CONTOS DE FADA: HISTÓRIAS DE TODOS OS TEMPOS. ORIGENS NO IMAGINÁRIO DO SUJEITO COMPLEXO RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTOS DE FADA: HISTÓRIAS DE TODOS OS TEMPOS. ORIGENS NO IMAGINÁRIO DO SUJEITO COMPLEXO RESUMO"

Transcrição

1 CONTOS DE FADA: HISTÓRIAS DE TODOS OS TEMPOS. ORIGENS NO IMAGINÁRIO DO SUJEITO COMPLEXO PETRAGLIA, Izabel 1 VASCONCELOS, Maria Aparecida Flores de Cintra 2 RESUMO O objetivo deste trabalho é refletir sobre a importância das narrativas, em especial, dos contos de fada, para a constituição do ser humano complexo. Esses contos exercem a função de propiciar a auto-análise do sujeito, num ir e vir constante, entre real e imaginário, promovendo a facilitação de sua aprendizagem e, portanto a transformação da sociedade. Discorreremos sobre a origem e a história dos contos de fada que, desde tempos longínquos, lhe falam de sua vida na relação com os semelhantes ou com os deuses. Este estudo considera ainda, formas de expressar processos conscientes e inconscientes do sujeito, apontando para a perspectiva de uma educação complexa e transdisciplinar, que além de características objetivas também considere a subjetividade do estudante para uma nova compreensão da realidade. PALAVRAS CHAVE: Contos de fada; sujeito; educação complexa; transdisciplinar. ABSTRACT This paper aims to reflect upon the importance of the narratives, in particular of the fairy tales, for the constitution of the complex human being. These tales 1 Doutora em Educação e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Nove de Julho São Paulo SP 2 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Nove de Julho São Paulo SP

2 operate providing the subject a self-analyses in a constant movement between the real and the imaginary facilitating learning and therefore the transformation of the society. We will write about the origin and the history of fairy tales that since distant times talk about life in relation to equal others or to gods. This study also considers the ways the subject expresses conscious or unconscious processes, indicating to the perspective of a complex and transdisciplinary education that besides the objective characteristics also considers the students subjectivity for a new comprehension of reality. KEY-WORDS: Fairy tales; subject; complex education; transdisciplinary. Como não disponho previamente de uma cultura-verdade, parto com um ardor insaciável, através da literatura, para uma vida imaginária, onde encontrarei as verdades de minha vida concreta. Edgar Morin (1997, p.19) O ser humano parece ter necessidade de se conhecer, admirar e questionar a própria existência; tarefa primordial da filosofia. Uma importante forma de refletir-se é por meio das artes, em especial a literatura que, exerce a função de propiciar a auto-análise, num ir e vir constante, entre real e imaginário, como aponta Morin, na epígrafe. Transcender a realidade e viver a fantasia e o sonho é comum aos humanos que se nutrem de sabedoria, mas também de afetos, poesia, quimeras e ilusões. De acordo com essa perspectiva, coloca-se então este trabalho, cujo objetivo é o de refletir sobre a importância das narrativas, em especial, dos contos de fada, que à luz do pensamento complexo, podem contribuir para a reflexão e a aprendizagem do ser humano, levando em conta a constituição de um sujeito complexo. Discorreremos também, sobre a origem e a história dos contos maravilhosos, tendo em vista que a filosofia da educação pode acolher e estimular tais contribuições, apontando para a necessidade de uma educação

3 complexa e transdisciplinar que leve em conta além dos aspectos objetivos, também a subjetividade, em sua dimensão simbólica e imaginária. Origem Desde tempos longínquos, o ser humano se deslumbra com histórias narradas e, em particular, com contos de fada e contos maravilhosos, pois, direta ou indiretamente lhe falam de sua vida, seja relacionada com seus semelhantes, ou seja, relacionada com os deuses. Essas histórias, narrativas populares são legados de um passado distante, que podem ser caracterizadas como contos de fada, romances, contos maravilhosos ou mitos. A origem dessas narrações está nas histórias ancestrais que eram relatadas oralmente pelos povos antigos e que, embora contadas e recontadas durante longos anos, assumiram contornos diferenciados, modificando-se, mas, se mantiveram vivas nos diversos cantos do mundo. São da ordem das coisas que os anos não conseguem apagar, e que voltam a encantar os sujeitos, sempre que estes permitem deixarem-se tocar. O ser humano tem sede de conhecimento e, com isso, curiosidade e mistério assumem espectros de desafios. Essas histórias, de uma maneira ou de outra, acabam por refletir a psique humana, com seus desejos e amores, com seus receios e esperanças. Os contos de fada são narrativas maravilhosas, pertencentes à Literatura Infantil Clássica, e estão contidos em livros preciosos que nos transportam para um mundo em que tudo é possível. Trata-se das interrelações do mundo mágico com o mundo real. Os contos de fada e os contos maravilhosos são formas de narração provenientes de fontes diferentes, estão de acordo com problemáticas diversas, embora ambos pertençam a um mundo imaginário. Os contos maravilhosos tiveram a sua origem a partir das narrativas do oriente, e têm como elemento principal, problemáticas sociais, no sentido do herói buscar a

4 própria realização no âmbito sócio-político e econômico e, incorporam também, preocupações éticas. Os contos de fada, por sua vez, constituem-se na problemática existencial, em que o ser humano está em permanente busca de realização profunda e pessoal, tendo como eixo central a busca do herói. O conto de fada também se relaciona à união dos afetos e dos encontros entre o masculino e o feminino. Assim se expressa Coelho: A efabulação básica do conto de fadas expressa os obstáculos ou provas (...) como um verdadeiro ritual iniciático, para que o herói alcance sua auto-realização existencial, seja pelo encontro de seu verdadeiro eu, seja pelo encontro da princesa, que encarna o ideal a ser alcançado. (Coelho, 1991 a: 13). Nos contos de fada encontram-se pensamentos e idéias resistentes e ricos em sapiência, que no decorrer dos séculos se mantiveram intactos, vivos em sua essência, considerando que persistem nas narrativas. Os contos sobreviveram às grandes mudanças nas civilizações, às violências e guerras, aos massacres de várias gerações, às mudanças de mentalidade e visões de mundo. Nessa direção também se manifesta Estés: (...) os sentimentos grandes e profundos gravados nos contos são como o rizoma de uma planta, cuja fonte permanece viva sob a superfície do solo mesmo durante o inverno, quando a planta não parece ter vida à superfície. A essência perene resiste, não importa qual seja a estação: tal é o poder do conto. (Estés, 2005: 11-12). Os contos de fada refletem a estrutura básica da psique; embora o conto possa ter origem a partir de uma saga local, torna-se uma abstração, que, contada inúmeras vezes e guardada na memória, atinge mais direta e profundamente as pessoas. Por meio de um conto, tanto adultos como crianças

5 vivenciam experiências mágicas, imaginárias e mitológicas, que correspondem à realidade subjetiva. Como a literatura primordial tem um caráter mágico e fantasista, justificase a compreensão da palavra fada. Do latim - fatum, que significa fatalidade, oráculo, destino e, tem a mesma origem semântica, tanto na França, como na Inglaterra, na Espanha, ou em Portugal. Pertencentes ao folclore europeu, as fadas representam seres fantásticos e se revestem de poderes sobrenaturais, ajudando e orientando os humanos a encontrar soluções e respostas aos seus problemas. Geralmente as fadas encarnam o Bem, mas podem ter uma natureza dual, representando também o Mal, e daí apresentam-se sob a forma de bruxas. Há de se lembrar da personagem Baba Yaga, considerada uma antifada, que, no contexto eslavo, representa uma mulher velha, feia e corcunda, que vive numa cabana que se encontra na floresta. É importante salientar que as fadas em sua origem, estavam ligadas aos cultos religiosos, como mensageiras do outro mundo. Parece não haver dúvida entre os estudiosos, de que os contos de fada têm sua origem nos povos pagãos, e em particular, nos celtas, que tiveram grande importância no processo de formação da cultura ocidental, tanto por meio de sua inteligência prática e criadora, como também pela relevância dos valores espirituais. Eles mantinham uma cultura rica em relação às artes e à espiritualidade. Os celtas surgiram na Europa Central, provavelmente advindos da Ásia Menor, em 2000 a.c., e se espalharam pela Gália; Península Ibérica; Ilhas Britânicas, sendo submetidos ao domínio romano. Aqueles que escaparam do controle de Roma fixaram-se na Bretanha e, se misturaram aos povos indígenas, os bretões. Os celtas dividiam-se em tribos e clãs, e formavam um povo sedentário, de pastores, que guerreavam apenas para defenderem suas terras; demonstravam uma facilidade para se adaptarem aos povos com os quais se

6 relacionavam, embora não abrissem mão da sua própria cultura e de suas crenças religiosas. Eram governados por uma casta sacerdotal, constituída pelos druidas. Como se dedicavam também à agricultura, que era considerada tarefa de mulheres, rendiam culto às divindades femininas. Havia, também, mulheres druidas, que eram consideradas sacerdotisas e profetisas. A característica mais marcante do espírito céltico era a tendência à fantasia e ao mistério, e acreditavam na imortalidade do corpo e em outra vida para além da morte. É importante ressaltar que, em função da própria cultura e visão de mundo, os celtas estabeleceram uma relação pacífica com os cristãos, o que favoreceu a existência de um sincretismo entre o espírito racional cristão e o espírito mágico céltico. Os celtas influenciaram os seus dominadores, devido à coesão mantida pela casta sacerdotal, sendo que dessa forma, a sua religiosidade forneceu elementos propícios para a instalação do cristianismo na Europa, havendo a junção da liturgia cristã com os rituais pagãos, preparando, dessa maneira, os povos bárbaros para o culto da Virgem Maria. As primeiras referências às fadas aparecem na literatura cortesã cavaleiresca 3, que surgiu na Idade Média, continuando no Renascimento, o interesse pelos contos arturianos 4 e pelos contos maravilhosos, em que sobrevivem não somente as fadas, como também as banshee irlandesas 5, as 3 Literatura cortesã cavaleiresca: romances de aventura, envolvendo o amor cortês, em que a mulher era inacessível e os amantes deveriam controlar suas paixões. A classe cavaleiresca pertencia a uma aristocracia guerreira, passando pelo ritual de sagração e investidura, significando um modelo ético-moral para o cavaleiro e canalizando a violência. O fenômeno cavaleiresco nutria o imaginário, envolvido em tom cada vez mais místico. 4 O ciclo arturiano é apresentado como um conjunto literário, vasto e fértil, com duas histórias entrelaçadas: uma de Camelot, utopia da virtude cavaleiresca, envolvendo o rei Artur e Lancelot e outra, sobre vários cavaleiros envolvidos na busca do Santo Graal. 5 Banshee são entes fantásticos da mitologia celta - da Irlanda - conhecida como fada mulher, que quando avistada por alguém, por certo essa pessoa morreria.

7 mouras encantadas 6, as xamãs 7 e, as damas verdes germânicas 8, representando vivências além da lógica, da racionalidade. Embora os contos de fada tivessem um sentido de verdade, ligado à realidade do cotidiano humano, tornaram-se, no decorrer dos séculos, isentos do sentido original, de sua essência arcaica, em que a fantasia acabou por substituir a magia, transformando-se em contos infantis. E, sobre o sentido de verdade que oscila entre realidade e fantasia, manifesta-se Morin, acerca de suas leituras infantis: Eu era um onívoro no universo que se chamaria hoje multimídia. Mas, juntamente com o cinema, era o romance que nutria minha substância mais íntima. Meu amor pela leitura veio desde os primeiros anos escolares, quando devorei os contos de Ségur, a coleção Nelson, os romances cujos heróis são animais, como Michael chien de cirque ou Croc Blanc. 9 (Morin, 1997: 18) O estudo da literatura nos revela que a primeira coleção de contos de fada, compilada por Charles Perrault, na França do século XVII, com o nome 6 As moiras ou mouras encantadas do folclore português - são jovens donzelas de grande beleza e perigosamente sedutoras. Seres fantásticos, com poderes sobrenaturais, que apresentam características similares às banshee. 7 De origem tunguska - da Sibéria - Xamãs eram pessoas capazes de entrar em transe transportando-se a outros mundos e dimensões. Munidos do dom da cura, também podem estabelecer contato com espíritos ancestrais São os guardiões da história oral de seu povo. 8 Damas verdes São fadas que moram em árvores - da tradição germânica; muito populares também na Inglaterra, onde são confundidas com as Dríades e com os espíritos dos bosques. 9 Os contos e romances citados pertencem à literatura infantil francesa. Sophie Rostopchine, a Condessa de Ségur ( ) foi uma escritora russa reconhecida na Europa, do século XIX, pela criação de obras-primas da literatura infantil. Detentora de vasta obra criou personagens eternos e clássicos do imaginário infantil. No Brasil, os seus livros mais conhecidos são: Os desastres de Sofia e Novos contos de fadas. (Nota das autoras)

8 de Contos da Mãe Gansa, era constituída de oito histórias, que eram provenientes da memória popular, tais como: Chapeuzinho Vermelho; As Fadas; Cinderela ou Gata Borralheira; O Barba Azul; Henrique de Topete; O Pequeno Polegar; A Bela Adormecida no Bosque e o Gato de Botas, sendo ampliada, na segunda edição, com os seguintes textos: A Pele do Asno; Grisélidis e, Desejos Ridículos. Perrault foi considerado o iniciador da Literatura Infantil, embora seu objetivo primeiro não tenha sido o de escrever histórias para divertir crianças, mas sim, valorizar a criação moderna francesa em relação à literatura clássica dos gregos e romanos, apresentada até então, como modelo de superioridade. Outra demanda de Perrault, ao longo da vida, foi o seu empenho na defesa da causa feminina. Ainda no século XVII, nos salões elegantes de Paris, havia mulheres dotadas de certa cultura e sensibilidade artística, que se ligavam aos intelectuais e artistas a fim de compartilharem com eles discussões literárias e culturais. Era comum a leitura dos romances preciosos, cuja matéria fantástica e sentimental estava mais próxima do pensamento popular do que do clássico oficial. É importante lembrar que a época em que Perrault viveu na França, foi marcada pelo confronto entre o racionalismo (por uma nova ordem da sociedade) e o imaginário (por meio do sonho e da fantasia), que faziam parte dos romances preciosos. Eram verdadeiros contos de fada para adultos, se considerarmos que o romance precioso caracterizou-se pela aventura sentimental e pelo heroísmo da paixão. Nele, a dama inacessível e idealizada pelo amor cortês, cede lugar à dama também apaixonada, muito embora continuasse sendo respeitado o tabu da censura ao amor carnal. Na mesma época, Jean de La Fontaine resgata historietas presentes na memória popular, e as articula com pesquisas em fontes documentais. Inaugura então, a tarefa de reconfiguração de textos em versos, como, por exemplo, os que contêm pequenas histórias de animais. Por meio do trabalho de La Fontaine, o mundo culto pode conhecer as fábulas populares, tais como:

9 O Lobo e o Cordeiro; O Leão e o Rato, em que fica evidente o poder explorador do forte contra o fraco; A Cigarra e a Formiga, que apresenta a dicotomia entre o dever e o prazer; A Raposa e as Uvas, que propõe a reflexão sobre o desdenhar daquilo que não se pode alcançar; além de outras, como Perratte, a Leiteira; O Pote de Leite, e; etc. Embora a literatura infantil tenha surgido na França, ela foi definitivamente disseminada e expandida por toda a Europa e as Américas, somente um século depois. Jacob e Wilhelm Grimm, filólogos 10 e folcloristas alemães, desenvolvem pesquisas lingüísticas dos contos de tradição oral, e concluem que muitas histórias, através de seus personagens e de suas tramas, refletem as concepções míticas do povo alemão, que foram passando por transformações para se adaptarem às novas formas de conhecimento do mundo. Esses contos constituíram-se em criações populares que alcançam até a reconstituição do sistema religioso da antiga raça germânica, que havia desaparecido nas brumas do esquecimento, tendo em vista o domínio romano-cristão. Os Irmãos Grimm, descobriram importante acervo das narrativas maravilhosas, que deu origem à coletânea conhecida como Literatura Infantil Clássica. Os contos mais conhecidos são: A Bela Adormecida; Branca de Neve e os Sete Anões; Chapeuzinho Vermelho; A Gata Borralheira; O Ganso de Ouro; Os Sete Corvos; Os Músicos de Bremen; A Guardadora de Gansos; Joãozinho e Maria; O Pequeno Polegar; As Três Fiandeiras; O Príncipe Sapo e outros que, posteriormente foram reunidos no volume intitulado Contos de Fadas para Crianças e Adultos; hoje, Contos dos Irmãos Grimm. No século XIX, início do Romantismo, o dinamarquês Hans Cristian Andersen, publica os Eventyr, constituído por cento e sessenta e oito contos, com o objetivo de transmitir às crianças os ideais românticos da fé cristã, da 10 Filologia do grego Amor ao estudo. Foi uma das primeiras ciências do século XIX, que deu lugar à lingüística, no século XX. Trata-se da ciência que estuda uma língua, literatura, cultura numa perspectiva histórica, por meio do rigor de documentos escritos.

10 generosidade e fraternidade humana, e propor-lhes padrões de comportamento compatíveis com esse pensamento. Assim, os contos de Andersen irão refletir a cotidianidade, em que pese a injustiça social e o egoísmo. Esses contos sinalizam o contexto em que Andersen viveu, num país sob o domínio napoleônico, e ao mesmo tempo, época de exaltação nacionalista e de grande expansão econômica, que refletia o grande fosso entre a riqueza organizada e a pobreza sem perspectivas. Percebe-se, ainda, que é grande o volume de pesquisas das diferentes áreas do conhecimento, realizadas desde o século XVIII em relação ao imenso acervo constituído pelos contos de fada, mitos, fábulas, sagas, contos maravilhosos, etc. O que resultou de todo esse trabalho, é que as narrativas maravilhosas representavam muito mais do que algo lúdico e prazeroso, mas ofereciam elementos para a formação de concepções e representações de mundo, transmitindo valores, moldando comportamentos e adequando atitudes em relação aos grupos sociais. Diferentes escolas A partir da recuperação da memória arcaica das narrativas maravilhosas, e consequentemente, das fontes vivas da tradição popular de cada nação, os estudiosos concluem que, apesar das grandes diferenças culturais dos locais de origem e das características específicas de cada povo que as inventaram, as várias histórias primitivas guardam grandes similaridades, quer sejam em relação aos personagens, quer sejam nos motivos ou argumentos. São as semelhanças que pressupõem a existência de uma origem comum, que os estudos acabaram por localizar no oriente, muito antes do aparecimento de Cristo. Assim surgiram teorias voltadas à compreensão do substrato dos contos maravilhosos, principalmente em relação ao seu significado simbólico. Tratava-

11 se de diferentes escolas de filólogos, psicólogos, etnólogos, antropólogos que tinham o objetivo de explicar diferentes perspectivas sobre os fenômenos. Quando os Irmãos Grimm publicaram sua coleção de contos de fada, as pessoas ficaram espantadas com o número de temas que se repetiam, tanto nas coleções da França, como nas da Rússia, Finlândia e Itália, surgindo, então, vários estudos, sendo que um objetivo significativo foi o de compreender o porquê da temática dos contos de fada se repetir. Houve, então, uma preocupação das várias ciências com os contos de fada, e conseqüentemente, com as teorias das diferentes escolas. A primeira escola denominada naturalista védica, comandada por Adalberto Kuhn e Max Muller, que surgiu na primeira metade do século XIX, baseava-se em estudos dos hinos védicos, relacionados à linguagem vinculada a antigos mitos, como também à expressão das reações do mundo arcaico em relação à natureza. Outra escola é a mitologia científica, em que também despontam novas teorias. Uma delas é a de Ottofrido Muller, que se dedicou ao estudo do conteúdo mítico narrativo, como índice da incapacidade de abstração dos povos primitivos; etapa específica dos estágios iniciais mais rudimentares da mente. Na segunda metade do século XIX, surgiu uma nova escola, então denominada Os contos maravilhosos e os pensamentos rudimentares, corrente de cunho psicológico, cujo representante é o psicólogo alemão Adolf Bastian, que faz uma ponte entre os mitos e as narrativas maravilhosas, cujas identidades seriam resultantes de um fundo psicológico comum a todos os homens. Outra corrente de pensamento intitulada O lastro animista e naturalista dos contos de fadas, foi defendida pelo etnólogo inglês, Edward Burnett Tylor, e tinha como objetivo explicar os contos de fada, por meio das interligações profundas entre folclore e mitos atmosféricos e siderais, gerados pelas religiões primitivas, sendo posteriormente, absorvidos pela religião cristã.

12 A escola denominada O pensamento fetichista e a simbologia dos contos apontou para os arcaicos mitos fetichistas, absorvidos pela imaginação popular, como geradores de contos e narrativas maravilhosas. Alguns dos pesquisadores desta escola basearam-se numa teoria solar. Afirma Coelho: E Max Muller aponta para a permanência dos mitos religiosos nos Vedas, Avestas e Helênicos. E destaca principalmente dois problemas permanentes da poesia védica: o raiar do sol (o triunfo cotidiano da luz sobre as trevas e o da Primavera anualmente sobre o Inverno) e a tempestade (triunfo de um deus luminoso sobre as nuvens negras, libertando as águas fertilizantes). Daí a teoria solar que tem servido para a interpretação desses Contos primordiais, como os de Perrault. (Coelho, 1991b:109). Atualmente, observa-se que as interpretações de natureza psicanalítica vão substituindo as interpretações de cunho mítico-simbólico. A interpretação psicanalítica referente aos contos de fada está baseada numa simbologia de expressividade dos processos psíquicos do inconsciente. Sigmund Freud foi o primeiro a identificar a relação da temática dos contos de fada com o psiquismo humano. Partindo da premissa que a função mais importante do mecanismo mental é a de proporcionar um alívio ao indivíduo, das tensões nele eliciadas por suas necessidades, os contos de fada, lendas e mitos, seriam realizações psíquicas sociais predestinadas à diminuição da ansiedade. Freud estabeleceu relações entre sonho e criação artística (pintura, poesia e contos maravilhosos), uma vez que, em nível do inconsciente e do imaginário, ambos são expressões de desejos reprimidos. Freud relacionou a influência da simbologia contida nos mitos e nos sonhos, particularmente, aos pacientes com problemas psíquicos. Segundo Bettelheim (2006), autor pertencente à escola psicanalista, os contos de fada transmitem importantes mensagens ao consciente, ao préconsciente e ao inconsciente, no sentido de estimular o desenvolvimento do

13 ego, dando vazão às pressões do id, indicando caminhos para satisfazer determinadas necessidades, conforme a requisição do ego e do superego. Para ter controle sobre problemas psicológicos de crescimento e também formar uma identidade com auto-estima e obrigações morais, a criança pode compreender, com os contos de fada, o que acontece em seu inconsciente, adequando esse conteúdo às fantasias conscientes, e passando a lidar melhor com esse material, podendo contribuir com novas dimensões à sua imaginação, estruturando seus devaneios para uma melhor direção à sua vida. Considerando que a polarização domina a mente da criança, também as personagens dos contos de fada não são ambivalentes, ou seja, não são boas e más, simultaneamente, como acontece na realidade. Este dado proporciona uma base para que seja estabelecida uma personalidade firme que possa realizar as identificações positivas, podendo também perceber diferenças entre as pessoas e realizar escolhas futuras. Para Bettelheim (2006), o conto de fada permite à criança avançar no sentido de alcançar maior independência, em desenvolver sua identidade e entrar em contato com seus conteúdos internos, que vão cooperar tanto para a formação do seu caráter, como para a existência de uma relação mais plena com o outro. Outro estudioso da relação entre contos e mitos, foi o psicólogo, médico e filósofo alemão Wilhelm Wundt ( ) que deu importância psíquica ao tema, entendendo que os mitos são decorrência da fantasia coletiva e não individual, surgindo tanto como elemento catártico, como para espantar as assombrações e somente depois se transformando em mito. A partir de 1930, surgem as pesquisas de Carl Gustav Jung e seus seguidores, levando em conta os conceitos de inconsciente coletivo e de arquétipos. Inaugura uma abordagem que considera o conteúdo subjacente aos mitos e contos de fada como pertencente ao inconsciente coletivo, representando as imagens arquetípicas. Diferentemente da posição freudiana,

14 que demonstra uma visão de inconsciente pleno de conteúdos reprimidos, constituído de recalques e complexos, a postura junguiana apresenta o inconsciente com uma perspectiva de movimento, crescimento, renovação e profundidade. Parte de um trabalho desenvolvido com os antagônicos, a fim de favorecer o amadurecimento da personalidade; portanto, além de uma transformação em direção à saúde, com os conteúdos arquetípicos, vislumbrase um mundo tenebroso, mas também, encantador e mágico dos contos de fada. Simbologia O desenvolvimento ocidental recente deu maior importância e destaque aos aspectos racionais e cognitivos, negligenciando os aspectos emocionais e intuitivos do homem. Essa forma excludente e fragmentada de conhecimento da realidade, não é capaz de nos auxiliar na compreensão das motivações básicas de nossa existência, de nossa humanidade, uma vez que esse entendimento requer fundamentos vivenciais e, portanto, também emocionais e intuitivos. Segundo Jung, assim como conhecemos o mundo através dos órgãos dos sentidos e por meio do pensamento, a intuição e a capacidade de criar por meio de símbolos, também reflete modos fundamentais do funcionamento humano. Os símbolos são representados por imagens que surgem na mente consciente, mas que provém de conteúdos existentes nas profundezas do inconsciente, plenas de poder e significação, podendo, inclusive, descrever uma situação sob a forma de analogia ou parábola, apontando para além do que pode ser acessível à nossa observação. Essas imagens não foram criadas pela consciência, mas, surgem em conexão com uma dimensão da existência. Embora nossa mente tenha a tendência de reprimir a função simbólica, esta

15 continua a agir como função básica, de modo consciente e inconsciente, podendo originar vários quadros patológicos. Embora o consciente tente estabelecer o controle no mundo das coisas, através do pensamento racional, e da repressão das emoções, é o inconsciente que dá recursos para a mente consciente. As imagens que surgem no consciente possibilitam o desenvolvimento de qualidades emocionais e de imaginação que formam uma conexão com o mundo da vivência, cindido pelo processo de abstração. Assim, para a compreensão da experiência do mundo interior, e o surgimento de imagens das profundezas da psique, deve-se levar em conta, uma nova forma de percepção, que é a intuição do significado interior, a que Whitmont (1995) chama de modo simbólico de compreensão. Pode-se compreender, dessa forma, que o ser humano tenha um modo de entendimento da realidade, não somente voltado ao exterior, mas, principalmente, um modo simbólico que, no desenvolvimento da mente, é o elemento ativo na formação das imagens mitológicas. A abordagem simbólica faz parte da realidade da psique total, envolvendo tanto aspectos cognitivos, como também sentimentos e intuições. Assim temos um intelecto que para se adaptar adequadamente à realidade, deve lidar não apenas com o mundo das coisas, mas também com os aspectos da subjetividade humana, exigências de uma realidade psíquica sempre em transformação, e muitas vezes incognoscível. O Sujeito e a Educação Em conformidade com o pensamento complexo, o ser humano é indivíduo e sujeito; ser único, egocêntrico e singular, que traz em si também as marcas da alteridade, em sua condição humana. Apresenta caracteres opostos e contraditórios e, ao mesmo tempo é uno e múltiplo. É constituído de idéias,

16 mas também de afetividade, apresentando-se ora como sapiens, ora como demens, no contato consigo, com o outro, com o mundo. Morin define o homo complexus: O ser humano é um ser racional e irracional, capaz de medida e desmedida; sujeito de afetividade intensa e instável. Sorri, ri, chora, mas sabe também conhecer com objetividade; é sério e calculista, mas também ansioso, angustiado, gozador, ébrio, extático; é um ser de violência e de ternura, de amor e de ódio; é um ser invadido pelo imaginário e pode reconhecer o real, que é consciente da morte, mas que não pode crer nela; que secreta o mito e a magia, mas também a ciência e a filosofia; que é possuído pelos deuses e pelas idéias, mas que duvida dos deuses e critica as idéias; nutre-se dos conhecimentos comprovados, mas também de ilusões e de quimeras (...). (Morin, 2000 a: 59) Esse homem, em sua relação com o mundo, por meio de suas ações e vivências, reelabora os pensamentos, emoções e sentimentos, ampliando a consciência de si, do outro e do universo, modificando-se e ao mundo, num movimento recursivo, hologramático e dialógico do pensamento que leva em conta a capacidade de compreensão da realidade. A literatura e, em especial, os contos de fada despertam a sensibilidade e a afetividade, capazes de oferecer elementos para que o sujeito possa aprimorar a sua capacidade de reflexão, como também a sua capacidade criativa, através das vivências dos conteúdos subjetivos que formam a tessitura do imaginário. Mas, o ser humano não é apenas sapiens-demens, é também ludensfaber, por isso, os contos podem lhe permitir brincar, imaginar, criar a própria sensibilidade e o senso estético. Os contos podem ainda, favorecer a sua capacidade de introspecção, reunindo atributos racionais, míticos, mágicos e imaginários, capazes de propiciar a transcendência do aqui e agora. Como afirma Severino: É toda esta esfera do exercício da dimensão subjetiva da

17 pessoa que nos torna efetivamente humanos. (Severino, 2002: 185). E é a esse mundo imaginário, que os contos de fada nos transportam; lá, onde podemos agir tanto com a cabeça quanto com o coração. A teoria da complexidade propõe a crítica à dicotomia entre cultura científica e cultura humanística. Aponta para a necessidade de uma educação complexa que leve em conta um tipo de pensamento capaz de juntar o que estava separado e disperso. Uma educação complexa é em sua essência transdisciplinar, contextualiza os saberes, integra os fenômenos multidimensionais e ultrapassa as conexões solidárias. É a filosofia da educação que respeita a unidade e a diversidade dos pensamentos míticosimbólico e lógico-racional promovendo inter-relações tão possíveis quanto necessárias à aprendizagem dos sujeitos. Uma meta da filosofia da educação deveria ser a de ensinar a viver; proporcionar condições e recursos ao sujeito conhecer e viver a sua condição humana, inserido no contexto planetário. O estudante-sujeito não é um depositário de informações e conteúdos isolados, com ou sem sentidos, mas, é detentor de sonhos e emoções. Cabe à educação levar em conta a complexidade humana. Para Morin (...) ensinar a viver necessita não só dos conhecimentos, mas também da transformação, em seu próprio ser mental, do conhecimento adquirido em sapiência 11, e da incorporação dessa sapiência para toda a vida. (Morin: 2000 b: 47). Para essa transformação de que nos fala Morin, precisamos permitir e estimular o exercício de nossos operadores cerebrais hologramático, recursivo e dialógico promovendo as articulações entre logos e muthos. Enquanto o pensamento racional elabora informações objetivas, o pensamento mítico realiza a compreensão pela intuição e subjetividade, indo ao encontro de percepções tanto particulares como globais e das diversas interconexões. Nesse sentido, os pensamentos se comunicam, pois se o racional usa analogias e símbolos, o mitológico também necessita de coerência lógica para 11 Palavra antiga que engloba sabedoria e ciência. (Nota do autor).

18 realizar-se. Desse modo, então, que a literatura, e em particular os contos de fada, favorecem a ligação dos mundos internos e externos ao sujeito, como também do real e do imaginário, tão importantes ao processo educacional, como mediadores do conhecimento humano. Como Morin afirma: (...) o romance e o cinema oferecem-nos o que é invisível nas ciências humanas; estas ocultam ou dissolvem os caracteres existenciais, subjetivos, afetivos do ser humano, que vive suas paixões, seus amores, seus ódios, seus envolvimentos, seus delírios, suas felicidades, suas infelicidades, com boa e má sorte, enganos, traições, imprevistos, destino fatalidade... (Morin, 2000 b: 43-44). Com essa perspectiva, há de se pensar uma reforma educacional que implique uma reforma de pensamento e vice-versa, que pressupõem a religação dos diferentes conhecimentos. Vale destacar nesse contexto as artes: dança, música, cinema e literatura. De modo especial, os contos de fada como elemento aglutinador do homo sapiens-demens. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BETTELHEIM, B. A psicanálise dos contos de fadas. Tradução Arlene Caetano. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

19 COELHO, N. N. O conto de fadas. 2ª edição. São Paulo: Ática, 1991 a.. Panorama Histórico da Literatura Infantil Juvenil. 4ª ed. revista, São Paulo: Ática, 1991 b. ESTÉS, C. P. Contos dos Irmãos Grimm. Tradução de Lia Wyler. Rio de Janeiro: Rocco, MORIN, E. Meus Demônios. Tradução de Leneide Duarte e Clarisse Meireles. Rio de Janeiro: Bertrand, Os sete saberes necessários à Educação do Futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2000 a.. A cabeça bem feita: Repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução de Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000 b. SEVERINO, A. J. A filosofia na formação do jovem e a resignificação de sua experiência existencial. In KOHAN, W. Ensino de filosofia: perspectivas. Belo Horizonte: Autêntica, WHITMONT, E. C. A busca do símbolo: Conceitos básicos de psicologia analítica. Tradução de Eliane Fittipaldi Pereira e Kátia Maria Orberg. São Paulo: Cultrix, 1995.

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO Magna Flora de Melo Almeida Ouriques 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) mellomagna@gmail.com Co-Autor Renan de Oliveira Silva 2 rennanoliveira8@gmail.com

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Contos de ensinamento da tradição oral

Contos de ensinamento da tradição oral Contos de ensinamento da tradição oral Os chamados contos de ensinamento, fazem parte da grande herança cultural formada pelos contos transmitidos oralmente, de geração para geração, ao longo de milênios.

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum?

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum? A Busca Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas em livros e filmes podemos encontrar uma trama em comum? Alguém, no passado, deixouse

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq LITERATURA wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui INFANTIL opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. EIXO 4 - Práticas Pedagógicas, Culturas Infantis e Produção Cultural para crianças pequenas Autoras:

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

PROJETO ERA UMA VEZ...

PROJETO ERA UMA VEZ... PROJETO ERA UMA VEZ... TEMA: Contos de Fada PÚBLICO ALVO: Alunos da Educação Infantil (Creche I à Pré II) JUSTIFICATIVA O subprojeto Letramento e Educação Infantil, implantado na EMEI Sementinha, trabalha

Leia mais

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014.

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. DEDICATÓRIA Para todas as crianças negras e de classes populares que são vítimas das atrocidades

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A cigarra e a formiga

A cigarra e a formiga A cigarra e a formiga Texto: Jean de La Fontaine e Paul Beaupère Ilustrações: Paul Beaupère Tradução: Irami B. Silva ISBN: 9788576668619 Páginas: 32 Formato: 14,5 X 19cm A cigarra passou o verão divertindo

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA Prof. Luana Leão Cury, Prof. Tiago Aquino da Costa e Silva, Prof. Kaoê Giro Ferraz Gonçalves FMU Faculdades Metropolitanas Unidas/SP Prof. Alipio

Leia mais

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky A vida em grupo é uma exigência da natureza humana É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky No processo de socialização a criança aprende as regras básicas, os valores e

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 Literatura na escola: os contos maravilhosos, contos populares e contos de fadas. Professora Marta Maria Pinto

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO ANA ELIZABETH CAVALCANTI DA COSTA 3 ÍNDICE Introdução... 13 1ª Parte - O Universo Mágico Os Ciclos

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS)

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) Coordenação: Luciane Possebom 26 de março de 2014. Segundo Câmara Cascudo, pode-se

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA Maria Elizabete Nascimento de Oliveira 1 PPGE /IE UFMT m.elizabte@gmail.com RESUMO A pesquisa em foco refere-se à relevância dos contos de fadas na

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag Autor: Rabbi Yehuda Ashlag A Kabbalah ensina a correlação entre causa e efeito de nossas fontes espirituais. Estas fontes se interligam de acordo com regras perenes e absolutas objetivando gols maiores

Leia mais

DESCOBRINDO A CONDIÇÃO HUMANA NA LUDOPOIESE: UM DESPERTAR PARA A CONSCIÊNCIA DA COMPLEXIDADE HUMANA

DESCOBRINDO A CONDIÇÃO HUMANA NA LUDOPOIESE: UM DESPERTAR PARA A CONSCIÊNCIA DA COMPLEXIDADE HUMANA DESCOBRINDO A CONDIÇÃO HUMANA NA LUDOPOIESE: UM DESPERTAR PARA A CONSCIÊNCIA DA COMPLEXIDADE HUMANA Áurea Emilia da Silva Pinto BACOR/PPGED/UFRN Resumo Esse trabalho foi elaborado a partir de uma roda

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova Prof. Humberto S. Herrera Contreras O que este documento nos diz? Algumas percepções iniciais... - O título já é uma mensagem espiritual! tem movimento, aponta

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

CELD - 8 o EEJA. Seção V O Mapa da Alma Segundo Joanna de Ângelis. O cérebro triúno. A Lei de Amor e a Consciência da Imortalidade

CELD - 8 o EEJA. Seção V O Mapa da Alma Segundo Joanna de Ângelis. O cérebro triúno. A Lei de Amor e a Consciência da Imortalidade CELD - 8 o EEJA A Lei de Amor e a Consciência da Imortalidade Seção V O Mapa da Alma Segundo Joanna de Ângelis O cérebro triúno O conceito do cérebro triúno foi proposto pelo médico e cientista Paul MacLean.

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Janaina: muitas flores, uma estória Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Fernanda de Sousa Vieira 2 Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Resumo O presente trabalho traz contribuições acerca do atendimento

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Planificação do 7º Ano - Educação Moral e Religiosa Católica Unidades Temáticas Conteúdos Competências Específicas Instrumentos de Avaliação UL1- AS ORIGENS

Leia mais

Tipos de Conhecimento

Tipos de Conhecimento Conhecer = incorporação de um conceito novo ou original sobre algo (fato ou fenômeno) CONHECIMENTO surge: de experiências acumuladas na vida cotidiana; de relacionamento interpessoais; de outros instrumentos

Leia mais

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA A Antropologia é o estudo do homem e seu mundo. Como ciência da humanidade, ela se preocupa em conhecer cientificamente o ser humano em sua totalidade. (MARCONI, Marina

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL BRASIL-ALEMANHA ALUNO: GINO BONA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL BRASIL-ALEMANHA ALUNO: GINO BONA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL BRASIL-ALEMANHA ALUNO: GINO BONA CONTOS DE FADAS NO ENSINO DA LÍNGUA ALEMÃ PARA A PRÉ-ESCOLA BÁSICA MUNICIPAL DR. ADALBERTO TOLENTINO DE

Leia mais

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO INTRODUÇÃO Síntese sobre a Teoria da Evolução Química. Criacionismo (fundamentado na fé e na religião). É a primeira explicação para perguntas sobre a origem do Universo, da

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Claudio C. Conti www.ccconti.com Congresso Espiritismo 150 de O Evangelho Segundo o Espiritismo ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Como funcionamos A mente é a ferramenta para compreender questões que transcendem

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO TRADIÇÕES RELIGIOSAS TEXTOS SAGRADOS Se as religiões estão para humanizar

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless.

A aproximação intercultural entre os romances de formação Doidinho e Die Verwirrung des Zöglings Törless. Cristiane Maria Bindewald Universidade Federal do Paraná A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless. Este trabalho é resultado do nosso

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista Clássicos adaptados em mangá Alexandre Boide* Com seus mais de cem títulos publicados, a coleção Manga de Dokuha (algo como Aprendendo em mangá ) é uma espécie de ponto fora da curva entre as coleções

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Congresso de Psicologia Infantil Gente Pequena, Grandes Causas Promovido pela Associação Lumière Cinema S. Jorge, Lisboa A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Mais

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar O Paradigma Holístico O holismo ( de holos = todo) abrangendo a ideia de conjuntos, ou de todos e de totalidade, não engloba apenas a esfera física, mas se estende também às mais altas manifestações do

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Connie, a Vaquinha 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): A Ponte 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio A Ponte faz parte da série Connie,

Leia mais

O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos

O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos Entender o comportamento do consumidor não é tarefa fácil Consumidor: motivações internas (psiqué/personalidade) e externas (pressões sociais: família,

Leia mais