IV ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA - ANPUH-BA HISTÓRIA: SUJEITOS, SABERES E PRÁTICAS. 29 de Julho a 1 de Agosto de Vitória da Conquista - BA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA - ANPUH-BA HISTÓRIA: SUJEITOS, SABERES E PRÁTICAS. 29 de Julho a 1 de Agosto de 2008. Vitória da Conquista - BA."

Transcrição

1 IV ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA - ANPUH-BA HISTÓRIA: SUJEITOS, SABERES E PRÁTICAS. 29 de Julho a 1 de Agosto de Vitória da Conquista - BA. A RECONSTRUÇÃO DA MEMÓRIA DE CANUDOS NO ROMANCE REALISTA -FANTÁSTICO Joaquim Antonio de Novais Filho Professor da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) Palavras-chave: Guerra de Canudos. Literatura. Memória. Os Sertões. Consagrado pela história literária, Os Sertões foi considerado durante décadas a partir da sua publicação em 1902 o livro definitivo sobre a campanha de Canudos. Reconhecendo no conflito o momento fundamental na consolidação da identidade nacional, Euclides da Cunha soube expressar os horrores da guerra e a dose de barbárie empregada pelos agentes civilizadores. Entretanto, influenciado pelas teorias científicas em voga no seu tempo, se empenhou em explicar o movimento histórico a partir de esquemas raciais. É inegável, porém, que sua obra colaborou para imortalizar a guerra ocorrida no sertão baiano no final do século XIX. Além de influir na interpretação histórica, geográfica, sociológica, etnológica, etc, o livro vingador também motivou e scritores de ficção. Dois exemplos disso são os romances: A guerra do fim do mundo, do peruano Mario Vargas Llosa e A casca da serpente, de José Jacinto Veiga. Pretendo aqui abordar a releitura da guerra de Canudos a partir d Os Sertões promovida por essas obras, observando o seu potencial subversivo. A obra-prima de Euclides é marcante para ambos os romances. Seja nas referências ao fanatismo religioso e na fidelidade a seqüência dos fatos históricos em Llosa ou nas citações literais na obra de Veiga. Out ra característica comum entre as obras de Llosa e Veiga é a manipulação de elementos fantásticos. Nesse caso, os autores exploram habilmente as fronteiras do insólito e do absurdo. A proliferação de pontos de vista diversos e a dimensão utópica dão aos rom ances um aspecto contestador, polifônico e subversivo. Sendo assim, a fantástica aventura desenvolvida em A Guerra do Fim do Mundo e A Casca da Serpente, se inserem numa tradição literária marcada por uma prática discursiva onde as referências textuais são apresentadas a partir de uma rasura do texto original (KRISTEVA, 1974, p. 63). Publicado em 1981, o romance de Llosa reconta os acontecimentos de Canudos a partir de vários pontos de vista. Os sertanejos, os militares, os políticos, o jornalista míope, o anarquista e frenólogo escocês Galileu Gall apresentam as dificuldades tanto do lado dos conselheiristas quanto das forças oficiais. Com base em Os Sertões e informações colhidas em visita ao sertão baiano, o escritor peruano desenvolve no romance uma ric a trama sobre o conflito entre os canudenses e o exército. Entretanto, a breve descrição de Antonio Conselheiro no início do romance não traz detalhes de sua vida antes de se tornar peregrino e

2 2 sugere o caráter fanático do líder sertanejo. Em contrapartida, a descrição da conjuntura política da Bahia pós -proclamação da república é habilmente referida por Llosa. A mesquinha disputa pelo poder entre as facções da oligarquia baiana e sua influência no desdobramento da guerra é um dos destaques do seu romance. A Casca da Serpente, publicado em 1989, explora, em uma narrativa breve, a possível continuação da história de Antônio Conselheiro e seu séquito. Veiga narra a trajetória de um grupo de sertanejos que conseguem enganar o exército e f ugir com o seu líder, fundando outra comunidade, a Concorrência de Itatimundé. A partir daí a narrativa potencializa o tom insólito. Outras personagens aparecem no arraial. Primeiro, é o fotógrafo Militão, que encontra os irlandeses Pião Dó e Cotenille que haviam se juntado a o grupo inicial, e se interessa em registrar o arraial. Depois, surgem a musicista D. Chiquinha e o cientista Dr. Orville. E por fim, temos o príncipe russo: Pedro. Chama atenção aqui, o fato de esses personagens corresponderem a personalidades histórica s do final do século XIX. Militão de Azevedo ficou conhecido por ser o primeiro fotógrafo a retratar a evolução urbana de uma cidade brasileira: São Paulo. D. Chiquinha é referência à Chiquinha Gonzaga, famosa compositora que desafiou a sociedade machista da época. O Dr. Orville Derby, destacado geólogo que percorreu o território brasileiro entre o final do século XIX e in ício do XX, inclusive citado em Os Sertões. E com a personagem Pedro, uma referência ao anarquista russo Pietr Kropotkin, são apresentada s algumas idéias libertárias. Enquanto na obra de Euclides o sertão do norte é descrito como uma terra ignota, em A Casca da Serpente essa região convive e acolhe pessoas de diferentes origens. Entretanto o destino da Concorrência de Itatimundé seria igual ao de Canudos. Assim, algum tempo após a fundação a comunidade é destruída. Os invasores dinamitam a estátua em homenagem ao fundador do arraial levantada na praça principal. E, d a mesma forma que ocorrera em 1897, num dos momentos mais trágicos de nossa história, em 1965, a cidadela é incendiada pelos invasores. Data sugestiva, pois um ano antes os militares se instalaram no comando do país, perseguindo qualquer experiência que fosse considerada subversiva e colocasse em risco o futuro da nação. A diferença em relação a Canudos, que fora inundada por uma barragem na década de 1960, é que o destino do arraial foi transformar -se num depósito de lixo atômico administrado por uma indústria química com sede fictícia no Principado de Mônaco (VEIGA, 2003, p. 159). O romance de Veiga encontra-se repleto de referências intertextuais evidentes. Seja na fala peculiar dos jagunços, na presença insólita de personagens históricos que não estiveram no sertão de Canudos, nas citações bíblicas ou alusões a teorias científ icas. No entanto, é Os

3 3 Sertões de Euclides da Cunha que ocupa lugar privilegiado na narrativa de Veiga. Passagens literais do texto de Euclides aparecem na obra. No entanto, seu sentido é distorcido, questionado, contraposto. Considerando então que Os Sertões é texto original para ambos os romances, cabem algumas questões. Qual o grau de relação com o texto Euclidiano e as possíveis confluências de discursos? Qual o nível de subversão e as estratégias de apropriação da obra original? E, por fim: como o elem ento utópico é inserido nos romances de Veiga e Llosa? O romance de Llosa preserva o esquema temporal presente em Os sertões. Os sucessos das expedições militares são narrados com certa fidelidade ao relato de Euclides. É a inclusão de personagens fictício s e a troca de nomes de alguns personagens históricos como o barão de Canabrava, protótipo do barão de Jeremoabo que demonstram a operação de desconstrução do livro vingador. Já em A Casca da Serpente, Veiga (2003) opera uma insólita transgressão do te xto de Euclides, apesar de trechos de Os Sertões e o próprio escritor jornalista aparecerem na obra. Sua narrativa começa a partir dos momentos finais descritos por Euclides. Dá continuidade aos acontecimentos encerrados no livro vingador, explorando as possibilidades que não foram realizadas. Em Llosa, no entanto, a descrição do Conselheiro continua tributária da imagem legada por Euclides da Cunha. Apesar de não se referir, literalmente, a episódio relatado em Os Sertões, Llosa expõe o peregrino como um f anático. Em passagem do romance onde Antonio Beatinho decide entrar para o séquito de Antonio Conselheiro é legível a confirmação do fanatismo religioso: [...] O Beatinho chorou amargamente, ajoelhado junto ao Conselheiro. [...] O Conselheiro deixou -o chorar, permitiu que lhe beijasse a roda da túnica e não se alterou quando o Beatinho lhe suplicou novamente que o deixasse segui-lo, pois seu coração dizia que assim serviria melhor ao Bom Jesus. O menino abraçou-se a seus tornozelos e ficou beijando seus pé s calejados. Quando o notou exausto, o Conselheiro pegou sua cabeça com as duas mãos e o obrigou a olhá -lo. Aproximando seu rosto do dele, solene, perguntou se amava tanto a Deus a ponto de lhe sacrificar a dor. O Beatinho fez que sim com a cabeça, várias vezes. O Conselheiro levantou a túnica e o menino pôde vê-lo, na luz incipiente, tirar um arame que, na cintura, lacerava sua carne. Agora, leva-o tu, ouviu-o dizer. E ele mesmo ajudou o Beatinho a abrir suas roupas, a apertar o cilício em seu corpo, e a amarrá-lo (LLOSA, 2001, p. 24). Sendo assim, a representação do líder religioso em A Guerra do Fim do Mundo perpetua a imagem desenvolvida em Os Sertões. Imagem que promove uma compreensão enviesada da religiosidade sertaneja. A incompreensão da mensagem religiosa do Conselheiro

4 4 no livro de Euclides ecoa no romance de Llosa. Acerca da religiosidade do Conselheiro, José Augusto Cabral Barreto Bastos faz a seguinte consideração em seu livro Incompreensível e Bárbaro Inimigo : [...] Euclides da Cunha não con signava a evidência de que, conquanto impregnado dos paradigmas cristãos da Salvação e da Redenção, o que lhe retirava o estatuto de regressivo, o messianismo conselheirista rompia, por outro lado, com um passado de resignação e fatalismo que o discurso da religião oficial prescrevia, sacralizando e perenizando as relações de poder. (BASTOS, 1995, p. 23, grifo meu). A consideração do elemento religioso como regressivo parece ressoar na descrição do Conselheiro em A Guerra do Fim do Mundo. Observar a recorr ência desse elemento, não é desconsiderar o valor da obra. Entretanto, chama atenção para a permanência das considerações desenvolvidas em Os Sertões. Tem que se levar em conta que a obra literária encerra uma ambigüidade que deve ser observada pelo histor iador. Nesse sentido, Walter Benjamin em suas Teses sobre o conceito d a história reflete sobre os bens culturais, que ao mesmo tempo em que relata a vitória dos poderosos, fornece dados valiosos sobre os oprimidos. Os Sertões é caso exemplar desse duplo ca ráter dos bens culturais: [...] nunca há um documento de cultura que não seja, ao mesmo tempo, um documento de barbárie. E assim como ele não está livre da barbárie, também não está o processo de sua transmissão, transmissão na qual ele passou de um vencedor a outro (BENJAMIN, 2005, p. 70). É quando demonstra a manipulação das notícias na formação de uma opinião pública favorável ao massacre dos conselheiristas que o romance de Llosa ilumina o processo de legitimação promovido pel as classes dominantes. Em Canudos: História e Literatura, Garcia (2002, p. 94) observa que Llosa: [...] consegue demonstrar os interesses políticos que estavam por trás, não só dessa conspiração, como das várias que foram engendradas no país, e que os jornais publicavam de acordo com os seus interesses, ou melhor, o interesse de seus proprietários. Tecendo, assim, a teia de intrigas que mobilizou toda uma nação contra aqueles fanáticos. A difusão de boatos era intensa: conspiração monárquica; ajuda de estrangeiros; existência de armamento sofisticado. A imprensa desempenhava sua função na peleja. Justiça seja feita aos poucos que examinaram o desenrolar dos acontecimentos com lucidez. Entre esses, o correspondente do Jornal do Comércio, que também era militar, Manoel Benício. As

5 5 duras críticas dirigidas ao comandante da IV expedição, o Gal. Artur Oscar, fizeram com que fosse convidado a se retirar do sertão baiano. Na capital federal, um dos poucos intelectuais da época a evidenciar a manipulação dessas informações foi Machado de Assis. Em crônica do dia 6 de dezembro de 1896, ele comenta as notícias vind as da Bahia. Após a derrota da Expedição Pires Ferreira, o escritor carioca ironiza a imagem que se faz do Conselheiro: Há um ponto novo nesta aventura baiana; está nos telegrama s publicados anteontem. Dizem êstes que Antônio Conselheiro bate -se para destruir as instituições republicanas. Neste caso, estamos diante de um general Boulanger, adaptado ao meio, i.e, operando no sertão, em vez de o fazer na capital da república e na câ mara dos deputados, com eleições sucessivas e simultâneas (ASSIS, 1953, p. 348). Em A Guerra do Fim do Mundo a personagem Epaminondas Gonçalves político influente e dono de jornal arquiteta um plano para forjar provas que indicassem que o arraial sertanejo tinha contatos com agentes monarquistas. Nesse intuito, o escocês Galileu Gall é usado para levar ao sertão um carregamento de armas. O plano de Epaminondas era alimentar a idéia de uma ligação entre o governador da Bahia, Luis Viana, e os monarquist as reforçando a suspeita de conspiração. Após a derrota da Expedição do Major Febrônio de Brito o jornal traz uma longa notícia sobre a descoberta dos armamentos e do agente inglês no sertão: Os Republicanos Progressistas recordaram que duas semanas já se passaram da derrota da Expedição Febrônio de Brito, por rebeldes muito superiores em número e em armas, e apesar disso, e da descoberta de um carregamento de fuzis ingleses destinado a Canudos e do cadáver do agente inglês Galileu Gall na localidade de Ipupiara, as autoridades do Estado, a começar pelo Exmo. Sr. Governador Luis Viana, tem demonstrado uma passividade e apatia suspeitas, por não haver solicitado imediatamente, como o reclamam os patriotas da Bahia, a intervenção do Exército Nacional para e smagar a conjura que ameaça a própria essência da nacionalidade brasileira (LLOSA, 2001, p. 168). No romance de Veiga (2003) podemos observar uma mudança na descrição do Conselheiro. Em clara referência ao texto de Euclides da Cunha, vemos uma significati va diferença em relação à descrição do Conselheiro. Em Os Sertões, o aparecimento do peregrino no sertão baiano é assim descrito: [...] E surgia na Bahia o anacoreta sombrio, cabelos crescidos até aos ombros, barba inculta e longa; face escaveirada; olhar fulgurante; monstruoso dentro de um hábito azul de brim americano; abordoado ao

6 6 clássico bastão, em que se apóia o passo tardo dos peregrinos (CUNHA, 2002, p ). No romance de Veiga (2003, p. 57) é relatado assim : [...] Ele vagava pelos sertões, e vitando lugares freqüentados, para esconder a vergonha de um desastre pessoal, quando no norte da Bahia, mal passava a divisa de Pernambuco, de onde descia, avistou a serra de Ariranga, nas nascentes do rio Gravatá. [...] A certa altura, num patamar amplo e abrigado dos ventos, encontrou umas pessoas morando. A recepção foi fria, mas não hostil. Aquele homem sem enfeites, descalço, vestindo camisolão de asilo, cabelo e barba compridos, podia inc omodar, mas não podia fazer mal. Temos aqui a reescritura da trajetória do Conselheiro em contraste com Os Sertões, onde o Conselheiro surge como um lunático. Na descrição presente em A casca da serpente o conselheiro aparece de forma menos desabonadora. Porém, a referência ao desastre pessoal, deixa margem para a lenda arrepiadora relatada por Euclides da Cunha. A lenda indicava o Conselheiro como assassino da mãe e da própria esposa. Crime desmentido, pois o Conselheiro tinha ficado órfão de mãe aos seis anos. No que diz respeito à relação intertextual entre os roma nces em questão e Os Sertões vejamos algumas estratégias de apropriação e subversão. A relação entre o romance de Llosa e Os Sertões não ocorre como uma referência textual. Llosa se apropria do texto euclidiano, mas não deixa vestígios evidentes dessa oper ação. É possível observar, no entanto, em algumas personagens de A Guerra do Fim do Mundo, reminiscências do livro vingador e seu autor. As personagens Galileu Gall e o jornalista míope apresentam curiosas ligações com Euclides. Em carta de Gall ao jornal francês L Étincelle de la Révolte observa-se uma série de elementos que indica a referência a Os Sertões. Ao comparar o arraial sertanejo com a Vendéia, identificando -o com a monarquia, o revolucionário escocês cita uma referência comum na época do confli to, mas que é desenvolvida por Euclides em dois artigos publicados após a derrota da Expedição Moreira César. Imagino a decepção de muitos leitores e suas suspeitas, ao ler o que está escrito acima, de que Canudos, como a Vendéia durante a Revolução, é u m movimento retrógado, inspirado pelos curas. Não é tão simples, companheiros. Já sabeis, por minha última carta, que a Igreja condena o Conselheiro e Canudos e que os jagunços arrebataram as terras de um Barão (LLOSA, 2001, p ).

7 7 A referência a lo calidade conhecida pelo seu caráter anti -republicano durante a revolução francesa do final do século XVIII aparece também em Os Sertões: Malgrado os defeitos do confronto, Canudos era a nossa Vendéia. [...] O mesmo misticismo, gênese da mesma aspiração po lítica; as mesmas ousadias servidas pelas mesmas astúcias, e a mesma natureza adversa, permitiam que se lembrasse aquele lendário recanto da Bretanha (CUNHA, 2002, p. 224). Em outra passagem da correspondência o revolucionário escocês relata uma conversa com Pajéu. Nela, a referência ao sebastianismo em Canudos é endossada, corroborando a tese de Euclides da Cunha: Olhando-me nos olhos, sem pestanejar, o homem me recitou frases absurdas, das quais vos dou uma amostra: os soldados não são a força, mas a fr aqueza do governo, quando for necessário as águas do Vaza -Barris se transformarão em leite e suas barrancas em paçoca de milho, e os jagunços mortos ressuscitarão para estar vivos quando aparecer o Exército do Rei Dom Sebastião (LLOSA, 2001, p. 113). Um paralelo curioso pode ser estabelecido entre o trágico fim de Gall e a morte de Euclides da Cunha. Da mesma forma que o engenheiro republicano, que, em troca de tiros com o amante da esposa, acabou sendo morto, o frenológo escocês, após envolver -se com Jurema, a mulher do rastejador Rufino, tem o mesmo fim. O Anão continua apertando -lhe a mão e olhando, como ela. Jurema vê que Gall tem uma faca meio cravada no corpo, à altura das costelas. Ouve, sem parar, clarins, sinos, apitos. De repente, a luta cessa po rque o escocês, soltando um rugido, rola a uns metros de Rufino. Jurema o vê pegar o cabo da faca e arrancá-la, com um novo rugido. Agora ele está olhando para Rufino, que também o olha, do ba rro, a boca e um olhar sem vida (LLOSA. 2001, p. 387). O frenológo escocês, entusiasta da ciência, da mesma forma que o escritor caboclo fora vítima da passionalidade criticada no livro vingador (MOREIRA, 2008, p.10). Em A casca da serpente ocorre um processo de apropriação e subversão do texto euclidiano. No roman ce de Veiga o autor de Os Sertões aparece como o jornalista Pimenta da Cunha. Referência ao sobrenome de Euclides. Citado literalmente, mas também parafraseado, o texto original é usado como estratégia de alteração do sentido. Já no inicio do romance ocorre uma referência explícita ao texto original, que anuncia o processo de utilização do texto de Os Sertões:

8 8 No dia 2 de outubro de 1897 dois jagunços de Canudos, exaustos da guerra e agitando uma bandeira branca conseguiram chegar ao general Artur Oscar, comandante da quarta e última expedição federal despachada contra os rebeldes. Um dos jagunços era Antônio Beatinho, o sacristão de Antônio Conselheiro; o outro era Bernabé José de carvalho, espécie de secretário para assuntos políticos. Vinham comunicar ao general comandante que os derradeiros defensores do arraial queriam se render (VEIGA, 2003, p. 7). Nessa passagem, Veiga opera mais uma vez uma reescritura do trecho de Os Sertões onde o Beatinho se entrega aos militares. Anuncia assim o uso do texto de Euclides da Cunha no decorrer do romance. Eis a passagem original: [...] Agitara-se pouco depois do meio -dia uma bandeira branca no centro dos últimos casebres, e os ataques cessaram imediatamente do nosso lado. Rendiam-se, afinal. Entretanto não soaram o s clarins. Um grande silêncio avassalou as linhas e o acampamento. A bandeira, um trapo nervosamente agitado, desapareceu; e, logo depois, dois sertanejos, saindo de um atravancamento impenetrável, se apresentaram ao comandante de um dos batalhões. Foram p ara logo conduzidos à presença do comandante-em-chefe, na comissão de engenharia. [...] Um deles era Antônio, o Beatinho, acólito e auxiliar do Conselheiro (CUNHA, 2002, p. 525). A estratégia de Veiga em A Casca da Serpente privilegia a presença de Eucli des da Cunha em referências literais. No entanto, extrapola as impressões da guerra contidas n Os Sertões promovendo um rompimento com um referencial histórico -factual. Evidente nesse caso pela maneira como é inserido o elemento utópico em sua narrativa. N o caso mais evidente da inclusão da personagem Pedro, referência ao anarquismo. Por fim, considerando que a presença de personagens anarquistas configure simultaneamente um elemento insólito por ser considerado exótico ao sertão e utópico por se referir a uma proposta de transformação da sociedade vejamos como ele é inserido nos romances em questão. Em A Guerra do Fim do Mundo, o escocês Galileu Gall anarquista e frenólogo segue para o sertão baiano para se juntar aos canudenses. Em A Casca da Serpente surge na Concorrência de Itatimundé o anarquista Pedro, numa referência ao libertário russo: Pietr Kropotkin. Esta personagem mantém diálogos com o Conselheiro e influi num processo de transformação do líder sertanejo. Personagem de destino tragicômico, Galileu Gall é descrito pelo jornalista míope como: Um escocês que anda pedindo licença aos baianos para tocar na cabeça deles. Suas origens são apresentadas pelo narrador de A Guerra do Fim do Mundo da seguinte maneira:

9 9 O pai foi discípulo de um homem a quem considerava um dos sábios augustos de seu tempo: Franz Joseph Gall, anatomista, físico e fundador da ciência frenológica. [...] para o pai de Galileu esta disciplina significava a morte da religião, [...] a prova de que o espírito não era o qu e a feitiçaria filosófica sustentava, imponderável e impalpável, mas uma dimensão do corpo [...] e tal como estes capaz de ser estudado e tratado clinicamente. O escocês incutiu no filho, desde que teve uso da razão, este simples preceito: a revolução libertará a sociedade de seus flagelos e a ciência, o indivíduo. A lutar pelas duas dedicara Galileu a sua existência (LLOSA, 2001, p. 26). Entusiasta do progresso o anarquista do romance de Llosa é também o exemplo do discurso cientificista, hegemônico no sé culo XIX. A crítica ao fanatismo em Llosa não se detêm apenas à dimensão religiosa, mas sugere também uma dimensão política, no caso de Gall, do jornalista míope e do cel. Moreira César. Político liberal em seu país de origem, Llosa promove em seu romance uma severa condenação dos diversos fanatismos. Como observa Fernandes (2002, p. 435): Essa incapacidade de aceitar divergências tendo origem nos fanatismos que não chegam a se comunicar, parece ser o elemento central que guia o narrador de La Guerra del fin del mundo. A personagem Gall demonstra em várias passagens do romance a sua incompreensão do fenômeno de Canudos. Encarando o arraial como um reduto socialista, o escocês diminui a importância do elemento religioso, considerando -o como sinônimo d e atraso. No entanto, é a pretensa idéia de uma linearidade temporal que impede uma melhor compreensão do arraial conselheirista. Llosa, também tributário dessa visão considera a guerra de Canudos como um choque entre vários fanatismos. Temos aqui uma clar a influência da obra de Euclides. Ao tratar a destruição de Canudos como fruto da incompreensão considera os militares republicanos também fanáticos, bárbaros. Os Sertões é assim um intenso mea-culpa do crime da nacionalidade. Considerar a guerra como resu ltado de um fanatismo mútuo é simplificar a dimensão subversiva do desenvolvimento do arraial fundado por Antonio Conselheiro. A religião desempenhava aí o papel de promover uma coesão social que não era absurda no sertão daquela época. Conselheiro estava inserido em sua sociedade operando ações que supriam carências espirituais e materiais. É a sua crescente influência e a dimensão prática de suas obras que passam a incomodar os poderosos. Esse incômodo vinha desde a sua peregrinação nos anos Após a proclamação da república e a antipatia do Conselheiro em relação ao novo regime ocorre um redimensionamento da figura do líder sertanejo. Em 1893, após anos de peregrinação, ele funda com seus seguidores o arraial do Belo Monte, na fazenda Canudos,

10 10 parte da imensa propriedade dos parentes do barão de Jeremoabo. No romance de Llosa é curioso notar que a personagem que demonstra maior lucidez e astúcia é o barão de Canabrava. Após o conflito que arrasara suas propriedades, deixara sua mulher traumatizada e fizera-o se afastar da vida pública, o barão trava um longo diálogo com o jornalista míope, que esteve em Canudos. Depois disso reflete em silêncio sobre o fim de Canudos: Era isso o que o preocupava, angustiava e o mantinha como pisando em brasas vivas? Esse enxame de aves carnívoras, devorando a podridão humana, que era tudo o que restava de Canudos vinte e cinco anos de suja e sórdida política para salvar a Bahia dos imbecis e dos ineptos aos quais competia uma responsabilidade que não eram capazes de a ssumir, para que tudo terminasse em um festim de abutres, pensou (LLOSA, 2001, p ). Em A Casca da Serpente a dimensão utópica é explorada de outra maneira. O aparecimento da personagem Pedro indica um momento chave. Apesar de ter aparecido já no novo arraial, fundado com a ajuda dos irlandeses: Pião Dó e Cotenile, a figura de Pedro trava inúmeros diálogos com tio Antonio, o antigo líder religioso sertanejo. A ocasião em que ele aparece é assim descrita: [...] naqueles dias desencadeou -se uma série de acontecimentos quase que simultâneos, muita gente chegando de repente, como se tivesse marcado encontro justamente ali, de todos os lugares do mundo (VEIGA, 2003, p. 142). A primeira aparição do príncipe anarquista é narrada assim: Primeiro foi um senhor alto, magro, olhar sonhador, voz encorpada e ressoante. Devia ser escritor, ou filósofo. Não largava um livro em francês, [...] e andava às voltas com um catatau manuscrito, que dizia ser um livro que vinha escrevendo. O nome do escritor era muito c omplicado para ouvidos e língua sertanejos, e ele mesmo pediu que deixassem o nome e o chamassem de Pedro (VEIGA, 2003, p. 142). Ao promover uma ligação entre os sobreviventes de Canudos e o anarquista russo, Veiga narra não só a história do arraial sert anejo, mas sim a historia de resistência de todos os oprimidos. Batalha que não cessa de ser vencida pelas classes poderosas. Mas que deve ser contada a partir da valorização dos atributos dos que resistem. Afinal astúcia, humor, inteligência não são quali dades só dos vencedores (BENJAMIN, 2005, p. 58). Elemento de destaque no romance de J. J. Veiga é a insistente permanência, na memória de luta, do arraial

11 11 fundado pelo Conselheiro no sertão baiano. Veiga mostra a possibilidade da construção de uma sociedade libertária e problematiza o processo de produção na sociedade de classes. Mesmo expondo as dificuldades da edificação do novo arraial, A Casca da Serpente promove uma crítica à historiografia dos vencedores, presa aos fatos, com uma ilusão de alcançar a verdade definitiva. Torna -se assim uma historiografia inconsciente ao abordar as possibilidades perdidas no decorrer da história. Perdidas mas não esquecidas, pois alimentam o sonho dos que continuam a lutar contra toda a opressão (GARCIA, 2002, p. 112). Por fim, deve se levar em conta que em ambos os romances parece haver uma incompreensão da dimensão religiosa do arraial sertanejo. Em Llosa, é a permanência da imagem do fanatismo. Em Veiga (2003), é a ultrapassagem da religião como um indicativo de evolução da comunidade sertaneja. Essas constatações são compreensíveis na medida em que se observa a forte influência exercida pelo livro de Euclides da Cunha nos dois romances. Sendo assim ainda está para ser escrito o romance que tragam as feições dos sertane jos. Rememorar Canudos é reconhecer que em nome do progresso, da ordem, da consolidação do regime republicano foi construído um discurso que legitimasse o uso da violência. Tendo como principal argumento o fato de se tratar de uma comunidade religiosa fanática, a idéia se perpetuou. Num mundo onde a religião passa a ter uma função secundária, o elemento sagrado aparece como sinal de atavismo. Sendo assim, a modernização do Brasil, ao se confundir com o processo de consolidação de uma nacionalidade, promoveu uma desvalorização da dimensão religiosa. A marcha inexorável rumo ao progresso, ao desenvolvimento, ao crescimento econômico ecoa hoje nas plataformas dos políticos, seja da direita, da esquerda. Parecem todos concordarem com o que escreveu Cunha (2002, p. 79) em seu livro vingador, estamos condenados à civilização. Ou progredimos ou desaparecemos. Canudos ainda é um exemplo, não o único, de resistência aos desmandos dos poderosos. Referências ASSIS, Machado de. A semana, crônica de 6/12/1896. Rio de Janeiro; São Paulo; Porto Alegre: Jackson, v. 3. BASTOS, José Augusto Cabral Barretto. Incompreensível e bárbaro inimigo: a guerra simbólica contra Canudos. Salvador: Edufba, BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: LÖWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio: uma leitura das teses sobre o conceito de história. São Paulo: Boitempo, CUNHA, Euclides da. Os Sertões: a campanha de Canudos. São Paulo: Martin Claret, 2002.

12 12 FERNANDES, Rinaldo de. Os sertões na leitura de Ma rio Vargas Llosa: quatro personagens de La guerra del fin del mundo. In:. (Org.). O clarim e a oração : cem anos de Os Sertões. São Paulo: Geração Editorial, p GARCIA, Simone. Canudos: história e literatura. Curitiba: HD Livros Editora, KRISTEVA, Julia. A palavra, o diálogo e o romance. In:. Introdução à semanálise. Trad. Lúcia H. F. Ferraz. São Paulo: Perspectiva, p LLOSA, Mario Vargas. A guerra do fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, MOREIRA, Raimundo Nonato Pereira. As vidas paralelas (e invertidas) de Euclides da Cunha e Antônio Conselheiro. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA ANPUH/ BA, 4., 2009, Vitória da Conquista. Anais eletrônicos... Vitória da Conquista: Edições Uesb/ANPUH/BA, No prelo. VEIGA, J. J. A casca da serpente. Rio de Janeiro: Bertrand, 2003.

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis Grupos de Oração sem a experiência do Batismo no Espírito Santo, exercício dos carismas e o cultivo da vivência fraterna, revelam uma face desfigurada da RCC. Reflitamos a esse respeito tendo por base

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus.

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. Profeta Daniel Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. O livro de Daniel liga-se ao livro do Apocalipse do Novo Testamento, ambos contêm

Leia mais

CURSOS História e Tecnologia em Design de Moda

CURSOS História e Tecnologia em Design de Moda PROCESSO SELETIVO 2006/1 História CURSOS História e Tecnologia em Design de Moda Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. Este caderno de prova contém dez

Leia mais

25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos

25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos 25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos Intervenção da Deputada Municipal do PSD Célia Sousa Martins Senhora Presidente da Assembleia Municipal, Senhor Presidente da Câmara

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

10 Para ganhar a guerra

10 Para ganhar a guerra Prefácio Ao longo da história, líderes militares enfrentaram o dilema de formular o plano tático correto para conseguir a vitória no campo de batalha. Muito depende da preparação para esse momento: ter

Leia mais

IIIDomingo Tempo Pascal- ANO A «..Ficai connosco, Senhor, porque o dia está a terminar e vem caindo a noite

IIIDomingo Tempo Pascal- ANO A «..Ficai connosco, Senhor, porque o dia está a terminar e vem caindo a noite Ambiente: Os comentadores destacaram, muitas vezes, a intenção teológica deste relato. Que é que isto significa? Significa que não estamos diante de uma reportagem jornalística de uma viagem geográfica,

Leia mais

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia.

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Jesus e sua vida Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Seu nascimento foi no meio de muitas

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil MATERIAL DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 6 ANO 1) Classifique as fontes listadas abaixo em primarias e secundárias: - Vídeo do atentado terrorista ao World Trade Center em 2001 - Trecho da Carta de Pero

Leia mais

O livro que falava com o vento e outros contos

O livro que falava com o vento e outros contos LER a partir dos 10 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro que falava com o vento e outros contos JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Alain Corbel Apresentação da obra O Livro Que Falava com o Vento

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

Geração compaixão A Revolução do Amor!

Geração compaixão A Revolução do Amor! 1 Geração compaixão A Revolução do Amor! A velocidade com que o tempo passa, nos mostra claramente a fugacidade da vida. Já estamos em 2016! E este será um ano diferente para a juventude adventista no

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade Sugestões de atividades As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade 9 CIÊNCIAS 1 Ciências Naturais 1. Por que a Física é considerada uma ciência básica? 2. O que a Biologia estuda? 3. O que

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

O líder influenciador

O líder influenciador A lei da influência O líder influenciador "Inflenciar é exercer ação psicológica, domínio ou ascendências sobre alguém ou alguma coisa, tem como resultado transformações físicas ou intelectuais". Liderança

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Relatório de rpg. RPG capitães de areia 15/05/2008. Maria Tereza P. Bethlem

Relatório de rpg. RPG capitães de areia 15/05/2008. Maria Tereza P. Bethlem Relatório de rpg RPG capitães de areia 15/05/2008 Maria Tereza P. Bethlem Relatório. Personagem: Fátima RPG: capitães de areia. Questões: CONCEITO : 1. O que é a minha personagem? Malandra de rua e pratica

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante.

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante. Aula 25 Creio na Igreja Católica.1 Frei Hipólito Martendal, OFM. 1. Leitura de At 2, 1-15. Ler e explicar... Dia de Pentecostes (=Quinquagésima) é o 50º dia depois da Páscoa. Os judeus celebravam a Aliança

Leia mais

O CASO A GUERRA DO CONTESTADO

O CASO A GUERRA DO CONTESTADO O CASO A GUERRA DO CONTESTADO Logo no início do século XX pairava no ar um clima de instabilidade na região sul do país, devido às diferenças entre grupos sociais, as quais se acentuaram e geraram um conflito

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Mestrando Marcos Francisco ALVES Orientadora Dra. Maria Amélia Garcia

Leia mais

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia.

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Caríssimos Irmãos e Irmãs: Assim que Maria Madalena vira o túmulo vazio, correu à Jerusalém atrás de Pedro e João. Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde

Leia mais

Missões para os índios americanos

Missões para os índios americanos Missões para os índios americanos Em busca do Nobre Selvagem A história de missões ameríndias é intrigante: Iniciada pela igreja Católica; Despertou o interesse dos protestantes. Depois de muito zelo e

Leia mais

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA FACELI FACULDADE SUPERIOR DE LINHARES DISCIPLINA DE HISTÓRIA DO DIREITO CURSO DE DIREITO / 1º DIREITO B ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA BARBARA LICIA JAMARA FERREIRA P. ARAUJO JANE SCHULZ

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Literatura e Redação conexões possíveis

Literatura e Redação conexões possíveis Literatura e Redação conexões possíveis Desde 2005, a UFSC vem explorando os temas extraídos das obras literárias, de leitura obrigatória, para elaboração das propostas de Redação. O gêneros textuais cobrados

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

Tema ASCENSÃO DO SENHOR

Tema ASCENSÃO DO SENHOR Encontro n. 6 ema ASCENSÃO DO SENHOR I. ACOLHIDA Ambiente: Lenço branco sobre a mesa, como sinal de despeida; uma cadeira vazia ou um banco próximo ao altar. Bíblia sobre o altar, vela acesa, com flores.

Leia mais

Os Cânticos do Natal # 03 O Cântico de Zacarias Lucas 1.67-79

Os Cânticos do Natal # 03 O Cântico de Zacarias Lucas 1.67-79 Benedictus - O Cântico de Zacarias Lucas 1.67-79 67 Seu pai, Zacarias, foi cheio do Espírito Santo e profetizou: 68 Louvado seja o Senhor, o Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo. 69 Ele

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

seu casamento, apenas nos chegou a notícia de que foi fracassado e a mulher o abandonou. Nada se sabe sobre o início de sua atividade religiosa e

seu casamento, apenas nos chegou a notícia de que foi fracassado e a mulher o abandonou. Nada se sabe sobre o início de sua atividade religiosa e GUERRA DE CANUDOS Confronto entre o Exército e os participantes de um movimento popular de fundo religioso liderado por Antônio Conselheiro, ocorrido na comunidade de Canudos, no interior da Bahia, em

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

O GERENTE MINUTO. Como Tomar Decisões Rápidas. (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record)

O GERENTE MINUTO. Como Tomar Decisões Rápidas. (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record) O GERENTE MINUTO Como Tomar Decisões Rápidas (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record) Este livro relata a história de um jovem que andava a procura de um Gerente

Leia mais

Enquadramento Histórico

Enquadramento Histórico Enquadramento Histórico Aquilo que os cristãos conhecem de Paulo resume-se a dois ou três momentos da sua vida: a conversão na estrada de Damasco, o discurso no areópago de Atenas, o martírio na cidade

Leia mais

TEXTO BÍBLICO: Lucas 9, 51-52

TEXTO BÍBLICO: Lucas 9, 51-52 LECTIO DIVINA Domingo 27 de Junho de 2010 13º Domingo do Tempo Comum Ano C A tua palavra é lâmpada para guiar os meus passos, é luz que ilumina o meu caminho. Salmo 119,105 Os samaritanos não recebem TEXTO

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego.

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego. Mensagem: O HOMEM QUE ABRIU OS OLHOS PARA DEUS Pastor: José Júnior Dia: 22/09/2012 sábado AMAZON JOVENS Texto-base: Lucas 18:35-43 A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR Bíblia para crianças apresenta JACÓ O ENGANADOR Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:M. Maillot; Lazarus Adaptado por: M Kerr; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido por: Bible for Children

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

Leitura e Mediação Pedagógica

Leitura e Mediação Pedagógica Protocolo Colaborador: 12 Leitura e Mediação Pedagógica G. Pesquisador: Rosineide Magalhães de Sousa Corinthians(2) x Palestra(1)#Rosineide\cor_pal.jpg.jpg# Transcrição 80) P: Então Gabriel... eu vou pedir

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA

O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA Antonio Henrique Pinto ahenriq@unicamp.br Introdução O ensino de matemática passou por

Leia mais

Deus o chamou para o ministério da palavra e do ensino também. Casou-se aos 21 de idade com a ministra de louvor Elaine Aparecida da Silva

Deus o chamou para o ministério da palavra e do ensino também. Casou-se aos 21 de idade com a ministra de louvor Elaine Aparecida da Silva Biografia Jessé de Souza Nascimento, nascido em 11/04/1986 em um lar evangélico. Filho de Adão Joaquim Nascimento e Maria de Souza Nascimento. Cresceu sendo ensinado dentro da palavra de Deus e desde muito

Leia mais

Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes,

Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes, 1 Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes, É com muita emoção que ocupo esta importante Tribuna

Leia mais

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis)

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (Este

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 #93r Há uma grande semelhança entre a sequência dos acontecimentos do período da Tribulação, descritos no livro do Apocalipse, com relação a Mateus 24. Vamos hoje, analisar

Leia mais

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15 KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15 A mentira não agrada a Deus Principio: Quando mentimos servimos o Diabo o Pai da mentira. Versículo: O caminho para vida é de quem guarda o ensino, mas o que abandona

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Luiza Wainer UMA REFLEXÃO SOBRE A CONDIÇÃO DO HOMEM LIVRE NO ROMANCE FOGO MORTO, DE JOSÉ LINS DO REGO São Paulo/SP

Leia mais

Histórias, Redes Sociais e Memória

Histórias, Redes Sociais e Memória Histórias, Redes Sociais e Memória h.d.mabuse "A capacidade de lembrar o que já se viveu ou aprendeu e relacionar isso com a situação presente é o mais importante mecanismo de constituição e preservação

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA DEPUTADO MARCELO SERAFIM

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

Planejamento de Carreira

Planejamento de Carreira Planejamento de Carreira Cyro Barretto XXII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica O que é Sucesso? "Sucesso é acordar pela manhã, seja você quem for, qualquer que seja o lugar onde você

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém,

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, lá permanecendo até, pelo menos, pouco depois de Pentecostes.

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Sempre Abundantes. IDE Curso E1 - Células. Lição 6 Multiplicando a sua célula

Sempre Abundantes. IDE Curso E1 - Células. Lição 6 Multiplicando a sua célula Sempre Abundantes IDE Curso E1 - Células Multiplicando a sua célula Vídeo: não desista agora! 2 Que lições aprendemos com este vídeo? Grupos de 4 a 6 pessoas Conversem sobre o vídeo e formulem duas lições

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum?

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum? A Busca Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas em livros e filmes podemos encontrar uma trama em comum? Alguém, no passado, deixouse

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais