ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE GUIAS DE TURISMO DO BRASIL SEÇÃO DE MINAS GERAIS AGTURB-MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE GUIAS DE TURISMO DO BRASIL SEÇÃO DE MINAS GERAIS AGTURB-MG"

Transcrição

1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE GUIAS DE TURISMO DO BRASIL SEÇÃO DE MINAS GERAIS AGTURB-MG O Presidente da AGTURB-MG, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 20, letra a, deste Estatuto e com a aprovação da Assembléia Geral Extraordinária do dia , altera alguns Artigos do Estatuto registrado no Cartório Jero Oliva, Livro A-38, às Fls. 142-V, sob o n de ordem , em e Registro n , de , os quais passam a ter a seguinte redação: CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 A ASSOCIAÇÃO DE GUIAS DE TURISMO DO BRASIL SEÇÃO DE MINAS GERAIS AGTURB-MG, fundada em 13 de agosto de 1980, é uma sociedade civil de direito privado, com personalidade jurídica, com sede e Foro na cidade de Belo Horizonte Estado de Minas Gerais, congregando profissionais do Turismo Receptivo e Exportativo, com prazo indeterminado de duração. A - ATRIBUIÇÕES Art. 2 A AGTURB-MG atuará na área de turismo, atendendo prioritariamente o setor profissional de guias de Turismo, mediante a consecução dos seguintes objetivos: a) Planejar, desenvolver e implantar as diferentes categorias profissionais, definindo as suas responsabilidades, deveres e direitos, de forma a assegurar condições satisfatórias de trabalho aos profissionais do setor; b) Planejar, desenvolver e manter permanentemente atualizado o cadastro de todos os profissionais do setor; c) Planejar, desenvolver e ministrar, particularmente e/ou conjunto com os organismos oficiais de turismo, os diferentes cursos de formação e atualização profissional, bem como organizar conferências e congressos em âmbito regional e nacional; d) Planejar, desenvolver e executar programas de atuação na área de turismo receptivo, orientando, informando e divulgando, de forma a atender plenamente as demandas decorrentes da política nacional de turismo; e) Identificar-se com os programas de turismo receptivo e exportativo das agências de viagem e transportadoras, de forma a atender a demanda de pessoal especializado dessas empresas. Art. 3 Cabe à AGTURB-MG representar em juízo, e fora dele, os interesses gerais das classes de guias. Art. 4 A extinção da AGTURB-MG só poderá ser decidida por resolução da maioria absoluta dos sócios fundadores e efetivos, em Assembléia Geral Extraordinária especialmente convocada para tal fim. B - DOS PODERES CONSTITUÍDOS Art. 5 São órgãos de Administração da AGTURB-MG: 1. Assembléia Geral 2. Diretoria 3. Conselho Fiscal

2 1 - DA ASSEMBLÉIA GERAL Art. 6 A Assembléia Geral, poder supremo da AGTURB-MG, é composta pela totalidade dos sócios guias, fundadores e contribuintes, em pleno gozo dos seus direitos sociais. Parágrafo único As decisões da Assembléia Geral são soberanas desde que não contrariem o presente Estatuto e as leis vigentes. Art. 7 Cada sócio com direito a assento na Assembléia Geral tem direito a um voto. 1 Não é permitido o voto por procuração para os sócios residentes dentro dos limites da cidade de Belo Horizonte. 2 Cada sub-seção terá direito a um voto do seu Presidente ou de um membro da sua Diretoria, por ele designado, por escrito. Art. 8 A Assembléia Geral, quando não exigido quorum especial, será instalada em primeira convocação com a presença de mais de 50% mais 1 (cinqüenta por cento mais um) dos sócios com direito a assento e, em segunda convocação ½ (meia) hora depois, com qualquer número. 1 As decisões da Assembléia Geral são tomadas por maioria de votos entre os presentes que tenham assinado o livro próprio. 2 A votação será feita de acordo com o estabelecimento em Regimento Interno AGTURB- MG e/ou em normas de procedimento. Art. 9 É competência da Assembléia Geral: a) aprovar as alterações do Estatuto; b) eleger, por maioria dos votos, os membros efetivos e suplentes do Conselho Fiscal, com mandato coincidente com o da Diretoria; c) autorizar a alienação ou a gravação dos bens imóveis da sociedade; d) examinar, discutir e aprovar o relatório e as contas da Diretoria, bem como os pareceres do Conselho fiscal; e) autorizar a dissolução da Sociedade; f) aplicar ou homologar penalidades aos sócios no exercício de cargos eletivos; g) autorizar o orçamento-programa para cada exercício; h) deliberar sobre quaisquer assuntos de interesse geral da entidade. Art. 10 A Assembléia se reunirá: 1. ordinariamente 2. extraordinariamente Art. 11 A Assembléia Geral se reunirá em seção ordinária: a) na segunda quinzena de junho de cada ano, para tomar conhecimento do relatório e contas da Diretoria, examinar e aprovar o Balanço Anual e o parecer do Conselho Fiscal e, ainda, outros assuntos que estejam inseridos no Edital de Convocação; b) para eleição do Conselho Fiscal, em data prevista no Regimento Interno. c) autorizar a dissolução do SINGTUR/MG, nomear o liquidante e a destinação dos bens remanescentes; Parágrafo único A Assembléia Geral Ordinária será convocada pelo Presidente da AGTURB- MG e nela só poderão ser tratados os assuntos que constarem do Edital de Convocação, que deverá ser publicado no Diário Oficial e em 2 (dois) jornais de grande circulação, com antecedência mínima de 15 dias, ou através de carta-circular a cada associado. Art. 12 A Assembléia Geral se reunirá extraordinariamente para tratar de assuntos especiais ou de urgência e sua convocação será feita mediante prévio aviso com prazo mínimo de 8 (oito) dias a contar da data de convocação.. ESTATUTO SOCIAL. 2

3 Parágrafo único - As Assembléias Gerais Extraordinárias só poderão ser convocadas pelo Presidente da AGTURB-MG ou por requerimento de pelo menos 1/3 (um terço) dos sócios guias. 2 - DA DIRETORIA Art. 13 A Diretoria constitui o poder executivo da AGTURB-MG, sendo composta por um Presidente, um Vice-Presidente, um Diretor Secretário, um Vice-Secretário, um Diretor-Tesoureiro, um Vice- Tesoureito, eleitos por votação direta entre os associados, para um mandato de 3 (três) anos. Parágrafo único O Presidente não poderá ser reeleito por 2 (dois) mandatos consecutivos. Art. 14 A Diretoria se reunirá ordinariamente e extraordinariamente sempre que convocada pelo Presidente ou por solicitação de dois Diretores. Parágrafo único As Deliberações de Diretoria serão tomadas por maioria de votos, cabendo ao Presidente o voto de qualidade. Art. 15 As reuniões da Diretoria poderão ser instaladas com a presença mínima de 3 (três) de seus membros, sendo obrigatoriamente um deles o Presidente ou o Vice-Presidente. Parágrafo único As reuniões da Diretoria serão lavradas em livro próprio. Art. 16 Os Diretores poderão licenciar-se por um período de 45 (quarenta e cinco) dias, renovável por requerimento por mais 30 (trinta) dias. Art. 17 No caso de impedimento superior a 75 (setenta e cinco) dias, o Presidente declarará vago o cargo. Parágrafo único A ocupação de qualquer cargo vago será feita mediante votação dos sócios em Assembléia Geral. Art. 18 Os Membros da Diretoria são responsáveis pessoalmente pelos prejuízos que causarem à AGTURB-MG, quando procederem em violação às leis e aos Estatutos. Art. 19 Compete à Diretoria em conjunto: a) dirigir e administrar a AGTURB-MG e, como poder executivo da mesma, fazer cumprir e executar os dispositivos estatutários, o Regimento Interno e o Código de Ética e, ainda, todas as demais resoluções da Assembléia Geral; b) apresentar, em Assembléia Geral, o orçamento-programa para o exercício seguinte; c) apresentar o balancete trimestral bem como contas, Balanços e o Relatório Anual; d) decidir sobre admissões de sócios; e) propor à Assembléia Geral fixação de jóias e anuidades; f) indicar à Assembléia Geral nomes de personalidades merecedoras dos títulos de sócios beneméritos, honorários e cooperadores; g) exercer fiscalização junto às Sub-Seções no que diz respeito ao cumprimento dos Estatutos e à Legislação vigente; h) criar comissões de inquérito: i) aplicar as penalidades cominadas no Capítulo II, Artigos 50 a 53 ; j) propor à Assembléia Geral Extraordinária qualquer alteração total ou parcial deste Estatuto e do Regimento Interno, obedecendo o que define a legislação em vigor. Art. 20 Ao Presidente compete: a) convocar e presidir as reuniões da Diretoria, Assembléias Gerais, convocar o Conselho Fiscal e propor mudanças no Estatuto e no Regimento Interno; b) presidir todas as convenções e cerimônias programadas pela AGTURB-MG; c) despachar e assinar com o Tesoureiro todo e qualquer movimento contábil que envolva responsabilidade patrimonial;. ESTATUTO SOCIAL. 3

4 d) representar a AGTURB-MG, ativa e passivamente, em juízo e fora dele, por si ou por meio de seus substitutos estatutários, inclusive junto às repartições federais, estaduais, municipais, autárquicas, para-estatais e terceiros; e) distribuir atribuições e responsabilidades aos demais membros da Diretoria; f) governar a Associação de Guias de Turismo do Brasil Seção-MG AGTURB-MG, fazendo uso da autoridade e exigindo o exato cumprimento deste Estatuto, do Regimento Interno e do Código de Ética. g) adquirir, onerar, alienar bens móveis e imóveis e administrar o patrimônio da AGTURB-MG, sempre de acordo com a Diretoria e o Conselho Fiscal; h) superintender os serviços da Associação, contratar, nomear, promover, licenciar, suspender e demitir os seus funcionários; i) cooperar com o Conselho Fiscal em matéria de competência deste, sempre que solicitado; j) manter intercâmbio com entidades congêneres; k) nomear e demitir comissões; l) nomear, dentre os membros da Diretoria e/ou Conselho Fiscal, o Conselheiro e suplente que irão representar a AGTURB-MG junto ao Conselho Nacional, com mandato idêntico ao do Presidente, mas por ele livremente demissíveis. 1 O Suplente do Conselheiro o substituirá em seus impedimentos e assumirá o cargo em caso de vacância. 2 A nomeação e demissão do Conselheiro e respectivo suplente deverá ser imediatamente comunicada por escrito pelo Presidente da AGTURB-MG ao Presidente da AGTURB Nacional. 3 As atribuições do Conselheiro e suplente estão definidas nos Estatutos da AGTURB Nacional. 1 do Artigo O Presidente da AGTURB-MG será substituído em suas faltas e impedimentos, pelo Vice-Presidente. 2 do Artigo O Presidente da AGTURB-MG não presidirá as Assembléias Gerais de Eleições. Art. 21 Ao Vice-Presidente compete: a) substituir o Presidente em todas as suas ausências, licenças e impedimentos; b) despachar e assinar com o Tesoureiro, nos impedimentos do Presidente, todo e qualquer movimento contábil que envolva responsabilidade patrimonial; c) auxiliar o Presidente nos encargos que forem por ele determinados; d) supervisionar e orientar os trabalhos de Secretaria e Tesouraria. Art. 22 Ao Diretor-Secretário compete: a) substituir o Vice-Presidente nos seus impedimentos; b) superintender a Secretaria, organizar e supervisionar seus trabalhos e encargos do pessoal contratado; c) tratar de toda correspondência interna e externa. Art. 23 Ao Vice-Secretário compete: a) substituir o Diretor-Secretário nos seus impedimentos; b) organizar o arquivo e o fichário; c) atender as demais atribuições que lhe forem conferidas pelo Presidente. Art. 24 Ao Diretor-Tesoureiro compete: a) substituir o Vice-Secretário nos seus impedimentos; b) superintender a contabilidade da AGTURB-MG e manter em dia os livros contábeis, assinando com o Presidente ou com o Vice-Presidente no impedimento daquele; c) fornecer à Diretoria balancetes mensais; d) organizar o balanço anual e os demonstrativos; e) praticar outros atos inerentes ao seu cargo; f) ter sob sua guarda e responsabilidade os valores pertencentes à AGTURB-MG.. ESTATUTO SOCIAL. 4

5 Art. 25 Ao Vice-Tesoureiro compete: a) substituir o Diretor-Tesoureiro em seus impedimentos; b) providenciar os recolhimentos das jóias, mensalidades, taxas e demais importâncias devidas à AGTURB-MG; c) fazer os pagamentos de responsabilidade da AGTURB-MG; d) atender às demais atribuições que lhe forem conferidas pelo Presidente. 3 - DO CONSELHO FISCAL Art. 26 O Conselho Fiscal será composto de 3 (três) membros efetivos e 3 (três) suplentes, com mandato coincidente com o da Diretoria. 1 Só poderá fazer parte do Conselho Fiscal os sócios guias em pleno gozo dos direitos sociais. 2 A participação do Conselho Fiscal constitui impedimento para participação em qualquer outro cargo ou função. 3 Os membros do Conselho Fiscal podem ser reeleitos. Art. 27 O Conselho Fiscal se reunirá, ordinariamente, uma vez por mês e, extraordinariamente, quando julgar necessário ou quando convocado pelo Presidente da AGTURB-MG. Parágrafo único O Conselho Fiscal só poderá tomar decisões por maioria de votos. Art. 28 Compete ao Conselho Fiscal: a) fiscalizar a elaboração do orçamento-programa e zelar pela sua observância; b) examinar os balancetes mensais e, principalmente, os balancetes trimestrais, o balanço anual, as contas demonstrativas e os relatórios da Diretoria, dando seu parecer por escrito; c) levar ao conhecimento da Assembléia Geral qualquer falha ou erro verificado na documentação examinada, sugerindo as medias que julgar adequadas para sanar as eventuais irregularidades; d) opinar sobre as despesas extraordinárias; e) examinar toda a documentação da Tesouraria e Contabilidade quando julgar necessário. C - DAS ELEIÇÕES Art. 29 No mês de junho, do ano em que terminar o mandato, realizar-se-á eleição da Diretoria, sempre por escrutínio secreto, com sua posse de dando de acordo com a Diretoria eleita. Parágrafo único É facultado à AGTURB-MG, de acordo com as necessidades, organizar mesas coletoras itinerantes. Art. 30 As eleições para preenchimento dos cargos da Diretoria serão realizadas mediante apresentação de chapas previamente constituídas e registradas até 60 (sessenta) dias antes do pleito. Parágrafo único Só poderão concorrer a cargos eletivos os associados que: a) tenham 2 (dois) anos completos de associação; b) estejam quites com o pagamento das contribuições para a AGTURB-MG; c) apresentar o seu Curriculum Vitae no ato do registro da chapa, devidamente acompanhado de sua plataforma de trabalho; d) não tenham sofrido penalidades nos últimos 5 (cinco) anos em qualquer instância. D - DA PERDA DE MANDATO Art. 31 Os membros da Diretoria e do Conselho Fiscal perderão seus mandatos nos seguintes casos: a) malversação ou dilapidação do Patrimônio Social; b) grave violação do Estatuto, definida por Assembléia Geral; c) abandono do cargo (considerar-se-á abandono do cargo a ausência, não justificada por escrito, a 3 (três) reuniões sucessivas da Diretoria). Parágrafo único Toda suspensão, afastamento ou destituição de cargo administrativo, deverá ser precedido de notificação por escrito e comunicado em Assembléia Geral.. ESTATUTO SOCIAL. 5

6 E - DO PATRIMÔNIO Art. 32 O patrimônio da AGTURB-MG é constituído por: 1. bens móveis e imóveis adquiridos, legados ou doados; 2. quaisquer bens e valores adventícios. Parágrafo único Constituem receitas da AGTURB-MG: 1) Ordinárias: a) as contribuições obrigatórias, taxas e multas; b) renda patrimonial; 2) Extraordinárias: a) as contribuições voluntárias e doações; b) promoções com renda financeira; c) outras rendas que lhe venham a ser atribuídas. Art. 33 No caso de extinção da entidade, seu patrimônio reverterá em favor da AGTURB-MG, após Assembléia Geral Extraordinária convocada especialmente para cumprimento deste artigo. CAPÍTULO II DOS SÓCIOS Art. 34 O número de sócios é ilimitado, podendo participar qualquer pessoa física com capacidade civil, sem distinção de sexo, cor, raça ou credo e pessoas jurídicas, desde que satisfaçam os requisitos exigidos para as diversas categorias. Art. 35 Os associados não respondem pessoal, solidária e/ou subsidiariamente pelos compromissos assumidos pela AGTURB-MG como pessoa jurídica. Art. 36 É facultado aos sócios da AGTURB-MG residentes fora da cidade de Belo Horizonte votar por procuração, na forma fixada pelo Regimento Interno. Art. 37 A AGTURB-MG não discrimina benefícios a seus sócios, não distribui qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas a título de lucro ou participação em seu resultado e não remunera seus dirigentes e conselheiros e aplica integralmente no País os seus recursos na manutenção de seus objetivos institucionais. A - DAS CATEGORIAS DOS SÓCIOS Art. 38 O quadro social da AGTURB-MG compreende as seguintes categorias: GUIAS (Fundadores (Contribuintes COLABORADORES (Honorários (Beneméritos (Cooperadores Art. 39 São FUNDADORES os sócios-guias que comparecerem, no mínimo, a 2 (duas) seções da Assembléia Geral de aprovação do Estatuto Original da Associação de Guias de Turismo do Brasil Seção Minas Gerais; AGTURB-MG, registrado no Cartório Jero Oliva, Livro 38, Fls. 142-V, sob o n , de 17 de agosto de Art. 40 São sócios HONORÁRIOS aqueles a quem o título é conferido pela Diretoria com aprovação de 2/3 (dois terços) dos presentes à Assembléia Geral especialmente convocada para este fim, nos seguintes casos: a) às pessoas estranhas à AGTURB-MG que tenham prestado serviços extraordinariamente relevantes no campo do turismo e reconhecido pela Associação; b) às autoridades constituídas.. ESTATUTO SOCIAL. 6

7 Art. 41 São SÓCIOS BENEMÉRITOS aqueles a quem o título é conferido por indicação da Diretoria e aprovação de 2/3 (dois terços) dos presentes à Assembléia Geral especialmente convocada para este fim, e que podem ser pessoas físicas ou jurídicas estranhas à AGTURB-MG, mas que tenham contribuído pecuniariamente com soma considerável para a Associação. Art. 42 São SÓCIOS COOPERADORES as pessoas físicas ou jurídicas que, estando interessadas nos objetivos da AGTURB-MG, se proponham a contribuir com uma taxa a ser fixada pela Diretoria a título de colaboração voluntária, visando o desenvolvimento das atividades da Associação. Art. 43 Os SÓCIOS GUIAS CONTRIBUINTES da AGTURB assim se dividem: a) guia regional; b) guia de excursão (regional, nacional ou internacional); c) guia especializado. B - REQUISITOS PARA ADMISSÃO DO SÓCIO GUIA Art. 44 São os seguintes os requisitos para admissão: 1. ser brasileiro ou, no caso de estrangeiro, ser residente no País e estar com sua situação profissional e de permanência no Brasil devidamente regularizadas; 2. ser maior de idade; 3. ter concluído o curso de segundo grau ou equivalente; 4. ter certificado de Curso de Guia de Turismo promovido pelo MINISTÉRIO DE TURISMO, pelo SENAC ou por órgão ou entidade competente; 5. estar em dia com suas obrigações legais: eleitorais, serviço militar e outras; 6. estar em dia com os impostos federais, estaduais e minicipais (ISS, INSS, Imposto Sindical e outros); 7. falar fluentemente o português e Ter atributos pessoais e funcionais, tais como: condições de saúde, boa dicção e outras; 8. não exercer qualquer cargo ou função que a Diretoria da AGTURB-MG considerar incompatível com o exercício da profissão; 9. não possuir antecedentes criminais. 1 Admitir-se-á que possa ser aceito como sócio, o guia que, embora sem atender os quesitos números 3 e 4, se encontre no efetivo e ininterrupto exercício da profissão, há, pelo menos, 2 (dois) anos antes da data de entrada em vigor da Deliberação Normativa n 116/83 da EMBRATUR, ou seja: 16 de agosto de Serão considerados os anos de trabalho anteriores à Deliberação Normativa 116/83, quando regularizados com o pagamento dos impostos governamentais e a declaração de, pelo menos, 2 (dois) agentes de viagem. C - DIREITOS DOS SÓCIOS Art. 45 São direitos dos sócios-guias, quando quites com a AGTURB-MG: a) freqüentar a sede social e utilizar-se dos serviços da Associação; b) tomar parte em Comissões ou Grupos de Trabalho quando designados para tal fim; c) ter assento nas Assembléias Gerais, podendo propor, debater e votar os assuntos em pauta, obedecendo às normas de procedimento aprovadas pela Diretoria; d) votar para qualquer cargo eletivo; e) requerer à Diretoria a convocação de Assembléia Geral Extraordinária nos termos do parágrafo único do Art. 12 ; f) representar, por escrito, à Diretoria, contra qualquer ato que repute lesivo aos seus direitos ou infringentes aos Estatutos e aos interesses sociais; g) propor novos associados; h) usar o distintivo e a carteira de sócio da AGTURB-MG; i) receber as publicações gratuitas oficiais da AGTURB-MG;. ESTATUTO SOCIAL. 7

8 j) recorrer ao Conselho Nacional em grau de recurso, que poderá ser interposto no prazo de 30 (trinta) dias da ciência da penalidade que lhe for aplicada. 1 do Artigo Os direitos dos sócios-guias são pessoais e intransferíveis. 2 do Artigo Só poderão ser votados para quaisquer cargos eletivos os sócios-guias com, pelo menos, 3 (três) anos de associado na AGTURB-MG. Art. 46 Os SÓCIOS BENEMÉRITOS que forem pessoas estranhas à AGTURB-MG terão direito exclusivamente ao uso deste título conferido com honraria. Único Os que forem SÓCIOS FUNDADORES e CONTRIBUINTES e receberem título de benemerência não perderão os direitos inerentes àquelas categorias. Art. 47 São Direitos dos SÓCIOS COOPERADORES; a) freqüentar a sede social; b) receber as publicações gratuitas oficiais da AGTURB-MG. Art. 48 Serão respeitados os direitos dos sócios do ex- Centro de Guias de Turismo CEGTUR, em razão de sua contribuição anterior ao Estatuto da Associação de Guias de Turismo do Brasil Seção de Minas Gerais AGTURB-MG, conforme se colhe do registro de seu Estatuto no Cartório Jero Oliva, de Títulos e Documentos de Belo Horizonte, Livro A-15, Fls. 162 verso, sob o número de ordem , de D DOS DEVERES DOS SÓCIOS Art. 49 São deveres dos sócios-guias da AGTURB-MG: a) obedecer ao presente Estatuto, ao Regimento Interno, ao Código de Ética e aos demais regulamentos, instruções e decisões dos poderes constituídos da AGTURB-MG; b) satisfazer, pontualmente, as contribuições pecuniárias que ordinariamente lhes forem atribuídas; c) prestigiar a Associação, zelando pelo seu conceito e de seus associados por todos os meios ao seu alcance e propagar o espírito associativo; d) comparecer assiduamente às reuniões e Assembléias Gerais; e) respeitar em tudo a lei e acatar as autoridades constituídas; f) desempenhar suas funções em cargos ou comissões para os quais forem eleitos e nos quais tenham sido empossados; g) não tomar deliberações que interessem à classe sem o prévio pronunciamento da AGTURB- MG; h) indenizar a AGTURB-MG de quaisquer prejuízos morais ou materiais que eventualmente tenham ocasionado; i) zelar pelo seu aprimoramento e o da Associação; j) zelar pela própria reputação, mesmo fora do exercício profissional. E DAS PENALIDADES DOS SÓCIOS Art. 50 Os associados estão sujeitos às seguintes penalidades: 1. advertência verbal; 2. advertência por escrito; 3. suspensão de 1 (um) a 12 (doze) meses; 4. eliminação. Art. 51 As penas serão aplicadas pela Diretoria em caráter reservado nos casos de advertência verbal ou por escrito. Art. 52 Está sujeito à pena de suspensão o sócio que: a) reincidir em infração já punida com advertência verbal ou escrita; b) promover discórdia entre os sócios, dentro e fora da sede;. ESTATUTO SOCIAL. 8

9 c) provocar, promover ou induzir que outros o façam, atritos ou desentendimentos entre Diretores ou poderes da Associação ou entre esta e as autoridades; d) sem motivo justo, se atrasar em mais de três meses no pagamento das mensalidades; e) faltar com o cumprimento a qualquer dos princípios estabelecidos no Código de Ética. Art. 53 Todos os filiados das delegacias ou seções terão iguais direitos e deveres aos da sede, ficando subordinados a este Estatuto TUR/MG, quando julgar residência na localidade do quadro de filiados, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, a critério da Assembléia Geral. a) reincidir em falta já punida com suspensão; b) for condenado em última instância, por crime infamante; c) tornar-se elemento nocivo ao SINGTUR/MG, bem como demonstrar conduta incompatível com o exercício da profissão. CAPÍTULO III DAS SUB-SEÇÕES DA AGTURB-MG Art. 54 Outras. Parágrafo único As penas no caso de advertência por escrito ou suspensão serão aplicadas pela Diretoria em caráter reservado. Art. 55 Aos membros da Diretoria e do Conselho Fiscal é vedado exercer quaisquer em agências de turismo, operadoras, lojas, hotéis, restaurantes e similares. Parágrafo único As delegacias ou seções não serão soberanas e terão os mesmos objetivos da sede, ficando a ele subordinadas em suas decisões. Art. 56 Os delegados regionais do SINGTUR/MG serão os presidentes das sub-seções da AGTURB/MG. Art. 57 Este Estatuto entrará em vigor na data de sua aprovação, revogadas as disposições em contrário. Art. 58 Este Estatuto entrará em vigor na data de sua aprovação, revogadas as disposições em contrário. CAPÍTULO IV DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art. 59 Este Estatuto entrará em vigor na data de sua aprovação, revogadas as disposições em contrário. Art. 60 Este Estatuto entrará em vigor na data de sua aprovação, revogadas as disposições em contrário. Lido e achado conforme, estes ESTATUTOS vão assinados pela Presidente e pela Diretora- Secretária. Belo Horizonte, 14 de julho de 1998 DAISY ROLO ALLEGRO (Presidente) ELOÍSA MARIA PEREIRA (Diretora-Secretária). ESTATUTO SOCIAL. 9

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I Da Associação e seus fins Art. 1º - A Associação Brasileira de Arte Fotográfica, ABAF, fundada em 9 de fevereiro de 1951, no Rio de Janeiro

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º A Associação Comunitária dos Moradores da Vila Basevi é uma ONG Organização Não Governamental,

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS NOVA PETRÓPOLIS RS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Art. 1º - Sob a denominação de "Casa Cooperativa de Nova Petrópolis" é constituída

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 O, de sigla, PRÓPAMPA, é uma organização civil de interesse público de direito privado, sem fins lucrativos, de âmbito Estadual e de tempo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ESTATUTOS SOCIAIS CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS E PATRIMÔNIO Art.1º A ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL, fundada em 07 (sete) de junho do ano de mil novecentos

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o O URUBUZÃO CLUBE DE AMIGOS, fundado em 01 de Agosto de 2007 é uma Associação, sem fins econômicos, que terá duração por tempo indeterminado, sede no Município

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

Estatuto do SETCARCE

Estatuto do SETCARCE Estatuto do SETCARCE SINDICATO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES DE CARGAS E LOGÍSTICA NO ESTADO DO CEARÁ Os associados do Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas no Estado do Ceará, entidade sindical

Leia mais

ESTATUTOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO JARDIM FLORENÇA

ESTATUTOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO JARDIM FLORENÇA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo de Duração e Área de Atuação Artigo 1º - Sob a denominação de Associação de Moradores do Jardim Florença, fica constituída, nos termos da legislação em vigor,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA CAPITULO I PREÂMBULO Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento vem complementar e executar as normas estatutárias da Rede Procura Associação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II O presente Estatuto foi elaborado em conformidade com a Lei 10.406 de 2002 Novo Código Civil. ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES..., doravante simplesmente

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO Art. 1 - Fundada em 05 de maio de 1973, por prazo indeterminado, a ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO Artigo 1 - A Associação de Reflorestadores do Estado de Mato Grosso AREFLORESTA-MT, reger-se-á pelo seu ESTATUTO e por este REGIMENTO INTERNO. Finalidade Artigo 2 - O presente Regimento Interno tem por

Leia mais

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato Capítulo II Dos Associados dos Direitos e Deveres Capítulo III Da

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

Sindicato dos Despachantes Aduaneiros ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I SEÇÃO I DOS OBJETIVOS

Sindicato dos Despachantes Aduaneiros ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I SEÇÃO I DOS OBJETIVOS Sindicato dos Despachantes Aduaneiros ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I SEÇÃO I DOS OBJETIVOS Art.1 O SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS, sucessor do SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DE PARANAGUÁ, por

Leia mais

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza Associação dos Administradores de Insolvências Estatutos Capítulo I Natureza e Fins Artigo 1º Natureza 1. A Associação dos Administradores de Insolvências, adiante designada simplesmente por ASSOCIAÇÃO,

Leia mais

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura.

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura. Estatuto Social Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Associação Distrito Vivo (ADV) é uma associação civil, de pessoas jurídicas instaladas no Distrito Industrial de duração indeterminada, apartidária,

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL DOS ENGENHEIROS CIVIS DE IRATI CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADE DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º - Denominação e Sede A Associação Regional dos Engenheiros Civis de Irati,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL GRÊMIO ESTUDANTIL Paulo Medeiros Prudêncio Júnior 0 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVOS Art. 1º - O Grêmio Estudantil Paulo Medeiros Prudêncio Júnior, fundado no ano de 1997, com sede no

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS EMPREGADOS EM COOPERATIVAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS EMPREGADOS EM COOPERATIVAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS EMPREGADOS EM COOPERATIVAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO I DOS FINS ART.1 º - O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM COOPERATIVAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - SINECOOP,

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração. Art 1 - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ (ABEBÊ) foi constituída

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros Ensinar, aprender e inspirar Rua Zero, 1222 Centro Brasília DF CEP 10.122-000 www.abibombeiros.com.

Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros Ensinar, aprender e inspirar Rua Zero, 1222 Centro Brasília DF CEP 10.122-000 www.abibombeiros.com. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INSTRUTORES BOMBEIROS CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1º A Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros, também designada pela sigla ABIB, fundada em

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS LIGA ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS Art. 1- A Liga constituída em de de, é uma entidade civil, beneficente, sem fins lucrativos de assistência social e orientação, de pessoa jurídica de

Leia mais

ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL

ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E FINALIDADES ARTIGO

Leia mais

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro 1. A Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas tem por objectivo promover, desenvolver e divulgar

Leia mais

Regulamento Interno. Capítulo I (Constituição e âmbito) Capítulo II ( Dos sócios, seus direitos e deveres )

Regulamento Interno. Capítulo I (Constituição e âmbito) Capítulo II ( Dos sócios, seus direitos e deveres ) Regulamento Interno Capítulo I (Constituição e âmbito) Art. 1.º - O presente Regulamento Interno, tem como finalidade completar pormenorizadamente os Estatutos da ASTA Associação de Artes e Sabores do

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Disposições Preliminares Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA CREDICITRUS,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, DURAÇÃO E FÓRUM. Art. 1º A Associação Capixaba de Pebolim também chamada em sua forma abreviada de ACP, sediada à rua Prefeito

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETIVO Art.1º- A Associação dos Artesãos e Produtores Caseiros de Fortaleza

Leia mais

LEI nº 5.766 de 20-12-1971

LEI nº 5.766 de 20-12-1971 LEI nº 5.766 de 20-12-1971 Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO Artigo 1º - Sob a denominação de "ABEL - Associação Brasileira

Leia mais

SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO ESTATUTO SOCIAL

SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO ESTATUTO SOCIAL SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1.º A SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO, uma Organização Não Governamental - ONG,

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado.

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA Artigo 1º A associação denomina-se ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA, com sede no Hospital de São Sebastião, EPE,, concelho de Santa Maria da Feira, podendo ser transferida

Leia mais

Estatuto do Grêmio Estudantil

Estatuto do Grêmio Estudantil Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1 O Grêmio Estudantil, é o Grêmio Geral da Escola Estadual de, fundado no dia / /, com sede neste estabelecimento e de

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1 - O Instituto do Carste, também designado pela sigla IC, constituído em 15 de dezembro de 2007, é uma pessoa jurídica

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO Capítulo I - Do Centro e Seus Fins Artigo 1º - O Centro de Estudos de Artes Marciais Chinesas, representado pelas iniciais CEAMC, fundado em

Leia mais

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE MÁRMORES, CALCÁRIOS E PEDREIRAS NO ESTADO DO PARANÁ. ESTATUTO. Capitulo I

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE MÁRMORES, CALCÁRIOS E PEDREIRAS NO ESTADO DO PARANÁ. ESTATUTO. Capitulo I SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE MÁRMORES, CALCÁRIOS E PEDREIRAS NO ESTADO DO PARANÁ. ESTATUTO Capitulo I Art.1º - O SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE MÁRMORES, CALCÁRIOS E PEDREIRAS NO ESTADO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DA UEMA - APRUEMA

ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DA UEMA - APRUEMA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - APRUEMA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, PRAZO DE DURAÇÃO E FINALIDADE E OBJETIVOS. Artigo 1º - A Associação

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Artigo 2º. (Sede) Artigo 3º. (Fim)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Artigo 2º. (Sede) Artigo 3º. (Fim) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO LUSAPME ASSOCIAÇÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS ESTATUTOS CAPÍTULO I Artigo 1º (Denominação, natureza e duração) A Associação adota a denominação LUSAPME ASSOCIAÇÃO DE PEQUENAS

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Artigo 1 O Grêmio Estudantil é o Grêmio geral da Escola Nossa Senhora das Graças, fundado no dia 07 de abril de 1992, com sede no estabelecimento e de duração

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial SOGAOR é

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE 1 ESTATUTO ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE Estatuto aprovado na Assembléia Geral Ordinária de fundação realizada em 07 de fevereiro de 1994 e alterado nas Assembléias Gerais Ordinárias

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DA COMARCA DE BLUMENAU-SC

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DA COMARCA DE BLUMENAU-SC REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DA COMARCA DE BLUMENAUSC CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Artigo 1 O presente regimento interno disciplina o funcionamento do Conselho da Comunidade da

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG - Ambiental Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Foro. Art. 1º - A Associação Brasileira de Perícia e Gestão Ambiental ABPG - Ambiental

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 CAPÍTULO I DA FINALIDADE, SEDE, DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E PATRIMÔNIO. ART. 1º - O Conselho

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DA AGRICULTURA - ANSA TÍTULO DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DA AGRICULTURA - ANSA TÍTULO DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DA AGRICULTURA - ANSA TÍTULO DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1 - A Associação Nacional dos Servidores da Agricultura - ANSA - fundada em

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Artigo 1º - A Associação dos Ex-Alunos da

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I DOS FINS, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1º Artigo 2º A Associação dos Funcionários

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA Capítulo I - DENOMINAÇÃO E NATUREZA Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA (ABA) é uma sociedade cultural e técnico-científica sem fins

Leia mais

Capítulo 1 - O Diretório Acadêmico

Capítulo 1 - O Diretório Acadêmico DIRETÓRIO ACADÊMICO DA ENGENHARIA DO CEFET/RJ ATA DE ALTERAÇÃO DO ESTATUTO Aos vinte e cinco dias do mês de junho de dois mil e oito, na sede do Diretório Acadêmico da Engenharia do CEFET/RJ, sito a Avenida

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais