, DE 06 DE AGOSTO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA REGISTO DE RECEPÇÃO DA CANDIDATURA (Reservado aos Serviços da SRA) Ano da Candidatura REGISTO / CARIMBO DE ENTRADA: N.º da Iniciativa Responsável pela Recepção DECLARAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELA ENTIDADE PROMOTORA Declaro que autorizo a transmissão dos dados pessoais constantes desta candidatura para os efeitos de outorga do contrato de financiamento respectivo. Os dados pessoais recolhidos destinamse exclusivamente à identificação e análise do presente pedido de apoio para efeitos de eventual concessão de financiamento. Os promotores têm, nos termos legais, o direito de informação, acesso e oposição ao tratamento dos dados recolhidos Declaro que autorizo a Autoridade de Gestão do PRODERAM, a aceder à informação constante dos sítios da Internet das declarações electrónicas e do serviço Segurança Social Directa com a finalidade de comprovar a existência de situação tributária ou contributiva regularizada, nos termos do DecretoLei n.º 114/2007, de 19 de Abril. 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA: Número Beneficiário IFAP N.º NIFAP (Se existente): N.º Identificação Fiscal: Nome ou Denominação Social: Morada ou Endereço da Sede: Freguesia/Concelho: Código Postal: Telefone: Telefax: Página Internet: Pessoa Singular Pessoa Colectiva: Forma Jurídica: Matrícula N.º: na Conservatória do Registo: Data da Constituição: Capital Social (Euros) Data de Início de Actividade Data de Inicio Contabilidade Organizada Enquadramento no Regime do IVA (Q3 P1): Outra, Qual? 1 / 44 P1 Identif. Ent. Promotora Mod /PRODERAM/2010

2 Anexo da P1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA (1) (Q1 P1) Quadro 1 Conselhos / Freguesias da RAM (Q2P1) Quadro 2 Forma Jurídica da Entidade Promotora Calheta / Arco da Calheta Sociedade Unipessoal por Quotas Calheta / Calheta Sociedade por Quotas Calheta / Estreito da Calheta Sociedade em Comandita Calheta / Fajã da Ovelha Sociedade em Nome Colectivo Calheta / Jardim do Mar Sociedade Anónima Calheta / Paul do Mar Cooperativa Calheta / Ponta do Pargo Associação Sem Fins Lucrativos Calheta / Prazeres Associação Sem Fins Lucrativos Câmara de Lobos / Câmara de Lobos Associação Empresarial Câmara de Lobos / Curral das Freiras Agrupamento Complementar de Empresas Câmara de Lobos / Estreito de Câmara de Lobos Estabelecimento Individual de Responsabilidade Limitada Câmara de Lobos / Quinta Grande Serviço da Administração Pública Regional Câmara de Lobos / Jardim da Serra Serviço da Administração Pública Local Funchal / Imaculado Coração de Maria Empresa Pública Funchal / Monte Fundação Funchal / Santa Luzia Entidade Privada de Utilidade Pública Funchal / Santa Maria Maior Outra Funchal / Santo António Funchal / São Gonçalo (Q3P1) Quadro 3 Enquadramento do Regime do IVA Funchal / São Martinho Passivo de IVA Regime Normal Funchal / São Pedro Passivo de IVA Afectação Real Funchal / São Roque Passivo de IVA Prorata Funchal / Freguesia da Sé Isento de IVA Ao abrigo do art.º 9.º Machico / Água de Pena Isento de IVA Ao abrigo do art.º 2.º Machico / Caniçal Isento de IVA Ao abrigo do art.º 53.º Machico / Machico Outro Machico / Porto da Cruz Machico / Santo António da Serra Ponta do Sol / Canhas Ponta do Sol / Madalena do Mar Ponta do Sol / Ponta do Sol Porto Moniz / Achadas da Cruz Porto Moniz / Porto Moniz Porto Moniz / Ribeira da Janela Porto Moniz / Seixal Ribeira Brava / Campanário Ribeira Brava / Ribeira Brava Ribeira Brava / Serra de Água Ribeira Brava / Tábua Santa Cruz / Camacha Santa Cruz / Caniço Santa Cruz / Gaula Santa Cruz / Santa Cruz Santa Cruz / Santo António da Serra Santana / Arco de São Jorge Santana / Faial Santana / Santana Santana / São Jorge Santana / São Roque do Faial Santana / Ilha São Vicente / Boa Ventura São Vicente / Ponta Delgada São Vicente / São Vicente Porto Santo / Porto Santo 2 / 44 P1 Identif. Ent. Promotora Mod /PRODERAM/2010

3 MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA 1.2 RESPONSÁVEL PELA OPERAÇÃO NA ENTIDADE PROMOTORA: Nome: Cargo ou Função: Telefone: Telefax: O Pedido de Apoio foi elaborado por uma Entidade Consultora? Se Sim Nome ou Denominação Social Contacto Telefone: Telefax: CONTA BANCÁRIA EXCLUSIVA PARA PAGAMENTOS E RECEBIMENTOS NO ÂMBITO DA OPERAÇÃO: Titular da Conta: Entidade Bancária: Balcão: NIB da Conta: 2. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA 2.1 ACTIVIDADE DA ENTIDADE PROMOTORA: CAE (Rev3) Actividade Económica (Q1 P2): Percentagem (%) (*) Outra, Qual: (*) A percentagem é relativa ao volume de negócios do ano anterior ao do Pedido de Apoio 2.2 PRINCIPAIS ESTABELECIMENTOS DO PROMOTOR N.º Total de Estabelecimentos do Promotor Identifique os Principais Estabelecimento CAE Principal (Rev3) (Q1 P2): Localidade Freguesia/Conselho (Q2 P2) 2.3 SISTEMAS DE APOIO DE QUE A ENTIDADE PROMOTORA BENEFICIOU NOS ÚLTIMOS 5 ANOS: (Indicar os Sistemas de Apoio de que Beneficiou, a Natureza e Objectivos e localização dos Investimentos, as Data de Aprovação e de Conclusão (Mês/Ano), o Montante de Investimento Realizado e o Montante de Ajudas Recebidas 3 / 44 P2 Identif. Ent. Promotora (2) Mod /PRODERAM/2010

4 Anexo da P2 CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA (Q1P2) Quadro 1 CAE (Rev3) Actividade Económica SECTOR SUB CAE SECTOR (Rev.2) CAE (Rev.3) DESIGNAÇÃO (Incluindo Comercialização por Grosso) Cultura de produtos hortícolas, raízes e tubérculos Culturas Temporárias Cultura de canadeaçúcar Cultura de flores e de plantas ornamentais Outras culturas temporárias, não especificadas Viticultura PRODUÇÃO AGRÍCOLA PRODUÇÃO ANIMAL PRODUÇÃO FLORESTAL COMERCIA LIZAÇÃO POR GROSSO TRANSFOR MAÇÃO DE PRODUTOS ANIMAIS TRANSFOR MAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS TRANSFOR MAÇÃO DE PRODUTOS FLORESTAIS Culturas Permanentes Produtos vegetais Produtos animais Produtos Florestais Carnes Leite e Lacticínios Frutos e Produtos Hortícolas Mel de Cana Confeitaria Vinagres Licores e Rum Vinhos Bebidas fermentadas Produtos Florestais Cultura de frutos tropicais e subtropicais Cultura de citrinos Cultura de pomóideas e prunóideas Cultura de frutos de casca rija Cultura de outros frutos em árvores e arbustos Cultura de especiarias, plantas aromáticas, medicinais e farmacêuticas Outras culturas permanentes Criação de bovinos para produção de leite Criação de outros bovinos (excepto para produção de leite) e búfalos Criação de equinos, asininos e muares Criação de ovinos e caprinos Suinicultura Avicultura Apicultura Cunicultura Silvicultura e outras actividades florestais Exploração florestal Extracção cortiça e resina e apanha de outros produtos florestais (excepto madeira) Preparação de Produtos Agrícolas para venda Comércio por grosso de matériasprimas agrícolas Comércio por grosso de flores e plantas (como os produtos de base da fileira do vinho e da cana sacarina) (inclui plantas ornamentais, plantas industriais, sementes Comércio por grosso de frutas e de produtos hortícolas não e transformados material de propagação vegetativa) Comércio por grosso de batata, não transformada Comércio por grosso de animais vivos (mercados de gado e de animais de capoeira Comércio por grosso de leite, de ovos e de mel de abelhas Mel de Cana Ovos Comércio por grosso de madeira e de produtos derivados Abate de gado (Produção de carne) Abate de aves e de coelhos Fabricação de produtos à base de carne Indústrias do leite e derivados Indústria do açúcar (Inclui a transformação de cana sacarina em mel de cana) Fabricação de outros produtos alimentares diversos, n.e. (Só o tratamento, liofilização e Preparação e conservação de batatas conservação de ovos e ovoprodutos) Fabricação de sumos de frutos e de produtos hortícolas (Apenas a 1ª transformação Congelação de frutos e produtos hortícolas Secagem e desidratação de frutos e produtos hortícolas Fabricação de doces, compotas, geleias e marmelada Descasque e transformação de frutos de casca rija comestíveis Preparação e conservação de frutos e produtos hortícolas por processos não especificados Indústria do açúcar (Inclui a transformação de cana sacarina em mel de cana) Fabricação de produtos de confeitaria Fabricação de condimentos e temperos Produção de Licores e de outras bebidas destiladas (Inclui bebidas espirituosas tais como o rum) Produção de vinhos comuns e licorosos Produção de vinhos espumantes e espumosos Fabricação de sidra e de outras bebidas fermentadas de frutos Fabricação de vermutes e de outras bebidas fermentadas não destiladas Silvicultura e Outras actividades florestais Compreende o abate de árvores e operações complementares como cortes de ramos em troncos, toragem, descasque, extracção rechega e transporte no interior da mata e carregamento. Inclui a Exploração Florestal produção de lenha e a produção não industrial de carvão vegetal, bem como a cultura de materiais de entrançar. Inclui fases anteriores à primeira transformação efectuadas pelo responsável pela exploração florestal e cultura de materiais de entrançar Extracção de resina e apanha de outros produtos florestais excepto madeiras Serração de madeira Impregnação de Madeira (só os anteriores à primeira transformação) (Inclui a apanha de plantas aromáticas, medicinais ou farmacêuticas e especiarias) incluindo o aplainamento, corte e secagem da madeira (desde que anteriores à transformação industrial). inclui o tratamento químico com agentes de conservação ou outros produtos (desde que anteriores à transformação industrial). 4 / 44 P2 Identif. Ent. Promotora (2) Mod /PRODERAM/2010

5 Anexo da P2 CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA (Continuação) (Q2P2) Quadro 2 Conselhos / Freguesias da RAM Calheta / Arco da Calheta Calheta / Calheta Calheta / Estreito da Calheta Calheta / Fajã da Ovelha Calheta / Jardim do Mar Calheta / Paul do Mar Calheta / Ponta do Pargo Calheta / Prazeres Câmara de Lobos / Câmara de Lobos Câmara de Lobos / Curral das Freiras Câmara de Lobos / Estreito de Câmara de Lobos Câmara de Lobos / Quinta Grande Câmara de Lobos / Jardim da Serra Funchal / Imaculado Coração de Maria Funchal / Monte Funchal / Santa Luzia Funchal / Santa Maria Maior Funchal / Santo António Funchal / São Gonçalo Funchal / São Martinho Funchal / São Pedro Funchal / São Roque Funchal / Freguesia da Sé Machico / Água de Pena Machico / Caniçal Machico / Machico Machico / Porto da Cruz Machico / Santo António da Serra Ponta do Sol / Canhas Ponta do Sol / Madalena do Mar Ponta do Sol / Ponta do Sol Porto Moniz / Achadas da Cruz Porto Moniz / Porto Moniz Porto Moniz / Ribeira da Janela Porto Moniz / Seixal Ribeira Brava / Campanário Ribeira Brava / Ribeira Brava Ribeira Brava / Serra de Água Ribeira Brava / Tábua Santa Cruz / Camacha Santa Cruz / Caniço Santa Cruz / Gaula Santa Cruz / Santa Cruz Santa Cruz / Santo António da Serra Santana / Arco de São Jorge Santana / Faial Santana / Santana Santana / São Jorge Santana / São Roque do Faial Santana / Ilha São Vicente / Boa Ventura São Vicente / Ponta Delgada São Vicente / São Vicente Porto Santo / Porto Santo 5 / 44 P2 Identif. Ent. Promotora (2) Mod /PRODERAM/2010

6 MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 2. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA 2.4 QUALIFICAÇÃO DA EMPRESA COMO AUTÓNOMA / PARCEIRA OU ASSOCIADA Declaro que procedi à certificação por via electrónica do estatuto de PME através do formulário disponibilizado no IDERAM. Instituto de Desenvolvimento Empresarial da Madeira, de acordo com a Recomendação da Comunidade de 6 de Maio de 2003 (2003/361/CE) Declaro, nos termos do n.º 5, do art.º 3.º do Anexo da Recomendação da Comissão Europeia 2003/361/CE, que para efeitos da qualificação da empresa como autónoma, parceira ou associada, os dados relativos aos limiares definidos de aferição do critério de PME, são os seguintes: Principais Participantes no Capital da Entidade Promotora: Tipo Entidade / Empresa País NIPC/NIF Denominação do Sócio / Accionista / Entidade CAE (Rev3) Participantes. (%) Volume Negócios Total Activo N.º UTAs (*) (*) Unidade de TrabalhoAno ou N.º de Trabalhadores da Empresa Número de Participantes Os Sócios indicados têm outros Sócios ou Participações: Principais Participações da Entidade Promotora no Capital de Outras Entidades: NIPC/NIF Denominação das Empresas / Entidades Participadas País Participação. (%) Volume Negócios Total Activo N.º UTAs (*) (*) Unidade de TrabalhoAno ou N.º de Trabalhadores da Empresa Número de Participações: Empresas / Entidades Participadas têm outros Sócios ou Participações: Aferição do Escalão Dimensional da Entidade Promotora: Empresa Não PME: Média Empresa: Dados da Entidade Promotora N.º de UTAs (Unidade de Trabalho/Ano): Pequena Empresa: Microempresa: Volume de Negócios: Cálculo da Autonomia Financeira da Entidade Promotora: Activo: A Entidade Promotora Possui Balanço Intercalar certificado por um ROC para efeitos da apresentação da situação económicofinanceira equilibrada? Ano das Últimas Contas: Data do Balanço Intercalar: OU Valores a considerar para a Autonomia Financeira: Total Activo Líquido: Total Capital Próprio: Suprimentos: 2.5 EVENTUAL APLICAÇÃO DAS REGRAS DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS: A Entidade Promotora está sujeita às Regras dos Contratos Públicos, porque corresponde a uma "Entidade Adjudicante" Em caso Afirmativo Justifique: A Operação está sujeita as regras de extensão do âmbito de aplicação do Código dos Contratos Públicos, previsto no art.º 275.º do Código. Em caso Afirmativo Justifique: 2.6 BREVE DESCRIÇÃO DA EVOLUÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA: 6 / 44 P3 Caract. Ent. Promotora Mod /PRODERAM/2010

7 Anexo da P3 CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA (Q1P3) Quadro 1 Enquadramento do Regime do IVA Accionista Particular ou Sócio Não PME Média Empresa Pequena Empresa Microempresa Soc.Cap.Risco ou Outra Com Controlo Soc.Cap.Risco ou Outra Sem Controlo Administração Pública Local Administração Pública Regional Fundação Ent. Privada sem fins lucrativos Outro 7 / 44 P3 Caract. Ent. Promotora Mod /PRODERAM/2010

8 MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 3. DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO: 3.1. IDENTIFICAÇÃO DA OPERAÇÃO: Título da Operação Tipo de Operação: Modernização e Racionalização de Unidade Existente Criação e Instalação de Unidade Nova Natureza da Operação: (Q1P4): 3.2 ESTABELECIMENTOS DA ENTIDADE PROMOTORA ABRANGIDOS PELA OPERAÇÃO: Identifique os Principais Estabelecimento Localidade Freguesia/Conselho (Q2P4): 3.3 FILEIRAS ABRANGIDAS PELA OPERAÇÃO: Fileiras Abrangidas pela Operação (Q3P4): 3.4 PRODUTOS ABRANGIDOS PELA OPERAÇÃO: Tipo de Produtos CLASSIFICAÇÃO NOMENCLATURA COMBINADA (Capítulo Subcapítulo Designação) Matériasprimas para Transformação ou Produtos a Preparar para Venda (Q4P4): Produtos Acabados (Resultantes da Transformação ou da Preparação para Venda) (Q4P4): 3.5 SECTORES DE ACTIVIDADE ABRANGIDOS PELA OPERAÇÃO: CAE (Rev3) Designação da Actividade Económica (Q5P4): Percentagem (%) (*) (*) A percentagem é relativa ao peso de cada actividade no total da Operação 3.6 INVESTIMENTOS E CALENDÁRIO: Custo Total da Operação Investimento Elegível 0,00 0,00 Data Prevista para o Inicio de Investimentos: / / Ano Cruzeiro Data Prevista para o Fim dos Investimentos: / / Ano de Termo da Operação: 8 / 44 P4 Descrição da Operação Mod /PRODERAM/2010

9 Anexo da P4 CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA (1) (Q1P4) Quadro 1 Natureza da Operação Novas Técnicas Introdução de Novas Técnicas de Produção Novos Produtos Introdução de Novos Produtos ou Variedades Novas Técnicas e Novos Produtos Introdução em Simultâneo de Novas Técnicas e Novos Produtos Outra Criação de Nova Unidade Outra Aumento de Produção Sem Alteração das Tecnologias ou do Tipo de Produtos (Q2P4) Quadro 2 Conselhos / Freguesias da RAM Calheta / Arco da Calheta Calheta / Calheta Calheta / Estreito da Calheta Calheta / Fajã da Ovelha Calheta / Jardim do Mar Calheta / Paul do Mar Calheta / Ponta do Pargo Calheta / Prazeres Câmara de Lobos / Câmara de Lobos Câmara de Lobos / Curral das Freiras Câmara de Lobos / Estreito de Câmara de Lobos Câmara de Lobos / Quinta Grande Câmara de Lobos / Jardim da Serra Funchal / Imaculado Coração de Maria Funchal / Monte Funchal / Santa Luzia Funchal / Santa Maria Maior Funchal / Santo António Funchal / São Gonçalo Funchal / São Martinho Funchal / São Pedro Funchal / São Roque Funchal / Freguesia da Sé Machico / Água de Pena Machico / Caniçal Machico / Machico Machico / Porto da Cruz Machico / Santo António da Serra Ponta do Sol / Canhas Ponta do Sol / Madalena do Mar Ponta do Sol / Ponta do Sol Porto Moniz / Achadas da Cruz Porto Moniz / Porto Moniz Porto Moniz / Ribeira da Janela Porto Moniz / Seixal Ribeira Brava / Campanário Ribeira Brava / Ribeira Brava Ribeira Brava / Serra de Água Ribeira Brava / Tábua Santa Cruz / Camacha Santa Cruz / Caniço Santa Cruz / Gaula Santa Cruz / Santa Cruz Santa Cruz / Santo António da Serra Santana / Arco de São Jorge Santana / Faial Santana / Santana Santana / São Jorge Santana / São Roque do Faial Santana / Ilha São Vicente / Boa Ventura São Vicente / Ponta Delgada São Vicente / São Vicente Porto Santo / Porto Santo 9 / 44 P4 Descrição da Operação Mod /PRODERAM/2010

10 Anexo da P4 CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA (2) (Q3P4) Quadro 3 Fileiras da Operação Produtos obtidos pelo Modo de Produção Biológicos FILEIRA ESTRATÉGICA DA MEDIDA Produtos Hortofrutícolas FILEIRA ESTRATÉGICA DA MEDIDA Flores e Plantas Vivas FILEIRA ESTRATÉGICA DA MEDIDA Cana Sacarina FILEIRA ESTRATÉGICA DA MEDIDA Vinho FILEIRA ESTRATÉGICA DA MEDIDA Produtos Florestais FILEIRA NÃO ESTRATÉGICA DA MEDIDA Carnes FILEIRA NÃO ESTRATÉGICA DA MEDIDA Leite e Produtos Lácteos FILEIRA NÃO ESTRATÉGICA DA MEDIDA Aves e Ovos FILEIRA NÃO ESTRATÉGICA DA MEDIDA Diversos Animais FILEIRA NÃO ESTRATÉGICA DA MEDIDA Produção de Licores e outras bebidas espirituosas FILEIRA NÃO ESTRATÉGICA DA MEDIDA Produção de Bebidas Fermentadas de Frutos FILEIRA NÃO ESTRATÉGICA DA MEDIDA Diversos Produtos Vegetais FILEIRA NÃO ESTRATÉGICA DA MEDIDA Outros Produtos FILEIRA NÃO ESTRATÉGICA DA MEDIDA (Q4P4) Quadro 4 Produtos Abrangidos pela Operação PRODUTO PRODUTOS AGRÍCOLAS DE BASE E PRODUTOS ACABADOS DO ANEXO I DO TRATADO MATÉRIAS PRIMAS FLORESTAIS E PRODUTOS ACABADOS DE ORIGEM FLORESTAL Capítulo 1 Animais vivos Capítulo 2 Carnes e miudezas, comestíveis Capítulo 4 Leite e lacticínios; Capítulo 4 Ovos de aves; Capítulo 4 Mel natural Capítulo 6 Plantas vivas e produtos de floricultura Capítulo 7 Produtos hortícolas, plantas, raízes e tubérculos alimentares Capítulo 8 Frutas, cascas de citrino e de melões Capítulo 9 Café, chá e especiarias, com exclusão do mate (n.º 0903) Capítulo 10 Cereais Capítulo 11 Produtos de moagem; malte; amidos e féculas; glúten; inulina Capítulo 12 Sementes e frutos oleaginosos; sementes e frutos diversos; plantas industriais e medicinais; palhas e forragens Capítulo 16 Preparados de carne, de peixe, de crustáceos e de moluscos Capítulo Açúcar de beterraba ou de cana, no estado sólido Capítulo Mel de cana (da posição ) Capítulo Melaços, mesmo descorados Capítulo Cacau inteiro ou partido, em bruto ou torrado Capítulo Cascas, peles, películas e outros resíduos de cacau Capítulo 20 Preparados de produtos hortícolas, de frutas e de outras plantas ou partes de plantas Capítulo Mosto de uvas parcialmente fermentado, mesmo amuado, excepto com álcool Capítulo Vinhos de uvas frescas; mostos de uvas frescas amuados com álcool Capítulo Sidra, perada, hidromel e outras bebidas fermentadas Capítulo Aguardentes, licores e outras bebidas espirituosas Capítulo Vinagres e seus sucedâneos, para usos alimentares Capítulo 23 Resíduos e desperdícios das indústrias alimentares; alimentos preparados para animais (inclui o linho macerado, espadelado ou assedado, penteado ou tratado qualquer outra forma, mas não fiado; estopa e Capítulo Linho em bruto, desperdícios de linho (incluindo por o linho de trapo) (sem flores nem botões de flores, e ervas, musgos e líquenes, para ramos ou para ornamentação, Capítulo Folhagem, folhas, ramos e outras partes de plantas, frescos ou secos) (ex.: vimes, ráfia, palha de cereais ou ainda bambus, rotins, Capítulo Matérias vegetais das espécies principalmente utilizadas em cestaria ou espartaria canas e juncos) Capítulo Lenha em qualquer estado Capítulo Madeira em estilhas ou em partículas de coníferas. Capítulo Madeira em estilhas ou em partículas de não coníferas. Capítulo Serradura, desperdícios e resíduos de madeira, Capítulo Carvão vegetal (incluindo o carvão de cascas ou caroços), Capítulo Madeira em bruto, mesmo descascada como toros para serrar de coníferas. Capítulo Toros para serrar de carvalho (Quercus spp.). Capítulo Toros para serrar de faia (Fagus spp.). Capítulo Toros para serrar de choupo Capítulo Toros para serrar de eucalipto Capítulo Toros para serrar de outras espécies Capítulo Madeira de coníferas serrada Capítulo Madeira de outras espécies serradas Capítulo Matérias para entrançar Capítulo Obras de cestaria CLASSIFICAÇÃO NC CAPÍTULO SUBCAPÍTULO DESIGNAÇÃO (num estado ou numa forma tal que possam ser entrançadas ou entrelaçadas tais como, entre outros, a palha e as varas de vime ou de salgueiro) obtidas directamente na sua forma a partir de matérias para entrançar ou fabricadas com os artigos da posição 4601, como Invólucros de palha para garrafas, destinados a embalagem ou protecção ou cestos de vime e outras obras obtidas directamente na sua forma (não inclui Móveis de vime ou matérias semelhantes classificados em ) 10 / 44 P4 Descrição da Operação Mod /PRODERAM/2010

11 Anexo da P4 CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE PROMOTORA (3) (Q5P4) Quadro 5 CAE (Rev3) Actividade Económica SECTOR PRODUÇÃO AGRÍCOLA PRODUÇÃO ANIMAL SUBSECTO R Culturas Temporárias PRODUÇÃO FLORESTAL COMERCIA LIZAÇÃO POR GROSSO Culturas Permanentes TRANSFOR MAÇÃO DE PRODUTOS ANIMAIS TRANSFOR MAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS TRANSFOR MAÇÃO DE PRODUTOS FLORESTAIS Produtos vegetais Produtos animais Produtos Florestais Carnes Leite e Lacticínios CAE (Rev.2) Cultura de produtos hortícolas, raízes e tubérculos Cultura de canadeaçúcar Cultura de flores e de plantas ornamentais Outras culturas temporárias, não especificadas Viticultura Cultura de frutos tropicais e subtropicais Cultura de citrinos Cultura de pomóideas e prunóideas Cultura de frutos de casca rija Cultura de outros frutos em árvores e arbustos Cultura de especiarias, plantas aromáticas, medicinais e farmacêuticas Outras culturas permanentes Criação de bovinos para produção de leite Criação de outros bovinos (excepto para produção de leite) e búfalos Criação de equinos, asininos e muares Criação de ovinos e caprinos Suinicultura Avicultura Apicultura Cunicultura Silvicultura e outras actividades florestais Exploração florestal Extracção cortiça e resina e apanha de outros produtos florestais (excepto madeira) Preparação de Produtos Agrícolas para venda Comércio por grosso de matériasprimas agrícolas Comércio por grosso de flores e plantas (como os produtos de base da fileira do vinho e da cana sacarina) (inclui plantas ornamentais, plantas industriais, sementes Comércio por grosso de frutas e de produtos hortícolas não e transformados material de propagação vegetativa) Comércio por grosso de batata, não transformada Comércio por grosso de animais vivos (mercados de gado e de animais de capoeira Comércio por grosso de leite, de ovos e de mel de abelhas Comércio por grosso de madeira e de produtos derivados (só os anteriores à primeira transformação) Abate de gado (Produção de carne) Abate de aves e de coelhos Fabricação de produtos à base de carne Indústrias do leite e derivados Mel de Cana Indústria do açúcar (Inclui a transformação de cana sacarina em mel de cana) Ovos Fabricação de outros produtos alimentares diversos, n.e Preparação e conservação de batatas (Só o tratamento, liofilização e conservação de ovos e ovoprodutos). Frutos e Produtos Hortícolas Mel de Cana Confeitaria Vinagres Licores e Fabricação de sumos de frutos e de produtos hortícolas (Apenas a 1ª transformação Congelação de frutos e produtos hortícolas Secagem e desidratação de frutos e produtos hortícolas Fabricação de doces, compotas, geleias e marmelada Descasque e transformação de frutos de casca rija comestíveis Preparação e conservação de frutos e produtos hortícolas por processos não especificados Indústria do açúcar (Inclui a transformação de cana sacarina em mel de cana) Fabricação de produtos de confeitaria Fabricação de condimentos e temperos Produção de Licores e de outras bebidas destiladas (Inclui bebidas espirituosas tais como o rum) Rum Produção de vinhos comuns e licorosos Vinhos Produção de vinhos espumantes e espumosos Bebidas fermentadas Fabricação de sidra e de outras bebidas fermentadas de frutos Fabricação de vermutes e de outras bebidas fermentadas não destiladas Silvicultura e Outras actividades florestais Produtos Florestais Exploração Florestal Extracção de resina e apanha de outros produtos florestais excepto madeiras Serração de madeira Impregnação de Madeira CAE (Rev.3) DESIGNAÇÃO (Incluindo Comercialização por Grosso) Compreende o abate de árvores e operações complementares como cortes de ramos em troncos, toragem, descasque, extracção rechega e transporte no interior da mata e carregamento. Inclui a produção de lenha e a produção não industrial de carvão vegetal, bem como a cultura de materiais de entrançar. Inclui fases anteriores à primeira transformação efectuadas pelo responsável pela exploração florestal e cultura de materiais de entrançar (Inclui a apanha de plantas aromáticas, medicinais ou farmacêuticas e especiarias) incluindo o aplainamento, corte e secagem da madeira (desde que anteriores à transformação industrial). inclui o tratamento químico com agentes de conservação ou outros produtos (desde que anteriores à transformação industrial). 11 / 44 P4 Descrição da Operação Mod /PRODERAM/2010

12 MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 3. DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO: (Continuação): 3.7 OBJECTIVOS DA OPERAÇÃO E ACÇÕES A IMPLEMENTAR: 3.8 FUNDAMENTAÇÃO E IMPACTO DA OPERAÇÃO NA ACTIVIDADE DA ENTIDADE PROMOTORA: 3.9 FUNDAMENTAÇÃO DA EXISTÊNCIA DE MERCADO PARA OS PRODUTOS A DESENVOLVER/CRIAR: 3.10 FUNDAMENTAÇÃO DO IMPACTO DA OPERAÇÃO, NO PLANO LOCAL, REGIONAL E SECTORIAL: 12 / 44 P5 Fundamentação Operação Mod /PRODERAM/2010

13 MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 4. CLASSIFICAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DA OPERAÇÃO (1) Documentos Comprovativo da Despesa N.º Ordem Tipo de Documento Entidade Responsável Descrição Genérica da Despesa Rubrica de Despesa Descrição Genérica Unidade Quantidade Número de Unidades Custo Unitário Total Valor (Sem IVA) Taxa de IVA Aplicável (%) Total Valor (Com IVA) Data de Execução / Aquisição (MêsAno) (1) Os documentos comprovativos de despesa devem ser numerados sequencialmente, de preferencia seguindo a ordem do tipo de despesa, de modo a calcular o subtotal por tipo de despesa a indicar na página P7 Estrutura do Investimento. Se necessário utilizar mais de um exemplar desta pagina (aumentando a àrea de impressão) para identificar e classificar todos os documentos comprovativos de despesa. 13 / 44 P6 Classificação Investimentos Mod /PRODERAM/2010

14 MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 4. CLASSIFICAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DA OPERAÇÃO Documentos Comprovativo da Despesa N.º Ordem Tipo de Documento Entidade Responsável Descrição Genérica da Despesa Rubrica de Despesa Descrição Genérica Unidade Quantidade Número de Unidades Custo Unitário Total Valor (Sem IVA) Taxa de IVA Aplicável (%) Total Valor (Com IVA) Data de Execução / Aquisição (MêsAno) 14 / 44 P6 Classificação Investimentos Mod /PRODERAM/2010

15 MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 4. CLASSIFICAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DA OPERAÇÃO Documentos Comprovativo da Despesa N.º Ordem Tipo de Documento Entidade Responsável Descrição Genérica da Despesa Rubrica de Despesa Descrição Genérica Unidade Quantidade Número de Unidades Custo Unitário Total Valor (Sem IVA) Taxa de IVA Aplicável (%) Total Valor (Com IVA) Data de Execução / Aquisição (MêsAno) 15 / 44 P6 Classificação Investimentos Mod /PRODERAM/2010

16 Anexo da P6 CLASSIFICAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DA OPERAÇÃO (Q1P6) Quadro 1 Tipo de Documento Comprovativo de Despesa Proposta Orçamento Factura pro forma Factura FacturaRecibo Venda a Dinheiro Nota de Honorários Recibos Demonstração de despesa Outro (Q2P6) Quadro 2 Classificação da Despesa Aquisição de Terrenos (Não elegível) Aquisição de Instalações do Processo Produtivo e Instalações Associadas Elegíveis Aquisição de Outras Instalações Elegíveis Aquisição de Instalações Não Elegíveis Vedação de terrenos Trabalhos de terraplenagem e arruamentos Outros Trabalhos de Preparação Elegíveis Arranjos de Espaços Verdes, Equipamentos de Recreio e Outros Não Elegíveis Construção/Remodelação de Instalações do Processo Produtivo e Administrativas Construção/Remodelação de Instalações de Protecção do Ambiente ou Segurança Outras Construção/Remodelação Elegíveis Construção/Remodelação de Instalações para Actividades Não Elegíveis 2.1 Equipamentos de Colheita (Elegíveis) 2.2 Equipamentos de Transformação e Embalamento ou Preparação, Embalamento e Comercialização 2.3 Equipamentos de Refrigeração e Congelação Elegíveis 2.4 Contentores (Paloxes) e outros Equipamentos de Distribuição Elegíveis 2.5 Outros Equipamentos Elegíveis do Processo Produtivo 2.6 Equipamentos de Outras Actividades Não Elegíveis 2.7 Reparação e Substituição de Equipamentos (Não Elegível) Equipamentos de Controlo de Qualidade e Sistemas HACCP Equipamentos de Protecção do Ambiente Equipamentos e Instalações de Protecção do Ambiente Previstos no Anexo III da Portaria 54/ Equipamentos de Redução dos Consumos de Energia Outros Equipamentos e Instalações Não Produtivas Elegíveis Outros Equipamentos Não Produtivos Não Elegíveis Equipamentos para Áreas Sociais Obrigatórias (Formação) Equipamentos para Áreas Sociais Obrigatórias (Higiene e Segurança no Trabalho) Equipamentos para Áreas Sociais Não Elegíveis Equipamentos para Escritórios (Não Elegível) 4.1 Material de carga e transporte interno (Montacargas, Empilhadores, PortaPaletes etc.) 4.2 Dispositivos Específicos de Carga e Transporte Externo 4.3 Viaturas de Transporte Externo em Projectos Estratégicos 4.4 Outras Viaturas de Transporte Externo 5.1 Ferramentas e utensílios 5.2 Outro activo fixo corpóreo 6.1 Hardware especifico para a actividade (Incluindo despesas de Instalação e Formação) 6.2 Equipamentos de Telecomunicações 6.3 Outro Hardware ou Equipamentos de Telecomunicações Não Elegíveis 7.1 Software especifico para a actividade (Anexo III da Portaria 54/2010) 7.2 Desenvolvimento de software especifico para a actividade (Anexo III da Portaria 54/2010) 7.3 Outro Software (Não Elegível) Projectos de Arquitectura e de Engenharia e Outros Projectos Técnicos Estudos Diagnóstico, TécnicoEconómicos ou de Mercado Outro Activo Fixo Intangíveis Elegível Activo Fixo Intangíveis Não Elegível Consultadoria para Implementação do Sistema Informático (hardware + software) (Anexo III da Portaria 54/2010) Consultadoria nas Demais Áreas do Anexo III da Portaria 54/ Aquisição de Patentes e Licenças de Direitos de Propriedade (Anexo III da Portaria 54/2010) Outro Activo Fixo Intangíveis do Anexo III da Portaria 54/2010 D Despesas Préfinanciamento, Comissões e Outras Não Elegíveis E Fundo de Maneio Necessário à Realização da Operação (Não Elegível) F Garantia Bancária para Pedido de Adiantamento das Ajudas (Não Elegível) 16 / 44 P6 Classificação Investimentos Mod /PRODERAM/2010

17 MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 5. ESTRUTURA DOS CUSTOS ASSOCIADOS À OPERAÇÃO: Aquisição de Terrenos (Não elegível) RUBRICAS DO INVESTIMENTO CÓDIGO DESCRIÇÃO Aquisição de Instalações do Processo Produtivo e Instalações Associadas Elegíveis Aquisição de Outras Instalações Elegíveis Aquisição de Instalações Não Elegíveis 1.1 TOTAL AQUISIÇÃO DE INSTALAÇÕES Vedação de terrenos Trabalhos de terraplenagem e arruamentos Outros Trabalhos de Preparação Elegíveis Arranjos de Espaços Verdes, Equipamentos de Recreio e Outros Não Elegíveis 1.2 TOTAL VEDAÇÃO E PREPARAÇÃO DE TERRENOS Construção/Remodelação de Instalações do Processo Produtivo e Administrativas Construção/Remodelação de Instalações de Protecção do Ambiente ou Segurança Outras Construção/Remodelação Elegíveis Construção/Remodelação de Instalações para Actividades Não Elegíveis 1.3 TOTAL CONSTRUÇÕES / REMODELAÇÃO DE INSTALAÇÕES 1 TOTAL AQUISIÇÃO / CONSTRUÇÃO / REMODELAÇÃO DE INSTALAÇÕES 2.1 Equipamentos de Colheita (Elegíveis) 2.2 Equipamentos de Transformação e Embalamento ou Preparação, Embalamento e Comercialização 2.3 Equipamentos de Refrigeração e Congelação Elegíveis 2.4 Contentores (Paloxes) e outros Equipamentos de Distribuição Elegíveis 2.5 Outros Equipamentos Elegíveis do Processo Produtivo 2.6 Equipamentos de Outras Actividades Não Elegíveis 2.7 Reparação e Substituição de Equipamentos (Não Elegível) 2 TOTAL EQUIPAMENTOS DO PROCESSO PRODUTIVO Equipamentos de Controlo de Qualidade e Sistemas HACCP Equipamentos de Protecção do Ambiente Equipamentos e Instalações de Protecção do Ambiente Previstos no Anexo III da Portaria 54/ Equipamentos de Redução dos Consumos de Energia Outros Equipamentos e Instalações Não Produtivas Elegíveis Outros Equipamentos Não Produtivos Não Elegíveis 3.1 TOTAL EQUIPAMENTOS NÃO PRODUTIVOS DA ACTIVIDADE Equipamentos para Áreas Sociais Obrigatórias (Formação) Equipamentos para Áreas Sociais Obrigatórias (Higiene e Segurança no Trabalho) Equipamentos para Áreas Sociais Não Elegíveis 3.2 TOTAL EQUIPAMENTOS PARA ÁREAS SOCIAIS OBRIGATÓRIAS Equipamentos para Escritórios (Não Elegível) VALOR GLOBAL DO INVESTIMENTO INVESTIMENTO NÃO ELEGÍVEL INVESTIMENTO ELEGÍVEL 3.3 TOTAL EQUIPAMENTOS PARA ESCRITÓRIOS 3 TOTAL EQUIPAMENTOS NÃO PRODUTIVO TAXA DE APOIO VALOR DA AJUDA POR RUBRICA 17 / 44 P7 Estrutura Investimentos Mod /PRODERAM/2010

18 MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 5. ESTRUTURA DOS CUSTOS ASSOCIADOS À OPERAÇÃO CONTINUAÇÃO: RUBRICAS DO INVESTIMENTO CÓDIGO DESCRIÇÃO 4.1 Material de carga e transporte interno (Montacargas, Empilhadores, PortaPaletes etc.) 4.2 Dispositivos Específicos de Carga e Transporte Externo 4.3 Viaturas de Transporte Externo em Projectos Estratégicos 4.4 Outras Viaturas de Transporte Externo 4 TOTAL MATERIAL DE CARGA E TRANSPORTE 5.1 Ferramentas e utensílios 5.2 Outro activo fixo corpóreo 5 TOTAL FERRAMENTAS / UTENSÍLIOS E OUTRO ACTIVO CORPÓREO 6.1 Hardware especifico para a actividade (Incluindo despesas de Instalação e Formação) 6.2 Equipamentos de Telecomunicações 6.3 Outro Hardware ou Equipamentos de Telecomunicações Não Elegíveis 6 TOTAL HARDWARE A ACTIVO FIXO TANGÍVEIS ( ) 7.1 Software especifico para a actividade (Anexo III da Portaria 54/2010) 7.2 Desenvolvimento de software especifico para a actividade (Anexo III da Portaria 54/2010) 7.3 Outro Software (Não Elegível) 7 TOTAL SOFTWARE B ACTIVO FIXO TANGÍVEIS + SOFTWARE ) (A + 7) Projectos de Arquitectura e de Engenharia e Outros Projectos Técnicos Estudos Diagnóstico, TécnicoEconómicos ou de Mercado Outro Activo Fixo Intangíveis Elegível Activo Fixo Intangíveis Não Elegível 8.1 TOTAL DESPESAS GERAIS NÃO PREVISTAS NO ANEXO III DA PORTARIA N.º 54/ Consultadoria para Implementação do Sistema Informático (hardware + software) (Anexo III da Portaria 54/2010) Consultadoria nas Demais Áreas do Anexo III da Portaria 54/ Aquisição de Patentes e Licenças de Direitos de Propriedade (Anexo III da Portaria 54/2010) Outro Activo Fixo Intangíveis do Anexo III da Portaria 54/ TOTAL DESPESAS GERAIS DO ANEXO III DA PORTARIA N.º 54/ TOTAL DESPESAS GERAIS ( ) C ACTIVO FIXO INTANGÍVEL (8) VALOR GLOBAL DO INVESTIMENTO INVESTIMENTO NÃO ELEGÍVEL INVESTIMENTO ELEGÍVEL D TOTAL INVESTIMENTO DA OPERAÇÃO (B + C) TAXA DE APOIO VALOR DA AJUDA POR RUBRICA E DESPESAS PRÉFINANCIAMENTO, COMISSÕES E OUTRAS NÃO ELEGÍVEIS F FUNDO DE MANEIO NECESSÁRIO À REALIZAÇÃO DA OPERAÇÃO (NÃO ELEGÍVEL) G GARANTIA BANCÁRIA PARA PEDIDO DE ADIANTAMENTO DAS AJUDAS (NÃO ELEGÍVEL) CUSTO TOTAL DA OPERAÇÃO (D + E + F + G) 18 / 44 P7 Estrutura Investimentos Mod /PRODERAM/2010

19 Anexo da P7 ESTRUTURA DOS INVESTIMENTOS DA OPERAÇÃO (Q1P7) Quadro 1 Taxas de Apoio no Activo Fixo Tangível 50,00% 55,00% 65,00% 75,00% (Q2P7) Quadro 2 Taxas de Apoio de Software e outras despesas do Anexo III da Portaria 54/ ,00% 75,00% (Q3P7) Quadro 3 Taxas de Apoio de Investimentos Não Elegível 0,00% (Q4P7) Quadro 4 Taxas de Apoio de Viaturas Externas Em Projectos Estratégicos 75,00% 19 / 44 P7 Estrutura Investimentos Mod /PRODERAM/2010

20 MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 6. FINANCIAMENTO DA OPERAÇÃO: 6.1. ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO DA OPERAÇÃO: RUBRICAS ANOS DO INVESTIMENTO TOTAL PERCENTAGEM 1. CAPITAIS PRÓPRIOS 1.1 Capital 1.2 Prestações Suplementares de Capital 2. AUTOFINANCIAMENTO (1) 2.1 Autofinancimaneto (Resultados Líquidos + Amortizações + Variação de Provisões do Exercício) 3. CAPITAIS ALHEIOS (2) 3.1 Dívidas a Instituições de Crédito Médio / Longo Prazo Curto Prazo 3.2 Empréstimos Obrigacionistas 3.3 Dívidas a Sócios / Accionistas Suprimentos consolidados Médio / Longo Prazo Curto Prazo Outras Dívidas a Sócios / Accionistas 3.4 Locação Financeira 3.5 Outros 4. INCENTIVOS 4.1 Incentivo Não Reembolsável (INR) 4.2 Outros Incentivos ao investimento FINANCIAMENTO TOTAL ( ) CUSTO TOTAL DA OPERAÇÃO (1) Na criação de uma nova empresa não se admite o auto financiamento como fonte de financiamento da operação (2) Juntar ao Processo a confirmação das Entidades que concederem os capitais alheios, com indicação do montante e das condições dos empréstimos 6.2. FUNDAMENTAÇÃO DAS FONTES DE FINANCIAMENTO: 20 / 44 P8 Estrutura do Financiamento Mod /PRODERAM/2010

21 PASSIVO CAPITAL PRÓPRIO ACTIVO MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 7. BALANÇOS E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ENTIDADE PROMOTORA E DA OPERAÇÃO 7.1 BALANÇOS HISTÓRICOS DA ENTIDADE PROMOTORA (Preencher com Base no POC ou SNC conforme aplicável): Imobilizações Incorpóreas Imobilizações Corpórea Investimentos Financeiro Imobilizações em Curso Amortizações Acumuladas Ajustamentos de Investimentos Financeiros RUBRICAS DO BALANÇO (Com base no POC) Imobilizado Bruto ( ) Existências ( ) Matériasprimas Produtos Acabados e em Curso Mercadoria Outra Regularização e Ajustamentos de Existências Dívidas de Terceiros Médio e Longo Prazo 1.7 Dívidas de Terceiros Curto Prazo ( ) Clientes Outros 22 A Ajustamentos de Dividas a Receber e Provisões Depósito. Bancários / Caixa / Títulos Negociáveis 11 A Acréscimos e Diferimentos 27 TOTAL DO ACTIVO ( ) POC BALANÇOS HISTÓRICOS (Anos Antes Candidatura) ANO (1) ANO (2) ANO (3) Capital Social e Acções / Quotas Próprias Prestações Suplementares e Prémios de Emissão Ajustamentos de Capital em Filiais e Associadas Reservas de Reavaliação e Reservas Resultados Transitados Resultado Líquido do Exercício Dividendos Antecipados 89 TOTAL CAPITAL PRÓPRIO ( ) 3.1 Provisões Para Riscos e Encargos Dívidas a Terceiros M/L Prazo ( ) Dívidas a Instituições de Crédito Dívidas a Fornecedores de Imobilizado Dívidas a Sócios (Suprimentos) Outras Dívidas Dívidas a Terceiros Curto Prazo ( ) Dívidas a Instituições De Crédito Dívidas a Fornecedores Dívidas ao Estado e Outro Sector Público Dívidas a Sócios (Suprimentos) Outras Dívidas Acréscimos E Deferimentos ( ) Subsídios ao Investimento Outros 27 TOTAL DO PASSIVO ( ) TOTAL CAPITAL PRÓPRIO + PASSIVO 21 / 44 P9 Balanços Históricos Mod /PRODERAM/2010

22 PASSIVO 5. PASSIVO CORRENTE 4. PASSIVO NÃO CORRENTE CAPITAL PRÓPRIO 3. CAPITAL PRÓPRIO 2. ACTIVO CORRENTE ACTIVO 1. ACTIVO NÃO CORRENTE MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 7. BALANÇOS E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ENTIDADE PROMOTORA E DA OPERAÇÃO 7.1 BALANÇOS HISTÓRICOS DA ENTIDADE PROMOTORA (Preencher com Base no POC ou SNC conforme aplicável): 1.1 Activos Fixos Tangíveis 1.2 Propriedades de Investimento 1.3 Goodwill 1.4 Activos Intangíveis 1.5 Activos Biologicos 1.6 Particip. Financ. (Método da Equivalência Patrimonial) 1.7 Participações Financeiras (Outros Métodos) 1.8 Accionistas / Sócios 1.9 Outros Activos Financeiros 1.10 Activos por Impostos Diferidos 2.1 Inventários 2.2 Activos Biológicos 2.3 Clientes 2.4 Adiantamento a Fornecedores 2.5 Estado e Outras Entidades Públicas 2.6 Accionistas / Sócios 2.7 Outras Contas a Receber 2.8 Diferimentos RUBRICAS DO BALANÇO (Com base no SNC) TOTAL ACTIVO NÃO CORRENTE 2.9 Activos Financeiros Detidos para Negociação 2.10 Outros Activos Financeiros 2.11 Activos Não Correntes Detidos para Venda 2.12 Caixa e Depósitos Bancários TOTAL ACTIVO CORRENTE TOTAL ACTIVO NOTAS BALANÇOS HISTÓRICOS (Anos Antes Candidatura) ANO (1) ANO (2) ANO (3) Cápital Realizado 3.2 Acções (Quotas) Próprias 3.3 Outros Instrumentos de Capital Próprio 3.4 Prémios de Emissão 3.5 Reservas Legais 3.6 Outras Reservas 3.7 Resultados Transitados 3.8 Ajustamentos em Activos Financeiros 3.9 Excedentes de Revalorização 3.10 Outras variações no Capital Próprio 3.11 Resultados Líquidos do Período 3.12 Interesses Minoritários TOTAL CAPITAL PRÓPRIO 4.1 Provisões 4.2 Financiamentos Obtidos 4.3 Responsabilidades por Benefícios PósEmprego 4.4 Passivos por Impostos Diferidos 4.5 Outras Contas a Pagar TOTAL PASSIVO NÃO CORRENTE 5.1 Fornecedores 5.2 Adiantamento de Clientes 5.3 Estado e Outras Entidades Públicas 5.4 Accionistas / Sócios 5.5 Financiamentos Obtidos 5.6 Outras Contas a Pagar 5.7 Diferimentos 5.8 Passivos Financeiros Detidos para Negociação 5.9 Outros Passivos Financeiros 5.10 Passivos Não Correntes Detidos para Venda TOTAL PASSIVO CORRENTE TOTAL PASSIVO TOTAL CAPITAL PRÓPRIO + PASSIVO 22 / 44 P9 Balanços Históricos Mod /PRODERAM/2010

23 2. ACTIVO CORRENTE ACTIVO 1. ACTIVO NÃO CORRENTE MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 7. BALANÇOS E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ENTIDADE PROMOTORA E DA OPERAÇÃO 7.2 BALANÇOS PREVISIONAIS DA ENTIDADE PROMOTORA COM A OPERAÇÃO (Com Base no SNC): 1.1 Activos Fixos Tangíveis 1.2 Propriedades de Investimento 1.3 Goodwill 1.4 Activos Intangíveis 1.5 Activos Biologicos 1.6 Particip. Financ. (Método da Equivalência Patrimonial) 1.7 Participações Financeiras (Outros Métodos) 1.8 Accionistas / Sócios 1.9 Outros Activos Financeiros 1.10 Activos por Impostos Diferidos 2.1 Inventários 2.2 Activos Biológicos 2.3 Clientes 2.4 Adiantamento a Fornecedores 2.5 Estado e Outras Entidades Públicas 2.6 Accionistas / Sócios 2.7 Outras Contas a Receber 2.8 Diferimentos RUBRICAS DO BALANÇO (Com Base no SNC) TOTAL ACTIVO NÃO CORRENTE 2.9 Activos Financeiros Detidos para Negociação 2.10 Outros Activos Financeiros 2.11 Activos Não Correntes Detidos para Venda 2.12 Caixa e Depósitos Bancários TOTAL ACTIVO CORRENTE TOTAL ACTIVO NOTAS BALANÇOS PREVISIONAIS DA ENTIDADE PROMOTORA COM A OPERAÇÃO (ANOS APÓS REALIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS) ANO (+1) ANO (+2) ANO (+3) ANO (+4) ANO CRUZEIRO / 44 P10 Balanços Previsionais Mod /PRODERAM/2010

24 PASSIVO 5. PASSIVO CORRENTE 4. PASSIVO NÃO CORRENTE CAPITAL PRÓPRIO 3. CAPITAL PRÓPRIO MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 7. BALANÇOS E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ENTIDADE PROMOTORA E DA OPERAÇÃO 7.2 BALANÇOS PREVISIONAIS DA ENTIDADE PROMOTORA COM A OPERAÇÃO (Com Base no SNC): RUBRICAS DO BALANÇO (Com Base no SNC) 3.1 Cápital Realizado 3.2 Acções (Quotas) Próprias 3.3 Outros Instrumentos de Capital Próprio 3.4 Prémios de Emissão 3.5 Reservas Legais 3.6 Outras Reservas 3.7 Resultados Transitados 3.8 Ajustamentos em Activos Financeiros 3.9 Excedentes de Revalorização 3.10 Outras variações no Capital Próprio 3.11 Resultados Líquidos do Período 3.12 Interesses Minoritários TOTAL CAPITAL PRÓPRIO NOTAS BALANÇOS PREVISIONAIS DA ENTIDADE PROMOTORA COM A OPERAÇÃO (ANOS APÓS REALIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS) ANO (+1) ANO (+2) ANO (+3) ANO (+4) ANO CRUZEIRO Provisões 4.2 Financiamentos Obtidos 4.3 Responsabilidades por Benefícios PósEmprego 4.4 Passivos por Impostos Diferidos 4.5 Outras Contas a Pagar TOTAL PASSIVO NÃO CORRENTE 5.1 Fornecedores 5.2 Adiantamento de Clientes 5.3 Estado e Outras Entidades Públicas 5.4 Accionistas / Sócios 5.5 Financiamentos Obtidos 5.6 Outras Contas a Pagar 5.7 Diferimentos 5.8 Passivos Financeiros Detidos para Negociação 5.9 Outros Passivos Financeiros 5.10 Passivos Não Correntes Detidos para Venda TOTAL PASSIVO CORRENTE TOTAL PASSIVO TOTAL CAPITAL PRÓPRIO + PASSIVO m 24 / 44 P10 Balanços Previsionais Mod /PRODERAM/2010

25 CUSTOS DE EXPLORAÇÃO PROVEITOS DE EXPLORAÇÃO MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 7. BALANÇOS E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ENTIDADE PROMOTORA E DA OPERAÇÃO 7.3 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DA ENTIDADE PROMOTORA (Preencher com base no POC ou SNC conforme aplicável): RUBRICAS DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (Com base no POC) 1.1 Vendas: Produtos Mercadorias 1.2 Prestação de Serviços 72 Variação de Produção : 34; 35 e Trabalhos para Própria Empresa 75 Proveitos Suplementares Subsídios à exploração Proveitos e Ganhos Financeiros de Exploração Diferenças de Câmbios Favoráveis Descontos de PP obtidos Reversões de Amortizações e Ajustamentos 77 POC DADOS HISTÓRICOS (Três Anos Antes Candidatura) ANO (1) ANO (2) ANO (3) TOTAL PROVEITOS DE EXPLORAÇÃO ( ) Custo das Mercadorias Custo Matériasprimas e Subsidiárias Consumidas Fornecimentos e Serviços Externos Subcontratos 621 Trabalhos Especializados Electricidade e Combustíveis Comissões e Royalties Outros Fornecimentos e Serviços Externos 2.4 Custos com o Pessoal Amortizações do Exercício Provisões do Exercício Impostos Directos Indirectos Outros Custos de Exploração Custos e Perdas Financeiras de Exploração Diferenças de Câmbio Desfavoráveis Descontos de PP Concedidos TOTAL CUSTOS DE EXPLORAÇÃO ( ) 3. RESULTADOS DE EXPLORAÇÃO (12) 4. PROVEITOS E GANHOS EXTRAORDINÁRIOS 5. CUSTOS E PERDAS EXTRAORDINÁRIAS RESULTADOS ANTES DE FUNÇÃO FINANCEIRA (3+6) 7. PROVEITOS E GANHOS FINANCEIROS Juros Obtidos 78 (Sem 785 e 789) Outros 8. CUSTOS E PERDAS FINANCEIROS Juros Suportados 68 (Sem 685 e 689) Outros 9. RESULTADOS ANTES DE IMPOSTOS (6+78) 10. IMPOSTOS SOBRE OS RENDIMENTOS 86 RESULTADOS LÍQUIDOS (910) 25 / 44 P11 Demonstrações Históricas Mod /PRODERAM/2010

26 MEDIDA 1.7 AUMENTO DO VALOR DOS PRODUTOS ACÇÃO GRANDES E MÉDIOS INVESTIMENTOS 7. BALANÇOS E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ENTIDADE PROMOTORA E DA OPERAÇÃO 7.3 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DA ENTIDADE PROMOTORA (Preencher com base no POC ou SNC conforme aplicável): RUBRICAS DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (Com base no SNC) 1.1 Vendas e Serviços Prestados (+) 1.2 Subsídios à Exploração (+) Ganhos/Perdas Imputados de Subsidiárias, Associadas e 1.3 (+/) Empreendimentos Conjuntos 1.4 Variação nos Inventários da Produção (+/) 1.5 Trabalhos Para a Própria Entidade (+) 1.6 Custos das Mercadorias Vendidas e das Matérias Consumidas () 1.7 Fornecimentos e Serviços Externos () 1.8 Gastos Com o Pessoal () 1.9 Imparidade de Inventários (Perdas/Reversões) (+/) 1.10 Imparidade de Dívidas a Receber (Perdas/Reversões) (+/) 1.11 Provisões (Aumentos/Reduções) (+/) Imparidade de Investimentos Não Depreciáveis/Amortizações 1.12 (+/) (Perdas/Reversões) 1.13 Aumentos/Reduções de Justo Valor (+/) 1.14 Outros Rendimentos e Ganhos (+) 1.15 Outros Gastos e Perdas () NOTAS DADOS HISTÓRICOS (Três Anos Antes Candidatura) ANO (1) ANO (2) ANO (3) RESULTADOS OPERACIONAIS = RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTOS (EBITDA) 2.1 Gastos/Reversões de Depreciação e de Amortização (+/) Imparidade de Investimentos Depreciáveis/Amortizáveis 2.2 (+/) (Perdas/Reversões) RESULTADOS ANTES DE GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTOS (EBIT) 3.1 Juros e Rendimentos Similares Obtidos (+) 3.2 Juros e Gastos Similares Suportados () RESULTADOS ANTES DE IMPOSTOS (RAI) 4.1 Imposto sobre o rendimento do período (+/) RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO RESULTADO DAS ACTIVIDADES DESCONTINUADAS (Líquido de Impostos) Incluido no Resultado Líquido do Período RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO ATRIBUÍVEL A: DETENTORES DO CAPITAL DA EMPRESAMÃE (Apenas no caso de contas consolidadas) INTERESSES MINORITÁRIOS (Apenas no caso de contas consolidadas) TOTAL RESULTADO POR ACÇÃO BÁSICO OUTROS DADOS GASTOS DE AMORTIZAÇÃO 26 / 44 P11 Demonstrações Históricas Mod /PRODERAM/2010

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2014-2020 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Portal dos Incentivos Maio 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2020 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição da Operação... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS

9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/331 ANEXO I LISTA PREVISTA NO ARTIGO 38. o DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Junho 2014 Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Índice Enquadramento..3 Tipos de Apoio da Ação 1.1.1....4 Quem são os beneficiários?...5 Critérios de elegibilidade dos beneficiários...6

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário

Leia mais

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 70 000 62 207 60 000 valores em milhares de euros 50 000 40 000 30 000 20 000 21 786 17 825 8 620 10

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 3 500 3 336 3 000 valores em milhares de euros 2 500 2 000 1 500 1 000 1 367 1 279 727 500

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

Incentives News Flash nº 30/2014 Create value with public funding

Incentives News Flash nº 30/2014 Create value with public funding 11 de Novembro de 2014 Incentives News Flash nº 30/2014 Create value with public funding Acção 3.2 Investimento na exploração agrícola e Acção 3.3 Investimento na transformação e comercialização de produtos

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 CODIGO DESPESAS CORRENTES 010101 TITULARES DE ORGÃOS DE SOBERANIA E MEMBROS DE ORGÃOS AUTÁRQUICOS Corrente DL 26/2002 010102 ORGÃOS SOCIAIS Corrente DL 26/2002

Leia mais

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM 2012 RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM LAZEREEM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3 - Demonstração

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2011 Identificação da Declaração: Data da recepção: 27/06/2012 1. Identificação da Instituição Nome: AMU - COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE LUSÓFONA POR UM MUNDO

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013 Entida:ANIPB - Associação Nacional s Industriais Prefabricação em Betão BALANÇO EM 31 Dezembro 2013 Nº Contribuinte: 0084421 RUBRICAS 31 Dez 2013 31 Dez 2012 ATIVO Ativo Não Corrente Ativos Fixos Tangíveis

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: ASSOCIAÇÃO SOCIAL CULTURAL ESPIRITUALISTA Morada:

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura (a preencher pela ADRAL) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data : Criação de Empresa: SIM NÃO Prazo de Financiamento Ano de Carência

Leia mais

Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal RELATÓRIO DE GESTÃO. Aida Machado

Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal RELATÓRIO DE GESTÃO. Aida Machado Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal RELATÓRIO DE GESTÃO Aida Machado 1. Caracterização da Associação A ACPP, Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal, com sede na Rua Sant

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 29 de agosto de 2014. Série. Número 132

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 29 de agosto de 2014. Série. Número 132 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 29 de agosto de 2014 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução n.º 832/2014 Autoriza a celebração de um contrato-programa com a Casa

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Relatório Final (alínea i) do artº11º do Dec-Lei nº81/2008 de 16 de Maio)

Relatório Final (alínea i) do artº11º do Dec-Lei nº81/2008 de 16 de Maio) Relatório Final (alínea i) do artº11º do Dec-Lei nº81/2008 de 16 de Maio) INVESTIMENTOS A BORDO Data de Entrada Data de Verificação Assinatura e carimbo 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO Código do projecto:

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA MEDIDA 1.14 - ACTIVIDADES DE PROMOÇÃO E INFORMAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES ABRANGIDOS POR REGIMES DE QUALIDADE PORTARIA N.º

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 Índice Balanço... 3 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 4 Demonstração dos Fluxos de Caixa...

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INCENTIVO À CONSOLIDAÇÃO E AO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL (ICDE)

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INCENTIVO À CONSOLIDAÇÃO E AO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL (ICDE) FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INCENTIVO À CONSOLIDAÇÃO E AO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL (ICDE) N.º 2 DO ART.º 30.º DO DECRETO-LEI N.º 7/2005, DE 6 DE JANEIRO ALTERADO

Leia mais

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Município de Serpa Praça da República 7830-389 Serpa Telefone: 284 540 100 Fax: 284 540 109 Endereço

Leia mais

Relatório Final (alínea i) do artº11º do Dec-Lei nº81/2008 de 16 de Maio)

Relatório Final (alínea i) do artº11º do Dec-Lei nº81/2008 de 16 de Maio) Relatório Final (alínea i) do artº11º do Dec-Lei nº81/2008 de 16 de Maio) INVESTIMENTOS PRODUTIVOS NA AQUICULTURA Data de Entrada Data de Verificação Assinatura e carimbo 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

Esclarecimento 8/2014

Esclarecimento 8/2014 Segurança Alimentar Aprovação de estabelecimentos industriais em casas particulares Esclarecimento 8/2014 Resumo: O presente esclarecimento pretende clarificar o enquadramento legal da aprovação e atribuição

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Município de Valença Tlf: 251 809500 Fax: 251 809519 Site: www.cm-valenca.pt E-mail: gap@cm-valenca.pt Entidade gestora

Leia mais

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas Junho 2009 2 PME Investe IV Condições Específicas Breve Resumo das Condições CARACTERIZAÇÃO GERAL Linha Específica Sectores Exportadores Linha Micro e Pequenas Empresas Montante Global Até 400 milhões

Leia mais

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Incentivos PRODER Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Abertura: A partir de 22 de Maio Objectivos: Melhorar condições vida, trabalho e produção dos agricultores

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I INVESTIMENTOS É constituído pelos recursos que a empresa detém com carácter de continuidade, não se destinando a ser vendidos ou transformados no decorrer das suas actividades

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

DFR SOFT - EMPRESA DE DEMONSTRACAO Ref. : CONTP040 Data : 28/07/11 Listagem do Plano de Contas Pág. :

DFR SOFT - EMPRESA DE DEMONSTRACAO Ref. : CONTP040 Data : 28/07/11 Listagem do Plano de Contas Pág. : Listagem do Plano de Contas Pág. : 1 11 CAIXA 111 Caixa A 1111 Caixa A 112 Caixa Compras a Dinheiro 1121 Caixa Compras a Dinheiro 113 Caixa Vendas a Dinheiro 1131 Caixa Vendas a Dinheiro 114 Caixa Valores

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes.

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes. Ano: 2016 Instituição: CERCI Braga Caracterização Síntese: MISSÃO Contribuir para a congregação e articulação de esforços no sentido de melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira O presente documento pretende fazer um resumo do Decreto Legislativo Regional n.º 21/2/M de 21 de Agosto

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

1. Natureza Actividade Comercial Industrial Serviços

1. Natureza Actividade Comercial Industrial Serviços 1. Natureza Actividade Comercial Industrial Serviços 2. Vendas e Operações com clientes Artigos Venda Segmentos clientes - Mercado Interno vs Externo; Corporate vs Particulares PV e PMR (condições comerciais

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

1. Natureza Actividade Comercial Industrial Serviços

1. Natureza Actividade Comercial Industrial Serviços 1. Natureza Actividade Comercial Industrial Serviços 2. Vendas e Operações com clientes Artigos Venda Segmentos clientes - Mercado Interno vs Externo; Corporate vs Particulares PV e PMR (condições comerciais

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2014

Linha de Crédito PME Crescimento 2014 Linha de Crédito PME Crescimento 2014 As empresas têm à sua disposição, desde o passado dia 3 de março, uma nova linha de crédito para apoiar o financiamento da sua atividade. Trata-se da linha PME Crescimento

Leia mais