Segurança FIREWALL. Introdução à Internet Página 30

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "12.0 - Segurança 12.1 - FIREWALL. Introdução à Internet Página 30"

Transcrição

1 Introdução à Internet Página Segurança FIREWALL Os firewalls estão se tornando um modo cada vez mais popular de controlar o acesso aos sistemas de rede; de fato, mais de um terço de todos os sites Web na Internet são protegidos por alguma forma de firewall. Um firewall é tanto um dispositivo de hardware como um pacote de software rodando em um computador especialmente configurado que fica entre uma rede segura (sua rede interna) e uma rede insegura (a Internet). Um item importante com relação a segurança necessária à aplicações na Internet é a utilização do Firewall. É um conjunto de hardware e software utilizado como alternativa para proteger computadores individuais na rede. Muitas organizações tem optado pela solução de proteger a sua rede interna de ataques externos, como uma espécie de isolamento, onde as pessoas de "fora" não atacam a sua rede interna sem primeiro contatar suas premissas. Para criar esse isolamento é utilizado o Firewall, que do mesmo modo, também pode controlar o acesso da rede interna à Internet. Firewall é uma barreira inteligente entre a rede local e a Internet, através da qual só passa tráfego autorizado. Este tráfego é examinado pelo Firewall em tempo real e a seleção é feita de acordo com a regra "o que não foi expressamente permitido, é proibido", portanto, ele pode ser usado para bloquear o acesso a sites particulares na Internet, ou para prevenir que certos usuários ou máquinas, acessem certos servidores ou serviços, monitorando comunicações entre a rede interna e a externa. O Firewall também possibilita armazenar toda comunicação entre sua rede interna e a externa e criptografar dados que são enviados pela rede. Com o Firewall é possível estabelecer regras com as quais o tráfego será selecionado. São selecionados os serviços da Internet, os endereços IP e as estações para as quais o tráfego será permitido ou negado. Este procedimento é conhecido como definir a política do Firewall. Protocolo Serviço/Porta End Origem End Dest in/out Negar/Aceitar TCP Telnet in Aceitar TCP FTP in Negar TCP Finger in Negar (in/out = interface de entrada / saída) Nesse exemplo definimos protocolos e serviços que podem ser aceitos ou negados. Semelhantemente existe uma linha de permissões para pacotes. A localização do firewall depende do projeto da rede e do que quer se proteger exatamente. A figura abaixo mostra um configuração simples no qual o firewall fica entre a rede interna e a Internet. O firewall bloqueia o acesso originado na Internet para tudo menos de entrada. Outro exemplo um pouco mais completo é um firewall duplo, numa configuração freqüentemente usada hoje em dia em empresas que têm servidores Web. O firewall apresenta duas conexões com a rede: (1) a rede interna segura e (2) a Internet. O tráfego de rede originário da rede segura pode sair para a Internet ou para o host; o tráfego de entrada vindo da Internet só pode passar para o host e os serviços que ele oferece.

2 Introdução à Internet Página 31 Figura 14: Configuração do Firewall O host representa a sua empresa pública na Internet e fica exposto a possíveis elementos hostis. Entretanto, mesmo se o host for comprometido (e você deve planejar o sistema pensando nisso), a sua rede interna estará isolada e continuará em segurança. Existe ainda uma outra forma de utilização: é, o fato do firewall possuir três cartões de interface de rede: (1) a conexão externa com a Internet; (2) uma conexão com a rede interna segura; e (3) uma conexão com o host. Essa organização traz o host para dentro da área mais segura, embora ainda isolado da rede interna segura Firewalls e a Política de Segurança Certamente é óbvio, mas um firewall não pode proteger uma rede contra um ataque que não passe pelo firewall. Muitas empresas que se conectam à Internet preocupam-se muito com os dados proprietários que passam vazar pela conexão da Internet, mas não têm uma metodologia coerente com a relação aos acessos discados via modem que deveriam ser protegidos ou não sabem como as fitas de backup deveriam ser tratadas e protegidas. Para que um firewall seja realmente útil na proteção de um sistema em rede, ele tem de ser um elemento de uma metodologia global consistente de segurança. Ao implementar um firewall, devem ser observados os seguintes aspectos: Qual a abrangência do firewall Qual o nível de controle desejado Quanto se pretende gastar para conseguir os resultados Falhas que podem ocorrer com o Firewall Todo sistema, por mais seguro que seja, está sujeito a falhas. As principais são: Se um usuário interno conectar na rede externa, ele criará uma porta de acesso à rede sem passar pelo Firewall. Efetivo contra ataques externos, mas internamente não. A maioria dos incidentes é causado por pessoal interno. Bugs, problemas de má configuração ou falha de equipamento, podem deixar o Firewall suspenso por algum tempo.

3 Introdução à Internet Página 32 Colisões da rede interna e externa podem evitar o acesso ao Firewall por um instante. E justamente nesse instante um intruso poderá invadir a rede interna Benefícios de usar um Firewall As principais vantagens da utilização do firewall são: Acesso controlado a sistemas confidenciais e importantes. Administração centralizada da segurança. Utilização dos registros e das informações estatísticas na rede. Esquemas de filtragem de pacotes mais sofisticados Razões para Não Usar um Firewall Apresentadas as vantagens, vamos às desvantagens de usar um firewall: acesso desejado a certos serviços será mais limitado do que você gostaria ou pode se tornar mais complicado do que o normal. É necessário mais treinamento e a administração é mais difícil. custo pode se tornar proibitivo. A configuração pode ser tão complicada que se torna difícil implementá-la corretamente. Além disso, por mais capaz e eficiente que seja, há ameaças de que nenhum firewall pode evitar, como os vírus, equipes mal intencionadas com acesso à parte mais segura de rede e novos perigos vindos de fora do sistema PROXY Os proxies são principalmente usados para permitir acesso à Web através de um firewall (fig. 15). Um proxy é um servidor HTTP especial que tipicamente roda em uma máquina firewall. O proxy espera por uma requisição de dentro do firewall, a repassa para o servidor remoto do outro lado do firewall, lê a resposta e envia de volta ao cliente.

4 Introdução à Internet Página 33 Figura 15: Visão geral de um proxy O proxy está rodando ou em um servidor firewall ou qualquer outro servidor interno que tenha acesso total a internet - ou em uma máquina dentro do firewall fazendo conexões com o mundo exterior através de SOCKS ou qualquer outro software firewall. Normalmente, o mesmo proxy é usado por todos os clientes em uma subrede. Isto torna possível para ele fazer caching eficiente de todos os documentos requisitados. A habilidade que o proxy tem no uso do cache, o torna atrativo para aqueles que não estão dentro do firewall. Configurar um servidor proxy é fácil e os mais populares programas clientes Web já tem suporte a essa ferramenta. Sendo assim, torna-se simples a tarefa de configurar um grupo de trabalho inteiro para usar o serviço de cache do proxy. Isto reduz os custos com tráfego de rede porque muitos documentos que são requisitados são lidos do cache local. O uso de cache também torna possível acessar algumas páginas mesmo que servidores estejam fora do ar. Essa facilidade torna o serviço melhor, visto que recursos remotos como um site FTP ocupado que são freqüentemente inacessíveis remotamente podem ser agora acessíveis através do cache local. Pode-se citar uma infinidade de usos que podemos fazer com o cache: fazer uma demonstração de algum lugar com uma baixa velocidade de conexão, ler documentos com a máquina não-conectada (obviamente após colocar todos documentos no cache local), etc Servidores Os servidores Web são programas que respondem chamadas através de conexões TCP/IP com arquivos que são, basicamente, gerados em htm ou html. Esses softwares são instalados nas máquinas em que são armazenadas as páginas da Web. Ao ser instalados, criam uma estrutura de diretórios e nesses diretórios são colocadas as páginas que se deseja fazer acesso. Quando executado, o servidor Web abre uma porta de comunicação (Porta 80) para que os usuários internos (no caso de uma intranet) ou externos (internet ou extranet) possam fazer o seu acesso. Atualmente existem diversos softwares atuando como servidores Web disponíveis no mercado. O fato curioso é que a maioria são gratuitos. Alguns exemplos de servidores Web, são: Apache, Internet Information Server, Sambar

5 Introdução à Internet Página 34 Web Server, Xitami e Personal Web Server. Alguns servidores Web, são extremamente pequenos, como o Apache, Sambar e Xitami, ocupando espaços da ordem de kilobytes, outros como o IIS são bem maiores, e já são disponibilizados com o Sistema Operacional. Um ponto importante a considerar sobre os Servidores Web, é a configuração. Apesar de ser relativamente simples entender os princípios básicos desse tipo de software, a configuração nem sempre é uma tarefa fácil. Para configurar um servidor Web, o Administrador de Sistemas deve ter conhecimento sobre Portas de comunicação, TCP/IP e principalmente deve ter de forma bem definida as diretrizes de acesso as páginas que serão apresentadas. Alguns desses softwares permitem ser configurados por uma página de configuração através de browser, outros como o Apache, são configurados através de arquivos externos de configuração. Com relação à segurança, os servidores Web geralmente possuem recursos para garantir acesso somente à determinados usuários. Alguns desses softwares permitem monitorar os usuários que estão utilizando os serviços atualmente, através desse recurso, o administrador pode saber o que cada usuário está fazendo em determinado momento. Figura 16: Configuração do Servidor apache Figura 17: Monitoramento de serviços feito pelo Sambar Web Server

6 Introdução à Internet Página Servidor de Os servidores de são softwares que reconhecem os protocolos de envio e recebimento de mensagens: SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) e POP (Post Office Protocol). Com base nisso, o servidor de possibilita a criação de novas contas bem como o gerenciamento de contas existentes. Há diversos softwares servidores de , disponíveis no mercado, alguns deles são amplamente utilizados em Groupwares de Intranets, possibilitando que a troca de informações e mensagens em uma empresa seja mais eficiente. O trabalho básico de um servidor de em um ISP (Internet Service Provider) consiste em gerenciar as mensagens enviadas pelos seus usuários a outras pessoas e de outras pessoas para os seus usuários. Quando um cliente do ISP envia um para uma pessoa que tenha conta em outro ISP, essa mensagem não é diretamente enviada para a conta do destinatário. Ao contrário, a mensagem é armazenada no computador servidor de do ISP do remetente, essa máquina é a que se encarrega (através do software servidor de ) de enviar a mensagem para o destinatário. Quando algum outro usuário envia um para o cliente do ISP, ocorre o mesmo processo, só que nesse caso, o ISP armazena a mensagem até que seu usuário (cliente) acesse a Internet e leia a mensagem. Alguns exemplos de softwares servidores de , são: Eserv, Sendmail, Microsoft Exchange e Lotus Domino. Figura 18: Tela de Configuração do Servidor de Eserv Servidor de FTP Praticamente todo provedor de acesso, fornece uma área onde os usuários podem efetivar o download (cópia) de arquivos. Essa área é na verdade um espaço no disco rígido do computador do ISP. O software servidor de FTP oferece recursos para que seja

7 Introdução à Internet Página 36 disponibilizado o conteúdo de alguns diretórios para os usuários. Essa disponibilidade, no entanto, pode ser restringida através de senhas de acesso, ou mesmo através do monitoramento efetivado pelo próprio servidor FTP. É importante ressaltar que em alguns servidores Web (Sambar, IIS entre outros) o serviço de FTP já está embutido, sendo nesse caso, desnecessário a aquisição de outro software para disponibilizar os diretórios e arquivos. Alguns exemplos de servidores FTP são: FTP Serv-U, War FTP Daemon e FreeWay FTP para Windows 95,98 e NT. Bero FTPD, Demi-FTPD e NcFTPd são utilizados no sistema operacional Linux. A seguir são apresentados alguns exemplos de servidores FTP. Figura 19: Status dos usuários que estão utilizando o serviço Figura 20 Configuração de usuários e diretórios no servidor FTP 14.3 Servidor Proxy Os softwares que atuam como servidores proxy, tem a função de disponibilizar à vários computadores o acesso a internet utilizando apenas uma única linha telefônica. É importante notar que para possibilitar as máquinas clientes o acesso à Internet, deve ser feito um pequeno ajuste no browser de cada máquina. Esse ajuste consiste em informar ao browser que o acesso será feito por outra máquina (deve-se indicar o endereço da máquina que executa o servidor proxy) na rede através da porta Além de possibilitar o acesso de diversos computadores através de uma única linha telefônica, o servidor proxy possibilita restringir o acesso de usuários a determinados sites, criar contas para usuários, restringir máquinas com determinados números de Ips. Alguns servidores proxy bastante conhecidos são Proxy Server, WinProxy e WinGate. A seguir são apresentados alguns exemplos de utilização de servidores Proxy.

8 Introdução à Internet Página 37 Figura 21: Configuração no browser das estações Figura 22: Configuração do Winproxy é feita no próprio browser Servidor de Autenticação Servidores de autenticação são sistemas que concedem ao usuário, acesso aos recursos da rede. Um servidor de autenticação deve fornecer recursos poderosos de segurança, para garantir que os dados do usuário (nome de usuário e senha) não sejam bisbilhotados por usuários não autorizados.

9 Introdução à Internet Página 38 Um dos serviços de autenticação mais utilizados em ISPs é o sistema RADIUS (Remote Authentication Dial-In Service), desenvolvido pela Lucent Technologies. Esse sistema possui basicamente duas peças: um servidor de autenticação e um protocolo cliente. Todas as autenticações de usuários e serviços de acesso a informações da rede é localizado em um servidor RADIUS. Os clientes enviam requisições para esse servidor que por sua vez verifica os dados enviados e aciona uma resposta. O RADIUS é distribuído gratuitamente e possui compatibilidade com grande número de hardware. A seguir são apresentados os passos para autenticação de um usuário no sistema RADIUS. Figura 23: Estrutura de acesso de um usuário com o provedor Na figura anterior os seguintes componentes são relevantes: 1. Usuários remotos (B) através de terminais seriais, PCs ou em LANs (utilizando modems e linhas telefônicas) necessitam ter acesso à rede corporativa. 2. O acesso à rede corporativa em termos de comunicação de dados, é provido pelo servidor de acesso remoto (RAS) (C). Cabe ao RAS receber as chamadas dos usuários remotos (B) e utilizando o protocolo RADIUS, comunicar-se com o servidor de autenticação e bilhetagem (D) e receber autorização do acesso. 3. O Protocolo "RADIUS Server" roda no servidor de autenticação e bilhetagem (D). Todo o banco de dados correspondente aos usuários remotos reside nesse servidor. 4. Uma vez autorizado pelo Servidor RADIUS, o acesso do usuário remoto é então permitido e este poderá utilizar os recursos da rede LAN e ter acesso à Internet (através do Roteador (E)). Os pedidos de autorização de acesso, recebidos pelo Servidor RADIUS, são enviados pelo RAS ao receber as chamadas de usuários remotos. Através do banco de dados, os pedidos são aceitos ou não e a bilhetagem pode ser iniciada (por exemplo para saber quanto tempo um dado usuário remoto ficou logado no sistema).

10 Introdução à Internet Página 39 Quando a requisição de autenticação é recebida, o servidor de autenticação valida a requisição e então descripta o pacote de dados com o nome do usuário e a senha. Essas informações são passadas para o sistema de segurança apropriado, que pode ser entre outros, um arquivo de senhas. Se o nome de usuário e a senha estão corretos, o servidor RADIUS envia um reconhecimento de autenticação para o servidor de comunicação. Dessa forma também são enviados requerimentos para o acesso aos serviços da rede por parte do usuário. Na mensagem de reconhecimento enviada pelo servidor, pode conter filtros para limitar o acesso do usuário a recursos específicos da rede. Se as informações do usuário não estão corretas, o servidor RADIUS envia uma rejeição de autenticação para o servidor de comunicação, fazendo que o usuário não tenha acesso a rede. Para garantir que as requisições dos usuários não sejam respondidas por hackers, o servidor RADIUS envia uma chave de autenticação, ou uma assinatura, identificando ele mesmo ao cliente RADIUS. Uma vez que essas informações são recebidas pelo servidor de comunicação, ele habilita a configuração necessária para distribuir ao usuário, os seus direitos na rede. Figura 24-1: Acesso concedido para o usuário Figura 24-2: Requisição de Acesso Negado Diversos ISPs utilizam RADIUS para fornecer segurança ao acesso de usuários em suas redes através de diversos POPs (pontos de presença). Sistemas de segurança UNIX, são tipicamente usados nesses ambientes. A seguir é apresentado a tela de configuração do protocolo RADIUS (Steel-Belted Radius for Windows NT).

11 Introdução à Internet Página 40 Figura 25: Configuração do servidor RADIUS ROTEADORES Roteador é um equipamento responsável pela interligação entre redes LAN atuando nas camadas 1, 2 e 3 do modelo ISO / OSI. Usando protocolos de comunicação standard como o TCP / IP, SPX / IPX, Appletalk, etc, o roteador permite que máquinas de uma dada rede LAN comuniquem-se com máquinas de outra rede LAN remota, como se as redes LAN fossem uma só. O roteador difere da bridge e do gateway, pois: A bridge tem, como função, segmentar uma rede LAN em sub-redes LAN s para diminuir o tráfego de mensagens na LAN (aumento de performance) e fazer conversões de padrões de rede diferentes (por exemplo, permite a ligação de redes Ethernet com Token-Ring). As bridges diferenciam-se dos repetidores, pois manipulam pacotes ao invés de sinais elétricos. As bridges possuem vantagens sobre os repetidores, pois não retransmitem ruídos, erros, ou frames mal formados. gateway tem, como função, fazer a interligação de redes distintas (usando protocolos distintos, com características distintas). Ele atua em todas as camadas ISO/OSI, resolvendo problemas de diferença entre as redes que ele interliga, tais como: tamanho dos pacotes que transitam nas redes, forma de endereçamento, temporizações, forma de acesso, padrões de linguagem interna de formato de correio eletrônicos. roteador tem, como função, decidir por qual caminho deve seguir um dado pacote de dados recebido. Através de uma série de regras como: rotas estáticas inseridas no roteador, rotas dinâmicas aprendidas através de protocolos de roteamento usado entre roteadores (RIP, OSPF, etc), o roteador consegue rotear pacotes de dados por um determinado caminho Aplicações de Roteadores Os roteadores são bem utilizados no meio Internet / Intranet e para a comunicação LAN-to-LAN (como por exemplo, ligação matriz-filial). No meio Internet / Intranet, o roteador aparece na ligação do site do provedor (rede local do provedor) ao link Internet,

12 Introdução à Internet Página 41 bem como na conexão do provedor a sub-provedores via LP de dados (especializada), LP de voz (não especializada) ou mesmo linha discada. Matriz-filial pode usar a Internet para este fim, usando algum artifício de proteção nas pontas para evitar acesso público, o chamado software de Firewall. Na comunicação LAN-to-LAN, a matriz pode ser conectada às filiais através do roteador usando LP (dados ou voz) ou mesmo rede de pacotes. Figura 26: Estrutura de Acesso LAN-to-LAN utilizando roteadores Entretenimento A seção de entretenimento irá trazer até você a oportunidade de conhecer o famoso bate-papo, o download de arquivos, escutar rádios on-line, assistir televisão on-line, fazer compras, visitar bibliotecas, ficar informado além de muitas outras tarefas costumeiras na Internet. mirc. Informação. Download. Bibliotecas. Rádios e Tv s on line. Compras Download Download é nada mais que pegar para você algo que está na Internet.

13 Introdução à Internet Página Download de figuras na Internet Como é feito? Clique com o botão direito em cima da figura, Salvar figura como Escolha o nome e a pasta onde o arquivo será baixado. Salvar Download de arquivos na Internet Como é feito? Geralmente os arquivos na Internet são colocados para download, a partir de links, e o procedimento é parecido com o download de figuras. Clique no respectivo link de download Aparecerá uma tela com duas opções, Abrir arquivo ou Salvar arquivo em disco.. Escolha salvar arquivo em disco.

14 Introdução à Internet Página 43 Escolha a pasta de destino e logo em seguida clique em salvar. Janela de download em execução Rádios e TV`s On-line Hoje em dia já é possível até mesmo assistir televisão e ouvir rádios de todo o mundo pela Internet, porém assistir televisão ainda é um pouco precário devido a necessidade de altas velocidades de conexão para a transmissão de áudio e vídeo. Já as rádios mundiais, essas sim tem qualidade excelente, podendo ser comparadas as comuns difusoras que existem em todo o mundo. As rádios na Internet fazem o maior sucesso pois, lhe possibilita ouvir tipos de música de todo o lugar do planeta sem sair do conforto de sua casa ou de seu trabalho, mas para isso é necessário possuir uma placa de som e caixas acusticas. Confira para ver como funciona, temos certeza que irão adorar!!! Abaixo o endereço mais completo para a busca de TV`s e rádios on-line. No endereço acima você encontrará o mais completo site contendo quase todas as rádios e TV`s on-line disponíveis no mundo todo Bibliotecas Para quem gosta de estudar ou precisa de fazer algum trabalho escolar, acabou o seu problema, pois agora você irá conhecer as bibliotecas virtuais, ou seja, são realmente centros de cultura com material muito vasto de pesquisa espalhados por todo o Brasil.

15 Introdução à Internet Página Compras Fazer compras na Internet está se tornando cada vez mais comum, devido as facilidades encontradas. Uma delas é que você pode comprar diretamente do conforto de sua casa ou trabalho, a outra é que as lojas on-line nunca fecham para almoço, feriado ou mesmo finais de semana. Além de tudo é muito mais prático do que sair andando por aí pesquisando preços, basta estar conectado e procurar pela rede toda por ofertas de encher os olhos. Para fazer compras pela rede a maioria das negociações é feita através de cartões de credito. Funciona da mesma forma, o comprador tem de estar com seu cartão dentro da validade, indicar número do cartão, qual é o cartão e pronto, aí basta seguir a lógica do site onde está no momento. Atenção Se você é daqueles que acredita em todos e gosta de comprar muito, tome muito cuidado pois pode lhe trazer problemas, tais como: Roubo do número de cartão de crédito, e seu nome no SPC. Nunca compre através de websites de procedência duvidosa como: Leandro s Home Page, Thiago s Shop Store ou qualquer outra página que não seja de seu conhecimento. Abaixo alguns sites de compras na rede. Site do Universo On Line Site da Arapuã Site do Visamail Site da Disney Ferramentas de Desenvolvimento de Home-Pages (Sites) Com o advento da WWW o endereço eletrônico deixou de ser uma linha de caracteres para se tornar um espaço com luz, cor, possibilidade de som, imagem e movimento. Esse caminho é a Home-Pages que se esconde atrás dos URL s ( Uniform Resource Locator, os endereços na Internet ). Nelas existem palavras em destaque ( Links), que levam os leitores à outras páginas utilizando o recurso de HiperTexto. Mas o que é HiperTexto? É uma filosofia de construir sistemas para a produção, recuperação e apresentação da informação em NOS(

16 Introdução à Internet Página 45 nodes ) e organização desses nos em uma ou mais estruturas de navegação. A principal características do HiperTexto é a possibilidade de navegação não linear, isto é, não sequencial, ao contrário dos sistemas convencionais em que os registros são apresentados na ordem em que estão armazenados. No HiperTexto é possível ir e vir saltando entre páginas sem se perder( função de BackTrack ). Este mercado está crescendo de forma exponencial, porém a lenta velocidade de transmissão de dados pela Internet no Brasil é atualmente o maior obstáculo para o crescimento do mercado de páginas WWW Ferramentas Internet Explorer 4 - O seu navegador (Internet Explorer 4) da Microsoft Descubra as partes de seu navegador a seguir. Botões de navegação Barra de título. Menu Barra de endereços Barra de status. Área de navegação Barra de rolagem horizontal Barra de rolagem vertical.

17 Introdução à Internet Página Os botões de navegações A seguir está as funções de cada botão de seu navegador IE 4 da Microsoft. O botão acima possibilita voltar na página em que você acabou de sair ou seja se você estava na página da Microsoft e agora foi para a da Sun Microsystems, este botão lhe possibilita voltar para a da Microsoft sem Ter que digitar o endereço (URL) novamente na barra de endereços. O botão avançar tem a função invertida ao botão voltar citado acima. O botão parar tem como função obvia parar o download da página em execução, ou seja, se você está baixando uma página que está demorando muito utilize o botão parar para finalizar o download. O botão atualizar tem como função rebaixar a página em execução, ou seja ver o que há de novo na mesma. Geralmente utilizado para rever a página que não foi completamente baixada, falta figuras ou textos. O botão página inicial tem como função ir para a página que o seu navegador está configurado para abrir assim que é acionado pelo usuário, geralmente o IE 4 está configurado para ir a sua própria página na Microsoft. Este botão é mais uma novidade da Microsoft, é altamente útil pois clicando no mesmo o IE 4 irá abrir uma seção ao lado esquerdo do navegador que irá listar os principais, sites de busca na Internet, tal como Cadê, Lycos, Altavista etc. A partir daqui será possível encontrar o que você está procurando, mas veremos isto mais a fundo nas próximas páginas. O botão favoritos contem os Websites mais interessantes definidos pelo usuário, porém a Microsoft já utiliza como padrão do IE 4 alguns sites que estão na lista de favoritos. Para você adicionar um site na lista de favoritos basta você clicar com o botão direito em qualquer parte da página de sua escolha e escolher adicionar a favoritos.

18 Introdução à Internet Página 47 Geralmente utilizamos este recurso para marcar nossas páginas preferidas, para servir de atalho. O botão histórico exibe na parte esquerda do navegador quais foram os sites visitados nas últimas 4 semanas, com isso você pode manter um controle dos sites que você passou nas últimas 4 semanas. Bastante útil para usuários esquecidos. Semelhante ao botão favoritos, o botão de canais tem como função exibir uma série de sites desenvolvidos especialmente para o IE 4, ou seja que tem um maior desempenho caso sejam visualizados através do IE 4. Esse sim é um botão com muita utilidade, uma vez que a versão anterior não possuía esse recurso de visualizar a página em execução em tela cheia como o nome já diz, quer dizer, o navegador torna-se mais amplo para se navegar, sem todas as barras do navegador a não ser a barra de navegação em um formato reduzido com as mesmas funções da barra padrão. O botão de correio tem como função auxiliar no envio e a leitura de mensagens eletrônicas. Ao clicar no mesmo aparecerá um menu com opções para Ler correio, nova mensagem, enviar link, enviar mensagens. Como os botões já indicam as funções, não é preciso explicar suas finalidades que são obvias Uso Básico do Netscape 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS O Netscape é um programa para visualização de informações disponíveis na Internet em servidores World Wide Web (WWW), para interface "gráfica", ou seja, é possível acessar os diversos tipos de documentos disponíveis na rede: textos, imagens, sons, animações. Uma característica importante do Netscape é que ele permite também acesso a repositórios de informação em servidores Gopher, Wais, FTP e até servidores NNTP (newsgroups). O Netscape exibe arquivos em formato de hipertexto - HTML (Hypertext Markup Language). 2-PARA INICIAR O PROGRAMA NETSCAPE Antes de iniciá-lo, é preciso primeiramente estar conectado à rede. Siga os procedimentos normais para a conexão. Em seguida:

19 Introdução à Internet Página 48 Ao ser inicializado, o Netscape vai exibir a página de entrada de um servidor WWW. Observe que os itens que aparecem em destaque (normalmente "highlighted""), funcionam como "links" para outros documentos. Ou seja, ao serem selecionados, exibem uma nova tela de informação. O programa mostra na parte superior da tela, uma série "janelas" que são recursos de utilização do Netscape, bem como a localização ou endereço do servidor aberto. 3-PARA PERCORRER E NAVEGAR POR HIPERTEXTOS Para percorrer a tela do hipertexto, utilize as setas no lado direito da página ou utilize a tecla de espaço para avançar uma tela. Para acessar uma outra tela de informação, leve o cursor e clique em cima de uma palavra em destaque no texto. Para voltar para a página anterior, utilize a "janela" no canto esquerdo da tela, que corresponde a uma seta para a esquerda (back). A janela que corresponde a um binóculo no lado superior direito da tela é um recurso que possibilita ao usuário oferecer uma palavra para que o cursor encontre na tela a palavra oferecida. 4-COMO ACESSAR UM SERVIDOR QUE NÃO ESTÁ NA PÁGINA? Antes de utilizar o WWW, é importante compreender o conceito de URL: URL (Uniform Resource Locator): é a notação padrão de serviços e arquivos na Internet. A URL contém todas as informações necessárias para se localizar qualquer recurso na rede. É como que uma forma padrão de endereçamento de recursos da rede. Ao usar o WWW, esta é a forma de notação utilizada. Escreve-se dessa forma: protocol://host/path/filename Protocol = identifica o protocolo de comunicação usado pelo servidor onde está o arquivo desejado. Host = endereço Internet da máquina em que se encontra o serviço desejado Path e Filename = nomes do diretório e arquivo desejado Exemplos de URL's _HTTP (Hypertext Transfer Protocol) _GOPHER gopher://gopher.micro.umn.edu/11/ _FTP (File Transfer Protocol) ftp://ftp.cr-df.rnp.br/pub/packages _WAIS (Wide Area Information Service Protocol) wais://cnidr.org/directory-of-servers

20 Introdução à Internet Página 49 5-ABRINDO UMA CONEXÃO COM UM SERVIDOR PELO NETSCAPE Leve o cursor para uma janela que diz "Open" na parte superior da tela ( ao lado de "Print"); ou então clique em File, e depois em Open Location Uma janela se abrirá na tela para que seja oferecida URL do servidor para onde se quer ir. Digite o endereço completo (URL) do serviço, e clique em "Open" 6-PARA GUARDAR SEUS ACHADOS - BOOKMARK O Bookmark é seu caderno de anotações eletrônico, onde é possível armazenar quaisquer URL's de seu interesse pessoal. Uma vez feitas as anotações no bookmark, este pode ser consultado todas as vezes que o Netscape for utilizado. Para adicionar a página "onde você se encontra" no bookmark, clique com a setinha na palavra "Bookmarks", e depois em "Add Bookmark" Para visualizar a sua lista de URL's no bookmark, clique em "Bookmarks", e depois em "View Bookmarks" 7-PARA VER O "FONTE", OU "SOURCE" DE UM HIPERTEXTO Clique em "View", e depois em "Source", será apresentado então o hipertexto em seu formato ASCII com as anotações de HTML. Para retornar a página do Netscape, clique em "OK" 8-PARA INTERROMPER COM UMA TRANSFERÊNCIA Clique na janela "Stop" no lado superior direito da tela, ou então clique em "Go", e depois em "Stop Loading" 9-PARA IMPRIMIR A PÁGINA DO HIPERTEXTO Clique na janela "Print" no canto direito superior da tela, ou então clique em "File", depois em "Print". Obs: A impressora e o programa Netscape devem estar devidamente configurados para que o documento seja impresso! 10-PARA ENVIAR A INFORMAÇÃO DO HIPERTEXTO POR CORREIO ELETRÔNICO Clique em "File", no lado direito da tela, depois em "Mail Document". Uma tela será aberta com campos de cabeçalho e conteúdo da mensagem. Para incluir o hipertexto no conteúdo da mensagem, clique em "Quote Document". Para enviar a mensagem, clique em "Send". Caso o envio de mensagens não funcione na primeira tentativa, verifica as configurações referentes a no menu "Options", item "Mail and News Preferences". 11-PARA SALVAR O HIPERTEXTO Clique em "File", depois em "Save As". Uma janela será aberta para que você determine em que diretório e com que nome o hipertexto vai ser salvo. Para salvar, clique em "OK" Obs: O hipertexto será salvo como um arquivo.htm. Note que sempre quando você visualizá-lo através do Netscape, as imagens não aparecerão. Isso porque as imagens

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 Acessando endereços simultaneamente Parte 2 Um recurso interessante e extremamente útil é o de abrir várias janelas ao mesmo tempo. Em cada janela você poderá acessar um endereço diferente na

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Manual do Usuário Janeiro de 2016

Manual do Usuário Janeiro de 2016 Manual do Usuário Janeiro de 2016 SOBRE CMX CMX é uma interface que dá acesso aos estudantes a milhares de atividades, exercícios e recursos todos posicionados com os padrões e conceitos curriculares.

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

1.1 Porque um nível de aplicação proxy?

1.1 Porque um nível de aplicação proxy? 1.0 Introdução Os proxies são principalmente usados para permitir acesso à Web através de um firewall (fig. 1). Um proxy é um servidor HTTP especial que tipicamente roda em uma máquina firewall. O proxy

Leia mais

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta.

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. Prof. Júlio César S. Ramos P á g i n a 1 INTERNET OUTLOOK 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. A O Outlook Express permite criar grupo de pessoas

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Surgimento da internet Expansão x Popularização da internet A World Wide Web e a Internet Funcionamento e personagens da

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir Prof. Valdir Informática Informática Valdir Prof. Valdir Informática Informática PROVA DPF 2009 Julgue os itens subseqüentes, a respeito de Internet e intranet. Questão 36 36 - As intranets, por serem

Leia mais

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM Bacharel em Ciência da Computação, especialista em Gerência de Projetos e em Criptografia e Segurança da Informação. Servidora Publica. Atua na área acadêmica em cursos de Graduação

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que é Internet? Apesar de muitas vezes ser definida como a "grande rede mundial de computadores, na verdade compreende o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam e que permitem

Leia mais

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER Host On-Demand - HOD Versão 6.0 Fev/2002 Suporte Técnico: Central de Atendimento SERPRO CAS 0800-782323 Gilson.Pereira@serpro.gov.br Marcio.Nunes@serpro.gov.br O que é o serviço

Leia mais

Painel de Controle e Configurações

Painel de Controle e Configurações Painel de Controle e Configurações Painel de Controle FERRAMENTAS DO PAINEL DE CONTROLE: - Adicionar Hardware: Você pode usar Adicionar hardware para detectar e configurar dispositivos conectados ao seu

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

Ferramentas para Desenvolvimento Web

Ferramentas para Desenvolvimento Web Ferramentas para Desenvolvimento Web Profa. Dra. Joyce Martins Mendes Battaglia Mini Currículo Bel. em Ciência da Computação - Unib Mestre e doutora em Eng. Elétrica USP Professora /Coordenadora Pesquisadora

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Universidade de São Paulo Centro de Informática de Ribeirão Preto TUTORIAL HOTMAIL

Universidade de São Paulo Centro de Informática de Ribeirão Preto TUTORIAL HOTMAIL Universidade de São Paulo Centro de Informática de Ribeirão Preto TUTORIAL HOTMAIL Tutorial Hotmail Sobre o MSN Hotmail Acessando o Hotmail Como criar uma conta Efetuando o login Verificar mensagens Redigir

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 ÍNDICE Aula 1 Conhecendo o Linux... 3 Apresentação... 3 Tela de Logon... 4 Área de trabalho... 5 Explorando o Menu

Leia mais

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Buffer de Quadro Remoto (Buffer de Quadro Remoto) 6 3 Usando o Remote Desktop

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

Internet - A rede Mundial

Internet - A rede Mundial Internet - A rede Mundial Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br O que é? Qual a sua história? Como funciona? Como está organizada? Quais os serviços? Como acessar? Quais os cuidados? Qual

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

Curso de Informática Básica

Curso de Informática Básica Curso de Informática Básica O e-mail Primeiros Cliques 1 Curso de Informática Básica Índice Introdução...3 Receber, enviar e responder mensagens...3 Anexando arquivos...9 Cuidado com vírus...11 2 Outlook

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática,QWURGXomRj,QWHUQHW Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) PROJETO UNESC@LA Novembro de 2000 CONTEÚDO 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

Seu manual do usuário BLACKBERRY INTERNET SERVICE http://pt.yourpdfguides.com/dref/1117388

Seu manual do usuário BLACKBERRY INTERNET SERVICE http://pt.yourpdfguides.com/dref/1117388 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para BLACKBERRY INTERNET SERVICE. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente

WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente www.plugin.com.br 1 ÍNDICE Prefácio...3 Sobre Este Manual... 3

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região DIMI - Divisão de Microinformática e Redes Índice: O que é a Internet? 3 O que são Intranets? 3 Sobre o Nestcape Navigator 3 Para iniciar o

Leia mais

Guia Rápido de Instalação. VNT 7704 e VNT 7708

Guia Rápido de Instalação. VNT 7704 e VNT 7708 Guia Rápido de Instalação VNT 7704 e VNT 7708 Conteúdo 1. Instale o HD... 3 1.1. Instale o HD... 3 2. Conexões... 3 2.1. Vista traseira do DVR de 04 canais... 3 2.2. Vista traseira do DVR de 08 canais...

Leia mais

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon MDaemon GroupWare plugin para o Microsoft Outlook Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon Versão 1 Manual do Usuário MDaemon GroupWare Plugin for Microsoft Outlook Conteúdo 2003 Alt-N Technologies.

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

// Questões para estudo

// Questões para estudo // Questões para estudo 2 // Ferramentas Básicas de Internet e Web 2.0 1. Sobre a internet, marque a opção correta: A) A internet poder ser definida como uma rede mundial, composta por mihões e milhões

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Sérgio Cabrera Professor Informática 1

Sérgio Cabrera Professor Informática 1 1. A tecnologia que utiliza uma rede pública, como a Internet, em substituição às linhas privadas para implementar redes corporativas é denominada. (A) VPN. (B) LAN. (C) 1OBaseT. (D) 1OBase2. (E) 100BaseT.

Leia mais

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Mercados em potencial de serviços Serviços da Web ftp,http,email,news,icq! Mercados em potencial de serviços FTP IRC Telnet E-mail WWW Videoconferência

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Abril/ Certificado Digital A1 Geração Página 1 de 32 Abril/ Pré requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo de instalação tenha sucesso, é necessário obedecer aos

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Manual de Apoio à Assinatura Eletrônica DISO

Manual de Apoio à Assinatura Eletrônica DISO Manual de Apoio à Assinatura Eletrônica DISO Índice Hyperlinks Descanse o mouse na frase, aperte sem largar o botão Ctrl do seu teclado e click com o botão esquerdo do mouse para confirmar. Introdução

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 01 -Existem vários tipos de vírus de computadores, dentre

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação

A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação privadas, satélites e outros serviços de telecomunicação. Hardware

Leia mais

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X A primeira coisa a analisarmos é onde ficará posicionado o servidor de Raio-x na rede do cliente, abaixo será colocado três situações básicas e comuns

Leia mais

Kaspersky Security Center 10 SP1 (KSC 10 SP1) Como criar Exclusões

Kaspersky Security Center 10 SP1 (KSC 10 SP1) Como criar Exclusões Kaspersky Security Center 10 SP1 (KSC 10 SP1) Como criar Exclusões Regras de exclusão são grupos de condições que o Kaspersky Endpoint Security utiliza para omitir um objeto durante uma varredura (scan)

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET DEFINIÇÕES BÁSICAS A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, ue têm em comum um conjunto de protocolos e serviços. O ue permite a

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico).

FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico). FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico). CLIENTE DE EMAIL - OUTLOOK (Microsoft Office). - Outlook Express (Windows). - Mozilla Thunderbird (Soft Livre). - Eudora. - IncredMail.

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Servidor de E-mails e Protocolo SMTP Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Definições Servidor de Mensagens Um servidor de

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Wireshark Lab: Iniciando

Wireshark Lab: Iniciando Wireshark Lab: Iniciando Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Conte-me e esqueço. Mostre-me e eu lembro. Envolva-me

Leia mais

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Índice Introdução ao Serviço de E-mail O que é um servidor de E-mail 3 Porque estamos migrando nosso serviço de correio eletrônico? 3 Vantagens de utilização

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais