OS CONTOS DE FADAS DE PERRAULT: UMA LEITURA DE AS FADAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS CONTOS DE FADAS DE PERRAULT: UMA LEITURA DE AS FADAS"

Transcrição

1 OS CONTOS DE FADAS DE PERRAULT: UMA LEITURA DE AS FADAS Renata Kelen da ROCHA 1 Vilma Araújo da SILVA 2 Este trabalho apresenta resultados de pesquisa analítica acerca do conto de fadas As Fadas de Charles Perrault, partindo da análise centrada, na teoria literária dos gêneros e, em seguida, nos três pilares constitutivos de gêneros discursivos conteúdo temático, estilo e estrutura composicional, para apreender as características do gênero conto de fadas, segundo os conceitos da teoria literária expandidos para os conceitos de Bakhtin (1992). Traçou-se, assim, um percurso de análise da narrativa literária baseado na conceituação de gêneros literários e expandido para o conceito de gêneros do discurso. O resultado de nosso trabalho contribui para a formação de um processo de análise capaz de elucidar as potencialidades da narrativa literária francesa de Charles Perrault. Palavras-chave: Charles Perrault; Gêneros; Contos. Introdução Neste trabalho apresentamos resultados de discussão sobre os gêneros literários embasados nas teorias de Coelho (1987), Machado (2005) Aragão (1986), Bakhtin (1997), Moisés (1967), Soares (2007), entre outros. Buscamos compreender a evolução dos gêneros desde as definições propostas por Platão, Aristóteles e Horácio até a expansão do conceito de gêneros apresentada por Bakhtin. Para tanto, descrevemos alguns traços peculiares dos gêneros contos de fadas e contos maravilhosos para, em seguida, apresentarmos a análise do conto de fadas Les Fèes, de Charles Perrault, a partir dos três pilares constitutivos dos gêneros discursivos construção composicional, tema e estilo, embasados ainda nos pressupostos analíticos da narrativa sugeridos por Gancho (1991). O Gênero literário A história dos gêneros literários pode ser exemplificada com a obra clássica de Platão, nos livros III e X da República; em Aristóteles na Poética e na Retórica e 1 Graduanda de Letras, Português/Francês, na Universidade Estadual de Maringá-UEM. 2 Graduanda de Letras, Português/Francês, na Universidade Estadual de Maringá-UEM.

2 1082 também com os tradados de Horácio, os quais estabelecem as categorias literárias em poesia épica, poesia dramática e a poesia lírica. Os estudos sobre os gêneros prosseguiram, historicamente, até meados do século XIX, sendo marcados pelos estudos do francês Ferdinand Brunetière ( ) e do italiano Benedetto Croce (1902), mas surgem, com o tempo, teorias mais modernas, como as de Warren e Wellek, em que se destaca a obra Teoria da Literatura, e há também Staiger, com a obra Conceitos fundamentais da poética, que considera, pela primeira vez, o hibridismo entre os gêneros. Nas primeiras décadas do século XX, surge a teoria dos gêneros discursivos proposta por Mikhail Bakhtin, que considera o dialogismo no processo produtivo de linguagem. Os gêneros do discurso passam a ser vistos como esferas de uso da linguagem verbal ou da comunicação fundada na palavra, e isso faz com que, no processo comunicativo, o dialogismo seja concretizado. Segundo Machado (2005, p. 154), Bakhtin distingue os gêneros em discursivos primários relacionados à comunicação cotidiana dos gêneros discursivos secundários referentes à comunicação produzida a partir de códigos culturais elaborados, como a escrita. Mesmo com diferenças entre os gêneros, há um ponto de integração entre eles, pois Bakhtin (1997, p. 282) afirma que os gêneros primários, ao se tornarem componentes dos gêneros secundários, transformam-se dentro destes e adquirem uma característica particular: perdem sua relação imediata com a realidade existente e com a realidade dos enunciados alheios. Com isso, podemos notar que, de acordo com Bakhtin (1997), os gêneros estão sempre em evolução e transformação, porque, quando os gêneros secundários utilizam os gêneros primários, transformam-se em outros gêneros e, nem sempre é possível detectar sua primeira forma. Origens do gênero literário conto e do conto de fadas De acordo com Moisés (1967) a origem da palavra conto pode ter várias proveniências. Em relação ao seu sentido numérico, podemos citar, como exemplo, um conto de réis ou conto de soldado ; em que o sentido da história, por sua vez, está ligado à narração, à fábula, entre outros. Em literatura, para Moisés (1967), o conto concerne a uma unidade dramática, e, devido a isso, contém apenas um conflito, já que todos os seus elementos convergem para um mesmo objetivo.

3 1083 Os contos de fadas, por sua vez, de acordo com Coelho (1987), surgiram entre os celtas e são caracterizados pela presença do elemento Fada, cujo significado etimológico vem do latim Fatum, que significa destino, fatalidade, oráculo. A partir disso, os franceses criaram o termo Conte de Fée, que se tornou Fairy Tale, em inglês. No Brasil os contos surgiram no século XIX, como contos da carochinha, que, hoje, são conhecidos como contos de fadas ou contos maravilhosos. As primeiras histórias foram produzidas e destinadas aos adultos e, com o tempo, incorporaram à tradição oral popular, e, apenas posteriormente, elas foram transformadas em literatura para crianças. Essa transformação ocorreu na França, com Charles Perrault, escritor e poeta francês, do século XVII, maravilhado pela memória do povo, dispôs-se a redescobri-la e descrevê-la, recontando as histórias da tradição oral popular. Dessa forma, publicou a primeira coletânea de contos com o nome Contes de Mère L Oye, destinado às crianças (COELHO, 1987). Apesar do gênero conto de fadas se originar com Charles Perrault, são os irmãos Grimm os responsáveis pela ampliação e divulgação desse gênero. Eles, no século XVIII, na tentativa de determinar a autêntica língua alemã, iniciam uma profunda pesquisa das invariantes linguísticas nas antigas narrativas, lendas e sagas de seu povo. Assim, de acordo com Coelho (1987) o conto de fada só recebeu o sentido de forma literária, quando os irmãos Grimm deram a uma coletânea de narrativas o título de Contos para crianças e adultos, publicada em Distinções entre Contos Maravilhosos e Contos de Fadas Os contos de fadas, com ou sem fadas, desenvolvem seus argumentos dentro de uma magia feérica, com reis, rainhas, príncipes, fadas, bruxas, gigantes, tempo e espaço fora da realidade conhecida, além disso, têm uma problemática existencial expressada por meio de provas e obstáculos que precisam ser vencidos (COELHO,1987). A distinção entre o conto de fadas e o conto maravilhoso é difícil, porque ambos trabalham com o mundo do maravilhoso, e o que distingue um do outro é a problemática diferente, como Coelho mostra (2008, P. 85) o conto maravilhoso tem raízes orientais e gira em torno de uma problemática material/social/sensorial busca de riquezas; a conquista de poder; a satisfação do corpo ligada basicamente à realização

4 1084 socioeconômica do indivíduo em seu meio. Além disso, os contos de fadas e os contos maravilhosos acabaram identificados como formas iguais, com problemáticas diferentes, por isso, o maravilhoso necessita de um elemento fundamental: o encantamento. Portanto, o conto de fadas, com ou sem fadas, dispõe de elementos como a bruxa, a fada, o rei, a rainha, a princesa e o príncipe, envoltos em magias e inseridos em tempo e espaço diferentes do real, já o conto maravilhoso, por sua vez, possui outra problemática e características, visto que os personagens precisam vencer certos obstáculos para alcançarem seus objetivos, só que, para isso, contam com a ajuda de elementos mágicos, presentes na história. Análise O conto Les Fées, de Charles Perrault, conta a história de vida de uma gentil menina que, sendo filha de uma viúva camponesa, mal humorada e orgulhosa, tinha uma irmã mais velha que, à semelhança da mãe, era preguiçosa e arrogante. Sendo a filha mais nova da família que, ao contrário da mãe e da irmã, era doce, gentil e muito bonita era obrigada a ir duas vezes ao dia à fonte buscar água, fazer todos os serviços da casa e comer na cozinha, separada da família. Era uma espécie de gata borralheira. Um dia, ao chegar à fonte, a bela menina encontrou uma camponesa que lhe pediu um pouco de água, com gentileza, a garota ofereceu-lhe. Para recompensar sua generosidade, a fada, que estava na figura de camponesa, concedeu à menina um dom, que era o de expelir pela boca, a cada palavra dita, uma flor ou uma pedra preciosa. Encantada pelo dom da filha caçula, a mãe impõe que a primogênita e sua preferida vá ao encontro da fada para que esta lhe conceda também o mesmo dom. No entanto, ao encontrar a fada transvestida de nobre dama, a menina é punida por suas grosserias e cada palavra dita, lhe faz expelir pela boca uma cobra ou um sapo. Ao retornar à casa, a mãe assustada com a punição, de imediato, culpa a filha mais nova e lhe ameaça com uma surra. A pobre moça foge de casa, refugiando-se em uma floresta e, por possuir um belo dom, ao encontrar-se com um príncipe, ele se apaixona por ela e a pede em casamento. Já a outra irmã acaba sendo expulsa de casa e morre sozinha em um bosque.

5 1085 Conteúdo temático, estilo e estrutura composicional Bakhtin (1992), a partir da proposta sociointeracionista do discurso, propõe que o estudo dos gêneros se faça a partir dos três pilares constitutivos de gêneros discursivos, sendo o conteúdo temático, estilo e estrutura composicional. A estrutura composicional concerne à estruturação e ao aspecto formal do gênero, enquanto que o conteúdo temático diz respeito às escolhas e propósitos comunicativos do autor em relação ao assunto abordado. O estilo, por sua vez, refere-se a um modo de apresentação do conteúdo (formal, informal) traduzido no plano composicional do gênero por meio da seleção de recursos lexicais, fraseológicos e gramaticais da língua (BAKHTIN, 2003, p.261). É a partir desses pilares que apresentamos, a seguir, a análise do conto Les Fées, de Charles Perrault. Para Bakhtin (2003), os elementos conteúdo temático, estilo e a construção composicional estão intimamente ligados no todo do enunciado e são determinados por um aspecto singular, de uma situação. O conteúdo temático é um dos principais elementos que caracterizam o enunciado relativamente estável, é também o domínio e o sentido que um enunciado apresenta, isto é, o foco principal ou elemento que norteará o gênero em sua composição e seu estilo linguístico. Além disso, o conteúdo temático só se concretiza de modo simultâneo e dependente da estrutura composicional e estilo do autor. Ao levar isso em conta, notamos que em sua obra, Perrault buscava ensinar valores, condutas e comportamentos para a nova geração e, para atingir essa finalidade, o autor fez uso de expressões literárias como Il était une fois e un jour, que nos remetem aos fatos ocorridos em um passado perdido no tempo e que poderia referir-se a qualquer período histórico. Assim, o tema do conto de Perrault representado pela vida difícil de uma garota que precisa vencer os obstáculos, que são impostas pela má-conduta da mãe e da irmã mais velha - já que as duas são extremamente desagradáveis com ela deixa claro que o bem sempre é recompensado e mal punido. Essa problemática familiar, a qual a filha mais nova está inserida e que tematiza o conto, pode ser comprovada na citação lorsque cette belle fille arriva au logis, sa mère la gronda de revenir si tard de la

6 1086 fontaine. (PERRAULT, 1995, p. 135). Nessa perspectiva, percebemos que a presença do mal constitui a prova iniciática pela qual a personagem principal deve passar a fim de triunfar e encontrar a felicidade. A maldade e a bondade compõem a dicotomia presente ao longo da narrativa, ou seja, desde o início, quando nos deparamos com as características e atitudes de cada personagem, conseguimos inferir o tema tratado por Perrault, no conto Les Fées. Podemos observar isso quando a menina boa vai à fonte e recebe o dom, na seguinte citação: un jour qu elle était à cette Fontaine, il vint à ele une pauvre femme qui la pria de lui donner à boire. <Oui-da, ma bonne mère>, dit cette belle fille; et rinçant aussi-tôt sa cruche, ele puisa de l eau au plus bel endroit de la Fontaine, et la lui presenta, soutenant toujours la cruche afin qu elle bût plus aisément (PERRAULT, 1995, p. 136). Enquanto que a menina mal criada, ao tentar receber o mesmo dom da caçula, depara-se com a maldade da fada, como é possível notar na seguinte citação: elle prit le logis. Elle ne fut pas plus tôt arrivée à la Fontaine qu elle vit sortir du bois une Dame magnifiquement vêtue qui avait pris l air et les habits d une Princesse, pour voir jusqu où irait la malhonnêteté de cette fille. Est-ce que je suis ici venue, lui dit cette brutale orgueilleuse, pour vous donner à boire? Justement j ai apporté un Flacon d argent tout exprès pour donner à boire à Madame! J en suis d avis, buvez à même si vous voulez. (PERRAULT, 1995, P. 137). Além disso, é possível perceber que o teor dicotômico está inserido no conto. O uso do número dois, que é muito trabalhado ao longo do texto, haja vista que a fada se apresenta de duas formas diferentes, a mãe tem duas filhas, a história trabalha com duas problemáticas, ou seja, o obstáculo que a mãe representa, e a fala de encantamento mágico, que corresponde à fada; há dois desfechos, um para cada irmã, e, por fim, Perrault produz e apresenta duas morais para seu conto. O estilo é um elemento importante dentro da análise literária que consiste na escolha linguística feita pelo autor, isto é, na escolha de estruturas sintáticas, sinal gráfico e expressões usadas. Essas escolhas ocorrem de acordo com o gênero escolhido que obedece a certa estrutura composicional e tema a ser abordado. Dessa maneira, Bakhtin (2003, p. 260) afirma que os gêneros são essencialmente marcados por um estilo de linguagem, ressaltando a ideia de que a passagem do estilo de um gênero para outro não só modifica o som do estilo nas condições do gênero que não lhe é próprio

7 1087 como destrói ou renova tal gênero (BAKHTIN, 2003, p. 260). O autor define estilo como a unidade de procedimentos de informação e acabamento da personagem e do seu mundo e dos procedimentos, por estes determinados, de elaboração e adaptação [...] do material (BAKHTIN, 2003, p. 186). Em vista disso, Perrault utilizou certos recursos linguísticos e sinais gráficos, para enriquecer sua narrativa, e muniu-se da seleção das palavras próprias para escrever e expressar o que se pretendia, com intenção de que o expressado fosse entendido de uma determinada maneira pelo leitor de sua época. Um fator estilístico a ser destacado são os tempos verbais que dialogam com o tempo cronológico da narrativa. O narrador onisciente usa de tempos pretéritos que nos levam ao passado como o imparfait, passé composé, passé simple e plus-que-parfait, enquanto os personagens utilizam do presente e do gerúndio no diálogo e, com isso, explicita que as réplicas ocorrem em tempo verbal diferente da narração onisciente do conto, fator que distância e aproxima o leitor da história narrada. Para exemplificar esta ação, podemos citar a incidência de uso do o imparfait na construção verbal il fallait, por exemplo, assim como do passé simple em elle puisa, do presente em vous êtes e do future simple em vous direz. No entanto, os tempos presente e futuro são utilizados apenas nos diálogos, fazendo com que o leitor consiga identificar a ação. Como nessa citação em que a heroína utiliza o tempo presente je vous demande pardon, ma mére. Quanto ao tempo futuro, podemos observar na réplica da fada, no momento em que concede o dom à filha mais velha: je vous donne pour don qu à chaque parole que vous direz, il vous sortira de la bouche ou une serpente, ou un crapaud. A construção composicional do enunciado, ou seja, a sua estruturação e enquadramento formal, corresponde a um dos fatores que, segundo Bakhtin (2003, p. 262), caracterizam o gênero num dado campo da comunicação. Quando falamos em conto de fadas, a estrutura composicional é formada pelo tempo, espaço, personagem, narrador, enredo e moral. De acordo com Mendes (2000), os contos de fadas são narrativas que se desenvolvem num cotidiano considerado mágico, pois o conto tem como característica a personificação das personagens. Neste gênero, há a criação de uma problemática social que, ao final de cada história, traz um conceito moral: uma herança da estrutura original dos contos de fadas.

8 1088 Sendo assim, podemos afirmar que o conto selecionado é de fadas, porquanto possui a presença de uma fada, personagem dotada de magia capaz de encantar a personagem principal e há também a necessidade da protagonista superar obstáculos, para encontrar sua auto realização existencial, que se dá por meio do casamento. Esses elementos são de suma importância para a estrutura desse gênero literário. Em Les Fées, a narrativa se inicia com o drama que a filha mais nova enfrenta, e com as características das três personagens, que são as duas filhas e a mãe. A filha mais velha e a mãe são descritas como orgueilheuses et deságréables, enquanto que a filha mais nova é caracterizada como dotada de douceur, l honnêteté (PERRAULT, 1995, p. 135). Em geral, no conto de fadas, o papel da mãe é aquele de quem cuida, que se preocupa com a saúde, a segurança e o bem estar dos que estão sob sua responsabilidade, e sempre deseja o melhor para seus filhos. Entretanto, no conto Les Fées, podemos comparar a mãe a uma madrasta dos contos de fadas, que representa a maldade, que explora a criança e obriga-a a desempenhar as tarefas domésticas sem cessar, como ocorre em Cendrillon, conto do próprio autor francês. Acreditamos que essas marcas de maldade e rigidez que a mãe demonstra, e a diferença demarcada entre as filhas dizem respeito à época que o conto foi escrito, já que, de certa maneira, os contos de fada são influenciados pela civilização em que surgiram. Além disso, Perrault, no século XVII, encontrava-se em um momento histórico muito importante, pois é um período no qual a Europa passa por uma transformação e pela formação do Estado Nacional. A sociedade nessa época era baseada no conservadorismo cristão, e, devido às reformas e contra reformas, inicia-se a ascensão da burguesia, que mais tarde transformará o sistema Feudal em sistema Capitalista (MITTERAND, 1988). Nesse momento, não havia a mistura das classes, já que o plebeu vivia a margem da sociedade aristocrática. Entretanto, com o crescimento burguês e do sistema capitalista, ocorreu a mistura social nas relações e a super valorização do capital (MITTERAND, 1988) Além disso, as personagens são sempre descritas com a oposição bem/mal, pelos dons que recebem, sendo que a filha caçula recebe dom positivo e a mais velha negativo. Para a menina boa, a fada concede pérolas, diamantes e rosas, que tem valores simbólicos no texto literário: As pérolas representam o encantamento e a doçura, os diamantes o símbolo da riqueza e as rosas a beleza e o amor. Em contrapartida, a

9 1089 menina mais velha recebe o dom de expelir pela boca serpentes e sapos, que representam a maldade, a feiura e a repulsa. Desse modo, a história gira em torno do conflito instaurado pelas diferenças de personalidades, já que no decorrer do conto, as duas irmãs são o oposto uma da outra, opondo malhonnête/honnête -butale/douceur, e, ao final do conto, o narrador se refere à filha mais velha como méchante e a mais nova como gentille. Então, no decorrer da narrativa, essa dualidade é muito marcada, pois, para caracterizar as personagens, o narrador usa adjetivos positivos para citar a irmã mais nova e adjetivos negativos para citar a menina má. Além disso, por meio dos intensificadores, o narrador evidencia a heroína e rebaixa a vilã, por exemplo, para a menina boa, os adjetivos empregados na descrição são: belle fille, si belle, si bonne, honnête, douceur, pauvre enfant, pauvre fille jeune fille, bonne fille e vous êtes si belle, si bonne et si honnête, enquanto que os adjetivos negativos, como l aînée lui ressemblait si fort d humeur e orgueilleuse, désagréable, si brutale, si malhonnète, si peu obligeante caracterizam a filha mais velha (PERRAULT, 1995, p. 137). A personagem fada, por sua vez, apresenta-se de duas formas, haja vista que, para a menina boa, ela estava vestida como uma camponesa da vila, como descrito pelo narrador un jour qu elle était à cette Fontaine, il vint à ele une pauvre femme qui la pria de lui donner à boire (PERRAULT, 1995, p. 135), já para a menina má, a fada aparece como uma linda moça, como notamos na citação qu elle vint sortir du bois une Dame magnifiquement vêtue qui vint lui demander à boire (PERRAULT, 1995, p. 137). Com isso, compreendemos que a fada, apesar de ser uma entidade mítica e boa, também é dissimulada, já que, para empregar sua punição, ela mudou de personalidade duas vezes, para, dessa maneira, estimular as características boas e más dos indivíduos. Além disso, os personagens não tem nomes próprios, são caracterizados de acordo com suas ações e situações familiares, aspecto que proporciona a universalidade do conto. O tempo da narrativa é dividido em três formas diferentes, sendo o tempo cronológico, aquele que pode ser cronometrado; o tempo psicológico, que acontece no

10 1090 interior do personagem quando rememora suas emoções e lembranças; e o tempo narrativo, que é o tempo de quando o narrador conta os fatos da narrativa. É possível notar que no conto de fadas o tempo não é evidente, pois geralmente começa com era uma vez. Todavia, na estrutura da narrativa do conto Les Fées, temos o elemento tempo, que ocorre cronologicamente, pois há uma sequência de fatos que proporciona um efeito linear, isto é, organiza-se segundo a concepção dominante de tempo (passado, presente e futuro), compondo uma sequência cronológica dos fatos, que nos ajuda a compreender o desenrolar das ações vividas pelos personagens. Portanto, os fatos vividos pela heroína seguem uma ordem cronológica, visto que ela sai do estado de infelicidade e de maus tratos infringidos pela mãe e, como recompensa por seu sofrimento, recebe um dom precioso e se casa com o príncipe. Por outro lado, a primogênita vive infeliz, pois, por ser má, é punida com um dom que causa repulsa nas outras pessoas, morrendo no desfecho da história, tendo, portanto, um fim mais trágico que sua existência. Apesar de não se comprovar o espaço da narrativa, os contos de fadas tem início em um meio familiar, onde é possível inserir o homem comum. Ao considerar isso, notamos que o espaço em Les Fées é caracterizado pela casa da família, a fonte, a floresta, o reino. Na história não há a descrição dos ambientes, no entanto podemos pressupor que a fonte pode ser um espaço mágico, pois é lá que as personagens recebem seus dons, e a floresta é o elemento estrutural fundamental para o desfecho da narrativa, visto que é o lugar onde a filha mais nova se refugia da tristeza e encontra o príncipe. Como demonstramos acima, os ambientes não recebem descrições físicas, a casa onde a belle fille morava não é descrita, porém a menina era obrigada a realizar todos os afazeres domésticos e fazer suas refeições sozinha na cozinha, fato narrado no trecho cette mère était folle de sa fille ainée, et en même temps avait une aversion efroyable pour la cadette. Elle la faisait manger à la cuisine et travailler sans cesse (PERRAULT, 1995, p. 135). Então, por meio dessa simples referência à casa e à cozinha, sabemos que esses cômodos e o lar existem, só não podemos descrevê-los. Considerações finais

11 1091 O estudo do conto Les Fées, de Charles Perrault, realizou-se a partir dos três pilares constitutivos dos gêneros discursivos. Neste sentido, a análise literária, baseada no estudo da estrutura composicional, do tema e do estilo, agregou diversos conhecimentos, não apenas sobre a teoria literária do conto, mas também sobre as dimensões culturais e sociais do contexto no qual foi escrita a obra. Contribuiu para o desenvolvimento de um olhar científico, considerando a importância dos símbolos em um texto literário, pois em sua temática narrativa há a presença de elementos simbólicos, como os presentes no texto: pérolas, diamantes, flores, sapos, serpentes, floresta, etc. Além disso, outro ponto importante que observamos foi o despertar do imaginário que o conto de fadas, por meio dos processos de vida dos personagens, proporciona ao leitor, possibilitando que a moral obtida com as situações vividas pelas personagens torne-se acessível ao leitor, visto que a bondade foi recompensada, enquanto à maldade e a injustiça foram punidas. Os estereótipos empregados pelo autor dão margem a uma moral válida em qualquer momento ou lugar, universalizando a história, porquanto sabemos que a literatura do século XVII apreciava a moral nos textos, já que eles eram curtos e carregados de moralidade. Sendo assim, nos contos de Perrault é explícita essa moralidade e vemos que é utópica a tentativa de agregar integralmente todas as virtudes. Referências ARAGÃO. Maria Lucia. Manual de Teoria Literária. Petrópolis: Vozes, BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997., M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003 [1979]. BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Tradução de Arlene Caetano. 16. ed. São Paulo: Paz e Terra, COELHO, Nelly Novaes. O Conto de Fadas. São Paulo. Ática: 1987., Nelly Novaes. O Conto de Fadas. São Paulo. Ática: 2008., Nelly Novaes. Literatura infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna, 1987.

12 1092 GANCHO, C. V. Como analisar Narrativas. 7. ed. São Paulo: Ática, KHEDE, Sonia Salomão. Personagens da Literatura infanto-juvenil. Ática. São Paulo, MACHADO, Irene. Gêneros discursivos. In: BRAIT, Beth (org.). Bakhtin: conceitoschave. São Paulo: Contexto, MENDES, Mariza. B. T. Em busca dos contos perdidos: os significados das funções femininas nos contos de Perrault. São Paulo: UNESP, MITTERAND, Henri.(org.). Littérature - textes et documents: XVIIe siècle. Paris: Nathan, 1988 MOISÉS, M. A Criação Literária: Prosa formas em prosa, conto, a novela, o romance, o ensaio, a crônica, o teatro, outras expressões híbridas, a crítica literária. São Paulo: Cultrix, SIMONSEN, Michele. O Conto popular. Trad. Luis Cláudio de Castro e Costa. São Paulo: Martins Fontes, SOARES, Angélica. Gêneros literários. 7. ed. São Paulo: Ática, 2007.

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 Literatura na escola: os contos maravilhosos, contos populares e contos de fadas. Professora Marta Maria Pinto

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO Magna Flora de Melo Almeida Ouriques 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) mellomagna@gmail.com Co-Autor Renan de Oliveira Silva 2 rennanoliveira8@gmail.com

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média + Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto III Média + O que é um conto? n Conto é uma narrativa curta que apresenta os mesmos elementos de um romance: narrador, personagens, enredo, espaço e tempo.

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq LITERATURA wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui INFANTIL opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

Contos de ensinamento da tradição oral

Contos de ensinamento da tradição oral Contos de ensinamento da tradição oral Os chamados contos de ensinamento, fazem parte da grande herança cultural formada pelos contos transmitidos oralmente, de geração para geração, ao longo de milênios.

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 (As Aulas previstas

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i Cássia Aparecida Sales M Kirchner ii Faculdade de Educação Unicamp

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR Lília Santos NA BIBLIOTECA ESCOLAR, a MEDIAÇÃO com crianças e jovens acontece o tempo todo. É preciso ter atenção com os conteúdos

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA Maria Elizabete Nascimento de Oliveira 1 PPGE /IE UFMT m.elizabte@gmail.com RESUMO A pesquisa em foco refere-se à relevância dos contos de fadas na

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Isaias Holowate (isaiasholowate@gmail.com) Silvana Maura Batista de Carvalho. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

Isaias Holowate (isaiasholowate@gmail.com) Silvana Maura Batista de Carvalho. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

CONTO E RECONTO DE UMA NARRATIVA DE CHARLES PERRAULT

CONTO E RECONTO DE UMA NARRATIVA DE CHARLES PERRAULT CONTO E RECONTO DE UMA NARRATIVA DE CHARLES PERRAULT José Ricardo Carvalho da Silva 1 (UFS) Manoela Barreto Borges 2 (UFS) INTRODUÇÃO O trabalho que se segue tem o intuito de compreender o funcionamento

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público O que é Relato de Experiência? Faz parte dos gêneros pertencentes ao domínio social da memorização

Leia mais

Sustentabilidade x Desperdício

Sustentabilidade x Desperdício Sustentabilidade x Desperdício Alunos: Antônio Fernandes Margarida Késsia Daniele de Brito Nilmara Oliveira Introdução O tema consciência ambiental tem estado em alta no Brasil. A falta d água em vários

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder Waldênia Klésia Maciel Vargas SOUSA (FL/UFG) Bolsista CAPES waldeniaklesia10@hotmail.com Eliane

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Escritor brasileiro Dados de Identificação: Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Turma: 201 Professora: Ivânia Lamb Romancista brasileiro nascido em São

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania Gestão Pública Profa. Márcia Velasques Ética e cidadania Seminário de políticas locais/regionais: as dimensões da ética, da cultura e dos serviços prestados ao público Tema: Ética e Cidadania Núcleo de

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

Celia Regina Lopes Feitoza

Celia Regina Lopes Feitoza Celia Regina Lopes Feitoza Se quiser falar ao coração do homem, há que se contar uma história. Dessas que não faltam animais, ou deuses e muita fantasia. Porque é assim, suave e docemente que se despertam

Leia mais

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo;

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO 1 Aspectos teóricos e metodológicos da geografia da população População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; A importância de

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTOS DE FADAS EM LIBRAS Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTEÚDO - Contos de Fadas; - Fábulas; - Vídeos de contação de histórias; - Entrevista OBJETIVOS -Apresentar aos professores como é o

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire

Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire Grace Alves da Paixão 1 Orientadora: Gloria Carneiro do Amaral Resumo: O objetivo deste resumo é o de expor algumas

Leia mais

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10.

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10. Question 1 Question Question LETRA: E Fácil Question 4 LETRA: A Fácil Question 5 Gabarito de Inglês Question 6 LETRA: D Difícil Question 7 LETRA: A Média Question 8 LETRA: C Difícil Question 9 Question

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA FACELI FACULDADE SUPERIOR DE LINHARES DISCIPLINA DE HISTÓRIA DO DIREITO CURSO DE DIREITO / 1º DIREITO B ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA BARBARA LICIA JAMARA FERREIRA P. ARAUJO JANE SCHULZ

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL Caroline Cassiana Silva dos SANTOS 1 Renata Junqueira de SOUZA 2 Resumo: O artigo ora proposto discorre sobre as personagens femininas

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

Desafiando o preconceito: convivendo com as diferenças. Ana Flávia Crispim Lima Luan Frederico Paiva da Silva

Desafiando o preconceito: convivendo com as diferenças. Ana Flávia Crispim Lima Luan Frederico Paiva da Silva Desafiando o preconceito: convivendo com as diferenças Ana Flávia Crispim Lima Luan Frederico Paiva da Silva Pontifícia Universidade Católica de Goiás anaflavia17012010@hotmail.com luan_frederico@yahoo.com

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA Prof. Luana Leão Cury, Prof. Tiago Aquino da Costa e Silva, Prof. Kaoê Giro Ferraz Gonçalves FMU Faculdades Metropolitanas Unidas/SP Prof. Alipio

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte Autora: ADRIJANE ALVES DE AMORIM Introdução Estabelecer objetivamente a medida de um bom orador não é tarefa fácil. Para muitos, falar bem guarda a ideia

Leia mais

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail. POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.com 1 INTRODUÇÃO Os estudos mais recentes que tomam a Educação Infantil como objeto

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC TÍTULO: O TRABALHO COM OS PARADIDÁTICOS EM SALA DE AULA: Estratégias

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais