Trabalhar com o NAÇÕES UNIDAS. um Guia sobre o. Estatuto Consultivo. destinado às ONG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalhar com o NAÇÕES UNIDAS. um Guia sobre o. Estatuto Consultivo. destinado às ONG"

Transcrição

1 NAÇÕES UNIDAS Trabalhar com o um Guia sobre o Estatuto Consultivo destinado às ONG

2 Trabalhar com o um Guia sobre o Estatuto Consultivo destinado às ONG Nações Unidas Nova Iorque, 2011 ii

3 Índice As Nações Unidas e as ONG O ECOSOC e os seus órgãos subsidiários Estatuto consultivo junto do ECOSOC Cartão de acesso às instalações da ONU Participação em eventos Comissão de Desenvolvimento Sustentável...11 Comissão sobre o Estatuto da Mulher Comissão de Desenvolvimento Social Fórum Permanente sobre Questões Indígenas. 13 Comissão de População e Desenvolvimento...13 Fórum das Nações Unidas sobre as Florestas.. 14 Comissão para a Prevenção do Crime e a Justiça Penal Comissão de Estupefacientes...15 Comissão de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Comissão de Estatística Conselho de Direitos Humanos Declarações escritas Declarações orais Organize o seu evento nas Nações Unidas...24 O processo de candidatura Criação do perfil da sua ONG Apresentação do seu pedido em linha Verificação do pedido Apreciação do seu pedido pelo Comité das ONG O Comité faz uma recomendação Decisão final do ECOSOC Relatórios quadrienais...38 Contactos e ligações úteis iii

4

5 As Nações Unidas e as ONG As organizações não governamentais (ONG) têm participado activamente nas Nações Unidas (ONU) desde a criação da Organização, em Trabalham com o Secretariado da ONU e com os seus programas, fundos e organismos de várias maneiras, inclusivamente em colaboração com os Estados-Membros. As ONG contribuem para diversas actividades, incluindo a difusão de informação, a sensibilização, a educação para o desenvolvimento, a promoção de políticas, projectos operacionais conjuntos, a participação em processos intergovernamentais, a prestação de serviços e a disponibilização de conhecimentos técnicos especializados. O artigo 71.º da Carta das Nações Unidas, que criou o Conselho Económico e Social, diz o seguinte: O Conselho Económico e Social poderá entrar em entendimentos convenientes para a consulta com organizações não governamentais que se ocupem de assuntos no âmbito da sua própria competência. Tais entendimentos poderão ser feitos com organizações internacionais e, quando for o caso, com organizações nacionais, depois de efectuadas consultas com o membro das Nações Unidas interessado no caso. Carta das Nações Unidas, Capítulo X, artigo 71.º O artigo 71.º da Carta das Nações Unidas permitiu que fossem criados os mecanismos necessários à realização de consultas junto de organizações não governamentais. A relação consultiva com o ECOSOC é regulada pela Resolução 1996/31 do ECOSOC, que define os requisitos para a obtenção do estatuto consultivo, os direitos e as obrigações das ONG com estatuto consultivo, os procedimentos para a revogação ou suspensão do estatuto consultivo, o papel e as funções do Comité das ONG do ECOSOC e as responsabilidades do Secretariado da ONU em matéria de apoio à relação consultiva. 1

6 A ONU tem-se esforçado por reforçar a cooperação com as ONG ao nível de todo o sistema das Nações Unidas e em todas as suas esferas de acção. Assim, as entidades das Nações Unidas têm vindo a identificar novas modalidades com vista a promover uma participação acrescida e mais estratégica das ONG. A necessidade de reforçar as relações entre a ONU e as ONG tem sido sublinhada em vários documentos, em especial na Declaração do Milénio, em Setembro de O compromisso assumido pelos Estados-Membros de criar mais oportunidades para as ONG foi reafirmado no Documento Final da Cimeira Mundial de Desde o início, o Conselho Económico e Social (ECO- SOC) tem sido o principal meio de acesso das ONG ao sistema da ONU. O ECOSOC continua a ser o único órgão principal da ONU que dispõe de um quadro formal para a participação de ONG. Em 1946, o Conselho concedeu estatuto consultivo a 41 ONG; em 1992, mais de 700 ONG haviam já obtido o estatuto consultivo e, desde então, o seu número tem vindo a aumentar constantemente, tendo atingido o total actual de organizações. 2 2

7 O ECOSOC e os seus órgãos subsidiários O Conselho Económico e Social é o principal órgão coordenador das actividades económicas, sociais e conexas dos 14 organismos especializados das Nações Unidas, das suas comissões técnicas e das suas cinco comissões regionais. É o principal fórum para a discussão de questões económicas e sociais e a elaboração de recomendações práticas sobre essas questões dirigidas aos Estados- -Membros e ao sistema das Nações Unidas. O ECOSOC é composto por 54 Estados-Membros eleitos pela Assembleia Geral por mandatos de três anos, podendo ser reeleitos por mandatos consecutivos. Os lugares no Conselho são atribuídos com base na representação geográfica: 14 para os Estados africanos, 11 para os Estados asiáticos, 6 para os Estados da Europa Oriental, 10 para os Estados latino-americanos e das Caraíbas e 13 para os Estados da Europa Ocidental e outros Estados. O Conselho realiza o seu trabalho através de várias sessões e reuniões preparatórias, mesas redondas e debates em painéis com membros da sociedade civil realizados ao longo do ano. Uma vez por ano, em Julho, reúne-se numa sessão de fundo com a duração de quatro semanas, que decorre alternadamente em Nova Iorque e Genebra. A sessão anual compreende cinco segmentos, a saber: (i) o debate de alto nível; (ii) o debate sobre questões de coordenação; (iii) o debate sobre questões operacionais; (iv) o debate sobre assuntos humanitários; e (v) o debate geral. O Exame Ministerial Anual (EMA), introduzido em 2007 e realizado durante o Debate de Alto Nível do ECOSOC, avalia os progressos alcançados no domínio da consecução dos objectivos de desenvolvimento das Nações Unidas (United Nations Development Agenda, UNDA). É também um fórum mundial de alto nível com uma participação alargada, que se destina a partilhar as lições aprendidas e a destacar as práticas bem sucedidas. Compete ao Fórum sobre Cooperação para o Desenvolvimento (FCD), também lançado em 2007, melhorar a 3

8 implementação dos objectivos de desenvolvimento acordados a nível internacional e promover o diálogo, com vista a encontrar formas eficazes de apoiar essa implementação. Funciona como ponto focal do sistema das Nações Unidas e como instância essencial para o diálogo a nível mundial e a análise das políticas sobre a eficácia e coerência da cooperação para o desenvolvimento. O FCD reúne de dois em dois anos no quadro do Debate de Alto Nível do Conselho. Vários órgãos subsidiários do ECOSOC ajudam a realizar os objectivos do Conselho. O ECOSOC assegura a coerência das políticas e coordena as funções de todos os seus órgãos subsidiários em que há sobreposição. Quando obtêm estatuto consultivo junto do ECOSOC, as ONG podem participar activamente no trabalho dos órgãos subsidiários do Conselho. Comissões técnicas do ECOSOC Comissão de Estatística Comissão de População e Desenvolvimento Comissão de Desenvolvimento Social Comissão sobre o Estatuto da Mulher Comissão de Estupefacientes Comissão para a Prevenção do Crime e a Justiça Penal Comissão de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Comissão de Desenvolvimento Sustentável Comissões regionais do ECOSOC Comissão Económica para África (ECA) Comissão Económica e Social para a Ásia e o Pacífico (ESCAP) Comissão Económica para a Europa (ECE) Comissão Económica para a América Latina e as Caraíbas (CEPAL) Comissão Económica e Social para a Ásia Ocidental (ESCWA) Outros órgãos Fórum Permanente sobre Questões Indígenas Fórum das Nações Unidas sobre as Florestas Comités de sessões e comités permanentes Órgãos compostos por peritos, órgãos ad hoc e órgãos conexos 4

9 5

10 Estatuto consultivo junto do ECOSOC O ECOSOC continua a ser o único órgão principal dotado de um quadro formal para a participação das ONG. Este quadro de acreditação beneficia tanto as Nações Unidas como as ONG. Conforme estabelece a Resolução 1996/31 sobre a Relação consultiva entre as Nações Unidas e as organizações não governamentais,... Deverão ser adoptadas medidas tendo em vista a realização de consultas, por um lado, para permitir que o Conselho ou um dos seus órgãos obtenham informação ou aconselhamento especializados junto de organizações com especial competência nas matérias sobre as quais se pretende efectuar consultas, e, por outro lado, para permitir que as organizações internacionais, regionais, sub-regionais e nacionais que representam elementos importantes da opinião pública expressem os seus pontos de vista. Resolução 1996/31 do ECOSOC, II parte, ponto 20 6

11 Enquanto o ECOSOC tem a oportunidade de obter aconselhamento inestimável e especializado junto das ONG, estas, por sua vez, têm oportunidade de expressar as suas opiniões e de influenciar o trabalho do Conselho. As ONG têm competência especializada, experiência prática e flexibilidade que são muito valiosas para a ONU. Por exemplo, tendo estatuto consultivo, uma ONG pode: Realizar uma análise especializada de questões directamente com base na sua experiência no terreno; Funcionar como um agente de alerta rápido; Ajudar a monitorizar e aplicar acordos internacionais Ajudar a sensibilizar para questões pertinentes; Desempenhar um papel importante na promoção dos objectivos das Nações Unidas; Contribuir com informação essencial no contexto de eventos da organização. Por outro lado, o ECOSOC dá às ONG a oportunidade de serem ouvidas por uma audiência verdadeiramente mundial e de contribuírem para a realização dos seus objectivos. Uma ONG com estatuto consultivo pode: Assistir a conferências e outros eventos internacionais; Fazer declarações escritas e orais nesses eventos; Organizar eventos; Entrar nas instalações das Nações Unidas; Beneficiar de oportunidades de constituir redes e de participar em grupos de pressão. Esclarece-se que o ECOSOC não concede financiamentos nem qualquer tipo de apoio financeiro a qualquer organização de que seja parceiro. No entanto, a constituição de redes sociais em eventos do ECOSOC permite que as organizações alarguem a sua base de contactos e de conhecimento para explorar possíveis parcerias e joint ventures com várias partes interessadas. 7

12 Cartão de acesso às instalações das Nações Unidas Todas as ONG podem designar representantes para obterem cartões de acesso às instalações da ONU, que são válidos até 31 de Dezembro de cada ano. Podem ser emitidos para cada ONG, no máximo, cinco cartões para Nova Iorque, cinco para Genebra e cinco para Viena, além dos cartões de acesso para o principal funcionário administrativo e para o Presidente ou Director Executivo de cada ONG, perfazendo um total de sete cartões. Estão também disponíveis cartões de acesso válidos durante um dia ou um período máximo de três meses destinados a permitir a participação em eventos específicos. Para solicitar um cartão de acesso anual à Sede da ONU em Nova Iorque, deve fazer o seguinte: Primeiro, inicie uma sessão na página da sua organização (na página inicial do Serviço das ONG [NGO Branch] [ver Contactos e ligações úteis] Escolha o separador Consultative status [ Estatuto consultivo ] e vá para Designations [ Designações ] Clique em New York [ Nova Iorque ] para proceder ao registo prévio dos representantes que pretende designar. Uma vez efectuado o registo prévio, cada um dos seus representantes pode levantar o seu cartão de acesso às instalações da ONU no escritório do Serviço das ONG [NGO Branch office] (ver Contactos) apresentando um documento de identificação com fotografia e uma carta em papel timbrado da organização assinada pelo Director Executivo/Presidente, a designar um máximo de cinco representantes para a obtenção de cartões de acesso anuais (além de outros dois para o principal funcionário administrativo e para o Director Executivo). Todos os cartões de acesso que já não estejam a ser utilizados devem ser devolvidos. As ONG devem também comunicar ao Serviço das ONG quando algum dos representantes designados deixar de trabalhar para a organização, a fim de permitir que se mantenha uma lista actualizada dos representantes oficiais e que sejam emitidos novos cartões de acesso, se for necessário. 8

13 9

14 10

15 Participação em eventos As ONG acreditadas junto do ECOSOC podem participar, nomeadamente, nas sessões ordinárias do ECO- SOC, das suas comissões técnicas e dos seus outros órgãos subsidiários. Nessas sessões, que em geral se realizam uma vez por ano, as ONG podem: Assistir a reuniões oficiais; Apresentar declarações escritas antes das sessões; Fazer declarações orais; Ter encontros com delegações oficiais dos governos e representantes de outras ONG; Organizar e assistir a eventos paralelos que tenham lugar durante a sessão; Participar em debates, diálogos interactivos, mesasredondas e reuniões informais. As modalidades de participação das ONG nos diversos órgãos variam, mas uma condição comum a todas elas é que apenas podem participar nas suas sessões as ONG que estejam acreditadas e que gozem de boa reputação junto do ECOSOC. Comissão de Desenvolvimento Sustentável A Comissão de Desenvolvimento Sustentável (CDS) foi criada em Dezembro de 1992 para assegurar o seguimento eficaz da Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento também conhecida como Cimeira da Terra realizada em 1992, no Rio de Janeiro, Brasil, onde os dirigentes mundiais assinaram a Convenção Quadro sobre Alterações 11

16 Climáticas e a Convenção sobre Diversidade Biológica, subscreveram a Declaração do Rio e os Princípios sobre as Florestas e adoptaram a Agenda 21, um plano de 300 páginas para alcançar o desenvolvimento sustentável no século XXI. A CDS reúne todos os anos (em finais de Abril princípios de Maio), em Nova Iorque, em ciclos de dois anos, cada um dos quais se centra em conjuntos de questões temáticas e intersectoriais específicas. A CDS incentiva uma ampla participação das ONG. Comissão sobre o Estatuto da Mulher A Comissão sobre o Estatuto da Mulher (CEM) é o principal órgão mundial de formulação de políticas consagrado à igualdade de género e à promoção da mulher. A Comissão reúne uma vez por ano durante um período de dez dias (finais de Fevereiro princípios de Março) em Nova Iorque, a fim de avaliar os progressos alcançados em matéria de igualdade de género, identificar desafios, definir critérios mundiais e formular políticas concretas para promover a igualdade de género e o progresso das mulheres no mundo inteiro. A participação activa das ONG é um elemento crucial do trabalho da CEM. As ONG desempenharam um papel influente na configuração do actual quadro mundial de políticas sobre empoderamento das mulheres e a igualdade de género a Declaração de Beijing e a Plataforma de Acção. Continuam a desempenhar um papel importante no que se refere a responsabilizar os dirigentes nacionais e internacionais pelos compromissos assumidos na Plataforma de Acção. Comissão de Desenvolvimento Social Desde a realização da Cimeira Mundial para o Desenvolvimento Social em Copenhaga, em 1995, a Comissão de Desenvolvimento Social tem sido 12

17 o principal órgão da ONU responsável pelo seguimento dado à Declaração e Programa de Acção de Copenhaga e pela sua implementação. Reúne uma vez por ano em Nova Iorque, geralmente em Fevereiro. Todos os anos, desde 1995, a Comissão tem vindo a debruçar-se sobre questões fundamentais do desenvolvimento social, no quadro do seguimento dado aos documentos adoptados na Cimeira de Copenhaga. Os trabalhos são organizados numa série de ciclos bienais, que incluem reuniões de análise e um segmento sobre políticas. Fórum Permanente sobre Questões Indígenas O Fórum Permanente da ONU sobre Questões Indígenas é um órgão consultivo do ECOSOC, cujo mandato consiste em discutir questões indígenas relacionadas com o desenvolvimento económico e social, a cultura, o ambiente, a educação, a saúde e os direitos humanos. Reúne durante 10 dias todos os anos, em geral em Maio, em Nova Iorque. Cada sessão tem incidido sobre um tema específico. Por exemplo, o tema da nona sessão, realizada em 2010, foi Povos indígenas: um desenvolvimento que preserve a cultura e a identidade; artigos 3.º e 32.º da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas. Comissão de População e Desenvolvimento A Comissão de População e Desenvolvimento (CPD) presta assistência e aconselhamento ao ECOSOC sobre questões e tendências populacionais, população e estratégias de desenvolvimento, políticas e programas, e presta assistência sobre questões de população aos países em desenvolvimento. A CPD reuniu de dois em dois ou de três em três anos, até A partir desse ano, começou a reunir uma vez por ano, geralmente no início de Abril. Cada sessão é dedicada a um tema específico. A mais recente, que se realizou em 13

18 2011, incidiu sobre o tema Fecundidade, saúde reprodutiva e desenvolvimento. Fórum das Nações Unidas sobre as Florestas O Fórum das Nações Unidas sobre as Florestas (FNUF) tem como principal objectivo promover a gestão, conservação e desenvolvimento sustentável de todos os tipos de florestas e reforçar o empenhamento político nesses domínios, a longo prazo. Desde 2007, o Fórum tem sido organizado em ciclos bienais com a duração máxima de duas semanas. Cada sessão do Fórum incide sobre um tema central. Comissão para a Prevenção do Crime e a Justiça Penal A Comissão para a Prevenção do Crime e a Justiça Penal (CPCJP) é o principal órgão do sistema das Nações Unidas responsável por prestar orientação sobre políticas em matéria de prevenção do crime e justiça penal. A Comissão formula políticas e recomendações internacionais sobre questões de justiça penal, nomeadamente tráfico de seres humanos, criminalidade transnacional e aspectos da prevenção do terrorismo. As esferas prioritárias incluídas no seu mandato são as seguintes: Acção internacional para combater a criminalidade nacional e transnacional, nomeadamente a criminalidade organizada, o crime económico e o branqueamento de capitais; Promoção do papel do direito penal na protecção do ambiente; Prevenção do crime em zonas urbanas, incluindo a delinquência e a violência juvenis; Melhorar a eficácia e equidade dos sistemas de administração da justiça penal. São escolhidos aspectos destes temas principais para serem discutidos em cada sessão anual, que decorre em Abril/Maio em Viena. 14

19 Comissão de Estupefacientes Criada em 1946, a Comissão de Estupefacientes é o principal órgão das Nações Unidas responsável pela formulação de políticas sobre questões ligadas à droga. A Comissão analisa a situação em matéria de drogas no mundo inteiro e elabora propostas para reforçar o sistema internacional de controlo de estupefacientes e substâncias psicotrópicas e seus precursores, com vista a combater o problema da droga a nível mundial. A Comissão de Estupefacientes ajuda o ECOSOC a supervisionar a aplicação das convenções e acordos internacionais sobre estupefacientes. Presta também aconselhamento ao Conselho sobre todas as questões relacionadas com o controlo de estupefacientes e substâncias psicotrópicas e seus precursores. A Comissão reúne anualmente em Genebra durante um período máximo de oito dias úteis, em geral em Março. Comissão de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento A Comissão de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento (CCTD), criada em 1992 para prestar aconselhamento à Assembleia Geral e ao Conselho Económico e Social, funciona como um fórum para: A análise das questões de ciência e tecnologia e das suas repercussões no desenvolvimento; A promoção de uma maior compreensão das políticas sobre ciência e tecnologia, em especial no que se refere aos países em desenvolvimento; A formulação de recomendações e directrizes sobre questões de ciência e tecnologia no âmbito do sistema das Nações Unidas. A Comissão reúne anualmente em Genebra durante uma semana, em Maio. 15

20 Comissão de Estatística A Comissão de Estatística das Nações Unidas (UN Stat- Com), criada em 1947, presta assistência ao ECOSOC nas seguintes áreas: Promoção da elaboração de estatísticas nacionais e melhoramento da sua comparabilidade; oordenação do trabalho estatístico dos organismos especializados; Desenvolvimento dos serviços centrais de estatística do Secretariado da ONU; Aconselhamento dos órgãos das Nações Unidas sobre questões de ordem geral relacionadas com a recolha, análise e difusão de informações estatísticas; Melhoramento das estatísticas e métodos estatísticos em geral. A Comissão reúne anualmente em Nova Iorque, durante quatro dias, no final de Fevereiro. 16

21 Conselho de Direitos Humanos O Conselho de Direitos Humanos (CDH) é o principal órgão intergovernamental das Nações Unidas responsável pelos direitos humanos. É constituídos por 47 Estados- -Membros e reawliza pelo menos três sessões por ano em Genebra, na Suíça. Tem como função examinar as violações de direitos humanos, incluindo as violações flagrantes e sistemáticas dos direitos humanos, promover o respeito dos direitos humanos de todas as pessoas e coordenar eficazmente os direitos humanos integrando-os no sistema das Nações Unidas. Uma das sessões (sessões ordinárias) do Conselho destina- -se a analisar as actividades dos seus procedimentos e mecanismos subsidiários de direitos humanos, e o Conselho pode organizar mesas-redondas e eventos especiais para fomentar o diálogo e a compreensão mútua sobre questões específicas. 17

22 Para além das sessões ordinárias, o Conselho pode convocar sessões extraordinárias sobre questões relacionadas com países ou temas específicos. Embora este órgão não seja subsidiário do ECOSOC, só as ONG com estatuto consultivo junto do Conselho Económico e Social das Nações Unidas podem ser acreditadas para participar nas sessões do Conselho de Direitos Humanos como observadoras. Como observadoras, as ONG podem, entre outras coisas: Assistir a, e observar, todos os procedimentos do Conselho excepto as deliberações do Conselho no quadro do Procedimento de Queixa; Apresentar declarações escritas ao Conselho de Direitos Humanos; Fazer intervenções orais perante o Conselho de Direitos Humanos; Participar no Exame Periódico Universal (UPR) que consiste em examinar, de quatro em quatro anos, os antecedentes dos 192 Estados-Membros em termos do cumprimento das suas obrigações em matéria de direitos humanos; Participar em debates, diálogos interactivos, mesasredondas e reuniões informais; Organizar eventos paralelos sobre questões pertinentes para o trabalho do Conselho de Direitos Humanos. Uma ONG com estatuto consultivo junto do ECOSOC que pretenda assistir a uma sessão do Conselho de Direitos Humanos deve enviar ao Secretariado deste órgão em Genebra uma carta a solicitar a acreditação, com bastante antecedência em relação à data da sessão em questão. A página Web do Conselho de Direitos Humanos contém muitas informações sobre a participação de ONG. Nunca é demais salientar o contributo da sociedade civil para o desenvolvimento das normas internacionais de direitos humanos. [ ] Hoje em dia, as opiniões e os conhecimentos práticos e teóricos da sociedade civil continuam a ser tão importantes como sempre para o movimento em prol dos direitos humanos, na busca da justiça e da igualdade para todos. Navanethem Pillay, Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos (2008). 18

23 Declarações escritas O ECOSOC necessita de pareceres especializados, ideias e sugestões da sociedade civil. Por conseguinte, as ONG são frequentemente incentivadas a apresentar declarações escritas sobre assuntos que se inserem nas diversas áreas de trabalho do Conselho. A Resolução 1996/31 diz o seguinte sobre declarações escritas: As organizações com estatuto consultivo geral e estatuto consultivo especial podem apresentar declarações escritas pertinentes para o trabalho do Conselho acerca de assuntos sobre os quais essas organizações tenham especial competência. Essas declarações deverão ser distribuídas pelo Secretário-Geral das Nações Unidas entre os membros do Conselho... Resolução 1996/31 do ECOSOC, parte IV, ponto 30 É possível apresentar declarações escritas através da Internet no sítio Web CSONet [Escritório do Serviço de ONG] (ver Contactos). É importante ter o cuidado de ler as informações muito atentamente antes de redigir e apresentar uma declaração, uma vez que alguns eventos podem exigir a adopção de procedimentos diferentes para as declarações escritas. No caso de declarações escritas dirigidas ao ECOSOC, o número de palavras de cada declaração apresentada depende do tipo de estatuto consultivo da ONG. De acordo com a Resolução 1996/31, o número total de palavras está sujeito aos seguintes limites: No caso das ONG com estatuto consultivo geral: no máximo 2000 palavras No caso das ONG com estatuto consultivo especial: no máximo 500 palavras Cada organização pode apresentar apenas uma declaração escrita. 19

24 As organizações com estatuto consultivo constantes de uma lista (roster status) apenas podem apresentar uma declaração escrita se para tal forem convidadas pelo Secretário-Geral depois de ouvido o Presidente do ECO- SOC ou o Comité das ONG. As ONG com estatuto consultivo geral ou especial podem também apresentar declarações escritas às comissões e órgãos subsidiários do ECOSOC, incluindo as comissões técnicas, acerca de assuntos sobre os quais as ONG tenham conhecimentos especializados. O número total de palavras dessas declarações está sujeito aos seguintes limites: Organizações com estatuto consultivo geral: no máximo, 2000 palavras; Organizações com estatuto consultivo especial: no máximo, 1500 palavras. Cada organização apenas pode apresentar uma declaração escrita. Para mais informações, deve consultar-se a Resolução 1996/31. Na secção Contactos apresenta-se uma lista das comissões técnicas e informações sobre as formas de as contactar. 20 As ONG podem também ponderar a possibilidade de apresentar declarações conjuntas com outras organizações. Poderão fazê-lo no final da página da apresentação de declarações, na rubrica Joint Submission [ Apresentação conjunta ]. Para o efeito, poderão procurar a organização à qual se querem associar e seleccioná-la, antes de apresentar a declaração.

25 21

26 Declarações orais Tal como afirma a Resolução 1996/31, as organizações com estatuto consultivo geral ou especial podem optar por apresentar uma declaração na reunião anual do ECOSOC nas Nações Unidas em Nova Iorque ou na sede da ONU em Genebra, consoante o local onde a referida reunião tem lugar em cada ano. As reuniões anuais do Conselho realizam-se ora numa cidade ora noutra. Cada organização apenas pode apresentar uma declaração oral. Os temas das declarações orais devem estar relacionados com o tema principal do Conselho desse ano. A apresentação das declarações pode ser feita directamente ao Conselho ou a um dos seus órgãos subsidiários. As organizações inscritas na lista (roster) só podem fazer declarações se tal lhes for solicitado pelo Secretário-Geral ou o ECOSOC e/ ou os seus órgãos subsidiários. Temas do Exame Ministerial Anual nos últimos anos: Educação Igualdade de género e empoderamento das mulheres Saúde Pública Mundial Desenvolvimento sustentável Erradicação da pobreza e da fome Também se podem apresentar declarações orais às comissões técnicas. Para mais informações devem contactar-se os respectivos secretariados. O Escritório do Serviço das ONG comunicará às ONG o prazo para apresentação de declarações orais ao ECOSOC. Ser-lhes-á também fornecida uma Ordem de Trabalhos provisória do Conselho. Convém, no entanto, recordar que compete ao Presidente do Conselho definir o dia e hora da reunião, pelo que o Escritório do Serviço das ONG não pode garantir uma data e hora específicas para a apresentação de uma declaração por uma determinada organização. Cabe ao Presidente do Conselho a decisão final sobre os oradores. As ONG devem considerar a possibilidade de apresentar declarações conjuntas com outras ONG no ECOSOC

27 se entenderem que esta abordagem reforçará a sua capacidade e aumentará as possibilidades de apresentarem pareceres especializados ao ECOSOC. No Debate de Alto Nível de 2010, em Nova Iorque, foram feitas declarações orais pelas seguintes ONG com estatuto consultivo: Action Aid (especial, 1991) CIVICUS World Alliance for Citizen Participation (geral, 2004) Conference of Non-Governmental Organizations (CONGO) (geral, 2002) HelpAge International (geral, 1995) International Alliance of Women (geral, 1947) International Committee for Arab-Israeli Reconciliation (especial, 2006) International Planned Parenthood Federation (IPPF) (geral, 1973) International Presentation Association of the Sisters of the Presentation of the Blessed Virgin Mary (especial, 2000) International Trade Union Confederation (geral, 2007) National Right to Life Educational Trust Fund (especial, 1999) Nord-Sud XXI North-South XXI (especial, 1995) Rambhau Mhalgi Prabodhini (especial, 2006) The International Centre for Trade and Sustainable Development (especial, 2003) United Cities and Local Governments (geral, 1947) World Society for the Protection of Animals (WSPA) (especial, 1971) 23

28 Organize o seu evento nas Nações Unidas É frequentemente dada às ONG a opção de organizarem um evento paralelo que esteja relacionado com um evento principal organizado por uma comissão técnica do ECOSOC. Se pretende organizar um evento paralelo, deve contactar o organizador do evento principal na respectiva comissão técnica do ECOSOC e discutir com ele a sua ideia. Se a sua proposta for seleccionada, ser-lhe-á pedido que coordene o seu evento com esse escritório. Por exemplo, durante a 55ª. Sessão da Comissão sobre o Estatuto da Mulher, em Fevereiro de 2011, a Women s International League for Peace and Freedom (estatuto consultivo geral, 1948) e o One Voice Movement, em colaboração com a ONU-Mulheres e a Missão Permanente da Irlanda junto da ONU, organizaram uma mesa-redonda sobre Género, tecnologia e manutenção da paz: conseguir uma maior aproximação entre Israel e a Palestina. A Plan International (estatuto roster, 1981), juntamente com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a United Nations Girls Education Initiative (UNGEI), organizou um evento semelhante subordinado ao tema Empoderar as raparigas: educação e tecnologia. 24

29 25

30 O processo de candidatura As relações consultivas com o ECOSOC podem ser estabelecidas com organizações não governamentais, sem fins lucrativos, públicas ou voluntárias internacionais, sub-regionais e nacionais. Os principais requisitos para obter o estatuto consultivo junto do ECOSOC são, entre outros, os seguintes: O trabalho da ONG deve ser pertinente para o trabalho do ECOSOC, A ONG deve ter um mecanismo decisório transparente e democrático e estatutos adoptados democraticamente; Deve ter uma sede própria e um director executivo; Para poder apresentar o pedido de concessão de estatuto consultivo, deve existir há pelo menos 2 anos; Deve ter autoridade para falar em nome dos seus membros; Deve ter uma estrutura representativa; Deve ter mecanismos de responsabilização apropriados; Deve fornecer ao Comité relatórios sobre a sua situação financeira, incluindo informação sobre as contribuições recebidas e outros apoios e despesas, directos ou indirectos. O Comité das ONG do ECOSOC pode conceder o estatuto consultivo às ONG ligadas a uma organização internacional que já beneficie de estatuto consultivo junto do Conselho, desde que essas ONG demonstrem que o seu programa de trabalho é directamente pertinente para os objectivos e fins das Nações Unidas. Uma organização que solicite o estatuto consultivo tem de provar que, à data do recebimento do pedido pelo Secretariado, já existia há pelo menos dois anos. Resolução 1996/31 do ECOSOC, parte IX, ponto 61, alínea h) 26

31 Seis passos simples para obter o estatuto consultivo junto do ECOSOC: Nas páginas seguintes, descreve-se minuciosamente cada um dos passos do processo de candidatura. Os passos do processo de candidatura e da posterior apreciação e aprovação do seu pedido pelo ECOSOC são os seguintes: 1. Criação do perfil da sua organização; 2. Apresentação em linha do pedido, que inclui um formulário próprio e documentos comprovativos; 3. Verificação do pedido pelo Escritório do Serviço das ONG, a fim de assegurar que o mesmo está completo; 4. Apreciação do pedido pelo Comité das ONG do ECOSOC, na sua sessão ordinária de Janeiro ou na continuação da sessão, em Maio, todos os anos; 5. Recomendação do Comité; 6. Decisão sobre o pedido tomada pelo ECOSOC, em Julho de cada ano Criação do perfil da sua ONG a. Vá à página inicial do NGO Branch [Serviço das ONG] (ver endereço em Contacts ) e clique em Apply for consultative status [ Pedir o estatuto consultivo ] no menu da esquerda; b. Verifique se já existe um perfil da sua organização na base de dados clicando na ligação Click here if you are not sure if your organization already has a profile [ Clique aqui se não tem a certeza se a sua organização já tem um perfil ]; 27

32 escolha Applying for consultative status [ Pedir a concessão de estatuto consultivo] como Main objective [ Objectivo principal ]. É favor certificar-se de que não apresenta o seu perfil mais do que uma vez. c. Após confirmar que não existe um perfil antigo, clique em Add organizational profile [ Acrescentar perfil da organizaçaõ ] no menu da direita; d. Create new profile [ Criar novo perfil ]; e. Preencha cuidadosamente o formulário New profile [ Novo perfil]. Todos os itens assinalados com um asterisco a vermelho (*) devem ser preenchidos. Os outros campos são de preenchimento facultativo. Em Main objective and login details [ Objectivo principal e informação sobre início de sessão ], f. Uma vez concluído o passo anterior e após o perfil ter sido aprovado pelo NGO Branch, ser-lhe-á comunicada a aprovação e receberá informação sobre a forma de iniciar a sua sessão no sítio Web. Depois de ter sido notificado da aprovação, pode continuar apresentando em linha o seu pedido de concessão do estatuto consultivo junto do ECOSOC. A aprovação de um perfil leva alguns dias. Certifique-se de que o endereço electrónico que indicou funciona e consulte a sua caixa do correio com frequência, pois aquele endereço será utilizado para todas as futuras comunicações sobre o seu pedido. 28

33 2. Apresentação do pedido através da internet O seu pedido de concessão do estatuto consultivo deve ser apresentado em linha até 1 de Junho do ano anterior àquele em que a sua organização pretende que seja apreciado pelo Comité. O pedido pode ser feito em inglês ou francês, as duas línguas de trabalho das Nações Unidas. Consiste num formulário online e em documentos comprovativos que devem ser também ser apresentados online como ficheiros electrónicos, nomeadamente: AUma cópia do acto constitutivo/carta da sua organização e/ou dos seus estatutos/pacto social e alterações a esses documentos (nos termos do ponto 10 da Resolução 1996/31 do ECOSOC); Uma cópia da certidão de registo. Nos termos da Resolução 1996/31, a organização deve provar que existia há pelo menos dois anos à data da recepção do pedido pelo Secretariado; Uma cópia do relatório sobre a situação financeira e do relatório anual mais recentes da organização; Exemplares de publicações e artigos ou declarações recentes e um organigrama, se existir. Todos os documentos apresentados, excluindo as publicações, devem também ser traduzidos para inglês ou francês. Para apresentar o seu pedido: a. Vá à página inicial do NGO Branch [Serviço das ONG] e inicie a sessão clicando em Login for the icso database [ Inicie a sessão para aceder à base de dados icso ]; b. Clique no separador Consultative status [ Estatuto consultivo ], desloque o cursor para baixo e clique em Submit application [ Apresentar pedido]; 29

34 por texto a vermelho. Quando tiver a certeza de que o seu formulário está completo, clique em Submit [ Apresentar ] e. Tem também de apresentar os documentos necessários, conforme já foi referido. Para isso, seleccione o separador Documents [ Documentos ]. Todos os documentos devem ser entregues através da Internet, caso contrário o seu pedido não será processado. c. Preencha o formulário. Não deixe campos por preencher. Procure ser breve e conciso. Guarde a informação de 20 em 20 minutos, a fim de não perder o seu trabalho. d. Se faltar alguma informação no seu formulário ou se este contiver algo errado, isso será indicado no ecrã 30

35 Lista de verificação do pedido: Responda a todas as perguntas. Não deixe nenhuma pergunta em branco; se uma pergunta não se aplicar à sua organização, pode escrever not applicable [ não se aplica ]. Seja claro, breve e conciso. Lembre-se de anexar todos os documentos solicitados e as respectivas traduções. Certifique- -se de que todos os documentos digitalizados são legíveis. Utilize caracteres normais. Não use LETRAS MAIÚSCULAS nem símbolos. Use a terminologia correcta das Nações Unidas quando se referir a países e territórios. É favor consultar o sítio Web da terminologia da ONU em Se necessitar de fazer perguntas, não hesite em contactar o NGO Branch [Serviço das ONG] através do seu sistema de mensagens electrónicas clicando na ligação Contact us [ Contacte-nos ] na página inicial. 31

36 3. Verificação do pedido O Serviço das ONG do Departamento das ONG do Departamento dos Assuntos Económicos e Sociais (Secretariado da ONU) é responsável por fazer uma triagem dos pedidos recebidos antes de os remeter ao Comité das ONG do ECOSOC para apreciação na sessão seguinte deste último. O Serviço das ONG dá apoio ao Comité das ONG e participa no processo de análise dos pedidos, a fim de prestar aconselhamento e informação sobre as ONG aos representantes do sistema das Nações Unidas, aos Estados-Membros e à sociedade civil. O trabalho do Serviço das ONG vai desde a supervisão dos procedimentos administrativos e de segurança, com vista a facilitar o acesso às instalações das Nações Unidas, até à formação, informação e aconselhamento sobre aspectos de fundo da contribuição das ONG para os objectivos das Nações Unidas. O período entre 1 de Junho e a sessão seguinte do Comité das ONG é dedicado à apreciação dos pedidos pelo Serviço das ONG. Quando este recebe o seu pedido, procede à sua análise, a fim de verificar se está completo e se é claro. O objectivo é assegurar que as ONG forneçam todas as informações e documentos, para que os seus pedidos estejam prontos para ser analisados pelo Comité das ONG na próxima sessão agendada do mesmo. Uma vez que o seu pedido tenha sido considerado completo, a sua organização receberá uma carta informando-a da data da sessão do Comité das ONG em que o mesmo será submetido à apreciação dos membros do Comité. 32

37 4. Apreciação do seu pedido pelo Comité das ONG O Comité das ONG é um órgão subsidiário do ECO- SOC, composto por 19 Estados-Membros eleitos com base numa representação geográfica equitativa. Entre eles incluem-se cinco membros dos Estados africanos, quatro membros dos Estados asiáticos, dois membros dos Estados da Europa Oriental, quatro membros dos Estados latino-americanos e das Caraíbas e quatro membros dos Estados da Europa Ocidental e de outros Estados. Ser-lhe-á permitido ter mais de dois representantes da sua organização presentes na sessão em que for analisado o seu pedido de estatuto consultivo. A sua presença poderá proporcionar à sua organização a oportunidade de responder a perguntas ou pedidos de esclarecimento do Comité das ONG. No entanto, a presença nas sessões do Comité não é uma garantia de que os seus representantes serão chamados a responder a perguntas do Comité. É de notar que a presença de representantes da ONG não é obrigatória e não afectará de modo algum o resultado da apreciação do seu pedido. As perguntas feitas pelos membros do Comité são sempre apresentadas através do sistema electrónico, onde as ONG que formularam um pedido as podem ver e responder-lhes, conforme necessário. O sistema constitui um meio eficaz de comunicar com o Secretariado e os membros do Comité durante a apreciação do pedido nas sessões do Comité. O Serviço das ONG possui um sistema baseado na Web que permite que as organizações apresentem as suas respostas de uma maneira directa e rápida. O Secretariado analisará as respostas recebidas através desse sistema e enviá-las-á aos membros do Comité das ONG. Todas as informações, incluindo as perguntas dirigidas pelo Comité à sua organização, serão apresentadas através do referido sistema. Do mesmo modo, as suas respostas deverão ser enviadas através do sistema, a fim de facilitar e acelerar a apreciação do seu pedido pelo Comité. 33

38 5. O Comité faz uma recomendação O Comité das ONG reúne duas vezes por ano, em Janeiro e em Maio, para considerar os pedidos das ONG que tenham solicitado a concessão de estatuto consultivo. As recomendações do Comité são posteriormente remetidas ao Conselho Económico e Social para que este tome uma decisão sobre as mesmas durante o Debate de Alto Nível do ECOSOC, em Julho. As ONG cujos pedidos tenham sido analisados recebem uma nota oficial a informá-las da recomendação do Comité. As recomendações do Comité das ONG são posteriormente publicadas num relatório que é colocado no sítio Web do Serviço das ONG. Todos os comunicados de imprensa pertinentes sobre o seu pedido são também ali apresentados. As recomendações feitas pelo Comité em cada uma das suas sessões (Janeiro e Maio) são enviadas ao Conselho, para que este tome uma decisão ao reunir-se em Julho de cada ano. Por conseguinte, só se considera que a organização tem estatuto consultivo junto do ECOSOC após a conclusão da reunião anual do Conselho em Julho. O Comité pode recomendar uma de três categorias de estatuto consultivo (geral, especial ou roster ) ou decidir adiar a análise do pedido para a sessão seguinte enquanto aguarda esclarecimentos ou respostas. Assim, é extremamente importante que as ONG respondam às perguntas e pedidos de esclarecimento rapidamente, quando tal lhes for solicitado. É também importante manter actualizadas todas informações sobre contactos no perfil da ONG, especialmente o principal endereço electrónico, uma vez que é o único meio de ser informado das perguntas feitas. Os três tipos de estatuto consultivo concedidos dependem do tipo de organização. São os seguintes: Estatuto geral, atribuído a ONG que representam grandes segmentos das sociedades de vários países. A sua esfera de trabalho abrange a maioria das questões constantes da ordem de trabalhos do ECOSOC e dos seus órgãos subsidiários. Trata-se, em geral, de ONG internacionais e já estabelecidas, com uma ampla implantação geográfica. 34

39 O estatuto especial é reservado para ONG com competência especial em, ou ligadas apenas a algumas áreas de actividade do ECOSOC. Em regra, trata-se de ONG mais pequenas, criadas mais recentemente. O estatuto roster é atribuído a ONG cujo trabalho incide em áreas mais técnicas e/ou restritas e que dão contributos ocasionais e úteis para o trabalho do ECO- SOC e dos seus órgãos subsidiários. Caso não possa assistir às sessões, são produzidos comunicados de imprensa destinados a mantê-lo informado das recomendações do Comité e das decisões do ECOSOC. 35

40 6. Decisão final do ECOSOC O estatuto consultivo junto do ECOSOC é regulado pelos princípios enunciados na Resolução 1996/31. O ECOSOC é composto por 54 Estados-Membros eleitos pela Assembleia Geral por mandatos de três anos, podendo ser reeleitos para mandatos consecutivos. Os lugares no Conselho são atribuídos com base na representação geográfica: 14 para os Estados africanos, 11 para os Estados asiáticos, 6 para os Estados da Europa Oriental, 10 para os Estados latino-americanos e das Caraíbas e 13 para os Estados da Europa Ocidental e outros Estados. O ECOSOC é responsável por tomar a decisão final, que é o último passo do processo de candidatura. Depois de o Comité das ONG fazer a sua recomendação, o ECOSOC analisa-a na sua sessão seguinte, geralmente realizada em Julho do mesmo ano. Durante esta reunião, o ECOSOC toma conhecimento dos relatórios das duas sessões do Comité das ONG e toma uma decisão final. Só depois de o ECOSOC ter tomado uma decisão é concedido o estatuto consultivo à ONG, à qual é então enviada uma carta. 36

41 Relatórios quadrienais As organizações com estatuto consultivo geral ou especial devem apresentar, de quatro em quatro anos, ao Comité de Organizações Não Governamentais do Conselho, através do Secretário-Geral, um breve relatório sobre as suas actividades, e, mais especificamente, sobre o apoio por elas prestado ao trabalho das Nações Unidas. Resolução 1996/31 do ECOSOC, parte IX, ponto 61, alínea c) A contribuição para a realização dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio e para o trabalho das Nações Unidas é uma das principais finalidades da atribuição do estatuto consultivo às ONG. Uma vez obtido o estatuto consultivo por uma ONG, o Comité das ONG do ECOSOC acompanha os contributos da mesma para o trabalho do Conselho. Um dos principais requisitos que a ONG com estatuto consultivo tem 37

42 de cumprir é apresentar um relatório ao Comité, através do Serviço de ONG, de quatro em quatro anos. Esse relatório deverá incluir uma breve descrição das actividades da organização, salientando em especial o seu contributo para o trabalho das Nações Unidas, nomeadamente os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio e outros objectivos acordados internacionalmente. Pode obter directrizes sobre a formatação e o conteúdo do relatório quadrienal em Tem duas opções para apresentar o relatório: Opção 1 (recomendada): Apresentar o relatório em linha através do sítio Web do NGO Branch [Serviço das ONG]. Ir para a página inicial do NGO Branch e iniciar a sessão clicando em Login para aceder a ICSO database. Uma vez aqui, clicar no separador Consultative status [Estatuto consultivo], seguidamente em Quadrennial reports [Relatórios quadrienais] e depois em Update reports [Actualizar Relatórios] e preencher as caixas apropriadas.»opção» 2: Enviar o relatório para o Serviço de ONG por correio electrónico, dirigido a anexando-o como documento Word. Seis meses antes da data fixada para a apresentação do seu relatório quadrienal, o Serviço das ONG enviar-lhe-á uma nota a recordar-lhe a data em que o mesmo deve ser entregue e informando-o das sanções em que incorre se o relatório não for recebido dentro do prazo estabelecido. Certifique-se de que a informação sobre os contactos da sua organização está correcta acedendo à sua conta e actualizando a referida informação no separador Profile [Perfil]. Quais as consequências de não apresentar o meu relatório? A secção Medidas para melhorar os procedimentos de apresentação de relatórios quadrienais da Resolução 2008/4 do ECOSOC estabelece medidas específicas para o caso de uma ONG não apresentar o relatório a tempo, designadamente: Um mês depois de terminar o prazo para a apresentação do relatório, o Serviço das ONG enviar-lhe-á uma nota a solicitar a entrega do relatório em atraso até 1 de Janeiro do ano seguinte. 38

43 Se não for recebido um relatório até 1 de Janeiro, o Serviço das ONG enviará uma última carta a solicitar que o mesmo seja apresentado até 1 de Maio. Se o relatório não for recebido até esta data, o Comité das ONG recomendará a suspensão imediata do estatuto consultivo da sua organização durante um ano. Se o Conselho decidir suspender o seu estatuto consultivo, será informado desse facto e ser-lhe-á pedido que envie o relatório quadrienal de modo que o mesmo seja recebido até 1 de Maio do ano seguinte. e o relatório não for apresentado ao Serviço das ONG pela sua organização dentro desse prazo, o Comité das ONG do ECOSOC recomendará ao Conselho que retire o estatuto consultivo à sua organização. 39

44 40

45 Contactos e ligações úteis NGO Branch Office of ECOSOC Support and Coordination Department of Economic and Social Affairs United Nations (Serviço das ONG de Apoio ao ECOSOC e de Coordenação, Departamento dos Assuntos Económicos e Sociais, Nações Unidas) Endereço: One United Nations Plaza, Room DC1-1480, New York, NY Telefone: Fax: Mensagens para o NGO Branch (Serviço das ONG): Clique na ligação Contact us na página inicial. Sítio Web: Ligações CSO net: Quadrennial reports (Relatórios quadrienais): UN ground passes (Cartões de acesso às instalações da ONU): Civil society database (Base de dados sobre a sociedade civil): Functional commissions (Comissões técnicas): ECOSOC Committee on NGOs (Comité das ONG do ECOSOC) Endereço: One United Nations Plaza, Room DC1-1480, New York, NY Telefone: Fax: Mensagens para o Comité: Clique na ligação Contact us na página inicial do NGO Brance (ver acima). Sítio Web: Commission on Sustainable Development (Comissão de Desenvolvimento Sustentável) Endereço: 2 United Nations Plaza, Room DC2-2220, New York, NY USA Fax: Mensagens para a CDS: Clique na ligação Contact us na página inicial. Sítio Web: (página inicial da CDS) (participação das ONG) 41

46 Commission on the Status of Women (Comissão sobre o Estatuto da Mulher) Endereço: 2 United Nations Plaza, Room DC2-1250, New York, NY 10017, USA Fax: Mensagens para a CEM: Clique na ligação Contact us na página inicial. Sítio Web: html (página inicial da CEM) html (participação das ONG) Commission for Social Development (Comissão de Desenvolvimento Social) Endereço: 2 United Nations Plaza, Room DC2-1320, New York, NY USA Fax: (DSPD) Mensagens para a Comissão de Desenvolvimento Social: Clique na ligação Contact us na página inicial. Sitio Web: CommissionforSocialDevelopment.aspx (página inicial da Comissão de Desenvolvimento Social) (participação das ONG) Permanent Forum on Indigenous Issues (Fórum Permanente sobre as Questões Indígenas) Endereço: 2 United Nations Plaza, Room DC2-1454, New York, NY 10017, USA Telefone: Fax: Sítio Web: Commission on Population and Development (Comissão de População e Desenvolvimento) Endereço: 2 United Nations Plaza, Room DC2-1950, New York, NY USA Telefone: Fax: Sítio Web: htm (participação das ONG) 42

Trabalhando com o. Guia para ONGs Como obter o Status Consultivo. Organização das Nações Unidas Nova York, 2012

Trabalhando com o. Guia para ONGs Como obter o Status Consultivo. Organização das Nações Unidas Nova York, 2012 Trabalhando com o Guia para ONGs Como obter o Status Consultivo Organização das Nações Unidas Nova York, 2012 Índice As Nações Unidas e as ONGs....1 O ECOSOC e os seus órgãos subsidiários....3 Status consultivo

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes ICC 110-13 Rev. 1 23 março 2015 Original: inglês P Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos Antecedentes O presente documento contém os termos de referência atualizados para os seguintes

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA AS ENTIDADES FORMADORAS ÍNDICE OBJECTIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Guia de Depósito Teses

Guia de Depósito Teses Guia de Depósito Teses Descreva o documento que está a depositar Página 1 Se seleccionar todas as opções nesta página, visualizará um formulário diferente, modificado com o intuito de capturar informações

Leia mais

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011 FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011 1. Introdução O Fundo NEPAD/Espanha para Capacitação das Mulheres (NSF) tem a honra

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.au.int ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO Distr. LIMITADA LC/L.3659(CRM.12/2) 2 de agosto de 2013 PORTUGUÊS ORIGINAL: ESPANHOL Décima Segunda Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e do Caribe Santo Domingo, 15 a 18 de outubro de

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Plus500 Ltd. Política de privacidade

Plus500 Ltd. Política de privacidade Plus500 Ltd Política de privacidade Política de privacidade Declaração de privacidade da Plus500 Proteger a privacidade e salvaguardar os dados pessoais e financeiros dos nossos clientes e dos visitantes

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html B-Bruxelas: Serviços de apoio à promoção de talento Web na Europa através do incentivo à utilização

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO 15 de Junho de 2006 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: FRANCÊS Quinquagésima-sexta sessão Addis Abeba, Etiópia, 28 de Agosto - 1 de Setembro de 2006 REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

National Endowment for Democracy (Fundo Nacional para a Democracia) Apoiando a liberdade em todo o mundo

National Endowment for Democracy (Fundo Nacional para a Democracia) Apoiando a liberdade em todo o mundo National Endowment for Democracy (Fundo Nacional para a Democracia) Apoiando a liberdade em todo o mundo Instruções para Usar a Inscrição Online O NED tem um processo de apresentação de proposta online

Leia mais

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 DOCUMENTO DE BUENOS AIRES SOBRE O MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. N Recomendação Estado de Implementação Desafios. Comissão da União Africana

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. N Recomendação Estado de Implementação Desafios. Comissão da União Africana Comissão da União Africana 1. Solicitar à CUA para que organize, enquanto aguardar-se pela implementação plena das decisões pertinentes sobre a operacionalização dos Comités Técnicos Especializados (CTE),

Leia mais

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA Resolução da Assembleia da República n.º 31/98 Acordo Que Institui o Laboratório Europeu de Biologia Molecular, concluído em Genebra em 10 de Maio de 1973, no âmbito do Acordo Relativo à Criação da Conferência

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Com o apoio financeiro do programa Prevenir e combater a criminalidade da União Europeia Comissão Europeia Direcção-Geral dos Assuntos Internos

Com o apoio financeiro do programa Prevenir e combater a criminalidade da União Europeia Comissão Europeia Direcção-Geral dos Assuntos Internos Guia Como se candidatar a ajuda financeira para uma Equipa de Investigação Conjunta? Ao abrigo do programa Prevenir e combater a criminalidade, 1 a Eurojust recebeu uma subvenção da Comissão Europeia,

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978

Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978 Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978 O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Aprovado pela resolução AG/RES. 447 (IX-O/79), adotada pela Assembléia Geral da OEA, em seu Nono Período Ordinário de Sessões, realizado em La Paz,

Leia mais

Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal

Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal Lisboa, 25 de Julho de 2105 Sessão de abertura (agradecimentos; este seminário

Leia mais

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual de Utilização Direcção dos Serviços de Economia do Governo da RAEM Novembro de 2014 SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

Guia passo a passo para o preenchimento do formulário de candidatura. Junho 2008

Guia passo a passo para o preenchimento do formulário de candidatura. Junho 2008 Guia passo a passo para o preenchimento do formulário de candidatura Junho 2008 ÍNDICE 1. Instruções gerais... 2 2. Parceria... 4 3. Grupos de tarefas... 8 4. Indicadores... 13 5. Preenchimento das outras

Leia mais

VERSÃO CONSOLIDADA DA CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONFORME PROTOCOLO DE EMENDAS À CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO

VERSÃO CONSOLIDADA DA CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONFORME PROTOCOLO DE EMENDAS À CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO VERSÃO CONSOLIDADA DA CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONFORME PROTOCOLO DE EMENDAS À CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro 1. A Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas tem por objectivo promover, desenvolver e divulgar

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

Conselho de Segurança

Conselho de Segurança Nações Unidas S Conselho de Segurança Distribuição: Geral S/RES/1267 (1999) 15 de Outubro de 1999 RESOLUÇÃO 1267 (1999) Adoptada pelo Conselho de Segurança na sua 4051ª sessão, em 15 de Outubro de 1999

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO Em 1986 a Organização Mundial de Saúde (OMS) lança o projeto Cidades Saudáveis em 11 cidades europeias. O propósito desta iniciativa visou fortalecer

Leia mais

(Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU

(Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU 4.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 229/1 II (Comunicações) COMUNICAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA PARLAMENTO EUROPEU Regulamento da Conferência dos Órgãos Especializados

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 011-551 7700 Fax : 011-551 7844 website : www. au.int Criada como um organismo Pan-africano continental único,

Leia mais

XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Maputo, 18 de Julho de 2013 Resolução sobre a Luta Contra o Trabalho Infantil na CPLP O Conselho de Ministros

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Regulamento do Provedor do Cliente da UNICRE, Instituição Financeira de Crédito, S.A.

Regulamento do Provedor do Cliente da UNICRE, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Regulamento do Provedor do Cliente da UNICRE, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Artigo 1º Funções O Provedor do Cliente é uma entidade independente das estruturas hierárquicas da UNICRE, que funciona

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR. 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência

AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR. 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência RECURSOS HUMANOS Recrutamento e evolução de carreira AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência SOMOS O Tribunal de Contas Europeu

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais