Washington Henrique F. Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Washington Henrique F. Silva"

Transcrição

1 Washington Henrique F. Silva AVALIAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS DE AIR BAG EM VEÍCULOS DE PASSEIO Trabalho de final de curso apresentado à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Engenharia Automotiva (Mestrado Profissionalizante) São Paulo 2005

2 Washington Henrique F. Silva AVALIAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS DE AIR BAG EM VEÍCULOS DE PASSEIO Trabalho de final de curso apresentado à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Engenharia Área de Concentração: Engenharia Automotiva (Mestrado Profissionalizante) Orientador: Arlindo Tribess São Paulo 2005

3 Silva, Washington Henrique Freitas da Avaliação e validação de sistemas de air bag em veículos de passeio / W.H.F. da Silva. São Paulo, p. Trabalho de curso (Mestrado Profissionalizante em Engenharia Automotiva) - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. 1. Engenharia automotiva 2. Segurança veicular 3. Air bag 4. Veículos de passeio 5. Tecnologia I. Universidade de São Paulo. Escola Politécnica. II. t

4 AGRADECIMENTOS Ao orientador Prof. Dr. Arlindo Tribess, pela motivação, confiança e permanentes incentivos dedicados a minha pessoa, durante o desenvolvimento e concretização deste sonho, e, sobretudo pela sabedoria dispensada durante estes anos de pesquisa e desenvolvimento intelectual. À minha família, especialmente a minha esposa Ailza, que durante o curso me deu o maior presente de minha vida, a gravidez e o nascimento de meu filho Pedro, e o incondicional apoio, que sempre alavancaram os meus esforços na busca do melhor caminho. Meus sinceros agradecimentos aos professores da Escola Politécnica da USP e colegas da General Motors, pelos momentos de convivência e pela troca de conhecimentos, que tanto enriqueceram minha formação pessoal e acadêmica. Finalmente, agradeço a Deus e a todos que, direta ou indiretamente, colaboraram na execução deste trabalho, seja dividindo angustias, ansiedades e momentos de muito nervosismo, seja compartilhando entusiasmos e conquistas. A todos vocês muito obrigado!

5 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTAS DE TABELAS LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS RESUMO ABSTRACT 1.INTRODUÇÃO Objeto de estudo e objetivo do trabalho Organização do trabalho SISTEMA DE AIR BAG Histórico do air bag Componentes do sistema de air bag As bolsas infláveis Os insufladores O módulo eletrônico de comando Princípio de funcionamento do sistema de air bag Air bag frontal Air bag lateral ANÁLISE DE IMPACTO Impacto em veículos Sistema de coordenadas Análise de impacto sob a ótica das coordenadas móveis Análise de impacto sob a ótica das coordenadas móveis Análise de impacto em veículos...29

6 4. SENSORES DE IMPACTO Desenvolvimento de sensores Sensor do sistema de air bag acelerômetro Critérios de disparo do dispositivo de abertura do air bag Critério das 5 polegadas menos 30 milisegundos (Regra 5 30 ms) Critério de performance dos ocupantes (Regra OPC) AVALIAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE AIR BAG Avaliação em câmara de testes Avaliação em testes de impacto (crash tests) Os bonecos utilizados em testes de impacto: os dummies Os testes de impacto (crash tests) VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE AIR BAG Avaliações de crash tests para validação do sistema de air bag Critério de comportamento funcional da cabeça HIC: Head Injury Criterion TESTE DE VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE AIR BAG Teste de validação Aplicação do critério HIC CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...66

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1.1 Encosto de cabeça ativo 4 Figura 1.2 Acionamento mecânico do encosto de cabeça ativo 4 Figura 1.3 Encosto de cabeça ativo com air bag 4 Figura 1.4 Cinto pirotécnico acionado pelo principio de êmbolo 6 Figura 2.1 Ilustração de atuação do sistema de air bag 10 Figura 2.2 Componentes do sistema de air bag 12 Figura 2.3 Bolsa inflável do sistema de air bag 13 Figura 2.4 Módulo de insuflação do air bag 14 Figura 2.5 Módulo eletrônico de comando do sistema de air bag 16 Figura 2.6 Air bag frontal 19 Figura 2.7 Air bag lateral 21 Figura 2.8 Limite de impacto para acionamento do air bag lateral 21 Figura 3.1 Figura 3.2 Figura 3.3 Figura 3.4 Sinal de aceleração medido no compartimento de passageiros em colisão frontal a 48 km/h em barreira rígida Sinal de aceleração, medido no compartimento do motor em colisão frontal a 48 km/h em barreira rígida Curvas de aceleração, velocidade e deformação demonstradas a partir de um sistema de coordenadas fixas Curvas de aceleração, velocidade e deformação demonstradas a partir de um sistema móvel Figura 3.5 Dados de impacto a 15 km/h em barreira em barreira rígida 30 Figura 3.6 Dados de impacto a 48 km/h obtidos em colisão obliqua à 30 o. em barreira rígida 31 Figura 3.7 Dados de impacto obtidos a 48 km/h em colisão com poste 31 Figura 3.8 Dados de impacto obtidos a 48 km/h em colisão com poste, sob 32

8 Figura 4.1 sistema de coordenadas fixas Dados de impacto a 48 km/h em barreira rígida, medidos na parte frontal do veículo 33 Figura 4.2 Sensor do sistema de air bag acelerômetro 35 Figura 4.3 Curvas de aceleração e deslocamento de um ocupante sem cinto de segurança, numa colisão frontal hipotética determinação gráfica dos instantes limites para disparo de um sensor versus tempo requerido para se insuflar a bolsa de amortecimento. 38 Figura 4.4 Análise conforme critério de OPC para impacto frontal a 48 km/h 40 Figura 4.5 Figura 4.6 Gráfico comparativo entre critérios OPC e 5 30 ms em um impacto frontal em poste a 22 km/h Gráfico comparativo entre critérios OPC e 5 30 ms em um impacto frontal em barreira rígida a 56 km/h Figura 5.1 Câmara estática de teste do air bag 43 Figura 5.2 Dados de deslocamento para determinação do tempo de atraso para o disparo do impactador 44 Figura 5.3 Representação esquemática para cálculo do tempo de atraso 45 Figura 5.4 Impacto sincronizado 46 Figura 5.5 Exemplos de dummies utilizados em crash tests, tipo (a) EUROSID e (b) modelo Hybrid III.. 47 Figura 5.6 Dummies Hybrid III de vários tamanhos 48 Figura 5.7 Testes de impacto com dummy fora da posição 49 Figura 6.1 Imagens obtidas durante crash test 50 Figura 6.2 Limites biomecânicos na face 53 Figura 6.3 Curva de Wayne State 54 Figura 7.1 Instante de inicio de impacto (t=0 ms) 56 Figura 7.2 Veículo no instante de início do impacto (t= 0 ms) 56 Figura 7.3 Instante de deflagração do air bag (t= 19 ms) 57

9 Figura 7.4 Veículo no instante de deflagração do air bag (t= 19 ms) 57 Figura 7.5 Instante de contato do air bag insuflado com o dummy (t= 49 ms) 58 Figura 7.6 Veículo no instante de contato do air bag insuflado com o dummy (t= 49 ms) 58 Figura 7.7 Instante de máximo deslocamento do dummy (t= 103 ms) 60 Figura 7.8 Gráfico de aceleração resultante do dummy em relação ao sistema de coordenadas fixas 60 Figura 7.9 Gráfico do HIC máximo 62

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1.1 Marcos históricos relacionados a segurança veicular 3 Tabela 3.1 Tabela 4.1 Dados comparativos de magnitude e duração da aceleração nos impactos a 15 km/h e 48 km/h Tempos de disparo em função das velocidades consideradas e do tipo de impacto Tabela 7.1 Valores de aceleração média e de HIC 61

11 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ABS DAS FMVSS HIC MDV NHTSA OPC RS SID TOT Anti Block System Data Acquisition System Federal Motor Vehicle Safety Standard Head Injury Criterion Mira Data Viewer National Highway Traffic Safety Administration Occupant Performance Criterion Restraint Space Side Impact Dummy Total Occupant Travel

12 RESUMO O ser humano possui várias e graves limitações do ponto de vista das solicitações impostas pelo trânsito. Por isso, e também por deficiências do veículo e das vias onde o tráfego flui, há a necessidade de se incorporar dispositivos compensadores destas limitações ao veículo. Uma das formas de se reduzir e/ou evitar ferimentos graves dos ocupantes em colisões de veículos é por meio da utilização de equipamentos de segurança passiva. O sistema de air bag, juntamente com o sistema de cintos de segurança, pode desempenhar um papel importante. Por serem elementos infláveis, os air bags se comportam como amortecedores que absorvem energia de movimento entre a parte superior do corpo de ocupantes do veículo e o volante de direção, painel de instrumentos ou vidro pára-brisa, por ocasião de uma colisão. No Brasil o air bag ainda é um item opcional de segurança passiva, não existindo a cultura de utilização deste equipamento. Com a abertura do mercado à importação de veículos, porém, este conceito vem se alterando aos poucos. No presente trabalho são discutidos aspectos relacionados com os testes de avaliação e validação destes sistemas, com a apresentação dos resultados de um teste de validação realizado. Inicialmente são apresentadas as funcionalidades do sistema de air bag e detalhados os componentes constitutivos do sistema, o seu funcionamento e os tipos de sistemas utilizados, bem como as técnicas de engenharia para análise de impactos (crash tests), o desenvolvimento de sensores de impacto e os critérios para o disparo do dispositivo de abertura do air bag. Em seguida, são apresentados e discutidos os testes de avaliação para validação do sistema de air bag realizados pelo fabricante e na montadora. Procedimentos de avaliação em câmaras de testes e em crash tests são detalhados. Finalizando, os critérios de comportamento funcional biomecânico utilizados na avaliação de validação do sistema são apresentados O critério de comportamento funcional da cabeça, HIC (Head Injury Criterion) é detalhado. Resultados do teste de validação apresentaram valor máximo para HIC de 658,75, para o intervalo de duração de impacto compreendido entre 67 e 103 ms. O valor obtido está abaixo do valor limite de HIC igual a 1000, da norma FVMSS 208; o que mostra que o sistema de air bag testado atendeu satisfatoriamente o requisito.

13 ABSTRACT The human being has several and serious limitations of the point of view of the requests imposed by the traffic. Therefore, and also for deficiencies of the vehicle and of the roads, there is the need to incorporate 'compensatory devices for these limitations'to the vehicle. One way to reduce and/or to avoid serious injuries of the occupants in collisions of vehicles is by the use of passive safety equipment. The air bag systems, together with the seatbelts systems, can play an important rule. Air bags are inflated elements and behave as shock absorbers, that absorb movement energy between the superior part of the occupants' of the vehicle body and the direction steering wheel, the panel of instruments or the windshield, for occasion of a collision. In Brazil the air bag is still an optional item of passive safety, not existing the culture of the use of this equipment. With the opening of the market to the import of vehicles, however, this concept is changing little by little. In the present work aspects related with the evaluation and validation tests of these systems are discussed, with the presentation of the results of a validation test. Initially, the functionalities of the air bag system are presented and the components of the system, its operation and the systems types, as well as the engineering techniques for analysis of impacts (crash tests), the development of sensors of impact and the criteria for the shot to opening the air bag are detailed. Soon afterwards, the evaluation tests for the air bag system validation accomplished by the manufacturer and by the OEM are presented and discussed. Evaluation procedures in test chambers and in crash tests are detailed. Concluding, the criteria of the biomechanical functional behavior used in the evaluation for validation of the system are presented. The Head Injury Criterion (HIC) is detailed. Results of the validation test presented a maximum value of HIC equal to 658,75, for the interval of impact among 67 and 103 ms. This value is below the 1000 HIC limit value predicted by the FVMSS 208 norm; what shows that the air bag system attends the requirement satisfactorily.

14 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O homem, apesar de ser uma máquina perfeita conforme o ponto de vista de vários filósofos e estudiosos que fizeram esta afirmação ao longo dos séculos possui várias e graves limitações do ponto de vista das solicitações impostas pelo trânsito, pois sua capacidade de julgamento nem sempre conduz à melhor saída, seus tempos de percepção e reação são relativamente lentos e dependentes do estado físico e/ou psicológico, não possui uniformidade nas reações, etc. Por isso, e também por deficiências do veículo e das vias onde o tráfego flui e que interagem junto ao meio ambiente, há a necessidade de se incorporar dispositivos compensadores destas limitações ao veículo. A estes dispositivos convencionou-se chamar de segurança ativa, e são todos aqueles equipamentos e/ou características de projeto que procuram evitar a colisão e manter a integridade física dos ocupantes dos veículos, como por exemplo: faróis, lanternas, dispositivos reflexivos; freios (incluindo ABS), luzes de freio; espelhos retrovisores, desembaçadores e limpadores de pára-brisa; suspensão, direção, rodas, pneus, etc. Paralelamente, há a necessidade de se incorporar equipamentos e/ou características de projeto para reduzir e/ou evitar lesões graves decorrentes de colisões, que compõem os dispositivos de segurança passiva. Nesta linha pode-se citar os cintos de segurança otimizados com ancoragem superior ajustável, fecho fixado ao banco, retrator com travamento de emergência, três pontos para o banco traseiro central e pré-tensionadores nos bancos dianteiros e os sistemas de air bag. Podem ser relacionados também os bancos dianteiros, com efeito anti submarino, encosto de cabeça ativo em todos os bancos, painéis internos almofadados e deformáveis, pedais de freio destacáveis, barra de proteção lateral nas portas, volante e coluna de direção colapsáveis, travas de portas com destravamento automático em casos de impactos e sistemas de segurança a crianças, célula de sobrevivência otimizada, pára-brisa laminado, etc. A BMW e a Mercedes Benz iniciaram o desenvolvimento e a Holdens, uma subsidiária da General Motors, está desenvolvendo sistema de cortinas de air bags e bolsas para regiões específicas do corpo humano; locais onde impactos podem gerar lesões mais graves (GM, 2005).

15 A evolução dos conceitos de segurança nos veículos e o desenvolvimento de sistemas de restrição na indústria automobilística tiveram grande avanço entre as décadas de 1980 e Na Tabela 1.1 é apresentada uma relação de componentes e ano de lançamento de equipamentos de segurança na história da evolução dos veículos automotivos (Chan, 2000). Os aspectos de conforto e segurança não sobrevivem isolados e, quando considerados hoje em dia, possuem uma grande parcela de inter-relacionamento, muito embora convencionalmente possam ser tratados separadamente. A busca por um equilíbrio que favoreça uma interface mais harmoniosa entre homem/veículo/via/meio ambiente, de uma maneira ordenada e disciplinada, é cada vez mais premente. Neste contexto, e como o homem freqüentemente se esquece de que também é parte da natureza, a segurança veicular adquire dimensões prioritárias na medida em que visa, acima de tudo, a vida do homem. A redução no número de acidentes de trânsito, e conseqüentemente de mortos e/ou feridos, baseia-se em quatro princípios: Na tentativa da mudança do comportamento do homem (motorista e pedestre). No uso mais seguro das vias existentes e em projetos mais aperfeiçoados das futuras vias. No melhoramento do desempenho da segurança ativa dos veículos. Na redução das trocas danosas de energia entre os ocupantes e não-ocupantes com o veículo, quando de uma colisão (segurança passiva). Nos primórdios da segurança no trânsito, a ênfase era dada aos dois primeiros itens, ou seja, no controle do homem e na melhoria das vias. Mais recentemente ganhou vulto o enfoque da segurança veicular, correspondente aos dois últimos itens, cujo projeto contempla três fases bem distintas relacionadas aos acidentes, que são: Antes (segurança ativa) Durante (segurança passiva) Depois (incêndio - segurança passiva)

16 É óbvio que o ideal em termos de segurança é não se ter mais acidentes, mas como isso é virtualmente impossível, pelo menos até o momento, há a necessidade de se conviver com as colisões inerentes ao sistema composto por homem, veículo, via e meio-ambiente. Tabela 1.1 Marcos históricos relacionados à segurança veicular (Chan, 2000). Data Componente / Equipamento 1949 Painel de instrumentos almofadado, Chrysler Cinto de segurança, Ford Zona de colapso, Mercedes-Benz (MB) Cinto de segurança dianteiro de três pontos, Volvo Pára-brisa resistente à penetração, Ford e General Motors (GM) Cinto de segurança traseiro de três pontos, Volvo. Encosto de cabeça, Chrysler Assento de segurança para criança, GM Barra de proteção da porta, Ford e GM Air bag, GM. Luzes de advertência no painel de instrumentos para o cinto de segurança, Volvo Sinal sonoro de advertência do cinto de segurança, Volvo Sistema integrado do cinto de segurança, Volkswagen (VW) Sistema de freio ABS, MB e BMW Pára-brisa com película de segurança, GM Air bag (para o motorista e acompanhante dianteiro), MB 1986 Coluna de direção colapsável, Audi Barra de rolagem automática, MB. Sistema de cinto de segurança integral, MB e BMW. Primeira utilização de acelerômetro como elemento em Crash Test, SAAB. Controle de cruzeiro adaptável, Mitsubishi. Air bag para impactos laterais, Volvo Sensor de presença em bancos, BMW Coxim tubular inflável para proteção de impactos laterais, BMW Air bag com acionamento pirotécnico, vários fabricantes.

17 Assim, tornou-se fundamental também o desenvolvimento e aperfeiçoamento de dispositivos que reduzam, ou até mesmo eliminem, a segunda colisão, que consiste na troca danosa de energia entre os seres humanos e as partes agressivas do veículo. Para diminuir ou até mesmo eliminar os efeitos danosos desta segunda colisão pode ser utilizados dispositivos como encostos de cabeça ativos, cintos de segurança com acionamento pirotécnico e o air bag. O encosto de cabeça muitas vezes passa despercebido para os ocupantes de veículos, porém a correta regulagem de altura é de fundamental importância para a prevenção de lesões. A parte superior do encosto de cabeça, tanto o traseiro como o dianteiro, deve ficar sempre próximo da cabeça, aproximadamente à altura dos olhos, nunca no nível do pescoço. Nesta última condição o efeito benéfico passa a ser prejudicial, pois em caso de colisões o encosto atua como ponto de apoio para o efeito chicote, que é o movimento para trás e para frente que a cabeça tende a fazer em função da sua inércia. Lesões relacionadas à garganta podem ser minimizadas ou até eliminadas com o uso de encostos de cabeça ativos. Os bancos dianteiros recebem o encosto de cabeça ativo (Fig.1.1) que visa a proteção da cabeça e do pescoço dos ocupantes. Equipado com uma articulação, a estrutura do encosto de cabeça ativo juntamente com o encosto, move-se na direção do ocupante, suportando e limitando o movimento da cabeça para trás, reduzindo o risco de lesões (GM, 2005). O sistema do encosto de cabeça ativo pode ser mecânico ou automático. No caso do sistema mecânico o encosto de cabeça é ligado a uma barra interna que exerce a função de uma alavanca (Fig. 1.2). Quando ocorre uma colisão o corpo dos ocupantes é lançado contra o encosto do banco no segundo impacto. O movimento da alavanca projeta o encosto para frente, evitando o movimento de chicote da cabeça. No caso de sistema automático (Fig. 1.3), bolsas infláveis semelhantes ao air bag são insufladas nas mesmas condições estabelecidas para o sistema mecânico. A diferença consiste no fato de existirem sensores que monitoram as condições de impacto para o acionamento das bolsas infláveis (Bigi et al, 1998). O objetivo destes sistemas é reduzir significativamente as cargas de impacto no pescoço e cabeça evitando lesões na coluna serviçal.

18 Figura 1.1 Encosto de cabeça ativo (GM, 2005). Figura 1.2 Acionamento mecânico do encosto de cabeça ativo (Bigi et al, 1998). Tecido flexível Emenda Air Bag Cobertura do tecido Espuma Espuma deformável Insulflador Espuma Figura 1.3 Encosto de cabeça ativo com air bag (Bigi et al, 1998).

19 A utilização de cintos de segurança é item obrigatório em veículos. Sempre que um cinto de segurança tiver sido exigido, isto é, submetido a esforços, como por exemplo, num acidente, ou quando o retrator do cinto de segurança apresentar ruídos na extração e retração deverá ser substituído por um novo. O cinto de três pontos deve ser posicionado ajustando o encosto do banco de forma que a pessoa fique em posição vertical. O cinto deve ser ajustado sobre o corpo sem torcê-lo e a fivela do cinto encaixada no fecho até se perceber o ruído característico de travamento. A parte sub-abdominal do cinto deve estar em posição baixa e rente aos quadris, tocando as coxas. O cinto diagonal deverá passar sobre o ombro e transversalmente ao tórax. Estas partes do corpo são adequadas para receber os esforços dos cintos de segurança. Mesmo que travados, os cintos de segurança poderão não ser eficazes se a pessoa estiver em posição reclinada. O cinto diagonal pode não ser eficaz, pois não estará apoiado no corpo. Em caso de colisão, a pessoa poderá deslizar, recebendo lesões no pescoço ou em outros locais. O cinto sub-abdominal também pode não ser eficaz, pois em caso de colisão, o cinto poderá estar acima de seu abdômen. As forças do cinto estarão concentradas naquele local e não sobre seus ossos pélvicos. Isto poderá causar sérias lesões internas. Para obter proteção adequada enquanto o veículo estiver em movimento, o encosto deve ser mantido em posição vertical e a pessoa deve estar bem encostada usando o cinto de segurança corretamente (GM, 2005). O sistema do cinto de segurança dos bancos dianteiros pode incorporar pré-tensionadores do cinto. Na eventualidade de uma colisão frontal os fechos do cinto são puxados para baixo, fazendo com que o cadarço diagonal e sub-abdominal sejam instantaneamente esticados. Os pré-tensores são acionados por meio de dois princípios básicos. O pré-tensor pode ser acionado por meio de esferas armazenadas num tubo guia. Ao ser excitado, dispara uma carga pirotécnica que põe em movimento as esferas, impulsionando-as de maneira que passem por uma roda dentada, isto é, uma catraca até o recipiente captador. O enrolador do cinto é acionado pela roda dentada, que recebe energia de impulso das esferas, rebobinando assim o cinto com um curso de 200 mm em 12 ms, com limitação de 500 kg (GM, 2005) Outra possibilidade de acionamento consiste na explosão de uma carga pirotécnica que impulsiona um êmbolo, tracionando um sistema de cabos ligados ao enrolador do cinto,

20 fazendo com que o mesmo seja recuado. Este dispositivo é posicionado no interior da coluna em conjunto com o sistema de retração dos cintos dianteiros (Fig. 1.4). Figura 1.4 Cinto pirotécnico acionado pelo princípio de êmbolo (Damoulis, 2003). 1.1 OBJETO DE ESTUDO E OBJETIVOS DO TRABALHO O sistema de air bag, objeto de estudo do presente trabalho, serve para completar o sistema de cintos de segurança de três pontos e tensionadores do cinto. Portanto, os cintos de segurança devem sempre ser usados pelos ocupantes do veículo, independentemente do veículo ser equipado ou não com sistema de air bag. Devem sempre ser observados os sistemas de auto-diagnóstico dos veículos, pois caso haja algum problema no sistema de air bag, pré-tensionadores ou demais itens de segurança, o usuário deverá procurar corrigir estes problemas em locais apropriados, pois assim os sistemas de segurança poderão proporcionar a confiança esperada. Os sistemas atuais de retenção, tais como cintos de segurança, são projetados para o amortecimento dos ocupantes em casos de colisão. A sua eficácia, porém, é discutível para alguns valores de velocidade e/ou desacelerações envolvidos (GM, 2005); daí também a importância do uso complementar de sistema de air bag. Durante uma colisão e considerando-se a não utilização do sistema de retenção pelos ocupantes, estes podem sofrer impactos secundários contra o volante, painel, teto ou outras superfícies do interior da cabina. As lesões sofridas em uma colisão terão maior ou menor

21 gravidade dependendo das velocidades envolvidas, condições de impacto, posições ocupadas no veículo e a própria configuração interna da cabina. No desenvolvimento de sistemas de air bag é necessário simular o efeito de acidentes em seres humanos sem, contudo, colocar sua integridade física em risco. E isto pode ser feito por meio da simulação numérica e/ou testes de impacto (crash tests) utilizando bonecos (dummies). A norma da agência norte-americana Federal Motor Vehicle Safety Standard - FMVSS 208 (Smith et al, 2003) estabelece padrões rígidos para validação do sistema de air bag. Neste processo o importante é simular os graus de movimento que os ocupantes podem ter em caso de colisão e avaliar o impacto na bolsa inflada. No presente trabalho são apresentadas as funcionalidades do sistema de segurança passiva air bag e detalhados os componentes do sistema, o seu funcionamento, bem como a avaliação e validação do sistema. São apresentados resultados de teste de avaliação e validação de sistema air bag, considerando limites de tolerâncias à lesão de ocupantes do veículo. 1.2 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO No estudo de avaliação e validação de sistemas de air bag em carros de passeio os assuntos foram divididos em capítulos conforme detalhado a seguir. No Capítulo 2 inicialmente é apresentada uma visão geral do sistema de air bag, com a apresentação de um breve histórico. Em seguida são detalhados os componentes constitutivos do air bag e seu funcionamento. O capítulo termina com a apresentação dos sistemas de air bag frontal e lateral. No capítulo 3 são apresentadas técnicas de engenharia para análise de impactos e a correta extração de informações de dados coletados numa colisão para avaliação de resultados de testes de impacto (crash tests). O capítulo 4 trata do desenvolvimento de sensores de impacto e os critérios para o disparo de dispositivo de abertura do air bag. No capítulo 5 são apresentados e discutidos os testes de avaliação para validação do sistema de air bag realizados pelo fabricante e na montadora. Procedimentos de avaliação em câmaras de testes estáticas e em crash test são detalhados.

22 O capítulo 6 trata das avaliações de crash test para validação do sistema de air bag e apresenta os critérios de comportamento funcional biomecânico utilizados na avaliação de validação do sistema. O critério de comportamento funcional da cabeça, HIC (Head Injury Criterion) é detalhado. No capítulo 7 são apresentados resultados de crash test realizado com veículo de passeio. São apresentados também resultados de aplicação do critério de comportamento funcional da cabeça, HIC (Head Injury Criterion) na avaliação do sistema de air bag. No capítulo 8 são apresentadas algumas considerações finais e no Capítulo 9 as conclusões do trabalho.

23 CAPÍTULO 2 O SISTEMA DE AIR BAG O sistema de air bag (Fig. 2.1) é mais um exemplo de tecnologia originalmente desenvolvida para propósitos militares, sendo convertida posteriormente para aplicações no mundo civil. Nas últimas décadas a indústria automobilística também se beneficiou com o aumento no grau de desenvolvimento destas tecnologias. Foi nos anos de 1960 que a idéia de se desenvolver um sistema completo de air bag, uma espécie de almofada de ar que automaticamente se inflava para proteger os passageiros de um veículo, começou a se tornar realidade. Figura 2.1 Ilustração de atuação do sistema de air bag (GM, 2005). 2.1 Histórico do air bag Segundo relatos históricos apresentados em Chan (2000), o desenvolvimento do sistema de bolsas infláveis, mais conhecido como air bag, data de 1952, com a concessão da patente à J.W. Hetrick, nos Estados Unidos. Em 1953 outra patente foi registrada na Alemanha por Walter Linder. Nos primeiros testes foi encontrada grande dificuldade para inflar a bolsa de ar em um curto espaço de tempo. As experiências iniciais com o ar sendo altamente comprimido falharam e seus resultados não foram satisfatórios. Até o início dos anos de 1970 várias tentativas sem êxito foram realizadas exaustivamente nos Estados Unidos com diversos tipos de gases infláveis em cilindros de alta pressão.

24 Paralelamente, houve um grande esforço de desenvolvimento do sistema de air bag na Alemanha. Este esforço pode ser atribuído ao fato da exportação de automóveis para os Estados Unidos ter se tornado um negócio significativo naquele tempo, estimulando a indústria automobilística alemã a buscar suas próprias soluções. Outra motivação foi devido às leis norte americanas introduzirem itens de segurança obrigatórios nos carros de passageiros e os alemães precisarem ter seus próprios projetos para atender e estes requisitos. Um passo decisivo foi tomado no final do ano de 1970 quando um pequeno grupo de pesquisadores de uma empresa do sul da Alemanha, conhecida pela fabricação de impulsores pirotécnicos para foguetes, estava trabalhando em um projeto militar. O desafio era disparar uma bomba de uma aeronave por meio de uma carga impulsora de maneira que a pressão da descarga não trouxesse danos à aeronave. A idéia de transferir este princípio para um pequeno combustível sólido gerador de gás, projetado para inflar uma bolsa de ar no menor tempo possível, marcou o ponto inicial para a construção dos primeiros protótipos, que foram apresentados ao público em maio de O principio fundamental do sistema air bag acabava de ter nascido (Damoulis, 2003). De maio de 1971 até o ano de 1980, quando os fabricantes de automóveis da Alemanha decidiram oferecer o air bag como opcional em veículos de classe luxuosa, foram realizadas uma infinidade de baterias de testes para solucionar problemas e também porque um impulsor inofensivo tinha que ser desenvolvido. Ao mesmo tempo, o projeto dos primeiros protótipos foi modificado para que o sistema de air bag se tornasse viável para uma produção econômica em escala. A produção de automóveis com sistema de air bags nos Estados Unidos também foi iniciada mais ou menos na mesma época. Contudo, a produção em escala ocorreu somente por volta de 1985, por intermédio dos fabricantes europeus instalados no país como Mercedes-Benz, Volvo e BMW. Em 1986, veículos já tinham este equipamento instalado naquele país. Dez anos depois, o órgão regulador norte-americano NHTSA (National Highway Traffic Safety Administration) calculou em 38 milhões o número de veículos equipados com air bag para motorista, além de 15 milhões com air bag duplo. Este montante representava 25% do parque automotivo norte-americano (GM, 2005). Nos anos de 1980 a agência norte-americana Federal Motor Vehicle Safety Standard (FMVSS) iniciou um programa de introdução de medidas de segurança passiva para automóveis. Estas medidas visavam disponibilizar o sistema de air bag em veículos

25 gradativamente, sendo o objetivo atingir 10% dos veículos produzidos em 1987, 25% em 1988, 40% em 1989 e finalizando no ano de 1990 em 100%, situação que persiste até hoje. No Brasil os primeiros veículos que possuíam este equipamento foram importados. Para os veículos montados no território nacional os primeiros registros datam da metade da década de Vale lembrar que no Brasil o uso do sistema air bag é considerado opcional, sendo incorporado a modelos médios e de luxo como opção de compra pelo cliente (GM, 2005). Do ponto de vista de conceito, há diferenças importantes entre os air bags norteamericanos e europeus. O norte-americano é muito maior e mais potente que os utilizados na Europa. Inicialmente, no continente europeu foram introduzidos os Eurobags, bolsas pequenas e pouco pressurizadas, destinadas essencialmente a proteger a cabeça. As últimas gerações de air bags europeus procuram aliar a proteção do air bag norte-americano com a limitação da agressividade das bolsas infláveis, que trazem benefícios aos ocupantes. No Brasil os modelos de air bags seguem a tendência norte americana. Apesar de não termos a mesma legislação com relação ao uso de cintos de segurança, a validação do sistema air bag procura seguir normas mais rigorosas para preservação da integridade física dos ocupantes (GM, 2005). 2.2 Componentes do sistema de air bag O sistema de air bag é constituído por três componentes interconectados: as bolsas infláveis, os dispositivos geradores de gás (insufladores) e o módulo eletrônico de comando com sensores de detecção de desaceleração (Huelke, 1999). Módulo do Air Bag Inflador Veículo Cinto de Segurança Módulo de Controle do Sistema Sensores Figura Componentes do sistema de air bag (GM,2005)

26 2.2.1 As bolsas infláveis As bolsas infláveis (Fig. 2.3), feitas de fibras sintéticas, possuem tiras e costuras próprias para limitar o seu comprimento e velocidade durante a abertura, desinflando gradativamente através de orifícios laterais (ou traseiros) logo após contato com o corpo dos ocupantes. Isto amortece a velocidade de deslocamento do corpo, evitando, juntamente com o cinto de segurança, o impacto contra o interior do veículo (mais diretamente volante e painel de instrumentos). A bolsa inflável é o elemento visível do sistema de air bag. O volume e a largura da bolsa variam muito. A bolsa do motorista tem em média o volume de 60 litros. A do passageiro, por se encontrar mais distante, no painel em geral, varia de 100 a 120 litros. O tecido mais empregado para a confecção da bolsa é a poliamida. Para responder às exigências especiais de temperatura, seu interior pode ser revestido de neoprene ou silicone. Inflada a bolsa, o amortecimento se torna possível a medida que ela se esvazia através dos orifícios de escapes (laterais ou traseiros). Figura 2.3 Bolsa inflável do sistema de air bag (GM, 2005).

27 Os insufladores Os insufladores consistem, basicamente, de um receptáculo de metal que contém em seu interior uma quantidade precisa de um impulsor pirotécnico em forma de pastilhas proporcional ao tamanho da bolsa. Os insufladores, também conhecidos como circuitos de ignição, são responsáveis pelo armazenamento do combustível, isto é, o impulsor e geração do gás que infla e preenche todos os espaços do interior da bolsa em frações de segundos. Na Figura 2.4 é apresentado o módulo de insuflação de um sistema de air bag constituído de uma unidade de ignição cercada por uma carga de impulsor pirotécnico. A unidade de ignição é composta de um fio resistivo responsável pela ignição elétrica (1) e de uma mistura de ignição pirotécnica (2), colocados em uma câmara de pressão (3). O impulsor pirotécnico é formado por pastilhas (4) colocadas em uma câmara de combustão selada hermeticamente. O gás gerado flui através de orifícios (5) para o módulo da bolsa de ar (6). Figura Módulo de insuflação do air bag (Damoulis, 2003). O fio resistivo (1), aquecido pela passagem de corrente elétrica, provoca ignição em uma carga primária, que pode ser chumbo trinitrorecorcinato (C 6 H 3 N 3 O 9 Pb). A energia liberada é transferida para uma mistura de ignição (2) que usualmente é composta de boro (B) e nitrato de potássio (KNO 3 ). Freqüentemente, uma nitrocelulose (NC) como pó de algodão, é integrada também nesta mistura. Esta mistura desempenha a função de uma pré-ignição que tem como tarefa acender o insuflador. Os gases quentes e partículas resultantes da reação química da mistura de ignição (2) entram na câmara de combustão onde as pastilhas do combustível impulsor (4) se encontram.

28 A maioria dos insufladores utiliza impulsores a base de azida de sódio (NaN 3 ). Uma vez na câmara de combustão, os gases quentes e partículas iniciam uma forte reação química que tem características de uma combustão instantânea ou deflagração. Em comparação com uma detonação, porém, a velocidade de conversão dos produtos durante a combustão instantânea é 100 a 1000 vezes mais lenta. Na forma idealizada, a conversão de um combustível impulsor sólido para um gás que infla uma bolsa, pode ser expressa como: 21 NaN 3 +_KNO Fe 2 O SiO 2 (impulsor) (2.1) 10.5 Na 2 O x 0.5 K 2 O x 4 Fe x 2.5 SiO 2 x 4 FeO (resíduo sólido) (2.2) + 32 N 2 (gás nitrogênio) (2.3) Aproximadamente três milisegundos após o insuflador ser aceso, o componente que gera o gás azida de sódio (NaN 3 ) e o agente oxidante nitrato de potássio (KNO 3 ), geram em torno de 40% de massa de nitrogênio e 60% de sólidos. Parte destes resíduos sólidos fica retida na câmara de combustão em forma de óxido de silício (SiO 2 ). O óxido de ferro (Fe 2 O 3 ) contido no combustível, responde por uma temperatura de combustão na ordem de 1330º C (sem o óxido de ferro, a temperatura estaria acima de 1930º C). Alguns defletores são colocados no filtro da câmara de combustão de maneira que o gás gerado entre limpo e resfriado na via que vai levá-lo até a bolsa inflável. O nitrogênio, que representa quase 99% do volume, esfria rapidamente como resultado de uma rápida expansão, chegando sua temperatura a 150º C. Como o gás permanece na bolsa de ar por apenas alguns milisegundos antes de escapar pelas aberturas de descarga, o calor do gás não é disperso para o material da bolsa. Assim, não há risco de queimaduras quando do contato da bolsa com a pele das pessoas (GM, 2005). Quanto a formas e dimensões, em princípio, o insuflador tem uma forma tubular e dois diferentes desenhos conforme sua aplicação seja montada no volante (motorista) ou no painel de bordo (acompanhante). Os insufladores projetados para serem instalados no volante de direção ou portas apresentam um formato semelhante a um disco de arremesso (Figura 2.4), com diâmetro de 100 mm e 35 mm de espessura. Já o insuflador para o acompanhante possui um diâmetro pequeno e um comprimento considerável, normalmente em torno de 60 mm de diâmetro e 230 mm de comprimento.

29 2.2.3 O módulo eletrônico de comando A unidade eletrônica de comando (Fig. 2.5) é fixada à estrutura do veículo, sendo na maior parte das vezes em sua região central sobre o túnel central, compreendendo os seguintes componentes e/ou circuitos: a) Sensor de colisão: um ou dois sensores que são frequentemente micro acelerômetros e são orientados para frente. Assim, numa colisão traseira, não fazem com que o sistema dispare e infle as bolsas; b) Estabilizador de tensão: proporciona uma tensão de alimentação de 5V para os sensores e microprocessadores; c) Memória: utiliza-se uma EPROM para armazenar os parâmetros de impacto do microprocessador e as avarias registradas; d) Microprocessador: analisa a todo o momento os valores de aceleração frontal recebidos dos sensores para verificar se deve emitir ou não um sinal de ativação ao circuito de disparo (Fig. 2.4). Figura 2.5 Módulo eletrônico de comando do sistema de air bag (GM, 2005) Nos veículos mais modernos o microprocessador é capaz ainda de, quando houver ativação dos air bags, enviar um sinal de crash à unidade eletrônica de gerenciamento do motor, para desativação do relé da bomba de combustível, e a uma unidade eletrônica de conforto e conveniência, fazendo as portas do carro destravarem, acendendo a iluminação interna do habitáculo e acionando as luzes de advertência do veículo. Com o avanço da tecnologia da informação, o microprocessador em conjunto com sistemas de localização GPS pode informar uma central de socorro que o veículo esteja imobilizado, acionando serviços de socorro, guincho, carro reserva etc.

30 2.3 Princípio de funcionamento do sistema de air bag Quando ativado pela desaceleração súbita do veículo, o sensor transmite os dados para o módulo eletrônico que interpreta se há a necessidade ou não de abertura das bolsas. Este módulo age comparando o sinal a um conjunto de curvas-limite características de dados levantados em diversos testes de impacto (crash tests), gerados com o tipo de veículo em questão. O módulo, julgando necessário o disparo, envia um pulso elétrico que provoca ignição do propelente químico armazenado nos dispositivos geradores de gás (insufladores), produzindo como resultado da reação o gás nitrogênio, que infla as bolsas. Este processo ocorre muito rapidamente - em torno de 30 milisegundos para o air bag do motorista, e 60 milisegundos para o air bag do passageiro (air bag maior, com o dobro do volume). Todo este processo de detecção, insuflação, amortecimento e desinsuflação do air bag precisa atingir sua máxima eficiência de modo a garantir um máximo de benefícios para os ocupantes do veículo. Assim é muito importante que a seqüência de abertura seja adequadamente controlada. Uma vez que todo o aparato de funcionamento é inicializado pelo disparo dos sensores, o desenvolvimento destes é um ponto crítico para a confiabilidade e eficácia deste sistema. Os dados obtidos pelos sensores são a base para a determinação do tempo de abertura do sistema. Com base nestes dados, são geradas as curvas de impacto, a partir das quais se verificarão os tempos críticos para a abertura ou não das bolsas de ar. Aberturas tardias ou antecipadas, ou ainda não previstas podem causar sérios danos aos passageiros, inclusive a morte. O circuito eletrônico de disparo transmite um pulso de ignição para os insufladores do air bag e, se aplicável, aos pré-tensionadores do cinto de segurança. Se a unidade de comando do air bag é considerado o cérebro do sistema, então pode-se dizer que os insufladores são o coração. Medidas tomadas no projeto asseguram que o insuflador cumpra sua função de insuflar uma bolsa em um acidente mesmo após 15 anos de uso do veículo. Assim que o insuflador recebe o pulso de ignição, o combustível e o impulsor sólido são queimados instantaneamente, liberando um gás inócuo que vai inflar a bolsa dobrada do motorista dentro do tempo estabelecido para o modelo de veículo, respeitando as condições de segurança dos ocupantes.

31 Com o aumento da pressão, a tampa do módulo se abre permitindo assim que o air bag se expanda. A bolsa insufla em primeiro lugar lateralmente, logo em seguida verticalmente para evitar agredir o ocupante se ele estiver muito perto do módulo da bolsa. O air bag acaba de ser inflado e pressurizado em direção ao ocupante aplicando as forças de retenção em toda superfície da cabeça e o peito. Durante uma colisão de um veículo em uma barreira rígida a 50 km/h, o movimento do carro pode cessar, mas os objetos não fixados nele de maneira rigorosa, continuam em movimento. Preventivamente um pré-tensionador no cinto de segurança de três pontos de fixação é ativado para evitar que haja um escorregamento por baixo, fixando a parte superior do tronco dos ocupantes no encosto do banco. O sistema de air bag, como todo sistema de segurança deve seguir algumas recomendações específicas para o seu bom funcionamento, dentre as quais se podem destacar: a) Não se deve manter nenhum tipo de objeto entre as bolsas e os ocupantes dos bancos dianteiros, pois em caso de acionamento o objeto poderá se tornar um projétil lançado contra os ocupantes; b) Não instalar qualquer acessório não original no volante ou no painel onde esteja o módulo do air bag; c) Nunca efetuar alterações nos componentes do sistema de air bag; d) Para evitar falhas no sistema eletrônico que controla o air bag e os pré-tensionadores do cinto de segurança (localizados normalmente no console central, ou em alguma região próxima), nenhum objeto imantado ou que produza ondas magnéticas deve ser colocado nas proximidades do módulo de controle; e) Caso o veículo sofra inundação ou alagamento, solicitar sempre o reparo em locais indicados pelos fabricantes. f) A desmontagem do volante e do painel de instrumentos (bem como os painéis laterais nos casos de side air bag), deve sempre obedecer a procedimentos restritos que se não observados podem geram problemas com relação a futuras necessidades de funcionamento. O air bag é projetado para disparar somente uma única vez. Uma vez disparado, não poderá ser reutilizado para o mesmo fim, sendo recomendado por todos os fabricantes a sua imediata substituição.

32 2.4 Air bag frontal Devido ao maior uso dos assentos dianteiros e aos impactos frontais responderem por aproximadamente 65% dos acidentes fatais (GM, 2005), inicialmente foram desenvolvidos air bags incorporados aos volantes de direção e na região do painel acima do porta-luvas. O sistema suplementar de retenção frontal é identificado pela inscrição Air Bag no volante para o motorista e acima do porta-luvas para o passageiro (Fig. 2.6). Este sistema é composto de: Bolsas infláveis com geradores de gás alojados no interior do volante e do painel Controle eletrônico com sensor de desaceleração integrado Luz indicadora no painel de instrumentos Figura Air bags frontais (GM, 2005) Os air bags frontais são dispositivos complementares de segurança que, em conjunto com os cintos de segurança dianteiros e seus pré-tensionadores, aumentam a eficiência da proteção aos ocupantes em colisões com desacelerações muito bruscas do veículo. Sua função é a de proteger a cabeça e o tórax do ocupante contra choques violentos no volante de direção ou painel em acidentes em que a proteção oferecida somente pelos cintos de segurança não for suficiente para se evitar lesões graves e/ou fatais. O air bag não será acionado em impactos frontais de baixa severidade, em que o cinto de segurança for o bastante para proteger os ocupantes, em impactos laterais, traseiros, capotamentos, derrapagens e outras situações em que o ocupante não é projetado para frente com severidade. O módulo eletrônico com o sensor de desaceleração gerencia a ativação dos prétensionadores dos cintos de segurança e dos air bags. Havendo a necessidade, dispara

33 inicialmente os pré-tensionadores dos cintos de segurança dianteiros para segurar ainda mais os ocupantes nos bancos e, dependendo do nível de desaceleração, também ativa os geradores de gás que insuflam as bolsas em milésimos de segundo, amortecendo o contato do corpo dos ocupantes com o volante de direção ou painel. A explosão do dispositivo gerador de gás, provocada para insuflar as bolsas não é prejudicial para o sistema auditivo humano e a nuvem de fumaça formada durante o disparo do sistema de air bag nada mais é do que um talco não tóxico, cuja função é a de minimizar o atrito entre o corpo do ocupante e as bolsas infláveis (GMB, 2005). 2.5 Air bag lateral Este sistema é indicado pela inscrição de Side Air Bag na coluna central (coluna B) entre as portas, atuando independentemente dos air bags frontais. Sua função é aumentar a proteção do motorista e passageiro dianteiro em caso de colisão lateral severa na região das portas dianteiras, diminuindo o risco de lesão no tronco, através da deflagração de bolsas infláveis laterais. Ao contrário dos frontais, a atuação dos air bags laterais (Fig. 2.7) é independente entre si, isto é, o acionamento de um dos lados não implica no acionamento do outro lado. Figura 2.7. Air bag lateral (GM, 2005) A velocidade, direção do movimento e deformação do veículo, além do obstáculo atingido, determinam a severidade do acidente e o acionamento ou não do air bag lateral. O sistema não será acionado em casos de capotamento, colisão traseira, colisão frontal ou se o impacto ocorrer fora dos limites de 60º, conforme apresentado na Figura 2.8.

34 O sistema possui sensores posicionados nas portas dianteiras que podem ser danificados ou ter seu funcionamento afetado durante uma colisão leve ou em reparos realizados em locais não indicados pelos fabricantes. Figura 2.8 Limite de impacto para acionamento do air bag lateral (GM, 2005). Da mesma forma que os air bags frontais, os laterais são um complemento ao sistema de cintos de segurança. Em toda e qualquer situação os ocupantes do veículo devem utilizar os cintos de segurança corretamente, pois estes garantem a retenção necessária para que o air bag atue com eficácia. É importante observar também que para o bom funcionamento do sistema de air bag lateral não se deve posicionar o corpo ou qualquer objeto, inclusive travesseiros, entre os bancos dianteiros e as portas. Os ocupantes do banco dianteiro não deverão se inclinar ou dormir apoiados na porta; sentando sempre no centro do banco (GM, 2005). Pesquisas recentes vem se concentrando em fornecer maior proteção contra colisões laterais, que segundo as estatísticas, representam 20% de todos os tipos de acidentes que causam mais danos e piores conseqüências aos ocupantes dos veículos (GM, 2005). O principal problema nos impactos laterais, é que não há uma zona de deformação da estrutura suficiente que absorva parte do choque, assim como ocorre na colisão frontal, retardando o impacto contra o ocupante. As bolsas de ar lateral, ou como são conhecidos side bags, estão integradas ou dentro das portas ou nas extremidades dos assentos. Este sistema foi oferecido ao mercado pela primeira vez em veículos do ano 1995, nos modelos Volvo 850s e 960s.

35 Os side air bags tem como função básica proteger as zonas do tórax e abdômen contra impactos laterais, frontais e oblíquos. Embora cada sistema de air bag tenha uma tarefa específica e distinta a cumprir, todos têm o mesmo principio de funcionamento. A unidade de comando eletrônica que gerencia os side air bags está incorporada na mesma unidade de comando dos air bags frontais. Mesmo utilizando à mesma unidade de comando, seus sensores são independentes, isto é, se após um impacto frontal com disparo do air bag houver um impacto lateral severo, um side air bag correspondente será ativado (Damoulis, 2003).

36 CAPÍTULO 3 ANÁLISE DE IMPACTO Análise de impacto é a prática de engenharia que facilita o entendimento de um evento de impacto e a extração de informações dos dados coletados numa colisão (GM, 2005). O ponto de partida é a apresentação dos dados de impacto em termos de comportamento do veículo e seus ocupantes no momento da colisão. 3.1 Impacto em veículos O início do processo para se determinar o tempo de abertura do air bag é por meio de testes de impacto no veículo (crash tests). O dado principal está em forma de sinais de aceleração medidos nos acelerômetros localizados em vários pontos do veículo. Isto porque, quando este sofre uma colisão, diferentes partes desaceleram com diferentes variações de velocidade. Como resultado as acelerações (desacelerações) medidas nesta área irão flutuar em tempo e magnitude (GM, 2005). As figuras 3.1 e 3.2 mostram a variação entre a aceleração no compartimento dos passageiros e no compartimento do motor. Aceleração (g) Tempo - ms Figura Sinal de aceleração medido no compartimento de passageiros em colisão frontal a 48 km/h em barreira rígida (Chan, 2000).

Washington Henrique F. Silva

Washington Henrique F. Silva Washington Henrique F. Silva AVALIAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS DE AIR BAG EM VEÍCULOS DE PASSEIO Trabalho de final de curso apresentado à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do

Leia mais

CINTO DE SEGURANÇA. Engº MARCUS ROMARO, MSc Consultoria Automotiva Fone: (19) 9654.8013 E-Mail: mr.romaro@gmail.com

CINTO DE SEGURANÇA. Engº MARCUS ROMARO, MSc Consultoria Automotiva Fone: (19) 9654.8013 E-Mail: mr.romaro@gmail.com CINTO DE SEGURANÇA SEGURANÇA VEICULAR Durante muito tempo, Segurança e Automóvel não eram considerados parceiros Consumidores, vendedores e usuários não se lembravam disto na ocasião da compra de um veículo

Leia mais

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA SISTEMAS DE SEGURANÇA PASSIVA Níveis GDE: Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo Síntese informativa:

Leia mais

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38 FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico Área frontal Cw x A MOTOR Cx 0,38 2.17 m2 0.82 m2 Dianteiro, transversal, 2.0 litros, 4 cilindros

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL GARFO (Comprimento X Largura x Bitola) (mm) HDF50-7S (TIPO EIXO - TIPO GANCHO) - 1.350 X 150 X 60-1.500 X 150 X 60-1.800 X 150 X 60-2.000 X 150 X 60-2.400 X 150 X 60 HDF70-7S (TIPO EIXO) - 1,350 X 180

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

sapatas de 500mm sapatas de 600mm sapatas de 700mm sapatas de 800mm

sapatas de 500mm sapatas de 600mm sapatas de 700mm sapatas de 800mm sapatas de 500mm sapatas de 600mm sapatas de 700mm sapatas de 800mm Válvula de controle combinados a Válvula de Alívio Lança/Braço/ Freio hidrostático, Redução planetária. 12.9rpm. Grande diâmetro Acionado

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES e informações importantes para manutenção e limpeza dos nossos produtos. Sob condições expressas no Certificado de Garantia.

MANUAL DE INSTRUÇÕES e informações importantes para manutenção e limpeza dos nossos produtos. Sob condições expressas no Certificado de Garantia. MANUAL DE INSTRUÇÕES e informações importantes para manutenção e limpeza dos nossos produtos Cadeira Para Auto TOURING SE Ref.: IXAU3030 Para crianças de 0 à 3 kg (Grupo 0+) Obrigado mamãe e papai. Sob

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL. Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência

MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL. Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência A Marcopolo lança o seu mais novo e moderno ônibus urbano,

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

O salva-vidas do motociclista.

O salva-vidas do motociclista. mugendenko.com.br O salva-vidas do motociclista. Use o Safety Air Bag Denko sempre com capacete. Imagens meramente ilustrativas. Safety Air Bag Denko. O salva-vidas do motociclista. Prepare-se para lucrar

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. Contate o seu concessionário Hyundai para mais informações. O equipamento apresentado pode variar de acordo com normas internacionais. Todas as medidas em libras e polegadas estão arredondadas. Novo Conceito

Leia mais

Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis

Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis 13017381 Info 166 Cilindros de parada o equipamento compacto e simples para automatizar linhas de transporte Utilização Equipamento rápido e simples

Leia mais

PT-700. Manual de Instruções

PT-700. Manual de Instruções PT-700 Manual de Instruções Parabéns!!! Você acaba de adquirir um produto para a sua segurança e conforto com a ótima qualidade Protection. O Alarme para Piscina Protection, PT-700, foi desenvolvido para

Leia mais

Foto cortesia de Honda Motor Co., Ltd. Sistema de suspensão de braços triangulares superpostos no Honda Accord Coupe 2005

Foto cortesia de Honda Motor Co., Ltd. Sistema de suspensão de braços triangulares superpostos no Honda Accord Coupe 2005 Introdução Quando as pessoas pensam sobre o desempenho de um automóvel, geralmente vem à cabeça potência, torque e aceleração de 0 a 100 km/h. No entanto, toda a força gerada pelo motor é inútil se o motorista

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 8.2011 95 01 1( 6 ) Eletricidade Instalação de sistemas de rastreamento/monitoramento não instalados/desenvolvidos

Leia mais

História e evolução do Automóvel

História e evolução do Automóvel I Mostra de Carros Antigos SENAI Santo Amaro Mecânica Online Apresentação Tarcisio Dias História e evolução do Automóvel 125 anos de inovação Novembro - 2011 História e evolução do Automóvel Tarcisio Dias

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio Dicas para segurança no trânsito realização apoio 1 Dicas de viagem segura. Viajar sozinho ou com toda a família requer certas responsabilidades. Aqui você encontrará várias recomendações para uma viagem

Leia mais

Limpeza e manutenção. Conheça a Minicadeira para Carro. Informações complementares

Limpeza e manutenção. Conheça a Minicadeira para Carro. Informações complementares Conheça a Minicadeira para Carro Tira de cinto de segurança para os ombros Tira de ajuste Guarde este manual de instruções para eventuais consultas. 2 Alça para carregar Botão de ajuste na alça Em todos

Leia mais

XVII COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SC - 2013 AIRBAG

XVII COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SC - 2013 AIRBAG XVII COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SC - 2013 AIRBAG MITO OU REALIDADE Resumo O presente trabalho tem a finalidade de mostrar um laudo técnico em que a ocorrência

Leia mais

!"#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0* 1&#"234#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28"#2)*9:;<=>?@* Lista de Exercícios Figura 1: Ex. 1

!#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0*  1ê#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28#2)*9:;<=>?@* Lista de Exercícios Figura 1: Ex. 1 ! *!"#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0* "#$%&'!(#!)$*#$+,&-,.!/'(#0,*#1!#!"-2$3-,4!5'3-,-4!670-3,(,4!8!")"5! )$*#$+,&-,!9-'1:(-3,!;!1&#"234#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28"#2)*9:;?@** < '! =>,(&-1#4%&#!

Leia mais

SIMULADO ABERTO ENEM 2015

SIMULADO ABERTO ENEM 2015 SIMULADO ABERTO ENEM 2015 1) A figura mostra a bela imagem de um gato ampliada pela água de um aquário esférico. Trata-se de uma imagem virtual direita e maior. A cerca do fenômeno óptico em questão, é

Leia mais

EPS ABS AIRBAG CINTO DE SEGURANÇA CAPACETE CADEIRA DE BEBES

EPS ABS AIRBAG CINTO DE SEGURANÇA CAPACETE CADEIRA DE BEBES EPS ABS AIRBAG CINTO DE SEGURANÇA CAPACETE CADEIRA DE BEBES O Travão ABS encontra-se presente na maioria dos veículos modernos e contribui bastante para aumentar a eficiência da travagem, diminuindo a

Leia mais

Verifique se todos os itens descritos no Kit de Rastreamento estão presentes na embalagem do produto.

Verifique se todos os itens descritos no Kit de Rastreamento estão presentes na embalagem do produto. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Com o intuito de fornecer ao mercado um dispositivo de rastreamento seguro e confiável, com base na mais alta tecnologia de rastreamento de veículos, seguindo rígidos padrões de

Leia mais

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL Página 1 FIAT CHRYSLER AUTOMOBILES 13/08/2015 DESCRIÇÃO DO SISTEMA GNV COMPONENTES DO SISTEMA GNV 1. Cilindro GNV 2. Suporte do Cilindro de GNV 3. Linha de Alta Pressão: Tubo

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

Seu manual do usuário HONDA CIVIC 07 http://pt.yourpdfguides.com/dref/4225955

Seu manual do usuário HONDA CIVIC 07 http://pt.yourpdfguides.com/dref/4225955 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros:

A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros: ANEXO IV - RESOLUÇÃO Nº 035/2007/CD/FNDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA ESPECIFICAÇÕES A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros:

Leia mais

MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL

MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL Nos anos 70 diversos exércitos no mundo estavam a desenvolver uma família de veículos leves, versáteis e capazes de serem lançados de pará-quedas para apoiar operações que

Leia mais

Acumuladores hidráulicos

Acumuladores hidráulicos Tipos de acumuladores Compressão isotérmica e adiabática Aplicações de acumuladores no circuito Volume útil Pré-carga em acumuladores Instalação Segurança Manutenção Acumuladores Hidráulicos de sistemas

Leia mais

STAR. Modelo N106 Grupos I, II e III. SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br

STAR. Modelo N106 Grupos I, II e III. SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br STAR Modelo N106 Grupos I, II e III SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br Conheça seu Assento de Segurança Cuidados e Manutenção A B C Encosto Guia lateral do cinto de segurança Braçadeiras do cinto (pres.

Leia mais

Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança

Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança Segurança nas estradas Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança Informação à imprensa 21 de novembro de 2012 Solução integrada da Mercedes-Benz inclui a oferta de itens de avançada

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. Contate o seu concessionário Hyundai para mais informações. O equipamento apresentado pode variar de acordo com normas internacionais. Todas as medidas em libras e polegadas estão arredondadas. Novo Conceito

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL, ABASTECIMENTO E PESCA TERMO DE REFERÊNCIA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL, ABASTECIMENTO E PESCA TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO: 1.1 - Registro de Preços visando à contratação de Serviços de Locação de Veículos Automotores, para atender às necessidades desta Secretaria, bem como de seus Órgãos vinculados

Leia mais

Confira aqui as 6 versões disponíveis para o up! < up! < Carros < Volkswagen do B...

Confira aqui as 6 versões disponíveis para o up! < up! < Carros < Volkswagen do B... Página 1 de 6 Voltar move up! 1.0 ConfigureCompararNo move up!, os detalhes fazem a diferença. A ambientação interno com duas opções de cor e o computador de bordo com 10 funções infotrip dão um up nesta

Leia mais

Compressores de parafuso

Compressores de parafuso Construídos para toda a vida Compressores de parafuso SÉRIE SM Capacidade: 0.45 a 1.20 m³/min Pressão: 7.5 a 13 bar Compressor de parafusos rotativos Máxima Eficiência e Confiabilidade Há anos os consumidores

Leia mais

Compactadores de Pneus CP224 / CP224W / CP274

Compactadores de Pneus CP224 / CP224W / CP274 Compactadores de Pneus CP224 / CP224W / CP274 O Toque Dynapac Dynapac apresenta sua nova linha de compactadores de pneus. Estas máquinas incorporam inúmeros recursos promoverão aumento de eficiência, da

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

PLATAFORMAS DE COMBATE AÉREO A INCÊNDIOS

PLATAFORMAS DE COMBATE AÉREO A INCÊNDIOS PLATAFORMAS DE COMBATE PLATAFORMAS DE COMBATE A cada volta da chave de ignição, a cada rotação e extensão da escada e cada degrau que você sobe, o desempenho é exigido. Nós não nos acomodamos e você também

Leia mais

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo.

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo. DINÂMICA Quando se fala em dinâmica de corpos, a imagem que vem à cabeça é a clássica e mitológica de Isaac Newton, lendo seu livro sob uma macieira. Repentinamente, uma maçã cai sobre a sua cabeça. Segundo

Leia mais

O acelerador eletrônico

O acelerador eletrônico O acelerador eletrônico Os sistemas drive by wire ("guiado/controlado por fio") vão tomando espaço de mecanismos e sistemas hidráulicos complexos. Com o lançamento do motor fire 1.3 16 V, a fiat esbanja

Leia mais

HSL650 7A/HSL850-7A CONSTRUINDO UM FUTURO MELHOR. MINI CARREGADEIRA HYUNDAI Motor Tier 3 aplicado

HSL650 7A/HSL850-7A CONSTRUINDO UM FUTURO MELHOR. MINI CARREGADEIRA HYUNDAI Motor Tier 3 aplicado CONSTRUINDO UM FUTURO MELHOR * Algumas fotos podem incluir equipamentos opcionais. MINI CARREGADEIRA HYUNDAI Motor Tier 3 aplicado HSL650 7A/HSL850-7A NOVAS Minicarregadeiras Hyundai HSL650-7A/HSL850-7A

Leia mais

Carros latino-americanos mais vendidos não têm segurança suficiente, diz Latin NCAP

Carros latino-americanos mais vendidos não têm segurança suficiente, diz Latin NCAP Carros latino-americanos mais vendidos não têm segurança suficiente, diz Latin NCAP O programa de teste de colisão de alguns dos carros mais vendidos na América Latina tem mostrado alto risco de lesões

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais. Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz

Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais. Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz Em um cenário competitivo, o sucesso não é determinado apenas pela oferta

Leia mais

ANEXO XI - PADRÃO TÉCNICO PARA VEÍCULO TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS MÍNIMOS BÁSICOS

ANEXO XI - PADRÃO TÉCNICO PARA VEÍCULO TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS MÍNIMOS BÁSICOS ANEXO XI - PADRÃO TÉCNICO PARA VEÍCULO TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO REQUISITOS MÍNIMOS BÁSICOS Este documento tem como objetivo estabelecer as características básicas aplicáveis aos veículos produzidos para

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS

INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS Prezados Senhores, O Escritório Anexo da Embaixada do Japão (Agência de Cooperação Internacional do Japão-JICA) deseja receber as cotações para o fornecimento

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

VERSÃO 4X4 101-Catalogo Rav4_2011.indd 2-3 10/13/10 10:17:49 AM

VERSÃO 4X4 101-Catalogo Rav4_2011.indd 2-3 10/13/10 10:17:49 AM 101-Catalogo Rav4_2011.indd 1 10/13/10 10:17:45 AM VERSÃO 4X4 101-Catalogo Rav4_2011.indd 2-3 10/13/10 10:17:49 AM VERSÃO 4X2 VERSÃO 4X4 101-Catalogo Rav4_2011.indd 4-5 10/13/10 10:17:53 AM VERSÃO 4X4

Leia mais

SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL

SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL Obrigado por escolher equipamentos FLUHYDRO SYSTEMS. Os sistemas óleo hidráulicos são hoje, as melhores, mais seguras e econômicas

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador DESCRITIVO TÉCNICO Nome Equipamento: Máquina automática para corte de silício 45º e perna central até 400 mm largura Código: MQ-0039-NEP Código Finame: *** Classificação Fiscal: 8462.39.0101 1 Alimentador

Leia mais

Descrição. Método de construção Tubular Alumínio extrudado. Opções de bomba Hale, Darley ou Waterous Hale, Darley ou Waterous

Descrição. Método de construção Tubular Alumínio extrudado. Opções de bomba Hale, Darley ou Waterous Hale, Darley ou Waterous CAMINHÕES-TANQUE CAMINHÕES-TANQUE Os caminhões-tanque da Spartan Emergency Response são uma parte crítica de qualquer frota de serviços completos de resgate no combate a incêndios. O nosso amplo conhecimento

Leia mais

EM CASO DE EMERGÊNCIA Corsa, 12/05 9-13

EM CASO DE EMERGÊNCIA Corsa, 12/05 9-13 EM CASO DE EMERGÊNCIA Corsa, 12/05 9-13 10. Dê a partida ao motor do veículo que está com a bateria descarregada. Se o motor não pegar após algumas tentativas, provavelmente haverá necessidade de reparos.

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

www.cpsol.com.br (11) 4106-3883

www.cpsol.com.br (11) 4106-3883 REGULAGEM DA CORRENTE A tensão da corrente estará correta, quando em temperatura ambiente, a corrente encostar na parte inferior do sabre e ainda puder ser puxada com a mão sobre o mesmo. CORTE DE TORAS

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

InnoTech: O sistema de gavetas para todos os seus móveis.

InnoTech: O sistema de gavetas para todos os seus móveis. InnoTech: O sistema de gavetas para todos os seus móveis. Conceito de plataforma InnoTech: um perfil de gaveta único para todas as variantes. A diversidade pode ser tão simples: todas as variantes de gaveta

Leia mais

PROCESSO: 23070.002583/2015-70 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 88/2015 VEÍCULOS: SUV, VAN, MINIVAN E SEDAN VIGÊNCIA DA ATA: 15/10/2015 a 14/10/2016

PROCESSO: 23070.002583/2015-70 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 88/2015 VEÍCULOS: SUV, VAN, MINIVAN E SEDAN VIGÊNCIA DA ATA: 15/10/2015 a 14/10/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS DEPARTAMENTO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO PROCESSO: 23070.002583/2015-70 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 88/2015

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. GARFO (Comprimento X Largura X Bitola) (mm): 100D7: 1.200 X 200 X 70 / 1.500 X 200 X 75 / 1.650 X 200 X 75 1.800 X 200 X 75 / 2.100 X 200 X 75 / 2.400 X 200 X 75 120D7: 1.200 X 200 X 75 / 1.500 X 200 X

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

11. Use sempre o cinto de segurança

11. Use sempre o cinto de segurança 11. Use sempre o cinto de segurança Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental O funcionamento do cinto foi descrito em detalhe na aula 10. A finalidade desta aula é insistir sobre

Leia mais

CV 3001. Manual de Instruções. Cadeira Auto. Dispositivo de Retenção para Crianças. 20110717 manual CV3001_voyage.indd 1 30/06/11 13:24

CV 3001. Manual de Instruções. Cadeira Auto. Dispositivo de Retenção para Crianças. 20110717 manual CV3001_voyage.indd 1 30/06/11 13:24 CV 3001 Manual de Instruções Cadeira Auto Dispositivo de Retenção para Crianças 20110717 manual CV3001_voyage.indd 1 30/06/11 13:24 Apresentação Este é um dispositivo de retenção para crianças, utilizado

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 SUMÁRIO Descrição do Rastreador ST-240... 03 Descrição das entradas e saídas... 03 Led indicador GPS - Vermelho... 04 Led indicador GPRS - Azul... 04 Dicas de instalação... 05

Leia mais

IRMÃOS ZEN S.A IND. METALÚRGICA

IRMÃOS ZEN S.A IND. METALÚRGICA IRMÃOS ZEN S.A IND. METALÚRGICA Sumário 1. TENSIONADOR DE BORRACHA ZEN... 1 1.1. Partes do Tensionador... 1 1.2. Alocação na Bancada... 1 1.3. Melhorias na Bancada... 2 2. TANQUES DE COMBUSTÍVEL DE RETORNO...

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 Conheça o funcionamento, diagnóstico e reparo do ajustador de freio automático, um componente primordial para segurança, aplicado em veículos pesados. Que a

Leia mais

Segurança Passiva e Primeiros Socorros de Veículos Elétricos e Híbridos

Segurança Passiva e Primeiros Socorros de Veículos Elétricos e Híbridos Congresso SAE Brasil 2013 Painel de Veículos Elétricos e Híbridos Segurança Passiva e Primeiros Socorros de Veículos Elétricos e Híbridos Robson Macedo General Motors do Brasil Comissão Técnica de Segurança

Leia mais

SpinCom Telecom & Informática

SpinCom Telecom & Informática Rastreador GPS/GSM modelo Com as fortes demandas por segurança e gestão de frota, a SpinCom, acaba de lançar o rastreador GPS/GSM modelo. O rastreador é indicado para aplicações de rastreamento de automóveis,

Leia mais

Dobramento. e curvamento

Dobramento. e curvamento Dobramento e curvamento A UU L AL A Nesta aula você vai conhecer um pouco do processo pelo qual são produzidos objetos dobrados de aspecto cilíndrico, cônico ou em forma prismática a partir de chapas de

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

CAMINHÃO MERCEDES-BENZ 1720 A UM 4x4 FORA DE ESTRADA MILITARIZADO

CAMINHÃO MERCEDES-BENZ 1720 A UM 4x4 FORA DE ESTRADA MILITARIZADO CAMINHÃO MERCEDES-BENZ 1720 A UM 4x4 FORA DE ESTRADA MILITARIZADO O mais novo caminhão militar brasileiro é o Mercedes-Benz 1720 A, versão militarizada do modelo civil recentemente lançado no Brasil. O

Leia mais

1. Construção e descrição da jaqueta de absorção de impactos

1. Construção e descrição da jaqueta de absorção de impactos MOTOAIR TM - Manual de instruções Sumário 1. Construção e descrição da jaqueta de absorção de impactos 2. Uso da jaqueta de absorção de impactos 3. Observações da jaqueta de absorção de impactos 4. Instalação

Leia mais

LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS

LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS OLEO INTERNATIONAL A Oleo é uma empresa líder, especialista em tecnologia de absorção de energia, que presta serviços para os setores

Leia mais

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná 0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná Santa Catarina. São Paulo. Rio Grande do Sul. Tocantins ÍNDICE Confiança

Leia mais

O Elevador Automotivo mais Confiável do Mundo Vans e Caminhonetes

O Elevador Automotivo mais Confiável do Mundo Vans e Caminhonetes Elevador de Duas Colunas O Elevador Automotivo mais Confiável do Mundo Vans e Caminhonetes Propriedades e Benefícios Figura: S15i 6.800kg Elevador simétrico com pacote inbay Desenvolvido para Produtividade

Leia mais

TRANSPORTADORES DE CORREIA

TRANSPORTADORES DE CORREIA 1. DESCRIÇÃO Os Transportadores de correia é a solução ideal para o transporte de materiais sólidos a baixo custo. Sua construção é compacta e com excelente desempenho funcional. Sua manutenção é simples

Leia mais

O kit da discadora MED CALL contém: 1 discadora 1 controle remoto 1 adaptador bivolt 1 antena 1 cabo para linha telefônica 1 chave de fenda

O kit da discadora MED CALL contém: 1 discadora 1 controle remoto 1 adaptador bivolt 1 antena 1 cabo para linha telefônica 1 chave de fenda Introdução A discadora MED CALL tem diversas aplicações, como emergências médicas, coação em caso de assalto, crianças sozinhas em casa, ou qualquer outra aplicação que necessite de uma discagem automática

Leia mais

SÓ PARA USO DOMÉSTICO!

SÓ PARA USO DOMÉSTICO! - Não o utilize num espaço fechado e cheio de vapores que advenham de óleos, dissolventes, produtos anticaruncho, pó inflamável ou outros vapores explosivos ou tóxicos. - Extraia sempre a ficha do aparelho

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Manual de Operação. Porta de Segurança Eclusa Modelo PSED-C

Manual de Operação. Porta de Segurança Eclusa Modelo PSED-C Manual de Operação Porta de Segurança Eclusa Modelo PSED-C Introdução Prezado Cliente, Primeiramente devemos parabenizá-lo por ter escolhido um equipamento com a marca DMP Brasil. A Porta de Segurança

Leia mais

DESOBSTRUIDOR MIDES MODELO 4TES

DESOBSTRUIDOR MIDES MODELO 4TES DESOBSTRUIDOR MIDES MODELO 4TES MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO 1 INDICE 01- INTRODUÇÃO 02- DADOS TÉCNICOS 03- INSTALAÇÃO 04- COMANDOS ELETRICOS E PNEUMÁTICOS 05- OPERAÇÃO 06- MANUTENÇÃO NOTA:

Leia mais

A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL

A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL 0325-folheto H50CT 26-11-11.pmd 1 NOVA HYSTER H50CT: EMPILHADEIRA CONTRABALANÇADA COM OPERADOR SENTADO A H50CT é nova em tudo, do seu projeto inovador às suas características

Leia mais

1- Informações importantes. 2- Funcionamento básico. 3- Suporte

1- Informações importantes. 2- Funcionamento básico. 3- Suporte TeleCarWay Sumário 1- Informações importantes 2 2- Funcionamento básico 2 3- Suporte 2 4- Utilização do veículo 3 5- Garantia 3 6- Características Técnicas 4 7- Desenho do esquema elétrico 4 8- Check-List

Leia mais

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas *

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * 1. Introdução Uma das principais fontes de potência, responsáveis pela alta produção agrícola com significante economia de mão-de-obra, é o trator agrícola.

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Segurança do usuário. Segurança elétrica. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Segurança do usuário. Segurança elétrica. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Segurança do usuário Seu sistema e os suprimentos recomendados foram projetados e testados para atender a exigências de segurança rígidas. A atenção às seguintes informações garantirá uma operação contínua

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO GPT/M012/10/R4 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem observados

Leia mais

Hardware Básico. Refrigeração. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Refrigeração. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Refrigeração Professor: Wanderson Dantas Ventoinhas Ventoinhas são pequenos ventiladores que melhoram o fluxo de ar dentro do computador, trazendo ar frio para dentro do computador e removendo

Leia mais

Recline MANUAL DE INSTRUÇÕES. Dispositivo de Retenção Infantil Grupos 0 1 2 do nascimento aos 25 kg LM216

Recline MANUAL DE INSTRUÇÕES. Dispositivo de Retenção Infantil Grupos 0 1 2 do nascimento aos 25 kg LM216 Infantil Grupos 0 1 2 do nascimento aos 25 kg LM216 MANUAL DE INSTRUÇÕES LEIA ATENTAMENTE TODAS AS INSTRUÇÕES DESTE MANUAL ANTES DE MONTAR E USAR O PRODUTO E GUARDE-AS PARA FUTURAS CONSULTAS. IMPORTANTE

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA NA

ENGENHARIA MECÂNICA NA ENGENHARIA MECÂNICA NA Gonçalo Falcão Marta Ramos Paulo Fernandes Pedro Lima Pedro Forte Pedro Seabra 1M05_03 Supervisor: Monitor: Ana Reis Mário Silva Mestrado Integrado Engenharia Mecânica Motores Energy

Leia mais