PRÁTICAS DE ORDENHA. Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL 6PIV026 - Inspeção de Leite e Derivados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÁTICAS DE ORDENHA. Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL 6PIV026 - Inspeção de Leite e Derivados"

Transcrição

1 6PIV026 - Inspeção de Leite e Derivados PRÁTICAS DE ORDENHA Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL 06 de Setembro de

2 OBJETIVO DO NOSSO TRABALHO Desenvolver práticas de ordenha simples e de baixo custo, específicas para a realidade da produção leiteira, visando a adequação da qualidade à legislação. Pagamento por qualidade

3 Características da produçao brasileira Água de qualidade ruim Falta de água e energia elétrica Produção familiar Instalações de ordenha inexistentes/inadequadas Não resfriamento Alto índice de analfabetismo entre os ordenhadores

4 Práticas de ordenha devem ser Eficientes Economicamente viáveis Facilmente incorporadas à rotina Suficientes para colocar o leite dentro dos padrões exigidos

5 PRINCIPAIS PONTOS DE CONTAMINAÇÃO NA PRODUÇÃO LEITEIRA

6 Introdução Principal causa de alterações no leite: BACTÉRIAS

7 Bactérias que degradam açúcar (lactose) produzem ácido lático e o leite coagula rápido. Bactérias que degradam proteína (caseína) o leite fica aguado e não coagula bem para fazer queijo. Agravam a precipitação e diminuem a vida útil.

8 Qualidade microbiológica Se o leite tem muitas bactérias: maior acidez (degradação da lactose) estraga mais rápido coagula quando vai pasteurizar derivados de baixa qualidade Leite Boa qualidade = 100 mil UFC/mL

9 Qualidade Microbiológica Aeróbios mesófilos no leite cru : Brasil: médias bem maiores Paraná: > 600 mil/ml

10 Assentamento DORCELINA FOLADOR Arapongas - PR CBT < , Ⱶ ,09 > ,43 Total ,35 Média

11 Assentamento DORCELINA FOLADOR Arapongas - PR CCS > , Ⱶ , Ⱶ ,04 > ,04 Total ,35 Média

12 Proteina < , ,30 Total ,35 Média 3,23 Assentamento DORCELINA FOLADOR Arapongas - PR Gordura < , ,30 Total ,35 Média 3,74

13 Qualidade microbiológica Resfriamento como solução: No Paraná praticamente 100% do leite é refrigerado e a qualidade não melhorou Má qualidade do leite a ser resfriado Microrganismos Psicrotróficos

14 Psicrotróficos CAPAZES DE CRESCEREM EM TEMPERATURA DE REFRIGERAÇÃO degradam a proteína do leite (caseína) degradam a gordura do leite (lipolíticos) alterações em derivados e leite UAT ruim para queijo, rendimento muito menor Proteases e lipases termoestáveis

15

16

17 Psicrotróficos

18 Psicrotróficos Quem são eles??? Mesmos microrganismos Aeróbios mesófilos Metabolismo diferente por causa da temperatura

19 Introdução Para melhorar a qualidade, temos que impedir que as bactérias entrem em contato com o leite. Só as boas práticas garantem isso

20 PRINCIPAIS PONTOS DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA NA PRODUÇÃO LEITEIRA E BOAS PRÁTICAS DE PRODUÇÃO V. Beloti, E. H. W. Santana, E. P. Fagan, M. Barros, M. S. Pereira, L. B. Moraes, V.V. Gusmão, M.R. Mattos, L.A. Nero, E.R.Vaccarelli, L.A.C. Silva, M.M. Haga, L.C.S. Cavaletti, L. Ovidio, R. Tamanini, D.F. Magnani, A.A. Monteiro, R. Fagnani, M.B.T. Ortolani, M.T. Matsubara, H.L. Angela. Laboratório de Inspeção de Produtos de Origem Animal - UEL

21 Material e métodos Pontos de colheita 35 pontos na propriedade: swabs de tetos sujos (TS) swabs de tetos higienizados (TH) 3 primeiros jatos de leite uma segunda amostra de leite

22 SWABS DE TETOS

23 3 PRIMEIROS JATOS

24 TETEIRAS ANTES E DURANTE ORDENHA

25 TETEIRAS

26 BALÕES COLETIVOS CONEXÃO

27 LATÕES

28 BALDES

29 TANQUES DE EXPANSÃO

30 leite dos pontos amostrados

31 água residual de equipamentos

32 Material e métodos Análise microbiológica da água pontos de utilização e fontes: açudes, barreiros, barragens, minas, poços, cisternas Presença de coliformes totais e fecais

33 Resultados e Discussão Principais pontos de contaminação TETOS

34 entrou no leite!!! TETOS Área do teto: 58 cm mil UFC/cm² 46 milhões UFC/ teto 180 milhões UFC/ vaca 96% essa é a quantidade de microrganismos que estava no teto e

35 Resultados e Discussão 3 PRIMEIROS JATOS

36 leite!!! 3 PRIMEIROS JATOS 131 mil UFC/mL 19,7 milhões UFC/ teto 78,8 milhões UFC/ vaca 100% essa é a quantidade de microrganismos que entrou no

37 Resultados e Discussão LATÕES e TANQUES DE EXPANSÃO

38 LATÕES Swabs latões: 1,3 MILHÕES BACT/cm² Área total: 1,053 BILHÕES BACT/latão

39 ÁGUA RESIDUAL

40 Principais pontos de contaminação Latões Água residual 1,1 BILHÕES UFC bactérias/ml

41 Principais pontos de contaminação Importância da contaminação da água residual Volume incorporado ao leite

42 Principais pontos de contaminação Volume de água residual de 80 ml 88 BILHÕES bactérias incluídas no leite

43 Principais pontos de contaminação Tanques de expansão 625 MIL BACT/cm² ÁREA TOTAL: MUITOS BILHÕES

44 Conclusões Principais pontos de contaminação do leite na cadeia produtiva são: Tetos mal higienizados 3 Primeiros jatos Água residual Latões Tanques de expansão

45 IMPLANTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE ORDENHA SIMPLES E EFICIENTES: Seqüência LIPOA

46 DESPREZAR OS 3 PRIMEIROS JATOS

47 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PRÉ-DIPPING

48 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PRÉ-DIPPING Iodo Melhor desempenho/ resíduos no leite NÃO É INDICADO NO PRÉ-DIPPING Cloro Desempenho próximo ao Iodo/ sem resíduos Melhor custo benefício

49 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PRÉ-DIPPING COM CLORO 1500 ppm 1250 ppm 1000 ppm 750 ppm 500 ppm 250 ppm 150 ppm 750 ppm

50 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PRÉ-DIPPING Solução clorada pastilhas de cloro efervescente - Weizur. 750 ppm: 01 pastilha em 02 litros de água (garrafa PET), 30 min antes uso. Porque uma concentração tão alta??

51 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PRÉ-DIPPING Solução água sanitária 750ppm. 75 ml em 02 litros de água garrafa PET. Vantagens e Desvantagens!!!

52 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PRÉ-DIPPING Caneca sem refluxo

53 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PRÉ-DIPPING Caneca artesanal sem refluxo

54 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PRÉ-DIPPING Caneca de Dipping com frasco de detergente

55

56

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67 Deixar agir por seg e secar com toalha de papel

68 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PRÉ-DIPPING Cinto para a caneca de Dipping e papel toalha

69

70

71

72

73 LAVAR ÚBERE???? NUNCA!!! E TETOS?????? NÃO!!! Somente quando houver sujidades visíveis!!! Evitar sempre que possível!

74 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PRÉ-DIPPING Eficiência na higienização: CLORO 750PPM Redução 99,5% da contaminação do teto

75 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PRÉ-DIPPING Eficiência na higienização: Água Sanitária 5% Redução 99,0% da contaminação do teto

76 LATÕES, BALDES E REFRIGERADOR LIMPEZA RIGOROSA (ESFREGAR) DETERGENTE ALCALINO CLORADO Deixar agir por 10 minutos e enxaguar Pode ser outro??

77

78

79

80

81

82

83

84 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE ESCOAMENTO DA ÁGUA RESIDUAL Inversão dos latões após a lavagem Escoamento da água dos refrigeradores ou inclinação

85

86

87 ORDENHA MECÂNICA Teteiras: lavagem com detergente alcalino clorado Pode ser outro??

88 ORDENHA MECÂNICA Imersão em cloro imediatamente antes da ordenha

89

90

91 Latões Fundo RESULTADOS Antes lavagem Lateral 1,2 Milhões UFC/cm 2 1,36 Milhões UFC/cm 2 Após lavagem Fundo Lateral 2 Mil UFC/cm 2 2,34 Mil UFC/cm 2 99,83% 99,84%

92 RESULTADOS Baldes Antes lavagem > UFC/cm 2 Após lavagem 23 UFC/cm2 Redução de 99,82%

93 RESULTADOS Teteiras Antes lavagem 1,2 Milhões UFC/cm 2 Após lavagem 236 UFC/cm2 Redução de 99,98%

94 RESULTADOS Tetos Antes pré-dipping 71 Mil UFC/cm 2 Após pré-dipping 8 Mil UFC/cm2 Redução 99,5% 88,40% na chuva

95 RESULTADOS Leite Antes práticas 12 Milhões UFC/mL Após práticas 24 Mil UFC/mL Redução de 99,79%

96 OUTRAS PRÁTICAS RECOMENDÁVEIS

97 PÓS-DIPPING

98 IMPLANTAÇÃO DA PRÁTICA DE PÓS-DIPPING Importante para prevenção de mastite Redução de CCS Melhor custo benefício com solução iodada 0,5-1%.

99 OUTRAS PRÁTICAS RECOMENDÁVÉIS Caneca de fundo escuro Realização do teste da mastite (CMT) Alimentação dos animais após a ordenha Antibiótico na Secagem da vacas Melhoria das instalações

100 Resumo das Práticas Desprezar os 3 primeiros jatos Pré-dipping com cloro 750 ppm Lavagem vigorosa de equipamentos e utensílios com detergente alcalino clorado Eliminar água residual de equipamentos e utensílios

101

102 MANEJO DE TANQUE RESFRIADOR COMUNITÁRIO IN 22 de 07/07/2009 Obrigatoriamente tanque de expansão! Titular do tanque: produtor ligado à propriedade rural onde o tanque está instalado e inscrito no Cadastro Nac. de Prod. do Sistema de Inform. Gerenciais do SIF, ou similar nos Estados e Municípios (??). Onde instalar? Na propriedade melhor localizada.

103

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS Rua: Victor Sopelsa, nº 3000 Bairro Salete E-mail: sac-lableite@uncnet.br Fone: (49) 3441-1086 Fax: (49) 3441-1084 Cep: 89.700-000 Concórdia Santa Catarina Responsável /Gerente

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

Equipamentos de Ordenha

Equipamentos de Ordenha Equipamentos de Ordenha Recomendações do Comitê de Equipamentos Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite Comitê de Equipamentos Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) C755e Conselho Brasileiro

Leia mais

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa. A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011 Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.br 32 3311-7537 Conteúdo 1. Breve histórico sobre o tema Qualidade do

Leia mais

Coleção SENAR. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133

Coleção SENAR. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133 Coleção SENAR 133 Leite Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 TRABALHADOR NA bovinocultura de leite COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133 2005, SENAR Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1

A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1 A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1 THE IMPORTANCE OF THE COUNTING OF SOMATIC CELLS AND TOTAL BACTERIAL COUNTING

Leia mais

LÁCTEOS SEGUROS CRITÉRIO DE SELEÇÃO DO LEITE PARA A PRODUÇÃO DE DERIVADOS LÁCTEOS

LÁCTEOS SEGUROS CRITÉRIO DE SELEÇÃO DO LEITE PARA A PRODUÇÃO DE DERIVADOS LÁCTEOS Artigo nº 5 LÁCTEOS SEGUROS CRITÉRIO DE SELEÇÃO DO LEITE PARA A PRODUÇÃO DE DERIVADOS LÁCTEOS Em 1º de janeiro de 1995 entrou em vigor a união aduaneira do MERCOSUL. Desde então, o Brasil deu um salto

Leia mais

Procedimentos de coleta e envio de amostras de leite para determinação dos componentes do leite e contagem de células somáticas.

Procedimentos de coleta e envio de amostras de leite para determinação dos componentes do leite e contagem de células somáticas. Procedimentos de coleta e envio de amostras de leite para determinação dos componentes do leite e contagem de células somáticas. 1- Coleta de Amostras Coleta de amostra individual: A- Ordenha manual e

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE - PNQL HISTÓRICO: Surgiu em 1996 na EMBRAPA Gado

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA PROGRAMA DE ANÁLISE DE REBANHOS LEITEIROS DO PARANÁ Laboratório de Análise de Leite MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS Versão:.01/2012

Leia mais

Cartilha do. Agente de Coleta

Cartilha do. Agente de Coleta Cartilha do Agente de Coleta Edição 1-2011 Índice 04 Introdução Apresentamos um guia indispensável para você fazer uma coleta de leite adequada. Análise de leite e coleta de amostras Um passo a passo dos

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre Treinamento SENAR Lages -SC. Qualidade da Água na Produção Agropecuária

Clique para editar o estilo do título mestre Treinamento SENAR Lages -SC. Qualidade da Água na Produção Agropecuária Clique para editar o estilo do título mestre Treinamento SENAR Lages -SC Qualidade da Água na Produção Agropecuária João Luis dos Santos Especialista em qualidade da água na produção animal. Reflexõessobre

Leia mais

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62?

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? A QUALIDADE DA ÁGUA E OS IMPACTOS NA QUALIDADE DO LEITE Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? Clique para editar o estilo

Leia mais

LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE

LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE A EXPERIÊNCIA DO POOL LEITE ABC Arnaldo Bandeira Mestrado em Produção Animal - UFSM Mestrado em Administração de Empresas - ESADE Pós Graduação em Agribusiness - FAE MBA

Leia mais

MANUAL TÉCNICO, 37 ISSN 1983-5671 QUALIDADE DO LEITE. E DERIVADOS Processos, processamento tecnológico e índices RIO RURAL

MANUAL TÉCNICO, 37 ISSN 1983-5671 QUALIDADE DO LEITE. E DERIVADOS Processos, processamento tecnológico e índices RIO RURAL MANUAL TÉCNICO, 37 ISSN 1983-5671 37 QUALIDADE DO LEITE E DERIVADOS Processos, processamento tecnológico e índices RIO RURAL MANUAL TÉCNICO, 37 ISSN 1983-5671 37 QUALIDADE DO LEITE E DERIVADOS Processos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS 67 TRABALHO ORIGINAL AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 EVALUATION OF CHEMICAL COMPOSITION

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO RECIBO. Eu,..., recebi no. dia.../.../... o manual Boas Práticas Agropecuárias - BPA

IDENTIFICAÇÃO RECIBO. Eu,..., recebi no. dia.../.../... o manual Boas Práticas Agropecuárias - BPA IDENTIFICAÇÃO Nome do produtor... Nome da propriedade... Proprietário ( ) Aluguel ( ) Arrendatário ( ) Área da propriedade...ha Município...Estado... Cadastro no SIG - SIF... Tipo de rebanho: Leite ( )

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

Parágrafo único. Exclui-se das disposições desta Instrução Normativa o Leite de Cabra, objeto de regulamentação técnica específica.

Parágrafo único. Exclui-se das disposições desta Instrução Normativa o Leite de Cabra, objeto de regulamentação técnica específica. MINISTÉRIO AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51 DE 18/09/2002 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

Sua solução - todos os dias

Sua solução - todos os dias Sua solução - todos os dias A produção de um leite de qualidade depende de diversos fatores, entre eles a higiene da ordenha e do tanque, a manutenção dos equipamentos, a disponibilidade de um ambiente

Leia mais

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval DeLaval Brasil Rodovia Campinas Mogi-Mirim - KM 133,10 - S/N Bairro Roseira - Jaguariúna/SP - CEP: 13820-000 Telefone: (19) 3514-8201 comunicacao@delaval.com www.delaval.com.br Sua revenda DeLaval Proteja

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC

Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC Comunicado Técnico Outubro, 80 ISSN 1676-7675 Sobral, CE 2007 Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC Lea Chapaval 1 Introdução Um dos aspectos mais importantes dentro de um Programa de Controle

Leia mais

PROCESSAMENTO DO LEITE

PROCESSAMENTO DO LEITE PROCESSAMENTO DO LEITE Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Processo de industrialização do leite pasteurizado

Processo de industrialização do leite pasteurizado Processo de industrialização do leite pasteurizado Bruna dos Santos 1 (FECILCAM) brunadosantos@hotmail.com Igor José do Nascimento 1 (FECILCAM) - igor_jnascimento@live.com Fabiane Avanzi Rezende 1 (FECILCAM)

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

O SERVIÇO DE INSPEÇÃO DO LEITE NA REGIÃO DE FRANCA - SP A PARTIR DA CRIAÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE

O SERVIÇO DE INSPEÇÃO DO LEITE NA REGIÃO DE FRANCA - SP A PARTIR DA CRIAÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE 150 O SERVIÇO DE INSPEÇÃO DO LEITE NA REGIÃO DE FRANCA - SP A PARTIR DA CRIAÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE Claudine Campanhol Milinski (Uni-FACEF) Orientadora: Dra. Carla Aparecida

Leia mais

Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras

Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras ISSN 1676-7667 Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras 39 Introdução A caprinocultura leiteira tem aumentado sua participação no cenário agropecuário brasileiro de forma bastante significativa

Leia mais

Tutorial de navegação Portal Clínica - Indústria

Tutorial de navegação Portal Clínica - Indústria Tutorial Portal Clínica do Leite Tutorial de navegação Portal Clínica - Indústria TUT PC 004 Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Tutorial de Acesso ao Portal da Clínica

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS TIPOS DE ORDENHA, TRANSPORTE E TEMPO DE ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE DO LEITE CRU REFRIGERADO DA REGIÃO SUDOESTE DO ESTADO DE GOIÁS

INFLUÊNCIA DOS TIPOS DE ORDENHA, TRANSPORTE E TEMPO DE ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE DO LEITE CRU REFRIGERADO DA REGIÃO SUDOESTE DO ESTADO DE GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL INFLUÊNCIA DOS TIPOS DE ORDENHA, TRANSPORTE E TEMPO DE ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE DO LEITE CRU REFRIGERADO

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido CISA Cooperação Internacional do Semi-Árido Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 7 de Maio de 2009 Aspetos sanitários da qualidade da água Qual é a diferença dessas

Leia mais

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO O colostro é o leite obtido na primeira ordenha após o parto. Da segunda à 10 a ordenha pós-parto, o leite obtido se chama leite de transição, pois vai ficando mais

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

Instituição Gestora. Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. Gestora. Adriana Hintz Eick. Apoio Administrativo. Danúbia Maria de Oliveira

Instituição Gestora. Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. Gestora. Adriana Hintz Eick. Apoio Administrativo. Danúbia Maria de Oliveira 1 Instituição Gestora Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Gestora Adriana Hintz Eick Apoio Administrativo Danúbia Maria de Oliveira Ketlyn de Oliveira Souza 2 APRESENTAÇÃO Este manual didático objetiva

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

Estudo do Sistema HACCP para Estábulos Individuais

Estudo do Sistema HACCP para Estábulos Individuais DRABL Direcção Regional de Agricultura da Beira Litoral Estudo do Sistema HACCP para Estábulos Individuais Jorge Guerra CADERNOS DE DIVULGAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA DA BEIRA LITORAL DIRECÇÃO

Leia mais

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO E RESÍDUOS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS *Silvia Benedetti Edna Regina Amante

Leia mais

DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE. Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural

DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE. Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural Renata Milani 1 Rosani Marisa Spanevello 2 Adriano Lago 3 Antonio Marcos

Leia mais

Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde. Iara Jassira Costa Barros

Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde. Iara Jassira Costa Barros Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde Iara Jassira Costa Barros Introdução Localização geográfica: 500km da costa ocidental da África Clima: Tropical seco, 2 estações seca

Leia mais

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Prof. Luís Augusto Nero Departamento de Veterinária, Universidade Federal de Viçosa Tópicos Brasil: produtor e exportador Cadeias de produção

Leia mais

Tanques de Refrigeração

Tanques de Refrigeração Tanques de Refrigeração Recomendações do Comitê de Equipamentos Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite Comitê de Equipamentos Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) C755e Conselho Brasileiro

Leia mais

Sumário 1. Introdução...5 2. Objetivo...7 3. Âmbito de Aplicação...7 4. Glossário...7 5. Responsabilidade pela Implantação das Boas Práticas... 11 6. Elementos das Boas Práticas de Fabricação... 11 6.1.

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS

BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS CENCI, S. A. ; GOMES, Carlos Alexandre Oliveira ; ALVARENGA, André Luis Bonnet ; JUINIOR, Murillo Freire. Boas Práticas de Processamento Mínimo de Vegetais

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

2º Os aspectos relacionados à remuneração ao produtor baseada na qualidade do leite devem ser estabelecidos mediante acordo setorial específico.

2º Os aspectos relacionados à remuneração ao produtor baseada na qualidade do leite devem ser estabelecidos mediante acordo setorial específico. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS MS ECO RA 800 REV.02 SUMÁRIO 2 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE

Leia mais

Aluna: Vanessa Eich1 Professor Orientador: Alceu Cericato2 RESUMO

Aluna: Vanessa Eich1 Professor Orientador: Alceu Cericato2 RESUMO 1 Aquecedor solar reciclável como ferramenta na melhoria da qualidade do leite em pequenas propriedades e na redução da poluição de resíduos sólidos Aluna: Vanessa Eich1 Professor Orientador: Alceu Cericato2

Leia mais

ENCONTRO MICRORREGIONAL DO AGRONEGÓCIO DO RIO DOCE

ENCONTRO MICRORREGIONAL DO AGRONEGÓCIO DO RIO DOCE ENCONTRO MICRORREGIONAL DO AGRONEGÓCIO DO RIO DOCE PROGRAMA ESTADUAL DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE Minas Leite Minas Leite: Uma Alternativa de Sucesso de Gestão ALESSANDRA FÉLIX SENA BOTELHO Assessora Técnica

Leia mais

ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG

ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG E. A. S. Mendes 1, C. V. Pires 2, A. M. da Silva 3, L. S. Silva 4. 1- Universidade Federal

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CONSELEITE-MS 15º ENCONTRO TÉCNICO DO LEITE

APRESENTAÇÃO DO CONSELEITE-MS 15º ENCONTRO TÉCNICO DO LEITE APRESENTAÇÃO DO CONSELEITE-MS 15º ENCONTRO TÉCNICO DO LEITE SISTEMA CONSELEITE Modelo de autogestão para a determinação de valores de referência para a matériaprima leite Composição do Conseleite-MS Conselho

Leia mais

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE Ângela Maria Fiorentini QUALIDADE DO LEITE Organoléptica Nutricional Físico-química Microbiológica LEITE E PRODUTOS Fonte : Rabobank, adaptado por Otavio A. C. De Farias LEITES

Leia mais

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Enfa. Dra. ROSA AIRES BORBA MESIANO Coordenadora de Controle e Monitoramento de saneantes Gerência Geral de Saneantes

Leia mais

Confira datas e programação dos cursos a seguir:

Confira datas e programação dos cursos a seguir: Centro Regional de Qualificação Profissional de Produtores de Nova Petrópolis Aprender Fazendo, Compromisso com a Qualificação Profissional da Família Rural. O CETANP Centro Regional de Qualificação Profissional

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas CONTROLE DE QUALIDADE DOS ALIMENTOS Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Regulamenta critérios para operação e manutenção de reservatórios de água potável superiores e inferiores (cisternas), de estabelecimentos

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana

Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana Fortaleza dos Templários em Tomar- 1160 dc.portugal Conservação da água Ciclo hidrológico ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

Máquinas para Pecuária

Máquinas para Pecuária Máquinas para Pecuária Thaís Nascimento Santos 1 ; Bruno Silva Torquato 1 ; Karen Cappi do Carmo Brig 1 ; Maria Alexandra Estrela 2 Aluno (a) do Curso de Zootecnia da Faculdade de Imperatriz FACIMP, Imperatriz

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA AUTOMAÇÃO NA PRODUÇÃO LEITEIRA 1

DIAGNÓSTICO DA AUTOMAÇÃO NA PRODUÇÃO LEITEIRA 1 Diagnóstico COMUNICAÇÃO da automação na produção leiteira 635 DIAGNÓSTICO DA AUTOMAÇÃO NA PRODUÇÃO LEITEIRA 1 Diagnosis of automation in dairy farming Juliana Vilela Lourençoni Botega 2, Roberto Alves

Leia mais

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas 2º ANO QUÍMICA 1 1 mol 6,02.10 23 partículas Massa (g)? Massa molar Cálculo do número de mols (n) Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001836 - TECNOLOGIA EM PRODUCAO SUCROALCOOLEIRA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001836 - TECNOLOGIA EM PRODUCAO SUCROALCOOLEIRA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001836 - TECNOLOGIA EM PRODUCAO SUCROALCOOLEIRA Nivel: Superior Area Profissional: AGROPECUARIA Area de Atuacao: GESTAO AGRO-IND./AGROP.

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

EQUILIBRIO da ÁGUA. TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS

EQUILIBRIO da ÁGUA. TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS EQUILIBRIO da ÁGUA NíVEIS de ph e alcalinidade ph mais sólido PRODUTO NO.: FORUSPLUS PH Produto: FORUSPLUS PH - ph Mais Sólido Categoria: Equílibrio da Água 15Kg COD: Q082 Descrição: Incrementador de ph

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR LAT ENZIM PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE GORDURAS

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR LAT ENZIM PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE GORDURAS INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR LAT ENZIM PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE GORDURAS LAT - ENZIM é o produto indicado para o tratamento de todos os entupimentos de gordura orgânica em canalizações de esgoto e grelhas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS Miriam Cleide Cavalcante de Amorim 1 ; Everaldo Rocha Porto 2 1 Av. do Sol, n o 100, apt o 302, Caminho do

Leia mais

REUSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE SALADAS EM RESTAURANTES (2011) 1

REUSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE SALADAS EM RESTAURANTES (2011) 1 REUSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE SALADAS EM RESTAURANTES (2011) 1 HENGEN, Mirdes Fabiana 2 ; SCHALLENBERGER, Luiz Fernando Araldi³; ILHA, Robson 4 ; SANTIAGO, Mariana Ribeiro 5. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA

Leia mais

Tratamento de Água Clorador de pastilhas

Tratamento de Água Clorador de pastilhas Tratamento de Água Clorador de pastilhas Tratamento de Água Clorador de pastilhas BELO HORIZONTE EMATER MG maio de 2014 FICHA TÉCNICA Autora: Pedagoga Maria Edinice Soares Souza Rodrigues Coordenadora

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

Produção Animal ( Corte e Leite) Gestão econômico-financeira. Controle de estoque. Registro de atividades

Produção Animal ( Corte e Leite) Gestão econômico-financeira. Controle de estoque. Registro de atividades Cadastro de animais completo com controle integrado de genealogia Controle de cadastro de lotes e suas movimentações Produção Animal ( Corte e Leite) Gestão econômico-financeira Avaliação patrimonial;

Leia mais

getinge 6000 A LAvAdorA-desinfectorA totalmente AutomáticA

getinge 6000 A LAvAdorA-desinfectorA totalmente AutomáticA getinge 6000 A Lavadora-Desinfectora totalmente automática 2 Getinge 6000 Getinge 6000 3 FAZENDO A DIFERENÇA NO CONTROLE DE INFECÇÃO A Getinge 6000 é uma lavadora desinfectora totalmente automática para

Leia mais

Prezado produtor A preservação da qualidade da água constitui, hoje, um dos principais desafios da humanidade. Apesar da sua capacidade de renovação,

Prezado produtor A preservação da qualidade da água constitui, hoje, um dos principais desafios da humanidade. Apesar da sua capacidade de renovação, Prezado produtor A preservação da qualidade da água constitui, hoje, um dos principais desafios da humanidade. Apesar da sua capacidade de renovação, o crescimento desordenado da população e das atividades

Leia mais

Boas Práticas de Manejo. Marcelo Simão da Rosa, Mateus J. R. Paranhos da Costa, Aline Cristina Sant Anna, Adriana Postos Madureira

Boas Práticas de Manejo. Marcelo Simão da Rosa, Mateus J. R. Paranhos da Costa, Aline Cristina Sant Anna, Adriana Postos Madureira Marcelo Simão da Rosa, Mateus J. R. Paranhos da Costa, Aline Cristina Sant Anna, Adriana Postos Madureira Marcelo Simão da Rosa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais

Leia mais

Adbeel de Lima Santos

Adbeel de Lima Santos Universidade Federal de Juiz de Fora Pós-graduação em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados Dissertação em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados Adbeel de Lima Santos IMPLANTAÇÃO DE UM PROCEDIMENTO

Leia mais

G S G A S N A / N AN A V N I V SA

G S G A S N A / N AN A V N I V SA Detergentes enzimático, alcalinos e neutros: o que são, como e quando usá-los Enfª Drª Rosa Aires Borba Mesiano Gerente Geral de Saneantes GGSAN/ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Lei 9782

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS.

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS. Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS. REVISÃO: 01 FEVEREIRO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados JOAQUIM MÁRIO NEIVA LAMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados JOAQUIM MÁRIO NEIVA LAMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados JOAQUIM MÁRIO NEIVA LAMAS Qualidade da água utilizada na limpeza dos tanques de granelização de leite

Leia mais

L R ECOLÓGICO. Conheça os produtos AMWAY HOME e faça parte de um Lar Ecológico.

L R ECOLÓGICO. Conheça os produtos AMWAY HOME e faça parte de um Lar Ecológico. Conheça os produtos AMWAY HOME e faça parte de um Lar Ecológico. Eles lhe permitirão cuidar da sua família e do meio ambiente, já que contêm Bioquest Formula, que é biodegradável, concentrada, dermatologicamente

Leia mais

Segurança de Alimentos: visão e legislação

Segurança de Alimentos: visão e legislação S & S Consultoria Implementação em Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos Segurança de Alimentos: visão e legislação Nut. Dra. Sabrina Bartz Introdução O mundo tem 7 bilhões de pessoas e a garantia

Leia mais

Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra. Trabalho realizado por:

Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra. Trabalho realizado por: Iogurte Trabalho realizado por: Francisco Barreto Nº. 20603068 2º. Ano LEAL Francisco Machado Nº. 20603056 2º Ano LEAL Nota introdutória Com este trabalho pretende-se dar a conhecer a produção de iogurte,

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS E ANÁLISE DA ÁGUA DE POÇOS DO ASSENTAMENTO GUARANY/ SANDOVALINA (SP).

RESÍDUOS SÓLIDOS E ANÁLISE DA ÁGUA DE POÇOS DO ASSENTAMENTO GUARANY/ SANDOVALINA (SP). Jean Farhat de Araújo da Silva João Furtado Barreto Gomyde, Matheus Guimarães Lima Graduandos em Geografia- FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente - SP Jeanshark87@hotmail.com gomydex@hotmail.com mgl.geopp@gmail.com

Leia mais

Boletim IDEAGRI outubro - 2010

Boletim IDEAGRI outubro - 2010 Boletim IDEAGRI outubro - 2010 A vigésima sétima edição do Boletim apresenta dicas sobre rotinas exclusivas no IDEAGRI: alocação para dietas e consulta SQL. Confira também os truques para aumentar a vida

Leia mais

Produção leiteira no Brasil

Produção leiteira no Brasil Agropecuária BNDES Setorial 37, p. 371-398 Produção leiteira no Brasil Guilherme Baptista da Silva Maia Arthur de Rezende Pinto Cristiane Yaika Takaoka Marques Fábio Brener Roitman Danielle Didier Lyra

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO LEITE DE CONSUMO NO BRASIL. Daniela Rodrigues Alves. A formação do setor industrial de leite

INDUSTRIALIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO LEITE DE CONSUMO NO BRASIL. Daniela Rodrigues Alves. A formação do setor industrial de leite INDUSTRIALIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO LEITE DE CONSUMO NO BRASIL Daniela Rodrigues Alves A formação do setor industrial de leite Origens (... - 1920) A origem do leite de consumo no Brasil está intimamente

Leia mais

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor A cachaça brasileira conta agora com uma alternativa segura para aumentar sua qualidade com diminuição dos custos de produção. Depois de testar

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO Adriana Moreira de Carvalho Biológa, mestra em Saneamento e Meio Ambiente e aluna especial em doutorado área Águas Subterrâneas pela

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

Avaliação da qualidade da carne e características de carcaça de novilhos cruzados com Senepol

Avaliação da qualidade da carne e características de carcaça de novilhos cruzados com Senepol A cadeia de produção da carne bovina tem direcionado esforços, no sentido de estar cada vez mais atenta para atributos de qualidade da carne já que é uma exigência do consumidor final. A maciez é uma das

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA, FÍSICO-QUÍMICA E CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS EM LEITE DE CABRA PRODUZIDO NA REGIÃO DE NOVA FRIBURGO-RJ

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA, FÍSICO-QUÍMICA E CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS EM LEITE DE CABRA PRODUZIDO NA REGIÃO DE NOVA FRIBURGO-RJ UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM HIGIENE VETERINÁRIA E PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO

Leia mais

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup cleanup linha floor care limpeza e manutenção de pisos E 200 Limpador Alcalino de Uso Geral Desenvolvido para limpeza leve e pesada em todos os tipos de superfícies laváveis (bancadas, paredes, máquinas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DE SÃO FRANCISCO

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DE SÃO FRANCISCO Objetivo: Aquisiçao de materiais de consumo (limpeza, higienizaçao e alimentação) para atender a diversos setores desta municipalidade, conforme Anexo I do presente Edital. Lote: 00001 00001 00029982 ACUCAR

Leia mais

TIPOLOGIA E DESTINAÇÃO DOS EFLUENTES DOS LATICÍNIOS ARTESANAIS COM SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL

TIPOLOGIA E DESTINAÇÃO DOS EFLUENTES DOS LATICÍNIOS ARTESANAIS COM SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL TIPOLOGIA E DESTINAÇÃO DOS EFLUENTES DOS LATICÍNIOS ARTESANAIS COM SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL Christine Nascimento Grabaski 1 Paula Cristiane de Andrade 2 Francieli do Rocio de Campos 3 Giseli Souza

Leia mais