Compreensão Oral em Língua Inglesa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Compreensão Oral em Língua Inglesa"

Transcrição

1 Maria Cecília Lopes Compreensão Oral em Língua Inglesa Edição revisada IESDE Brasil S.A. Curitiba 2012

2 2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dos direitos autorais. CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ L854c Lopes, Maria Cecília, Compreensão oral em língua inglesa / Maria Cecília Lopes. - ed., rev. - Curitiba, PR : IESDE Brasil, p. : 28 cm Inclui bibliografia ISBN Língua inglesa - Estudo e ensino. 2. Língua inglesa - Compêndios para estrangeiros. I. Inteligência Educacional e Sistemas de Ensino. II. Título CDD: CDU: Capa: IESDE Brasil S.A. Imagem da capa: Shutterstock Todos os direitos reservados. IESDE Brasil S.A. Al. Dr. Carlos de Carvalho, CEP: Batel Curitiba PR

3 Sumário A (very) brief look at the history of English 7 Povos que influenciaram a língua inglesa 8 Algumas características da língua inglesa oral 10 Breve histórico sobre compreensão oral em língua inglesa 12 Sentence and word stress are very important 19 Different accents for the same language 35 Greetings and farewells Cumprimentos e despedidas 38 Hit or miss consonants 51 A pronúncia e o stress observado nas consoantes 53 English as a global language 71 O stress em verbos da língua inglesa 73 Verbos relacionados a viagens 74 Pandora's box: the mysteries of language 91 Unindo (Linking) as palavras algumas regras 93 Rhythm is in the air, it is everywhere 111 Numbers 0 to 20 (Números de 0 a 20) 114 Calendar Calendário (dia e mês) 119 The months of the year Os meses do ano 120 Prepositions of time Preposições de tempo 121 Intonation is crucial for communication 131

4 Differences between American and British English 147 Describing the weather (descrevendo o tempo) Vocabulary (vocabulário) 151 Differences between Scottish English and Standard English 159 Describing people (descrevendo as pessoas) Vocabulary (vocabulário) 161 Canadian English 173 Currency (Moeda) 174 Ways of paying 175 Australian English 183 Referências 195

5 Apresentação Esta disciplina tem por objetivo apresentar aos alunos de Letras aspectos diferenciados da pronúncia da língua inglesa, considerados importantes para a compreensão auditiva da mesma. No transcorrer do material, o aluno terá acesso a aspectos históricos, culturais e situacionais que podem fazer diferença quando do contato auditivo com a língua. De forma clara, com exemplos e exercícios escritos e auditivos o aluno terá contato com diversas situações do uso cotidiano e típico da língua inglesa, bem como com diferentes pronúncias da mesma (britânica, americana, australiana). Também são apresentadas estratégias de compreensão auditiva de textos autênticos (ou fragmentos de textos) em língua inglesa. Os 12 capítulos apresentam: noções básicas sobre a língua inglesa, suas origens e sua formação sonora; noções sobre o stress da língua inglesa em vogais, consoantes e diferentes classes gramaticais; a ligação sonora entre palavras na fala em língua inglesa; o ritmo e a entonação da língua inglesa e as diferenças entre as pronúncias de diversos falantes nativos. Maria Cecília Lopes

6

7 A (very) brief look at the history of English Maria Cecília Lopes* Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades Luíz Vaz de Camões ( ) 1 Assim como os seres humanos, a língua é dotada de vida. Ela se apresenta com características próprias, como se fosse um ser autônomo, trilhando um caminho paralelo ao nosso, evidenciando e registrando a cultura, os hábitos e as crenças de seus falantes. Tal qual os seres humanos, a língua está em constante mudança. Mais do que um conjunto de signos linguísticos, a língua expressa o modo de viver e agir dos indivíduos de uma comunidade num determinado momento. As origens da língua enquanto um conjunto linguístico são de difícil precisão, mas provavelmente ela teve seu início quando o homem deixou de ser nômade e passou a viver em pequenos grupos sociais. Desenvolver um padrão de comunicação passou a ser essencial e desde então linguagem, língua e fala têm sido objetos de estudo para milhares de pesquisadores. Linguagem, língua e fala são distintas em termos de significado e quando unidas possibilitam a interação social entre indivíduos de uma mesma comunidade. A linguagem pode ser vista sob diversos prismas: pode ser a linguagem familiar, a técnica, a erudita, a linguagem comercial, só para citar alguns exemplos. A língua se constitui como um conjunto de signos linguísticos que possibilita aos indivíduos que expressem suas crenças, ideias, opiniões, desejos e a fala é um dos meios pelos quais a língua é utilizada para expressar tais anseios. A oralidade manifesta-se de maneiras variadas, oscila de acordo com * Doutoranda em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas. Mestre em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas. Bacharel em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC SP). Tradutora e assessora linguística para escolas de idiomas. Professora no Ensino Superior em disciplinas de Graduação em Letras e em Pós-Graduação em Língua Inglesa. 1 Poeta português, um dos maiores nomes da Renascença, e possivelmente de toda a literatura portuguesa, escreveu entre outras obras Os Lusíadas. Soube como poucos usar os recursos da língua portuguesa para expressar fatos, sentimentos e ideias. Até hoje é um dos autores mais lidos e estudados no mundo.

8 8 A (very) brief look at the history of English seus falantes, com o local em que se encontram, com o grupo social a que pertencem. Daí tantas diferenças observadas nos falantes de uma mesma língua: ora as sílabas são ditas pausadamente, ora são suprimidas, novos termos são criados, outros são esquecidos. Diante deste quadro, é possível concluir que a fala precede a escrita, pois a velocidade com que novos termos são criados, utilizados e descartados não é a mesma com que o registro escrito é feito. A língua portuguesa, se comparada à língua inglesa, tem uma característica singular: a grafia das palavras é semelhante à maneira com a qual tais palavras são pronunciadas. Já a língua inglesa imprimiu características diferentes à escrita e à fala. E esta distinção não pode representar um empecilho, uma vez que a língua inglesa está ao alcance dos nossos olhos e ouvidos na forma de música, revistas, internet, livros, filmes entre outros. Para chegar a esse status de língua do mundo, o inglês trilhou um longo caminho permeado pela influência linguística e cultural de povos que dominaram os britânicos durante séculos. Povos que influenciaram a língua inglesa Como em qualquer língua, a língua inglesa tem origem pré-histórica, situada num tronco comum: o indo-europeu. Passou por diversas transformações até atingir seu estágio atual. Veja a evolução dessa língua na linha do tempo abaixo: Principais povos que colaboraram para a criação da língua inglesa no decorrer dos séculos Século I A.C. Celtas Romanos Germânicos; Anglos, Saxões e Jutos Século XXI D.C. Escandinavos Normandos Países que falam inglês como 1.ª língua: Inglaterra Irlanda Irlanda do Norte Gales Escócia EUA Canadá Austrália Índia África do Sul Como mostra a linha do tempo, esses povos foram responsáveis pelo início da civilização britânica e colaboraram também para a criação da língua inglesa moderna. Eles ocuparam as terras que hoje

9 A (very) brief look at the history of English 9 conhecemos como Reino Unido e Grã-Bretanha. Cabe ressaltar que o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte é formado por pequenas ilhas e duas grandes ilhas: Marilu Souza. Inverness SCOTLAND EUROPE 55 Glasgow Edinburgh NORTHERN IRELAND km ISLE OF MAN Irish Sea Manchester York IRELAND ENGLAND Cambridge 55 Atlantic Ocean WALES Cardiff Bath London W N E 10 5 ENGLISH CHANNEL 0 S FRANCE O estado do Reino Unido é formado por quatro nações: Escócia, Inglaterra, Gales (ilha da Grã- -Bretanha) e Irlanda do Norte (ilha da Irlanda). Ao sul da ilha da Irlanda encontra-se a República da Irlanda, país independente do Reino Unido. Para entender a evolução da língua inglesa até o presente, observe a estrutura linguística apresentada a seguir: Línguas Celtas Latinas Germânicas Escandinavas Língua atuais Escocês Português Alemão Norueguês Irlandês Espanhol Holandês Dinamarquês Galês Italiano Inglês Manx Francês Bretão

10 10 A (very) brief look at the history of English Como se pode observar, a língua inglesa sofreu influência de diversos povos e essa influência é comprovada pelo registro escrito da evolução da língua inglesa, que se divide em três períodos: Inglês Antigo, Inglês Médio e o Inglês Moderno. Observe os exemplos abaixo: Exemplo de inglês antigo Em inglês moderno Em português Hē saede He said Ele disse Exemplo de inglês médio Em inglês moderno Em português Engelond England Inglaterra Em termos de oralidade, o Inglês Antigo e Médio apresentavam a sílaba tônica na raiz das palavras. Durante a Dinastia Tudor 2 (Inglês Médio), a língua inglesa perdeu várias flexões verbais e nominais, observando- -se a incorporação de várias palavras francesas ao léxico da língua inglesa. Observe o exemplo a seguir: Em francês moderno Em inglês moderno Em português moderno Vision Vision Visão Algumas características da língua inglesa oral Conforme dito no início deste capítulo, a oralidade antecede a escrita. Não é apenas através dos olhos que se aprende uma língua, mas também através da audição (que em inglês se denomina listening skills), em situações de comunicação (ouvindo ao noticiário, filmes, programas de entrevistas etc.). Assim sendo, a fala engloba a habilidade de ouvir e prestar atenção ao que está sendo dito. Esses são os requisitos essenciais para o desenvolvimento da compreensão da língua inglesa, já que há diferenças na pronúncia e entonação das palavras e sentenças. Também implica discutir e entender a fonologia da língua, já que esta fornece elementos necessários para a compreensão da entonação, do ritmo e do stress próprios da língua inglesa. Lembrando que o stress é a acentuação tônica. Ele indica onde deverá ocorrer a ênfase da pronúncia numa palavra ou frase. Na língua portuguesa isso ocorre de três formas: palavras oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas. Já em inglês, além dessas, há pelo menos outras duas possibilidades que não têm paralelo em português. É importante frisar que em inglês não há acentuação tônica por meio de sinais ortográficos como em português. Muitos questionam: Por que o som da língua inglesa não coincide com a escrita?. Talvez a razão se encontre em um fato ocorrido no século XVI. Uma acentuada mudança na pronúncia das vogais do inglês ocorreu principalmente durante os séculos XV e XVI. Praticamente todos os sons vocálicos, inclusive ditongos, sofreram alterações e algumas consoantes deixaram de ser pronunciadas. Ou seja, palavras cujas vogais longas eram pronunciadas a partir de um movimento na parte inferior da boca passaram a ser pronunciadas na parte mais superior. 2 Dinastia significa uma sequência de soberanos de uma mesma família no comando de um Estado. A Dinastia Tudor ( ), posterior à Dinastia Stuart, governou o que alguns consideram como os anos de ouro do Reino Unido. Nessa época ocorreram fatos importantes: obras de Shakespeare, expansão do reinado britânico e o movimento religioso denominado Reforma.

11 A (very) brief look at the history of English 11 De maneira geral, as mudanças das vogais corresponderam a um movimento na direção dos extremos do espectro de vogais. O sistema de sons vocálicos da língua inglesa antes do século XV era muito semelhante ao das demais línguas da Europa ocidental. O período seguinte, conhecido como Inglês Moderno, marcou um fenômeno conhecido como a Grande Mudança Vocálica na língua inglesa ( The Great Vowel Shift ). Este fenômeno distanciou a pronúncia das palavras e seu registro escrito em inglês. Por exemplo: Palavra Pronúncia Inglês Médio Pronúncia Inglês Moderno Name (nome) / : / /neim/ Há diferenças na pronúncia da mesma vogal em palavras com o mesmo radical. Observe no exemplo abaixo a transcrição fonética do segundo i nas palavras invite e invitation: Palavra raiz Transcrição Fonética Palavra derivada Transcrição Fonética Invite (convidar) /ɪn vaɪt/ invitation (convite) /ɪn.vɪ teɪ. e n/ Ao comparar a língua inglesa e a língua portuguesa, observa-se uma grande diferença na sinalização fonética e no sistema fonológico das duas línguas. Sinalização fonética significa a quantidade de som articulado por unidade de sentido, tendo-se a sílaba como som articulado e a palavra como unidade de sentido. A língua inglesa mostra uma sinalização fonética reduzida se comparada ao português, pois apresenta uma quantidade superior de palavras monossílabas. Por exemplo: ball (monossilábica) chair bo-la (dissílaba) ca-dei-ra (trissílaba) O número de palavras polissilábicas, na língua inglesa, é pequeno, se comparado ao português. Mas a maior diferença é quanto à irregularidade entre ortografia e pronúncia das vogais na língua inglesa. Ou seja, um mesmo grafema (letra) quase sempre não corresponde ao mesmo fonema (som). Observe as cinco representações fonéticas do grafema i: / / pizza / / bit / / bite / / noise / / -bird Outro exemplo: se compararmos a língua portuguesa e a inglesa temos vogais pronunciadas consoantes mudas: gato x cat. O som da vogal o em gato é pronunciado, enquanto que não há som vocálico após o t de cat. Assim, muitas vezes numa frase, tem-se a impressão de ouvir-se apenas ca e não cat.

12 12 A (very) brief look at the history of English É justamente nesse âmbito que surge a necessidade de desenvolver habilidades específicas ao ato de falar/ouvir uma língua estrangeira, no caso a inglesa, para compreender e ser compreendido, disto depende a eficácia comunicativa. Cabe ainda considerar os propósitos envolvidos na compreensão oral em língua inglesa. Tais propósitos variam de acordo com as necessidades do ouvinte em envolver-se numa conversa com um falante de língua inglesa (promovendo a interação social), obter informações (assistir a uma palestra, por exemplo), assistir televisão, ouvir rádio, por prazer ou por qualquer outro motivo. Portanto, as diferentes necessidades são ditadas pelas diversas situações comunicativas. Breve histórico sobre compreensão oral em língua inglesa Inicialmente, a aquisição de uma língua estrangeira voltou-se para o ensino da escrita, privilegiando a estruturação de parágrafos, diferentemente da língua falada, marcada pelas frases curtas e pela fragmentação. Dessa forma, a compreensão oral era vista como uma decodificação de estruturas linguísticas, ou seja, a compreensão oral (auditiva) de línguas estrangeiras era estudada tomando-se por base a estrutura formal da língua. Assim, ela adquiriu maior importância com a introdução da abordagem comunicativa. Lopes (2006) afirma que tal abordagem propunha o rompimento com a linha estruturalista de Chomsky, aproximando-se da língua falada como meio de aumentar a eficiência comunicativa. Por meio de funções comunicativas (pedir informações, fazer pedidos, cumprimentos, entre outros) observam-se as categorias semânticas (por exemplo: verbos, substantivos, sentenças). Assim sendo, pode-se afirmar que a compreensão oral depende de dois fatores: :::: :::: A inteligibilidade (decodificação). A interpretabilidade (dedução e entendimento). O ouvinte de língua inglesa vale-se de estratégias diversas, que vão desde pistas oferecidas pelo contexto até o seu conhecimento de mundo, na busca para construir um significado. Há de se ressaltar as diferenças no modo como textos falados são registrados: há variações de pronúncia, hesitações, cognatos, enfim fenômenos da língua falada, que pode ser entendida como linguagem formal ou informal, de acordo com o contexto em que se inserem. Cantinho cultural EUA: no início uma mistura de povos Entre os séculos XVI e XVII colonizadores espanhóis exploraram e colonizaram as regiões conhecidas atualmente como o sul da Flórida, as regiões leste e sul dos Estados Unidos (por exemplo, Califórnia, Texas). Os holandeses iniciaram a colonização da atual região da cidade de Nova York no século XVII.

13 A (very) brief look at the history of English 13 Algumas outras colônias americanas se estabeleceram quando ingleses fugiram do Reino Unido, temendo a perseguição religiosa. Eles levaram para o Novo Mundo suas doutrinas religiosas, a língua inglesa e seus costumes no início do século XVII. Muitos dos atuais estados da região centro-norte americana (Dakota do Sul, Oklahoma e Colorado entre outros), além da atual cidade de Nova Orleans, pertenciam aos franceses até o início do século XIX. O ato, conhecido como a Compra da Luisiana 3 foi firmado entre França e EUA em 1803 pelo então presidente americano Thomas Jefferson. Em termos da filosofia da religião, é possível identificar os seguintes grupos religiosos: :: :: :: :: :::: Quakers: ( Religious Society of Friends) grupo religioso protestante. Fugiram da Europa e instalaram-se na Pensilvânia. Luteranos: grupo formado por alemães e alguns ducth quakers. Instalaram-se na Filadélfia. Católicos: instalaram-se em Maryland. Marilu Souza. 3 A Compra da Luisiana foi a aquisição pelos Estados Unidos da América de um território de km 2 da França em 1803 em valores atualizados de cerca de 193 milhões de dólares. A região da Luisiana foi dividida nos atuais estados de Luisiana, Arkansas, Missouri, Iowa, Minnesota, Dakota do Norte, Dakota do Sul, Nebraska, Novo México, Texas, Oklahoma, Kansas, Montana, Wyoming e Colorado.

14 14 A (very) brief look at the history of English Texto complementar O inglês como língua internacional Assim como não é a direção do vento que determina o rumo do navegador, não é a língua que o mundo fala que determinará o nosso destino. In the same way that the direction of the wind doesn t determine the sailor s destination, the language we speak will not determine our destiny. (Schütz, 2005) O passado Analfabetismo era comum na Idade Média. Quando um rei precisava comunicar-se com outro, contratava um escriba para desenhar a mensagem em linguagem escrita. É fato sabido, por exemplo, que Carlos Magno, no século VIII, era analfabeto. A inexistência da imprensa dificultava a padronização da ortografia, fazendo da escrita uma arte complexa. A arte de bem escrever era uma habilidade profissional especializada, ao alcance de poucos. Esta talvez seja a razão pela qual em 1500 a expedição portuguesa sob o comando de Pedro Álvares Cabral trouxe Pero Vaz de Caminha como escrivão da armada. Por volta de 1700 o índice de pessoas alfabetizadas na Europa era de apenas de 30% a 40%. Esse mesmo índice, por volta de 1850, já era de 50% a 55%, enquanto que durante a segunda metade do século XIX a habilidade de escrever tornou-se uma qualificação básica do ser humano. No século XX o analfabetismo tornou-se definitivamente uma deficiência intolerável em qualquer plano social, em qualquer profissão. Um analfabeto nos países desenvolvidos de hoje seria uma pessoa totalmente marginalizada. Isto que aconteceu com a habilidade de ler e escrever está começando a acontecer com a habilidade de se dominar uma segunda língua. Se compararmos a importância de se falar uma língua estrangeira 50 anos atrás com a necessidade hoje de uma pessoa ser bilíngue, pode-se facilmente entender a ameaça que o monolinguismo representa e imaginar o problema em que se constituirão quando nossos filhos tornarem-se adultos. Fatos históricos recentes A história, ao coroar o inglês como língua do mundo, sentenciou o monolinguismo nos países de língua não inglesa a se tornar o analfabetismo do futuro. Mas como isso aconteceu? Em primeiro lugar, devido ao grande poderio econômico da Inglaterra no século XIX, alavancado pela Revolução Industrial, e a consequente expansão do colonialismo britânico, o qual chegou a alcançar uma vasta abrangência geográfica e uma igualmente vasta disseminação da língua inglesa.

15 A (very) brief look at the history of English 15 Em segundo lugar, devido ao poderio político-militar do EUA, a partir da Segunda Guerra Mundial, e à marcante influência econômica e cultural resultante, que acabou por deslocar o francês dos meios diplomáticos e solidificar o inglês na posição de padrão das comunicações internacionais. O presente A atual busca de informação aliada à necessidade de comunicação em nível mundial já fez com que o inglês fosse promovido de língua dos povos americano, britânico, irlandês, australiano, neozelandês, canadense, caribenhos e sul-africano a língua internacional. Enquanto que o português é atualmente falado em quatro países por cerca de 195 milhões de pessoas, o inglês é falado como língua materna por cerca de 400 milhões de pessoas, tendo já se tornado a língua franca, o latim dos tempos modernos, falado em todos os continentes por cerca de 800 milhões de pessoas (Todd IV, minha tradução). Estimativas mais radicais, incluindo falantes com níveis de menor percepção e fluência, sugerem a existência atualmente de um total superior a um bilhão. (Crystal 360, minha tradução) Além disso, há estimativas de que 75% de toda comunicação internacional por escrito, 80% da informação armazenada em todos os computadores do mundo e 90% do conteúdo da internet são em inglês. Acrescente-se a isso a redução de custos de passagens aéreas, o que aumenta contatos internacionais em nível interpessoal. Em paralelo, a atual revolução das telecomunicações proporcionada pela informática, pela fibra ótica, e por satélites, despejando informações via TV ou colocando o conhecimento da humanidade ao alcance de todos via internet, cria o conceito de autoestrada de informações. Estes dois fatores bem demonstram como o mundo evoluiu, a ponto de tornar-se uma vila global, e o quanto necessário é que se estabeleça uma linguagem comum. Ao assumir este papel de língua global, o inglês torna-se uma das mais importantes ferramentas, tanto acadêmicas quanto profissionais. É hoje inquestionavelmente reconhecido como a língua mais importante a ser adquirida na atual comunidade internacional. Este fato é incontestável e parece ser irreversível. O inglês acabou tornando-se o meio de comunicação por excelência tanto do mundo científico como do mundo de negócios. Philip B. Gove, no seu prefácio ao Webster s Third New International Dictionary ilustra: Parece bastante claro que antes do término do século 20 todas as comunidades do mundo vão ter aprendido a se comunicar com o resto da humanidade. Neste processo de intercomunicação a língua inglesa já se tornou a língua mais importante no planeta. (5.ª, minha tradução) E David Crystal acrescenta: O futuro À medida que o inglês se torna o principal meio de comunicação entre as nações, é crucial garantirmos que seja ensinado com precisão e eficientemente. (3, minha tradução) Hoje já é previsível que dinheiro e riqueza material serão substituídos por informação e conhecimento, como fatores determinantes na estruturação da futura sociedade humana e a proficiência na linguagem de então será essencial para se alcançar sucesso.

16 16 A (very) brief look at the history of English Formação acadêmica Proficiência em inglês Mercado de trabalho Voz política You don t need long arms to embrace the world; you need English. Atividades 1. Quais povos influenciaram a formação da língua inglesa nos seus primórdios?

17 A (very) brief look at the history of English Qual fenômeno alterou a pronúncia da língua inglesa no período conhecido como Inglês Moderno? 3. Quais são os dois fatores dos quais a compreensão oral depende mais?

18 18 A (very) brief look at the history of English 4. Quais foram os dois fatores na história recente que coroaram o inglês como língua mundial? Gabarito 1. Celtas, romanos, escandinavos, anglo-saxões e normandos. 2. A Grande Mudança Vocálica (The Great Vowel Shift). 3. A interpretabilidade (inferência e entendimento) e a inteligibilidade (decodificação). 4. O primeiro fator foi o grande poderio econômico da Inglaterra no século XIX. O segundo foi o poderio político-militar dos EUA a partir da Segunda Guerra Mundial e a marcante influência econômica e cultural resultante, que acabou por deslocar o francês dos meios diplomáticos e solidificar o inglês na posição de padrão das comunicações internacionais.

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CURSOS INGLÊS RÁPIDO Liberdade de Escolha

CURSOS INGLÊS RÁPIDO Liberdade de Escolha 1 Nossos cursos são dirigidos a adolescentes, jovens e adultos que querem aprender inglês de forma rápida e eficiente. Pessoas que já tentaram estudar inglês e tiveram dificuldades vão se surpreender com

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 1º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 1º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 1º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL LÍNGUA PORTUGUESA (Unidade 1) Gêneros Poema Crônica Descrição História em quadrinhos Conto de fadas Conto maravilhoso Fábula Leitura

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

[Aprender Português / Portugiesisch lernen]

[Aprender Português / Portugiesisch lernen] [Aprender Português / Portugiesisch lernen] Sabias que segundo a última edição do livro The Ethnologue: languages of the world, o número de línguas faladas no mundo é de 6912. 1. Analisa o seguinte ranking

Leia mais

ESL/BILINGUE. Full Year Courses:

ESL/BILINGUE. Full Year Courses: ESL/BILINGUE MA101C MA101C SC 111C SC201C SS314C SS314C EN191C ES211C ES231C ES251C MA211C ES271C EN281C SS201C SS201C MA001C MA001C EN211C SS311C SS191C SS191C Full Year Courses: Algebra I (Português

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33.

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33. Disciplina: Português Período: 1º Unidade 1 Eu me comunico Linguagem : formal e informal Variação regional de vocabulário Usando diferentes linguagens Ortografia: L e U,A/AI; E/I; O/OU; Usando diferentes

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 Gabriel Belinazo 2 gbelinazo@inf.ufsm.br Abstract: In this review article, the main goal is to review and analyze information about social networks

Leia mais

ANO 2014. As provas do DELE são compostas por seis níveis. Cada um deles é obtido após a aprovação do mesmo.

ANO 2014. As provas do DELE são compostas por seis níveis. Cada um deles é obtido após a aprovação do mesmo. REGULAMENTO PARA A INSCRIÇÃO EM PROVA DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA ESPANHOLA PARA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL 1. ABERTURA ANO 2014 A Universidade

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

INGLÊS PARA INICIANTES: ESTRATEGIAS DE COMUNICAÇÃO E INSERÇÃO NA CULTURA INGLESA

INGLÊS PARA INICIANTES: ESTRATEGIAS DE COMUNICAÇÃO E INSERÇÃO NA CULTURA INGLESA INGLÊS PARA INICIANTES: ESTRATEGIAS DE COMUNICAÇÃO E INSERÇÃO NA CULTURA INGLESA 1 Cintia Paula Santos da Silva 2 Lucília Teodora Villela de Leitgeb Lourenço Comunicação Educação - Línguas Estrangeiras

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL 22 DE ABRIL PROFESSORA AMÍSSIA DA SILVA ANOS DE ESCOLARIZAÇÃO: 1, 2, 3, 4 E 5

ESCOLA MUNICIPAL 22 DE ABRIL PROFESSORA AMÍSSIA DA SILVA ANOS DE ESCOLARIZAÇÃO: 1, 2, 3, 4 E 5 ESCOLA MUNICIPAL 22 DE ABRIL PROFESSORA AMÍSSIA DA SILVA ANOS DE ESCOLARIZAÇÃO: 1, 2, 3, 4 E 5 MARCOS ANUAIS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA INGLÊS 1º ANO DE ESCOLARIZAÇÃO REPETIR E PRONUNCIAR PALAVRAS

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL LÍNGUA PORTUGUESA (Unidades 1, 2, 3 e 4) Gêneros Poema Crônica História em quadrinhos Conto de fadas Conto maravilhoso História de

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

Francês Instrumental Prof. Me. Herbertt Neves

Francês Instrumental Prof. Me. Herbertt Neves Francês Instrumental Prof. Me. Herbertt Neves POR QUE ESTUDAR FRANCÊS? A língua francesa é importante para o estudo e pesquisa em várias áreas do conhecimento como a gastronomia e a hotelaria. Não se pode

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL ENSINO MÉDIO

PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL ENSINO MÉDIO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL ENSINO MÉDIO Docente: Breno Soler Longo Ano: 2013 Introdução: O Espanhol é o segundo idioma mais falado no mundo e é a língua nativa de 7% da população

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Prova bimestral. Língua portuguesa. 2 o Bimestre 4 o ano. 1. Leia o texto.

Prova bimestral. Língua portuguesa. 2 o Bimestre 4 o ano. 1. Leia o texto. Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 2 o Bimestre 4 o ano Língua portuguesa Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto. Daniel Wiedemann/shutterstock

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Vocabulário. Reunimos aqui curiosidades de cada idioma, expressões que confundem, gírias mais usadas e tudo que for interessante saber.

Vocabulário. Reunimos aqui curiosidades de cada idioma, expressões que confundem, gírias mais usadas e tudo que for interessante saber. Vocabulário Reunimos aqui curiosidades de cada idioma, expressões que confundem, gírias mais usadas e tudo que for interessante saber. Inglês Spring Most flowers bloom in the spring. O significado mais

Leia mais

Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida

Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida EDUCADORA: BIANCA CORREA AGOSTO DE 2015 ASPECTOS GERAIS 1 - Europa desenvolvida países com renda per capita superior a US$ 15 MIL, altamente

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa.

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa. Apresentação da Professora Libras Teleaula 1 Profa. Elizanete Fávaro Pedagogia (Facinter) Pós-Graduação em Educação Bilíngue (IPM) Cursando Letras/Libras (UFSC) Credenciada como Instrutora de Libras (FENEIS/CTBA)

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 Iasmin Araújo Bandeira Mendes Universidade Federal de Campina Grande, email: iasminabmendes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange

4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange LÍNGUA PORTUGUESA Leitura: Meu nome não é esse (Notícia); Pesquisa de opinião (entrevista); Aprofundamento

Leia mais

Versão em Português. Exame de. Proficiência. em Língua. Japonesa. Data da realização no ano de 2011. 04 de dezembro

Versão em Português. Exame de. Proficiência. em Língua. Japonesa. Data da realização no ano de 2011. 04 de dezembro Versão em Português Exame de em Língua Japonesa Proficiência Data da realização no ano de 2011 04 de dezembro O Que é Exame de Proficiência em Língua Japonesa? É o maior exame de língua japonesa realizado

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento socioeconômico. Ao sul do continente, estão países

Leia mais

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA JOSE MABEL PEREIRA LOPES DAS NEVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS). Resumo A pesquisa tem como objetivo conhecer quais os saberes que as ingressantes

Leia mais

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO 1 ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Dóbia Pereira dos Santos NASCIMENTO Gisele da Paz NUNES Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão dobia@wgo.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO BÁSICA EM INTERPRETAÇÃO DE CONFERÊNCIA

FORMAÇÃO BÁSICA EM INTERPRETAÇÃO DE CONFERÊNCIA FORMAÇÃO BÁSICA EM INTERPRETAÇÃO DE CONFERÊNCIA Programa desenvolvido em módulos de forma que, ao final de cada módulo, o aluno acumule o conhecimento básico essencial sobre uma área da interpretação e

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

DISCUSSÕES A RESPEITO DA IMPORTÂNCIA DA CULTURA E DA IDENTIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS.

DISCUSSÕES A RESPEITO DA IMPORTÂNCIA DA CULTURA E DA IDENTIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

CURSO DE INGLÊS BÁSICO

CURSO DE INGLÊS BÁSICO CURSO DE ALEMÃO II Docente Responsável: Profa. Dra. Cibele Cecílio de Faria Rozenfeld Docentes Colaboradores:Lais Mano Número de vagas: 25 Pré-requisito: ter cursado Alemão I pelo CEL/FCLAr ou apresentar

Leia mais

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE FAQ PROGRAMA BILÍNGUE 1) O que é o bilinguismo? Segundo alguns teóricos, o bilinguismo é qualquer sistema de educação escolar no qual, em dado momento e período, simultânea ou consecutivamente, a instrução

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

Entrega dia 13/07. Avaliação dia 16/07 3º horário. Entrega dia 13/07. Entrega dia 13/07. Avaliação dia 15/07 3º horário.

Entrega dia 13/07. Avaliação dia 16/07 3º horário. Entrega dia 13/07. Entrega dia 13/07. Avaliação dia 15/07 3º horário. LÍNGUA PORTUGUESA: Substantivo; Artigo; Adjetivo; Interpretação de texto. Avaliação dia 16/07 3º horário. Números primos e compostos. Problemas (adição, subtração, multiplicação e divisão). Frações (definição

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO LOCAL DOS ENCONTROS Campinas: POLICAMP Rua: Luiz Otávio, 1281 Parque Santa Cândida Campinas SP Fone: (19) 3756-2300

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia ASSESSORIA TARGET IDIOMAS Especialização em línguas estrangeiras Referências: construtivismo e aprendizado de idiomas em contextos multilíngues

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Extensão Esterina Placco Código: 091.1 Município: São Carlos-SP Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Planificação a longo prazo para o 7º ano de escolaridade. Língua Estrangeira I

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Planificação a longo prazo para o 7º ano de escolaridade. Língua Estrangeira I PLANIFICAÇÃO ANUAL Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém - 135513 Escola Secundária Padre António Macedo Grupo Disciplinar / Disciplina: Ano Letivo: 2014-2015 Ciclo de Ensino: Ano de

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA Cronograma de Evolução da Mídia Audiovisual no Brasil Gráfico representativo do desenvolvimento de mídia audiovisual no Brasil década a década A

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016 Planificação anual Período: 1.º Ano Número total de aulas previstas: 75-78 Competências Compreensão oral: seleção da mensagens emitidas em situação de presença, sobre temas familiares para os alunos e

Leia mais

Correspondência Internacional de Negócios. Manual prático para elaborar textos com êxito em sete idiomas

Correspondência Internacional de Negócios. Manual prático para elaborar textos com êxito em sete idiomas Sandro Schroevers Correspondência Internacional de Negócios Manual prático para elaborar textos com êxito em sete idiomas Proposta de Edição Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

Escritório de Carreiras PUCRS - Carreira Internacional

Escritório de Carreiras PUCRS - Carreira Internacional ESTUDO/ TRABALHO: 1. Qual critério que devo utilizar para escolher o meu local de estudo/trabalho? Quando chega o momento de escolher o local de estudo/ trabalho devemos considerar alguns pontos importantes.

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV 500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV Episódio 3: Encontro no além-mar Resumo A série discute temas históricos, alternando a narrativa com encenações de bonecos animados que resgatam o contexto da época

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais