CONTOS DE FADAS NAS AULAS DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA: 1 Uma Nova Proposta de Ensino com Gênero Textual

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTOS DE FADAS NAS AULAS DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA: 1 Uma Nova Proposta de Ensino com Gênero Textual"

Transcrição

1 CONTOS DE FADAS NAS AULAS DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA: 1 Uma Nova Proposta de Ensino com Gênero Textual Luciane Aguetoni de Oliveira 2 Rosângela Aparecida Alves Basso 3 Resumo. A dificuldade que a maioria dos alunos enfrenta ao ler textos em inglês, juntamente com questões relacionadas, motivação e a indisciplina foram o que levaram o desenvolvimento desse projeto de Intervenção. Este trabalho é parte integrante do Programa de Desenvolvimento da Educação do Estado do Paraná, o qual foi desenvolvido no ano de 2009, numa sala de língua inglesa da Rede Pública. A leitura tem sido estudada por autores tanto da Língua Materna como das Línguas Estrangeiras como solução possível para o desenvolvimento de um cidadão crítico, capaz de transformar suas ações sociais. Considerando essa problemática os documentos Oficiais denotam que o estudo através dos gêneros textuais pode levar o aluno a compreender aspectos sociais e culturais de ambas as esferas, língua materna e estrangeira, despertando para as diferenças entre as línguas, abrindo então novos horizontes sociais e culturais. Sob esta perspectiva, o presente projeto tenta por meio da leitura, aprimorar o processo de ensino e aprendizagem de Língua Inglesa, tendo como objetivo principal desenvolver nos alunos as habilidades necessárias para que eles possam extrair da língua o que precisam para se tornarem leitores eficientes e críticos. O gênero escolhido foi Contos de Fadas, que além de possuir finalidade educativa, também pode explorar as questões de valores éticos e morais. Palavras-chave: Língua Inglesa. Estratégias de leitura. Gênero textual. Contos de fadas. Abstract. The difficulty most students face when reading texts in English, together with lack of motivation and indiscipline led the development of this intervention project. This work is part of the Educational Developing Program from Paraná State, year 2008 class, which was developed in a public English Language Classroom through The reading has been studied by authors as much as on Mother Tongue as on Foreign Language in order to get ways to develop critical citizens, capable to transform their social actions. Considering this problem Official Educational Documents, such as Curriculum Educational Guidelines is underpinned by theoretical studies which mention textual genres studies as a possibility to get student to understand social and cultural aspects of both spheres, mother and foreign language, bringing up the differences among the languages, opening new social and cultural horizons. Under this perspective, the work was done using Fairy tales to develop reading strategies so students can develop reading abilities to get, 1 Projeto de implementação pedagógica do programa de desenvolvimento Educacional do Estado do Paraná. 2 Professora de Língua Inglesa da Educação Básica da rede Pública do Estado do Paraná 3 Professora Mestre pela Universidade de Liverpool- UK, professora do Departamento de Letras da Universidade Estadual de Maringá.

2 2 from texts, all elements to become efficient and critical readers. The chosen genre was due to its characteristics on having educational purposes, and due to possibility to work with subjects related to ethnical and moral values. Key-words: English language. Reading Strategies. Textual Genre. Fairy Tales. I INTRODUÇÃO As questões de leitura e o desenvolvimento de um cidadão crítico têm sido muito discutidos nas diversas disciplinas do currículo escolar, nas pesquisas de ensino-aprendizado tanto da língua materna (LM) quanto da Língua estrangeira (LE). Considerando, ainda, que é através da leitura que se adquire toda e qualquer espécie de informação o indivíduo que lê constrói um conhecimento, e esse desenvolvimento intelectual amplia a capacidade de formar idéias tornando-o um cidadão crítico capaz de se posicionar diante das situações provenientes das situações sociais. Nas aulas de língua inglesa na Educação básica da rede pública de ensino, o que se vê é a leitura como prioridade. Porém, os alunos não vêem estas leituras como forma de aprendizado do idioma. O que eles vêem são textos para tradução, o que para eles não faz sentido nenhum. Esta forma de ensinar o inglês se torna cada vez mais desinteressante para os alunos, já que a aprendizagem não ocorre. Diante do cenário da educação brasileira e os índices referentes aos problemas de leitura e interpretação de textos que nossos alunos apresentam, e no que acontece na sala de inglês, pesquisadores, professores estão sempre em busca de novas alternativas para melhorar o ensino e a aprendizagem de Língua Inglesa. Para tanto, o fundamento teórico-metodológico apresentado nas Diretrizes Curriculares da Educação Básica para a Língua estrangeira, neste caso inglês, apontam o ensino através dos gêneros textuais como uma alternativa para minimizar tais problemas. Considerando as Diretrizes Curriculares da Educação do Estado do Paraná, e a tarefa de formar cidadãos críticos dentro das concepções do interacionismo sócio-discursivo, o ensino da língua estrangeira esbarra com as dificuldades e o desinteresse dos alunos nas atividades de leitura desse idioma. Sabemos também que a formação e a prática do dia-a-dia são determinantes em um

3 3 processo de investigação, delimitação e resolução do problema (Triviños, 1928). Logo, leva-se a crer que adquirir o domínio geral de um setor do conhecimento em prazo breve, não é uma tarefa fácil. Refletindo sobre a questão da dificuldade e do desinteresse dos alunos por leitura nas aulas de língua inglesa, surge então o questionamento: Como despertar no aluno o interesse pela leitura nas aulas de LI? Como desenvolver as habilidades básicas inerentes ao processo de leitura? Segundo NUTTAL (1982) para conseguir amenizar essa questão das dificuldades dos alunos, primeiramente é necessário que eles queiram ler. Pensando nisso, nas teorias do interacionismo sócio- discursivo, que nos leva a entender que é nas atividades sociais em uma formação social que se desenvolvem as ações de linguagem, (CRISTÓVÃO, 2007, pg. 9) e nas DCE s que norteiam nosso trabalho, os contos de fadas foi o gênero escolhido para propôr o direcionamento das atividades nas aulas de leitura de Língua Inglesa(LI). Sendo assim, o presente projeto de intervenção usa o gênero Contos de Fadas, perpetuados por Perralt, Grimm e Andersen em sala, durante as aulas de língua inglesa (LI) tendo por objetivo desenvolver habilidades básicas de leitura, por meio da utilização das estratégias de leitura definidas pelas teorias de skimming, scanning, predicting e leitura crítica na busca de alternativas para amenizar tais dificuldades e despertar no aluno o interesse pela leitura, discutindo através dos textos as diferenças culturais e sociais entre a língua materna e a língua alvo. Agregado a isso, os textos dos contos de fadas, em inglês, possibilitam o desenvolvimento lingüístico discursivo da língua alvo e ampliam as discussões que envolvem valores éticos e morais, tendo como finalidade uma possível mudança de atitudes, já que esse também é outro aspecto a ser desenvolvido. Este projeto foi desenvolvido na 7ª série do ensino Fundamental da rede pública, no Colégio Estadual Enira Moraes Ribeiro, no ano de 2009 e teve por objetivo amenizar as dificuldades de leitura de textos em inglês e despertar o interesse dos alunos pelo idioma. Este trabalho está divido em fundamentação teórica, metodologia, análise e discussão dos dados e conclusão. II FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

4 4 2.1 ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA A LE tem um conceito complexo que o professor precisa contemplar e sobre ele refletir, pode significar língua dos outros ou de outros, ou língua de antepassados, de estranhos, de bárbaros, de dominadores ou língua exótica. A compreensão do termo se aperfeiçoa se o tomamos como língua que só a princípio é de fato estrangeira, mas que se desestrangeiriza ao longo do tempo que se dispõe para aprendê-la. (ALMEIDA FILHO, 1993), ou seja, aprender LE é construir significados, e assim crescer numa matriz de relações interativas na língua-alvo que gradualmente se desestrangeiriza para quem a aprende. Quando pensamos em ensino, logo pensamos na estreita ligação entre linguagem e cognição, compondo modelos cognitivos distintos disponíveis para seus usuários. Seguindo o pensamento de Almeida Filho (1993) ainda que precisemos de mais pesquisa para estabelecer a força relativa de diferentes classes de valores para constituir uma abordagem de ensinar e aprender línguas, devemos antes reconhecer neles uma força tributária que condiciona em parte este processo. Aprender uma nova língua na escola é uma experiência educacional que acontece para e pelo aluno como reflexo de valores específicos do grupo social e/ou étnico que mantém essa escola, valores estes transformados em interesses que fazem o currículo abrigar uma ou mais línguas estrangeiras. De acordo com Almeida Filho (1993) as tradições de ensinar línguas estrangeiras nas escolas exercem influências variáveis sobre o professor que traz para o ensino disposições pessoais e valores desejáveis da sua própria abordagem. Segundo ele a aprendizagem formal precisa se dar em duas modalidades, uma que busca o aprender consciente, monitorado, e outra que almeja a aquisição subconsciente quando o aluno se envolve em situações reais. Para se obter impacto, mudanças e inovações não são suficientes alterações apenas no material didático, são cruciais novas compreensões vivenciadas da abordagem de aprender dos alunos. Ao aprender, os alunos recorrem às maneiras de aprender, pode acontecer que esta forma de aprender a que se prende um aluno para abordar uma LE não seja compatível ou convergente com uma abordagem específica de ensinar de um professor, de uma escola ou de um livro didático. Este desencontro seria então fonte de fracasso e desânimo no processo de ensino e aprendizagem da língua em questão.

5 5 2.2 ESTRATÉGIAS DE LEITURA Para se formar um leitor competente é fundamental desenvolver estratégias de leitura em sala de aula, partindo do material que se tem em mãos e também através de textos retirados da sociedade e trazidos para o interior da sala onde estão os alunos e o professor. Desta forma, desenvolvendo estratégias ou técnicas de leitura o aluno aprende a fazer sua leitura de maneira mais fácil e também adequada. As estratégias não aparecem sozinhas, Almeida Filho (1993) comenta que elas precisam de um início de ensino que pode ser apresentado partindo da instrução de técnicas ou mesmo de estratégias certas de leitura de textos. Quando se dá a formação de um leitor competente, com autonomia, possibilita ao aluno a capacidade de aprender com os textos que ele lê, isto é, o aluno tem a oportunidade de adquirir novos conhecimentos, aprendendo então a aprender. Por meio das interações com o texto, havendo compreensão do que se lê, relacionando o que é lido com os conhecimentos prévios, questionando o conhecimento aprendido e fazendo ligações com o já tem na memória, o aluno aprenderá a trabalhar com o texto na escola, para então mais tarde utilizar dessa aprendizagem na leitura de textos que encontra no seu dia-a-dia. Quando isso acontece de verdade, forma-se então um leitor competente. Segundo Almeida Filho (1993) as estratégias fundamentais para que o leitor obtenha a compreensão ao trabalhar com textos são: seleção, antecipação, inferência e verificação, que foram sistematizadas a partir de estudos realizados por pesquisadores em Psicolingüística, como dizem Goodman (1987) e Smith (1991). Outras estratégias são levadas no processo de ensino, mas essas quatro são as principais. Selecionar possibilita ao leitor ater-se apenas ao que lhe parece útil para compreensão do texto, abrindo mão do que julgar menos importante, não atentando para todas as informações, mas somente aquelas que são pertinentes ao objetivo de sua leitura. Antecipar é fazer predições sobre o texto que está lendo, criar hipóteses e previsões sobre o que está sendo informado de forma explícita e implícita.

6 6 Ao inferir, o leitor aciona os conhecimentos prévios em sua memória, complementa o texto baseando-se nas pistas oferecidas pelo autor. Sendo assim, constrói-se uma ponte que liga o texto e os seus significados implícitos. A verificação é a estratégia que controla a eficácia das estratégias escolhidas pelo leitor que comprova ou não a predição anterior. Em suma o professor de LE precisa aproximar as pistas e redundâncias disponíveis na língua escrita aos seus alunos, pois segundo Allen (1973:9) o aprendiz precisa aprender a usar as habilidades e as estratégias, deve aprender a adivinhar ao ler e baseando-se no menor número de pistas possível. Como já é entendido, para aprender a ler em uma LE se faz necessário desenvolver habilidades de linguagem (vocabulário, estrutura, discurso) além das lingüísticas (skimming, scanning, predicting, leitura crítica, etc.) Os textos selecionados devem conter cognatos e palavras transparentes para que o aluno compreenda o significado do texto sem a utilização de dicionário, utilizando os recursos que possui. Desta forma o texto deve ser adequado tanto ao nível quanto ao interesse do aluno. O aluno deve perceber que a leitura não é só a compreensão de cada palavra do texto, mas sim um processo que engloba várias estratégias e técnicas. 2.3 LINGUAGEM E GÊNERO Segundo Pinto (2005) Bakhtin concebe a linguagem como um fenômeno social, histórico e ideológico, definindo um enunciado como uma verdadeira unidade de comunicação verbal. As condições específicas de cada campo desta comunicação geram um dado gênero e a característica estrutural específica de cada gênero é limitada conforme as trocas verbais de quem participa do diálogo. Dolz e Schneuwly (1996) apresentam a idéia metafórica de gênero como (mega) instrumento para agir em situações de linguagem. Por outro lado Marcushi (2000) encara o gênero textual como uma forma concretamente realizada nos diversos textos empíricos. Então a linguagem é aprendida por meio de enunciados concretos. Desta forma, os gêneros do discurso são introduzidos em nossa experiência e em nossa consciência mediante três fatores: as práticas de linguagem, as capacidades de linguagem e as estratégias de ensino. Sendo assim, é através de

7 7 aspectos do discurso que os aprendizes se aperfeiçoam, adquirindo uma maior compreensão (Dolz e Schneuwly, 1996 apud CRISTOVÃO, 2005). Ainda, Bronckart (1999:73) reforça a estreita inter-relação de texto com o contexto, onde qualquer espécie de texto pode atualmente ser designada em termos de gênero, isto é, todo exemplar de texto observável pode ser considerado como pertencente a um determinado gênero, portanto, pode ser classificado como um instrumento pedagógico para o ensino-aprendizagem de produção e compreensão oral e escrita. Fiorin comenta que ao compararmos uma notícia de jornal de um século atrás com uma da atualidade, percebemos que o gênero além de se alterar, também muda seu repertório. Hoje, por exemplo, com a Internet, surgem novos gêneros como o chat, o blog, o , etc, outros que já não são mais usados desaparecem. Bakhtin ressalta que: A riqueza e a variedade dos gêneros do discurso são infinitas, pois a variedade virtual da atividade humana é inesgotável, e cada esfera dessa atividade comporta um repertório de gêneros do discurso que vai diferenciando-se e ampliando-se à medida que a própria esfera se desenvolve e fica mais complexa. Bakhtin (1997:279) De acordo com as diretrizes curriculares, o trabalho com a LE, fundamenta-se na diversidade de gêneros discursivos e busca alargar a compreensão dos diversos usos da linguagem, bem como a ativação de procedimentos interpretativos alternativos no processo de construção de significados possíveis através da leitura de diversos gêneros. Assim, o conceito de leitura é estudado por várias correntes de estudo como segue. Durante vários anos o conceito de leitura difundido nas escolas do nosso país, como decodificação da palavra, em que juntando palavra por palavra, o leitor conseguiria compreender o conteúdo de um texto. Mais tarde esta teoria partiu para o nível da sentença. No entanto, percebe-se logo que essa abordagem não demonstra um resultado satisfatório, desponta então a chamada lingüística textual, que se baseia no texto como unidade básica de manifestação da linguagem. Seguindo nesse sentido, a lingüística textual preocupa-se com os princípios que constituem o texto, pensa-se, além disso, nas informações textuais e extratextuais que interferem na construção do significado. Leva-se a crer então que o significado

8 8 não está nos dados lingüísticos do texto, mas está no leitor, em suas experiências, em sua capacidade de confirmar hipóteses e de fazer predições. (MENEGASSI e ANGELO-2005) Outra corrente lingüística que surge então é a pragmática, que coloca a leitura como um processo de interação entre leitor e texto, ou seja, o leitor busca os objetivos e intenções do autor por meio das informações fornecidas pelo texto. Vale ressaltar ainda, ao pensar em leitura, a influência da análise do discurso, em que o momento sócio-histórico tanto do leitor como do autor são considerados. Nesse sentido, nega-se a intencionalidade do autor, conforme se propunha nos conceitos anteriores, pois para ela, é a ideologia que determina a configuração dos sentidos. Solé (2003) apud Menegassi e Ângelo (2005), em uma perspectiva psicolingüística, constata que mesmo que as formulações teóricas que atribuem um papel importante ao leitor e a seu conhecimento prévio estejam se destacando, as posturas que enfatizam o texto e vêem a leitura como um processo de identificação de sinais gráficos ainda persistem na concepção escolar de ensino de leitura, não podendo ser desconsideradas. Logo, no campo das pesquisas e da prática escolar coexistem diferentes perspectivas de leitura. De acordo com as palavras de Leffa (1999, p.18) apud Menegassi e Ângelo (2005): tudo está no texto, mas separado em duas camadas: uma camada profunda, que é o conteúdo a ser acessado pelo leitor, e uma camada superficial, que recobre o conteúdo, mostrandoo com maior ou menor clareza, dependendo justamente de sua transparência. Como na imagem de Thoreau, o texto é o vidro que protege a paisagem numa pintura. Ler é extrair esse conteúdo, e a leitura será tanto melhor quanto mais conteúdo extrair. Constitui-se então sob a perspectiva textual um modelo ascendente de processamento bottom-up, que vai do texto para o leitor, supondo que o leitor parte dos níveis inferiores do texto para depois formar as diferentes unidades lingüísticas, e então alcançar os níveis superiores. Menegassi e Ângelo acrescentam que Bezerra (2003) coloca que essa abordagem teórica influencia no ensino de língua materna desde os primeiros anos de escolaridade até o fim do ensino médio.

9 9 Por outro lado, sob a perspectiva do leitor, a construção é descendente top-down, que vai do leitor ao texto. Sendo assim, os conhecimentos prévios do leitor colaboram no processo de obtenção de significado, o que corresponde à concepção de leitura defendida por estudiosos da leitura (GOODMAN, 1987; SMITH, 1999) orientados pela psicologia cognitivista. Goodman (1987, p.17) - apud Menegassi e Ângelo (2005) defende o posicionamento que o que o leitor é capaz de compreender depende daquilo que conhece e acredita antes da leitura. É preciso que o leitor inferencie, isto é, complemente a informação disponível utilizando o conhecimento conceptual e lingüístico e os esquemas que já possui. A leitura colocada como um processo de atribuição, centrado fundamentalmente no leitor, bem como o conceito de decodificação, em que o texto é o centro, são comuns na prática escolar. Os dois posicionamentos possuem aspectos positivos e negativos ao trabalho com leitura. Cabe então ao professor, saber como trabalhar a leitura com os alunos, pois o que na verdade importa é isso. Quando o significado é alcançado por meio de um processo de interação entre leitor e texto, não havendo mais a centralização em um ou outro, dáse então a perspectiva interacionista, onde são enfatizadas as abordagens psicolingüística e social em que autor e leitor são participantes ativos no processo de construção do texto. Numa perspectiva crítica ao interacionismo Moita Lopes (1996) aponta limitações, visto que esta perspectiva não considera os aspectos sociais e psicosociais, sugere que aconteça uma complementação dessa abordagem com intravisões de análise do discurso. Segundo Moita, ler é envolver-se em uma interação com alguém em momento sócio-histórico específico. Considerando as condições de produção, lendo o texto como discurso, surge então a perspectiva discursiva, como possibilidade de dar um outro significado às leituras e às coisas. Ritter (1999, p.22-23) - apud Menegassi e Ângelo (2005) em estudos a respeito da leitura em ambiente escolar, sugere uma articulação entre os enfoques cognitivista e discursivo, isto é, as perspectivas do leitor, do texto e do discurso, tendo como resultado uma perspectiva cognitivo-discursiva para o ensino da leitura. E ela indaga:

10 10 Ora, se o que se quer é formar leitores críticos, desconfiados, que consigam chegar ao implícito, às entrelinhas de um texto, resgatando a dimensão sociocultural da leitura, como podemos considerar o papel ativo desse sujeito, sem concebê-lo enquanto ser social e histórico? Como admitir suas histórias de leituras, sem levar em conta suas experiência relevante, seus conhecimentos anteriores? Questionamentos como esses tornam clara a necessidade de se levar em conta os conhecimentos enciclopédicos do leitor, isto é, seus conhecimentos anteriores, bem como as condições sócio-históricas da produção da leitura, numa mista construção de teorias que poderiam ser denominadas interacionista-sóciodiscursiva. Considerando as Dce s, a leitura é estudada à luz dessa corrente que se apóia em uma perspectiva interacionista social de linguagem e em teorias de linguagem que dão primazia ao social (BRONCKART, 1999 apud CRISTÓVÃO, 2007). Logo, conclui-se que existem vários conceitos de leitura que são levados a uma discussão e que também são uma realidade nas nossas escolas. Estes conceitos existem, ou melhor, co-existem e podem ser aproveitados para formar leitores eficientes. 2.4 CONTOS DE FADAS Quanto à origem destes contos há muitos questionamentos que têm dado base às pesquisas. Silva coloca que Nazira Salem (1970, p.146) relata que estes deveriam ter vindo das Índias e do Oriente, depois alcançando o norte da Europa, falando de um Congresso em Copenhague (1958) que teve o objetivo de identificar a origem destes contos. De acordo com o posicionamento de Jesualdo (1982, p.120) os contos de fadas nasceram na Pérsia e segundo palavras de Nelly Novaes Coelho (1981, p.87) eles tiveram origem numa região que o povo Celta habitava e sendo eles propagados oralmente de tempos em tempos se tornam sólidos no contexto da literatura impressa. Ainda seguindo o posicionamento de Silva (2005), Charles Perralt ( ) escritor francês, confere notoriedade aos contos de fadas e segue por esta modalidade de texto literário que agrada o gosto popular, mesmo não tendo prestígio da crítica da época.

11 11 Os contos de fadas antes dedicados às mademoiselles da corte, tornaram-se parte do acervo da literatura infantil, sendo então propagados devido a aceitação da mesma. Muitos são os argumentos que explicam a disseminação dos contos de fadas, então, além da presença do maravilhoso, podendo nos remeter a sua finalidade educativa, trabalhando a questão dos valores éticos e morais. Segundo palavras de Luthi (1968) o sobrenatural sempre é explorado nos contos de fadas, integrando a esfera transcendente à esfera terrena, e relatam os acontecimentos de modo simples, objetivo e natural. Na narrativa dos contos de fadas aparecem cores fortes e nitidamente diferenciadas: os vestidos de Cinderela, por exemplo, são dourados e prateados e a Branca de Neve surge com uma pele alva como neve, os lábios bem vermelhos, o cabelo bem negro. A aparência dos personagens revela suas qualidades e defeitos interiores: beleza significa bondade, feiúra quer dizer mau caráter e más intenções. Ainda de acordo com palavras de LUTHI (1968) em um conto de fadas a ação se desenrola em ordem cronológica, isto é, numa linha reta clara e contínua, permitindo ao leitor uma compreensão fácil dos acontecimentos. Emoções e afetos, defeitos e qualidades dos personagens são exteriorizados, o ódio da madrasta por Branca de Neve aparece através das tentativas de matar a enteada, a ação caracteriza-se pela rápida sucessão de acontecimentos, onde o ponto central é o herói, não tendo lugar para longas descrições, o sapatinho de Cinderela é especialmente bonito e pequeno para garantir que apenas a heroína consiga calçálo O herói é basicamente um viajante, pode muitas vezes receber do auxiliar mágico um objeto que facilita ou agiliza a locomoção (cavalos ou mantos encantados, anéis mágicos), no caso de Cinderela recebe de sua fada madrinha um lindo vestido e uma carruagem. Por outro lado, os malfeitores ou oponentes no final sempre são castigados de maneira radical. Este castigo, no entanto, normalmente não é aplicado pelo herói, que não é motivado pela vingança. Max Luthi (1968) relata que nas narrativas dos contos surgem frequentemente os extremos: bom-mau; belo-horrendo; rico-pobre; rei-lavrador; forte-fraco; etc. Durante o desenrolar da história pode acontecer inversão, ou seja, a princesa perde seu lugar e é obrigada a fazer os trabalhos mais difíceis; o tolo tornase rei; quem muito ganhou perde tudo. Muitas vezes, na aparência se esconde a verdadeira identidade, alguém sujo e maltrapilho, vestido somente com peles de animais surge mais tarde como uma linda princesa ou um rico senhor; o sapo

12 12 asqueroso é um príncipe encantado; a belíssima rainha é na verdade uma bruxa malvada, como ocorre no conto da Branca de Neve. No que se refere aos personagens, de acordo com a enumeração de Luthi, estes não se confundem em uma multidão, sendo seu número bastante reduzido e seus papéis claramente diferenciados, há o herói (em torno do qual se concentra toda a ação), o inimigo ou o oponente do herói (bruxa, rei malvado) o auxiliar do herói (fada, animal falante), a figura contrastante (irmãos mais velhos) e a pessoa salva pelo herói (princesa). Os personagens apenas existem enquanto relacionados ao herói e nenhuma problemática é desenvolvida além da dele. Logo, quando Branca de Neve vai morar com os sete anões, a madrasta permanece na trama (pois há a intenção dela de matar a heroína), já o caçador desaparece da história após livrá-la da morte. III METODOLOGIA Considerando os objetivos apontados, os conceitos de gêneros, bem como as características dos contos de fadas, esta pesquisa se enquadra no que se define pesquisa-ação ou intervenção, pois é um contínuo de planejamento, identificação do problema, execução e avaliação da ação e, nas palavras dos herdeiros da tradição lewiniana, uma seqüência espiral reiterada de análise, pesquisa de fatos, conceituação, elaboração de planos de ação, realização desses planos, seguida de avaliação, pesquisa de fatos novos e repetição do ciclo espiral de atividades (SANFORD, 1970 apud CHIZZOTTI, 2006). Os contos de fadas, que retratam um mundo maravilhoso, onde duendes, bruxas e fadas fazem parte do convívio das pessoas, têm passado de geração em geração por seu caráter educativo. Assim, a pesquisa realizada na sétima série do ensino fundamental do Colégio Estadual Enira Moraes Ribeiro, no ano de 2009, na cidade de Paranavaí foi desenvolvida em três etapas: apresentação ao grupo de trabalho em rede (GTR), apresentação à equipe pedagógica, implementação. Este trabalho é o resultado da implementação na sala da professora pesquisadora e dos participantes do GTR. A implementação da produção didático-pedagógica abordou o tema Contos de Fadas utilizou dois contos (Cinderela e Branca de Neve e os Sete

13 13 Anões) que serviram de base para a elaboração de todas as atividades presentes na produção. O projeto de intervenção pedagógica, bem como a produção didáticopedagógica foram apresentados à escola, ou seja, à direção, à equipe pedagógica e aos professores, e aos alunos sujeitos da pesquisa. E teve início no terceiro período do PDE. Logo no início do trabalho de implementação da produção, os alunos receberam uma cópia do material didático, especialmente preparados para o projeto. A produção priorizou a questão da leitura, compreensão, mas também trabalhou vocabulário e os aspectos lingüísticos considerados necessários para a compreensão de um texto. No decorrer da implementação desta produção, os alunos se mostraram bastante receptivos, gostaram muito de terem sido escolhidos para este trabalho, alguns comentaram que estavam se sentindo importantes, valorizados e até mesmo emocionados. Os aspectos da língua trabalhados na seqüência didática foram os adjetivos: na explicação do emprego dos sinônimos e antônimos e também na questão da descrição física e psicológica de personagens, muito usadas para descrever os personagens (permeados de características) presentes nos contos de fadas; os verbos regulares e irregulares foram trabalhados no passado simples, tempo em que aparecem nos contos para registrar as ações vividas pelos personagens. As atividades utilizadas para trabalhar estes aspectos lingüísticos foram: palavras cruzadas, relação de colunas, memory game, trechos do contos e caça-palavras. Foram distribuídos pela produção didático-pedagógica alguns lembretes explicativos dos aspectos lingüísticos acima citados. Algumas aulas foram fotogradas, no final da implementação os alunos assistiram o filme A Nova Cinderela, e fizeram um texto como produção final. Paralelamente à implementação feita pela professora PDE os professores cursistas, participantes do GTR (Grupo de Trabalho em Rede) foram convidados a também implementar a produção com uma de suas turmas. Alguns deles implementaram a unidade e comentaram que o material produzido é muito rico, diferente, diversificado e que foi possível aplicá-lo dentro do tempo dosado (no máximo 12 aulas) e que também o resultado deste trabalho vai aparecer nas práticas pedagógicas, na prática em sala de aula junto aos educandos, disseram

14 14 que o tema abordado Contos de Fadas teve uma boa aceitação pelos alunos, pois envolve o lúdico, a imaginação, os sentimentos humanos universais (ética, moral, inveja, a estética do belo...). Acrescentaram que o material é viável e contribuiu para o desenvolvimento da aprendizagem dos alunos. Quanto às atividades desenvolvidas, os professores do GTR comentaram que observaram uma melhora na leitura dos alunos, bem como na escrita e na pronúncia dos mesmos. IV- ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS O tema Contos de Fadas trabalhado durante o processo de implementação da unidade didática despertou um maior interesse por parte dos alunos, devido ao conhecimento prévio que cada um já carrega sobre o assunto. Goodman (1987, p.17) - apud Menegassi e Ângelo (2005) defende o posicionamento que o que o leitor é capaz de compreender depende daquilo que conhece e acredita antes da leitura. É preciso que o leitor inferencie, isto é, complemente a informação disponível utilizando o conhecimento conceptual e lingüístico e os esquemas que já possui ; bem como por meio de atividades diferenciadas como caça-palavras, memory game, palavras cruzadas, e pelas ilustrações coloridas e o filme. Na aula fotografada foi trabalhada o memory game, com finalidade de fixar vocabulário em torno dos adjetivos, bem como explorar sinônimos e antônimos, o que agradou muito aos alunos que se sentiram, segundo suas próprias palavras, importantes e, em decorrência disso se envolveram durante as atividades. No final da implementação da produção didático-pedagógica os alunos assistiram ao filme A Nova Cinderela que relata a vida de uma adolescente num conto de fadas contemporâneo. Logo, foi possível para os alunos fazerem comparações com o conto de fadas tradicional da Cinderela, apresentado na unidade didática. Os alunos puderam então comparar as duas histórias, e foram capazes de perceber como as realidades mudam a partir do momento histórico das duas histórias. A discussão sobre valores eticos e morais também foi o ponto alto da implementação.

15 15 Quanto ao memory game, os alunos apreciaram muito, e esta atividade contribuiu para a fixação de vocabulário sobre os adjetivos e que este trabalho foi bastante produtivo e houve um bom envolvimento dos alunos devido às atividades (caça-palavras, cruzadinhas, relacionar colunas, verdadeiro ou falso). Fazer esta atividade ajudou os alunos a escreverem um pequeno texto, em inglês. Eles fizeram uma descrição física e psicológica que poderia ser de uma pessoa do convívio deles, bem como de um personagem. Apesar de alguns ainda terem dificuldades em escrever em inglês, a maioria deles tiveram sucesso na realização da atividade. Com relação ao trabalho com os verbos regulares e irregulares no passado simples, os alunos comentaram que aprenderam bem mais facilmente os regulares, mas que depois também assimilaram a diferença. Houve discussão sobre a questão dos valores éticos e morais, assunto muito freqüente nos contos de fadas, da época das mademoiselles mas que também é algo bastante contemporâneo, haja vista que esta temática é relevante em qualquer situação e época e que hoje em dia anda muito esquecida. Então o assunto foi debatido entre os alunos, atingindo o objetivo proposto anteriormente no projeto de intervenção e também na produção da unidade didática. Por fim os alunos responderam a um questionário onde puderam avaliar o trabalho desenvolvido, depois a professora fez uma tabulação onde apareceram os resultados alcançados durante a implementação da unidade didática. Os professores cursistas do GTR gostaram de aplicar esta produção com seus alunos e os resultados alcançados por eles foram gratificantes. Disseram que seus alunos conseguiram ler os contos e fazer as atividades de compreensão e que esta leitura aprimorou o vocabulário deles. Outros ressaltaram que o trabalho com os aspectos lingüísticos assim de forma contextualizada, como foi colocado na produção, tornou mais fácil a aprendizagem, despertou o interesse dos alunos e tornou mais fácil o trabalho deles em sala de aula. Colocaram também que o nível desta produção foi adequado à série proposta (7ª série). No que se refere aos valores éticos e morais, eles comentaram que foi bom, pois puderam perceber pelas atitudes dos seus alunos e que também aproveitaram comentários depreciativos em relação a alguns alunos durante a atividade de descrição física para trabalhar esta questão do culto ao belo, ou seja,

16 16 de que beleza física não é tudo, afinal de contas o que importa na verdade está no interior do ser humano. A capacidade de aprendizagem dos alunos foi aprimorada, portanto novos conhecimentos poderão ser adquiridos através da língua inglesa, é claro, se houver continuidade no hábito de leitura dos alunos e se o professor das próximas séries também trabalhar neste sentido, dando destaque à leitura. No final da implementação foi aplicado um questionário aos alunos, o qual teve por objetivo saber como os alunos tinham avaliado o processo. O gráfico abaixo representa o resultado estatístico do levantamento de dados através do questionário aplicado aos alunos. O questionário continha 08 perguntas as quais abordavam: 1) importância de ler em inglês, (2) se já haviam participado de um projeto desta natureza (3) se o projeto ajudou no vocabulário, (4) se aprenderam os sinônimos e antônimos, (5) se gostaram das atividades propostas, (6) se aprenderam os verbos como foram apresentados, (7) se gostaram de como foi encaminhado o projeto e (8) se gostariam de trabalhar outros projetos como este. Gráfico 1: Questionário aplicado aos alunos. QUESTIONÁRIO DIRECIONADO AOS ALUNOS. 120 PERCENTUAL SIM NÃO MAIS OU MENOS QUESTÕES Gráfico 1: Respostas dos alunos x porcentagem De acordo com o gráfico acima, pode-se notar que a receptividade do projeto foi muito boa. E os resultados das perguntas, em cinco das oito feitas, o índice de aprovação dos alunos é de acima de 90%.

17 17 Na pergunta seis, que se refere aos verbos, todos os alunos reconhecem que aprenderam os verbos regulares e irregulares, 40% afirmam que sim e 60% que aprenderam mais ou menos. Isto confere ao projeto um sucesso visto ser este tópico um dos mais problemáticos para os alunos aprenderem. Das atividades aplicadas na sala, algumas despertaram mais o interesse deles do que outras como apontado no gráfico 2. Gráfico 2: Atividades aplicadas em sala ATIVIDADES ESCOLHIDAS P E RCE NT UAL Adjetivos Leitura Compreensão Memory game Verbos Filme Ilustrações Palavras cruzadas Caça-palavras Série1 ATIVIDADES Gráfico 2: atividades versus percentual de aceitação O gráfico mostra as atividades que mais ajudaram na aprendizagem, na opinião dos alunos. Mais de 60% dos alunos apontam para as atividades de leitura e o filme. Em segundo lugar vêm as atividades de compreensão, palavras cruzadas e caça-palavras, que atingiram mais de 50% dos alunos. Os resultados do gráfico 2 condiz com o que Dolz e Schneuwly (1996) a respeito do se trabalhar com gêneros, de gênero como (mega) instrumento para agir em situações de linguagem. O fato dos alunos apontarem a leitura como a atividade que eles mais aprenderam, demonstra que a escolha do gênero Contos de

18 18 Fadas propiciou o aprendizado deles em Inglês. Ainda, segumdo Marcushi (2000) a linguagem é aprendida por meio de enunciados concretos. É através de aspectos do discurso que os aprendizes se aperfeiçoam, adquirindo uma maior compreensão. Tendo por base as experiências e os resultados obtidos durante todo o processo de implementação da produção didático-pedagógica, que teve como problemática levantada a questão da dificuldade e do desinteresse dos alunos por leitura nas aulas de língua inglesa, abordando o questionamento: Como despertar no aluno o interesse pela leitura nas aulas de LI? Como desenvolver as habilidades básicas inerentes ao processo de leitura? Segundo NUTTAL (1982) para conseguir amenizar essa questão das dificuldades dos alunos, primeiramente é necessário que eles queiram ler. Pensando nisso, nas teorias do interacionismo sócio- discursivo, que nos leva a entender que é nas atividades sociais em uma formação social que se desenvolvem as ações de linguagem, (CRISTÓVÃO, 2007, pg. 9) e nas DCE s que nortearam nosso trabalho, os contos de fadas foi o gênero escolhido para propôr o direcionamento das atividades nas aulas de leitura de LI. Constatou-se então, após a implementação da unidade didática que utilizou de estratégias de leitura definidas pelas teorias de skimming, scanning, predicting e leitura crítica que os alunos da turma em pauta obtiveram um bom resultado neste sentido, o que pode ser observado no gráfico que foi elaborado, tendo como base um questionamento aplicado aos alunos logo após o término da implementação a respeito de quais atividades contribuíram mais para a aprendizagem deles, e a leitura apareceu no topo das escolhidas, ou seja, eles puderam notar que ler textos em inglês não é um bicho de sete cabeças, muito pelo contrário, os alunos a partir de então, perderam aquele receio que tinham quando a aula era de leitura. Após isso eles até leram, em dupla, um outro texto na frente dos colegas de classe, sem problemas. É claro, que alguns alunos tiveram um pouco de dificuldade, mas não atrapalhou o andamento do trabalho, pois houve um bom entendimento entre eles e o texto e quando o significado é alcançado por meio de um processo de interação entre leitor e texto, não havendo mais a centralização em um ou outro, dá-se então a perspectiva interacionista, onde são enfatizadas as abordagens psicolingüística e social em que autor e leitor são participantes ativos no processo de construção do texto.

19 19 O foco deste projeto foi a leitura, bem como a compreensão. No entanto, também foram explorados alguns aspectos lingüísticos, apenas para ajudar na leitura e na compreensão. Observou-se então que os alunos têm muito mais dificuldade com a estrutura da língua, do que com a leitura e a compreensão, isso foi percebido durante as explicações sobre os verbos regulares e irregulares e durante a produção final, onde eles tiveram que escrever um texto em inglês, colocando na prática os adjetivos estudados. Logo, foi constatado que eles conseguiram ler os textos, fazer as atividades de compreensão com facilidade, e no que se referiu aos aspectos da língua eles tiveram certa dificuldade na produção do texto, ou seja, a leitura foi fácil, agora a escrita complicou um pouco. No entanto, esta produção foi corrigida e recorrigida até que eles compreendessem. Eles mesmos comentaram que ler é fácil, o difícil é escrever. VI CONCLUSÕES A produção didático-pedagógica teve como finalidade principal desenvolver habilidades básicas na prática de leitura no ensino de LI. Para que este objetivo fosse alcançado tornou-se necessário trabalhar estratégias de leitura de forma variada. Os resultados alcançados foram positivos e isto nos faz repensar nossas práticas pedagógicas e isto eleva a auto-estima tanto dos alunos como do professor. As reflexões dentro e fora de sala de aula nos torna cada vez mais capazes de agir. As reflexoes feitas em sala com os alunos sobre questões do âmbito moral, comportamental e ético, proporcionadas pelos contos de fadas, foram um ponto forte nas aulas. Foi possível discutir sobre valores éticos e morais, como a questão da maldade das madrastas nos contos de fadas, isto é, será que na vida real todas as madrastas são más? E por que aparece apenas a figura da madrasta e não de um padrasto, por exemplo? Será que a beleza é sinônimo de bondade e a feiúra de maldade? Será que não existem muitos lobos vestidos como ovelhas? Hoje em dia vale a pena ser uma pessoa do bem? Trabalhar com gêneros textuais, de forma correta, não usando o texto como pretexto, mas sim partir do texto e aí trabalhar os conteúdos e particularidades de cada texto, foi uma experiência gratificante. Podemos perceber que os alunos

20 20 desenvolvem senso crítico e passam a praticar os conhecimentos adquiridos em sala e dentro da escola. Sem esquecer do ensino da Língua Inglesa, pode-se dizer que nós professores estamos sempre na busca de alternativas de melhorar nossas práticas. Conclui-se então que após este trabalho de implementação terminado, centralizado no objetivo de desenvolver habilidades básicas de leitura, estendendo-se ainda mais, aprimorando a capacidade de inferência dos alunos, proporcionando discussões e reflexões sobre diferentes assuntos tornou-se possível a aprendizagem de conhecimentos variados, utilizando-se da Língua Inglesa como ferramenta para alcançar a finalidade principal que é a aprendizagem nas aulas de leitura. VII REFERÊNCIAS ALMEIDA, Filho, J.C.P. (org). Ensinar e aprender uma língua estrangeira na escola. In: Dimensões Comunicativas no Ensino de Línguas. Campinas, SP. Pontes Editores, pg , CRISTÓVÃO, V.L.Lopes; DURÃO, A.B.A.Barbieri; NASCIMENTO, E.Lopes. Ensino De gêneros textuais: o planejamento curricular diante dessa perspectiva Emergente. In: Anais do X EPLE Encontro de professores de Línguas Estrangeiras. Universidade Estadual de Londrina, p.81-86, CRISTÓVÃO, V.L.Lopes. O interacionismo sociodiscursivo e o ensino de línguas com uma abordagem com base em gêneros textuais. In: Modelos didáticos de gênero: uma abordagem para o ensino de língua estrangeira. Universidade Estadual de Londrina, pg. 9-26, DIRETRIZES CURRICULARES. Língua estrangeira moderna. Curitiba. PR. Editora Memvavmem, FIORIN, José Luiz. Os gêneros do discurso. In: Introdução ao pensamento de Bakhitin. São Paulo, SP. Editora Ática, p.60-76, HONÓRIO, C.M. Aparecida; MENEGASSI, R.José (org). Concepções de Leitura: Dos caminhos possíveis. Cap. 2. In: Leitura e Ensino. Maringá, PR. Editora EDUEM volume 19, pg MENEGASSI, R. José; ÂNGELO, C.M. Pianaro; MENEGASSI, R. José (org). Conceitos de Leitura. Cap.1. In: Leitura e Ensino. Maringá, PR. Editora EDUEM - volume 19, pg

21 21 MENEGASSI, R. José. Cap.3. In: Leitura e Ensino. Maringá, PR. EDUEM - volume 19, pg Editora MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Dicionário Escolar da Língua Portuguesa de Janeiro, RJ. FAE, 11ª edição, Rio NUTTAL, Christine. Teaching Reading Skills in a Foreign Language. In: Educational Books. London. Editora: Heinemann, PINTO, Abuêndia Padilha. Gêneros discursivos e ensino de Língua Inglesa. In: Gêneros Textuais e Ensino. DIONÍSIO, A.P.; MACHADO, A.R. ; BEZERRA, M. A. Rio de Janeiro. Lucerna, p , SILVA, R.M.Graciotto. Literatura para crianças: a narrativa. Cap.6. In: e Ensino. Maringá, PR. Editora EDUEM volume 19, pg Leitura STAM, Robert. Marxismo e filosofia da linguagem. In: Bakhitin: da teoria literária à cultura de massa. Editora Ática, pg TOTIS, V.P. A Leitura como um processo psicolingüístico.in: Língua Inglesa:Leitura. São Paulo. Editora Cortez, LUTHI, M. Das europaische Volksmarchen. 3. Aufl. Bern/München: Francke Verlag, VOLOBUEF, Karin. Um estudo do conto de Fadas. Departamento de Letras Modernas. Faculdade de Ciências e Letras. UNESP-Araraquara-SP.pg. 101, 102, CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Pesquisas Ativas. Editora Vozes, pg. 81, Rio de Janeiro, 2006.

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS Adailton Almeida Barros - adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) PIBID Subprojeto/Língua Inglesa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS PIBID INGLÊS - AÇÃO INTERVENTIVA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Bolsistas: ALMEIDA, D.; IDALGO, L.; KISHI, C; FAUSTINO, V.; SOUZA, E. (PIBID- LEM/ UENP) Orientadoras: Célia Regina Capellini

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM Daniela Fidelis Bezerra Túlio Cordeiro de Souza Maria Elizabete

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

A Fábula A Cigarra e a Formiga: com Estratégias de Leitura

A Fábula A Cigarra e a Formiga: com Estratégias de Leitura A Fábula A Cigarra e a Formiga: Uma Sugestão de como Trabalhar com Estratégias de Leitura A Fábula A Cigarra e a Formiga: com Estratégias de Leitura * ** Resumo: úteis na construção dos sentidos durante

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

TEORIA E PRÁTICA: AÇÕES DO PIBID/INGLÊS NA ESCOLA PÚBLICA. Palavras-chave: Ensino; Recomendações; Língua Estrangeira.

TEORIA E PRÁTICA: AÇÕES DO PIBID/INGLÊS NA ESCOLA PÚBLICA. Palavras-chave: Ensino; Recomendações; Língua Estrangeira. TEORIA E PRÁTICA: AÇÕES DO PIBID/INGLÊS NA ESCOLA PÚBLICA Bolsista Marilize Pires (PIBID/CNPq-UNICENTRO) Ruth Mara Buffa (PIBID/CNPq-UNICENTRO) 1 Resumo: O presente trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Maria José Rodrigues de Farias Universidade Estadual da Paraíba lyarodriguesbio@gmail.com Introdução Atualmente os modelos

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO

COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO 2686 COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO Contexto da Pesquisa Nagely Beatriz Hütner - ESAP O presente artigo versa sobre o relato de uma pesquisa de mestrado que teve como

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA Adailton Almeida Barros adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) Maiara Rodrigues - terror-rodrigues18@hotmail.com

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Adriele Monteiro Ravalha, URI/Santiago-RS, adrieleravalha@yahoo.com.br

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 Resumo Indira Aparecida Santana Aragão 1 - FCT/UNESP Grupo de Trabalho Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais