TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO 25/10/2016. Origem: mesoderma Constituição: Funções:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO 25/10/2016. Origem: mesoderma Constituição: Funções:"

Transcrição

1 TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO Origem: mesoderma Constituição: Diversos tipos de células Matriz extracelular: substância fundamental e fibras TECIDO CONJUNTIVO Funções: Sustentação estrutural Preenchimento Transporte Armazenamento Defesa e reparação 1

2 TECIDO CONJUNTIVO Forma o estroma (tecido de sustentação) dos órgãos OBS: Parênquima = conjunto de células responsáveis pelas funções típicas do órgão Ex: Fígado: Tecido conjuntivo = estroma Hepatócitos = parênquima TECIDO CONJUNTIVO Células Fixas (residentes) Fibroblastos Células adiposas Mastócitos Macrófagos Células mesenquimais 2

3 TECIDO CONJUNTIVO Células Transitórias Macrófagos Plasmócitos Leucócitos 3

4 TECIDO CONJUNTIVO Células Fibroblastos Célula ativa = fibroblasto Núcleo claro Forma ovóide Prolongamentos citoplasmáticos irregulares Célula quiescente = fibrócito Célula menor Núcleo alongado e escuro Forma fusiforme Pode voltar a sintetizar quando estimulado (cicatrização) Miofibroblasto = características intermediárias entre os fibroblastos e células musculares lisas Fibroblastos Sintetizam as fibras colágenas, reticulares e elásticas, e as glicoproteínas e proteoglicanas da matriz extracelular 4

5 Fibroblasto Fibrócito Células adiposas Armazenamento de energia (triglicerídeos) Contribui para o isolamento térmico do corpo Tipos Unilocular Multilocular 5

6 Células adiposas Unilocular Multilocular Formato globoso Mastócitos Núcleo esférico e central Citoplasma carregado de grânulos basófilos Metacromáticos (Azul de toluidina cora os grânulo em vermelho) Mastócitos Contém receptores para IgE na superfície Reações inflamatórias e alérgicas Secreção de leucotrienos Grânulos citoplasmáticos: Histamina Fator quimiotático p/ eosinófilos 6

7 Macrófagos Fazem parte do Sistema fagocitário mononuclear Pleomórfico Morfologia e nome variam c/ a localização: Fígado: célula de Kupfer Pele: célula de Langherhans SNC: micróglia Sangue: monócito 7

8 Macrófagos Grande capacidade de fagocitose Células gigantes = fusão de vários macrofagos capacidade fagocitária Monócito Macrófago 8

9 Plasmócitos Ovóides Núcleo esférico e excêntrico Citoplasma basófilo (RER) Linfócito B ativado Plasmócitos Inflamações crônicas Sintetizam Imunoglobulinas Plasmócitos 9

10 Glóbulos brancos Leucócitos Diapedese (sangue migração através da parede dos capilares e vênulas tecido conjuntivo) Defesa contra microrganismos agressores Neutrófilos Eosinófilos Linfócitos 10

11 TECIDO CONJUNTIVO Matriz extracelular Matriz extracelular Substância fundamental Fibras Colágenas Sistema colágeno Reticulares Elásticas Sistema elástico 11

12 Substância fundamental Secretadas pelas células fixas do tecido conjuntivo Amorfo Constituída de macromoléculas muito hidratadas Glicosaminoglicanas Proteoglicanas Glicoproteínas adesivas Colágenas Reticulares Elásticas Fibras Fibras colágenas Sistema colágeno... proteínas estruturais que foram se modificando durante o processo evolutivo sob influências do meio ambiente e necessidades funcionais dos organismos animais, desenvolvendo graus variáveis de rigidez e de resistência às trações. 12

13 Fibras colágenas Colágeno Proteína + abundante (30%) Produzidas por tipos celulares Fibroblastos Osteoblastos Condroblastos Células reticulares, etc. Fibras colágenas Tipos de colágeno: Tipo I + comum Tecido conjuntivo, osso, dentina e cemento Prócolágeno Tropocolágeno Colágeno 13

14 Fibras colágenas Tipos de colágeno: Tipo II Cartilagens hialina e elástica Tipo III Fibras reticulares Tipo IV Lâmina basal Fibras colágenas Tipos de colágeno: Tipo V Forma fibrilas c/ colágeno tipo I Tipo VII Colágeno de ancoragem (prendem as fibras colágenas tipo I às lâminas basais) 14

15 Fibras reticulares Colágeno tipo III associado a glicoproteínas e proteoglicanas Não são visíveis nos preparados corados pela H&E Visíveis através da impregnação pelos sais de prata e pela técnica de PAS Fibras reticulares Constituem o arcabouço de sustentação das células dos órgão hemocitopoéticos, células musculares e órgãos epiteliais (fígado, rins e glândulas endócrinas) 15

16 Fibras elásticas Fibroblastos Elastina + microfibrilas Encontradas na parede de algumas artérias Permitem estiramento 16

17 Tipos de Tecido Conjuntivo TIPOS DE CONJUNTIVO Propriamente Frouxo dito Denso modelado Especial adiposo elástico não modelado reticular ou hemocitopoético mucoso Cartilaginoso e Ósseo 17

18 Tecido Conjuntivo Frouxo Sustenta estruturas sujeitas a pressão e atritos pequenos Células mais comuns são os fibroblastos e macrófagos Preenche espaços entre as fibras e feixes musculares, serve de apoio para epitélios e forma uma camada em torno de vasos sanguíneos e linfáticos 18

19 Tecido Conjuntivo Denso Formada pelos mesmos elementos que o frouxo, porém com predominância acentuada de fibras colágenas Tecido Conjuntivo Denso Denso não modelado Fibras colágenas se arranjam em feixes arranjados sem orientação fixa (muito + resistentes às trações) Ex: Derme profunda da pele Denso modelado Feixes de colágenos paralelos uns aos outros Ex: Tendões, ligamentos Tecido conjuntivo denso não modelado 19

20 Tecido Conjuntivo Elástico Formado por feixes paralelos de fibras elásticas grossas Cor amarela e grande elasticidade Ex: Ligamentos amarelos da coluna vertebral e ligamento suspensor do pênis 20

21 Tecido Conjuntivo Reticular Forma especializada de tecido conjuntivo frouxo Fibras reticulares associadas com fibroblastos especializados (células reticulares) Sustenta as células dos órgãos hemocitopoéticos (medula óssea e órgãos linfáticos) Tecido Conjuntivo Mucoso Consistência gelatinosa e apresenta predomínio da matriz extracelular (ácido hialurônico) Contém poucas fibras colágenas e raras fibras elásticas e reticulares Principal componente do cordão umbilical (Gelatina de Wharton) e polpa dental jovem 21

22 22

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão TECIDO CONJUNTIVO derme tendão Tecido adiposo cartilagem sangue osso http://medinfo.ufl.edu/~dental/denhisto/lecture_materials/conntiss1_07_nxpowerlite_1.ppt Tecido Conjuntivo Característica: vários tipos

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO 9º ano

TECIDO CONJUNTIVO 9º ano TECIDO CONJUNTIVO 9º ano O tecido conjuntivo apresenta células separadas por matriz intercelular. É quase sempre vascularizado. (exceção tecido cartilaginoso) TIPOS DE TECIDO CONJUNTIVO TCP D TCP D Frouxo

Leia mais

MODELO. BIOLOGIA Histologia animal: tecidos conjuntivos próprio, adiposo e hematopoiético 02 B TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO.

MODELO. BIOLOGIA Histologia animal: tecidos conjuntivos próprio, adiposo e hematopoiético 02 B TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO. BIOLOGIA Histologia animal: tecidos conjuntivos próprio, adiposo e hematopoiético Originados a partir do mesoderma, os tecidos conjuntivos caracterizam-se por apresentarem diversos tipos de células, separadas

Leia mais

TECIDO CARTILAGINOSO. Observação com aumento total de 40x: Na mesma lâmina apareceu os dois órgãos traquéia e esôfago.

TECIDO CARTILAGINOSO. Observação com aumento total de 40x: Na mesma lâmina apareceu os dois órgãos traquéia e esôfago. TECIDO CARTILAGINOSO 1)Tecido Cartilaginoso Hialino Material: Traquéia Técnica: Hematoxilina e Eosina (HE) Observação com aumento total de 40x: Na mesma lâmina apareceu os dois órgãos traquéia e esôfago.

Leia mais

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

III. 2 - Tecido Conjuntivo de Propriedades Especiais:

III. 2 - Tecido Conjuntivo de Propriedades Especiais: Capítulo 2: Parte 2 1 1 - Tecido hematopoético: III. 2 - Tecido Conjuntivo de Propriedades Especiais: O tecido formador do sangue aparece durante a 3 a semana de desenvolvimento embrionário no espancnopleura

Leia mais

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial Glandular. Prof. André Maia

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial Glandular. Prof. André Maia HISTOLOGIA Na estrutura dos tecidos, cada célula é apenas uma individualidade. Mas o que importa mesmo é o todo. É uma lei da Natureza. O próprio indivíduo só subsiste não em função da sua individualidade,

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA Processos Imunológicos e Patológicos INFLAMAÇÃO Prof.: Hermínio M. da R.Sobrinho PROCESSO INFLAMATÓRIO A inflamação constitui uma resposta imune

Leia mais

. Hematos = sangue + poese = formação.

. Hematos = sangue + poese = formação. Marco Biaggi - 2015 . Hematos = sangue + poese = formação. transporte de nutrientes, gases respiratórios, hormônios e excretas Sangue participa da defesa do organismos, juntamente com a linfa e o sistema

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA HISTOLOGIA Do grego: histós > tecido + logos > estudo CONJUNTIVO NERVOSO ESTUDO DO MOVIMENTO MUSCULAR ESQUELÉTICO MUSCULAR CARDÍACO 2011/12

Leia mais

HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS

HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS Tipos de tecidos: Tecido Epitelial Tecido Conjuntivo Tecido Muscular Tecido Nervoso Tecido Epitelial Funções: Tecido Epitelial Revestimento Proteção Absorção de impacto Secreção

Leia mais

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular Matriz Extracelular - a matriz extracelular (MEC) corresponde aos complexos macromoleculares relativamente estáveis, formados por moléculas de diferentes naturezas que são produzidas, exportadas e complexadas

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Universidade Aberta do Brasil UFPB VIRTUAL COORDENAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS À DISTÂNCIA

Universidade Federal da Paraíba Universidade Aberta do Brasil UFPB VIRTUAL COORDENAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS À DISTÂNCIA CB Virtual 2 Universidade Federal da Paraíba Universidade Aberta do Brasil UFPB VIRTUAL COORDENAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS À DISTÂNCIA Caixa Postal 5046 Campus Universitário -

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO É uma reação dos tecidos a uma agente agressor caracterizada morfologicamente

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Mônica Narciso BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Questões Discursivas 01-

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

APOSTILA DE HISTOLOGIA HUMANA

APOSTILA DE HISTOLOGIA HUMANA APOSTILA DE HISTOLOGIA HUMANA Histologia é a ciência que estuda os tecidos do corpo humano, sua anatomia microscópica e sua função tecidual. Este é formado por quatro tipos básicos de tecidos: 1 - Tecido

Leia mais

Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE

Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE 1 Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE O sistema imune tem como principal finalidade a defesa do organismo contra as doenças infecciosas, ou seja, resistência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPTO. DE MORFOLOGIA DISCIPLINAS DE HISTOLOGIA HISTOLOGIA I ROTEIRO DAS AULAS PRÁTICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPTO. DE MORFOLOGIA DISCIPLINAS DE HISTOLOGIA HISTOLOGIA I ROTEIRO DAS AULAS PRÁTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPTO. DE MORFOLOGIA DISCIPLINAS DE HISTOLOGIA HISTOLOGIA I ROTEIRO DAS AULAS PRÁTICAS PELOTAS, 2012. ÍNDICE MICROSCOPIA DE LUZ OU ÓPTICA 3 USO DO

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto SÍNTESE PROTEICA

Universidade Federal de Ouro Preto SÍNTESE PROTEICA Universidade Federal de Ouro Preto SÍNTESE PROTEICA SÍNTESE DE MACROMOLÉCULAS Macromoléculas: Proteínas - aa Carboidratos - monossacarídeos Lipídeos ácidos graxos Macromoléculas celulares: em constante

Leia mais

2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 TECIDO CONJUNTIVO

2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 TECIDO CONJUNTIVO 1 1 INTRODUÇÃO Os tecidos não são formados exclusivamente por células. Uma parte considerável do volume é espaço extracelular, composto por uma enorme e complexa rede de macromoléculas, a matriz extracelular.

Leia mais

2. (G1 - ifsc 2015) Disponível em:http://www.boasaude.com.br/artigos-de saude/5321/-1/obesidade-infantilcausas-e-complicacoes.html

2. (G1 - ifsc 2015) Disponível em:http://www.boasaude.com.br/artigos-de saude/5321/-1/obesidade-infantilcausas-e-complicacoes.html 1. (Ufrgs 2015) O tecido ósseo é o principal constituinte dos ossos. Em relação a esse tecido, é correto afirmar que a) os compostos minerais do tecido ósseo são responsáveis por sua flexibilidade. b)

Leia mais

RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO

RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO TECIDO ÓSSEO - Características: apresenta matriz calcificada e atua como o principal depósito de cálcio e fósforo

Leia mais

Plano de Aula CIÊNCIAS. Sistema imunológico

Plano de Aula CIÊNCIAS. Sistema imunológico Plano de Aula CIÊNCIAS Sistema imunológico Sistema imunológico. 10 p.; il. (Série Plano de Aula; Ciências) ISBN: 1. Ensino Fundamental - Ciências 2. Sistema Imunológico 3. Educação Presencial I. Título

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

HISTOLOGIA. Colégio IDEIA 1º Ano Biologia Profº André Maia. Tecidos Animais: São quatro tipos de tecidos fundamentais animal:

HISTOLOGIA. Colégio IDEIA 1º Ano Biologia Profº André Maia. Tecidos Animais: São quatro tipos de tecidos fundamentais animal: Colégio IDEIA 1º Ano Biologia Profº André Maia Tecidos Animais: São quatro tipos de tecidos fundamentais animal: O corpo humano é constituído por diversos tipos de tecidos. O termo tecido designa conjuntos

Leia mais

Imunidade Adaptativa Humoral

Imunidade Adaptativa Humoral Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO Eventos: P r o c e s s o o r d e n a d o Irritação liberação dos mediadores

Leia mais

também o metabolismo de carboidratos e gorduras assim como os níveis de água no corpo.

também o metabolismo de carboidratos e gorduras assim como os níveis de água no corpo. BIO E V9 Aula 25 25.01 A reposição hormonal deve ser utilizada de acordo com prescrição médica. Para muitas mulheres esses tratamentos são muito eficazes, pois, voltam a produzir substâncias essenciais

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015)

EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015) EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015) 1- A Fábrica Celular Células de bactérias (procarióticas) e células animais (eucarióticas), apresentam semelhanças e diferenças. a) Qual a estrutura presente em ambas que

Leia mais

T E C I D O S: E P I T E L I A L C O N J U N T I V O C A R T I L A G I N O S O Ó S S E O M U S C U L A R

T E C I D O S: E P I T E L I A L C O N J U N T I V O C A R T I L A G I N O S O Ó S S E O M U S C U L A R UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA DISCIPLINA DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA C A D E R N O D I D Á T I C O II T E C I D O S: E P I T E L I A L C O N

Leia mais

Histofisiologia Tecido epitelial

Histofisiologia Tecido epitelial Histofisiologia Tecido epitelial Profª Marília Scopel Andrighetti Origem ectoderma: epiderme, epitélios do nariz, boca e glândulas sebácea, mamária e salivar. mesoderma: endotélio (tecido que reveste os

Leia mais

Os destinos finais (organogênese) desses folhetos germinativos, na formação dos tecidos e órgãos humanos, são:

Os destinos finais (organogênese) desses folhetos germinativos, na formação dos tecidos e órgãos humanos, são: Aula 01: Introdução, formação e tipos dos tecidos Histologia é o estudo dos tecidos biológicos: forma, estrutura e função. Do grego hydton = tecido + logos = estudos 1. Célula A célula é a menor porção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA MED194

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA MED194 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA MED194 Monitor: Ricardo Souza ÓRGÃOS LINFÓIDES 1-ÓRGÃOS LINFÓIDES PRIMÁRIOS

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

DENTINOGÊNESE BANDA EPITELIAL CAVIDADE BUCAL PRIMITIVA. Morfologia II UNINOVE. Ü 22 o dia: formação da mb bucofaríngea. 2º Mês de V.I.U.

DENTINOGÊNESE BANDA EPITELIAL CAVIDADE BUCAL PRIMITIVA. Morfologia II UNINOVE. Ü 22 o dia: formação da mb bucofaríngea. 2º Mês de V.I.U. ODONTOGÊNESE Morfologia II UNINOVE ODONTOGÊNESE CAVIDADE BUCAL PRIMITIVA - ESTOMODEO GERME DENTÁRIO AMELOGÊNESE DENTINOGÊNESE DESENVOVIMENTO RADICULAR EMBRIOGÊNESE FACIAL RELEMBRANDO... Tecidos Embrionários

Leia mais

Tecido Epitelial Glandular

Tecido Epitelial Glandular Tecido Epitelial Glandular Revestimento Glandular Tecido epitelial É constituído por células epiteliais especializadas na atividade de secreção As moléculas a serem secretadas são armazenadas em grânulos

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos.

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos. ANATOMIA HUMANA II Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema tegumentar Conceito Estruturas Pele Anexos Funções 1 CONCEITO Estudo Microscópico Maior orgão do corpo humano Proporciona

Leia mais

SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA. Aviso: Início das aulas práticas

SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA. Aviso: Início das aulas práticas ANTÍGENO E ANTICORPO SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA Aviso: Início das aulas práticas Laboratório de Imunologia, Departamento de Parasitologia, Microbiologia e Imunologia, Instituto

Leia mais

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS MULTIPLICATION 1 Defesas Resposta imune frente a infecções 2 Defesas Imunidade inata Defesa e recuperação Genética Fatores séricos

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11 Componente Curricular: HISTOLOGIA BUCO-DENTAL Código: ODO-007 Pré-Requisito: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA HUMANA Período Letivo: 2013.1 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11,

Leia mais

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia Leucograma Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Os Neutrófilos são os granulócitos mais comuns no sangue. (55-70% de todos os Leucócitos

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDO EPITELIAL. Colégio IMPULSO Prof.: Ramon Lamar BIOLOGIA - 1 PRISMÁTICO

HISTOLOGIA TECIDO EPITELIAL. Colégio IMPULSO Prof.: Ramon Lamar BIOLOGIA - 1 PRISMÁTICO Colégio IMPULSO Prof.: Ramon Lamar BIOLOGIA - 1 PRISMÁTICO HISTOLOGIA Histologia é a parte da Biologia que estuda os tecidos. Tecidos são agrupamentos de células semelhantes e/ou que possuem função semelhante,

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA DE HISTOFISIOLOGIA ANIMAL. Técnico em Biotecnologia Módulo II

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA DE HISTOFISIOLOGIA ANIMAL. Técnico em Biotecnologia Módulo II ROTEIRO DE AULA PRÁTICA DE HISTOFISIOLOGIA ANIMAL Técnico em Biotecnologia Módulo II Aluno(a): Prof. Leandro Parussolo 2014/2 1 3 - MICROSCOPIA 3.1. MICROSCOPIA ÓPTICA DE LUZ Ao se estudar os seres vivos,

Leia mais

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN)

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) MIELOGRAMA Medula Óssea Mielograma Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) Biópsia de Medula Óssea Crista ilíaca insere-se agulha para retirada de fragmento ósseo Mielograma (aspirativo) Biópsia de Medula Óssea

Leia mais

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado CITOCINAS/INTERLEUCINAS Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado Introdução Respostas imunes: interações entre as diferentes populações celulares.

Leia mais

Hematopoese. Prof. Archangelo P. Fernandes Profa. Alessandra Barone www.profbio.com.br

Hematopoese. Prof. Archangelo P. Fernandes Profa. Alessandra Barone www.profbio.com.br Hematopoese Prof. Archangelo P. Fernandes Profa. Alessandra Barone www.profbio.com.br Sangue Tecido fluido circulante, formado por uma fase sólida de células diferenciadas e por uma fase líquida denominada

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. JM

Sistema Circulatório. Prof. JM Sistema Circulatório Prof. JM Sistema Circulatório Integrar os sistemas. Transportar nutrientes, gases, excretas, hormônios, calor e anticorpos pelo corpo. Coagulação Sangue (tecido) Uma pessoa de cerca

Leia mais

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO Por definição, anticorpos são moléculas de glicoproteína, também chamadas de imunoglobulinas. São glicoproteínas altamente específicas sintetizadas em resposta a um antígeno,

Leia mais

Prova escrita de conhecimentos específicos de BIOLOGIA

Prova escrita de conhecimentos específicos de BIOLOGIA Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos - 2010 Prova escrita de conhecimentos

Leia mais

HISTOLOGIA BÁSICA. Rio de Janeiro / 2008 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO

HISTOLOGIA BÁSICA. Rio de Janeiro / 2008 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA HISTOLOGIA BÁSICA Rio de Janeiro / 2008 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO UNIVERSIDADE

Leia mais

HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO. Profa MARIA ELISA CARNEIRO

HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO. Profa MARIA ELISA CARNEIRO HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO Profa MARIA ELISA CARNEIRO INTRODUÇÃO Função: - Obter nutrientes necessários para manutenção, crescimento e demandas energéticas do organismo. Composição: - Cavidade oral

Leia mais

IV - IMUNOGLOBULINAS

IV - IMUNOGLOBULINAS Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 IV - IMUNOGLOBULINAS Sumário Monitor: Bruno Bezerril 1. Definição....

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Juiz de Fora / MG - 2009 Autoras PROFª. MARIA ELIZABETH M.N. MARTINS PROFª. MARIA CHRISTINA M.N. CASTAÑON Juiz de Fora/MG

Leia mais

Anatomia e Histologia do Limbo

Anatomia e Histologia do Limbo Anatomia e Histologia do Limbo Introdução: O limbo é a zona intermediária anular com cerca de 1,5mm de largura que fica entre a córnea transparente e a esclera opaca. Sua relativa opacidade se explica

Leia mais

Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS. 4. Acinos mucosos e mistos ou sero-mucosos na glândula salivar sublingual. GLÂNDULAS ENDOCRINAS

Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS. 4. Acinos mucosos e mistos ou sero-mucosos na glândula salivar sublingual. GLÂNDULAS ENDOCRINAS Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS 1. Glândula sudorípara na pele grossa. 2. Glândula sebácea + sudorípara na pele fina. 3. Acinos serosos + ductos na parótida 4. Acinos mucosos e mistos

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS PROCESSO SELETIVO 2010/1 - CPS INSTRUÇÕES: PROVA DISCURSIVA DE BIOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 10 (dez) questões discursivas.

Leia mais

18/11/2014 CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA TÓPICOS CIRCULAÇÃO CIRCULAÇÃO. Função: Circulação sistêmica X pulmonar

18/11/2014 CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA TÓPICOS CIRCULAÇÃO CIRCULAÇÃO. Função: Circulação sistêmica X pulmonar TÓPICOS CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA 1 Oqueéacirculação?Paraqueserve? Principal atuante na circulação: o sangue Oqueé? Como é produzido? Partes da circulação: vasos sanguíneos Sistema linfático Como é efetuada

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

ATLAS DIGITAL DE HISTOLOGIA BÁSICA. Fábio Goulart de Andrade Osny Ferrari Organização

ATLAS DIGITAL DE HISTOLOGIA BÁSICA. Fábio Goulart de Andrade Osny Ferrari Organização ATLAS DIGITAL DE HISTOLOGIA BÁSICA Fábio Goulart de Andrade Osny Ferrari Organização UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA Fábio Goulart de Andrade

Leia mais

Aspectos Moleculares da Inflamação:

Aspectos Moleculares da Inflamação: Patologia Molecular Lucas Brandão Aspectos Moleculares da Inflamação: os mediadores químicos inflamatórios Inflamação São uma série de eventos programados que permitem com que Leucócitos e outras proteínas

Leia mais

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa:

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa: 1 - A respeito da inflamação crônica, analise as assertivas a seguir: I) A inflamação crônica sempre tem início após a inflamação aguda. II) A inflamação crônica inespecífica é observada em resposta à

Leia mais

ESTRUTURA DOS MÚSCULOS E TECIDOS ANEXOS

ESTRUTURA DOS MÚSCULOS E TECIDOS ANEXOS ESTRUTURA DOS MÚSCULOS E TECIDOS ANEXOS Prof. Roberto de Oliveira Roça Laboratório de Tecnologia dos Produtos de Origem Animal Fazenda Experimental Lageado, Caixa Postal, 237. F.C.A. - UNESP - Campus de

Leia mais

a) ósseo b) cartilaginoso c) muscular liso d) muscular cardíaco e) muscular esquelético

a) ósseo b) cartilaginoso c) muscular liso d) muscular cardíaco e) muscular esquelético 100 Questões de Histologia Humana 01) (UEPA-2004) No quadro abaixo, assinale a alternativa que contém a relação CORRETA entre células e suas funções encontradas, em diferentes tipos de tecidos, no organismo

Leia mais

Compar'mentos da Resposta Imune

Compar'mentos da Resposta Imune Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Integração Imunologia Básica- Clínica Compar'mentos da Resposta Imune Bernardo Moreira Gislane Vilela Tópicos Tecidos linfóides: Órgãos linfóides primários ou geradores

Leia mais

3º PROVA PATOLOGIA GERAL

3º PROVA PATOLOGIA GERAL 1 - A imunoterapia tem sido usado no tratamento de tumores e em alguns casos com sucesso significativo, meios de imunização ativo e passivo foram empregados para estimular o sistema imune. A melhor resposta

Leia mais

Resposta inflamatória aguda sob a ótica imunológica

Resposta inflamatória aguda sob a ótica imunológica Resposta inflamatória aguda sob a ótica imunológica Tecnologias de Informação e Comunicação Professora Ana Paula Peconick Tutor Karlos Henrique Martins Kalks Lavras/MG 2011 1 P ágina Ficha catalográfica

Leia mais

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS Garantir o futuro da saúde do seu filho com Patrícia SEGURANÇA Cruz e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia

Leia mais

Sistema Respiratório Capítulo 9

Sistema Respiratório Capítulo 9 Sistema Respiratório Capítulo 9 1 FUNÇÕES entrada de poeira. A cartilagem hialina dá sustentação. 6,7,8,9 O sistema respiratório permite o transporte do O 2 para o sangue, a fim de ser distribuído para

Leia mais

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br M!K! Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br Objetivos Tipos de consolidação: Primária e Secundária Tipos de estabilidade: Absoluta e Relativa O Osso 1 Estrutura Óssea OSTEOCLASTOS OSTEOBLASTOS MATRIZ

Leia mais

Neoplasias. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias Neo (novo) plasia (crescimento, formação). Crescimento novo Massa anormal de tecido cujo crescimento excede aquele dos tecidos normais e não está coordenado

Leia mais

A MEMBRANA PLASMÁTICA

A MEMBRANA PLASMÁTICA A MEMBRANA PLASMÁTICA Prof. André Maia Conceito É uma membrana lipoprotéica, semipermeável que envolve a célula, separando-a do meio exterior. Funções da membrana proteção mecânica (contra choques físicos)

Leia mais

Prof André Montillo UVA

Prof André Montillo UVA Prof André Montillo UVA Doença Articular Degenerativa Sinônimos: Osteoartrite Osteoartrose: Artrose Artrose Condramalácea Artrite Degenerativa Artrite Hipertrófica Artrite Deformante Doença Articular Degenerativa

Leia mais

Tema 05: Sistema Digestório

Tema 05: Sistema Digestório Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Tópicos Especiais para Biotecnologia Tema 05: Sistema Digestório Constituição Boca, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso,

Leia mais

EXPLORANDO 5 O SISTEMA IMUNOLÓGICO. Camila Lopes Fernando Amaral

EXPLORANDO 5 O SISTEMA IMUNOLÓGICO. Camila Lopes Fernando Amaral EXPLORANDO 5 O SISTEMA IMUNOLÓGICO Camila Lopes Fernando Amaral EXPLORANDO O SISTEMA IMUNOLÓGICO Camila Lopes Fernando Amaral Ilustrações: Camila Lopes Leonardo Maia Símbolos usados neste livro Caro professor,

Leia mais

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição João Paulo Meirelles Graduando em Medicina Veterinária Samanta

Leia mais

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções O SANGUE Constituintes do Sangue e suas funções AS HEMÁCIAS OU GLÓBULOS VERMELHOS Células sanguíneas sem núcleo que contém hemoglobina, que é a substância responsável pela cor vermelha. São as células

Leia mais

Exercícios de Biologia Histologia Animal

Exercícios de Biologia Histologia Animal Exercícios de Biologia Histologia Animal 1) (UFC-2009) Considere as seguintes seqüências hipotéticas de DNA extraídas de alguns indivíduos de espécies indeterminadas. Indivíduo I: ATTGGCCATATGACC Indivíduo

Leia mais

Degeneração Gordurosa (esteatose, lipidose):

Degeneração Gordurosa (esteatose, lipidose): DEGENERAÇÃO: São alterações celulares, geralmente reversíveis quando o estímulo cessa, e que podem ou não evoluir para a morte celular. O citoplasma apresenta-se lesionado, com acúmulo de substâncias exógenas

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE Hemodinâmica = princípios que governam o fluxo sanguíneo, no sistema cardiovascular. Fluxo, Pressão, resistência e capacitância*: do fluxo

Leia mais

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr. www.professorrossi.com

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr. www.professorrossi.com TUMORES BENIGNOS PAPILOMA: Papiloma é uma neoplasia benigna de origem epitelial. Clinicamente apresenta-se como lesão exofítica, de superfície irregular ou verrucosa com aspecto de couve-flor, assintomático,

Leia mais

ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS

ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS (2013) ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS E SUAS RELAÇÕES COM PATOLOGIAS. PARA QUE SERVE? E COMO SE INTERPRETA? Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

Sistema tegumentar: pele e anexos

Sistema tegumentar: pele e anexos Sistema tegumentar: pele e anexos AULA 6 Meta da aula Identificar a pele como um órgão sensorial e de proteção. objetivos Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja capaz de: Descrever

Leia mais

BIOLOGIA DA FERIDA E CICATRIZAÇÃO

BIOLOGIA DA FERIDA E CICATRIZAÇÃO Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 1ª Parte 2008; 41 (3): 259-64 Capítulo II BIOLOGIA DA FERIDA E CICATRIZAÇÃO WOUND BIOLOGY AND HEALING Maria de Fátima G S Tazima 1,

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

TUMORES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL

TUMORES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL TUMORES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL D O MIN I Q U E F O N S E C A R O D R I G U E S L A C E T R 2 D O S E RV IÇ O D E PAT O L O G IA D O H U - U F J F D O MIL A C E T @ G M A I L. C O M Junho/2015 EPIDEMIOLOGIA

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Técnico em Biotecnologia Módulo I. Biologia Celular. Aula 4 - Sistema de Endomembranas. Prof. Leandro Parussolo

Técnico em Biotecnologia Módulo I. Biologia Celular. Aula 4 - Sistema de Endomembranas. Prof. Leandro Parussolo Técnico em Biotecnologia Módulo I Biologia Celular Aula 4 - Sistema de Endomembranas Prof. Leandro Parussolo SISTEMA DE ENDOMEMBRANAS Se distribui por todo o citoplasma É composto por vários compartimentos

Leia mais

A t l a s d e. Histologia. Médica U C P E L

A t l a s d e. Histologia. Médica U C P E L A t l a s d e Histologia Médica MEDICINA U C P E L Apresentação A vontade de fazer um material didático ilustrado, para auxiliar e facilitar o estudo extraclasse, surgiu à algum tempo a partir da necessidade

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS V DIA MUNICIPAL DE CONSCIENTIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO DO DOADOR SANGUÍNEO

COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS V DIA MUNICIPAL DE CONSCIENTIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO DO DOADOR SANGUÍNEO COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS V DIA MUNICIPAL DE CONSCIENTIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO DO DOADOR SANGUÍNEO ARAGOMINAS, TO - MAIO 2009 COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS V DIA MUNICIPAL DE CONSCIENTIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO QUANTITATIVA DE MASTÓCITOS E MACRÓFAGOS E DA EXPRESSÃO

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO QUANTITATIVA DE MASTÓCITOS E MACRÓFAGOS E DA EXPRESSÃO IGOR VIEIRA BRACKS ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO QUANTITATIVA DE MASTÓCITOS E MACRÓFAGOS E DA EXPRESSÃO DA INTERLEUCINA-6 EM LESÕES PERIRRADICULARES INFLAMATÓRIAS 2012 IGOR VIEIRA BRACKS ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Tipos de Epitélios. Epitélio de Revestimento Epitélio Glandular

Tipos de Epitélios. Epitélio de Revestimento Epitélio Glandular Tipos de Epitélios Epitélio de Revestimento Epitélio Glandular Epitélio Glandular - Secreção: - Epitélio de revestimento secretor: estômago - Glds Unicelulares intra-epiteliais: Epitélio com algumas células

Leia mais