A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NA PERCEPÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMICO EM TRATAMENTO EM UMA COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO VALE DOS SINOS 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NA PERCEPÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMICO EM TRATAMENTO EM UMA COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO VALE DOS SINOS 1"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NA PERCEPÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMICO EM TRATAMENTO EM UMA COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO VALE DOS SINOS 1 Fernanda Ribeiro de Souza 2 Silvia Dutra Pinheiro 3 RESUMO A dependência química faz parte da vida de diversas famílias. Alguns autores citados neste artigo, entre eles Campos (2004) e Kalina (1988), referem que mesmo que só um membro da família tenha desenvolvido a dependência química, todos precisam de tratamento, pois a família adoece junto, afirmando ser muito difícil ajudar o dependente, se a família não buscar ajuda. Considerando esta realidade, o objetivo desse estudo foi identificar a importância da família na recuperação do dependente químico em tratamento. Participaram deste estudo dez dependentes químicos que estão em tratamento em uma comunidade terapêutica do Vale dos Sinos. Foram realizadas entrevistas por pautas, gravadas e transcritas para posterior exploração, mediante método de Análise de Conteúdo. Verificou-se com esse estudo que a família é essencial para o tratamento do dependente químico, sendo que os indivíduos acreditam que apoio não precisa ser manifestado através do diálogo, basta estar perto para que ele ocorra. Palavras-chave: Dependência Química. Família. Comunidade Terapêutica. INTRODUÇÃO O presente artigo refere-se a um estudo realizado com dependentes químicos em tratamento em uma comunidade terapêutica, visando a identificar a importância da família na percepção destes indivíduos em tratamento. Dados do Levantamento Domiciliar sobre o Uso de Substâncias no Brasil, promovido pela Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD), realizado em 2005, denunciam que, em 108 cidades brasileiras com mais de 200 mil habitantes, 12,3% das pessoas com idade entre 12 e 65 anos são dependentes de bebidas alcoólicas. O primeiro levantamento, realizado em 2001, 1 Artigo de pesquisa apresentado ao Curso de Psicologia das Faculdades Integradas de Taquara, como requisito parcial para aprovação na disciplina Trabalho de Conclusão II. 2 Acadêmica do Curso de Psicologia da FACCAT. Endereço Postal: Rua: Santa Helena, 968, Sapiranga-RS. 3 Psicóloga, Mestre em Psicologia Clínica (PUCRS), Docente do Curso de Psicologia da FACCAT e Orientadora do Trabalho de Conclusão. Endereço Postal: Av.Oscar Martins Rangel, 4500/RS

2 2 indicava um total de 11,2% dependentes. O estudo também aponta o aumento do consumo de álcool em faixas etárias cada vez mais precoces. O número de dependentes, na faixa de 12 a 17 anos, era de 5,2% contra 7%, em (BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). Conforme pesquisa realizada pelo Centro Brasileiro de Informações Sobre drogas (UNIFESQ), para o qual foram ouvidas 3 mil pessoas, em 143 cidades do país, verificou-se que 96% dos entrevistados apóiam as restrições às propagandas de bebidas alcoólicas (ibid, 2006). O problema da dependência química é visto como resultado de uma falta de adaptação à realidade e uma ausência de habilidade do indivíduo em lidar com o meio social, ou ainda de uma incapacidade em resolver os problemas que a vida lhe apresenta (SILVA, 2000). De certa forma, estudiosos do assunto corroboram com esta idéia, entendendo a dependência química como multifatorial. Schenker e Minayo (2004) relacionam a dependência ao funcionamento do indivíduo, devido aos problemas que surgem em sua vida, sejam eles sociais e cognitivos. São fatores biológicos, sociais e psicológicos que influenciam o seu aparecimento. (BLEFARI, 2002) Os fatores biológicos, explica o autor, estão relacionados ao organismo de cada indivíduo, enquanto que os psicológicos referem-se à personalidade de cada sujeito, os seus medos, ansiedade, insegurança para enfrentar as diversas situações na vida cotidiana. Ao se falar em fatores sociais está se relacionando com o grupo familiar e a cultura em que está inserido. Este estudo teve como objetivo identificar a importância da família na recuperação do dependente químico em tratamento em uma comunidade terapêutica do Vale dos Sinos, buscando investigar ainda o significado, a inserção e a influência dessa família na recuperação, além de compreender a visão do drogadito sobre as relações familiares que se estabelecem antes, durante e depois do tratamento. 1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 1.1 Família Gomes (1987) define família como um sistema semi-aberto, onde ninguém é mais que ninguém, todos são iguais. Da mesma forma que ganha vários benefícios da sociedade, também fornece. Já Minuchin (1990) coloca que a família é um sistema aberto em constante

3 3 transformação, tentando adaptar-se às diversas situações existentes em seu desenvolvimento. Para o autor, a estrutura familiar tem a finalidade de organizar os membros da família para uma melhor interação. Assim é necessário que a estrutura se reorganize diante das diferentes situações que surgem. A família é uma sociedade humana, onde os indivíduos interagem diretamente, através de relações emocionais e da história de que ambos fazem parte. Para o autor, é muito importante às famílias o auxílio de pessoas qualificadas, visto que aquela representa a principal rede de apoio do dependente químico, tornando-a mais preparada para enfrentar a situação. Afirma, ainda, que o dependente tem muito mais condições de deixar dessa situação com a ajuda da família de origem, do que com a ajuda da esposa (ORTH, 2005). Dentro da estrutura familiar existem as fronteiras que são regras que definem quem participa e como, tendo como função proteger as diferenças existentes nos membros da família. É possível definir fronteira difusa, como sendo as famílias emaranhadas, não existindo espaço individual definido, gerando grande polêmica em torno dos conflitos existentes. Pode-se, ainda, relacionar as fronteiras rígidas como sendo as famílias desligadas, citando-se, como exemplo, a despreocupação dos pais com os filhos que enfrentam dificuldades na escola e negligenciam este fato. A fronteira nítida é a mais saudável, como exemplo, é possível dizer de uma família onde os filhos podem saber de informações referentes à família, porém não precisam saber dos detalhes específicos que não lhes dizem respeito (MINUCHIN, 1990). Campos (2004) refere que mesmo que só um membro da família tenha desenvolvido a dependência, todos precisam de tratamento, pois a família adoece junto. Kalina (1988) corrobora com esta idéia e acrescenta que é muito difícil conseguir ajudar o dependente químico se a família não buscar ajuda, sendo que uma das estratégias utilizadas é a terapia familiar. O tratamento para a família é focado na mudança, crescimento e transformação para poderem ajudar o membro familiar que está passando pela situação de dependência (ORTH, 2005). Dentro da estrutura familiar existem os subsistemas que podemos definir como democracia com hierarquia. Os subsistemas dividem-se em: a) subsistema conjugal formado pelo casal, como marido e mulher; b) subsistema parental, composto pelo casal, mas como pais; c) subsistema fraternal, constituído pelos filhos na relação entre irmãos (MINUCHIN, 1990). A família que está com um membro dependente está passando por uma crise estruturada. A tensão pode ser manifesta, ou seja, a família pode se unir e os de fora oferecem

4 4 ajuda e, na maioria das vezes, é oculta, onde ninguém fica sabendo de nada e, portanto, não conseguem ajudar. A maioria das famílias disfuncionais passa por crises desse tipo. Estas são as mais difíceis de tratar, pois a crise é um esforço para evitar a mudança (ibid, 1990). 1.2 Dependência Química O problema da dependência química é visto como resultado de uma falta de adaptação à realidade e uma ausência de habilidade do indivíduo em lidar com o meio social, ou ainda de uma incapacidade em resolver os problemas que a vida lhe apresenta (SILVA, 2000). Da mesma forma, Schenker e Minayo (2004) entendem que a dependência está relacionada ao funcionamento do indivíduo, devido aos problemas que surgem em sua vida, sejam eles sociais ou cognitivos. A personalidade vai se estruturando, conforme estão sendo compreendidas as suas necessidades. O indivíduo (criança) que recebe carinho, atenção, limite adequado, tem maior possibilidade de tornar-se um adulto centrado. Ao contrário, se o indivíduo for tratado com falta de carinho, falta de amor e impaciência tem muito mais chances de se tornar uma pessoa frustrada, com comportamentos desapropriados e dificuldades emocionais, tendo, assim, uma baixa estrutura para resolver seus conflitos. É na família que o ser humano aprende, através dos comportamentos do seu grupo familiar (BLEFARI, 2002). A dependência química não é percebida com facilidade em famílias que possuem outras patologias. A origem da dependência está na falta de amor e na negligência das famílias (FREITAS, 2002). Assim, a dependência química pode surgir para resolver um conflito familiar, como por exemplo, a fase da adolescência na qual os filhos já estão se tornando independentes. Com o fim da dependência do filho, em que os pais centralizam a atenção nessa situação, os conflitos que foram guardados começam a ressurgir, podendo, assim, possibilitar que o filho retorne ao comportamento da drogadição (ORTH, 2005). Desta forma, a dependência pode ser compreendida pelos problemas que o indivíduo carrega e as influências, tanto sociais como cognitivas, e o uso abusivo de substâncias é um comportamento aprendido. Portanto, focar o tratamento no indivíduo nem sempre será mais satisfatório, sendo melhor que as intervenções sejam focadas da família para o indivíduo (SCHENKER e MINAYO, 2004). O diagnóstico de dependência química é baseado em sinais e sintomas, com critérios claros e que permitem verificar a existência de diversos graus de dependência (ORTH, 2005). Segundo o DSM-IV-TR (2003, p. 212), a dependência química caracteriza-se por:

5 5 Um padrão mal adaptativo de uso de substâncias, levando a comprometimento ou sofrimento clinicamente significativo, manifestado por três (ou mais) dos seguintes critérios em qualquer momento no mesmo período de 12 anos: (1) Tolerância, definida por qualquer um dos seguintes aspectos: (a) Necessidade de quantidades progressivamente maiores da substância, para obter a intoxicação ou efeito desejado; (b) Acentuada redução do efeito com o uso continuado da mesma quantidade de substância; (2) Abstinência, manifestada por qualquer dos seguintes aspectos: (a) Síndrome de abstinência característica da substância; (b) A mesma substância (ou uma substância estreitamente relacionada) é consumida para aliviar ou evitar sintomas de abstinência; (3) A substância é freqüentemente consumida em maiores quantidades ou por um período mais longo do que o pretendido; (4) Existe um desejo persistente ou esforço mal-sucedido no sentido de reduzir ou controlar o uso da substância; (5) Muito tempo é gasto em atividades necessárias para a obtenção da substância, na utilização da substância ou recuperação de seus efeitos; (6) Importantes atividades sociais, ocupacionais ou recreativas são abandonadas ou reduzidas em virtude do uso da substância; (7) O uso da substância continua apesar da consciência de ter um problema físico ou psicológico persistente ou recorrente que tende a ser causado ou exacerbado pela substância. Barreto (2000) diz: A droga funciona como uma poção mágica e dá a ilusão de que os problemas foram superados ou resolvidos. Na falta da poção mágica o indivíduo apresenta sintomas como nervosismo, inquietação, ansiedade, impulso para conseguir a substância a qualquer custo (p.7). Assim, a dependência física ocorre quando a substância é utilizada com freqüência e em grande quantidade; desta forma, o organismo acostuma com a substância e, quando retirada bruscamente, ocorre a síndrome de abstinência, provocando um desequilíbrio no organismo. Já a dependência psíquica ocorre quando o sujeito é praticamente dominado pela substância, e com a sua ausência sente-se mal (ibid, 2000). 1.3 Comunidade Terapêutica Comunidade terapêutica é definida por Sabino e Cazenave (2005) como uma forma de tratamento residencial, promovendo mudanças ao seu redor para evitar uma possível tentativa de consumir drogas. O objetivo desses locais é ajudar o dependente químico no seu amadurecimento pessoal e favorecer sua reinserção à sociedade. Os principais fatores organizacionais das comunidades terapêuticas, conforme Kalina e Kovadloff (1988), são:

6 6 a) A comunidade terapêutica é um local social, que busca a aprendizagem para um melhor comportamento; b) Existem normas e tarefas para uma boa convivência no local de tratamento; c) Faz parte das normas a abstinência da droga; d) A instituição trabalha a partir da disciplina e de um plano de educação para os regentes; e) A ordem de hierarquia é estabelecida conforme os ganhos de cada indivíduo; f) As mudanças nas instituições são estabelecidas conforme a ordem hierárquica; g) A comunidade terapêutica é um grupo, onde cada um é responsável por determinada tarefa; h) A possibilidade de mudança depende das condições em que a instituição se encontra; i) Para que aconteça mudança é preciso interação entre os residentes; j) A família está envolvida em três etapas: reunião semanal de terapia; reunião mensal multifamiliar, e, tendo bons resultados no tratamento, a família ajuda com projetos preventivos; k) A comunidade terapêutica não terá sucesso, caso não aceite o indivíduo com sua individualidade. Não se sabe até quando o indivíduo que está por um determinado período sem utilizar substâncias vai poder ajudar a pessoa que recentemente foi em busca de tratamento. Isso nos faz pensar até quando o trabalho de um profissional qualificado poderá ser feito por um regente (SABINO e CAZENAVE, 2005). Já Neiva-Silva e Carvalho (2007) acreditam que os dependentes que estão há mais tempo em tratamento têm um importante papel no que diz respeito a incentivar novos comportamentos e visões referentes ao uso de drogas. Muitas pessoas que trabalham nas comunidades terapêuticas já tiveram problemas devido à dependência química, sejam eles mesmos ou por familiares. Sabino e Cazenave (2005) concluem que é muito importante que a comunidade terapêutica abra espaço para os grupos de auto-ajuda, como Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos e Amor Exigente, para que assim possa ocorrer a troca de sentimentos e situações entre os indivíduos. O principal responsável pelo tratamento é o próprio dependente, mas claro que sempre que necessário recebe ajuda do grupo e de profissionais da saúde que estão qualificados para a situação.

7 7 2 MÉTODO O presente estudo caracteriza-se como descritivo-exploratório, de caráter qualitativo. Segundo Woiler (1996), a pesquisa qualitativa obtém dados de um pequeno número de casos sobre um grande número de variáveis. Minayo (1994) explica que a pesquisa qualitativa trabalha com o universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, o que corresponde a um espaço mais profundo das relações dos processos e dos fenômenos que não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis. Bardin (1979) corrobora com os autores acima, indicando que a pesquisa qualitativa deve ser usada quando desejamos entender porque o indivíduo faz determinada coisa. Marconi & Lakatos (1999) referem que um estudo exploratório se caracteriza por enfatizar a descoberta de idéias e discernimentos, podendo-se, assim, definir esse estudo como descritivo exploratório por apresentar tais características. Neste, os participantes podem direcionar o rumo da pesquisa através da interação com o pesquisador, tornando-a menos controlável (REY, 2005). Portanto, trata-se de um método que trabalha com descrições e interpretações, e que possibilitou identificar a importância da família na recuperação do dependente químico em tratamento em uma comunidade terapêutica do Vale dos Sinos, respondendo a pergunta de pesquisa: Qual a importância que o dependente químico atribui à família para o processo de tratamento em uma comunidade terapêutica do Vale dos Sinos? 2.1 Participantes Participaram da pesquisa dez dependentes químicos do sexo masculino que estão em tratamento em uma comunidade terapêutica (tabela 1). Os participantes responderam de forma voluntária ao instrumento de coleta de dados, cientes de que o anonimato seria preservado. O único critério para a participação na pesquisa era estar em tratamento na comunidade terapêutica, sendo feita uma busca aleatória entre os residentes do local. A tabela abaixo pretende definir mais claramente os participantes da pesquisa, caracterizando-os conforme os dados de idade, estado civil, tempo de internação na comunidade terapêutica, droga de dependência e a idade de início do uso. Estas informações foram obtidas com o próprio participante, ao início da coleta de dados.

8 8 Tabela 1 Caracterização dos participantes IDADE ESTADO CIVIL TEMPO DE INTERNAÇÃO DROGA USADA INÍCIO DO USO 23 anos Solteiro 3 meses Crack 13 anos 30 anos Casado 4 meses Crack 16 anos 23 anos Solteiro 2 semanas Crack 17 anos 22 anos Solteiro 7 dias Crack 20 anos 19 anos Solteiro 7 meses Crack 13 anos 29 anos Solteiro 5 meses Crack 14 anos 30 anos Casado 11 dias Crack 15 anos 40 anos Separado 15 dias Álcool 14 anos 60 anos Casado 2 dias Álcool 20 anos 25 anos Casado 4 meses Crack 13 anos A idade dos participantes é entre 19 e 60 anos, sendo que a maioria é solteiro. O crack é a droga de preferência entre os entrevistados. A idade média do início do uso de drogas situase entre 15 e 16 anos. Em relação ao tempo de internação dos participantes a média é de 73 dias, um pouco mais de 2 meses de tratamento. O sujeito mais jovem é o que apresenta a menor idade para o início do uso de substâncias, sendo que está internado há mais tempo que os outros dependentes. 2.2 Instrumentos No presente estudo, foi utilizado como instrumento a entrevista semi-estruturada, contendo 16 perguntas abertas, as quais foram respondidas individualmente, e que serviram como roteiro para a coleta de dados (APÊNDICE). A entrevista semi-estruturada consiste em uma conversação composta por perguntas abertas, proporcionando uma maior liberdade ao informante para expressar-se (TRIVIÑOS, 1987). O autor explica que a entrevista semi-estruturada é aquela que parte de certos questionamentos básicos, apoiados em teorias e hipóteses, que interessam à pesquisa e que oferecem amplo campo de interrogativas, junto de novas hipóteses que vão surgindo à medida que recebem as respostas do informante. Desta maneira, os sujeitos, seguindo espontaneamente a linha de seu pensamento e de suas experiências dentro do foco principal colocado pela pesquisadora, participam na elaboração do conteúdo da pesquisa. Este instrumento foi testado em uma entrevista piloto com a finalidade de identificar possíveis problemas de linguagem, de estrutura lógica ou demais circunstâncias que pudessem

9 9 prejudicar a aplicação ou a compreensão adequada pelos participantes. Após a realização da entrevista piloto, foi acrescentada uma nova pergunta no roteiro de entrevista (pergunta número 5), a qual questiona quando o dependente começou a usar droga, a fim de se conseguir uma melhor identificação do perfil dos participantes, assim como uma maneira de instigá-lo na comunicação da sua história a partir do início do uso. 2.3 Procedimentos para coleta dos dados Inicialmente, o projeto foi avaliado e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa das Faculdades Integradas de Taquara (FACCAT RS), sob o protocolo 307, sendo autorizada a realização da coleta de dados. A partir de então, foi solicitado o consentimento da direção da Comunidade Terapêutica para a aplicação do instrumento na instituição. Obtida a autorização, fez-se contato com os participantes, os quais foram indicados pelo coordenador para participarem da pesquisa, sendo que todos aceitaram com facilidade. Explicitou-se o tema, os objetivos, as condições da pesquisa e o processo de coleta de dados, abrindo-se um espaço para perguntas e dúvidas, estabelecendo-se uma relação cordial. Através do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), que foi lido pelo participante, buscou-se, desta vez, a autorização de cada um que aceitava colaborar com o estudo, sendo assinado por ele e pela pesquisadora, comprometendo-se com todos os quesitos nele constados. O processo de coleta de dados teve início após o contato com a coordenação na comunidade terapêutica para combinação de data e horário, pensando no que seria mais adequado ao participante, a fim de que não fosse interrompida a rotina daqueles que se disponibilizaram a responder ao instrumento de pesquisa. A entrevista foi aplicada individualmente, em um local reservado da instituição, e gravada mediante a autorização dos respondentes. Em seguida, o material foi transcrito para posterior análise dos dados. A guarda do material original utilizado está sob responsabilidade da pesquisadora, sem nenhum acesso a qualquer outra pessoa. 2.4 Procedimentos para a análise dos dados O tratamento e a análise dos dados desta pesquisa foram realizados após a transcrição do material coletado. Para tanto, foi utilizada uma abordagem qualitativa, visando a conhecer a importância da família no tratamento dos dependentes químicos, na percepção dos

10 10 participantes da pesquisa. O método empregado foi a Análise de Conteúdo de Bardin (1977), o qual se constituiu de três etapas ao longo de todo o processo. A primeira etapa é a pré-análise, que consiste na organização do material, ou seja, organiza-se o material a ser analisado com o objetivo de torná-lo operacional, sistematizando as idéias iniciais. Os passos da pré-análise são: a) Leitura flutuante, que consiste em estabelecer o contato com os documentos a analisar e conhecer o texto, deixando-se invadir por impressões e orientações; b) Escolha dos documentos, que se baseia em demarcar o universo dos documentos a serem analisados; c) Preparação do material, que se resume na preparação formal dos documentos a serem analisados, constituindo-se novos documentos com todas as respostas de cada uma das perguntas; d) Referenciação dos índices e a elaboração de indicadores, os quais constam em determinar os índices ou temas encontrados nos documentos, definindo os seus indicadores através de recortes nos documentos. A segunda etapa é a exploração do material, fase onde os temas a serem explorados são enumerados. Esta etapa constitui-se na definição das unidades de registro e dos sistemas de categorias. E, por fim, o tratamento dos resultados, a inferência e a interpretação, as quais são utilizadas para discussão dos resultados obtidos na análise. Consiste no tratamento estatístico simples dos resultados, permitindo a elaboração de tabelas que condensam e destacam as informações fornecidas para análise. A partir do procedimento de análise exposto, definiram-se as seguintes categorias, com as respectivas subcategorias e unidades de registro: 1a. Categoria: FAMÍLIA Alicerce: 10 U.R. Formação familiar (Pai, mãe e irmãos): 9 U.R. Afeto = 8 U.R. Centro de tudo: 3 U.R. Nova chance: 2 U.R. 2ª Categoria: RELAÇÃO FAMILIAR Carência familiar: 8 U.R. Relação ambivalente: 4 U.R. Relação de apoio: 3 U.R. Comportamento de exclusão: 3 U.R. 3ª Categoria: INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA NA DEPENDÊNCIA QUÍMICA Não influenciou: 5 U.R. Influência indireta: 5 U.R.

11 11 4ª Categoria: A FAMÍLIA NO TRATAMENTO DO DEPENDENTE QUÍMICO Grupo Amor Exigente : 9 U.R. Família no grupo: 9 U.R. Sensibilizado pela família: 7 U.R. Família participativa: 7 U.R. Não recebe visita: 6 U.R. Recebe visita: 4 U.R. Satisfação: 4 U.R. Busca por iniciativa própria: 3 U.R. Família sem envolvimento: 3 U.R. 5ª Categoria: SENTIMENTO SOBRE A FAMÍLIA APÓS BUSCA DO TRATAMENTO Mudou para sentimento de afeto: 4 U.R. Mudou para sentimento de ambivalência: 4 U.R. Não mudou o sentimento de afeto: 2 U.R. 6ª Categoria: IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NO TRATAMENTO DO DEPENDENTE QUÍMICO Apoio: 8 U.R. Compreensão da doença: 8 U.R. Nula: 2 U.R. Conferência: 1 U.R. A partir das categorias definidas passa-se, então, para a discussão dos resultados da pesquisa com os achados que diversos autores trazem sobre o assunto, exemplificando-se com as próprias falas expressadas pelos entrevistados. 3 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Após a realização da análise de conteúdo das entrevistas, constatou-se a existência de seis categorias, todas com base nos relatos dos participantes, visando a responder ao problema de pesquisa proposto para este estudo: Qual a importância que o dependente químico atribui à família para o processo de tratamento em uma comunidade terapêutica do Vale dos Sinos? Com a finalidade de explorar as relações familiares do dependente químico em recuperação, no contexto de comunidade terapêutica, tomou-se como ponto de partida investigar o significado e os sentimentos que a palavra família representa para o indivíduo em tratamento. Desta forma, foi possível identificar as seguintes categorias: Família; Relação familiar; Influência da família na dependência química; A família no tratamento do dependente químico; Sentimento sobre a família após busca do tratamento; Importância da família no tratamento do dependente químico.

12 12 Blefari (2002) comenta que o indivíduo que cresce em um ambiente familiar sem amor, sem limites, sem atenção pode tornar-se um sujeito sem estrutura emocional para lidar com os problemas que vão surgindo em sua vida e, muitas vezes, acaba tornando-se usuário de drogas. Neste sentido, a categoria Família faz referência ao significado do termo para os participantes, definindo-se as seguintes subcategorias: alicerce (10 U.R.), afeto (8 U.R.), centro de tudo (3 U.R.), nova chance ( 2 U.R.), formação familiar (pai, mãe, irmãos 9 U.R.). Todos os dez participantes entendem que a família deve ser o alicerce de cada pessoa. Oito dos respondentes trazem o significado de afeto para a palavra família. Três dos dez participantes entendem a família como o centro de tudo. E dois respondentes pensam na família como uma nova chance, uma busca de reconciliação. Quando os participantes tentam definir a constituição familiar, a maioria estabelece a sua formação principal com pai, mãe e irmãos (9 U.R.); alguns ainda incluem mulher, filhos, tios e padrasto. Segundo Schenker e Minayo (2004), a família de origem é a maior influenciadora para que o indivíduo continue na dependência ou consiga sair dessa, mesmo que este seja casado. Exemplo: Nesse negócio de brigas deles [família pais e irmãos], talvez abriu o passaporte para eu ir pra rua. Quando eu via a briga deles, eu falava to indo dar uma volta, pra freqüentar outros lugares (sic.). Para Orth (2005), as famílias dos dependentes químicos representam a principal rede de apoio do indivíduo, e, se bem acompanhadas terapeuticamente, tornam-se mais bem preparadas para enfrentar a situação. A fala dos participantes reflete a idéia da autora, visto que, para os participantes, de forma unânime, a família representa o seu alicerce: Minha mãe é superprotetora, digamos que seja o alicerce, é tudo que eu tenho (sic.). Conforme Blefari (2002), o sujeito que recebe carinho, amor, atenção e limites adequados tem maiores probabilidades de tornar-se uma pessoa equilibrada, capaz de enfrentar as diversas situações que lhe proporcionará a vida. Desta forma, o relato dos entrevistados justifica a afirmação da autora, sendo que o afeto é outro significado bem expressivo apontado pela maioria dos entrevistados, conforme exemplifica a verbalização abaixo: Minha mãe, meu pai, meus familiares, irmão, tios, primos. As pessoas que vejo desde pequeno, que me dão afeto familiar (sic.).

13 13 No que diz respeito à categoria Relação familiar, os sujeitos trouxeram como subcategorias: carência familiar (8 U.R.); relação de ambivalência (4U.R.); relação de apoio (3 U.R.); comportamento de exclusão (3 U.R.). Dos dez participantes, oito registraram carência familiar, referindo sentir falta da família no sentido de não poder vê-la com freqüência. Quatro participantes ressaltaram a relação de ambivalência da família com eles, na medida em que, ora sentiam-se apoiados por esta, ora repulsados. Três depoimentos manifestaram a relação de apoio dos seus familiares, e também três sobre comportamento de exclusão na relação com a família, de forma que o sujeito afasta-se da família, excluindo-se da relação com esta. Muitos dos entrevistados relataram sentir carência da família, pois estão distantes devido ao tratamento e, também, pelas situações que ocorreram em conseqüência da dependência, sendo, muitas vezes, relacionada a problemas familiares, como briga entre os pais. Para Orth (2005), a existência da dependência pode surgir para resolver um conflito que esteja no ciclo familiar (ORTH, 2005). O recorte da fala de um dos participantes denuncia este sentimento descrito pela maioria dos respondentes: Sinto falta sim, [carência familiar] eu to consciente de várias coisas, que algum momento da minha vida eu vou terminar, só falta dois meses para terminar o tratamento, daí vou ter a minha família e vai ser até melhor (sic.). A ambivalência na relação da família com os sujeitos entrevistados mostrou-se presente nos dados coletados em 50% da amostra. Embora não expresse a voz da maioria, é um dado relevante, na medida em que denuncia a influência desta relação na constituição dos conflitos internos de cada um, gerando, a partir daí, diversas dificuldades e patologias. Orth (2005) define a relação dos pais com o filho dependente químico, constituída pela figura materna superprotetora deste, enquanto a paterna é vista como uma figura ausente e agressiva, ambos não conseguindo estabelecer uma relação positiva. Desta forma, demonstra-se o sentimento de ambivalência apontado por 4 entrevistados, causando, assim, grande frustração no dependente, pois este não se sente acolhido nesta relação. Para exemplificar segue a fala de um destes sujeitos: Eu procuro pouco [a família] para não incomodar, porque eu bebo daí não gosto de incomodar, porque certas vezes eles me auxiliam e outras me criticam (sic.). Na categoria Influência da família na dependência química obteve-se duas subcategorias: não influenciou (5 U.Rs.) e influência indireta (5 U.Rs.). Cinco participantes disseram que não foram influenciados pela família para que se tornassem dependentes químicos. Outros cinco indivíduos sentiram-se influenciados indiretamente pela família, tendo

14 14 como fatores determinantes: briga dos pais, solidão, a existência de dependência química na família, ou no meio social, e alguns até não souberam definir, embora se sentissem de alguma forma influenciados. O problema da dependência química não deixa de ser do próprio dependente e do meio em que ele vive. A falta de amor e a negligência também são fatores que devem ser levados em consideração para o surgimento da dependência química (ORTH, 2005). A informação trazida pela autora corrobora com os achados desta categoria, visto que permite o entendimento de que a família pode ter influência sobre a origem da dependência química, mesmo que indiretamente, como pode não ter qualquer influência, exatamente como descrito pelos entrevistados, em proporções exatamente iguais, (50%). Assim, os participantes que se sentem influenciados indiretamente trouxeram que o surgimento da dependência química ocorreu devido a diversos fatores, desde situações familiares, como desentendimentos e a própria existência da dependência química entre alguns membros da família, até por situações sociais, como a aceitação pelo grupo de iguais. Relataram sentirem-se sozinhos em decorrência das discussões que ocorrem em casa, e acabam procurando apoio em outras pessoas, como amigos e vizinhos, os quais já fazem uso da droga, ocasionando, por fim, a dependência química. Também para o mesmo autor, os adictos criam laços de amizades fortes que, durante situações de conflito, acabam buscando auxílio nesses amigos, fortalecendo, assim, a dependência de substâncias. (ORTH, 2005). Seguem algumas falas significativas:... comecei a usar com um vizinho, tudo às escondidas (sic.). Diretamente eu acho que não, sempre tem uma coisa ou outra. Quando eu era pequeno fazia suquinho de vinho, ou coisas que tu vê. Quando eu tinha entre cinco ou dez anos vi meu pai fumar e daí peguei um cigarro para fumar, e um pouco de água para fazer que era bebida (sic.) O que eu mais tive na minha família foi bêbado, eu acredito na pré-disposição (sic.). A família no tratamento do dependente químico é a quarta categoria, sendo registradas as seguintes subcategorias: grupo Amor Exigente (9U. Rs.); família no grupo (9U. Rs); sensibilizado pela família (7U. Rs.); família participativa (7U. Rs.); recebe visita (4U. Rs.); não recebe visita (4U. Rs.); satisfação (4U. Rs.); busca por iniciativa própria (3U. Rs.); família sem envolvimento (3U. Rs.). Nove sujeitos relataram que a inserção da família é realizada através do grupo Amor Exigente proporcionado pela comunidade terapêutica, e que estas famílias comparecem aos

15 15 encontros, sendo que apenas um refere não ter informação a respeito da inserção da família no tratamento, visto que está há poucos dias na instituição. Sete participantes foram sensibilizados pela família para buscar tratamento, considerando-as participativas no tratamento. Quatro respondentes não recebem visitas, pois ainda não têm um mês de internação na comunidade, conforme normas da instituição 4, embora sejam 5 os participantes que estão na comunidade há menos de um mês. Outros quatro participantes relataram sentir satisfação junto aos familiares, pelo envolvimento destes no seu tratamento. Três indivíduos tiveram iniciativa própria para buscar a comunidade terapêutica, optando todos pela internação como alternativa de tratamento. Já outros três sujeitos não percebem sua família envolvida no tratamento, visto que não tiveram contato com esta após a internação. A participação da família nos grupos de auto-ajuda faz refletir no tratamento dos participantes, pois se observa, a partir das entrevistas, que o sujeito internado sente-se mais motivado se percebe que sua família está presente no tratamento. Esta percepção foi expressa pela maioria deles. Os autores Melo & Figlie (2004) explicam que o grupo Amor Exigente é destinado para pais e educadores, pois ajuda a prevenir e a solucionar problemas com a dependência, trabalhando na organização da família e na proteção dos filhos. Para exemplificar a afirmação do autor e demonstrar a satisfação com a participação da família no tratamento, segue a fala de um dos participantes: Apesar de falarem bastante que o amor exigente só ferra os dependentes, eu acho que não porque eles [família] vão saber lidar com a gente. O dependente químico manipula muito, eu conseguia muitas vezes manipular a família; ensinam a lidar com essas manipulações... pra quem não quer parar é ruim, mas pra quem quer é bom. Eles sabem lidar com a situação, vão ter conhecimento [a família] (sic.). Embora seja a expressão de uma minoria, cabe ressaltar que a participação de algumas famílias no grupo Amor Exigente, conforme relatado por alguns participantes, davase pura e simplesmente pela razão de obter o ticket de autorização de visita, e não pelo motivo de se inserir e participar do tratamento do interno, na busca da compreensão e ajuda proporcionado pelo grupo. Isto denuncia o movimento que algumas famílias fazem, funcionando também de forma manipulativa, e isso não deixa o indivíduo satisfeito, até porque mostra a forma como a família se insere no seu tratamento, assim como o funcionamento da relação familiar em que está inserido. 4 Os participantes devem ter um mês de tratamento para poderem receber visita, e seus familiares devem freqüentar o grupo Amor Exigente, pelo menos quatro vezes ao mês, para, então, receberem um comprovante para realizarem a visita.

16 16 Na categoria Sentimento sobre a família após busca do tratamento as subcategorias descritas foram: mudou para sentimento de afeto (4U. Rs.); mudou para sentimento de ambivalência (4 U.Rs.); não mudou o sentimento de afeto (2U.Rs.). Houve mudança do sentimento para quatro deles, na medida em que encontravam apoio e afeto na relação da família com eles após acontecer a busca do tratamento; já para outros quatro participantes, o sentimento tornou-se ambivalente, visto que percebem a sua parcela de responsabilidade pela situação em que se encontram, o que antes não era percebido, da mesma forma que observam a responsabilidade indireta também da família, enquanto facilitadores do comportamento compulsivo, sendo, antes da busca do tratamento, percebida somente esta condição. E, apenas para dois deles, o sentimento de afeto pela família permanece intacto, não havendo qualquer alteração com a busca do tratamento. Ou seja, para a maioria (80%) dos participantes houve mudança positiva do sentimento sobre a família, após a busca do tratamento. Apesar de muitos dependentes químicos aparentarem ter perdido o vínculo com suas famílias, muitos ainda apresentam grandes emoções com o grupo familiar (PAYÁ & FIGLIE, 2004). Entende-se, com isso, que a maioria deles (80%), após a busca do tratamento, passaram a ter uma nova percepção da sua doença, possibilitando tentar uma reconciliação na relação com a família, dando uma nova chance para esta relação. Os autores salientam, ainda, que, a menos que a relação da família com o dependente químico tenha sido afetada por diversos fatores que ocorrem devido ao abuso de substâncias, o sujeito precisa e quer ter sua família por perto, para sentir-se acolhido. Segue a verbalização de um dos entrevistados: Muda sim porque antes eu nem falava com os meus pais, eu nem tava morando com eles mais e hoje vejo que é bem diferente, são os únicos que estão vindo (sic.). Alguns participantes relatam não sentirem falta da família, em alguns momentos, mas, com o prosseguimento da entrevista, podemos perceber que a família é muito importante para eles, e que gostariam que ela fosse cada vez mais presente no tratamento, manifestando, também, desta maneira, o sentimento de ambivalência sobre a família, considerando que algumas não se envolveram no tratamento. A última categoria descrita é a Importância da família no tratamento do dependente químico, tendo as seguintes subcategorias: apoio (8 U.Rs.); compreensão da doença( 8 U.Rs); nula ( 2 U.Rs.); e conferência ( 1 U.R.). Foram oito os participantes que relataram acreditar que é importante ter apoio da família para a recuperação, seja manifestado através do diálogo ou só pelo fato de estar perto. Oito sujeitos reconhecem a importância da inserção da família no tratamento, através do grupo Amor Exigente, na medida em que aprende a lidar melhor com a doença e com o doente. Dois internos respondentes relatam que

17 17 a recuperação depende de si mesmos, e a família tem importância nula para o tratamento. E um indivíduo relata a importância da inserção da família no tratamento, pelo fato de esta poder conferir a sua evolução. O apoio da família é de fundamental importância no tratamento do dependente, segundo o que se observa nos seus relatos, pois, com a presença do grupo familiar, sentem-se motivados a continuar no tratamento, sabendo que existem pessoas torcendo pela sua reabilitação. Schenker e Minayo (2004) afirmam que a família influencia tanto no aparecimento da dependência, como no tratamento do sujeito, pois ela é a rede de apoio mais próxima. Segue a verbalização de um dos participantes: Muito afeto, muito amor, perseverança, muito incentivo pra viver, pra manter a vida, porque a gente chega muitas vezes numa fase que chuta o balde, que se dane que eu vou acabar me danando. Aquilo que eu falava: eu perdi serviço, patrimônio, mas sempre foi a minha família que esteve presente (sic.). Para Kalina e Kovadloff (1988), o dependente químico manipula, pois, muitas vezes, esse é o comportamento da sua família. Verificou-se, durante a aplicação do instrumento, que esse foi um dos discursos de alguns participantes, relatando que a família precisa identificar esta manipulação, tanto proveniente dela própria, quanto do dependente químico, no momento em que planejam usar alguma substância novamente. Entendem, desta forma, que a participação da família nos grupos de auto-ajuda é de extrema importância para a compreensão da doença. É o que dizem Payá e Figlie (2004) sobre a necessidade da família em participar dos grupos de auto-ajuda para conseguir lidar com as diversas situações que irão ocorrer. Para exemplificar a afirmação, segue: É bastante importante porque eles [família] vão entender o meu lado. Eles já sabem: têm épocas que eu paro, daí depois volto com tudo, não é fácil. Pelo menos eles têm um contato mais fácil para saber como funciona. (sic.). Através da análise desenvolvida e da discussão dos resultados encontrados, verifica-se o atendimento dos objetivos propostos, visto que foi possível conhecer o significado da família para o dependente químico em tratamento em uma comunidade terapêutica do Vale dos Sinos; bem como identificar a existência da influência da família na busca de tratamento pelo dependente químico; ainda, permitiu compreender as relações familiares dos dependentes químicos investigados; além de poder verificar o entendimento que o dependente químico tem da inserção da família pela comunidade terapêutica, no tratamento da dependência química.

18 18 Assim, este estudo possibilita afirmar que a família, na percepção destes dependentes químicos em tratamento na comunidade terapêutica do Vale dos Sinos, tem indubitável importância para a sua recuperação. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com a realização deste trabalho foi possível confirmar a importância que o dependente químico atribui à família para o seu tratamento, corroborando com os achados bibliográficos utilizados, os quais fundamentaram os resultados deste estudo. Os principais resultados apontam que a família é fundamental para o tratamento dos dependentes químicos estudados. Consideram-na seu alicerce, fonte de apoio e afeto, apesar da forte carência que, muitas vezes, sentem, principalmente, em momentos de desentendimentos, ocasionando a fuga para a rua, o sentimento de solidão e, por fim, o uso da droga. Ao mesmo tempo em que assumem a responsabilidade pela dependência química, também entendem como uma influência indireta da família para a ocorrência da doença, em especial, pelo fato de já existir a presença da dependência química na maioria das famílias. Enquanto em tratamento na comunidade terapêutica, observam suas famílias participativas e envolvidas com o tratamento, através do grupo Amor Exigente, com o qual aprendem a compreender melhor o doente e a doença que é, na realidade, familiar. Sentem-se, com isso, apoiados pela família para a sua recuperação, seja este apoio manifestado através do diálogo ou das visitas, proporcionando estar perto. E, por fim, percebem que a busca pelo tratamento e o envolvimento da família neste influenciou para haver uma mudança positiva no sentimento sobre aquela, visto que encontram apoio e afeto na nova relação que se estabelece, além de reconhecerem a sua parcela de responsabilidade no desenvolvimento da dependência química. Pesquisas sobre este assunto são fundamentais, visto que se trata de um tema relevante social e cientificamente, pois permite que a sociedade possa perceber o quanto é importante a família na prevenção e no tratamento da dependência química, e que os laços familiares têm conseqüências extremas para o ser humano, quando não estruturados. Cientificamente, este estudo contribui para intensificar o trabalho com famílias, em especial, as famílias codependentes, conscientizando-as sobre a importância na formação da estrutura do indivíduo, podendo, assim, evidenciar aos profissionais envolvidos no tratamento do dependente químico a importância dos vínculos na estrutura familiar, para o bem estar de seus membros.

19 19 Para a realização de novas pesquisas, sugere-se a possibilidade de desenvolver este estudo sobre o gênero feminino; ou, ainda, estudos sobre a importância da família especificamente para o dependente do álcool, visto que a maioria representativa desta pesquisa era dependente de crack. O psicólogo se depara com um importante desafio ao inserir a família do dependente no seu tratamento na comunidade terapêutica, devido à grande demanda, necessitando, assim, trabalhar em grupo com os internos, como também com a família e, em casos especiais, desenvolver um trabalho individualizado. Ao final da entrevista, foi aberto um espaço aos participantes para que fizessem algum comentário sobre o assunto explorado neste estudo. Nem todos o fizeram, mas aqueles que usaram o espaço trouxeram aspectos relevantes, que reforçam os resultados encontrados. Falam da reflexão que hoje se permitem fazer sobre o que fizeram e não fizeram com as pessoas que amam, ressaltando a importância da presença e do apoio destas; da necessidade de tratamento para estarem conscientes em suas atitudes, resgatando a relação familiar; e, ainda, sobre a necessidade e importância da maturidade, pois, através dela, o indivíduo consegue tomar as decisões certas em sua vida. Percebe-se, assim, que o dependente químico em tratamento valoriza a sua família e deseja resgatar a relação perdida, dando uma nova oportunidade de vida a todos. Conclui-se, portanto, que a dependência química precisa ser acompanhada por profissionais qualificados que possam ajudar o indivíduo, mas também sua família, que tem papel crucial no tratamento e na recuperação do familiar doente, a qual também precisa de auxílio, a fim de perceber-se influente no desenvolvimento da doença, compreendendo a própria doença e, por fim, ajudar o membro familiar dependente.

20 20 REFERÊNCIAS APA AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION. DSM-IV-TR: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 70. ed, Lisboa: Actual, BARRETO, Lélio Muniz. Dependência Química nas Escolas e nos Locais de Trabalho. Rio de Janeiro: Qualitymark, BLEFARI, Anete Lourdes. A Família e a Drogadição Disponível em: <http://www.scielosp.org>. Acesso em: 15 out. de BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Levantamento Domiciliar sobre Uso de Substâncias no Brasil. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br>. Acesso em: 30 mai CAMPOS, Maurílio Tadeu. Violência e Dependência Química: desafios para a escola cidadã. Santos: Espaço do Autor, DESLANDES, S. F; NETO, O. C.; GOMES, R.; MINAYO, M.C.S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes FREITAS, Luiz Alberto Pinheiro. Adolescência, Família e Drogas - A função paterna e a questão de limites. Rio de Janeiro: Mauad, GOMES, José Carlos Vitor. Manual de Psicoterapia Familiar. Petrópolis: Vozes, KALINA, Eduardo; KOVADLOFF, Santiago. Drogadição. Rio de Janeiro: Francisco Alves, MARCONI, A; LAKATOS. Em Técnicas de Pesquisa. 5. ed. São Paulo. Atlas, MINUCHIN, Salvador. Famílias: Funcionamento e Tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas, NEIVA-SILVA, Lucas; CARVALHO, Fernanda Torres. Adolescência e drogas: Intervenções possíveis. (2007). In: HUTZ, C. S. (Org) Prevenção e intervenção em situações de risco e vulnerabilidade. Porto Alegre: Casa do Psicólogo, ORTH, Anaídes Pimentel Silva. A dependência química e o funcionamento familiar à luz do pensamento sistêmico Disponível em: <http://www.tede.ufsc.br>. Acesso em: 14 mai PAYA, Roberta; FIGLIE, Neliana Buzi. Abordagem Familiar em Dependência Química. In: FIGLIE, Neliana Buzi; BORDIN, Selma; LARANJEIRA, Ronaldo. Aconselhamento em Dependência Química. 1 ed. São Paulo: Roca, MELO, Denise Getúlio; FIGLIE, Neliana Buzi Psicoterapia de Grupo e Outras Abordagens Grupais no Tratamento da Dependência Química. In: FIGLIE, Neliana Buzi; BORDIN, Selma; LARANJEIRA, Ronaldo. Aconselhamento em Dependência Química. 1 ed. São Paulo: Roca, 2004.

21 21 REY, Fernando Gonzalez. Pesquisa Qualitativa e Subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Editora Thomson Learing, SABINO, Nathali Dí Martino; CAZENAVE, Silvia Oliveira Santos. Comunidades terapêuticas como forma de tratamento para a dependência de substâncias psicoativas Disponível em: <http://www.scielosp.org>. Acesso em: 14 mai SCHENKER, Miriam; MINAYO, Maria Cecília Souza. A importância da família no tratamento do uso abusivo de drogas: uma revisão de literatura Disponível em: <http://www.scielosp.org>. Acesso em: 14 mai SILVA, Ilma Ribeiro. Alcoolismo e Abuso de Substâncias Psicoativas: tratamento, prevenção e educação. São Paulo: Vetor, TRIVINÕS, Augusto Nivaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1987.

22 22 APÊNDICE - Roteiro de Entrevista 1. Ao falar a palavra família, o que lhe vem à cabeça? 2. Quem é a sua família? O que eles significam para você? 3. Como são os seus familiares, ou seja, como você os percebe na relação consigo? 4. Você sente falta da sua família? 5. Com que idade você começou a usar drogas? 6. Você acredita que a sua família o influenciou para que se tornasse dependente químico? De que forma? 7. Sua família o sensibilizou para que buscasse tratamento? De que forma? 8. E hoje, em tratamento, você a percebe de que maneira? 9. Mudou o seu sentimento em relação aos seus familiares? 10. Que importância você atribui à família para a sua recuperação? 11. Sua família o visita? Com que freqüência? 12. Como são estes encontros? 13. O local onde você realiza seu tratamento promove a inserção da família? De que forma? 14. Eles comparecem? 15. Como você considera esta inserção para a sua recuperação? 16. Comentários

23 DECLARAÇÃO 23

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Diga Não Usando a Razão 1.2 Câmpus de Origem: Panambi

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS Roberta A. dos Santos 1* (IC), Karen.L. Cruz 1 (IC) Verno Krüger 2 (PQ) beta x@hotmail.com 1-

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO Autora: Maria Carolina Santana de Castro*, *Acadêmica do Curso Bacharelado em Psicologia da Faculdade Santa Maria

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho.

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho. O que é Alcoolismo? Alcoolismo é a dependência do indivíduo ao álcool, considerada doença pela Organização Mundial da Saúde. O uso constante, descontrolado e progressivo de bebidas alcoólicas pode comprometer

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

NOTA TÉCNICA No 1/2011

NOTA TÉCNICA No 1/2011 Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA No 1/2011 Esclarecimentos e orientações sobre o funcionamento de instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com transtornos decorrentes

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO

UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO Aluna: Janaína da Guia Santos Panisset Orientadora: Ilda Lopes Rodrigues

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

A Motivação no Tratamento da Dependência Química

A Motivação no Tratamento da Dependência Química Seja bem vindo! A Motivação no Tratamento da Dependência Química Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRO 06/99198 Especialista em Dependência Química UNIAD/UNIFESP Mestranda UNIFESP Perguntas Por

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos INSTITUTO BAIRRAL DE PSIQUIATRIA Dr. Marcelo Ortiz de Souza Dependência Química no Brasil (CEBRID, 2005) População Geral: 2,9% já fizeram uso de cocaína

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

Violência Doméstica contra Crianças sob a

Violência Doméstica contra Crianças sob a Apresentação Maria Alice Barbosa de Fortunato Autores: Kássia Cristina C. Pereira* Maria Alice B. Fortunato* Marilurdes A. de M. Álvares* Orientadora: Lygia Maria Pereira da Silva** * Fiocruz CPQAM/ NESC

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Afonso França Engenharia - 23 Detalha as normas de conduta esperadas pela Afonso França Engenharia de seus profissionais. A Afonso França tem e dissemina princípios que devem nortear

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Ana Beatriz Bronzoni

Ana Beatriz Bronzoni Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular da Universidade Federal de Viçosa Viçosa (MG) - CEP 36570-000 CNPJ: 07.245.367/0001-14 Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Universidade Federal

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DE UMA COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS DO RAMO DE AGRONEGÓCIO DO NOROESTE DO PARANÁ

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DE UMA COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS DO RAMO DE AGRONEGÓCIO DO NOROESTE DO PARANÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DE UMA COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS DO RAMO DE AGRONEGÓCIO DO NOROESTE

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre TOC Transtorno Obsessivo Compulsivo Fênix Associação Pró-Saúde Mental 1. O que é TOC? O Transtorno Obsessivo Compulsivo é uma doença mental crônica (transtorno psiquiátrico),

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório XXI Congresso Brasileiro da ABEAD Do Uso à Dependência: a integração das políticas públicas com a clínica 08 a 11 de setembro de 2011 - Recife/PE Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES.

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. Iasmini Nicoli Galter 1, Mayla Gava ¹, Henrique Tabelini ¹, Elias Terra Werner².

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará O Problema Alcoolismo - um dos mais graves problemas de saúde pública na atualidade. Abuso

Leia mais

PROGRAMA TERAPÊUTICO

PROGRAMA TERAPÊUTICO CENTRO DE RECUPERAÇÃO CAMINHO DA VIDA MARECHAL CÂNDIDO RONDON PARANÁ CNPJ: 03.507.934/0001-02 CEP. 85960-000 MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. VILA CURVADO PROGRAMA TERAPÊUTICO 1. INTRODUÇÃO O Programa Terapêutico

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA JUNTO A UM PROGRAMA DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE: O PAPEL DOS PROFESSORES E DA FAMÍLIA Ana Paula Marques Leal Barbosa 1 Adriana Garcia Gonçalves 2 1 Aluno do Curso de Pedagogia; Campus

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM Górki Pires de Andrade gorkipires@hotmail.com Jessica Rabelo Holanda jeholanda2010@hotmail.com Kelianny Pinheiro Bezerra

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO Patrícia Santos de Oliveira¹ Melina Thais da Silva² RESUMO A proposta de trabalho

Leia mais

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento,

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento, BUSCA ATIVA DE PACIENTES DEPENDENTES QUÍMICOS Área Temática: Saúde Cristiane Barros Marcos 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Cristiane Barros Marcos, Bruna Abbud da Silva 2, Sara Silva Fernandes 3,

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Terapia Cognitivo Comportamental

Terapia Cognitivo Comportamental Terapia Cognitivo Comportamental TRATAMENTO PSICOLÓGICO M. FÁTIMA RATO PADIN Coordenadora do Alamedas -Tratamento e Reabilitação da Dependência Química TRATAMENTO PSICOLÓGICO - Terapia Cognitivo Comportamental

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR Carla Roane de Souza Santana¹; Ana Priscila da Silva Lima²; Albertina Marília Alves Guedes³ ¹Aluna do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal do Sertão

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar Betina Waihrich Teixeira 1 Sandra Maria do Nascimento de Oliveira 2 Resumo: O gestor escolar deve ter uma boa liderança de comunicação, sabendo interagir com sua

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL (JANELA JOHARI) É constituído de 20 situações possíveis de ocorrer dentro de uma empresa, composto por duas afirmativas de resposta em cada. O usuário deve analisar qual

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais