Estudo das Melhores Práticas de Governança no Brasil e nos Estados Unidos - Versão 2007 Base - Relatório Anual 20-F

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo das Melhores Práticas de Governança no Brasil e nos Estados Unidos - Versão 2007 Base - Relatório Anual 20-F"

Transcrição

1 Estudo das Melhores Práticas de Governança no Brasil e nos Estados Unidos - Versão 2007 Base - Relatório Anual 20-F Dezembro de 2007 ADVISORY 1

2 Formulários rios 20-F Arquivados na SEC por empresas estrangeiras que possuem ações negociadas em bolsas norte- americanas (Ex. NYSE e Nasdaq); Prazo de arquivamento é de até 180 dias após s o encerramento do exercício cio social; Estrutura: PARTE I Management, Discussion & Analysis Informações sobre o mercado e a companhia, Projeções, Riscos, Conselheiros, políticas de Governança Corporativa e Informações sobre Acionistas PARTE II Informações sobre Controles Internos, Financial Expert do Comitê de Auditoria, Código C de Ética e Honorários rios dos Auditor Externo Certificação da Administração sobre a Eficácia cia dos Controles Internos (SOX 404) PARTE III Demonstrações Financeiras, Notas Explicativas e Anexos e Parecer dos Auditores Independentes Certificação CEO/CFO Divulgação e Responsabilidade pelas Informações (SOX 302 e 906) 2

3 33 Empresas Brasileiras Possuem Capital Aberto nos EUA AmBev AmBev Aracruz Aracruz Bradesco Bradesco BR BR Telecom Telecom Braskem Braskem CBD CBD CEMIG CEMIG COPEL COPEL CPFL CPFL CSN CSN CVRD CVRD Embraer Embraer Gafisa Gafisa Gerdau Gerdau Gol Gol Itaú Itaú NET NET Perdigão Perdigão Petrobras Petrobras Sabesp Sabesp Sadia Sadia TAM TAM Tele Tele N. N. L. L. Cel Cel Tele Tele N. N. Leste Leste Telebrás Telebrás Telemig Telemig Telepar Telepar (BRT) (BRT) Telesp Telesp TIM TIM Ultrapar Ultrapar Unibanco Unibanco Vivo Vivo VCP VCP 31 Arquivaram seus 20-Fs na SEC neste ano; Ambev, CEMIG, COPEL, Sabesp e Tele N. Celular arquivaram após s o prazo Delinquent Filers; Gafisa arquivou o F-1, F pois abriu capital neste ano; Telebrás s está isenta do arquivamento; 3

4 Classificação das Empresas Large Accelerated Filers Valor Agregado de Mercado Acima de US$ 700 mi Empresas 2007* Accelerated Filers Entre US$ 75 mi e 700 mi 3 6 CBD, Telemig Aracruz, CBD, e Ultrapar CPFL, Embratel, Ultrapar e VCP Non-Accelerated Filers Até US$ 75 mi 2 3 TAM e CSN, Telesp Tele N. Celular e Vivo *Informação não disponível para a Gafisa; 4

5 Governança a Corporativa Grande parte das empresas brasileiras estão enquadradas nos Níveis N Diferenciados de Governança a Corporativa da Bovespa: Nível 1 14 empresas Aracruz Itau Bradesco Sadia Braskem Telepar CBD Ultrapar Cemig Unibanco CVRD VCP Gerdau BR Telecom Part. Nível 2 3 empresas Gol NET TAM Novo Mercado 5 empresas CPFL Embraer Gafisa* Perdigão Sabesp *Única alteração em relação à

6 Diferenças entre as Práticas de Governança a Corporativa - BR X EUA Informações disponibilizadas pelas empresas em seus web sites ou divulgadas no relatório rio 20-F. Regras da NYSE, Nasdaq,, SOX e SEC X Bovespa, Lei das S.A. e CVM Reuniões do Conselho de Administração Conselheiros que não ocupam cargos executivos na companhia devem comparecer a reuniões regulares, sem a presença a destes executivos; Comitê de Auditoria e Outros Comitês Comitê de Auditoria é obrigatório. rio. Permissão da SEC para que o Conselho Fiscal das empresas brasileiras exercesse as funções do Comitê de Auditoria; Companhias abertas nos EUA devem possuir um Comitê de Nomeação e Governança Corporativa e um Comitê de Remuneração, compostos por uma maioria de membros independentes. Legislação brasileira não possui tal exigência. 6

7 Diferenças entre as Práticas de Governança Corporativa - BR X EUA (Cont.) Auditoria Interna Empresas abertas nos EUA devem possuir uma auditoria interna ou função semelhante, que avalie regularmente os controles internos da empresa; Comitê de Auditoria deve monitorar as atividades de gerenciamento o de riscos; Independência dos Membros do Conselho Conselho de Administração de companhias abertas nos EUA deve ser majoritariamente composto por membros independentes; Novo Mercado e Nível N 2 (Bovespa) 20% de membros independentes na composição do Conselho; Código de Ética e Conduta Companhias abertas devem adotar e divulgar um Código C de Ética e Conduta, aplicável a seus conselheiros, diretores e funcionários. Violações a este código c devem ser reportadas aos conselheiros e diretores. 7

8 Diferenças entre as Práticas de Governança Corporativa - BR X EUA (Cont.) Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Explicações sobre os Níveis N Diferenciados de Governança Corporativa da Bovespa (Nível 1, Nível N 2 e Novo Mercado); NYSE e Nasdaq não possuem algo similar; Aprovação de Acionistas para Planos de Remuneração em Ações A Tanto as regras norte-americanas, como a Lei das S.A. exigem que acionistas de uma companhia listada devem ter a oportunidade de votar em todos os planos de remuneração em ações a e revisões relevantes relacionadas; Exigência de Certificação Presidente de uma empresa listada deve prontamente notificar a NYSE, N por escrito, caso algum de seus diretores tome conhecimento de qualquer descumprimento material dos termos aplicáveis dos padrões de governança corporativa da NYSE - Seção 303A. 8

9 Comitês de Auditoria Exigência da Seção 301 da SOX, é divulgada pelas empresas no Item 6 do 20-F, Directors, Senior Management and Employees ; SEC US Companies US Audit Committee SEC e CVM Brasil Comitê de Auditoria Conselho Fiscal 15 empresas 17 empresas Em 2007 Aracruz, Bradesco, CBD, COPEL, CSN, Gafisa, Gol, Itau,, Petrobras, Sabesp, Sadia, TAM, Telesp, Unibanco e Vivo Ambev, Brasil Telecom Part., Braskem, CEMIG, CPFL, CVRD, Embraer, Gerdau, NET, Perdigão, Tele N. Celular, Tele N. Leste, Telepar, Telemig, Tim, Ultrapar e VCP. Em empresas 19 empresas 9

10 Composição - Conselho e Comitê de Auditoria Informações divulgadas no Item 6 do 20-F, Directors, Senior Management and Employees ; Devem possuir um regimento interno que estabeleça a sua composição, objetivos e normas de funcionamento; Número de membros Conselho de Administração Comitê de Auditoria 10

11 Financial Expert e Código de Ética Audit Committee Financial Expert Exigência da Seção 407 da SOX, é divulgada pelas empresas no Item 16-A, Directors, Senior Management and Employees ; 25 Empresas possuem apenas 1 financial expert; 4 Empresas consideram todos os membros financial experts; 1 Empresa possui 2 ou mais e não divulgou os nomes; 2 Empresas não possuem um financial expert; Código de Ética e Conduta Item 16-B B do 20-F Todas as empresas brasileiras reportaram que possuem um Código C de Ética, disponível para investidores e outros interessados; 11

12 Exemplos de Comitês Divulgados. Ethics Committee - Revisão do Código C de Ética e dos relatórios rios de violação; Comitê de Auditoria Comitê de Comitê de Nomeação Remuneração Innovation & - Inovação tecnológica e estratégia de Development crescimento; Committee Executive - Políticas gerais de RH e de Development responsabilidade social; Committee - Avaliação e compensação dos executivos;. Conselho de Administração. Management Process Committee - Avaliação do perfil de risco e controles internos da empresa; Finance & Investor Relations Committee - Estratégia financeira e políticas de mercados de capitais 12

13 Certificação dos Controles Internos Management s Report on Internal Control of Financial Reporting SOX 404 (Item 15 do 20-F, Controls and Procedures,, ou anexo); 28 empresas avaliaram seus controles internos como eficazes; 3 empresas avaliaram seus controles internos como ineficazes; COPEL, Sabesp e Tele Norte Leste 13

14 Deficiências reportadas pelas empresas brasileiras Falta de controles operando de forma eficaz para assegurar: A reconciliação e o monitoramento de recebimentos não identificados (Unapplied Cash Receipts) dentro do Contas a Receber de Clientes; A transferência em tempo hábil h e precisa dos valores relacionados ao imobilizado em andamento para as contas definitivas do imobilizado, bem como a data para início da respectiva depreciação; A integridade/precisão ou a revisão/monitoramento das provisões contábeis mensais relacionadas a aquisição de bens e ou de serviços de acordo com o regime de competência; 14

15 Deficiências reportadas pelas empresas brasileiras (Cont.) A integridade/precisão ou a revisão/monitoramento dos processos de litígio ambiental; A integridade e a precisão dos depósitos judiciais, relacionados a processos trabalhistas, civis e contas garantia (escrow( accounts) classificados como ativos de longo prazo. Especificamente, não foi f possível a contabilização destes valores por processo e uma reconciliação entre os depósitos e a conclusão dos respectivos processos; A integridade/precisão ou a revisão/monitoramento dos planos de aposentadoria (pensão e planos de saúde) sob a responsabilidade da empresa, incluindo a revisão detalhada dos cálculos c atuariais, reconciliação entre o laudo atuarial e os registros contábeis e o fluxo de caixa dos pagamentos de contribuição; e A adequada revisão/monitoramento da reconciliação entre os itens das DF s s em BRGAAP com o USGAAP. 15

16 Gastos com Auditoria Honorários rios pagos à empresa de Auditoria Independente, relacionados à prestação de serviços de Auditoria e de outros serviços de Consultoria; Divulgados pela empresa no Item 16-C C do 20-F; Aumento dos Gastos com Auditoria em Comparação com 2005 Empresas com faturamento: de até R$ 6 bi 67% entre R$ 6 e 12 bi 22% acima de R$ 12 bi 47% 3 empresas gastaram mais com serviços de Consultoria, do que de Auditoria, prestados pelo auditor independente; CSN, CEMIG e NET; 4 empresas não contrataram serviços de Consultoria do auditor independente; COPEL, Sabesp, Telemig e Tele Norte Celular; 16

17 Gastos com Auditoria Em milhares de R$ Até R$ 6 bi Faturamento Gastos de Auditoria Gastos de Consultoria (auditor externo) % Audit/Fat Entre R$ 6 bi e R$ 12 bi Acima de R$ 12 bi MÉDIA 2006 $3,384,909 $1,544 67% $452 21% 0.046% 2005 $3,623,762 $922 $ % MÉDIA 2006 $7,879,831 $2,594 22% $1, % 0.033% 2005 $8,416,045 $2,123 $ % MÉDIA 2006 $38,091,543 $10,029 47% $2,578-10% 0.026% 2005 $40,526,714 $6,821 $2, % 17

18 Fatores de Risco Dilvulgados pela empresa na seção Risk Factors do 20-F, Item 3-D; 3 Média de riscos divulgados por setor Fatores de Risco Indústria Recursos Naturais Serviços Serviços Financ. Telecom Indústria e Serviços - aumento de 15% em relação ao ano passado; Telecom - número de riscos divulgados reduziu 10%; 18

19 Fatores de Risco Divulgados RELATIVOS AO BRASIL Instabilidade política e econômica do país; Mudanças as na Taxa de juros; Política de impostos (Mudanças as na política de impostos); Inflação; Volatilidade do câmbio; Mudanças as nas leis trabalhistas; Desvalorização do Real; Volatilidade dos preços de commodities; e Falta de liquidez e volatilidade do mercado de capitais brasileiro. Desenvolvimento de outros mercados, especialmente a China, pode diminuir a demanda por produtos nacionais; 19

20 Fatores de Risco Divulgados (Cont.) RELATIVOS À INDÚSTRIA DE ATUAÇÃO Mudanças as nas regulamentações das operações de bancos e seguradoras; Aumento na competição dentro dos setores; Ajustes nas tarifas de importação que beneficiem concorrentes; Preços de mercado cíclicos; c clicos; Reestruturação das Agências Reguladoras Governamentais; Desenvolvimento de novas tecnologias; Dependência da obtenção de licenças ambientais e imposição de novas regulações ões; Estabelecimento de regras para linhas de telefones fixos; Estrutura do setor de energia elétrica, extremamente concentrada na geração hidroelétrica; Mudanças as nas regulamentações da aviação civil brasileira e no controle de tráfego aéreo; a e Pirataria. 20

21 Fatores de Risco Divulgados (Cont.) RELATIVOS ÀS S EMPRESAS E SEUS NEGÓCIOS Dependência em relação a poucos clientes e fornecedores chaves; Downgrades nos ratings para obtenção de crédito; Custo e resultados da estratégia de expansão de internet banking no Brasil; Conflitos de interesses entre os acionistas; Autoridades Antitruste podem impor condições restritivas para aprovações de transações; Falta de cobertura para certos riscos nas apólices de seguro; Participação em Special Purpose Entities (SPEs); Grau de incerteza quanto a estimativa de reservas de gás g s natural e óleo; Incêndios, acidentes aéreos a e desastres ambientais; Incapacidade de manter a cultura corporativa, com o crescimento da organização; Aumento no turnover de clientes; e Requerimentos necessários para ser uma companhia aberta, impactando na habilidade de atrair e reter membros qualificados no conselho. 21

22 Contato Sidney Ito Sócio 22

A Governança Corporativa e o Mercado de Capitais:

A Governança Corporativa e o Mercado de Capitais: A Governança Corporativa e o de Capitais: ADVISORY Um panorama atual das corporações brasileiras na e nas Bolsas norteamericanas Dezembro de 2008 1 Objetivo Entender como as empresas brasileiras vêm evoluindo

Leia mais

Práticas de Governança Corporativa Aplicadas no Brasil e nos Estados Unidos

Práticas de Governança Corporativa Aplicadas no Brasil e nos Estados Unidos Práticas de Governança Corporativa Aplicadas no Brasil e nos Estados Unidos Fevereiro de 2007 ADVISORY 1 Ambiente corporativo - Interação com o mercado Analistas de mercado Acionistas Instituições financeiras

Leia mais

2010 IR Global Rankings

2010 IR Global Rankings 2010 IR Global Rankings Latin America Workshop & Award Ceremony A D V I S O R Y Instrução CVM No. 480, de 7 de dezembro de 2009 A Instrução não se aplica a fundos de investimento, clubes de investimento

Leia mais

Governança no mercado de ações

Governança no mercado de ações AUDIT COMMITTEE INSTITUTE Governança no mercado de ações Diferentemente do que ocorreu nos Estados Unidos, com a promulgação da lei Sarbanes-Oxley (SOX), em 2002, no Brasil, a governança corporativa é

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

Magnus Chaib magnus.chaib@br.pwc.com

Magnus Chaib magnus.chaib@br.pwc.com O papel do contador e a transparência das informações contábeis VIII Fórum da Mulher Contabilista - CRC/MS Março / 2011 Magnus Chaib magnus.chaib@br.pwc.com Curiosidades e Informações úteis 1. Na Europa,

Leia mais

CONTROLES INTERNOS NAS EMPRESAS BRASILEIRAS

CONTROLES INTERNOS NAS EMPRESAS BRASILEIRAS "Para uso exclusivo dos participantes do Ciclo de Debates em Governança Corporativa do Fipecafi CONTROLES INTERNOS NAS EMPRESAS BRASILEIRAS 2007 KPMG Risk Advisory Services Ltda., uma sociedade brasileira

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE USO CONFIDENCIAL 1

APRESENTAÇÃO DE USO CONFIDENCIAL 1 Os Melhores Websites de Sustentabilidade do Brasil 2006/2007 Entre as Empresas listadas no Ibovespa Apimec, 24.4.2007 Dr. William Cox, Director, Management & Excellence/GrowAssociates APRESENTAÇÃO DE USO

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale Comparação das práticas de governança corporativa adotadas pela VALE com aquelas adotadas pelas companhias norte-americanas em cumprimento às exigências da Bolsa de Valores de Nova Iorque De acordo com

Leia mais

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A. BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FRAMEWORKS DE CONTROLE DE PROCESSOS PARA A GESTAO EFETIVA DA TECNOLOGIA DA INFORMACAO

A IMPORTÂNCIA DOS FRAMEWORKS DE CONTROLE DE PROCESSOS PARA A GESTAO EFETIVA DA TECNOLOGIA DA INFORMACAO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& A IMPORTÂNCIA DOS FRAMEWORKS DE CONTROLE DE PROCESSOS

Leia mais

Demonstrações financeiras em 28 de fevereiro de 2009 e 29 de fevereiro de 2008

Demonstrações financeiras em 28 de fevereiro de 2009 e 29 de fevereiro de 2008 ABCD BRAM Fundo de Investimento em Ações IBrX-50 CNPJ nº 07.667.245/0001-16 (Administrado pela BRAM - Bradesco Asset Management S.A. Distribuidora Demonstrações financeiras em 28 de fevereiro de 2009 e

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas (*) Palestrante: Vinícius Sampaio (*) Contará

Leia mais

Parecer do Comitê de Auditoria

Parecer do Comitê de Auditoria Parecer do Comitê de Auditoria 26/01/2015 Introdução Título do documento De acordo com o que estabelece o seu regimento interno, compete ao Comitê de Auditoria assegurar a operacionalização dos processos

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira

SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira Faculdade de de Administração e Ciências Contábeis/FACC Grupo de Contabilidade Ambiental e SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira Contabilidade Ambiental Profa. CONTABILIDADE AMBIENTAL DO QUE SE

Leia mais

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios Identificação das pessoas responsáveis pelo formulário Capital/Bolsa Capital/ Balcão Declaração do Presidente e do Diretor de Relação com Investidores Dívida / Investimento Coletivo IAN Apenas informações

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações

Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações CNPJ 10.199.937/0001-91 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras

Leia mais

Evolução constante. Desde a criação dos níveis diferenciados de governança da Bovespa, em 2000, o Brasil vem procurando

Evolução constante. Desde a criação dos níveis diferenciados de governança da Bovespa, em 2000, o Brasil vem procurando Evolução constante Desde a criação dos níveis diferenciados de governança da, em 2000, o Brasil vem procurando se posicionar na vanguarda em relação às boas práticas de governança corporativa. O momento

Leia mais

XEROX GLOBAL ETHICS HELPLINE

XEROX GLOBAL ETHICS HELPLINE ALCANCE: Xerox Corporation e suas subsidiárias. OBJETIVO: Este documento descreve a conduta ética que deve ser adotada durante as negociações pelos empregagos da Xerox Corporation. Todos os empregados

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

Convergência às Normas Internacionais: desafios e avanços

Convergência às Normas Internacionais: desafios e avanços Convergência às Normas Internacionais: desafios e avanços O Processo de Convergência Importância para os usuários Wang Jiang Horng Gerente de Desenvolvimento de Empresas BOVESPA BOVESPA Único centro de

Leia mais

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas 3 de Abril de 2013 São Paulo CESCE Presença Internacional A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Em 7 de fevereiro de

Leia mais

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA QUALITY ASSURANCE Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA Viviane Souza Miranda CCSA Diretora de Auditoria Interna Telefônica Vivo Índice

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

O Setor de Mineração no contexto do Mercado de Capitais

O Setor de Mineração no contexto do Mercado de Capitais O Setor de Mineração no contexto do Mercado de Capitais Set/2013 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): x CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO PÚBLICO Introdução O setor de mineração

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança Favor indicar o departamento no qual opera: 16% 5% Relações externas, Comunicação N=19 79% Estratégia e inovação Gestão de Risco Outros Meio Ambiente, saúde e segurança Outros: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 Agenda Introdução Demandas do mercado de capitais Governança corporativa Governança corporativa no

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras III Fórum Baiano de Economia Aplicada 2014 Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras R. Ballini, Rodrigo L. F. Silveira, L. Maciel Instituto de Economia, Universidade

Leia mais

Aon Corporation. Países em que atua 120 Escritórios no Mundo 500 Funcionários 40.000. Matriz da Aon Chicago EUA. Dados: Dezembro/2009

Aon Corporation. Países em que atua 120 Escritórios no Mundo 500 Funcionários 40.000. Matriz da Aon Chicago EUA. Dados: Dezembro/2009 Aon Corporation Líder Mundial em Consultoria de Riscos, Benefícios, Seguros e Resseguros; Detentora do maior volume de prêmios emitidos do mercado mundial; 8ª empresa na categoria Diversidade Financeira

Leia mais

EM QUATRO DIMENSÕES. companhias que. processo de. Diego Barreto Gerente de RI, Lopes. Nelson Pazikas Eternit. Diretor Presidente da Total RI

EM QUATRO DIMENSÕES. companhias que. processo de. Diego Barreto Gerente de RI, Lopes. Nelson Pazikas Eternit. Diretor Presidente da Total RI A experiência de companhias que estão em processo de implementação Diego Barreto Gerente de RI, Lopes Nelson Pazikas Eternit EM QUATRO DIMENSÕES Mediador: Valter Faria Diretor Presidente da Total RI São

Leia mais

ANEXO 24 Formulário de Referência

ANEXO 24 Formulário de Referência Reapresentação do Formulário de Referência conforme 4, inciso I do artigo 24 da IN CVM nº 480/2009. (...) ANEXO 24 Formulário de Referência 12.6 Diretoria da Valetron S/A a. Maria Amalia Delfim de Melo

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. CAPÍTULO I Do Objetivo

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. CAPÍTULO I Do Objetivo POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CAPÍTULO I Do Objetivo 1.1 Esta política tem por objetivo estabelecer os requisitos e os princípios que nortearão a Finacap Consultoria Financeira

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Soluções em Previdência Complementar & Serviços Atuariais

Soluções em Previdência Complementar & Serviços Atuariais Aon Hewitt Soluções em Previdência Complementar & Serviços Atuariais Facilidade e segurança para o RH e os colaboradores Risk. Reinsurance. Human Resources. Soluções em Previdência Complementar & Serviços

Leia mais

Pesquisa Política de Divulgação e Negociação

Pesquisa Política de Divulgação e Negociação Pesquisa Política de Divulgação e Negociação Realizada com 551 Cias Abertas Registradas na CVM 1 Dezembro/2009 Escopo da Pesquisa 1) Pesquisa elaborada conjuntamente pela CVM e IBRI; 2) Conduzida pela

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

Ita?ú Carteira L?i?vre Açõe?s?-? Fundo de Invest?imento (Administrado p?elo Banco ItaucardS?.A?.)

Ita?ú Carteira L?i?vre Açõe?s?-? Fundo de Invest?imento (Administrado p?elo Banco ItaucardS?.A?.) Ita?ú Carteira L?i?vre Açõe?s?-? Fundo de Invest?imento (Administrado p?elo Banco ItaucardS?.A?.) Demons?trações Fin?anceiras?Referentes aos E?xercícios Findos em 3?1 de Julho de 2007 e de 2006 e Parecer

Leia mais

CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS 2014. Avenida Presidente Juscelino Kubitschek nº 2041 e 2235 Bloco A, Vila Olímpia CEP 04543-011 São Paulo/SP

CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS 2014. Avenida Presidente Juscelino Kubitschek nº 2041 e 2235 Bloco A, Vila Olímpia CEP 04543-011 São Paulo/SP Denominação Social Endereço da Sede Endereço na Internet Diretor de Relações com Investidores Responsável pela Área de Relações com Investidores CALENDÁRIO DE S CORPORATIVOS 2014 Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima ANÁLISE CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA OFERTAS PUBLICAS DE AÇÕES Por: Ricardo Zeno 55 21 3431 3831 27 de Fevereiro, 2008 Em 2007, o destaque foi para as emissões de Renda Variável, o volume total das ofertas

Leia mais

Governança Corporativa no Brasil: um círculo virtuoso

Governança Corporativa no Brasil: um círculo virtuoso Governança Corporativa no Brasil: um círculo virtuoso VI Encontro Nacional da Mulher Contabilista Florianópolis Sandra Guerra 08/06/2007 sandraguerra@bettergovernance.com.br Agenda 1 2 3 4 5 Panorâmica

Leia mais

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013 Governança e Sucessão nas Empresas Familiares Governança e Sucessão nas empresas familiares Os Marcos históricos da Governança 1. O Relatório Cadbury 2. Os Princípios da OCDE 3. A Difusão Mundial dos Códigos

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO . COMUNICADO AO MERCADO Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS Apresentamos as principais alterações em nossas demonstrações contábeis decorrentes da adoção do padrão contábil internacional

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

VIVO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.074/0001 73 NIRE 35.3.001.587 92 TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S.A. TELESP FATO RELEVANTE

VIVO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.074/0001 73 NIRE 35.3.001.587 92 TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S.A. TELESP FATO RELEVANTE FATO RELEVANTE As administrações da Vivo Participações S.A. ( Vivo Part. ) e da Telecomunicações de São Paulo S.A. Telesp ("Telesp") (conjuntamente referidas como Companhias ), na forma e para os fins

Leia mais

Finanças e Negócios Sustentáveis

Finanças e Negócios Sustentáveis Finanças e Negócios Sustentáveis Riscos de governança e sócio-ambientais e seu impacto no rating de crédito Seminário de Meio Ambiente Britcham SP 17 de agosto de 2006 1 Gustavo Pimentel Analista de Governança

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado

CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado Em maio de 2004 foi publicada a Resolução 3.198 do Conselho Monetário Nacional, que trouxe, entre outras novidades,

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Mercado - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Atribuições e Responsabilidades:... 4 Conselho de Administração:...

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento Ações Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) 31 de março de 2014 com Relatório dos Auditores

Leia mais

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.)

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de março de

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 4.0 - Março/2015) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

23/09/2013. Técnicas para Elaboração de um Plano de Auditoria a partir de um Universo de Auditoria Abrangente e Confiável

23/09/2013. Técnicas para Elaboração de um Plano de Auditoria a partir de um Universo de Auditoria Abrangente e Confiável 23/09/2013 Técnicas para Elaboração de um Plano de Auditoria a partir de um Universo de Auditoria Abrangente e Confiável Marco Andre Figuerôa Tassinari Rocha Gerente de Auditoria de Processos e Negócios

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações envolvendo emissores de valores mobiliários registrados na categoria A. O PRESIDENTE

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

Anúncio de Reestruturação Financeira

Anúncio de Reestruturação Financeira Anúncio de Reestruturação Financeira 1 Considerações Futuras Algumas informações sobre o Plano de Reestruturação Financeira da Companhia apresentam nossas expectativas sobre o resultado que poderemos obter

Leia mais

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E DESAFIOS Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 Agenda 1. Compliance conceito e missão 2. Atuação de Compliance nas instituições 3. Ferramentas de Compliance 4. Auditoria e Compliance

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Governança Corporativa na América Latina

Governança Corporativa na América Latina Governança Corporativa na América Latina As iniciativas da Mesa-Redonda da OCDE e do Círculo de Companhias CEG 7/5/08 sandraguerra@bettergovernance.com.br América Latina Progresso perceptível desde 2000

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas. Edital n o 02/2012

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas. Edital n o 02/2012 Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas Edital n o 02/2012 Seleção de Projetos de Pesquisa para desenvolvimento no âmbito do convênio firmado com o

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

O efeito da rentabilidade...

O efeito da rentabilidade... O efeito da rentabilidade... A importância da variável taxa: R$ 500 reais mensais, por 25 anos 0,80% 1,17% 1,53% 1,88% 2,21% 10% 15% 20% 25% 30% 10% aa 15% aa 20% aa 25% aa 30% aa Ano 0 R$ 0 R$ 0 R$ 0

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES

QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES CRITÉRIOS PARA INCLUSÃO DE EMPRESAS NOS FUNDOS ETHICAL - 16 - PARTE A DESEMPENHO NA ÁREA AMBIENTAL (GRUPO 1: ESTRUTURA DA ÁREA DE GESTÃO AMBIENTAL) A1. A gestão

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA Novos Cenários Crises Recentes: Desaquecimento Econômico e Baixo Retorno Financeiro Mudanças Econômicas Maior Concorrência Novos Cenários

Leia mais

Fato Relevante. conferir ao Grupo Cosan a capacidade de aproveitar as oportunidades de crescimento em diferentes mercados e regiões;

Fato Relevante. conferir ao Grupo Cosan a capacidade de aproveitar as oportunidades de crescimento em diferentes mercados e regiões; Fato Relevante São Paulo, 25 de junho de 2007 - Nos termos da Instrução da Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) n.º 358, de 30 de janeiro de 2002, e alterações posteriores e com a finalidade de informar

Leia mais

ADR (American Depositary Receipt): forma de captação de recursos próprios por empresas locais no mercado dos EUA IDR (International DR): captação de

ADR (American Depositary Receipt): forma de captação de recursos próprios por empresas locais no mercado dos EUA IDR (International DR): captação de ADR (American Depositary Receipt): forma de captação de recursos próprios por empresas locais no mercado dos EUA IDR (International DR): captação de recursos próprios em outros países GDR (Global DR):

Leia mais

The Winterbotham Merchant Bank

The Winterbotham Merchant Bank The Winterbotham Merchant Bank uma divisão de The Winterbotham Trust Company Limited CASH MANAGEMENT E SERVIÇOS DE BANCA FIDUCIÁRIA CASH MANAGEMENT E SERVIÇOS DE BANCA FIDUCIÁRIA Introdução Licenciada

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto 1.1. O objeto desta Política de Voto é estabelecer as regras a serem observadas pela INFRA

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Ibovespa Top 31 de março de 2012 e 2011 com Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações financeiras

Leia mais