Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Colegiado de Graduação em Engenharia Elétrica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Colegiado de Graduação em Engenharia Elétrica"

Transcrição

1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 2º Semestre de 2012 SEMINÁRIO DE TCC Dia 17/12/2012 TEMA: Sistemas de Energia Banca de avaliação da apresentação oral: Prof. Glássio Costa de Miranda Prof. Wallace do Couto Boaventura SALA Horário Trabalho a ser apresentado 1093 (Bloco de Ligação) 13:00h-13:20h 13:20h-13:40h 13:40h-14:00h 14:00h-14:20h Título: Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas Aplicados em Turbinas Eólicas Autor: Fábio Ferreira Morais Orientador: Prof. José Osvaldo Saldanha Paulino Título: Análise de Desempenho de Linhas de Transmissão de Frente a Descargas Atmosféricas: Caso Estudo Autor: Franklin Lucas Rocha e Lima Orientador: Prof. Silvério Visacro Filho Título: Modelo de Progressão do Líder Aplicado à Avaliação de Desempenho de Linhas de Transmissão frente às Descargas Atmosféricas Autor: Sillas Soares Xavier Orientador: Prof. Fernando Henrique Silveira Título: Estudo sobre Campo Elétrico Crítico e Ionização de Solos sob o Efeito de Correntes Impulsivas Autor: Victor Henrique Duarte de Oliveira Orientador: Prof. Silvério Visacro Filho Programação Final

2 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 2º Semestre de 2012 SEMINÁRIO DE TCC Dia 17/12/2012 TEMA: Eletrônica de Potência Banca de avaliação da apresentação oral: Prof. Igor Amariz Pires Prof. Sidelmo Magalhães Silva SALA Horário Trabalho a ser apresentado 1010 (Seminário) 13:00h-13:20h 13:20h-13:40h 13:40h-14:00h 14:00h-14:20h 14:20h-14:40h 14:40h-15:00h Título: Utilização de Transformadores Eletrônicos em Sistemas de Distribuição de Energia Elétrica Autor: Bruno Lemos Mendes Orientador: Prof. Porfírio Cabaleiro Cortizo Título: Impactos na Rede Elétrica do Uso em Larga Escala de Lâmpadas Fluorescentes Autor: Diego Tadeu Rocha Barraza Aspeé Orientador: Prof. Lenin Martins Ferreira Morais Título: Start-up de uma Máquina de Telas EVG Autor: Luis Felipe Santos Borges Orientador: Prof. Alessandro Fernandes Moreira Título: Implementação de Barramentos de Comunicação em um Religador Automático de Baixa Tensão Autor: Marcelo Oliveira Pessoa Beling Orientador: Prof. Marcos Antônio Severo Mendes Título: Estudo de Conversores Estáticos Alimentados por Painéis Fotovoltáicos como Base de Geração de Energia para uma Nanorrede Autor: Pedro Rodrigues Silva Orientador: Prof. Pedro Francisco Donoso Garcia Título: Modulação PWM de Nove Fases Autor: Rodrigo Rodrigues Bastos Orientador: Prof. Braz de Jesus Cardoso Filho Programação Final

3 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 2º Semestre de 2012 SEMINÁRIO DE TCC Dia 17/12/2012 TEMA: Eletrônica de Potência Banca de avaliação da apresentação oral: Prof. Lenin Martins Ferreira Morais Prof. Paulo Fernando Seixas SALA Horário Trabalho a ser apresentado 1012 (Seminário) 13:00h-13:20h 13:20h-13:40h 13:40h-14:00h 14:00h-14:20h 14:20h-14:40h 14:40h-15:00h Título: Estudo e Adequação de um Restaurador Dinâmico de Tensão para Atendimento da Norma IEC Autor: James Hamilton Oliveira Júnior Orientador: Prof. Sidelmo Magalhães Silva Título: Métodos de Avaliação do Estado de Degradação de Baterias Chumbo- Ácidas Estacionárias Através de Seus Parâmetros Elétricos Autor: Lucas Fernandes Barbosa Orientador: Prof. Porfírio Cabaleiro Cortizo Título: Viabilidade de Recuperação de Energia Local Utilizando Supercapacitores em Conversor de Frequências Industrial Padrão Autor: Nicole Campos Foureaux Orientador: Prof. Braz de Jesus Cardoso Filho Título: Estudo de Filtros Passivos de Harmônicos e Implementação de Algoritmo de Cálculo de Parâmetros Autor: Paulo Rogério de Freitas Machado Orientador: Prof. Selênio Rocha Silva Título: Projeto de Sistemas de Medição e Controle para Bancada Experimental com Aerogerador Duplamente Excitado Autor: Pedro Rodrigues da Costa Orientador: Prof. Selênio Rocha Silva Título: Avaliação dos Impactos Causados ao Sistema Elétrico de Potência pelos Acessantes de Geração Distribuída Conectados à Baixa Tensão Autor: Raisa Dias Barbosa Orientador: Prof. Selênio Rocha Silva Programação Final

4 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 2º Semestre de 2012 SEMINÁRIO DE TCC Dia 17/12/2012 TEMA: Telecomunicações / Processamento de Sinais Banca de avaliação da apresentação oral: Prof. Frank Sill Torres Prof. Maurílio Nunes Vieira SALA Horário Trabalho a ser apresentado 1014 (Seminário) 13:00h-13:20h 13:20h-13:40h 13:40h-14:00h 14:00h-14:20h 14:20h-14:40h Título: Modulação por Divisão em Frequências Ortogonais: Análise e Novas Aplicações Autor: Deyvson Silva Soares Orientador: Prof. Hani Camile Yehia Título: Análise da Qualidade de Serviço de uma Rede de Telefonia VOIP do Laboratório de Comunicações da EEUFMG Autor: Felipe Machado Orientador: Prof. Murilo Eugênio Duarte Gomes Título: Desenvolvimento de uma Câmera Plenóptica Autor: Rafael Castro Abrantes Orientador: Prof. Davies William de Lima Monteiro Título: Investigação da Existência de Diferenças entre os Mecanismos Patológicos do Câncer de Mama Feminino e Masculino Autor: Rodolfo Santos Teixeira Orientador: Prof. Rene Natowicz TRABALHO DE INTERCÂMBIO ESIEE Paris Título: Sistema para Predição de Área de Cobertura Radioelétrica Autor: Rodrigo da Silva Mantini Viana Orientador: Prof. Cássio Gonçalves do Rego Programação Final

5 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 2º Semestre de 2012 SEMINÁRIO DE TCC Dia 17/12/2012 TEMA: Controle Banca de avaliação da apresentação oral: Prof. Fernando de Oliveira Souza Profa. Patrícia Nascimento Pena SALA Horário Trabalho a ser apresentado T005 (Seminário) 13:00h-13:20h 13:20h-13:40h 13:40h-14:00h 14:00h-14:20h 14:20h-14:40h 14:40h-15:00h Título: Análise de Técnicas de Manutenção Preditiva Aplicadas a uma Planta de Pelotização Autor: Breno Lopes Campolina Orientador: Profa. Maria Auxiliadora Muanis Persechini Título: Domótica Autor: Bruno Faria Mortimer Cunha Orientador: Prof. José Osvaldo Saldanha Paulino Título: Projeto de uma Placa de Aquisição e Processamento de Dados para Sistemas de Monitoração e Controle de Cargas Elétricas Autor: Hugo Leonardo Mendes Orientador: Prof. Fábio Gonçalves Jota Título: Decomposição Matricial para Recuperação da Informação Autor: Marco Antônio Fonseca Braga Orientador: Prof. Eduardo Mazoni Marçal Mendes Título: Controle Longitudinal de um Caça Militar a Jato F-16 Submetido a Turbulência Vertical Autor: Patrick Joabe de Souza Ludtke Orientador: Prof. Leonardo Antônio Borges Torres Título: Implementação de Controladores Digitais para Malha de Altitude em Aeronaves Não Tripuladas Autor: Raphael Dynk Nogueira Salvador Orientador: Prof. Luis Antônio Aguirre Programação Final

6 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 2º Semestre de 2012 SEMINÁRIO DE TCC Dia 17/12/2012 TEMA: Sistemas de Energia Banca de avaliação da apresentação oral: Profa. Luciana Pedrosa Salles Profa. Wadaed Uturbey da Costa SALA Horário Trabalho a ser apresentado 1093 (Bloco de Ligação) 15:00h-15:20h 15:20h-15:40h 15:40h-16:00h 16:00h-16:20h Título: Módulo Georreferenciado para a Medição de Campos Magnéticos de Baixas Frequências em Áreas Urbanas Autor: Diogo Sampaio César Souza Orientador: Prof. José Osvaldo Saldanha Paulino Título: Inspeções Periódicas das Instalações Elétricas como Forma de Prevenção de Incêndio em Edificações Residenciais Autor: Ellen Alves de Souza Orientador: Prof. José Osvaldo Saldanha Paulino Título: Monitoração do Sistema Elétrico por meio de Unidade de Medição Fasorial Autor: Bernardo de Azevedo Ramos Orientador: Profa. Maria Helena Murta Vale Título: Ampacidade Sazonal em Linhas de Transmissão Autor: Gabriela de Castro Soares Orientador: Profa. Maria Helena Murta Vale Programação Final

7 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 2º Semestre de 2012 SEMINÁRIO DE TCC Dia 17/12/2012 TEMA: Fontes Alternativas de Energia Banca de avaliação da apresentação oral: Prof. Braz de Jesus Cardoso Filho Prof. Porfírio Cabaleiro Cortizo SALA Horário Trabalho a ser apresentado 1010 (Seminário) 15:00h-15:20h 15:20h-15:40h 15:40h-16:00h 16:00h-16:20h 16:20h-16:40h 16:40h-17:00h Título: Um Estudo sobre Dados Ambientais Necessários à Geração Fotovoltaica Autor: Rafael Coelho Junqueira Orientador: Prof. Selênio Rocha Silva Título: Estudo sobre a Penetração do Biodiesel na Matriz Energética Brasileira Autor: Charles Chang Orientador: Prof. Ricardo Brant Pinheiro Título: Projeto de uma Usina Fotovoltaica de 50 kw Interligada à Rede Pública a ser Instalada na Cobertura do Laboratório de Extra Alta Tensão da UFMG Autor: Fabrício de Souza Borges Orientador: Prof. Selênio Rocha Silva Título: Análise do Estudo de Alocação de Aerogeradores em um Parque Eólico Usando Software GH WindFarmer Autor: Luisa Soares Moreira Orientador: Prof. Selênio Rocha Silva Título: Análise do Ciclo de Vida da Geração Fotovoltaica: Uma Comparação de Tecnologias Autor: Patrícia Alves França de Mesquita Orientador: Profa. Wadaed Uturbey da Costa Título: Modelagem, Dimensionamento e Otimização de Microsistemas Híbridos através do Software HOMER Autor: Rafael Gerard Diniz Pacini Orientador: Prof. Selênio Rocha Silva Programação Final

8 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 2º Semestre de 2012 SEMINÁRIO DE TCC Dia 17/12/2012 TEMA: Sistemas de Energia Banca de avaliação da apresentação oral: Prof. Antônio Emílio Angueth de Araújo Prof. Fernando Henrique Silveira SALA Horário Trabalho a ser apresentado 1012 (Seminário) 15:00h-15:20h 15:20h-15:40h 15:40h-16:00h 16:00h-16:20h 16:20h-16:40h 16:40h-17:00h Título: Sistema de Navegação Ótima em Tempo Real: Aplicação para um Veículo Elétrico Autor: Bernardo Kaipper de Rezende Orientador: Prof. Arben Cela TRABALHO DE INTERCÂMBIO ESIEE Paris Título: Análise dos Impactos da Conexão de Veículos Elétricos à Rede de Distribuição Autor: Felipe Castro Freitas Orientador: Profa. Maria Helena Murta Vale Título: Classificação de Subestações com Foco na Análise dos Esquemas Elétricos Operacionais Autor: Henrique Ribeiro Soares Orientador: Prof. José Osvaldo Saldanha Paulino Título: Estudo do Impacto da Geração Distribuída Utilizando Fluxo de Potência Estocástico Autor: Paulo Evaristo Cordeiro de Faria Orientador: Profa. Wadaed Uturbey da Costa Título: Impactos da Geração Distribuída na Rede de Baixa Tensão Autor: Rafaela de Oliveira Pena Orientador: Profa. Maria Helena Murta Vale Título: Geração de Alta Tensão a partir de um Circuito Ressonante Série Autor: Ricardo Alves Mosqueira Orientador: Prof. Glássio Costa de Miranda Programação Final

9 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 2º Semestre de 2012 SEMINÁRIO DE TCC Dia 17/12/2012 TEMA: Computação Banca de avaliação da apresentação oral: Prof. Jaime Arturo Ramirez Prof. Ricardo Luiz da Silva Adriano SALA Horário Trabalho a ser apresentado 1014 (Seminário) 15:00h-15:20h 15:20h-15:40h 15:40h-16:00h 16:00h-16:20h 16:20h-16:40h 16:40h-17:00h Título: Otimização do comprimento de alimentadores na ligação de cargas a uma subestação Autor: Fábio Enrique Lacerda Flores Orientador: Prof. Renato Cardoso Mesquita Título: Redes Neurais Artificiais na Classificação de Pacientes Oftalmológicos Autor: Fabrício Massula Dutra Orientador: Prof. Frederico Coelho Título: Novas Metodologias para Desenho Automático de Grafos Autor: Gustavo Henrique Diniz de Araújo Orientador: Prof. Renato Cardoso Mesquita Título: Otimização Multiobjetivo Aplicada ao Projeto de um Gerador Eólico de Fluxo Axial Autor: Marcos Felipe de Oliveira Ribeiro Orientador: Prof. João Antônio de Vasconcelos Título: Algoritmos de Otimização em Espaços Mistos Aplicados a Problemas de Fluxo Ótimo de Potência Autor: Plínio Cesar Freire Lima Orientador: Prof. Felipe Campelo França Pinto Título: Sistema de Emulação de Falhas do Tipo Single-Event-Upset (SEU) para Sistemas Microprocessados Autor: Thalles Hermes Reis Gomes Orientador: Prof. Ricardo de Oliveira Duarte Programação Final

10 Monitoração do Sistema Elétrico por Meio de Unidade de Medição Fasorial Bernardo de Azevedo Ramos Profa. Maria Helena Murta Vale O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) aborda o uso de equipamentos de medição fasorial na monitoração em tempo real do comportamento dinâmico de grandezas elétricas importantes para a operação dos sistemas de potência. De forma mais específica, o objetivo do trabalho é analisar a dinâmica da variação dos valores de tensão e de frequência provenientes de medições fornecidas por Unidades de Medição Fasorial (PMU Phase Measurement Unit) instaladas em rede de distribuição. As PMUs são os elementos base dos chamados Sistemas de Medição Fasorial Sincronizada (SMFS). Tais sistemas possuem, também, Concentradores de Dados (PDC - Phase Data Concentrator) e sistemas de comunicação. Os SMFS possibilitam a medição direta dos fasores (módulo e ângulo) da tensão e da corrente, permitindo rastrear de forma mais exata a dinâmica dos sistemas elétricos. Os processos de reestruturação dos sistemas de energia elétrica, além da incorporação de novas tecnologias e uso intenso dos recursos já disponíveis, vêm provocando situações de operação críticas e complexas, potencializando a ocorrência de perturbações inesperadas. Os SMFS podem trazer grandes ganhos para a operação dos sistemas, evitando tais situações emergenciais. Vários SMFS têm sido implementados no mundo inteiro e, no caso brasileiro, está prevista a implantação do SMFS-Brasileiro, com cerca de 100 PMUs, favorecendo a supervisão, o controle e os estudos relacionados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Neste TCC, o foco são as medições fasoriais coletadas nas redes de distribuição de baixa tensão (tensão e frequência). Pesquisas têm mostrado que o comportamento destas grandezas pode trazer importantes informações sobre o sistema elétrico como um todo. O caráter inovador do tema, a facilidade de obtenção de medições provenientes de PMUs e a possibilidade de contribuir para uma área importante da Engenharia Elétrica constituíram as principais motivações para este TCC. A elaboração do trabalho envolveu um conjunto de atividades que incluíram uma etapa de estudos sobre os SMFS e aplicabilidade das PMUs, uma fase de coleta de medições fasoriais e de preparação de um banco de dados fasoriais, e uma etapa de análise do comportamento das grandezas. Os dados foram organizados, tratados matematicamente e análises qualitativas e quantitativas foram feitas, na tentativa de relacionar aspectos do comportamento do sistema com suas condições operativas (principalmente condições de carga leve, média e pesada). A análise levou à elaboração de algumas conclusões, que podem ser de valia ao estudo do Sistema Elétrico Brasileiro. Palavras-chave: Medição Fasorial, Operação em Tempo Real, Sistemas Elétricos de Potência, PMU, Monitoração e Controle.

11 CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Dados do(a) Aluno(a) Nome: Bernardo Kaipper de Rezende Matrícula: Período: 10 Versão curricular: ( ) nova ( x ) antiga Dados do Trabalho de Conclusão de Curso: Título: Sistema de navegação ótima em tempo real: Aplicação para um veículo elétrico Professor Orientador: Arben CELA Instituição/Departamento:ESIEE Paris/Departamento de Sistemas Embarcados Resumo do Trabalho: (O resumo deve conter necessariamente: Motivação e Objetivo(s); Resultado(s) Esperado(s) e Atividades a serem Desenvolvidas) O rápido desenvolvimento da internet móvel, de dispositivos portáteis e do advento de uma nova geração de Sistemas de Transporte Inteligente (ITS) aumentaram drasticamente o volume de informação das condições em que um motorista se encontra em seu veículo auto-motor e faz com que predições de tráfego sejam possíveis. Sistemas de informação de tráfego em tempo real como o Google Maps auxiliam nas definições de rotas à destinação e predição do estado do tráfego. Nesse trabalho, é apresentado um Sistema de Navegação Ótima em Tempo Real (ORTNS) implementado em um dispositivo Android capaz de calcular a rota à destinação baseado em uma conexão permanente com a internet e fluxo de informação de tráfego do site de informação de tráfego francês denominado Sytadin. O ORTNS não só é capaz de calcular a melhor rota rumo à destinação considerando o estado do tráfego, mas também realiza a otimização teórica do consumo de energia elétrica do veículo elétrico (EV) em tempo real. Baseado na rota 3D (rota em que suas elevações são consideradas) calculada e as velocidades médias para cada segmento de rota, o estado de carga (SOC) das baterias e super-capacitores do EV são preditos e modificados em tempo real para cada passo de iteração fornecendo o SOC final. Sendo um ORTNS podendo ser implementado em um computador de bordo, o tablet Samsung Galaxy Tab que possui o sistema operacional Linux e linguagem de programação Android é utilizado. Resultados de performance em termos de optimização de energia, obtenção de rotas mais curtas, mais rápidas, aumento da vida útil da bateria e propriedades de tempo real são os resultados esperados, demonstrando a utilidade prática de um ORTNS. As atividades desse trabalho são, portanto, a obtenção de informações do tráfego a partir de um sítio de fornecimento de informações de tráfego em tempo real (Sytadin), obtenção de informação topográfica para regiões de interesse (NASA), utilização de programação dinâmica para realizar a repartição ótima teórica de energia entre baterias e super-capacitores do EV e desenvolvimento de algoritmos de busca como Dijkstra e A* para diferentes topologias de busca como: obtenção de rotas mais rápidas; mais curtas; ou de menor consumo energético. PALAVRAS-CHAVE: Sistemas de Transporte Inteligente, Sistema de Navegação Ótima em Tempo Real, Veículo Elétrico, Algoritmos de Busca, Programação Dinâmica. Assinatura do Aluno

12 Análise de técnicas de manutenção preditiva aplicadas a uma planta de pelotização Aluno Profa. Maria Auxiliadora Muanis Persechini Cada vez mais plantas industriais trabalham com processos automatizados e com filosofia de produção just-in-time o que por consequência aumenta a demanda por sistemas precisos de detecção de falhas. Nesse contexto o campo de manutenção preditiva é requisitado com técnicas cada vez mais eficientes tentando atender todas as especificidades de um processo industrial. Dado que estes processos são interconectados, saber classificar a relevância de uma falha em um equipamento auxilia bastante a maneira de atacar o problema, uma vez que falhas em determinados tipos de equipamentos resultam na parada de todo o sistema de produção. Ferramentas que auxiliam processando relatórios gerados nas paradas indicando qual equipamento originou a falha, tempo de manutenção e o número de ocorrências em um determinado período são de extrema importância para o diagnóstico. A proposta deste trabalho é a partir de um relatório de falhas real de uma planta de pelotização mapear os equipamentos de uma determinada área da planta. A análise será feita utilizando as técnicas de qualidade conhecidas como Pareto e Ishikawa. Essas técnicas fazem parte de uma política de qualidade fundamentada na teoria estatística implicando então em um processamento minucioso de dados uma vez que estes representam a base para a tomada de decisões confiáveis. Após o processamento essas técnicas identificam quais equipamentos são críticos, ou seja, caso estes apresentarem falhem a planta ficará impossibilitada de funcionar. Em campo muitas vezes as soluções mais adotadas são instrumentar todos os equipamentos da área crítica ou investir em equipamentos de análise preditiva que posteriormente tornam esquecidos dentro da empresa pela falta de treinamento. A utilização dessas técnicas de qualidade visa extinguir tais práticas ineficientes. Os equipamentos detectados como críticos serão devidamente instrumentados de acordo com sua classificação funcional, conforme tabela 1, e monitorados constantemente evitando quedas inesperadas de rendimento. Tabela 1. Classificação funcional dos equipamentos Categoria da falha Mecânica Elétrica Propriedade do equipamento Rotativos Estacionários Elétricos de potência Condição Lubrificação, Vibração, Temperatura Corrosão, Abrasão, Ttrinca, Desgaste, Temperatura Temperatura, Tensão, Corrente, Resistência e Capacitância. Equipamentos Bombas, Motores, Redutores, Turbinas Válvulas, Tubulações, Caldeiras Disjuntores, Relés, Transformadores, Barramentos Palavras-chave: Manutenção Preditiva, Técnicas de Qualidade, Falha, Desempenho

13 Domótica Bruno Faria Mortimer Cunha Prof. José Osvaldo Saldanha Paulino Atualmente uma nova tecnologia tem destaque nos debates em várias partes do mundo. Essa nova tecnologia trata do conceito de domótica, ou automação residencial. Domótica é o termo utilizado para se referir à gestão de recursos habitacionais, através de controle e monitoramento de diferentes sistemas integrados em uma habitação. A ideia base é automatizar tarefas e rotinas de uma casa e ainda possibilitar a capacidade de interagir com a casa remotamente. A domótica está em pleno crescimento e tem ampla aplicação numa residência. Assim, novas ideias e técnicas de aperfeiçoamento são criadas podendo-se citar segurança, iluminação, climatização, sistemas inteligentes, comunicação e entretenimento como alguns dos principais sistemas de automação que estão em destaque no mundo em geral. Com aplicação no setor de segurança, por exemplo, é possível ter um sistema que detecta a presença de qualquer sinal de invasão da propriedade, sendo possível o monitoramento por câmeras, controle de iluminação à distância para inibição de invasores e ainda integração com discagem automática para centros policiais. No setor de climatização encontra-se controle de iluminação, ar condicionado, e outros. Para entretenimento tem-se o controle de TVs, sons, DVDs e etc. Uma pesquisa feita por Teruel e Novelli na cidade de São Paulo utilizou uma amostra de cento e quarenta pessoas com o objetivo de descobrir as necessidades dos clientes com relação á automação residencial. Tal pesquisa mostrou que as maiores prioridades do mercado com relação à tecnologia utilizada são o consumo, o custo e a segurança. Os equipamentos mais bem conceituados dentre os quais foram propostos algum meio de automatizá-los foram equipamentos destinados à segurança, climatização e iluminação da residência. Vários protocolos de comunicação foram criados destinados à automação residencial, podendo ser avaliados com base nas características de operação, taxa de transferência de dados, custos, aplicação, segurança da comunicação e meios físicos de transporte de dados. Dentre esse protocolos estão a tecnologia X10, CEBus, EIB, Zigbee e alguns outros. O protocolo Zigbee foi lançado em 2004 como uma solução para aplicações de baixo custo e consumo, em diversas aplicações industriais, comerciais e residenciais, principalmente para aplicação em redes de malha para sensores. Por essa razão, uma rede Zigbee pode ser muito adequada para uma residência, pois permite a instalação de sensores e controladores dispersos pela casa, aumentando a inteligência do controle. O seu preço baixo o aponta como uma ótima solução para sistemas de automação residencial. O Zigbee é uma tecnologia wireless e tem alcance entre 10 e 70 metros, sendo que cada transmissor deve consumir no máximo 1mW. Para poupar ainda mais energia, é implementado um sistema de modo sleep, que desliga o transmissor temporariamente. O padrão especifica três tipos de nós para uma rede Zigbee Coordenador, Roteador e Dispositivo Terminal. Usando esses nós, se constroem redes com topologia em árvore, estrela ou redes "mesh" Cada aparelho Zigbee possui um endereço MAC de 64 bits, e recebe um de 16 bits quando se associa à rede construída (permitindo redes de até nós). Já o protocolo X10 foi criado na década de 70 e é amplamente utilizado pelos americanos por ser uma tecnologia barata, simples e ser um protocolo não proprietário. Por se comunicar através da rede elétrica, ele pode ser implantado numa casa já existente, sem necessidade de implantação de cabos adicionais. Este é um aspecto chave desta tecnologia e a sua maior vantagem frente a outras soluções. Assim, o envio de informação recorre ao uso de rajadas (bursts) de sinais de rádio frequência com 120kHz. Essas rajadas têm a duração de 1ms e ocorrem em sincronismo com a passagem por zero da onda senoidal da rede eléctrica. Esta particularidade é usada pelos receptores para saberem quando devem escutar a linha. O valor binário 1 corresponde à presença do sinal de 120kHz e o valor binário 0 corresponde à ausência desse sinal. A maior desvantagem da tecnologia x10 é que, além de ser muito precária, esta tecnologia está sujeita a grandes perdas devido a interferências geradas pela rede elétrica e cargas não resistivas. O protocolo European Installation Bus (EIB) foi desenvolvido como um sistema para controle de cargas, ambiente e segurança. A sua função é a monitorização e controle de serviços como a iluminação, aquecimento, ventilação e ar condicionado e segurança. O sistema EIB permite que os módulos que o compõem sejam alimentados pelo próprio meio de comunicação, seja este um par entrelaçado ou a rede elétrica. Tal protocolo permite uma comunicação em série entre todos os dispositivos ligados ao barramento. O barramento é normalmente implementado como um sistema descentralizado mas, no entanto, permite sempre que necessário, a implementação de um sistema centralizado, sendo apenas necessária a inserção de um controlador de aplicações no barramento. A gestão num sistema descentralizado fica a cargo dos diferentes dispositivos que, dependendo da função, podem ser transmissores, receptores ou ambos. Estes comunicam diretamente entre si sem recurso a uma hierarquia ou a um dispositivo central de controle, tornando o sistema muito flexível. É difícil dizer qual tecnologia é melhor que outra. A escolha de uma tecnologia em detrimento de outra estará ligada à aplicação, ao valor que se pretende investir e a que se deseja priorizar tal como interoperabilidade, segurança de dados, etc. Palavras-chave: Automação Residencial Tecnologias X10 Zigbee EIB Custo Aplicação Interoperabilidade.

14 Utilização de Transformadores Eletrônicos em Sistemas de Distribuição de Energia Elétrica Bruno Lemos Mendes Prof. Porfírio Cabaleiro Cortizo O transformador eletrônico de potência, ou TEP, representa no sistema elétrico uma alternativa para os velhos transformadores convencionais de distribuição. Ele introduz melhorias no sistema, do ponto de vista da qualidade de energia elétrica, e mantém as principais funções do transformador convencional. Além disso, ocupa um terço do volume e é ambientalmente mais amigável se considerarmos que pode funcionar sem óleo como refrigerante e isolante. A tecnologia proposta alcança isso ao utilizar o núcleo do transformador com frequências mais altas. Utiliza-se uma eletrônica de potência avançada e uma malha de controle robusta para uma maior inteligência de operação, entretanto, com um custo que ainda é muito alto hoje em dia. O presente trabalho se propõe a analisar as topologias de TEP existentes na literatura e fazer uma análise técnico-econômica, considerando a economia proveninente de uma melhor qualidade de energia. Palavras-chave: Transformador Eletrônico, Sistema de distribuição, Eletrônica de Potência, Qualidade de Energia, Análise técnico-econômica

15 Estudo sobre a penetração do biodiesel na matriz energética brasileira Aluno: Charles Chang Prof. Orientador: Ricardo Brant Pinheiro Nos dias atuais é preciso cada vez mais conciliar o crescimento socioeconômico com o uso responsável dos recursos naturais disponíveis. O consumo mundial de combustíveis fósseis possui uma tendência de crescimento para os próximos anos e por isso, alternativas por combustíveis renováveis são importantes. O trabalho apresentado visa mostrar a crescente importância do biodiesel como fonte alternativa de energia para o país. O Brasil é referência mundial na produção de biocombustíveis com o programa Pró-Álcool, que iniciou em Como resultado, atualmente, mais de 85% dos automóveis produzidos no país utilizam a tecnologia "flex-fuel" (mistura de álcool e gasolina em qualquer proporção), evidenciando o sucesso do programa. No estudo, define-se o que é o biodiesel, quais as suas características, vantagens e desvantagens e como é a sua produção assim como a quantidade de matéria prima necessária para adquirí-lo. Também é apresentado o consumo de energia total do país e quanto é devido ao óleo diesel em comparação às outras fontes de energia, como por exemplo: gás natural, carvão mineral, eletricidade, entre outros no decorrer dos anos. Além disso, é indicado o uso do diesel dividido por setores: residencial, comercial, industrial, transporte, agropecuária, pública e energético. Hoje, por determinação da Lei Federal de 13 de Janeiro de 2005, está fixado em 5% em volume o percentual mínimo obrigatório de adição de biodiesel ao óleo diesel comercializado ao consumidor final (B5) em qualquer parte do território nacional. E já há planos para que essa adição passe a ser de 20% (B20) em A partir de dados históricos de consumo final do óleo diesel, pretende-se modelar a demanda do combustível no mercado brasileiro até 2020 e com isso, determinar a qual volume necessário de biodiesel para atender à mistura de 20% caso seja implementado nesse mesmo ano. Além disso será mostrado qual a situação atual da produção do biodiesel e quanto seria necessário expandí-lo para atender à futura demanda. Por fim, o trabalho irá mostrar quais as dificuldades para utilizar 100% de biodiesel como combustível. Palavras-chave: Fontes alternativas de energia, biodiesel, biocombustível, matriz energética, penetração

16 ! # % & ( ) +, % & ( ). / # / 2!!# %!! & ( ) +,,. /! 0 1 #, & 5 67! 0 8 %3+4 & , #, #, : 0 #. : ;. / < 0.. 6= <0 > 0 / # 8 0 : / #.< / ? # # < # >< # 0 #.< , : < = Α0 : / 0.. Α. Α Β / Α 0 #,.Α... Α < 0 Χ++

17 Impactos na Rede Elétrica do Uso em Larga Escala de Lâmpadas Fluorescentes Diego Tadeu Rocha Barraza Aspeé Prof. Lenin Morais O uso de lâmpadas fluorescentes para iluminação doméstica vem sendo largamente incentivado desde o apagão no Brasil, no início do século XXI. O receio da ocorrência de uma nova crise e a valorização da eficiência energética fez com que as lâmpadas fluorescentes se tornassem quase um padrão nos consumidores residenciais, aposentando a antiga lâmpada incandescente. O problema das fluorescentes é o comportamento não-linear do seu estágio retificador de entrada. Esse comportamento acaba por introduzir distorções harmônicas na rede, com queda no fator de potência. Apesar de não haver tarifação sobre reativos para esse tipo de consumidor, pois só recentemente os medidores eletrônicos, que permitem tal medição, vem substituindo os antigos eletromagnéticos, o problema de qualidade da energia pode tornar-se substancial quando se considera a quantidade de lâmpadas presentes em uma casa, ou mesmo em um prédio. O objetivo desse trabalho é realizar uma simulação computacional visando reconhecer o nível de distorção na rede causado pelo uso de lâmpadas fluorescentes. A etapa inicial consiste no modelo da lâmpada, com o projeto do retificador e filtro de entrada, com valores dos componentes determinados para atender as especificações (potência, frequência e tensão de operação) em um circuito ideal. Verifica-se então as formas de onda e a distorção harmônica gerada. O experimento é então ampliado para um número maior de lâmpadas em funcionamento, por exemplo, em um prédio, verificando-se o comportamento em conjunto desses dispositivos, do ponto de vista da rede de alimentação. Em uma etapa seguinte, os valores dos componentes são modificados para os tipicamente encontrados em lâmpadas comerciais, com simulação subsequente. Segue-se então a comparação entre modelo ideal x comercial. Espera-se como resultado mensurar o nível de distorção harmônica causada pelo funcionamento em conjunto de várias lâmpadas fluorescentes. Como ponto de partida, definiu-se a tipologia do circuito retificador de entrada da lâmpada fluorescente. Com as especificações de frequência e tensão de operação e o ripple desejado, projeta-se o estágio de entrada dada a potência da lâmpada. Na frequência de chaveamento nesse tipo de circuito, que é superior à 20 KHz, a lâmpada é modelada por um R lamp de potência equivalente. Para esse modelo ideal inicial, realizaram-se as simulações com medição das grandezas pertinentes, em especial a distorção harmônica total. Nesse tipo de circuito, esperava-se observar THD (total harmonic distortion) superior a 150%. Os resultados das simulações iniciais mostraram um THD superior a 200% em todos os casos, corroborando a premissa inicial. As simulações foram realizadas para os circuitos equivalentes de lâmpadas de 11W, 20W e 40W. Os resultados mostraram que, a princípio, o circuito retificador é o grande responsável pelas não-linearidades, e, para as condições de operação com chaveamento em frequências mais elevadas (>20 KHz), o valor de capacitância do capacitor de entrada é o que causa a maior influência na variação da distorção harmônica. O cenário em que várias lâmpadas são conectadas à rede foi também simulado. Os resultados indicaram que o número de lâmpadas de mesma potência conectadas à rede não causou variação aparente na distorção harmônica total, indicando que a carga equivalente é a de uma lâmpada de potência somada, com os circuitos equivalentes em paralelo. O resultado prático obtido nas simulações foi o reconhecimento de uma relação entre o ripple de projeto da tensão, o valor do capacitor de entrada, e a THD total. Esse resultado pode ser expandido para além da análise do circuito das lâmpadas, uma vez que a topologia base do circuito retificador é geral e aplicável aos mais variados dispositivos eletrônicos. Pode ser utilizado, por exemplo, como um indicativo de escolha do valor do capacitor de entrada em retificadores monofásicos para o projeto com cargas de potência equivalente às utilizadas nessa simulação, onde a ordem de grandeza da THD resultante pode ser reconhecida em uma etapa inicial. Dado que as cargas não-lineares são cada vez mais comuns nos consumidores residenciais, de baixa tensão, essa informação pode vir a ser um fator importante na concepção dos projetos dos retificadores para os equipamentos que operam nesse nível de tensão, em um cenário em que a qualidade e a eficiência energética são cada vez mais valorizadas. Uma das possibilidades que poderiam aprofundar esse trabalho, em uma maior disponibilidade de tempo para execução, seria a prática em laboratório, com a medição do real THD gerado pelas lâmpadas comerciais, e seus efeitos nas instalações já existentes. Outra possibilidade que pode guiar estudos futuros seria a implementação de circuitos de correção de fator de potência, visando minimizar os efeitos das não-linearidades, para um caso hipotético em que os consumidores residenciais passasem a ter seus níveis de THD fiscalizados pelas distribuidoras, através dos medidores eletrônicos, cada vez mais comuns. Palavras-chave: Eletrônica de Potência, Lâmpadas Fluorescentes, Qualidade da Energia.

18 Módulo Georreferenciado para a Medição de Campos Magnéticos de Baixa Frequência em Áreas Urbanas Diogo Sampaio César Souza Prof. José Osvaldo Saldanha Paulino O objetivo deste trabalho é a viabilização de um módulo para a medição de campo magnético. O módulo consiste em três medidores de campo magnético acoplados na parte externa de um veículo e conectados a um sistema de aquisição de dados no interior. Este módulo será utilizado para medição de campos magnéticos gerados por linhas de transmissão subterrâneas. A motivação do projeto consiste nas dificuldades apresentadas nas medições de campo magnético. Estes campos, na área urbana, são gerados principalmente por linhas subterrâneas que se encontrão enterradas abaixo de ruas e avenidas. Sendo que este sistema de transmissão de energia vem se tornando muito mais utilizado atualmente e se encontra principalmente nas regiões centrais das cidades. Esta localização traz dificuldades na medição devido ao intenso trânsito presente nas vias públicas, sendo necessária a interrupção de alguns pontos da via para a medição causando um processo mais lento. Outra dificuldade é a localização exata das linhas subterrâneas que poderá ser obtida através do posicionamento dos medidores. A utilização do módulo irá facilitar consideravelmente este processo, pois a medição irá ocorrer à medida que o veículo percorrer estas vias, de modo simultâneo, não tendo mais a necessidade da interrupção do trânsito e a coleta das informações poderá informar o posicionamento exato da linha. A utilização do sistema de transmissão subterrâneo vem sendo mais utilizado na atualidade devido à falta de espaço físico nos grandes centros urbanos. Contudo devido à proximidade menor das LT subterrâneas ao solo os campos gerados por estas possuem valores mais elevados, da ordem de micro Tesla. Os efeitos da exposição contínua de campo magnético de baixa frequência aos seres humanos não é totalmente conhecido, tendo assim valores limites de campo diferentes em vários países. Logo a medição destes valores de campo é um tema atual que ainda precisa ser mais bem desenvolvido. O medidor desenvolvido consiste em três bobinas posicionadas ortogonalmente para a medição de campo em todas as direções x, y e z. Estas bobinas foram projetadas com o número de espiras determinado para que o campo magnético gerado possa induzir uma tensão nos terminais destas de valor suficientemente elevado para evitar interferências. Logo como resultante destas tensões será determinado, através da relação pré-determinada de campo e tensão, o valor de campo gerado pela linha. Estes medidores serão acoplados ao veículo na sua parte externa através de um engate de bicicleta convencional modificado. Através de uma análise da velocidade do veículo e de uma média ponderada dos valores medidos será possível à determinação do valor de campo magnético gerado pela linha. Na etapa futura deste trabalho será desenvolvido um sistema de aquisição de dados que irá promover uma interconexão entre os dados da medição realizada e a posição do veículo dada por um GPS presente no seu interior. Com esta coleta de informações será possível traçar um mapa onde se retrata os valores de campo magnético em toda a área percorrida pelo automóvel, mostrando assim um mapeamento do campo. O módulo proposto então irá facilitar sensivelmente o processo de medição nessas vias de trânsito intenso, permitindo assim a coleta de informações em qualquer data ou horário. A montagem final do protótipo, pelo menos de um circuito monofásico, é planejada para ser realizada ainda antes da etapa final do trabalho para uma validação do módulo de medição proposto. Palavras-chave: Medição, Campo Magnético, Automóvel, Linhas de Transmissão Subterrâneas.

19 Universidade Federa l de Minas Gerais INSPEÇÕES PERIÓDICAS DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS COMO FORMA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS Ellen Alves de Souza Prof. José Osvaldo Saldanha Paulino Com o crescimento do Brasil e políticas de melhor distribuição de renda, o consumo de energia vem aumentando ano a ano. Segundo estimativas da EPE, a demanda de energia elétrica brasileira deverá crescer a uma taxa média de 4,8% ao ano até 2020, sendo que o consumo médio por consumidor residencial passará de 154 kwh/mês em 2010, para 191 kwh/mês em Aliado ao crescimento do consumo de energia, o risco de incêndio ativado por eletricidade em virtude das más condições das instalações elétricas por falta de manutenção, ausência de projeto elaborado por profissional habilitado e mau uso é uma realidade, de acordo com o Corpo de Bombeiros e outros órgãos internacionais. Diante deste cenário, é inevitável questionar se as instalações elétricas residenciais estão preparadas para o crescimento esperado da demanda, ou ainda, se há uma conscientização com relação à importância da realização de inspeções periódicas para a prevenção contra incêndio da edificação e segurança de seus ocupantes. Este trabalho teve como foco a análise de estudos e dados estatísticos, principalmente, de países desenvolvidos, como os Estados Unidos, que são grandes pesquisadores em prevenção e investigação na área de segurança contra incêndio em geral. Por outro lado verificou-se que, no Brasil, a preocupação e os investimentos na área da prevenção encontram-se ainda em fase inicial e bastante precária. Como resultado final da pesquisa, foi proposto um roteiro de inspeção periódica das instalações elétricas residenciais no intuito de diminuir a deflagração de incêndios ocasionados por eletricidade. Tal roteiro servirá como sugestão de documentação a ser cobrada pelo Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais para concessão de Auto de Vistoria em edificações residenciais multifamiliares. Palavras-chave: Incêndio. Instalações Residenciais. Inspeção.

20 Otimização do comprimento de alimentadores na ligação de cargas a uma subestação Aluno: Fábio Enrique Lacerda Flores Prof. Orientador: Renato Cardoso Mesquita O planejamento da expansão do sistema elétrico tem como ponto crucial a localização de novas subestações. Inicialmente são realizados estudos de previsão de crescimento espacial da carga e a identificação das deficiências e possíveis problemas por meio de simulação do sistema. A partir disso, define-se a melhor localização da subestação, que depende da disponibilidade de local, custos envolvidos e desempenho do sistema. Posteriormente, deve-se definir a configuração ótima dos alimentadores que atenda todas as cargas com custo mínimo. Tendo em vista a redução do comprimento dos alimentadores que ligam as cargas a uma subestação, são desenvolvidas no trabalho ferramentas computacionais para minimização dessas distâncias. São considerados dois tipos de alimentadores, de alta e baixa capacidades de transmissão, e cargas pontuais distribuídas no plano cartesiano com demandas de potência constante. A primeira estratégia consiste em utilizar a equação do erro e a formulação de programação linear (LP) para obtenção de um ângulo ótimo do alimentador principal considerando três métricas de erro: normas 1, 2 e infinita. Em seguida, o problema é tratado como um grafo completo, a partir do qual, por meio do algoritmo de Kruskal, é obtida uma árvore com mínima distância total de interligações. Por último, ainda com o modelo LP, é utilizada uma formulação exata, que considera custo por unidade de comprimento e capacidade de fluxo de potência dos cabos na minimização das distâncias. Em seguida, são feitas simulações para se testar a eficácia das ferramentas e então, análise dos métodos que convergem para a solução ótima afim de se identificar qual deles apresenta mínimo comprimento de alimentadores para um caso hipotético. Palavras-chave: otimização, programação linear, comprimento, alimentadores, subestação.

21 Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas aplicado em Turbinas Eólicas Aluno: Fábio Ferreira Morais Prof. Orientador: José Osvaldo S. Paulino Este trabalho teve o objetivo de identificar as proteções contra descargas atmosféricas mais comuns para aplicações em turbinas eólicas. A motivação para o desenvolvimento do presente trabalho consistiu no fato de que nos últimos anos, o aumento na ocorrência de danos em turbinas eólicas devido às descargas atmosféricas têm destacado a necessidade do uso de sistemas efetivos de proteção relacionados a estes fenômenos. Explicando o aumento na frequência da ocorrência destes eventos há o crescimento da dimensão e altura das turbinas eólicas, tornando mais crítico os aspectos relativos às proteções contra descargas atmosféricas. Como resultado foi possível verificar a abordagem de algumas soluções e do documento IEC, Wind turbine generator systems Part 24: Lightning protection, TR , Ed. 1.0 en: As soluções propostas nos artigos utilizados e no referido documento técnico incluem abordagem sobre a proteção das pás, dos componentes mecânicos, do sistema de controle e do anemômetro. No caso da proteção do sistema elétrico e eletrônico de controle foi abordado sobre o método da esfera rolante e definição das zonas de proteção, sendo um caso do modelo eletrogeométrico. Adicionalmente foram feitas considerações sobre aspectos relativos ao sistema de aterramento. Palavras-chave: Proteção contra descargas atmosféricas, turbina eólica, modelo eletrogeométrico.

22 Projeto de uma usina fotovoltaica de 50 kw interligada à rede pública a ser instalada na cobertura do Laboratório de Extra Alta Tensão da UFMG Fabrício de Souza Borges Selênio Rocha Silva, Dr. A crescente demanda por fontes renováveis de energia têm incentivado o crescimento e a consequente redução de custos por kw instalado de fontes alternativas como, por exemplo, a eólica e a fotovoltaica. Esta última têm se destacado nos últimos anos e tende a aumentar sua participação no mercado energético devido à publicação da resolução 482 por parte da ANEEL, que regulamenta o acesso de micro e minigeradores à rede de distribuição de energia elétrica. Neste trabalho o autor analisou diferentes topologias para a implantação de uma usina fotovoltaica de 50 kw na cobertura do Laboratório de Extra Alta Tensão (LEAT) da Universidade Federal de Minas Gerais. Para a implantação desta usina o mesmo estudou o impacto técnico e econômico da variação de diferentes componentes do sistema, dentre eles, a tecnologia utilizada para a construção, a potência e a forma de interligação dos módulos fotovoltaicos a serem utilizados no sistema, bem como a potência e o número de inversores utilizados para a conexão dos módulos a rede pública. Para as diferentes topologias estudadas o proponente definiu um layout de instalação dos painéis fotovoltaicos na cobertura do LEAT, a fim de validar a viabilidade física de instalação do sistema. O escopo do estudo limitou-se a definição dos módulos e dos inversores a serem utilizados, não sendo considerados portanto os demais equipamentos necessários à implantação do sistema, como por exemplo, medidor bidirecional, transformador, painéis, sistema de proteção e cabeamento. Por meio da realização deste estudo o autor conseguiu determinar, considerando-se as diferentes topologias analisadas e o escopo do projeto, qual configuração se mostra mais viável para uma futura instalação. Palavras-chave: Energia Renovável, Energia Fotovoltaica, Topologias de Instalação, Impacto Técnico, Impacto Econômico.

23 ! # % & ( ) +, % & ( ). / # / 2!!# %!! & ( ) + #,,!,. / 0 1 &! / 4. # 5 0 / # , #.. :. #. # ; # 4/. < = ,. :. 0 5 # # # / ; < <.. =., > # #... 0 / ; 0. # 4/ , :0 0 0 # /. 0? 0 # Α 0 /.. :. Α 2 0 <. / ; Β # 0 0 # Α. : < ? : # 0 /6.... / # ; / 5 ; < Χ 0, / 4.. # #. 0 % &. 0 :0 3 Χ 0 0 Χ # 0 # Χ / :0 0 0 # # / # ; 0 / 50. ; 0 / < #:. 0 / #. 0 / 4. # :. 5 0 # / > # 0 0 ; / / 0? 0. 0 #. /6... # / 0 / 4.

24 Análise dos impactos da conexão de veículos elétricos à rede de distribuição Felipe Castro Freitas Prof.ª Maria Helena Murta Vale O presente trabalho explora a contribuição que veículos elétricos poderão acarretar no sistema elétrico nacional em um futuro próximo, seja como uma carga ou mesmo uma unidade geradora. Há três anos o Ministério do Meio Ambiente demonstrou em um estudo que carros e motos poluem mais que a frota de ônibus urbanos nas grandes cidades. A necessidade de novas alternativas de energia limpa está incentivando as grandes empresas, públicas e privadas, a investirem cada vez mais em mobilidade urbana elétrica, ou seja, veículos elétricos. Contudo, o aumento dessa tendência nos próximos anos surge como alerta para as empresas fornecedoras de energia elétrica. Este trabalho apresenta como o aumento da frota de veículos elétricos irá impactar o Sistema Elétrico Brasileiro, principalmente nas redes de distribuição de responsabilidade direta das concessionárias de energia do país. Quanto ao enfoque teórico, o trabalho compreende apresentar os tipos de veículos elétricos (VE s); analisar o impacto geral da conexão de VE s no Sistema Elétrico Brasileiro e o impacto local nas redes de distribuição; e discutir a eficiência entre combustíveis fósseis e eletricidade. Quanto ao enfoque prático, é enfatizada a preocupação com mobilidade urbana e sustentabilidade e, também, os desafios e estratégias de todos os órgãos envolvidos. Palavras-chave: veículos elétricos, redes de distribuição, mobilidade urbana elétrica, sustentabilidade

25 ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO UMA REDE DE TELEFONIA VOIP DO LABORATÓRIO DE COMUNICAÇÕES DA EEUFMG Felipe Machado Prof. Murilo E.D. Gomes Com a convergência de tecnologias que ocorre atualmente torna-se cada vez mais promissora a tecnologia Voip (Voz sobre IP). A tecnologia digital em vários meios de comunicação possibilitou uma grande integração dos dispositivos. Assim, como a tecnologia envolvida converge, o protocolo de uso da mesma também converge. O protocolo IP (Internet Protocol) tem sido usado no mundo da internet por vários anos e se mostrado satisfatório. Os novos aparelhos utilizados em comunicação atualmente vêm com acesso à internet. Seguindo essa tendência a chamada por voz também está entrando no domínio do IP. Isso gera um grande benefício pois possibilita a convergência, o acesso e o uso de várias formas de comunicação de uma só vez em uma só chamada. Assim sendo, cresce muito o interesse tanto comercial quanto acadêmico nessa nova forma de comunicação. Este trabalho tem portanto o objetivo de testar a rede Voip do Laboratório de Comunicações e analisar seu funcionamento (características, qualidade, acesso, etc) de acordo com as normas recomendadas. O trabalho consiste, sobretudo, em sua parte técnica, na análise da qualidade de ligação de voz da Rede Voip do Laboratório de Comunicações da EEUFMG sob diversos aspectos. Para gerar um ambiente de teste, criei um cenário de perda de pacotes na rede de comunicações e analisei como isso afeta a qualidade da chamada. De forma quantitativa, com o coeficiente de correlação entre o transmitido e o recebido, a taxa de perda e o fluxograma do protocolo de chamada em cada situação. Esta parte do trabalho se assemelha a um teste de comunicação usual pois não apresenta diferença significativa para outros canais de comunicação utilizados em diversos serviços. Porém a parte subjetiva dos resultados diferencia-se muito pois leva em conta o fator humano, que nem sempre está presente nos enlaces de comunicação. Esta parte apresenta resultados interessantes e interdisciplinares pois não leva só em conta os fatores de engenharia e equipamentos, mas como o ser humano interpreta os resultados gerados pelo sistema. Fiz uma pesquisa com um formulário padrão da ITU (International Telecomunications Union) com alguns alunos em cenários aonde aspectos neurológicos e psicológicos influenciavam ou não nas respostas. Palavras-chave: Telefonia; telefonia IP; Voip; redes de comunicação; PABX; priming effect

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CEATEC PUC-CAMPINAS ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

TECNOLOGIA GRATUÍTA: ARQUITETURAS DE REDE TOPOLOGIAS

TECNOLOGIA GRATUÍTA: ARQUITETURAS DE REDE TOPOLOGIAS TECNOLOGIA GRATUÍTA: ARQUITETURAS DE REDE TOPOLOGIAS Ulisses Thadeu Vieira Guedes 2012-1/10 - Conteúdo TOPOLOGIAS DE REDE...2 TOPOLOGIA PONTO-A-PONTO...2 TOPOLOGIA EM BARRAMENTO...3 TOPOLOGIA EM ANEL...4

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ARIEL MOSCHEN CORREA PEIXOTO CARLOS ALBERTO PINTO SILVA JUNIOR LUKAS EDUARDO BASCHTA AVALIAÇÃO

Leia mais

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO Riberte Dias de Souza riberte.souza@arcelormittal.com ArcelorMittal Tubarão Edílson Jose Machado Correia edilson.correia@arcelormittal.com

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto Aplicação da Preditiva on-line Como Ferramenta para o Aumento da Disponibilidade e Confiabilidade dos Equipamentos Rotativos em uma Empresado Ramo Petrolífero Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ Alunos: Felipe Portes Lanes (PUC-Rio), Viviane Helena da

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Nombre Carlos Guilherme Gonzales Correo cgonzale@cteep.com.br Empresa www.cteep.com.br Cargo

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

Administração de CPD Internet Data Center

Administração de CPD Internet Data Center Administração de CPD Internet Data Center Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados a um dos principais tipos

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO DA COSTA 1, Cinthya Borges Lopes DA SILVA 2, Michele Gomes FERREIRA 3, João Marcelo Dias

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas A Blue Sol Energia Solar visa disseminar a tecnologia fotovoltaica e o conhecimento sobre os temas no Brasil promovendo, portanto, uma fonte limpa, renovável e inesgotável de energia, alinhada com a crescente

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro 60 Capítulo IV Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração Paulo Fernandes Costa* Nos três capítulos anteriores, foram discutidos os aspectos da escolha e

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança P R O F. C L O D O M I R O U N S I H U A Y V I L A, D R. E N G E N H A R I A E L É T R I C A U F P R C E N T R A I S E L É T R I C A S

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS Introdução a Engenharia Professores: Márcio Zamboti Fortes e Vitor Hugo Ferreira (UFF) Bruno Henriques Dias e Flávio Gomes (UFJF)

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Geração de Energia Elétrica. Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE)

Geração de Energia Elétrica. Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE) Geração de Energia Elétrica Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE) 1 Evolução do SEE (~100 anos) SISTEMAS ISOLADOS Sistemas de pequeno porte (necessidades locais) Pequena complexidade operacional

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio:

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio: Catálogo Apoio: APRESENTAÇÃO O (CE-EÓLICA) se consolida como uma ação estratégica da PUCRS em função do crescimento das competências nesta área, a partir de atividades especificas realizadas pelo NUTEMA,

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 1 1 3 2 1 3 3 4 1 4 4 1 5 5 3 6 5 3 7 5 3 CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 avaliação inicial do "Desenvolvimento de Sistema Integrado de Geração de

Leia mais

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Quem é a Zaruc? Empresa que atua desde 2008 no desenvolvimento de projetos tecnológicos inovadores oferecendo soluções

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Thiago de Lima MUNIZ, Bernardo Pinheiro de ALVARENGA, José Wilson de Lima NERYS, Antônio Marcos de Melo MEDEIROS Escola de Engenharia

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS Autores: Felipe JUNG, Tiago DEQUIGIOVANI, Jessé de PELEGRIN, Marcos FIORIN Identificação autores:

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Aluno: Maria Samara Nascimento Amorim Orientador: Álvaro de Lima Veiga Filho 1. Introdução Geral Energia fotovoltaica

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Nota Técnica 001/2010

Nota Técnica 001/2010 Nota Técnica 001/2010 Produto: Sistema Zyggot Temperatura Aplicação: Termografia sem Contato em Painéis Elétricos de Baixa Tensão Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Termografia; 2) Análise

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FAN Faculdade Nobre As linhas de transmissão são os equipamentos empregados para transportar grandes blocos de energia por grandes distâncias, entre os centros

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN Proponente: Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária - FAPEU Executor: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Financiamento: Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP Coordenação:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA Bolsista Apresentador: Diego Leonardo Bertol Moraes. Coordenador: Airton Cabral de Andrade Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Como funciona um aerogerador Componentes de um aerogerador Gôndola:contém os componentes chaves do aerogerador. Pás do rotor:captura o vento e transmite sua potência até o cubo que está acoplado ao eixo

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Qualidade e Eficiência Energética

Qualidade e Eficiência Energética Fabio Balesteros, Engenharia de Aplicação, 2010 Qualidade e Eficiência Energética September 2, 2010 Slide 1 Introdução A cada dia aumenta-se a preocupação com a produtividade dos sistemas elétricos. Economia

Leia mais

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira João Saad Júnior - PY1DPU - Pesquisador do CEPEL de 1978 a 2013, atualmente aposentado membro do O QUE É COMPATIBILIDADE

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2.1. Definições Para utilização de conversores de energia eólica numa empresa, a avaliação exata da vida útil de seus componentes estruturais e de todo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 6: Máquina Síncrona em Barramento Infinito Objetivo: Verificar, experimentalmente, como é feita a ligação de um gerador síncrono no barramento infinito. Teoria: As necessidades de energia elétrica

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Podem-se destacar alguns equipamentos responsáveis pelo baixo fator de potência nas instalações elétricas:

Podem-se destacar alguns equipamentos responsáveis pelo baixo fator de potência nas instalações elétricas: 4. FATOR DE POTÊNCIA Um baixo fator de Potência pode vir a provocar sobrecarga em cabos e transformadores, aumento das perdas do sistema, aumento das quedas de tensão, e o aumento do desgaste em dispositivos

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PPGEEA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

PLANO DE ENSINO. PPGEEA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PPGEEA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PLANO DE ENSINO

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 1: Etapas de Projeto e Dimensionamento do Sistema INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Etapas de projeto e dimensionamento

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil RENATO OLIVEIRA GUIMARÃES Empresa Energética do Mato Grosso do Sul S.A. ANTONIO DE PADUA

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CTS DE REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a história e a evolução

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara, uma nova geração em energia. Uma empresa de eficiência energética que presta serviços especializados de manutenção em plantas de geração

Leia mais

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO A indústria de energia elétrica tem as seguintes atividades clássicas: produção, transmissão, distribuição e comercialização, sendo que esta última engloba a medição

Leia mais