O Conto de Fadas como estratégia para o ensino da Língua Inglesa para crianças de 5 a 7 anos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Conto de Fadas como estratégia para o ensino da Língua Inglesa para crianças de 5 a 7 anos"

Transcrição

1 O Conto de Fadas como estratégia para o ensino da Língua Inglesa para crianças de 5 a 7 anos The fairy tale as a strategy for the teaching of the English Language to children from 5 to 7 years old Elisa De Cesare Kolya Centro de Comunicação e Letras Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, São Paulo SP Resumo. Esta pesquisa consiste em propor o uso dos contos de fadas como estratégia para o ensino da Língua Inglesa para crianças entre 5 e 7 anos, concentrando-se, principalmente, em escolas específicas de língua estrangeira. Após uma breve análise do ensino da Língua Inglesa em escolas regulares e específicas, pretende-se, ainda, identificar e julgar se as metodologias utilizadas nestas escolas é realmente parte de um processo efetivo no ensino/aprendizagem da Língua Inglesa e qual a importância da inserção do lúdico no método desse processo de ensino/aprendizagem. O enfoque desta pesquisa é basicamente o que os contos de fadas e o lúdico podem despertar na criança de forma a atuarem como facilitadores na aquisição e produção das linguagens. Palavras-Chave: Língua 1. Conto 2. Método 3. Abstract. This research is to propose the use of fairy tales, as a strategy for the teaching of English to children from 5 to 7 years, focusing mainly in specific schools of foreign language. After a brief review of the teaching of English in regular and specific schools,we also aim at identifying and evaluating whether the methodologies used by those really are part of an effective process in the teaching/learning of the English Language and how important is the inclusion of the playful in the this teaching/learning process. The focus of this research is basically what the fairy tales and the fun can awake in the child in order to serve as facilitators in the acquisition and production of language. Keywords: Language 1. Short Story 2. Method 3.

2 1. Introdução É importante entender a diferença entre Língua Estrangeira e Segunda Língua: o contexto de aprendizagem de uma segunda língua é aquele em que a língua usada na sala de aula está prontamente disponível... fora da sala de aula (SILVA, 1997, p. 11). Neste contexto, os alunos têm contato direto com a língua-alvo fora da sala de aula e precisam dela para aprender e também para viver. Já o contexto de aprendizagem de uma língua estrangeira é aquele em que os alunos não têm os contextos prontos para comunicação além da sala de aula (ALZIRA, 1997, p. 12). Isso significa que os únicos momentos em que os alunos têm contato com a Língua Estrangeira ocorrem somente em sala de aula, pois esta Língua Estrangeira não é usada como veículo de comunicação diária e, portanto não faz parte do cotidiano das crianças. O contar estórias enquanto gênero contos de fadas já existente em Língua Materna neste caso a Língua Portuguesa, ajuda na aquisição e na construção de conhecimentos em Língua Estrangeira. Para isso, as estórias devem ser transmitidas aos alunos na língua estrangeira que está sendo aprendida por eles, o Inglês. Através do uso dos contos de fadas, as crianças entram em contato com todos os processos de produção de textos dos quais participam, estabelecendo contato com a Língua Estrangeira. Estes processos envolvem todas as habilidades da língua (o ouvir, o falar, o ler e, o escrever) que levam as crianças a construir conhecimentos lingüísticos ao longo das diferentes situações de produção de texto. O uso concomitante dos contos de fadas e das atividades lúdicas é ainda mais eficaz no processo de ensino/aprendizagem, pois estes propiciam às crianças justamente as situações reais que elas necessitam para que a aprendizagem ocorra. A história, nesse caso, serve como situação simulativa, como dinâmica de situação real. E o jogo ajuda a criança a fixar o conteúdo a ser trabalhado de uma forma natural. O ensino de Língua Estrangeira pode e deve ser acrescido de materiais, como os contos de fadas e as atividades lúdicas, que propiciem maior facilidade na aprendizagem, que propiciem também motivação, autoconfiança, prazer e o maior número de situações comunicativas possíveis para que o aluno adquira o conhecimento de uma forma agradável e natural, preparando-se assim para enfrentar naturalmente situações existentes no mundo sejam elas por meio de produção textual em língua materna, sejam em Língua Estrangeira. 2. Metodologia do Ensino de Línguas Estrangeiras Muitas vezes, o que acontece em sala de aula de uma língua estrangeira é que os exercícios para fixação do conteúdo são basicamente versão e tradução desse idioma para a língua materna e vice versa. Quando isso acontece, o ensino/aprendizagem da língua estrangeira em questão não consegue achar um espaço real para ser bem desenvolvido. Partindo desses diferentes aspectos e diferentes enfoques na língua estrangeira, foram criados diferentes métodos de ensino. Cada escola utiliza uma abordagem ou incorpora até mais de uma dessas abordagens em sua metodologia. 2.1 Principais métodos de ensino de Línguas Estrangeiras

3 Esses métodos são técnicas de ensino muito valiosas que levam em consideração as particularidades de seus alunos: coordenação motora; habilidades já trabalhadas na escola; desenvolvimento da fala, da escrita e da leitura; e, também, as particularidades de cada idade e capacidade que em determinada idade a criança pode ou não desenvolver. Segundo RIVERS é importante lembrar que todos os métodos utilizados no ensino/aprendizagem da língua estrangeira possuem objetivos em comum: desenvolver a capacidade intelectual do aluno através do estudo da língua estrangeira, aumentar a cultura pessoal do aluno através do estudo de textos literários e filosóficos, já que estes constituem a chave para a cultura; ampliar a compreensão do aluno a respeito do funcionamento de sua própria língua, ensinar o aluno a ler com compreensão a língua estrangeira, de modo que ele possa acompanhar a evolução do conhecimento humano, estar a par da leitura, pesquisa e informações dos tempos modernos; levar o aluno a participar de um maior entendimento entre os povos ao cruzar as barreiras nacionais dando-lhe uma visão mais humana do modo de vida e do pensamento do povo cuja língua está aprendendo; dotar o aluno de habilidades que permitam comunicar-se oralmente e, até certo ponto, também na escrita, com os que falam outra língua e com os povos de outras nacionalidades que também dominam esse idioma (RIVERS, 1975, p. 8) Método de Gramática e Tradução Vindo do ensino do Grego e do Latim que durante muitos séculos prevaleceu na Europa, esse método consiste basicamente em uma aula de gramática e tradução seguido de exercícios escritos baseados em alguns fatores cujos textos possuem um conteúdo intelectual maior que o grau de dificuldade lingüística ou de interesse que possa despertar nos alunos adolescentes. Segundo RIVERS (1975, p. 14) este tipo de método tem a finalidade de inculcar o entendimento da gramática expressa em termos tradicionais e treinar o aluno a escrever corretamente, mediante uma prática regular em versões O Método Direto O método direto é um método ativo onde acredita-se que os alunos aprendem a entender uma língua ouvindo-a intensamente e que aprendem a falar falando - associando fala com ação correspondente (RIVERS, 1975, p. 16). O objetivo maior do método direto, que é composto por vários métodos orais e naturais, é desenvolver através de conversas, leituras e escritas, a capacidade de pensar; pensar na língua estrangeira sem necessidade de tradução para a língua materna O Método da Leitura Método onde o aluno lê na língua estrangeira sem traduzir mas sim apreendendo diretamente o sentido do que se lê. No entanto, a facilidade na leitura da língua estrangeira seria possível a partir de treino da pronúncia correta da mesma língua estrangeira. No método em questão, os alunos lêm em voz alta para auxiliar em sua compreensão e também ouvem o texto mentalmente quando lêm algum texto em silêncio. A escrita no caso, é limitada a alguns exercícios para fixar vocabulários e também estruturas

4 essenciais à compreensão da língua estrangeira. O estudo de gramática não é muito complexo, pois o aluno deve apenas fazer um reconhecimento rápido de tempos e formas verbais, e de formas de negação O Método Audiolingual O método Audiolingual surgiu a partir do método audioral que desenvolvia em primeiro lugar as habilidades de falar e ouvir, formando assim a base para desenvolver as habilidades da leitura e da escrita. O método audiolingual visa ensinar habilidades lingüísticas na ordem de ouvir, falar, ler e escrever" e se utiliza da linguagem oral de uso cotidiano, e até mesmo de pequenos diálogos formulados com expressões comuns desse uso cotidiano, para então, passar à formas de expressões literárias e dar mais atenção à leitura, e por fim, à escrita.no caso, os diálogos são memorizados oração por oração e antes desse processo de imitação memorização os alunos escutam o mesmo diálogo, não importando se introduzido por um professor ou por algum recurso de áudio ( CDs, Fitas, etc.). O professor há de prestar atenção em repetições mecânicas que não indicam aprendizado. Como afirma RIVERS (1975, p. 42) esse tipo de técnica possibilita aos audiolinguistas alcançar: ótimos resultados na tarefa de fazer o aluno falar e entender a língua estrangeira desde os primeiros passos do aprendizado Enfoque Audiovisual Esse enfoque não é um método, é apenas uma técnica em que se usa algum auxílio visual no ensino da língua oral. O visual acompanha a linguagem auditiva mas esta técnica difere do método audiolingual. Nesse tipo de técnica, a parte visual pode ser representada por gestos, ações e ilustrações, ou até mesmo objetos reais, para ajudar no entendimento do significado e do sentido do vocábulo da Língua Estrangeira. Esse tipo de associação entre imagem e voz (som) faz com que a língua materna não seja necessária no momento desse ensino/aprendizagem da Língua Estrangeira. Dessa forma, o aluno pode pensar na língua estrangeira (...) sem recorrer à língua materna. 3.O Ensino da Língua Inglesa nas Escolas Regulares e Específicas 3.1 Ensino e Aquisição da Língua Estrangeira em Escolas Regulares e Específicas As escolas regulares têm a Língua Inglesa como uma disciplina que compõe seu currículo junto às outras disciplinas obrigatórias.o ensino da Língua Inglesa é ainda muito básico nas escolas regulares. Nem todas as escolas adotam livros didáticos em todas as suas etapas de ensino da Língua Inglesa, e o que se tem como objetivo, na maioria das escolas, não é trazer a cultura dos países de Língua Inglesa como acontece na maioria das escolas específicas, e nem mesmo visa aprovações em exames internacionais com ou sem certificados. O objetivo é quase que unicamente tentar ensinar ao aluno o que será cobrado no vestibular. Essa Escola Específica de idiomas é vista pela grande maioria dos alunos como algo chato, pois este tem que ir quase que por imposição dos pais e da Escola Regular, tentar aprimorar seu Inglês e solucionar problemas na aquisição dessa Língua Estrangeira.

5 Mas a Escola Específica por sua vez trabalhou para deixar de ser alvo apenas daqueles que buscam auxilio no aprendizado da Língua Estrangeira, e tornou-se, com a ajuda da crescente globalização, uma opção a mais de educação. Aprender um uma segunda língua é agora muito comum devido às exigências do mercado de trabalho. As Escolas Específicas hoje oferecem muito mais que o conhecimento de gramática e vocabulário; além dos certificados internacionais e informações básicas sobre a língua, estas escolas buscam complementar seus currículos oferecendo conhecimento de cultura e história. Oferecem até mesmo atividades diversificadas e extracurriculares como eventos internos, festas típicas, aulas de teatro, coral, passeios com monitoria em Inglês, viagens ao exterior, etc. Por fim, as Escolas Regulares particulares acabam por tentar introduzir em seus currículo atividades similares àquelas das Escolas Específicas, para atender às necessidades de seus consumidores: pais e alunos. 3.2 Levantamento de Problemas na Aprendizagem Pode-se dizer que problemas na aprendizagem é um termo que descreve dificuldades em aprendizagens específicas. Por causa disso, as pessoas mostram dificuldades em aprender e até mesmo em utilizar certas competências. As competências que costumam ser alvo de problemas na aprendizagem são: a leitura, a escrita, saber escutar, falar e raciociar, e na matemática.os problemas de aprendizagem podem variar em função das próprias pessoas e são resultados da forma como nosso cérebro e nossa mente processa as informações: as informações são processadas de um modo diferente. No entanto, aquelas crianças que possuem algum tipo de problema na aprendizagem podem aprender a superar suas dificuldades e progredir, em termos escolares, se tiverem o apoio adequado. Os problemas na aprendizagem, na maioria dos casos, surgem quando a criança atinge a idade escolar. Isso acontece pois é na escola que estão concentrados praticamente todos os esforços que podem se transformar em coisas difíceis de se aprender: ler, escrever, escutar, falar, raciocinar, calcular, etc. Na aquisição da língua, bem como em outros tipos de aprendizagem, devemos perceber como anda o desenvolvimento da criança que começa com o escutar, passando pela produção oral que pode ser um fator que ajude muito a identificar problemas e chegando à leitura e escrita. Os sinais de problemas na aprendizagem devem ser muito bem observados, isso porque o aprendizado da criança evolui muito rapidamente e fica mais fácil de ser identificado algum tipo de problema; por outro lado, devido a essa rapidez no desenvolvimento, pais e educadores devem estar atentos para não correr o risco de deixar passar alguma defasagem, pois mais à frente essa pequena defasagem pode se transformar em um problema de aprendizagem, e todo problema é mais fácil de ser trabalhado para chegar a uma solução quando detectado com antecedência. No caso da língua, um problema na aquisição da língua materna é fator decisivo para um aprendizado de língua estrangeira. Já que a base da estrutura de todas as línguas é a mesma, se a criança possuir problemas na aquisição da língua materna possivelmente este problema será identificado no processo de ensino/aprendizagem da língua estrangeira.

6 3.3. Estudo Comparativo do Ensino de Língua Inglesa nas Escolas Red Balloon e Escola Internacional Enquanto a escola Internacional, uma escola regular, começa o ensino da Língua Inglesa com seus alunos dentro de uma sala de aula que possui aparelhos televisores, D.V.D, acesso à Internet, C.D, lousa e murais, os alunos da escola específica de línguas, Red Balloon, contam com uma sala de aula com lousa e aparelho de som. Na Red Balloon a sala de aula é apenas um dos elementos que compões a escola: as salas de apoio são quase que os elementos mais importantes do ensino de Língua Estrangeira pois a criança precisa de constante estímulo e a troca de ambiente é fundamental para isso e para manter a atenção e concentração da criança e para desenvolver ainda mais a criatividade. A alternativa que a Escola Internacional oferece é a sala de computação e a sala equipada com sofás, T.V., D.V.D e aparelho de som, onde as crianças podem assistir a algum filme/desenho num ambiente mais confortável que o da sala de aula. Através das pesquisas realizadas com os professores da Red Balloon e das visitas tanto na escola regular bilíngüe, Escola Internacional, pudemos perceber com clareza que os alunos têm maior rendimento na escola na qual as atividades são mais diversificadas. Quando os alunos mudam de ambiente se cansam menos, demonstram maior interesse nas atividades, desempenham seu papel de indivíduo que constrói conhecimento de maneira divertida e com qualidade. Como conseqüência das salas de apoio do Red Balloon, temos o lúdico e a mudança de ambiente. Nestas salas a decoração é colorida, alegre, diferente da sala de aula e desperta na criança a fantasia. 4.O Ensino da Língua Inglesa através das Atividades Lúdico-pedagógicas: o Conto de Fadas Segundo Noam Chomsky, talvez um dos mais conhecidos lingüistas da segunda metade do século XX, a língua é uma capacidade inata, ou seja, é algo com o qual nascemos; uma espécie de conjunto de regras sobre línguas que existe em nossas cabeças e que é por ele chamado de Gramática Universal. Essa Gramática Universal é a base sobre a qual todas as línguas são construídas. Mesmo que as crianças não sejam expostas à uma linguagem correta do ponto de vista gramatical, estas conseguem entender esta exposição como uma espécie de estímulo para criar e desenvolver sua forma de comunicação nas línguas aqui evidenciadas: a língua materna Português e a língua estrangeira Inglês. Isso acontece pelo fato de as crianças deduzirem regras a partir da língua que escutam por aí. Dessa maneira, a criança produz até mesmo frases que nunca escutara antes. A atenção das crianças não fica voltada somente para o repertório de frases ouvidas, mas sim para a gramática que gera uma infinidade de novas sentenças. Então, se a criança for exposta a situações nas quais possa ter a possibilidade de entrar em contato com diversas línguas, a abstração das regras gramaticais que a criança observa ainda que inconscientemente torna-se natural. Portanto, é favorável, e muito, que para um aprendizado sólido e mais natural desde os primeiros contatos com a linguagem verbal a criança seja estimulada também na língua estrangeira e não somente em sua língua materna.

7 Esse estímulo nas várias línguas deve ocorre de forma natural e, portanto, deve estar presente nos momentos não só significativos para a criança, mas também naqueles momentos que sejam favoráveis ao aprendizado e que possibilitem interação entre a criança e o mundo. 4.1 Análise do Conto nos Âmbitos Pedagógico e Psicológico A história da teoria do conto é algo tão antigo e tão remoto que até através de mil e uma páginas escritas o mistério dessa teoria do conto tentou ser desvendado. Embora o início do contar estórias não possa ser localizado e seja apenas uma hipótese, o tempo em que se contava estória é tão distante e tão remoto, que não é marcado pela tradição escrita. Acredita-se que mesmo o modo do contar estória tenha tido fases de evolução. Os contos egípcios devem ser os mais antigos e são de aproximadamente anos antes de cristo. A história da evolução do conto acompanha a história da evolução humana e sua cultura. Desde a Bíblia, passando por Ilíada e Odisséia até chegar nas Mil e uma noites no século X. Como afirma BARROCAS (2007, apud QUELHAS, 2004, p.1), os contos de fadas surgiram no século XVII quando os franceses criaram o termo conte de fée que originou, em Inglês, o fairy tale. Inicialmente na Europa, os contos eram de tradição oral e buscavam elementos do mito, de tradições religiosas, de literatura antiga e de literatura medieval. Esses contos partem de elementos sincréticos e quando desenvolvidos constituem uma narrativa. Um elemento importante no conto é a relação entre emoções positivas e negativas. A criança geralmente identifica-se com o herói ou com a heroína do conto. A criança se confronta com seu próprio eu e não com a moral que é pré-estabelecida. Quando a criança pergunta, por exemplo, se o lobo é mau, o contador dessa história deve ter a sensibilidade e o conhecimento para responder da seguinte forma: o que você acha? e deixar que a criança tenha a liberdade de descobrir. 4.2 Aplicação do Método lúdico na escola Red Balloon Na escola Red Balloon todo o vocabulário é introduzido às crianças a partir dos 3 anos de idade por meio de histórias. Cabe ao professor estudar tanto o vocabulário bem como a pronúncia e a história que será contada aos alunos. As histórias são em Português (língua materna) e também em Inglês (língua estrangeira); os idiomas são mesclados ao longo das narrativas. O professor introduz o vocabulário por meio das histórias e com a revisão de cada parte da historia o professor dá a chance de os alunos ouvirem mais uma vez cada palavra com a pronúncia correta. Lembrando sempre, que para falar uma língua o primeiro passo é o reconhecimento auditivo e então a criança pode produzir oralmente. Após esse processo a criança vai ler para finalmente produzir um texto. Após a revisão da história, o professor solicita aos alunos a repetição, em grupo, do vocabulário central 1. Após a repetição em grupo os alunos devem repetir tudo em grupos pequenos (meninos e meninas, por exemplo) para então reproduzirem 1 Vocabulário central é aquele cobrado pelo professor, pois ao longo da história os idiomas são misturados para o melhor entendimento da criança. O Português e o Inglês caminham junto ao longo da história.

8 individualmente o vocabulário em questão. Cabe ao professor interromper quando necessário para corrigir erros de pronúncia e de entonação. Após a reprodução oral, começam os jogos. Essas atividades são extremamente importantes, pois a criança fixa de uma forma mais sólida quando vivencia as situações. Os jogos possibilitam aos alunos essa vivência, e com eles praticam vocabulário, músicas e rimas que são trabalhados em sala de aula. Mesmo com o uso de jogos e brincadeiras, as crianças cansam e se distraem facilmente. Para manter o ritmo é necessário trocar de ambiente o tempo todo. Na escola Red Balloon, os alunos passam duas horas utilizando espaços físicos diferentes. Além da sala de aula, o professor (a) usa as salas de apoio que são fundamentais para o bom aproveitamento dos alunos inclusive nas atividades lúdicas. 4.3 O Reconto de acordo com o entendimento da criança Assim como o contar estórias e o lúdico, o reconto é fundamental nesse tipo de aprendizagem. Já que ao contar uma estória o professor deixa que a imaginação dos alunos voe, ao recontar a estória o professor ajuda a criança a fixar ainda mais o vocabulário da Língua Estrangeira. Quando a criança escuta pela primeira vez a estória, sua mente não pára um segundo sequer. Tanto é, que além da enorme curiosidade e do interesse, a criança lida com uma série de sentimentos e sensações. Estes são provocados não somente pela estória em si, mas também por conexões entre a estória e a vida real das crianças. Além de criar, acriança relembra de coisas pelas quais passou em sua vida e liga a realidade ao fantástico. Quando a criança está livre para recontar uma estória, muitas vezes adiciona ou subtrai detalhes criados por ela. Quando o professor reconta a estória junto com as crianças, elas apontam para as figuras, estejam essas em livros ou não, imitam algum personagem, emitem sons, etc. Quando a criança reconta, ao imitar as vozes dos personagens percebemos que o processo de apropriação das vozes da estória se inicia. Ao recontar a estória, a criança participa na construção do texto. No recontar estória percebemos que as atividades interpessoal, aquela onde a criança precisa da ajuda do outro, e intrapessoal, na qual a criança executa atividade sonha, estão sempre alternadas. Outra particularidade do recontar é a repetição do que o outro diz. A repetição está relacionada com o processo de internalização da língua. Através dessa repetição a criança se apropria da fala do outro e internaliza a atividade. Embora às vezes a repetição da fala do outro seja feita por uma criança para confirmar o que se entendeu, O continuar contando estória a partir da incorporação da fala do outro, de caráter interpessoal, origina processos de aprendizagem e desenvolvimento que se transformam em processos intrapessoais (SILVA, 1997, p. 113). Então, o processo de desenvolvimento das crianças pode ser: constituído e transformado pelas interações, pelas contar partilhado, mediado pelo outro e pelos signos (SILVA, 1997, p. 117). Ao recontar a estória a criança está fixando vocabulário, exercitando sua linguagem oral, sua memória e sua imaginação, bem como ampliando o processo de internalização da língua e construindo relações com os outros indivíduos que estão à sua volta e com o mundo. O reconto aqui, é muito mais que um aprendizado da Língua

9 Inglesa: é a continuação do processo de ensino/aprendizagem das Línguas como um todo. E o reconto pode ser reinventado pela criança num desenho, numa dramatização, numa pintura ou mesmo numa única fala. Por fim, estórias são carregadas de forte motivação. Através de comunicação multi-sensorial, as estórias ficam na memória do aluno fazendo com que este se lembre de palavras e frases na Língua Estrangeira mais rapidamente. 5. Referências bibliográficas BETTELHEIM, Bruno; tradução de Arlene Caetano. A psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, (Literatura e teoria literária, v. 24)

10 COELHO, Nelly Novaes. O conto de fadas. 2. ed. São Paulo: Ática, p. (Série princípios). GOTLIB, Nádia Battella. Teoria do conto. São Paulo: Ática, RIVERS, Wilga Marie. A metodologia do ensino de línguas estrangeiras: tradução de Hermínia S. Marchi. São Paulo: Pioneira, SILVA, Alzira da. Era uma vez... o conto de fadas no ensino/aprendizagem de língua estrangeira:o gênero como instrumento São Paulo: s.n., Dissertação (mestrado) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO HABILIDADES CONTEÚDOS ORIENTAÇÂO DIDÁTICA Listening RECURSO AVALIAÇÃO Ouve e entende

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 12 de março de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I Senhores pais ou responsáveis Iniciamos esta semana os projetos pedagógicos do 1 Trimestre letivo. As turmas de Jardim

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

A SKILL IDIOMAS. Fundada em 1973 (41 anos de mercado); Mais de 200 unidades no Brasil; 150 mil alunos anualmente;

A SKILL IDIOMAS. Fundada em 1973 (41 anos de mercado); Mais de 200 unidades no Brasil; 150 mil alunos anualmente; A SKILL IDIOMAS Fundada em 1973 (41 anos de mercado); Mais de 200 unidades no Brasil; 150 mil alunos anualmente; Uma das maiores redes de Idiomas do país; Premiações por alta qualidade em franquias; 2000

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS HORTA, Gabriela Alias (UNESP- FCT) RESUMO: Este trabalho tem por objetivo discutir a importância das atividades lúdicas

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia ASSESSORIA TARGET IDIOMAS Especialização em línguas estrangeiras Referências: construtivismo e aprendizado de idiomas em contextos multilíngues

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB - amanda.souza13@hotmail.com) Carla Manuelle Silva de Almeida

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO por Wesley José Silva Setembro, 2004 A informática hoje vem sendo uma das soluções a ser implantada na didática de ensino aprendizagem, tendo como

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

English Adventure. By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer

English Adventure. By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer English Adventure By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer " Eu toco o futuro, eu ensino." Christa McAuliffe Você está pronto para levar seus alunos para uma English Adventure? Principais características

Leia mais

CURSOS INGLÊS RÁPIDO Liberdade de Escolha

CURSOS INGLÊS RÁPIDO Liberdade de Escolha 1 Nossos cursos são dirigidos a adolescentes, jovens e adultos que querem aprender inglês de forma rápida e eficiente. Pessoas que já tentaram estudar inglês e tiveram dificuldades vão se surpreender com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

pesquisa histórias arte jogos

pesquisa histórias arte jogos O Colégio Trevo oferece quatro anos de ensino na Educação Infantil: Mini Maternal,Maternal, Jardim I e Jardim II. Cada sala de aula possui ambientes exclusivos, onde alunos desenvolvem suas habilidades

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira.

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Precisa falar inglês no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Aprender um novo idioma é se sentir como uma criança novamente: faltam palavras para se expressar e a insegurança

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

INGLÊS EM. SUCESSO EM diversos PAÍSES

INGLÊS EM. SUCESSO EM diversos PAÍSES INGLÊS EM 7 DIAS SUCESSO EM diversos PAÍSES Índice O que é? Como funciona O que você vai aprender? Diferenciais Aprimore seu Conhecimento Vídeos Certi cação Local Data Investimento Formas de Pagamento

Leia mais

O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CRIANÇAS DA REDE PÚBLICA DE CAMPINA GRANDE

O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CRIANÇAS DA REDE PÚBLICA DE CAMPINA GRANDE O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CRIANÇAS DA REDE PÚBLICA DE CAMPINA GRANDE Diogo Cabral de Sousa (1); Augusto José Silva Firmo (1); Lucas de Luna Lima (2); Rafaela Quinto da Costa Melo (3); José Luiz Cavalcante

Leia mais

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA Educação Infantil METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA s s s Precisao e organizacao nos conceitos A agitação é a mesma. Com algumas adaptações ao espaço e ao tempo, a rotina e as histórias

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE FAQ PROGRAMA BILÍNGUE 1) O que é o bilinguismo? Segundo alguns teóricos, o bilinguismo é qualquer sistema de educação escolar no qual, em dado momento e período, simultânea ou consecutivamente, a instrução

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Farmácia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município:Garça Eixo Tecnológico: Mecatrônica Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica Qualificação: Técnico

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Cais da Leitura: leitura em ação

Cais da Leitura: leitura em ação Cais da Leitura: leitura em ação Conceição Flores. Universidade Potiguar (UnP). Carla Rosiane C. Andrade. Universidade Potiguar (UnP). Nos últimos tempos, estamos sendo quase que cotidianamente bombardeados

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Padre José Nunes Dias Código: 075 Município: Monte Aprazível Área de conhecimento: Linguagem, Código e suas Tecnologias Componente Curricular: Língua

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

ATIVIDADE DA TUTORIA 1. Parte I: De qual/quais estratégia(s) você faz uso ao aprender inglês? Discuta com um colega e faça uma lista no espaço abaixo.

ATIVIDADE DA TUTORIA 1. Parte I: De qual/quais estratégia(s) você faz uso ao aprender inglês? Discuta com um colega e faça uma lista no espaço abaixo. ATIVIDADE DA TUTORIA 1 CURSO: CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS DISCIPLINA: Produção Oral e Escrita em Língua Inglesa I PERIODO: 3º Estratégias de Aprendizagem Parte I: De qual/quais estratégia(s)

Leia mais

AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA

AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA Apenas uma experiência que pode ser recriada para outros conteúdos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Terminada a audição, eu escrevi na lousa o título da música, o nome

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA RESUMO: É difícil pensar em se memorizar um texto ou até mesmo uma história, sem o recurso da escrita. Mais difícil ainda, é imaginar como

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Etec Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ambiente, Saúde e Segurança Componente Curricular: Inglês Instrumental Série:

Leia mais

INGLÊS PARA INICIANTES: ESTRATEGIAS DE COMUNICAÇÃO E INSERÇÃO NA CULTURA INGLESA

INGLÊS PARA INICIANTES: ESTRATEGIAS DE COMUNICAÇÃO E INSERÇÃO NA CULTURA INGLESA INGLÊS PARA INICIANTES: ESTRATEGIAS DE COMUNICAÇÃO E INSERÇÃO NA CULTURA INGLESA 1 Cintia Paula Santos da Silva 2 Lucília Teodora Villela de Leitgeb Lourenço Comunicação Educação - Línguas Estrangeiras

Leia mais

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática Pedagogia Profa. Luciana Miyuki Sado Utsumi Comunicação matemática e resolução de problemas PCNs, RCNEI e a resolução de problemas Consideram aspectos fundamentais, como: As preocupações acerca do ensino

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

OS JOGOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÌNGUA ESTRANGEIRA

OS JOGOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÌNGUA ESTRANGEIRA OS JOGOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÌNGUA ESTRANGEIRA Flávio de Ávila Lins Teixeira Universidade Federal da Paraíba/ PIBID/ Letras-Inglês/ Supervisor Resumo: Esse trabalho objetiva analisar algumas

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO Roberto Leal Lobo e Silva Filho A organização do ensino de uma disciplina específica dentro de um currículo de graduação vai depender,

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo?

Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo? Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo? Taklit Publishing & Productions 22, rue de Fleurus 75006 Paris France All rights reserved 2012 Você compreende essa frase? This is a cat.

Leia mais

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC TÍTULO: O TRABALHO COM OS PARADIDÁTICOS EM SALA DE AULA: Estratégias

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS 110 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS Dayanne Barbosa Dias Especializando em Educação Especial Inclusiva - CENSUPEG Dayanne16barbosa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho apresenta a relevância

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio 1. Substitua as palavras destacadas e copie as frases, tornando os fragmentos abaixo mais elegantes, além de mais próximos à língua padrão e à proposta

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / / ÁREA DO CONHECIMENTO: LÍNGUA INGLESA CARGA HORÁRIA: 1 AULA SEMANAL PLANO DA I UNIDADE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES *Apresentar-se, cumprimentar

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais