TÉCNICAS EM AGRICULTURA: ESTAGIO EM PAISAGISMO JÚLIO DE CASTILHOS / RS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÉCNICAS EM AGRICULTURA: ESTAGIO EM PAISAGISMO JÚLIO DE CASTILHOS / RS."

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS CURSO TÉCNICO EM AGRICULTURA TÉCNICAS EM AGRICULTURA: ESTAGIO EM PAISAGISMO JÚLIO DE CASTILHOS / RS. RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO MILTON MACHADO PADILHA JÚLIO DE CASTILHOS, RS, BRASIL. 2010

2 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Estagiário 1.1- Nome: Milton Machado Padilha 1.2- Curso: Técnico em Agricultura 1.3- Turma: Agricultura Endereço: Abacatu, Município e Estado: Júlio de Castilhos, RS CEP: Telefone (S): (55) (55) Empresa 2.1-Nome: Prefeitura Municipal Secretária da Agricultura, Turismo e Desenvolvimento Econômico Endereço: Rua Getulio Vargas, Município e estado: Júlio de Castilhos, RS CEP: Fone: (55) Fax: (55) jcvirtual.com.br Estágio 3.1- Área de realização: Técnicas de Agricultura (paisagismo) 3.2- Professor Orientador no IFET-Campus Júlio de Castilhos: Jovani Luzza 3.3- Supervisor de Estágio na empresa: Ildo Trevisan 3.4- Carga horária total: 520 horas 3.5- Data de início e término: 25/08/09 a 30/10/09. 2

3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS CURSO TÉCNICO EM AGRICULTURA A Comissão Examinadora, abaixo assinada aprova o Relatório de Estágio curricular Supervisionado Como requisito parcial para obtenção do título de Técnico em Agricultura TÉCNICAS EM AGRICULTURA: Estágio em Paisagismo Júlio de Castilhos/ RS Elaborado por Milton Machado Padilha COMISSÃO EXAMINADORA: Alexandre Ten Caten Tatiana Aparecida Balem Jovani Luzza (orientador) Júlio de Castilhos, RS, Brasil

4 SUMÁRIO 1-INTRODUÇÃO HISTÓRICO DA EMPRESA PRODUÇÃO DE MUDAS Substratos Semeadura Repicagem Transplante Irrigação TIPOS DE FLORES Amor-Perfeito Boca de Leão Chitinha Moréia Celosia Tajetes Azaléia DIA DA ÁRVORE PARQUE JOÃO VIEIRA PODA Tipos de poda Poda de limpeza Poda de formação DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS CONCLUSÃO ANEXOS BIBLIOGRÁFIA

5 1 INTRODUÇÃO O paisagismo hoje é um dos setores que vem crescendo no país, sendo responsável pela produção de flores, desenho dos canteiros centrais, das praças,e rótulas e também responsável por implantações de jardins prontos e com isso gerando inúmeros empregos tanto diretos como indiretos. O estágio supervisionado foi realizado na Secretária da Agricultura Turismo e Desenvolvimento Econômico do Municipal de Julio de Castilhos estado do Rio Grande do Sul, no período de 25 de agosto de 2009 a 30 de outubro de 2009 tendo como objetivo a conclusão do Curso Técnico Agrícola com Habilitação em Agricultura, alem de proporcionar ao aluno um complemento prático aos conhecimentos adquiridos no decorrer do curso. No período de estágio foi possível acompanhar a produção das flores usadas no embelezamento da cidade, assim como práticas de poda, sendo essas atividades descritas no presente relatório de estágio. 2 HISTÓRICO DA EMPRESA Durante décadas a Secretaria de Agricultura vem desenvolvendo um trabalho cada vez mais buscando o aperfeiçoamento do paisagismo da cidade. A Secretaria de Agricultura passou a ter sede própria junto ao Centro Administrativo, antiga Campanha situada em Julio de Castilhos, na Avenida Getulio Vargas. Atrás do prédio esta localizada o espaço onde se cultivam flores, em uma estufa com mais ou menos 10 metros de comprimento por quatro de largura. A lei número 2.562, de 20 de dezembro de 2007, onde o senhor João Vestena, Prefeito do Município de Julio de Castilhos, Estado do Rio Grande do Sul veio a fazer uma Reestrutura a Organização Administrativa do Poder Executivo do Município de Julio de Castilhos. Onde no artigo 10. A secretaria Municipal da 5

6 Agricultura, Turismo e Desenvolvimento Econômico é composta da seguinte forma: Gabinete do Secretário; SIMPOA - Serviço de Inspeção Produtos Origem Animal; Turismo; Posto do Ministério do Trabalho; Setor Administrativo; Setor de Desenvolvimento Agropecuário. Hoje ela se encontra neste local funcionando com 15 funcionários com amplo conhecimento nas suas devidas funções que estão designadas a fazer dentro da mesma. Lá produzem flores para fazer o embelezamento da cidade e assim construir o paisagismo da mesma, que são vários km de canteiros centrais, praças, rótulas e trevos. 3- PRODUCÃO DE MUDAS A produção de mudas visa produzir mudas de boa qualidade e de boa aparência, para poder colocar no mercado, que esta bastante exigente.para obterse uma boa produção de mudas é preciso que se faça uma analise do terreno onde vai ser instalada a estufa, para que não seja um local que tenha muita declividade e não seja encharcado, e também que tenha algum abrigo para que os ventos fortes não venham prejudicar a estrutura da mesma. Tendo esses cuidados é preciso que tenha um acompanhamento técnico e também um bom conhecimento na área, uma semente de qualidade boa para que possa desenvolver muda de boa procedência, um bom substrato. Ter um bom planejamento para que não haja falta de muda e precisa de alguns insumos e também de vários equipamentos para fazer o revolvimento do solo. 3.1-SUBSTRATOS Os substratos de cultivo são de extrema importância na multiplicação de plantas ou quando os cultivos de flores são conduzidos em vasos, canteiros, floreiras ou em rótulas.destacam-se a seguir alguns tipos de substratos 6

7 recomendados e o que utilizamos no estágio e suas características na produção de mudas de flores: Turfa: É um material de origem orgânica resultante da desagregação da vegetação de zonas pantanosas que não se decompõe completamente por falta de oxigênio ocasionado por excesso de umidade. O teor de matéria orgânica é superior a 40%. A turfa é muito utilizada nos países do hemisfério norte onde a quantidade e a variedade de tipos de turfas é muito grande. No Brasil os locais de turfas são poucos e elas são mais degradadas, podendo se distinguir, segundo GONÇALVES (1992), os seguintes tipos: Turfa de micro flocos ou hídrica; é bastante fina e encontrada em lagoas ligadas a rios ou lagos em área de restinga. Turfa fibrosa; encontrada na superfície do solo, é proveniente da decomposição de plantas de origem muito variada. Sua ocorrência dá-se na região sudeste. Turfa lenhosa; é formada por resíduos de vegetais lenhosos de grande porte e ocorre na superfície do solo. Apresenta restos de lenho que não decompôs e sua estrutura é granulosa. Trata-se de um material de ph muito ácido e não pode ser utilizado puro, a não ser que sofra correção, quanto mais velha (degradada) menos acida será. Assim pode ocorrer turfas com ph de 3,6 a 4,2 ou ate com reação neutra. As turfas menos decompostas são mais úteis para serem utilizadas na formação de misturas, pois a capacidade de retenção de água e nutrientes é maior. A relação carbono/ nitrogênio pode variar de 9/1 até 37/1 dependendo de seu nível de degradação. A capacidade de absorção de água é extraordinária, de 300 a 1.300%, ou seja, de 3 até 13 vezes seu peso seco, dependendo da idade da turfa. 7

8 Casca de pinus: Com os incentivos ao reflorestamento dos anos 60 iniciaram-se grandes plantios de pinus, que passaram a substituir a araucária nas serrarias como uma opção a mais na indústria de celulose. Como subproduto desta atividade obtêm-se grandes volumes de cascas. As cascas de pinus após serem curadas são moídas; os fragmentos resultantes podem ser de tamanhos variáveis segundo o uso. Por exemplo: na Europa usa-se muito fragmento á partir de 3cm para servirem de cobertura morta de maciços de arbustos em jardins, o que diminui a mão de obra de manutenção. Os fragmentos de 1cm até pó, são misturados a outros substratos. Fragmentos maiores e bem curtidos podem ser utilizados como substrato puro, com sucesso, para certas espécies de orquídeas. Segundo GONÇALVES (1992) as suas principais características são: -Capacidade de troca de cátions: 30 a 71%; -Densidade 0,23; -Facilmente drenável; -Má absorção d àgua; -Baixo ph 3,7 (pinus elliotti) Vermiculita: Trata-se de um substrato de origem mineral produzido por aquecimento a C da rocha denominada de mica, sua expansão produz um material com aspecto folheada e muito leve. O Brasil possui grandes jazidas deste mineral. A vermiculíta é disponível no comércio em cinco tipos diferentes conforme o tamanho do granulo, porem recomendado para o uso como substrato de plantas é o tipo chamado de fino, já os demais são de uso industrial. A vermiculita é recomendável no enraizamento de estacas e também para a germinação de sementes desde que não permaneçam por muito tempo no 8

9 substrato. Suas grandes características são: grande capacidade retenção de água, quatro a cinco vezes o seu peso e grande capacidade de aeração. Casca de arroz carbonizada: Após o beneficiamento nas regiões, uma grande quantidade pode se tornar um problema. Mas este material carbonizado, colocando sobre uma chapa bem aquecida, que aos poucos passa da cor amarelada ao marrom escuro, quase preto, para homogeneizar o processo é preciso de um revolvimento constante, quando então é apagado com água. A carbonização menos trabalhosa pode ser feita colocando fogo no monte de cascas e à medida que queimam, os locais em brasa são retidos com uma pá e colocados num recipiente com água ou são apagados com uma mangueira de água. Este substrato foi introduzido no Brasil pelos Japoneses. Algumas características desse substrato; extremamente leve o que facilita o manuseio, grande capacidade de drenagem, boa quantidade de cálcio, potássio e hidrogênio. É um composto com um alto teor de matéria orgânica. Composto de soja podre: Este foi o substrato que tinha para nós usarmos no dia-a-dia. É um substrato que tem uma alta relação carbono/ nitrogênio. É um composto com um alto teor de matéria orgânica. E com isso a planta vai se desenvolver mais rápido e sadia e vai ter menos gasto na produção. Em relação aos substratos foi detectados que estava sendo usada uma baixa proporção do mesmo nas sementeiras, com isso as mudas de flores demoravam muito mais tempo para se desenvolver. 3.2-SEMEADURA A semeadura era feita em sementeiras dentro da estufa, onde era feito o revolvimento do solo junto com o composto de soja podre, e assim era passado o 9

10 ancinho para retirar os torrões que ali vinham prejudicar a semeadura das sementes das flores que iam ser semeadas na mesma. A densidade da semeadura na linha era feita mais ou menos 1cm uma da outra, já entre linhas era de 10cm e mais ou menos de 1cm a 1,5cm de profundidade. O problema detectado foi que algumas vezes a semeadura estava sendo feita sem a remoção do solo da sementeira ou até mesmo sem colocarem mais substrato para dar maior vigor de germinação às sementes semeadas nas mesmas. Com isso as mudas germinavam com baixo vigor ou até mesmo não germinavam, e assim tinha sempre poucas mudas para plantar. 3.3-REPICAGEM A mesma era feita quando as plantinhas tivessem de três a cinco folhas, ou seja, de 15 a 20 dias mais ou menos. Daí elas eram retiradas das sementeiras e colocadas em saquinhos plásticos com o composto, e ai ficavam por mais um tempo até ganharem uma altura de mais ou menos 10 a 15cm. O problema detectado foi que quando era feita a repicagem o solo que era colocado nos saquinhos tinha pouco substrato. Aqueles saquinhos reaproveitados que tinham solo compactado não eram esvaziados para fazer a descompactação do mesmo e nem colocados mais um pouco de substrato novo e feito à mistura para que ficasse bem solto, para que a mudinha recém repicada pudesse buscar água e seus nutrientes mais facilmente para se desenvolver mais rapidamente. 3.4-TRANSPLANTE Quando atingiam o tamanho ideal, as mudas eram retiradas da estufa e levadas aos locais definitivos, ou seja, a canteiros centrais, trevos, rótulas e 10

11 praças. E plantadas diretamente no solo com bastante composto, onde eram feitas bordaduras, maciços, com espaçamentos na linha de 15cm e entre linhas de 30cm. O problema detectado foi que ao fazer o transplante priorizavam-se os saquinhos para reaproveitá-los e, no entanto, tinham que priorizar as mudas para que ela não sentisse tanto o transplante. Ao cuidar o saquinho você acabava desmontando o torrão e com isso mexe nas raízes e a muda sente mais e acaba dando uma desuniformidade no local transplantado. 3.5-IRRIGAÇÃO A irrigação das flores era feita manualmente, três vezes ao dia quando estavam na estufa, com isso era difícil controlar a umidade ideal das sementeiras e dos saquinhos. Quando lá cheguei detectei o problema do crivo do regador que tinha uma vazão muito grande de água para o tamanho das plantinhas, com isso ocorria o tombamento das mesmas, e também compactava muito o solo e por esse motivo atrasava o transplante das mesmas para o campo. 4-TIPOS DE FLORES As variedades de flores mais usadas pela empresa eram; amor perfeito (Viola tricolor), boca-de-leão (Antirrhinum majus), chitinha (Phlox drummondii), tajetes (Tagetes patua), celosia (Celosia argentea), azaléia (Rhododendron indicum), moréia (Dietes bicolor). Com isso não tinha muitas opções para fazer arranjos na hora de por elas no campo. Vamos agora falar especificamente de cada uma dessas variedades. 11

12 4.1-AMOR-PERFEITO O amor-perfeito é uma planta de ciclo anual, pertencente à família das violáceas e a das Scrophularcáceas, suas origens é o continente europeu e asiático (Vietnã). Trata-se de uma Herbácea de pequeno porte anual e costuma ser cultivada como bordaduras e forrações, podendo atingir uma altura entre 20 e 30 centímetros e se propaga através de semente no outono. É caracterizada por caule curto ramificado, com folhas lisas, cerosas e dentadas. São cultivadas em canteiros com boa drenagem, no entanto úmidos e a pleno sol, o solo ideal deve ser arenoso e rico em matéria orgânica. Suas flores se apresentam de maneira isolada ou agrupada em hastes florais. Florescem quase o ano inteiro, principalmente durante o inverno e a primavera. Essas plantas preferem clima ameno e precisam estar em meia sombra e muita luz durante o verão, embora não suportem sol direto entre 10 e 17 horas, deve estar protegida do vento forte. Quando for a época quente regar 2 a 3 vezes por semana e 1 vez por semana nas épocas frias. (http://www.jardineiro.net/br). Na secretária foram plantadas mais ou menos duas sementeiras com Amor- Perfeito, o que rendeu em torno de 120 mudas no ponto de irem para o local definitivo, o que serviu para embelezar a praça central da cidade. 4.2-BOCA-DE-LEAO A Boca- de -Leão é uma planta anual herbácea que atinge até setenta centímetros de altura, ou seja, completa seu ciclo no período de um ano e necessita de replantio. Sua origem é a Europa e a região mediterrânea e pertence à família das Escrofulariáceas. Sua floração ocorre no inverno e na primavera. Propaga-se por meio de sementes, o clima favorável é ameno, onde necessita de sol pleno. Precisa de pelo menos 4 horas de sol direto. 12

13 Suporta solos mais secos, onde pode ser regado, em media, uma vez por semana e duas vezes em períodos muito quentes. É ideal para ser usado em bordadura ou como maciço. Seu cultivo como bordaduras em canteiros dá um ótimo resultado, principalmente porque acrescenta um colorido especial ao jardim, com flores tubulosas de diversas tonalidades, que vão de rosa ao vermelho-vivo, alem do amarelo e do branco. É uma planta bem resistente, só não suportam geadas. <www.jardmdeflores.com.br> Na secretária foi plantada uma sementeira, onde resultou 300 mudas para fazer o transplante definitivo, e assim serviram para dar um contexto melhor na pracinha da cidade. E assim suas flores deram uma alegria maior para o local onde as pessoas podiam ali se sentar e apreciar a beleza das mesmas. 4.3-CHITINHA A chitinha é uma planta anual, pertence à família das Polemoniáceae. É originada dos Estados Unidos, é uma planta de cerca de 30 cm de altura e apresenta ramagem densa, macia e folhas verde-claras em forma de lança. As flores surgem em pequenos buquês, e podendo ser de diversas cores e formas. Essa é uma das variedades bastante solicitada por seu colorido vivo e variada, é de pequeno porte e fácil cultivo. <http://www.jardineiro.net.br> Na secretária era muito usado a chitinha para enfeitarmos os trevos, praças, e também canteiros centrais, com isso dava uma aparência muito glamurosas com as mesclas das cores. Onde era uma produção muito boa da mesma, sempre tinha bastante mudas na estufa, a fim de serem transplantadas na cidade. A floração inicia no final do inverno, atinge seu auge na primavera e se estende pelo o verão. Ela se desenvolvia muito rápido, com isso nos tínhamos uma flor linda para embelezar a cidade. 13

14 4.4-MORÉIA A moréia é uma planta muito resistente. Pertencente a família das lridaceae, é originaria da África do Sul. É uma planta herbácea, de altura até quase 1,0 metro, com raízes rizomatosas. As folhas partem direto do rizoma e formam touceira densa de folhas verde-escuras finas, estreitas e flexíveis. As flores são pequenas semelhantes à íris, com seis pétalas arredondadas dispostas três a três, brancas ou na cor creme com pontuação alaranjada ou marrom escuro no centro, reunidas em pecíolos curtos surgindo de um longo, fino e flexível pendão. As flores surgem ao longo do ano, mas principalmente no verão. Pode ser cultivada em quase todo país, tolerante ao calor e a temperaturas baixas. Preparando o solo revolvendo a uma profundidade de 20 cm e bem destorroado. Colocando composto orgânico ou adubo químico emparelhando bem. O espaçamento usado de 0,50 a 1,0 metro em linha para ter espaço para formação da touceira. Ela é muito usada no paisagismo urbano em extensos canteiros. <www.dicasdejardinagem.com.br> Na secretária não foram produzidas mudas de moréia.as mudas foram compradas para fazermos umas bordaduras na entrada para a estufa ao lado do cordão. E também foram doadas algumas touceiras para secretária, pegamos e dividimos a mesma e colocamos em sacos plásticos, para multiplicarmos as mudas e assim fazer outras bordas dos canteiros novos da cidade. 4.5-CELOSIA A celosia é uma planta que tem uma brilhante pluma. A de cor vermelho tinto é uma das mais populares, mas também tem cores amarelas, laranja, carmim e rosa. A celosia fica maravilhosa em buquês, tanto usada seca e também recém cortada. É uma planta produzida apartir de sementes bastante finas, pode ser semeado direto no seu jardim ou em locais fechados e depois fazer o transplante das mesmas para o local definitivo. Precisam estar sempre em locais úmidos, 14

15 porem quentes e o solo tem que ser bem fértil, para elas poderem germinar com bastante vigor. Quanto mais o solo for rico em matéria orgânica mais elas vão desenvolver plumas grandes e brilhantes. <www.jardmdeflores.com.br> Na secretária fizemos a semeadura da Celosia na estufa, onde jogamos a semente dela na sementeira e cobrimos com 1,5 cm mais ou menos do composto orgânico e regava todos os dias. Mas germinaram poucas, no entanto conseguimos em torno de 80 mudas vigorosas prontas para levarmos para o campo. 4.6-TAGETES O tagetes é uma planta da família das Compositae, é anual de caule baixo, é uma Herbácea, tem de 20 a 30 cm de altura e é originaria do México. Suas folhas apresentam um cheiro característico, suas flores podem ser simples ou dobradas, solitárias e em tonalidades variáveis de amarelo, alaranjado e avermelhado, são formadas principalmente na primavera e no verão. Cultivada em pleno sol, em bordaduras ou em forração, a planta forma maciços compactos em canteiros de terra enriquecida com húmus. E nas regiões tropicais, multiplica-se facilmente por sementes qualquer época do ano. <www.jardmdeflores.com.br> Na secretária eram plantados muitos tajetes, cerca de duas sementeiras, de 1,0 metro de largura por 2,0 metros de comprimento debaixo da estufa, onde eram semeados em linhas e bem adubados com o composto de soja podre e irrigado manualmente três vezes ao dia. Com isso nos tínhamos uma germinação de mais de 85%. Com toda essa germinação nos tínhamos sempre entorno de 350 a 450 mudas. Pegavam-se essas mudas e se fazia bordaduras de trevos, ou até mesmo maciços. Usava-se também para fazer maciços nas rótulas, com o tajetes anão, 15

16 ele dava um realce a elas. Usamos até nas praças, é uma flor bem resistente e com isso tinha uma maior durabilidade. 4.7-AZALÉIA A azaléia é uma planta da família das Ericáceas, tornou-se bastante popular e hoje pode ser encontrada formando cercas vivas, compondo maciços em jardins, e também alegrando corredores e entradas mesmo plantadas em vasos. Um dos segredos é que sua floração ocorre justamente no inverno e com isso traz um colorido especial num período que a maioria das plantas encontra-se em repouso. É uma planta originária da China e Japão, seu porte pode atingir até 2 metros de altura, sua floração ocorre no inverno e início da primavera. E sua propagação é por estacas de galho. Outro segredo da azaléia é uma planta relativamente rústica e resistente por isso suporta com bravura certas condições bem adversas e, por isso, é muito usada em jardins e praças públicas, dando um toque de vida até mesmo nos canteiros das grandes avenidas. A variedade mais popular é essa que estou descrevendo, que originalmente produz flores roxas, rosas e brancas, mas graças a intervenção humana, pode ser encontrada em inúmeras matizes chegando até ao vermelho brilhante. Por ser um arbusto rústico, a azaléia adapta-se bem a qualquer tipo de solo, para que ela produza uma florada exuberante, o ideal é cultivá-la usando a seguinte mistura de solo:.duas partes de terra comum de jardim;.uma parte de areia;.uma parte de composto orgânico; <www.dicasdejardinagem.com.br> Na secretária tínhamos pouca produção de azaléia, a maioria das mudas era comprada e não muitas, porque se trabalhava com poucas. De acordo com o planejamento eram necessárias poucas mudas de azaléia, com isso não tinha muita necessidade de produzi-las em grande quantidade. 16

17 Quando lá cheguei detectei um problema em relação à produção da azaléia, eram cortados os galhos e colocado inteiro nos balde, porém os galhos eram muito grandes, brotavam e os ventos acabavam secando as brotações. Orientei que para obterem melhor porcentagem, teriam que cortar os galhos em tamanho menor, ou seja, fazer umas estacas de mais ou menos trinta a quarenta centímetros, sem nenhuma folha com isso a planta iria balançar menos e não teria perigo de secar como estava acontecendo. A azaléia é uma planta que pega fácil por estaca, mas só tem que ter esses mínimos cuidados para que ela não se estresse. As azaléias podem ser plantadas em vasos, canteiros definitivos ou em local protegido, para depois transplantá-la. 5-DIA DA ÁRVORE No dia 21 de setembro se comemora o dia da árvore, com isto neste dia plantamos ingazeiros na frente do Sindicato Rural, onde foi feito estacionamento oblíquos ficando vários canteiros onde foram plantados no seu centro uns pés de Ingá, que quando ambos cresçam venham a dar uma sombra para que os carros quando lá estacionado, e no meio fio da calçada também foram plantados vários pés de Ingá, para darem sombra para os veículos que ali estacionarem. Nos canteiros centrais do estacionamento oblíquo foi também plantada grama para que desse um contraste de verde e ficasse mais harmonioso e limpo. Na rótula que lá foi feita para a entrada do parque de exposições, foram plantadas flores de boca-de-leão e algumas moréias, com isso ficou mais saliente aquele local. Mudando o paisagismo daquele local, ficando muito mais verde e colorido com as flores. Foram plantados mais ou menos 80 pés de Ingá naquele local, no dia em que se comemorava o dia da árvore. Quanto mais plantar árvore melhor será o nosso ar que respiramos e o meio ambiente agradece. Verde é vida! 17

18 6-PARQUE JOÃO VIEIRA O parque João Vieira está situado atrás da Secretaria Municipal de Saúde, onde no seu interior esta sendo construídos o novo ginásio de esporte e também a nova escola infantil, existe uma nascente de água e essa água vai escorrer pelo meio do parque, com isso foi feito um cercado de pedra em torno dessa vertente onde a mesma esta escorrendo por uma valeta, plantamos várias mudas de copo de leite dentro dessa valeta, e na sua beirada plantamos várias mudas de caeté. Também plantamos grama no seu redor, para que não houvesse erosão do solo. Foram feitos vários caminhos no interior do parque para que facilitasse o acesso das pessoas no interior do mesmo. Foram plantadas várias mudas de coqueiro. Nas entradas foram feitos canteiros onde nos mesmos foi plantado grama para dar um verde especial aos mesmos. Após as obras estarem concluídas serão plantadas árvores no interior do mesmo. Essas árvores darão sombra para as pessoas que forem caminhar poderem descansar na sombra das mesmas, com isso vai melhorar o aspecto do parque num todo. 7-PODA É o conjunto de cortes executados numa árvore, com o objetivo de regularizar a produção, aumentar e melhorar a sua produção de flores e ganhar um novo aspecto físico. Também é a técnica e a arte de se orientar e educar as plantas, de modo compatível com o fim que se tem em vista. Com a poda pode-se dar um formato diferente para a mesma espécie de flor, com isso podendo fazer algum desenho com elas, deixando ela mais baixa ou até mesmo levantando ela para dar um visual mais amplo por baixo. 18

19 7.1- TIPOS DE PODA A poda é executada na planta desde o seu plantio, ainda no viveiro, formando sua copa, até o momento do corte total, ou de rejuvenescimento. Em cada estágio de desenvolvimento que se encontra sofre um tipo de poda adequado. Existem vários tipos de poda, mas no estágio trabalhei com as podas de limpeza e de formação PODA DE LIMPEZA A poda de limpeza é feita com a finalidade de eliminar da planta todos os órgãos inúteis, defeituosos, doentes ou praguejados. É executada normalmente em períodos de baixa atividade fisiológica da planta, ou seja, durante o inverno. A poda de limpeza deve ser feita antes das pulverizações com fungicidas. Segundo FRONZA, D. (2008), os restos, principalmente da poda de limpeza, devem ser queimados ou enterrados para eliminar ovos e larvas de pragas e também os agentes de doenças. Na secretária nós fizemos a poda de limpeza em Bougainville Spectabilis para retirar todos aqueles galhos que não resistiram a geadas do inverno que foi rigoroso e não brotaram. Com isso esses galhos secaram e ficou feio na planta de três Maria (Bougainvillea Spectabilis). Também a retirada daqueles galhos que estavam mal localizados ou até mesmo atrapalhando o trânsito, porque elas estão plantadas em sua maioria nos canteiros centrais das avenidas. 19

20 7.1.2-PODA DE FORMAÇÃO No caso das três marias essa poda de formação será efetuada após seu estabelecimento nos canteiros centrais. Prossegue até o terceiro ou quarto ano de vida da planta. Visa garantir uma estrutura forte e equilibrada, com ramos bem distribuídos, para sustentar suas folhas e flores, e facilitar a visibilidade. Nas mudas que foram plantadas nos canteiros centrais, fazíamos a retirada dos galhos por baixo fazendo com que as plantas levantassem e com isso facilitasse a visibilidade por baixo. Só deixávamos alguns ramos que saíssem no alinhamento do canteiro, para que com o tempo ligássemos uma com a outra, formando assim um arco. Com isso não iria atrapalhar o transito e ficaria um formato para a cidade, dando um sentido de união para a mesma. Existem várias formações, mas isso depende muito do espaço físico e do clima para que se possa fazê-los com sucesso. Já nas praças centrais, podíamos fazer vários desenhos, mas de modo geral fazíamos arcos e com isso ficava livre o trânsito de pessoas por baixo dos mesmos. De modo geral podem-se fazer cercas vivas com as três Maria, só que tem que ter espaço para não atrapalhar o passeio de pessoas nos locais onde a mesma for usada como cerca.outra forma de condução é de modo que ela suba e forme uma ramada, com isso deixando que os galhos saiam para um lado e vão ao encontro dos outros da outra planta, mas isso deve ser usado em locais aonde pessoas venham a sentar em bancos e desfrutar da sombra da mesma. 8-DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS No período final do estagio a secretária recebeu cerca de 45 mil mudas de árvores nativas para fazer a distribuição para os agricultores da região atingida pela barragem e também para os demais que tinham feito a encomenda das mesmas na secretária. Mudas essas que serão distribuídas de graça, devido à construção de hidrelétricas no Rio Ivaí. Junto com as mudas vieram também estacas para fazer a tutora às mudas e também o adubo para serem distribuído de 20

21 acordo com a quantidade de muda que cada agricultor tinha encomendado. As estacas vieram na mesma quantidade das mudas, já o adubo veio entorno de 720 kg, ou seja, doze sacas. As mudas de árvores nativas eram de: Pinheiro Araucária, Angico Vermelho, Angico Branco, Erva Mate, Cerejeira, Guabiju, Aroeira, Chal-Chal, Guajuvira, Loro, Canafistula, Pitangueira, Araçá, Marmeleiro, Açoita-cavalo. Todas essas mudas vieram em rolete com 50 mudas cada e as estacas também vieram em feixe de 50 estacas cada. Quando eram entregues as mudas para aquelas pessoas que eram doadas até 50 mudas, fazia-se um rolete com aquelas mudas que a pessoa queria levar para não levar só de uma espécie e sim de 10 ou mais espécies de arvores nativas. Quando se entregavam as mudas com as referidas estacas, cada agricultor recebia um folheto com a explicação de como plantar essas árvores e também a quantidade de adubo referente à cada muda.porém com relação ao adubo explicávamos para o agricultor que não podia ser colocado junto das raízes para não queimá-las e sim colocar antes da muda, revolver o solo para depois colocar a muda na respectiva cova, e também que o espaçamento teria de ser de mais ou menos dois em dois metros na linha e entre linhas. Também foi orientado que se não chovesse deveriam fazer a irrigação das mesmas pelo menos até o seu pegamento após o plantio, tentando escolher as horas mais frescas do dia. Também foi orientado para que os agricultores fizessem uma vistoria nas propriedades para ver todos tinham feito o devido plantio e tomado os devido cuidado com as árvores nativas que haviam ganhado para fazerem o reflorestamento. 21

22 9-CONCLUSÃO Ao término do estágio percebe-se a grande importância do mesmo para o início da vida profissional, pois é fazendo o estágio que temos a grande oportunidade de pôr em prática conhecimentos adquiridos no decorrer do curso e como o mesmo é supervisionado nos da uma segurança maior para tomar as decisões que surgirem no decorrer do mesmo. Este período nos mostra que o que sabemos e temos em mente não é suficiente, não adianta termos somente o conhecimento teórico do paisagismo, sem termos idéia de como ele se comporta em determinados locais, e nas diferentes regiões, para consolidar os conhecimentos é preciso praticar e acompanhar diariamente tudo de perto, pois a cada dia nos deparamos com coisas novas. 22

23 10-ANEXOS Foto 1 Vista da rotula em frente ao parque de exposições 23

24 Foto 2 Vista da rotula do parque Foto 3 Vista da praça central 24

25 Foto 4 Vista da repicagem na estufa 25

26 11- BIBLIOGRAFIA FRONZA, D.; Fruticultura comercial: Destaque para pequenas áreas. 3 a ed. Santa Maria: Colégio Politécnico da UFSM p. GONÇALVES, A. L. Características de substratos. Manual de Floricultura. Maringá: SBFPO, 1992.p Jardinagem e paisagismo. Disponível em: <http://www.jardineiro.net/br> Acesso em: Janeiro de Dicas de jardinagem. Disponível em: <www.dicasdejardinagem.com.br> Acesso em: janeiro de Jardim de Flores. Disponível em: <www.jardimdeflores.com.br>. Acesso em janeiro de

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO 50 TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO Uma das atividades mais prazerosas da jardinagem é a duplicação das plantas. As plantas se reproduzdem de duas maneiras - sexuada com geração de sementes e assexuada ou vegetativa,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS Obra: Intervenção nos Canteiros Centrais da Avenida Santa Luzia Segunda Etapa. Endereço: Avenida Santa Luzia Área de Intervenção: 4758,52 m² 2. SERVIÇOS PRELIMINARES

Leia mais

enxertia de araucária para produção de pinhão

enxertia de araucária para produção de pinhão enxertia de araucária para produção de pinhão A Araucaria angustifolia, espécie quase exclusiva do Brasil, está ameaçada de extinção, restando apenas 2 a 3% de sua área original. Neste sentido, é fundamental

Leia mais

Manual e Especificação Técnica

Manual e Especificação Técnica Telhados verdes e jardins elevados Manual e Especificação Técnica Sistema Telhado Verde SkyGarden Paisagismo O sistema de telhado verde da SkyGarden é o resultado de décadas de pesquisas no Japão, em um

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente 7 Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente dachina,nortedaíndia,tailândiaenepal.a maior parte cresce na orla das

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi Planta compacta, originária da China e região de Laos. Floresce na primavera com

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K JARDINAGEM ADUBAÇÃO com N-P-K 10.10.10 Para plantas equilibradas; 4.14.8 Para plantas com flor ou frutos; 8.8.8 Plantas pouco exigentes; 20.20.20 Para plantas de grande porte. Devemos adubar em períodos

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Sistema Laminar. Ecotelhado

Sistema Laminar. Ecotelhado Sistema Laminar Ecotelhado 2 Especificação O Sistema Modular Laminar Ecotelhado é o conjunto dos seguintes elementos: Membrana Ecotelhado de Proteção Anti-Raízes Membrana Ecotelhado de Retenção de Nutrientes

Leia mais

2. Resíduos sólidos: definição e características

2. Resíduos sólidos: definição e características 2. Resíduos sólidos: definição e características Definição e tipologia Lixo é, basicamente, todo e qualquer resíduo sólido proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas,

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement.

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement. O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 Depois da colheita os galhos cortados são usados para cobrir a terra. Isto protege contra erosão, guarda a humidade e melhora a terra com matéria orgânica, assim que segura

Leia mais

SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014

SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014 SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014 CONTROLAR VAI COBRAR R$ 250 MILHÕES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Empresa que fazia a inspeção veicular em São Paulo, a Controlar foi extinta no final de janeiro. Seus sócios

Leia mais

Seleção Hydrangea macrophylla Magical

Seleção Hydrangea macrophylla Magical Seleção Hydrangea macrophylla Magical Magical Four Seasons Especialmente selecionadas Mudança sasonal de cor Qualidade excecional As quatro estações das Magical As Hydrangeas macrophylla Magical são um

Leia mais

(9 coisas que deves saber sobre as árvores)

(9 coisas que deves saber sobre as árvores) (9 coisas que deves saber sobre as árvores) 1 Não cortes os ramos maiores das árvores! 2 Usa as regras de 1/3 nas podas. 3 Como fazer um corte de poda. 4 A importância da turfa. 5 Onde as raízes realmente

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS SEÇÃO 1: Preparação do solo para plantio de ananás 1. Identificação da área para o plantio de ananas 1.A área seleccionada deve ter via de acesso 1. Se não tiver via

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO FIGURA 1. Indivíduo arbóreo da espécie Munguba com o estado fitossanitário comprometido. FIGURA 2. Vista da parte aérea demonstrando a ausência de folhas.

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

Estações do Ano. Procedimentos com ArteVerão

Estações do Ano. Procedimentos com ArteVerão Estações do Ano Procedimentos com ArteVerão Faixas de Verão (3º Dia) Leia o livro da turma No Verão. Discuta brevemente as coisas que acontecem no verão. Depois distribua folhas de papel branco para que

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA O PARQUE DO CARMO

E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA O PARQUE DO CARMO E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA O PARQUE DO CARMO Trabalho Apresentado para a conclusão do ciclo autoral. Igor José Santos Matias Adriano Santos Daniel Santos William 9 ANO C Este trabalho é dedicado

Leia mais

MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO

MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO Estes modelos podem ajudá-lo a cumprir com os requisitos da seção 4.1.1-4.1.10 sobre Potencial de Desenvolvimento e os requisitos de relatórios

Leia mais

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO A COMPOSTAGEM O composto é uma substância semelhante ao solo, resultante da decomposição de matérias orgânicas. A compostagem é uma maneira natural de reciclar as plantas,

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

Capitulo 3 Horta Orgânica

Capitulo 3 Horta Orgânica ASSOCIAÇÃO SOCIOAMBIENTALISTA SOMOS UBATUBA Conteúdo Pedagógico Capitulo 3 Horta Orgânica Organização Parceria Convênio Horta Orgânica Introdução Esta etapa é composta por atividades ligadas pelas relações

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Ásia (Coreia, Japão, e partes da China), sul da Austrália

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 Edmilson José Ambrosano Eng. Agr., Dr., PqC do Pólo Regional Centro Sul/APTA ambrosano@apta.sp.gov.br Fabrício Rossi Eng. Agr., Dr.,

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Coimbra, 2012/2014 Escolher Ciência PEC282 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA O que é um

Leia mais

MODELOS DE PLANEJAMENTOS E DE RELATÓRIOS DO COMÉRCIO JUSTO

MODELOS DE PLANEJAMENTOS E DE RELATÓRIOS DO COMÉRCIO JUSTO MODELOS DE PLANEJAMENTOS E DE RELATÓRIOS DO COMÉRCIO JUSTO Este modelo pode ajudá-lo a cumprir com os requisitos da seção 4.1.1-4.1.10 sobre Potencial de Desenvolvimento e os requisitos de relatórios na

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado Sistema Laminar Alto Sistema Laminar Alto Objetivo O Sistema Laminar Alto tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

Casas de Banho de Composto Orgânico

Casas de Banho de Composto Orgânico Casas de Banho de Composto Orgânico O que é uma casa de banho de composto orgânico e como construí-lo? Módulo para poupança de água e gestão descentralizada dos dejetos humanos Tamera, SolarVillage Valerio

Leia mais

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços.

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 2) Aprendendo a fazer a compostagem 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. 3)Manutenção e cuidados com o composto Microorganismos:

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA DENOMINAÇÃO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE

Leia mais

Compostagem doméstica: como fazer?

Compostagem doméstica: como fazer? Compostagem, o que é? É um processo dereciclagem de resíduos orgânicos (de cozinha, da horta, do jardim...) realizado através de microrganismos que transformam os resíduos biodegradáveis num fertilizante

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

A irrigação à noite também não é uma boa ideia porque pode deixar as folhas molhadas durante a noite um convite ao crescimento de fungos.

A irrigação à noite também não é uma boa ideia porque pode deixar as folhas molhadas durante a noite um convite ao crescimento de fungos. MANEIRAS DE ECONOMIZAR ÁGUA NA IRRIGAÇÃO: TÓPICO I: IRRIGAÇÃO PARA PAISAGISMO RESIDENCIAL. Agora vamos iniciar as maneiras de economizar água de irrigação. 1 Se você já tem um sistema instalado: 1.1. Faça

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS Maria E. M. Queiroga1 ; Lucas A. Levek2; Nathalie A. F. Luvison3; Marcelo Diel4; Alan Schreiner Padilha5 INTRODUÇÃO A Mata Atlântica é formada por um conjunto de formações

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil

MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil ÍNDICE DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROJETO 2. CONSTRUÇÃO 3. INSTALAÇÕES 4. COBERTURA 5. DISPOSIÇÕES FINAIS 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

MANUAL PROJETO AMBIENTAL ELAS PRESERVANDO NAS ESCOLAS

MANUAL PROJETO AMBIENTAL ELAS PRESERVANDO NAS ESCOLAS MANUAL PROJETO AMBIENTAL ELAS PRESERVANDO NAS ESCOLAS www.elasecomodas.com.br INTRODUÇÃO Este manual tem por finalidade servir como apoio para que as escolas parceiras do Projeto Ambiental Elas Preservando

Leia mais

REGISTRO FOTOGRÁFICO - AVENIDA BELCHIOR DE GODOI

REGISTRO FOTOGRÁFICO - AVENIDA BELCHIOR DE GODOI PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE REGISTRO FOTOGRÁFICO - AVENIDA BELCHIOR DE GODOI Situação do estado fitossanitário de três indivíduos arbóreos da espécie Pata de vaca

Leia mais

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apenas os estados de

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches Resumo O presente projeto foi desenvolvido pelas professoras, com crianças de dois a três anos

Leia mais

Plano de gestão dos espaços verdes

Plano de gestão dos espaços verdes Construção do lago (parque verde) Plano de gestão dos espaços verdes Numa época em que a nossa sociedade atravessa crises a vários níveis, os espaços verdes não são uma excepção e também a sua gestão implica

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

A importância do continente europeu reside no fato de este ter

A importância do continente europeu reside no fato de este ter Conhecido como velho mundo, o continente europeu limitase a oeste com o Oceano Atlântico, ao sul com o Mediterrâneo, ao norte com o oceano Glacial Ártico e a leste com a Ásia, sendo que os Montes Urais

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS Sistemas de produção Sementes Estruturas vegetativas (propagação por estolhos, estacas, tubérculos, bulbos, rizomas, raízes, micropropagação) PROPAGAÇÃO SEXUADA A SEMENTE

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

Floricultura e Plantas Ornamentais. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues

Floricultura e Plantas Ornamentais. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Produção de Rosas Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Produção de Rosas 1.Áreas Produtoras e seus Produtos em ha Rosas Gipsofila Crisântemo São Paulo 950 180 250 Minas

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO Operadora Ambiental Expedições 1. Objetivo Este relatório tem o objetivo de fornecer informações e imagens, referentes ao

Leia mais

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br TELHADO VERDE E A INFLUÊNCIA NO CONFORTO TÉRMICO EM UMA EDIFICAÇÃO DE MADEIRA NO IFC CAMPUS RIO DO SUL Karla Fünfgelt 1 ; Alexandra Goede de Souza 2 ; Eduardo Augusto Tonet 3 ; Samuel Fachini 4. 1 Professora

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS Cristiana Arruda Corsini & Dorival Zanóbia Eng a. Agrônoma, Agrimensor, Verbo Conservação de Áreas Verdes - Araras SP. verbo@laser.com.br

Leia mais

Colégio Visconde de Porto Seguro

Colégio Visconde de Porto Seguro Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I 2011 AULA 1 Ensino Fundamental e Ensino Médio Atividade de Recuperação Contínua Nome do (a) Aluno (a): Atividade de Recuperação Contínua de Ciências Nível I Classe:

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

Olá meninos, vocês parecem contrariados. O que aconteceu?

Olá meninos, vocês parecem contrariados. O que aconteceu? Olá meninos, vocês parecem contrariados. O que aconteceu? Puxa, o lixo é mesmo um problema muito sério. Vocês sabiam que muitos animais silvestres estão morrendo porque confundem lixo com comida? Sério?

Leia mais

FLORESTA PARQUE ECOLOGICO RIO FORMOSO Relatório de Caracterização da Área e Plantio

FLORESTA PARQUE ECOLOGICO RIO FORMOSO Relatório de Caracterização da Área e Plantio FLORESTA PARQUE ECOLOGICO RIO FORMOSO Relatório de Caracterização da Área e Plantio 1. Apresentação: O Plante Bonito é um programa participativo de recuperação de áreas degradadas, que tem o objetivo de

Leia mais

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4 Compostagem Caseira Certamente muitas das coisas que cobramos que o governo faça por nós, poderíamos nós mesmos realizar, o problema é que nem sempre sabemos como. Uma delas é a reciclagem do lixo orgânico,

Leia mais

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial.

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Lixo reflexo da sociedade Definição Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Todo lixo gerado pode ser classificado em dois tipos:orgânico

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Detalhamento do Projeto Título: Viveiro Florestal de Presidente

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

Avaliação 1 o Bimestre

Avaliação 1 o Bimestre Avaliação 1 o Bimestre NOME: N º : CLASSE: 1. Complete as frases com as expressões abaixo: a) A Terra é dividida em duas partes pela linha do. b) A parte que vai do ao pólo Norte é chamada de. c) A parte

Leia mais

O que é compostagem?

O que é compostagem? O que é compostagem? Consideraremos compostagem como um processo de decomposição da matéria orgânica encontrada no lixo, em adubo orgânico. Como se fosse uma espécie de reciclagem do lixo orgânico, pois

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Aula 1- Organização e limpeza das casas de vegetação - divisão dos grupos. ATENÇÃO: OS ALUNOS DEVERÃO ESTAR

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais