séculos. Ao despertar pelo Era uma vez, crianças, jovens, homens e mulheres,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "séculos. Ao despertar pelo Era uma vez, crianças, jovens, homens e mulheres,"

Transcrição

1 1 INTRODUÇÃO As histórias, fábulas, narrativas maravilhosas, de encantamento, mitológicas, os contos de fadas e todos os tipos de enredos tradicionais ou contemporâneos, folclóricos ou não, caminham ao lado do ser humano ao longo de muitos e muitos séculos. Ao despertar pelo Era uma vez, crianças, jovens, homens e mulheres, entendem a cultura própria do grupo, observam movimentos da natureza, da vida e do mundo e veem transformações individuais e coletivas acontecerem. Não importa o idioma, se Märchen, em alemão; contes de fées, em francês; fairy tales, em inglês; em qualquer língua, os contos mantêm uma unidade que preserva o cerne do texto em diferentes geografias ao longo do tempo. Não se sabe ao certo a origem das histórias que embalaram os sonhos da humanidade ao longo dos tempos. Podem ser de gênese oriental, como defendem Theodor Benfey e Emanuel Cosquin; mitológica, como acredita Joseph Campbell; ou arquetípica, para os pesquisadores da obra de Carl Gustav Jung; mas certamente são construções coletivas. É da fala do povo que saem as histórias, e é nela que encontram abrigo para continuar existindo. Os contadores de histórias surgiram antes da fala, já em narrativas presentes nas pinturas rupestres. Ao longo dos tempos se firmaram na função de traduzir mundos reais e imaginários pela narração oral, descrevendo os fatos de modo a criar imagens mentais no ouvinte. No mundo pós-moderno, em que a tecnologia impõe o ritmo da internet e a crueza das relações efêmeras, o contador de histórias acolhe a audiência com afeto e cumplicidade. E, apresenta os textos ricos e inesgotáveis em significados, inclusive considerados sagrados por estes contadores.

2 2 A Branca de Neve, Cinderela, João e Maria esses e outros tantos contos servem como espaço imparcial de reelaboração de imagens mentais, resultando em novas conexões psicológicas na consciência do ouvinte, ampliada e renovada. Juntos, numa espécie de ritual ao pé do fogo que lembra os tempos de tribo, contadores e ouvintes formam uma família temporária. Nenhum deles tem um objetivo específico para o encontro, mas muitas situações imprevisíveis podem decorrer de uma roda de contação de histórias. Um texto pode despertar sentimentos contidos, angústias disfarçadas, gratidão despercebida, entre outros sentimentos. O conto se mostra ao longo da história como ferramenta de instrução, educação e exemplo; e atualmente pode ter sua função principal, entre muitas outras, no aspecto social descrito por Tzvetan Todorov (1939 a). O conto maravilhoso, para o teórico, pode ser visto como uma forma de ausentar a consciência para que o conteúdo transformador da história atue e crie-se um espaço imaginativo para a transgressão e a solução de impasses. Como primeira fonte literária, a história transmitida pela oralidade enriquece a paisagem artística e amplia o repertório de imagens interior do indivíduo. Os contos suspendem os mecanismos de defesa e não atuam em matéria ausente, porque têm estreita ligação com o conteúdo que vive na alma dos ouvintes. Por isso, algumas teorias defendem que as histórias não são ouvidas e sim relembradas. Para esta dissertação foi escolhida como principal linha teórica as pesquisas feitas por Nelly Novaes Coelho e, como teórico auxiliar, Tzvetan Todorov. A escolha por Coelho se dá pelo aprofundamento e amplitude de seus estudos dentro do tema

3 3 histórias e contos de fadas. Todorov auxilia trazendo um olhar da lingüística e da teoria literária para o aspecto social dos contos. Outros pesquisadores desenvolveram estudos com abordagens diferenciadas, e perceberam um conteúdo significativo dentro deste tipo de literatura, que o distingue de outros. Os estudos epistemológicos e folclóricos feitos por Johannes Bolte, Georg Polivka, Camara Cascudo, Silvio Romero, Paul Saint-Yves Theodoro Benfey, entre outros, possibilitaram a compreensão dos desdobramentos sociológicos e culturais que as histórias provocam. Dentro dos estudos literários, teóricos como Vladimir Propp, Roman Jakobson, Fyodor Buslaev, Grigorij Vinokur, Kaarle Krohn, Leonardo Arroyo, Antii Aarne e Stith Thompson, se destacam com pensamentos que permitem a melhor compreensão do conteúdo das histórias. Já Wolfgang Iser e Stanley Fish oferecem elementos para entender a forma como a história é processada internamente pelo leitor/ouvinte. E não podemos esquecer da principal contribuição dos Irmãos Grimm, Perrault, La Fontaine e Andersen, que forneceram matéria-prima para o mapeamento destas histórias que, até hoje, possibilitam nossos estudos analíticos. Foram visitados também os estudos com inspiração psicológica feitos por Michel Dufour, Bruno Bettelheim, Milton H. Erickson, Clarissa Pinkola Estés, Marcel Postic, Jeffrey Zeig, Bert Hellinger, Sigmund Freud, Wilhelm Wundt, Marie-Louise von Franz, e mais recentemente, o que escreveram Fanny Abramovich, Regina Machado e Marta Morais da Costa. A partir deste referencial teórico, esta dissertação se propõe a refazer o percurso da oralidade e destacar a antiguidade dos contos, a partir de uma provável, mesmo que incerta, cronologia, desde os primeiros registros; até o movimento contemporâneo de retorno à narração de histórias. Dentro dos estudos literários, esta dissertação se dispõe a pesquisar a estética da recepção dos contos e as

4 4 histórias como gênero literário. Tenta também conhecer como os pesquisadores se ocuparam em analisar minuciosamente as histórias a partir do conteúdo, da forma e da função. Além disso, esta dissertação segue a campo para desenvolver uma pesquisa em Curitiba, dentro de duas instituições sociais atendidas pelo trabalho voluntário da Casa do Contador de Histórias: a Casa dos Pobres São João Batista e o Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa. No primeiro, ouvem histórias os pacientes em tratamento médico e seus acompanhantes albergados. No segundo, vivem jovens entre 12 e 21 anos em conflito com a lei, no regime de privação de liberdade. O objetivo foi entender a relação existente entre esses dois públicos e dois textos de histórias eleitos por eles mesmos, como os mais interessantes contos apresentados durante as rodas de contação de histórias realizadas nos anos de 2007 e Estes textos fazem parte da base de dados do Baú de Histórias da Casa do Contador e são de autores desconhecidos. As histórias O convite da loucura, eleita pelo Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa e O macaco e a desgraça, apontada pelos ouvintes da Casa dos Pobres São João Batista foram analisadas minuciosamente a partir de elementos simbólicos, arquetípicos e funcionais. Os autores que embasaram esta análise foram Jean Chevalier, Juan Edas Cirlot, Manfred Lurker e Johann Gottfried Herder. As histórias também foram submetidas à uma análise a partir dos estudos sobre as funções de Vladimir Propp, dos arquétipos de Carl Gustav Jung, e das alegorias de Michel Dufour.

5 5 Também foi desenvolvida uma análise intertextual num exercício de literatura comparada entre os contos selecionados e as obras de Monteiro Lobato e As mil e uma noites. Espera-se com este estudo, remontar à antiguidade das histórias e, numa abordagem diacrônica, trazê-las até nossos dias, situando-as em suas diversas aplicações, mostrando a versatilidade das mesmas e dando mostras efetivas da importância da literatura na evolução da humanidade, seja no aspecto plural e lúdico da contação de histórias, seja como parte do processo terapêutico ou de reinserção social. Este tipo de texto literário faz parte da vida da maioria das pessoas, crianças ou adultos, que podem sonhar e entrar na magia dos contos de fadas embalados pela voz doce de alguém que acredita no poder da palavra. Esta visão é já havia sido antecipada pelos Irmãos Grimm, que na introdução ao livro Kinder - und HausMärchen falam sobre os contos como um presente de amor aos que sofrem: [...] quando a realidade não é sábia, que o conto permanece com seu presente mais nobre: o verdadeiro amor aos homens bons, que pode torná-los felizes. Foi o amor aos homens que fez surgir os melhores contos 1 (GRIMM, vol.2, p ). Para estes que acreditam, Garzón Céspedes (citado em CASA DO CONTADOR DE HISTÓRIAS, 2008) escreveu o Credo do contador de histórias, do qual é retirado o trecho: creio que contar é compartilhar a confiança, compartilhar a simplicidade como transparência da profundidade, compartilhar a linguagem comum da beleza. Creio que contar é amor. 1 Tradução feita gentilmente pela professora doutora Sigrid Renaux, especialmente para esta dissertação.

6 6 1 A NARRATIVA ORAL E CONTADORES DE HISTÓRIAS EM CURITIBA São infinitas as possibilidades de passeios pela paisagem dos contos. Ilustres ou anônimos, os visitantes se multiplicam pelas eras e pelos Era uma vez que a humanidade sempre cria, guiada pelos testemunhos exemplares. Regina Machado 1.1 A HISTÓRIA DAS HISTÓRIAS Os contos maravilhosos se confundem com a história do próprio homem. Desde que a comunicação verbal passou a compor a vida em sociedade, a oralidade tem sido o traço marcante. Há muito tempo, mulheres e homens contam e recontam histórias: [...] como forma de transmitir os valores culturais, espirituais e morais próprios de cada povo. Basta pensar nas histórias da Bíblia, nas narrações de Buda ou nos contos sufis que exercem a função, dentre outras finalidades, de transmissores do saber e meios de se comunicar com o Ser Supremo, ou ainda para a compreensão de si mesmo ou do universo. (DUFOUR, 2005, p. 19) Essa atividade essencialmente humana parece despontar de uma necessidade, ou mesmo de uma habilidade inata das pessoas, que há milênios lançam mão de contos antigos ou contemporâneos para expressar o Eu. Aqueles que ao longo da história eram costumes da tradição oral, no mundo pós-moderno são uma forma de reencontro. O mesmo Eu violado pela massificação e coisificação é também idolatrado pelas exigências egocêntricas da sociedade. Neste movimento pendular, o indivíduo busca um ponto de equilíbrio e quer viver sua identidade com liberdade e espontaneidade.

7 7 Nos contos de fadas acham-se gravadas ideias infinitamente sábias que durante séculos se recusaram a se deixar mutilar, desgastar ou matar. As idéias mais persistentes e sábias estão reunidas nas teias de prata a que chamamos contos. Desde a descoberta do fogo, os seres humanos se sentem atraídos pelos contos místicos. (ESTÉS, 2005, p. 11) Diga-se também que o fogo em si parece mesmo exercer uma espécie de fascínio. Regina Machado (2004, p. 34) escreve sobre a ritualística que cerca a contação de histórias ao redor das fogueiras: Imagino que, desde sempre, toda vez que um ser humano se senta à beira de uma fogueira numa noite escura e pára de pensar em circunstâncias exteriores, deixando-se entreter pelo vaivém das labaredas, alguma coisa especial acontece. Não é por acaso que o momento de contar histórias está ligado na nossa memória com a presença de algum tipo de fogo. Antigamente a fogueira, o fogão a lenha, o lampião aceso na porta da casa, ou as velas, reuniam as pessoas em torno de aconchego da semi-escuridão. Momento propício para o descanso depois do trabalho, para se vaguear pelas sombras e mistérios da noite, à vontade, deixando as palavras soltas passeando à toa pelos causos, pelos assombros, pelas perguntas sem respostas, pelos fatos engraçados, pelas dificuldades da vida. O cintilar das labaredas durante a noite parece compor o cenário original e perfeito para a contação de histórias. Em várias culturas existem regras para este ritual de narração de histórias, que agrega restrições a partir de crendices populares. Paul Sébillor informa que os velhos irlandeses têm repugnância de contar estórias de dia porque traz infelicidade. Os Bassutos africanos crêem que lhes cairá uma cabaça ao nariz ou a mãe do narrador transformar-se-á numa zebra selvagem. Os Sulcas da Nova Guiné acreditam que seriam fulminados pelo raio. Os Tenas, do Alasca, contam estórias de dia, mas o local deve estar na mais profunda obscuridade. Essa interdição é a mesma em Portugal e na Espanha [Haiti], decorrentemente para o continente americano [Brasil]. Quem conta estórias de dia cria rabo de cotia. (CASCUDO, 2006, p. 229)

8 8 Ainda sobre o ritual da contação, é preciso registrar que, além do fogo e do turno favorável para o contar, há também o ritual do fazer com as mãos. A manipulação de algum tipo de artesanato enquanto se ouve e se conta histórias é uma prática milenar. Walter Benjamin (1980, p. 62) destaca a importância deste ritual. Narrar histórias é sempre a arte de as continuar contando e esta se perde quando as histórias já não são mais retidas. Perde-se porque já não se tece e fia enquanto elas são executadas. Quanto mais esquecido de si mesmo está quem escuta, tanto mais fundo se grava nele a coisa escutada. No momento em que o ritmo do trabalho o capturou, ele escuta as histórias de tal maneira que o dom de narrá-las lhe advém espontaneamente. Assim, portanto, está constituída a rede em que se assenta o dom de narrar. Hoje em dia ela se desfaz em todas as extremidades, depois de ter sido atada há milênios no âmbito das mais antigas formas de trabalho artesanal. Essa imagem lembra Dona Benta, personagem contadora de histórias do Sitio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato. Entre linhas e crochês contava, ou ainda conta, histórias para os netos Narizinho e Pedrinho. A poesia Mulher Pampeana, de Odilon Ramos, também diz: Nestes serões solitários / entre agulhas de costura / e velhos livros que li / fui alinhando as idéias / alinhavando verdades / até que um dia entendi./ Sou a história repetida [...]. Charles Perrault também remontou a mesma imagem artesanal no livro Contos da mamãe gansa, em que a ilustração da capa é uma fiandeira, um costume europeu essencialmente feminino, imbuído da vocação materna de tecer vidas. Também remete às Parcas da mitologia pagã, deusas que teciam a vida dos homens. De ascendência discutível, elas podem ser filhas de Zeus e de Têmis e até da Necessidade e do Destino. As três deusas Nona, Décima e Morta eram

9 9 chamadas de Parcas pelos romanos; e de Moiras na mitologia grega, nomeadas de Cloto (fiar em grego), Lachesis (sortear em grego) e Atropos (inflexível em grego). Na pintura intitulada Alegoria 2, de John Melhuish Strudwick, datada de 1885, as três irmãs aparecem tecendo o fio da vida. Cloto é representada vestida com uma longa roupa de diversas cores, com uma coroa formada por sete estrelas, e segurando uma roca que desce do céu à terra (COMMELIN, 1941, p. 96). Para os gregos, eram cegas e confundidas com demônios por conta do poder que detinham sobre a vida dos homens. Para os romanos, eram fiandeiras, cada uma responsável por uma fase da vida humana: Nona cuidava do nascimento; Décima se ocupava da vida cotidiana e do casamento; já Morta era a responsável por cortar o fio vital. Como Perrault tinha objetivos formativos com a literatura, focando especificamente nas jovens moças, poderia estar entre suas intenções aproveitar a imagem da fiandeira para transmitir ideias de que o destino feminino era a família. No poema épico grego Odisseia, de Homero, também existe o elemento mágico do poder da vida e da morte. No enredo do poema, Calipso cuida de Ulisses (Odisseu) depois de um naufrágio até aprisioná-lo nas teias da sedução. Como deusa tecelã passava os dias a tecer e insistir na conquista de Ulisses, sem sucesso. Mesmo com muitas ritualísticas e imagens que remetem à contação de histórias e, consequentemente, aos contos, ainda assim vários pesquisadores debruçados sobre a cronologia dos contos são cautelosos no apontar a matriz, o hipotexto sobre o qual fala o francês Gérard Genette, teórico da literatura. Alguns deles chegaram a tecer teorias a respeito, mas não é uma tarefa fácil, ou talvez 2 STRUDWICK, John Melhuish. Alegoria óleo sobre tela, 42,5 cm x 72,4 cm. Tate Gallery.

10 10 possível, encontrar o início deste novelo. De consenso, apenas a ideia de que a origem dos contos reside numa construção coletiva: Os contos tradicionais, cuja origem parece encontrar-se nos mitos primitivos, que por muitos séculos orientaram os homens em sua busca de conhecimento do cosmo e de si mesmos, não são obra de um só autor. Resultam da produção coletiva de um povo que os cria a partir das representações de seu imaginário coletivo e, ao mesmo tempo, encontra neles o alimento para nutrir esse mesmo imaginário. (MATOS & SORSY, 2005, p. 2) Nesta busca pela gênese, o investigador se depara com vários contos semelhantes, pelo menos na essência, em diferentes partes do mundo. Essa unidade pode ser decorrente daquilo de uno que está no ser humano, independentemente da etnia, cultura ou diferenças de toda ordem, inclusive físicas e religiosas. A unidade de sentimentos, angústias, dores, amores... Todos os seres humanos possuem conflitos, demandas, necessidades físicas e psicológicas comuns talvez resida aí um processo unificador. No final de uma contação de histórias os ouvintes, que nem se conhecem, são capazes de comungar de sentimentos e valores comuns, a partir da força da palavra. Com essa recuperação da memória ancestral, uma grande descoberta é feita: apesar da diversidade de suas regiões de origem e das enormes diferenças de cultura entre os povos que as criaram, essas várias narrativas primitivas apresentam enormes semelhanças de motivos, argumentos, tipos de personagens, tipos de metamorfoses etc., semelhanças essas que só poderiam ser explicadas pela existência de uma fonte comum, que as pesquisas acabaram por localizar na Índia, milênios antes de Cristo. (COELHO, 2003, p. 100) Muito discutida durante o século XX, a teoria do arquétipo foi alvo de estudiosos que acreditam em outro fator unificador dos povos. Os arquétipos são

11 11 conceitos muito antigos, comuns para todos os seres humanos independentemente da cultura e da geografia. C. G. Jung utilizou o conceito para designar símbolos, figuras e imagens comuns a toda a humanidade (ao inconsciente coletivo) e encontradas tanto nos sonhos como nos mitos, fábulas etc., que tornam possível aos homens a compreensão das estruturas fundamentais sempre presentes no processo de desenvolvimento individual. (HERDER, 199-, p. 24) Esta linha de pensamento poderia ser uma das explicações para a intrigante dúvida sobre a existência de um cerne semelhante para os contos em várias partes do mundo, numa época em que: [...] a comunicação se dava de pessoa para pessoa e os povos que receberam tais narrativas viviam distanciados geograficamente, separados por montanhas, rios, mares, em um tempo em que as viagens eram feitas a pé, ou a cavalo ou em barcos toscos... Isso prova a força da Palavra como fator de integração entre os homens. (COELHO, 2003, p. 31) Mas há outras linhas, como a de Andrew Lang 3, que coloca os contos como anteriores aos mitos. As ideias de Lang foram desenvolvidas por Paul Saint-Yves, criador da Teoria Ritualista, que acredita que a origem dos contos está nos rituais de iniciação, celebração e outras cerimônias de povos arcaicos. Esta ideia também é defendida pelo folclorista russo Vladimir Propp, contemporâneo do movimento formalista. Outro estudioso, o alemão Max Muller, defendeu a teoria de que os contos populares teriam se originado de mitos cosmológicos arianos da Índia préhistórica (MACHADO, 2004, p. 158). Nelly Novaes Coelho (2003) destaca algumas teorias afirmando que os contos maravilhosos, frutos da cultura popular, teriam suas origens nos mitos. Para 3 Um dos fundadores da Folklore Society em Londres, em 1878.

12 12 ela, Chapeuzinho Vermelho teria relação com o mito grego Cronos. Este engole seus filhos que conseguem escapar do seu estômago e retomar a vida. Uma pedra com o peso semelhante ao das crianças foi colocada dentro do estômago de Cronos para substituí-los. A semelhança entre a história e o mito se dá apenas no ato de devorar. Cronos em grego deriva de Saturno e é o Tempo. Cronos é normalmente relacionado ao devorador de vidas, para as quais o tempo é implacável. Barba azul remete à lenda do tesouro de Ixion, da mitologia grega. Nesta história, Ixion mata parte dos convidados do banquete para o casamento com Dia, filha de um poderoso rei. Ixion também é pai do centauro, meio homem meio cavalo. Na arqueologia dos contos populares não é possível lançar mão da precisão para apontar as primeiras histórias. Entretanto, inspirada em Leonardo Arroyo (1988) e principalmente no livro O conto de fadas de autoria de Coelho (2003) é possível rascunhar uma breve linha do tempo dos contos maravilhosos. Arroyo (1988, p ) aproveita o estudo de Jean de Trigon no livro Histoire de la litérature enfantine e apresenta um arranjo sinótico da cronologia da literatura, para ele, infantil. No início do resumo está a expressão tradição oral, onde tudo começou. Mas o autor não se aprofunda neste elemento. Apenas cita que estes são os fundamentos orais. Arroyo (1988) passa então para as Fábulas, e remete à gênese oriental com Pantcha-Tantra, Hitopadexa (que quer dizer instrução útil), Calila e Dmina, As mil e uma noites e Ramayana. Este último é um poema sagrado hindu, com versos, atribuído ora a autor desconhecido, ora ao poeta Gosvami Tulsidas. Foi escrito em homenagem ao Rama, avatar do Deus Vishnu e aproveita as histórias para ensinar. As narrativas em sânscrito seriam, em uma linha de pesquisa, a fonte materna de todos os contos. Alguns pesquisadores apontam para histórias escritas

13 13 com o objetivo de educar os príncipes hindus com conhecimentos sobre ética, sociedade e política. Aliás, estes três temas tão debatidos na pós-modernidade, podem indicar um dos motivos pelos quais os contos são tão atuais. A necessidade de uma sociedade justa é urgente em qualquer época. [...] o erudito alemão Theodor Benfey ( ), depois corroborado pelo folclorista E. Cosquin, acreditava que a maioria dos relatos populares do mundo inteiro havia se originado na Índia, por volta do século IV d.c., numa coleção de contos e fábulas, denominados Panchatantra 4. (MACHADO, 2004, p. 157) As mil e uma noites representa a mais importante obra do fabulário oriental. Os contos refletem uma cultura diferente da cristã e discutem a questão feminina. A narradora Sherazade (a grafia varia) usa a palavra como um ato vital e escapa da morte através da narração de contos. A história relata que o rei Shariar perdeu a confiança nas mulheres depois de ser traído pela esposa. Ele decide desposar uma virgem diferente a cada noite e manda matá-la na manhã seguinte. Até que chega a vez de Sherazade, que aceita o desafio de se tornar o caminho da libertação do rei. Ela conta histórias durante mil e uma noites, sempre instigando a curiosidade dos ouvintes e ocultando algum elemento que precisa ser desvendado na noite seguinte. Sherazade encontrou nas histórias a única maneira de salvar sua vida e de romper com o ciclo assassínio de seu marido sultão. Usou a estratégia da palavra e os enredos fantásticos para garantir o interesse dos ouvintes. As mil e uma noites parece revelar a ideia de mise en abyme, em que um conto, se desdobra em outros contos, numa metaficção. Em uma das noites, senão a mais importante, Sherazade conta a própria história: em que o sultão casa e mata 4 Três grafias diferentes foram encontradas: Pantschatantra, Panchatantra e Pantcha-Tantra. As três são usadas nesta dissertação observando a grafia apresentada por cada autor. Essa coletânea é formada por cinco livros: Perdendo Amigos, Ganhando Amigos, Corvos e Corujas, Perdas e Ganhos e Ação mal-pensada.

14 14 sua esposa no dia seguinte, numa vingança pela traição que recebeu da primeira esposa. Sherazade se coloca na história e afirma que o sultão não conseguiu assassiná-la. Neste esforço circular e infinito, Sherazade acaba com o processo de sacrifício que abatia todas as virgens do reino. Garantiu o espaço para a vida não apenas dela, mas de outras que viriam ocupar o lugar vago caso ela fosse assassinada. Ela desafiou o poder instituído na figura e no rancor do marido, vencendo a luta de vida e morte apenas com a arma da palavra. Coelho (2003) remonta outra gênese e afirma que o texto do conto mais antigo do mundo data de cerca de anos e os registros apontam para o Oriente Médio: Arqueólogos franceses e ingleses, no século XIX, encontraram no Iraque e na Síria tabuinhas de argila com a escrita cuneiforme, datadas de mais ou menos cinco mil anos atrás. Quando essa escrita foi decifrada no final de 1800, revelou a longa epopeia do rei Gilgamesh contada em versos pelos sumérios, depois pelos babilônios e assírios na Mesopotâmia. Sabe-se que mitos de outros povos posteriores, como egípcios, gregos e persas, contêm elementos identificados como partes da lenda de Gilgamesh. (PEINADO, citado em MACHADO, 2004, p. 156) Outros indícios apontam para o Egito, na época do Império Novo, entre 700 e 1500 anos a.c, entre a XVIII e a XXV dinastias. [...] o conto mais antigo que se tem notícia foi escrito no Egito pelo escriba Anena para o filho do faraó em um manuscrito em papiro há mais de três mil anos. É a história de Anpu e Bata. (MACHADO, 2004, p. 173). Este é apontado pelos estudiosos como texto fonte para o episódio bíblico José e a mulher de Putifar. Uma versão brasileira foi encontrada por Camara Cascudo no Rio Grande do Norte, A princesa e o gigante.

15 15 Também à mesma época é atribuída a obra de Somadeva, que no ano de 1200, compilou grande parte da literatura popular indiana numa obra chamada Katha Sarit Sagara [O oceano da corrente de histórias] (MACHADO, 2004, p. 173). Seis séculos antes de Cristo, há o registro em árabe da coletânea indiana para adultos Calila e Dmina, dois chacais antropomorfisados que abrem o enredo com fins formativos. São três livros sagrados da Índia Oriental usados para pregar o budismo: Pantschatantra, Mahabharata e Vischno Sarna. A partir de metáforas, ensinavam por parábolas, assim como Jesus. O texto original está em sânscrito, língua clássica da Índia antiga que influenciou praticamente todos os idiomas ocidentais. A versão persa foi perdida, e existe uma versão hebraica no século XII e versões latinas e italianas no século XVIII. Da Índia também saiu O livro dos enganos das mulheres Sendebar, que foi amplamente divulgado, bem mais tarde entre os séculos IX e XIII em toda Europa. É uma coletânea em sânscrito, com visão desabonadora das mulheres. Este tema deu origem aos contos maravilhosos como Simbad, o marujo e Ali Babá e os 40 ladrões, que ficaram famosos a partir do século XVIII. À mesma época de Calila e Dimna, é atribuída a vida de Esopo. As fábulas de Esopo e as latinas do seu discípulo Fedro eram narradas em língua romance, um idioma entre o latim e as línguas modernas como francês e português. O lendário Esopo foi um personagem quase mítico do século VI a.c. (foi citado por Heródoto em sua História, por Aristófanes, Platão, além de diversos filósofos e autores gregos. Existe o texto biográfico de La Fontaine, Vie de Esope Le Phrygien, e uma biografia romanesca, A Vida de Esopo, produzida em 1490 pelo monge bizantino Planude). Sabe-se que ele foi um escravo libertado por seu último senhor, Xanto. Embora tivesse uma aparência estranha consta que era corcunda possuía o dom da palavra e a habilidade de contar histórias onde os personagens eram animais, e invariavelmente terminavam com tiradas morais. Já no século V

16 16 a.c., as fábulas de Esopo eram editadas e citadas por vários autores. Resistindo ao tempo mais de dois mil anos - as Fábulas de Esopo inspiraram La Fontaine e foram objeto de milhares de citações através da história. (ESOPO, 2007, contracapa) Os Isopetes (traduzida como Fábulas de Esopo, 2007), de Esopo, é a coletânea mais famosa na época medieval e tornou-se fonte para narrativas populares. São 27 fábulas satíricas em que a raposa luta contra o lobo Ysengrin, uma paródia da sociedade francesa. Já na Idade Média, boa parte do conteúdo dos contos que surgiram retrata a barbárie da época. Sob as ordens de Gêngis Khann, os tártaros promoviam carnificinas. Foi nessa época, entre a desintegração do Império Romano do Ocidente, no século V (em 476 d.c.) e o fim do Império Romano do Oriente, com a Queda de Constantinopla, no século XV (em 1453 d.c.), que as histórias falavam dos tártaros antigos e temidos, chamados de Oigours, os ogros primitivos e ferozes dos contos de fadas. No rastro das invasões dos bárbaros, a Baixa Idade Média na Gália (Bélgica, França, Alemanha e Itália), Bretanha (Grã-Bretanha), Proença (França) recebem a influência da cultura dos celtas. Os celtas surgiram cerca de a.c, formaram um povo que não construiu impérios e se destacaram pela visão espiritualizada, misteriosa e sensível. Foi pelo encontro da espiritualidade misteriosa dos celtas com a cultura bretã e germânica que, nas cortes da Bretanha, França e Germânia, as novelas de cavalaria se espiritualizaram (ciclo arturiano); surgiram os romances corteses, o mito do filtro do amor (tomado por Tristão e Isolda ); as baladas, os lais (cantigas de amores trágicos e eternos) e a histórias de encantamento, bruxedos e magias, que, com os séculos e por longos e emaranhados caminhos, se popularizaram e se transformaram nos Contos de Fadas da Literatura Infantil Clássica. (COELHO, 2003, p. 47)

17 17 Na sequência desta época, consta como texto fonte o poema Beowulf, do século VI, épico da Europa anglo-saxã e nórdica, com origem nas ilhas britânicas. O poema, marco da literatura medieval, relata as vitórias maravilhosas e sombrias de Beowulf nas lutas sobre um gigante e um dragão. O gigante antropófago Grendel se rende à força de Beowulf, mas o fere gravemente. Beowulf é curado e muda para outra região, cenário de nova luta, desta vez contra o dragão de fogo. Beowulf vence o dragão, mas não resiste aos ferimentos. Já com mais traços celtas e bretões, surgem os quatro poemas narrativos de Mabinogion, do século IX um dos mais antigos documentos da poesia primitiva céltico-gaulesa estão na origem da matéria bretã das novelas de cavalaria do ciclo do rei Artur. Entre os temas abordados estão nascimento, casamento e conflitos. No século X (1135), surge em latim a História dos Reis da Bretanha, escrita pelo monge Geoffrey de Monmouth, que se baseou no texto Histórias Bretãs, escrito no século VIII por Nennius. Nesta história aparece a fada Viviana, a Dama do Lago. Também cita o sábio Ambrósio, grande mestre da Astrologia, que em novelas subsequentes se transforma no mago Merlin. São os lais bretões, que contam os feitos do Rei Artur e seus cavaleiros, damas e amores. As novelas de cavalaria podem ser citadas como um dos capítulos mais belos dos contos maravilhosos: Entre as formas inaugurais que maior fortuna tiveram como parte de novas criações literárias, está a novela de cavalaria. Surgiu entre os séculos XI e XIV transformando-se em um dos gêneros literários mais importantes da Idade Média. Suas raízes estão na Ordem da Cavalaria, fundada na França, no século XI, por uma elite de nobres cristãos que, obedecendo a um rígido código de honra e de heroísmo físico e espiritual, dedicavam suas vidas a combater os infiéis [...]. (COELHO, 2003, p. 44)

18 18 As histórias dos cavaleiros relatavam façanhas reais ou fictícias que entretiveram a aristocracia feudal, primeiramente, e com o passar dos séculos se tornaram literatura popular. No panorama literário, as novelas de cavalaria tiveram três ciclos, ainda a partir de Coelho: a) Carolíngeo (séc. XI): são as canções de gesta, breves poemas épicos que surgem na França Medieval, falam do ideal guerreiro e relatam feitos notáveis (em latim) de Carlos Magno e seus cavaleiros. A mais famosa é Canção de Rolando ( La chanson de Roland ) que relata a histórica batalha de Roncesvalles com o acréscimo de detalhes ficcionais; b) Bizantino (séc. XII): falam de política, amores proibidos e guerras sangrentas. A mais famosa é Florius e Brancaflor. Uma história de amor que começou na infância e sobreviveu diante de sacrifícios e enredos labirínticos. c) Céltico-bretão (séc. XII): fusão da ordem da Cavalaria com fontes célticas e bretãs, ligadas à magia e a espiritualidade. As histórias falam de aventuras românticas, bélicas e místicas. A eles também é creditado o amor total de doação e grandeza de alma. Foram os celtas bretãos os primeiros a engrandecer a mulher. Cavaleiros ligados ao Rei Artur relatavam suas proezas sobre-humanas e seus romances com damas como Viviana e Morgana (nomes das primeiras fadas registradas pelos celtas). Aqui, vale pontuar o papel das fadas para os contos maravilhosos, que inclusive se apropriam do termo para designá-los. Fada, em latim, quer dizer destino. Também compreendidas por damas de poderes mágicos, e ligadas a rituais religiosos, as fadas são simbolicamente tidas como duais, assim como as mulheres. Podem encarnar o bem ou o mal, neste último caso, encontramos as bruxas. As bruxas permeam enredos como as histórias de A Branca de neve e O mágico de

19 19 Oz. Esta última pertence à cultura popular americana e o registro é atribuído a Lyman Frank Baum. O mágico luta contra as temíveis bruxas, e assume um personagem de bruxo, hábil nos truques, como estratégia de proteção. Outro exemplo representativo da inserção da fada no enredo da história está em Cinderela. No conto popular a moça órfã é ajudada por uma aliada fantástica, a fada-madrinha. Com sua varinha de condão, ela faz aparecer um vestido com sapatos de cristal e uma carruagem com cocheiro, para que Cinderela pudesse ir ao baile em que conheceu o príncipe. As fadas representam a mediação entre o homem e sua felicidade e são criaturas frequentemente ligadas à magia e ao mistério. Nesta citação do Dicionário de Símbolos, elas se confundem com as Parcas tecelãs do destino já descritas anteriormente. [...] a fada simboliza os poderes paranormais do espírito ou as capacidades mágicas da imaginação. [...] e representa a capacidade que o homem possui para construir, na imaginação, os projetos que não pôde realizar. [...] Elas estreitam os desfazem os nós do psiquismo. [...] Em geral em grupos de três, as fadas puxam do fuso o fio do destino humano, enrolando-o na roca de fiar e cortam-no com suas tesouras, quando chega a hora. (CHEVALIER, 2007, p. 415) Os nós do psiquismo, muitas vezes, parecem impossíveis de desatar por seres humanos, pela natureza terrena e também pela finitude de suas existências. Nos contos, as fadas participam como elemento imaterial, divino e perpétuo. A possibilidade de olhar para o contexto a partir desta condição ausenta o ouvinte dos limites impostos para a análise racional, e assim permite novas conexões afetivas e mentais. Além disso, há uma projeção idealística na vontade de viver sem limites, especialmente os ligados à natureza humana. Na imaginação, tudo é possível. Este

20 20 aspecto da sensação de liberdade ficcional também é observado no cinema e na literatura escrita. Voltando à cronologia: a matéria novelística bretã se espalha pelo mundo todo divulgando o amor cortês. No século XII, na corte de Luis XVII os trovadores também cantam este novo amor. Guilherme de Poitiers foi o mais antigo trovador provençal. A neta dele, Alienor (mãe de Marie de France), é apaixonada pelas artes e protetora de poetas e artistas. Ela casa com Henrique II e se torna Rainha da Inglaterra. Alienor pede ao monge Wace para traduzir do latim para o francês a História dos Reis da Bretanha, citada anteriormente, e a tradução francesa ganha o nome de Romance de Brut. A filha Marie, já adulta, torna a corte um centro cultural e cria os Lais de Marie de France. De acordo com Coelho (2003) esses lais são: a) Lai de Fresno Grisélidis romance bretão de origem celta que retrata um exemplo de sociedade matriarcal; b) Lai de Laostic Rouxinol fala do caráter mau do marido, origem do conto Barba Azul ; c) Lai d Yonec origem da Rapunzel ; d) Lai de Perceforest por influência da Igreja as histórias começam a falar da gravidez imaculada, isto é, concepção sem prazer; e) Lai de Guingamor destaca a passagem do tempo em dimensão mágica, comum aos contos orientais; f) Lai de Lanval as fadas encantam e seduzem, como Circe, de Ulisses e Sereiazinha, de Hans Christian Andersen; g) Lai de Tiolet tema do roubo da glória do vencedor, pertencente à mitologia grega.

21 21 São poemas, novelas e romances reconhecidos como expressão das células líricas das novelas arturianas e de muitos contos de fadas que se tornaram famosos. Esses lais foram um capítulo importante da literatura da época, porque: expressam a nova visão de mulher, do amor e de um mundo misterioso em que objetos têm vida, as fadas e os magos reinam, os animais falam, os homens se transformam em animais, os heróis realizam feitos sobre-humanos e no qual existem filtros do amor. Contra a brutalidade dos tempos medievais, iniciava-se uma época de tendência humanizante e espiritualizada. (COELHO, 2003, p. 54) Os lais criaram um novo conceito que gerou uma atmosfera idealizante nas cortes do sul da França. Os lais eram propagados pelos trovadores e jograis em duas formas: as cantigas de amor em que o homem canta para sua amada inacessível; e as cantigas de amigo falam de mulher e amor carnal. É quando a literatura reinventa o amor: Por meio da literatura, propagava-se o ideal do Amor Cortês, cuja vivência era regida por um verdadeiro código de atitudes e emoções, Amor perseguido como o alto ideal de plena realização existencial do ser amante (COELHO, 2003, p. 55). Denis Rougemont afirma que essa época atribui uma nova face à cultura ocidental. O início do século XII, com o pleno triunfo do amor cortês (que impôs um estilo às paixões), é a época em que começa o reino da Dama e que, na verdade, haveria de formar a alma do Ocidente e fixar definitivamente os traços de sua cultura (citado em COELHO, 2003, p. 55). Em latim, o clérigo André-o-Capelão escreveu o Tratado do amor, estabelecendo conceitos ideias para as relações entre homens e mulheres, que influenciaram as cortes europeias. Entre elas estão: o exercício do Amor melhora o homem e a mulher, e os obstáculos encontrados só fazem exaltar-lhes a nobreza e

22 22 o valor; a dama enobrece o Cavaleiro ao pedir que ele se submeta a duras provas, para merecer seu amor (citado em COELHO, 2003, p. 55). Desta maneira é possível concluir que as raízes do novo espírito amoroso (valorização da mulher) são formadas pela religiosidade dos celtas (mágica com mulheres sobrenaturais e fadas) e pela religiosidade cristã (simbolizada no culto à Virgem Maria), por meio da literatura. Segundo Coelho (2003), o romance cortês é de origem bretã e substituiu as canções de gesta. A origem escrita está em Chrétien de Troyes (escritor medieval) que traduziu para o francês Metamorfoses e a Arte de amar, do romano Públio Ovídio Nasão. Ele estudou as versões populares das lendas arturianas. No período de transição entre o latim e o francês, o povo falava o francien, língua romance, considerada língua vulgar. Estimulado por Marie de France, Troyes recolheu do povo a matéria-prima e escreveu o que chamou de dois romances: Erec e Enid (1168) e Cligés (1170). Nos romances, Troyes mescla amores mágicos, sensualidade e o culto à dama, mesmo que acima da honra. Estes textos registram o mito/arquétipo do nascimento do herói. Especificamente no título Tristão e Isolda há uma fusão da magia dos celtas e a cristandade dos bretões, essência da simbologia dos contos de fadas. Os livros são tidos como material com conteúdo educativo e moralista. No século XII surgiu Disciplina Clericales, um livro com 30 fábulas/contos recheados de moralidade, retirados de Calila e Dimna e escritos pelo judeu Pedro Alfonso. O Livro das maravilhas, do fim do século XIII, é uma obra do beato Raimundo Lulio, escritor catalão. O texto serviu de modelo literário para a novelística popular dos séculos XIV e XV. O livro de Petrônio ou Conde Lucanor (1335) foi

23 23 escrito por Dom Manuel. É uma obra elogiadíssima, em prosa da narrativa medieval, e teve vários episódios absorvidos pela literatura folclórica. Já o Livro dos exemplos (séc. XIV) é formado por 300 contos escritos na Espanha por Clemente Sanchez. O Livro dos gatos (séc. XIV) contém 58 fábulas satíricas que falam das feridas da sociedade medieval. Como literatura moralizante para fins cristãos, vários contos foram traduzidos para o latim pelos monges. Este traço virá, mais tarde, permear as intenções de escritores na França de Luís XIV, na segunda metade do século XVII. Jean de La Fontaine, Perrault, Mme. D'Aulnoy e Fénelon são exemplos da produção de literatura moralizante dirigida aos jovens. Mme. D Aulnoy registra A Bela e a Fera em uma trama que começa com o roubo de uma rosa do jardim de um castelo pelo pai de Bela. A Fera, dona da rosa fez o pai prisioneiro pelo roubo. Bela pede à Fera que o pai seja libertado, pois está velho, e vai morar com Fera em seu lugar. Eles ficam amigos e chegam a dançar no castelo, na companhia de todos os objetos que se animam. Ao voltar de uma visita ao pai, Bela encontra Fera doente. Ela chora e pede que ele não morra. Bela dá um beijo de amor e vê Fera se transformar em príncipe. Ele conta que foi encantado por uma bruxa e que o feitiço tinha se desfeito pelo amor de Bela. Eles se casam e vivem felizes para sempre. Lições como: a aceitação pela imagem diferente ou a aceitação do feio pode ser recompensada (bem próprio do cristianismo) e a, também, recompensa pelos sacrifícios feitos pela família (um dos mandamentos para os cristãos) ficam evidentes nesta história. Na sequência cronológica proposta por Arroyo (1988, p ) seguem Giulio Cesare Della Croce ( ) e o personagem humorístico Bertoldo. Giovanni Francesco Straparola de Caravaggio traz pela primeira vez O gato de

24 24 botas no livro Le XIII Piacevoli Notte, publicado em Esta história tem origem incerta, mas consta do folclore de inúmeros países. No enredo, o filho recebe de herança um gato, este único bem tido como o infortúnio na partilha. Entretanto, mais que carne e couro, o gato provou ser capaz de oferecer riquezas ao seu dono. A astúcia do gato é tema constante neste texto, o que remete à atitude do Macaco, personagem central de uma das histórias pesquisadas nesta dissertação e que será analisado no capítulo 3. Logo, Giovanni Battisti Basile apresenta ao mundo A gata borralheira, A bela adormecida no bosque e Branca de neve, em Conti de Conti. Sob influência portuguesa e árabe, Gonçalo Fernandes Trancoso publica em 1575 os Contos e histórias de proveito e exemplo. Em 1668, La Fontaine já entra na cena literária e a partir daí a cronologia se aproxima muito da descrita por Coelho, que segue. Exceto em alguns pontos, a saber, conforme escrito por Arroyo (1988): a) Madame D Aulnoy cita pela primeira vez na literatura contemporânea o termo fada, em Contes de Fées. Tema mais tarde aproveitado também por Mademoiselle De La Fore, em Lês Fées; Condessa de Murat, em Nouveaux Contes de Fées; Madame Leprince de Beaumont, com Lê Magasin dês Enfants e Contes Moraux e Florian. b) Depois das publicações de Andersen, Carlo Lorenzini Collodi ( ) traz Aventuras de Pinóquio. c) O escocês James M. Barrie ( ) encanta com Peter Pan. Arroyo (1988) atribui a história ao espírito nonsense, expressão inglesa que quer dizer sem nexo, algo como um humor sem sentido. Mas é preciso salientar que o enredo de Peter Pan é muito maior do que essa humilde descrição de Arroyo. E para esta análise, seria possível reservar uma nova pesquisa de dissertação. Em resumo, é

25 25 possível citar temáticas instigantes do enredo, como a recusa do personagem Peter Pan a crescer, os elementos que formam a Terra do Nunca (a Síndrome de Peter Pan descrita pela Psiquiatria), o papel da menina Wendy como mãe, a fada Sininho, a maldade de Capitão Gancho e a imagem espelhada no pai de Wendy, entre outros desdobramentos. No século XVI, durante o Renascimento ou Tempos Modernos, alguns autores ainda se inspiram nos ares mágicos da novelística de cavalaria: William Shakespeare, Ludovico Ariosto, Torquato Tasso e Luís Vaz de Camões utilizam, inclusive, a figura da fada. Rainha Mab, em Romeu e Julieta; Andrônica, Melissa e Carandina, em Orlando Furioso; fada Armida, em Jerusalém libertada; e as ninfas que recebem os portugueses em Os Lusíadas. Com o tempo, todo esse maravilhoso, que nasceu com um profundo sentido de verdade humana, foi esvaziado de seu significado original e, como simples envoltório fantasioso e estranho, transformou-se nos contos maravilhosos infantis. O início dessa transformação deu-se, historicamente, com Charles Perrault. (COELHO, 2003, p. 74) Perrault era poeta e intelectual destacado na Corte de Luis XIV. É considerado o precursor da literatura infantil, mesmo sem querer, porque o objetivo dele era resgatar da memória popular elementos para sobrepor o gênio francês ao gênio antigo dos gregos e romanos. Ou seja, defendia os modernos franceses acima dos clássicos antigos latinos, considerados modelo para a criação literária. Ao mesmo tempo, achou por bem usar os contos para colaborar na formação moral dos jovens, especialmente as meninas. Ele recolheu da cultura popular oito histórias, no livro Contos da mãe gansa, apresentado em São eles: a) La Belle au Bois Dormant : A bela adormecida no bosque ; b) Le Petit Chaperon Rouge : Chapeuzinho vermelho ;

26 26 c) La Barbe-Bleue : O barba azul ; d) Le Maître Chat ou Le Chat Botté : O gato de botas ; e) Les Fées : As fadas ; f) Cendrillon ou La Petit Pantoufle de verre : A gata borralheira ; g) Riquet à la Houppe : Henrique, o topetudo ; h) Le Petit Poucet : O pequeno polegar. Com esta obra, em que a mãe gansa é contadora de histórias para os filhotes, surge a literatura infantil conhecida como clássica. Perrault se empenhou em resgatar a literatura folclórica francesa preservada na memória popular e participou ativamente da causa feminista, liderada pela sobrinha Mlle. Héritier. Nesta época, teve início um movimento feminino, conhecido como Mulheres Preciosas, em que se dá a participação efetiva feminina na produção dos contos de fadas. As mulheres preciosas eram defensoras dos direitos intelectuais das mulheres. Em resposta à Molière, que escreveu comédias para satirizar o gênero, e a Boileau que escreveu Tratado do Sublime Sátira X, também contra as mulheres, Perrault resgatou e escreveu dos fabliaux 5 populares A Marquesa de Saluce também chamado de A paciência de Grisélidis 6. Três anos depois Perrault publica o conto Os desejos ridículos, com questões femininas. Logo publica a terceira adaptação de A pele de asno (1696), um conflito feminino despertado por um desejo incestuoso. Ele pretendia passar uma moral útil e aplicável à sociedade daquele tempo. Nos idos de 1697, a guerra aquecia os ânimos na Europa. A França lutava contra vários países, inclusive Espanha e Holanda na Guerra dos Nove Anos. Na 5 Poemas narrativos breves, muito famosos no folclore francês. Jocosos e mordazes e, na maior parte, grosseiros na crítica de costumes que expressam. (COELHO, 2003, p. 132) 6 Uma nouvelle, isto é, narrativa que pode ter acontecido em qualquer lugar e época.

27 27 disputa por fronteiras, a França oscilou entre conquistas e derrotas sob territórios vizinhos, até que teve de assinar um acordo de paz no mesmo ano em que foi lançado o livro Contos da mãe gansa de Perrault. Nesta época, ainda eram executadas mulheres sob a acusação de bruxaria. Neste cenário, uma literatura formativa e estimulante era, provavelmente, bem-vinda. Entende-se aqui, literatura formativa em um nível de compreensão muito mais amplo que as funções pedagógicas. Ou seja, a formação se dá através de provocações, indagações e comparações situadas no universo imagético das histórias. Já a função didática tem um objetivo pré-estabelecido, com métodos, técnicas e formas de avaliação. A época de Perrault é marcada pelo confronto racionalismo x imaginário. Esse conflito era retratado na literatura fantasiosa dos romances preciosos, os contos de fadas para adultos. Mme. D Aulnoy escreve o romance precioso História de Hipólito (1690). Este desencadeou a moda das fadas na Corte Francesa. De 1696 a 1698, publicou oito romances. Mlle. L Héritier (sobrinha de Perrault) publica Obras misturadas e Rainha das fadas, em 1698, depois reunidos em 41 volumes do Gabinete das fadas: coleção escolhida de contos de fadas e outros contos maravilhosos, em Aqui já se distinguia entre contos maravilhosos e contos de fadas, porque o subtítulo sugere a diferenciação de duas formas narrativas. Atualmente, a obra está na Universidade da Califórnia, em Los Angeles. Este foi um tempo de ouro para os contos populares e o século XVIII marca o ápice dos contos de fadas na corte. É nessa mesma época de efervescência que o Conde Preschac publica A rainha das fadas e Jean-Antoine Galland apresenta a tradução de As mil e uma noites, com várias modificações e acréscimos, contendo 350 histórias.

28 28 Como já foi dito, a coletânea publicada em 1668 por La Fontaine, Fábulas, foi inspirada na arte metafórica de Os Isopetes. La Fontaine nasceu em 1621 na cidade francesa Château-Thierry, na região de Champagne. Abandonou a carreira jurídica, religiosa, o casamento e decidiu viver para a literatura. Segundo Martins (2003), apoiado pelos mecenas - homens ricos que apoiavam os artistas - La Fontaine se inspirou nas literaturas clássica e oriental, e a partir de Esopo, começou a reescrever fábulas. Considerado o maior fabulista da era moderna, La Fontaine publicou a série Fábulas durante 26 anos, totalizando 12 livros de contos, como O lobo e o cordeiro, A cigarra e a formiga, O corvo e a raposa, entre outros. Eis a justificativa de La Fontaine: Sirvo-me de animais para instruir os homens (citado em COELHO, 2003, p. 42). Com esta citação, La Fontaine estava destacando, com propriedade, o papel das alegorias. Alegoria, para Flávio Kothe, significa, literalmente, dizer o outro (KOTHE, 1986, p. 7). Para ele, arriscando uma simplificação, alegoria é figura de linguagem e representação concreta de uma ideia abstrata. É lançar mão de um personagem extraído da realidade possível, e atuar em uma dimensão em que o racional não domina solitariamente. No início de 1800, foi publicada na Alemanha A trompa maravilhosa, por Arnim e Brentano, um conjunto de contos recolhidos da boca de contadores de histórias, cuja fala oral não rebuscada encantava os pesquisadores pela sua autenticidade popular. (MACHADO, 2004, p. 156) No final do século XVIII e início do XIX, os irmãos Jacob e Wilhelm Grimm viveram as carreiras do Direito, da literatura e da política. Dentro da literatura, o objetivo primeiro era a pesquisa do idioma original, não propriamente as histórias. No povoado alemão de Hanau, cidade natal dos dois, conversaram com Dorotea

29 29 Viehmännin (sobrenome traduzido significa mulher que cuida do gado ), uma idosa que lembrou mais da metade do material que recolheram. Adelino Brandão (1995) explica que a primeira edição do livro Kinder und HausMärchen data de 1812, com 85 contos; ainda incompleta foi acrescida de um segundo volume dois anos mais tarde. Já em 1819, uma terceira edição, agora completa em três volumes, foi publicada. Foi nesta edição que se baseou a versão francesa, um ano depois. Mais tarde, revisada, a coletânea passou a se chamar Contos de fadas para a infância e para o lar. Os contos dos Irmãos Grimm são tidos como o mais importante pilar para a construção da literatura infantil clássica. Eles são o alicerce do processo de compilação dos contos que, atualmente, são tidos como referência. Na Introdução aos dois volumes do livro Kinder und HausMärchen os autores escrevem: Entregamos este livro a mãos benévolas; neste aspecto, pensamos na força abençoada que está nos contos, e desejamos àqueles que não concedem essas migalhas de poesia aos pobres e remediados, que essa força permaneça totalmente oculta para eles (GRIMM, vol.i, p. 19) 7. Nesta citação, como em muitas outras, é possível constatar sementes de uma linguagem afetiva. Até a ideia que se tem da palavra Conto foi influenciada pelo trabalho dos Irmãos Grimm. Como descreve André Jolles: É de costume atribuir-se a uma produção literária a qualidade de Conto sempre que ela concorde mais ou menos [...] com o que se pode encontrar nos contos de Grimm (1930, p. 182). Os Irmãos Grimm se dedicaram a registrar os contos da forma mais pura possível, recém-saída da boca do povo. Os editores do livro acima citado destacam que os autores: 7 Idem 1.

30 30 Se afastaram da tendência de seus contemporâneos, de transformar os contos numa representação (Spiel), na qual se desencadeia um individualismo romântico: eles permanecem fiéis ao ritmo escutado, que perceberam na boca dos falantes do povo. Por isso os contos de Grimm têm este tom, da maior intimidade popular; por isso eles (os contos) têm o infantil dentro de si e se deixam contar com tanta naturalidade para as crianças. (GRIMM, vol. II, p. 589) Os cristãos e intelectuais da época dos Irmãos Grimm criticaram o conteúdo violento e cruel dos contos e no segundo volume, os Irmãos Grimm retiraram os trechos mais impactantes para a sociedade. Entre os contos estão Os sete corvos, Os músicos de Bremen, A guardadora de gansos, João e Maria, Trinta fiandeiras, O príncipe sapo e O pequeno polegar. A tentativa de suavizar o conteúdo dos contos é muito criticada por autores como Fanny Abramovich, Bruno Bettelheim e a analista junguiana Clarissa Pinkola Estés 8. Estés lembra que a bowdlerização 9 mutilava os contos, fazendo com que personagens como o Barba Azul ressuscitasse as esposas que havia matado, de modo a garantir a manutenção da justiça no enredo. Os Irmãos Grimm influenciaram e ainda o fazem - gerações de escritores e contadores de histórias com o estilo popular no manejo das palavras, em fala direta com os ouvintes e leitores. A oralidade era, nitidamente, uma das preocupações dos Irmãos Grimm. Como os Irmãos Grimm, Andersen parte das fábulas de seu país. Mas enquanto os irmãos Grimm, transcrevendo as fábulas recolhidas entre narradores populares, interessavam-se em construir um monumento vivo da língua alemã numa Alemanha subjugada por Napoleão, Andersen revivia aquelas fábulas em sua memória: para ele eram apenas um modo de reaproximar-se da sua infância para resgatá-la sem 8 Foi diretora-executiva do C. G. Jung Center, em Denver e é autora dos livros Mulheres que Correm com os Lobos e A Ciranda das Mulheres Sábias. 9 Expressão veio do Sr. Bowdler, que para Clarrissa Pinkola Estés, tornou-se famoso por cortar as partes eróticas dos contos

31 31 se preocupar especificamente em dar voz ao seu povo. [...] A lição das fábulas populares, vista à luz do sol romântico, serviu-lhe para alcançar a liberação da sua fantasia e a conquista de uma linguagem apropriada para falar com crianças. (RODARI, 1973, p.49) O dinamarquês Hans Christian Andersen é chamado de O romântico e, a partir de 1835, extrapolou o mero registro gráfico das histórias oriundas do povo, intervindo no conteúdo do conto. Ele completou o acervo da literatura infantil clássica e foi considerado o primeiro a falar para as crianças com o coração. Os textos apresentavam forte influência do ideal religioso, da realidade injusta e tinham fins tristes ou trágicos, talvez influenciados pela infância vivida na Dinamarca dominada por Napoleão. Foi o primeiro a sugerir padrões de comportamento para as crianças. Maria Tatar (2004) destaca que Andersen era um homem do povo, e tal condição permitiulhe traduzir o sofrimento principalmente das crianças, reequilibrando as injustiças sociais na esfera do maravilhoso. A inspiração particular de Andersen esboçava personagens fracos e desamparados, como em: O soldadinho de chumbo, deficiente de uma perna; Patinho feio, diferente; A pequena sereia, com cauda de peixe não viveria o amor com um humano fora da água. [A Sereia] Atraída pelo mundo superior, está ansiosa para singrar os mares, escalar montanhas e explorar o território proibido. Em roupas de menino, cavalga com o príncipe, transgredindo fronteiras de gênero de maneira sem precedentes. E, a despeito de toda a sua paixão por aventura e vida e de sua natureza pagã, é uma criatura piedosa, que reluta em sacrificar a vida do príncipe pela sua própria. Para viver no mundo humano, a sereia de Andersen tem de sacrificar sua voz à bruxa do mar, uma figura diametralmente oposta à promessa de salvação eterna. O pântano em que ela reside e os ossos humanos que sustentam sua casa, tudo aponta para a mortalidade humana e a deterioração física. (TATAR, 2004, 304)

32 32 Entre outros contos de Andersen estão: Sapatinhos vermelhos, A pequena vendedora de fósforos, O rouxinol e o imperador da China, João e Maria, A rainha da neve. Paralelamente, desde o final do século XVII, as narrativas maravilhosas entram em declínio porque foram consideradas narrativas populares folclóricas e foram transformadas em narrativas essencialmente românticas, substituindo o valor mágico pela ilusão. Dessa forma, o sucesso das novelas de cavalaria, com conteúdo romântico e sobrenatural, segue até o século XVIII, quando o espanhol Miguel de Cervantes satiriza o gênero, já decadente, na obra prima da novelística universal Dom Quixote de La Mancha, em Assim, as fadas continuam em moda até o fim do século XVIII quando a Revolução Francesa inicia o Romantismo e as fadas ficam relegadas à literatura infantil. 1.2 A VOLTA DOS CONTADORES DE HISTÓRIAS Por algum tempo, fomentadores da cultura e da literatura fecharam os olhos para o conto maravilhoso, mas este não desapareceu e sobreviveu como planta sob a neve. Os contos em geral, a despeito de muitas violências, são sobreviventes, como explica Estés (2005, p. 11): [...] resta uma certeza: eles sobreviveram à agressão e à opressão políticas, à ascensão e à queda de civilizações, aos massacres de gerações e a vastas migrações por terra e por mar. Sobreviveram a argumentos, ampliações e fragmentações. Essas joias multifacetadas têm realmente a dureza de um diamante, e talvez nisso resida o seu maior mistério e milagre: os sentimentos grandes e profundos gravados nos contos são como o rizoma de uma planta, cuja fonte de alimento permanece viva sob a superfície do solo mesmo durante o

33 33 inverno, quando a planta não parece ter vida discernível à superfície. A essência perene resiste, não importa qual seja a estação: tal é o poder do conto. Enquanto França e Alemanha estavam em guerra, alguns contos foram excluídos da coleção alemã dos Irmãos Grimm. Histórias como Barba azul e Pequeno polegar integravam a obra anteriormente, mas por terem sido recolhidos pelo francês Perrault, foram extirpados e retornaram recentemente ao conjunto da obra. Com dose de poesia, Estés explica a ferramenta de manutenção dos contos: Como em outros milagres do amor sob coerção, que desafiam as maquinações da guerra e dos atos de violência, somente os contos impressos em livros podem ser banidos. O espírito impetuoso da tradição oral transpõe e transgride qualquer cerca de arame farpado. (ESTÉS, 2005, p ) A brutalidade do homem não compromete o componente essencial do próprio homem, capaz de guardar aquilo que tem valor. Talvez estejam no imaginário popular as respostas que buscamos. Esse espaço que não se abre para os desenhos em mapas, porque permanece fecundo de possibilidades e, na maioria dos casos, se resguarda no imprevisível. Esses contos, cujas raízes se perdem no tempo, trazem, ainda vivo, todo o frescor do imaginário popular, que não se detém diante de situações aparentemente insolúveis, que possam interromper ou mesmo impossibilitar o fluxo narrativo. Alçando a realidade ao mágico, rompendo regras e formas consagradas, ousando questionar a Sorte, o Divino, o Bem e o Mal, a Ética e os valores morais, essas histórias nos encantam até hoje com um humor picaresco, desfechos inusitados, a justaposição do imponderável como escolha pessoal e única do narrador. (CAMILLO, 2005, p. 11) Esta permanência dos contos de várias partes do mundo se deve, em boa dose, à narratividade. Narrar, como categoria de expressão, é uma atividade diferente de falar. Falar é para quem quer descrever, apontar, expressar algo. Narrar

34 34 é para quem quer contar, encantar, envolver, transportar para outra dimensão. Udinilson Urbano (2000, p. 35) explica como ocorre essa transposição do falar para o narrar: Certamente, o ato de narrar foi uma das primeiras manifestações sociais e uma das primeiras variantes da comunicação oral, empregada esta inicialmente apenas para comunicar necessidades: ao lado das perguntas e respostas, o relato de eventos, reais depois fictícios primeiro de maneira objetiva e enxuta, depois de maneira avaliatória, opinativa e florida ou fantasiosa; primeiro com real e imaginário separados, depois com a costura deles, deve ter sido a trajetória da arte narrativa, consolidada no que se pode denominar competência narrativa. Falar confunde-se muitas vezes com narrar. Acrescente-se a isso o talento do narrador... Ao longo da história, a própria história sobreviveu a partir da palavra, o contador, a testemunha que levou para a próxima geração os fatos que marcaram e definiram a identidade de um povo. Tzvetan Todorov, teórico russo, destaca a necessidade da narração: os acontecimentos jamais podem se narrar a si mesmos; [...] o ato de verbalização é irredutível (citado em URBANO, 2000, p. 19). Os fatos e as fantasias que trouxeram a humanidade até aqui, precisaram ser contados e recontados para se perpetuarem como verídicos ou aceitos como fantasiosos. O escritor moçambicano Mia Couto lembra que a oralidade é uma característica particular e inerente ao ser humano. Em entrevista coletiva cedida durante a Jornada Literária realizada em agosto de 2007, na cidade de Passo Fundo, Rio Grande do Sul, e registrada pelo site Portal Literal, esse escritor disse: A oralidade não é a ausência da escrita, enquanto técnica, mas é um esquema de pensamento, é uma outra lógica, outra maneira de ver o mundo. E ela comanda os por centos da comunicação, da busca da interioridade [...]. As pessoas pensam em função das histórias, não contam a história como uma ilustração, como alguma coisa simplesmente decorativa em relação ao pensamento. Elas pensam através das histórias.

35 35 Para Couto a dimensão do pensamento acontece por associações e alegorias e o indivíduo processa suas compreensões a partir de imagens mentais criadas inicialmente dentro do repertório de vida. A narração de histórias é uma atividade que se reinventa a cada ciclo e, atualmente, é redescoberta por interessados na literatura oral em várias partes do mundo. Em torno dos anos 1970, vários países foram surpreendidos por um fenômeno urbano, no mínimo curioso, numa sociedade essencialmente tecnológica: a volta dos contadores de histórias (MATOS, 2005, p. 17). Sobre um colóquio realizado na França em 1989, no Musée National des Arts et Traditions Populaires, foi afirmado por Geneviève Calame-Griaule que é tempo de chamar a atenção dos pesquisadores especialistas no conto sobre esse retorno à oralidade que responde a uma necessidade profunda de nossas sociedades (citado em MATOS, 2005, p. 18). Esta necessidade parece ter origem no contexto atual da sociedade pósmoderna, com a vida predominantemente urbana, o ritmo acelerado, as exigências e possibilidades cada vez maiores; com a tecnologia impondo a velocidade da internet, os meios de comunicação impondo modelos e oferecendo conforto e desafios a todo instante. Como descreve Stuart Hall (1998) o sujeito do Iluminismo e o sujeito sociológico cedem lugar ao sujeito pós-moderno fragmentado. Um indivíduo com identidades mutantes, inacabadas e até contraditórias, uma vez que não estão unificadas em torno de um Eu coerente e fixo. Estas identidades cambiantes entram em conflito e sentimentos de insegurança e incertezas. Agora, na vida globalizada, ainda mais que nos tempos antigos, o ser humano vive um tipo de carência pela fantasia, tanto para enfrentar a realidade quanto para estar pronto para conviver com ela, a partir da solução de suas questões pessoais e do estímulo à criatividade.

36 36 Carência de fantasia esta que não encontra solução nas antigas ou modernas mídias. Nestas circunstâncias, a oralidade e os contos de fadas chegam de manso com um ritmo cadenciado, olhares afetivos e enredos que encontram eco no ser humano individualizado e solitário contemporâneo. Parece que a crueza das relações distancia as pessoas, e o conto faz o caminho inverso, propondo o aconchego de uma história cheia de soluções rizomáticas e afetivas. É na leitura de um livro e, especialmente, ao escutar uma história (conto de fadas, conto maravilhoso, fábula, etc.) que o indivíduo reconhece sua porção humana e vivencia ali momentos de leveza e de profundidade. O encontro com o contador de histórias ocupa, de alguma forma, o lugar da família ou daquela figura que nos tempos idos era quem transmitia os contos pela tradição oral. Este retorno à oralidade é um fenômeno observado com muito vigor no Brasil e faz parte de um movimento de valorização desta vertente literária popular. No Brasil, o momento decisivo da ascensão da língua oral à categoria de literária parece estar situado na vigência da prosa romântica. A partir daí, muitos romancistas e contistas, em graus diferentes e com maior ou menor fidelidade, transpuseram, para o estilo literário elementos da língua falada. (URBANO, 2000, p. 14) Destacam-se entre esses romancistas brasileiros Dino Preti, Orígines Lessa, Raimundo Barbadinho Neto e Joaquim Mattoso Câmara Jr.. Mário de Andrade é um exemplo da prosa romântica brasileira. Em Macunaíma, o herói sem nenhum caráter, por exemplo, esse escritor investe numa narrativa fantástica passeando pelos mitos indígenas e pelo folclore amazônico com linguagem popular. Adolfo Casais Monteiro (1964) acredita que o nacionalista Andrade criou uma linguagem

37 37 própria e reinventou a literatura brasileira a partir de Macunaíma, a partir dos fortes traços da língua falada. O espaço urbano e a condição da individualidade de quem escuta são duas características marcantes deste fenômeno do retorno à oralidade e do desejo de ouvir. Nas cidades estão milhares e milhares de pessoas, muitas vezes rodeadas por outras tantas, mas ainda assim muitas vezes sozinhas, com a alma procurando algo que não se sabe muito bem o que é. Mas se supõe que as respostas, se existirem, estão no reduto da alma da humanidade, guardadas nos mitos, arquétipos, no Era uma vez para viverem Felizes para sempre. Na rotina do campo e dos pequenos vilarejos, o mister do contador e do ouvinte era simples, previsto como atividade lúdica e criativa. O contador comparece aos terreiros e salas, acontece espontaneamente na oportunidade hospitaleira dos arranchos e pernoites. É pretexto nas reuniões familiares, em noites de sexta-feira da paixão, enquanto se espera a hora do galo. Estaria presente ao ritmo das debulhas. É ponto e contraponto nas conversas em noites, com cadeiras nas calçadas. Pode ir à roça, animar o trabalho nas leiras e nos eitos. Acompanha o viajante nos caminhos e travessias. Insinua-se nos lugares do acalanto, e é palavra tecida e rendada no colo de avós, rendidas ao pedido, ao convite e a cumplicidade dos netos. (LIMA, 1985, p. 46) Como farinha sagrada dos contadores, as histórias não precisam de fórmulas previsíveis, são espontâneas, como destacam os editores do livro dos Irmãos Grimm, quando escrevem: Não há necessidade que o conto comece com a fórmula era uma vez ; ele possui outros sinais de reconhecimento do estilo épico singelo, que nem uma compreensão de arte nem um reconhecimento filosófico pôde

38 38 arrancar do chão, no qual uma singela filosofia da Natureza o fez brotar 10 (GRIMM, vol.ii, p. 589). Hoje, no espaço urbano, ganhou-se em tecnologia e perdeu-se em contato humano. A própria estrutura familiar foi alterada para se adaptar às demandas frenéticas. Pais, avós e netos nem sempre conseguem viver este encontro de afeto e fantasia. As rotinas, por sua vez, para ouvir uma boa história, também precisam ser adaptadas. Machado (2004, p. 14) pontua este movimento urbano de renovação da contação como uma necessidade íntima de cada indivíduo: Posso constatar que cada vez um número mais amplo de pessoas quer ouvir contos antigos, levados por sabe-se lá que vento da alma. É um fato inegável e curioso, não só no Brasil, mas também em outras partes do mundo. Se por um lado os velhos contadores tradicionais estão desaparecendo, porque nas comunidades rurais a televisão ocupa implacavelmente seu lugar, nos grandes centros urbanos a quantidade de gente que se dedica a essa arte está crescendo. [...] Ninguém mandou, não é uma moda importada; parece que se trata de um sentimento de urgência que faz renascer das cinzas uma ética adormecida, uma solidariedade não mais que básica, num mundo de cabeça para baixo. Ao escutar histórias este público urbano parece ter preferências quanto ao conteúdo. Mais adiante, no terceiro capítulo, será possível acompanhar uma pesquisa de campo com dois grupos bem particulares e suas histórias mais significativas. Claramente é possível observar que o conteúdo das histórias precisa ser coerente com o conteúdo do ouvinte. É seu universo particular que determina e confere significado para a história, por isso, dentro desta perspectiva do conto e contador, quanto mais próximo, melhor. 10 Idem 1

39 39 Uma vez um antropólogo chegou numa tribo africana no mesmo dia em que uma televisão foi levada para aquele lugar. Todos os habitantes da aldeia passaram três dias em volta do aparelho, assistindo a todos os programas com grande interesse. Depois, abandonaram a televisão e não quiseram mais saber dela. O antropólogo perguntou-lhes se não iam mais assistir aos programas. Não disse um deles preferimos o nosso contador de histórias. Mas a televisão retrucou o antropólogo não conhece muito mais histórias do que ele? Pode ser respondeu o homem mas o meu contador de histórias me conhece. (YASHINSKI citado por MACHADO, 2004, p. 34) No agrupamento de internéticos 11 da sociedade pós-moderna, em que vivemos estranhamente isolados, a história, de certa forma, também é individual, mas não excludente. Ao contrário, o ser individual se transforma em único durante a contação. Um contador conta uma história para um indivíduo, que também pertence a um grupo. O ouvinte é o centro das atenções naquele momento da experiência narrativa, é como se dissesse num raciocínio bem pós-moderno: essa história é minha. E, ainda assim, não deixa de ser do outro, apenas de maneira diferente, porque o texto pertence ao leitor/ouvinte (abordagem que vamos apresentar no capítulo 2). Em 2008, o Festival de Mantiqueira Diálogos da Literatura, realizado em São José dos Campos São Paulo, esboçou a tendência da oralidade dentro do universo dos debates literários, estimulada pelo gosto popular. Durante o encontro, que aconteceu entre maio e junho de 2008, uma das plenárias trouxe o escritor Milton Hatoum, autor de livros festejados e premiados como Relato de certo Oriente (1989), Dois irmãos (2000), Cinzas do Norte (2005) e Órfãos do Eldorado (2008). Durante a palestra, Hatoum destacou que antes mesmo de ler qualquer livro, o 11 Palavra, atualmente popular, usada para descrever o movimento virtual e digital da sociedade que se dá de maneira frenética.

40 40 primeiro contato com a literatura é feito por meio da oralidade. Ele revelou que os primeiros passos como escritor se inspiraram nas histórias que o avô contava para ele debaixo de um jambeiro na cidade de Manaus. O avô narrava, entre outras histórias de vida, trechos dos contos de As mil e uma noites. Hatoum disse ainda que este foi realmente o primeiro contato com a literatura, porque apenas aos 12 anos de idade é que foi ler Machado de Assis. A Festa Literária de Paraty (Flip) 12, considerada o maior encontro literário do país, revelou também essa valorização da oralidade no Brasil contemporâneo. A versão alternativa da Flip homenageou Jorginho Miguel, escritor paratiense dedicado ao registro oral das histórias simples que valorizam as tradições locais. Também entre os convidados para a Ciranda de Autores estava Chico dos Bonecos que tem um trabalho voltado para a oralidade brasileira. Francisco Marques é arte-educador e durante suas apresentações remonta histórias juntamente com os ouvintes. O Flipinha, evento paralelo voltado para o público infanto-juvenil, permitiu que vinte autores, entre escritores e ilustradores, narrassem suas histórias. As crianças também participaram de oficinas para o mapeamento do patrimônio imaterial de Paraty. Aliás, vale aqui comentar sobre a oralidade como patrimônio imaterial mundial. A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) entendeu que o patrimônio de um povo é maior que aquilo que pode ser tocado, como obras de arte, casas e documentos, por exemplo. Desde 2001 foram destacados elementos representativos do patrimônio imaterial. Em novembro de 2008 foram definitivamente estabelecidos pela Unesco (2009) 90 elementos como 12 Sexta Festa Literária de Paraty, realizada no início do mês de julho de 2008 na cidade de carioca de Paraty.

41 41 Patrimônio Imaterial da Humanidade sendo que cinco deles representam as tradições e expressões orais: a) O Gelede, uma cerimônia comemorativa em que os yoruba-nago cantam, dançam e narram histórias de mitos; b) O patrimônio oral e as manifestações culturais do povo Zápara, que vive na selva amazônica, entre o Peru e o Equador. Eles são o último grupo etnolinguístico que possui uma cultura oral particularmente rica em conhecimentos da flora e da fauna da região, além de mitos, rituais, práticas artísticas e idioma. c) O espaço cultural e a cultura oral dos semeiskie (os que vivem em família). Esse grupo vive na Sibéria e tem regras sociais e familiares bastante rígidas. Toda a cultura desse grupo, especialmente os cantos e fundamentos familiares, estão sendo preservados. d) A arte de Los Meddah, narradores públicos da Turquia. Eles tem o objetivo de divertir e instruir o público. El meddahlik é uma forma de arte dramática turca, interpretada por um único ator, o meddah. Este gênero narrativo é praticado na Turquia e nos países de língua turca. Depois de muitos séculos, outros gêneros narrativos semelhantes foram surgindo no vasto espaço geográfico pela integração dos povos da Ásia, do Cáucaso e do Oriente Médio. ( ) Estes narradores atuavam em mercados, cafés, mesquitas e igrejas, divulgando valores e ideias em povoados para jovens analfabetos. 13 (UNESCO, 2009) e) As expressões orais e gráficas dos Wajãpi, pertencentes ao grupo etnolinguístico tupi-guarani. O grupo com cerca de 600 integrantes é o único representante brasileiro e vive ao norte da Amazônia. Enquanto pintam o corpo, os Wajãpi desenvolvem uma narração própria da cerimônia, momento em que são 13 Tradução feita do espanhol pela autora desta dissertação.

42 42 transmitidos os elementos próprios das tradições do grupo. Os Wajãpi transmitem conhecimentos culturais, estéticos e religiosos através de uma linguagem única que mescla as artes gráfica e verbal. Camara Cascudo trata com propriedade deste patrimônio cultural brasileiro, especialmente a literatura oral. O historiador, antropólogo, advogado, jornalista e folclorista escreveu mais de setenta livros. Ele pesquisou incessantemente o tema, apontando fundamentos para entender como a literatura oral é fruto da construção coletiva de índios, portugueses e africanos. Para ele: A literatura oral é como se não existisse. Ao lado daquele mundo de clássicos, românticos, naturalistas, independentes, digladiando-se, discutindo, cientes da atenção fixa do auditório, outra literatura, sem nome em sua antiguidade, viva e sonora, alimentada pelas fontes perpétuas da imaginação, colaboradora da criação primitiva, com seus gêneros, espécies, finalidades, vibração e movimento, continua, rumorosa e eterna, ignorada e teimosa, como rio na solidão e cachoeira no meio do mato. (CASCUDO, 2006, p. 25) Cascudo (2006) destaca que toda literatura folclórica é popular. Entretanto, o inverso não ocorre porque a literatura popular permite que sob seu abrigo conste a literatura contemporânea. Desta forma, falta-lhe tempo (p. 22). Esse escritor dedicou-se aos estudos de literatura oral, esta mantida pela tradição, que para ele é [...] entregar, transmitir, passar adiante, o processo divulgativo do conhecimento popular ágrafo (p. 27). Um grupo em Curitiba tenta reviver a literatura oral mundial, a narração e os contadores de histórias. É a Casa do Contador de Histórias 14, uma entidade social inédita no Brasil que completou cinco anos em dezembro de 2008 e está formalizada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip). A entidade, com 3 Pode constar nesta dissertação apenas sob a denominação de Casa ou Casa do Contador

43 43 propósitos culturais, educativos e terapêuticos, utiliza as histórias como fio condutor das ações, para estimular o resgate e a difusão da arte e tradição milenar na narrativa oral. A Casa atua com contadores voluntários formados pela entidade em hospitais, instituições asilares, escolas, empresas e eventos. Atualmente, são cerca de 900 contadores que passaram pelos cursos de formação da Casa, e mais de 2500 pessoas envolvidas com a narração de histórias. Essa entidade, preocupada com o estudo e a valorização das histórias e dos contadores, abriu as portas para a pesquisa desta dissertação, também querendo compreender um pouco mais sobre o conteúdo textual dos contos e a relação estreita com o público, que será explanado no capítulo 3. Uma das intenções da Casa é permitir que se revele o contador de histórias que vive em cada um. Porque, ao longo dos tempos, os contadores vêm encantando plateias e embalando sonhos. Os contadores de histórias sempre ficaram famosos. O fascínio da pessoa que sabe contar coisas, fatos, lendas, anedotas, com talento. Eles sempre tiveram um lugar privilegiado nos velhos impérios, reinados, encantando reis e rainhas, nobres e cortesãos, na China, na Índia, Itália, Grécia, no Império Romano, na Idade Média, na Renascença e até agora, tem grande valor. (PETIT, 1991, p. 87) Baseada nos estudos de Jack Goody, Marta Morais da Costa (2006, p ) lembra que os contadores de histórias eram valorizados de tal maneira, em várias culturas ao longo dos séculos, que eram comparados aos escritores. Ao observar as culturas ágrafas, isto é, que não dispõem de escrita, qualquer pesquisador se dá conta do papel social que desempenham os contadores de histórias. Em suas narrativas condensa-se a cultura e a sabedoria do povo que representam. Os contadores ocupam posição destacada na hierarquia social, uma vez que representam uma espécie de memória ambulante da sociedade. Carregam

44 44 na voz e nos gestos, de forma simbólica, os valores, as crenças, os feitos de seu povo. Ao longo da história, os contadores foram assumindo representações diferentes em dois tipos de versões principais, como destaca Walter Benjamin (1980, p. 58): A experiência que anda de boca em boca é a fonte onde beberam todos os narradores E, entre os que escreveram histórias, os grandes são aqueles cuja escrita menos se distingue do discurso dos inúmeros narradores anônimos. Entre estes últimos, aliás, há dois grupos que certamente se cruzam de maneiras diversas. Só para quem faz ideia de ambos é que a figura do narrador adquire plena materialidade. Quando alguém faz uma viagem, então tem alguma coisa para contar, diz a voz do povo e imagina o narrador como alguém que vem de longe. Mas não é com menos prazer que se ouve aquele que, vivendo honestamente do seu trabalho, ficou em casa e conhece as histórias e tradições de sua terra. Benjamin trata dos escritores que se inspiraram de alguma forma na fonte da oralidade para construir suas obras. Miguel de Cervantes, William Shakespeare, Machado de Assis, Guimarães Rosa certamente beberam da literatura oral para a construção de suas narrativas que continuam encantando milhões de leitores em todo o mundo. Em Grande sertão: veredas de Guimarães Rosa, por exemplo, a história chega ao leitor por Riobaldo, narrador-personagem, que enuncia oralmente sua história a um ouvinte a quem trata de Doutor/Senhor. Cervantes, também exemplifica inclusive o aspecto maravilhoso, com suas figuras de moinho transformando-se em dragões no espaço imaginativo do protagonista. Na África, os contadores de histórias são, em sua maioria, idosos, porque boa parte dos ouvintes acredita que eles guardam a sabedoria dos tempos e ocupam a função de passar aos que virão a riqueza cultural do povo.

45 45 Arroyo (1988, p. 45) destaca a importância dos negros contadores de histórias profissionais para a formação da identidade cultural brasileira e pontua a influência na literatura. As correntes culturais negras trazidas para o Brasil durante o ciclo da escravidão fizeram florescer alguns institutos de velhos narradores e contadores de estórias. Floresceu, cresceu e alterou-se mais tarde a corrente europeia com os racontos maravilhosos dos akpalôs e dialis ou ainda alôs negros, instituições que teriam subsistido no Brasil na pessoa de negras e negros velhos, predominantemente as negras velhas, que só sabiam contar estórias. Negras que andavam de engenho em engenho contando histórias às outras pretas, amas dos meninos brancos, conforme escreve Gilberto Freyre. Lobato destaca no livro Histórias da Tia Nastácia (1957), o papel fundamental da negra sábia para o contexto cultural brasileiro, Pedrinho diz já no primeiro conto do livro: Tia Anastácia é o povo. Tudo o que o povo sabe e vai contando de um para outro, ela deve saber (LOBATO, 1957, p. 3). E continua na página seguinte: As negras velhas são sempre muito sabidas. Mamãe conta que uma era um verdadeiro dicionário de histórias folclóricas, uma de nome Esméria, que foi escrava do meu avô. Anastácia era o nome da babá de Lobato. Atualmente, os contadores parecem retomar o valor atribuído a eles na antiguidade e são até protagonistas de filmes. A vida do nordestino Roberto Carlos Ramos foi retratada no cinema no filme O contador de histórias, que estreou em agosto de Ramos é um contador de histórias reconhecido mundialmente. Em 2001, nos Estados Unidos, foi destacado como um dos maiores contadores histórias do mundo. É mestre em Educação pela Unicamp e pós-graduado em Literatura Infantil pela PUC-MG. Ex-menino de rua, fugiu várias vezes da Febem até ser adotado pela francesa Margherit Duvas, interpretada no filme pela portuguesa Maria de Medeiros, atriz em Xangô de Baker Street. Em Paris, descobriu o talento para a

46 46 contação e voltou para o Brasil aos 19 anos. Hoje ele é pai de 14 filhos adotivos. O filme tem a direção de Luiz Villaça e distribuição da Warner. Outra contadora de histórias reconhecida nacionalmente é Regina Machado. PhD Livre Docente e pesquisadora deste tema, ela relata que os contos entraram em sua vida no início da década de Ela não se considera acadêmica de gabinete, ao contrário, tenho a necessidade de ver minhas palavras pularem do papel e se mexerem dentro das pessoas, de preferência na vida de todos os dias (MACHADO, 2004, p. 14). A primeira vez que contei uma história, para uma classe de adolescentes absolutamente atentos, vislumbrei a possibilidade de investigação que tem direcionado meu trabalho até hoje. Em vez de ler, resolvi contar O espelho, de Machado de Assis, e, aos poucos, fui percebendo a qualidade da atmosfera que se instalou e se espalhou entre e dentro de todos nós, criando uma situação de aprendizagem única que me fez perguntar: O que acontece quando alguém conta uma história, que efeito é esse que une as pessoas numa experiência singular? Então, dentro da paisagem da arte, eu havia recortado a paisagem da arte de contar histórias. (MACHADO, 2004, p. 20) Esta experiência singular começa com uma intenção: a vontade de ouvir e de contar. Passa pelo ambiente propício, pelas técnicas de contação (pausa, entonação, olhar, respiração, etc.), pela noção de grupo, formado naquele momento, mas adiciona algo ainda maior. Mais que movimentos artístico, psicológico, emocional, literário, lúdico e formativo, a experiência da contação é um baú complexo e misterioso. Desta forma, a pergunta de Machado encerra em si a própria dúvida e a resposta somente é percebida por quem comunga desta experiência. O contador, no ato da narração, exerce uma influência no contexto. Esta interferência é vista com maior ou menor importância pelos historiadores

47 47 pesquisadores do tema. Benjamin (1980, p. 63) escreveu que é assim que adere à narrativa a marca de quem a narra, como a tigela de barro a marca das mãos do oleiro. Autores como Alan Dundes afirmam que não existe isenção no ato da contação, uma vez que o próprio contador é co-autor da história, seja na junção de duas narrativas ou na apropriação dos elementos adjacentes da mesma. Esta ideia amplia a função do contador de histórias: ao fazer escolhas num universo ilimitado de alternativas, o contador cria novas variáveis e variantes para cada conto, num movimento imprevisível e livre. [...] motivos, temas e episódios são usados como elementos livres e a sua alteração decorre não de causas acidentais, mas do exercício do instinto artístico de um contador-autor. Radin diz ainda que o único meio de explicar a extrema variabilidade de motivos em versões diferentes do mesmo mito é supor que os motivos são elementos mais ou menos livres cujo uso depende, em certas circunstâncias, da tradicional associação com determinados episódios e atores, mas principalmente dos poderes seletivos exercidos pelo contador-autor e das necessidades psicoliterárias do entrecho. (DUNDES, 1996, p. 37) Ruth Terra discorda e apresenta a ideia, ao descrever a literatura de cordel e os cordelistas, de que o poeta (também chamado de contador de histórias) deve ser compreendido para além de uma figura personalizada de autor, apresentando-se este, antes, como intérprete fiel a uma tradição e aos seus valores e, por isto, responsável perante um público de cujo universo compartilha (citado em Lima, 1985, p. 45). Diante desse pensar, vale vestir de importância maior a textualidade, a história, a narrativa propriamente dita, do que à figura do contador. Para Lima (1985) existe uma responsabilidade do contador de histórias no sentido da manutenção do cerne do conto popular. Neste olhar, o contador se apresenta como um transmissor e não um recriador do enredo.

48 48 Lima (1985, p. 47) opta pelo caminho do meio quando posiciona o papel e o lugar do contador como um organizador do saber: O processo narrativo não dilui de todo a importância individual do contador. Relativiza-o, ao nível em que este se torna capaz de organizar um saber, transformá-lo até, mas nunca transtorná-lo: é aqui que se opera uma relação de vigilância coletiva. Mais do que por mera vigilância, o público assiste ao narrador e o respeita pela sua qualidade de doador e agente de uma transmissão. O início e o final da narração do contador dizem muito sobre esta interferência. Alguns contadores fazem um preâmbulo antes da contação de histórias, e por vezes, também no final. Linda Williams (citada em Dufour, 2005, p. 52) sugere um exercício de distensão, ou seja, algumas perguntas de adivinhação sem resposta certa, que podem facilitar a criatividade do público. Qual é a cor do sol? Por quê?, O que é mais pesado: um rochedo ou um coração cheio de tristeza? Por quê?, O que é mais interessante: uma raiz ou um maçado? Por quê? Ao final, o contador se sente seduzido a explicar a história 15, mas a alegoria fala por si e não deve ser interpretada pelo contador. Michel Dufour (2005, p. 55) afirma que se apelarmos para o consciente racional, reduzimos a ação do inconsciente provocando resistências e objeções. A alegoria é como uma metáfora que facilita a compreensão, informa, educa, cura e faz crescer. E o faz solitariamente, sem a necessidade de descrições, explicações ou induções. A história fala por si. No conto O gato de botas, Perrault acrescenta uma conclusão a que chama de moral. Ele diz mesmo que nos seja dado / de pai a filho um bom legado, / Ser esperto e bem dotado / Aos moços é mais valioso / Do que ser rico e famoso 15 Monbourquette (citado em DUFOUR, 2005) compara a explicação de uma alegoria a alguém que mastiga a fruta antes do outro comer.

49 49 (PERRAULT, 1994, p. 70). Esta conclusão se apresenta como desnecessária e forçosa na intenção formativa. O conto não carece de tradutores. O breve panorama até aqui esboçado sobre a contação de histórias sugere a importância da pesquisa sobre estas, o ato da narração e a oralidade, até porque os contos populares são próprios da cultura por vocação rizomática, comunicados e perpetuados pela tradição oral e, portanto, ricos em desdobramentos. Visão antecipada pelos os Irmãos Grimm na Introdução de Kinder - und HausMärchen quando dizem Preservamos com muito gosto uma firme arte oral (vol. I, p. 16). Werner Beinhauer (1968, p. 64) defende convicto essa investigação, quando escreve: Não faltará quem me pergunte: que valor poderá ter para o teórico ou para o erudito interessado preferentemente em estudar obras literárias o conhecimento da linguagem coloquial, de evidente utilidade para a prática do idioma falado? E eu respondo: quem nega a transcendental importância de dita matéria também precisamente para o estudo da literatura, esquece que a língua inclusive de poetas e literatos, ainda que eruditos [...] arraiga profundamente no subsolo da linguagem familiar e popular, de que se nutre diariamente. Portanto, só será capaz de sentir, captar e apreciar as últimas (as mais profundas?) intenções e esquisitices, inclusive de uma linguagem artística, quem conheça também a matéria-prima de que está moldada, ou seja, a linguagem do povo, do ambiente em que vive o artista, que este mesmo fala diariamente. Manuel Bandeira (2002, p. 79) confirma a importância da oralidade, especialmente para a vida do próprio poeta: A vida não me chegava pelos jornais nem pelos livros / Vinha da boca do povo na língua errada do povo / Língua certa do povo. Todorov (1939 A, p. 166) nos concede uma boa dose de liberdade ao defender que hoje já não se pode acreditar numa realidade imutável, externa, nem

50 50 numa literatura que fosse apenas a transcrição dessa realidade. As palavras ganharam uma autonomia que as coisas perderam. Estas e outras razões conduziram a oralidade e as histórias como objeto de estudo na presente dissertação. E, ainda, provocaram a realização de um estudo mais aprofundado para analisar dois textos derivados da pesquisa de campo disponível no capítulo 3. As duas histórias selecionadas são de domínio público, e por não terem a quem requerer paternidade, se sustentam na língua encantada dos contadores de histórias.

51 51 2 A HISTÓRIA COMO GÊNERO LITERÁRIO O conto popular revela informação histórica, etnográfica, sociológica, jurídica, social. É um documento vivo, denunciando costumes, ideias, mentalidades, decisões, julgamentos. Para todos nós é o primeiro leite intelectual. Camara Cascudo 2.1 O MARAVILHOSO NA LITERATURA Esta dissertação optou pela palavra história na descrição que abriga, em uma visão mais ampla, todos os outros sentidos particulares: conto de fadas, contos maravilhosos, contos da carochinha, narrativas espetaculares, fábulas, conto popular, etc. Também se presta à mesma descrição ampla, a palavra conto. Do alemão Märchen, [...] só adotou verdadeiramente o sentido de forma literária determinada no momento em que os Irmãos Grimm deram a uma coletânea de narrativas o título de Kinder - und Hausmärchen [Contos para crianças e para o lar] (JOLLES, 1930, p. 181). Märchen é um diminutivo depreciativo de Märe, que significa narrativa, tradição. E vem do alto-alemão mâri, lenda ou fábula ; e do gótico mêrs, conhecido e célebre. Narrativa também é uma expressão que reflete a totalidade das produções literárias orais, folclóricas, entre outras. Genette diferencia: história é o significado, o conteúdo narrativo; narrativa é o significante, o enunciado, discurso ou texto narrativo. 16 Maurice-Jean Lefebve (citado em URBANO, 2005, p. 37), teórico da narração, afirma que: 16 Diferenciação feita em sala de aula numa exposição da professora doutora Brunilda Reichmann, baseada no livro GENETTE, Gerard. Discurso da narrativa. Lisboa: Arcádia, 1979.

52 52 [...] há, pois, em simultâneo, distinção e ligação estreita entre, de um lado, o discurso verbal que nos instrui sobre um mundo, a narração (também se diz, por vezes, enunciação) e esse próprio mundo: lugares, tempo, personagens, ações, que chamaremos narrativa propriamente dita, ou a ficção (segundo Ricardou), a diegese. Nas premissas de Ferdinand de Saussure (1995), significado é a ideia, a imagem psíquica de algo, o signo. E o significante é a escrita, o desenho ou a fala que representa o signo. As histórias estimulam a produção, o questionamento e a reinvenção de significados. O uso de alegorias permite a re-significação, uma vez que trabalha com o conteúdo simbólico já internalizado no ser humano. Ao mencionar o simbólico, é preciso destacar a alegoria, usada ao longo da Idade Média por conta da repressão promovida pela Igreja Católica, e que é outro conceito aproveitado neste estudo, especialmente na análise das histórias. Vale relembrar que, naquela época, a alegoria funcionava como uma válvula para diminuir a pressão social e evitar que aqueles que expressavam suas opiniões fossem queimados na fogueira. Desta forma, a alegoria falava por outras palavras. Etimologicamente, o grego allegoría significa dizer o outro, dizer alguma coisa diferente do sentido literal, e veio substituir ao tempo de Plutarco (c d.c.) um termo mais antigo: hypónoia, que queria dizer significação oculta e que era utilizado para interpretar, por exemplo, os mitos de Homero como personificações de princípios morais ou forças sobrenaturais. (CEIA, 2005) As narrativas ganham atributo de fantástica no olhar de Todorov (1939 A, p. 150), que pesquisou a essência do conto fantástico. Quase cheguei a acreditar : eis a fórmula que melhor resume o espírito do fantástico. A fé absoluta, como a incredulidade total, nos leva para fora do fantástico; é a hesitação que lhe dá vida. Esta espécie de entrega do ouvinte ao conto é mais profunda que o pacto ficcional. Porque ele realmente quase acredita e não apenas concorda em realizar um

53 53 percurso ficcional que julga impossível. Para Todorov (1939 A, p. 162), a narrativa prevê a saída do ponto de equilíbrio: [...] o movimento entre dois equilíbrios semelhantes, mas não idênticos. No começo da narrativa haverá sempre uma situação estável, as personagens formam uma configuração que pode ser móvel, mas que conserva entretanto intatos certo número de traços fundamentais. [...] A narrativa elementar comporta, pois dois tipos de episódio: os que descrevem um estado de equilíbrio ou de desequilíbrio e os que descrevem a passagem de um a outro. Ainda sobre este atributo, Paes (1958, p. 12) afirma que: o fantástico e o real devem estar de tal maneira entretecidos no argumento, que se torne praticamente impossível isolar um do outro. É o racional e o irracional profundamente fundidos, a ponto de não ser possível discernir para dissociar os sentimentos de dúvida e crença. Paes (1958, p. 12) ainda alerta que o maravilhoso está livre das regras do conto formativo, essencialmente racional, sugerindo ao ouvinte uma experiência de distensão diante do conto. [...] adverte Bradbury, que um contador de histórias fantásticas não pode aspirar à outra coisa que não seja induzir no leitor (espectador) a sensação da irrealidade da realidade. Em alguns contos, há momentos em que forças sobrenaturais atuam: situações que fogem ao cotidiano da dita normalidade, pela antipsiquiatria. Diante dessas situações, o espectador e o personagem decidem se optam pela crença no imprevisível ou se atrelam essa imagem a alguma referência conhecida do mundo pertencente a eles. É o momento da decisão entre duas crenças: [...] ou se trata de uma ilusão dos sentidos, um produto da imaginação, e nesse caso as leis do mundo continuam a ser o que são. Ou então esse acontecimento se verificou realmente, é parte integrante da realidade; mas nesse caso ela é regida por leis desconhecidas para nós. [...] assim que escolhemos uma ou outra resposta,

54 54 saímos do fantástico para entrar num gênero vizinho, o estranho ou o maravilhoso. (TODOROV, 1939 A, p. 148) Na busca da coerência, a decisão do personagem e do espectador pelo estranho se dá quando as leis da realidade permanecem intactas e conseguem explicar o fenômeno. Já se ambos admitem novas leis da natureza para explicar tal fato, aí se dá o gênero maravilhoso. Em uma das histórias destacadas pela pesquisa de campo no capítulo 3, O macaco e a desgraça, este movimento fica nítido. O primeiro impacto se dá no momento em que o Macaco pensa, fala e planeja ações complexas. Logo, ele sobe ao céu para uma conversa com Deus. Este está sentado e estabelece um diálogo com o Macaco. Nas circunstâncias de estranhamento, é preciso optar por aceitar ou rejeitar uma imagem deste tipo, que foge aos padrões tidos como possíveis para a natureza. Os editores do livro dos Irmãos Grimm citam na Nota Final ao segundo volume uma informação que confirma a explanação de Todorov quanto aos estágios da crença: E cuidadosamente o falar mais rude é conservado, também aí onde as pragas e exorcismos se submetem apenas desajeitadamente à simetria rítmica, enquanto, por outro lado, o Parlando em verso se apresenta como prosa e apenas atinge o ouvido na repetição, como na confirmação da noiva do Barba Azul: Meu querido, eu apenas sonhei isto!. Assim flutua a fala dos contos de Grimm entre a expressão da língua falada, que abrange o mundo da realidade, e aquela que toca com seus encantos a esfera do maravilhoso, através do que então surge a gradação entre o verdadeiro, o provável e o não mais crível, que é um dos muitos encantos dos contos. Se é a arte da língua falada (Mundart) que cerca o reino do próximo da realidade através de sua determinação, assim também a fala erudita conduz aos

55 55 aposentos distantes e solenes, na frente de cujas torres a experiência atestada (crível) fica para trás 17. (GRIMM, vol. II, p ) 2.2 PESQUISAS TEÓRICAS SOBRE AS HISTÓRIAS Há maior significado profundo nos contos de fadas que me contaram na infância do que na verdade que a vida ensina. Schiller, poeta alemão Os estudos e pesquisas sobre as histórias, em diferentes linhas de investigação e pensamento, não são um fenômeno atual. Desde o século XVIII muitos pesquisadores estudaram as histórias na tentativa de mapear os desdobramentos epistemológicos, literários e psicológicos. A seguir, esta dissertação se propõe a apresentar um resumo sem a pretensão de aprofundar as pesquisas, apenas com o intuito de citar os principais trabalhos e seus investigadores. Na vertente das pesquisas epistemológicas, segundo Coelho (2003, p ), Theodoro Benfey foi o primeiro a investigar a cadeia de migrações das narrativas do Oriente para a Europa, dedicando-se à tradução e ao estudo do Pantschatantra da Índia, no Kleinere schriften zur Märchen forschung, em O escritor e filólogo alemão Johann Gottfried Herder, no Ensaio sobre A Origem da linguagem (1770) analisou a tradição da contação de histórias. A Grand Larousse Encyclopédie (citada em COELHO, 2003, p. 100) revela que como, em geral, tais contos eram narrados por mulheres enquanto fiavam suas rocas, Herder chamou essa sabedoria ancestral de filosofia da roda de fiar. 17 Idem 1

56 56 Nos estudos da Escola Naturalista Védica destacam-se Adalberto Kuhn, que lidera a vertente que investiga a natureza ameaçadora das narrativas; e Max Muller, que estuda as relações gratificantes entre o homem e a natureza e as tarefas cotidianas dos heróis. Já na Escola da Mitologia Científica, Ottofrido Muller analisa as formas simbólicas como único jeito de comunicar com mentes rudimentares. Na escola dos contos maravilhosos e os Pensamentos Elementares, Adolf Bastian, no livro Contribuições à psicologia comparada (1874), defende (antes de Jung) que as identidades encontradas entre mitos e narrativas maravilhosas resultaria não de migrações, mas de um fundo psicológico comum a todos os homens (COELHO, 2003, p. 104). Dentro de uma visão dos contos de fadas de lastro animista/naturalista, Edward Burnett Tylor, etnólogo inglês, escreveu o primeiro tratado sistemático de antropologia Civilizações Primitivas (1871). Ele coloca os contos de fadas como remanescentes de uma fé em decadência, ritos antigos que morreram no costume popular e permanecem nos contos. Já dentro de um pensamento fetichista e simbólico sobre o tema, Gaston Paris, medievalista, interpreta os contos, lendas e narrativas maravilhosas como formas narrativas de antigos mitos fetichistas, absorvidos pela fantasia popular. Outra linha de pesquisa que estuda a relação dos contos com os fenômenos da natureza e rituais primitivos é a do folclorista francês de Pierre Saint-Yves. Ele publica Os contos de Perrault e Narrativas Paralelas suas origens, costumes primitivos e liturgias populares, em 1923, com a interpretação simbólica de onze contos.

57 57 Aqui no Brasil, vários autores também pesquisaram contos e histórias. Algumas coletâneas se destacam como Contos populares do Brasil (1885) escrito por Silvio Romero; Contos populares e Cantigas de adormecer (1918), de Lindolfo Gomes; O folclore no Brasil (1939), contos recolhidos por Silvia Campos para a obra de Basílio de Magalhães; Contos tradicionais do Brasil (1946) escrito por Cascudo; 142 histórias brasileiras (1951), de Aluisio de Almeida; e Catálogo do conto popular brasileiro (2005), de Bráulio do Nascimento. Na segunda vertente das pesquisas, as literárias, é importante destacar a análise formalista, que nasceu no início do século passado para observar os componentes básicos da estrutura narrativa do conto, sem considerar o conteúdo e as ideologias. Os precursores foram os universitários do Centro Linguístico de Moscou: Roman Jakobson, Fyodor Buslaev e Grigorij Vinokur em Johannes Bolte e Georg Polivka publicaram, na área do folclore, Notas sobre os contos dos Irmãos Grimm ( ). Eles confrontaram cada conto com as variantes recolhidas em muitos países. Registraram ainda títulos de coletâneas para estudos. No início do século XX, investigações da Escola Finlandesa denominada Centro de Estudos Folclóricos de Base Histórico-Geográfica feitas por Kaarle Krohn e Antti Aarne culminaram na publicação do Índice dos tipos de contos, em A partir do sistema de classificação criado por eles, principalmente com a contribuição do finlandês Aarne, foi possível dividir os contos alemães dos Irmãos Grimm; dinamarqueses de Grundtvig; e finlandeses em contos maravilhosos ou de fadas, contos da vida cotidiana e contos de animais. Aproveitando as unidades temáticas já estudadas por Aarne, em 1928, Stith Thompson ampliou o sistema de classificação no livro Índice dos motivos da literatura folclórica. A publicação é considerada a segunda edição do material de

58 58 Aarne, por isso Thompson figura como co-autor no Types of the folktale. A terceira edição, igualmente elaborada por Thompson, saiu em 1961 e contém material sete vezes maior do que a primeira edição de Tendo em vista a substancial colaboração de Thompson para completar a versão definitiva, hoje a classificação é conhecida com a denominação Aarne/Thompson. Este é apontado como o mais importante e completo catálogo internacional de motivos folclóricos, ponto de partida para os estudiosos do tema. Dentro desta classificação, os contos de fadas se subdividem em contos de animais, contos propriamente ditos, facécias 18 ou anedotas e outros contos que não se encaixam em nenhum dos grupos anteriores. Na categoria contos propriamente ditos estão 900 histórias, que mais uma vez se dividem e assumem as categorias: contos de fadas ou de encantamento, contos de fadas legendários ou religiosos, contos de fadas novelísticos e contos de fadas sobre o gigante, ogro ou diabo logrados. O sistema de classificação é de tal forma complexo que propõe mais uma subdivisão. Os contos de fadas ou de encantamento podem ser contos com opositor sobrenatural, contos com cônjuge (ou outro parente) sobrenatural ou enfeitiçado, tarefa sobrenatural, ajudante sobrenatural, objeto mágico, poder ou conhecimento mágico e contos com outros elementos mágicos. Ao final da classificação, o conto recebeu um número representativo de uma unidade temática que pode ser compartilhada por vários contos. Cascudo (2006) partiu da classificação de Aarne e dividiu os contos folclóricos em contos de encantamento, contos de exemplo, contos de animais, contos religiosos entre outros desdobramentos. Este folclorista apaixonado pelo cotidiano brasileiro contribuiu grandemente para o entendimento da tradição, do 18 Brincadeira, jocosidade, gracejo.

59 59 folclore e da literatura oral no país e, a partir do ano de 1944, especialmente para o estudo dos contos. Propp, filólogo, folclorista e vanguarda no Estruturalismo, foi um expoente nas pesquisas sobre as histórias. Na metade do século passado usou o método de analogia para estudar os contos populares e escreveu a obra Morfologia do conto maravilhoso, com primeira edição datada de Propp não analisou um conto individualmente, mas observou a dinâmica das várias versões do mesmo conto, na perspectiva da metalinguagem comum para todas as histórias pertencentes a um grupo. Em seus estudos, Propp desconsiderou o aspecto oral dos contos de fadas para pesquisar o texto. Ao estudar a morfologia do conto popular em 1928, o etnólogo desenvolveu um método inovador de análise dos contos folclóricos. Evoluindo substancialmente dos estudos de Aarne-Thompson, obteve, resumidamente, três conclusões essenciais. Ele analisou os textos situados entre os números 300 e 749 da classificação de Aarne-Thompson, chamados de contos de magia. Ao tentar mapear a morfologia destes contos e dissecar a unidades que os reuniam, ele identificou um elemento inovador para a época: a função. Propp descobriu que esta é a unidade essencial do conto, uma vez que os personagens mudavam em nome, aparência, circunstância, etc., mas não se alterava a função que cada um desempenhava no enredo. Aplicando o método para cem contos de fadas russos, Propp percebeu que o número de funções de um conto é limitado e no máximo de 31. Também reconheceu que a ordem destas funções não se altera, mesmo quando um conto não contempla a totalidade das funções (possibilidade aceita pelo teórico). A análise convencional estava até então centrada em temas, motivos, assuntos, regiões de origem e dramatis personae (diferentes tipos de personagens). A função, para Propp

60 60 seria uma das explicações para a uniformidade histórica dos contos em diferentes regiões do mundo. Propp identificou que em todos os contos existem ações constantes e formas variáveis, e chama de invariantes e variantes dos contos maravilhosos. A invariante: é a ordem para a ação e a consequente partida vinculada a uma busca. Já as variantes são os personagens e os objetos da busca. Descritas no livro Morfologia do conto maravilhoso (2006, p ), são elas: afastamento, proibição, transgressão, interrogatório, informação, designação, cumplicidade, dano, carência, mediação, inicio da reação, partida do herói, função do doador, e reação do herói, recepção do meio mágico, deslocamento no espaço, combate, marca/estigma, vitória, reparação do dano ou carência, retorno do herói, perseguição, salvamento. Aqui recomeça o percurso e se repete dano, busca, recepção do meio mágico, reação do herói, deslocamento no espaço. O herói retoma a trajetória principal e vive, incógnito, a chegada, pretensões infundadas, tarefa difícil, realização, reconhecimento do herói, desmascaramento do falso-herói, transfiguração do herói, castigo e casamento. Propp também criou um modelo de divisão temporal das ações, chamado de sete esferas de ação. Numa tentativa de reduzir essas funções, Coelho (2000, p ) chega a cinco funções invariantes presentes em todos os contos: aspiração (ou desígnio), viagem, obstáculos (ou desafios), mediação auxiliar e conquista do objetivo (final feliz). No capítulo 3, durante a análise da pesquisa sobre os contos, serão apresentados os detalhes de cada função citada.

61 61 Já na terceira vertente das pesquisas sobre histórias estão os elementos psicológicos. Os pesquisadores continuam a examinar as histórias e percebem que é preciso ampliar o olhar para as relações psicológicas e afetivas que promovem. Por meio de variadas situações humanas desafios, exposição ao perigo, ao ridículo, ao fracasso, encontro do amor, enigmas, encantamento, humor os contos produzem efeito em diferentes níveis de apreensão: podem intrigar, fazer pensar, trazer descobertas, perguntas, questões, provocar o riso, o susto, o maravilhamento. (MACHADO, 2004, p. 32) As histórias parecem desempenhar um papel transformador interno, algo simbólico, que direciona a compreensão do mundo sem precisar explicá-lo. Narrar é abrir a porta da criatividade, estimular a imaginação. Dufour (2005, p. 53) afirma que usando um tom calmo, seguro, monótono algumas vezes e animado em outras, entrecortado de silêncios, ele [o contador] deixa o ouvinte imaginar e assim enriquecer seu cinema interior. Na Casa dos Pobres São João Batista, um dos locais onde foi desenvolvida a pesquisa de campo, os administradores relataram que os albergados identificaram uma ação efetiva das histórias contadas: Os albergados comentaram do sentimento de felicidade e, com isso, auxílio para cura de suas doenças em seus momentos de fragilidade através da apresentação do grupo contadores de história 19. Bettelheim afirma que os contos de fadas ajudam a criança na difícil tarefa de encontrar um sentido à vida. Diferentemente de boa parte da literatura infantil, eles abordam questões que, de alguma maneira, fazem sentido para este grupo particular. Para o autor nada é tão enriquecedor e satisfatório para a criança, como 19 Depoimento dos administrados do albergue, registrado em ficha de avaliação do trabalho da Casa do Contador de Histórias. A identidade do responsável pelo preenchimento da ficha é salvaguardada por questões éticas no relacionamento de duas entidades com fins sociais e, cuja ausência, nada diminui a credibilidade na informação.

62 62 para o adulto, do que o conto de fadas folclórico. [...] através deles pode-se aprender mais sobre os problemas interiores dos seres humanos. (1997, p. 13) Coelho (2003, p. 118) relaciona literatura, contos de fadas e repertório de vida: Pela imaginação, varinha de condão capaz de revelar o homem a si mesmo, a literatura vai-lhe desvendando mundos que enriquecem o seu viver. O objetivo último da literatura é a experiência humana, o convívio com ela. Como diz Lotman, a literatura ajuda o homem a resolver uma das questões psicológicas mais importantes da vida: a determinação do próprio ser. Alguns pesquisadores investigaram uma suposta função curativa, por assim dizer terapêutica das histórias. A alegoria é uma escola terapêutica 20 desenvolvida pelo psiquiatra americano Milton H. Erickson, que morreu em Certa vez, Erickson foi questionado sobre a eficácia do seu método de apoio psicológico e respondeu: vieram aqui para me ouvir contar histórias. Depois foram para suas casas e mudaram suas experiências (citado em ROSEN, 1986, p. 30). O psiquiatra acreditava que as todas as soluções estão no inconsciente, e que não são desenvolvidas pela ação limitante do consciente. Dufour (2005, p. 30) explica que o nosso inconsciente é o depositário da totalidade dos aprendizados desde a infância, onde a maior parte das noções fica conscientemente esquecida, porém disponível durante todo o tempo. E acrescenta que o papel do contador de histórias é reconhecer que os requisitos para a compreensão e a transformação do ser já estão dentro de cada ouvinte. 20 Escola que contou com muitos adeptos: Jacques Antoine Malarewicz, Jeffrey Zeig, Sidney Rosen, Jay Haley, David Gordon, Jean Monbourquette, Alain Cayrol, Josiane de Saint-Paul, Jean Godin, Richard Bandler, John Grinder, Paul Watzlawick, entre outros.

63 63 Para Hermann Hesse 21, "nada posso lhe oferecer que não exista em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo além daquele que há em sua própria alma. Nada posso lhe dar, a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo 22. Aplicando a alegoria a esta explicação, pode-se dizer que a semente já existe em cada individuo. Somos potencialmente plenos nas possibilidades. Como terra e semente, recebemos a água, fundamental para o crescimento e a frutificação. Nesta perspectiva os contos podem ser comparados à água. Estés (2005, p. 12) confirma o argumento: Quando as pessoas ouvem contos, não estão propriamente ouvindo, mas lembrando; lembrando ideais inatos. Quando o corpo ouve contos, algo ecoa em seu interior. [...] Em alguns povos do círculo polar, tal qualidade é chamada anerca, a força da essência do poema que se amplifica ao ser levada para fora com a expiração do contador. Os inuits Netsilik canadenses formam um grupo humano tardio na utilização da escrita. Em Netsilik, a palavra anerca significa simultaneamente respiração e poesia. É a cadencia da narração do contador unida à arte literária do povo. Ainda dentro de uma abordagem psicológica, as histórias são tidas como um instrumento precioso que coloca em palavras aquilo que de outra maneira estaria condenado a permanecer no silêncio: os medos, as angústias, os desejos, as culpas, as rivalidades, os enigmas e os questionamentos de todos os tipos (DUFOUR, 2005, p. 26). 21 Ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 1946, sofreu influência em sua obra do budismo e da psicanálise jungiana. 22 MENINA Voadora. Disponível em: <http://meninavoadora.blogspot.com>. Acesso em: 24 jan

64 64 Dufour acredita que a alegoria ajuda no enfrentamento de diversos problemas, uma vez que diminui à resistência porque aborda o tema de forma indireta. O objetivo da alegoria é despertar a atenção consciente do individuo e suspender seus mecanismos de defesa, a fim de permitir que ele entre em contato com as forças de seu inconsciente, ricas de possibilidades e soluções (2005, p. 24). Alguns pesquisadores estudaram os hemisférios do cérebro e chegaram a conclusões interessantes para o entendimento dos contos maravilhosos. Segundo Williams (citada em Dufour, 2005, p. 28), o lado direito do cérebro é responsável pelo entendimento do conjunto, do todo, do simultâneo, da criatividade, da intuição e espontaneidade e se ocupa do sonoro, como a linguagem oral e a música. A metáfora e a alegoria são provavelmente as técnicas mais eficazes pra intervir no hemisfério direito porque elas agem no próprio processo da aquisição (DUFOUR, 2005, p. 28). Marcel Postic (1989, p. 19) diz que todo indivíduo necessita de um espaço interno onde realiza a transição entre o consciente e o inconsciente, entre o mundo das ideias e o mundo dos afetos. O psiquiatra americano Jeffrey Zeig descreve as características deste tipo de linguagem. Para ele, as alegorias: [...] não são ameaçadoras, são sedutoras, favorecem a independência, podem ser utilizadas para vencer a resistência natural às mudanças, podem servir para controlar a relação, modelam a flexibilidade, podem provocar confusão e induzir à sensibilidade, facilitam a memória no sentido que a ideia apresentada é memorizada com facilidade. (citado em ROSEN, 1986, p. 26) Estés (2005, p. 12) relaciona diretamente a alegoria ao conto de fadas e descreve como se dá a percepção no campo do sentir, conforme fundamentos da Antroposofia:

65 65 Uma vez ativados, os contos evocam um subtexto mais profundo na psique, uma percepção, que, através do inconsciente coletivo, chegou inata, seja antes, durante ou no momento em que a primeira brisa acariciou o corpo úmido do bebê recémsaído do ventre materno. Embora não saibamos o momento exato da infusão, sabemos que a compreensão profunda da essência dos contos é claramente sentida pelo coração, pela mente e pela alma do ouvinte. Bert Hellinger, psicoterapeuta alemão, também estudou a função transformadora das histórias. Ele pesquisou e testou vários contos, repetindo-os, e então foi possível concluir sobre os efeitos e aprofundamentos. Hellinger publicou o livro chamado No centro sentimos leveza (1996), com uma coletânea de histórias divididas em três grupos: histórias que fazem pensar, histórias que mudam nossos rumos e histórias sobre a felicidade. Hellinger atribui um sentido terapêutico às histórias quando estas giram em torno de um centro onde há equilíbrio, e levam a ele, excluindo momentaneamente a consciência e a culpa. Desta maneira, segundo o psicanalista, é possível unir aquilo que separa, a partir do desprendimento do passado. No início do século XX, a simbologia dos contos de fadas foi investigada por Sigmund Freud, fundador da psicanálise, que relacionou estes contos com os sonhos. Muito resumidamente, é possível dizer que os contos têm relação com a necessidade de satisfação dos desejos reprimidos do imaginário. Ele escreveu duas análises psicanalíticas sobre a ocorrência de assuntos de contos de fadas nos sonhos: O tema dos três cofres e História de uma neurose infantil (uma abordagem a partir de Chapeuzinho vermelho e As sete criancinhas ). O foco da abordagem não era a matéria narrativa, mas sim a simbologia. Wilhelm Wundt, contemporâneo de Freud escreveu o livro A psicologia do povo (1905). Inspirado nos estudos dos Irmãos Grimm, ele tentou provar que os

66 66 contos surgiram da fantasia coletiva e não da criação individual. Wundt defendeu que os contos serviram para divertir e amenizar o medo dos homens diante do mundo. Eram simples e mais tarde se tornaram complexos, se tornando mitos. Ele divide os contos em contos maravilhosos puros, contos-fábulas mitológicos, contosfábulas biológicos, fábulas puras de animais, contos de origens, fábulas ou contos jocosos e fábulas morais. Wundt foi criticado e marginalizado por apresentar um trabalho muito ambíguo para a época. Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço, pesquisou o inconsciente coletivo e os arquétipos. Para ele, o inconsciente coletivo é a parte da psique que retém e transmite a herança psicológica comum da humanidade. Estes símbolos são tão antigos e tão pouco familiares ao homem moderno que este não é capaz de compreendê-los ou assimilá-los diretamente (JUNG, 1964, p. 107). É neste espaço indomável que atuam as histórias. Em 1930, o psiquiatra diferencia ainda sonhos individuais (Freud) de contos (coletivos): Segundo Jung, arquétipos correspondem a modelos de pensamento e ação, preexistentes na alma humana ( inconsciente coletivo ). Manifestam-se como estruturas psíquicas quase universais, espécie de consciência coletiva, e se exprimem por uma linguagem simbólica de grande poder energético que une o universal ao individual. Os arquétipos pertencem ao mundo dos Mitos (ou dos deuses) que os engendraram, num tempo primordial, e os legitima como modelos exemplares de todas as ações humanas. (citado em COELHO, 2003, p. 130) Marie-Louise von Franz (1990) continuou as pesquisas de Jung sobre os arquétipos nos contos de fadas germânicos, escandinavos e eslavos, e concluiu que é impossível mapear completamente as situações arquetípicas de um determinado conto. Isso porque, cada um deles é inesgotável em si.

67 67 Joseph Campbell, autor de vinte livros, defendeu que os contos de fadas exibem um conteúdo baseado em símbolos, arquétipos e principalmente mitos, o que tornou esse tipo de literatura imortal ao longo dos tempos. Os mitos nascem e permanecem no espaço sagrado divino, no sobrenatural da origem da vida e do universo e estão sempre ligados a fenômenos inaugurais, como a criação do homem. Eles transcendem e inspiram a gênese relacionando criação, mito e palavra, como em (JOÃO 1,1): "Antes de ser criado o mundo, aquele que é Palavra já existia. Ele estava com Deus e era Deus. O mito mais comum em todo o mundo é o do herói. Tem um poder de sedução dramática flagrante e, apesar de menos aparente, uma importância psicológica profunda (JUNG, 1964, p. 110). Campbell (2008), semelhantemente à Propp, acredita que a mitologia desempenha quatro funções. A primeira delas trata de dar para a consciência um significado na existência. O pesquisador relata a vida como monstruosa, um processo de dor e morte, e o mito oferece uma visão afirmativa para o caos. Ajuda a aceitar o mundo e a perceber que esta monstruosidade é a experiência capaz de levar ao bom. Não negar os problemas e ter uma postura de gratidão são atitudes que ajudam a viver. A segunda função do mito é chamada de cosmológica da mitologia: possibilita que as pessoas criem imagens sobre o mundo. Estas imagens servem para alimentar a existência, para explicar o cosmos e para manter o deslumbramento e o assombro místico do homem diante do universo. A terceira função do mito trata da manutenção e preservação de um conjunto de regras estabelecido para um grupo. Noções de certo ou errado que são passadas como imutáveis entre gerações, quase vistas como uma lei natural do universo. Já a quarta e última função é, ao mesmo tempo, psicológica e pedagógica para Campbell. Aqui, o mito precisa ser o companheiro do ser humano em todas as fases

68 68 da vida, com a criança, como instrutor; e com o idoso, como preparador para a morte. Campbell também mapeou a Trajetória do Herói, composta por 20 fases: partida, chamado da aventura, recusa do chamado, auxílio sobrenatural, passagem pelo primeiro linear, ventre da baleia, iniciação, caminho das provas, encanto com a Deusa, mulher como tentação, sintonia com pai, apoteose, benção última, partida para retorno, recusa do retorno, fuga mágica, resgate com auxilio externo, passagem pelo limiar do retorno, senhor dos dois mundo e liberdade para viver. Os arquétipos derivam dos mitos, mas abrem mão do divino para ocupar o espaço humano. Os contos de fadas são representações dos dramas da alma, do coletivo, comum a todos os homens, imagens primordiais (COELHO, 1998, p. 92). Os símbolos, por sua vez, mediam o imaginário e a realidade. É a linguagem que permite a revelação do que está contido. 2.3 FUNÇÃO SOCIAL DOS CONTOS Primeira tentação de Cristo no deserto: As escrituras sagradas afirmam que o ser humano não vive só de pão, mas vive de tudo o que Deus diz respondeu Jesus. Evangelho de Mateus É importante lançar um olhar sociológico sobre as histórias e observar as funções de um conto, especialmente a social, preconizada, principalmente por Todorov (1939 a). Mas antes, é importante fazer um passeio pela Estética da Recepção (estética da reação, do efeito) para entender as formas com que as histórias agem no ouvinte e os elementos que despertam no mesmo, especialmente dentro do universo do conto de fadas, numa perspectiva da função deste.

69 69 Embora aplicada ao leitor, a Estética da Recepção, como abordagem crítica, pode ser transferida para o ouvinte. Dentro desta perspectiva, o que ele ouve pode ser abordado numa correlação ao que ele lê. A Estética da Recepção surgiu dentro de um movimento social, político e intelectual na Alemanha da década de Era um movimento libertário que se opôs às regras formais de análise literária. Dois teóricos expoentes no estudo deste tema divergem quanto à participação do leitor: o alemão Wolfgang Iser (1926), professor de inglês e literatura, autor de The act of reading; e o americano Stanley Fish (1939), autor de The experience of seventeenthcentury literature. Iser tem condições de confirmar um dos principais postulados da estética da recepção: a obra literária em comunicativa desde sua estrutura; logo, depende do leitor para a constituição de seu sentido. Este não corresponde a nenhum conteúdo universal, perene e imutável a ser extraído por um leitor competente; pelo contrário, pode mudar, se o público, a sociedade e a época forem outros. (ZILBERMAN, 1989, p. 64) Iser (1996;1999) entendeu que o sentido de um texto resulta da interação entre este e o leitor. Para ele, o texto dá o norte, a direção do caminhar na interpretação. E o leitor contribui com o restante desta construção do significado. A partir das lacunas que o texto oferece, o leitor as preenche a partir de suas experiências pessoais. Já Fish (citado em EAGLETON, 1997) defende que não existe um roteiro, ou caminho a trilhar. O leitor não se submete às trilhas abertas pelo autor, e interage com o texto de maneira imprevisível. Entretanto, reconhece que a leitura será prédeterminada pelo repertório de vida e o meio em que está inserido o leitor. Fish acredita na figura determinante do leitor e propõe a estilística afetiva, iluminando o espaço entre as palavras e a mente do leitor. Mais do que a

70 70 decodificação do texto, Fish aponta para um processo de sentir aquilo que ele nos faz (FISH, 1980, p. 39). E vai além, valorando o efeito que a leitura desperta em cada leitor e a transformação que é capaz de promover. Criador do termo Comunidade Interpretativa, Fish valoriza os aspectos emocionais da recepção e acredita que a literatura existe quando é lida, e sua força é afetiva. A recepção por meio auditivo ganha ainda mais contorno dentro do olhar de Fish, quando se observa justamente estes aspectos emocionais. Principalmente, quando a questão é o poder transformador da contação de histórias, a partir do conteúdo textual do conto de fadas e a liberdade do ouvinte diante do que escuta. Ainda assim, é possível considerar Iser quanto ao mapa que as histórias e contos apresentam, no desvendar de caminhos internos desconhecidos ou ocultos do ouvinte. Essa criação do texto pelo leitor, no entanto, não significa que o texto resultante é subjetivo ou deixa de ser uma criação do autor. É mais propriamente, diz Iser, prova da inesgotabilidade do texto (GUERIN, 2008). Estés (2005, p. 17) sublinha: o aprendizado e a percepção são responsáveis pela aquisição de uma consciência de significação. Que as histórias possam evocar tudo isso na mente dos ouvintes já é razão bastante para compreendê-las como forças renovadoras. O impacto do conto de fadas no ouvinte, a partir de nuances da psicologia, ética e filosofia interessam na análise da estética da recepção. Ainda não foi possível descrever com precisão a maneira com que a história afeta o ouvinte e nem o que é acionado dentro de cada um para a produção desses efeitos. John Ronald Reuel Tolkien defende, inclusive em todo livro Sobre histórias de fadas (2006) que a imaginação criadora opera na arte narrativa e produz um determinado efeito que é o produto da arte do encantamento. Neste aspecto a narrativa é construída como uma

71 71 arte a partir do conceito de Belo Reino, de onde emergem valores humanos prósperos na produção de efeitos no indivíduo. Alguns projetam a ação dos contos na produção de efeitos somente para as crianças, destacando uma face dedicada ao aspecto lúdico da fantasia. Entretanto, ao observar estas narrativas com a profundidade sobre seus efeitos, pode-se ampliar as possibilidades para uma ação efetiva em todos os públicos. Com o avanço do racionalismo cientificista e tecnológico, os contos de fadas e as narrativas maravilhosas passam a ser vistos como histórias para crianças. Há um novo maravilhoso a atrair os homens: aquele que eles descobrem não só no próprio real (transformado pela máquina), mas também em si mesmos, ou melhor, no poder da inteligência humana. (COELHO, 2000, p. 119) As crianças têm naturalmente um impulso espontâneo que facilita a recepção das histórias. Menos moldadas pela sociedade materialista, são elas que conseguem aceitar o aspecto maravilhoso dos contos, como cavalos que falam, macacos que gostam de mel, etc. O aspecto lúdico fica evidente numa roda de contação para crianças, que aproveitam as mensagens para trabalhar seus medos, angústias e projetar suas crenças na construção de um mundo onde tudo é possível. Costa (2006, p. 94) refuta a ideia de que histórias são para crianças apenas. Ela defende que o ritual de contar e ouvir é uma experiência humana insubstituível. Há, contudo, uma omissão imperdoável nessa crença de que apenas as crianças gostam e devem ouvir histórias. Os adultos recebem com igual prazer, encantamento e curiosidade as histórias adequadas à sua visão de mundo e à sua experiência de vida. Nesse sentido, contar histórias é também um ato de congraçamento, que irmana o público, conquistado pelo desempenho do contador e pela força do texto escolhido.

72 72 Em entrevista ao jornal O Globo, do Rio de Janeiro, Couto enfatiza o valor de ouvir histórias e também rejeita a ideia de que estas são para crianças. Uma certa racionalidade nos fez envergonhar deste apetite, atirando a histórias para o domínio da infantilidade. Essa estigmatização da pequena história está presente também na literatura: veja-se a forma como se secundariza o conto em relação ao romance. O advento e a hegemonia da escrita são também responsáveis por essa marginalização da oralidade. (p. 6) Embora, em um primeiro olhar, pareça uma tarefa simples dividir o que é próprio da literatura infantil, é preciso observar o que diz Carlos Drummond de Andrade: o gênero literatura infantil tem, a meu ver, existência duvidosa. Haverá música infantil? Pintura infantil? A partir de que ponto a obra literária deixa de constituir alimento para o espírito da criança ou do jovem e se dirige ao espírito do adulto? (ANDRADE, 1987, p. 18). Não se sabe ao certo se é a sociedade ou o próprio ser humano, o responsável por esse rompimento que rouba dos adultos a experiência imaginativa e lúdica. Estes adultos são levados a abrir mão dos sonhos, atrelando suas vidas na rudeza da rotina e deixando de viver uma essência que, ainda assim, não os abandona. Aceitar o desconhecido é uma tarefa própria das crianças. Tornar-se adulto perece ser o reconhecimento de que algumas coisas são impossíveis. Neste sentido o conto pode manter viva essa chama de familiaridade com o desconhecido, porque lá as experiências inexplicáveis fazem sentido (MACHADO, 2004, p. 28). Ao tratar ainda das crianças, esta autora questiona a necessidade da compreensão e principalmente da manipulação dos efeitos que os contos provocam no público infantil: Do ponto de vista pedagógico, no trabalho com as crianças, acredito que o importante não é saber qual o efeito que os contos tradicionais exercem sobre cada

73 73 criança, ou mesmo querer produzir um tal efeito, e sim entender que para cada uma delas aquela história traz a oportunidade de organizar suas imagens internas em uma forma que faz sentido para ela naquele momento. É como se ela pudesse passear pelo reino das possibilidades de significar, reinventando para sim mesma a sua história naquele momento. (MACHADO, 2004, p. 28) Sobre este ponto de vista é fundamental fazer uma digressão sobre o aspecto formativo dos contos, antes de tratar especificamente da função social destas histórias que foram utilizadas como literatura moralizante durante muitos anos. É importante destacar que os contadores contemporâneos, mais que ferramentas educativa e formativa, veem nos contos um gatilho para a reflexão consciente ou para a atuação anímica e misteriosa no inconsciente. Benjamin (1980, p. 69) destaca este perfil formador dos contos, especialmente de fadas. E se não morreram, vivem felizes até hoje, diz o conto de fadas. O conto de fadas, que ainda hoje é o primeiro conselheiro das crianças, porque foi outrora o primeiro da humanidade, permanece vivo, em segredo, na narrativa. O primeiro narrador verdadeiro é e continua sendo o dos contos de fadas. Onde era difícil obter o bom conselho, o conto de fadas sabia dá-lo, e onde aflição se mostrava extrema, mas próxima estava sua ajuda. A aflição vinha do mito. O conto de fadas dá-nos notícia dos ritos mais antigos que a humanidade instituiu para espantar o pesadelo que o mito depositara no seu peito. [...] O mais aconselhável assim o conto de fadas ensinou há tempos à humanidade, e assim ainda hoje ensina às crianças é enfrentar os poderes do mundo mítico com astúcia e superioridade. Para o psicólogo infantil Bruno Bettelheim (1997), o espaço dos contos de fadas é fecundo para o desenvolvimento global das crianças e não estanques no objetivo formativo. Ele critica o que Perrault fez, antes da publicação dos Irmãos Grimm, com o enredo do conto Chapeuzinho Vermelho, Capuchinho Vermelho para ele. Ele conclui a história com a Chapeuzinho deitando-se na cama da avó, ao

74 74 lado do lobo, que a devora. E acrescenta ainda no final um poema com a moral explícita de que boas meninas não devem ouvir estranhos. A função lúdica do conto é destacada por alguns autores como Estés, José Paulo Paes e Yara Maria Camillo declarando total independência do conto a qualquer outra atribuição formativa, educativa, etc. Paes (1958, p. 12) afirma se procurar inculcar-lhe, ao mesmo tempo, qualquer mensagem moralizadora, estará desvirtuando um gênero cujo maior encanto reside, antes, na capacidade de divertir que na de ensinar. Estés (2005) menciona esse caráter do entreter, especificamente, como objetivo primeiro e último do contador de histórias. Para Camillo (2005, p. 12) será muito difícil estabelecer um roteiro fixo para o conto, antevendo utilidade e planejando resultados. O dualismo tampouco se conforma à rigidez: pois a moral, nos contos populares, é cambiante. Ou melhor: a moral se determina de acordo com a direção que o conto quer tomar e não um código previamente estabelecido. É possível que um vilão receba castigos terríveis, por suas más ações, no desfecho de um conto. É igualmente possível que receba o perdão ou, até, uma recompensa. Mais que entreter, Costa (2006) concorda com o escritor peruano Mario Vargas Llosa no entendimento que as histórias ajudam a refazer a experiência, trilhar o percurso novamente com uma liberdade que a história real não concede. Para ela, o aspecto ficcional dos contos é benéfico. O pó de pirlimpimpim não aliena nem ilude: nos faz ir à procura e ao encontro de exemplos e respostas (p. 69). Nas palavras do samba da Imperatriz 23, um sorriso de criança faz a gente acreditar. 23 Escola de samba carioca Imperatriz Leopoldinense apresentou em 2005 o samba-enredo Uma delirante confusão fabulística. A carnavalesca Rosa Magalhães preparou uma homenagem ao bicentenário de nascimento de Hans Cristian Andersen. Monteiro Lobato e o Sitio do Picapau amarelo também foram lembrados na ocasião.

75 75 Pensar nas histórias com objetivo único de entreter parece uma boa dose de ingenuidade. Embora, as histórias também o façam, superam estas expectativas. Os contos instruem sim, apresentam situações e personagens arquetípicos e solucionam impasses da humanidade. Mas há mais que isso no conto. Existe um conteúdo transformador que não se exibe às conceituações, até porque é tão particular que não poderia ser mapeado por regras pré-definidas. Este conteúdo é o poder tido como sagrado dos contos. Voltando à teoria de Todorov: existe uma distinção entre uma função literária e uma função social para o conto com caráter sobrenatural. Dentro da função social, ele acredita que o fantástico é um meio de combate contra uma e outra censura (TODOROV, 1939 a, p. 161). E se refere tanto à condenação imposta pela sociedade quanto à culpa do próprio indivíduo. Ao lidar com temas proibidos pelo grupo, o conto fantástico consegue atribuir às práticas condenáveis a seres sobrenaturais. É a intervenção deles que acelera o processo da modificação. Aí se dá o deslocamento do eixo da culpa e o reprocessamento dos valores, crenças e até a transgressão. Por isso uma lei fixa, uma regra absoluta pode imobilizar uma narrativa. Dufour (2005, p. 56) amplia o alcance das histórias e projeta o poder transformador também para o contador: E o que dizer do impacto da alegoria sobre o narrador? Ele sente o mesmo efeito de cura que o ouvinte. Uma pessoa que lê ou expõe uma alegoria tem a oportunidade de experimentar uma redução da própria ansiedade ou de viver uma transformação interior por vezes surpreendente. Na função literária do sobrenatural Todorov (1939 a) coloca como sinônimos o autor que cultiva o sobrenatural e o contador de histórias, preocupado com o

76 76 desenvolvimento da ação. Neste aspecto, ele destaca que os contos de fadas nos dão a forma primeira e também a mais estável da narrativa; e experenciamos acontecimentos sobrenaturais. Todorov destaca como expoentes do maravilhoso a Odisseia, de Homero; Decameron, de Boccaccio; e Dom Quixote, de Cervantes. E acrescenta: Todo texto fantástico é uma narrativa, pois o elemento sobrenatural modifica o equilíbrio anterior, ora, esta é a própria definição da narrativa; mas nem toda a narrativa pertence ao maravilhoso, se bem que exista entre eles uma afinidade, na medida em que o maravilhoso realiza essa modificação de maneira mais rápida. Torna-se claro, afinal, que a função social e a função literária do sobrenatural são uma única: trata-se da transgressão de uma lei. Seja no interior da vida social ou da narrativa, a intervenção do elemento maravilhoso constitui sempre uma ruptura no sistema de regras preestabelecidas, e acha nisso sua justificação. (TODOROV, 1939 A, p. 164) O espaço do conto pode ser adaptado para a alegoria como o espaço da alforria. Livre das amarras das pressões sociais, políticas, econômicas e psicológicas. O sujeito, mesmo que em circunstância efêmera, pode viver no lugar onde tudo é possível. Ainda nesta relação do sobrenatural com a alegoria, Monbourquette (citado em DUFOUR, 2005, p. 56) complementa o conceito da transformação do ouvinte: [...] ainda que possamos observar imediatamente as mudanças psicológicas no ouvinte da alegoria, é preciso esperar alguns dias e às vezes até mesmo semanas, para constatar as mudanças de comportamento. Como se o impacto da alegoria tivesse permitido uma lenta reorganização do psiquismo do ouvinte. No Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa, em ficha de avaliação da Casa do Contador de Histórias, a administração registra mudanças no comportamento das internas e enfatiza a função social dos contos ouvidos. É

77 77 importante destacar que o trabalho dos voluntários da Casa do Contador de Histórias continua possibilitando que as adolescentes deste centro de socioeducação, resgatem os seus SONHOS 24, buscando novas vivências de maior respeito a si próprio e ao outro. No próximo capítulo será apresentado o detalhamento desta pesquisa. 24 Destaque dado pelo voluntário que registrou o depoimento para destacar a ênfase apresentada pelo expositor.

78 78 3 ANÁLISE DOS CONTOS SELECIONADOS Circulante como o anel que passa de mão em mão, o conto possui portadores. Não há quem o administre, senão o próprio público que o tenha cultivado. É matéria de tempo livre, e é cadência no espaço lúdico da ocupação. Próximo do sonho, sentinela da vigília. Fantasia e imagem, é também veículo do real. Francisco Assis de Souza Lima Até aqui, esta dissertação promoveu uma revisão bibliográfica para entender o percurso das histórias, passeou pelos teóricos que desenvolveram pesquisas sobre os contos e agora, neste terceiro capítulo, apresenta uma pesquisa de campo para observar a identificação dos ouvintes de histórias com os enredos. Para tanto, foram escolhidas duas entidades sociais que ouvem contos dos voluntários da Casa do Contador de Histórias; e desenvolvidas pesquisas qualitativas e quantitativas, de modo a eleger os textos que seriam objeto de aprofundamento no presente estudo. A partir da seleção, foi empreendida uma análise do conteúdo destes contos, à procura de elementos que destaquem a função social das histórias, na tentativa de entender os motivos e temas que levam a uma empatia entre público e o texto. 3.1 PESQUISA QUALITATIVA A Casa do Contador de Histórias possui o Núcleo de Ação Social (NAS) dedicado ao trabalho voluntário em hospitais, creches, lares sociais, e várias outras entidades que solicitam a narração de histórias. O contador de histórias que exerce o trabalho voluntário nessa instituição assemelha-se ao contador de histórias do Nordeste, descrito por Lima (1985, p. 46):

79 79 No Cariri e no Nordeste, contar histórias não é uma atividade remunerada. O contador de histórias não representa uma categoria profissional à parte, embora seu ofício comporte exigências de um fazer artesanal: empenho, técnica, estilo, singularidade e talento na repetição. Mas o contador não lança o chapéu às moedas, como faz o embolador, o tirador de versos da feira, o cantador de viola e, de resto, os brincantes nordestinos. A história de Trancoso 25 é lazer e é arte, mas antes de tudo é um fazer dentro da própria vida. Dá-se e circula como um objeto sem preço, um bem comum, um valor de estimação. A Casa do Contador de Histórias disponibiliza um acervo, chamado Baú de Histórias, com contos separados por temáticas, e subdivididos por público sugerido para audição. Por exemplo, crianças, pessoas doentes, etc. Deste Baú constam histórias de autores desconhecidos, para evitar problemas com direitos autorais. O repertório escolhido pelos contadores é definido em parte pela intuição e outra parte pela observação das particularidades de cada público, que buscam no Baú, material para as rodas. Lima (1985, p. 47) consegue resumir o ofício ao escrever: A personalidade do narrador se afirma e se alarga na hora de contar. Mas não se pode separar o conto do narrador, do seu universo e do seu público. Mesmo a eleição do repertório e o jeito como é transmitido se define junto ao público. Os recursos mímicos e as inflexões, o traço de humor, a ênfase normativa, as sugestões de mistério ou a suspensão narrativa são efeitos da técnica e da versatilidade do contador. No entanto, sua oportunidade, pontuação e eficácia orientam-se através e em função de uma escuta participante. Não falará o conto se não houver um meio que o solicite. E se é para este meio que se dirige, só falará bem enquanto integrar sua experiência cotidiana, religando-a as fronteiras da grande memória: a memória da tradição. A Casa definiu uma espécie de ritual para o momento da contação, a partir dos estudos desenvolvidos pelos seus integrantes, somados a sensibilidade do 25 Histórias de Trancoso pesquisadas por Lima (1983) não parecem ser fruto da coletânea Contos e histórias de proveito e exemplo, do autor português Gonçalo Fernandes Trancoso, mas sim, fruto da cultura popular da região do Cariri Nordestino.

80 80 contador. Todos se colocam em torno de um círculo, para invocar a noção de tribo. A roda é o símbolo utilizado para representar a vida, pois mostra a maneira cíclica do desenvolvimento, a eternidade. O círculo é também símbolo do tempo: a roda gira. Desde a mais remota Antiguidade, o círculo tem servido para indicar a totalidade, a perfeição, englobando o tempo para melhor o poder medir. [...] O círculo exprime o sopro da divindade sem princípio nem fim. (CHEVALIER, 2007 p. 252) Outros elementos compõem o ritual da contação: uma vela é acesa para lembrar o tempo das fogueiras, em um simbolismo que aquece o coração dos ouvintes e contadores. O fogo, como já foi descrito anteriormente, tem representação na história da humanidade, com relações simbólicas com a purificação, além de remeter ao espírito e ao coração. Um incenso também é aceso para estimular um dos sentidos mais primitivos do animal humano, o olfato. Maria Victória Reyzábal afirma que o aroma tem relação estreita com a afetividade, na lembrança do cheiro dos que amamos e a sensação real destes aromas despertando impulsos. Desconhecido, este sentido foi enterrado e voluntariamente esquecido. Cheirar é algo que, há um século, foi tomando um aspecto pejorativo (DUCHESCE; JAUBERT citados em REYZÁBAL, 1999, p. 23). É para resgatar e valorizar este sentido primário, que o ritual da Casa do Contador de Histórias inclui a queima do incenso. Os contadores de histórias da Casa colocam seus chapéus, todos com três pontas para o momento da contação. Para eles, as três pontas simbolizam o Pensar, o Sentir e o Querer, da Antroposofia. Existem muitos significados para o chapéu ao longo da história da humanidade. Provavelmente o homem passou a usar o chapéu pela necessidade de se proteger do sol, do frio, da chuva, etc. Organizado em

81 81 grupos, surgiu a tradição de que só o guerreiro andava com a cabeça coberta. O homem evoluiu e o uso do chapéu adquiriu significados sociais, mágicos, religiosos e profissionais. A forma do chapéu diferenciava as posições sociais, as profissões ou a função que exerciam em cada grupo ou comunidade. Os reis usavam coroa, por exemplo. Segundo antigas crenças, o chapéu protegia contra quaisquer forças negativas, sendo uma espécie de pára-raios cósmico. Ao mesmo tempo em que o chapéu redondo protegia e conectava com as forças positivas, o chapéu de ponta, como o dos magos ou bruxas, conectava com as forças adversas. Para os contadores da Casa, o pin (uma espécie de sino) emite um som que evoca a posição de tudo o que está suspenso entre o céu e a terra, e estabelece uma comunicação entre os dois. Durante a contação, é tocado por três vezes antes de cada história. É um chamado das histórias que estão circulando no mundo anímico. O três é tido como número perfeito, expressão da totalidade e dotado de caráter mágico e religioso. Neste ritual inicial para a roda de contação, buscando uma espécie de conexão, os contadores de histórias parecem validar o que escreveram Alain Cayrol e Josiane de Santi-Paul (1984, p. 83) no que se refere ao contato humano no momento da contação, pois estabelecer uma ligação é encontrar alguém com seu modelo de mundo, em seu próprio terreno. É mostrar que o aceita tal como é e estabelecer um clima de abertura e confiança. A fala, a narração, é instrumento por excelência da comunicação afetiva quando associada aos contos de fadas, histórias maravilhosas, etc. Contar uma história é colocar o afeto, o coração, entre o narrador e o ouvinte. A história ocupa este entre-lugar anímico, entre lá e aqui, entre o consciente e o inconsciente, entre

82 82 dois olhares que se cruzam. Quando isto ocorre é um momento mágico que se traduz em sentimento de afeição. Como explica Urbano (2000, p. 14): [...] podemos nos referir, de um lado, às variedades ou melhor aos aspectos estilísticos dentro da estilística da língua de Bally, isto é, os aspectos afetivos que caracterizam a expressividade que perpassa os fatos da língua, e, de outro, às criações estéticas, originais ou não, com efeito de expressividade de um escritor, de uma obra ou de um falante, sobretudo em situações concretas de fala. Ainda como descrição pertinente à pesquisa qualitativa, vale registrar que a Casa do Contador de Histórias definiu alguns padrões que orientam o iniciante na arte. Segundo as orientações, ao começar a exposição, o contador deve contar a história, não ler. Para atingir integralmente suas propensões consoladoras, seus significados simbólicos e, acima de tudo, seus significados interpessoais, o conto de fadas deveria ser contado em vez de lido (BETTELHEIM, 1980, p. 185). A fidelidade ao texto deve ser observada, mas não pode atuar como elemento prisional para o contador, mais preocupado com as minúcias do texto do que ao conjunto da contação. O contador também deve se ocupar previamente da preparação dos elementos não verbais como gestos, pausas e entonação. Para alguns, a história é uma entidade viva que se aproxima e permite que o contador se aproprie do enredo momentaneamente. Entretanto, a preparação prévia desta apresentação deve ser planejada, revisitada e avaliada. O estilo de cada contador deve ser observado, uma vez que cada um tem sotaque, trejeitos e porte próprios. Embora em algumas culturas africanas antigas aquilo que era dito em pé não tem valor, a Casa sugere que o contador fale em pé, para facilitar a interação com o público e para ter liberdade de expressão corporal. A contação com o contador sentado também é possível, porém apenas para grupos menores.

83 83 Resumidamente, é possível apontar algumas pequenas regras que os voluntários seguem para o melhor desempenho do contador. Os gestos devem ser discretos e, principalmente, capazes de conduzir o ouvinte para um lugar criado na imaginação e situado em algum ponto do ambiente entre o contador e quem escuta. Esta noção espacial não deve obedecer aos elementos do teatro, da representação ou encarnação de um objeto, pessoa ou animal. Aliás, para a contação de histórias as lições do teatro geralmente se mostram exageradas e desprovidas de propriedade. Dentro da noção de tempo, o passado deve ser lembrado com gestos posicionados para a direção das costas do contador. O olhar também se apresenta como gestual, porque encaminha a direção do olhar do ouvinte para o lugar onde deseja expandir a imaginação. Observar o público durante a contação, suas reações, suspiros e pequenos movimentos é importante. Isto porque durante a contação é possível despertar algum distraído, acolher com o olhar alguém que tenha se emocionado e muitas outras interações com o público. O ritmo da narrativa deve prever pausas, respiração, velocidade acelerada ou lenta, tudo intercalado e pautado no enredo. Mas nunca pode se estabelecer em apenas um modelo, sob pena de tornar-se cansativa. A voz é uma grande ferramenta: suave, acolhe; firme, posiciona; brava, desperta; sorridente, anima; triste, emociona e assim por diante. Ao falar em deuses, a voz deve ser projetada da garganta para cima. Para o herói, deve-se imaginar a voz pulsando da altura do peito, no coração. Já para tratar de temas envolvendo crianças, a voz precisa vibrar, num exercício diafragmático, da região do umbigo. Para anciãos, pais e bruxas, a região pélvica deve ser acionada. E para temas maternais, o útero pode ser

84 84 lembrado. O aquecimento vocal é sempre bem-vindo antes de uma contação aliado a breves exercícios de alongamento. Ao final, o contador deve prever um momento para o feedback do público, técnica possível e desejável. Neste espaço, o ouvinte pode ser espontâneo, inclusive para não participar, e preferir ficar em silêncio, ou trocar somente olhares. Estes também são feedbacks. O ouvinte forma suas próprias sínteses em um processo de re-elaboração, que deve respeitado. Fica então pensando que até o silêncio do auditório pode ter papel formativo, na medida em que obriga o espírito à disciplina da atenção e da contensão (CANDIDO prefaciando LIMA, 1985, p. 10). Muito além das técnicas, a contação se dá em uma proposta imapeável. As relações afetivas se desenvolvem ali sem um projeto, um plano inicial, ou objetivo previsto. O ritual desperta o inusitado em cada um e este é imprevisível. Quando contadas em ambientes corporativos, por exemplo, as histórias fazem o público deixar escapar, algumas vezes, suas mazelas e angústias. Em outras situações, como ambientes com pessoas doentes física e mentalmente, surpreendentemente estas demonstram um humor incomparável. A partir de uma história é possível viver momentos de felicidade ou reconstruir o caminho na direção desta. O conto A pastora de gansos na fonte relata a história de uma mulher sábia que concedera à princesa a dádiva de chorar pérolas em vez de lágrimas e termina com as palavras: Hoje em dia isto não acontece mais, senão os pobres ficariam todos ricos (GRIMM, vol.ii, p ). Os editores do livro Kinder - und HausMärchen dos Irmãos Grimm comentam que: é por esta razão, quando a realidade não é sábia, que o conto permanece com seu presente mais nobre: o verdadeiro amor aos homens bons, que pode torná-los felizes. Foi o amor aos homens que fez surgir os melhores contos. Deste modo, a beleza de muitos seres humanos resplandece através da sujeira desonrosa, e

85 85 muitas vezes ela toca o coração de um príncipe, que alcança sua felicidade através dela 26. Ou se a beleza foi perdida pela magia, então surge a tristeza e todos os acontecimentos têm apenas o objetivo de endireitar o que foi retorcido, e transformar o desfigurado em simétrico novamente 27. (GRIMM, vol.ii, p ) Com base nas observações dos rituais de contação realizados pela Casa, é possível concluir que este ato tem um caráter efêmero, mas transformador. A metáfora da fundição se presta para a melhor compreensão. É na troca de experiências que o contador, transformado, transforma o público, que devolve a força transformadora. Assim como o ferro derrete ao ser submetido a altas temperaturas, assim é o ser humano, que se transforma ao se submeter a uma história representativa para seu universo particular. O ferro pode ser outras vezes derretido e o ser humano quantas vezes transformado. Recontada, a história provavelmente não será a mesma, e neste momento tanto contador como ouvinte vivem a possibilidade, em que a história opera como um visitante. Como escreve Hellinger (1996, p. 51), vê-se como uma casa aberta, onde podem entrar todos os que quiserem. Cada um chega, traz algo, permanece algum tempo e parte. Entretanto, a recepção da história pode ser determinada pela situação de discurso 28 descrita por Ducrot e Todorov como fatores que influenciam, interferem na comunicação, que pode ser relacionada diretamente com a contação de histórias propriamente dita. Chamam-se situação de discurso o conjunto das circunstâncias no meio das quais se desenrola um acto de comunicação (oral ou escrito). Deve-se entender por isto, ao mesmo tempo, o ambiente físico e social em que se realiza este acto, a imagem 26 Nota da tradutora professora doutora Sigrid Renaux: Cinderela, por exemplo. 27 Nota da tradutora professora doutora Sigrid Renaux: Príncipe Sapo, por exemplo. 28 Situação de discurso aprofundada por Urbano (2000, p.22) é compreendida por três elementos: protagonistas, circunstâncias espaço-temporais e condições gerais da produção/recepção da mensagem.

86 86 que dele têm os interlocutores, a identidade destes, a idéia que cada um tem do outro (incluindo a representação que cada um tem do que o outro pensa dele), os acontecimentos que precederam o acto de enunciação (sobretudo as relações que antes tiveram os interlocutores) e, sobretudo, as trocas de palavras em que se insere a enunciação em questão. (1988, p. 291) Mais que o ritual ou a situação de discurso, a pesquisa focou o objeto da análise no conteúdo textual dos dois contos destacados nesta pesquisa. Para tanto, durante o desenvolvimento do estudo do repertório literário destes contadores de histórias ligados a Casa, foram eleitas duas instituições sociais, seus ouvintes e textos escolhidos como mais interessantes, como será detalhado a seguir. 3.2 PESQUISA QUANTITATIVA A presente pesquisa foi realizada junto às internas do Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa e aos albergados da Casa dos Pobres São João Batista, no período compreendido entre 01 de abril de 2007 e 12 de julho de 2008, no Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa; e do dia 20 de setembro de 2007 até 08 de julho de 2008, na Casa dos Pobres São João Batista, ambos localizados em Curitiba É importante ressaltar que os resultados obtidos são independentes para cada instituição observada e não serão relacionados nesta dissertação, exceto quando tratar da condição do público alvo. O objetivo foi levantar junto ao público pesquisado, entre todas as histórias contadas no período, quais foram as mais representativas. O Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa atende até trinta adolescentes do sexo feminino nascidas no Paraná, que foram submetidas ao

87 87 cumprimento de medidas socioeducativas de privação de liberdade. O objetivo desta instituição é implementar uma prática pedagógica que enfatize a construção de uma relação significante e comprometida com a adolescente atendida, possibilitando que a mesma estabeleça uma reconciliação consigo mesma e com o outro. A entidade oferece profissionais para o atendimento em medicina (ginecológica e psiquiátrica), psicologia, pedagogia e odontologia. Também mantém programas de qualificação profissional, de inclusão digital, iniciação em confecção de roupas e para o desenvolvimento de habilidades manuais. Outras atividades também são eventualmente desenvolvidas, como aulas de artes plásticas, musicalização, educação física, cursos preparatórios para o vestibular; torneio de xadrez e esportes e visitas a museus e teatros. A outra entidade pesquisada foi a Casa dos Pobres São João Batista. Criado em 1964, o albergue chegou a abrigar, durante todos esses anos, dois milhões de pessoas, entre desvalidos, doentes e crianças. Pacientes e acompanhantes do interior do Paraná e outros lugares do Brasil encontram asilo na instituição durante o período de tratamento médico. Além disso, a casa mantida por irmãs católicas oferece serviços de terapia ocupacional, enfermagem, atendimento espiritual, psicológico e de alimentação. Existe também o Centro de Educação Infantil São João Batista, que atende cem crianças acompanhantes de pais hospedados. Para analisar o conjunto do universo foi definido o público-alvo da pesquisa do Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa: grupo de adolescentes e jovens do sexo feminino, entre 12 e 21 anos de idade, que cometeram algum crime e estão em situação e privação de liberdade. Algumas delas estavam grávidas ou com bebês recém-nascidos durante o período da pesquisa. Os monitores também

88 88 acompanharam as rodas de contação de histórias e opinaram, em algumas situações, na análise das mesmas. Já na Casa dos Pobres São João Batista, o público é mais diversificado. Crianças, adolescentes, adultos e idosos se dividem entre pacientes em tratamento médico ou acompanhantes destes. Aqui, em geral, o público é em maior número e a rotatividade expressiva. Durante a pesquisa, o local para a contação das histórias foi muito variado e as condições para a atenção absoluta, comprometidas. Vale destacar que o conjunto do universo se restringe aqueles que, nas duas instituições, participaram das rodas de contação de histórias promovidas por voluntários da Casa. Nas duas instituições nem todas as pessoas participaram das rodas, mas com certeza, entre aquelas que ouviram as histórias, todas foram pesquisadas. É possível estabelecer uma característica unificadora dos dois públicos: ambos estão em situação de fragilidade psicoemocional. No Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa, 422 jovens 29 reclusas ouviram as histórias durante o período pesquisado. Já na Casa dos Pobres São João Batista 965 pessoas que passaram pela instituição estiveram presentes nas rodas de contação. A metodologia definida para a pesquisa foi a coleta de dados feita pelos próprios contadores das histórias que, munidos de formulários (ver anexo A), entrevistaram o público quanto a história que pareceu a mais interessante. Ao final de cada roda de contação os formulários eram preenchidos, apontando para a história preferida naquela roda. Além das respostas do público, os contadores também fizeram observações pessoais (ver anexo B). Não houve seleção de amostra, todo o universo foi submetido à pesquisa, porém alguns critérios foram estabelecidos para se concluir o resultado da pesquisa. 29 Número total de ouvintes, podendo a mesma pessoa constar numericamente várias vezes.

89 89 Primeiramente, levantou-se entre as histórias, aquela que a plateia apontou como a mais interessante. Depois, foram destacadas as histórias que possuíam em seu currículo algum comentário dos ouvintes ou dos contadores, respectivamente. Logo, se chegou a uma lista em que no topo foram colocadas as histórias que constaram de mais de uma roda de contação, indicando a preferência do público pela reprise. Para efeito de credibilidade deste levantamento é preciso destacar que o público não foi, necessariamente, o mesmo durante todas as rodas de contação, o que dificulta o trabalho comparativo do pesquisador. Entretanto, é bastante plausível afirmar que existe uma unidade na audiência, considerada para esta pesquisa, como elemento único de nivelamento do público, que é a condição do ouvinte, específica em cada instituição. No Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa são moças em situação de perda de liberdade. No albergue são pessoas de poder aquisitivo reduzido, e também a situação de doença presente no próprio ouvinte ou no familiar que o acompanha. Desta forma, ambos os públicos estão em situação de fragilidade emocional, distantes de seus lares e de seu grupo familiar. Também estão numa situação em que não é possível sair da condição atual por livre decisão. A doença e a privação da liberdade impõem condutas e rotinas específicas, independentemente da vontade. No panorama das histórias contadas, estão aquelas que fazem parte do Baú de Histórias da Casa ou do repertório do próprio contador (aqueles com autoria conhecida). No Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa foram contadas 24 histórias no período considerado. Já na Casa dos Pobres São João Batista foram contadas 36 histórias.

90 90 Entre as Histórias que mais se destacaram, os critérios de análise encaminharam para dois textos/histórias: O convite da loucura (ver anexo C) no Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa; e O macaco e a desgraça (ver anexo D), também encontrado com o título O macaco e o papai Deus, na Casa dos Pobres São João Batista. As duas histórias são de autores desconhecidos e vagam pela oralidade dos contadores de histórias brasileiros, constando em várias páginas da internet. Os quadros abaixo apresentam, detalhadamente em cada instituição, as histórias preferidas pelo público: QUADRO 1 - CASA DOS POBRES SÃO JOÃO BATISTA ( ) HISTÓRIA RODAS DE CONTAÇÃO NÚMERO DE RODAS O macaco e a desgraça 04/10/ /11/ /11/ /05/ /05/ /06/ O senhor Palha 01/11/ /04/ Ilha dos Sentimentos 20/09/ /10/ FONTE: Pesquisa de campo Nota: Datas em que as três histórias, eleitas como mais interessantes pelo público, foram contadas. QUADRO 2 TOTAL DE PÚBLICO QUE CITOU A HISTÓRIA COMO MAIS INTERESSANTE ( ) RODA DE CONTAÇÃO QUANTIDADE DE ESPECTADORES OUVINTES POR HISTÓRIA TOTAL DE OUVINTES (em %) , Não foi eleita a mais interessante Não foi eleita a mais interessante , , TOTAL ,64% FONTE: Pesquisa de campo

91 91 A história O macaco e a desgraça foi contada em seis rodas, e em quatro delas foi escolhida como a mais interessante. Mais de 21% dos ouvintes de histórias destacaram este enredo. Os comentários dos ouvintes foram bastante profundos. A segunda colocada, Senhor Palha, foi contada em duas ocasiões e eleita a mais interessante nestas ocasiões, inclusive com comentários expressivos dos ouvintes. Já a terceira colocada, Ilha dos Sentimentos, foi igualmente contada em duas rodas de contação, eleita a mais interessante em apenas uma delas, por isso ficou nesta posição da lista. QUADRO 3 CENTRO DE SOCIOEDUCAÇÃO JOANA MIGUEL RICHA HISTÓRIA RODAS DE CONTAÇÃO Nº DE RODAS O convite da loucura Todas as outras 23 histórias Restante das rodas 1 FONTE: Pesquisa de campo QUADRO 4 TOTAL DE PÚBLICO QUE CITOU A HISTÓRIA COMO MAIS INTERESSANTE ( ) RODA DE CONTAÇÃO QUANTIDADE DE ESPECTADORES OUVINTES POR HISTÓRIA TOTAL OUVINTES (em %) % FONTE: Pesquisa de campo Nota: Datas em que as três histórias, eleitas como mais interessantes pelo público, foram contadas. DE Apenas a história O convite da loucura respondeu aos critérios definidos para esta pesquisa, ou seja, a história, além de ser escolhida como a mais interessante pelos ouvintes, obteve comentários e eles solicitaram que fosse repetida em novo encontro de contação de histórias. Todas as outras vinte e três histórias foram contadas apenas uma vez, e por falta de solicitação dos ouvintes não houve reprise. 10% do público total de ouvintes do período pesquisado encontrou no

92 92 conteúdo da história O convite da loucura algo de especial e elegeu como a história mais interessante. Ainda que munida de todos estes dados numéricos, esta dissertação entende que seria rico considerar outros aspectos que envolvem a avaliação de um texto/história como bom, melhor ou interessante. São ferramentas da comunicação, como explica Urbano (2000, p. 19): Na comunicação falada, o falante utiliza a linguagem verbal, mergulhada e amparada no contexto todo que a cerca, desde o paralinguístico, representado pela entonação, ritmo etc., até o extralinguístico, representado pela paralinguagem dos próprios corpos do falante e ouvinte (traços fisionômicos, gestos, postura etc.) e/ou pelo próprio referente situacional ou ambiente físico e social comum, como verdadeiro complemento da linguagem verbal e elementos da produção comunicativa. Portanto, vale ressaltar que para essa pesquisa não foram considerados estes aspectos comunicacionais, mas sim os registros a partir do texto, sob o entendimento do contador de histórias, por ser uma tarefa demasiadamente ampla e subjetiva. Antônio Candido (1964, p. 18) defende que: [...] os contos populares, as modas de viola, as adivinhas [...] não podem ser entendidos mediante a aplicação pura e simples dos métodos [...] que supõem na obra uma relativa autonomia, pois, mesmo quando transcritos, não são textos decifráveis diretamente. Não podem ser desligados do contexto, - isto é, da pessoa que as interpreta, do ato de interpretar e, sobretudo, da situação de vida e de convivência, em função das quais foram elaborados e são executados. 3.3 ANÁLISE DOS TEXTOS Antes de iniciar a análise será apresentado um resumo das duas histórias:

93 93 A história O macaco e a desgraça começa com uma senhora que vai para a cidade vender um pote de mel, tropeça em uma árvore e cai, quebrando o recipiente. Ela reclama por que Deus permite tanta desgraça para ela e vai embora. O Macaco, ouvindo aquilo supõe que a desgraça é o que está no pote, o mel. Come tudo e desejoso de repetir a saborosa desgraça, vai pedir a Deus mais. Deus dá um saco e diz para o Macaco abrir apenas no deserto. Ele o faz e sete cães furiosos saem à caça do Macaco. Uma árvore surge no meio do deserto, onde o Macaco sobe e se salva da morte. Já o enredo de O convite da loucura assemelha-se a um jogo de escondeesconde. Depois de um lanche na casa da Loucura, os amigos da anfitriã vão brincar, exceto o medo e a preguiça. A correria começa e a alegria, a tristeza, a inveja, o triunfo, a dúvida e a curiosidade se escondem. Depois de serem encontrados em lugares muito representativos das características de cada sentimento, todos dão por falta do Amor. A Loucura o procura em vários lugares e o encontra numa roseira, onde o Amor perfurará o olho. Consternada, a Loucura promete ajudar o Amor que ficou cego, e segue-o para sempre. De modo geral, as histórias se prestaram, ao longo dos anos, às divisões, subdivisões e categorizações feitas por vários teóricos a partir do conteúdo, da forma, da geografia, dos ciclos históricos, etc. Não é possível estabelecer um padrão único para essa categorização, uma vez que os autores pesquisados oram concordam e ora discordam do formato apresentado. Mas, em um exercício de definição dos tipos em que as histórias selecionadas se encaixam é possível buscar algumas teorias, mesmo que diferentes e por vezes conflitantes.

94 94 Dentro do modelo proposto por Propp, é possível opor os dois contos: O convite da loucura e O macaco e a desgraça. O primeiro pode ser classificado como conto de fadas, porque trata da problemática existencial e a busca de realização pelo sentimento. A partir da teoria de Coelho, seria possível confirmar este texto como conto de fadas, porque trata de tema espiritual/ético/existencial e a realização do indivíduo pelo amor. Já O macaco e a desgraça pode ser colocado na categoria dos contos maravilhosos, pelo eixo localizado na problemática social e a busca da realização material do personagem. Coelho confirma, mais uma vez, ao definir o conto maravilhoso como o espaço para o tema material/social/sensorial, que trata de riqueza, poder e corpo. A partir da divisão proposta por Costa, no livro Metodologia do ensino da literatura infantil é possível situar as histórias destacadas em categorias diferenciadas, numa análise da estrutura. A história do Macaco é uma fábula, porque o personagem central é um animal que interage e o final do conto reserva algumas lições morais. Diante da teoria de Moisés, a história do macaco é uma fábula por conter animais irracionais, mesmo que temporariamente racionais, por possuir uma lógica de causa e efeito e por deixar transparecer uma alusão, via de regra satírica ou pedagógica, aos seres humanos (MOISÉS, 1995, p.226). Diante da divisão dos tipos de histórias, feita pela Casa do Contador de Histórias, é possível ratificar, ao definir por fábulas, as histórias cujos personagens são animais e que transmitem uma lição moral. Para Costa, O convite da loucura é um apólogo, ou seja, uma narrativa em que seres não-humanos, neste caso os sentimentos personificados, interagem. O final também prevê uma mensagem propositiva. Machado de Assis (utilizando

95 95 elementos materiais, diferentemente da história da Loucura, com elementos abstratos) lançou mão desta categoria narrativa em Um apólogo (1885), que trás como personagens centrais a agulha e a linha, numa disputa pelo trabalho realizado por ambas que teria maior valor. A Loucura, o Medo e os outros personagens estabelecem uma relação metafórica do nome, o sentimento e os atributos esperados para cada um deles, o que desperta no ouvinte uma identificação total ou parcial. Moisés diria que O convite da loucura não é um apólogo quando define: o apólogo seria protagonizado por objetos inanimados (plantas, pedras, rios, relógios, moedas, estátuas etc) (MOISÉS, 1995, p. 34). O convite da loucura também pode ser catalogado como alegoria. Dufour (2005, p. 37) coloca a alegoria como sinônimo de história/conto. Ele dividiu em três tipos: abertas, fechadas e as visuais-participativas. A história selecionada seria uma alegoria fechada que termina com o ciclo completo, sem perguntas ao final e sem a participação do público no desfecho. Moisés define alegoria como toda a concretização, por meio de imagens, figuras e pessoas, de ideias, qualidades e entidades abstratas. O aspecto material funcionaria como disfarce, dissimulação, ou revestimento, do aspecto moral, ideal ou ficcional. Visto que a narração constitui o expediente mais adequando à concretização do mundo abstrato [...] (MOISÉS, 1995, p. 15). Dufour (2005) propõe um esquema para a compreensão das estratégias dos autores de alegorias. As histórias da Loucura e do Macaco podem ser consideradas alegorias, porque, conforme esse autor, o ouvinte está em uma situação problema e precisa passar para uma situação desejada. Desta maneira, o autor parte de uma estrutura isomórfica ou seja, da situação original inclui estratégias de solução e termina com a resolução bem sucedida. Além disso, constrói situações paralelas na

96 96 mesma ordem das problemáticas, mas suspensas de realismo em algum elemento. O receptor pode se ausentar para observar a situação problema com maior liberdade. Os autores, em geral, usam o tempo verbal presente e linguagem positiva, uma vez que o cérebro não registra o negativo; além de um nível de comunicação mais vago possível e personagens que refletem o inconsciente coletivo. Em O convite da loucura, os personagens encarnam sentimentos muito humanos e que, invariavelmente, são responsáveis pelo sucesso ou pelo fracasso de objetivos da vida dos ouvintes. A compreensão vem do distanciamento e principalmente, da atribuição de um significado, uma imagem mental para cada um deles, como operantes sociais. A história é contada no tempo passado, o que não segue a regra citada anteriormente. A linguagem positiva e o espaço das lacunas podem ser observados no texto. Um exemplo é o tempo cronológico que parece perder o sentido durante o jogo em que a loucura procura pelos amigos. Já em O macaco e a desgraça, o significante desgraça recebe outra conotação. E está ligado a algo positivo, doce e saboroso mel. O público que elegeu essa história vive situações de doenças, desgraças pela etimologia da palavra, e podem ter visto nesta história uma alegoria interessante, especialmente quando surge a árvore, aliado sobrenatural que ajuda o Macaco a sair da desgraça. E, ainda, esse aliado na conclusão da história, é Deus, de modo que a confiança no sobrenatural se amplia e conforta. No que se refere ao desmembramento do texto, esta dissertação irá apresentar a seguir a análise destas duas histórias a partir do simbolismo dos pesquisadores Jean Chevalier, Juan Edas Cirlot, Manfred Lurker e Johann Gottfried Herder. Também serão submetidas à análise a partir dos estudos das funções propostas por Propp e dos arquétipos de Jung. Ainda será feito um esboço de

97 97 literatura comparada a partir de As mil e uma noites e duas obras de Monteiro Lobato. Estas análises são um exercício para procurar formas do exterior para o interior do conto maravilhoso (do significante para o significado), o macro no micro, o geral no particular, de maneira estruturalista. É preciso compreender, ainda assim, que as histórias não se esgotam nesta análise, sobrepondo qualquer mapeamento. Por isso é necessário considerar o que escreve Candido ao prefaciar o livro Conto popular e comunidade narrativa (LIMA, 1985, p. 10): O conto tende a assumir um estatuto bastante complexo, devido ao seu eventual papel formador mais amplo, que engloba a dimensão recreativa. Este papel seria universalizador, elevando o particular da experiência ao nível mais geral, através do elemento fabulativo. Confirmando a visão de Candido, Matos & Sorsy (2005, p. 4) afirmam que o valor estético da narrativa oral está, portanto, na conjugação harmoniosa de todos os elementos. No que se refere à estética da recepção em um nível extremamente amplo a reação imediata no contato e os sinais físicos do público-alvo ao escutar estas duas histórias é possível registrar algumas informações constantes nos relatórios preenchidos após as contações. O público nas duas instituições fica mais tranquilo, serena o agito dos movimentos, permanece em postura mais ereta e demonstra muita gratidão. O agradecer no final da roda de contação se dá de várias formas: por meio do abraço, do sorriso, lágrimas, o agradecimento verbal e o pedido de licença para também contar uma história. Essa sensação de bem-estar pode ser explicada pela afirmação de Coelho (2003, p. 114):

98 98 [...] o ouvinte sente-se projetado num plano em que seus próprios anseios parecem realizar-se: os obstáculos se aplainam, o mal é castigado, o bem é premiado e a vitória dos heróis e heroínas é completa e perene... Daí o prazer interior ou a sensação de auto-realização que os contos de fadas ou contos maravilhosos transmitem. Sobre a reação verbal do público, algumas considerações tecidas pelos ouvintes e registradas nos formulários sobre a história O macaco e a desgraça dizem: "Essas histórias são como a vida, né? Nós vamos contar essa história para o nosso filho que está saindo da UTI"; "Eu gostei da do macaco"; "Adorei!". Na história O convite da loucura, as meninas do Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa disseram: "Que pira!"; "Hummmm... A traição sempre vai atrás da loucura e do amor"; "Conte a história do amor". No texto destas histórias é possível descrever representações que podem levar a uma reflexão sobre os motivos que fazem destes e não de outros, os textos eleitos como mais interessantes pela audiência. A simbologia será a primeira abordagem para os dois textos Simbologia A análise da simbologia de um texto não pode ser feita com a pretensão que revele uma verdade absoluta, ou como uma tradução imutável do que um grupo social interpretou de cada elemento. Isto porque este tipo de análise se ressente de provas substanciais. Entretanto, a partir de inúmeras interpretações coerentes e homogêneas dadas para cada elemento ao longo da história, e muitas vezes, registradas em ocasiões, objetos e lugares representativos, é possível sugerir significados próprios para cada item analisado.

99 99 Segundo Dundes, a mensagem transmitida pelo simbolismo deve ser melhor explorada porque pode fornecer elementos indicativos de um conteúdo oculto e vasto para a compreensão do que não foi dito: Afirmo que o conto tradicional (assim como outros gêneros de folclore) pode fornecer um corpus de dados capazes de fazer progredir materialmente o nosso conhecimento do simbolismo. A única razão pela qual até o momento os folcloristas deixaram de fazer uso adequado deste corpus prende-se ao fato de terem optado no total por uma leitura literal, e não simbólica, do conteúdo dos contos tradicionais. (DUNDES, 1996, p. 256) A história O macaco e a desgraça trabalha com símbolos que possuem vasto campo de interpretação. São muitas e variadas abordagens de cada um deles: o macaco, o mel, a senhora idosa, o pote imenso, a árvore que derruba e a outra árvore que salva, papai Deus, o saco com sete cachorros e o deserto, que serão analisados individualmente a seguir. Iniciemos pelo elemento propulsor de todo o enredo, o mel. Bebida e alimento dos deuses, o mel é a doçura disponível na bíblica terra prometida. Alimento primeiro, alimento e bebida ao mesmo tempo, a exemplo do leite, ao qual é frequentemente associado, o mel é antes de tudo um símbolo vasto de riqueza, de coisa completa e, sobretudo de doçura [...]. Leite e mel correm em cascatas em todas as terras prometidas, como em todas as terras primeiras das quais o homem se viu expulso. (CHEVALIER, 1996, p. 603) Também é símbolo de fartura, riqueza e bênçãos, além de substância purificadora. Uma intersecção entre ao enredo da história O macaco e a desgraça e uma simbologia pontual é o fato que João Batista se alimentou de mel no deserto, conforme relatam Mateus (3,4) e Marcos (1,6) na Bíblia.

100 100 As construções coletivas eram a ocupação principal de Jung, e dentro delas, as representações individuais encontravam seu espaço: C. G. Jung, em sua interpretação psicanalítica dos símbolos, vê muitas vezes no mel um símbolo do Si- Mesmo (objetivo último do processo de individuação) (HERDER, 199-, p. 137). Na mesma linha de pensamento Cirlot descreve (1984, p. 377) que na Índia, o eu superior era simbolizado pelo mel. Por ser o mel o resultado de um misterioso processo de elaboração, compreende-se que corresponda analogicamente ao trabalho espiritual exercido sobre si próprio. Dada a circunstância de fragilidade da saúde dos ouvintes que escolheram esta história como referência, é possível considerar um outro significado simbólico para o mel. O mel também é relacionado à fertilidade e à imortalidade. Por vezes é tido como o bálsamo enganador que brota de bocas falsas. Na descrição de Chevalier (1996, p. 604) o mel é tido como símbolo de todas as doçuras, ele realiza a abolição a dor. Ele devolve a visão aos que perderam, ele conserva a saúde e chega até a ressuscitar os mortos. Os ouvintes que elegeram esta história certamente carregam o desejo pela saúde em primeira instância, representado simbólica e inconscientemente pelo mel. Esta capacidade de distribuir saúde é atribuída não apenas ao mel, mas também à figura do macaco. Cirlot (1984, p. 371) destaca que na China, concedese ao macaco o poder de outorgar a saúde, o sucesso e a proteção, relacionando-o com duendes, bruxas e fadas. A partir desta interpretação fica, mais uma vez, bastante clara a relação do perfil dos ouvintes que elegeram esta história como a mais interessante: o macaco também teria a capacidade de devolver a saúde, abalada e comprometida. O que todos querem, especialmente este público

101 101 fragilizado pela doença, é o retorno a uma rotina tranquila e alegre. Num sentido mais amplo, são símbolo da sabedoria e de uma vida feliz (LURKER, 1997, p. 405). Se na China o macaco tem o poder de doar saúde, no Egito o poder é outro, o de julgar os mortos. Quando Deus avalia a alma dos mortos, o macaco serve como seu escriba. Tanto, que para os astecas e maias, era o Deus da Morte, o que é sacrificado na aurora para a volta do sol, o responsável por chamar o sol nascente todas as manhãs e por se despedir dele também. Como se percebe, a morte tema recorrente e ameaça na vida do público pesquisado tem ligação estreita com a simbologia do macaco. Ao contrário do que sugere na história pesquisada, o mundo cristão, especialmente na Europa, relaciona o macaco com a negatividade. Já antecipando as algumas possíveis tendências do público pesquisado no item que trata da interpretação a partir dos arquétipos, descrito mais a frente, Ronecker (1997, p. 356) descreve esta outra leitura simbólica sobre o macaco. Assim, na iconografia cristã, ele é a imagem do homem degradado por seus vícios, especialmente pela luxúria e pela maldade. [...] o Macaco denota a personalidade imprevisível e inconveniente e um tanto instável. É uma mistura sutil de talento, destreza, astúcia e imprudência. Diríamos que ele tem caráter bastante juvenil. Passando para a análise da idosa criadora de abelhas, que lamenta o mel derramado na história, esta será abordada pela simbologia da velhice. A longevidade é uma imagem imperfeita da imortalidade. Mas escapar às limitações do tempo pode ser expresso tanto no passado quanto no futuro; ser um velho é existir desde a origem; é existir depois do fim deste mundo (CHEVALIER, 1996, p. 934). Chegar a maturidade, viver intensamente este momento da vida é, provavelmente, um dos desejos dos ouvintes do albergue. A doença de si ou do

102 102 próximo representa uma ameaça a este projeto de vida. Talvez seja na imagem da idosa, lamentando sua perda, que se veem os ouvintes. Como é possível perder o que foi produzido durante todo um ano, o mais doce néctar, o mel. Tudo o que foi produzido durante a vida foi quebrado e perdido com a doença. A idosa conduz o mel em um pote que, simbolicamente, é descrito como símbolo da feminilidade e pode ser comparado ao útero, espaço da fecundidade. Para Herder (199-, p. 200) é semelhante ao colo e simboliza o refúgio, as forças misteriosas e ocultas. Na história O macaco e a desgraça, poderiam ter sido usados: a tigela, o vaso, o balde, a cuia, etc. Mas foi usada a simbologia do pote, como sugestão para algo que seria gerado durante o enredo. Uma narrativa fecunda de ensinamentos e provocações. No pote inicia a trama para a epifania que faz o macaco aprender. O pote cheio é visto como símbolo de fartura, abundância e plenitude, mas também como símbolo da surdez e da estupidez (CHEVALIER, 1996, p. 738). Os budistas veem no pote do oleiro as obras do cotidiano diante dos carmas. Muitas vezes, as pessoas recebem uma doença em suas vidas como uma oportunidade para viver a redenção dos carmas, quem sabe mais um olhar diferente sobre o público pesquisado na tentativa de entender os motivos e temas dentro do texto que fizeram desta a história mais interessante para o grupo. De riqueza simbólica incomparável, a árvore na história O macaco e a desgraça tem dupla função. Ela derruba o pote de mel, quando a idosa tropeça; e também salva o Macaco dos cachorros. Deus manda uma árvore para salvar o macaco, talvez estabelecendo ali o vínculo, o religare. O Macaco sai de uma condição e é transferido à outra por meio de duas árvores, há evolução, o inverso do que ocorre na árvore cósmica, com a copa para baixo e as raízes que descem do céu. Ele aprende algo, por meio delas. Conhece o mundo e a si. Sócrates já

103 103 defendia a ideia do conhece-te a ti mesmo. A árvore também remete ao simbolismo da cruz, árvore da vida, do martírio, da remissão dos pecados, para os cristãos, em que Jesus foi crucificado. Na cruz da redenção, ou as duas árvores, o Macaco recebe o perdão pela ingenuidade e tem a proteção do papai Deus. Comparada à coluna vertebral que sustenta o corpo, a árvore sustenta o mundo. Foi debaixo de uma árvore (e dentro dela) que Buda atingiu a iluminação. Sobre as raízes, vale destacar que no Islã, as raízes da Árvore da Felicidade penetram no último céu, e seus pequenos ramos se estendem por cima e por baixo da terra (CHEVALIER, 1996, p. 86). No enredo da história selecionada, as raízes que derrubaram a idosa são instrumento de felicidade e logo de aprendizado para o macaco. O obstáculo ensina e leva à maturidade e à transformação. Cirlot (1984, p. 99) também atribui à árvore um sentimento de transformação, no movimento de projeção dos indivíduos, o simbolismo derivado de uma forma vertical transforma, logo em seguida, esse centro [árvore como centro do mundo] em eixo. Tratando-se de uma imagem verticalizante, pois a árvore reta conduz uma vida subterrânea até o céu. Como um símbolo da vida a árvore representa: o aspecto cíclico da evolução cósmica: morte e regeneração. Sobretudo as frondosas evocam um ciclo, pois se despojam e tornam a recobrir-se de folhas todos os anos. [...] Pelo fato de suas raízes mergulharem no solo e de seus galhos se elevarem para o céu, a árvore é universalmente considerada como símbolo das relações que se estabelecem entre a terra e o céu. Por isso, tem o sentido de centro, e tanto é assim que a árvore do Mundo é um sinônimo do Eixo do Mundo. (CHEVALIER, 1996, p. 85) O homem evoluído tem a postura ereta como a de uma árvore. A árvore no deserto pode ser a oportunidade da evolução, de um estágio primário para um nível mais desenvolvido. As plantas também lembram o ciclo da natureza de morte e

104 104 ressurreição, desejo fecundo entre os que observam a morte, a angústia e a dor tão de perto, como na Casa São João Batista. Uma outra visão bastante curiosa dentro da análise simbólica, trata do momento em que o macaco garante sua própria vida no alto da árvore, e que é possível relacionar com interpretações antropomórficas da cultura siberiana: entre os iunguses, um homem se transforma em árvore e recupera em seguida sua forma primitiva (ROUF citado em CHEVALIER, 1996, p. 88). Transferindo a hipótese para a história, é possível uma transformação do macaco em árvore, uma vez que estava no deserto e não há exemplares da espécie nesta geografia. Então, a transformação do Macaco em algo seguro, forte e vívido como a árvore é uma possível interpretação. Passando a analisar os aspectos simbólicos encontrados na figura de Deus, este é tido como a força superior, a energia vital e o ser supremo. É colocado numa posição acima de tudo e todos no universo, lugar, no entanto, onde o Macaco pode subir. Na história é possível supor também a visão antropomórfica, uma vez que o Macaco vai ao encontro de Deus, que estava sentado vigiando o mundo. E ainda conversa com ele. No segundo título atribuído à história, O macaco e papai Deus, é possível observar uma visão paternalista na descrição, em que Deus ganha o atributo de Pai. Deus também é símbolo de todo o tipo de poder e prevalência, é o que regula a saciedade dos desejos do mundo. Como descreve Chevalier (1996, p. 333), os seres humanos tocados por um sentimento de dependência impotente, projetaram seus desejos e seus temores em um Ser superior, capaz de satisfazê-los e defendê-los. Incapaz de realizar sua própria felicidade coisificada no mel, o Macaco busca ajuda superior. Confuso, recebe o que não desejou. Mas ganha, igualmente, a caridade de Deus.

105 105 Sete cachorros no saco o saco dado ao Macaco continha exatamente sete cães. Sete é um número muito representativo e lembra os sete graus da perfeição, os dias da semana, as hierarquias angelicais, enfim, todos os conjuntos perfeitos. O sete também representa a totalidade do universo em movimento, as cores do arcoíris, as notas musicais, ao ciclo da criação da Terra, e a conclusão dos ciclos conhecidos para o início do desconhecido. Nos contos e lendas, este número expressa os sete estados da matéria, os sete graus da consciência, as sete etapas da evolução: 1. Consciência do corpo físico: desejos satisfeitos de forma elementar e brutal; 2. Consciência da emoção: as pulsões tornam-se mais complexas com o sentimento e a imaginação; 3. Consciência da inteligência: o sujeito classifica, organiza, raciocina; 4. Consciência da intuição: as relações com o inconsciente são percebidas; 5. Consciência da espiritualidade: desprendimento da vida material; 6. Consciência da vontade: que faz com que o conhecimento passe para a ação; 7. Consciência da vida: que dirige toda a atividade em direção à vida eterna e à salvação. (CHEVALIER, 1996, p. 831) Já sobre a simbologia dos cães, é possível registrar inúmeros fundamentos. O cão foi associado quase que universalmente à morte e aos Infernos, ao escuro mundo inferior, às regiões invisíveis regidas pelas divindades tectônicas ou lunares. O cão é um psicopompo, um guia e um condutor das almas no além. (RONECKER, 1997, p. 316). Em algumas culturas, o cão era o responsável por devorar os mortos, os velhos e os doentes. Ele é tido como o guardião do inferno. Curioso perceber que, como simbologia do acompanhante dos mortos, são os cães que vão para o deserto com o Macaco, talvez num presságio do destino que o aguardava. Especialmente pela capacidade a eles atribuídas de enxergar espíritos. O cão é um animal do limiar, encontra-se entre o aqui e o além (LURKER, 1997, p. 114). Essa ponte estabelecida na história pela figura do cão, também pode ser relacionada à ponte figurativa que o Macaco percorre entre a ingenuidade e o aprendizado.

106 106 É instigante pensar que o cão, primeiro animal doméstico, tenha sido usado, neste conto como um animal feroz e perigoso. Em muitas culturas, especialmente no Japão, é protagonista de atitudes de companheirismo, fidelidade e até submissão. Na iconografia medieval, o cão é ambivalente; pode ser símbolo da inveja, da ira e da tentação do mal, mas também da fé e da fidelidade (HERDER, 199- p. 44). Na história objeto de estudo, os cães podem ser vistos como tentações, a encarnação do mal para o Macaco, aqueles que vêm testar a fé. Nos contos de fadas e na crença popular encontram-se ecos de ideias mágicas sobre os animais e de um sentimento de vida simbiótico entre ser humano e animal (animais prestativos, transformação em animais). Os animais podem trazer a vida (cegonha) e anunciar a morte (cão, coruja). (LURKER, 1997, p. 31) Nessa relação simbiótica o resultado é sempre positivo. Simbiose pressupõe que exista camaradagem, ou seja, que os envolvidos sejam beneficiados pela vida em comum. Desta forma, é possível reafirmar, que o homem se vale das figuras simbólicas dos animais para compreender o mundo e transformá-lo. Sobre as representações do deserto no contexto da história selecionada, é possível dizer que o deserto é tido como um lugar onde o indivíduo é retirado das ilusões, o deserto é descrito na Bíblia como um espaço ambíguo: um lugar habitado pelos demônios [...] é também o lugar onde Deus pode mostrar-se com especial intensidade (HERDER, 199-, p. 74). Esta última expressão parece estabelecer uma relação estreita com a condição em que os ouvintes da Casa dos Pobres São João Batista estão. No deserto, no sofrimento da realidade dura da doença e distante da ilusão, eles se veem diante da prova de Deus. Eles se questionam sobre a carga de desgraça, precisam optar pela crença ou não em Deus, aqui como sujeito do milagre da cura. Lurker (1997, p. 194) pontua especificamente esta condição quando

107 107 explica que o deserto pode ser uma imagem de isolamento da alma, ou estar associado a experiências de situações-limite (doenças, morte). Espaço de transformação para o encontro com a divindade, o deserto pressupõe solidão. Mas não abandono, uma vez que a árvore mandada por Deus está lá, lugar onde sua existência não era prevista. O deserto comporta dois sentidos simbólicos essenciais: é a indiferenciação inicial ou a extensão superficial, estéril, debaixo da qual tem de ser procurada a Realidade (CHEVALIER, 1996, p. 331). A verdade é revelada para o Macaco, que mesmo sem a intenção a encontra. Em resumo, é possível dizer que o simbolismo da História O macaco e a desgraça inicia com o mel, o impulsionador do enredo, que como purificador, vai oferecer ao macaco a oportunidade de aprendizado, de purificação através do perigo. Como representação do Si-mesmo, o Eu, remete o macaco ao encontro com seus prazeres e medos. O pote, como útero fecundo que se parte, derrama e confirma a possibilidade deste aprendizado. Permanecendo a mesma intenção, a árvore aparece como a renovação, pois perde as folhas numa estação para renascer na outra. Elemento que derruba e depois salva, no movimento de inferno (perda, exílio, sofrimento e dor) e céu (reconquista da paz, bem estar, felicidade). A idosa no conto traz a utópica ideia de imortalidade ameaçada. O número de cães remete às etapas da evolução humana, processo que sai da brutalidade e segue até a vida eterna. É como se o ouvinte precisasse passar por todas as fases, evoluir, para não ser devorado pelo cão, simbolicamente condutor e guardador do inferno. Toda a trama se dá no deserto, lugar habitado por demônios, reinado da solidão e das situações limite, mas também onde Deus pode demonstrar seu poder. A figura de Deus entra na história como aquele que testa, mas também, especialmente, aquele que salva o macaco da desgraça.

108 108 Esta história, se contada para outro público, pode não ter o mesmo impacto e significado que conquistou entre os doentes e acompanhantes dos albergados na Casa dos Pobres São João Batista. Eles passam pelo processo do sofrimento que, para a crença judaico-cristã, é passaporte da purificação. Todo o medo da morte é o espaço do aprendizado, para que seja possível o renascimento, a renovação do Simesmo. Aquele que não é devorado pela morte, obteve de Deus Pai a proteção e uma demonstração do poder divino. A permanência neste mundo é possível depois de ter sido transformado e completar o processo de evolução. Neste segundo momento será aplicada a interpretação simbólica à história O convite da loucura. Neste enredo é possível destacar: a Loucura e o Amor, o jogo esconde-esconde, a roseira e o olho. No enredo de O convite da loucura há a personificação de sentimentos, virtudes e defeitos, uma reinvenção da mitificação característica das divindades da Antiguidade. Comecemos pela Loucura ao tratar do louco, Chevalier (1996, p. 560) escreve por detrás da palavra loucura se esconde a palavra transcendência. No Tarô, a carta do Louco não tem número, por isso pode ser considerada fora do baralho, fora do jogo, da cidade e dos muros. Portanto, já no título e no início da história, o texto remete o público a conceitos intangíveis, imateriais, removendo as ideias concretas e ao universo conhecido como real. O Louco, segundo a simbologia dos números, quer dizer o limite da palavra, o lado de lá da soma que não é esperada, que se transforma em ausência, o saber último, que se transforma em ignorância, disponibilidade: a cultura, aquilo que fica quando tudo o mais é esquecido [...] tornando-se a consciência do ser, a consciência do mundo, da totalidade humana e material, da qual ele se desligou para avançar mais à frente. Se ele é vazio, é ele que separa o ciclo completo do ciclo que vai começar. (CHEVALIER, 1996, p. 560)

109 109 O louco é aquele a quem não se aplicam as regras. Cirlot (1984, p. 351) destaca, ainda na figura do Louco do Tarô, que este último arcano corresponde ao irracional em si, ao instinto ativo e capaz de sublimação, mas também á impulsividade cega e à inconsciência. Na história a Loucura é gentil anfitriã e parte dela a proposta para o jogo que culmina com a cegueira do Amor. Liberta das regras ela é quem guia o Amor pelos caminhos tortuosos do mundo. Por isso, o coração amante costuma não conhecer limites racionais. A racionalidade não fez parte, em algum momento, da vida das meninas do Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa. Foi numa situação de loucura que elas praticaram diferentes tipos de crimes, seja por amor ou não. Os arquétipos destas histórias confirmam este perfil e serão apresentados mais à frente. A Loucura também pode ser vista no desmembramento da palavra, como uma situação de (lou) cura, ou seja, diante da inércia, da apatia do Amor, o último a ser encontrado, a se mostrar, existe a ação da cura, da loucura. E também pode ser vista como uma cura lenta, que de um ato impensado surge oportunidade de transformar para melhor. O amor tem muitas abordagens simbólicas que podem ajudar a compreender melhor a relação da história selecionada com a recepção da plateia. Ao escrever sobre a alegoria do amor, Lurker definiria o enredo de O convite da loucura como convencional, uma vez que, a partir de um objetivo didático, inclui a caminhada para o reino do amor como local de ação central (jardim, gruta, cidade, convento, palácio, castelo) onde personificações instruem (1997 p. 24). Este autor situa a alegoria do amor ao período da Alta Idade Média, tempo próspero para trovadores que cantavam o amor cortês, como já foi descrito anteriormente. Aliás, não é à toa que a Loucura procura pelo Amor nas montanhas, uma vez que estas

110 110 fazem parte da mitologia. Estão cercadas de crenças de que são lugares sagrados, de que guardam segredos e até eram adoradas como divindades. Na Bíblia, é no monte Sinai que Moisés recebe de Deus os Dez Mandamentos. A palavra amor deriva de Eros. Na mitologia grega, Eros, filho de Vênus, nunca crescia. Themis revelou que Eros apenas cresceria ao nascer do irmão, chamado Anteros, tido pelos poetas como o amor correspondido. Eles são representados pela imagem de duas crianças munidas de arco e flecha. Amor é o mais próximo de Deus, e Cupido, o mais distante. Cupido é descrito na figura de um menino coroado de rosas, igualmente armado. Às vezes [Cupido] é cego, porque o Amor não percebe defeitos no objecto amado; ora tem uma rosa na mão e um delphim na outra (COMMELIN, 1941, p. 81). O amor nem sempre é representado como cego, por vezes aparece vendado. Na história O convite da loucura, este Amor criança escolhe um lugar arriscado para se esconder: Na maioria das vezes é representado como uma criança ou um adolescente alado, nu, porque encarna um desejo que dispensa intermediários e não saberia se esconder. O fato de que o amor seja uma criança simboliza, sem dúvida, a eterna juventude de todo o amor profundo, mas também certa irresponsabilidade: o amor zomba dos humanos que caça, por vezes mesmo sem os ver, aos quais cega ou inflama [...]. (CHEVALIER, 1996, p. 46) As meninas do Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa falam muito dos relacionamentos que deixaram para trás. E algumas chegam a lamentar as atitudes do passado. A sensação de perda da juventude dentro de um ambiente privado de liberdade também é uma constante. O cenário para o enredo desta história é o jogo esconde-esconde, considerado uma brincadeira que liberta das amarras da vida cotidiana. Viver uma situação hipotética, mesmo que semelhante à vida real desloca o eixo de visão.

111 111 Brincar é um rito de entrada e prepara o caminho para a adaptação ao objeto real (CHEVALIER, 1996, p. 520). E nessa brincadeira que envolve os sentimentos fica ainda mais evidente que o jogo é por si só um universo, no qual, através de oportunidades e riscos, cada qual precisa achar o seu lugar (CHEVALIER, 1996, p. 518). Lugar transitório de permanente transformação é um Centro de Socioeducação como o Joana Miguel Richa. A partir dali, cada interna terá que voltar ao mundo e encontrar um lugar ou o lugar. A perda do lugar no mundo se transforma no ganho da experiência para conquistar outro lugar mais adequado. Para as crianças o jogo funciona como uma experimentação da realidade, uma maneira de viver algo próximo, representativo ou alegórico da cultura em que estão sendo inseridos gradativamente. Sob o aspecto alegórico, o ouvinte da história O convite da loucura pode experimentar, resguardado num relativo distanciamento de si mesmo, sentimentos vivos e autônomos. Estes sentimentos podem ser, consciente ou inconscientemente, próprios da personalidade deste ouvinte. Segundo a Psicanálise, desejos insatisfeitos ou conflitos não verbalizados exprimem-se, frequentemente, em jogos simbólicos (LURKER, 1997, p. 356). Herder (199-, p ) explica que o jogo é um símbolo de luta contra obstáculos a serem transpostos segundo determinadas regras. Regras não faltam num ambiente de privação de liberdade como o Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa. São obstáculos que serão transpostos com a resignação ou com a liberdade, na maioria das vezes, distante. Para os gregos, os Jogos eram deuses que presidiam os divertimentos de qualquer natureza, tanto do corpo como do espírito (COMMELIN, 1941, p. 442). Para os gregos e os romanos os jogos sempre terminavam com resultados positivos, isto porque eram importantes na formação dos jovens. Aqui, é possível estabelecer

112 112 uma relação entre o objetivo formativo do conto de fadas, que já foi mencionado anteriormente. O enredo de O convite da loucura se dá através de um jogo e termina com a lição de que o amor tem nuances de loucura. O final deste conto pode ser como o desfecho do próprio jogo na Grécia e Roma: a formação dos jovens. Durante o jogo com os outros sentimentos, o Amor se esconde em uma roseira. A rosa é o símbolo do amor por excelência, do amor puro, é um símbolo de finalidade, de sucesso absoluto e de perfeição (CIRLOT, 1984, p. 504). O Amor merecia um espaço de perfeição para se acolher, o Jardim de Eros. Lurker (1997, p. 613) descreve que a rosa era tida como flos sapientium, a flor da sabedoria e dos sábios. Na história, o Amor estava escondido sob a proteção da Sabedoria, até ser encontrado pela Loucura, a rosa simboliza a taça da vida, a alma, o coração, o amor (CHEVALIER, 1996, p. 788). Para Herder (199-, p. 174), a rosa simboliza o próprio amor e, se for vermelha, também o amor divino. Pela frequente relação com o sangue que corre depois de ferimentos por espinhos, a rosa tem ligação simbólica com o renascimento místico. As internas têm a vida ferida por espinhos de lembranças e dores, experiências que as fizeram perder a liberdade. E precisam renovar, renascer para novas atitudes de vida. A história também destaca um outro elemento bastante simbólico: o olho do amor, portanto, apenas um. Com um olho durante o dia, o sol, e outro durante a noite, a lua, Deus observava a vida terrena dos egípcios. Os humanistas usam um único olho para simbolizar Deus. [...] O olho é um órgão divino e mesmo um símbolo da divindade (LURKER, 1997 p. 497). No enredo, o Amor possuía o olho da divindade até ser vítima pela Loucura. Por excelência a janela da alma, o olho tornou-se símbolo da visão espiritual, da sabedoria e da onisciência (LURKER, 1997, p. 497). Na história, quando o Amor perde o olho também perde as

113 113 características divinas da sabedoria e a onisciência. Ele fica sob a condução da Loucura que o leva pelas redes da irracionalidade e da inconsequência. Várias culturas citam o olho do coração, relacionando-o ao amor. Para os sioux, o olho do coração é o homem vendo Deus, mas também Deus vendo o homem. É o instrumento da unificação de Deus e da alma, do Princípio e da manifestação (CHEVALIER, 1996, p. 654). Os bambaras, povo da República de Mali, na África, colocam a visão como o sentido mais completo e integral. Uma vez que o Amor perde essa faculdade, passar a ser conduzido pela Loucura e a ideia de desordenação começa a criar forma. Caos observado na trajetória do público pesquisado, capaz de torná-las privadas da liberdade e alvo de medidas socioeducativas. O olho do Amor nesta história pode simbolizar o aspecto divino deste sentimento, violado durante o enredo pela Loucura. A pureza, a inocência, os sentimentos nobres das meninas do Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa em algum momento foram violados também. Elas cometeram algum tipo de crime grave que fez com que perdessem o direito à liberdade. Neste momento da vida de cada uma, a divindade foi extirpada e substituída pela condenação do erro, o castigo e a culpa. Em resumo, sobre a simbologia da história O convite da loucura, é possível dizer que é um texto cujo conteúdo é muito coerente com a condição das ouvintes do Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa. A personificação dos sentimentos serve como ferramenta de instrução e experimentação. O jogo de esconde-esconde alivia o esforço de rejeição e dor e deixa bem claras as regras, assim como em uma prisão ou mesmo na vida. O louco demarca o fechamento do ciclo completo e o início do novo. O ciclo da cegueira, da impulsividade, da inconsciência, da irracionalidade terminou no ato do cerceamento da liberdade. A loucura também é

114 114 capaz de sublimação, ou seja, uma mudança de um comportamento para outro mais aceito pela sociedade. Este início de ciclo é provocado pela ação incisiva da (lou) cura, movimento pontual que marca o começo da cura e o retorno ao mundo na conquista de um novo lugar, na volta à liberdade. Sobre o amor, Cupido é tido como a criança mais distante de Deus, por vezes representada como cega, para não ver os erros nos outros, numa atitude ingênua, irresponsável e inflamada. O amor se esconde na roseira, a morada da perfeição, reino da sabedoria, lugar de onde a loucura vai retirá-lo. É na dor provocada pelo espinho que inicia o renascimento místico. Mas com o olho do amor perfurado, rompe-se a ligação com Deus, olho que tudo vê. Perde-se a sabedoria do espaço e do tempo. A história termina no ponto exato da prisão, da perda da liberdade, e abre uma perspectiva de compaixão para o futuro que virá Funções As 31 funções propostas por Propp, cada uma ligada diretamente à ação do personagem, já foram descritas anteriormente e neste capítulo serão aplicadas as duas histórias secionadas. Entretanto, para esta análise das histórias serão consideradas as cinco invariantes presentes em todos os contos. São elas: a) Aspiração ou desígnio: é o motor que impulsiona para a ação, que inicia o movimento, é o chamado. No O convite da loucura é o momento em que há o convite para a brincadeira do esconde-esconde. Em O macaco e a desgraça é a saída da velha produtora de mel, passando pela floresta, no primeiro movimento que dá início a jornada do herói.

115 115 b) Viagem: é o início da aventura em um ambiente estranho e nada familiar. No conto O convite da loucura, se dá no início da brincadeira, quando a Loucura começa a contar e os sentimentos empreendem a fuga para o esconderijo. No conto O macaco e a desgraça é o momento em que a senhora idosa derruba o pote de mel e volta para casa, permitindo ao Macaco provar o sabor da desgraça. c) Obstáculos ou desafios: são os desafios que tentam impedir o sucesso do herói. Em O convite da loucura, é o momento em que todos os sentimentos lutam para encontrar seus esconderijos. Em O macaco e a desgraça é a caminhada para o deserto na busca pela desgraça e o ataque dos cães. d) Mediação: é a força inexplicável que vem de aliados reais ou não, que colaboram para o sucesso da busca. Em O convite da loucura, todos os sentimentos se unem na espera do encontro com o Amor. A Loucura vai à procura do Amor enquanto todos aguardam no jardim. Não há um aliado específico nesta história. A Loucura usa um pauzinho para mexer na roseira. Já em O macaco e a desgraça, uma árvore surge no meio do deserto, como mágica, qualidade própria de boa parte dos mediadores. e) Conquista: é o fechamento da história, geralmente com vitória do herói. Em O convite da loucura, é a revelação dos motivos pelos quais o amor é cego. Já em O macaco e a desgraça, é o momento em que os cães vão embora e o Macaco volta para a floresta, transformado Arquétipos Marie-Louis Von Franz (1992) defendeu que é impossível mapear completamente o esquema arquetípico das histórias, porque o conteúdo destas é

116 116 inesgotável. Entretanto, a seguir, vamos fazer um exercício de associação de alguns modelos arquetípicos aos textos. Sob a luz dos estudos feitos pelo arte-educador José Mauro 30 e pela psicóloga Martha Teixeira da Cunha 31, ouvidos especialmente para a pesquisa realizada nesta dissertação, é possível apontar relações dos arquétipos com a estrutura dos dois contos. Segundo eles, existem duas representações em O macaco e a desgraça : o macaco e os cachorros, que serão explicados a seguir. O macaco normalmente é a representação de instintos baixos, preguiça, luxúria e esperteza. Neste caso, o Macaco é ingênuo, bobo, mas também, contraditoriamente, esperto. Pois o que não é bom para o outro pode ser útil e bom para ele, algo como cobiçoso. Esta é, principalmente, uma história de confiança e de abandono, por isso a pessoa que escolhe esta história não confia em si e nem nos outros, o que pode indicar um dos traços do perfil do público pesquisado. A pessoa também pode ter características de vulnerabilidade e de falta de êxito na determinação de limites. Já o cachorro, como símbolo da confiança, está sempre alerta. E pode atacar, ou seja, ele tem raiva, então isto representa que a intuição, ou o processo de intuir, está desguarnecida. A principal característica deste perfil é a exibição a riscos desnecessários, como não olhar para os lados ao atravessar a rua, falar sobre qualquer coisa com qualquer um, sem limites. O Macaco também é a representação desta falta de limite e de bom senso. Assim, sem regras a pessoa cai em des-graça, ou seja, sem as graças, sem as bênçãos do espiritual divino e se transforma em des-graçado. Por fim, a pessoa 30 Além de arte-educador, José Mauro é professor e ministrante de cursos de formação de contadores de histórias e outras oficinas de aprofundamento como Labirintos da Alma, promovidas pela Casa do Contador de Histórias. 31 Martha Teixeira da Cunha é psicóloga clínica, arte-educadora e pesquisa, há 15 anos, a estrutura dos contos de fadas e a representação na psique humana.

117 117 que escolhe esta história pode ter visão ingênua das coisas, fatos e pessoas. Mas, ao mesmo tempo quer ganhar sem fazer muito esforço. Mesmo que isto implique em riscos até da própria vida. Sob o olhar dos arquétipos, a árvore que projeta o tronco em direção ao céu representa o falo, o pai. Embora Jung veja a maternidade, matriz, no aconchego às espécies e traduza em hermafroditismo. É nessa ambivalência entre o masculino e o feminino, duas forças opostas atuantes em cada um, que o Macaco vive seu processo de individuação. Na história O convite da loucura as representações arquetípicas, segundo Mauro e Cunha, remetem ao romantismo da literatura. A ideia de que o amor e a loucura andam sempre juntos, agrega o conceito de que para amar é necessário sofrer, o amor só existe ao enlouquecer. É preciso enlouquecer de paixão, nesta história de extremos. Não é permitido amar simplesmente, é imperioso perder a razão ao amar e isto justifica qualquer coisa, matar ou morrer. Não existe o equilíbrio, nem bom senso. Nesta visão romântica do amor e da loucura de amar, qualquer coisa vale e todas as regras podem ser quebradas. Muitos poetas já destacaram o chamado mal do século, o sofrimento de amor era condição para o exercício da poesia, adoecer de paixão. Ainda nesta concepção, o ciume doentio se justifica. Para os dois pesquisadores, quem escolhe esta história justifica todos os seus atos pelo amor, ou seja, para esta pessoa não existe bom senso, ou ama ou odeia. E, ao amar, qualquer atitude é justificável. O principal desafio de quem aponta esta história é o poder de escolha a partir da razão. Assim como o conto O macaco e a desgraça, O convite da loucura também é um conto de quebra de regras, em que não há limites e tudo é permitido.

118 118 Caroline Myss (2003) define 12 arquétipos básicos que acompanham cada indivíduo. Mas reduz para oito, o número de padrões arquetípicos que mais influenciam as pessoas e suas relações. Na análise das duas histórias, foi escolhido um arquétipo para resumir a intenção do conto e este foi definido como objeto de análise dentro de um universo elencado no capítulo Galeria de Arquétipos, do livro Contratos sagrados (2003). Antes de mais nada, Myss (2003, p. 173) alerta que os arquétipos são energias neutras do psiquismo, nem positivas, nem negativas. A história O convite da loucura pode ser relacionada ao arquétipo do Cavaleiro a medida que coloca o amor numa posição especial, mesmo que sofrida no final. O arquétipo do Cavaleiro está basicamente associado a cavalheirismo, amor romântico, proteção da Princesa e ao ato de guerrear em defesa de causas nobres. O Cavaleiro serve com devoção a seu Rei ou Senhor; por isso este arquétipo tem um tom espiritual, além de implicação de serviço e devoção [...] Um verdadeiro Cavaleiro, assim como o Místico, consegue manter o difícil equilíbrio entre o autosacrifício e auto-negligência. (MYSS, 2003, p. 409) A este arquétipo estão ligados personagens do cinema como o capitão John Miller, em O resgate do soldado Ryan e Jim Lovell no filme Apolo 13, ambos interpretados por Tom Hanks; e John Dunbar (Kevin Costner), em Dança com lobos, por exemplo. Já O macaco e a desgraça pode ter relação com dois arquétipos e não apenas um. O personagem do Macaco, especialmente, remete ao arquétipo da Criança: mágica/inocente. Ele ainda não sabe o que é realmente desgraça, se dispõe a lutar pelo objeto da alegria e não desconfia que dentro do saco possa ter algo perigoso. Inocência é a porção de cada indivíduo que tem a capacidade de se encantar com tudo e que pela sua inocência também encanta a todos.

119 119 [...] também inclui as qualidades de sabedoria e coragem diante de circunstâncias difíceis. Baudelaire disse que o gênio é a infância recapturada, e neste sentido a Criança Mágica também personifica um pouco do gênio. Ela tem o poder da imaginação e a convicção de que tudo é possível. (MYSS, 2003, p. 414) Outro arquétipo que pode ser relacionado a esta história é o do Hedonista. Especificamente no apetite pelos prazeres da vida, entre eles no desejo que envolve o paladar. A busca do êxtase físico se assemelha à busca de transformação espiritual, uma verdade que se torna aparente na identidade dupla do famoso deus grego do prazer, Dionísio (MYSS, 2003, p. 432). Este arquétipo está relacionado ao mito de Oxum, uma deusa que representa o amor e o prazer Literatura Comparada O conto O Convite da loucura e O macaco e a desgraça não oferecem elementos de comparação entre si, isto é, não podem ser observados com objetivos de colocá-los sobre a mesma plataforma para estabelecer paralelos. Entretanto, em um exercício de literatura comparada é possível relacionar estes dois contos selecionados com outros textos que fornecem elementos análogos e é isso que será apresentado a seguir. Textos envolvendo o personagem macaco não são poucos na literatura brasileira. Nos livros pesquisados de Lobato foram encontrados seis contos que tratam deste tema. Um deles dá título a um livro e os outros cinco participam de uma mesma coletânea. No livro O macaco que se fez homem (2008), no primeiro conto chamado Era no Paraíso, datado de 1923, Lobato aproveita a metáfora do macaco para fazer severa crítica aos homens. No enredo, o autor se propõe a explicar a gênese e

120 120 a evolução humana seguindo Darwin a partir de um tombo que um macaco levou no paraíso. E que desde lá, as transformações foram se dando como resultado de uma total falta de saúde mental do macaco até chegar na condição humana. A queda alterou o cérebro do macaco e o fez mudar, virar homem; e também uma queda a da idosa fez o macaco experimentar a desgraça. De acordo com a argumentação de Lobato, para Deus a inteligência é uma doença funesta, uma desgraça. No conto Era no Paraíso, Lobato também remete à personificação de Deus. A primeira frase do texto diz Era no Paraíso e Deus estava contente (LOBATO, 2008, p. 19). De animal primitivo, o macaco se transforma em ser pensante cuja inteligência apurará aos extremos sua crueldade, astúcia e estupidez (LOBATO, 2008, p. 14). Astúcia também é retratada no arquétipo do macaco citado anteriormente. No livro Histórias de Tia Nastácia (1957) constam cinco histórias que tratam do personagem Macaco. Astuto, no título O rabo do macaco o protagonista deixou cortar seu rabo para ganhar uma faca, que trocou por um balaio e por último por um pão. Emília comenta a história contada por Tia Nastácia e diz Comeu o pão e ficou sem balaio, sem faca e sem cauda. Isso é mesmo o que se chama negócio de macaco. E ainda dizem que macaco é um bicho ladino (LOBATO, 1957, p. 120). Assim como no texto selecionado, O macaco e a desgraça, o personagem que parece esperto e determinado no objetivo de se deleitar no mel termina a história sem o mel e abatido pelo medo. Ainda na comparação da história O rabo do macaco e O macaco e a desgraça, é possível encontrar uma intersecção muito interessante: a árvore. É na árvore que o macaco se salva dos sete cachorros e percebe que o saco não continha mel e sim perigo. No final de O rabo do macaco, Emilia conclui Tolinho! Quando for trepar a uma árvore é que verá a asneira que

121 121 fez (p. 122). O final dos dois contos traz uma perspectiva de epifania para o macaco. No segundo conto do mesmo livro, chamado O macaco e o coelho, Emilia continua questionando a perspicácia do macaco. O macaco provoca o coelho e acaba levando uma paulada nas costas. Apesar de sua fama de inteligente e esperto, e de avô do homem, o macaco, pelo menos nas histórias, nem sempre fica de cima (LOBATO, 1957, p.125). Esta constatação também pode ser perfeitamente aplicada para o conto O macaco e a desgraça. Na sequência, o terceiro conto cita outros dois elementos presentes no conto selecionado. Em O macaco e o aluá, o macaco esperto consegue ter litros de milho sem pagar, engana todos os bichos, inclusive um cachorro. E se lambuza no mel para se disfarçar, beber água e fugir da onça que pretende devorá-lo. Lambuzou-se de mel e rolou sobre um monte de folhas secas, ficando transformado no Bicho Folhagem, que ninguém sabia o que era (p. 127). É possível perceber o processo transformador a partir do mel neste texto e no Macaco e a desgraça, também. As outras duas histórias não fornecem elementos significativos para uma comparação. A história O macaco e a desgraça também pode ser relacionada com a obra As mil e uma noites, em alguns contos traduzidos por Mansour Challita (n/d). Elegemos o conto O belo adolescente triste para um aprofundamento. O filho de um rei relata suas aventuras sobrenaturais envolvendo criaturas incomuns. Numa parte da história, o príncipe chega a um palácio e encontra macacos que falam. É reverenciado e levado como rei à uma guerra com os Ghuls, que é vencida. O macaco vizir e todos os outros agradecem e vão embora depois do objetivo

122 122 alcançado. E o príncipe monta em um cão gigante e segue sua jornada de aventuras. Mas logo ouvimos um barulho parecido com o tumulto do oceano e vimos uma procissão entrar no palácio, composta de emires, vizires e outros notáveis, todos eles macacos. Uns eram anões; outros, gigantes. O vizir, um macaco de estatura enorme, veio até mim, inclinou-se respeitosamente e informou-me, numa voz humana, que seu povo me reconhecia como rei e meus três mamelucos como comandantes do exército. (CHALLITA, n/d, p. 104) Aqui, como em O macaco e a desgraça, o texto traz um movimento de prosopopéia, ou seja, o enredo inclui animais personificados, os macacos falam e se comportam como humanos. Nos dois textos, os macacos precisam vencer uma situação bastante arriscada (os cães para um; os Ghuls para outro). Vale destacar também que na descrição dos Ghuls, estes tinham várias formas estranhas, mas alguns se pareciam com hienas, mamífero carnívoro do mesmo grupo dos cães. Ou seja, os Ghuls podem ser interpretados também como cães, o grande perigo, nos dois textos, para os macacos. A obra As mil e uma noites também trabalha o tema cegueira, presente na história O convite da loucura. Entre alguns contos, o Cego que se fazia esbofetear, relata a história de um comerciante de camelos que foi escolhido por um dervixe para receber todas as riquezas que ele pudesse carregar na tropa de camelos de conduzia. Uma pedra se abriu, e todas as riquezas foram embaladas para viagem, sendo que o dervixe ficaria apenas com parte delas para dar aos pobres e uma pomada para passar nos olhos. Movido pela impulsividade, pela arrogância e pela ambição, o comerciante dissuadiu o dervixe várias vezes até dominar a riqueza absoluta e ainda possuir a pomada. O dervixe alertou que se passada em um olho, a pomada revelaria todas as riquezas do planeta, mas se

123 123 passada nos dois o deixaria cego. Embalado pela avidez e a avareza, o comerciante passou a pomada nos dois olhos e ficou cego completamente. Mendigando e arrependido, pediu que cada esmola que recebesse fosse acompanhada por uma bofetada no rosto como sinal de castigo. Aqui, se repetem impulsos como a estupidez, a impulsividade e outros, comuns aos dois textos e, principalmente, às atitudes que levaram as internas até o Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa. O castigo também é um tema comum: em O convite da loucura, o amor fica cego; em O cego que se fazia esbofetear, se torna mendigo e é esbofeteado; na realidade das internas, a privação da liberdade.

124 124 CONSIDERAÇÕES FINAIS Durante as pesquisas desenvolvidas para esta dissertação ficou claro que narrar é uma atividade mais complexa e instigante que o falar. E que foi pela narrativa, na língua encantada dos contadores, que as diferentes culturas se sustentaram. Mister que se renova nestes tempos pós-modernos frenéticos, urbanos e fragmentados. Os contadores contemporâneos encantam não só crianças para os quais o conto parece indicado. Mas fascinam também adultos, que guardam no íntimo o potencial imaginativo permanente. São ouvintes por excelência, ou também voluntários e profissionais que fazem dos contos a matéria-prima para seu trabalho artístico, terapêutico e social. A Casa do Contador de Histórias, com sede em Curitiba, é uma referência nacional atualmente, por desenvolver um trabalho voltado a estas três vertentes primordiais da atuação do conto. Os membros da entidade colaboraram incessantemente para as pesquisas desenvolvidas nesta dissertação, principalmente, permitindo a pesquisa de campo feita a partir da atuação da Casa em duas entidades sociais, o Centro de Socioeducação Joana Miguel Richa e a Casa dos Pobres São João Batista. A pesquisa identificou os elementos que fizeram dos textos O convite da loucura e O macaco e a desgraça, os mais interessantes para os dois públicos: adolescentes em conflito com a lei e pacientes albergados para tratamento médico com seus acompanhantes. E foi possível concluir que cada elemento das histórias tem um significado diferente e coerente com o público, numa confirmação do fenômeno da extrapolação do pesquisador. Esta dissertação também entendeu como estas histórias se mostram significativas para o restabelecimento da ordem interna dos ouvintes; e como a

125 125 estrutura dos textos interfere na percepção dos mesmos, de forma imapeável, mas pontual. A relação afetiva, na verdade, inicia-se antes do texto ser apresentado. O vínculo com o contador e o ritual simbólico já garantem o primeiro passo do caminho que conduz ao texto em questão. Não foi possível identificar a maneira que os elementos técnicos como entonação, ritmo e pausa influenciam a recepção; além da intervenção do ambiente e seus ruídos comunicacionais influenciaram. Entretanto, foi possível observar pelas falas e reações do público, que há uma epifania e uma experiência afetiva transformadora de ânimos e forças para viver o futuro. Como disseram os Irmãos Grimm, estes diferentes públicos receberam, no diálogo afetivo com o contador, a força abençoada dos contos, permanecendo esta oculta para eles. Ao relacionar a forma de apropriação do ouvinte de histórias e contos com as duas linhas de pesquisa desenvolvidas dentro da estética da recepção apresentadas por Wolfgang Iser e Stanley Fish podemos citar que há, neste tipo de literatura, provável adaptação das ideias dos dois teóricos. Isto porque a apropriação dos contos se dá a partir da interação entre estes e o ouvinte. Como defende Iser, o conto de fada, por exemplo, oferece uma ou mais direções para o caminhar da interpretação. Presta-se como exemplo o simbolismo e os elementos alegóricos evidentes nas duas histórias objeto de análise, totalmente reveladores das nuances particulares de cada público. Pode-se observar que a audiência, pelo caráter particular do individuo, estabelece por si as conexões propostas pelas lacunas na construção do significado individual. E para tal, usa o repertório de vida e a condição atual em que se encontra, revelada na pesquisa de campo como de sofrimento e privação de liberdade. Por outro lado, não é possível descartar a teoria de Fish, de que o ouvinte interage com o texto de maneira imprevisível. Corrobora esta ideia o

126 126 fato que nas rodas de contação, a partir da compreensão individual, situações inusitadas acontecem. Cito como exemplo o comentário de um ouvinte de uma história em que Deus prova sua força, A formiga e a neve. Ele disse: "mais forte que Deus só tem a cachaça, porque Deus dá o juízo e a cachaça tira". Ou seja, a história levou para um fechamento muito distante desta interpretação, e ainda assim, foi a esta conclusão que o ouvinte chegou. Inegável é outra linha de pensamento de Fish que trata da estilística afetiva. Mais do que a decodificação do conto, é possível observar o ouvinte das duas instituições num processo de percepção afetiva. Como escreveu Fish, sentir aquilo que ele [o texto] nos faz (1980, p. 39), os relatos do público das duas instituições pesquisadas comprovam esta ideia. Muito além das fronteiras das definições (apólogo, fábula, conto maravilhoso, etc) os dois contos oferecem rico material arquetípico para a compreensão das escolhas feitas pelos públicos pesquisados que, em situação de fragilidade emocional, foram seduzidos por elementos pontuais do texto. As internas do Centro Joana Miguel Richa podem ter visto na loucura associada ao amor, o retrato da falta de limite e das inconsequências praticadas em algum momento da vida. Em outra imagem, é possível relacionar o arquétipo do cavaleiro, onde há sacrifício de si para com alguém ou algo. Quando as internas entraram na condição de ter que abrir mão da liberdade, pode-se interpretar que o fizeram por sacrifício a algo ou alguém, em situações impossíveis de expandir o relato aqui. Já os albergados da Casa dos Pobres São João Batista podem ter se identificado como os desabonados da graça divina, desgraçados pela doença. O Macaco é ambíguo: ingênuo e hedonista. O hedonista busca o prazer dos sentidos, uma das possibilidades para se chegar num quadro de doença é a exacerbação deste

127 127 impulso arquetípico. Por outro lado, este texto pode ter falado aos que se veem como ingênuos, vítimas da desgraça e da doença. Aqueles que não questionam, vivem e se deslumbram a cada movimento da vida também são contemplados neste arquétipo. O arquétipo da inocência também evoca a coragem para enfrentar desafios, descrição que dispensa maiores conclusões diante da condição dos albergados focos da pesquisa. Vale destacar aqui que cada história contada para as duas instituições, também foi apresentada na outra, ou seja, os dois públicos tiveram acesso às histórias eleitas como mais interessantes. Entretanto, o significado atribuído por cada público se revelou particular. Uma das hipóteses que reforçam esta percepção bem clara do público é o uso de elementos alegóricos que devem ter sido outra ferramenta de sedução e identificação de cada texto com os ouvintes. O tema histórias, no sentido amplo da palavra, é tão complexo e inesgotável, que requer estudos com intensa dedicação sem que haja esgotamento das conclusões. Isto porque a matéria-prima da pesquisa, a literatura oral, é tão ampla e dinâmica que não pode ser mapeada na totalidade. Envolve culturas, folclores, patrimônios imateriais ricos, que instigam novos questionamentos, abordagens sob diferentes aspectos e inúmeras áreas. Os elementos contidos nestes textos são inesgotáveis fontes de inspiração para contadores e pesquisadores. Os contos populares, sobreviventes de guerras, disputas políticas e preconceitos culturais, estão aí, a disposição dos interessados em pesquisá-los, ou apenas ouvi-los. Não precisa ser Dona Benta ou alôs negros para acessar o conteúdo terapêutico, lúdico, transformador, artístico e afetivo destas narrativas. Basta aceitar ser ventríloquo da literatura oral do Brasil e do mundo,

128 128 como fez Mario de Andrade. E que cada um cumpra sua Fada pela alegria e o prazer de contar: O que faz os Contos Populares caminharem longe, através de continentes e gerações, talvez seja a simplicidade à qual nos desacostumamos, coagidos por uma precisão de lógica e bom senso, tão questionável, que as crianças, os sábios e os próprios personagens dos contos não conseguem levar a sério... Ainda bem. (Camillo, 2005, p. 12) Ainda bem que os contadores contemporâneos estão dispostos a enfrentar o preconceito rançoso de uma minoria materialista e conseguem se colocar como portadores e intérpretes de um saber mais antigo que as horas. Que o fogo que aqueceu as rodas e as histórias ao longo dos tempos, continue dividindo labaredas com corações solitários, sofridos e carentes de sonhos. Almas pós-modernas que esperam pelo milagre da vida transitando pela inconstância do mundo. Contar uma história para alguém é colocar o afeto, porque o coração não fica mais no peito, mas num lugar mágico entre o narrador e o ouvinte. Para terminar uma história, contadores em todo mundo usam frases diferentes. No Peru: pin-pin, San Agustin, que aqui el cuento tiene fin ; ou na Espanha: Y fueron muy felices y comieron perdices y a mi me dieron con los guesos en las narices ; ou no Chile: Y se acabó el cuento y se lo llevó el viento, y todo el mal es ido y el poco bien que queda sea para mi y los que me han oído ; os franceses: cric-crac, la sornette est dans le sac. Aqui, compreendendo que o tema não se esgota e ainda oferece muitas abordagens de estudo, finaliza-se por hora a história desta dissertação com a eterna expressão: e foram felizes para sempre.

129 129 REFERÊNCIAS ABRAMOVICH, Fanny. Literatura Infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Scipione, ANDRADE, Mario de. Poesias completas. Belo Horizonte: Itatiaia, ARANTES, Guilherme. Álbum Guilherme Arantes. São Paulo: Som Livre, disco ARROYO, Leonardo. Literatura Infantil Brasileira. São Paulo: Melhoramentos, BANDEIRA, Manuel. Meus poemas preferidos. São Paulo: Ediouro, BARROSO, Gustavo. Ao som da viola. Brasília: Imprensa Nacional, BECKER, Udo. Dicionário de símbolos. São Paulo: Paulus, BEINHAUER, Werner. El español coloquial. 2. ed. Madrid: Gredos, BENJAMIN, Walter. Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, (Coleção Os pensadores). BENNETT, William J. O livro das virtudes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, v. BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Na terra das fadas: análise das personagens femininas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, BONAVENTURE, Jette. O que conta o conto? 3. ed. São Paulo: Paulus, BRANDÃO, Adelino. A presença dos Irmãos Grimm na literatura infantil e no folclore brasileiro. São Paulo: Ibrasa, BRUNEL, Pierre. Dicionário de mitos literários. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, BURKE, Peter. Cultura popular na Idade Moderna. São Paulo: Cia. das Letras, BUSANI, Érika. Era uma vez: contar uma história cria proximidade, ensina experiências de vida e alimenta a imaginação dos pequenos. Imprensa do Paraná, Curitiba, jul. 2003, 41 v., pt. 3, f CAMILLO, Yara Maria. Contos populares espanhóis. São Paulo: Landy, 2005.

130 130 CAMPBELL, Joseph. A imagem mítica. 2. ed. Campinas: Papirus, Mito e transformação. São Paulo: Ágora, O poder do mito. São Paulo: Martin Claret, CANDIDO, Antônio. Literatura e Sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, CARNEIRO JÚNIOR, Renato Augusto. Lendas e contos populares do Paraná. Curitiba: Secretaria de Estado da Cultura, CASA DO CONTADOR DE HISTÓRIAS. A arte de contar histórias: apostila. Curitiba, CASCUDO, Luis da Camara. Contos tradicionais do Brasil. Rio de Janeiro: Americ- Edit, Geografia dos mitos brasileiros. Belo Horizonte: Itatiaia, Literatura oral no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, CAYROL, Alain; SAINT-PAUL, Josiane de. Derrière la magie, la programmation neurolinguistique. Paris: Ed. Interéditions, CEIA, Carlos (Org.). E-dicionário de termos literários Disponível em:<http://www2.fcsh.unl.pt/edtl/verbetes/a/alegoria.htm>. Acesso em: 25 jan CHALLITA, Mansour. As mil e uma noites. Rio de Janeiro: Editora Acigi, n/d. CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 21. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, CHIAMPI, Irlemar. O realismo maravilhoso. São Paulo: Perspectiva, CHINEN, Allan B. E foram felizes para sempre: contos de fadas para adultos interpretados segundo as teorias psicodinâmicas do desenvolvimento humano postuladas por Carl G. Jung e Erik Erikson. 2. ed. São Paulo: Cultrix, CIRLOT, Juan Eduardo. Dicionário de símbolos. São Paulo: Moraes, COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil. São Paulo: Moderna, O conto de fadas. São Paulo: Ática, O conto de fadas: símbolos, mitos e arquétipos. São Paulo: DCL, COMMELIN, P. Mythologia grega e romana. Rio de Janeiro: Livraria Garnier, 1941.

131 131 COSTA, Marta Morais da. Metodologia do ensino da literatura infantil. Curitiba: Ibpex, Mapa do mundo: crônicas de aprendiz. Belo Horizonte: Leitura, COUTO, Mia. O Globo, Rio de Janeiro, 30 jun Caderno Prosa & Verso. DARNTON, Robert. O grande massacre dos gatos. Rio de Janeiro: Graal, DUCROT, Oswald; TODOROV, Tzvetan. Dicionário enciclopédico das ciências da linguagem. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: Perspectiva, DUFOUR, Michel. Contos para curar e crescer. Tradução de Alice Mesquita. São Paulo: Ground, DUNDES, Alan. Morfologia e estrutura do conto maravilhoso. São Paulo: Perspectiva, EAGLETON, Terry. Teoria da literatura. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, ESTÉS, Clarissa Pinkola. Contos dos Irmãos Grimm. Tradução de Lia Wyler. Rio de Janeiro: Rocco, O dom da história: uma fábula sobre o que é suficiente. Rio de Janeiro: Rocco, FÁBULAS de Esopo. In: ESOPO. Tradução de Antonio Carlos Vianna. Porto Alegre: L&PM, capa. FISH, Stanley. Is there a text in this class? The authority bof interpretative communities. Cambridge: Mass, Como reconhecer um poema ao vê-lo. Palavra, n.1. Rio de Janeiro, 1993, p FRANZ, Marie-Louise von. A interpretação dos contos de fadas. São Paulo: Edições Paulinas, O significado psicológico dos motivos de redenção nos contos de fadas. 3. ed. São Paulo: Cultrix, GALEANO, Eduardo. As palavras andantes. Porto Alegre: L&PM, GRIMM, die Brüder. Kinder und HausMärchen. Manesse Verlag. Zürich: Conzett & Huber, s/d. 2 vols. GRIMM, Jacob; UBBELOHDE, Otto. Contos de Grimm. ed. bilíngüe Florianópolis: Paraula, 1998.

132 132 GUERIN, Wilfred L. et al. O que é estética da recepção? Tradução de Brunilda T. Reichmann e Julián Bargueño. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, HANZ, Rieclemann. Contos de fadas vividos. São Paulo: Paulus, HELLINGER, Bert. No centro sentimos leveza: conferências e histórias. São Paulo: Pensamento, ISER, Wolfgang. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. Tradução de. Johannes Kretschmer. São Paulo: Ed. 34, v. 1.. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. Tradução de Johannes Kretschmer. São Paulo: Ed. 34, v. 2.. A indeterminação e a resposta do leitor na prosa de ficção. Tradução de Maria Angela Aguiar. Caderno do Centro de Pesquisas Literárias da PUC-RS. Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 1 47, mar JAUSS, Hans-Robert; LIMA, Luiz Costa. A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Rio de Janeiro: Paz e Terra, JOÃO. Português. In: A Bíblia Sagrada. Tradução na linguagem de hoje. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, JOLLES, André. Forma Simples. São Paulo: Cultrix, JUNG, Carl G. O homem e seus símbolos. Tradução de Maria Lúcia Pinho. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, KOTHE, Flávio René. A alegoria. São Paulo: Ática, LA FONTAINE, Jean de. Fábulas de La Fontaine. Belo Horizonte: Villa Rica, LACERDA, Nair de; SILVA, Fernando Correia da. Maravilhas do conto popular. São Paulo: Cultrix, HERDER, Johann Gottfried. Dicionário de símbolos. São Paulo: Círculo do Livro, LIMA, Francisco Assis de Sousa. Conto popular e comunidade narrativa. Rio de Janeiro: Funarte, LIMA, Luiz Costa. Teoria da literatura em suas fontes. Rio de Janeiro: Francisco Alves, LOBATO, Monteiro. Contos escolhidos. São Paulo: Brasiliense, 1989.

133 133. Histórias da Tia Nastácia. São Paulo: Editora Brasiliense, O macaco que se fez homem. São Paulo: Globo, LURKER, Manfred. Dicionário de simbologia. São Paulo: Martins Fontes, MACHADO, Regina. Acordais fundamentos teórico-práticos da arte de contar histórias. São Paulo: DCL, MARCOS. Português. In: A Bíblia Sagrada. Tradução na linguagem de hoje. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, MARIA, Luzia de. O que é conto. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, MARTINS, Juliana. De geração em geração. Ciência Hoje das Crianças on line. 25 mar Disponível em:<http://cienciahoje.uol.com.br/controlpanel/materia/view/910>. Acesso em: 25 jan MATEUS. Português. In: A Bíblia Sagrada. Tradução na linguagem de hoje. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, MATOS, Gislayne Avelar; SORSY, Inno. O ofício do contador de histórias. São Paulo: Martins Fontes, MATOS, Gyslaine Avelar. A palavra do contador de histórias. São Paulo: Martins Fontes, MELETINSKI, Eleazar. Os arquétipos literários. Cotia: Ateliê, MENDES, Antônio Celso. Os símbolos e a realidade. Curitiba: [s.n.], MENINA Voadora. Disponível em: <http://meninavoadora.blogspot.com>. Acesso em: 24 jan MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. 7 ed. São Paulo: Cultrix, MONTEIRO, Adolfo Casais. O romance: teoria e crítica. Rio de Janeiro: José Olympio, MYSS, Caroline M. Contratos sagrados: despertando nosso potencial divino. Tradução de Anna Maria Lobo. Rio de Janeiro: Rocco, NASCIMENTO, Bráulio do. Catálogo do conto popular brasileiro. Rio de Janeiro: IBECC/Tempo Brasileiro, NICOLA, Rosane de Mello Santo; COSTA, Marta Morais da. O desempenho comunicativo oral docente em situação formal f.. Dissertação (Mestrado em Educação), Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2002.

134 134 O TRABALHO dos contadores de história. Coordenação Monica Fort. Curitiba: Lumen Centro de Comunicação/Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC), [200-]. 1 video (25 min.): VHS, Ntsc,son., color. PAES, José Paulo. Maravilhas do Conto Fantástico. São Paulo: Cultrix, PAVONI, Amarilis. Os contos e os mitos no ensino: uma abordagem junguiana. São Paulo: EPU, PERRAULT, Charles. Les contes de Charles Perrault en vers et en prose: contes de Ma Mère Loye suivis des contes des fées. Paris: [s.n.], [19--]. PERRAULT, Charles; DORÉ, Gustavo. Contos da mamãe gansa. ed. bilíngue. Porto Alegre: Paraula, PETIT, Francesc. Propaganda ilimitada. São Paulo: Siciliano, POSTIC, Marcel. L imaginaire dans la relation pédagogique. Paris: PUF, PRETI, Dino. O discurso oral culto. 2. ed. São Paulo: Humanitas, PRIETO, Heloisa. Quer ouvir uma história?: lendas e mitos no mundo da criança. São Paulo: Angra, PROPP, Vladimir. Morfologia do conto maravilhoso. Rio de Janeiro: Forense Universitária, As raízes históricas do conto maravilhoso. São Paulo: Martins Fontes, RADINO, Glória. Contos de fadas e realidade psíquica: a importância da fantasia no desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, RAMOS, Denise Gimenez. Os animais e a psique: do simbolismo à consciência. São Paulo: Palas Athenas, REYZÁBAL, Maria Victoria. A comunicação oral e sua didática. Bauru: Edusc, RIBEIRO, Diva Conceição. Metodologia e despertar para a literatura na escola RODARI, Gianni. Gramática da fantasia. R ed. São Paulo: Summus, 1973, 125 p. ROMERO, Silvio. Contos Populares do Brasil. São Paulo: Landy, RONECKER, Jean-Paul. O simbolismo animal: mitos, crenças, lendas, arquétipos, folclore, imaginário. São Paulo: Paulus, ROSEN, Sydney. Ma Voix t accompagnera. Paris: Hommes et Groupes, RÖSING, Tania. Da violência aos contos de fadas. Passo Fundo: Ediupf, 1999.

135 135 SAINTYVES, Pierre. Les Contes de Perrault et les Récits Parallèles (leurs origines) Em marge de la Légende Dorée, Songes, Miracles et Survivances Les Reliques et lês Images Légendaires. Paris: Robert Laffont, SAUSSURE, Ferdinand. Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix, SHAN, Harry. Dicionário de termos literários. Trad. e Adap. Cardigos dos Reis. Publicações Dom Quixote: Lisboa, 1982 SILVA, Maria Betty Coelho. Contar histórias: uma arte sem idade. 10ª ed. São Paulo: Ática, STEINER, Rudolf. Andar, falar, pensar: a atividade lúdica. São Paulo: Antroposofica, Os contos de fadas, sua poesia e sua interpretação. São Paulo: Antroposófica, STRUDWICK, John Melhuish. Alegoria óleo sobre tela, 42,5 cm x 72,4 cm. Tate Gallery. TAHAN, Malba. A arte de ler e contar histórias. 2 ed. Rio de Janeiro: Conquista, TATAR, Maria. Contos de Fadas edição comentada e ilustrada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004 TELLES, Lygia Fagundes; REBELO, Marques; COLASANTI, Marina. Histórias de amor. 2. ed. São Paulo: Ática, TERRA, Ernani. Linguagem, língua e fala. São Paulo: Scipione, TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. São Paulo: Perspectiva, (A). Simbolismo e interpretação. São Paulo: Edições 70, (B) TOLKIEN, J.R.R. Sobre histórias de fadas. Tradução Ronald Kyrmse. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, UNESCO. Patrimônio Cultural Inmaterial. Disponível em:<http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?lg=es&rl=80>. Acesso em: 25 jan URBANO, Udinilson. Oralidade na literatura: o caso Rubem Alves. São Paulo: Cortez, VANOYE, Francis. Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita. 11. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

136 136 VOGLER, Christopher. A jornada do escritor: estruturas míticas para contadores de histórias e roteiristas. Rio de Janeiro: Ampersand, WARNER, Marina. Da fera à loira: sobre contos de fadas e seus narradores. São Paulo: Companhia das Letras, WEIL, Pierre; TOMPAKOW, Roland. O corpo fala: a linguagem silenciosa da comunicação não-verbal. 50. ed. Petrópolis: Vozes, XIDIEH, Oswaldo Elias. Narrativas plas populares. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros, YASHINSKI, Dan. Isso me lembra uma história. In: MACHADO, Regina. Acordais fundamentos teórico-práticos da arte de contar histórias. São Paulo: DCL, ZANETTI, Eloi. A importância da pausa na contação de histórias. [Curitiba].[S.I.: s.n.], [200-]. ZILBERMAN, Regina. Estética da recepção e história da literatura. São Paulo: Ática, 1989.

137 137 ANEXOS A Modelo de relatório de roda de contação de histórias B Mapeamento das histórias escolhidas por instituição C História O convite da loucura D História O macaco e a desgraça

138 138 Anexo A - Relatório de roda de contação de histórias ( ) Semanal ( ) Quinzenal Instituição: Sequência de encontro no Data: ano: Voluntários: Público: No. de Ouvintes: Duração: 4-5- Histórias contadas (na ordem em que foram contadas e por quem): AVALIAÇÃO DO ENCONTRO Como estava o grupo: (observar postura corporal tais como inclinação da cabeça, se a coluna está ereta, nível de ruído e/ou de agitação; sentir como estava o ânimo do público) Antes da narração? Depois da narração? B) Quais as situações vividas pelo público (Reflexão): (perguntas que devem ser feitas ao final da contação: Vocês sentiram alguma emoção ao ouvir as histórias? O que veio no pensamento de vocês? Vocês sentiram alguma emoção? Elas estavam tão agitadas, e fazendo tanta confusão, que não houve condição de perguntar Para as crianças e adolescentes especiais perguntar: Vocês gostaram? E anotar as reações e respostas. ( ) Harmonização Importante: Anotar entre aspas as repostas; não induzir/forçar a resposta) C) Qual o momento do processo de trabalho que o público mais gostou? ( ) Muito Participativo contar ( ) Ato de ( ) Reflexão D) Como estava a participação do público na semana de trabalho: ( ) medianamente Participativo ( ) ( ) Menos participativo ( ) Fechamento/ Interiorização agitado Indiferente ( ) muito E) História mais marcante para o público e REAÇÃO observada: (fazer a pergunta: Qual a história que mais gostou? Eleger aquela que a maioria do público gostou e registrar as reações observadas) F) Depoimentos do Público: (colocar entre aspas) G) Depoimentos dos Voluntários: H) Outras Observações: (comentários gerais sobre local/relacionamento com a instituição/voluntários, recursos utilizados, tais como instrumentos musicais, objetos, músicas que foram cantadas, tecidos, entre outros.) Questão crítica envolvendo a contação/dúvidas: (solicitação de orientação/apoio pelo Núcleo de Ação Social)

139 Anexo B - Mapeamento das histórias escolhidas por instituição 139

140 140

141 141

142 142

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Contos de ensinamento da tradição oral

Contos de ensinamento da tradição oral Contos de ensinamento da tradição oral Os chamados contos de ensinamento, fazem parte da grande herança cultural formada pelos contos transmitidos oralmente, de geração para geração, ao longo de milênios.

Leia mais

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS)

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) Coordenação: Luciane Possebom 26 de março de 2014. Segundo Câmara Cascudo, pode-se

Leia mais

História da Música Ocidental

História da Música Ocidental História da Música Ocidental A Música na Idade Média e no Renascimento Música medieval é o nome dado à música típica do período da Idade Média. Essas práticas musicais aconteceram há quase 1500 anos atrás.

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO Magna Flora de Melo Almeida Ouriques 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) mellomagna@gmail.com Co-Autor Renan de Oliveira Silva 2 rennanoliveira8@gmail.com

Leia mais

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque?

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque? Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Elias Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE ARTE 1) Após analisar a obra a seguir, responda o que se pede. Os fuzilamentos de 3 de Maio de 1808.

Leia mais

Contos Mágicos Brasileiros. O Príncipe Teiú e outros contos Marco Haurélio

Contos Mágicos Brasileiros. O Príncipe Teiú e outros contos Marco Haurélio ROTEIRO DeLeitura - Página 1 ROTEIRO DeLeitura versão resumida Contos Mágicos Brasileiros O Príncipe Teiú e outros contos Marco Haurélio Capa e ilustração: Klevisson Arte-final: Niky Venâncio Formato:

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome:

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: A literatura infantil surgiu no século XVII, no intuito de educar as crianças moralmente. Em homenagem ao escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, foi criado

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 Literatura na escola: os contos maravilhosos, contos populares e contos de fadas. Professora Marta Maria Pinto

Leia mais

A amizade abana o rabo

A amizade abana o rabo RESENHA Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente ILUSTRAÇÕES: Marina relata, nessa história, seu encontro com cães especiais, que fazem parte de sua vida: Meiga, Maribel e Milord. A história

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval História 6A Aula 17 A Cultura Medieval Cultura Medieval Síntese de elementos grecoromanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Claudia S. N. Vieira Disciplina: LPO Série: 1ª Tema da aula: O Trovadorismo Objetivo da aula: Trabalhar as principais características do estilo

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

Narrador Era uma vez um livro de contos de fadas que vivia na biblioteca de uma escola. Chamava-se Sésamo e o e o seu maior desejo era conseguir contar todas as suas histórias até ao fim, porque já ninguém

Leia mais

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo.

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo. ORIGEM DA FILOSOFIA Nasce no século VI a.c., em Mileto (cidade situada na Jônia, região de colônias gregas na Ásia menor). Filosofia representa a passagem do saber mítico (alegórico, fantástico, fantasioso)

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA * Lúcia Helena dos Santos Mattos * Mônica Rejiane Bierhals * Renata Faria Amaro da Silva ** Adriana Lemes RESUMO Como estimular a leitura através do conto literário?

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Conheça as peças teatrais que fazem parte do 1º volume da coleção, sugeridas para crianças de 7 e 8 anos.

Conheça as peças teatrais que fazem parte do 1º volume da coleção, sugeridas para crianças de 7 e 8 anos. Conheça as peças teatrais que fazem parte do 1º volume da coleção, sugeridas para crianças de 7 e 8 anos. Apresentação das peças com notas da autora Ruth Salles. Para comprar acesse aqui. Peças sugeridas

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO ANA ELIZABETH CAVALCANTI DA COSTA 3 ÍNDICE Introdução... 13 1ª Parte - O Universo Mágico Os Ciclos

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTOS DE FADAS EM LIBRAS Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTEÚDO - Contos de Fadas; - Fábulas; - Vídeos de contação de histórias; - Entrevista OBJETIVOS -Apresentar aos professores como é o

Leia mais

DO CONTO MARAVILHOSO AO CONTO DE FADAS

DO CONTO MARAVILHOSO AO CONTO DE FADAS DO CONTO MARAVILHOSO AO CONTO DE FADAS Alessandro da Silva (G - UENP / Jac.) alessandro_uenp@yahoo.com.br Penha Silvestre (Orientadora UENP / Jac) A fantasia quase nunca é pura. Ela se refere constantemente

Leia mais

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras C A P Í T U L O 3 8 Pérola de Grande Valor Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras escrito por profetas. Há cinco partes em Pérola de Grande Valor: o livro de Moisés, o livro de Abraão, Joseph

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa.

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa. Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa. Habilidade: Identificar os elementos que caracterizaram as transformações sociais e científicas na Europa

Leia mais

Casamento. Curiosidades, Tradições e Superstições

Casamento. Curiosidades, Tradições e Superstições Casamento Curiosidades, Tradições e Superstições Nesta publicação estaremos mostrando as origens do casamento cristão. Note que o casamento cristão tem suas origens no paganismo. Basta ler e comprovar.

Leia mais

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum?

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum? A Busca Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas em livros e filmes podemos encontrar uma trama em comum? Alguém, no passado, deixouse

Leia mais

Psicologia das multidões

Psicologia das multidões 1 Psicologia das multidões O estudo da Psicologia das multidões ou das Psicologia das massas foi feito pela primeira vez pelo sociólogo francês Gustave Le Bon em 1886. Os fatores que determinam as opiniões

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique Atividade extra Vivendo a vida do seu jeito Questão 1 A agricultura para consumo era, no feudalismo, a atividade principal. O comércio, muito reduzido. As terras não tinham valor de troca, de mercado,

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 12/5/2010 PROVA GRUPO GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

PROJETO ERA UMA VEZ...

PROJETO ERA UMA VEZ... PROJETO ERA UMA VEZ... TEMA: Contos de Fada PÚBLICO ALVO: Alunos da Educação Infantil (Creche I à Pré II) JUSTIFICATIVA O subprojeto Letramento e Educação Infantil, implantado na EMEI Sementinha, trabalha

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império;

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; ROMA Roma Antiga O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; Sua queda, em 476, marca o início da Idade Média. O mito

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Renascimento. Prof. Adriano Portela

Renascimento. Prof. Adriano Portela Renascimento Prof. Adriano Portela O que é o Renascimento? Dados Início: século 14 Local: Península Itálica Se estendeu até o século 17 por toda Europa. Artistas, escritores e pensadores exprimiam em suas

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações MESOPOTÂMIA FENÍCIA ISRAEL EGITO ORIENTE MÉDIO PÉRSIA ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE ORIENTAL Mesopotâmia - Iraque Egito Hebreus Israel Fenícios Líbano Pérsia

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III Ensinos e Parábolas de Jesus Parte 2 Módulo VI Aprendendo com Fatos

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III Ensinos e Parábolas de Jesus Parte 2 Módulo VI Aprendendo com Fatos FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III Ensinos e Parábolas de Jesus Parte 2 Módulo VI Aprendendo com Fatos Extraordinários Objetivos Explicar o fenômeno de transfiguração,

Leia mais

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel 1. Pe. Caffarel afirma que carisma fundador é muito mais do que uma simples boa idéia. Então, o que ele

Leia mais

Religião, Cristianismo e os significados

Religião, Cristianismo e os significados Religião, Cristianismo e os significados Religião: 1 - Crença na Carlos Alberto Iglesia Bernardo das existência palavras Manifestação dicionário Aurélio de - tal editora crença Nova pela Fronteira doutrina

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 6º Ano 1º/2º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Fernanda Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses.

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses. Trabalho de Filosofia Mito e Filosofia na Grécia Antiga Texto 1 1- (0,3) Democracia quer dizer poder do povo. De acordo com o texto, quem era considerado povo em Atenas Antiga? Explique com suas palavras.

Leia mais

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS Projeto Estórias I. Introdução O projeto Estórias nasceu da necessidade de incluir na literatura infantil personagens com câncer e o ambiente hospitalar. A literatura que contém

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus.

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. Profeta Daniel Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. O livro de Daniel liga-se ao livro do Apocalipse do Novo Testamento, ambos contêm

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas.

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1) Do que são feitas as casas dos três porquinhos? a) Plástico, cimento e

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

Tema ASCENSÃO DO SENHOR

Tema ASCENSÃO DO SENHOR Encontro n. 6 ema ASCENSÃO DO SENHOR I. ACOLHIDA Ambiente: Lenço branco sobre a mesa, como sinal de despeida; uma cadeira vazia ou um banco próximo ao altar. Bíblia sobre o altar, vela acesa, com flores.

Leia mais

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista Clássicos adaptados em mangá Alexandre Boide* Com seus mais de cem títulos publicados, a coleção Manga de Dokuha (algo como Aprendendo em mangá ) é uma espécie de ponto fora da curva entre as coleções

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA FACELI FACULDADE SUPERIOR DE LINHARES DISCIPLINA DE HISTÓRIA DO DIREITO CURSO DE DIREITO / 1º DIREITO B ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA BARBARA LICIA JAMARA FERREIRA P. ARAUJO JANE SCHULZ

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

Princípios do Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR)

Princípios do Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR) 1 Exposição concebida pelo Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR) e parceiros, no âmbito do evento Terra Justa 2015 grandes Causas e Valores da Humanidade, para os quais a Religião assume um papel

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA Prof. Luana Leão Cury, Prof. Tiago Aquino da Costa e Silva, Prof. Kaoê Giro Ferraz Gonçalves FMU Faculdades Metropolitanas Unidas/SP Prof. Alipio

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais