Lazer: concepções intrínsecas nos pacotes turísticos receptivo em Belém/PA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lazer: concepções intrínsecas nos pacotes turísticos receptivo em Belém/PA"

Transcrição

1 Lazer: concepções intrínsecas nos pacotes turísticos receptivo em Belém/PA Maraísa Andrade de Castro 1 Cleber Augusto Trindade Castro 2 Resumo: O processo de transformação industrial marcou a conquista de um tempo de não trabalho maior, assim deu-se vazão ao lazer enquanto direito social. Na atualidade, o turismo é bastante apreciado como possibilidade de lazer, sob outra perspectiva, o lazer faz-se a essência da prática turística. É nessa tênue relação que se problematizou de que forma o lazer estaria inserido em pacotes de viagem. Objetivou-se levantar tais relações, e de maneira específica, identificar concepções de lazer intrínsecas, assim como caracterizar o lazer que estaria inserido nos roteiros programados por agências de viagem. Trata-se de uma pesquisa documental, com base teórica no enfoque histórico-crítico, de caráter explorativo/descritivo, que sob abordagem qualitativa, analisa descritivos de passeios e pacotes turísticos, coletados em três agências localizadas em Belém-PA. No âmbito dos interesses culturais do lazer e da segmentação turística, encontraram-se diversos cruzamentos complexos, explanados de forma a equilibrar um direito social na visão do consumo. Palavras-chave: Lazer. Turismo. Viagens. Introdução Para eleger abordar o lazer no âmbito do turismo, seja ele enquanto teoria ou prática, faz-se necessário debater contradições e embasar-se de argumentações que consigam sustentar a perspectiva de tecer uma análise sobre a apropriação de um direito social conquistado, por parte de um fenômeno social que se desenvolve traçado por expectativas mercadológicas. Em vista da escassez de estudos que tracem relações entre lazer e turismo sob a perspectiva do primeiro, assim como uma abordagem mais analítica do lazer dentro dos pacotes turísticos; encontrouse como problemas: de que forma o lazer seria concebido em pacotes turísticos? E, que lazer(es) pode(m) ser encontrado(s) em roteiros programados de viagem? Objetivou-se, de forma geral, levantar relações entre as diversas possibilidades de lazer em meio a alguns diferentes segmentos do turismo; considerando ambos como práticas sociais, sendo concebidas a partir da ideia do trabalho e da divisão social do tempo. Enquanto objetivação específica, busca-se identificar concepções de lazer intrínsecas em pacotes e passeios turísticos, assim como caracterizar de que forma o lazer estaria inserido em roteiros programados por agências de viagens. A pesquisa está pautada na análise documental proposta como método de pesquisa, em que os pacotes em estudo são resumidamente descritos e analisadas simultaneamente em uma abordagem qualitativa dos dados; encerrando-se na caracterização do(s) lazer(es) intrínseco(s), considerando-se os interesses culturais do lazer. Há ressalvas com relação à linguagem turística, intencional, para incitar o sujeito à criação de expectativas sobre a vivência de experiências ímpares. 1 Especialista em Lazer, Turismóloga, professora substituta do Polo Avançado de Vigia de Nazaré do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará. 2 Mestrando em Geografia, Turismólogo, professor Campus Breves do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará. 1

2 1 Linha tênue entre o Lazer e o Turismo Para delimitar o que se concebe enquanto lazer, partiremos historicamente do processo de transformação dos meios de produção, marcado pela Revolução Industrial, ocorrida no século XVIII, que alterou não somente a estrutura do que se tinha enquanto indústria e os modelos de fabricação, mas as relações de trabalho e mesmo as sociais. No início do processo de industrialização não havia respeito ao tempo de não trabalho; a burguesia, em ascensão no sistema de castas, incumbia-se de manter a ordem, amparada pela Igreja, em certos momentos da história, que assumia a responsabilidade de estabelecer o conformismo acerca das diferenças sociais respaldando-se na máxima de que o trabalho enobrece o homem, supervalorizando a atividade trabalhista, recriminando o ócio. Em posterior período da história, após muitas revoltas, a burguesia, pressionada pela classe operária, vê-se obrigada a ceder maior tempo liberado de trabalho aos subordinados, e são criadas as primeiras regulamentações promulgadas em leis trabalhistas. Antes dessa época não há indícios de divisão social do tempo, como se trabalho e vivência social fossem contínuos. Todavia, cresce a preocupação, por parte das elites, do controle social sobre o tempo de não trabalho das camadas populares em vista do aumento do mesmo; ações remetidas à política de pão e circo da antiguidade são incentivadas e postas em prática, visando a desarticulação da população por meio da distração e alienação em prol da manutenção da estrutura socioeconômica estabelecida. A própria elite, nesse contexto, descobre formas de lucro por meio da comercialização de espetáculos, conforme Melo e Alves Junior (2003). Assim, o tempo liberado do trabalho começa a ser visto, além de necessário para restauração das forças de trabalho, como propício para o consumo de bens materiais e imateriais, e passa a ser valorizado enquanto grande aliado do mercado. Sobretudo, aquela mesma Revolução trouxe à sociedade uma nova forma de organização do tempo, conforme Castelli (1990); a cronometragem passou a ser fundamental na vida cotidiana, e sua relevância na modernidade é reconhecida como aspecto essencial para organização e planejamento vital em todos os âmbitos da sociedade. Faz-se interessante ressaltar, que o tempo livre, legalmente defendido, visto o lazer enquanto direito social - previsto na Constituição Brasileira sob o Artigo 6º em que são direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição o qual, por vezes é marginalizado frente ao trabalho e às obrigações sociais, levando o sujeito a adaptar suas atividades livres ao tempo que lhe resta e não dividir seu tempo livre entre as que elege para sua satisfação. Contudo, enfatiza-se que a conquista de um período maior de tempo não dedicado ao trabalho 2

3 ao longo da história, não o coloca em contraponto à atividade trabalhista, mas proporciona aos trabalhadores o direito à liberdade de reflexão e ação; trata-se da valorização psicossocial do lazer, assim pode-se dizer que ambos interagem para o equilíbrio do sujeito, agem justificando-se reciprocamente. Entende-se o trabalho, independente de profissão, enquanto atividade necessária para o provimento de recursos em prol da própria sustentação ou de outrem dependente. No caso de estudantes, independente de faixa etária, Camargo (1989, p. 78) esclarece que ora, com a escola ocorre fenômeno idêntico ao do trabalho: a da incompatibilidade de ritmo entre a aspiração individual e o modelo imposto de obrigação ; assim poderíamos considerar o tempo de estudo deles como tempo necessário. Independente de duração, de cronometragem, o tempo é fator determinante para prática do lazer; e a ausência de disposição dele, em decorrência do trabalho, provavelmente seja o maior motivo de queixa por parte dos sujeitos que, em geral, sentem os malefícios de uma vida conflituosa com escassas oportunidades de lazer. Dentro da bibliografia clássica sobre lazer, encontra-se a seguinte definição: [...] um conjunto de ocupações às quais o indivíduo pode entregar-se de livre vontade, seja para repousar, seja para divertir-se, recrear-se e entreter-se, ou ainda, para desenvolver sua informação ou formação desinteressada, sua participação social voluntária ou sua livre capacidade criadora após livrar-se ou desembaraçar-se das obrigações profissionais e sociais. (DUMAZEDIER apud GOMES, 2004, p. 121). É creditado ao autor francês Joffre Dumazedier, conforme Gomes (2004, p. 120), a proposição de um sistema de caracteres específicos e constituintes do lazer, sendo eles: caráter liberatório; caráter desinteressado; caráter hedonístico e caráter pessoal. Alega-se ao mesmo autor a formulação dos aspectos do lazer, conhecidos como 3 D s, sendo eles: descanso, divertimento e desenvolvimento. Assim como a divisão base do lazer em 5 interesses: físicos, artísticos, manuais, intelectuais e sociais; que são classificados, conforme Melo (2004), por seus conteúdos culturais, em que o teor central da atividade designa a qual interesse a mesma pertencente. Referindo-se aos caracteres, incidir ao lazer um caráter liberatório, remete à liberdade de escolha e de planejamento sobre o que se vai ou não fazer; também pode ser relacionado à atitude liberada de obrigações rotineiras. Há autores que contestam a existência de um tempo realmente livre de coações em que se possa exercer a livre expressão de pensamento e sentimento, visto que se vive em uma sociedade ditada por regras morais e comportamentais. Ainda assim, acredita-se que mesmo dentro de padrões estabelecidos ou de opções restritas, exista determinada liberdade de eleição e ação. 3

4 Com relação ao caráter desinteressado, traz a idealização de que a disposição para o lazer deveria ocorrer sem um interesse fundamental, seria uma entrega voluntária, independente, devendo justificar-se em si mesmo. Há contestação a respeito de atividade(s) livre(s) de qualquer interesse, ainda que não aparente, direto ou indireto, momentâneo ou futuro. Camargo (1989, p. 11), exprime que toda ação obedece a algum interesse, claro ou disfarçado, entretanto considera que ainda assim, no âmbito do lazer, pode-se exercitar o fazer-porfazer, sem que haja algum ganho financeiro ou seja descaracterizada a ação. Relacionando-se ao caráter hedonístico, remete-se a ideia de busca pelo prazer, que pode ser proporcionado pela contemplação ou ação em si, o que dá ao sujeito a sensação de felicidade, consequentemente, de saciedade. Considera-se que esse caráter, conforme Camargo (1989), permite ao sujeito até demandar esforço inicial em prol de algo tido como bem maior; a atitude para o lazer não deveria visar, a princípio, como fim único o prazer, essa sensação, poderia ser experimentada ou não pela vivência, sem necessariamente a descaracterização de uma dada satisfação. No que diz respeito ao caráter pessoal, nesse aspecto, desencadeia-se os 3 D s, em que descanso, divertimento e desenvolvimento de personalidade seriam as 3 funções possibilitadas pelo lazer frente às obrigações primárias da sociedade. Essas funções também poderiam ser transmitidas ao turismo, sem nenhuma perda de sentido. Embora destaque-se a escolha pessoal como característica, Camargo (1989), expõe que dada a vivência em sociedade, todo nosso cotidiano seja marcado por influências culturais, sociais, políticas e econômicas, nem sempre identificadas diretamente; todavia, não se exime do lazer a ideia própria de eleição dentro de opções variáveis. A classificação de interesses culturais do lazer visa expor a diversidade de manifestações que podem ser abrangidas pelo universo do lazer, contudo, considera-se que podem existir, conforme Melo e Alves Junior (2003), cruzamentos complexos entre diferentes interesses inseridos um mesmo contexto. Os interesses físicos do lazer abrangem atividades esportivas, de aventura, que movimentam o corpo, como: exercícios, ginástica e dança. Alerta-se para as práticas ocasionalmente incentivadas pelo modismo, e para comercialização de produtos e serviços interligados às atividades, que seguem a lógica de mercado; assim como a esportivização do tempo de lazer, que seria a redução do lazer às atividades físicas. Dentro desse campo de interesse, podem ser enfrentados problemas pela prática irregular ou insegura de atividades. Já os interesses artísticos, estariam ligados à apreciação das artes, através de suas diversas formas de expressão, dentre elas: cinema, teatro, música, museus e exposições em geral, às manifestações culturais, sejam elas eruditas ou populares. Reconhece-se o possível despertar de 4

5 interesse do apreciador para própria produção artística, o que se enquadraria em outro interesse. A respeito aos interesses manuais, são relacionados às manipulações em geral, desde que realizadas como hobby, alguns exemplos estão ligados às atividades de: bordado, culinária, escultura, decoração e jardinagem. Nesse interesse, nota-se maior probabilidade do lazer tornar-se trabalho, quando sujeito passa utilizá-lo como meio de aquisição de renda extra, desconfigurando-o. Em relação aos interesses intelectuais, são alegadas a estes a busca por formação e informação não motivadas profissional ou educacionalmente, algumas das atividades atribuídas são: palestras e cursos. Enquadrados nesses também se destacam os jogos de estratégia, popularmente conhecidos como jogos intelectuais, entre eles: dama e xadrez. Enfim, os interesses sociais, nos quais se enquadram atividades em geral que estimulem o desenvolvimento da sociabilidade, sejam reuniões informais ou encontros em bares, clubes, restaurantes e até mesmo em residências, passeios ou festas. Nesse âmbito, Melo e Alves Junior (2003), acrescentam as atividades turísticas, e ainda que não desenvolvam uma discussão acerca do turismo, reconhecem-no enquanto progressivo setor econômico. Contudo, Camargo (1989) sugestiona um sexto campo de interesse aos já existentes, designado como interesses turísticos, em que se reconhece a complexidade do turismo em si; não apenas como setor economicamente próspero, mas também enquanto prática ou fenômeno social. Todavia, quando se trata do lazer com central interesse turístico, há evidente embate com relação a marcante presença de um mercado que não oferta ou possibilita oportunidade de acesso a todos. Em outro momento, Melo (2004, p. 54), reconhece que independente de aceitação dos interesses turísticos como um sexto conteúdo cultural, ou de enquadramento da atividade turística dentro dos interesses sociais do lazer, esse meio de intervenção ou possibilidade dentro do campo do lazer faz-se merecedor de atenção: Não somente na perspectiva de conhecimento de outras localidades, como mesmo de reconhecimento do próprio espaço onde vive o indivíduo, já que um dos grandes problemas identificados na contemporaneidade é o esvaziamento dos espaços públicos como locus de vivência social e o desconhecimento das potencialidades locais [...]. A diversidade de possibilidades no âmbito do lazer permite uma simplificada classificação das atividades em: passivas e ativas; em que as passivas estariam relacionadas a apreciação contemplativa, e as ativas à própria ação. Acredita-se que independente do tipo de lazer preferido pelo sujeito, o que se releva é a atitude do mesmo frente ao que está sendo vivenciado. Portanto, podemos conceber o lazer enquanto uma construção sociocultural a partir da junção entre: tempo, atitude e espaço, em prol do descanso, divertimento e desenvolvimento pessoal e social humano; vivenciado em tempo desatrelado das obrigações cotidianas, visando a satisfação em si. 5

6 Nesse caso, o tempo demarca disponibilidade do mesmo, a atitude, a motivação do sujeito, e o espaço, o ambiente em que a ação se desenvolve. As necessidades e desejos humanos motivam a realização de esforços que objetivem satisfazêlos, isso quando levado à atividade produtiva como meio gerador, conforme Bacal (2003), desencadeia a imposição do trabalho sobre o Homem, como condicionador vital. O tempo despendido a esse pode ser variável, obedecendo a critérios históricos e socioeconômicos, embora existam leis que regulamentem o tempo de trabalho. Nesse ponto encontra-se uma relação contraditória, considerando-se que o tempo para prática do lazer é um tempo livre das obrigações cotidianas e ocorre fora do tempo de esfera do trabalho, mas para maior usufruto do lazer na perspectiva de consumo é necessário obtenção de mais recursos, entretanto, para tanto é necessário mais tempo de dedicação ao trabalho, logo, nota-se que para possibilidade de vivência maior do lazer é necessário mais trabalho. A modernização dos meios de produção industrial, assim como a inserção da tecnologia em prestadores de serviço, proporcionaram ao trabalhador a diminuição do esforço físico exigido pelo trabalho, todavia, trouxeram à tona complicações psíquicas, seja pela monotonia e repetição de movimentos ou pelo excesso de concentração e atenção exigida para agilidade do fluxo de informações. Quando elevamos o consumo do lazer ao universo das viagens, encontramos a necessidade da disposição de tempo e recurso; para tanto, os períodos mais propícios para viagem: fins de semana prolongados, folga estendida e férias - direitos ou concessões adquiridas pelo cumprimento do trabalho, que é o meio gerador de renda - são classificados pela visão funcionalista como válvulas de escape. Krippendorf (2001, p. 16), considera essa relação como ciclo de reconstituição do ser humano na sociedade industrial: viajamos para recarregar as baterias, para reconstituir as forças físicas e mentais. Assim, as viagens em geral, enquanto opção de lazer e bem de consumo, são tratadas como possibilidade de libertação das obrigações e compromissos cotidianos. Apesar de inúmeras críticas ao consumismo, ação de consumo desenfreado, dentro do lazer visto como tempo social; a relação entre lazer e consumo pode ser tecida de forma equilibrada sob a seguinte perspectiva: Desejo apenas acentuar o princípio explícito: o ato de consumo deveria ser um ato humano concreto, do qual participassem nossos sentidos, nossas necessidades orgânicas, nosso gosto estético, isto é, em que nós participássemos como seres humanos concretos, sensíveis, sentimentais e inteligentes; o ato do consumo deveria ser uma experiência significativa, humana e produtiva [...] (FROMM apud BACAL, 2003, p. 92). 6

7 Percebe-se que a problemática não está no ato de consumo em si ou no que é consumido, mas na forma que o sujeito processa essa ação. Direciona-se crítica ao consumo alienado do lazer, a busca pelo incessante prazer proporcionado pela aquisição de objetos e serviços que marquem os momentos vivenciados, e ao exagero de recursos financeiros desprendidos para se obter coisas ou um luxo supérfluo, apenas com intuito de adquirir status. Sobretudo, a essência do lazer, independente do consumo, encontra-se na vivência de atividades ou na predisposição a elas, em experiências que, de fato, ajudem a proporcionar ao sujeito qualidade de vida e o coloquem em equilíbrio físico, psíquico e emocional; vivências efetivamente satisfatórias que contribuam em seu processo de construção e realização enquanto ser social. Dentro desse universo, a interseção entre lazer e turismo, ambos vistos enquanto práticas sociais, entretanto a primeira como atividade de direito social de um tempo historicamente conquistado, e o segundo como fenômeno social, que envolve relações humanas, deslocamento espacial e setor econômico, ainda aborda discussões repletas de preconceitos e contradições intrínsecas. Sobretudo, objetiva-se traçar uma ligação plausível entre ambos, de modo a abordá-los enquanto complementares; em uma relação de subordinação recíproca. Considerando-se a relevância tanto do lazer quanto do turismo, não apenas em uma lógica de mercado, mas para manutenção das relações sociais humanas e para desenvolvimento pessoal dos indivíduos. Em vista da existência de inúmeros segmentos no turismo e dos cinco interesses do lazer, já expostos, independente do lazer com interesses turísticos, é possível assimilar que dentro do universo de possibilidades do turismo encontrem-se vários conteúdos do lazer; assim, os interesses do lazer podem ser contemplados nas mais diversas formas de turismo. Todavia, a aceitação de um lazer com interesses turísticos não necessariamente concebe o turismo de lazer enquanto segmento mercadológico; ainda que se considere que haja turismo contendo o lazer como motivação principal, não há referência ao lazer enquanto segmento turístico nas produções acadêmicas consultadas, embora na própria academia o termo turismo de lazer seja de fácil entendimento. Então, seria possível conceber o lazer como essência do turismo, assim como o turismo enquanto possibilidade de vivência extensa do lazer; subentendendo-se a disponibilidade de tempo conquistado ou planejado para tal. Bacal (2003, p. 98) quando trata do lazer, expõe o que seria o lazer turístico como: [...] atividade que tem como suporte de sua definição a existência de um tempo livre contínuo legalmente estabelecido preenchido por atividades que dão satisfação íntima de acordo com o sistema referencial de valores e a estrutura econômica de cada contexto. 7

8 A autora também considera, pautando-se em Dumazedier, que o turismo, assim como o lazer, também abarque os 3 D s. A compreensão do turismo pressupõe, contudo, o conhecimento do lazer já que aquele é uma manifestação desse Castelli (1990, p. 23). Quando tratamos do turismo dentro do universo do lazer, faz-se necessário frisar a necessidade da viagem e determinada permanência fora do local habitual de moradia, sem essas características poderíamos considerar um lazer que recebe o adjetivo de turístico e não a prática do próprio turismo. Contudo, pode-se conceber um lazer com interesses turísticos, sem que necessariamente abarque-se alguma viagem, podendo ser ele, a construção do conhecimento sobre o potencial turístico local, que permite um olhar diferenciado do sujeito junto ao seu local de moradia; assim como o usufruto de toda infraestrutura turística enquanto espaço de vivência do lazer, que pode vir a estabelecer relações entre autóctones e turistas. Nesse entremeio, em constante evolução tecnológica, nos encontramos na atualidade; a profissionalização e otimização do tempo nas viagens e o planejamento estrutural de lugares, fazem do turismo uma atividade complexa, repleta de singularidades e contradições, a ponto de os estudos voltarem-se para formas sustentáveis de desenvolvimento desse fenômeno social, buscando conter o avanço desordenado. Conceituar ou definir turismo é uma forma de sistematizar uma prática social complexa, uma atividade multifacetada repleta de aspectos positivos, mas que se desenvolvida desordenadamente pode vir a causar perdas culturais irreparáveis, danos ao meio ambiente, além de redução do mesmo à lógica de mercado, sob o aspecto da exploração de bens materiais e imateriais para mero e irresponsável consumo. Bacal (2003, p. 112), concebe: Turismo é o conjunto de atividades e relações existentes nos deslocamentos temporais voluntários, realizados pelo afastamento da morada permanente por diferentes motivos com intenção de retorno, e a utilização total ou parcial dos bens e serviços orientados para a satisfação dos viajantes. Considera-se essa definição abrangente, pois agrega a multiplicidade de relações e ações que envolvem a atividade turística; o caráter voluntário da eleição pelo ser turista; a viagem; a possibilidade de variadas motivações; e a presença de um mercado que trabalha em prol da realização satisfatória das expectativas do sujeito que viaja. Bacal (2003), também considera o turismo, sob o ponto de vista social, como oportuno para experiências diferentes e estabelecimento de relações espontâneas, assim como, mais que o ato físico do deslocamento, proporciona a possibilidade de apreciação, conhecimento e exercício do 8

9 respeito para com outras culturas e indivíduos, vivências psicologicamente enriquecedoras. coloca: Em um âmbito diverso aos expostos, Boyer (apud Figueiredo e Ruschmann, 2004, p. 176), O turismo é um tipo de consumo diferente dos outros, pois se realiza em outro local e não visa à satisfação de uma necessidade fundamental do homem: ele não é um dado da Natureza ou do Patrimônio Histórico, pois nenhum lugar é turístico em si, nenhum sítio merece ser visitado, como diz a literatura turística; o turismo é um produto da evolução sociocultural e pode ser definido assim: Turismo = conjunto dos fenômenos resultantes da viagem e da estadia temporária de pessoas fora de seu domicílio, na medida em que este deslocamento satisfaz, no lazer, uma necessidade cultural da civilização industrial. A respeito dos fornecedores de serviços turísticos, Ansarah (2004, p.12), destaca como principal função proporcionar a satisfação dos desejos e necessidades dos turistas, obtendo lucro através da prestação de serviços, como qualquer atividade econômica. Vale considerar, nesse caso, que a oferta do produto turístico perpassa pelo âmbito da subjetividade em que cada sujeito sente ou aprecia de forma individualizada. Quando se investe em uma viagem turística, paga-se pelo conforto, seja no transporte, na hospedagem, alimentação entre outros, em verdade, investe-se nele; os empresários, por sua vez, entram em concorrência de mercado para organizar os produtos e serviços aos quais se procura; por conseguinte, recebem os lucros, de direito, dessa prestação, assim se forma a relação do turismo com o mercado. Todavia, quando se dispõe de recurso financeiro, extra aos necessários para satisfação das necessidades básicas de sobrevivência, defende-se o livre arbítrio sobre a utilização do mesmo. Entende-se que os sujeitos que utilizam o turismo enquanto opção de uso do lazer, visto como direito social, esperam usufruir da comodidade que a rede de fornecedores e intermediários oferecem, sendo assim, investem financeiramente para que seu lazer possa ser vivenciado sem maiores preocupações. 2 Análise documental do produto turístico A Lei , promulgada em 17 de setembro de 2008, nomeada como Lei Nacional do Turismo, tornou obrigatório o cadastramento das agências de viagem, assim como de demais prestadores de serviços turísticos, junto ao Ministério do Turismo. O banco de dados formado pelos cadastros está disponível no sistema intitulado CADASTUR. No dia 20/10/2009, em acesso ao CADASTUR, mapeou-se a existência de 107 agências de viagem na cidade de Belém, em tempo, observa-se que o sistema utiliza o termo agência de turismo. Inicialmente, consultamos o cadastro de todas, como no sistema não há nenhum tipo de classificação, nem ao menos por porte, optou-se por fazer uso do número de colaboradores declarados como caráter 9

10 de exclusão, assim, do universo, foram selecionadas as 5 agências que apresentaram maior número. Dessas, ao serem consultadas por telefone, apenas 4 declararam a ação enquanto agência mista, e somente 3 disponibilizaram pacotes ou passeios turísticos impressos em visita pessoal para coleta de documentos. Como estamos tratando de um mercado restrito, não haveria razão para considerar agências somente vendedoras, visto que os roteiros apresentados seriam repetidos. Tendo-se as agências como empreendimentos que trabalham para satisfazer as expectativas objetivas e subjetivas dos que viajam ou desejam viajar; para tanto, a promoção dos serviços ofertados são feitos por meio de pacotes turísticos, basicamente roteiros ou rotas com destino(s) e atividades programadas, apresentado através de papéis impressos contendo descrições, folders, vídeos e/ou imagens, de modo a despertar o interesse do sujeito para determinada vivência e conhecimento do destino sugerido ou desejado por ele. Consultaram-se os sites das agências alvo, para comparar os documentos coletados com as informações amplamente divulgadas na rede, assim como complementá-los. Primeiramente, analisaremos os pacotes ofertados pela empresa: Valeverde Agência de Viagens e Turismo Ltda; depois os da: Lusotur Viagens e Turismo Ltda; por fim, os produtos da Mururé Viagens e Turismo Ltda. As empresas referenciadas possuem credibilidade de atuação no mercado local e, em certos momentos, intermediam os serviços uma da outra. A Valeverde Turismo é uma agência mista, com ampla oferta de produtos regionais, nacionais, internacionais. Em visita a uma de sua sedes, loja localizada na Estação das Docas, no dia 26/10/2009, foram coletados documentos com descritivos de passeios fluviais e de city-tours. Empeçaremos nossa análise pelos passeios fluviais, operacionalizados na orla da cidade de Belém; no total são 9 rotas disponíveis, sendo 6 produtos da operadora Valeverde: Luau Valeverde, Orla matinal, Orla ao entardecer, Luzes da cidade, Encanto das águas, Ilhas e trilhas; e 3 de outro fornecedor, são eles: Ilha dos Papagaios, Furos e igarapés e Furos e igarapés com almoço e voadeira. Os passeios possuem uma frequência de operação, com exceção do Luau Valeverde, que se trata de uma espécie de festa temática, com duração de 3 horas a bordo, e ocorre nos sábados de lua cheia ou na decorrência de alguma data comemorativa especial, o que fica a critério dos planejadores do produto. De acordo com essas características, nota-se presente os interesses sociais do lazer; a festa em ambientes pequenos favorece a sociabilização. A descrição do passeio faz alusão a um festejo com muita animação, nesse ponto, é ressalta-se o aspecto do divertimento que compõe os 3 D s. De maneira geral, a rota dos passeios: Orla matinal, Orla ao entardecer e Luzes da cidade é a mesma, assim como a programação interna, basicamente: encenação de danças folclóricas, apresentação ao vivo de diversos ritmos musicais típicos da região, acompanhamento de guia de 10

11 turismo e oferta de bebidas alcoólicas e não alcoólicas, assim como alguns pratos da culinária local; todos com tempo de duração de 1 hora e meia. Os passeios diferem-se pelo horário de operacionalização, o que naturalmente modifica a proposta dos mesmos. O Orla matinal ocorre somente aos domingos pela manhã, o que remete à sensação daquele típico programa familiar de final de semana; sobretudo, coloca seus participantes em contato, raramente impossível, com o sol. A descrição do mesmo faz referência a visão panorâmica das dezenas de ilhas que circundam Belém, o que certamente contrasta com a paisagem da orla da cidade tomada por construções portuárias, indústrias e palafitas. Com relação aos outros, o Orla ao entardecer é favorecido pelo encantamento natural do ser humano pelo pôr-do-sol, um passeio cuja descrição enfatiza a apreciação de um pôr-do-sol deslumbrante ; possibilitando a contemplação da natureza através da observação mais atenta de um fenômeno diário, o crepúsculo. Enquanto o Luzes da cidade, mescla a ideia das luzes que iluminam a cidade à sombria escuridão da baia provocada pela noite; a descrição expressa a apreciação de vários prédios do nosso patrimônio histórico localizados na orla. Ambos possuem saída de terça a domingo. Diferente da primeira proposta, a do Luau, que remete ao que estaria enquadrado como lazer com interesse social, a das 3 opções acima citadas, estariam voltadas a essência do que seria o lazer com interesse turístico; por meio da apreciação panorâmica de pontos reverenciados turisticamente, usufruto de infraestrutura turística e utilização da prestação de serviços profissionais. Considera-se para essa classificação, em conjunto: a contemplação da natureza; o olhar diferenciado sobre a paisagem; o contato com manifestações artísticas, como: a dança e a música, e com aspectos da cultura local: gastronomia, folclore e crenças populares; além de abastecer-se de informações históricas e geográficas básicas transmitidas pelo guia e da ideia relaxante do passeio em si. O passeio Encanto das águas, com saída aos domingos e tempo de 3 horas e meia de duração, além de abarcar em conjunto os itens acima citados, aprecia a alimentação, com parada exclusiva para almoço em agradável restaurante à beira-rio. Historicamente, o ato de alimentar-se passou de mera necessidade humana à possibilidade de socialização à mesa; a culinária, além de forte atrativo turístico, pode servir enquanto atributo ao lazer, como uma possibilidade de integração entre os sujeitos em meio aos diversos interesses; opção que vai além da saciedade de uma necessidade fisiológica. A proposta que pauta a rota do Ilhas e trilhas, estende-se ainda mais, pois com saída aos sábados e feriados e 6 horas de duração, além de maior tempo de navegação, e consequentemente, de música ao vivo e danças, o ponto principal do passeio é a visita à praia de Sirituba, na Ilha de Carnapijó, que reúne: caminhada ecológica, almoço caseiro na praia e tempo para atividade livre. 11

12 Nesse caso, a caminhada é condicional para a chegada ao restaurante praiano em que o almoço é servido; descontado o tempo de navegação, caminhada e almoço, o tempo médio sem atividade programada é de 2 horas, estando o participante livre para aproveitar a praia, contemplar a natureza e/ou socializar-se nos bares. Faz-se relevante destacar nesse ponto, que mesmo tratando-se de um produto com período relativamente curto de duração, há preocupação com a liberação de tempo, ainda que cronometrado, o que proporciona ao sujeito a possibilidade de construção de seu lazer, de sua própria experiência em local supostamente distinto aos de rotina. Nesse momento pode-se fazer alusão aos caracteres constituintes do lazer, visto que a livre construção do lazer contempla enfaticamente o caráter pessoal. A Lusotur Turismo é uma agência mista, assim como a apresentada anteriormente, também com ampla oferta de produtos regionais, nacionais, internacionais. Em visita à sua sede, localizada na Av. Brás de Aguiar, 471, no dia 30/10/2009, foi coletado documento com descritivo de seus passeios (city-tours). Vide anexo 2. Nessa parte faremos análise dos produtos terrestres apresentados pela Lusotur, simultaneamente aos apresentados pela Valeverde, visto a semelhança entre ambos. Vale complementar que os passeios a seguir não possuem frequências de saída garantida, apesar de indicações com relação aos dias possíveis, são operacionalizados mediante agendamento do cliente, oferecem opção de acompanhamento de guia bilíngue mediante pagamento extra. Não ofertam nenhum tipo de alimentação inclusa. A Lusotur oferece o City tour tradicional, enquanto a Valeverde, o City tour Belém que possuem a mesma proposta: visita aos principais pontos turísticos de Belém; basicamente, descritos na rota estão: Complexo Feliz Lusitânia, local da fundação de Belém; Complexo do Ver-o-Peso, conhecida como a maior feira aberta da América Latina; Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, santa padroeira da capital paraense, e Cidade Velha, bairro que abriga o centro histórico da cidade. A Lusotur ainda faz menção ao Museu Paraense Emílio Goeldi, como sendo a 1ª instituição dedicada à ciência na Amazônia e que é, ainda hoje, referência no Brasil e no mundo devido o acervo que possui. As saídas acontecem de terça a domingo, em dois horários, pela manhã e à tarde, com 3 horas de duração cada. A Valeverde faz referência adquirir-se conhecimento sobre a história e curiosidades da capital paraense; cita no roteiro também o Polo Joalheiro (ex-presídio São José Liberto) e ao Parque da Residência, antiga casa dos governadores do estado do Pará. Nota-se na descrição dessa agência termos como: feira mística ao mencionar o Ver-o-Peso e linda cidade morena, Cidade morena é um apelido popular dado à Belém, assim como Cidade das mangueiras. Oferece saída às terças, quintas, sábados e domingos, com 3 horas de duração. 12

13 Nota-se que os principais pontos turísticos da cidade citados, são locais que possuem relevância histórica, cultural e religiosa para população; deixando evidente a apropriação do mercado do turismo sobre o patrimônio, o que pode colaborar para o processo de preservação desses lugares como forma de incentivo e manutenção da demanda turística e, por conseguinte, desenvolver economicamente o mercado local. O turismo cultural é bastante difundido dentro da atividade turística, visto que nesse segmento, são exaltados os aspectos culturais que constituem ou marcam historicamente o destino de visita. O sujeito colabora para com a preservação do patrimônio quando passa a reconhecer a relevância sociocultural do mesmo; com relação ao sujeito autóctone, quando consegue identificar-se com o patrimônio, em uma relação de pertencimento. Apesar de escassa literatura que expresse características sobre os interesses turísticos do lazer, pode-se compor que, independente do âmbito defendido, se do turismo ou do próprio lazer, o tipo de atividade em questão pode servir como meio sensibilizador do respeito e/ou reconhecimento sobre a cultura de outrem ou de sua própria. A Lusotur oferece o City tour ecológico, enquanto a Valeverde, Parques ecológicos, citam: Mangal das Garças, Museu Paraense Emílio Goeldi e Jardim Botânico Bosque Rodrigues Alves; que são os principais parques zoobotânicos da cidade. A Lusotur não faz descrição acerca dos locais a serem visitados e apresenta saídas de terça a domingo em dois horários, pela manhã e à tarde, com 3 horas de duração. Todavia, a Valeverde, classifica o passeio como imperdível!!! e descreve: todos os encantos da fauna amazônica pertinho de você. Venha se maravilhar com um dos mais importantes ecossistemas do nosso planeta. Oferecendo saída às terças, quintas, sábados e domingos, com 3 horas de duração. Nota-se em ambos a tendência da prática do ecoturismo, de forma sucinta, segmento do turismo ligado à apreciação, sob diversas formas, da natureza. Quando se trata de turismo em Belém, os dois principais segmentos destacados são: eventos e negócios. Todavia, os pontos destacados nos passeios acima servem de referência para expressar, que mesmo restrito à metrópole, há possibilidade de o sujeito entrar em contato direto com a dita natureza, vastamente discutida e exaltada quando se fala da região amazônica. A Lusotur oferece o City tour cultural, enquanto a Valeverde, o Belém cultural, como passeio pelos principais pontos culturais da cidade, como cita a primeira agência, ou como dita a segunda, pelos principais patrimônios histórico-culturais. Ambas possuem na rota: Teatro da Paz, primeiro teatro construído na Amazônia, oriundo historicamente do período áureo da borracha, e o Museu de Artes Sacras, pertencente à Igreja de Santo Alexandre, que possui rico e considerável acervo. A Lusotur faz menção ainda ao Polo Joalheiro, fazendo referência ao seu acervo formado por 13

14 expressiva mostra de riquezas naturais e culturais do Pará, transformadas em joias, adornos, artesanato e tantos outros produtos. E ao Palacete Bolonha, como obra em estilo eclético, a construção tem elementos de art nouveau, neoclássicos, góticos e barrocos. Possui saídas de terça a domingo em dois horários, pela manhã e à tarde, com 3 horas de duração. Já a Valeverde menciona o Forte do Presépio, antigo Forte do Castelo, marco de entorno da fundação da cidade; o Museu do Encontro, com acervo formado por peças de cerâmica indígena e o Museu de Arte de Belém, que possui diversas obras ligadas a história da cidade e onde ainda funciona parte da administração da prefeitura da mesma. Apresenta saída as quartas e sextas com 3 horas de duração. Vale como observação para os passeios acima, a mesma feita ao primeiro passeio terrestre de cada agência, com relação ao turismo cultural e a preservação patrimonial. Ademais, nessas descrições nota-se a tendência aos interesses artísticos do lazer, e porque não dizer, um despertar para o lazer com interesses intelectuais, caso incite-se a curiosidade do sujeito ao ponto de fazê-lo buscar informações literárias sobre a formação histórica e cultural da cidade, assim como a do povo que a habita. A Lusotur oferece o Vila de Icoaraci, enquanto a Valeverde, Icoaraci, trata-se de um distrito pertencente a capital, conhecido como Vila Sorriso. Ambas agências destacam em suas descrições, a localidade como polo produtor de cerâmica, são inúmeras olarias em que se permite apreciar a confecção e decoração de peças, e lojinhas que vendem diversos artefatos produzidos a partir da argila. A Lusotur faz a colocação de que caso haja disponibilidade de tempo, há possibilidade de um passeio pela orla de Icoaraci, onde se encontra um polo gastronômico com diversos restaurantes, lanchonetes, sorveterias e barraquinhas de comidas típicas, além de uma feira de artesanato; ademais cita no passeio, para se refrescar do calor, a pedida é uma saborosa água de coco e presenciar um belo pôr do sol. Oferece saídas diariamente em dois horários, pela manhã e à tarde, com 3 horas de duração; apresenta possibilidade desse passeio via fluvial, com apenas uma saída diária, tendo 7 horas de duração. A Valeverde faz menção à Icoaraci como sendo o mais importante centro artesanal de Belém ; ainda cita acerca dos artesanatos é uma variedade interminável de estilos e cores. São reproduções de peças marajoaras e tapajônicas, e peças estilizadas com revestimento em manganês. Apresenta saída as quartas e sextas com 3 horas de duração. No caso dos passeios acima, o lazer com interesse turístico fica mais bem expresso, todavia, pode-se deixar em aberto um possível gancho aos interesses manuais do lazer, já que há forte apelo à apreciação da confecção, realizada manualmente, de peças de cerâmica, e da decoração (desenho) e pintura das mesmas, o que pode incentivar o sujeito a investir em um novo hobby. 14

15 Por tratar-se de uma localidade relativamente distante do centro da cidade, e dada à amplitude de possibilidades de ação dentro do campo do lazer, considera-se o tempo de duração do passeio ao distrito, inadequado, portanto, ineficiente a proposta de lazer intrínseca no roteiro descrito. A Lusotur oferece o Ilha do Mosqueiro, enquanto a Valeverde, Ilha de Mosqueiro, apresentada como bucólica ilha, pertencente à administração de Belém, distante 80 quilômetros aproximadamente. Ambas agências fazem menção aos chalés antigos, cuja arquitetura faz-se merecedora de destaque. A Lusotur faz uma descrição breve com destaque para as belas praias de água doce com a peculiaridade de ter ondas. Saída diária com 7 horas de duração. A Valeverde descreve mais detalhadamente o passeio, situando geograficamente a ilha e fazendo citação do nome das principais praias. A agência deixa tempo livre para banho de mar e sol em alguma das praias. Saída diária com 7 horas de duração. Nesse caso, destaca-se a possibilidade de construção livre do lazer, ainda que em localidade determinada e tempo cronometrado. No âmbito do turismo, o termo tempo livre é usado para demarcar períodos livres de programação; seriam espaços de tempo vagos dentro de um roteiro, nos quais o sujeito pode fazer o que desejar. Novamente nos deparamos com a liberdade de construção do lazer em que a motivação individual, pautando-se nos caracteres do lazer, visa consciente ou inconscientemente os 3 aspectos do lazer, não considerando esses enquanto fim do mesmo, mas como propulsores de qualidade de vida, da sensação de bem estar a ser experimentada pela vivência, independente do interesse cultural da ação eleita. Além dos passeios já expostos, a Lusotur apresenta exclusivamente o City tour completo, uma mescla dos passeios oferecidos que são operacionalizados em Belém; com saída de terça a domingo e 9 horas de duração. E o Bioparque Amazônia (terrestre), ida ao Parque Ecológico Crocodilo Safari Zoo, destacado como: a síntese de todos os ecossistemas encontrados na região, como a rica e exuberante fauna e flora Amazônica. Saída diária com 4 horas de duração. Para o caso acima, volta-se a fazer alusão aos interesses turísticos e artísticos; esse último, por meio da apreciação das artes que compõem os acervos de museus e igrejas, das exposições diversas, permanentes e temporárias, presentes em determinados pontos turísticos. E também se referencia o incentivo ao ecoturismo, no qual os interesses turísticos e físicos do lazer podem ser experimentados. No caso de todos os passeios acima apresentados, pode-se remeter ao turismo ou a ideia do lazer com interesses turísticos como promotor de desenvolvimento social e pessoal, quando se trata de colocar o sujeito em contato com seu ambiente de moradia, contudo, guiado por uma perspectiva diferente, com olhar turístico. Passeios turísticos proporcionam encontros e (re)descobertas sobre lugares nem sempre valorizados. O lazer com interesses turísticos pode proporcionar ao sujeito o reconhecimento de si mesmo 15

16 em relação ao seu entorno de moradia: conhecer fatos históricos e características geográficas; o patrimônio natural, arquitetônico e cultural; as manifestações folclóricas e crenças; o contato com usos e costumes tradicionais, são alguns aspectos que podem ser apreciados pela atividade turística e também no âmbito dessa modalidade de lazer. A Mururé Turismo é uma agência representante, mais precisamente, da Pousada dos Guarás, apresentando como produtos diversos roteiros relativos à mesma, inclusive oferece a possibilidade somente de agendamento da hospedagem; sendo assim, possui foco regional e específico, com ampla oferta para o mercado externo. Em visita à sua sede, localizada na Travessa Rui Barbosa, galeria 09, no dia 30/10/2009, coletou-se documentos com descritivos de roteiros envolvendo hospedagem na Pousada. Vide anexo 3. O pacote Excursão à Ilha do Marajó apresenta-se em duas versões, sendo uma de 2 dias e 1 noite e a outra de 3 dias e 2 noites. No primeiro caso, a programação inicia-se pelo traslado hotéis / porto, o embarque é feito em barco de transporte regular; leva-se, em média, 3 horas para percurso de cada trecho. No roteiro consta descrição de aspectos da UH - Unidade habitacional, que é em estilo cabana, e das instalações da Pousada. No descritivo, há recomendação para almoço na própria Pousada. Para tarde, o roteiro indica saída para a cidade de Soure, para visita ao Curtume (centro de artesanato de couro de búfalo), à uma fazenda de criação de búfalos e à uma praia localizada nas proximidades da mesma. À noite, há indicação de apreciação de danças folclóricas, típicas à região, no restaurante do hotel. No segundo dia, a manhã é liberada para livre programação; a agência sugere banho de praia ou na piscina da hospedaria, e apresenta opções de passeios opcionais (adicionais), que podem ser adquiridos e realizados nesse período, como: caminhada ecológica, arvorismo e montaria, entre outros. Após o almoço, organiza-se a saída da Pousada para o trajeto de retorno. Assim como o primeiro roteiro, o segundo inicia-se pelo traslado, os ambientes da Pousada também são descritos. Entretanto, após almoço, a programação prevê passeio à histórica Vila da Joanes, conhecida pelas ruínas Jesuítas datadas do período do descobrimento do Brasil, no retorno há um breve reconhecimento do centro da cidade de Salvaterra, cidade que abriga a hospedaria. No segundo dia, há saída pela manhã para passeio fluvial pelo rio que divide Salvaterra e Soure; após o almoço, há prevista visita à Soure, com a mesma programação do roteiro anterior. No terceiro dia a descrição é a mesma do segundo dia do outro roteiro. Em ambos descritivos há um campo de observações acerca de condições gerais da operacionalização dos mesmos, assim como dos direitos aos quais se reserva a prestadora dos serviços. Com relação aos roteiros acima se destaca, mais uma vez, que o lazer com interesses turísticos também pode acontecer no momento da prática turística, novamente ambos traçam relações em 16

17 tênue linha. Faz-se interessante ressaltar que a estrutura da Pousada, composta por quadra de vôlei e piscina, assim como a proximidade com a praia deixam espaço para prática dos interesses físicos, em segundo plano, enquanto mais uma possibilidade de interesse do lazer. No caso em questão, pode-se estabelecer tanto cruzamento entre os lazeres para com o turismo, quanto entre diferentes interesses do próprio lazer. A disponibilidade de varanda com armadores de rede, enfatiza o aspecto do descanso, integrante dos 3 D s, mas, principalmente, incita o ócio, seja ele visto como nada a fazer, um relaxamento despreocupado, ou como na antiguidade, enquanto um momento de introspecção ao qual necessita o ser. Notou-se a ausência de informações relevantes nos roteiros apresentados, como: o embarque em barco de linha comercial; o tipo de transporte do Porto Camará até a cidade de Salvaterra, conhecida como Princesinha do Marajó, o qual é realizado em van ou ônibus; o transporte para deslocamento entre as cidades de Salvaterra e Soure, conhecida como Capital (informal) do Marajó, e o utilizado entre Salvaterra e a Vila de Joanes, esse segundo, normalmente feito em van; e também com relação a frequência de saída. Na coleta de dados, foi entregue um roteiro indicado como Promoção Fim de Semana no Marajó, em que se apresenta como incluso: passagem de barco ida e volta; traslado Camará/Pousada/Camará; uma diária em apartamento duplo; uma refeição por pessoa e o show de danças folclóricas. Com relação a esse produto, pode-se destacar que a agência tira os passeios e mantém apenas o transporte para Ilha, a acomodação e a programação interna da Pousada, acrescentando uma refeição. Duração de 2 dias e 1 noite. Por fim, o último roteiro, Lua de Mel com slogan só poderia ser feito em um lugar muito especial. Basicamente, trata-se de duas diárias na Pousada, incluso café da manhã servido no apartamento, o qual, a agência cita preparado para ocasião com direito a champanhe, frutas e massagem corporal em nosso spa. O pacote não inclui: traslados, transporte, passagens de barco, passeios e alimentos ou bebidas. A proposta que circunda o pacote promocional, é a de diminuir os custos de uma viagem curta de final de semana; pela ausência de programação, o tempo de hospedagem fica inteiramente livre para construção do lazer, para o livre arbítrio sobre que atividade ou não fazer dentro de opções como: usufruto da estrutura da Pousada, passeio adicional pago à parte, ou mesmo, passeio desacompanhado de profissional pelos arredores. A liberação total de programação previamente agendada pode causar a sensação no sujeito de aventura ou incentivá-lo ainda mais ao ócio. Voltando-se para o quarto roteiro apresentado acima, o público-alvo já é definido no título do mesmo, mas nada impede que sirva a casais não recém-casados. Independente da motivação da viagem, o importante é a entrega do sujeito ao momento de 17

18 lazer, ao lúdico, a contemplação e apreciação; ainda que haja horários a serem cumpridos em meio a programação, é relevante frisar, que ainda no campo do lazer, quando tratamos de entretenimento, encontra-se certa obrigação com horários, exemplo disso são as sessões de espetáculos de qualquer gênero artístico. Conclusões Analisando a relação entre lazer e turismo descobre-se a interseção entre ambos, visando livrar o turismo da visão carregada de preconceitos com relação ao seu planejamento e desenvolvimento enquanto mera atividade de mercado, abre-se o pensamento ao universo de possibilidades de uma atividade através da outra. Pensar o lazer apenas pelo aspecto social, no âmbito de políticas públicas, reduz as opções de vivências que podem ser experimentadas; ao mesmo tempo em que tratar o turismo sem a essência que abarca o lazer, é descaracterizar o que se almeja abranger na prática, pois independente da motivação de viagem, não se pode descartar os 3 D s. Acredita-se que dentro da prática do turismo haja possibilidade de vivência prolongada do lazer, independente da forma de manifestação desse, além da experimentação de experiências não cotidianas. Conceber o lazer através dos pacotes e passeios turísticos, sistematizados dentro de um tempo previamente organizado, mesmo que não completamente, ainda é alvo de críticas por parte dos que defendem a não formatação desse tempo. Acredita-se que a relevância dessa pesquisa esteja guardada para o ambiente acadêmico, possibilitando aos estudantes de turismo uma melhor compreensão acerca do universo do lazer; assim como aos estudiosos de diversas áreas, interessados pela temática, uma abordagem de lazer diferente das convencionais. Sobretudo, defende-se o sexto interesse do lazer proposto, enquanto oportunidade de acesso e promoção da estrutura pública da qual se utiliza e/ou apropria o turismo enquanto possibilidade de expansão das próprias experiências de lazer. Assim como um meio de interação entre comunidade autóctone e turista, nesse ponto, as relações humanas e câmbio de informações podem representar desenvolvimento para ambos. Referências Amazon Star. Disponível em: <http://www.amazonstar.com.br/>. Acesso em: 02 dez ANSARAH, Marília Gomes dos Reis (Org.). Turismo: Como aprender, como ensinar. 3ª ed. São Paulo: Senac, BACAL, Sarah. Lazer e o universo dos possíveis. 2ª ed. São Paulo: Aleph, BARRETTO, Margarita. Manual de iniciação ao estudo do turismo. 13ª ed. rev. e atual. Campinas: Papirus, BRAGA, Robério. Dicionário de turismo. São Paulo: Uniletras,

19 CADASTUR. Disponível em: <http://www.cadastur.turismo.gov.br/>. Acesso em: 20 out CAMARGO, Luiz Octávio de Lima. O que é lazer. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense, Sociologia do lazer. In: ANSARAH, Marília Gomes dos Reis (Org.). Turismo: Como aprender, como ensinar. 3ª ed. São Paulo: Senac, CASTELLI, Geraldo. Turismo: atividade marcante do século XX. 2ª Ed. Caxias do sul: EDUCS, Constituição Brasileira. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/sf/legislacao/const/con1988/con1988_ /con1988.htm>. Acesso em: 14 dez FIGUEIREDO, Silvio Lima; RUSCHMANN, Doris Van de Meene. Estudo genealógico das viagens, dos viajantes e dos turistas. Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 7, n. 1, p , jun GOMES, Christianne Luce (Org.). Dicionário crítico do lazer. Belo Horizonte: Autêntica, KRIPPENDORF, Jost. Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo: Aleph, Lusotur Turismo. Disponível em: <http://www.lusotur.com.br/>. Acesso em: 03 dez MELO, Victor Andrade de; ALVES JUNIOR, Edmundo de Drummond. Introdução ao lazer. Barueri: Manole, MELO, Victor Andrade de. Conteúdos culturais. In: GOMES, Christianne Luce (Org.). Dicionário crítico do lazer. Belo Horizonte: Autêntica, Mururé Turismo. Disponível em: <http://www.murureturismo.com.br/>. Acesso em: 03 dez OLIVEIRA, Janete da Silva; FREITAS, Ricardo Ferreira. Consumo. In: GOMES, Christianne Luce (Org.). Dicionário crítico do lazer. Belo Horizonte: Autêntica, PADILHA, Valquíria (Org.). Dialética do Lazer. São Paulo: Cortez, PANOSSO NETTO, Alexandre. Filosofia do turismo: teoria e epistemologia. São Paulo: Aleph, REJOWSKI, Mirian. Agência de viagem. In: ANSARAH, Marília Gomes dos Reis (Org.). Turismo: Como aprender, como ensinar. 3ª ed. São Paulo: Senac, Valeverde Turismo. Disponível em: <http://www.valeverdeturismo.com.br/excursoes/conheca_para/index.php>. Acesso em: 01 dez URRY, John. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. 3ª ed. São Paulo: Studio Nobel: Sesc,

Belém e Ilha de Marajó 7 dias

Belém e Ilha de Marajó 7 dias A surpreendente paisagem das praias marajoaras Belém é encantadora por suas mangueiras centenárias que sombreiam as ruas da capital paraense, localizada em uma baía rodeada por água e floresta amazônica.

Leia mais

O lazer, a educação e o Programa Segundo Tempo. Victor Melo, Angela Brêtas, Monica Monteiro

O lazer, a educação e o Programa Segundo Tempo. Victor Melo, Angela Brêtas, Monica Monteiro O lazer, a educação e o Programa Segundo Tempo Victor Melo, Angela Brêtas, Monica Monteiro Universidade Federal do Rio de Janeiro O que é lazer? Quando atuamos no âmbito do lazer podemos destacar dois

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Complexo Feliz Luzitânia

Complexo Feliz Luzitânia Atrações turísticas Fonte: http://www.belemdopara.tur.br/index.php?option=com_content&task=view&id=127&itemid=159 Complexo Feliz Luzitânia Mercado Ver-o-Peso Estação das Docas Praça da República Parque

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO. Djanira Nunes Barbosa. Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ.

MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO. Djanira Nunes Barbosa. Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ. MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO Djanira Nunes Barbosa Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ. Resumo: O turismo visa uma inter-relação do homem, com o meio onde vive, sua cultura e seus

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS

UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS Cínthia dos Santos Sêna 1 Esp Luziane Albuquerque 2 RESUMO O presente trabalho visa analisar as diversas paisagens que compõem a

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT)

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) Rosinei Borges de Mendonça UFMT-Araguaia rosineibm@gmail.com Adriana Queiroz do Nascimento UFMT-Araguaia

Leia mais

RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO

RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO 1. NOME COMPLETO DO RELATOR 2. E-MAIL Rafael Ângelo Fortunato fortunatoturismo@bol.com.br

Leia mais

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015 Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia Belém 03 de Setembro de 2015 TURISMO NÁUTICO Caracteriza-se pela utilização de embarcações

Leia mais

[Ano] TERMO DE REFERÊNCIA DO SEBRAE-SP DE ACESSO A MERCADOS PARA CIRCUITOS TURÍSTICOS

[Ano] TERMO DE REFERÊNCIA DO SEBRAE-SP DE ACESSO A MERCADOS PARA CIRCUITOS TURÍSTICOS TERMO DE REFERÊNCIA DO SEBRAE-SP DE ACESSO A MERCADOS PARA CIRCUITOS TURÍSTICOS Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Unidade Organizacional de Acesso a Mercados Unidade Organizacional

Leia mais

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim 17% não 83% 2. O que achou da transformação do Largo de Pinheiros? Diferente, muito

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia)

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia) MUSEU DO CARRO ELÉTRICO Inaugurado em 1992, o Museu do Carro Elétrico nasceu da dedicação e voluntarismo de um pequeno grupo de entusiastas e apaixonados por este meio de transporte coletivo, impulsionados

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio alemanha Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja a lazer, trabalho ou

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Rota Gastronômica: Belém e Ilha de Marajó 8 dias 30 de Maio a 06 de Junho de 2015

Rota Gastronômica: Belém e Ilha de Marajó 8 dias 30 de Maio a 06 de Junho de 2015 Açai: um dos principais ingredientes dos pratos amazônicos da culinária paraense. A Turismo Consciente e Central Pirarucu Gastronomia fazem uma parceria de dar água na boca! Lançam em 2015 as Rotas Gastronômicas

Leia mais

2. Acomodação (Hotéis) Hotéis Credenciados para o SIMCAM VALOR POR PESSOA R$ 80,00

2. Acomodação (Hotéis) Hotéis Credenciados para o SIMCAM VALOR POR PESSOA R$ 80,00 1. Belém 9 Simpósio de Cognição e Artes Musicais Internacional acontecerá no período de 27 a 30 de maio de 2013, na Universidade Federal do Pará, no Centro de Convenções Benedito Nunes em Belém do Pará.

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA Pedro Henrique Santos da Silva - Bianca dos Santos Cristovão - Luciana Maria da Silva* - RESUMO O Programa Institucional

Leia mais

R$ 167,00 R$ 189,00 R$ 200,00 Fone: (091) 4009-2400 Atendimento: Marta e Brito

R$ 167,00 R$ 189,00 R$ 200,00 Fone: (091) 4009-2400 Atendimento: Marta e Brito OPÇÕES DE HOTÉIS EXTRA PACOTE Observações Importantes: Os hotéis abaixo relacionados não integram o Pacote oferecido pela ValeVerde Turismo (Agência Oficial do evento), que exime-se de responsabilidades

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Reveillon no Perú Amazônia, Andes, Deserto e Pacífico 26 de Dezembro de 2015 a 03 de Janeiro de 2016

Reveillon no Perú Amazônia, Andes, Deserto e Pacífico 26 de Dezembro de 2015 a 03 de Janeiro de 2016 Como não poderia deixar de ser, a Turismo Consciente mantém sua essência e te levará para mais um cantinho da Amazônia neste Reveillon. Este ano vamos cruzar a fronteira e desembarcar em uma aventura no

Leia mais

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística.

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OS IMPACTOS SOCIOCULTURAIS VERSUS PRÁTICA TURÍSTICA META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula,

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio Nova zelândia Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja lazer, trabalho

Leia mais

PERÍODO DE 22 À 26/10/14

PERÍODO DE 22 À 26/10/14 BELO HORIZONTE + CONGONHAS + TIRADENTES + SÃO JOÃO DEL REI + MARIANA + OURO PRETO Viagem no Túnel do tempo para conhecer parte da História do nosso Brasil e vivenciar pessoalmente tudo aquilo que está

Leia mais

2. Acomodação (Hotéis) Pacotes de Hospedagem preço por pessoa 04 diárias. Diária Extra (por pessoa)

2. Acomodação (Hotéis) Pacotes de Hospedagem preço por pessoa 04 diárias. Diária Extra (por pessoa) 1. Belém Belém está localizada ao longo do estuário do Rio Amazonas, próxima o mais famoso arquipélago da região Amazônica, o Marajó. A Região Metropolitana de Belém possui população de aproximadamente

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA RELAÇÃO DE CONSUMO E PRAZER PARA O PÚBLICO JOVEM

PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA RELAÇÃO DE CONSUMO E PRAZER PARA O PÚBLICO JOVEM PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA RELAÇÃO DE CONSUMO E PRAZER PARA O PÚBLICO JOVEM Autoras: Profª Ms. Mayara Arina Bertolo UNIMEP Profª. Drª. Liana Abrão Romera UFES Por questões culturais as bebidas alcoólicas

Leia mais

Réveillon em Buenos Aires: Cores e Sabores da Capital Portenha

Réveillon em Buenos Aires: Cores e Sabores da Capital Portenha Réveillon em Buenos Aires: Cores e Sabores da Capital Portenha Série Cultura e Lazer Roteiro rodoviário 27-Dez-2015 a 03-Jan/2016-8 Dias 6 Noites - R$ 1 890,00 por pessoa em apto triplo 1 O tango, a arquitetura,

Leia mais

Dia 07.07.2011 (Quinta-feira) Encontrar-nos-emos no Aeroporto de Aracaju/SE (Com horário a combinar), onde realizaremos nosso Check In com destino ao

Dia 07.07.2011 (Quinta-feira) Encontrar-nos-emos no Aeroporto de Aracaju/SE (Com horário a combinar), onde realizaremos nosso Check In com destino ao Dia 07.07.2011 (Quinta-feira) Encontrar-nos-emos no Aeroporto de Aracaju/SE (Com horário a combinar), onde realizaremos nosso Check In com destino ao Aeroporto de Manaus/AM. Após desembarque seguiremos

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS TURISTAS QUANTO A SUSTENTABILIDADE DO ARRAIAL DE CONCEIÇÃO DE IBITIPOCA, MG

A PERCEPÇÃO DOS TURISTAS QUANTO A SUSTENTABILIDADE DO ARRAIAL DE CONCEIÇÃO DE IBITIPOCA, MG A PERCEPÇÃO DOS TURISTAS QUANTO A SUSTENTABILIDADE DO ARRAIAL DE CONCEIÇÃO DE IBITIPOCA, MG Roberto Bartholo, Arminda Campos & Robson Pereira de Lima O presente estudo é parte integrante do projeto Iniciativas

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio Nova Scotia Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja a lazer, trabalho

Leia mais

cursos fsc brasil programa de introdução à certificação florestal fsc

cursos fsc brasil programa de introdução à certificação florestal fsc introdução à certificação florestal fsc normas, governança oportunidades prevenção, resoluçãoede conflitos e engajamento no manejo florestal responsável fsc novos princípios e critérios, indicadores genéricos

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Vila Baleira Ilha de Porto Santo

Vila Baleira Ilha de Porto Santo Vila Baleira Ilha de Porto Santo Dia 0 Lisboa Porto Santo (25 12 2009) A viagem a Porto Santo começou a ser preparada com alguma antecedência, de forma a ser adequada a uma família de 4 pessoas. Para isso,

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ Fabiano Ceretta 1 Resumo: O projeto interdisciplinar do módulo de Agências

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL AUTOZ NAVEGANDO COM O AUTOZ

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL AUTOZ NAVEGANDO COM O AUTOZ REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL AUTOZ NAVEGANDO COM O AUTOZ 1. Das considerações 1.1 - Da empresa organizadora A responsável e organizadora do presente Concurso Cultural é a Comercial Automotiva Ltda., situada

Leia mais

11 Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE NAS INTERNAS. Centro Universitário UNIVATES

11 Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE NAS INTERNAS. Centro Universitário UNIVATES 11 Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE NAS INTERNAS Centro Universitário UNIVATES Apresentação do Projeto - Apresentação da instituição educacional Com sede no município de Lajeado, a Univates também

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

Apartamentos Disponíveis em Salvador

Apartamentos Disponíveis em Salvador Apartamentos Disponíveis em Salvador Não é surpresa que um apartamento em Salvador seja a escolha de muitos compradores que querem viver ou investir nessa linda cidade litorânea. Tem tudo o que um investidor

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Aprendizagem é mais do que aquisição ou apreensão da rede de determinados corpos de conhecimentos conceituais, selecionados socialmente como relevantes e organizados

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Turismólogo. Turismo de eventos. Festival Nacional de Teatro.

PALAVRAS-CHAVE Turismólogo. Turismo de eventos. Festival Nacional de Teatro. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

EXPERIÊNCIA VIPYOURSELF

EXPERIÊNCIA VIPYOURSELF EXPERIÊNCIA EXPERTIZE & NETWORK Desde sua fundação, em 1968, a GRANDE SÃO PAULO TURISMO tem como objetivo atender as necessidades de quem viaja a negócios ou lazer. Hoje contamos com ao menos uma empresa

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio winnipeg Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja lazer, trabalho ou

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Férias em Itapema SC, Passeios em Florianópolis, Beto Carrero e Nova Trento... O melhor de Santa Catarina com a Passeio Turismo!

Férias em Itapema SC, Passeios em Florianópolis, Beto Carrero e Nova Trento... O melhor de Santa Catarina com a Passeio Turismo! Férias em Itapema SC, Passeios em Florianópolis, Beto Carrero e Nova Trento... O melhor de Santa Catarina com a Passeio Turismo! 10 a 17 de Janeiro 2016 Roteiros: 07 Dias 05 Noites Situada a 12 quilômetros

Leia mais

Recreio dos Bandeirantes. Fotos Ilustrativas

Recreio dos Bandeirantes. Fotos Ilustrativas Praia, sol e mar inspirando seus negócios e suas férias. No Heritage você terá um belíssimo cartão postal na sua janela e serviços de primeira classe ao seu alcance. Ande descalço, sinta a leveza do mar,

Leia mais

PORTIFOLIO DE PASSEIOS

PORTIFOLIO DE PASSEIOS GOIÂNIA GO Embora com uma história recente, oferece uma diversidade de atrativos que encantam seus moradores e visitantes. Cidade aberta, ecumênica, bela, multicultural, de gente bonita e empreendedora,

Leia mais

Reveillon na Amazônia - Arquipélago de Anavilhanas 6 dias 27 de Dezembro de 2015 a 01 de Janeiro de 2016

Reveillon na Amazônia - Arquipélago de Anavilhanas 6 dias 27 de Dezembro de 2015 a 01 de Janeiro de 2016 Anavilhanas, um dos maiores arquipélagos fluviais do mundo! A chegada de um novo ano é, sem dúvidas, um momento especial! Reflexões, retrospectiva de momentos importantes, novos planos, desejos e compartilhamento

Leia mais

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Roberto Tonera Projeto Fortalezas Multimídia - Universidade Federal de Santa Catarina Brasil projeto@fortalezasmultimidia.com.br artonera@hotmail.com

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

IMPORTANCIA DA PESQUISA DE DEMANDA EM EVENTOS

IMPORTANCIA DA PESQUISA DE DEMANDA EM EVENTOS 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE (X) TRABALHO (

Leia mais

BEACH PARK ACQUA RESORT 08 Dias / 07 Noites

BEACH PARK ACQUA RESORT 08 Dias / 07 Noites BEACH PARK ACQUA RESORT 08 Dias / 07 Noites INCLUSO: Passagem aérea em vôo regular ; 07 noites de hospedagem com café da manhã e jantar; Traslado de chegada e saída; Bolsa de Viagem; Seguro Viagem. ROTEIRO:

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI!

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! CORPORATE FRETAMENTOS CRUZEIROS PACOTES A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! QUEM SOMOS QUEM SOMOS A Fay Passagens é uma agência que atua há mais de 10 anos, o nosso principal objetivo é prestar atendimento personalizado

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

Hotel Green Hill, tudo para sua felicidade num só lugar!

Hotel Green Hill, tudo para sua felicidade num só lugar! Apresentação Você está prestes a conhecer a mais completa e inovadora proposta de hospedagem, lazer, entretenimento e eventos da região. Com estrutura diversificada e qualidade de atendimento, o Hotel

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A cidade mais alema do Brasil

A cidade mais alema do Brasil O Projeto de Iniciação Turística Escolar - Pomerode foi desenvolvido e é executado pela turismóloga Priscila Romig, formada em 2004 pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB). Projeto patrocinado

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento www.visitesaopedrodaaldeia.com.br Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento Tel/ax: (21) 2522-2421 ideias@ideias.org.br Quem Somos O Instituto IDEIAS é uma associação civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

R016 EBG La Dolce Vita na Costa Amalfitana

R016 EBG La Dolce Vita na Costa Amalfitana R016 EBG La Dolce Vita na Costa Amalfitana INTRODUÇÃO AO DESTINO Nenhum luxo é mais precioso que o tempo. Poder aproveitar a vida, saboreando cada segundo com tranquilidade e estilo é uma conquista de

Leia mais

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS Andressa Stefany Teles Jasmine Cardoso Moreira Victor Emanuel Carbonar Santos RESUMO: Impactos negativos

Leia mais

Locais a serem visitados

Locais a serem visitados Apresentação Este projeto trata da elaboração de um livro, bilíngüe, que utilizará a fotografia como forma de expressão artística e que terá como tema central o Litoral do Ceará. A publicação, composta

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Sobre o FOHB Criado em 2002, o FOHB Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil é uma entidade associativa sem fins lucrativos que representa

Leia mais