DESCOBRINDO A CULTURA AMERICANA O VÍDEO EM SALA DE AULA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESCOBRINDO A CULTURA AMERICANA O VÍDEO EM SALA DE AULA"

Transcrição

1 DESCOBRINDO A CULTURA AMERICANA O VÍDEO EM SALA DE AULA Tecnologias e mídias educacionais Patrícia dos Santos OGA (G) * Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO O giz e o quadro já não são mais suficientes no exercício da docência e o abuso de outras técnicas (retroprojetor, por exemplo), acabam desestimulando os alunos. Segundo Ferres (1996), é preciso aceitar a nova tecnologia com toda a sua capacidade inovadora, evitando que haja um conflito entre as possibilidades de uso e o modo como elas são utilizadas pela escola; o vídeo, em especial, seria assim um instrumento especialmente indicado para realizar trabalhos de pesquisa em todos os níveis. Shrek foi um marco do cinema contemporâneo, não apenas por ser um dos melhores filmes de animação, mas principalmente pelo discurso que desconstrói o universo do conto de fadas. No entanto, algumas das situações do filme passam despercebidas ou são ignoradas por nós, brasileiros. Segundo Santaella (1998), as imagens podem ser observadas na qualidade de signos que representam aspectos do mundo visível. Desse modo, podemos dizer que elas também transmitem uma mensagem. Para Foucault (2002), a formação discursiva de um sujeito é definida pela sua construção histórica, social e biológica; ele pode escolher o papel que desempenhará e, então, aceita e age conforme a escolha que fez. Assim, buscamos identificar aspectos intrínsecos da cultura americana presentes nas imagens de Shrek para que fosse possível apresentar, em sala de aula, essa outra cultura. Esse conhecimento é essencial para ampliar a visão de mundo de nossos alunos, bem como para estimulá-los a reconhecer e a aceitar a pluralidade cultural. Por que não surpreender os alunos oferecendo, além de uma aula diferente, a possibilidade de aprender sobre uma cultura imersa numa formação discursiva diferente, tornando-os também leitores mais críticos? PALAVRAS-CHAVE Vídeo em sala, texto imagético, leituras * Aluna do curso de Letras Português Inglês.

2 Assim como a linguagem já foi vista como um sistema fechado de signos e símbolos, cujos significados poderiam ser facilmente identificados por serem um pressuposto da comunicação, as imagens já tiveram, e algumas ainda mantêm, o caráter puramente indicador. A evolução do conhecimento de mundo do homem o levou a questionar alguns paradigmas, entre elas a da concepção de linguagem. Agora com caráter socio-interacionista, seu pressuposto inicial é basear-se e construir-se pelas relações humanas. Essa modificação causou impacto também nas relações comunicativas. Especialmente naquela que se constrói pelas imagens. O avanço tecnológico e a velocidade dos novos meios de comunicação afirmam uma cultura globalizada. Mas as diferentes culturas ainda possuem traços característicos e se expressam de maneiras únicas e, algumas vezes, facilmente identificáveis, buscando uma afirmação de sua individualização. Existe uma necessidade de ler a imagem para que ela possa ser compreendida. Inúmeros são os elementos presentes numa única imagem e que, se estão presentes, é porque têm uma função, uma mensagem a transmitir. No entanto, muitas vezes não sabemos exatamente como fazer isso. Seria possível realmente ler algo que não está escrito? Segundo Chartier, Lemos uma carta, um poema, um livro: como é ler um desenho, um quadro, um afresco? Pois se o termo leitura é, imediatamente, adequado ao livro, também o é ao quadro? Se, se por extensão de sentido, falamos de leitura a propósito do quadro, coloca-se a questão da validade e da legitimidade dessa extensão. Entretanto, mesmo sendo simples figura de linguagem ou abuso do termo, em todo caso, uma página escrita é, de um lado, leitura, de outro lado, quadro e visão (...).. Chartier (1996, p. 117) É preciso, no entanto, educar o leitor para que aprenda a compreender o que está presente nas imagens. Taddei explica isso da seguinte forma: educar para a imagem (...) significa praticamente educar a ler a imagem, assim, a educação com a imagem é o uso metodológico da imagem em função de um conteúdo e a educação para a imagem é criar a atitude consciente e crítica mediante leitura. Para Santaella (1997), a imagem pode ser observada na qualidade de signos que representam aspectos do mundo visível, assim sendo, podemos imaginar que é possível ler as imagens e que, assim como lemos os livros, podemos criar uma situação de co-autoria, ao preencher os espaços e ao dar

3 vida às diferentes situações e/ou personagens. As imagens procuram indicar, reproduzir, representar algo e produzir efeitos no leitor. A análise do aspecto simbólico é muito rica, pois baseia-se nas convenções culturais e a análise do símbolo nos conduz para um vasto campo de referências que incluem os costumes e valores coletivos e todos os tipos de padrões estéticos, comportamentais, de expectativas sociais etc. Santaella (2002, p. 37) o signo é qualquer coisa de qualquer espécie (uma palavra, um livro, uma biblioteca, um grito, uma pintura, um museu, uma pessoa, uma mancha de tinta, um vídeo etc.) que representa outra coisa, chamada de objeto do signo, e que produz um efeito interpretativo em uma mente real ou potencial (...). Os efeitos interpretativos que o vídeo produz em seus espectadores é o interpretante do signo. (...) os efeitos interpretativos dependem diretamente do modo como o signo representa o seu objeto. (Ibid, p. 8-9) Acreditamos que existam elementos que determinam as características de cada diferente leitura. Esses elementos constituem a formação discursiva do leitor. Concordamos com os estudos de Foucault e entendemos formação discursiva como o conjunto de todos os fatores que definem o seu próprio objeto, permitindo ou não a realização de um determinado discurso. Esses fatores podem estar presentes em diferentes formações discursivas, mas a reunião específica de um certo conjunto caracteriza uma única formação discursiva. Desse modo, diferentes formações discursivas podem compartilhar alguns elementos, mas o conjunto é sempre característico e único. A história, a constituição do ser social e todos os outros elementos que identificam um sujeito são decisivos. Assim, segundo Foulcault, A análise do campo discursivo (...) trata-se de compreender o enunciado na estreiteza e singularidade de sua situação; de determinar as condições de sua existência, de fixar seus limites da forma mais justa, de estabelecer suas correlações com os outros enunciados a que pode estar ligado, de mostrar que outras formas de enunciação exclui. Não se busca, sob o que está manifesto, a conversa semi-silenciosa de outro discurso: deve se mostrar porque não poderia ser outro, como exclui qualquer outro, como culpa no meio dos outros e relacionado a eles, um lugar que nenhum outro poderia ocupar. Foucault (2002, p.31) Há, por exemplo, enunciados que se apresentam e isso a partir de uma data que se pode determinar facilmente como referentes à economia política, à biologia, ou à psicopatologia; há, também, os que se apresentam como pertencentes a essas

4 continuidades milenárias quase sem origem que chamamos gramática ou medicina. (Ibid, p.35). É preciso saber quem fala, onde está quando fala e qual a sua posição nesse lugar. A formação discursiva é definida pela construção histórica, social e biológica do sujeito, podendo este escolher o papel que desempenhará e, então, aceitar e agir conforme a escolha que fez. Desse modo, cada leitor, de acordo com a sua própria formação discursiva, será capaz de realizar leituras únicas e referenciar a algo que faça parte do seu próprio universo. Como desejamos apresentar a formação discursiva americana propriamente dita no texto imagético de Shrek, é preciso definir quais seriam as características dessa formação discursiva em especial. Baseamos a nossa definição em fatores relacionados a fatos da História americana, à interação social (espaços físicos, esportes, representações de figuras de linguagem) e à cultura propriamente dita (tradições). As relações características que permitiram identificar esse conjunto de fatores fundamentaram-se no aparecimento e na recorrência simultânea e/ou sucessiva desses enunciados, sua forma e seu encadeamento dentro da cultura americana. Como indicado por Foucault, No caso em que se puder descrever, entre um certo número de enunciados, semelhante sistema de dispersão e no caos em que entre os objetos, os tipos de enunciação, os conceitos, as escolhas temáticas, se puder definir uma regularidade (uma ordem, correlações, posições e funcionamentos, transformações), diremos, por convenção, que se trata de uma formação discursiva. Foucault (2002, p. 43) A formação discursiva é culturalmente constituída e constrói a cultura em que está inserida, definindo a tradição cultural, dando importância a um conjunto de fatos e atribuindo uma origem indefinida, assim as mudanças podem ser creditadas como mérito à decisão dos próprios indivíduos. Taddei explica essa relação de leitura do seguinte modo: O conteúdo mental é o fruto daquela ação que, com termo tradicional, se chama conhecimento. Isso significa, pois, que atrás do conteúdo mental, está a coisa (objeto, evento, situação) à qual se refere tal conteúdo mental e que pode ser também reflexivamente uma experiência anterior; isso é a coisa conhecida. Esta coisa que podemos também chamar realidade como objeto de experiência, de interpretação é aquilo que é cognoscível e somente enquanto é cognoscível. Isso significa que: a) não podemos comunicar o não-cognoscível (porque do não-cognoscível não podemos ter um conteúdo mental);

5 b) (...) só podemos comunicar uma coisa na medida em que a conhecemos e, portanto, enquanto ela nos é conehcida. Taddei (1981, p. 67) A educação é um processo de socialização. A criança, à medida que se desenvolve, participa do grupo em que se acha inserida. É o próprio grupo que lhe ensina as tradições, os valores, as crenças, as normas e os modos de comportamento que lhe caracterizam. O uso de vídeos pode se converter em um poderoso aliado do professor, desde que corretamente utilizado. Esta proposta de apresentar uma outra cultura ao discente exige o preparo do professor e, possivelmente, a elaboração de um projeto, como sugere Ferrés, O programa didático baseado no vídeo pode ser simplesmente um meio de informação. O é com freqüência. Porém pode se converter também em um excelente instrumento para que o aluno aprenda a formular perguntas, para que aprenda a expressar-se, para que aprenda a aprender. A tecnologia do vídeo pode facilitar a interação entre o aluno e o programa, entre o aluno e os demais colegas de aula. Ferrés (1996, p. 70) 2. CORPUS E ANÁLISE Shrek é uma produção feita nos Estados Unidos por americanos. Desse modo está gabaritado e recebe permissão para falar de valores, padrões e cultura específicos da formação discursiva americana. Muitas dessas informações são facilmente identificáveis, mas existem alguns elementos que são de difícil interpretação por outros leitores (não americanos). O jogo que existe entre a memória discursiva e o texto imagético por ele apresentado é que cria a intertextualidade e, conseqüentemente, uma reflexão sobre o que é assistido. Muitos momentos necessitam explicitamente da compreensão e do conhecimento dos elementos inerentes à formação discursiva americana. Esse conhecimento pode ser trabalhado num misto de interdisciplinariedade e transdisciplinariedade, pois atinge áreas como a geografia, a literatura, a história e os esportes. Eventualmente, nós, leitores não americanos, perdemos uma riqueza de detalhes e de situações pelo simples fato de desconhecermos a existência

6 desse jogo. Decidimos, então, analisar neste artigo o texto imagético de Shrek e as características discursivas que ele apresenta 1. Dentre as centenas de cenas que compõem o filme, selecionamos onze, consideradas por nós como de formação discursiva americana: - os homens armados com tochas saindo da vila; - o cartaz de procurado; - os três ratinhos cegos; - a mulher que mora num sapato; - o menino biscoito; - o espaço físico do reino de Duloc; - a música do quiosque de informações; - a foto tirada no quiosque; - o torneio entre os soldados armados e Shrek; - Shrek escorregando na areia e golpeando um dos soldados com uma lança; - Dragão beijando Shrek. Por nos basearmos em fatores relacionados à história americana, pudemos identificar a cena em que homens armados com ancinhos e foices e carregando tochas saem de uma vila para caçar o ogro Shrek como semelhante e passível de intertextualidade com o famoso episódio de caça às bruxas no início da colonização do território americano. Esse é um fato histórico real e faz parte da história americana. Até hoje em dia estudado nas escolas nas aulas de história, relata a caça às bruxas, o julgamento e a execução de 19 pessoas na cidade de Salem, Massachusetts. De acordo com a Enciclopédia Interativa Compton, Salem foi fundada em O famoso julgamento de bruxas aconteceu em Em Bay Colony, 19 pessoas suspeitas de bruxaria foram enforcadas e muitas outras foram presas. Isso teve início em Maio, quando da acusação de algumas jovens contra mulheres da comunidade. Uma corte especial foi convocada, o julgamento rapidamente levou à histeria em massa que implicou até mesmo a esposa do governador. Em outubro, os líderes da comunidade começaram a duvidar das evidências; a corte foi destituída e os que estavam presos foram 1 Tomamos como base para esta análise nossa própria experiência e convivência com a cultura americana. Patrícia morou nos Estados Unidos por um ano como intercambista, estudando o quarto ano de uma high school (ensino

7 libertados; indenizações foram pagas às famílias dos mortos. 2 Recontado também na literatura, por Nathaniel Hawthorne, em sua famosa obra As bruxas de Salem, é estudado nas aulas de literatura americana durante os anos da high school (ensino médio); pode ser assistido também em fita de vídeo. O cartaz de procurado também caracteriza-se por pertencer e identificar a cultura americana; também tem relação com fatos históricos, mas, desta vez, com o período de expansão territorial que ocorreu no século XIX. Quem nunca assistiu aos filmes de faroeste (far west)? Neles encontramos, geralmente, a figura do xerife (sheriff) e, nas paredes do posto policial, o famoso cartaz de procurado (wanted), via de regra com uma foto e, eventualmente, alguma mensagem sobre uma recompensa (reward). No dicionário American Heritage, encontramos a seguinte explicação para wanted: 4.b. To seek with intent to capture: The fugitive is wanted by the police (procurar com a intenção de prender: O fugitivo é procurado pela polícia 3 ). Assim, podemos também perceber que o cartaz indica deliberadamente que aquele que é procurado é um criminoso, um fora-da-lei. Além desse caráter histórico, até hoje em dia é divulgada uma listagem de procurados, por exemplo, pela central de inteligência americana (CIA). Essa listagem também pode se apresentar na forma de uma lista dos 10 mais, veiculada, inclusive, pela televisão. Já os três ratinhos cegos, a mulher que mora no sapato e o menino biscoito fazem parte, mais especificamente, da literatura infantil americana, por assim dizer. Reunidos no chamado nursery rhymes de acordo com o American Heritage, a short, rhymed poem or tale for children (um poema rimado ou conto curto para crianças 4 ). Os três ratinhos cegos foi lançado em livro e conta as desventuras de três ratinhos que decidem sair de casa e ir em busca de aventuras. Saem carregando sua bagagem (um pente), mas como não conseguem um quarto no hotel, dormem ao relento. No dia seguinte, estão com muita fome. Vão seguindo um caminho até que chegam numa fazenda, onde conseguem um pouco de queijo. E, para se salvar do gato, os ratinhos pulam pela janela. médio). 2 Tradução nossa. 3 Tradução nossa. 4 Tradução nossa.

8 Caem num arbusto que lhes arranha os olhos, deixando-os cegos. Voltam para a casa e são capturados pela mulher do fazendeiro, que corta os seus rabinhos. No final do conto, conseguem uma poção Never too late to mend (Nunca é tarde demais para consertar 5 ) com um farmacêutico; seus rabos crescem novamente e eles recuperam a visão. Decidem montar um negócio próprio e conseguem boa clientela e sucesso em sua profissão. O poema sobre a mulher que mora no sapato é bem curtinho: There was an old woman / Havia uma senhora She lived in a shoe, / Que morava num sapato, She had so many children / Ela tinha tantos filhos She didn t know what to do. / Que não sabia o que fazer. She gave them some broth / Ela lhes deu sopa (caldo) Without any bread, / Sem pão And whipt them all soundly / E bateu neles com força And put them to bed. / E mandou-os pra cama. 6 Para encontrar essa cena, é preciso prestar muita atenção. Aparece apenas num breve momento quando o pântano é invadido pelos personagens de contos de fada e Shrek vai ver quem é que está invadindo o seu território; a mulher aparece, cercada pelos filhos, pendurando roupas num varal. Já o conto do menino biscoito, o Gingerbread man, é relativamente longo. Ele conta a história de um casal e, um dia, a esposa decide assar um biscoito para comerem. Quando o biscoito já está assado, ele toma vida e foge do forno. Nem a mulher, nem o homem, nem a vaca, nem o cavalo, nem a galinha conseguem pegá-lo. No final, a astuta raposa consegue enganá-lo e o come. A parte ironizada do poema no filme é o fato de o biscoito poder correr mais rápido que todos, dizendo: Run, run, as fast as you can! / Corra, corra, o mais rápido que puder! You can't catch me! / Você não pode me pegar! I'm the Gingerbread Man! / Eu sou o menino biscoito! 7 pois a imagem mostra que as perninhas do biscoito foram quebradas, durante a tortura sofrida no calabouço do castelo do lorde Farquaad. Ela já não pode mais correr nem se vangloriar disso. 5 Tradução nossa 6 Tradução nossa. 7 Tradução nossa.

9 Novamente podemos observar a dificuldade que nós, por não sermos americanos, temos em reconhecer esses discursos, uma vez que não fazem parte nem possuem nada semelhante nem nenhum referente em nossa formação discursiva. Qualquer criança americana, no entanto, facilmente perceberia os diálogos intertextuais que são realizados nessas cenas. Quando Shrek e Burro chegam e entram no reino de Duloc, para o brasileiro comum, a imagem é de um reino medieval, com os muros externos, a pequena vila no interior e o castelo ao fundo. Dentro da formação discursiva americana, a imagem do reino de Duloc é claramente uma reprodução do parque de diversões da Disney. A entrada com a catraca, as lojinhas de souvenir com seus produtos (brinquedos que reproduzem, neste caso específico, a figura do lorde Farquaad), as casas uma do lado da outra deixando um largo vão central até o castelo, e, principalmente, o canteiro de flores no centro. Cada detalhe foi reproduzido com perfeição, inclusive o piso. O quiosque de informações é algo que pode remeter (para o leitor não americano) a uma caixinha de música. Mas muito mais do que isso, os pequenos bonecos articulados que se mexem e cantam indicam algo ainda mais característico: Small World, nada mais Disney que os bonequinhos articulados cantando e representando os diversos países do mundo, todos caracterizados com roupas típicas e em cenários também facilmente identificáveis. Logo após a apresentação, o quiosque de informações tira uma foto de Shrek e do Burro. Quem já esteve na Disney (e também em outros parques temáticos), sabe que muitos brinquedos oferecem a opção da foto tirada enquanto você se divertia no brinquedo. Estes três últimos elementos remetem ao espaço físico do parque temático da Disney. Mesmo que alguns americanos nunca tenham estado em nenhum dos parques, faz parte da sua formação discursiva identificar esses elementos. A facilidade em identificá-los é reforçada pela recorrência e pela reprodução fiel de cada item característico entre Disneyland, DisneyWorld, EuroDisney e TokyoDisney. Mesmo presente em diferentes partes do mundo e, por extensão, em diferentes formações discursivas, sua marca distintiva é a sua origem americana.

10 Seguindo até o castelo do lorde Farquaad, deparamo-nos com a cena do torneio. Apesar de esse caráter medieval não fazer parte da história americana, há algo típico e muito semelhante: o restaurante Medieval Times. Ao entrar no restaurante, que é a réplica de um castelo, somos recebidos por pessoas vestidas com trajes medievais. Dentro, há apenas a arena circundada pela arquibancada. No lugar de honra está o rei e a rainha. O ápice do show é representado pelo torneiro entre os cavaleiros, numa luta. Encontramos na cena do torneio uma semelhança com os elementos desse show. A platéia em arquibancadas, lorde Farquaad em local de destaque e, como prêmio, ter a honra de ir salvar a princesa Fiona. Logo em seguida no filme, Shrek é atacado pelos soldados armados e, quando vai se defender, derrama uma quantidade enorme de bebida no chão que, por ser de areia, fica mole. Deslizando pela areia úmida, ele toma a lança de um dos soldados e o derruba com um golpe certeiro. Acreditamos que isso seja uma clara alusão a um jogo de hóquei. Esse jogo consiste em marcar gols utilizando bastões de madeira (Shrek utilizou uma lança) e um disco de borracha vulcanizada (o soldado que levou o golpe). O hóquei no gelo tem origem no norte do continente americano. O jogo é dividido em três períodos de 20 minutos cada, podendo ter prorrogação em caso de empate. Os times podem ter entre dezoito e vinte jogadores que se revezam durante o jogo. Neste caso, o conhecimento específico sobre o esporte é fundamental para interpretar a imagem como sendo uma representação dessa prática esportiva. Desde a mais tenra idade, as crianças aprendem a praticar esportes e são estimuladas a participar das equipes das escolas que freqüentam. O bom desempenho numa prática esportiva pode garantir scholarships (bolsa) ao jovem que deseja entrar numa boa universidade. Além disso, canais exclusivos sobre esportes e a chance de construir uma carreira sólida, de sucesso e com patrocinadores são incentivos suficientes para prestigiar o esporte dentro dessa formação discursiva. A última imagem por nós analisada é a que representa uma figura de linguagem, facilmente identificada por todo aquele que tem um conhecimento da linguagem popular americana, em especial a de baixo calão. Dificilmente pode ser traduzida ou mesmo interpretada por um não americano, apesar de facilmente reconhecida como xingamento. Kiss my ass não possui um

11 equivalente na língua portuguesa. Apenas, talvez, como xingamento a outrem. Este, no entanto, possui equivalente na língua inglesa como ass kisser, segundo o dicionário American Heritage, é uma gíria vulgar e significa To act submissively in order to gain favor (Agir com submissão ou a fim de obter um favor 8 ). Muitas vezes dito sem o sentido mais pejorativo, mas apenas como desabafo. Há estudos que comprovam que muitos xingamentos perderam o valor semântico e tornaram-se apenas um modo de expressar desagrado, raiva ou indignação. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS É possível perceber que Shrek não apenas desconstrói os contos de fadas, mas os afirma, uma vez que os reconta e os recria. No entanto, muitas particularidades passam desapercebidas ao leitor menos atento. A capacidade de ler as imagens é essencial quando se trata de um texto imagético. Neste caso, por se tratar de uma animação e, por isso mesmo, construída por imagens, a não leitura compromete a compreensão. Muitas pessoas assistiram ao filme e não gostaram, talvez por não poderem participar do jogo intertextual, de realizar outras leituras. O leitor empírico pode perder muito quando hesita em se tornar o leitor modelo. Mas, quando pesquisa, quando procura se inserir ou, pelo menos, conhecer as características intrínsecas da formação discursiva de origem, ele amplia o espaço da sua leitura e pode dialogar não apenas com textos verbais, mas com imagens e com pessoas também. A partir do momento em que todos os professores pudessem ter a oportunidade de trabalhar conteúdos interessantes, estimulando assim a curiosidade e a inteligência de seus alunos (apesar das dificuldades, falta de material, por exemplo), eles estarão prontos para enfrentar essa nova realidade mundial que se transforma a cada dia. 8 Tradução nossa.

12 4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CHARTIER, Roger. (org.) Práticas da Leitura. São Paulo: Estação Liberdade, Dicionário interativo da língua inglesa The American Heritage. 3ª edição. InsoSoft, Inc., ECO, Humberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, Enciclopédia Interativa Compton. Compton's NewMedia, FERRÉS, Joan. Vídeo e Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, SANTAELLA, Lucia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, Semiótica Aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, ; NÖTH, Winfried. Imagem cognição, semiótica, mídia.são Paulo: Iluminuras, Shrek. ADAMSON, Andrew; JENSON, Vicky. EUA: Dreamworks, VHS (100 min). TADDEI, Nazareno. Educar com a imagem. São Paulo: Loyola,

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Projeto: Filhotes Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Justificativa: A escolha da temática FILHOTES para o infantil I se deve ao fato de que os animais em geral provocam

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros ???????? Apoio: Rica Eu quero ser... Um guia para encontrar a rota da prosperidade por Mara Luquet 81 Era uma vez... Era uma vez uma princesa, dessas que passeiam pelos campos e bosques e são muito bonitas

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): O piado da coruja 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O piado da Coruja

Leia mais

Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só

Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só esperando a sua boa vontade. Felipe tentou voltar a dormir,

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Mapa CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal por onde

Leia mais

Preparando meu filho para a liberdade

Preparando meu filho para a liberdade Preparando meu filho para a liberdade Marcos Rezende Fonte: www.insistimento.com.br Você parou para observar o que está passando na televisão quando o seu filho a está assistindo? Ou já parou para refletir

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA:

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA: DISCIPLINA: SOCIOLOGIA PROFESSORA: Ana Carolina Maciel NOME COMPLETO: I N S T R U Ç Õ E S DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA: 1. Este trabalho

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT)

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) Rosinei Borges de Mendonça UFMT-Araguaia rosineibm@gmail.com Adriana Queiroz do Nascimento UFMT-Araguaia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

DAVI, O REI (PARTE 1)

DAVI, O REI (PARTE 1) Bíblia para crianças apresenta DAVI, O REI (PARTE 1) Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 30.2 Conteúdo: Intertextualidade no texto literário. Habilidade: Estabelecer, em textos de diferentes gêneros, relações entre recursos verbais e não

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

natural das crianças para esses seres que fazem tão bem às nossas vidas.

natural das crianças para esses seres que fazem tão bem às nossas vidas. Justificativa do Projeto Os animais têm forte presença no dia a dia das crianças, seja de forma física ou através de músicas, desenhos animados, jogos, historias e brinquedos. Além disso, possuem um importante

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES 1ºC - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Viajar com Crianças. Sem Stress

Viajar com Crianças. Sem Stress Viajar com Crianças Sem Stress A escolha do DESTINO Nem sempre podemos escolher o local da viagem. Às vezes vamos visitar um parente, por exemplo, ou existe o sonho antigo dos pais de conhecer algum lugar,

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Patrícia Cristina de Aragão Araújo 1 Thaís de Oliveira e Silva 2 A escola existe

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO BEM VINDO AO GUIA DE 10 PASSOS DE COMO MELHORAR MUITO A SUA VIDA FINANCEIRA! APROVEITE! 1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO Quando se trata do nosso dinheiro, a emoção sempre tende a ser um problema.

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Projeto Quem sou eu? Image URI: http://mrg.bz/q6vqo3 Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Justificativa: Tendo em vista a

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis)

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (Este

Leia mais

ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula)

ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula) ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula) Componente Curricular: Ensino Religioso / 7º ano Ano Letivo: 2014 Professor Ministrante: Lúcia Clemeci Carga Horária: 5 horas/ aula Data: 02/ 07/2014 Aula: 03 Título: Crescimento

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega.

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Prezado Editor, Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Gostaria de compartilhar com os demais leitores desta revista, minha experiência como mãe, vivenciando

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

PERSONAL SHOPPER MARY KAY

PERSONAL SHOPPER MARY KAY PERSONAL SHOPPER MARY KAY O QUE É? Personal shopping é uma ocupação, na qual se ajuda alguém a fazer suas compras, dando conselhos e fazendo sugestões para os clientes. A personal shopper vai dar ao cliente

Leia mais

Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO

Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO A Sra Mary Kay já dizia: nada acontece enquanto você não vende alguma coisa. Se você está

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza.

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza. COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos Título de artigo de SCHEINER, Tereza. Nova Teoria do Museu onde este é pensado já não mais apenas como instituição (no sentido organizacional),

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil!

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Implemente esses 3 passos para obter resultados fantásticos no Inglês! The Meridian, 4 Copthall House, Station Square, Coventry, Este material pode ser redistribuído,

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais