DIVERSAS ÁREAS DA VOZ FALADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIVERSAS ÁREAS DA VOZ FALADA"

Transcrição

1 DIVERSAS ÁREAS DA VOZ FALADA Izabel Cristina Viola 1 Maria Aparecida Stier 2 RESUMO O objetivo do trabalho é agrupar estudos produzidos na Fonoaudiologia, no período de 2005 a 2007, na área da voz falada, em uso profissional ou durante o exercício da profissão, excluindo atores de teatro, professores, operadores de telemarketing, locutores radialistas, profissionais de telejornalismo e religiosos, para apresentar evidências de como tem evoluído as pesquisas. Para análise do material, os trabalhos foram lidos parcial ou integralmente, e posteriormente, organizados em categorias por suas convergências. As categorias de trabalhos que emergiram da análise das pesquisas publicadas foram a prevenção e promoção de saúde, a voz como manifestação da linguagem, a pesquisa prosódica, os fundamentos teóricos e os métodos e técnicas de intervenção. Tal abrangência indica a preocupação do fonoaudiólogo em buscar alternativas para aprimoramento do seu trabalho. Palavras-chave: voz, voz profissional, expressividade 1 Doutora em Lingüística Aplicada a Estudos da Linguagem pela PUC-SP 2 Mestre em Distúrbios da Comunicação pela UTP

2 INTRODUÇÃO É crescente o número de publicações que demonstram interesse em compreender de forma holística as necessidades de diferentes profissionais da voz que, de modo geral, apresenta alta demanda vocal no exercício de sua atividade e, portanto, requer conhecimento minucioso sobre a própria voz, cuidados diários e técnicas adequadas para sua melhor atuação. Estudos específicos em diferentes áreas indicam que o fonoaudiólogo busca unir teoria à prática considerando as necessidades de cada grupo de profissionais da voz. Assim, considerando tal demanda, o objetivo desse trabalho é agrupar estudos de diversas áreas e apresentar evidências de como tem evoluído as pesquisas com a voz falada durante o exercício profissional, excluindo profissionais do teatro, professores, operadores de telemarketing, locutores radialistas, profissionais de telejornalismo e religiosos. 2

3 MATERIAL E MÉTODO O presente levantamento bibliográfico foi realizado utilizando-se as expressões voz / voz profissional / expressividade, para pesquisa em bases de dados, como: Sistema Integrado de Bibliotecas Bireme-Lilacs, Medline, Scielo, Portal Periódico Capes, PubMed, Google Acadêmico, bibliotecas das principais Instituições de Ensino Superior, revistas científicas, registros de anais de congressos e Google book. Os critérios de inclusão dos trabalhos foram basicamente trabalhos de pesquisa de fonoaudiólogos, da área de uso profissional da voz falada (ou durante o exercício da profissão) e que não tratassem de uma das profissões específicas, como: atores de teatro, professores, operadores de telemarketing, locutores radialista, profissionais de telejornalismo e religiosos. Foram selecionados trabalhos publicados no período de 2005 a 2007, em periódicos (on line, inclusive), anais de congressos científicos e livros, tanto trabalhos realizados academicamente como trabalhos de conclusão de curso (TCCs), monografias, dissertações e teses. Para análise do material, os trabalhos foram lidos parcial ou integralmente, e posteriormente, organizados em categorias, a partir da convergência temática. 3

4 RESULTADOS O número de referências encontradas totaliza 99 trabalhos, sendo que individualmente, as três profissões com maior número deles foram: político (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9), militar (10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17) e vendedor (18, 19, 20, 21, 22, 23, 24) (tabela 1). As fontes mais publicadas são os Anais de Congressos, seguido de artigos e monografias, frutos de cursos de especialização (gráfico 1). Tabela 1. Distribuição do número de trabalhos por ano e por categoria temática Temática Total Direito Dublador Estudante Militar Modelo Político Técnico esportivo Turismo Vendedor Outras profissões Abordagem geral Emoções Total

5 Gráfico 1. Distribuição dos trabalhos segundo o tipo de fonte de divulgação É possível classificar os profissionais que usam a voz e fala em contexto profissional em três grupos, sendo a atividade de fala (1) o requisito primário, mas de requinte variado, (2) ou secundária ao trabalho profissional, (3) ou como apoio em atividades acadêmicas, sendo: 1. Políticos (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9), militares (10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17), vendedores (18, 19, 20, 21, 22, 23, 24), profissionais do Direito (25, 26, 27), dubladores (28, 29), fonoaudiólogos (30), guias de turismo (30, 31, 32, 33), monitores de acampamento (34), ventríloquos (35), controladores de tráfego aéreo (36), empresários (37), apresentadores de previsão meteorológica (38), comissários de vôo (39), técnicos e instrutores esportivos (40, 41, 42), instrutores de centro de formação de condutores (43), ledores para visuais (44) e tradutores (45). 5

6 2. Arte-educadores do departamento estadual de transito (46), trabalhadores metalúrgicos (47), médicos (48), agentes comunitários de saúde (49), motoristas de caminhão (50), músicos instrumentistas de sopro (51, 52) e modelos (53, 54). 3. Estudantes de graduação (53, 54, 55, 56, 57) e pós-graduação (58). Aprimorando o entendimento da contextualização do uso da fala e da voz, encontramos trabalhos em que uma mesma profissão foi investigada a partir das áreas de inserção, como os vendedores que trabalham com diferentes objetos e situações. Entretanto, esses trabalhos diferem em suas metodologias. Os vendedores foram estudados tanto pelas características persuasivas, como pelos hábitos de higiêne e saúde vocal, nas situações de vendas em agências de viagem, planos de saúde, de aparelho audiovisual de karaokê e de ambulantes, como os vendedores de balas. Além da fala espontânea (59) e de tarefas de fala direcionadas, simuladas ou interpretadas (60, 61, 62, 63, 64, 65, 66), a leitura oral (67) e canções (68, 69) foi material e objeto de estudo em algumas pesquisas, inclusive tendo como avaliador o deficiente visual (44). Com relação aos instrumentos de pesquisa, o questionário é um instrumento muito utilizado, porém, há indicações da necessidade de se contrapor às informações colhidas por ele, em outras palavras: aquelas fornecidas pelo informante com as coletadas, por meio da observação in loco, dado a diferença entre a percepção do informante sobre si e os dados recolhidos de outros julgadores. Nas metodologias dos trabalhos, as avaliações do material continuam sendo feitas por meio de análises perceptivo-auditiva e/ou visual e/ou acústica. As novidades nas análises dos dados foram os estudos que empregaram a auto- 6

7 avaliação e o julgamento combinado de outros profissionais como jornalistas e lingüistas e de leigos. É interessante observar que em alguns destes estudos o julgamento do fonoaudiólogo é diferente dos outros, demonstrando algumas vezes, ser restrito aos aspectos sonoros, descolados do conteúdo do discurso. As áreas exploradas nos trabalhos são as áreas de higiene e saúde vocal voltadas para o uso da voz no trabalho (70, 71, 72, 73, 74, 75, 76, 77, 78, 79), expressividade (80, 81, 82, 83, 84, 85, 86, 87, 88) e a análise da organização dos recursos orais e/ou corporais na expressão (89, 90, 91), inclusive discutindo a terminologia empregada na área (92). Determinados recursos foram objetos de estudos específicos, como a qualidade de voz e as pausas (61, 62). As emoções e atitudes aparecem como fonte de interesse de estudo (93, 94, 95, 96, 97, 98), inclusive em situação de manifestação quando o orador está em exposição ao público, mesmo que em grupos pequenos e familiares, como por exemplo, nos grupos que realizam seminários orais. As emoções foram estudadas no corelacionamento da voz, corpo e com tipos psicológicos (60) ou em classificações mais gerais, do tipo personalidades extrovertidos e introvertidos (37). As intervenções fonoaudiológicas foram objetos de avaliação em vários trabalhos (79, 80), analisando os efeitos da intervenção pré e pós-oficinas (28, 57, 58), objetivando fornecer elementos para se planejar intervenções de caráter terapêutico ou educacional (97, 99). Embora a literatura seja quase unânime em apontar melhoras após treinamentos, chamamos a atenção para três trabalhos (28, 57, 58) com metodologias similares, que apontam para poucas ou nenhuma mudança significativa no desempenho dos participantes estudantes de graduação ou pós-graduação, quando é comparado o comportamento vocal pré e pós-oficinas. Além das quatro hipóteses 7

8 levantadas por Luchesi et al. (58) para os resultados encontrados como: (1) subjetividade do método de avaliação; (2) estado emocional dos sujeitos no momento da avaliação; (3) aspectos de difícil avaliação e (4) número de encontros e atividades desenvolvidas, é preciso levar em conta o interesse desta população (estudantes) em promover mudanças em seu comportamento. 8

9 DISCUSSÃO Dos resultados emergem cinco categorias de trabalhos, que podem ser organizados, segundo seus objetivos, da seguinte forma: 1. Trabalhos na linha de prevenção e promoção de saúde, que se interessam em conhecer o contexto de produção conjuntamente com o uso efetivo da voz, pensando-a como instrumento de trabalho. Com a preocupação da voz enquanto manifestação da saúde, tais trabalhos também se direcionam a levantar hábitos de higiene e saúde vocal em busca de sinais e sintomas de riscos potenciais e elencar as queixas vocais dos profissionais da voz. 2. Trabalhos que pensam na voz como manifestação da linguagem e sua variabilidade nos contextos de uso, que pesquisam elementos da expressão da comunicação como um todo e, neste sentido, se relacionam com a Oratória, ou em níveis específicos do corpo ou da oralidade. O corpo e a voz (conjuntamente ou não com a fala) são pesquisados com diferentes métodos e perspectivas teóricas. 3. Trabalhos que abordam diferentes áreas de pesquisa prosódica, seja de um material como um todo, como uma poesia, o conto oral, a leitura e a canção. Estes trabalhos podem ser analisados individualmente ou na comparação com outro de igual teor, sejam várias interpretações de uma canção ou a versão original e dublada de um material de vídeo. Outros trabalhos se interessam em analisar um recurso vocal específico, como a qualidade de voz ou a pausa. 4. Trabalhos que se direcionam à compreensão dos fundamentos teóricos da área, como o uso da terminologia e a escuta, inclusive das crenças populares usadas pelos profissionais. 9

10 5. Trabalhos que revêem a avaliação e a prática de assessoria fonoaudiológica, apresentando reflexões acerca da efetividade das práticas em oficinas. Da análise vertical dos trabalhos, depreendem-se trabalhos ligados a prevenção e promoção de saúde, qualidade de vida e a expressividade, sendo essa ainda pouco relacionada ao conteúdo discurso. 10

11 CONCLUSÃO As categorias de trabalhos que emergiram da análise dos trabalhos foram a prevenção e promoção de saúde, a voz como manifestação da linguagem, a pesquisa prosódica, os fundamentos teóricos e os métodos e técnicas de intervenção. Essas indicam a preocupação do fonoaudiólogo em buscar alternativas para aprimoramento do seu trabalho em diferentes campos. A prática desenvolvida a partir do conhecimento científico requer assumir o compromisso da constante atualização. Da mesma forma, aplicar o conhecimento, tem como premissa a compreensão de como o profissional da voz a utiliza e de todas as variáveis que possam interferir em sua qualidade. O resultado desta associação permite obter o direcionamento correto e, muitas vezes, inovador para determinados grupos de profissionais. A parceria entre a Fonoaudiologia e diferentes profissionais da voz é evidenciada neste estudo, como cada vez mais madura e bem estabelecida. 11

12 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Brayner ALB. Avaliação da oratória política realizada por deputados federais [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Santos D. Análise perceptivo-auditiva e visual dos recursos vocais e gestuais de candidatos a deputado federal nas eleições de 2002 [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Freitas MCR, Alexandre AA, Silva EGF, Miranda GMD, Nascimento GKBO, Lima L M, et al. Uso e conscientização vocal no âmbito da política. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Martins ESA. Comunicação não-verbal em situação de comissão parlamentar mista de inquérito: percepções de jornalistas e fonoaudiólogos. Rev Distúrb 2007;19(2). 5. Pinheiro LS. Vozes femininas na política: uma análise sobre mulheres parlamentares no pós-constituinte. Soc Estado 2006;21(3):p Santos D. Análise perceptivo-auditiva e visual dos recursos vocais e gestuais de candidatos a deputado federal nas eleições de 2002 [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Santos DS. Julgamento da expressividade de políticas em contexto de debate televisivo [dissertação]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Santos DS. Julgamento da expressividade de políticos em contexto de debate televisivo. Rev Distúrb 2007;19(1). 9. Santos DS, Silva MAA. Julgamento da expressividade de políticos em contexto de debate televisivo. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Behlau MS, Saviolli MRB. Caracterização vocal dos alunos da academia de polícia militar do Barro Branco: sinais e sintomas vocais e análise acústica. In: 12

13 Behlau M; Gasparini G, organizadores. A voz do especialista. Rio de Janeiro: Revinter, 2006, v. 3, p Ferreira SMA, Alves AKN, Hanayama M. Voz de comando militar. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Maciel D. A voz do militar: comandos e ajustes [trabalho de conclusão de curso]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Pereira D, Gayotto, LHC. A voz do militar: comandos e ajustes. In: V Mostra de Estudos e Pesquisas sobre Voz da PUC-SP; 2006; São Paulo. 14. Santos FA. Caracterização da voz de comando de oficiais de polícia militar da academia de polícia militar do Barro Branco [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Souza LMC. A prosódia no comando militar [dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; Vasconcelos E. Expressividade vocal e gestual de policiais militares negociadores [trabalho de conclusão de curso]. Salvador: Universidade Estadual da Bahia; Vasconcelos ES, Scarpel RD, Cavalheiro LG, Martins Filho MC. Policiais militares negociadores: auto-avaliação dos recursos vocais e gestuais durante negociação. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Chaves TA, Lima AC, Thomsen L. Gênero do discurso em situação de interação de venda em agência de viagem. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Garcia TB, Vaz DC, Boness CHM, Gonçalves GC, Souza AC. Perfil de comportamento vocal de baleiros atuantes na cidade de Salvador-BA. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa;

14 20. Belich G. Perfil vocal de representantes de laboratórios farmacológicos de Belém-Pará [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Luciano P, Ferreira LP, Akutsu CM. Condições de produção vocal de vendedores: descrição de aspectos relacionados à saúde vocal, hábitos, sintomas vocais e suas possíveis causas. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Piche RM. Caracterização vocal de promotores de venda do aparelho audiovisual de karaokê [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Souza CCL. Identificação e caracterização da expressividade de vendedoras de planos de saúde no momento da negociação [dissertação]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Souza DP. Análise das características de comunicação oral preferidas por leigos e fonoaudiólogos em ligações de vendas de sucesso [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Campanha SMA, Alonso AC, Thomsen, LPR. Conhecimento dos advogados sobre os cuidados relacionados à saúde vocal. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Silva SA, Peter GS. Análise dos recursos vocais e não verbais da oratória forense de um grupo de promotores. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Teixeira L, Medeiros GS. Oficina de expressividade e voz para estudantes de direito: fonoaudiologia: singularidade e universalidade, uma estratégia de intervenção fonoaudiológica em grupo. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa;

15 28. Cabral AR. A Fonoaudiologia na dublagem. In: Guberfain JC, organizador. Voz em cena. Rio de Janeiro: Revinter; Giraldes MP. A Construção do corpo vocal na dublagem [monografia]. São Paulo: COGEAE - Pontifícia Universidade Católica; Ribeiro GM. Auto-relato do uso da voz de fonoaudiólogos que atendem deficientes auditivos [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Brito CMCP, Soares EB, Vasconcelos JM. Hábitos Vocais do Guia de Turismo da Cidade do Recife-Pe. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Chaves TA, Lima AC, Thomsen L. Gênero do discurso em situação de interação de venda em agência de viagem. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Soares EB, Brito CMCP. Perfil vocal do guia de turismo. Rev CEFAC 2006;8(4): Fernandes GF. Caracterização vocal de monitores de acampamento do estado de São Paulo [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Pedroso RA, Behlau MS, Pontes P. Ajustes laríngeos e da expressão facial durante a ventriloquia. In: Behlau M, Gasparini G, organizadores. A voz do especialista. Rio de Janeiro: Revinter; v. 3:p Pereira LPP, Oliveira VL. Análise acústica das emissões vocais espontâneas e radiotelefônicas do controlador de tráfego aéreo. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Ribeiro APA. Caracterização da comunicação oral de empresários extrovertidos e introvertidos [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Gampel D. Aspectos de intervenção fonoaudiológica em apresentadores de previsão meteorológica, sem problemas vocais. Rev Distúrbios 2006;8(3) 15

16 39. Voltulini, JC. Perfil vocal do comissário de vôo [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Gonçalves JS, Silva MKF, Marinho V. Qualidade vocal dos técnicos de futebol da cidade de Recife PE. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Parizzia AM, Gobbi FHA, Miranda ICC, Parizzi AM, Vianello L. Avaliação vocal de um grupo de técnicos esportivos: uma experiência interdisciplinar. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Vianello L, Pereira DA, Alves DS, Santos EG, Pimenta EV, Teixeira N, et al. Preparação de atletas: uso da voz no trabalho de técnicos e instrutores esportivos. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Teixeira LC, Corrêa CM. Estudo comparativo entre sintomas, ambiente de trabalho e hábitos vocais de um grupo de instrutores de centro de formação de condutores (CFCS). In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Oliveira RCB. Caracterização vocal dos ledores para deficientes visuais [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Martins MAP. Novos desafios na formação de tradutores. Pontifícia Universidade Católica Rio, 2008 Disponível em: Acesso em: 10/12/ Vasconcelos JM, Santos CMB, Medved DMS, Cansanção VO, Brito CMCP. Hábitos vocais dos arte-educadores do departamento estadual de transito de Pernambuco. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa;

17 47. Ubrig MT. Relação entre ambiente de trabalho, relato de alteração de voz e problemas vocais em trabalhadores metalúrgicos [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Garcia AA, Campelo A, Silva L, Abreu P, Randow R. Sinais e sintomas sugestivos de perda da saúde vocal em médicos: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005, Santos. Rev Bras Fonoaudiol 2005;(supl. esp.). 49. Cipriano FG, Ferreira LP. Condições de produção vocal em agentes comunitários de saúde. In: VI Mostra de Estudos e Pesquisa sobre Voz da PUC-SP Laborvox: Da Universalidade à Singularidade. Pontifícia Universidade de São Paulo; 2007; São Paulo. 50. Miranda JS, Costa DD, Penteado RZ. Percepções sobre A Voz/saúde vocal por motoristas de caminhão. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Cont NOA, Oliveira LM, Anhoque CF. Análise perceptivo-auditiva das vozes de músicos instrumentistas de sopro [trabalho de conclusão de curso]. Vila Velha: Faculdade Novo Milênio; Duarte MD. Análise perceptivo-auditiva e acústica da voz de instrumentalistas de sopro pré e pós-ensaio musical [dissertação]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; Cara SJ, Gião PHA, Campiotto A. A Profissão modelo e a fonoaudiologia: novos caminhos. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Gião PHA, Guedes, ZCF, Fisberg M, Sampaio IPC, Moreira VP, Jager S, et al. Frequência de sinais e sintomas vocais e a percepção da importância da comunicação oral para a carreira, em agências de São Paulo. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Cielo CA, Morisso MF. Perfil vocal de estudantes de comunicação. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da 17

18 Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Souza RASA. Aspectos da expressividade de universitários em situação de apresentação de seminários: análise pré e pós-intervenção fonoaudiológica [dissertação]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Souza RASA, Santana ER, Ferreira LP, Rosa TTS. Aspectos da expressividade de universitários em situação de apresentação de seminários. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Luchesi KF, Mourão LF, Wolf A. Aspectos vocais e expressivos de pósgraduandos pré e pós-grupo de aprimoramento vocal. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Schmidlin MCR. O estilo do conto oral: um estudo das marcas estéticas em contadores rurais [dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; Carvalho M. Relações entre voz, corpo e tipos psicológicos descritos por Yung [trabalho de conclusão de curso]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Viola IC, Madureira SA. Qualidade de voz como elemento expressivo. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Viola IC, Madureira S. O comportamento da pausa no discurso e na expressão. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Viola IC. O Gesto Vocal: A arquitetura de um ato teatral [tese]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo;

19 64. Viola IC. O Gesto Vocal: A Arquitetura de um ato teatral. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2006 Out 4-7; Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Bahia: SBFa; Viola IC. O Gesto Vocal: A integração da voz na linguagem. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Viola IC, Madureira S. Voice quality and speech expressiveness. In: Paralinguistic Speech 07- between models and data; 2007; Saarbrucken. Proccedings of the Paralinguistic Speech 07: between models and data. Saarbrucken: DFKI Publication, p Valente P, Reis C. Aspectos prosódicos da leitura oral. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Gelamo RP. A organização prosódica e interpretação de canções: a frase entoacional em quatro diferentes interpretações de na batucada da vida [dissertação]. Universidade Estadual Paulista; Herz PS. Análise perceptivo-auditiva das canções interpretadas por personagens de filmes infantis de desenho animado nas versões original e dublada em português [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Abreu MA. A voz como instrumento de trabalho. Disponível em: Acesso em: 05/11/ Behlau MS, organizador. Voz: o livro do especialista. Rio de Janeiro: Revinter; v Behlau MS, Gasparini G, organizadores. A voz do especialista. Rio de Janeiro: Revinter; v Behlau MS, Zambom F. Sem voz para trabalhar. Malu 2006; Jun: Ferreira AE. Voz profissional: aspectos gerais e atuação fonoaudiológica. In: Behlau MS, organizador. Voz: O livro do especialista. Rio de Janeiro: Revinter, v.2 19

20 75. Fortes FSG, Imamura R, Tsuji DH, Sennes LU. Perfil dos profissionais da voz com queixas vocais atendidos em um centro terciário de saúde / Profile of voice professionals seen in a tertiary health center. Rev. Bras. Otorrinolaringol 2007;73(1): Moreti FTG, Gielow I. An auditory-percetible analysis of the performance of musicians and non-musicians in vocal imitation tests. In: 2nd IALP International Composium; 2007; São Paulo. Program and Abstract Book; v.1. p Penteado RZ Voz Profissional: Conceituando Prevenção e Promoção da Saúde. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Pinho SMR. Temas em voz profissional. Rio de Janeiro: Revinter, Pinho SMR. Manual de higiene vocal para profissionais da voz. 4ª. ed. São Paulo: Pró-Fono; 2007 b. 80. Viola IC. Estudo descritivo das crenças populares no tratamento de alterações vocais em profissionais da voz. In: Ferreira LP, organizador. Compilação das teses e dissertações da fonoaudiologia. Barueri: Pró-Fono; v Brandi E. Você e eu - entre nós, a voz. Rio de Janeiro: Revinter; Faria DM, Camisa MT, Guimarães MA. Muito além do ninho de mafagafos: um guia prático para aprimorar sua comunicação. 2ª. ed. São Paulo: J&H; Ferreira LP, Oliveira ASMRP, organizadores. Voz profissional II. São Paulo: Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, v Ferreira LP. Expressividade: a trajetória da fonoaudiologia brasileira. In: Kyrillos LR, organizador. Expressividade: da teoria à prática. Rio de Janeiro: Revinter, Märtz MLW. Discussão de caso: voz e expressividade. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Märtz LMW. Em co-autoria: Modalidades de escuta no trabalho com voz. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da 20

21 Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Nappi JWR. A voz e a construção do conhecimento um encontro possível [dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; Oliveira EK. Leitura, corpo e expressividade. Falla dos Pinhaes, Espírito Santo de Pinhal, SP, v.3, n.3, jan./dez Disponível em: Acesso em: 12/12/ Viola IC. Preceitos, Conseqüências e sugestões no entendimento da expressividade oral. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Cotes C. Expressividade do corpo. In: XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2005 Set 28-30; Santos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. São Paulo: SBFa; Oliveira DSF. O homem e sua voz: considerações relevantes sobre o estudo da intensidade, freqüência e duração para o aprimoramento da voz e da comunicação. In: Sampaio TMM, Pereira MMB, Atherino CCT. O ouvir e o falar: a fonoaudiologia em diálogo. Rio de Janeiro: Artes; v.1, p Alves CC, Altelmi GS. Terminologia de recursos vocais e termos descritivos sob o ponto de vista de fonoaudiólogos e preparadores vocais [trabalho de conclusão de curso]. Faculdade de Fonoaudiologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Barbosa RA. Emoção: efeitos sobre a voz e a fala na situação em público [dissertação]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Oliveira IB. Voz e emoção na clinica fonoaudiológica e na voz profissional. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Stier M.A, Karlan M. A voz como dimensão e imagem do indivíduo [monografia]. Curitiba: Faculdades Integradas Curitiba;

22 96. Stier MA. Marcadores de voz e fala nas emoções. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Viola IC, Ferreira LP. A avaliação da expressividade oral e corporal. In: Seminário de Voz da PUC-SP; 2007; São Paulo. São Paulo: PUCSP, 2007a. CD- Rom. 98. Viola IC, Ferreira LP. Avaliação da expressividade oral e corporal: uma proposta de atualização. In: XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia; 2007 Out 16-20, Gramado. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Rio Grande do Sul: SBFa; Viola IC. Repensando a prática fonoaudiológica em oficinas para profissionais da voz. In: 1 Congresso Integrado do Conhecimento: Vida, Sociedade e Futuro; 2007; Lorena. 22

Palavras-chave: voz profissional, expressividade, voz, religioso.

Palavras-chave: voz profissional, expressividade, voz, religioso. A Voz do Religioso Izabel Cristina Viola 1 Maria Laura Wey Märtz 2 RESUMO Este capítulo tem por objetivo apresentar as pesquisas produzidas na Fonoaudiologia, entre 2008-2012, que versam sobre o uso da

Leia mais

A VOZ NO TELEJORNALISMO

A VOZ NO TELEJORNALISMO A VOZ NO TELEJORNALISMO Leny R. Kyrillos 1 Cláudia Cotes 2 RESUMO A Fonoaudiologia atua junto aos profissionais do telejornalismo desde a década de 80. No início tal atuação baseou-se na experiência prática.

Leia mais

A VOZ NO TELEJORNALISMO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005. Revisada e Ampliada

A VOZ NO TELEJORNALISMO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005. Revisada e Ampliada A VOZ NO TELEJORNALISMO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005 Revisada e Ampliada Leny R. Kyrillos 1 ALENCAR, F. O Desenvolvimento da Comunicação do Perfil do Telejornalismo nos 50 anos da Televisão

Leia mais

A VOZ NO TELEJORNALISMO

A VOZ NO TELEJORNALISMO A VOZ NO TELEJORNALISMO Leny Rodrigues Kyrillos (1) RESUMO O presente trabalho é a compilação e a organização dos trabalhos científicos publicados nos formatos de artigos, capítulos de livro, trabalhos

Leia mais

DIVERSAS ÁREAS DA VOZ FALADA

DIVERSAS ÁREAS DA VOZ FALADA DIVERSAS ÁREAS DA VOZ FALADA LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005 Revisada e Ampliada Izabel Cristina Viola 1 ADVOGADOS Araújo ANB, Macedo CL, Mesquita KS. O discurso do advogado de defesa: quando

Leia mais

A VOZ DO RELIGIOSO. Izabel Cristina Viola 1 RESUMO

A VOZ DO RELIGIOSO. Izabel Cristina Viola 1 RESUMO A VOZ DO RELIGIOSO Izabel Cristina Viola 1 RESUMO Este capítulo tem por objetivo apresentar as pesquisas produzidas na Fonoaudiologia, entre 2005-2007, que versam sobre o uso da voz por religiosos de todos

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes

A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes Palavras-chave: velocidade de fala, comunicação, atitude Introdução Uma das principais funções da prosódia é a expressão

Leia mais

PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ

PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ Denise Cintra Villas Boas Léslie Piccolotto Ferreira Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUC/SP Área: Voz

Leia mais

A VOZ NO TELESSERVIÇO

A VOZ NO TELESSERVIÇO A VOZ NO TELESSERVIÇO Sandra Oliveira 1 Thais Raize 2 Juliana Algodoal 3 Ana Elisa Moreira-Ferreira 4 Milena Quinto Marchiori 5 RESUMO Objetivo: O objetivo deste estudo é realizar uma análise qualitativa

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Eixo temático: - Políticas de tradução/interpretação de língua de sinais. Modalidade: ( ) comunicação oral/sinais (X) pôster POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Autores: Débora

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

Ana Carolina de Assis Moura Ghirardi

Ana Carolina de Assis Moura Ghirardi Ana Carolina de Assis Moura Ghirardi Fonoaudióloga graduada pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Especialização em voz pela Coordenadoria Geral de Especialização, Aperfeiçoamento e Extensão

Leia mais

Palavras chave: voz, prevenção, criança

Palavras chave: voz, prevenção, criança AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DISFONIA INFANTIL EM CENÁRIOS EDUCACIONAIS: ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE VOZ A PARTIR DE DESENHOS DE ALUNOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras chave: voz, prevenção, criança

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE. Wanderléia Blasca

PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE. Wanderléia Blasca PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE Wanderléia Blasca Colaboradores: Andressa da Silva, Ana C. Spinardi, Thaís Gonçalves, Giédre Berretin-Félix, Deborah Ferrari, Alcione Brasolotto,

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM PÚBLICO

COMUNICAÇÃO EM PÚBLICO COMUNICAÇÃO EM PÚBLICO Anna Alice Figueirêdo de Almeida (1) Leonardo Wanderley Lopes (2) Priscila Oliveira Costa Silva (3) Renata Serrano de Andrade Pinheiro (4) RESUMO Introdução: A oratória trata-se

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos ANEXO 1 CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DO FATOR IV PRODUTIVIDADE 1 A avaliação do Fator Produtividade será realizada de acordo com as atividades de Ensino, Pesquisa, Extensão e Produção Intelectual, e Gestão,

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO

O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO Objetivos: Apresentar a estrutura básica de um projeto de pesquisa com vistas a sua elaboração FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU GESTÃO DA COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. Priscilla Gaiba INTRODUÇÃO Se em algumas áreas do conhecimento o corpo tem sido o principal instrumento de

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

A VOZ DO ATOR DE TEATRO

A VOZ DO ATOR DE TEATRO A VOZ DO ATOR DE TEATRO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005 Revisada e Ampliada Lucia Helena Da Cunha Gayotto 1 Raquel Costa Di Clemente 2 Ariane Moulin Pedra 3 Aoki AA, Camargo PP, Carvalho

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012

CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012 CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012 A Coordenação do Curso de Enfermagem da Fanor- DeVry Brasil, no uso de suas atribuições,

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Image New York - Design, Arte e Fotografia 1.2. CURSO: Tecnologia em Design Gráfico / Design de Moda 1.3. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL DE ENSINO DE HABILIDADES AUDITIVAS

PROGRAMA COMPUTACIONAL DE ENSINO DE HABILIDADES AUDITIVAS PROGRAMA COMPUTACIONAL DE ENSINO DE HABILIDADES AUDITIVAS Palavras-chave: Treinamento auditivo. Deficiência auditiva. Implante coclear. NASCIMENTO, L. T 1 ; GOYOS, C. 2 ; BEVILACQUA, M. C. 3 1,3 Centro

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica.

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. Autores: Carla Aparecida de Vasconcelos Bruna Ferreira de Oliveira Sirley Alves Carvalho César Reis A partir

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

PROJETO. Denise de Oliveira Resende Gerente-Geral de Alimentos

PROJETO. Denise de Oliveira Resende Gerente-Geral de Alimentos PROJETO Comunicação de risco para população: rotulagem, suplementos alimentares e redução de nutrientes (sódio, açúcares e gorduras trans e saturadas) nos alimentos Denise de Oliveira Resende Gerente-Geral

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 6ª REGIÃO PE - AL - PB - RN - PI - MA - CE REGULAMENTO PRÊMIO EMÍLIA AURELIANO DE ALENCAR MONTEIRO 2013

CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 6ª REGIÃO PE - AL - PB - RN - PI - MA - CE REGULAMENTO PRÊMIO EMÍLIA AURELIANO DE ALENCAR MONTEIRO 2013 REGULAMENTO PRÊMIO EMÍLIA AURELIANO DE ALENCAR MONTEIRO 2013 CAPÍTULO I - DA CRIAÇÃO DO PRÊMIO SEÇÃO I DA INSTITUIÇÃO Artigo 1 º O PRÊMIO EMÍLIA AURELIANO DE ALENCAR MONTEIRO foi instituído pelo Plenário

Leia mais

Coordenação Pedagógica Educação Infantil e 1º Ano Ensino Fundamental I Profª. Hevelyn Tatiane Silva Barcelos Campelo

Coordenação Pedagógica Educação Infantil e 1º Ano Ensino Fundamental I Profª. Hevelyn Tatiane Silva Barcelos Campelo 01 Direção: Profª Renata Teixeira Junqueira Freire Vice Direção Administrativa: Márcio Lóes Alcalá Coordenação Pedagógica Educação Infantil e 1º Ano Ensino Fundamental I Profª. Hevelyn Tatiane Silva Barcelos

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

PERFIL DOS DOCENTES DE PÓS-GRADUAÇÕES COM ENFOQUES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

PERFIL DOS DOCENTES DE PÓS-GRADUAÇÕES COM ENFOQUES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PERFIL DOS DOCENTES DE PÓS-GRADUAÇÕES COM ENFOQUES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA Humarah Danielle de Lima Vasconcelos e-mail: humarah@hotmail.com Alda Leaby dos Santos Xavier

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO

O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital Érico Lopes Pinheiro de Paula 1 Helena de Ornellas Sivieri-Pereira

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 Gabriela Viero GARCIA 2 Jana GONÇALVES 3 Samira Tumelero VALDUGA 4 Luciano MATTANA 5 Universidade Federal

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

Curso Intensivo. Marketing Pessoal

Curso Intensivo. Marketing Pessoal Curso Intensivo Marketing Pessoal O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação profissional objetivando proporcionar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

Relatório de Avaliação TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

Relatório de Avaliação TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Relatório de Avaliação TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS A temática tecnologia da informação esta em todas as áreas: áreas da saúde, empresarial, governamental. A humanidade está entrando

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

2. TRABALHOS ACADÊMICOS, DISSERTAÇÕES E TESES

2. TRABALHOS ACADÊMICOS, DISSERTAÇÕES E TESES 1. PROJETO DE PESQUISA O projeto de pesquisa surge como proposta da solução de um problema, ou seja, da identificação de uma necessidade a ser satisfeita. É o resultado do planejamento para a solução do

Leia mais

ANA JÚLIA LENZ fonoaudióloga

ANA JÚLIA LENZ fonoaudióloga ANA JÚLIA LENZ fonoaudióloga R u a : L u c a s d e O l i v e i r a, 4 9 s a l a 601 C e n t r o N H R S - C E P : 9 3 5 1 0-110 B r a s i l e i r a, S o l t e i r a, s e m f i l h o s N a s c. : 2 5 /

Leia mais

Reunião do Comitê de Marketing 13 e 14 de janeiro de 2011

Reunião do Comitê de Marketing 13 e 14 de janeiro de 2011 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Reunião do Comitê de Marketing 13 e 14 de janeiro de 2011 Memória Presentes: membros do

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES Ana Claudia Tenor

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Programa para a Inclusão dos Melhores Alunos da Escola Pública na Universidade

Programa para a Inclusão dos Melhores Alunos da Escola Pública na Universidade Programa para a Inclusão dos Melhores Alunos da Escola Pública na Universidade Vestibular 2014 NÚMEROS DA UNESP Cidades: 24 Unidades: 34 Unidades Complementares: 7 Colégios Técnicos: 3 Carreiras: 69 CURSOS

Leia mais

SAÚDE VOCAL: LEVANTAMENTO DAS LEIS BRASILEIRAS 1

SAÚDE VOCAL: LEVANTAMENTO DAS LEIS BRASILEIRAS 1 SAÚDE VOCAL: LEVANTAMENTO DAS LEIS BRASILEIRAS 1 Léslie Piccolotto Ferreira Emilse Aparecida Merlin Servilha 3 Maria Lúcia Vaz Masson 4 Micheline Baldini de Figueiredo Maciel Reinaldi 5 RESUMO Objetivo:

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1).

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1). TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA E INCLUSÃO SOCIAL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS ASSISTIDOS PELA APAE DE VIÇOSA, MG. AUTORES: André

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADES ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU FUMDES CAMPUS CHAPECÓ

PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADES ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU FUMDES CAMPUS CHAPECÓ GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU R e MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 /2 6 / 8 RECURSOS HUMANOS FUMDES Grupo Santa Rita 1º Lugar em

Leia mais

A Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo e a formação em Comunicação Suplementar e Alternativa: estratégias e desafios

A Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo e a formação em Comunicação Suplementar e Alternativa: estratégias e desafios A Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo e a formação em Comunicação Suplementar e Alternativa: estratégias e desafios Barbara Martins Tânia Sheila Griecco Carolina Lourenço Reis Quedas Núcleo

Leia mais

Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Especialização em Atendimento Educacional Especializado Especialização em Atendimento Educacional Especializado 400 horas Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro ASSER Rio Claro Objetivos do curso: De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, especialmente

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO

SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO Revista Eletrônica FACIMEDIT, v2, n2, jul/dez 2015 ISSN 1982-5285 ARTIGO ORIGINAL SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO KNOWLEDGE

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

Prepare-se para Faculdade. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios

Prepare-se para Faculdade. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Prepare-se para Faculdade Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Sucesso $$$ sonho habilidade Passos para Faculdade 1- Conhecer você mesmo. 2- Características da faculdade.

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS GRACIELA DOS SANTOS OLIVEIRA*, LUCILIA LINO DE PAULA**

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS GRACIELA DOS SANTOS OLIVEIRA*, LUCILIA LINO DE PAULA** 1 A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS GRACIELA DOS SANTOS OLIVEIRA*, LUCILIA LINO DE PAULA** RESUMO A pesquisa visa apresentar e discutir a implantação

Leia mais

Filosofia e Redação Interpretação, Argumentação e Produção Textual. Analisando o Conteúdo Filosófico Presente nas Redações nota 1000 do ENEM

Filosofia e Redação Interpretação, Argumentação e Produção Textual. Analisando o Conteúdo Filosófico Presente nas Redações nota 1000 do ENEM Filosofia e Redação Interpretação, Argumentação e Produção Textual Analisando o Conteúdo Filosófico Presente nas Redações nota 1000 do ENEM Projeto de Produção Discente Elaborado pelo Departamento de Filosofia

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA.

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. Vanessa de Almeida Moura Maria Das Graças Barreto Da Silva André Luiz

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais