CORPORATE GOVERNANCE E O PAPEL DAS AUDITORIAS. Dr. Rui Leão Martinho Bastonário Ordem dos Economistas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORPORATE GOVERNANCE E O PAPEL DAS AUDITORIAS. Dr. Rui Leão Martinho Bastonário Ordem dos Economistas"

Transcrição

1 CORPORATE GOVERNANCE E O PAPEL DAS AUDITORIAS Dr. Rui Leão Martinho Bastonário Ordem dos Economistas

2 CORPORATE GOVERNANCE Conjunto de mecanismos, processos e relações através dos quais as diferentes empresas são geridas.

3 CORPORATE GOVERNANCE PROBLEMA DE RELAÇÃO INVESTIDOR-GESTOR

4 PRINCIPAIS OBJECTIVOS Assegurar a integridade, profissionalismo e contabilidade da gestão; Considerar mecanismos de controlo interno de forma a encorajar boas práticas de gestão; Prever mecanismos apropriados de transparência e reporte de informação; Estabelecer mecanismos de supervisão que possam contribuir para a credibilidade do ambiente de negócio geral.

5 PRINCIPAIS DESAFIOS 2016/2017 Os recentes casos envolvendo sustentabilidade, ética e escândalos financeiros em diferentes empresas têm conduzido a uma pesquisa em torno da melhor prática de gestão dentro das organizações. Estes escândalos reflectem-se nos seguintes aspectos: GOVERNO ORGANIZAÇÕES SOCIEDADE

6 PAPEL DAS AUDITORIAS Exame, monitorização e análise das actividades relacionadas com as operações da empresa, incluindo a sua estrutura de negócio, comportamentos dos seus empregados e sistemas de informação.

7 A AUDITORIA Planeamento Recolha de informação Análise de procedimentos e documentação Check-list da informação analisada Elaboração do reporte

8 A AUDITORIA PASSADO PRESENTE ELIMINAR O RISCO GERIR O RISCO

9 LIMITAÇÕES Não há sistema de controlo interno absolutamente seguro O incumprimento pela própria Gestão cimeira dos procedimentos de controlo por si instituído; Conluio entre empregados; Custo de implantação e funcionamento de um sistema de controlo interno totalmente seguro face aos benefícios esperados.

10 EXISTÊNCIA DE AUDITORIA INTERNA Durante muito tempo o controlo interno foi secundarizado A ocorrência de escândalos financeiros aumentou o reconhecimento da importância deste tipo de controlo interno, quer por parte das empresas, quer por parte dos legisladores e reguladores. A UE e Portugal também tomaram medidas nesta matéria, sendo actualmente exigíveis, em algumas situações, a elaboração por parte das Administrações de relatórios sobre o controlo interno e a emissão de pareceres sobre os mesmos por parte dos Auditores externos.

11 EXISTÊNCIA DE AUDITORIA INTERNA Aumento do reconhecimento da importância da existência de auditorias internas, por parte das empresas, ao longo dos anos. in III Survey sobre a função de Auditoria Interna em Portugal, KPMG, 2013

12 EXISTÊNCIA DE AUDITORIA INTERNA Internacionalmente, a tendência mantém-se. A maior parte das empresas reconhece a sua importância e considera que os procedimentos de auditoria na sua empresa têm obtido uma boa perfomance. in State of the Internal Audit Profession Study, PwC, 2016

13 IMPACTO DA CRISE ECONÓMICA Se por um lado o reconhecimento da importância da auditoria interna nas empresas nacionais aumentou, por outro, a maior parte reduziu o investimento nesta, fruto da crise económica sentida nos últimos anos. in III Survey sobre a função de Auditoria Interna em Portugal, KPMG, 2013

14 AUDITORIA INTERNA MUDANÇAS & DESAFIOS in Deloitte s Global Chief Audit Executive Survey, Deloitte, 2016 Mais de 80% das empresas deseja fazer algum tipo de mudança nos próximos 3 a 5 anos. Os procedimentos de auditoria interna terão de compreender a evolução e as alterações nas organizações, de forma a ir de encontro às exigências dos seus stakeholders.

15 AUDITORIA MUDANÇAS & DESAFIOS Os reguladores têm estabelecido normas e recomendações com o objectivo de estabelecer a qualidade como a prioridade nº 1 para os Auditores; O aumento das inspecções e sanções por desrespeito às normas de auditoria; O impacto da tecnologia nas empresas, assim como nas diversas metodologias de auditoria; A maior comunicação directa entre auditores externos e Conselhos de Supervisão.

16 AUDITORIA MUDANÇAS & DESAFIOS Aumento de exigência de informação por parte dos stakeholders ao Conselho Administrativo e Auditores AUDITORES Criação ou revisão de normas Informação não financeira Sistema de controlo interna Sistema de supervisão de risco Divulgações por parte da equipa de gestão Relatórios de Auditoria Riscos Estimativas Opiniões

17 AUDITORIA MUDANÇAS & DESAFIOS ATRAIR EMPRESAS DE AUDITORIA DESENVOLVER TALENTOS RETER

CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL

CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL Rui Leão Martinho 9 de Julho de 2013 INDÍCE Introdução Corporate Governance Princípios Corporate Governance em Portugal Estudo

Leia mais

FIP GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE RISCO. São Paulo, Junho de SP v1

FIP GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE RISCO. São Paulo, Junho de SP v1 FIP GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE RISCO São Paulo, Junho de 2016 SP - 17811769v1 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1. Introdução A FIP Gestora conta com os procedimentos referentes a gestão de riscos

Leia mais

A relevação de riscos e a informação financeira

A relevação de riscos e a informação financeira A relevação de riscos e a informação financeira Vitor Ribeirinho Head of Audit 29 de Maio de 2012 Disclaimer A informação contida neste documento é de natureza geral e não se aplica a nenhuma entidade

Leia mais

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS Critérios de Selecção A fim de assegurar um nível mínimo de qualidade das candidaturas, os candidatos seleccionados têm de pontuar pelo menos 30 pontos nos critérios qualitativos, sob pena de exclusão.

Leia mais

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação A prática de remuneração variável e gestão por competências no setor público brasileiro Agenda

Leia mais

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna 2015 Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Agenda 1. Enquadramento 2. Abordagem Operacional 3. Execução do Plano 2015 4. Plano de Auditoria Interna 2016

Leia mais

Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas Índice 1. Enquadramento... 2 2. Objectivos... 2 3. Âmbito do Plano... 3 4. Missão da Entidade... 3 5. Áreas avaliadas, Principais Riscos e formas de mitigação... 4 6. Mecanismos de Controlo... 9 7. Entidades

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2013 de 22 de Março RELATÓRIO SOBRE A GOVERNAÇÃO CORPORATIVA E SISTEMA DE CONTROLO INTERNO

INSTRUTIVO N.º 01/2013 de 22 de Março RELATÓRIO SOBRE A GOVERNAÇÃO CORPORATIVA E SISTEMA DE CONTROLO INTERNO INSTRUTIVO N.º 01/2013 de 22 de Março ASSUNTO: RELATÓRIO SOBRE A GOVERNAÇÃO CORPORATIVA E SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Havendo necessidade de se regulamentar o envio de informação ao Banco Nacional de Angola

Leia mais

TRANSPARÊNCIA DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REFORMAS RECENTES E REFORMAS URGENTES

TRANSPARÊNCIA DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REFORMAS RECENTES E REFORMAS URGENTES TRANSPARÊNCIA DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REFORMAS RECENTES E REFORMAS URGENTES Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM Reformas recentes reformas urgentes 1 Sumário Introdução Medidas Recentes

Leia mais

CARTA DE CORPORATE GOVERNANCE DE ANGOLA

CARTA DE CORPORATE GOVERNANCE DE ANGOLA CARTA DE CORPORATE GOVERNANCE DE ANGOLA Preâmbulo 1. Capítulo I Parte Geral 2. Capítulo II Accionistas e deliberações de sócios 3. Capítulo III Administração da sociedade 4. Capítulo IV Supervisão e Fiscalização

Leia mais

Implementação da IFRS 9

Implementação da IFRS 9 Junho 2016 Implementação da IFRS 9 Considerações para bancos de importância sistémica O tempo está a contar. Os audit committees precisam de ser activos e de promover uma governação forte, que permita

Leia mais

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1 Encontro na Ordem 1 Aspectos a Abordar 1. Entrada em Vigor 2. Objectivos do ISQC1 3. Elementos do Sistema de Controlo de Qualidade 4. Aspectos Práticos

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO 1. OBJECTIVOS DA NORMA REGULAMENTAR O que se pretende com a introdução

Leia mais

ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE

ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO 2 DOCUMENTAÇÃO ADICIONAL A REMETER 2 ESTRUTURA DE GOVERNANCE 3 1. Estrutura Orgânica 3 2. Órgão de Administração (Conselho de administração/direcção)

Leia mais

O green paper da Comissão Europeia sobre Corporate Governance As Grandes Opções

O green paper da Comissão Europeia sobre Corporate Governance As Grandes Opções sobre Corporate Governance As Grandes Opções Seminário O Bom Governo das Sociedades A Situação Nacional e Internacional Lisboa, 19 de Maio de 2011 Carlos Alves Introdução O que é o «Green Paper»? É um

Leia mais

Auditoria Interna Séc. XXI

Auditoria Interna Séc. XXI Auditoria Interna Séc. XXI Instrumento de gestão e/ou do accionista Maio 2009 pwc Agenda Exemplos de incidentes Reporte da Auditoria Interna Principais funções e responsabilidades Desafios à gestão e aos

Leia mais

Sustentabilidade Workshops

Sustentabilidade Workshops www.pwc.pt/academy Workshops PwC s Academy Portefólio de soluções formativas de profissionais para profissionais Workshops As empresas do futuro devem ser capazes de garantir a gestão dos seus pilares

Leia mais

Relatório do Conselho de Auditoria Sumário Executivo

Relatório do Conselho de Auditoria Sumário Executivo Relatório do Conselho de Auditoria 2015 Sumário Executivo Relatório do Conselho de Auditoria -2015 Sumário Executivo Lisboa, 2016 www.bportugal.pt 1. Sumário executivo Introdução O presente Sumário Executivo

Leia mais

Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e Controles Internos MANUAL - ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 1 de 7 Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e MANUAL - ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 2 de 7 ÍNDICE 1) Introdução...3 2) Responsabilidade da Área...3 3) Monitoramento

Leia mais

CONCORDÂNCIA COM OS TERMOS DO TRABALHO DE AUDITORIA NBC TA 210 (R1)

CONCORDÂNCIA COM OS TERMOS DO TRABALHO DE AUDITORIA NBC TA 210 (R1) CONCORDÂNCIA COM OS TERMOS DO TRABALHO DE AUDITORIA NBC TA 210 (R1) Objetivos da norma Esta Norma trata da responsabilidade do auditor independente em estabelecer os termos de um trabalho de auditoria

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA Curso de Auditoria Interna, Controle Interno e Gestão de Riscos carga-horária: 16 horas OBJETIVO Fornecer aos participantes o conhecimento básico e bases técnicas e práticas fundamentais para que possam

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

IV Survey sobre a função de Auditoria Interna em Portugal. Resultados Preliminares. XXII Conferência Anual IPAI. Lisboa, 19 de Novembro de 2015

IV Survey sobre a função de Auditoria Interna em Portugal. Resultados Preliminares. XXII Conferência Anual IPAI. Lisboa, 19 de Novembro de 2015 IV Survey sobre a função de Auditoria Interna em Portugal Resultados Preliminares XXII Conferência Anual IPAI Lisboa, 19 de Novembro de 2015 Risk Consulting AGENDA 1 Enquadramento do Estudo 2 Caracterização

Leia mais

Mária Lapa, Sónia Matos, Sara Barros e André Machado Vaz. Revisores Oficiais de Contas

Mária Lapa, Sónia Matos, Sara Barros e André Machado Vaz. Revisores Oficiais de Contas Mária Lapa, Sónia Matos, Sara Barros e André Machado Vaz Revisores Oficiais de Contas Sustentabilidade Manutenção da profissão, do seu prestígio e do seu contributo para o interesse público, a longo prazo.

Leia mais

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização NP 4469-1 Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização Sonia Pires APEE soniapires@apee.pt Relação com a ISO 26000 Segue o mesmo espírito:

Leia mais

Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas

Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas Fórum de Bolsa Setembro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Setembro, 28, 2012 A presente apresentação

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

Linhas de defesa - papéis das áreas de gestão de riscos, controles internos e auditoria interna

Linhas de defesa - papéis das áreas de gestão de riscos, controles internos e auditoria interna Linhas de defesa - papéis das áreas de gestão de riscos, controles internos e auditoria interna Riscos e Controles Controles internos (da gestão) Processo conduzido para atingir objetivos Meio para um

Leia mais

X Fórum de Auditoria Interna

X Fórum de Auditoria Interna X Fórum de Auditoria Interna Lançamento do IV Survey sobre a Função de Auditoria Interna em Portugal 2015 Lisboa, 18 de Junho de 2015 RISK CONSULTING AGENDA 1 História do Survey de Auditoria Interna e

Leia mais

Processo de AIA. Principais fases, actividades e produtos

Processo de AIA. Principais fases, actividades e produtos Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre Processo de AIA. Principais fases, actividades e produtos IMPACTES AMBIENTAIS 4 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário

Leia mais

Trabalhos de Compilação, Revisão e Procedimentos Previamente Acordados pelos Auditores

Trabalhos de Compilação, Revisão e Procedimentos Previamente Acordados pelos Auditores Trabalhos de Compilação, Revisão e Procedimentos Previamente Acordados pelos Auditores Asseguração e Serviços Correlatos para Reporte de Empresas de Pequeno/Médio Portes Papel do Profissional Contábil

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

Melhores Práticas de Governança Corporativa

Melhores Práticas de Governança Corporativa Melhores Práticas de Governança Corporativa 27.11.2014 Melhores Práticas de Governança Corporativa A. Propriedade B. Conselho de Administração C. Gestão D. Auditoria Independente E. Conselho Fiscal F.

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A.

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A. RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 435, DE 2016

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 435, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 435, DE 2016 Altera o art. 7º da Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013, para exigir a certificação de gestor de sistema de integridade como condição para atenuar sanções administrativas.

Leia mais

Novo relatório do auditor independente

Novo relatório do auditor independente Novo relatório do auditor independente Agenda Visão Geral Principais Alterações Entidades Que Devem Divulgar as PAAs Principal Assunto de Auditoria (PAA) Quem é Afetado com as Alterações? Ações Necessárias

Leia mais

POLÍTICA DE SELECÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL E DE SUPERVISÃO E DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL S.A.

POLÍTICA DE SELECÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL E DE SUPERVISÃO E DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL S.A. POLÍTICA DE SELECÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL E DE SUPERVISÃO E DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL S.A. Aprovado em 27 de Julho de 2017 1. Enquadramento A EDP Energias

Leia mais

Novo relatório do auditor independente Setembro de 2016

Novo relatório do auditor independente Setembro de 2016 Novo relatório do auditor independente Setembro de 2016 Agenda Visão geral Principais alterações Principais Assuntos de Auditoria (PAAs) Quem é afetado com as alterações? Exemplo de relatório Perguntas

Leia mais

Governança para redução de riscos de distorções relevantes. 14 e 15 de setembro de 2015 Renaissance São Paulo Hotel, Alameda Santos, 2233 São Paulo

Governança para redução de riscos de distorções relevantes. 14 e 15 de setembro de 2015 Renaissance São Paulo Hotel, Alameda Santos, 2233 São Paulo Governança para redução de riscos de distorções relevantes 14 e 15 de setembro de 2015 Renaissance São Paulo Hotel, Alameda Santos, 2233 São Paulo ESTRUTURA CORPORATIVA - SEGUNDO IBGC GOVERNANÇA GESTÃO

Leia mais

Corporativa e Compliance

Corporativa e Compliance Lei 13.303 Lei 13.303 - Aspectos de Governança Corporativa e Compliance Aspectos de Governança 25a CONVECON Corporativa e Eliete Martins Compliance Sócia- Diretora Governança Corporativa - KPMG 25a CONVECON

Leia mais

ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS

ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS Green Business Week Lisboa, 15-17 março 2017 Paula Pinho Head of Unit Energy Policy Coordination European Commission DG ENERGY OPORTUNIDADE O SISTEMA ENERGÉTICO DO

Leia mais

DIA 22 OUTUBRO ÉTICA E RESPONSABILIDADE

DIA 22 OUTUBRO ÉTICA E RESPONSABILIDADE X CONGRESSO DOS ROC DIA 22 OUTUBRO ÉTICA E RESPONSABILIDADE VISÃO EXTERNA DA PROFISSÃO: CRÍTICAS E CONTRIBUTOS Num momento em que ainda vivemos sob os efeitos de uma crise mundial em cuja origem está uma

Leia mais

O Valor da Auditoria Interna

O Valor da Auditoria Interna O Valor da Auditoria Interna O Valor da Auditoria Interna ISCAC, 27 de Junho 2009 Domingos M. Sequeira de Almeida, CIA, CCSA 1 Índice 1. O Valor da Auditoria Interna 2. A Nova definição de Auditoria Interna

Leia mais

Ética, Governança e Compliance. Marcelo Coimbra

Ética, Governança e Compliance. Marcelo Coimbra Ética, Governança e Compliance Marcelo Coimbra Ética Empresarial A ética empresarial é o conjunto de valores que regem uma empresa e formam uma filosofia organizacional. Essa filosofia possui princípios

Leia mais

Introdução ao Audit Committee Institute em Portugal

Introdução ao Audit Committee Institute em Portugal Agenda Introdução ao Audit Committee Institute em Portugal Sikander Sattar, Senior Partner da KPMG Portugal Apresentação dos resultados do estudo 2010 International Audit Committee Member Survey e demonstração

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde, Dr. Manuel Teixeira,

Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde, Dr. Manuel Teixeira, Ciclo de Conferências Saber Investir Saber Inovar 2015 Adicionar Valor ao Sistema de Saúde em Portugal 2 de Junho - CCB Intervenção do Presidente da APIFARMA Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde,

Leia mais

Comunicação com o mercado, o IFRS e a regulação. IFRS Board Class 1

Comunicação com o mercado, o IFRS e a regulação. IFRS Board Class 1 Comunicação com o mercado, o IFRS e a regulação IFRS Board Class 1 Comunicação com o mercado Empresa Investidores e analistas Relatório da administração Medições não contábeis Info trimestral Demonstrações

Leia mais

M A R MODELO DE AVALIAÇÃO DE RISCOS

M A R MODELO DE AVALIAÇÃO DE RISCOS M A R MODELO DE AVALIAÇÃO DE RISCOS ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR ACORDO DE CAPITAL DE BASILEIA - PILAR 2 PRINCÍPIOS DESTINADOS A REFORÇAR A LIGAÇÃO ENTRE O CAPITAL INTERNO DETIDO POR UMA INSTITUIÇÃO E OS

Leia mais

As Boas Práticas no Sector Financeiro e Corporate Governance. - Lisboa, Avenida da Liberdade, 196

As Boas Práticas no Sector Financeiro e Corporate Governance.  - Lisboa, Avenida da Liberdade, 196 As Boas Práticas no Sector Financeiro e Corporate Governance www.cgov.pt - Lisboa, Avenida da Liberdade, 196 contacto@cgov.pt 2 Índice Crise financeira e Governance As especificidades do sector financeiro

Leia mais

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

GOVERNANÇA COMO EIXO CENTRAL DA CREDIBILIDADE

GOVERNANÇA COMO EIXO CENTRAL DA CREDIBILIDADE GOVERNANÇA COMO EIXO CENTRAL DA CREDIBILIDADE Prof. José Paschoal Rossetti 5 Outubro 2017 OS CUSTOS DE INADEQUAÇÕES Uma listagem não exaustiva de desconsiderações por boas práticas (I) Desvios em relação

Leia mais

A) Direitos dos acionistas

A) Direitos dos acionistas Empresa: Analista: A) Direitos dos acionistas A1 Existem potenciais restrições ao princípio Uma ação, um voto, um dividendo? Se, através de que mecanismos? Ações sem direito a voto Múltiplos direitos de

Leia mais

A Prevenção à Lavagem de Dinheiro e a Governança. Carlos Donizeti Macedo Maia Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários

A Prevenção à Lavagem de Dinheiro e a Governança. Carlos Donizeti Macedo Maia Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários A Prevenção à Lavagem de Dinheiro e a Governança Carlos Donizeti Macedo Maia Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários 1 Compliance e PLD As instituições financeiras (Ifs) são obrigadas,

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 19

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 19 Recomendação Técnica n.º 19 Agosto de1996 A Utilização do Trabalho de Outros Revisores/Auditores e de Técnicos ou Peritos Índice Parágrafo Introdução 1-4 Justificação 5-7 Objectivo 8 Recomendações 9-28

Leia mais

Gestão das Relações de Subcontratação Caso prático da CIMPOR - Indústria de Cimentos, S.A. Cristina Bispo 18/11/2010 1

Gestão das Relações de Subcontratação Caso prático da CIMPOR - Indústria de Cimentos, S.A. Cristina Bispo 18/11/2010 1 Gestão das Relações de Subcontratação Caso prático da CIMPOR - Indústria de Cimentos, S.A. Cristina Bispo 18/11/2010 1 TÓPICOS APRESENTAÇÃO DA CIMPOR INDÚSTRIA COMPROMISSO COM A SEGURANÇA RECOMENDAÇÕES

Leia mais

Reflexões sobre governança, riscos e controles internos na administração pública

Reflexões sobre governança, riscos e controles internos na administração pública Reflexões sobre governança, riscos e controles internos na administração pública Referencial estratégico da CGU Disseminar as doutrinas de governança, controle, integridade e gestão de riscos e fortalecer

Leia mais

Asseguração de Basiléia e Auditoria com Foco em Riscos ABBC JUN 10

Asseguração de Basiléia e Auditoria com Foco em Riscos ABBC JUN 10 Asseguração de Basiléia e Auditoria com Foco em Riscos ABBC JUN 10 AGENDA Objetivo da Auditoria Interna Tendências em Auditoria Interna O papel da AI no processo de asseguração Principais Desafios Auditoria

Leia mais

Modeloo de Estatuto do Comitê de Auditoria

Modeloo de Estatuto do Comitê de Auditoria Modeloo de Estatuto do Comitê de Auditoria PROPÓSITO Auxiliar o conselho de administração a cumprir com suas responsabilidades de supervisão do processo de reporte financeiro, do sistema de controle interno,

Leia mais

Conferência sobre Corporate Governance Lisboa 2017

Conferência sobre Corporate Governance Lisboa 2017 INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS FINANÇAS, MÁRIO CENTENO Conferência sobre Corporate Governance Lisboa 2017 COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 20 DE JUNHO DE 2017, CENTRO CULTURAL DE BELÉM Senhora Presidente

Leia mais

O Papel das Entidades Conexas aos Organismos de Investimento Colectivo. Mediateca de Luanda

O Papel das Entidades Conexas aos Organismos de Investimento Colectivo. Mediateca de Luanda O Papel das Entidades Conexas aos Organismos de Investimento Colectivo Mediateca de Luanda 4 de Agosto de 2016 Sumário I. Papel das Entidades Conexas Sociedade gestora; Depositário; Comercializadora; Auditor;

Leia mais

VI - Política de Conflitos de Interesses

VI - Política de Conflitos de Interesses VI - Política de Conflitos de Interesses Nos termos e para os efeitos do disposto no Artigo 309.º-A e seguintes do Código dos Valores Mobiliários, descreve-se, em seguida, a politica de conflitos de interesses

Leia mais

A implementação do Compliance na Empresa. Luciana Carvalho de Souza Agosto de 2017

A implementação do Compliance na Empresa. Luciana Carvalho de Souza Agosto de 2017 A implementação do na Empresa Luciana Carvalho de Souza ANEFAC/RJ Agosto de 2017 Agenda Papel de compliance Foco de atuação Exemplos de programas e o que considerar na implementação Benefícios/impactos

Leia mais

Norma 2110 Governança

Norma 2110 Governança Norma 2110 Governança A atividade de auditoria interna deve avaliar e propor recomendações apropriadas para a melhoria do processo de governança no seu cumprimento dos seguintes objetivos: Promover a ética

Leia mais

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA Sucursal do Luxemburgo

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA Sucursal do Luxemburgo CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA Sucursal do Luxemburgo Declaração sobre Prevenção do Branqueamento de Capitais e do Financiamento do Terrorismo 1. Informação Institucional Nome: Caixa Geral de Depósitos,

Leia mais

Unidade I NORMAS PROFISSIONAIS. Prof. Geraldo Carlos

Unidade I NORMAS PROFISSIONAIS. Prof. Geraldo Carlos Unidade I NORMAS PROFISSIONAIS DE AUDITORIA Prof. Geraldo Carlos Introdução Contabilidade Ciência que estuda e controla o patrimônio das entidades, nos seus atos e fatos quantitativos e qualitativos Auditoria

Leia mais

Valid Soluções e Serviços de Segurança em Meios de Pagamento e Identificação S.A.

Valid Soluções e Serviços de Segurança em Meios de Pagamento e Identificação S.A. Valid Soluções e Serviços de Segurança em Meios de Pagamento e Identificação S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2016 e Relatório

Leia mais

Caixa de Assistência dos Empregados. do Banco do Estado do Rio Grande do Sul - Cabergs POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

Caixa de Assistência dos Empregados. do Banco do Estado do Rio Grande do Sul - Cabergs POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Caixa de Assistência dos Empregados do Banco do Estado do Rio Grande do Sul - Cabergs POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Apresentação A Governança Corporativa é um conjunto eficiente de mecanismos, tanto

Leia mais

Principios Para Los Sistemas Públicos De Garantía Del Crédito Para Pymes

Principios Para Los Sistemas Públicos De Garantía Del Crédito Para Pymes Principios Para Los Sistemas Públicos De Garantía Del Crédito Para Pymes Dimensão Chave Monitorização e avaliação Princípios 14, 15 e 16 Pedro Seabra Presidente da Comissão Executiva Garval SGM Sistema

Leia mais

Inspeção-Geral das Atividades em Saúde. Mª do Rosário Raposo

Inspeção-Geral das Atividades em Saúde. Mª do Rosário Raposo Inspeção-Geral das Atividades em Saúde Mª do Rosário Raposo Lisboa, 28 de maio de 2015 Controle Interno, Auditoria Interna e Sustentabilidade do Sistema Nacional de Saúde Despesa corrente em cuidados de

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA DO CFC AUDITORIA CONTÁBIL Profª. Camila Gomes

EXAME DE SUFICIÊNCIA DO CFC AUDITORIA CONTÁBIL Profª. Camila Gomes EXAME DE SUFICIÊNCIA DO CFC 2014 AUDITORIA CONTÁBIL Profª. Camila Gomes Edital AUDITORIA CONTÁBIL a) Conceito e aplicação da Auditoria Contábil: Conceitos. Objetivo e finalidade da auditoria. Tipos de

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo. Apresentação do Projecto

Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo. Apresentação do Projecto Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo Apresentação do Projecto Teresa Pinto-Correia e José da Veiga ICAAM Universidade de Évora e Direcção Regional

Leia mais

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 2016. DT-P 16-007. CONTÉM: PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES

Leia mais

Auditoria ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados

Auditoria ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados Auditoria ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização Auditoria promovida pela EDP Distribuição nos termos estabelecidos no Regulamento de Relações Comerciais 2010 Enquadramento As regras e os procedimentos

Leia mais

e respectivo Sistema

e respectivo Sistema BCN Banco Caboverdiano de Negócios, S. A. Implementação de uma Política de Risco Ambiental & Social e respectivo Sistema de Gestão POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO BCN 27 de Junho de 2013 1 Política de

Leia mais

Troféu Transparência Comunicação Visual

Troféu Transparência Comunicação Visual Troféu Transparência 2015 Comunicação Visual INTRODUÇÃO Melhores Práticas da Auditoria Interna com foco em Riscos. Teoria Fomentar a discussão sobre o atual papel das atividades de Auditoria Interna; Prática

Leia mais

Abordagem ao Sistema de Controlo Interno. Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016

Abordagem ao Sistema de Controlo Interno. Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Abordagem ao Sistema de Controlo Interno Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Agenda 1. Enquadramento 2. Controlo Interno 3. Gestão de Riscos 4. Sistema de Gestão de Riscos e Controlo Interno 2 1. Enquadramento

Leia mais

BM EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES SPE S.A. Relatório do auditor independente. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2016 e de 2015

BM EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES SPE S.A. Relatório do auditor independente. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2016 e de 2015 BM EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES SPE S.A. Relatório do auditor independente Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2016 e de 2015 WNJ/EL/LCSM 0881/17 BM EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES SPE S.A.

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PRIORIDADES PARA PORTUGAL João Bernardo, DGEG Workshop QUERCUS: Eficiência Energética Desafios e Oportunidades para Portugal 6/março/2015 Principais normativos de orientação

Leia mais

MITOS DO FATCA PORQUÊ UMA SOLUÇÃO DE MERCADO VS DESENVOLVIMENTO INTERNO?

MITOS DO FATCA PORQUÊ UMA SOLUÇÃO DE MERCADO VS DESENVOLVIMENTO INTERNO? MITOS DO FATCA PORQUÊ UMA SOLUÇÃO DE MERCADO VS DESENVOLVIMENTO INTERNO? Mitos sobre o FATCA Mito 1: O FATCA resume-se a uma questão de KYC Apesar do desafio do FATCA começar pela validação dos dados dos

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL EXERCÍCIO 2015 A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados, Aposentados e Pensionistas da Companhia Estadual de Energia Elétrica e

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Auditoria_00.indd 27 15/02/ :21:30

Sumário. Capítulo 2. Auditoria_00.indd 27 15/02/ :21:30 Sumário Capítulo 1 Origem, Conceitos, Trabalhos de Asseguração e Tipos de Auditoria... 1 1.1. Introdução...1 1.2. Conceito de Auditoria...2 1.3. Evolução da Auditoria...3 1.4. NBC TA Estrutura Conceitual...4

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 2 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL EXERCÍCIO 2016 A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados, Aposentados e Pensionistas da Companhia Estadual de Energia Elétrica e

Leia mais

MANUAL DE COMPLIANCE ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA. Brasil Portugal - Angola

MANUAL DE COMPLIANCE ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA. Brasil Portugal - Angola MANUAL DE COMPLIANCE DA ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA. JUNHO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AMPLITUDE... 3 3. COMPLIANCE... 3 4. ESTRUTURA DE COMPLIANCE DA GESTORA... 5 5. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010 AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR Instituto de Seguros de Portugal 18 de Novembro de 2010 1 ÍNDICE 1. O INTERESSE DO CONSUMIDOR NA ACTUAÇÃO DO ISP 2. INICIATIVAS

Leia mais

Introdução. A questão do meio ambiente nas organizações 23/06/2017 HISTÓRICO. Apresentação da relação das organizações com a questão ambiental;

Introdução. A questão do meio ambiente nas organizações 23/06/2017 HISTÓRICO. Apresentação da relação das organizações com a questão ambiental; Introdução A questão do meio ambiente nas organizações. Apresentação da relação das organizações com a questão ambiental; Apresentação de algumas ferramentas para implantação da gestão ambiental pela empresa.

Leia mais

Assembleia do IPAI. Lisboa, 31 de Janeiro de Avaliação da Qualidade da Auditoria Interna. Domingos M. Sequeira de Almeida, CIA, CCSA

Assembleia do IPAI. Lisboa, 31 de Janeiro de Avaliação da Qualidade da Auditoria Interna. Domingos M. Sequeira de Almeida, CIA, CCSA Assembleia do IPAI Lisboa, 31 de Janeiro de 2007 Domingos M. Sequeira de Almeida, CIA, CCSA Lisboa, 31 de Janeiro de 2007 1 O Valor da Auditoria Interna Avaliar Determinar a valia ou valor de; apreciar

Leia mais

guia do Conselho fiscal da CPfL energia

guia do Conselho fiscal da CPfL energia guia do Conselho fiscal da CPfL energia 1 Sumário I Objetivo 3 II Atividades e Responsabilidades 4 a. Principais atividades e responsabilidades do Conselho Fiscal no papel de Comitê de Auditoria 4 b. Relacionamento

Leia mais

1. A CMVM O QUE É A CMVM?

1. A CMVM O QUE É A CMVM? 1.. A CMVM 1. A CMVM O QUE É A CMVM? A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - também conhecida pelas iniciais CMVM - foi criada em Abril de 1991 com a missão de supervisionar e regular os mercados

Leia mais

O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais

O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais ENIC, SALVADOR Setembro, 2015 kpmg.com.br 2014 KPMG Structured Finance S. A., uma sociedade anônima brasileira

Leia mais

Regulação do mercado dos serviços postais

Regulação do mercado dos serviços postais Regulação do mercado dos serviços postais PROJEP / DIREITO DAS COMUNICAÇÕES Lisboa Agostinho Franco 24 setembro 2013 Liberalização do sector postal: desafios regulatórios Regulação dos preços do SU Regulação

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO COMPETÊNCIA DEZEMBRO/2015

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO COMPETÊNCIA DEZEMBRO/2015 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO COMPETÊNCIA DEZEMBRO/2015 Existe o risco que você não pode jamais correr, e existe o risco que você não pode deixar de correr. Peter Drucker I. INTRODUÇÃO

Leia mais